retrato milícias europa crise na No Rio, elas fazem a lei em mais de 300 favelas dobrasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "retrato milícias europa crise na No Rio, elas fazem a lei em mais de 300 favelas dobrasil"

Transcrição

1 retrato dobrasil DEBATE POR QUE A CIÊNCIA PARECE NÃO FAZER PARTE DOS HÁBITOS CULTURAIS DO POVO BRASILEIRO? r$ 8,00 n O 38 setembro de 2010 milícias No Rio, elas fazem a lei em mais de 300 favelas tortura nas cadeias Um crime comum no dia a dia dos presos brasileiros crise na europa Governos furtam direitos sociais em busca de recursos As estruturas do Estado de bem-estar social, consolidadas na Constituição de 1988, são corroídas por um sistema tributário injusto que privilegia os mais ricos música UM PERFIL DE PAULO MOURA ( ), O MAGO PLEBEU DA CLARINETA TRANSPARENTE

2 retrato dobrasil n o 38 setembro de Ponto de Vista estamos com dilma A direção da Editora Manifesto apoia o voto na candidata, mas acha que é preciso reavaliar com rigor os pretensos sucessos do governo Lula 08 WELFARE STATE À BRASILEIRA Nosso Estado do bem-estar social está de pé. Mas é muito limitado pelo débil financiamento, que poupa os mais ricos [Armando Sartori] 12 que sufoco! Há dez anos a cidade de São Paulo renegociou sua dívida, hoje três vezes maior. Para evitar um colote, discutem-se novas condições de pagamento [Rafael Hernandes] 16 a lei somos nós As milícias, grupos parapoliciais formados por agentes e ex-agentes públicos do Estado, dominam mais de 300 favelas do Rio de Janeiro [Marcelo Salles] 32 ricos, malvados e decadentes Para os governos europeus vale tudo para sair da crise e salvar suas empresas trilionárias, até mesmo solapar os direitos sociais [Antônio Martins e Pep Valenzuela] GettyImages 20 tortura-se O primeiro levantamento sistematizado sobre maus-tratos nas carceragens do País revela que as autoridades fazem vista grossa para esse tipo de crime [Roberto Jordão] 26 nobel no fim do túnel? Nossa ciência tem espaço e reconhecimento internacional. Mas não faz parte do cotidiano da cultura brasileira. Por quê? [Flávio de Carvalho Serpa]

3 fale conosco: Joaquim Nabuco O INQUIETO MAGO DA CLARINETA Uma homenagem a Paulo Moura ( ), que deixou uma bela e contraditória obra para a história da música brasileira [Tárik de Souza] 38 festival de derrotas Até quem ganhou perdeu nas eleições estaduais do México. O país está estagnado economicamente e vive às voltas com o combate ao tráfico [Yuri Martins Fontes] ERRATA No artigo Nas mãos dos gatos, na última edição, o gráfico à página 18 foi publicado sem alguns dados. Ao lado, o gráfico corrigido Varejo Tecnologia Serviço Finanças Outros 44 a imaginação no poder Entrevistamos Newton Cannito, roteirista e diretor de cinema, o mais jovem a assumir a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura [Leandro Saraiva] Alimentos Mídia-entretenimento-comunicação Imóveis Indústria manufatureira Petróleo e gás cartas à REDAÇÃO rua fidalga, 146 conj. 42 cep são paulo - sp assinaturas tel ou de 2 a a 6 a, das 9h30 às 17h atendimento AO ASSINANTE tel de 2 a a 6 a, das 9h às 17h Para anunciar tel ou de 2 a a 6 a, das 9h30 às 17h CIRCULAÇÃO em bancas edições anteriores REDAÇÃO tel Entre em contato com a redação de Retrato do Brasil. Dê sua sugestão, critique, opine. Reservamo-nos o direito de editar as mensagens recebidas para adequá-las ao espaço disponível ou para facilitar a compreensão. capa Ilustração de Laerte Silvino. Foto de Paulo Moura: Folhapress EXPEDIENTE - SUPERVISÃO EDITORIAL Raimundo Rodrigues Pereira EDIÇÃO Armando Sartori SECRETÁRIO DE REDAÇÃO Thiago Domenici REDAÇÃO Carlos Azevedo Flávio Dieguez Leandro Saraiva Lia Imanishi Rafael Hernandes Sônia Mesquita Tânia Caliari EDIÇÃO DE ARTE Pedro Ivo Sartori ESTAGIÁRIOS Simone Freire de Carvalho Willian Monte Olivio REVISÃO Silvio Lourenço Felipe Bio [OK Linguística] COLABORARAM NESTA EDIÇÃO Antonio Martins Carla Bispo Flávio de Carvalho Serpa Giuseppe Bizzarri Laerte Silvino Marcelo Salles Pep Valenzuela Pietro Antognioni Rafael Calças Roberto Jordão Tárik de Souza Weberson Santiago Yuri Martins Fontes Retrato do BRASIL é uma publicação mensal da Editora Manifesto S.A. EDITORA MANIFESTO S.A. PRESIDENTE Roberto Davis DIRETOR VICE-PRESIDENTE Armando Sartori DIRETOR ADMINISTRATIVO Marcos Montenegro DIRETOR EDITORIAL Raimundo Rodrigues Pereira DIRETOR DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Sérgio Miranda GERENTE COMERCIAL Daniela Dornellas REPRESENTANTE EM BRASÍLIA Joaquim Barroncas Tel ADMINISTRAÇÃO Neuza Gontijo Maria Aparecida Carvalho OPERAÇÃO EM BANCAS Assessoria EDICASE [www.edicase.com.br] Distribuição Exclusiva em Bancas Fernando Chinaglia Comercial e Distribuidora S/A Manuseio FG Press

4 Ponto de Vista Nelson Antoine/Fotoarena/Folhapress Estamos com Dilma E por uma reavaliação da situação social e da política econômico-financeira do País a diretoria da Editora Manifesto, responsável pela publicação de Retrato do Brasil, decidiu, em reunião realizada no final de julho, recomendar a seus leitores o apoio à candidatura de Dilma Rousseff na eleição presidencial. A decisão foi tomada por maioria absoluta a minoria propôs o apoio à anulação do voto. Foram passadas em revista as quatro candidaturas mais destacadas de Dilma, José Serra (ao alto, com Dilma em debate ocorrido no mês passado), Marina Silva e Plínio de Arruda Sampaio. No entendimento de nossa diretoria, a candidata do PT é a que mais une o campo das forças democrático-populares, ao qual nos consideramos ligados. A Editora Manifesto, criada em 1997, realiza atividades jornalísticas de acompanhamento dos fatos mais relevantes do dia a dia. Busca, dessa forma, contribuir para a elevação do nível de consciência, organização e bem-estar material e cultural dos trabalhadores. Considera-se parte do movimento amplo e diversificado que, surgido em meados do século XIX quando o capitalismo se consolidava e a democracia liberal das revoluções inglesa, americana e francesa ocorridas nos dois séculos anteriores mostrava suas imensas limitações, tem como objetivo desenvolver a luta por uma democracia mais avançada. Para ficar em poucos exemplos: as jornadas de trabalho praticamente não tinham limites e o direito de voto era restrito aos senhores da terra e aos endinheirados. O mundo mudou muito. No século XX, surgiram, em vários países, regimes de democracia popular. Tais regimes fracassaram em muitos locais. Mas, em outros, eles persistiram. No Brasil, onde o regime político baseado no sistema de concentração da propriedade industrial e fundiária persiste há séculos como um dos mais injustos do mundo, a necessidade da construção de uma democracia nova é atual e gritante. No nosso entendimento, as candidaturas do ex-torneiro mecânico Luiz Inácio Lula da Silva, desde a primeira, de 1989, até a última, para sua reeleição como presidente, em 2006, representaram passos na direção de uma mudança para o Brasil. E a candidatura de Dilma Rousseff, agora, é a que melhor se presta à continuação dessa mudança. A candidatura de José Serra está irremediavelmente marcada pelo conservadorismo das forças que o apoiam e controlam o PSDB e o partido dos liberais, o DEM. E sua campanha, até o início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e TV, se inclinou para a direita de tal forma que é surpreendente que tenha existido pessoas que, por conhecerem as evidentes qualidades pessoais do candidato, 4 retratodobrasil 38

5 imaginaram que ele pudesse de alguma forma se desligar do bloco de forças ao qual está, há tempos, amarrado. A candidatura de Marina Silva, do PV, também surpreende pelo conservadorismo. Muitos imaginaram, de início, que ela pudesse abrir uma via nova no debate eleitoral. Mas ela não o fez: ancorada em grandes empresários, apresentou-se, em parte, como um meio-termo entre Dilma e Serra. E, o que é pior, em parte também como mais confiável para o mercado no caso, ao propor autonomia para o Banco Central brasileiro, essa espécie de legislador que, apesar de não eleito, tem supremacia nas questões financeiras do País. MOVIMENTO AMPLO A candidatura de Plínio de Arruda Sampaio, do Psol, não foi descartada. O candidato, uma grande figura da esquerda brasileira, apresentou, até agora, propostas generosas, como a de atacar o absurdo grau de concentração de propriedade da terra no País e a de cobrar uma auditoria nas contas do endividamento público. Entretanto, seu partido não demonstra preocupação com a necessidade de unir um leque amplo de forças para realizar as transformações que Arruda Sampaio anuncia. A nosso ver, uma situação nova no País só pode ser criada a partir de um movimento amplo, que deve ser liderado pelo bloco de forças do campo democrático-popular onde estão operários, camponeses, trabalhadores de camadas médias e grande massa de marginalizados e excluídos do sistema. Mas tal movimento deve ser capaz de carregar consigo, também, os milhões de pequenos e médios empresários cujos empreendimentos são prejudicados pelo sistema financeirizado e oligopolizado que vigora no Brasil. No nosso apoio à candidatura Dilma, no entanto, não está um endosso à avaliação, que muitos fazem, dos avanços qualitativos que teriam ocorrido na situação social e econômica do País nos dois governos do presidente Lula. De fato, aqui, ocorreu outra coisa. Como o próprio presidente já disse, nunca os ricos ganharam tanto e nunca os pobres melhoraram tanto de vida. No artigo que publicamos nesta edição ( Welfare state à brasileira ) demonstra-se, com precisão, uma redistribuição de renda que, iniciada ainda nos anos 1990, acentuou-se nos dois mandatos de Lula. Segundo o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, isso se deve à consolidação das estruturas do Estado de bem-estar social brasileiro pela Constituição de O Ipea avalia que o gasto social realizado por União, estados e municípios, por meio dessas estruturas, é responsável, direta ou indiretamente, por mais de 40% do PIB brasileiro tem um peso econômico muito importante, portanto. Mas, como mostramos, nosso welfare state é bem limitado. E, dada a precariedade das informações utilizadas, as avaliações de seus resultados devem ser feitas com cautela. As candidaturas do ex-torneiro mecânico Luiz Inácio Lula da Silva, de 1989 a 2006, representaram passos na direção de uma mudança para o País. E a candidatura de Dilma Rousseff é a que melhor se presta à continuação dessa mudança Uma das questões importantes relacionadas com isso é a do financiamento dos programas sociais. Esse financiamento depende da arrecadação tributária, que, no caso brasileiro, é fortemente regressiva isto é, incide proporcionalmente mais sobre os mais pobres do que sobre os mais ricos. Outra diz respeito a uma avaliação realmente ampla dos efeitos dessa política. Os trabalhos do Ipea e de outras instituições se limitam a verificá-los essencialmente entre os assalariados, excluindo os grandes proprietários. E aí fica-se sem saber se houve uma verdadeira redistribuição da riqueza: isto é, se a riqueza dos grandes proprietários, que de fato têm muito, foi redividida com os trabalhadores mais pobres e os marginalizados ou se houve apenas uma redistribuição de renda da camada mais alta de assalariados para as mais baixas e para os excluídos socialmente. Três exemplos hipotéticos de rendas familiares ajudam a entender melhor a questão. Imaginemos uma família de quatro pessoas cuja renda per capita fosse de um salário mínimo mensal. Praticamente toda essa renda seria destinada à compra de alimentos e outros gêneros de primeira necessidade, como roupas. Dificilmente sobraria algo. Se, no entanto, uma família do mesmo tamanho tivesse renda per capita de cinco salários mínimos mensais, a possibilidade de poupança aumentaria, embora fosse provável que a maior parte da renda também fosse ainda empregada em consumo. Se a renda per capita fosse de 25 salários mínimos, é claro que a poupança seria muito maior. IMPOSTO INDIRETO Desses exemplos se conclui que, quanto mais alta a renda, maior o nível de poupança. Isso não quer dizer que o gasto no consumo não varie de acordo com o nível de renda. Ao contrário: quanto mais alta a renda, além de a quantidade de bens consumidos ser maior e mais variada, há uma tendência à sofisticação, o que implica maior gasto. Mas como a quantidade de alimentos, assim como de outros bens que uma pessoa pode consumir diariamente, não é, evidentemente, ilimitada, apesar da diferença de qualidade, a renda empregada no consumo é sempre limitada. É fácil perceber isso. No caso da família com menor renda, o rendimento total é algo como pouco mais de 2 mil reais mensais. Se essa família poupasse 5%, ela gastaria 1,9 mil reais em consumo. Já a família com renda per capita de até cinco salários mínimos algo como 10 mil reais de renda total, mesmo que gaste o triplo com o consumo, perto de 6 mil reais, terá como poupar 40% do ganho familiar. E a família com renda de 25 salários mínimos per capita 50 mil reais no total pode gastar, digamos, o equivalente a 20 mil reais mensais 10 vezes o consumo da família mais pobre e mais que o triplo do da família de renda média e ainda assim poupar 60% dos rendimentos. 38 retratodobrasil 5

6 O sistema tributário brasileiro se baseia nos chamados impostos indiretos, que têm no consumo sua principal fonte de arrecadação. Em consequência disso, levando-se em consideração as diferenças relativas do consumo em cada uma das famílias, são as mais pobres que acabam penalizadas. Assim, nos exemplos anteriores, a família que consome a maior parte de sua renda (95%) é relativamente mais atingida pela tributação do que as demais sobre a família média e a mais rica, os tributos indiretos recaem, respectivamente, sobre 60% e 40% da renda. Isto é: apesar de consumirem mais e melhor, elas são, relativamente, menos taxadas. TRIBUTOS DIRETOS É claro que é entre os de maior renda que, relativamente, menos consomem e mais poupam que se encontram os verdadeiros ricos. Riqueza é, em essência, o estoque da renda é a parte não consumida e acumulada. Essa acumulação pode se dar de diversas formas: em bens imóveis, em aplicações financeiras, em investimentos produtivos (fábricas, por exemplo) etc. É sobre os rendimentos da riqueza que são aplicados, em sua maior parte, os tributos diretos sobre juros ganhos com aplicações financeiras, aluguéis, lucros do capital etc. E os tributos diretos são bem mais brandos do que os indiretos. O que significa que as famílias de maior renda, que poupam mais, são relativamente menos taxadas. Ou seja: nosso Estado de bem-estar social é capenga na verdade, o que ele proporciona às camadas mais necessitadas da população é, em grande parte, financiado por elas mesmas, graças à regressividade tributária. O que implica que a redistribuição de renda seria outra se o nosso sistema tributário fosse progressivo isto é, taxasse proporcionalmente mais os de maior que os de menor renda. Essa conclusão lógica, no entanto, não pode ser comprovada empiricamente. Isso porque, além de injusto socialmente, o Brasil é um país injusto estatisticamente. As pesquisas poupam os mais ricos. Os dados disponíveis acabam sendo restritos aos rendimentos do trabalho quer dizer, aos trabalhadores assalariados. A avaliação dos rendimentos exclui os vindos da riqueza. O próprio presidente do Ipea reconhece os limites do diagnóstico da situação social decorrente desses problemas. E menciona a altíssima concentração da propriedade fundiária no País como o indicador mais adequado para mensurar, de fato, a desigualdade. Quando se incluem os verdadeiramente ricos os que mais renda acumulam, os resultados mudam muito. Tome-se o exemplo dos EUA, onde as estatísticas não se limitam aos assalariados. Lá, os 50% mais pobres detêm apenas 2,5% da riqueza. Na outra ponta, os 5% mais ricos ficam com mais de 60% só o 1% mais rico detém 33,8% do total. O mais espantoso é que a riqueza da metade mais pobre algo como 150 milhões de pessoas é pouco maior que a acumulada pelos 400 maiores ricaços americanos, todos bilionários. AÇÃO DO LOBBY Entre nós, não há sinais de que ricaços próximos desse tipo estejam empobrecendo. Não porque tenha havido um conjunto de ações voltadas para o estrito favorecimento dos milionários. Mas porque, desde que se derrubou a ditadura e se pensava em fazer grandes mudanças, a concepção de política econômica que existe no País de fato não mudou muito, ou seja, continua favorecendo os grandes grupos empresariais industriais, bancários, comerciais e do agronegócio em detrimento dos médios e pequenos. E, com isso, a riqueza, ao invés de ser distribuída, fica concentrada. Não se pode esquecer que, a partir do exato momento em que entrou em vigor a Constituição de 1988 que procurou estabelecer um Estado de bem-estar social no País, passou a funcionar também o lobby do grande capital. Por exemplo, foi suspensa imediatamente, ainda que na prática, a lei que limitava a cobrança de juros. E, pouco depois, em 1992, se estabelecia a anomalia que persiste, até agora, de o Brasil ser o único Arruda Sampaio: as propostas do candidato do Psol não dão margem a pequenos avanços, que permitem acumular forças Alessandro Shinoda/Folhapress 6 retratodobrasil 38

7 ABr Marina (com o vice, Guilherme Leal): ela tenta ficar no meio, entre Dilma e Serra, e, como ele, propõe-se a fazer mais do mesmo a manter os maiores juros do mundo. É parte dessa mesma política a distribuição a um punhado de grandes empresas, a juros favorecidos, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de 72% de 116 bilhões dos 180 bilhões de reais, repassados pelo Tesouro ao banco. Apesar de essa política ser apresentada como positiva, pois fortaleceria grandes grupos nacionais, nossa dependência externa vem se acentuando. O balanço da conta de transações correntes, que reflete parte essencial das relações econômicas do País com o exterior (por meio do comércio externo de mercadorias e de serviços), mostra um déficit crescente que, estima-se, pode chegar ao fim deste ano perto dos 50 bilhões de dólares. TRANsFORMAÇÃO Qual a explicação para esse déficit? Parece incrível, mas ele é devido à alta taxa de crescimento da economia. Embora o Brasil tenha uma ampla parcela de sua população vivendo em condições miseráveis, está proibido de crescer aceleradamente, sob pena de fazer periclitar suas contas externas. Uma parte da explicação para tal dilema encontra-se na política de abertura aos capitais estrangeiros. Tome-se o caso do setor de telefonia, dominado por empresas estrangeiras. Esses grupos faturam em reais mas, quando querem remeter seus grandes lucros e dividendos para as matrizes como neste período de crise nos EUA e na Europa, precisam de dólares. Só que em suas atividades eles não Grandes questões foram esquecidas nesta campanha. A diretoria da Manifesto acha um erro considerar que o Brasil esteja no bom caminho. Mas avalia que as principais candidaturas alternativas à de Dilma não respondem aos desafios que o País enfrenta geram dólares. É preciso, portanto, que o País obtenha divisas estrangeiras por meio de superávit na balança comercial ou de investimentos externos. No primeiro caso, o Brasil depende cada vez mais da exportação de commodities. E, no segundo, em grande parte, de oferecer condições muito favoráveis aos investimentos externos. Só que o principal instrumento para atrair capital externo ao País é a taxa de juros alta. E isso é contraditório. Juro alto significa grande procura por reais, valoriza a moeda brasileira. E a valorização do real prejudica as exportações. Por sua vez, a concentração de esforços na produção de commodities limita o conjunto da economia: pouco ajuda a aprofundar o desenvolvimento tecnológico e gera empregos, em geral, com baixa remuneração. Como já dissemos, pouco ou nada se fala dessas grandes questões na campanha eleitoral. A diretoria da Editora Manifesto avalia que é um erro considerar que o Brasil esteja no bom caminho. E acha que, nas alternativas apresentadas à candidatura Dilma, as de José Serra e Marina Silva se propõem a fazer mais do mesmo. Ou pior. Avalia também que a candidatura Arruda Sampaio não trata do problema concreto que é o fato de que, para acumular forças, é preciso realizar avanços, mesmo que modestos. E que, devido à composição das forças que a apoiam, é na candidatura Dilma que estão as maiores esperanças de retomada do debate sobre as questões sociais e econômicas do País, mal resolvidas até agora. 38 retratodobrasil 7

retrato CIÊNCIA PESQUISADORES ANUNCIAM A DESCOBERTA DO BÓSON DE HIGGS, A PARTÍCULA DEUS

retrato CIÊNCIA PESQUISADORES ANUNCIAM A DESCOBERTA DO BÓSON DE HIGGS, A PARTÍCULA DEUS CIÊNCIA PESQUISADORES ANUNCIAM A DESCOBERTA DO BÓSON DE HIGGS, A PARTÍCULA DEUS retrato dobrasil WWW.RETRATODOBRASIL.COM.BR R$ 9,50 N O 61 AGOSTO DE 2012 MÚSICA CLEMENTINA DE JESUS, A RAINHA QUELÉ, MORTA

Leia mais

retrato O BRASIL NO MAU CAMINHO O déficit nas contas externas está no limite crítico

retrato O BRASIL NO MAU CAMINHO O déficit nas contas externas está no limite crítico PERFIL JOÃO FILGUEIRAS LIMA, O LELÉ, UM ARQUITETO VOLTADO À INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO retrato dobrasil WWW.RETRATODOBRASIL.COM.BR R$ 11,00 N O 84 JULHO DE 2014 ELEIÇÕES Para ter metade do tempo de

Leia mais

Houve crescimento da produção e da produtividade. e a reforma agrária, como vai? MerCeDes sosa ela se foi. deixou sua música e uma apaixonante utopia

Houve crescimento da produção e da produtividade. e a reforma agrária, como vai? MerCeDes sosa ela se foi. deixou sua música e uma apaixonante utopia CAMPO Houve crescimento da produção e da produtividade. e a reforma agrária, como vai? retrato www.retratodobrasil.com r$ 8,00 n o 29 dezembro de 2009 dobrasil MerCeDes sosa ela se foi. deixou sua música

Leia mais

retrato PAGANDO PRA VER dobrasil BELO MONTE IRAQUE Eleições indicam que espectro de Saddam ainda ronda o país

retrato PAGANDO PRA VER dobrasil BELO MONTE IRAQUE Eleições indicam que espectro de Saddam ainda ronda o país BRASÍLIA AO COMPLETAR MEIO SÉCULO, A CAPITAL É UM SÍMBOLO DA MODERNIZAÇÃO EXCLUDENTE retrato www.retratodobrasil.com r$ 8,00 n o 34 MAio de 2010 IRAQUE Eleições indicam que espectro de Saddam ainda ronda

Leia mais

retrato dobrasil cultura uma crítica a Inside Job, o documentário sobre a crise financeira de 2008 nos eua

retrato dobrasil cultura uma crítica a Inside Job, o documentário sobre a crise financeira de 2008 nos eua cultura uma crítica a Inside Job, o documentário sobre a crise financeira de 2008 nos eua retrato dobrasil www.retratodobrasil.com r$ 8,00 n O 46 MAIO de 2011 trabalho nas metrópoles, parar o carro em

Leia mais

retrato dobrasil economia AS EMPREITEIRAS ESTÃO BOMBANDO E LUCRAM COMO NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS

retrato dobrasil economia AS EMPREITEIRAS ESTÃO BOMBANDO E LUCRAM COMO NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS retrato dobrasil economia AS EMPREITEIRAS ESTÃO BOMBANDO E LUCRAM COMO NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS www.retratodobrasil.com r$ 8,00 n O 40 novembro de 2010 ciência EM NOVO LIVRO, STEPHEN HAWKING

Leia mais

OS RUMOS DA ESTRELA A

OS RUMOS DA ESTRELA A CIÊNCIA EM CAMPINAS, MOSQUITOS SÃO FEITOS EM LABORATÓRIO PARA COMBATER A DENGUE retrato dobrasil WWW.RETRATODOBRASIL.COM.BR R$ 11,00 N O 88 NOVEMBRO DE 2014 9 771980 379004 8 8> SEGURANÇA PÚBLICA No Complexo

Leia mais

TELEVISÃO EM BOSS, A POLÍTICA É BEM DIFERENTE DA RETRATADA PELA GRANDE MÍDIA BRASILEIRA retrato. dobrasil

TELEVISÃO EM BOSS, A POLÍTICA É BEM DIFERENTE DA RETRATADA PELA GRANDE MÍDIA BRASILEIRA retrato. dobrasil TELEVISÃO EM BOSS, A POLÍTICA É BEM DIFERENTE DA RETRATADA PELA GRANDE MÍDIA BRASILEIRA retrato dobrasil WWW.ORETRATODOBRASIL.COM.BR R$ 9,50 N O 59 JUNHO DE 2012 CIÊNCIA O MACHISMO NO CAMPO CIENTÍFICO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

fale conosco: vendas@retratodobrasil.com tel. 11 3032-1204 ou 3813 1527 de 2 a a 6 a, das 9h30 às 17h

fale conosco: vendas@retratodobrasil.com tel. 11 3032-1204 ou 3813 1527 de 2 a a 6 a, das 9h30 às 17h www.retratodobrasil.com n O 23 JUNHO de 2009 06 UM PLANO PARA DILMA Se o novo programa habitacional do governo Lula vai ou não ajudar a ministra a se eleger presidente em 2010, é um ponto secundário. O

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

retrato NOSSOS VOTOS DE BOM ANO-NOVO E POR... dobrasil ESPECIAL 16 PÁGINAS NOSSO PONTO DE VISTA SOBRE A CRISE

retrato NOSSOS VOTOS DE BOM ANO-NOVO E POR... dobrasil ESPECIAL 16 PÁGINAS NOSSO PONTO DE VISTA SOBRE A CRISE economia CADA PÍLULA DO SOVALDI, REMÉDIO CONTRA HEPATITE C, CUSTA MIL DÓLARES. PODE? retrato dobrasil www.retratodobrasil.com.br r$ 11,00 n O 101 DEZemBRO de 2015 NOSSOS VOTOS DE BOM ANO-NOVO POR UMA NOVA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

retrato CUIDADO, LULA dobrasil

retrato CUIDADO, LULA dobrasil retrato WWW.RETRATODOBRASIL.COM R$ 8,00 N O 20 MARÇO DE 2009 REFORMA AGRÁRIA Nos 25 anos do MST, há muita polêmica. Mas pouco a comemorar dobrasil CUIDADO, LULA O presidente diz que seu colega Obama está

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse O B R A S I L DE SARNEY A FHC Da redemocratização à globalização O G O V E R N O S A R N E Y (1985-1990) 1990) Antecedentes Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de 2012. Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO

BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO 1 Brasil 3 Panorama Geral Mercado atento às pesquisas eleitorais. Mostram a candidata Dilma Rousseff em torno de 38/40%, Aécio Neves 20/22% e Eduardo Campos 8/10%.

Leia mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais Para crescer, Brasil precisa rever cultura de mil bolsas Para Marcos Mendes, consultor do Senado, é muito difícil coordenar um acordo social que reduza benefícios em prol de um país mais eficiente e menos

Leia mais

retrato dobrasil dobrasil reforma financeira a nova lei de obama agrada os gatos gordos de wall street

retrato dobrasil dobrasil reforma financeira a nova lei de obama agrada os gatos gordos de wall street retrato dobrasil ciência A CÉLULA FRANKeNSTeIN, De CRAIG VeNTeR, É O PRIMeIRO ORGANISMO SINTÉTICO AUTORRePLICANTe dobrasil www.retratodobrasil.com r$ 8,00 n o 37 agosto de 2010 o PaÍs ganhou Uma PolÍtica

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado

Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado PROPOSTA PARA DEBATE Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista Introdução O Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo e as

Leia mais

outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (I): A queda da pobreza no Brasil no último decênio

outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (I): A queda da pobreza no Brasil no último decênio 06 outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (I): A queda da pobreza no Brasil no último decênio Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014 PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL Janeiro 2014 PESQUISA DO SPC BRASIL REVELA QUE 81% DOS BRASILEIROS SABEM POUCO OU NADA SOBRE SUAS FINANÇAS PESSOAIS Os brasileiros ainda estão muito distantes

Leia mais

retrato TELEVISÃO A CORRUPÇÃO POLÍTICA VISTA PELA GLOBO: COM ESCÂNDALO E SEM ESCÂNDALO dobrasil

retrato TELEVISÃO A CORRUPÇÃO POLÍTICA VISTA PELA GLOBO: COM ESCÂNDALO E SEM ESCÂNDALO dobrasil TELEVISÃO A CORRUPÇÃO POLÍTICA VISTA PELA GLOBO: COM ESCÂNDALO E SEM ESCÂNDALO retrato dobrasil WWW.RETRATODOBRASIL.COM R$ 9,50 N O 57 ABRIL DE 2012 CIÊNCIA A ESQUIVA PARTÍCULA DEUS PARECE TER SIDO ENCURRALADA

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

CORRUPTO NÃO FAZ GREVE

CORRUPTO NÃO FAZ GREVE CORRUPTO NÃO FAZ GREVE Maria Lucia Fattorelli Coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida www.divida-auditoriacidada.org.br 27/2/2012 Será que os professores do setor público federal, estaduais e municipais

Leia mais

Carta Eletrônica de Conjuntura Econômica

Carta Eletrônica de Conjuntura Econômica Carta Eletrônica de Conjuntura Econômica Ano 3, Número 24, fevereiro de 2005. Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas - CEPE cepe@unisc.br...::editorial Ufa! Finalmente o ano de 2005 começou! Estamos

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Conjuntura econômica da Construção civil

Conjuntura econômica da Construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 15 setembro de 2014

Leia mais

Avaliação governo Dilma Rousseff. Expectativas econômicas. 03 a 05/06/2014. www.datafolha.com.br

Avaliação governo Dilma Rousseff. Expectativas econômicas. 03 a 05/06/2014. www.datafolha.com.br Intenção de voto presidente Avaliação governo Dilma Rousseff Opinião sobre os protestos Expectativas econômicas PO813747 03 a 05/06/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JUNHO DE 2014 DILMA CAI, MAS ADVERSÁRIOS

Leia mais

A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE

A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

As desigualdades sociorraciais no Brasil

As desigualdades sociorraciais no Brasil 1 A Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) e as eleições de 2010 As desigualdades sociorraciais no Brasil No Brasil republicano do século 21 existe igualdade apenas no papel da Lei. Não há efetivamente

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Exclusão nos equipamentos culturais e potencial do Vale Cultura no Brasil

Exclusão nos equipamentos culturais e potencial do Vale Cultura no Brasil Exclusão nos equipamentos culturais e potencial do Vale Cultura no Brasil Fundação Perseu Abramo Partido dos Trabalhadores Exclusão nos equipamentos culturais e potencial do Vale Cultura no Brasil Março

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos as turbulências no mercado financeiro europeu e seus impactos nas atividades econômicas

Leia mais

A natureza da crise política brasileira

A natureza da crise política brasileira A natureza da crise política brasileira Armando Boito Jr. Comecemos por um truísmo: a conjuntura política é complexa e difícil para as classes populares no Brasil e, também, na América Latina. No caso

Leia mais

retrato CHARLATANISMO COMO O MINISTRO AYRES BRITTO FOI LEVADO A CONDENAR OS BEM-TE-VIS

retrato CHARLATANISMO COMO O MINISTRO AYRES BRITTO FOI LEVADO A CONDENAR OS BEM-TE-VIS CHARLATANISMO COMO O MINISTRO AYRES BRITTO FOI LEVADO A CONDENAR OS BEM-TE-VIS retrato dobrasil WWW.RETRATODOBRASIL.COM.BR R$ 9,50 N O 66 JANEIRO DE 2013 HOMENAGEM SÉRGIO MIRANDA (1947-2012), NOSSO DIRETOR,

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

retratodobrasil 17 OS DILEMAS DE 2010

retratodobrasil 17 OS DILEMAS DE 2010 retrato WWW.RETRATODOBRASIL.COM R$ 8,00 N O 17 dobrasil OS DILEMAS DE 2010 A candidatura de Dilma é para valer? E Serra? Pode ir contra a política econômica defendida por seu próprio partido? É COISA DA

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA www.criticadaeconomia.com.br EDIÇÃO Nº 1224/1225 Ano 29; 1ª 2ª Semanas Fevereiro 2015. País rico é país com pobreza Enquanto

Leia mais

Política macroeconômica e desenvolvimento no Brasil Abr. 2014

Política macroeconômica e desenvolvimento no Brasil Abr. 2014 Política macroeconômica e desenvolvimento no Brasil Abr. 2014 Bráulio Santiago Cerqueira Diretor de Temas Econômicos e Especiais Ministério do Planejamento - Secretaria de Planejamento e Investimentos

Leia mais

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO...

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... CADÊ O BRASIL RICO? FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO.... E AQUI, DINHEIRO SOBRANDO NO FIM DO MÊS. DESTE

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 89 CNT 18 a 22 de Junho de 2007 SAS Q 06 - Lote 03 - Bloco J Rua Grão Pará, 737-4º andar Ed. Camilo Cola - 2 o andar

Leia mais

SENSUS. Relatório Síntese CNT SENSUS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97. 25 a 29 de Maio de 2009

SENSUS. Relatório Síntese CNT SENSUS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97. 25 a 29 de Maio de 2009 Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97 CNT 25 a 29 de Maio de 2009 SAUS Q 01 - Bloco J - Entradas 10 e 20 Rua Grão Pará, 737 4ºandar Ed. CNT - 11 o andar

Leia mais

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação nº 01 A A Indústria de Transformação brasileira deve encerrar 2014 com mais um resultado negativo para a produção, ratificando o quadro de baixa atividade fabril que caracterizou últimos quatro anos, período

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO-02215 Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE Samuel Kilsztajn* Dorivaldo Francisco da Silva** Marcelo Bozzini da Câmara** Vanessa Setsuko Ferreira** RESUMO: O

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

PROPOSTA PARA DEBATE. Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista

PROPOSTA PARA DEBATE. Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista 1 PROPOSTA PARA DEBATE Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista Introdução O Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo e

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DA ADUFG SINDICATO, REALIZADA EM 05/08/2015.

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DA ADUFG SINDICATO, REALIZADA EM 05/08/2015. ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DA ADUFG, REALIZADA EM 05/08/2015. Aos dias oito do mês de agosto de dois mil e quinze, no Centro de Cultura e Eventos Prof. Ricardo Freua Bufaiçal, localizado no Campus Samambaia,

Leia mais

Art. 1 Fica instituído o Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), previsto no art. 153, VII, da Constituição Federal.

Art. 1 Fica instituído o Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), previsto no art. 153, VII, da Constituição Federal. 1 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N, DE 2012 (Dos Senhores Paulo Teixeira, Jilmar Tatto, Amauri Teixeira, Assis Carvalho, Cláudio Puty, José Guimarães, Pedro Eugênio, Pepe Vargas e Ricardo Berzoini) Institui

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br

Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br CIDADANIA FISCAL UM PROJETO DA SEFAZ-RS Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br Entende-se por cidadania fiscal o pleno exercício da cidadania no que concerne ao financiamento da chamada

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

retrato OUTRA SAÍDA É POSSÍVEL, CARA! MARCIO POCHMANN O economista e presidente do Ipea diz que é tempo de uma nova utopia

retrato OUTRA SAÍDA É POSSÍVEL, CARA! MARCIO POCHMANN O economista e presidente do Ipea diz que é tempo de uma nova utopia MARCIO POCHMANN O economista e presidente do Ipea diz que é tempo de uma nova utopia retrato www.retratodobrasil.com r$ 8,00 n O 25 AGOSTO de 2009 dobrasil OUTRA SAÍDA É POSSÍVEL, CARA! BONDINHO Uma revista

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

Intenção de voto para presidente 2014 PO813734. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente 2014 PO813734. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente 2014 PO813734 19 e 20/02/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE FEVEREIRO DE 2014 MESMO COM DESEJO DE MUDANÇA, DILMA MANTÉM LIDERANÇA NA CORRIDA ELEITORAL 67% preferem ações

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

PO 813734A AVALIAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA PO 813734B INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE PO 813734C 50 ANOS DA DITADURA MILITAR Nº CIDADE:

PO 813734A AVALIAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA PO 813734B INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE PO 813734C 50 ANOS DA DITADURA MILITAR Nº CIDADE: PO 813734A AVALIAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA PO 813734B INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE PO 813734C 50 ANOS DA DITADURA MILITAR Nº CPD: Nº CIDADE: CHECAGEM: 1 CHECADO 2 SEM TELEFONE 3 TELEFONE ERRADO 4 NÃO ENCONTRADO

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura dos atos normativos do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Palácio do Planalto, 24 de abril de 2007 Excelentíssimo senador Renan Calheiros,

Leia mais

O SISTEMA DA DÍVIDA NO BRASIL E SEUS IMPACTOS SOCIAIS

O SISTEMA DA DÍVIDA NO BRASIL E SEUS IMPACTOS SOCIAIS O SISTEMA DA DÍVIDA NO BRASIL E SEUS IMPACTOS SOCIAIS Coordenadora Nacional da auditoria Cidadã da Dívida Maria Lúcia Fattorelli CICLO DE PALESTRAS promovido em parceria com a UnBTV Brasília, 5 de dezembro

Leia mais

Indústria do Esporte. Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo

Indústria do Esporte. Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo Indústria do Esporte Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo Fevereiro 2013 Com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil, a BDO RCS fez um levantamento sobre a evolução da receita da FIFA desde a sua

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Intervenção de Manuel Freitas Primeiro Candidato à Câmara Municipal de Felgueiras. Caros Camaradas e Amigos,

Intervenção de Manuel Freitas Primeiro Candidato à Câmara Municipal de Felgueiras. Caros Camaradas e Amigos, Intervenção de Manuel Freitas Primeiro Candidato à Câmara Municipal de Felgueiras Caros Camaradas e Amigos, Quero partilhar convosco a minha satisfação e o quanto me sinto honrado por ter recebido o convite

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte em 1947. Presidência é seu primeiro cargo eletivo. Marília Juste Do G1, em São Paulo Dilma Rousseff

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais