Estimativa de Precipitação por Satélite. Parte I - Infravermelho e Visivel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estimativa de Precipitação por Satélite. Parte I - Infravermelho e Visivel"

Transcrição

1 Estimativa de Precipitação por Satélite Parte I - Infravermelho e Visivel Daniel Vila División de Satélites y Sistemas Ambientales Centro de Previsión del Tiempo y Estudios Climáticos Instituto Nacional de Investigaciones Espaciales 24 de Outubro de 2011 Universidade Federal de Rio de Janeiro

2 SUMARIO Introducción: Principios básicos relacionados con la estimación de precipitación a través de satélites meteorológicos Metodologías basadas en satélites geoestacionarios: infrarrojo y visible Metodologías basadas en satélites de orbita polar: microondas pasivas y técnicas combinadas. Metodologías basadas en microondas activas: TRMM y el concepto GPM (Global Precipitation Measurement)

3 Precipitation is a vital component of the hydrological cycle on the Earth. Weather radars and rain gauges (primary source of rainfall) are typically restricted to populated areas on the Earth and can only extend out over water bodies 150 km or so. Satellite-based methodologies serve to fill in these huge data voids, especially over unpopulated regions and oceans.

4 Rainfall Requirements Depend Upon the Application Monthly average rainfall, global (±60o latitude), pentad-type (e.g. 2.5-degree boxes), over land/ocean (Climatic shifts? Desertification?) Daily accumulated rainfall and snowpack, many stations over a watershed (When do I release water from a reservoir? Allocate water distribution?) Realtime global or regional analysis of rainrate at the best possible horizontal resolution (hydrological models) 5-minute updates of point rainfall inside an area (e.g., 105 km2) during the lifetime of a thunderstorm or landfalling hurricane away from coastal radars (Should coastal or low-lying areas be evacuated? Temporarily relocate naval fleet to safe harbor?) Any indications that this winter is associated with El Nino conditions? (An energy company, a tree removal company, emergency services)

5 Satellite-based rainfall estimation methods Satellite rainfall retrievals are generally categorized into LEO and GEO. Retrieval algorithms are typically classified on their observing spectrum (VIS, IR, PMW, AMW) or multi-spectral (i.e., use of one or more of these individual spectrums). If the methodology uses multiple satellites or other information such as radar or gauges is classified as a blended technique.

6 Estimativa de Precipitação por Satélite As técnicas de estimativa de precipitação que usam o espectro do visível e infravermelho estimam a precipitação de uma forma indireta uma vez que a gotas de chuva não são diretamente observadas pelo satélite. Diferentes técnicas para avaliar a precipitação a partir de dados de satélites de órbita polar e geoestacionária já foram produzidas. A tarefa de estimar a chuva é feita por algoritmos que relacionam a taxa de chuva de nuvens precipitantes à espessura e/ou temperatura de brilho das nuvens. GOES12 - Canal 1 GOES12 - Canal 4

7 Estimativa de Precipitação no IR ~ T nuv 4 No Infravermelho a radiação não penetra as nuvens, logo o Satélite esta medindo a emissão do topo da nuvem. A questão é: Como podemos inferir a chuva sem saber o que existe dentro dela? ~ T sup 4 Desse modo podemos dizer que temos uma solução empírica

8 Estimativa de Precipitação por Satélite O valor médio da taxa de chuva para cada Temperatura de Brilho foi calculado e obteve-se o gráfico da figura a seguir: Uma curva de regressão com valor de Taxa de Chuva sendo a variável dependente e Temperatura de Brilho a variável independente foi estabelecida. O modelo encontrado foi: Chuva= 16,3585 0,7855 * TB + 0,0136 * TB 2 0,00007 * TB 3

9 Estimativa de Precipitação por Satélite Alguns fatos interessantes sobre a precipitação... Aproximadamente 90% da precipitação produzida por uma nuvem ocorre dentro de uma área de 50% do total da área da nuvem; Um sistema convectivo é mais ativo e produz as maiores quantidades de chuva quando os topos se tornam mais frios e expansivos; Nuvens no estágio de dissipação produzem pouca ou nenhuma precipitação.

10 IR & VIS Techniques Cirrus Cumulonimbus Nimbostratus

11 IR & VIS Techniques The rainfall retrieval in these wavelengths is based on the fact that bright (optically thick) clouds are positively correlated with regions of convective rainfall. On the other hand, clouds with cold tops in the IR imagery produce more rainfall than those with warmer tops. Visible (VIS) and Infrared (IR) techniques are rather simple to apply Show a relatively low degree of accuracy. GEO weather satellite VIS and IR imagers uniquely provide the rapid temporal update cycle (e.g, 30 minutes or less) needed to capture the growth and decay of precipitating clouds.. Rainfall estimation methods can be divided in the following categories: cloud-indexing, bi-spectral schemes, life history, and cloud model-based.

12 SUMARIO Introducción: Principios básicos relacionados con la estimación de precipitación a través de satélites meteorológicos Metodologías basadas en satélites geoestacionarios: infrarrojo y visible Metodologías basadas en satélites de orbita polar: microondas pasivas y técnicas combinadas. Metodologías basadas en microondas activas: TRMM y el concepto GPM (Global Precipitation Measurement)

13 Bi-spectral and Life Cycle Techniques Lovejoy e Austin (1979) comparam dados do visível e infra-vermelho do GOES com dados de radar durante o experimento GATE e nas regiões de Montreal no Canadá. Eles criaram histogramas 2D de temperatura de brilho e albedo para determinar para os pixels que choviam e não choviam. + =

14 Bi-spectral and Life Cycle Techniques Tsonis e Isaac (1985) modificaram a técnica de Lovejoy e Austin a partir da aplicação de técnicas de agrupamento. Aonde os grupos precipitantes eram identificados pelas imagens de radar.

15 Bi-spectral and Life Cycle Techniques A taxa de precipitação de uma nuvem, em particular da nuvem convectiva, é função do estagio do ciclo de vida. Stout, Martin and Sikdar (1979) analisaram a relação entre a chuva estimada por radar e a área da nuvem medida pelo satélite de uma nuvem isolada

16 Bi-spectral and Life Cycle Techniques O ponto importante é que o pico de precipitação ocorre durante a fase de rápido crescimento da nuvem. Sendo que a precipitação reduz bastante durante o tempo em que a nuvem tem área máxima. Eles tentaram ajustar a taxa de precipitação a partir da equação: R a A a 0 1 da dt onde A é a área da nuvem, da/dt é o tempo de mudança da área da nuvem, e a 0 e a 1 são coeficientes determinados empiricamente. O termo a 1 é positivo, isso assegura que a taxa de precipitação será maior durante o estágio de crescimento do que durante o decaimento.

17 GOES Multispectral Rainfall Algorithm (GMSRA) Uses Data from 4 Different Channels: Visible (0.69 μm) discriminate between thin (non raining) cirrus and thicker (raining) clouds Short IR Window (3.9-μm) use reflectivity to identify clouds that are warm but have large particles near cloud-top and are thus producing rain Water Vapor (6.7-μm) warm signature above overshooting cloud tops differentiates from cirrus IR Window (10.7-μm) texture screening of cirrus clouds (low texture=cirrus; high texture=rain) and calculation of rainfall rate (but dependent only on value at pixel of interest)

18 GOES Multispectral Rainfall Algorithm (GMSRA)

19 The Convective-Stratiform Technique (CST) The CST procedure, using a simple one-dimensional cloud model, involves the following steps: (1) An estimation of the relation between the average rain rate (Rmean ), the convective rain area (Ar ) and cloud top temperature (Tc ) by computing the cloud model for different model updraft areas. (2) The search for local temperature minima (Tmin ) within every IR image. (3) The application of a discriminant function to detect non-raining clouds and a subsequent slope test to distinguish between young and mature storms. For young storms, the convective rain rate is calculated. (4) A threshold test based on the anvil-stratiform threshold temperature (Ts after Adler and Negri 1988) to separate convective core areas and stratiform anvil areas within mature storms. A constant rain rate of 2mmh -1 is assigned to stratiform anvil areas, whereas for core areas the convective rain rate is calculated.

20 The Convective-Stratiform Technique (CST)

21 PERSIANN CCS: Precipitation Estimation from Remotely Sensed Information using Artificial Neural Networks Cloud Classification System T b =220 o k T b =235 o k T b =220 o k T b =235 o k Location Topography Coldness Geometric Tmin: Cold top temperature Tmean Tmax Tmedium Geometric Feature Size Eccentricity Frontal orientation Shape Index of cloud; T b =253 o k T b =253 o k Texture Texture: Whole cloud texture variation Cloud texture gradients Local cloud texture variation GLCM and ASM Entropy and cold core texture variation; T o b K Hsu et al and Sorooshian et al. 2000)

22 PERSIANN CCS Image Segmentation Patch Feature Extraction Cloud Classification Rainfall Mapping V 220K c 1 c 2 V 235K V 253K c k 80 R (mm/h) T b (K) 300 Cold convective clouds Middle layer clouds _ 6 Cloud-Rainfall Mapping Cirrus Warm cloud rainfall Hsu et al and Sorooshian et al. 2000)

23

24 GOES Precipitation Index (GPI) desenvolvida por Arkin and Meisner (1987). A taxa de chuva é estimada a partir de pelo menos duas imagens através da equação: GPI = 3*f* t GPI é a taxa de chuva em mm/hr f é a fração convectiva encontrada através dos valores de pixels cuja Temperatura de Brilho é inferior a 235 K em uma área de 2,50 x 2,50 (f varia de 0 a 1) Δt é o intervalo de tempo ente uma imagem e a anterior

25 GOES Precipitation Index (GPI) Estimativa de Precipitacão por Satélite

26 Hydroestimator This is a fully automated method using an empirical power-law function that generates rainfall rates (mm/h) based on GOES-8 channel 4 brightness temperature. R = *10**(11) * exp [ **(-2) * T**(1.2)]

27 Hydroestimator Moisture correction factor (PWRH) defined as the product of precipitable water (PW) (integrated over the layer from surface to 500 hpa) times the relative humidity (RH) (mean value between surface and 500 hpa., in percentage) is applied to decrease rainfall rates in dry environments and increases them in the moist ones. Screening method: This technique assumes that raining pixels are colder than the mean of the surrounding pixels. Standardized temperature is defined as: T T T ave

28 Hydroestimator Screening method: This technique assumes that raining pixels are colder than the mean of the surrounding pixels. T T T ave The coldest tops are associated with convective rainfall.

29 Estimativa de Precipitacão por Satélite Hydroestimator Tơ < -1.5 Convective precipitation: defined essentially by the empirical powerlaw function corrected by PWRH. 1.5 < Tơ < 0 Tơ = 0 Stratiform precipitation: whose maximum value cannot exceed 12mmh-1 and must be less than the fifth part of the convective rainfall for a given pixel Entirely Convective Tơ > 0 pp = 0 Entirely Stratiform Standarized Temperature

30

31 Bias Correlación Heike skill score Falsas Alarmas Probabilidad de Detección

Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Depto. de Meteorologia, IAG-USP

Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Depto. de Meteorologia, IAG-USP 743 AN~SE DE TEXTURA NA IMAGEM IV DE SATÉLITES METEOROLóGICOS E APLICAÇÕES AO ESTUDO DA CONVECÇÃO Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Depto. de Meteorologia, IAG-USP Resumo - Dados digitais

Leia mais

Products for GEONETCAST System. Daniel Vila, Cesar Mello, Frederico de Angelis

Products for GEONETCAST System. Daniel Vila, Cesar Mello, Frederico de Angelis Products for GEONETCAST System Daniel Vila, Cesar Mello, Frederico de Angelis INPE GeonetCast Product List (*) File name convention: INPE_XXX_AAAAMMDDhhmm.jpg(png) INPE GeonetCast Product List Estimated

Leia mais

UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL. Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes

UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL. Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, Instituto Nacional

Leia mais

ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO VIA SATÉLITE PARA ESTUDO DE TEMPO E CLIMA: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO VIA SATÉLITE PARA ESTUDO DE TEMPO E CLIMA: AVANÇOS E PERSPECTIVAS ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO VIA SATÉLITE PARA ESTUDO DE TEMPO E CLIMA: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Gilberto A. Vicente NOAA/NESDIS/Office of Research and Applications, Washington, DC, USA Fone: (301) 763-8251;

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL E ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO NO NORDESTE DA AMAZONIA ATRAVÉS DOS ALGORITMOS 3B42 E GPI

DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL E ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO NO NORDESTE DA AMAZONIA ATRAVÉS DOS ALGORITMOS 3B42 E GPI DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL E ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO NO NORDESTE DA AMAZONIA ATRAVÉS DOS ALGORITMOS 3B42 E GPI Rômulo Augusto Jucá Oliveira 1 Galdino Viana Mota 2 RESUMO Este trabalho usa o algoritmo 3B42

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE Izabelly Carvalho da Costa 1 Carlos Frederico de Angelis 1 RESUMO Tendo em vista que a

Leia mais

ADAPTAÇÃO DA TÉCNICA DE ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO NAW PARA A ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO RADAR DE BAURU, SP GRAZIELA BALDA SCOFIELD 1 ÍRIA VENDRAME 2

ADAPTAÇÃO DA TÉCNICA DE ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO NAW PARA A ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO RADAR DE BAURU, SP GRAZIELA BALDA SCOFIELD 1 ÍRIA VENDRAME 2 ADAPTAÇÃO DA TÉCNICA DE ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO NAW PARA A ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO RADAR DE BAURU, SP GRAZIELA BALDA SCOFIELD ÍRIA VENDRAME IPD UNIVAP- Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Universidade

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO

DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO 111 DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO Jorge Conrado Conforte 1 Maria Aparecida Senaubar 2 Oswaldo Massambani 2 Fausto Carlos de Almeida 1 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Características dos sistemas convectivos observados por satélite durante o experimento WET AMC/LBA

Características dos sistemas convectivos observados por satélite durante o experimento WET AMC/LBA Características dos sistemas convectivos observados por satélite durante o experimento WET AMC/LBA Henri Laurent (1,2), Luiz Augusto T. Machado (1), Dirceu Herdies (3) e Carlos Morales (4) 1 CTA/IAE/ACA,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Graziela Balda Scofield Instituto Tecnológico Aeronáutico - ITA Praça Mal. Eduardo Gomes, 5, Vila das Acácias, São José dos Campos-SP, 12228-9 e-mail:

Leia mais

Estimativa de Precipitação em Microondas a partir de Modelos de Nuvens.

Estimativa de Precipitação em Microondas a partir de Modelos de Nuvens. 1 Estimativa de Precipitação em Microondas a partir de Modelos de Nuvens. Nesta faixa do espectro, a radiação eletromagnética tem a contribuição da superfície (terra ou ocean), e a interação com o meio

Leia mais

VALIDAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO POR RADAR E SATÉLITE: ANÁLISE DE RELAÇÕES ZR E INTEGRAÇÃO COM PLUVIÔMETROS

VALIDAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO POR RADAR E SATÉLITE: ANÁLISE DE RELAÇÕES ZR E INTEGRAÇÃO COM PLUVIÔMETROS VALIDAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO POR RADAR E SATÉLITE: ANÁLISE DE RELAÇÕES ZR E INTEGRAÇÃO COM PLUVIÔMETROS Leonardo Calvetti; Cesar Beneti; Réverton Luis Antunes & Alex Conselvan de Oliveira RESUMO

Leia mais

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM)

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) ( Missão para medição de chuva tropical ) Prof. Dr. Carlos Augusto Morales (DCA/IAG/USP) morales@model.iag.usp.br Dra. Rachel Ifanger Albrecht (DSA/CPTEC/INPE)

Leia mais

Web Treinamento EUMETCast

Web Treinamento EUMETCast Web Treinamento EUMETCast O que é o sistema EUMETCast Américas? Como fazer para adquirir uma estação de recepção EUMETCast? Quais dados são recebidos na estação, e que produtos podem ser gerados? Estação

Leia mais

ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES

ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES Renato Galante Negri 1 e Luiz Augusto Toledo Machado 1 RESUMO Esse artigo descreve uma técnica de estimativa da altura da base das

Leia mais

Modelo de Previsão de Relâmpagos Nuvem-Solo Utilizando Imagens de Satélite em Infravermelho

Modelo de Previsão de Relâmpagos Nuvem-Solo Utilizando Imagens de Satélite em Infravermelho Modelo de Previsão de Relâmpagos Nuvem-Solo Utilizando Imagens de Satélite em Infravermelho Enrique Vieira Mattos 1, Luiz Augusto Toledo Machado 2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais DSA 2 Centro

Leia mais

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Heriberto dos Anjos Amaro 1, Elisângela Gonçalves Lacerda 1, Luiz Carlos Baldicero Molion 2 1 Pontifícia Universidade

Leia mais

USO DE IMAGENS DE SATÉLITE NO CONTROLE DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS POR ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS AUTOMÁTICAS

USO DE IMAGENS DE SATÉLITE NO CONTROLE DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS POR ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS AUTOMÁTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA DISSERTAÇÃO USO DE IMAGENS DE SATÉLITE

Leia mais

DIAGNóSTICO 00 CAMPO DE PRECIPITAÇÃO A PARTIR DA INTEGRAÇÃO RADAR E SATÉLITE METEOIDLéX;ICOS

DIAGNóSTICO 00 CAMPO DE PRECIPITAÇÃO A PARTIR DA INTEGRAÇÃO RADAR E SATÉLITE METEOIDLéX;ICOS 267 ResUTO DAGNóSTCO 00 CAMPO DE PRECPTAÇÃO A PARTR DA NTEGRAÇÃO RADAR E SATÉLTE METEODLéX;COS MARA A. SENAUBAR ALVES cra-ae JORGE CONRADO CONFOR'E NPE OSWADO MASSAMBAN AG-USP FAUSTO C. DE ALflffiDA NPE

Leia mais

Caracterização da Estrutura Física das Nuvens em Diferentes Ecossistemas da América do Sul A Partir de Dados do MODIS

Caracterização da Estrutura Física das Nuvens em Diferentes Ecossistemas da América do Sul A Partir de Dados do MODIS Caracterização da Estrutura Física das Nuvens em Diferentes Ecossistemas da América do Sul A Partir de Dados do MODIS Bruno Muniz Duarte 1 José Ricardo de Almeida França 1 1 Universidade Federal do Rio

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE NUVENS UTILIZANDO IMAGENS AVHRR DO SATÉLITE NOAA-14 ABSTRACT

CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE NUVENS UTILIZANDO IMAGENS AVHRR DO SATÉLITE NOAA-14 ABSTRACT CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE NUVENS UTILIZANDO IMAGENS AVHRR DO SATÉLITE NOAA-14 JOSÉ RICARDO DE ALMEIDA FRANÇA * E RICARDO RAPOSO DOS SANTOS 1 UFRJ-IGEO - Departamento de Meteorologia Av. Brigadeiro Trompowsky

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R ZILDENE PEDROSA O. EMÍDIO 1, ROBERTO V. CALHEIROS² ¹Meteorologista, Ph.D., Instituto de Pesquisas

Leia mais

OPERAÇÃO, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA PREVISÃO DE EVENTOS EXTREMOS. José Antonio Aravéquia

OPERAÇÃO, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA PREVISÃO DE EVENTOS EXTREMOS. José Antonio Aravéquia OPERAÇÃO, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA PREVISÃO DE EVENTOS EXTREMOS José Antonio Aravéquia Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos CPTEC Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Centro

Leia mais

Os Benefícios do Sistema EUMETCast no Brasil

Os Benefícios do Sistema EUMETCast no Brasil www.lapismet.com Os Benefícios do Sistema EUMETCast no Brasil Humberto Barbosa barbosa33@gmail.com Meteosat-10, Airmass RGB Furacão Humberto 2013 Categoria 1 140 km/h TÓPICOS DA APRESENTAÇÃO 1 - Visão

Leia mais

Interação entre a Profundidade Óptica do Aerossol e a Fração de Cobertura de Nuvens na Amazônia utilizando dados obtidos com o MODIS

Interação entre a Profundidade Óptica do Aerossol e a Fração de Cobertura de Nuvens na Amazônia utilizando dados obtidos com o MODIS Interação entre a Profundidade Óptica do Aerossol e a Fração de Cobertura de Nuvens na Amazônia utilizando dados obtidos com o MODIS Vinícius Roggério da Rocha¹, Marcia Akemi Yamasoe² ¹ Instituto de Astronomia,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS NUVENS E DOS SISTEMAS DE NEBULOSIDADE COM BASE EM PRODUTO DIGITAL DOS CANAIS INFRAVERMELHO E VAPOR D'ÁGUA

DESENVOLVIMENTO DAS NUVENS E DOS SISTEMAS DE NEBULOSIDADE COM BASE EM PRODUTO DIGITAL DOS CANAIS INFRAVERMELHO E VAPOR D'ÁGUA DESENVOLVIMENTO DAS NUVENS E DOS SISTEMAS DE NEBULOSIDADE COM BASE EM PRODUTO DIGITAL DOS CANAIS INFRAVERMELHO E VAPOR D'ÁGUA Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br Maria Helena de Carvalho mhelena@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Jurandir Ventura Rodrigues 1 Simone Sievert da Costa 1 Rogério da Silva Batista 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CHUVA DO HIDROESTIMADOR PARA MODELAGEM HIDROLÓGICA NA REGIÃO DA BACIA DO RIO GRANDE

AVALIAÇÃO DA CHUVA DO HIDROESTIMADOR PARA MODELAGEM HIDROLÓGICA NA REGIÃO DA BACIA DO RIO GRANDE AVALIAÇÃO DA CHUVA DO HIDROESTIMADOR PARA MODELAGEM HIDROLÓGICA NA REGIÃO DA BACIA DO RIO GRANDE Claudinéia Brazil Saldanha 1 ; Adriano Rolim da Paz 1 ; Daniel Allasia 1 ; Walter Collischonn 1 & Daniel

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS GOES 12 DA AMÉRICA DO SUL UTILIZANDO CANAIS TERMAIS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS GOES 12 DA AMÉRICA DO SUL UTILIZANDO CANAIS TERMAIS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS GOES 12 DA AMÉRICA DO SUL UTILIZANDO CANAIS TERMAIS Marcus Jorge Bottino 1 e Juan Carlos Ceballos 1 RESUMO. A classificação de nuvens e superfícies nas imagens GOES 12, diurna

Leia mais

Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica

Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica RESUMO: Este documento apresenta um método de previsão a curto prazo

Leia mais

Estimativas de precipitação por microondas passivas com ênfase na participação brasileira no GPM

Estimativas de precipitação por microondas passivas com ênfase na participação brasileira no GPM Estimativas de precipitação por microondas passivas com ênfase na participação brasileira no GPM Augusto Brandão D'Oliveira, Carlos Frederico de Angelis, Nelson Arai, Luiz Augusto Toledo Machado Centro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DAS TEMPESTADES NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NO VERÃO DE 2006

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DAS TEMPESTADES NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NO VERÃO DE 2006 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DAS TEMPESTADES NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NO VERÃO DE 2006 Lucia Iracema Chipponelli Pinto 1 Diego Simões Fernandes² 1 Centro de Ciências do Sistema Terrestre/Instituto

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental Comparação da temperatura de brilho de superfície do período seco com o chuvoso no Distrito Federal calculada a partir de imagens do Landsat

Leia mais

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA.

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. PAULO RICARDO H. BALDUINO 0 Conteúdo 1. Introdução

Leia mais

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.2150 Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade:

Leia mais

ANÁLISE TERMODINÂMICA DAS SONDAGENS DE CAXIUANÃ DURANTE O EXPERIMENTO PECHULA.

ANÁLISE TERMODINÂMICA DAS SONDAGENS DE CAXIUANÃ DURANTE O EXPERIMENTO PECHULA. ANÁLISE TERMODINÂMICA DAS SONDAGENS DE CAXIUANÃ DURANTE O EXPERIMENTO PECHULA. Dayana Castilho de Souza 1, Maria Aurora Santos da Mota 2, Júlia Clarinda Paiva Cohen 3 RESUMO Os dados utilizados neste estudo

Leia mais

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 Ricardo Antonio Mollmann Junior 1, Natalia Parisotto Sinhori 1, Yasmin Uchôa da Silva 1, Heliofábio Barros Gomes¹, Rosiberto

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

CHUVAS DE VERÃO E AS ENCHENTES NA GRANDE SÃO PAULO: EL NIÑO, BRISA MARÍTIMA E ILHA DE CALOR. Augusto José Pereira Filho

CHUVAS DE VERÃO E AS ENCHENTES NA GRANDE SÃO PAULO: EL NIÑO, BRISA MARÍTIMA E ILHA DE CALOR. Augusto José Pereira Filho CHUVAS DE VERÃO E AS ENCHENTES NA GRANDE SÃO PAULO: EL NIÑO, BRISA MARÍTIMA E ILHA DE CALOR Augusto José Pereira Filho Universidade de São Paulo, São Paulo USP / IAG / DCA Rua do Matão, 1226, São Paulo-SP,

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS.

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Bruna Zaparoli, Claudinéia B. Saldanha, Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento

Leia mais

Uso do algoritmo divisão K-médias adaptado para definição de background em imagens do Landsat 8

Uso do algoritmo divisão K-médias adaptado para definição de background em imagens do Landsat 8 Uso do algoritmo divisão K-médias adaptado para definição de background em imagens do Landsat 8 Rodrigo Augusto Rebouças 1 Rafael Duarte Coelho dos Santos 2 Mateus Habermann 1 Elcio Hideiti Shiguemori

Leia mais

Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR

Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR Jefferson Gonçalves de Souza 1 Alice dos Santos Macedo 1 Fernando Ramos Martins 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto

Leia mais

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS Autores: Jiménez, K. Q.; Collischonn, W.; Paiva, R.C.D.; Buarque, D. C.

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

Comparação entre dados de precipitação obtidos por satélites e por pluviômetros no Vale do Paraíba

Comparação entre dados de precipitação obtidos por satélites e por pluviômetros no Vale do Paraíba Comparação entre dados de precipitação obtidos por satélites e por pluviômetros no Vale do Paraíba Patrícia Mayumi Teramoto 1 Gilberto Fisch 2 Silvio Jorge Coelho Simões 1 1 Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br.

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br. Aplicação do Método das Variáveis Conservativas no Estudo da Estrutura da Camada Limite Amazônica. Por Alexandre M. Casseb do Carmo, Sergio H. Franchito e V. Brahamananda Rao Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Humberto Alves Barbosa 1, Ivon Wilson da Silva Júnior 2 1 PhD, LAPIS/UFAL Maceió

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO

DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO ALEXANDRE DAL PAI 1 ; FABIO HENRIQUE P. CORRÊA 2 ; LUIZ CARLOS DALL ANTONIA 3 ; DOUGLAS RODRIGUES

Leia mais

à atmosfera, considera a atenuação e a reflexão devido à presença das nuvens.

à atmosfera, considera a atenuação e a reflexão devido à presença das nuvens. 457 RESUMO ESTIMATIVA DA RADIAÇÂO SOLAR INSTANTÂNEA POR SAT~LITE PARA C~U CLARO OU ENCOBERTO Nelson Arai Fausto Carlos de Almeida Usando um modelo físico de transferência radiativa e imagens obtidas por

Leia mais

A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL NO MODELO CLIMÁTICO DO HADLEY CENTRE. Iracema F.A.Cavalcanti 1 e Peter Rowntree 2 ABSTRACT

A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL NO MODELO CLIMÁTICO DO HADLEY CENTRE. Iracema F.A.Cavalcanti 1 e Peter Rowntree 2 ABSTRACT A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL NO MODELO CLIMÁTICO DO HADLEY CENTRE. Iracema F.A.Cavalcanti e Peter Rowntree CPTEC/INPE, BRASIL HADLEY CENTRE, U.K. ABSTRACT The South Atlantic Convergence Zone

Leia mais

Mestrado Integrado Engenharia da Energia e do Ambiente, Faculdade Ciências da Universidade de Lisboa, 1/12

Mestrado Integrado Engenharia da Energia e do Ambiente, Faculdade Ciências da Universidade de Lisboa, 1/12 , 6/10/009 On the web Course webpage! http:// solar.fc.ul.pt/pv_course PV blog http://solar-fcul.blogspot.com com Group page: http:// solar.fc.ul.pt On the web Radiation from the Sun Atmospheric effects

Leia mais

Visualização e Acompanhamento Automático de Sistemas de Nuvens

Visualização e Acompanhamento Automático de Sistemas de Nuvens Visualização e Acompanhamento Automático de Sistemas de Nuvens SELAN RODRIGUES DOS SANTOS 1 CATI ELISA DE AVILA VALADÃO 1 MARCELO DREUX 2 1 PUC-Rio, Departamento de Informática 2 PUC-Rio, Departamento

Leia mais

APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS

APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS Washington L. F. Correia Filho 1, Alexandre S. dos Santos, 1, Paulo S. Lucio 2 1 Meteorologista, Doutorando

Leia mais

ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA

ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA Alexandra Amaro de Lima Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - METEOROLOGIA/INPE Av.

Leia mais

PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL. Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki

PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL. Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki Universidade Federal de Pelotas - UFPel Centro de Pesquisas Meteorológicas CPMet

Leia mais

EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1

EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1 EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1 Luiz Augusto T. Machado(1), Juan Ceballos(2), Marigláudio Gondim(2), Daniel A. Vilas(1) e Roberto

Leia mais

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ANATOLI STAROSTIN PAULO ROBERTO PELUFO FOSTER 1 ROSELI GUETHS GOMES 1 VLADAIR MORALES DE OLIVEIRA

Leia mais

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO Anete S. Fernandes Instituto Astronômico e Geofísico - USP anete@model.iag.usp.br Mário T.L. Barros Escola Politécnica - PHD

Leia mais

Capítulo Sistemas de Memória Memória Virtual. Ch7b 1

Capítulo Sistemas de Memória Memória Virtual. Ch7b 1 Capítulo Sistemas de Memória Memória Virtual Ch7b Memória Virtual Memória principal funciona como uma cache para o armazenamento secundário (disco) Virtual addresses Physical addresses Address translation

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO Éder P. Vendrasco1; Carlos F. Angelis1; Edson T. Branco2; Caetano T. Lo Ré2; Marcelo Santos2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS ESTIMATIVA DA PRECIPITAÇÃO ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO: ESTUDO DE CASO PARA O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Autor

Leia mais

Climate Change and Coffee Production: Vulnerability and possible adaptation

Climate Change and Coffee Production: Vulnerability and possible adaptation World Coffee Conference 2010 Guatemala City 26-28 February Climate Change and Coffee Production: Vulnerability and possible adaptation Eduardo Delgado Assad Embrapa - Brazil The growth rate of C02 is very

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho²

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho² ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho² 1 UNESP/PIBIC-INPE- nathalia.prado@cptec.inpe.br, 2 CPTEC/INPE - Cachoeira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS DOS SISTEMAS FRONTAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO. Guilherme Santini Dametto¹ e Rosmeri Porfírio da Rocha²

CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS DOS SISTEMAS FRONTAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO. Guilherme Santini Dametto¹ e Rosmeri Porfírio da Rocha² CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS DOS SISTEMAS FRONTAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO Guilherme Santini Dametto¹ e Rosmeri Porfírio da Rocha² PALAVRAS CHAVES: Climatologia; frente fria; sistemas frontais; sinótica;

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. HUGO ELY DOS ANJOS RAMOS 1,4, JOSÉ GERALDO FERREIRA DA SILVA 2,4,

Leia mais

Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia

Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia Fernanda Gonçalves Rocha 1 ; Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista (CNPq), Programa de Pós-graduação em Meteorologia/DCA/UFCG,

Leia mais

INVEST 90Q O SEGUNDO CICLONE TROPICAL NO ATLÂNTICO SUL.

INVEST 90Q O SEGUNDO CICLONE TROPICAL NO ATLÂNTICO SUL. INVEST 90Q O SEGUNDO CICLONE TROPICAL NO ATLÂNTICO SUL. Expedito Rebello; expedito.rebello@inmet.gov.br José de Fátima da Silva; jose.fatima@inmet.gov.br - Nadir Sales; nadir.sales@inmet.gov.br Instituto

Leia mais

Instalação do encosto. Recursos. Como usar os tubos adaptadores. Estrutura do produto. Sistema de Som

Instalação do encosto. Recursos. Como usar os tubos adaptadores. Estrutura do produto. Sistema de Som MANUAL Instalação do encosto Sistema de Som Recursos Disponível em preto, cinza Hastes de montagem ajustáveis para encaixe em qualquer assento Hastes ajustáveis a partir de 4 polegadas de distância a 8

Leia mais

Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites

Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites Impacto de desmatamento na mudança climática regional via satélites William Tse Horng Liu Paulo Shiguenori Kanazawa Edson Luis Santiami Paulo Jun Kanazawa Laboratório de Geoprocessamento Universidade Católica

Leia mais

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ELIZABETH FERREIRA 1, ANTONIO A. A. DANTAS 2, HUMBERTO A. BARBOSA 3 1 Engenheira Agrícola, Professora

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará

Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará Cleiton da Silva Silveira 1, Alexandre Araújo Costa 2, Francisco das Chagas Vasconcelos Júnior 3, Aurélio Wildson Teixeira

Leia mais

DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO.

DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO. 758 DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO. Gutemberg Borges França Instituto de Atividades Espaciais CTA/IAE/ECA - são José dos Campos

Leia mais

TEMPESTADES E TEMPO SEVERO DURANTE O EXPERIMENTO CHUVA-GLM VALE DO PARAÍBA

TEMPESTADES E TEMPO SEVERO DURANTE O EXPERIMENTO CHUVA-GLM VALE DO PARAÍBA TEMPESTADES E TEMPO SEVERO DURANTE O EXPERIMENTO CHUVA-GLM VALE DO PARAÍBA Rachel ALBRECHT 1*, Carlos MORALES 2, Enrique MATTOS 1, Thiago BISCARO 1, Luiz MACHADO 1, Evandro ANSELMO 2, João NEVES 2 1 CPTEC/INPE

Leia mais

BALANÇO DE ENERGIA NA AMAZÔNIA: A IMPORTÂNCIA DO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA Luiz Augusto Toledo Machado Centro Técnico Aeroespacial-Instituto de

BALANÇO DE ENERGIA NA AMAZÔNIA: A IMPORTÂNCIA DO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA Luiz Augusto Toledo Machado Centro Técnico Aeroespacial-Instituto de BALANÇO DE ENERGIA NA AMAZÔNIA: A IMPORTÂNCIA DO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA Luiz Augusto Toledo Machado Centro Técnico Aeroespacial-Instituto de Aeronáutica e Espaço-Divisão de Ciências Atmosféricas CTA/IAE/ACA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO CONSUMO DE ÁGUA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS IMPACTOS DO TEMPO E DO CLIMA

CARACTERÍSTICAS DO CONSUMO DE ÁGUA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS IMPACTOS DO TEMPO E DO CLIMA CARACTERÍSTICAS DO CONSUMO DE ÁGUA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS IMPACTOS DO TEMPO E DO CLIMA Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Wagner Ginez 3 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Impacto dos padrões de circulação nos recursos de energia renovável na Ibéria

Impacto dos padrões de circulação nos recursos de energia renovável na Ibéria Impacto dos padrões de circulação nos recursos de energia renovável na Ibéria EOLICA HIDRAULICA SOLAR Ricardo Machado Trigo (Univ. Lisboa) Agradecimentos: S. Jerez, D. Pozo-Vázquez, J.P. Montávez, S.M.

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA José Nivaldo da Silva¹, Danilo Barbosa de Aguiar², Hermes Alves de Almeida³. ¹ Estudante de Geografia (UEPB) e bolsista de IC/CNPq, e-mail: jnivaldo_silva@hotmail.com

Leia mais

Análise do potencial de classificação do uso e cobertura do solo por meio de rede neural. Claudio Gelelete 1 Carlos Frederico de Sá Volotão 2

Análise do potencial de classificação do uso e cobertura do solo por meio de rede neural. Claudio Gelelete 1 Carlos Frederico de Sá Volotão 2 Análise do potencial de classificação do uso e cobertura do solo por meio de rede neural Claudio Gelelete 1 Carlos Frederico de Sá Volotão 2 1 Instituto Militar de Engenharia - IME Pça Gen Tibúrcio, 80

Leia mais

Análise do Albedo Planetário Medido pelo Experimento Célula Solar do Satélite Brasileiro SCD2

Análise do Albedo Planetário Medido pelo Experimento Célula Solar do Satélite Brasileiro SCD2 Análise do Albedo Planetário Medido pelo Experimento Célula Solar do Satélite Brasileiro SCD2 Nelson Veissid veissid@las.inpe.br Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, LAS/INPE Abstract. The second

Leia mais

Avaliação da temperatura de superfície terrestre sobre a América do Sul derivada do sensor AMSR-E/Aqua

Avaliação da temperatura de superfície terrestre sobre a América do Sul derivada do sensor AMSR-E/Aqua Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.9181 Avaliação da temperatura de superfície terrestre sobre a América do Sul

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

Eny da Rosa Barboza Natalia Fedorova Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Meteorológicas natalia@cpmet.ufpel.tche.

Eny da Rosa Barboza Natalia Fedorova Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Meteorológicas natalia@cpmet.ufpel.tche. ASSOCIAÇÕES ENTRE A CORRENTE DE JATO SUBTROPICAL E COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA PARTE I: A INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE JATO SUBTROPICAL NO DESENVOLVIMENTO DE COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA Eny

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE Jorge Luiz Martins Nogueira Nelson Jesus Ferreira Eduardo Jorge de Brito Bastos Ana Silvia Martins Serra do

Leia mais

APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ

APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ Washington Luiz Félix Correia Filho 1 2 ; Alexandre Silva dos Santos 1 ; José Ueliton Pinheiro 1 ; Paulo Sérgio Lucio

Leia mais

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse Simulação Gráfica e Visão Computacional Soraia Raupp Musse Objetivo Analisar exemplos comerciais e do estado-da-arte científicos que utilizam dados reais para aprimorar a qualidade de simulações e animações.

Leia mais

Arquitetura de Software exemplo usando UML

Arquitetura de Software exemplo usando UML Arquitetura de Software exemplo usando UML O exemplo, a seguir, foi tirado do capítulo 12 do livro do Ian Sommerville A idéia é design orientado a objetos, não necessariamente design arquitetural Ele descreve

Leia mais

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006.

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. Maria Marle Bandeira 1 & Ewerton Cleudson de Sousa Melo 2 RESUMO Foram utilizados dados

Leia mais

Previsão de Vazões da Duke Energy

Previsão de Vazões da Duke Energy Previsão de Vazões da Duke Energy Duke Energy International, Geração Paranapanema Carlos Antônio Severino Costa MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES: SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure) -Modelo determinístico

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Características... 2 2. Conteúdo da Embalagem... 3 3. Como usar o Receptor de TV Digital... 3 4. Tela de Vídeo... 6 5.Requisitos Mínimos... 6 6. Marcas Compatíveis... 8 INDEX ENGLISH

Leia mais

GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO

GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO JOÃO FRANCISCO GONÇALVES ANTUNES 1, JÚLIO CÉSAR D. M. ESQUERDO 2 1 Matemático, Pesquisador, Embrapa Informática Agropecuária,

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistema de Estimação de Modelos da Classe STAR-TREE

Análise e Desenvolvimento de Sistema de Estimação de Modelos da Classe STAR-TREE Bernardo da Rocha Spindel Análise e Desenvolvimento de Sistema de Estimação de Modelos da Classe STAR-TREE Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

MELHORIAS NAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO COM A ASSIMILAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA INTEGRADO.

MELHORIAS NAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO COM A ASSIMILAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA INTEGRADO. MELHORIAS NAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO COM A ASSIMILAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA INTEGRADO. DEREK V. SCHUBERT 1, LUIZ F. SAPUCCI 2, JOÃO FRANCISCO GALERA MONICO 3 1 Bel. em Tecnologia da Informação, Bolsista,

Leia mais