A TOMADA DE DECISÃO NO CONTEXTO DO BIG DATA: Estudo de caso único.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TOMADA DE DECISÃO NO CONTEXTO DO BIG DATA: Estudo de caso único."

Transcrição

1 A TOMADA DE DECISÃO NO CONTEXTO DO BIG DATA: Estudo de caso único. Autoria: Antonio Carlos Gastaud Maçada, Vivian Passos Canary Resumo O crescimento exponencial no volume de dados gerados a uma grande velocidade em função dos avanços tecnológicos e da mudança de comportamento dos consumidores representa um novo desafio de gestão para os gestores. O objetivo da pesquisa é analisar a importância das dimensões do Big Data no processo de tomada de decisão de executivos de diferentes níveis hierárquicos em um Sistema de Crédito Cooperativo. Trata-se de um estudo de caso único. Os resultados deste estudo revelam que é necessário adaptar o processo decisório, visando atender as demandas de tomada de decisão na era do Big Data. 1

2 1. Introdução Na era do Big Data, terabytes de informações, oriundos de sensores ou de redes sociais, de novas arquiteturas de computadores, e software inteligentes, disponibilizam informações com um custo baixo e os complementos destas informações estão mais acessíveis o que tem mudado a cultura da tomada de decisão (REGALADO, 2014). As organizações eficazes estão colocando no mesmo lugar as informações relevantes e as decisões corretas (MCAFEE e BRYNJOLFSSON, 2012). As empresas deverão, então, criar estratégias para definir como lidar com grandes volumes de dados e analisar as informações úteis (WEBSTER, 2012), afim de se beneficiar da análise de dados estruturados ou não, que estão surgindo continuamente devido aos novos dispositivos, às redes sociais e aos sistemas de informação corporativos, fenômeno chamado de Big Data (KWON et al., 2014). Ainda, o uso de grandes volumes de dados auxiliam as organizações a prever os resultados com maior precisão (GEORGE et al., 2014). De acordo com MANYIKA (2012) as empresas tradicionais ligadas a modelos de negócios e infraestruturas antigos - deverão adaptar-se para competirem com seus concorrentes, que processam rapidamente dados de consumo, os quais estão disponíveis em uma velocidade cada vez mais rápida, sabendo tirar proveito dos mesmos. Segundo Kwon et al. (2014) cada vez mais as empresas enfrentam novos desafios de gestão decorrentes do Big Data, aprendem a utilizar os dados que produz à seu favor, e consequentemente, melhoram o desempenho dos negócios, seja reduzindo custos, despertando insights de negócio, seja aumentando a qualidade e eficácia das tomadas de decisões. Frank (2012) afirma que na realidade do Big Data, as empresas hiper-competitivas estão prestando atenção em informações de percepção, dados transacionais e, principalmente, em comportamentos sociais. Na área de Sistemas de Informação (SI), este fenômeno está exigindo mudanças no desenvolvimento de tecnologias, bem como novas formas de pensar a coleta, o processamento, o armazenamento e a própria infraestrutura das bases de dados (DEMCHENKO et. al., 2012). Além disso, o Big Data não envolve só mudança de tecnologia, envolve adaptação de processos e treinamentos relacionados à mudança de gestão e análise de dados (MERITALK-BIG DATA, 2013). A maior parte dos líderes não sabe lidar com essa grande variedade e quantidade de informações, e não tem conhecimento dos benefícios que uma análise bem feita desses dados poderia trazer ao seu negócio (VIJAYAN, 2012). Se não trabalhados de forma adequada e estratégica, esses dados podem prejudicar a organização, levando-a a uma armadilha de mercado (JACKSON, 2012). Porém, quando compreendido e enfrentado, esse desafio pode agregar s vantagens competitivas às organizações, bem como abrir novas oportunidades de negócios e melhorar a tomada de decisão dos executivos (SANTAFERRARO, 2012; MCAFEE & BRYNJOLFSSON, 2012; GREENGARD, 2012). Tomada de decisão baseada em evidências (também conhecido como Big Data) não é apenas a última moda, é o futuro de como vamos orientar e fazer crescer o negócio (HAMMOND, 2013, p. 1). Esse é um tema que está gerando muito interesse atualmente, devido à explosão de dados não estruturados e ao valor da informação, que está sendo percebido e explorado por diversas organizações (BEATH et al., 2012). Dada a relevância deste tema relacionado ao processo de tomada de decisão, a representatividade do setor financeiro para a economia brasileira - a importância do uso de informações e as particularidades do Cooperativismo de Crédito, que ocupa a 6ª posição no ranking das maiores instituições financeiras do país, este artigo busca responder à seguinte questão: Qual a importância das cinco dimensões do Big Data (volume, variedade, velocidade, valor e veracidade 5V s) no processo decisório de diferentes níveis hierárquicos de um Sistema de Crédito Cooperativo? 2

3 O artigo está estruturado da seguinte forma: a seção 2 traz conceitos do processo de tomada de decisão (seção 2.1) e do Big Data (seção 2.2). Nas duas seções seguintes são apresentados o modelo de pesquisa e o método utilizado, respectivamente. Em seguida, na seção 5, são exibidos os resultados. Na última seção, são apresentadas as considerações da pesquisa, bem como limitações e sugestões de pesquisas futuras. 2. Revisão Teórica Para que seja possível analisar a importância dos fatores do Big Data no processo de decisão dos executivos é necessário compreender o processo decisório e os conceitos de Big Data utilizados nesse trabalho. A partir dessas informações, é possível avaliar se o suporte à tomada de decisão nos moldes tradicionais atende às expectativas e às necessidades de um tomador de decisão no contexto do Big Data, bem como avaliar o grau de importância dos fatores envolvidos na decisão contemplados pelo trabalho volume, velocidade, variedade, valor e veracidade. 2.1 Processo Decisório Simon (1960) aponta que o processo decisório é composto por quatro estágios: inteligência, concepção, seleção e implementação, e conforme Finlay (1994), a informação é a matéria-prima para todos os estágios deste processo, e o gestor ou tomador de decisão precisa coletar, selecionar e interpretar as informações, a fim de incluí-las em uma situação problema ou cenário visando a apoiar a tomada de decisão. Gomes (2007) salienta que a decisão é o processo de escolha, seja direta ou indiretamente, de pelo menos uma das diferentes alternativas apresentadas, que atenderiam à resolução do problema existente. Há três participantes da tomada de decisão: o tomador de decisão, que é o responsável pela decisão em si; o agente de decisão, que direta ou indiretamente realiza cálculos e estimativas, ordena preferências e juízos de valor e trabalha com as informações as quais serão utilizadas ao longo da análise da decisão; e o analista da decisão, quem administra a estruturação do problema e produz recomendações ao tomador de decisão (GOMES, 2007). Através dos trabalhos de Mintzberg et al. (1976) e Bazerman e Moore (2010) é possível verificar que o processo de tomada de decisão não mudou muito ao longo dos anos e que as etapas do processo decisório são as mesmas. Segundo Choo (2006), para se tomar uma decisão racional, deve-se elencar todas as alternativas existentes, e identificar suas consequências. Para que seja possível elencar todas essas alternativas, é preciso verificar os dados obtidos e extrair as informações fundamentais. Portanto, pode-se perceber que o processo de tomada de decisão não é puramente racional, ele sofre influências diretas e indiretas, conscientes e inconscientes de fatores subjetivos, que alteram a forma de ver, de pensar, de analisar e de decidir do responsável pela decisão (NONOHAY, 2012). Assim, a atividade mental trabalha com duas dimensões: modo de percepção e modo de interpretação da informação (NONOHAY, 2012). Então, o processo de tomada de decisão sofre influências racionais e subjetivas. No entanto, ambas as formas têm como base para a definição a informação, pois é a partir da interpretação das informações seja mais objetiva ou mais subjetiva que há a análise e o direcionamento para a tomada de decisão. De forma geral, pode-se desenhar um macroprocesso decisório, visto que segundo todos os autores pesquisados, há três grandes etapas: a primeira é relacionada à verificação de uma real necessidade ou oportunidade; a segunda refere-se à geração de alternativas à solução a ser encontrada e as suas respectivas 3

4 consequências; para então, chegar-se à última macro etapa que é a escolha de uma das alternativas. 2.2 Big Data Não há consenso do conceito de Big Data utilizado no mercado, pois cada organização considera esse fenômeno por alguma perspectiva, no entanto, a essência do termo é contemplada por muitas organizações referências (FRANKS, 2012). Para o desenvolvimento deste trabalho, é que este conceito esteja claro, portanto, é necessária a formulação de um conceito único. Alguns conceitos de autores s na área (Figura 1): Gartner Group (2012) MCAFEE, A et. al. (2012) (Harvard Business Review) GEORGE et. al. (2014) (Academy of Management Journal) Figura 1 : Conceitos de Big Data Big Data, em geral, é definido como ativos de alto volume, velocidade e variedade de informação que exigem custo-benefício, de formas inovadoras de processamento de informações para maior visibilidade e tomada de decisão. Big Data como uma forma essencial para melhorar a eficiência e a eficácia das organizações de vendas e marketing. Ao colocar Big Data no coração de vendas e marketing, os insights podem ser aproveitados para melhorar a tomada de decisão e inovar no modelo de vendas da empresa, o que pode envolver a utilização de dados para orientar ações em tempo real. O Big data é formado por uma crescente pluralidade de fontes de informação, entre eles cliques na web, transações em dispositivos moveis, conteúdo gerado por usuários, mídias sociais, bem como conteúdo gerado intencionalmente através de redes de sensores ou transações comerciais, tais como consultas de vendas e transações de compra. Como pode-se perceber, os conceitos sempre envolvem a questão da quantidade de dados. No entanto, como considera o IT Glossary do Gartner Group (2012) e consta no estudo elaborado pelo IDC (2011), há outras duas dimensões muito s ao considerar Big Data: velocidade e variedade. Beath et. al. (2012) e George et. al. (2014), entre outros, agregam outras duas dimensões, que complementam a relevância do fenômeno e seu efeito ao processo de tomada de decisão, são elas: valor e veracidade. Com relação ao valor, Chen et. al. (2014) afirmam que as análises críticas de dados podem ajudar as empresas a melhor entender seus negócios trazendo benefícios. Quanto à veracidade, Weber et. al. (2009) ressaltou que as informações verdadeiras podem ser usadas pelos gestores para responder aos desafios estratégicos. A veracidade garantiria, então, a confiabilidade dos dados. Para facilitar o entendimento de cada uma destas dimensões, abaixo estão apresentadas as variáveis envolvidas em cada uma delas de acordo com diferentes autores, bem como a sua relevância para o tema tomada de decisão (Figura 2). DIMENSÃO VARIAVEIS ANALISADAS AUTORES VOLUME VARIEDADE VELOCIDADE - Satisfação quando ao volume de dados ou informações; - Acessibilidade aos dados; - Mudança do comportamento de decisão em função do volume; - Variedade de fontes de informação; - Variedade de tipos de dados; - Velocidade da chegada da informação; - Velocidade da tomada de decisão; Preimesberger (2011) Tankard (2012) Taurion (2012) IDC (2011), Callebaut (2012), McAfee e Brynjolfsson (2012), Preimesberger (2011), Kwon (2014) Preimesberger (2011), IDC (2011) Barton e Court (2012), McAfee e Brynjolfsson (2012),, Kwon et al. (2014) 4

5 VALOR - Resultado agregado a partir das análises das informações; - Interpretabilidade das informações; - Valor financeiro para ter dados de qualidade; Maniyka et. al. (2012), Pipino et. al. (2002), Taurion (2012), Weber et. al (2009), Kwon et al. (2014), Chen et. al. (2014), George et. al. (2014) VERACIDADE - Credibilidade na exatidão dos dados; Pipino et. al. (2002), Taurion (2012), Weber et. al (2009), George et. al. (2014) Figura 2 : Dimensões, autores e variáveis trabalhadas 3. Modelo de Pesquisa Considerando que o Big Data não é apenas a última moda (HAMMOND, 2013) e sim a realidade e o futuro do mundo de negócios, seria imprudente tomar uma decisão sem tentar tirar algumas inferências significativas a partir dos dados (THE ECONOMIST, 2012). Além disso, [...] o uso intensivo de dados na tomada de decisão pode levar a melhores decisões e melhorar o desempenho do negócio (THE ECONOMIST, 2012). Dessa forma, o modelo de pesquisa proposto (Figura 3) envolve as influências, em maior ou menor grau, das cinco dimensões volume, variedade, velocidade, valor e veracidade (Figura 2) - sobre a tomada de decisão inserida no contexto Big Data. BIG DATA Velocidade P3 Variedade P2 Tomada de decisão P4 Valor Volume P1 P6 Coordenação Superintendência P5 Veracidade Gerência Figura 3 : Modelo de pesquisa A partir das análises dos autores da Figura 2, é possível estabelecer proposições de estudo que auxiliarão a guiar esta pesquisa. Elas estão representadas no modelo de pesquisa (Figura 3) e explicadas abaixo: P1: o volume de dados tem importância no processo de tomada de decisão; P2: a variedade de dados tem importância no processo de tomada de decisão; P3: a velocidade em que os dados são extraídos tem importância no processo de tomada de decisão; P4: o valor dos dados existentes tem importância no processo de tomada de decisão; P5: a veracidade dos dados tem importância no processo de tomada de decisão; P6: a importância das dimensões varia de acordo com o nível hierárquico. 5

6 4. Método Para compreender a importância do Big Data sobre o processo decisório, o método empregado neste trabalho é a pesquisa qualitativa através de um estudo de caso único. Para Günther (2006) a pesquisa qualitativa deve ser utilizada para estudar um fenômeno no seu contexto natural, sem que o pesquisador tenha controle das variáveis presentes no caso a ser estudado. O método é ideal para este estudo, visto que o tema é novo, e que há poucos trabalhos aplicados em alguma organização, logo, é válido para compreender a sua importância, considerando todas as variáveis do modelo de pesquisa (GÜNTHER, 2006). O estudo de caso consiste em uma investigação aprofundada e empírica de um fenômeno recente, considerando o seu contexto real e suas muitas variáveis de análise (YIN, 2010). Oliveira, Maçada e Goldoni (2009) indicam o estudo de caso para ter uma visão detalhada de um fenômeno incluindo o seu contexto, ideal quando se busca um melhor entendimento de um fenômeno desconhecido. Neste caso, o método serve pra ilustrar o contexto e compreender o comportamento dos gestores com relação à tomada de decisão e a sua afinidade com as dimensões do Big Data. 4.1 Procedimento de coleta de dados A coleta das informações foi feita através de entrevistas uma das fontes mais s de informação para o estudo de caso, de acordo com Yin (2010) - com dez gestores de diferentes níveis hierárquicos envolvidos no processo de tomada de decisão. Segundo Yin (2010), as entrevistas têm as seguintes vantagens: focam diretamente nos assuntos a serem abordados pelo estudo de caso e ainda fornecem inferências e explanações causais percebidas. Para manter a regularidade e a confiabilidade das respostas as entrevistas seguiram o as questões do protocolo de estudo de caso, que o objetivo é manter o pesquisador no rumo (YIN, 2010). As questões foram formuladas a partir das variáveis de cada dimensão identificadas na revisão teórica, auxiliando na coleta de dados e na sua análise. Também, para balizar a coleta e a análise das respostas, as questões foram divididas em seis blocos, o primeiro para compreender o processo de tomada de decisão da organização, e os outros cinco nas dimensões do Big Data volume, variedade, velocidade, valor e veracidade. O Sistema estudado contempla mais de 100 cooperativas de crédito em 11 estados brasileiros e mais de 2 milhões de associados - sócios das cooperativas com o direito de receber a prestação de contas e de cobrar resultados e posicionamentos. A fim de melhor atender às demandas bancárias e operacionais, o Sistema têm uma estrutura com um Banco Cooperativo - instrumento pelo qual as cooperativas de crédito acessam o mercado financeiro, assim como centraliza a elaboração e gestão dos produtos a serem oferecidos pelas cooperativas -, uma Confederação cujo objetivo é centralizar as operações administrativas e de informática bem como outras estruturas responsáveis por programas de desenvolvimento social e pela gestão estratégica do sistema. O Sistema Cooperativo possui uma Corretora de Seguros, uma Administradora de Cartões e uma Administradora de Consórcios, vinculadas ao Banco Cooperativo, através da Diretoria de Produtos e Negócios. Foram entrevistados colaboradores de diferentes áreas da diretoria de Produtos e Negócios. Além disso, foi entrevistado o superintendente de Sistemas, visto que a área é a responsável pela elaboração e gestão dos sistemas de informação de todo o Sistema de Crédito Cooperativo. Também, foi explorada a diferença entre os níveis hierárquicos: 6

7 coordenação, gerência e superintendência (Figura 4). A organização foi escolhida devido à sua representatividade no setor de Crédito Cooperativo na Região Sul do país. DIRETORIA EMPRESA CARGO DO ENTREVISTADO CÓDIGO Diretoria Produtos Negócios de e Banco Cooperativo Superintendente de Marketing e Canais Gerente de Comunicação Institucional Gerente de Canais Coordenador de Inteligência de Negócios E10S E4G E3G E1C Administradora de Cartões Gerente Técnico E5G Administradora Consórcios de Superintendente da Administradora de Consórcios Gerente Técnico Superintendente da Corretora de Seguros E7S Corretora de Seguros Coordenador de Área de Mercado E2C Diretoria de TI Confederação Superintendente de Sistemas E9S Figura 4 : Quadro de entrevistados 4.2 Procedimento de análise de dados As entrevistas foram transcritas e analisadas seguindo os conceitos de análise de conteúdo, que, para Bardin (2004), é um conjunto de técnicas de análise de comunicações através das quais é possível obter indicadores (quantitativos ou não) que permitem a interpretação e a compreensão do conteúdo das mensagens. Segundo Freitas, Janissek-Muniz e Mascarola (2005), a análise de conteúdo consiste em uma leitura aprofundada de cada uma das respostas, as quais serão extraídas ideias bem mais precisas sobre o todo, chamadas pelos autores de ideias-chave. Após a organização das respostas nos seis blocos utilizados para elaborar as questões, foi feita a comparação entre as respostas obtidas por entrevistado para, então, ser possível perceber importância das dimensões do Big Data no processo de tomada de decisão de diferentes níveis hierárquicos. Ao longo das análises foram utilizados códigos identificadores dos entrevistados (Figura 4). 5. RESULTADOS Esta seção apresenta os resultados encontrados após a elaboração das entrevistas. Primeiramente, serão apresentados os resultados relacionados à compreensão do processo de tomada de decisão do Sistema de Crédito Cooperativo. Finalmente, são apresentados os resultados relacionados à cada dimensão do Big Data, comparando-os com o nível hierárquico dos entrevistados e uma análise geral, com a classificação de importância das dimensões no processo decisório. E8S E6G 5.1 Processo de Tomada de Decisão De uma forma geral, há um processo padrão que inicia a partir de uma necessidade ou problemática das cooperativas de crédito participantes do Sistema de Crédito Cooperativo em questão, ou então de uma necessidade de adequação ao mercado financeiro. A área de Marketing também apresenta uma oportunidade de negócio como possível motivo para uma tomada de decisão. Em todas as áreas consultadas, há uma análise para verificar a real necessidade, a qual se confirmada, há o prosseguimento do processo de decisão. 7

8 A análise de informações para a elaboração de cenários e de alternativas é o passo seguinte para todas as áreas. As informações vêm de diferentes fontes e passam por processos formais e informais de análise, feita pela maioria dos entrevistados de forma racional. No entanto, quando a decisão é tomada de forma emocional, há um cálculo financeiro e um business case para embasar esta decisão. O entrevistado E10S afirmou que as decisões mais operacionais, por serem mais técnicas, são tomadas mais racionalmente. Em contrapartida as decisões tomadas pelas cooperativas de crédito (não tratadas neste trabalho) têm um lado emocional e político bastante grande. Os entrevistados ressaltaram o rito ou ritual de aprovação dentro do Sistema. Isso deve-se ao fato de haver a necessidade de passar por comitês internos e comitês externos para então a decisão ser implementada, a fim de envolver todas as partes interessadas. Isso torna o processo de tomada de decisão moroso, segundo todos os entrevistados. No entanto, muitos deles também afirmaram que por ser dessa forma a decisão é mais consistente e bem aceita. É possível afirmar que o processo de decisão deste Sistema de Crédito Cooperativo no geral segue as etapas delimitadas pela teoria, iniciando por um problema (Bazerman e Moore, 2010) e pela verificação se o problema é verdadeiro (Gomes, 2007), seguidos pela geração de alternativas (Bazerman e Moore, 2010; Gomes, 2007; Choo, 2006), pela tomada de decisão, principalmente aquela apresentada por Nonohay (2012) que considera perspectivas de análise e as influências diretas e indiretas, conscientes e inconscientes de fatores subjetivos. O processo de tomada de decisão é geralmente o mesmo para todo o Sistema, no entanto, é possível perceber a diferença de papeis entre os entrevistados no caso de decisões estratégicas. Os coordenadores e os gerentes podem ser considerados analistas ou agentes de decisão, visto que são responsáveis pela estruturação do problema, manipulação das informações para repassar as informações necessárias, filtradas e com recomendações aos superintendentes ou comitês, os tomadores de decisão. 5.2 Dimensões no Processo de Tomada de Decisão Nesta seção serão apresentados os resultados das entrevistas por dimensão. Afim de ser mais ilustrativo, será apresentado um quadro com as frases mais representativas com relação à dimensão apresentada Volume Para compreender a importância do volume de dados no processo de tomada de decisão, foram analisadas ao longo das entrevistas os seguintes pontos: I) Satisfação quanto ao volume de informações; II) Acessibilidade aos dados; e III) Mudança do comportamento de tomada de decisão decorrente do volume de informações. A Figura 5 apresenta algumas frases que representam o pensamento geral dos entrevistados quanto ao volume de dados. ENTREV. Coordenadores Gerentes VOLUME [...] o volume é suficiente, mas se não está organizado e estruturada em um único lugar dificulta (E1C) [...] com o volume de informações que a gente tem é muito fácil a gente se perder durante o processo,[...], dificulta a análise de informações. (E2C) acho que a gente precisava ter mais informação, hoje até pela deficiência dos nossos sistemas, a gente gostaria de receber muito mais informação. (E3G) a informação está em todo lugar, o acesso é rápido e fácil, mas é necessário tempo pra lapidar essas informações e transformar em dados pra tomada de decisão. (E4G) 8

9 Superintendentes o que define o consumo ou não ou se o volume de informações é grande, é a questão do tempo. É a agenda. Ter uma overdose de informação e não ter tempo pra consumir isso, então tanto faz tu teres um conjunto grande de informações ou não. (E9S) [...] o volume ajuda a ter uma segurança muito maior de embasamento, de propósito, pra qualquer tipo de decisão, então acho que nunca é demais; o que você tem é que se organizar pra ler esses dados e saber aproveitar eles. (E10S) Figura 5: Resumo das respostas sobre a dimensão volume por nível hierárquico Com relação ao volume de informações obtidas e utilizadas para o processo de tomada de decisão, apenas o entrevistado E3G comentou que possui um volume insuficiente de informações, apesar de acreditar que a dificuldade está na extração das informações pelos sistemas de informação e na sua manipulação, também comentada por outros entrevistados. Quatro entrevistados comentaram a consequência de ter excesso de informação durante alguma etapa do processo de tomada de decisão. Todos eles afirmaram que o excesso de informações atrapalha de alguma maneira o processo. Ao que concerne antecipar ou postergar a tomada de decisão em função do volume de dados existentes, os entrevistados dividiram opiniões. Uns afirmaram que a tomada de decisão é mais rápida quando as informações estão facilmente disponíveis. Outros afirmaram que o grande volume de informações postergava a tomada de decisão até o ajuste do processo: análises mais objetivas, com critérios e focando no principal. A maioria dos entrevistados comentaram que na maioria das vezes as informações estão acessíveis. Porém, elas podem não estar no formato desejável, exigindo um trabalho de manipulação mais apurado. O superintendente E10S afirma que está trabalhando para adequar as ferramentas da área de Inteligência de Negócios para possibilitar um acesso mais rápido à informação, visto que hoje se chega à ela, mas ela é demorada, é lenta Variedade Afim de compreender a importância da variedade de dados no processo de tomada de decisão, foram analisadas ao longo das entrevistas os seguintes pontos: I) Variedade de fontes de dados ou informações; e II) Variedade de tipos de dados. A Figura 6 apresenta algumas afirmações ilustrando a opinião geral do entrevistado quanto a variedade de dados. ENTREV. Coordenadores Gerentes Superintendentes VARIEDADE É que para a tomada de decisão o que pesa muito é o quantitativo, porque ele te comprova aquela hipótese em números [...] (E1C) [...] ainda tem muito uma forma de pensar que o qualitativo é muito achismo, muito viagem (E1C) Importância grande, não várias fontes, mas uma diversidade de fontes que sejam confiáveis, claro, e que te dê elementos pra tomar a decisão. (E3G) contribui pra gente defender uma ideia, defender um posicionamento. (E4G) quando tem muita variedade de fontes e começa a cruzar essas informações, complica o processo de tomada de decisão. (E5G) [...] se basear o processo de tomada de decisão em só uma, só uma fonte, ela não é... sadia. Pode até dar certo, mas pode dar errado porque você está tendo uma fonte só e essa fonte não for consistente pode ser insuficiente. (E8S) se eu pudesse eu tomaria a decisão 100% em dados estruturados, eu não tomo porque é oneroso coletar esses dados eu teria que dedicar muito tempo da minha turma levantando esses dados e também entendendo que o processo decisório, no Sistema de Crédito Coorporativo, exige mais do que dados estruturados. Então eu preciso ter um propósito, uma visão mais consolidada disso dentro do nosso planejamento estratégico, dentro do nosso plano [...] (E10G) Figura 6 : Resumo das respostas sobre a dimensão variedade por nível hierárquico 9

10 A variedade de fontes de informação utilizadas para as tomadas de decisão dos entrevistados é bastante significativa, vai desde fontes internas sistemas legados, sistemas transacionais, sistemas gerenciais, profissionais experientes e/ou específicos de determinada área a fontes externas, como consultoria, agência de publicidade, Banco Central, Associações específicas, outros órgãos oficiais, clientes e concorrência. As fontes internas foram citadas por todos os entrevistados como as principais fontes de informação para a tomada de decisão, porque já estamos com a informação dentro de casa (E3G). Contudo, as fontes externas como consultorias, agências de publicidade, IBGE, DETRAN, Banco Central também são significativas ao que concerne a geração de informações relevantes para as tomadas de decisões. No entanto, diferentes fontes de informação acabam apresentando essas informações em diferentes formatos (E9S), exigindo um cuidado e uma atenção grandes ao analisá-los, pois as regras de negócio podem não ser as mesmas em todos os sistemas consultados, interferindo na confiabilidade das informações apresentadas e dos sistemas em geral. Com relação à variedade de tipos de dados - estruturados, semi-estruturados e não estruturados há um predomínio e uma valorização muito grande dos dados estruturados, pois os entrevistados acreditam que eles são mais fidedignos, além disso são mais fáceis de manipular e mais claros e objetivos ao analisar. As informações não-estruturadas são utilizadas como complemento e como explicação do número retirado do sistema. A análise qualitativa é feita para entender o resultado quantitativo, pois ela traz uma percepção e informações que não podem ser representados de forma estruturada. Ainda, a variedade de tipos de dados e a complementaridade que está inerente auxiliam na assertividade da tomada de decisão e são muito s para defender e embasar um posicionamento e uma decisão perante às outras partes interessadas e participantes do processo decisório Velocidade Com o objetivo de melhor compreender a importância da dimensão velocidade no processo decisório, foram analisadas as seguintes variáveis: I) Velocidade da chegada da informação; e II) velocidade da tomada de decisão. A Figura 7 traz algumas declarações s sobre esta dimensão. ENTREV. Coordenadores Gerentes Superintendentes VELOCIDADE Mas se o pensamento é no curto prazo, aí sim a informação tem que ser online e a decisão tem que ser na hora. As vezes é não ter a informação que gera o atraso na tomada de decisão (E1C) Eu acho muito, né? Num mercado competitivo, num mundo globalizado, em que as informações estão cada vez mais em tempo real. (E4G) é preferível você atrasar a decisão do que tomar uma decisão incorreta que não possa ser revertida depois [...] (E6G) ela é extremamente, mas parece que no Sistema de Crédito Cooperativo, essa rapidez na informação ela não é tão necessária. ( E8S) [...] as vezes acontece, você tem que tomar uma decisão numa situação que eu tenho pouca vivência, pouca experiência, se eu precisar tomar uma decisão rápida eu vou ter que tomar, obviamente, mas eu sei que a consequência pode ser muito maior porque provavelmente você não vai poder ver todos os dados, todos as variáveis que precisavam ser analisadas. (E9S) Figura 7 : Resumo das respostas sobre a dimensão velocidade por nível hierárquico 10

11 Os entrevistados compreendem que a coleta de informação e a tomada de decisão devem ser feitas rapidamente para atenderem às exigências do mercado e reagirem frente às necessidades. Porém, muitos deles acreditam que o mais é o resultado da decisão e o impacto que este pode causar no sistema. Portanto, dependendo da situação, é preferível aguardar a informação a tomar uma decisão apressada e sem embasamento, podendo ter uma consequência negativa relevante. O entrevistado E8S resume bem a situação: é extremamente, mas nesta organização, essa rapidez na informação ela não é tão necessária, visto que o formato da governança corporativa não exige tanto essa característica. Um entrevistado comentou que as informações são geradas de forma online, no entanto, essa informação não chega online aos demandantes dessa informação pois há a necessidade de organizá-la. Contudo, a maior velocidade para receber as informações é uma demanda de muitos entrevistados. Devido à relação direta do recebimento da informação e o processo de tomada de decisão, este último deve-se adaptar-se à velocidade do primeiro Valor O resultado agregado a partir das análises das informações, a interpretabilidade das informações e o valor financeiro para ter dados de qualidade são as variáveis analisadas para entender a importância do valor no processo de tomada de decisão executado dos quais os entrevistados participam. A Figura 8 apresenta algumas frases selecionadas para representar a opinião geral dos entrevistados quanto ao valor dos dados. ENTREV. Coordenadores Gerentes Superintendentes VALOR [...] aquela determinada informação que talvez não exista, não exista de uma forma organizada, até a gente pode tentar descobrir pra ter essa informação, mas as vezes o custo não vale a pena, em termos de tempo, de pessoas para poder obter a informação e acaba não acontecendo. (E1C) a gente não faz nada sem informação... a pessoa mais experiente ela não toma nenhuma decisão sem informação. não adianta ter um super sistema de cadastro e as pessoas irem lá e não abastecer esse cadastro, ou seja, colocar informação errada, sonegar informação, aí efetivamente, o que pega mesmo é o processo, seja a cultura das pessoas e tal em buscar a informação, em ter a informação do teu cliente, do teu associado, e estar o mais update possível. (E3G) É enorme... a gente não consegue tomar uma decisão no Sistema de Crédito Cooperativo se ela não tiver muito bem embasada. E pra muito bem embasada eu preciso de números, pra mostrar que aquilo ali é realmente viável e vale apena abortar algo que ta em uso pra fazer um projeto diferente daquele que ta vigente, por exemplo. (E5G) [...] é extremamente fundamental. Você hoje não toma uma decisão acertada se você não tem boas informações. (E7S) [...] porque se você não tiver uma gestão, por exemplo, de backup adequada, se um dia você precisar de uma informação histórica, e ninguém monitora esse backup, testa a integridade dos backups que são feitos, quando você precisar, você vai descobrir que aquela informação não está armazenada de forma adequada, está inconsistente. (E9S) Figura 8 : Resumo das respostas sobre a dimensão valor por nível hierárquico O entrevistado E7S comentou que se você tomar alguma decisão de forma equivocada em função de falta de dados e até mesmo de análise desses dados, ela pode custar muito caro lá na frente (E7S), ele também ressaltou a importância da qualidade das informações quanto mais e melhor forem as informações, melhor vai ser a sua tomada de decisão, e consequentemente, você tem um nível de despesas bem menores lá na frente, porque hoje tempo custa dinheiro (E7S). Alguns entrevistados destacaram que a análise das informações compensa, desde que sejam as informações certas, mesmo porque o investimento é alto: 11

12 base de dados, arquitetura de sistemas, estrutura de pessoas, ou seja, o investimento é em termos financeiros, tecnológicos e de tempo das pessoas alocadas para a manipulação desses dados. Quanto à clareza e facilidade de interpretação das informações, somente um entrevistado afirmou que as informações que têm para a tomada de decisão não são tão claras. Por isso é que as fases de triagem e análise de informação sejam bem feitas no início do processo. Além disso, a experiência dos envolvidos no processo de tomada de decisão é bastante para que seja possível perceber alguma inconsistência. Segundo um entrevistado, os processos de gestão de riscos contribui para que as informações relevantes sejam exatas e consistentes. Outro fator citado que auxilia na manutenção da qualidade das informações é a cultura da informação, seja de atualização constante, seja de cultura de uso Veracidade Para compreender a importância da dimensão veracidade no processo de tomada de decisão, foi analisado o critério de credibilidade na exatidão dos dados. A Figura 9 apresenta afirmações que representam a opinião geral dos entrevistados quanto a veracidade de dados. ENTREV. Coordenadores Gerentes Superintendentes VERACIDADE não que informações corretas sejam decisões corretas, mas informações corretas aumentam a chance de tomar decisão correta. (E2C) [...] uma coisa que garante a confiabilidade das informações é a experiência [...] (E2C) É preferível não ter a informação do que ter uma informação inverídica. (E4G) Eu não posso, tomar uma decisão com informação sem veracidade. Pra decisão, tem que ta com uma informação muito firme, muito certo de que é aquilo ali mesmo. (E5G) Ta dependendo da sorte porque ela pode simplesmente se ela não for verídica, ela pode ser totalmente equivocada, dar prejuízo, risco de imagem... (E8S) Eu diria que é fundamental, não é nem uma prioridade, é efetivamente eu garantir que você tenha o máximo de veracidade, principalmente em informações s ou que têm impacto... (E10S) Figura 9 : Resumo das respostas sobre a dimensão veracidade por nível hierárquico Com relação à confiança que os entrevistados têm nas informações recebidas para embasarem suas tomadas de decisão, a maioria dos entrevistados disseram confiar nas suas informações, apesar de alguns detalhes que podem distorcer um pouco a informação verdadeira. Apesar disso, alguns deles citaram que a fonte das informações é algo que auxilia a ter confiança nas informações. Como é possível perceber pelos comentários convictos de todos os entrevistados, a importância desta dimensão é bastante alta, muitos deles disseram que é preferível decidir sem ter informações prévias a ter informações erradas. Após as análises das entrevista, pode-se verificar quais dimensões são as mais s para o processo decisório segundo cada entrevistado e, consequentemente, têm maiores efeitos no mesmo (Figura 10). Foi utilizada uma escala em que Neutro é a categoria que representa a menor importância e Fundamental a maior importância. ENTREVISTADO VOLUME VARIEDADE VELOCIDADE VALOR VERACIDADE E1C Neutro Importante E2C E3G Neutro Importante Neutro Importante Fundamental Fundamental Fundamental 12

13 E4G E5G Neutro Neutro E6G Neutro Importante Importante E7S Fundamental Importante Neutro Fundamental Importante Fundamental Fundamental E8S Neutro Importante Fundamental E9S Neutro Importante Fundamental E10S Importante Neutro Fundamental Importante Figura 10 : Classificação das dimensões por entrevistado Por mais que tenha havido diferentes opiniões com relação à importância de algumas dimensões para o processo decisório, não foi percebido divergências em função do nível hierárquico ou da função no processo de tomada de decisão. Portanto, não é possível afirmar que a variação das opiniões é devido à variedade de cargos. A dimensão veracidade mostrou-se, sem dúvida, a dimensão mais entre as cinco analisadas. s entrevistados falaram que é preferível não ter a informação a ter uma informação errada. Isto representa o forte efeito que o processo de tomada de decisão sofreria caso a veracidade não fosse garantida. A segunda dimensão é a dimensão valor. Essas dimensões são bastante próximas na teoria, pois ambas trabalham com variáveis da qualidade da informação. Também, receberam adjetivos bastante intensos da maioria dos entrevistados, o que demonstra a sua importância para as decisões, seja para aumentar a assertividade, seja para minimizar o risco de decisões erradas; são esses: Essencial, fundamental, importantíssimo, Importância máxima, importância total. A terceira dimensão mais é a variedade, no entanto, ela deve-se ser bem trabalhada. Com relação à variedade de fontes, elas devem ser de confiança para que as informações sejam corretas, caso contrário, pode-se haver dados desencontrados, dificultando ainda mais a tomada de decisão, por insegurança nas informações. Com relação à variedade de tipos de dados, os entrevistados preferem utilizar dados estruturados, porque são mais fáceis de serem lidos, bem como mais claros e fáceis de serem interpretados, agilizando a decisão. s dos entrevistados acreditam que são informações mais corretas, embasando melhor as decisões. No entanto, deve-se ressaltar a sub-valorização dos entrevistados pelos dados não-estruturados. Como visto ao longo do trabalho, o Big Data trata-se, principalmente, da explosão de deste tipo de dados e da capacidade de análises que podem ser efetuadas sobre, no entanto, exige um trabalho a mais para lidar com eles. Velocidade é a quarta dimensão em ordem de importância para o processo de tomada de decisão. Apesar da importância ressaltada, esta dimensão não está entre as três primeiras em virtude do tipo de governança deste Sistema de Crédito Cooperativo, o qual permite que cada área tenha o seu planejamento, e ajuste as velocidades em função dos seus interesses, levando em consideração todos os ritos de decisão do Sistema. Por fim, a dimensão menos o processo de decisão é a dimensão volume, pois não há ferramentas nem pessoas suficientes para trabalhar com um grande volume de dados e de informações. Neste caso, o grande volume de dados poderia atrapalhar a decisão. s entrevistados demonstraram e afirmaram que a quantidade de informações não é o diferencial, mas sim a qualidade das mesmas, e que dependendo da situação é mais tem uma informação boa e segura, do que muitas duvidosas. 13

14 A experiência é uma variável que permeou todas as entrevistas e em respostas de todas as variáveis. Ela deve ser ressaltada, visto que ela pode assegurar que essas dimensões serão aplicadas da melhor forma possível; como dito por um entrevistado, a experiência e a informação andam juntas ; a primeira potencializa a capacidade da segunda para que, no final do processo, o Sistema de Crédito Cooperativo como um todo tenha um resultado positivo e mantendo-o competitivo perante aos demais bancos de mercado. 6. CONCLUSÃO Considerando que a tomada de decisão baseada em evidências (também conhecido como Big Data) não é apenas a última moda, é o futuro de como vamos orientar e fazer crescer o negócio (HAMMOND, 2013), é fundamental que os gestores saibam lidar com as características das informações de hoje, no contexto do Big Data volume, variedade, velocidade, valor e veracidade. Porém, para isso, é necessário que reflitam e compreendam o processo de decisão da organização em que está inserido e as características mais s para o mesmo. Neste contexto, este trabalho propôs verificar a importância dos fatores 5V s (volume, variedade, velocidade, valor e veracidade) do Big Data no processo de tomada de decisão de executivos de diferentes níveis hierárquicos em um Sistema de Crédito Cooperativo. Os resultados da pesquisa qualitativa atingiram os objetivos, e as proposições P1...P5 foram verificadas, tendo como resultado final as cinco variáveis ordenadas por importância. As variáveis mais s para o processo de tomada de decisão são veracidade e valor das informações. As três variáveis que apresentaram menor importância, respeitando a ordem final, são: variedade, velocidade e volume de informações. Tal achado não significa que as mesmas não sejam s. Observou-se que a questão de pesquisa apontava se existia ou não diferença de visão entre gestores de níveis hierárquicos diferentes, pode-se considerar que não foi encontrada nenhuma evidência que comprovasse a diferença de percepção do efeito das cinco variáveis no processo de decisão em função, especificamente, do nível hierárquico dos entrevistados, da Cooperativa de Crédito. Pode-se destacar que os entrevistados foram unanimes em relação a ter os 5V s gerenciados e tecnologia de informação de última geração se o seu tempo disponível não é compatível ao tempo necessário para a decisão, pois é necessário disponibilidade de tempo para organizar, estruturar e analisar os dados, o que nem sempre é ocorre. Você precisa de uma pequena dose de dados exatamente corretos. Dados que levam precisamente à questão, que você entenda profundamente, e que você possa confiar. Se esses dados já estão à mão, ótimo (REDMAN, 2013, p.1). Alguns fatores podem ser considerados limitadores desta pesquisa: I) única fonte de coleta das informações: entrevistas em profundidade; e II) as análises das respostas serem feitas pelos entrevistadores, podendo causar alguma distorção nas análises. Contudo, o tema da pesquisa é bastante novo, tem despertado interesse de estudo por pesquisadores e está sendo explorado por organizações atentas a essa realidade. Em virtude da relevância do tema e do Big Data ser uma realidade, é a elaboração de novos estudos de caso. Dessa forma, pode-se avaliar como gestores de outras organizações são influenciados pelas dimensões. Assim, será possível identificar um padrão de comportamento geral de efeito no processo decisório. Referências Bibliográficas BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa : Martins Fontes, BARTON, D.; COURT, D. Get Started with Big Data: Tie Strategy to Performance. Harvard Business Review Blog Network, 1º outubro Disponível em: 14

15 <<http://blogs.hbr.org/cs/2012/10/getting_started_on_a_big_data.html>> Acesso em: 14/02/2013 BAZERMAN, M., MOORE, D. Processo Decisório. Rio de Janeiro: Elsevier, BEATH, C. et al. Finding value in the information explosion. MIT Sloan Management Review, v. 53, n. 4, CALLEBAUT, W. Scientific perspectivism: A philosopher of science s response to the challenge of big data biology. Studies in history and philosophy of biological sciences, v. 43, CHEN, H.; CHIANG, R. H. L.; STOREY, V. C. Business Intelligence and Analytics: from Big Data to Big Impact. MIS Quarterly 36 (4), CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2 ed. São Paulo : SENAC São Paulo, 2006 DEMCHENKO, Y. et al. Addressing big data challenges for scientific data infrastructure. In: International Conference on Cloud Computing Technology and Science IEEE, 4, Taipei, Proceedings, FINLAY, P. N. (1994). Introducing decision support systems. Oxford, UK Cambridge, Mass., NCC Blackwell; Blackwell Publishers. FRANK, C. Improving Decision Making in the World of Big Data. Site da Forbes, March Disponível em: < > Acesso em 1º jun 2013 FRANKS, B. Taming the big data tidal wave. John Wiley & Sons, Inc. Hoboken, Nova Jersey, 2012 FREITAS, H.; JANISSEK-MUNIZ, R. e MASCAROLA, J. Técnicas de análise de dados qualitativos. Revista Brasileira de Estatística, GARTNER IT GLOSSARY. Disponível em: <<http://www.gartner.com/it-glossary/bigdata/>> Acesso em 15 nov GEORGE G., HAAS, M. & PENTLAND A., Big Data and Management. Academy of Management Journal, 2014, Vol. 57, No. 2, Disponível em: Acesso em 25 abr GOMES, L. F. A. M. Teoria da Decisão. São Paulo: Thomson Learning, GOOGLE TRENDS. Pesquisa na WEB do Google: Big data. Disponível em: Acesso em: 13/02/2013. GREENGARD, Samuel. Big data unlocks business value. Baseline, January GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa qualitativa- Esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, Mai-Ago 2006, Vol. 22 n. 2, pp HAMMOND, Kristian. The Value of Big Data Isn't the Data. Blog da Harvard Business Review, May Disponível em: << >> Acesso em: 1º jun International Data Corporation (IDC) The 2011 Digital Universe Study: Extracting Value from Chaos. junho Disponível em: <<http://www.emc.com/collateral/demos/microsites/emc-digital-universe-2011/index.htm>> Acesso em: 07 out 2012 JACKSON, J., Five Things CIOs Should Know About Big Data. CIO, May 11, Disponível em < Acesso em 23 set

16 KWON, O.; LEE, N.; SHINB, B. Data quality management, data usage experience and acquisition intention of big data analytics. International Journal of Information Management, Vol. 34, Issue 3, June, 2014, p MANIYKA, J., CHUI, M., BROWN, B., BUGHIN, J., DOBBS, R., ROXBURGH, C., & BYERS A. H. Big data: The next frontier for innovation, competition, and productivity. McKinsey Global Institute, May, Disponível em: <<http://www.mckinsey.com/insights/mgi/research/technology_and_innovation/big_data_the _next_frontier_for_innovation>> Acesso em: 15 nov McAFEE, A.; BRYNJOLFSSON, E. Big Data: The Management Revolution. Harvard Business Review, October, p MERITALK-BIG DATA: Big Data, Big Brains, Beacon Report. Abril Disponível em: < > Acesso em 22 jun MINTZBERG, H., RAISINGHANI, D. & THÉORÊT, A. The Structure of "Unstructured" Decision Processes. Administrative Science Quarterly, Vol. 21, No. 2, jun. 1976, p NONOHAY, R. Tomada de decisão e os sistemas cerebrais: primeiros diálogos entre administração, psicologia e neurofisiologia. Porto Alegre, OLIVEIRA, M.; MAÇADA, A. C.; GOLDONI, V. Forças e fraquezas na aplicação do estudo de caso na área de sistemas de informação. REGE-USP, São Paulo, v. 16, n. 1, p , jan.- mar PIPINO, L. et. al., Data Quality Assessment. Communications of the ACM, April, 2002, Vol. 45, No. 4 PREIMESBERGER, C.. Big ideas about big data. eweek, 15 aug REDMAN, Thomas. In a Big Data World, Don t Forget Experimentation. Blog da Harvard Business Review, maio Disponível em: << >> Acesso em: 24/06/2013 REGALADO, A. The Power to Decide - What s the point of all that data, anyway? It s to make decisions, MIT Technology Review - Business Data and Decision Making: Business report, Jan p SIMON, H. A., (1960). The new science of management decision. The Ford distinguished lectures. Vol 3, (pp. 1-8). New York, NY, US: Harper & Brothers, xii, 50 pp. SANTAFERRARO, J. Offloading analytics. Business Intelligence Journal, v. 17, n. 4, TANKARD, C. Big data security. Network security, jul TAURION, C. Você realmente sabe o que é o big data? Blog da IBM, 30 abril Disponível em: https://www.ibm.com/developerworks/mydeveloperworks/blogs/ctaurion/entry/voce_realmen te_sabe_o_que_e_big_data?lang=em. Acesso em: 12 fev The Economist - Economist Intelligence Unit. The Deciding Factor: Big data and decisionmaking, June Disponível em: <http://www.capgemini.com/resource-fileaccess/resource/pdf/the_deciding_factor Big_Data Decision_Making.pdf > VIJAYAN, J. Finding the business value in big data is a big problem. Computer World. December Disponível em : < s_a_big_problem> Acesso em: 23 abr WEBER, K.et. al One size does not fit all a contingency approach to data governance. Journal of Data and Information Quality, Volume 1, Issue 1, Article 4, June 2009, 27 p. WEBSTER, J. Big data deserves IT's attention. Computer World. August Disponível em : < 16

17 Acesso em 02 out., YIN, Robert. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell. Porto Alegre: Bookman, 2010; 248 p. 17

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES Tiago Volpato 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1, Jaime William Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com, ricardo@unipar.br,

Leia mais

A TOMADA DE DECISÃO NO CONTEXTO DO BIG DATA: Estudo de caso único.

A TOMADA DE DECISÃO NO CONTEXTO DO BIG DATA: Estudo de caso único. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Vivian Passos Canary A TOMADA DE DECISÃO NO CONTEXTO DO BIG DATA: Estudo de caso único. Porto Alegre 2013

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho:

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: ASSUNTO em pauta Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: comunicação entre jovem e empresa Velychko 30 REVISTA DA ESPM maio/junho de 2011 O jovem quer seu espaço no mercado de trabalho.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Fernando Pires Barbosa, Carlos Roberto Gressler, Marcio Andre Dell Aglio Frick, Daniel Michelon de Carli, Giséli Bastos, Henrique

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Inteligência de Dados

Inteligência de Dados Inteligência de Dados Apoio Master Transformando Dados em Vantagem Competitiva Leonardo Couto Sócio e Diretor Comercial leo.couto@wiseminer.com +55 21 9 7295 1422 Big Data Bang e os desafios da gestão

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação MIT CDOIQ Symposium 2014 Os temas mais abordados Evolução MIT Information Quality Program Pesquisa, Ensino, Publicações, Conferências, Certificação

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Design da Informação. Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão. da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia

Design da Informação. Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão. da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia Design da Informação Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS Guia CARREIRAS E SALÁRIOS em contabilidade Guia Carreiras e Salários Se você é gestor de alguma empresa contábil, está procurando melhorar sua posição profissional ou é dono de um escritório de contabilidade:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa...

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Sobre o estudo perfil Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Amostra: Total: 1.035 respondentes Consumidores: 805 Profissionais: 230 objetivo

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais