Projeto de Desenvolvimento de Ações de Preservação Ambiental na UFCSPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Desenvolvimento de Ações de Preservação Ambiental na UFCSPA"

Transcrição

1 Projeto de Desenvolvimento de Ações de Preservação Ambiental na UFCSPA Novembro de

2 SUMÁRIO Apresentação... 3 Introdução... 4 Objetivo... 7 Ações de Sustentabilidade... 7 Resultados esperados Referências Bibliográficas Anexos

3 APRESENTAÇÃO O desenvolvimento de projetos/atitudes de preservação ambiental faz parte do plano de metas da atual gestão da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. A meta proposta pela Reitora busca o desenvolvimento de ações que contribuam a promoção de informações com ênfase em projetos de desenvolvimento sustentável, a inserção da comunidade interna em projetos voltados à proteção do meio ambiente e o adequado manejo de resíduos sólidos no âmbito da Universidade. Em outubro de 2009 foi constituído um grupo de trabalho composto por membros da Comissão Interna de Biossegurança da Instituição, docentes não vinculados à comissão e por estudantes do Curso de Psicologia, sob a orientação da Pró-Reitoria de Planejamento, para o desenvolvimento do projeto ora apresentado. O projeto apresenta um relato das ações já empreendidas pela Universidade e propõe novas ações a serem implantadas. 3

4 INTRODUÇÃO A crescente preocupação com a qualidade de vida envolve a preocupação ambiental, pois a sociedade, por meio da evolução científica e tecnológica, descobriu que as condições ambientais são importantes para a saúde e para o seu bem-estar, tanto em curto, como também em longo prazo. Segundo a Teoria de Gaia (Lovelock 2006), o planeta Terra é um sistema auto-regulador, constituído da totalidade dos organismos, rochas da superfície, oceano e atmosfera estreitamente unidos. Este sistema está em contínuo processo de evolução, com o objetivo da manutenção do equilíbrio das condições de superfície, para que sejam sempre as mais favoráveis possíveis à vida. A qualidade do ar nas grandes cidades, a ausência de contaminantes na água e no solo, a preservação da biodiversidade são quesitos que os cálculos econômicos não contemplam, mas que representam a garantia da saúde humana e o bom desempenho do ser humano na realização de suas atividades (Tarantino 2008; Redação Época 2009; Varella 2009). A obra pioneira de Rachel Carson (1962), Primavera Silenciosa, representou um marco na ecologia, apontando para os problemas decorrentes da contaminação ambiental, por produtos químicos, procedente das atividades humanas. Posteriormente, o escrito de Colborn et al. (2002), O futuro roubado, reuniu as alarmantes evidências, obtidas em estudos de campo, experimentos de laboratório e estatísticas humanas, para tratar em termos científicos, mas acessíveis para todos, o caso deste novo perigo. Diversos acontecimentos trataram de problemas ambientais, alertando sobre a importância das questões do meio ambiente. O Quarto Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) apontou para as alterações no clima e para o aquecimento global, com previsões de aumento de 1º a 3,5ºC, nos próximos 100 anos. Os efeitos de tais mudanças acarretariam, principalmente, modificações nos padrões regionais de chuva, transferência de áreas produtivas para os pólos, elevação nos níveis dos mares ameaçando zonas costeiras densamente povoadas, intensificação de tempestades tropicais, propagação de doenças, desertificação de regiões áridas, entre outros efeitos. A primeira 4

5 Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental (Conferência de Tbilisi), realizada em Tbilisi, capital da Georgia, em outubro de 1977, definiu os conceitos da Educação Ambiental, seus objetivos, seus princípios orientadores e suas estratégias de desenvolvimento. A ECO-92 (ou Rio-92) foi a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD), realizada em junho de 1992, no Rio de Janeiro. O seu objetivo principal foi buscar meios de conciliar o desenvolvimento sócio-econômico com a conservação e proteção dos ecossistemas da Terra. Nesta Conferência o conceito de desenvolvimento sustentável ficou consagrado, contribuindo para a mais ampla conscientização de que os danos ao meio ambiente eram, principalmente, de responsabilidade dos países desenvolvidos e sobre a necessidade dos países em desenvolvimento receberem apoio financeiro e tecnológico, para avançarem na direção do desenvolvimento sustentável. O Brasil possui vastos recursos naturais que devem ser cuidadosamente explorados e utilizados. A busca do desenvolvimento socioeconômico é tarefa mais difícil num país cuja grande parte da população ainda carece de condições mínimas de sobrevivência. Falar de preservação ambiental requer também repensar o modelo de desenvolvimento e a distribuição desigual de renda. No entanto, o grau de dificuldade do desafio não deve representar uma desculpa para a falta de preocupação com o tema. As instituições, ao buscarem sua sustentabilidade ambiental, podem revisar práticas de consumo, identificando fontes de desperdícios e também reduzindo seus custos. Utilizar racionalmente os recursos naturais responde adequadamente à busca pela qualidade ambiental e melhoria da qualidade de vida, ao mesmo tempo em que pode significar redução de despesas. A inserção da sustentabilidade ambiental na educação superior é requerida pela responsabilidade social da universidade. Espera-se das universidades a formação de cientistas, investidores, trabalhadores do conhecimento e líderes que agirão nos setores públicos e privados, sendo futuros profissionais, de cuja consciência ambiental dependerá a capacidade humana para rever a degradação ambiental e recuperar a sustentabilidade planetária. O texto do Instituto Anima, Rumo a uma educação holística do III milênio, enfatiza a importância das 5

6 Universidades no processo de formação de educadores com uma nova visão de futuro um futuro sustentável e a idéia de que a Educação Ambiental deveria atuar como uma ferramenta para se construir pontes mais sólidas entre a sala de aula e o mercado de trabalho, promovendo ações ambientalmente corretas para motivar a retomada de harmonia entre o Homem e a Natureza, e o equilíbrio na extração e uso dos recursos naturais para assegurar um desenvolvimento sustentável, como a principal estratégia para promover a paz mundial. A inserção de questões ambientais no ensino superior é atrelada a fatores diversos, dos quais o papel do gestor é fundamental, pois com sua capacidade integradora e agregadora de pessoas e recursos, pode-se proporcionar e oportunizar o desenvolvimento de estruturas, recursos e suporte aos projetos e as iniciativas pró-ambientais de pesquisadores, docentes, gestores, funcionários e alunos. A lei nº 9795, de 27 de abril de 1999 (disponível em estabelece a educação ambiental como um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, estando as instituições educativas incumbidas de promover a educação ambiental, de maneira integrada aos programas educacionais que desenvolvem. O art. 1 o da Lei nº 9795 entende a educação ambiental como os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. Diante deste contexto e considerando o capítulo I do estatuto da UFCSPA, especialmente o artigo 2º, VII: o aprimoramento da democracia, da justiça, da defesa dos direitos humanos, da preservação do meio ambiente e da melhoria da qualidade de vida, e que a Universidade agrega e exerce influência sobre um grande número de pessoas é proposta a emergência de um projeto de políticas de gestão ambiental, para uma universidade sustentável. Tal proposta sugere o início de ações, envolvendo as áreas administrativas, de ensino, pesquisa e extensão, capazes de se unirem ao esforço empreendido por inúmeros organismos e instituições, públicas e privadas, no processo de construção deste novo paradigma. 6

7 OBJETIVO Desenvolver uma política de gestão ambiental, voltada para o desenvolvimento sustentável da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE As tabelas a seguir indicam as ações já implantadas, em fase de implantação e a serem implantadas para a execução do projeto no âmbito da Universidade. Para a implantação e acompanhamento do projeto será criado um Núcleo de Gestão Ambiental, coordenado pela Pró-Reitoria de Planejamento, e composto por representantes docentes, discentes e técnico-administrativos. 7

8 TABELA 1 Ações de sustentabilidade já implantadas na UFCSPA e suas justificativas Ações de sustentabilidade já implantadas na UFCSPA Atividades educativas relacionadas à reciclagem e à preservação do meio ambiente realizadas em escolas da rede pública estadual, no município de Porto Alegre: Feiras de Saúde - Curso de Enfermagem Pet Saúde Curso de Biomedicina Contrato com empresa especializada para a coleta de resíduos ambientais sólidos do tipo A, B e E de acordo com a classificação da RDC 306 e do CONAMA Grupo A: Separação de resíduos biológicos com risco potencial à saúde e ao meio ambiente (sangue e derivados, animais usados em experimentação, meios de cultura, peças anatômicas, excreções, secreções, líquidos orgânicos e outros) Grupo B: Separação de resíduos químicos com risco potencial à saúde e ao meio ambiente (resíduos farmacêuticos, tóxicos, corrosivos, inflamáveis e reativos) Grupo E: Separação de materiais pérfuro-cortantes Grupo de Pesquisa na área de Poluição - Estresse Oxidativo - Efeitos Biológicos coordenado por docente da Universidade Iluminação da área externa ao prédio, por meio de lâmpadas com fotocélula Iluminação dos banheiros controladas por sensores de movimento Realização do 1º Ciclo de Palestras sobre Meio Ambiente e Saúde no ano de 2009 Torneiras aeradas e com fechamento automático em todos os sanitários do Campus Utilização de canecas de louça em substituição aos copos descartáveis Utilização de cartuchos de tonner reciclados nas impressoras laser e jato de tinta da Universidade Barreiras acústicas e térmicas nas janelas do prédio principal Substituição gradual de monitores antigos por monitores LCD Utilização de lâmpadas incandescentes em salas de aula e administração Justificativa Ação de educação continuada para despertar nas crianças a consciência da importância da preservação do meio ambiente Cuidado com a saúde da comunidade acadêmica Destinação correta dos resíduos visando à mitigação dos impactos ao meio ambiente Desenvolvimento de pesquisa científica na área e formação de recursos humanos Redução do consumo de energia Redução do consumo de energia Educação continuada, junto à comunidade, sobre a gravidade dos problemas de poluição ambiental e a relação com a saúde humana. Desenvolver uma consciência sobre a importância de ações de sustentabilidade ambiental Redução de consumo de água Redução na produção de resíduos Redução na produção de resíduos Redução do consumo de energia Redução do consumo de energia Redução do consumo de energia 8

9 TABELA 2 Ações de sustentabilidade em implantação na UFCSPA e suas justificativas Ações de sustentabilidade em implantação na UFCSPA Disponibilização de lixeira para coleta de resíduos especiais para a comunidade interna e externa Sistema de aquecimento solar instalado no anexo II, com uma área total de 40m 2 de painéis solares Telhado ecológico (jardim) no 6º andar do prédio principal, com uma área total de 342m 2 de cobertura verde Pintura do teto do Salão Nobre de branco Justificativa Destinação correta dos resíduos especiais, sendo que esse tipo de resíduo não é de recolhido por nenhum órgão público. Esta ação visa à mitigação dos impactos ao meio ambiente, disponibilizando também o serviço para a comunidade externa. Promoção de auto-suficiência e redução de consumo de recursos naturais Captação e utilização de energia solar não são poluentes Sistema não necessita de turbinas e geradores para a produção de energia Cada m 2 de coletor solar instalado evita a inundação de cerca de 56 m 2 de terras férteis Melhoria do micro-clima na cidade No verão a transmissão de calor, pelo telhado, pode ser reduzida em aproximadamente 90% No inverno a camada de ar, entre a vegetação e a terra, funciona como uma contenção de calor, no interior do prédio, em até 10% mais, quando comparado a de um teto sem essa cobertura. A camada de terra e a de vegetação oferecem uma barreira acústica (diminui poluição sonora no interior do prédio) Proporciona ambiente de convivência e aproximação com a natureza, fornecendo sensação de bem estar e promovendo a saúde Torna o ambiente intelectualmente ativo, servindo como um símbolo de ações de sustentabilidade ambiental Com a pintura do teto de branco há uma redução da temperatura interna em 6ºC, já que o branco reflete 90% dos raios solares. Em consequência, pode-se reduzir o consumo de energia dos condicionadores de ar de 20% a 70%. 9

10 TABELA 3 Ações de sustentabilidade a serem implantadas na UFCSPA e suas justificativas Ações de sustentabilidade a serem implantadas na UFCSPA Classificação da ação Justificativa para implantação da ação Racionalização das impressões através de terceirização de serviço de reprografia com definição de cotas por usuário Realização de Campanha institucional para redução da impressão de e-- mails Realização de Campanha institucional para uso da impressão frente e verso Reutilização de envelopes para expediente interno Confecção de camisetas da UFCSPA com material reciclado Utilização de papel reciclado em materiais de expediente em toda a Universidade Separação do papel de expediente para reciclagem Inclusão de temas relacionados ao meio ambiente na programação do Cinema na UFCSPA Inserção no site institucional de folders eletrônicos com dicas ou instruções sobre sustentabilidade para a comunidade interna e externa Economia de recursos naturais Economia de recursos naturais Economia de recursos naturais Economia de recursos naturais Economia de recursos naturais Economia de recursos naturais Economia de recursos naturais e geração de renda Educação continuada Educação continuada Redução de consumo de papel e tonners Redução do desperdício de impressões Redução da produção de resíduos Redução do desperdício de impressões Redução da produção de resíduos Redução de consumo de papel e tonners Redução do desperdício de impressões Redução da produção de resíduos Redução do consumo de recursos da instituição (envelopes) Redução da produção de resíduos As camisetas recebem 50% do fio reciclado (poliéster) e 50% de algodão. A confecção de uma camiseta consome 2 garrafas PET, seguindo assim a regra dos três Rs: Redução do consumo de algodão e da produção de resíduos Reutilização de garrafas (PET) Reciclagem de poliéster Reutilização de materiais já reciclados Cerca de 50 kg de papel reciclado evitam o corte de uma árvore. A reciclagem de papel consome de 70 a 90% menos energia do que o papel comum Incentivo à reciclagem Um pedaço de papel pode ser reciclado de 4 a 6 vezes antes da deterioração de suas fibras. Desenvolvimento de práticas sensibilizadoras, para a compreensão sobre o papel do indivíduo e o compromisso da coletividade em ações de sustentabilidade ambiental Desenvolvimento de práticas sensibilizadoras, para a compreensão sobre o papel do indivíduo e o compromisso da coletividade em ações de 10

11 Inserção no site institucional de um banco de idéias de novas ações de sustentabilidade a serem adotadas pela Universidade Educação continuada sustentabilidade ambiental Desenvolvimento de práticas que valorizem o envolvimento e participação do indivíduo e da comunidade em ações de sustentabilidade ambiental Realização de Ciclo de Palestras sobre Meio Ambiente Educação continuada Desenvolvimento de práticas educativas sobre sustentabilidade ambiental Realização de oficinas de reciclagem de materiais Educação continuada Desenvolvimento de práticas geradoras de ações de sustentabilidade ambiental Realização de treinamento de servidores terceirizados para separação do lixo Criação de página no site institucional para divulgar as ações de sustentabilidade empreendidas pela UFCSPA Criação de Núcleo responsável pelo apoio ao planejamento, implantação, acompanhamento de ações de sustentabilidade na UFCSPA Implantação do Programa de Atividades Físicas ligadas ao meio ambiente na UFCSPA Aproveitamento de água de fonte não potável do subsolo do anexo II para limpeza e jardinagem Instalação de descargas de 2 volumes em todos os banheiros da Universidade Sistema de aproveitamento da água da chuva para utilização no jardim localizado no 6º andar do prédio principal Educação continuada Educação continuada Política de gestão voltada para o desenvolvimento sustentável Promoção da saúde e qualidade de vida Redução do consumo de água Redução do consumo de água Redução do consumo de água Desenvolvimento de práticas educativas que valorizem o papel do indivíduo e o compromisso da coletividade em ações de sustentabilidade ambiental Divulgação de ações de sustentabilidade ambiental da UFCSPA, como referência e modelo a ser seguido por outras instituições Desenvolvimento de Políticas de desenvolvimento sustentável e suas ações, para atingir as metas da gestão da UFCSPA A aproximação do indivíduo com a natureza, assim como as atividades físicas geram sensação de bem estar e promoção da saúde Promoção de auto-suficiência Conservação dos recursos hídricos Redução de energia (energia para operar um sistema centralizado de tratamento e bombeamento de água não é utilizada) O Brasil é o lugar do planeta onde mais chove e ao mesmo tempo, onde mais se desperdiça água. Redução de consumo de água com a liberação de 3 litros, para líquidos e 6 litros, para sólidos Economia de até litros de água por pessoa anualmente Contenção de água da chuva, em cisternas, para diminuição de alagamentos, erosão e sobrecarga da rede pluvial. Promoção de auto-suficiência Conservação dos recursos hídricos Redução de energia (energia para operar um sistema centralizado de tratamento e bombeamento de água 11

12 não é utilizada) O Brasil é o lugar do planeta onde mais chove e ao mesmo tempo, onde mais se desperdiça água. 12

13 RESULTADOS ESPERADOS Espera-se com o presente projeto promover ações voltadas a uma política de gestão para uma Universidade Sustentável, estabelecendo com isso uma sistemática de ação, que possa servir de referência para uma gestão integrada da Universidade com a comunidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARSON, R. Primavera Silenciosa. Rio de Janeiro: Melhoramentos, p. COLBORN, T., DUMANOSKI, D., MYERS J. O futuro roubado. Porto Alegre: L&PM, p. LOVELOCK, J. A vingança de Gaia. Rio de Janeiro: Intrínseca, REDAÇÃO ÉPOCA. Por que é importante ter contato com a natureza (http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,emi ,00- POR+QUE+E+IMPORTANTE+TER+CONTATO+COM+A+NATUREZA.html) TARANTINO, M. O remédio da natureza, Medicina & Bem-estar. ISTOÉ, n. 2042, VARELLA, D. Poluição e longevidade. Folha de São Paulo, * Participaram da elaboração deste projeto as docentes Cláudia Bica e Márcia Vignoli da Silva e as estudantes Elida Fluck Pereira Neto e Nathalia Fattah Fernandes. ANEXO 1- DANDO TESTEMUNHO 13

14 A primeira etapa do Projeto de Educação Ambiental versa sobre adaptações possíveis na Universidade, para que esta possa se desenvolver dentro do paradigma da sustentabilidade. 1) Criar postos de coleta para lâmpadas fluorescentes, remédios fora da validade, óleo de cozinha, pilhas, baterias e celulares As seguintes informações são do site do DMLU (www2.portoalegre.rs.gov.br). Lâmpadas fluorescentes: O interior do tubo das lâmpadas fluorescentes é revestido com uma poeira fosforosa contendo diferentes metais, como vapor de mercúrio, componentes revestidos com óxidos de metais pesados e soldas de chumbo. Por isso, estas lâmpadas são consideradas como resíduos perigosos, não devendo ser descartadas no lixo comum. A quantidade de mercúrio em uma única lâmpada, fluorescente comum, é capaz de tornar não potável cerca de 20 mil litros de água. Legislação: Lei municipal nº 9851/ obriga as empresas a receberem resíduos perigosos em devolução. Pela definição do Código Municipal de Limpeza Urbana (Lei Complementar 234/1990), eles se enquadram como especiais. Lei estadual nº / proíbe o descarte de lâmpadas fluorescentes em aterros sanitários municipais, impedindo o DMLU de executar sua coleta. Em Porto Alegre, estas lâmpadas devem ser encaminhadas às empresas e redes autorizadas de assistência técnica que as distribuem ou comercializam. Destino final: O tratamento das lâmpadas contendo metais pesados dá-se em plantas para descontaminação. Poucas empresas no país possuem tais plantas licenciadas. No Rio Grande do Sul não existem tais empreendimentos. Há intermediárias, sediadas em Porto Alegre, que podem efetuar contratos para recolhimento e encaminhamento do material para tratamento. São elas: Pró-Ambiente Ltda (F: ) e Axia Administrações e Participações Ltda (F: ou Medicamentos vencidos: Legislação: De acordo com a Resolução nº 358, de 29 de abril de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), cabe aos geradores de resíduos de serviços de saúde a responsabilidade pelo gerenciamento destes, a partir da geração dos mesmos até a disposição final, de forma a atender aos requisitos ambientais e de saúde pública e saúde ocupacional. Ainda segundo a Resolução (art.21), os resíduos considerados de risco químico, como é o caso dos medicamentos, quando não forem submetidos a processos de reutilização, recuperação ou reciclagem, devem ter tratamento e disposição final específicos, em locais previamente licenciados pelo órgão ambiental competente. Os medicamentos vencidos podem ser descartados na farmácia de manipulação Pharma & Cia. A Prefeitura de Porto Alegre, por meio do Comitê Gestor de Educação Ambiental, lançou a campanha "Medicamento 14

15 Vencido - Destino Ambientalmente Correto" em parceira com aquela farmácia. A Universidade poderia também contatar a Santa Casa para que ali fosse entregue o material coletado. O DMLU respaldado na Legislação Federal, Estadual e Municipal vem desenvolvendo, juntamente com os hospitais de Porto Alegre, o Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde, nos 28 Hospitais e nas Unidades de Saúde do município e também em consultórios médicos e odontológicos. O gerenciamento correto dos resíduos sólidos significa controlar e diminuir os riscos para a saúde e o meio ambiente, impedindo que os resíduos biológicos e especiais, que geralmente são frações pequenas contaminem os outros resíduos gerados no hospital. Destino final: A Pharma & Cia. encaminhará os medicamentos recebidos à Central de Resíduos Pró-Ambiente, que é licenciada pela Fepam. Óleo de cozinha: O óleo despejado nos ralos de casas, ruas e indústrias é a maior fonte de poluição marinha com petróleo. Mais de 1,3 bilhão de litros de petróleo são jogados anualmente no mar. Por ser menos denso que a água, o óleo de cozinha forma uma película sobre a mesma, provocando retenção de sólidos, entupimentos e problemas de drenagem quando colocado nas redes coletoras de esgoto. Nos arroios e rios, a película formada pelo óleo dificulta a troca de gases entre a água e a atmosfera, causando a morte de peixes e outros seres, que necessitam de oxigênio. Cada litro de óleo contamina 20 mil litros de água, no entanto, segundo dados do site Ambiente Brasil (www.ambientebrasil.com.br), apenas 1% do óleo consumido no mundo é reciclado. A recomendação é entregar o óleo, para reciclagem, em recipientes como garrafas PET, tampadas. Destino final: As empresas Celgon, Faros, Oleoplan e Ecológica receberão o óleo e darão um destino ambientalmente correto à substância. A Celgon usará o óleo como gerador de energia em suas caldeiras; a Faros utilizará como base para a produção de ração animal, a Oleoplan e a Ecológica desenvolverão o biodiesel (PMPA - Comunicação Social 2009). Pilhas e baterias: Diversos compostos químicos são utilizados na confecção de pilhas e baterias, como agentes ativos das reações eletroquímicas ou como protetores de corrosão. As pilhas e baterias consideradas mais nocivas à saúde pública e ao meio ambiente são as que contêm mercúrio, cádmio ou chumbo em seu sistema eletroquímico. Geralmente esses materiais contêm metais pesados prejudiciais ao meio ambiente e aos seres vivos, como o mercúrio, que se acumula na cadeia alimentar e pode provocar efeitos crônicos e danos ao cérebro, o chumbo, que causa danos nos sistemas nervosos central, e o cádmio, que se acumula no corpo humano, especialmente nos rins, podendo vir a deteriorá-los. Legislação: Lei municipal nº 9851/2005 Determina que os comerciantes e redes de assistência técnica que distribuem ou comercializam pilhas e baterias são obrigados a recebê-las. 15

16 Resolução CONAMA n 257/1999 e 401/ Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas no território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento ambientalmente adequado, e dá outras providências. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em parceria com o Banco Real, disponibiliza postos para o descarte de pilhas. Destino final: No Rio Grande do Sul, a empresa Pró-Ambiente disponibiliza o serviço de coleta e disposição final para esses materiais. Eles são encaminhados a aterros de resíduos especiais perigosos, a fim de impedir infiltrações e utilizar mecanismos de coleta e tratamento. No Brasil, existe apenas uma empresa que executa a reciclagem de pilhas e baterias: a Suzaquim, com sede em Suzano, São Paulo. A recuperação de metais pesados por meio do processo de reciclagem produz sais e óxidos metálicos, que podem ser utilizados pela indústria. Celulares: Mais de 140 lojas da empresa de telefonia móvel Claro, possuem urnas coletoras e estão aptas a receber baterias ou aparelhos de qualquer fabricante para encaminhar à reciclagem. O processo de coleta é realizado pela GM&C, empresa responsável pela logística e destinação final do lixo eletrônico junto às recicladoras homologadas no IBAMA e nos órgãos ambientais dos estados. Segundo informações disponíveis no site da Claro: * Estima-se que 50 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos são gerados por ano no mundo; * Apenas 2% dos brasileiros destinam seus celulares usados para a reciclagem; * 74% acreditam que essa é uma atitude positiva para o meio ambiente; * 32% dos brasileiros deixam os aparelhos fora de uso guardados em casa; * 29% dos consumidores dão o celular para outra pessoa; * 10% jogam o aparelho antigo no lixo comum; * A média de troca de um aparelho celular no Brasil é de 14 meses; * Até 80% de um celular é reciclável. Tendo em vista o potencial de fomentação de uma Universidade e o grande número de pessoas que agrega, a criação desses postos de coleta na UFCSPA contribuiria muito para o desenvolvimento de atitudes mais conscientes e sustentáveis. 2) Separar o lixo No Brasil, a cada ano são desperdiçados R$ 4,6 bilhões porque não se recicla tudo o que poderia. Se o país reciclasse, por exemplo, todas as latas de aço que consome, seria possível evitar a retirada de 900 mil toneladas de minério de ferro por ano e economizaria energia equivalente ao consumo de quatro bilhões de lâmpadas de 60 Watts. Atualmente, a produção anual de lixo em todo o planeta é de aproximadamente 400 milhões de toneladas. Pesquisas indicam que cada ser humano produz, em média, um pouco mais de 1 quilo de lixo por dia. Na tabela abaixo, são relacionados os tipos de resíduos e a coleta correspondente feira pelo DMLU. 16

17 Tabela 1: Tipos de resíduos coletados pelo DMLU e suas coletas correspondentes Resíduos recicláveis: metais, plásticos, vidros, papéis, embalagens longa vida, isopor Resíduos orgânicos: sobras de alimentos, cascas de frutas, erva-mate, borra de café e chá, corte de grama, terra de vaso, cinzas, restos de vegetação Resíduos comuns/rejeito: papel carbono, cigarro, papel higiênico, pó de varrição, fraldas descartáveis, guardanapos, cotonetes, restos de cerâmica ou porcelana, esponjas, lâmpadas comuns Encaminhar à Coleta Seletiva Encaminhar à Coleta Domiciliar Encaminhar à Coleta Domiciliar Dia da coleta seletiva no bairro Centro: Quarta-feira pela manhã. Dia de coleta domiciliar no bairro Centro: Segunda a Sábado a partir das 18h. Decreto n º 5.940, de 25 de outubro de Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras providências. Resolução CONAMA n º 307/ Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. 3) Criar um Banco de Idéias e sugestões Criar um local de sugestões e opiniões sobre o assunto onde as pessoas possam comentar as mudanças implementadas na Universidade, as atividades propostas e sugerir outras. É fundamental buscar no principal elemento da nova construção, que é o ativo humano, as respostas para os desafios desse momento planetário. Exemplo de sugestão: Autora da sugestão: Profª. Márcia Vignoli da Silva (Ecologia e Botânica aplicadas às Ciências da Saúde) Sugestão de uso pela UFCSPA e disponibilização, pelo departamento de informática da mesma, da EcoFont. A EcoFont, é um estilo de fonte desenvolvida especialmente para economizar tinta nas impressões (o nome completo da fonte é [WINDOWS-1252?] Spranq eco [WINDOWS-1252?]sans )., foi proposta pela Comissão A3P-AGU (Agenda Ambiental da Administração Pública Ministério do Meio Ambiente) e já é adotada por alguns órgãos públicos do Brasil. A iniciativa está descrita no sítio e trata de fonte Open Source, sem restrições comerciais de uso. Pode ser usada em [WINDOWS-1252?]PC s e [WINDOWS-1252?]MAC s. A fonte incluir pequenos círculos dentro dos traços que formam as letras e tem uma proporção diferenciada (o tamanho 10 da EcoFont equivale ao tamanho 12 da Times New Roman) e 17

18 embora na tela as diferenças sejam perceptíveis, na impressão praticamente não há perda de qualidade. Nota-se que, em relação à Times New Roman, tamanho 12, a EcoFont, tamanho 10 (dimensões equivalentes), utiliza aproximadamente 12% a menos de tinta. Em comparação com a fonte Arial, tamanho 11, a economia aumenta para 26%. Além de economizar gastos com tonners, a EcoFonte minimiza efeitos nocivos ao meio ambiente. 4) Mudanças de hábitos A resolução do problema do aquecimento global depende do engajamento e compromisso de todos, incluindo governos, iniciativa privada, instituições de pesquisa e a cidadania. O ex-vicepresidente dos Estados Unidos, Al Gore (2006), diz que deter as mudanças climáticas ou minimizar seus impactos depende da alteração dos hábitos de consumo, sistemas de produção e de geração de energia, entre outras medidas. O autor também fala sobre a necessidade de ampliar a conscientização da sociedade e de gerar incentivos para realização de metas que possam auxiliar na migração para um modelo de desenvolvimento sustentável. Zelezny e Schultz (2005) afirmam que os problemas ambientais são indiscutivelmente questões sociais, causados pelo comportamento humano, e que sua resolução exigirá mudança tanto no comportamento em grande escala quanto no individual. Oskamp (2005) compartilha desse pensamento, reforçando o argumento de que os problemas ambientais poderiam ser potencialmente revertidos pelo comportamento humano. Esse autor entende o comportamento humano não só como aquele que é emitido por pessoas individualmente, mas também como os que são manifestados por grupos, organizações e nações. Segundo a UNESCO, para alcançar a meta da sustentabilidade é fundamental modificar radicalmente as atitudes e o comportamento dos seres humanos. Os progressos, nesse sentido, dependem, pois, fundamentalmente, da instrução e da sensibilização dos cidadãos. Alguns exemplos de medidas no setor doméstico, locais de trabalho e de produção são: promoção da conservação e eficiência energética, bem como campanhas para conscientização da comunidade e dos consumidores; promoção de políticas e campanhas para implementação efetiva da coleta seletiva de lixo; incentivo à arquitetura ecológica; promoção do consumo sustentável. Legislação: Decreto n º 4.131, de 14 de fevereiro de "Dispõe sobre medidas emergenciais de redução do consumo de energia elétrica no âmbito da Administração Pública Federal." diferença: Seguem algumas mudanças de hábitos que, embora passem despercebidas, fazem uma grande Configurar impressoras em modo frente e verso e rascunho para uso interno; imprimir provas, cronogramas de disciplina e planos de ensino em frente e verso; incentivar a entrega de trabalhos em frente e verso ou via Moodle. Segundo o site do Bradesco (www.bradesco.com.br - Click Conta - Se Liga Nessa) são usados 115 bilhões de folhas para impressões caseiras, por ano. Se as impressões fossem feitas em frente e verso, cerca de 1,3 milhão de árvores não precisariam ser cortadas. 18

19 Desligar o monitor quando se fizer uma pausa no trabalho, ligar as impressoras somente quando necessário e se possível, considerar a troca de monitor De acordo com a AESSUL (www.aessul.com.br - Informe-se Dicas Consumo), o processo de acionamento e desligamento freqüente do equipamento despende muita energia além de diminuir a vida útil do computador. Por isso, menos que 30 minutos parado, a CEEE (www.ceee.com.br Informações - Economia de Energia) recomenda desligar apenas o monitor, que representa cerca de 80% do consumo total. Monitores de LCD são mais econômicos, ocupam menos espaço na mesa e estão ficando cada vez mais baratos. A AESSUL lembra que impressoras despendem energia mesmo em stand by. Usar menos o grampeador Segundo a National Geographic (natgeo.uol.com.br - Você Sabia? - Dia da Terra) se cada um dos 10 milhões de funcionários de escritórios, do Reino Unido, utilizasse um grampo a menos por dia, seriam economizadas quase 100 toneladas de aço, por ano. Usar canecas e não copos plásticos descartáveis Segundo o site do TCE (www.tce.es.gov.br - Portal TCEES), os copos descartáveis são feitos de material fóssil e, apesar de poderem ser reciclados, encontramos na literatura que é insignificante a participação do poliestireno reciclado na obtenção de copos novos, sendo assim, todo copo descartável utiliza matéria prima extrativa e não sustentável e leva mais de 100 anos para se deteriorar na natureza. Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia (UFBA), com financiamento da Fapesp e do CNPq, revela que os copos descartáveis possuem elementos cancerígenos em sua composição (Pereira et al. 2004). Segundo o estudo, a quantidade de estireno liberada pelos copos descartáveis está acima do recomendado pelo Ministério da Saúde (20ng/ml-I). O contato com estes copos, por 10 minutos, libera cerca de 13,6 e 49,3ng/l-I de estireno. Os copos plásticos possuem poliestireno (derivado do petróleo) que, submetido ao calor, libera o estireno, monômero tóxico apontado como cancerígeno. O contato com o estireno ocorre no momento em que se bebe um líquido quente, como o café. Outros estudos indicam que a liberação de substâncias cancerígenas se dá, também, quando se utilizam essas embalagens para líquidos frios. Desligar a luz quando sair da sala e trocar lâmpadas incandescentes por fluorescentes Lâmpadas fluorescentes gastam 60% menos energia do que as incandescentes. Assim, economiza-se cerca de 136 quilos de gás carbônico anualmente. Deixar as janelas abertas para ventilar a sala e usar o condicionador de ar de maneira adequada A AESSUL (www.aessul.com.br - Informe-se Dicas Consumo) recomenda ligar o condicionador de ar uma hora antes do expediente e desligá-lo uma hora antes do seu término, procurar manter o filtro limpo, pois a sujeira prejudica o seu funcionamento, e pode representar uma expressiva 19

20 quantidade de gás carbônico a mais na atmosfera. Nos dias quentes, indicar o termostato a 23 graus e, no inverno, regular o condicionador do ar para a ventilação. Preferir o uso das escadas ao uso do elevador Além de economizar energia, é mais saudável. Implementar o uso de papel reciclado Um pedaço de papel pode ser reciclado de quatro a seis vezes antes de suas fibras ficarem deterioradas. Segundo a WWF-Brasil, a cada 28 toneladas de papel reciclado evita-se o corte de um hectare de floresta. Reciclar uma tonelada de papel economiza aproximadamente 30 árvores, dois barris de petróleo e 4,1 mil quilowatts de energia. Isso equivale ao consumo de eletricidade de uma casa durante cinco meses, 2,4 metros cúbicos de aterro e 25 quilos de poluição do ar. A produção de uma tonelada de papel novo consome de 50 a 60 eucaliptos, 100 mil litros de água e 5 mil KW/h de energia. Já uma tonelada de papel reciclado consome Kg de papel velho, 2 millitros de água e a KW/h de energia. Além disso, há uma economia de 2,5 barris de petróleo e 2.500kw/h de energia elétrica. A produção de papel reciclado dispensa processos químicos e também evita a poluição ambiental, reduzindo em 74% os poluentes liberados no ar e em 35% os despejados na água. (http://www.wwf.org.br/participe/acao/dicas/?14001; - Click Conta - Se Liga Nessa; Resíduos Reciclagem - Papel). Segundo o site da Ambiente Brasil (www.ambientebrasil.com.br), a criação de empregos também é um importante fator nesse processo: estima-se que, ao reciclar papéis, sejam criados cinco vezes mais empregos do que na produção do papel de celulose virgem e dez vezes mais empregos do que na coleta e destinação final de lixo. Embora apresente tantas vantagens, o Brasil recicla apenas 30% do seu consumo de papéis, papelões e cartões. Para que a quantidade de papel reciclado no Brasil aumente é necessário, em primeiro lugar, separar o lixo e encaminhá-lo corretamente para a reciclagem. Só depois disso é que podemos consumir papel reciclado, do contrário estaríamos criando uma demanda que não teria como ser satisfeita. Alguns tipos de papel são recicláveis e outros não. A tabela 2 mostra os tipos de papéis e qual a categoria que os mesmos se enquadram: Tabela 2 - Tipos de papel e sua classificação conforme a possibilidade de reciclagem RECICLÁVEIS Jornais Revistas Cadernos Livros Papéis de escritório Embalagens Papelão Longa Vida - TETRAPAK NÃO RECICLÁVEIS Papel Carbono Celofane Papel plastificado Papeis metalizados Papel vegetal Papéis sujos e guardanapos Papel higiênico Etiquetas ou fitas adesivas Fotografias 20

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos?

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Cartilha Ambiental Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2 Com atitudes simples você pode contribuir para diminuir sua emissão de CO2,

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL USO CONSCIENTE DO APARELHO DE AR CONDICIONADO COM OBJETIVO DE ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA Desligá-lo

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC mar. 2013 Programa de Coleta seletiva na FEC Iniciado

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

Magazine Meio Ambiente

Magazine Meio Ambiente Página 1 de 5 Magazine Meio Ambiente MEIO AMBIENTE Dez atitudes domésticas ecologicamente corretas Publicado a 28 Janeiro 2011 por Danielrox01 Substituir sacolas de plástico A sacola de plástico é a atual

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás PRATIQUE COLETA SELETIVA Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Guia Ambiental de Materiais de Mídia. Reciclando objetos, renovando conceitos.

Guia Ambiental de Materiais de Mídia. Reciclando objetos, renovando conceitos. Guia Ambiental de Materiais de Mídia. Reciclando objetos, renovando conceitos. Conscientização A questão do lixo é de vital importância para a sobrevivência do planeta e da qualidade de vida da população.

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem.

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem. CENÁRIO BRASILEIRO O Brasil gera aproximadamente 250 mil toneladas de lixo por dia. Assim, imagine duas filas de caminhões de 5 toneladas de capacidade, ocupando uma distância equivalente a 10 pontes Rio-Niterói.

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Perfuração Marítima no Bloco BM CAL 13, Bacia de Camamu Almada

Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Perfuração Marítima no Bloco BM CAL 13, Bacia de Camamu Almada Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Perfuração Marítima no Bloco BM CAL 13, Bacia de Camamu Almada A realização do Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores é uma medida de mitigação

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

Consumo Consciente. Faz bem para você, para a sociedade e para o planeta

Consumo Consciente. Faz bem para você, para a sociedade e para o planeta Consumo Consciente Faz bem para você, para a sociedade e para o planeta Uma mudança do bem Para nós da Rossi, o consumo consciente é algo vital para a sustentabilidade da sociedade e para o futuro do nosso

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar!

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar! Sustentabilidade do Planeta Todo mundo deve colaborar! Situação no mundo atual O Planeta pede socorro!!!! A atividade humana tem impactado negativamente o meio ambiente. Os padrões atuais de consumo exploram

Leia mais

Programa Municipal de Sustentabilidade e Ação Social Implantação da A3P Agenda Ambiental na Administração Pública José Bonifácio SP, 2009. 28 p. : II.

Programa Municipal de Sustentabilidade e Ação Social Implantação da A3P Agenda Ambiental na Administração Pública José Bonifácio SP, 2009. 28 p. : II. Sumário 34 5 6 7 8 9 Apresentação... 03 Implementação da A3P... 04 Conheça a A3P...05 - O que é A3P?...05 - Objetivos da A3P...05 - Participantes...06 Impactos e Desperdícios...07 Prioridades...08 Planos

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Como implantar e manter a coleta seletiva na sua escola. Coleta Seletiva

Como implantar e manter a coleta seletiva na sua escola. Coleta Seletiva Como implantar e manter a coleta seletiva na sua escola Coleta Seletiva Apresentaçao ~ Índice Esta cartilha foi elaborada pela Prefeitura de São Bernardo do Campo, em parceria com a SBC Valorização de

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

Tribunal Superior Eleitoral

Tribunal Superior Eleitoral Tribunal Superior Eleitoral Implantação Data: Junho de 2004 Público alvo: Servidores, prestadores de serviço o e visitantes do edifício cio-sede e anexos do Tribunal Superior Eleitoral, sediado em Brasília/DF

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

RESUMO DO PROJETO: A Empresa:

RESUMO DO PROJETO: A Empresa: A Empresa: RESUMO DO PROJETO: Fundada em 1987, a PROSUL oferece aos seus clientes serviços especializados de engenharia consultiva. Sediada em Santa Catarina e fundada pelo engenheiro Wilfredo Brillinger,

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO Sustentabilidade é um projeto que visa conscientizar a população a preservar o meio ambiente, buscando

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 01/11/06

O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 01/11/06 O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 POR QUE A COLETA COLETIVA? Efeito estufa pela destruição da camada de ozônio, queimadas e derrubadas de florestas de forma desordenada, chuva ácida, produção

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

Coleta e reciclagem de óleo de fritura.

Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Nivia Sueli de Freitas, Roberto Góes Menicucci e Ricardo Motta Pinto Coelho Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Saiba como contribuir com o meio ambiente e ainda ganhar em troca. Belo Horizonte. MG

Leia mais

Preservação do meio ambiente

Preservação do meio ambiente Preservação do meio ambiente Introdução: Este texto, visando a preservação do ambiente em que vivemos, traz atitudes fáceis e práticas que você mesmo pode tomar para tornar o mundo um lugar mais agradável

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos 1. Introdução A inclusão de critérios sustentáveis em diferentes

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar. Corrida da. ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais!

Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar. Corrida da. ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais! ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais! Atividades infantis para resolver e colorir. Uma publicação da Corrida da Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar Vamos colorir?

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Reciclar, são ações que. Reduzir É o inicio da conservação do meio. Reutilizar Significa reutilizar um produto de

Reciclar, são ações que. Reduzir É o inicio da conservação do meio. Reutilizar Significa reutilizar um produto de Especialistas em meio ambiente alertam para a necessidade da utilização racional dos recursos naturais. Reduzir, Reutilizar e Reciclar, são ações que contribuem para o consumo responsável reduzindo o impacto

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Meio Ambiente. O Sagrada está remodelando todos os seus custos e benefícios. Esforço coletivo para a adoção do papel reciclado

Meio Ambiente. O Sagrada está remodelando todos os seus custos e benefícios. Esforço coletivo para a adoção do papel reciclado ASSOCIAÇÃO SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA COLÉGIO SAGRADA FAMÍLIA Rua 7 de setembro, 915 Centro 89.010-201 Blumenau SC 47 3326 0232 www.sagrada.net Meio Ambiente A reciclagem aproveita as fibras de celulose

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Guia do Consumidor Consciente

Guia do Consumidor Consciente Guia do Consumidor Consciente www.positivoinformatica.com.br/tiverde POSITIVO INFORMÁTICA 1 2 Guia do Consumidor Consciente POSITIVO INFORMÁTICA 3 Sustentabilidade: nosso futuro comum Certamente você já

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE

PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE CONSELHEIRO LAFAIETE MG 2012 PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE JUSTIFICATIVA O Centro de Ensino Superior de Conselheiro Lafaiete tem como princípio desempenhar seu

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL. Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável. Brasília/DF, setembro de 2013.

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL. Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável. Brasília/DF, setembro de 2013. PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável Brasília/DF, setembro de 2013. SUMÁRIO 1. Introdução...01 2. Objetivos...02 3. Implantação e Avaliação...02

Leia mais

PROJETO AMIGOS DO PLANETA. Autor. Rose Mariah de Souza Ferreira. Gestora Ambiental

PROJETO AMIGOS DO PLANETA. Autor. Rose Mariah de Souza Ferreira. Gestora Ambiental PROJETO AMIGOS DO PLANETA Autor Rose Mariah de Souza Ferreira Gestora Ambiental Gravataí, março de 2011. Introdução Pensar em tornar o ambiente em que se vive sustentável, é direcionar ações capazes de

Leia mais

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Shopping Eldorado A) Dados da Empresa Em um terreno de 74 mil m², o Shopping Eldorado, inaugurado em 10 de setembro de 1981, consumiu investimentos na ordem de

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO PROGRAMA Nº1/ 2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 2ª edição, revisão e atualização

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade

Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade Catalogação na Fonte: Bibliotecária Tavita Rosa Barros CRB-5/1371 B151m Bahia Mineração Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade da BAMIN / Bahia Mineração

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

Política de Responsabilidade Ambiental IGS/CeMAIS

Política de Responsabilidade Ambiental IGS/CeMAIS Política de Responsabilidade Ambiental IGS/CeMAIS Uma nova cultura institucional criada a partir dos princípios do uso racional dos recursos naturais com a participação de todos os funcionários Introdução

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa

Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa Seja bem-vindo ao Guia Sustentabilidade em Casa do HSBC. O Guia Sustentabilidade em Casa é uma iniciativa do Crédito Imobiliário do HSBC

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

Coleta e reciclagem de óleo de fritura.

Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Nivia Sueli de Freitas e Ricardo Motta Pinto Coelho Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Saiba como contribuir com o meio ambiente e ainda ganhar em troca. Belo Horizonte. MG 201 1-3 - 2ª Edição Prêmio

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO?

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? Eixo Temático -Ser Humano e Saúde. Tema -O que Fazer com Tanto Lixo? Subtema - Qualidade de Vida: A Saúde Individual, Coletiva e Ambiental. Ano/Série

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos;

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos; 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em assegurar uma gestão responsável dos recursos do planeta de forma a preservar os interesses das futuras gerações e ao mesmo tempo atender às necessidades das

Leia mais