Astrofísica Extragaláctica! Aula #5" Karín Menéndez-Delmestre" Observatório do Valongo!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Astrofísica Extragaláctica! Aula #5" Karín Menéndez-Delmestre" Observatório do Valongo!"

Transcrição

1 Astrofísica Extragaláctica Aula #5" Karín Menéndez-Delmestre" Observatório do Valongo

2 Diferençasnaspropriedadesusicasgeraisentre: Galáxiasde6potardio Razãobojo/discobaixa Cor:azul Formaçãoestelara6va Bastantegás,poeira Populaçãoestelar: misturadenova+velha regiõeshii: maiorquan6dade,maior tamanhoemaior luminosidadenasde6po tardiocomparadoaquelasem galáxiasde6poanterior Galáxiasde6poanterior Razãobojo/discomaior bojoproeminente Passivas(SFRbaixo) Cor:vermelho Poucogás,poeira Populaçãoestelar: misturadenova+velha

3 Tópicos(ParteI) 1. Revisão:FormaçãoeEvoluçãoEstelar 2. IntroduçãoaExtragalác6ca 3. PropriedadesGeraisdasGaláxias 3.1.Morfologiadasgaláxias SistemasdeClassificação PropriedadesAstrousicasdosTiposdeGaláxias Correlaçõesusicas(naescalaabsoluta) Propriedadesemfunçãodoambiente 3.2.PopulaçõesEstelares 3.3.FunçãodeLuminosidade 4. PropriedadesGeraisdasGaláxiasElíp6cas 5. PropriedadesGeraisdasGaláxiasEspirais

4 Distribuiçãode6posmorfológicos Oemler+74:estudode15aglomeradosricosemgaláxias Classificaçãodeaglomeradossegundo: 1 PorcentagemdegaláxiasS/S0/E 2 PresençadeumagaláxiacD 3 Segregaçãoespacialde6posdegaláxias Oemler

5 Distribuiçãode6posmorfológicos Efeito`Butcher`Oemler campo Oquémostraeste gráfico? fração'azul = fraçãodegaláxias luminosasazuis associadacom aglomerados densos Butcher&Oemler(1978)ApJ219,18

6 Distribuiçãode6posmorfológicos Efeito`Butcher`Oemler Resultadodeumestudo de>30aglomeradosem 0.003<z<0.54: ` excessodegaláxias azuisemrelaçãoà populaçãoépicade aglomeradosno universopróximo Em 1978, Butcher & Oemler observaram dois aglomerados distantes (3C 2 a z =0.39) e encontraram um excesso de galáxias azuis em relação àpopul próximos. Em 1984, estes mesmos autores estudam mais 33 aglomerados ent firmam o excesso de galáxias azuis (este excesso émedidoemrelação àsequên Este efeito ficou conhecido como efeito Butcher Oemler. Afigura124 ilustranovadeterminaçãodoefeito, o efeito Butcher Oemler assim como um trabalho mais Carvalho (2000) comumanovadeterminação deste efeito, baseado em fotomet do catálogo de Abell. f B f B no campo Butcher & Oemler (1984) Ajuste de Butcher & Oemler (1984) Margoniner & de Carvalho (2000) Ajuste de Margoniner & de Carvalho (2000) z Figur azuis traço lho o ler (1 traba ner & espess fração Éimportantelevarmosemcontaondenoaglomeradoafração de galáxia 125 mostra esta dependência para 5 aglomerados. Notamos que a fração de g adistância ao centro do aglomerado baseadoemfotometriaccdde44 aglomeradosdocatálogodeabell. Afraçãoazulassociadacomaglomeradosdensosaumenta significa6vamentecomredshiö Háumaevoluçãodasgaláxiasemaglomeradosnumpassado rela6vamentepróximo

7 Perda de gás por pressão de arraste Distribuiçãode6posmorfológicos Afraçãoazul Butcher & Oemler (1984) Ajuste de Butcher & Oemler (1984) Margoniner & de Carvalho (2000) Ajuste de Margoniner & de Carvalho (2000) z Éimportanteconsiderarondenoaglomeradoafraçãodegaláxias azuisémedida. ler (198 trabalh ner & d espesso fração d Éimportantelevarmosemcontaondenoaglomeradoafração de galáxias 125 mostra esta dependência para 5 aglomerados. Notamos que a fração de ga adistância ao centro do aglomerado. Dependênciadafração degaláxiasazuiscoma distânciaaocentrodo aglomerado <f B > <f B > afraçãodegaláxiasazuis aumentacomadistância aocentrodo aglomerado aglomerados com 0.16 < z < R (Mpc) Distância do centro (Mpc) Figu fraç dist rado lho, OefeitoB-Omostraqueháumaevolução das galáxias em aglomerados em u Margoniner&deCarvalho,2000 próximo, ao contrário do que se constata dos próprios aglomerados, que aprese suas propriedades (por exemplo, temperatura e metalicidade do gás intra-aglom

8 Distribuiçãode6posmorfológicos Oquémostraeste gráfico? Frac6onofpopula6on Afraçãode espiraisdiminui amedidaquea densidadelocal aumenta;a fraçãodes0se Esaumenta. log(densidadeprojetadanocéu,mpc`2 ) Dressler+80

9 Distribuiçãode6posmorfológicos Relaçãoraio`morfologia`densidade Dressler Dresslerestudou55aglomeradosricose 15regiõesde campo (>6000galáxias): ` afraçãodegaláxiasdeumdado6po morfológicoestáfortemente correlacionadacomadensidade superficiallocal(mpc`2 )emqueas galáxiasseencontram Estarelaçãopodeserlidacomo... onúmerodeespiraisdiminuiem direçãoaocentrodos aglomerados,enquantoodas elíp6casaumenta Dressler+80

10 Distribuiçãode6posmorfológicos Relaçãoraio`morfologia`densidade Dressler Considerandoaglomerados irregulares(menosricose estruturados),dressler determinouqueacorrelação comraionãoétãoforte oefeitofundamentaléa densidadelocal

11 Distribuiçãode6posmorfológicos FunçãodeLuminosidade(FL) Função de luminosidade de galáxias separadas por tipo em função do ambiente Asdiferenças emlfsde ambientes diferentessão principalmente devidoàs proporções diferentesde 6posdegaláxia (S/Irr/S0/E)

12 Segregaçãomorfológicadegaláxiasem aglomerados JuntandootrabalhodeOemler+74earelaçãomorfologia` densidade(dressler+97): Aspropriedadesdasgaláxiasdependemtantodaestruturado aglomeradocomodaposiçãodagaláxianoaglomerado(devidoà dependêncianadensidade). Aglomeradosricoseregulares: possuemumafraçãodeelíp6caselen6culareselevada afraçãodeeses0saumentaemdireçãoaocentro Aglomeradospobrese/ouirregulares: apresentamumafraçãoelevadadeespirais pouco/nenhumgradienteradialdepopulação

13 Naturevs.Nurture odilema Nature Galáxiasdedis6ntos6posnascememambientesdiferentes: elassãointrínsicamentediferentesdesdeocomeço(i.e.,por# natureza) Galáxiasde6poanteriornascememaglomerados Nurture Ambientesdensostransformamespiraiseirregularesem galáxiase/s0viainteraçõeseremoçãodegás. perdadogáspeloefeitodepressãodearraste(ram3 pressure,#eminglês). Resultanadiminuiçãodaa6vidadedeformação estelarnestasgaláxias

14 Distribuiçãode6posmorfológicos EvoluçãodaRelaçãoMorfologia`Densidade ConsiderandoaabundânciadeS0semaglomeradospróximos transformaçãoss0emaglomeradosdensos z~0 z~0.5 Dressleretal(1997)ApJ490,577

15 Gásemgaláxiasdeaglomerados HI(gásatómico)noaglomeradoComa Efeitos do Aglomerado nas galáxias e vice-versa Deformações da emissão do HI Declinação (B1950) 29 00' 28 30' 28 00' K IC K ' 13 h 00 m 12 h 58 m 12 h 56 m Ascensão reta (B1950) Nurture? perdadogáspeloefeitode pressãodearraste Figura 126: Efeito da pressão de arraste em Coma. Os contornos espessos representam a emissão em raios- X, os contornos finos representam a emissão do Hi, superpostas às imagens ópticas (níveis E/S0 de cinza) das galáxias (ampliadas por um fator 7). Cada objeto tem sua identificação e velocidade de recessão (em km/s). A cruz central corresponde àelíptica gigante NGC Figura tirada de Bravo-Alfaro et al. (2000). transformagaláxiass/irrem diminuiçãodesfr Bravo`Alfaroetal.(2000). da pressão de arraste. Este efeito também pode ser observado em emissões rádio com morfologia head-tail em galáxias ativas em aglomerados (veja Fig. 101). Apressão de arraste pode ser um mecanismo importante para o enriquecimento em metais do meio intra-aglomerado, como foi discutido inicialmente por Gunn & Gott (1972). Estes autores compararam a pressão de arraste dada por:

16 Gásemgaláxiasdeaglomerados AtlasdeHαemVirgo HI(gásatómico)noaglomeradoComa Efeitos do Aglomerado nas galáxias e vice-versa Deformações da emissão do HI 29 00' K Declinação (B1950) 28 30' 28 00' IC Figura 126: Efeito da pressão de arraste em Coma. Os contornos espessos representam a emissão em raios- X, os contornos finos representam a emissão do Hi, superpostas às imagens ópticas (níveis de cinza) das galáxias (ampliadas por um fator 7). Cada objeto tem sua identificação e velocidade de recessão (em km/s). A cruz central corresponde à elíptica gigante NGC Figura tirada de Bravo-Alfaro et al. (2000). K ' 13 h 00 m 12 h 58 m 12 h 56 m Ascensão reta (B1950) Bravo`Alfaroetal.(2000). da pressão de arraste. Este efeito também pode ser observado em emissões rádio com morfologia head-tail em galáxias ativas em aglomerados (veja Fig. 101). Apressão de arraste pode ser um mecanismo importante para o enriquecimento em metais do meio intra-aglomerado, como foi discutido inicialmente por Gunn & Gott (1972). Estes autores compararam a pressão de arraste dada por:

17 Tópicos(ParteI) 1. Revisão:FormaçãoeEvoluçãoEstelar 2. IntroduçãoaExtragalác6ca 3. PropriedadesGeraisdasGaláxias 3.1.Morfologiadasgaláxias SistemasdeClassificação PropriedadesAstrousicasdosTiposdeGaláxias Correlaçõesusicas: Propriedadesemfunçãodoambiente 3.2.PopulaçõesEstelares 3.3.FunçãodeLuminosidade 4. PropriedadesGeraisdasGaláxiasElíp6cas 5. PropriedadesGeraisdasGaláxiasEspirais

18 Tópicos(ParteI) 1. Revisão:FormaçãoeEvoluçãoEstelar 2. IntroduçãoaExtragalác6ca 3. PropriedadesGeraisdasGaláxias 3.2.PopulaçõesEstelares Espectrosestelares síntesedepopulaçõesestelares DistribuiçãoBi`modaldecor 3.3.FunçãodeLuminosidade 4. PropriedadesGeraisdasGaláxiasElíp6cas 5. PropriedadesGeraisdasGaláxiasEspirais

19 Espectrosintegradosdegaláxias Oespectrointegradodeuma galáxiaresultadasomadas emissõesindividuaisdas estrelasedaabsorcãodo meiointer`estelar. Pickles (1998). Sunday, January 23, 2011

20 Espectrosintegradosdegaláxias Classificação espectral Oespectrointegradodeuma galáxiaresultadasomadas emissõesindividuaisdas estrelasedaabsorcãodo meiointer`estelar. Seconhecemosadistribuição deestrelasemfunçãodo 6poespectralemuma galáxia,podemosdeduzirseu espectrointegradoistoé chamadosíntesede populaçãoestelar fluxo ( ) / fluxo (5556 Å) M5V K5V G5V F5V A5V A0V B8V V Pickles 6500 (1998) (Å) Figura 231: Espectro de estrelas da sequência principal do catálogo de Pickles (1998).

21 Populaçãoestelar Definiçãodeumapopulaçãoestelarsimples grupodeestrelascomumaidadeecomposiçãoespecífica (e.g.,aglomeradosestelares) Umagaláxiaestácompostadeváriaspopulaçõesestelares uma síntesedepopulaçõessimples (SSPeminglês:simple#synthesis#popula?on) nãotemosacessoascoresdasestrelasindividuais CriamosmodelosSSPparaestudarsistemascomplexos (e.g.,regiõesestelares,galáxias) Oajusteentreasomadosespectrosquecompõeomodeloeo espectroobservadonospermiteestabelecer,aprincípio,a composiçãoeohistóricodeformaçãoestelardagaláxia. SFH#=#star#forma?on#history

22 IngredientesdemodelosSSP IngredientesbásicosparaaconstruçãodemodelosSSP: 2 Bibliotecaestelar M5V coleçãodeespectros individuaisdasestrelasnuma populaçãoestelarsimples (metalicidade,idade) Espectrosteóricos(Teff, g,z)ouempíricos (comsuasadvantagense desavantagensrespec6vas) Exemplo: Picklesstellarlibrary Classificação espectral fluxo ( ) / fluxo (5556 Å) K5V G5V (Å) F5V A5V A0V B8V 05V Figura 231: Espectro de estrelas da sequência principal do catálogo de Pickles (1998). sistema também se baseia na comparação do espectro integrado das galáxias no intervalo λ3850 λ4100, com o espectro de estrelas (tabela 19).

23 IngredientesdemodelosSSP IngredientesbásicosparaaconstruçãodemodelosSSP: Bibliotecaestelar Isocrônas Curva#de# mesma #idade# Curvasisocrônas=curva queenlaçaacoleçãode posiçõesnodiagramahr deumgrupodeestrelas (mesmaidadee composição) Cadapopulaçãosimplesé representadaporuma isocrôna

24 consider the logarithmic mass function: IngredientesdemodelosSSP b(m) dlogφ IngredientesbásicosparaaconstruçãodemodelosSSP: dlogm = b 1 Measuring Bibliotecaestelar the IMF: Isocrônas some (relatively local) volume. FunçãoinicialdeMassa(IMF) 3. Use the relation between stellar mass and stellar lifetime to convert the luminosity function to a mass function. observaçõesdos aglomerados estelaresgalác6cos The intrinsic function φ indicamqueφ(m)é 0 is then: t φ 0 = dadapor: Salpeter (1955): #(M) ~ M α=2.35 ξ(m) =ln(10)mφ(m). Likewise, one can define the logarithmic slopes of the IMF: β(m) dlogξ Scalo (1986): #(M) ~ M M > 10 M τ MS dlogm 1. Measure the apparent magnitudes of all stars down to some luminosity limit in 2. Convert to absolute magnitudes and derive a luminosity function for the stars. Note that distance errors and dust extinction can make this step uncertain. 4. Correct the mass function for any processes that may have changed the true mass function. These include (but are likely not restricted to): stellar deaths, depending on the age of the population; ongoing star formation; dynamical processes (e.g., some stars getting ejected from clusters); unresolved binaries. for τ MS < t φ 0 = φ(m) forτ MS > t M M < M < 10 M anãsmarrões (<0.08M solar ) φ(m) = o número de estrelas de massa M que nascem M quando 0.2 M há < formação M < 1 M estelar: dn estrelas = φ(m) dm; Chabrier (2003): $(M) ~ M M > 1 M (Salpeter) Tendênciageral: φ(m)'~'m 2α '' Sunday, January 30, 2011 exp{-[log (M/0.2 M )] 2 /0.6} M < 1 M Simpson+08:arXiv:

25 consider the logarithmic mass function: IngredientesdemodelosSSP b(m) dlogφ β(m) IngredientesbásicosparaaconstruçãodemodelosSSP: dlogξ dlogm = b 1 Measuring Bibliotecaestelar the IMF: Isocrônas some (relatively local) volume. FunçãoinicialdeMassa(IMF) 3. Use the relation between stellar mass and stellar lifetime to convert the lumi- observaçõesdos nosity function to a mass function. aglomerados estelaresgalác6cos The intrinsic function φ indicamqueφ(m)é 0 is then: t φ 0 = φ(m) dadapor: Salpeter (1955): #(M) ~ M α=2.35 ξ(m) =ln(10)mφ(m). Likewise, one can define the logarithmic slopes of the IMF: b(m) dlogφ dlogm β(m) dlogξ 1. Measure the apparent magnitudes of all stars down to some luminosity limit in 2. Convert to absolute magnitudes and derive a luminosity function for the stars. Note that distance errors and dust extinction can make this step uncertain. 4. Correct the mass function for any processes that may have changed the true mass function. These include (but are likely not restricted to): stellar deaths, depending on the age of the population; ongoing star formation; dynamical processes (e.g., some stars getting ejected from clusters); unresolved binaries. τ MS for τ MS < t φ 0 = φ(m) forτ MS > t Scalo (1986): #(M) ~ M M > 10 M M M < M < 10 M M M < M < 1 M Chabrier (2003): $(M) ~ M M > 1 M (Salpeter) exp{-[log (M/0.2 M )] 2 /0.6} M < 1 M Tendênciageral: φ(m)'~'m 2α '' Sunday, January 30, 2011 van Dokkum & Conroy 2010 Sunday, January 30, 2011

26 consider the logarithmic mass function: IngredientesdemodelosSSP b(m) dlogφ β(m) IngredientesbásicosparaaconstruçãodemodelosSSP: dlogξ dlogm = b 1 Measuring Bibliotecaestelar the IMF: Isocrônas some (relatively local) volume. FunçãoinicialdeMassa(IMF) 3. Use the relation between stellar mass and stellar lifetime to convert the lumi- observaçõesdos nosity function to a mass function. aglomerados estelaresgalác6cos The intrinsic function φ indicamqueφ(m)é 0 is then: t φ 0 = φ(m) dadapor: Salpeter (1955): #(M) ~ M ξ(m) =ln(10)mφ(m). Likewise, one can define the logarithmic slopes of the IMF: b(m) dlogφ dlogm β(m) dlogξ 1. Measure the apparent magnitudes of all stars down to some luminosity limit in 2. Convert to absolute magnitudes and derive a luminosity function for the stars. Note that distance errors and dust extinction can make this step uncertain. 4. Correct the mass function for any processes that may have changed the true mass function. These include (but are likely not restricted to): stellar deaths, depending on the age of the population; ongoing star formation; dynamical processes (e.g., some stars getting ejected from clusters); unresolved binaries. τ MS for τ MS < t φ 0 = φ(m) forτ MS > t Scalo (1986): #(M) ~ M M > 10 M M M < M < 10 M M M < M < 1 M Chabrier (2003): $(M) ~ M M > 1 M (Salpeter) exp{-[log (M/0.2 M )] 2 /0.6} M < 1 M hjp://www.astro.livjm.ac.uk/~ikb/research/imf`use`in`cosmology.html Sunday, January 30, 2011

27 ModelosSSP ConstruçãodeummodeloSSP:Somadosespectrosestelares correspondendoaospontosdeumaisócronacompesovariável, segundoditadopelaimf. Espectrosindividuales isocróna IMF SalpeterIMF

28 ModelosSSP:empíricosvs.evolu6vos 26posdemodelos: Modelos#empíricos#=usamespectrosreaisdeestrelasindividuais Starlight (Fernandes+05) Modelos#evolu?vos#=partemdecondiçõesiniciaiseusam modelosparadescreveraevoluçãodapopulaçãoestelar

29 Taxa de formação estelar (SFR, star formation ratio), Ψ convertida em estrelas em função do tempo. A Fig. 17 função; Evoluçãodapopulaçãoestelar Aevolucãodapopulaçãoestelardasgaláxiaséoresultado combinadodediversosfatores: Taxadeformaçãoestelar(SFR) 4 Sa 3 formaçãoestelarconstante? surto? Decaimentoexponencial,e`t/τ? (ex.starburst99=pacoteparaconstruir modelosespectrofotométricosdestar` forminggalaxies) Ψ(t) = quantidade de massa convertida em estrelas em função de tempo. Taxa de formação estelar (SFR) Afunção de massa inicial (IMF, initial mass function), ξ que nascem quando há formação estelar, isto é, dn estrelas Oenriquecimentoquímico do material galáctico, Z(t), qu do tempo; Evolução estelar, que nos dá aevolução da temperatura L(M,Z,t), de uma estrela de massa m emetalicidadez (ou no diagrama HR ao longo de sua vida). A Fig. 174 mostra Sequência Principal Sb E/S0 Sc Sd Sc + surto Figura 17 estelar (un morfológico de formaçã mente de f gianti et al Idade [10 9 anos] Poggian6etal.(1999)

30 Evoluçãodapopulaçãoestelar Aevolucãodapopulaçãoestelardasgaláxiaséoresultado combinadodediversosfatores: Taxadeformaçãoestelar(SFR) Afunçãodemassainicial(IMF)

31 Evoluçãodapopulaçãoestelar Aevolucãodapopulaçãoestelardasgaláxiaséoresultado combinadodediversosfatores: Taxadeformaçãoestelar(SFR) Afunçãodemassainicial(IMF) enriquecimentoquímicodomaterialgalác6co: Z(t)=evoluçãodametalicidade

32 Evoluçãodapopulaçãoestelar Aevolucãodapopulaçãoestelardasgaláxiaséoresultado combinadodediversosfatores: Taxadeformaçãoestelar(SFR) Afunçãodemassainicial(IMF) enriquecimentoquímicodomaterialgalác6co: Evoluçãoestelar=trajetóriaevolu6va(teórica)deumaestrela EvoluçãodeumaestrelademassaMemetalicidadeZem: T ef (M,Z,t) temperaturaefe6va L(M,Z,t) luminosidade Entreastrajetóriasmaisutlizadas: Padovastellartracks# Genevastellartracks# caminhoqueuma estrelapercorreno diagramahraolongo desuavida

33 SíntesesEvolu6vadePopulaçõesEstelares BeatriceTinsleyedepoisGustavo Bruzualforamospionerosem desenvolveroanalisedesíntese evolu6vaquefazum forward dosed Umaevoluçãonotempodos espectros Beatrice Tinsley Gustavo Bruzual (UNAM)

34 SíntesesEvolu6vade PopulaçõesEstelares Osmodelosmais usadossão: ` Modelode surto único (single starburst)de formaçãoestelar

35 SíntesesEvolu6vade PopulaçõesEstelares Osmodelosmais usadossão: ` Modelode surto único (single starburst)de formaçãoestelar ` Modelode formaçãoestelar exponencialmente decrescente

36 Espectrosintegradosdegaláxias Quépodemdizer sobreascores? An Elliptical Galaxy Spectra A galaxy spectrum is the sum of many stellar spectra. If there are few blue stars the overall shape will look red: I FEW *s MANY *s COMPOSITE GALAXY SPECTRUM Blue Red Sunday, January 23, 2011

37 Tópicos(ParteI) 1. Revisão:FormaçãoeEvoluçãoEstelar 2. IntroduçãoaExtragalác6ca 3. PropriedadesGeraisdasGaláxias 3.2.PopulaçõesEstelares Espectrosestelares síntesedepopulaçõesestelares DistribuiçãoBi`modaldecor 3.3.FunçãodeLuminosidade 4. PropriedadesGeraisdasGaláxiasElíp6cas 5. PropriedadesGeraisdasGaláxiasEspirais

38 Espectrosintegradosdegaláxias Asgaláxiaselíp6castêmum espectrodominadopor estrelasvermelhas(debaixa massa)enquantoasgaláxias espiraistêmoespectro dominadoporestrelas maisnovas. ` Azul=jovem ` Vermelha=velha Assimde simples? Não Sunday, January 23, 2011

39 Limitesdevidoa: idade/ex6nção:avermelhamentoporpoeiraoumaioridade? LimitesdosModelos

40 Limitesdevidoa: idade/ex6nção idadeemetalicidade paraumamassaeidade específica,umaestrelade metalicidademenoré maisazul(e.g.,#line# blanke?ng) LimitesdosModelos Éfácildis6nguirentrepopulaçõesquandosóumdos parámetrosmuda(metalicidadeouidade)

41 Limitesdevidoa: idade/ex6nção LimitesdosModelos idadeemetalicidade paraumamassaeidade específica,umaestrelade metalicidademenoré maisazul(e.g.,#line# blanke?ng) efeitossimilaresnosed Requerindicadores independentes(e.g., metalicidade,razãode linhasdeemissão) Édiucildis6nguirquandotemosqueconsiderar efeitosdeidadeemetalicidade

42 Limitesdevidoa: idade/ex6nção idadeemetalicidade RazõesM/L: LimitesdosModelos estrelasdealtamassapossuemumm/lbaixo aluminosidadedestasestrelaspodedominara luminosidadeíntegradagaláxia,semqueamassada somadestasestrelassejarepresenta6vadamassa totaldagaláxia(ex.thermally3pulsa?ng#agb;tp`agb) Senãoconsideramosissoeassumimosquetodaa luminosidadeobservadaédevidoàestrelasnormais(de baixamassa),omodelossobre`es6marãoamassaestelar totaldagaláxia. Issoépar6cularmentecrí6conocasodegaláxiasstarburst (comtp`agbsemrela6vaabundância)

43 Limitesdevidoa: idade/ex6nção idadeemetalicidade RazõesM/L Fasesestelarespoucoconhecidas (combaixarepresentaçãonosespectrosestelares) Bluestragglers LimitesdosModelos Contaminaçãonaslinhasde emissão(balmer)desistemas estelaresnãoresolvidos subes6maçãodasidades estelares Presençadehidrogênioadicional prolongaafusãonuclear(estadia naspéprolongada).fontes? ' intercâmbiodematerialnum sistemabinariooumergerdeste mesmo. Convecção/dragadoleva hidrogênionascamadas externasatéocentrodaestrela

44 Limitesdevidoa: idade/ex6nção idadeemetalicidade RazõesM/L LimitesdosModelos Fasesestelarespoucoconhecidas (combaixarepresentaçãonosespectrosestelares) Bluestragglers EstrelasTP`AGB(fasepulsa6vadasestrelasAGB) contribuem~50%dosmetaiseafetammuitoo espectrointegrado(noivpróximo)depop.estelares de0.1`10gyr Temospoucainformaçãodestafasebibliotecas empíricastemassuasfalhastambém.

45 Bimodalidadesempropriedades integradasdegaláxias Bimodalidadeemcor Distribuiçãobi`modalnascôresde galáxiassdss(z~0) # Redclump Bluecloud Região menospovoada : valhe#verde# # Baldry et al Magnitude em R

46 Bimodalidadesempropriedades integradasdegaláxias Bimodalidadeemcor Distribuiçãobi`modalnascôresde galáxiassdss(z~0) Redclump Bluecloud Região vazía :valhe#verde# Adistribuiçãobimodalseestende atéredshiösmaiores. z ~ Wyderetal.(2007) #

47 Bimodalidadesempropriedades integradasdegaláxias Bimodalidadeemcor Distribuiçãobi`modalnascôresde galáxiassdss(z~0) Redclump Bluecloud Região vazía :valhe#verde# Adistribuiçãobimodalseestende atéredshiösmaiores. SFHvariabastante,maspodemos classificaremtermosgerais: Galáxias a6vas e passivas Evoluçãovermelhasazuis Martin, D. C., et al.

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS02010-A - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 3.a PROVA - 2012/1 - Turma C NOME: I.Nas questões de 1 a 20, escolhe a alternativa

Leia mais

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Galáxias Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Definição de gálaxia As galáxias são gigantescos sistemas formados por bilhões de estrelas e de matéria interestelar. O diâmetro típico

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/ Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Galáxias Tibério B. Vale http://astro.if.ufrgs.br/ A descoberta das galáxias Kant (1755): hipótese dos "universos-ilha": a Via Láctea é apenas uma galáxia a mais

Leia mais

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Elementos de Astronomia Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Rogemar A. Riffel Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Estrelas Prof. Tibério B. Vale Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

Evolução Estelar e A Via-Láctea

Evolução Estelar e A Via-Láctea Introdução à Astronomia Evolução Estelar e A Via-Láctea Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

A S T R O F Í S I C A. E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Galáxias Propriedades Gerais

A S T R O F Í S I C A. E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Galáxias Propriedades Gerais A S T R O F Í S I C A E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Galáxias Propriedades Gerais A natureza das galáxias No princípio o estudo limitou-se a compilação de catálogos de nebulosas, que não discriminavam

Leia mais

! "8'*-6! 2/#2/'%$-$%6! $%! 2#28&-AC%6! %6*%&-/%6! (B#! /%6#&>'$-6! %6*B#!

! 8'*-6! 2/#2/'%$-$%6! $%! 2#28&-AC%6! %6*%&-/%6! (B#! /%6#&>'$-6! %6*B#! Astrofísica Extragaláctica Aula #7 Seminário 1 Seminários: Populações Estelares Conroy et al. 2013 (http://arxiv.org/pdf/1301.7095v1.pdf) Buat et al. 2014 (http://adsabs.harvard.edu/cgi-bin/bib_query?arxiv:1310.7712)

Leia mais

UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA

UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA AULA 26 A VIA LÁCTEA OBJETIVOS: Ao final desta aula, o aluno deverá: conhecer a constituição e a estrutura da Via Láctea; ter noções sobre a extinção interestelar

Leia mais

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 8 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira Capítulo 8 ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Tendo estudado de que forma as estrelas emitem sua radiação, e em

Leia mais

7 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

7 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 7 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Teórica Final 25 de Maio de 2012 10:00 (Açores) Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final da

Leia mais

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova final teórica 05 de Junho de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final da prova 1.

Leia mais

Determinação de Massas e Raios Estelares

Determinação de Massas e Raios Estelares Determinação de Massas e Raios Estelares 1 Introdução A massa de uma estrela é a sua característica mais importante. Conhecendo-se a massa inicial e a composição química inicial de uma estrela, devemos

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Australe Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Criado em 1995 Retomado em Junho de 2012 Ano IV Nº 031 - Abril de 2013 O SISTEMA ALPHA CENTAURI A,B,Bb

Leia mais

Thales Cerqueira Mendes

Thales Cerqueira Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Thales Cerqueira Mendes CLASSIFICAÇÃO, CARACTERÍSTICAS,

Leia mais

E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto -

E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto - E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto - www.laboratoriodopaulo.blogspot.com As constelações Ao longo da história, a humanidade

Leia mais

Oficina: As Cores das Estrelas Parte A

Oficina: As Cores das Estrelas Parte A Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica - Divisão de Astrofísica/ INPE Oficina: As Cores das Estrelas Parte A I - Cor e Temperatura Ao olharmos o céu estrelado, podemos notar que nem todas as estrelas

Leia mais

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA DO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO CAOAL VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

Ventos Estelares. Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ)

Ventos Estelares. Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ) Ventos Estelares Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ) movimento do ar/gás/fluido Hidrodinâmica Definição de vento estelar: perda contínua* das partes mais externas de uma estrela ou matéria (gás/atmosfera)

Leia mais

O AGLOMERADO ABERTO DAS PLÊIADES

O AGLOMERADO ABERTO DAS PLÊIADES O AGLOMERADO ABERTO DAS PLÊIADES G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and P. Padovani (b) (a) INAF - Astronomical Observatory of Trieste (b) ESO - European Southern Observatory 1 Introdução Aglomerados estelares

Leia mais

Uma estrela-bebê de 10 mil anos

Uma estrela-bebê de 10 mil anos 1 Uma estrela-bebê de 10 mil anos Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Email: jane@astro.iag.usp.br A versão original deste texto foi divulgada no CD-ROM da 48ª Reunião Anual da SBPC, na qual a conferência Estrelas

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Alex C. Carciofi. Aula 7. Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR

Alex C. Carciofi. Aula 7. Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR Alex C. Carciofi Aula 7 Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR O Sol e outras estrelas Propriedades Fundamentais de uma Estrela - Luminosidade - Massa - Raio - Temperatura - Composição química

Leia mais

A Via Láctea Curso de Extensão Universitária Astronomia: Uma Visão Geral 12 a 17 de janeiro de 2004 Histórico Sec. XVII Galileu: descobriu que a Via-Láctea consistia de uma coleção de estrelas. Sec. XVIII/XIX

Leia mais

Astrofísica Extragaláctica Aula #3. Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo

Astrofísica Extragaláctica Aula #3. Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo Astrofísica Extragaláctica Aula #3 Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo Calendário de apresentações Data Alun@s Ar,gos 4- abril Sorteio [PG+Grad1] + Grad2 Review: Conroy (2013) Outro: Buat

Leia mais

A Origem do Universo

A Origem do Universo A Origem do Universo Cosmologia wikipedia: Cosmologia (do grego κοσμολογία, κόσμος="cosmos"/"ordem"/"mundo" + -λογία="discurso"/"estudo") é o ramo da astronomia que estuda a origem, estrutura e evolução

Leia mais

Astronomia Extragaláctica

Astronomia Extragaláctica Astronomia Extragaláctica Domingos Barbosa Grupo de RadioAstronomia Enabling Sciences & Suporting Technologies IT Aveiro 4ª. EAG 2008 1 - Dos objectos: da nossa galáxia á vizinhança 2- Da matéria: dinâmica

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

A S T R O F Í S I C A. E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Eventos de Raios Gama

A S T R O F Í S I C A. E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Eventos de Raios Gama A S T R O F Í S I C A E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Eventos de Raios Gama Gamma-ray Bursts Um dos primeiros eventos em raios gama detectado pelo satélite militar Vela, que foi lançado para monitorar

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe.

ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe. 1 ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe.br RESUMO O uso de recursos multimídia tem sido uma das alavancas motivadoras

Leia mais

Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção. Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ

Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção. Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ Aula 17/07 X Escola do CBPF - 2015 Conteúdo do Curso Introdução: historia e primeiros detectores Medições diretas

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO

DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO José Augusto S. S. Dutra, Francisco C. R. Fernandes Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP / Instituto de Pesquisa e

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

Estrelas de Quarks e de Nêutrons. Características e Assinaturas

Estrelas de Quarks e de Nêutrons. Características e Assinaturas Estrelas de Quarks e de Nêutrons Características e Assinaturas LEONARDO TAYNÔ TOSET TO SOETHE GRUPO DE ALTA S E MÉDIAS ENERGIAS UFPEL - 26/06/2015 Sumário Introdução Metodologia Alguns Resultados para

Leia mais

Métodos Modernos de Análise de Dados Astronômicos - I

Métodos Modernos de Análise de Dados Astronômicos - I de Análise de Dados Astronômicos - I 1 1 Coordenadoria de Astronomia e Astrofísica Observatório Nacional - MCT Escola de Inverno 2011 - Astronomia O que é "análise de dados"? O que é "observar" em astronomia?

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

ATIVIDADE OBSERVACIONAL MEDINDO TAMANHOS LINEARES EM IMAGENS ASTRONÔMICAS. Dra. Cláudia Vilega Rodrigues e Dr. André Milone (INPE/MCT)

ATIVIDADE OBSERVACIONAL MEDINDO TAMANHOS LINEARES EM IMAGENS ASTRONÔMICAS. Dra. Cláudia Vilega Rodrigues e Dr. André Milone (INPE/MCT) ATIVIDADE OBSERVACIONAL MEDINDO TAMANHOS LINEARES EM IMAGENS ASTRONÔMICAS Dra. Cláudia Vilega Rodrigues e Dr. André Milone (INPE/MCT) Objetivos Acessar remotamente um telescópio óptico de pequeno porte

Leia mais

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia

Leia mais

Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas.

Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas. Caro Professor, Em 009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes da rede estadual de ensino. Eles serviram de apoio ao trabalho dos professores ao longo de todo o ano e foram

Leia mais

Astronomia Extragaláctica Semestre: 2015.2

Astronomia Extragaláctica Semestre: 2015.2 Astronomia Extragaláctica Semestre: 015. Sergio Scarano Jr 14/03/016 Teorema do Virial em Sistemas Esféricos Consideremos um sistema estelar esférico de massa M e raio R. Nele a energia cinética: E cin

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa

PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Um cano de irrigação, enterrado no solo, ejeta água a uma taxa de 15 litros por minuto com uma velocidade de 10 m/s. A saída do cano é apontada para cima fazendo

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 4 MMXV grupo B ALBERT EINSTEIN Imagens de supernova podem ajudar a testar teoria de Einstein

Leia mais

Estrelas: espetros, luminosidades e massas

Estrelas: espetros, luminosidades e massas Estrelas: espetros, luminosidades e massas J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Resumo Praticamente

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica A Via Láctea Rogemar A. Riffel Breve histórico Via Láctea: Caminho esbranquiçado como Leite; Galileo (Sec. XVII): multitude de estrelas; Herschel (XVIII): Sistema achatado

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

Laurindo Sobrinho 26 de janeiro de 2013

Laurindo Sobrinho 26 de janeiro de 2013 Galáxias Laurindo Sobrinho 26 de janeiro de 2013 Tony Hallas http://apod.nasa.gov/apod/ap090716.html 1 No início do século XX uma das questões em aberto na Astronomia estava relacionada com a natureza

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Capítulo 3 Resumo. Classificação morfológica de Hubble (Figura 3.2): elípticas (E), espirais (S), lenticulares (S0), irregulares (I).

Capítulo 3 Resumo. Classificação morfológica de Hubble (Figura 3.2): elípticas (E), espirais (S), lenticulares (S0), irregulares (I). ATENÇÃO: esses resumos visam a auxiliar o estudo de cada capítulo, enfatizando os principais pontos levantados em cada trecho do livro Extragalactic Astronomy and Cosmology: an Introduction, de Peter Schneider.

Leia mais

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP)

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Objetivo: Esta atividade, elaborada para o programa "Telescópios na Escola", é indicada para quem nunca observou antes com um telescópio

Leia mais

Tipos de galáxias Classificações das elípticas Características gerais Determinação da massa Perfil de brilho Formação e Evolução

Tipos de galáxias Classificações das elípticas Características gerais Determinação da massa Perfil de brilho Formação e Evolução Galáxias Elípticas Tipos de galáxias Classificações das elípticas Características gerais Determinação da massa Perfil de brilho Formação e Evolução Marlon R. Diniz Classificação de Hubble Sa Sb Sc E0 E2

Leia mais

Galáxias Ativas e Buracos Negros Supermassivos

Galáxias Ativas e Buracos Negros Supermassivos Galáxias Ativas e Buracos Negros Supermassivos Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Brasil www.if.ufrgs.br/~thaisa/bn www.if.ufrgs.br/astronews Illust. credit: CXC/A. Hobart Sumário O que

Leia mais

Reconexao Magnetica. ElisaBete M. de Gouveia Dal Pino IAG-USP. Escola CBPF, julho 2008

Reconexao Magnetica. ElisaBete M. de Gouveia Dal Pino IAG-USP. Escola CBPF, julho 2008 Reconexao Magnetica ElisaBete M. de Gouveia Dal Pino IAG-USP Escola CBPF, julho 2008 Liberacao de energia magnetica Liberacao de energia magnetica Exs.: 1.cauda magnetica (ou magnetotail ) da terra: onde

Leia mais

ANÁLISE DA ATIVIDADE NUCLEAR DE DEZ GALÁXIAS COM ANEL POLAR ANALYSIS OF NUCLEAR ACTIVITY OF TEN POLAR RING GALAXIES

ANÁLISE DA ATIVIDADE NUCLEAR DE DEZ GALÁXIAS COM ANEL POLAR ANALYSIS OF NUCLEAR ACTIVITY OF TEN POLAR RING GALAXIES 53 ANÁLISE DA ATIVIDADE NUCLEAR DE DEZ GALÁXIAS COM ANEL POLAR ANALYSIS OF NUCLEAR ACTIVITY OF TEN POLAR RING GALAXIES Priscila Freitas-Lemes 1 Irapuan Rodrigues 2 Oli Dors 2 Max Faúndez-Abans 3 RESUMO:

Leia mais

As galáxias emitem radiação ao longo do espectro desde altas freqüências (raios gama) até baixas freqüências (ondas de radio).

As galáxias emitem radiação ao longo do espectro desde altas freqüências (raios gama) até baixas freqüências (ondas de radio). Luz integrada das Galáxias, magnitudes e cores 2.1 Radiação de corpo negro As galáxias emitem radiação ao longo do espectro desde altas freqüências (raios gama) até baixas freqüências (ondas de radio).

Leia mais

Um Programa Brasileiro para Busca de Supernovas: Concepção e Primeiras Descobertas

Um Programa Brasileiro para Busca de Supernovas: Concepção e Primeiras Descobertas 1 Um Programa Brasileiro para Busca de Supernovas: Concepção e Primeiras Descobertas T.A. Napoleão, C. Jacques, C. Colesanti, E. Pimentel (CEAMIG-REA) email: tassonapoleao@ig.com.br Introdução A concepção

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

Indicadores de distancia extragalácticos e lei de Hubble

Indicadores de distancia extragalácticos e lei de Hubble Indicadores de distancia extragalácticos e lei de Hubble Capitulo 3 3.1.1 Indicadores de Distancia: A determinação de distancia das galáxias é um problema que ainda esta em aberto e de sua solução dependem

Leia mais

Astrofísica Extragaláctica Aula #11. Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo

Astrofísica Extragaláctica Aula #11. Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo Astrofísica Extragaláctica Aula #11 Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo Tópicos (Parte I) 1. Revisão: Formação e Evolução Estelar 2. Introdução a ExtragalácCca 3. Propriedades Gerais das Galáxias

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens. Projeto 3 Utilizando filtragem rejeita faixa para tirar ruído de imagem

FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens. Projeto 3 Utilizando filtragem rejeita faixa para tirar ruído de imagem FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens Projeto 3 Utilizando filtragem rejeita faixa para tirar ruído de imagem Marcelo Musci Mestrado Geomática/UERJ-2004 Abstract Frequency space offers some attractive

Leia mais

Aula 08 Sistema Solar

Aula 08 Sistema Solar Aula 08 Sistema Solar Hipótese de Laplace: como surgiu o sistema solar a partir da Nebulosa primordial. (1), (2) A conservação do momento angular requer que uma nuvem em rotação e em contração, deve girar

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar Evolução Estelar II Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar 1 Por quê as estrelas evoluem (mudam de um estado para outro)? Geração de energia Fusão requer combustível, que é esgotado durante

Leia mais

Constelações são grupos aparentes de estrelas. Os antigos gregos, chineses e egípcios já haviam dividido o céu em constelações.

Constelações são grupos aparentes de estrelas. Os antigos gregos, chineses e egípcios já haviam dividido o céu em constelações. Constelações são grupos aparentes de estrelas. Os antigos gregos, chineses e egípcios já haviam dividido o céu em constelações. Surgiram na antiguidade pra ajudar a identificar as estações do ano. As constelações

Leia mais

Introdução à Astronomia. (AGA210) Notas de aula. Cosmologia

Introdução à Astronomia. (AGA210) Notas de aula. Cosmologia Introdução à Astronomia (AGA210) Notas de aula Cosmologia Enos Picazzio IAGUSP 2006 Esta apresentação é parcialmente baseada no capítulo Universo e Cosmologia, do livro virtual Astronomia e Astrofísica,

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Estrelas Rogemar A. Riffel Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transformação de elementos através de reações nucleares,

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 13 (C. Oliveira & V. Jatenco-Pereira) Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 13 (C. Oliveira & V. Jatenco-Pereira) Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS 145 Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo das estrelas variáveis, estrelas tais que sua luminosidade varia com o tempo por meio de uma relação bem definida, e que se situam

Leia mais

Compreendendo o Universo através das galáxias. Marcio A.G. Maia

Compreendendo o Universo através das galáxias. Marcio A.G. Maia Compreendendo o Universo através das galáxias Marcio A.G. Maia 1 Capítulo 3 Alguns conceitos. Propriedades estruturais de galáxias. Relações empíricas entre parâmetros estruturais de galáxias. Estimadores

Leia mais

Philosophical Transactions of the Royal Society of London, 75, 213 (1785)

Philosophical Transactions of the Royal Society of London, 75, 213 (1785) Philosophical Transactions of the Royal Society of London, 75, 213 (1785) ρ ρ ρ ρ CFHT optical image ~ 3% de estrelas (nas galáxias e no meio intra-aglomerado [luz difusa]); ~ 12% de plasma quente

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA

TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA DADOS DO DOCENTE: Prof. Dr. Sandro Barboza Rembold EMENTA: LATO/DCET/UESC sbrembold@uesc.br Noções de astronomia esférica, gravitação newtoniana, cosmologia newtoniana,

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Missão Gaia Radial Velocimetry Spectroscope (RVS) - variação da qualidade óptica no campo subtenso por CCD s individuais

Missão Gaia Radial Velocimetry Spectroscope (RVS) - variação da qualidade óptica no campo subtenso por CCD s individuais PAA1 Missão Gaia Radial Velocimetry Spectroscope (RVS) - variação da qualidade óptica no campo subtenso por CCD s individuais Instrumentação em Astronomia Responsável pelo projecto José Manuel Rebordão

Leia mais

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL TELESCÓPIOS O telescópio é um aparato que coleta a luz e é a principal ferramenta de trabalho em Astronomia. A evolução do telescópio ao longo destes 4 séculos foi extraordinária e se confunde com a própria

Leia mais

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa A Via-Láctea Prof. Fabricio Ferrari Unipampa adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa Aparência da Via Láctea no céu noturno Imagem de todo o céu em luz visível Nossa

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa MATERIAIS SEMICONDUTORES Prof.: Sheila Santisi Travessa Introdução De acordo com sua facilidade de conduzir energia os materiais são classificados em: Condutores Semicondutores Isolantes Introdução A corrente

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Estrelas. Rogério Riffel.

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Estrelas. Rogério Riffel. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Estrelas Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transmutação de elementos

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Comitê Científico e Didático. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2011

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Comitê Científico e Didático. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2011 Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Comitê Científico e Didático Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2011 Prova Final RECOMENDAÇÕES GERAIS Respire fundo. Pense. Explique

Leia mais

18. Lentes gravitacionais

18. Lentes gravitacionais 18. Lentes gravitacionais 1 lentes gravitacionais a gravitação afeta a propagação da luz, criando o efeito de lentes gravitacionais 2 lentes gravitacionais há muitos efeitos, em 2 regimes: -lentes fortes:

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B =

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B = Curso de pós graduação em Astrofísica Prova de admissão 1. O menor ângulo sob o qual o olho humano consegue visualizar dois pontos é da ordem de 1 (um minuto de arco). Esse ângulo recebe o nome de ângulo

Leia mais

Via Láctea, a Nossa Galáxia

Via Láctea, a Nossa Galáxia *UXSR GH $VWURQRPLD GD 8QLYHUVLGDGH GD 0DGHLUD Via Láctea, a Nossa Galáxia Laurindo Sobrinho Semana da Astronomia 24 de Julho de 2001 Via Láctea Se olharmos para o Céu numa noite de Verão limpa e escura

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FUNÇÕES PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO IDÉIA INTUITIVA DE FUNÇÃO O conceito de função é um dos mais importantes da matemática.

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

04) A posição de um objeto movendo-se ao longo do eixo x é dada por x = 3t - 4t² + t³, onde x está em metros e t em segundos.

04) A posição de um objeto movendo-se ao longo do eixo x é dada por x = 3t - 4t² + t³, onde x está em metros e t em segundos. Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 27/04/15 Lista 3- Movimento Retilíneo 01) A distância média da Terra ao Sol é igual a 150 milhões de quilômetros.

Leia mais

Fotometria III Extinção e Avermelhamento Interestelar

Fotometria III Extinção e Avermelhamento Interestelar Fotometria III Extinção e Avermelhamento Interestelar O meio interestelar é composto de poeira (partes escuras e azuis) e gás (vermelho). Nuvens escuras de poeira Primeiras observações do meio interestelar

Leia mais

Buracos Negros: Grandes Sorvedouros Cósmicos

Buracos Negros: Grandes Sorvedouros Cósmicos Buracos Negros: Grandes Sorvedouros Cósmicos Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Brasil www.if.ufrgs.br/~thaisa/bn www.if.ufrgs.br/astronews Illust. credit: CXC/A. Hobart Sumário O que

Leia mais