REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO COP Gestão 2012/2013 LOCAL: Mercado Público, Sala 10 DATA: 02 de outubro de 2012, às 18 horas PAUTA: 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO COP Gestão 2012/2013 LOCAL: Mercado Público, Sala 10 DATA: 02 de outubro de 2012, às 18 horas PAUTA: 1."

Transcrição

1 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO COP Gestão 2012/2013 LOCAL: Mercado Público, Sala 10 DATA: 02 de outubro de 2012, às 18 horas PAUTA: 1. GPO Matriz Orçamentária. COORDENAÇÃO: André Seixas, Região Restinga; e Ronaldo Endler, Gerência do OP. ATA EXTRAORDINÁRIA Nº 011/2012 CONSELHEIRO ANDRÉ SEIXAS (Região Restinga/Coordenação): Boa noite a todos. O Nenê já está aqui, vamos iniciar. CARLOS SIEGLER (GPO Gabinete de Programação Orçamentária): Boa noite a todos. Vou procurar ser bem objetivo, porque todos nós temos diversos compromissos, sei que só uma pauta tão importante como esta poderia garantir o quorum na nossa reunião de hoje. Quero lembrar que conforme a última reunião em que eu participei aqui, do Conselho do Orçamento Participativo, onde aprovamos a matriz orçamentária, ficou o compromisso do governo de que no dia 25/09 estaria aqui em condições de discutir a lei orçamentária, que é esta que vamos discutir hoje. O GPO cumpriu com esse compromisso, estávamos aqui em condições de discutir, mas, infelizmente, não tivemos quorum na reunião e não podemos fazer esse debate, vocês teriam 15 dias para discutir nos fóruns regionais os números e propostas de cada reunião, teríamos hoje mais uma reunião de debate, tendo mais uma semana antes do dia 15, que é a data que o governo, por força de lei, é obrigado a entregar a lei orçamentária para avaliação da Câmara de Vereadores. Então, vamos ficar com o prazo espremido para fazer esse debate. Teremos só a terça-feira que vem antes do dia 15, que é o prazo de entrega da lei orçamentária na Câmara de Vereadores. Portanto, eu vou fazer uma apresentação bem objetiva para que vocês possam enxergar com facilidade o banco de recursos de cada área. Conforme combinado o ano passado, também tem o orçamento discriminado por secretaria para que vocês possam enxergar com mais objetividade. Então, estão aqui os recursos do DEMHAB, discriminado o que o recurso do Tesouro tem na administração direta, encargos e a divisão de programa por programa, Porto da Inclusão, mais seguro, dentro do DEMHAB a distribuição dos recursos. No final, o total de investimentos que o DEMHAB tem, entre o custeio da secretaria, ou seja, obras e serviços em execução, também o volume de investimentos para 2013, que é o recurso que nós temos para as demandas do Orçamento Participativo. É assim que vai ser composta a apresentação. Quero deixar claro, fui cobrado, com razão, pela Conselheira Maria Deloí que tivéssemos aqui uma copia impressa para que pudéssemos trabalhar. Eu trouxe mais de mil folhas para o dia 25, tive que inutilizar as folhas, porque os números alteraram um pouco do dia 25 para cá. Para não correr o risco de desperdiçar folhas, tomamos a opção de apresentar a vocês assim, em meio digital, e eu enviei aos Centros Administrativos Regionais a cópia desta apresentação para que vocês possam trabalhar. Vou passar secretaria por secretaria, depois vamos abrir para as perguntas. Então, o DEMHAB, como eu havia dito, um volume entre custeios e recursos para investimento para o ano que vem, a previsão de R$ ,00; despesas correntes e encargos especiais: R$ ,00; Programa de Atenção à Saúde do Servidor: R$ ,00; investimentos: R$ ,00; recursos, serviços: R$ ,00. Porto da Inclusão, que incluiu recursos da administração direta em cada uma dessas áreas, Programa de Reassentamento, Programa de Regularização Fundiária: R$ ,00; administração geral do DEMHAB: R$ ,00. Publicidade: R$ ,00; aluguel social: R$ ,00; administração geral: R$ ,00. Incentivo ao cooperativismo: R$ ,00; programa de reassentamento: R$ ,00; Programa de Regularização Urbanística, Ambiental e Fundiária: R$ ,00; administração geral deste programa: R$ ,00. Transforma Porto Alegre, Tesouro Livre da Administração Direta, investimentos, intervenções de urbanização na entrada da Cidade: R$ ,00, que é a continuação do programa que vocês conhecem lá; obras habitacionais e Programa de Aceleração do Crescimento: R$ ,00. Todos vocês sabem que são as contrapartidas do PAC que o DEMHAB tem que dar para que os recursos do PAC para este ano cheguem. Todos os recursos que eu abri, que estou descrevendo, vão somar R$ ,00. Copa 2014, obras habitacionais do Programa de Aceleração do Crescimento R$ ,00; também obras habitacionais: R$ ,00. Soma: R$ ,00 de investimentos no DEMHAB para o ano de DEP, Cidade Integrada, administração geral do DEP: R$ ,00; publicidade: R$ ,00; manutenção do sistema pluvial: R$ ,00. Isso inclui recurso de custeio. Então, para vocês terem uma ideia, para a gente ter a manutenção do sistema pluvial do DEP, ou seja, não é obra nova, é para fazer manutenção da rede existente da Cidade, para isso gastamos anualmente R$ ,00. Isso é recurso para as bocas de lobo não entupirem, para que a gente possa evitar alagamentos, fazer o alargamento de redes mais antigas. Investimentos, melhoria na infraestrutura e drenagem: R$ ,00; elaboração de projetos executivos de drenagem urbana: R$ ,00; administração geral: R$ ,00. Transforma Porto Alegre, Programa de Saneamento para Todos: R$ ,00; totalizando: R$ ,00. DMLU, limpeza urbana, custeio: R$ ,00; melhorias de sanitários públicos em Porto Alegre: R$ ,00; encargos especiais: R$ ,00; administração geral: R$ ,00. Publicidade: R$ ,00; qualificação do processo de coleta e resíduo sólido: R$ ,00; totalizando coleta de lixo: R$ ,00. Investimentos, limpeza urbana: R$ ,00; ecopontos: R$ ,00; melhoria de sanitários públicos: R$ ,00. Programa Cresce Porto Alegre, geração de renda via coleta seletiva: R$ ,00; implantação de unidades de triagem em resíduos sólidos: R$ ,00; geração de renda via coleta seletiva: R$ ,00; implantação de unidade de triagem em resíduos sólidos: R$ ,00. Programa de Gestão Total, outras despesas correntes, Programa de <inaudível> à Saúde do Servidor: R$ ,00. Programa Mais Recursos, Mais Serviços, incremento à comercialização: R$ ,00. Programa Porto do Futuro, Plano Diretor de Resíduos Sólidos: R$ ,00; investimentos em projeto do Ecopark: R$ 5.000,00; totalizando: R$ ,00. Vocês viram que nas reuniões do Capacita POA, quando falávamos em orçamento, sobre o Plano Plurianual, que é aprovado de 4 em 4 anos, que neste Plano Plurianual é preciso deixar várias janelas abertas, mesmo com muito pouco recursos, para tudo que possa vir a receber (recurso externo, parcerias), em todas as áreas. Vocês estão vendo que tem

2 projetos com R$ ,00, com R$ 5.000,00, senão houver essa janela aberta, mesmo com um pouquinho de recurso, não é possível captar recursos de parcerias, ou recursos federais, para agregar milhões ali, porque não existe a previsão daquela ação de governo. É por isso que a gente deixa aberto. FASC, Programa Gestão Total, tem o Programa de Atenção à Saúde do Servidor: R$ ,00. Programa Lugar de Criança é na Família e na Escola, que tem entre suas ações o Serviço de Acolhimento Institucional, jovens com deficiência: R$ ,00; Serviço de Acolhimento Institucional, criança e adolescente: R$ ,00; encargos especiais: R$ ,00; Serviço de Abordagem Social de Criança e Adolescente: R$ ,00; Serviço de Acolhimento Institucional: R$ ,00 (Fundo Municipal de Assistência Social). Serviço de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, 15 a 18 anos, Trabalho Educativo: R$ ,00. Serviço de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, 15 a 18 anos, do Fundo Municipal de Assistência Social: R$ ,00. Serviço de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, 06 a 15 anos, do Fórum Municipal: R$ ,00. Clínicas de habilitação de reabilitação: R$ ,00. Programa de Ação de Administração Geral da FASC: R$ ,00. Administração do Conselho Municipal da Assistência Social: R$ ,00. Serviço de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, 15 a 18 anos, Trabalho Educativo: R$ ,00. Serviço de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, 15 a 18 anos, Pró-Jovem: R$ ,00; Serviço de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, 06 a 15 anos: R$ ,00. Publicidade da FASC: R$ ,00. Serviço de proteção social a adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa e liberdade assistida, em prestação de serviço comunitário R$ 2.000,00. Investimentos da FASC, na administração geral: R$ ,00. Porto da Inclusão, tem as ações de abordagem social de adultos: R$ 2.000,00; serviço especializado para idosos: R$ 4.000,00; serviço de proteção e atendimento especializado à família e ao indivíduo: R$ ,00; inclusão produtiva, do Fórum Municipal de Assistência Social: R$ ,00. Ainda na FASC, Serviço de Proteção e Atendimento Integral da Família: R$ ,00. Eu vou passar os grandes números, senão vamos ficar muito nos detalhes, anotem qualquer dúvida que possam ter. Depois temos a ação do Serviço de Acolhimento Institucional, população adulta: R$ ,00. Serviço de Acolhimento Institucional, população adulta, mas não vinculado ao Fórum Municipal de Assistência Social: R$ ,00; Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família: R$ ,00; Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família: R$ ,00. Totalizando na FASC: R$ ,00 de recursos para custeio e investimentos em Depois se vocês quiserem detalhar, nós podemos detalhar mais, mas vamos para os números finais para sermos mais sucintos. Gabinete do Prefeito, para custeio: R$ ,00. PGM, total: R$ ,00 para suas despesas. SECOPA: R$ ,00. SEDA: R$ ,00. SMA: R$ ,00. SMACIS: R$ ,00. SMAM, administração geral: R$ ,00; investimentos na orla do Guaíba, onde temos a revitalização com recursos próprios,, tem a previsão de R$ ,00. Programa Vizinhança Segura, para o Programa de Qualificação e Manutenção dos Parques, Praças e Jardins da Cidade: R$ ,00. Totalizando na SMAM: R$ ,00. Secretaria Municipal da Cultura, vamos detalhar, temos a restauração do patrimônio artístico: R$ ,00; qualificação e ampliação da rede de equipamentos culturais: R$ ,00. Fundo Monumenta: R$ ,00; Projeto Monumenta: R$ ,00; Museu de Imagem do Som: R$ ,00; Memória da Cidade: R$ ,00. Investimentos para o Memória na Cidade: R$ ,00. Programa Parques, Cidades Históricas: R$ ,00 para investimentos. Programa de Qualificação e Ampliação da Rede de Equipamentos Culturais: R$ ,00. Programa Lugar de Criança é da Família e na Escola, que tem ações da cultura do Programa Círculo da Cultura: R$ ,00. Programa Porto da Inclusão, tem ações da Cultura com o Mais Cultura na Cidade: R$ ,00. Democratização da Cultura, do Funcultura: R$ ,00. Imagens, Funcultura: R$ ,00. Ações de música: R$ ,00. Administração geral da Secretaria da Cultura: R$ ,00. Publicidade: R$ ,00. Atelier Livre: R$ ,00. Fomento à Produção Cultural, Funproart: R$ ,00. Unidade de Dança: R$ ,00; imagens: R$ ,00. Usina do Gasômetro: R$ ,00. Artes plásticas: R$ ,00. Descentralização: R$ ,00. Carnaval e Universidade Popular do Carnaval: R$ ,00. Semana de Porto Alegre: R$ ,00. Porto Alegre em Cena: R$ ,00; artes visuais e imagens: R$ ,00. Teatro Aberto: R$ ,00. Livro e literatura: R$ ,00. Nativismo e manifestações populares: R$ ,00. Fomento ao trabalho continuado da arte: R$ ,00. Investimentos, administração geral: R$ 2.500,00. Mais Cultura na Cidade: R$ ,00. Esses números acima são para custeio dos programas e ações já existentes. No número 04 são investimentos, novos recursos. Totalizando: R$ ,00 de orçamento para a Secretaria da Cultura no ano que vem. Lembrando o seguinte, que estão excluídos os recursos de pessoal. Não colocamos aqui, senão ficaria muita coisa, porque recurso de pessoal é regulado por lei, o Conselho do OP não pode, nem a própria administração, alterar ou modificar valores de salários, cargos, enfim. Secretaria Municipal da Governança, publicidade: R$ ,00; administração geral: R$ ,00; Gestão e Democracia Participativa Local: R$ ,00; Funcriança: R$ ,00; Orçamento Participativo: R$ ,00; implantação da Governança Solidária Local: R$ ,00; e o Observa POA: R$ ,00. Ações de políticas sociais: R$ ,00. Totalizando para custeios e investimentos: R$ ,00. Secretaria de Segurança e Direitos Humanos, administração geral: R$ ,00; modernização da Guarda Municipal: R$ ,00. Totalizando: R$ ,00. SME, ampliação, restauração e manutenção de unidades recreativas: R$ ,00; administração geral: R$ ,00. Totalizando: R$ ,00. SMED, administração geral, da centralizada: R$ ,00; alimentação escolar: R$ ,00; ampliação e manutenção do atendimento escolar: R$ ,00; ampliação e manutenção do atendimento escolar infantil: R$ ,00; ampliação e manutenção do atendimento escolar médio: R$ ,00; ampliação e manutenção de atendimento escolar fundamental: R$ ,00. Esses valores são para o que já existe, para manter. Formação e qualificação pedagógica: R$ ,00; Vou à Escola: R$ ,00. Primeira Infância Melhor, Porto Infância Alegre: R$ ,00. Publicidade especial da SMED: R$ ,00; publicidade da centralizada: R$ ,00. Cidade Escola: R$ ,00. Abrindo Espaço para a Criança que 2

3 Aprende: R$ ,00. Vamos passar para os recursos de investimentos. Abrindo Espaço para a Criança que Aprende, é uma ação na área de investimentos: R$ ,00; ampliação e manutenção de atendimento escolar e infantil: R$ ,00; ampliação e manutenção de atendimento escolar médio: R$ ,00; ampliação e manutenção de atendimento escolar fundamental: R$ ,00. Primeira Infância Melhor, Porto Infância Alegre: R$ ,00; Cidade Escola: R$ ,00; administração geral da SMED: R$ ,00. No Programa Porto da Inclusão ainda tem a ação do fortalecimento dos programas de alfabetização e letramento de jovens com R$ ,00. Totalizando o orçamento da SMED: R$ ,00. Secretaria da Fazenda, administração geral: R$ ,00; atualização e modernização do cadastro imobiliário de Porto Alegre: R$ ,00. A Secretaria tem um custo total de R$ ,00. Secretaria de Gestão, total para custeio e investimento: R$ ,00. Lembrando que o grande recurso da Secretaria, os R$ ,00 são recursos de contrapartida das obras da Copa do Mundo, que é o apoio operacional dos programas da Copa. SMIC, tem um orçamento total de R$ ,00. Secretaria da Juventude, tem seu orçamento total de R$ ,00 para custeio e investimentos. SMOV, conservações de vias urbanas: R$ ,00; Programa Minha Calçada: R$ ,00; administração geral: R$ ,00; publicidade: R$ ,00. Construção de calçadão na orla do Guaíba, na Vila Assunção: R$ 5.000,00. Obras de arte: R$ ,00, que são os viadutos, passarelas e tricheiras da Cidade são chamados pelos técnicos de obras de arte. Revitalização dos espaços públicos: R$ ,00. Vias estruturais: R$ ,00, que são normalmente recursos que vêm de contrapartidas ou de recursos federais, esse recurso é só para manter aberta a janela para investimentos. Reforma e manutenção de prédios públicos: R$ ,00; administração geral: R$ ,00. Conservação de vias: R$ ,00; construção e pavimentação de vias: R$ ,00. Dentro desse valor estão previstas todas as obras aprovadas pelo OP, por anos anteriores, que estão em licitação ou já em fase de contratação das empresas. No Programa transforma Porto Alegre tem ,00 de obras viárias na entrada da Cidade. Programa Vizinhança Segura tem R$ 5.000,00 de conservação e ampliação da rede de iluminação pública, lembrando que a rede de iluminação pública está toda contratada por empresa terceirizada, que tem no seu contrato a obrigação de fazer a manutenção. Portanto, o recurso próprio da Prefeitura é baixo nesse sentido. Programa Porto Alegre Copa 2014 tem o prolongamento da Av. Severo Dulios: R$ ,00; implantação de obra de arte na Terceira Perimetral: R$ ,00; implantação da Av. Tronco: R$ ,00; duplicação da Av. Voluntário da Pátria: R$ ,00; duplicação da Av. Edvaldo Pereira Paiva: R$ ,00; complexo da Rodoviária, reformas: R$ ,00. Totalizando um orçamento para investimentos e custeio de R$ ,00. Lembrando que os recursos para as obras da Copa são contrapartidas, a maior parte do recurso vem do financiamento do Governo Federal, esses recursos são também contrapartidas do Município. Secretaria da Saúde, publicidade: R$ ,00; saúde bucal: R$ ,00; Laboratório Central de Análises Clínicas R$ ,00; Instituto Municipal de Estratégias de Saúde da Família: R$ 5.000,00. Lembrando que o IMESF é administrado com recursos do convênio com o Governo Federal, por isso só está aberta a janela com R$ 5.000,00. Assistência farmacêutica: R$ ,00; assistência em saúde especializada: R$ ,00; assistência em saúde básica: R$ ,00; vigilância em saúde epidemiológica: R$ ,00; vigilância em saúde sanitária: R$ ,00; administração geral: R$ ,00. Hospital de Pronto Socorro: R$ ,00; pronto atendimento: R$ ,00; Coordenadoria Geral do Sistema municipal de Urgências: R$ 6.000,00; atendimento á saúde do servidor: R$ ,00. Hospital materno Infantil Presidente Vargas: R$ ,00; Sistema de Saúde da Restinga: R$ ,00. Lembrando que é um convênio com o Grupo Hospitalar moinhos de Vento, só precisa ter a rubrica aberta ali. Hospital pronto Socorro da Zona Sul: R$ ,00, que também é um convênio com o Hospital Parque Belém. Programa DST AIDS: R$ ,00. Fundo do Conselho Municipal sobre Drogas: R$ ,00. Para investimentos, Instituto Municipal de Estratégia e Saúde da Família: R$ 5.000,00; Fundo do Conselho Municipal sobre Drogas: R$ ,00. Hospital Pronto Socorro: R$ ,00; assistência em saúde básica: R$ ,00; Hospital Materno Infantil Presidente Vargas: R$ ,00; administração geral: R$ ,00; pronto atendimento: R$ ,00; assistência em saúde especializada: R$ ,00. Programa Lugar de Criança é na Família e na Escola, tem uma ação da Saúde com comunidades terapêuticas; R$ ,00. Programa Porto Alegre Copa 2014 tem uma ação chamada Reforma do Hospital Pronto Socorro: R$ ,00. Investimento na reforma do Hospital pronto Socorro: R$ ,00. Totalizando: R$ ,00 para custeio e investimentos. Secretaria de Transportes, eu vou apresentar o número final: R$ ,00. O grande número é a contrapartida da ampliação dos sistemas de transporte público, BRT, que são R$ ,00. Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego, um total de custeios e investimentos: R$ ,00. Secretaria Municipal do Planejamento, um total de R$ ,00 de custeios e investimentos. Finalizamos com um total de custeios e investimentos na Prefeitura de Porto Alegre, dentro dos 12 programas que existem na Cidade, para 2013, a previsão é de R$ ,00 para recursos de custeios e investimentos. Não estão aqui as operações de crédito, ou seja, os programas que foram captados junto ao Governo Federal e o BNDES, não estão os recursos de pessoal, estão aqui os recursos da administração direta, os recursos que o Orçamento Participativo pode discutir. Na parte de investimentos estão as obras ainda não executadas do PI 2011 e As que estão em contrato de execução, ou entraram com contrato de execução agora, também vão ser pagas com esse recurso apresentado aqui. Eu fico à disposição para questionamentos da plenária. CONSELHEIRO ANDRÉ SEIXAS (Região Restinga/Coordenação): Pessoal, está aberto para inscrições. Nego, tu tens 2 minutos. CONSELHEIRO CLEBER LESCANO (Temática da Cultura): Carlos, o seguinte: primeiro, quero te dizer que essa sistemática de apresentação, desde o ano passado até agora, eu acho que nós poderíamos melhorar um pouquinho. Para analisar um relatório, na minha opinião, teríamos que ter o passado e o presente para fazermos um comparativo, para sabermos onde estão. Outra coisa que eu gostaria que estivesse aberto seria o que é do ano passado, o que foi feito, o que se deixou de fazer, analiticamente, para que pudéssemos fazer um comparativo. Tu acabaste de dizer que tem obras do ano passado, enfim, mas nós 3

4 gostaríamos de ter isso aberto. Eu estava conversando com o André sobre a questão dos investimentos, a Cultura teve quase R$ 3 milhões o ano passado... Coloca ali para nós, por favor. O André diz que eu choro muito, mas não, a gente tem que analisar as coisas como elas são. Em investimentos, total, houve uma redução, a gente gostaria de negociar, ajustar, como negociamos na vez passada. Então, a parte de sistematização de apresentação, nós queremos entender, também ver o que ficou para trás, o que está aberto, o que podemos negociar e o que não podemos negociar. Essa é a minha crítica construtiva. CONSELHEIRO ANDRÉ SEIXAS (Região Restinga/Coordenação): Nós temos só mais uma reunião, porque nós temos que fechar para ir para a Câmara de Vereadores. Então, proponho que a gente tire uma comissão para irmos até o GPO para a tradicional negociação do que vai vir a mais. Eu tenho a minha proposta, eu acho que para a Assistência Social, acima do que tem ali, mais R$ 3 milhões de investimento. Já comparando que na Temática de Assistência Social e Saúde tenha no mínimo, no livro, R$ 1 milhão para essas duas áreas. Por quê? Se vocês pegarem o PI deste ano, tem um número errado ali. Tem 40 metas de SASE e R$ 790 mil. Não, é R$ 79 mil, aquele número está errado no livro. Então, o que temos de investimento é em torno de R$ 500 mil da Assistência Social. Então, que a gente constasse no livro que vai sair o ano que vem, no mínimo, R$ 1 milhão na área de assistência social para demandas das regiões, da temática em si, não institucionais. Então, a Cultura, por exemplo, que o livro do ano que vem conste R$ 1 milhão para a temática, porque no livro deste ano consta R$ 700 mil, algo em torno. Eu acho que deve ter um acréscimo, mas que já conste a questão das verbas da Cultura, da Semana farroupilha, porque aí vai entrar toda a discussão que já tivemos. Na questão de educação que na Temática da Educação conste R$ ,00. Para isso nós temos que fazer uma discussão junto com o GPO. Eu acho que a para a SME nós temos que garantir para investimentos, no mínimo, mais R$ 500 mil. E na questão do DEMHAB, no mínimo, mais R$ 5 milhões para a construção de unidades habitacionais fora das obras da Copa. E nós aluguel social, que ali t em R$ 50 mil, pô! Aluguel social, pessoal, nós temos um dos maiores exemplos desta Cidade, que foi o Túnel Verde no Extremo Sul, que era uma coisa que qualquer chuvinha botava 200, 300 embaixo d água. Nós temos hoje mais de 100 famílias no aluguel social que tem uma casa melhor até sair o seu reassentamento. Então, isso tem que ter um investimento mais pesado. São propostas que eu tenho, mas que nós podemos fazer. O que podemos fazer? O que a gente já vem fazendo há muito tempo, uma comissão para que a gente possa se reunir segunda-feira à tarde com o GPO, com o Nenê e com o Secretário, para que a gente traga uma proposta alinhavada e discutida para terça-feira. O Osvaldo e depois o Cezar. CONSELHEIRO OSVALDO SOARES (Região Sul): O Nego e o André já falaram tudo, eu concordo em fazermos uma comissão para terça-feira, só que me chamou muito a atenção na área da saúde, tem em publicidade R$ ,00, mas a gente não vê publicidade nenhuma. Em todos os programas a publicidade é um horror de dinheiro. Eu acho que a gente poderia tirar um pouco da publicidade e acrescentar em algo mais concreto, mais objetivo. Era isso que eu tinha a falar. Obrigado! CONSELHEIRO CEZAR RAMOS (Região Sul): Eu acho que uma das preocupações da Cidade hoje, que o DEMHAB não leva muito a sério, não se vê na listagem, é a questão das áreas de risco. A contenção de encostas, até hoje não se sabe se é a SMAM que faz ou o DEMHAB, aí fica aquela briga. Quando tem que remover, ah, não tem dinheiro do aluguel social para colocar o pessoal do aluguel social. Onde está o item especificando? Nós precisamos de dinheiro para reassentar famílias que estão em áreas de risco, precisamos fazer contenção de encostas. Onde vai estar? Vai estar gravado onde isso? É uma preocupação, nós conselheiros temos responsabilidade com isso. Vocês viram no Rio de Janeiro quantas pessoas morreram soterradas no Flamengo. Porto Alegre, Defesa Civil, DEMHAB e SMAM, que são os que atendem quando dá uma emergência dessas, não estão nada preparados e só dizem que não tem verba. Lá no DEMHAB para arrumar um aluguel social é uma dificuldade. Não é, Rosa? Não é fácil. Então, nós temos que ter a responsabilidade de deixar gravado isso e estipular valores. Era isso. CONSELHEIRO RENAN (Região Glória): Eu acho que fui contemplado pelo Geleia e pelo conselheiro anterior, mas eu gostaria de fazer a minha colocação. A Glória não está em primeiro, mas deve estar em segundo ou terceiro em área de risco, é a Prefeitura quem diz. A Glória demandou habitação, sendo que, no meu ponto de vista, teria que ter um projeto do Minha Casa Minha Vida para cada região de Porto Alegre. As mil casas emergenciais, não foram feitas nem 200, não temos nem um terço do que foi aprovado por este Conselho. Eu gostaria de fazer parte dessa comissão, para ver o que podemos fazer para construir junto com o governo. Eu lembro muito bem que no ano passado o gestor esteve na região fazendo acordo, nós fizemos um acordo de não demandar e resgatar as obras anteriores. Parece que a Glória resgatou 12 ou 14, não vou dizer bem, porque a Sirlei não está, ela está doente. Só que dessas demandas resgatadas na Glória não foi feito nada. Então, do PI 2011/2012 não foi feito nada e nós já estamos demandando 2012/2013. Isso me preocupa, não sei se estamos trabalhando para traz ou para frente. A questão do DST e HIV, parece que o investimento é R$ 400 mil. Tem recursos do Governo Federal? CONSELHEIRO ANDRÉ SEIXAS (Região Restinga/Coordenação): Renan, o livro que nós fizemos acordo nas regiões, que era só para resgatar, não foi no último, foi no penúltimo. CONSELHEIRO CARLOS BOA NOVA (Temática de Educação, Esporte e Lazer): Boa noite. São três pontos que eu queria me referir: primeiro, nas verbas da Cultura, atendei ali R$ ,00 para o Carnaval, R$ ,00 para nativismo. Gente, eu não proponho que se retire dinheiro do Carnaval, mas proponho, com a cepa gaucha que nós temos que a gente invista um pouco mais no nativismo, tendo em vista o sucesso do Acampamento Farroupilha <Aplausos>. Nós temos uma cepa de cultura nossa, nativa para cultivar, a música, o canto à poesia, a culinária, tudo isso é cultura e nós temos que incentivar. Então, eu pediria que na feitura dos orçamentos fosse aumentado um pouco nesse aspecto. Os outros dois aspectos são referentes ao grupo de cidadãos que não têm tantas oportunidades, que são as pessoas com deficiência. Eu não vi o valor, mas se foi é irrisório, para a Secretaria Municipal de Acessibilidade e Inclusão, é aquela que faz as políticas de inclusão das pessoas com deficiência. Qualquer um de nós hoje, amanhã pode ser uma pessoa com deficiência, basta chegar em casa e ter um AVC ou cair no Box do banheiro, passa a ser uma pessoa deficiência, aí dói. Por quê? Porque quando é no dos outros é um lixinho que a gente joga para baixo do tapete. Então, o que eu proponho é mais verba para a 4

5 secretaria, que logo no primeiro ano que foi criada, a SMACIS, nós conseguimos neste OP R$ 150 mil, é a única verba do OP que foi para a secretaria. Então, nós queremos um pouquinho mais. Eu acompanho o que o André diz, na Temática da Educação precisamos um pouquinho mais, porque eu vi lá: educação fundamental, educação infantil e educação de ensino médio, mas não vi educação especial. CARLOS SIEGLER (GPO Gabinete de Programação Orçamentária): Tem. CONSELHEIRO CARLOS BOA NOVA (Temática de Educação, Esporte e Lazer): Mas qual o valor? Eu não estou defendo agora valores, estou falando em percentuais de pessoas, nós temos que atender uma coisa que se chama escola especial. Onde está? Vejam lá, no infantil tem 64, no de cima tem 24, aqui embaixo são 6. Para um pai que tem três filhos e tem a escola fundamental na esquina, ou na mesma quadra, ou no bairro, é muito bom, mas quem tem um filho especial e tem quatro ou cinco escolas especiais em Porto Alegre em uma Cidade de mil habitantes, tem que às vezes atravessar a Cidade, com deficiência no transporte, porque também não há transporte especial, para levar um filho na escola especial. Se nós tivéssemos a escola inclusiva, aí nós tería mos que adaptar as escolas existentes para fazer rampa, tirar escada, fazer elevador, aí nós poderíamos, reduzindo a despesa, dar um atendimento melhor a essas crianças que com 20 anos de idade mal conseguem um emprego porque mal e mal são alfabetizados, ou porque não conseguiram ir à escola como um cadeirante. Muito obrigado! <Aplausos>. CONSELHEIRA LUCIANA (Região Lomba do Pinheiro): Eu sou nova, se eu falar alguma bobagem me perdoem, mas eu acho assim, ele falou da publicidade da saúde, R$ 2 milhões, e nas nossas demandas deste ano a gente pediu que tivesse um CAPS mental, porque tem muitas pessoas com problemas mentais, mulheres que estão quase se matando. Eu acho assim, como já fui uma depressiva, antes de conhecer a realidade do povo, porque depois que eu fui uma Mulher da Paz, hoje não tenho depressa, hoje tenho muito auxílio para dar às pessoas. Então, eu acho que a gente poderia focar na saúde mental das pessoas. Eu ainda acredito no ser humano, então, é a mi nha palavra. Obrigada! CONSELHEIRA ROSA LA BANDEIRA (Região Centro Sul): Boa noite a todos e a todas, ao nosso Nenê também. Eu marquei quatro questões. Eu concordo com a ideia do André, temos que sentar e aumentar recursos em algumas secretarias. Por exemplo, obras do DEP, R$ 7 milhões. Quem de vocês não tem problema na comunidade com o DEP? Isso não é nada para Porto Alegre, tendo em vista os problemas que a gente tem. Regularização fundiária, R$ 8 milhões, eu acho pouco, porque os bairros estão irregulares e a Prefeitura tem que dar o incentivo para a gente poder regularizar o pedaço onde mora. DEMHAB, R$ 69 milhões, estão incluídas as casas de emergência, o aluguel social com R$ 2 milhões a gente nem arranca, porque chega no DEMHAB não tem mais casa para alugar. É impossível com isto aqui. Então, o que está incluso? Acho que temos que aumentar um pouquinho, a Cidade é muito grande e o recurso é muito pequeno. Outra questão, concordo com o sucesso do OP, R$ 549 mil, eu acho que tem que aumentar esse recurso para poder ter um pouquinho mais de conforto dentro do galpão e das atividades do OP. A pavimentação, vocês acham que R$ 34 milhões contemplam a Cidade toda? Também acho que é muito pouco, nós temos que aumentar, porque é onde temos uma carência muito grande. Outra secretaria que eu achei com pouco recurso, uma secretaria importantíssima, é a SMIC, R$ 7 milhões. Eu acho que temos que rever, é muito pouco dinheiro. Então, eu quero ser parceira para discutirmos e aumentarmos recursos. Muito obrigada! CONSELHEIRA BERNADETE (Região Cruzeiro): Boa noite. Eu sou novata, como disse a companheira, vocês me desculpem. Quando vocês falam em DEMHAB, eu conheço bem o que é isso, porque eu faço parte da Comissão de Habitação do SECOPA na Região da Grande Cruzeiro e vocês não tem noção do que a gente passa com o DEMHAB. Tudo para eles não pode, nada, eles não facilitam nada. Casas de aluguel, então... Casas de passagem nem se fala! Nunca tem, tudo vai se transformando difícil. Eu vejo que vocês falam muito em lazer, mas como alguém pode querer ter lazer se, às vezes, não tem né onde morar. Eu acho que a regularização fundiária tem que ser em primeiro lugar, o que vem depois é consequência. Hoje nós estamos brigando por 150 metros entre nós, nós não brigamos com a Prefeitura, Governo Estadual ou Governo Municipal, nós brigamos entre nós. Eu acho que isso tem que deixar de existir, eu acho que cada comunidade tem o direito de receber o seu, sem haver disputa entre nós, porque o que eu acho mais grave é disputarmos entre nós. É como a coegea disse, na regularização fundiária as pessoas têm que ser conscientizadas que é uma coisa necessária, porque hoje eu vejo com o que está acontecendo comigo, que quem tinha usucapião teve uma negociação bem diferenciada. Entendeu? Graças a Deus a Prefeitura nos ouviu e fez um trabalho bem suave, bem bacana, que a gente não tem o que se queixar dessa obra; mas quando bate lá no DEMHAB essa negociação, em ano de eleição, que a gente não tem onde recorrer, até porque neste momento não podemos recorrer ao Fortunati. Então, aquilo está uma coisa, estão sem chefe. Então, tem que regularizar. Quando bate em habitação e saúde eu fico muito indignada. Aqui está acontecendo demanda de 2011 e E por que está se resgatando agora? Esse valor que ficou para trás está incluído na demanda de 2012? Se está não houve aumento de demanda, não houve aumento financeiro. É isso que eu gostaria de saber. Essas que têm vão ser incluídas no valor das demandas novas? Como eu sou nova gostaria de saber para aprender. Era isso, gente, vamos pensar em habitação. Obrigada! CONSELHEIRO ALFONSO (Temática de Desenvolvimento Econômico, Tributação, Turismo e Trabalho): Boa noite a todos. Eu não pedia jamais que alguém fizesse uma reunião para mim, eu vou me desculpar, porque por uma questão profissional cheguei atrasado. Então, realmente, eu não sabia dos números que me chamaram a atenção. Tem R$ 7 milhões para a SMIC. Rosa La Bandeira, teve também uma mudança no último ano, que parte dos recursos para geração de trabalho e renda, e preparação para o mercado de trabalho, foi deslocado para a nova Secretaria de Trabalho. Então, vamos ter que fazer essas contas. Eu estou vindo para pedir que coloquem o meu nome para estar discutindo juntamente com o grupo, na segunda-feira, para ajustarmos e pleiteando o aumento de recurso para esses setores que as pessoas viram com falta de recursos. Obrigado! CARLOS SIEGLER (GPO Gabinete de Programação Orçamentária): No que tange à discussão de ampliação de recursos eu acho que vamos ter a oportunidade de ampliar e aprofundar na reunião proposta para a semana que vem, com a comissão que esta plenária vai tirar. Eu anotei todos os pontos de ampliação de recursos. Proponho que façamos como no ano passado, eu já tenho uma base a partir das falas feitas. Para quem é novo, para que a gente possa explicar, 5

6 essa distribuição de recursos são propostas pelas secretarias. O GPO encaixa no orçamento, na previsão orçamentária que nós temos para o ano de 2013, ou seja, a secretaria vem, pede muito, um recurso muito acima do padrão nos últimos anos e a gente enxerga que o orçamento não comporta esse orçamento. A gente conversa com o gestor, com os técnicos que constroem o orçamento de cada secretaria e adaptando os orçamentos para que ele possa ficar dentro da realidade da previsão orçamentária que a Prefeitura tem para o ano que vem. Essa é a proposta que acaba chegando para vocês, a proposta das secretarias, adaptada com os excessos de recursos em uma negociação do GPO com cada um dos órgãos. Portanto, para a ampliação de recursos, em cada uma dessas áreas, a primeira negociação vai ser feita ao longo desta semana, é com a secretaria, para ver se a gente consegue reduzir de uma ponta para acrescer onde vocês acham que é importante crescer. No ano passado nós tivemos condição de fazer isso em todas as áreas e conseguimos fazer contemplar a proposta do COP na primeira conversa com cada secretaria. Este ano vou tentar fazer com que isso seja possível novamente a partir desses números. Embora sejamos todos fraternos amigos, a nossa reunião aqui sempre tem o registro na íntegra, é um documento oficial e nós precisamos deixar claras as coisas que são negociadas e tratadas aqui com os conselheiros. Pegando as falas vou tentar esclarecer. Em relação à apresentação, Nego, eu preciso que vocês me proponham o modelo de apresentação antes de eu trazer aqui, essa proposta que tu me fizeste não foi feita no ano passado, de abrir com os anos anteriores e de abrir com o comprometimento das demandas que ainda não estão concluídas, é a primeira vez que isso aparece. Eu trouxe aqui, podemos pegar as atas das nossas reuniões anteriores, eu trouxe exatamente o que nós combinamos o ano passado. Vocês sempre discutiram a lei orçamentária por programas, todo mundo sempre disse que fica muito embaralhado, não consegue fazer a conta exatamente de quanto tem em cada área. Nós acordamos aqui que discutiríamos por secretarias, está aberto por secretarias. Na apresentação do ano passado vocês acharam muito embaralhado, eu limpei o pessoal e operações de crédito para deixar aqui custeio e investimentos da administração direta para ficar mais claro. Tem esta proposta agora? Bom, infelizmente, para esta apresentação, a não ser que a gente a refaça, e o tempo está curto, eu não vou conseguir preparar isso. Pedindo com antecedência, não tem nenhum problema. Só o que não fica bem, e eu estou repetindo aqui, sei que não foi isso que tu quiseste dizer, mas como está na ata preciso declarar aqui, é essa sensação na tua fala de que nós estamos querendo esconder alguma coisa. Não é isso, o objetivo aqui é clarear. Como tem registro em ata eu preciso deixar claro aqui. Este jeito que está apresentado é o mesmo jeito que nós combinamos, que eu combinei com o COP. O Conselheiro Osvaldo falou sobre a verba de publicidade da Saúde. Eu quero lembrar a vocês, eu deveria ter dito no final da minha apresentação, mas vou retificar agora. É preciso entender que verba de publicidade na Prefeitura não significa verba para propaganda, verba de publicidade na Prefeitura são todos os materiais gráficos e publicitários de campanhas, todas as campanhas que a Prefeitura faz. Na Saúde, por exemplo, todas as campanhas de prevenção, campanhas de vacinação, todos os trabalhos de conscientização da população são feitas com verba de publicidade. Por exemplo, a campanha de trânsito, da mãozinha na faixa, diminuiu em 38% o número de mortes por atropelamento em Porto Alegre, nos últimos 2 anos. Então, verba de publicidade salva vida na Prefeitura de Porto Alegre. Eu proporia que nós, antes de tentar mexer nos recursos de grande publicidade, pensássemos bem nisso. Em relação à fala do Conselheiro Cezar, sobre as áreas de risco e encostas, também vamos debater na nossa reunião. Em relação à fala do Renan. Conselheiro, eu me proponho a fazermos uma pauta na região, ou aqui no COP, a respeito das demandas realizadas dos resgates do PI 2011 na Região Glória. O relato que nós temos, a própria Governança já fez isso nas regiões, é de um adiantamento da execução das obras muito grande. Então, isso me estranha, que nenhuma obra na Glória tenha sido iniciada. Eu não trouxe essa pauta, não tenho ela pronta aqui, mas a informação que eu tenho é absolutamente ao contrário. Por exemplo, do PI 2011, das 681 obras, entre resgatadas e novas, nós temos no nosso último relatório mais de 300 demandas concluídas e apenas 40 e poucas ainda não iniciadas. Então, eu me proponho a fazer esse debate na região, porque eu acho que os números não são esses. Em relação aos programas DST e AIDS, que têm um recurso pequeno ali, é preciso entender que sim, esses recursos vêm de programas do Governo Federal, que repassam recurso. Portanto, precisamos deixar a janela aberta de investimento para que o Governo Federal possa transferir. Em relação à fala do Conselheiro Boa Nova, também é um debate para a nossa comissão, só lembrando que a SMACIS até o ano passado era a Secretaria Especial de Acessibilidade e agora foi enviada uma lei para a Câmara, transformada em uma Secretaria permanente. A secretaria especial tem duração por um tempo, como é a Secretaria Especial da Copa, ela dirá até a Copa do Mundo, depois não faz sentido continuar existindo. Então, é preciso entender que as secretarias de segmentos, como a SMACIS, a Juventude, a SEDA, os conselhos, a Coordenadoria do Povo Negro, a Coordenadoria do Movimento das Mulheres, do Idoso, são secretarias transversais; ou seja, elas formulam e debatem com a sociedade as políticas públicas para que sejam executadas pelas secretarias finalísticas do Governo. Ou seja, a SMACIS aprovou o plano de acessibilidade do Município, mas não cabe aplicar recurso na SMACIS para que ela faça as obras de rebaixe de calçadas. Quem, faz isso é a SMOV a partir das políticas determinadas pela SMACIS. Na Secretaria de Juventude, a secretaria formula as políticas antidrogas e quem executa é a Saúde, e assim por diante. Elas são secretarias chamadas de transversais. CONSELHEIRO CARLOS BOA NOVA (Temática de educação, Esporte e Lazer): <Manifestação fora do microfone>. CARLOS SIEGLER (GPO Gabinete de Programação Orçamentária): Boa Nova, se for ver na Secretaria da Saúde, tem ações vinculadas à Secretaria de Acessibilidade, na Secretaria dos Transportes, na SMOV, todas elas têm. Em relação à Conselheira Luciana, também falou sobre a publicidade, eu já falei. A Rosa nos apontou diversos setores para ampliação de recursos. A Berna nos falou também do recurso para regularização fundiária e fez um questionamento sobre como funcionam os resgates. Os resgates foram feitos por negociação com o Orçamento Participativo no ano de 2011 onde pegaram todas as demandas não executadas de toda a história do OP, negociou-se um volume de demandas em cada região e elas foram resgatadas como prioritárias para serem executadas. Em 2012 já foram novas demandas, em 2013, na plenária de 2012 para 2013, também, for aprovadas uma série de prioridades que vão virar demandas novas para o PI O que 6

7 acontece é que a Prefeitura não consegue executar a demanda durante o ano em que ela é demandada, por questões óbvias, a gente leva um tempo até conseguir fazer a obra, enfim, concluí-la, dependendo da obra. Então, elas acabam acumulando de um ano para o outro, mas são somas, são as 681 demandas de 2011, mais de 505 de 2012, mais as demandas que vão ser aprovadas para o caderno do ano que vem. Todas elas são um compromisso da administração em serem executadas ao longo dos anos, na medida em que o Governo coseguir ir cumprindo com a execução. É um debate antigo, o OP vai ter que discutir, porque senão vamos ficar correndo atrás da máquina sempre, por conta da demanda anual, ou a gente estabelece um período maior, ou altera o ciclo, ou se debate das demandas acontecerem de 2 em 2 anos. Enfim, é um debate que não pertence ao Governo, mas pertence aos conselheiros e delegados do Orçamento Participativo. O Alfonso se colocou á disposição para a comissão. Se alguma questão ficou em aberto fico à disposição. CONSELHEIRO ANDRÉ SEIXAS (Região Restinga/Coordenação): Bom, pelo visto todos aprovaram a formação de uma comissão, a ideia é de um representante por região ou temática, que seja formada aqui, mas que seja uma comissão que tenha poder de negociar uma proposta com o GPO e trazer na terça-feira. Primeiro, queria colocar em votação que essa comissão tenha esse caráter, que o Conselho dê o caráter de autorização, que essa comissão tenha autonomia para formular uma proposta em conjunto com o Governo, para que a gente traga para terça-feira. Então, quem concorda com essa proposta que permaneça como está. Quem discorda levante a mão. Abstenções? Então, foi aprovada por unanimidade a proposta. Então, as regiões e temáticas que quiserem indicar um representante hoje podem indicar. Eu tenho anotado mais ou menos assim: André da Restinga, Rosa da Centro Sul, Renan da Glória, Alfonso do Desenvolvimento Econômico, o Pedro da saúde e assistência Social, o Cezar da Sul, a Bernadete da Cruzeiro, a Ivone da Leste. Vamos marcar como um ponto de referência às 14 horas na referência do OP, dali nós nos deslocamos. Também o Cleber pela Cultura, o Dinar do Extremo, o Ervino da Noroeste. Mais alguém? O Erlon do Humaitá. Nós temos 11 integrantes. O Boa Nova também, do Esporte e Lazer. Mais alguém? Então, está constituída a comissão. Então, pessoal, às 14 horas no OP. Agradeço a todos. Encerra-se a Plenária Ordinária do COP às 20h56min. Taquígrafa: Patrícia Costa Registro nº / FEPLAM 7

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

Conselho do Orçamento Participativo. Seção Ordinária do dia 13 de setembro de 2005.

Conselho do Orçamento Participativo. Seção Ordinária do dia 13 de setembro de 2005. Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Gerência do Orçamento Participativo Conselho do Orçamento Participativo ATA: 16 PAUTA: Matriz Orçamentária Seção

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

Histórico do Orçamento Participativo de Porto Alegre

Histórico do Orçamento Participativo de Porto Alegre Histórico do Orçamento Participativo de Porto Alegre CIDADE Centro de Assessoria e Estudos Urbanos Rua Antão de Farias, 50 - Bom Fim Porto Alegre - RS - Brasil Fone/fax: (0xx51) 3264 3386 cidadepa@portoweb.com.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

Prefeitura Municipal de AJURICABA LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias - 2016 Anexo V - Meta Fiscal da Despesa - Rol de Programas

Prefeitura Municipal de AJURICABA LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias - 2016 Anexo V - Meta Fiscal da Despesa - Rol de Programas Página: 1 0000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 101 Restituição de Recursos 4.000,00 5.000,00 6.000,00 201 Contribuição PASEP 290.000,00 300.000,00 310.000,00 301 Sentenças Judiciais e Precatórios 6.000,00 8.000,00

Leia mais

Programa Porto Alegre Copa 2014 Legados para a Cidade

Programa Porto Alegre Copa 2014 Legados para a Cidade Programa Porto Alegre Copa 2014 Legados para a Cidade Visão: Ser considerada a melhor cidade-sede da Copa 2014 quanto a participação popular e promoção de ações de desenvolvimento econômico, social e ambiental,

Leia mais

SÃO BERNARDO DO CAMPO

SÃO BERNARDO DO CAMPO 1 PPA Participativo 2014-2017 Prestação de Contas O PPA Participativo 2014-2017 em números 21 plenárias 13.471 participantes 200 grupos de trabalho 400 diretrizes 55 programas e ações R$ 18,6 bilhões 3

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETÂNIA Estado de Pernambuco LEI Nº 636 /2012 DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2013 Anexo de Prioridades e Metas ( Sintético )

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETÂNIA Estado de Pernambuco LEI Nº 636 /2012 DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2013 Anexo de Prioridades e Metas ( Sintético ) Anexo de Prioridades e s ( Sintético ) s Processo Legislativo Administração Legislativa Planejamento Governamental Gestão Política Administrativa Suporte Administrativo Garantir o exercício da função legislativa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

Orçamento Participativo

Orçamento Participativo Orçamento Participativo PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Porto Alegre Área: 476,30 km2 População: 1,4 milhões Predominância econômica: serviços e comércio Região metropolitana: 27 municípios 3,5 milhões

Leia mais

DECRETO Nº 18.601, DE 27 DE MARÇO DE 2014.

DECRETO Nº 18.601, DE 27 DE MARÇO DE 2014. DECRETO Nº 18.601, DE 27 DE MARÇO DE 2014. Abre créditos suplementares no Executivo Municipal, no valor de R$ 18.794.926,00. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, em conformidade com o que dispõem as alíneas

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Pelotas. Anexo 6 - Programas de Trabalho - Consolidado

Prefeitura Municipal de Pelotas. Anexo 6 - Programas de Trabalho - Consolidado 01 LEGISLATIVO 0,00 13.565.725,00 0,00 13.565.725,00 031 AÇÃO LEGISLATIVA 0,00 13.565.725,00 0,00 13.565.725,00 0007 EXECUÇÃO DA AÇÃO LEGISLATIVA 0,00 13.565.725,00 0,00 13.565.725,00 2001 Manutenção do

Leia mais

PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ ORÇAMENTO ESTADUAL 2012

PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ ORÇAMENTO ESTADUAL 2012 PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ ORÇAMENTO ESTADUAL 2012 Apoio Gabinete do Vice-Governador Secretaria-Executiva do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social Gabinete dos Prefeitos e Relações

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

Ação Descrição 1001 - AQUISICAO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS PERMANENTES 1059 - AMPLIAÇÃO E REFORMA DO PRÉDIO DA CAMARA MUNICIPAL

Ação Descrição 1001 - AQUISICAO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS PERMANENTES 1059 - AMPLIAÇÃO E REFORMA DO PRÉDIO DA CAMARA MUNICIPAL Programa: 0001 - PROCESSO LEGISLATIVO 01 - CAMARA MUNICIPAL 001 - CAMARA MUNICIPAL 01 - Legislativa 031 - Legislativa Objetivo: PROCESSO LEGISLATIVO 1001 - AQUISICAO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS PERMANENTES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DO COP Gestão 2014/2015 LOCAL: Auditório da SMA DATA: 29 de julho de 2014, às 18 horas PAUTA: 1. Informes; 2. Assuntos internos.

REUNIÃO ORDINÁRIA DO COP Gestão 2014/2015 LOCAL: Auditório da SMA DATA: 29 de julho de 2014, às 18 horas PAUTA: 1. Informes; 2. Assuntos internos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 REUNIÃO ORDINÁRIA DO COP Gestão 2014/2015 LOCAL: Auditório da SMA DATA: 29

Leia mais

Conselho do Orçamento Participativo. Seção Ordinária do dia 22 de setembro de 2005.

Conselho do Orçamento Participativo. Seção Ordinária do dia 22 de setembro de 2005. Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Gerência do Orçamento Participativo Conselho do Orçamento Participativo ATA Nº 20 PAUTA: MATRIZ ORÇAMENTÁRIA Seção

Leia mais

Porto Alegre. Host City Fifa World Cup 2014

Porto Alegre. Host City Fifa World Cup 2014 Porto Alegre Host City Fifa World Cup 2014 31/05/2009 A FIFA anuncia as 12 cidades-sede 13/01/2010 Formalização do Grupo Executivo da Copa Gecopa; Anúncio do Programa BNDES Pró-Copa Turismo (recursos para

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE IVAIPORÃ Estado do Paraná PLE 136/2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE IVAIPORÃ Estado do Paraná PLE 136/2012 1 LEI N 2.242, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012 Abre um Crédito Adicional Suplementar e dá outras providências Art. 1 Fica o Poder Executivo autorizado a abrir no corrente exercício financeiro, um Crédito Adicional

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ Departamento das Relações Comunitárias e Orçamento Participativo Palácio João Baptista Lusardo

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ Departamento das Relações Comunitárias e Orçamento Participativo Palácio João Baptista Lusardo RELATÓRIO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE 2006 TRÊS COISAS... De tudo, ficam três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar... A certeza de que seremos interrompidos

Leia mais

Reunião do Conselho Coordenador do FMS

Reunião do Conselho Coordenador do FMS CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE GUARULHOS Reunião do Conselho Coordenador do FMS Ao vigésimo oitavo dia do mês de agosto de dois mil e treze, às quatorze horas e dezesseis minutos reuniu-se o Conselho Coodenador

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial 0352 Abastecimento Agroalimentar 22000 1049 Acesso à Alimentação 0351 Agricultura Familiar - PRONAF 1215 Alimentação Saudável 1016 Artesanato Brasileiro 28000 0135 Assentamentos Sustentáveis para Trabalhadores

Leia mais

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Democracia participativa p e cultura cidadã Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Da Reivindicação à Wikicidadania INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E DA GESTÃO

Leia mais

PREFEITURA DO NATAL SEMPLA. - 200 dias

PREFEITURA DO NATAL SEMPLA. - 200 dias PREFEITURA DO NATAL SEMPLA - 200 dias 2 Missão Promover a integração das ações governamentais e a gestão democrática da cidade, objetivando fortalecer a relação entre o Estado e Sociedade e alcançar efetividade,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONCEIÇÃO DE MACABU PPA 2014/2017 ANEXO 1 - PROGRAMAS FINALÍSTICOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONCEIÇÃO DE MACABU PPA 2014/2017 ANEXO 1 - PROGRAMAS FINALÍSTICOS 22/09/ - 1539 Página 1 PROGRAMA OBJETIVO ANEXO 1 - PROGRAMAS FINALÍSTICOS 0002 - COMUNIC SOCIAL, DIVULG E PUBLICIDADE EFETUAR DIVULG DE ATO INSTITUCIONAL E PUBLIC DE ATO OFICIAL POR MEIO PRÓPRIO E TERCEIRIZADO

Leia mais

LEI Nº 2.669, DE 30 DE ABRIL DE 2014.

LEI Nº 2.669, DE 30 DE ABRIL DE 2014. LEI Nº 2.669, DE 30 DE ABRIL DE 2014. Abre Crédito Adicional Especial, autoriza a alteração do Plano Plurianual e da Lei Orçamentária Anual para inclusão da programação decorrente da criação da Secretaria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Terça-feira, 27.07.10

Terça-feira, 27.07.10 Terça-feira, 27.07.10 Pensamento do dia: A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado, se foi triste. John Ruskin A dúvida é: Incluso ou inclusas seguem as notas

Leia mais

Consolidado Orçamento Fiscal - Adendo VI Anexo 7, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00

Consolidado Orçamento Fiscal - Adendo VI Anexo 7, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00 Governo Municipal de Castanhal ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2015 Consolidado Orçamento Fiscal - Adendo VI Anexo 7, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00 PROGRAMA DE TRABALHO

Leia mais

PRIORIDADES E METAS PARA 2014 ANEXO II

PRIORIDADES E METAS PARA 2014 ANEXO II Gestão Pública de Excelência 1-Ter uma gestão pública de excelência e que assegure o crescimento sustentável da cidade e consequentemente o bem-estar do cidadão. 2-Valorizar e desenvolver os recursos humanos,

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO GABINETE DO PREFEITO O Plano de Metas é um instrumento de gestão que orienta a Prefeitura na direção de uma cidade sustentável e oferece aos cidadãos e à imprensa um mecanismo para avaliar os compromissos

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Conselho do Orçamento Participativo

Conselho do Orçamento Participativo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 Ata da 4ª Reunião Ordinária do Conselho do Orçamento Participativo aos 25 de abril de 2014, às 15h, no Paço

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE AÇÃO GOVERNAMENTAL 2012-2015 RELAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS (Inciso I do art. 12 da Lei n.º 20.024, de 9 de janeiro de 2012)

PLANO PLURIANUAL DE AÇÃO GOVERNAMENTAL 2012-2015 RELAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS (Inciso I do art. 12 da Lei n.º 20.024, de 9 de janeiro de 2012) ADMINISTRAÇÃO DE ESTÁDIOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS 181 GERENCIAMENTO DE ESTÁDIOS E PROMOÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS, RELIGIOSOS E SOCIO-CULTURAIS AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Leia mais

Exercício: 2013 Data base: 31/12/2013

Exercício: 2013 Data base: 31/12/2013 Prefeitura Municipal de Alvorada Página: 000001 Orgão: 01 CAMARA MUNICIPAL DE VEREADORES 01 LEGISLATIVA 41.087,91 6.600.377,60 0,00 6.641.465,51 01.031 ACAO LEGISLATIVA 41.087,91 5.758.613,76 0,00 5.799.701,67

Leia mais

ORDEM DO DIA PROJETO DE LEI Nº 031/2005, conforme emendado VEREADOR MARCO ANTÔNIO GRILLO

ORDEM DO DIA PROJETO DE LEI Nº 031/2005, conforme emendado VEREADOR MARCO ANTÔNIO GRILLO ATA DA QUADRAGÉSIMA SÉTIMA SESSÃO, EXTRAORDINÁRIA, DA 1ª SESSÃO LEGISLATIVA, DA 5ª LEGISLATURA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO... Aos vinte e sete dias do mês de

Leia mais

Sua empresa é CIDADÃ?

Sua empresa é CIDADÃ? Sua empresa é CIDADÃ? A Câmara de Comércio e Indústria do Estado do Rio de Janeiro (CAERJ) em uma iniciativa inédita está compilando informações corporativas de todos os segmentos: indústria, comércio

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA.

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PARTIDOS COLIGADOS: 1. Partido dos Trabalhadores PT; 2. Partido Progressista PP; 3. Partido Democrático Trabalhista PDT; 4. Partido Comunista

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES CAPÍTULO I - Da Natureza Art. 1º. O Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno,órgão colegiado de deliberação

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 308/2013 MÂNCIO LIMA-ACRE, 15 DE MARÇO DE 2013.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 308/2013 MÂNCIO LIMA-ACRE, 15 DE MARÇO DE 2013. LEI Nº 308/2013 MÂNCIO LIMA-ACRE, 15 DE MARÇO DE 2013. ALTERA A LEI Nº 306/012 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012, QUE DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA- ACRE, E DÁ

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

DECRETO Nº 18.442, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.442, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.442, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013. Abre créditos suplementares no Executivo Municipal, no valor de R$ 4.816.221,00. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, em conformidade com o que dispõem as

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DE 2015

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DE 2015 CNPJ: 00.000.729/0001-68 LEI DE DIRETRIZES S PARA O EXERCÍCIO DE 2015 ANEXO I METAS E PRIORIDADES ESTRUTURA ORGÃO CAMARA MUNICIPAL 01 2.001 1.001 CÂMARA MUNICIPAL Atividades Administrativas e Planarias

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 222, DE 22 DE MARÇO DE 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 222, DE 22 DE MARÇO DE 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 222, DE 22 DE MARÇO DE 2010 ALTERA, COMPATIBILIZA E FAZ ADEQUAÇÃO À LEI Nº 3.385, DE 07 DE AGOSTO DE 2009 LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DE 2010 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 9 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 07/04/2014. Aos sete dias do mês de abril do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade de

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

MENSAGEM DO PREFEITO À CÂMARA MUNICIPAL NA ABERTURA DO ANO LEGISLATIVO DE 2014

MENSAGEM DO PREFEITO À CÂMARA MUNICIPAL NA ABERTURA DO ANO LEGISLATIVO DE 2014 1 ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU MENSAGEM DO PREFEITO À CÂMARA MUNICIPAL NA ABERTURA DO ANO LEGISLATIVO DE 2014 Excelentíssimo Senhor Vereador Manoel Airton Pereira, Presidente da Câmara Municipal;

Leia mais

LEI MUNICIPAL: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI MUNICIPAL: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI MUNICIPAL Nº 1.490/96 DE 05 DE FEVEREIRO DE 1996. DISPÕE SOBRE A REORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PANAMBI, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Panambi, e eu sanciono e promulgo a seguinte

Leia mais

Giovana - O senhor pode estimar um prazo para construir as casas, já que os terrenos estão previamente definidos pela prefeitura?

Giovana - O senhor pode estimar um prazo para construir as casas, já que os terrenos estão previamente definidos pela prefeitura? Confira parte da entrevista feita por jornalistas do Grupo RBS com o prefeito de Blumenau, João Paulo Kleinubing. Participaram do encontro o editor e colunista do Jornal de Santa Catarina, Fabrício Cardoso,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências.

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XI - Nº: 2.273-01/01/2005 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Lei nº 9.011 de 1º de janeiro de 2005 - Anexos LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO. Lei de Diretrizes Orçamentárias 2012 Anexo I Prioridades e Metas para 2012

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO. Lei de Diretrizes Orçamentárias 2012 Anexo I Prioridades e Metas para 2012 Lei de Diretrizes Orçamentárias 2012 Anexo I Prioridades e Metas para 2012 PODER LEGISLATIVO AÇÃO LEGISLATIVA Dar apoio administrativo e garantir a manutenção das ações, objetivando o desenvolvimento das

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO)

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO) LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO) Prefeitura Municipal de Vila Velha SEMPLA - 2014 OBJETIVOS DA AUDIÊNCIA Apresentar a proposta para a LDO 2015 destacando seus principais aspectos: Princípios e diretrizes;

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Av. Duque de Caxias, 635 Jd. Mazzei II Londrina-PR Fone: (43) 3372-4046 / Fax: (43) 3372-4547 cmdi@londrina.pr.gov.br / cmdi_londrina@yahoo.com.br 7ª CONFERÊNCIA

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI COMPLEMENTAR Nº. 049/2011 CRIA A COORDENADORIA MUNICIPAL DA CONTADORIA GERAL, INSERE O ARTIGO 164-A, ALTERA O E III, SUPRIME OS INCISOS VI, VIII, XI, XVI, XVII, XX, XXII, XXIII, XXV, XXVII DO ART.

Leia mais

Contratos de Gestão garantem melhorias para a cidade e se renovam em 2014

Contratos de Gestão garantem melhorias para a cidade e se renovam em 2014 Contratos de Gestão garantem melhorias para a cidade e se renovam em 2014 Passado o primeiro ano de execução dos Contratos de Gestão, a Prefeitura de Porto Alegre contabiliza avanços importantes com as

Leia mais

Estatística de projetos de leis protocolados, aprovados e em tramitação

Estatística de projetos de leis protocolados, aprovados e em tramitação PROPOSIÇÕES 2010 2011 Mensagens do Prefeito Municipal 084 79 Anteprojetos de Leis 056 26 Projetos de Leis (de autoria dos Senhores Vereadores) 098 70 Projetos de Leis Complementares 015 8 Projetos de Decretos

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Japeri Estado do Rio de Janeiro

Prefeitura Municipal de Japeri Estado do Rio de Janeiro 01 CÂMARA MUNICIPAL DE JAPERI 01.001 CÂMARA MUNICIPAL DE JAPERI 2.001 MANUTENÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DA CÂMARA 02 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPI 02.001 PREVIJAPERI 2.002 MANUTENÇÃO

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo.

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo. Apoio: A Constituição Federal do Brasil diz que: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 CRIA ORGÃOS E AMPLIA CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO NA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE CAMPOS NOVOS, ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO - SEPOG

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO - SEPOG 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO - SEPOG MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DA MENSAGEM À CAMARA Em 2015 2 SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO - SEPOG MANUAL

Leia mais

José Evilásio de Araújo Prefeito

José Evilásio de Araújo Prefeito LEI Nº 1.745/2012. Dispõe sobre a Revisão da Parcela Anual do Plano Plurianual para o exercício financeiro de 2013 e dá outras providências. O Prefeito do Município de Taquaritinga do Norte, Estado de

Leia mais

Páginas: OFICINAS DE ESPORTES. Oficinas de esportes consolidam a formação de atletas em Canavieiras

Páginas: OFICINAS DE ESPORTES. Oficinas de esportes consolidam a formação de atletas em Canavieiras Páginas: 10 OFICINAS DE ESPORTES Oficinas de esportes consolidam a formação de atletas em Canavieiras A Prefeitura de Canavieiras vem incentivando a prática regular de esportes, através de diversas iniciativas

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

ANEXO 05 Lei n 509 - PPA

ANEXO 05 Lei n 509 - PPA DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO Instituído pela lei municipal de n 352, de 31 de agosto de 2009. ADMINISTRAÇÃO DO EXMO. SENHOR CICERO MONTEIRO NETO ANO V N 327 - RODOLFO FERNANDE S/RN, Terça - feira, 31 de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CARAPEBUS LDO 2015 ANEXO DE METAS E PRIORIDADES METAS E PRIORIDADES 2015

MUNICÍPIO DE CARAPEBUS LDO 2015 ANEXO DE METAS E PRIORIDADES METAS E PRIORIDADES 2015 - 1350 Página 1 PROGRAMA 0000 ENCARGOS ESPECIAIS OBJETIVO DAR SUPORTE A DIVIDA CONTRATADA ORIUNDA DE PARCELAMENTOS, SUBVENÇÕES E DEMAIS OPERAÇÕES ESPECIAIS. 0010 AMORTIZAÇÃO PARCELAMENTO/ENCARGOS SOBRE

Leia mais