Direito O ABUSO DO PODER ECONÔMICO DURANTE O PERÍODO DE CAMPANHA ELEITORAL E SUA REPERCUSSÃO JURÍDICA PARA O CANDIDATO INFRATOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito O ABUSO DO PODER ECONÔMICO DURANTE O PERÍODO DE CAMPANHA ELEITORAL E SUA REPERCUSSÃO JURÍDICA PARA O CANDIDATO INFRATOR"

Transcrição

1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Direito O ABUSO DO PODER ECONÔMICO DURANTE O PERÍODO DE CAMPANHA ELEITORAL E SUA REPERCUSSÃO JURÍDICA PARA O CANDIDATO INFRATOR Autor: Anderson Zacarias Lima Orientador: Luiz Otávio de Oliveira Amaral

2 ANDERSON ZACARIAS LIMA O ABUSO DO PODER ECONÔMICO DURANTE O PERÍODO DE CAMPANHA ELEITORAL E SUA REPERCUSSÃO JURÍDICA PARA O CANDIDATO INFRATOR Monografia apresentada ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientador: Luiz Otávio de Oliveira Amaral Brasília 2009

3 RESUMO Referência: LIMA, Anderson Zacarias. O abuso do poder econômico durante o período de campanha eleitoral e sua repercussão jurídica para o candidato infrator folhas. Monografia de Direito Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, A busca desenfreada dos partidos e candidatos políticos para elegerem seus representantes nas esferas executiva e legislativa, faz com que os custos das campanhas tornem-se cada vez mais altos, atingindo quantias astronômicas se comparadas com a atual conjuntura financeira brasileira. Não raro, são praticados verdadeiros abusos do poder econômico no financiamento de tais campanhas eleitorais, seja por meio do uso indevido dos recursos públicos, oriundos dos fundos partidários, quanto pelos aportes de recursos privados, arrecadados por intermédio de doações. As interferências dessas vultosas quantias são significativas afetando diretamente o resultado dos pleitos eleitorais, haja vista que na prática quanto maior a quantidade de recursos a disposição do candidato, maiores serão as possibilidades de vitória. Ademais, quando a origem dos recursos é privada, forma-se uma intrínseca ligação entre o doador e o candidato eleito, gerando uma dívida de favores que será cobrada durante o exercício do mandato. Em face da baixa coibição do abuso do poder econômico no Brasil, necessário se faz a reformulação da legislação pertinente objetivando a preservação da soberania nacional, e garantir a prevalência do interesse público na escolha dos mandatários políticos. Palavras-chave: Abuso do poder econômico. Financiamento de campanha eleitoral.

4 RÉSUMÉ La poursuite effrénée des partis politiques et des candidats pour élire leurs représentants dans les milleux éxecutif et législatif, signifie que le coût des campagnes dévient de plus en plus élevé, atteignant des quantités astronomiques par rapport à la situation financière actuelle au Brésil. Il n'est pas rare que des véritables abus du pouvoir économique soient pratiqués dans le financement des campagnes électorales tels que le détournement de ressources publiques, provenant des fonds des partis politiques, ou encore par l'apport de contributions privées, soulevées par des dons. Les interférences de ces énormes sommes sont très importantes et affectent directement les résultats des élections. En effet, plus le candidat dispose d'une quantité de moyens élevée, plus les chances de victoire sont accrues. En outre, lorsque la source des fonds est privée, il se crée un lien très serré entre le donateur et le candidat élu, créant ainsi une dette de faveurs qui serà facturée au cours du mandat. En raison de la faible dissuasion de l'abus de puissance économique au Brésil, il est nécessaire de réviser la législation pertinente visant à préserver la souveraineté nationale et assurer la prééminence de l'intérêt public dans le choix des représentants politiques. Mots-clés : Abus de puissance économique. Financement des campagnes électorales.

5 LISTA DE ABREVIATURAS ADPF Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental AIJE Ação de Investigação Judicial Eleitoral AIME Ação de Impugnação de Mandato Eletivo Art. - Artigo CE Código Eleitoral CF/88 Constituição Federal de 1988 CPC Código de Processo Civil LC Lei Complementar LE Lei das Eleições LI Lei das Inelegibilidades LOPP Lei Orgânica dos Partidos Políticos LPP Lei dos Partidos Políticos RAIME Recurso em Ação de Impugnação de Mandato Eletivo RCED Recurso Contra Expedição de Diploma STF Supremo Tribunal Federal TRE Tribunal Regional Eleitoral TSE Tribunal Superior Eleitoral

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 7 CAPÍTULO 1 ABUSO DO PODER ECONÔMICO: NECESSIDADE DE COIBIÇÃO PARA GARANTIA DA LEGITIMIDADE E LISURA DO PROCESSO ELEITORAL ABUSO DO PODER ECONÔMICO CAPÍTULO 2 EVOLUÇÃO LEGISLATIVA DA VEDAÇÃO AO ABUSO DO PODER ECONÔMICO NAS CAMPANHAS ELEITORAIS DESDE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE CAPÍTULO 3 ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS NAS CAMPANHAS ELEITORAIS LIMITES DE GASTOS COM CAMPANHAS ELEITORAIS COMITÊS FINANCEIROS APORTES FINANCEIROS FINANCIAMENTO PÚBLICO DE CAMPANHA GASTOS ELEITORAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS CAPÍTULO 4 REPERCUSSÃO JURÍDICA DO ABUSO DO PODER ECONÔMICO PARA O CANDIDATO INFRATOR AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL AIJE Legitimidade para propor AIJE Rito processual e foro competente da AIJE Efeitos da decisão proferida na AIJE AIJE COM FUNDAMENTO NO ART. 30-a DA LEI DAS ELEIÇÕES Legitimidade para propor a AIJE fundada no art. 30-A, LE Rito processual e foro competente da AIJE fundada no art. 30-A, LE... 48

7 4.2.3 Efeitos da decisão proferida na AIJE fundada no art. 30-A, LE Proporcionalidade como requisito da AIJE fundada no art. 30-A, LE Início dos efeitos da decisão da AIJE fundada no art. 30-A, LE Principais diferenças entre AIJE com fundamento em abuso do poder econômico e AIJE com fundamento no art. 30-A, LE RECURSO CONTRA EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA RCED Competência para diplomação de candidato e processamento do RCED Legitimidade para interpor o RCED Rito processual do RCED AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO DE MANDATO ELETIVO AIME Rito processual da AIME Legitimidade e foro competente Principais diferenças entre RCED e AIME DECLARAÇÃO DE INELEGIBILIDADE EM SEDE DE RCED E AIME POTENCIALIDADE CONSTRUÇÃO JURISPRUDENCIAL Recurso Ordinário Recurso Contra Expedição de Diploma CONCLUSÃO AIJE com fundamento em abuso do poder econômico AIJE COM FUNDAMENTO NO ART. 30-A DA LEI DAS ELEIÇÕES RCED E AIME EXIGUIDADE DO PRAZO DE INELEGIBILIDADE PROPORCIONALIDADE E POTENCIALIDADE REFERÊNCIAS... 79

8 7 INTRODUÇÃO A influência do poder econômico acompanha os prélios eleitorais desde os tempos mais remotos. Mesmo que de forma insipiente, a história das eleições é marcada pela tentativa de coibir práticas abusivas que interferem na escolha dos mandatários políticos. No Brasil, a Constituição Federal de 1988 foi contundente ao estabelecer a necessidade de proteção da normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico. Pesquisar o abuso do poder econômico eleitoral implica em perscrutar todo o sistema de financiamento e aplicação de recursos nas campanhas eleitorais. Este tema é recente no Ordenamento Jurídico dos diversos países do globo. O marco inicial da legislação brasileira ocorreu com a edição da Lei de 15/07/1965, Lei Orgânica dos Partidos Políticos. Nos demais países, com exceção da Grã-Bretanha, cujas normas iniciais são datadas de 1863, a regulação do financiamento de campanha eleitoral ocorreu a partir da década de 60 do século passado, conforme informado por Schlickmann (2007, p. 13/14). Tais normas foram criadas em razão do crescente dispêndio de recurso para financiamento dos gastos com campanhas eleitorais que, a cada eleição, são dotadas de maior complexidade e abrangência. Os candidatos e partidos políticos não hesitam em envidar esforços na busca de alcançarem os cargos políticos que disputam. Atualmente, as campanhas eleitorais são marcadas pela contratação de grandes agências publicitárias, grupos musicais, grande produção gráfica, produção cinematográfica, criação slogan, jingles, pesquisas de opinião, gerando elevados custos. Em razão da importância que os cargos políticos representam para o cenário político e econômico do país, é comum as campanhas eleitorais serem marcadas pela maciça influência do poder econômico. Atualmente, grande parte do financiamento de campanhas eleitorais no Brasil é realizado com recursos privados, por meio de doações.

9 8 Os aportes privados interferem substancialmente no processo eleitoral, com as evidentes conseqüências nefastas na representatividade polícito-eleitoral, haja vista que na prática, portanto, vigora a regra de quanto maior a quantidade de recursos, maiores as possibilidades de vitória., conforme asseverou Araújo (2004, p.62 apud, 2009, p. 46), evidenciando a latente desigualdade entre os candidatos. Outro ponto negativo de tal interferência é a intrínseca ligação que se forma entre o doador e o candidato eleito, tendo-se em conta que inevitável será a dívida de favores deste para com aquele. Nesse sentido a frase famosa de Milton Friedman: Não há almoço grátis. Não obstante o rigor da legislação pertinente à arrecadação, aplicação e prestação de contas de recursos de campanha, a sociedade brasileira ainda não conseguiu conter com a eficácia que se espera a interferência do abuso do poder econômico nos certames eleitorais. O presente trabalho monográfico visa identificar os instrumentos jurídicos capazes de promover a responsabilização dos candidatos que praticarem o abuso do poder econômico durante o processo eleitoral, apontando a abrangência de seus efeitos e identificando se a sua finalidade tem sido atingida. Serão abordados os posicionamentos da doutrina eleitoral brasileira, bem como da jurisprudência contemporânea do Tribunal Superior Eleitoral, com o escopo de perfilar os principais aspectos do tema proposto. Com tais propósitos, o trabalho foi estruturado em quatro capítulos, sendo o primeiro reservado à conceituação do abuso do poder econômico face os preceitos eleitorais constitucionais. O segundo capítulo reservou-se à abordagem da evolução legislativa do abuso do poder econômico desde a CF/88 até os dias atuais, o que permitirá contextualizar seu arcabouço normativo contemporâneo. O terceiro capítulo destina-se à análise das normas concernentes à arrecadação e aplicação dos recursos financeiros de campanhas eleitorais, matéria tratada pela Lei 9.504/97,

10 Lei das Eleições, visando identificar suas possíveis falhas na tentativa de coibir o abuso do poder econômico e demais irregularidades de ordem financeira. 9 Por fim, o último capítulo dedica-se à demonstração da repercussão jurídica em razão do abuso do poder econômico promovido pelo candidato, analisando minuciosamente os instrumentos processuais cabíveis para se promover a responsabilidade dos infratores, bem como apurar se os efeitos de tais instrumentos tem garantido a coibição de práticas abusivas durante as campanhas eleitorais. Outro escopo da pesquisa consiste em apresentar proposições adequadas para melhoramento dos instrumentos processuais que visam a coibição do abuso do poder econômico partindo-se da reflexão da seguinte questão: Como impedir o abuso do poder econômico no processo eleitoral evitando-se a conspurcação da vontade política do eleitor, na perspectiva individual, e da sociedade brasileira e sua soberania nacional, garantindo-se a transparência e autenticidade dos pleitos e a equidade na disputa entre os candidatos? A pertinência do tema proposto se justifica face sua contemporaneidade e interferência direta no processo de eleição dos mandatários políticos. Numa sociedade onde os conflitos éticos são latentes, com instituições públicas fragilizadas e conflitantes entre si, se faz necessário concentrar os esforços científicos nos sentido de se propor alternativas para se atingir um processo eleitoral cada vez mais equânime e igualitário. Os empenhos para erradicação de condutas imorais e ilícitas para escolha dos representantes políticos devem ser constantes, objetivando sempre a prevalência do interesse público face o privado.

11 CAPÍTULO 1 ABUSO DO PODER ECONÔMICO: NECESSIDADE DE COIBIÇÃO PARA GARANTIA DA LEGITIMIDADE E LISURA DO PROCESSO ELEITORAL 10 A sociedade se organiza politicamente por meio do Estado (unidade formal e ideológica), e é governada por um grupo de pessoas específico, ao qual é conferido o exercício do poder institucional para gerir os órgãos responsáveis pela manutenção da soberania nacional. Este grupo seleto é escolhido pela maioria dos integrantes da sociedade por meio de instrumentos legítimos e previamente fixados. O processo de escolha dos grupos específicos, a quem serão conferidos o poder institucional, necessita de legitimidade, elemento essencial e estrutural da sociedade. Noutro ponto, obrigatória é a delimitação do poder conferido para que se possa possibilitar a devolução do poder à sociedade, realizando a rotatividade indispensável para se garantir a prevalência do regime democrático. O jurista Cavalcanti (apud SCHLICKMANN, 2007, p. 21), afirma que o regime democrático é [...] uma organização política que transfere ao povo, não somente o exercício pleno da soberania, mas também imprime certo estado de espírito à consciência coletiva. Por certo que a definição e conceituação de democracia é trabalho para cientistas políticos ou jurisconsultos de notável experiência e cabedal teórico. Portanto, trazemos a definição lincolniana apontada por Bonavides (2001, p. 267): democracia é o governo do povo, para o povo, pelo povo; governo que jamais perecerá sobre a face da Terra. A atual Constituição Federal do Brasil, logo em seu primeiro artigo, estabeleceu que a República Federativa do Brasil constitui-se em Estado Democrático de Direitos, e no parágrafo único deste mesmo artigo assegura que todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente. Os poderes de caráter político previstos na CF/88, em seus artigos 14 e 16, são, segundo o autor Ramayana (2007, p. 84), consectários lógicos e naturais do artigo 1º,

12 parágrafo único. O mesmo autor aponta vários conceitos de direitos políticos elaborados por doutrinadores diversos, dentre eles cita-se o de Antonio Carlos Mendes: 11 Os direitos políticos são situações subjetivas expressas ou implicitamente contidas em preceitos e princípios constitucionais, reconhecendo aos brasileiros o poder de participação na condução dos negócios públicos: a) votando; b) sendo votado, inclusive investindo-se em cargos públicos; c) fiscalizando os atos do Poder Público, visando ao controle da legalidade e da moralidade administrativa. Seguindo a linha democrática trazida como primado pela CF/88, o legislador constitucional preocupou-se em estabelecer os direitos políticos basilares dos cidadãos, asseverando que a soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos (CF, Art. 14, caput). Nos dizeres de Bonavides (2001, p. 228), o sufrágio é o poder que se reconhece a certo número de pessoas (o corpo de cidadãos) de participar direta ou indiretamente na soberania, isto é, na gerência da vida pública. A coletividade se manifesta para a escolha de seus representantes por meio do voto, a jurista Telles (2007, p. 21) afirma que o voto é entendido como o instrumento maior de que se utiliza a sociedade, organizada ou não, para eleger, ou seja, escolher livremente, a quem conferir o poder político de administração de seus interesses, posto que a vontade da maioria não reflete a vontade de todos os indivíduos. Portanto, em razão da grande significância do processo de escolha dos representantes políticos para a sociedade, tendo vista que os mandatários escolhidos serão responsáveis pelo exercício do poder conferido pelo povo, imperioso destacar que a legitimidade 1 e lisura 2 do pleito eleitoral devem ser preservadas para se garantir a manutenção da harmonia social. A proteção constitucional à legitimidade e lisura dos processos eleitorais é disposta principalmente nos parágrafos nono ao décimo primeiro do art. 14. Dentre outros arrimos, nesses parágrafos, o legislador dedicou-se à coibição da influência abusiva do poder econômico nos certames eleitorais. 1 Retidão com a previsão legal. 2 Conformidade com os princípios constitucionais, valores sociais, boa-fé.

13 12 O abuso do poder econômico nos pleitos eleitorais deve ser combatido para, além de preservar a legitimidade e lisura das eleições, garantir que não sejam violadas a vontade do eleitor, propiciando-se a pureza volitiva do voto, haja vista que o vício de vontade vicia o resultado, bem como a vontade coletiva da sociedade por meio da soberania nacional, para que não sejam escolhidos candidatos que tenha se valido de meios ilícitos para sua eleição. Outro motivo para a contenção do abuso econômico diz respeito à isonomia de condições que sempre deve existir entre os candidatos em todo processo eleitoral, proporcionando-se aos eleitores o acesso e conhecimento igualitário de todas as informações dos concorrentes. Em atenção ao princípio da isonomia entre os candidatos, mister se faz que as campanhas políticas sejam promovidas de forma a possibilitar aos eleitores condições de escolher os seus candidatos definindo seu voto se valendo de critérios como melhores projetos ou propostas, a qualificação e preparação do candidato para o cargo em disputa, os serviços já prestados à comunidade, a legenda e ideologia política às quais o candidato está vinculado. Havendo favorecimentos ou discriminações em razão da influência econômica no exercício das campanhas eleitorais em detrimento de determinados candidatos, a consciência popular será afetada, culminando em uma eleição cuja maioria de votos alcançada pelo candidato eleito não será dotada de autenticidade, fulminando o regime democrático. Seguindo esta linha de intelecção, o professor Ramayana (2007, p. 32) ao lecionar sobre o princípio da lisura das eleições assevera que: Toda a atuação da Justiça Eleitoral, do Ministério Público, dos partidos políticos e candidatos, inclusive do eleitor, deve pautar-se na preservação da lisura das eleições. A preservação da intangibilidade dos votos e da igualdade de todos os candidatos perante a lei eleitoral e na propaganda política eleitoral ensejam a observância ética e jurídica deste princípio básico do Direito Eleitoral. As eleições corrompidas, viciadas, fraudadas e usadas como campo fértil da proliferação de crimes e abusos do poder econômico e/ou político atingem diretamente a soberania popular. Outrossim, o autor Gomes (2008, p. 42) ao tratar acerca do princípio da legitimidade das eleições afirma: A legitimidade do exercício do poder estatal por parte de autoridades públicas decorre da escolha levada a cabo pelo povo. Em uma sociedade verdadeiramente democrática, os governados é que elegem seus governantes. Essa escolha deve ser feita em processo pautado por uma disputa limpa, isenta de vícios, corrupção ou fraude. A escolha é sempre fruto do consenso popular, que, de certa maneira,

14 13 homologa os nomes dos candidatos, consentindo que exerçam o poder políticoestatal. Destarte, toda esta estrutura normativa constitucional para coibir e punir o abuso do poder econômico nas campanhas eleitorais, seguida de leis complementares e ordinárias como se demonstrará ao longo do trabalho, configuram os pilares para resguardar a democracia brasileira de forma que as eleições não sejam viciadas, nem tão pouco se deturpe a vontade popular por meio da coerção aos eleitores, elegendo-se mandatários ilegítimos que exercerão seus mandatos com o escopo de promover exclusivamente interesses de determinados extratos da sociedade, deixando ao largo as verdadeiras aspirações populares. O professor Coêlho (2008, p. 242) ao discutir o abuso de poder nas eleições asseverou que ele corrompe o processo democrático, por um lado, e impede, dificulta e desestimula a participação de numerosos sujeitos da vida política, por outro ângulo. Acaba por contribuir, deste modo, com o enfraquecimento do exercício da cidadania plena. Deste modo, passa-se à conceituação de abuso do poder econômico, explorando suas origens históricas, possibilitando ao leitor familiarizar-se com a principal expressão objeto do presente trabalho. 1.1 ABUSO DO PODER ECONÔMICO Em relação à historicidade do abuso do poder econômico, utiliza-se como referencial teórico o brilhante trabalho desenvolvido pelo eminente Professor Walter Ramos Da Costa Porto 3, o qual sintetizou em um único dicionário as principais expressões relacionadas ao voto. 3 PORTO, Walter Costa. Dicionário do voto. Brasília: Editora Universidade de Brasília. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000.

15 14 Segundo Porto (2000, p. 18/19) o abuso do poder econômico é tão antigo quanto aos próprios escrutínios. Na civilização romana há vários registros das chamadas leges de ambitus, conhecidos como diplomas editados para proteger a lisura das eleições. Na Inglaterra, até o século XIX, era prática comum entre os candidatos comprar votos e proporcionar transporte aos eleitores para os locais de votação, além de atemorizar os eleitores contrários com grupos armados. Em Yorkshire, no ano de 1827, o autor cita que haviam burgos que só os proprietários de certas casas eram eleitores, portanto, teria mais votos aqueles que possuíssem mais casas. No Brasil, o professor Porto (2000, p. 19/23) aponta que na própria colônia havia reclamações em razão da prática de sobornos e induzimentos durante as eleições. As irregularidades e pouca punição atravessaram todo o período monárquico. Na 1ª República, o abuso do poder econômico é marcado pelo coronelismo, forma peculiar de manifestação do poder privado. Na 2ª República, PORTO citando João Cabral, um dos autores do Código Eleitoral de 1932, indica que praticamente não havia punição para as infrações eleitorais naqueles tempos, haja vista que os crimes, por vezes, eram reconhecidos pela sociedade como virtudes e habilidades políticas. A primeira tentativa de corrigir as deformações no quadro eleitoral apontada por Porto (2000, p. 18/19) é datada de 1832, na Inglaterra, seguida da Corrupt Illegal Practices Act, em 1854, pela primeira vez eram definidas as diversas formas de corrupção direta e indireta, e as despesas eleitorais dos candidatos eram examinadas. O mestre Porto (2000, p. 22/23) indica ainda que a primeira tentativa de coibir o abuso do poder econômico na legislação brasileira foi realizada pela Emenda Constitucional nº 14, de 3 de junho de 1965, seguida pela Lei 7.493/86, que regulou as eleições de 1986, culminando na promulgação da Constituição Federal de 1988, a qual será tratada no próximo capítulo. A análise do resultado da pesquisa promovida pelo professor Porto permite concluir que a pouca regulação existente acerca do abuso do poder econômico ao longo da história, confundia-se com a coibição da captação ilícita de sufrágio (art. 41-A, LE), delito para o qual atualmente se reserva um tipo específico cujas conseqüências são diferentes da condenação pelo abuso do poder econômico, conforme se demonstrará mais adiante.

16 Contemporaneamente, o abuso do poder econômico é conceituado pelos doutrinadores da seguinte forma: 15 O jurista Cândido (2008, p. 142) ao comentar a respeito da Ação de Investigação Judicial Eleitoral AIJE, assim conceitua o abuso do poder econômico: É o emprego, em todo o período das campanhas eleitorais, pelos partidos políticos, coligações ou candidatos, de recursos que, mesmo oriundos de fonte lícita, pela desproporção de seus altos valores para com os objetivos a que se destinam, venham desigualar a busca pelos votos em relação aos demais partidos políticos, coligações ou candidatos. O autor Gomes (2008, p. 156) afirma que abuso do poder econômico é espécie do gênero abuso de poder, em seguida assevera que: Por abuso de poder compreende-se a realização de ações exorbitantes da normalidade, denotando mau uso de recursos detidos ou controlados pelo beneficiário ou a ele disponibilizados, sempre com vistas a exercer influência em disputa eleitoral futura ou já em curso. Ademais, Gomes (2008, p. 245) cita que se configura o abuso do poder econômico quando houver oferta ou doação, a eleitores, de produtos ou serviços diversos, como atendimento médico, hospitalar, dentário, estético, fornecimento de remédios, próteses, gasolina, cestas básicas, roupas, calçados, materiais de construção, recursos de caixa dois, assim compreendidos aqueles ilicitamente arrecadados ou não declarados, e a realização de gastos que superem a estimativa apresentada por ocasião do registro. O jurista Garcia (2000, p. 30/31) aponta as seguintes formas mais comum de configuração do abuso do poder econômico, devidamente dotados de potencialidade: a) Utilização indevida de transportes nas eleições; b) Recebimento e utilização de doações oriundas das entidades proibidas de realizar doações; c) Realização de gastos eleitorais em montante superior ao declarado; d) Utilização de numerário e serviços do próprio candidato, sem incluí-los no montante dos gastos eleitorais. O autos Costa (2008, p. 354) traz a seguinte conceituação de abuso do poder econômico, in verbis:

17 16 Abuso do poder econômico consiste na vantagem dada a uma coletividade de eleitores, indeterminada ou determinável, beneficiando-os pessoalmente ou não, com a finalidade de obter-lhes o voto. Para que a atuação do candidato, ou alguém em seu benefício, seja considerada abusiva, necessário que haja probabilidade de influenciar no resultado do pleito, ou seja, que haja relação de causalidade entre o ato praticado e a repercussão no resultado das eleições. Desse modo, o conceito de abuso de poder, econômico ou político, é relacional: apenas há abuso juridicamente relevante se, concretamente, trouxer possibilidade de modificar o resultado da eleição. Assim, apenas no contexto do caso concreto poderá ser observada a existência de abuso relevante para incoar a sanção de inelegibilidade. Por fim, o autor Ramayana (2007, p. 331) ao tratar do abuso de poder, assim o conceituou: Abuso do poder econômico ou político é toda a conduta ativa ou omissiva que tenha potencialidade para atingir o equilíbrio entre candidatos que almejam determinado pleito eleitoral. Portanto, sob a luz das conceituações supra, entendemos que o abuso do poder econômico é toda a conduta com a finalidade de obtenção de votos e capaz de promover desigualdade entre os candidatos e influenciar o prélio eleitoral, dotada de potencialidade. Sob o prisma das conceituações ora apresentadas, adentramos ao próximo capítulo que se destinará à abordagem da evolução legislativa da coibição ao abuso do poder econômico a partir da Constituição Federal de 1988, possibilitando a compreensão atual da normatividade positivada do tema discutido.

18 17 CAPÍTULO 2 EVOLUÇÃO LEGISLATIVA DA VEDAÇÃO AO ABUSO DO PODER ECONÔMICO NAS CAMPANHAS ELEITORAIS DESDE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 A Constituição Federal de 1988, ao estipular disposições acerca dos direitos políticos, estabeleceu em seu art. 14, 9º 4, que caberia a lei complementar estabelecer normas contra a influência do poder econômico com o escopo de proteger a probidade administrativa, a moralidade para o exercício do mandato e a normalidade e legitimidade das eleições. Asseveramos, portanto, o interesse coletivo da sociedade, por meio do legislador constitucional, de resguardar todo o processo eleitoral contra a interferência do abuso do poder econômico que desnivela o pleito e interfere na escolha justa dos mandatários políticos. A Lei Complementar a que faz referência o dispositivo constitucional foi editada em 18 de maio de 1990, sob o número 64, publicada no Diário Oficial da União de 21/05/1990. Ela estabeleceu um extenso rol de casos de inelegibilidade, os prazos de cessação, a competência, o rito e o processamento para julgamento das argüições de inelegibilidade, além de outras providências. Dentre os casos de inelegibilidade elencados, instituiu-se aquele oriundo da condenação pela justiça eleitoral após constatação de abuso do poder econômico praticado por candidato durante as eleições em disputa, como conseqüência fixou-se a inelegibilidade do candidato para aquele pleito, bem como nos três anos seguintes, art. 1º, I, d, LC nº 64/ CF, Art. 14, 9º: Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. 5 LC nº 64/90, Art. 1º São inelegíveis: I - para qualquer cargo: d) os que tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral, transitada em julgado, em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem 3 (três) anos seguintes;

19 18 As leis visando regular as eleições editadas após a CF/88 até as eleições de 1992, não dispunham sobre nenhuma norma relativa à arrecadação, aplicação e prestação de contas das campanhas, fatos que podem levar ao abuso do poder econômico, são elas: eleições nos municípios criados até maio/88 Lei nº 7.710/88; eleições presidenciais de 1989 Lei nº 7.773/89; eleições municipais de 1992 Lei nº 8.214/91. A previsão legislativa do controle contábil e apuração das infrações relativas aos recursos de campanha eleitoral era reservada de forma bastante insipiente à antiga Lei Orgânica dos Partidos Políticos (LOPP), Lei nº 5.682/71. A disciplina dos gastos de campanha eleitoral e da contabilidade dos partidos políticos se confundiam, a apuração de responsabilidades era limitada aos dirigentes do partido e dos comitês financeiros responsáveis por gerir os recursos, não havia previsão clara a respeito das conseqüências e penalidades a serem fixadas aos infratores, os candidatos eram proibidos de financiar quaisquer gastos em suas campanhas. A eleição de 1994 foi um marco para a legislação nacional no que se refere ao controle da arrecadação de recursos financeiros e gastos durante as campanhas eleitorais. A sociedade brasileira, motivada pela turbulência política e numerosos indícios de irregularidades na administração de campanha eleitoral que marcaram o governo Collor, entendeu pela latente necessidade de coibir o abuso do poder econômico e dos demais ilícitos oriundos da má administração financeira das campanhas, estabelecendo formas de controle que pudessem identificar as fontes de recursos, sua administração e aplicação, e a devida prestação de contas, visando identificar irregularidades e promover a devida responsabilização dos infratores. Assim, a Lei nº 8.713/93 dedicou uma série de dispositivos para regular a arrecadação e aplicação de recursos financeiros especificamente das campanhas eleitorais, com maior abrangência e riqueza de detalhes do que a antiga LOPP. As principais inovações versaram sobre: responsabilidade direta do candidato sem excluir a do partido e comitê financeiro; fixação de datas para constituição dos comitês financeiros; faculdade do candidato para abrir conta bancária; fixação de data para recebimento de doações; possibilidade de recebimento de recursos de pessoas jurídicas abrangendo inclusive empresas privadas com finalidade de lucro; fixação de limites para doações; possibilidade de o candidato financiar sua própria campanha; estabeleceu um rol maior de instituições proibidas de financiar campanhas

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Abuso do poder econômico e financiamento das campanhas eleitorais Eneida Desireé Salgado * A preocupação do legislador com o financiamento das campanhas eleitorais revela o reconhecimento

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL Modular - Analistas TRE/TRF Disciplina: Direito Eleitoral Prof.: Thales Tácito Data: 17/10/2009 Aula n 06 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL 1) APURAÇÃO

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA Ana Luiza Backes Consultora Legislativa da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História,

Leia mais

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.250 INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Gerardo Grossi. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre a prestação

Leia mais

A Lei nº 9.504/97 e a Prestação de Contas das Campanhas Eleitorais

A Lei nº 9.504/97 e a Prestação de Contas das Campanhas Eleitorais TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL A Lei nº 9.504/97 e a Prestação de Contas das Campanhas Eleitorais > Dispositivos da Lei das Eleições > Instruções-TSE (1998 a 2006), com resoluções complementares e alteradoras

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas)

RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas) RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas) Gustavo Kanffer Departamento Jurídico CEN-PSDB RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari

Leia mais

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA APRESENTAÇÃO O financiamento das campanhas eleitorais tem sido, até hoje, matéria por poucos conhecida, restrita em grande medida aos órgãos julgadores, à classe

Leia mais

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça) Prestação de Contas Eleitoral: Legislação x Prática Contador Ruberlei Bulgarelli Julho 2012 LIMITE DE GASTOS Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Por: Carina Barbosa Gouvêa O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a repercussão geral, através do plenário virtual, do tema debatido

Leia mais

Financiamento de campanhas e prestação de contas

Financiamento de campanhas e prestação de contas Financiamento de campanhas e prestação de contas Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR

Leia mais

ELEIÇÕES LIMPAS : CONTRA O FINANCIAMENTO PRIVADO E EM DEFESA DO FINANCIAMENTO DEMOCRÁTICO DE CAMPANHA

ELEIÇÕES LIMPAS : CONTRA O FINANCIAMENTO PRIVADO E EM DEFESA DO FINANCIAMENTO DEMOCRÁTICO DE CAMPANHA ELEIÇÕES LIMPAS : CONTRA O FINANCIAMENTO PRIVADO E EM DEFESA DO FINANCIAMENTO DEMOCRÁTICO DE CAMPANHA O atual sistema político brasileiro está viciado. Abre caminho para a corrupção eleitoral e para uma

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí Prestação de Contas nº 275-29.2012.6.18.0030 Classe 25 Procedência: Agricolândia/PI (30ª Zona Eleitoral São Pedro do Piauí/PI) Protocolo: 69.643/2012 Relator: Dr. Valter Alencar Rebelo Assunto: Prestação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS ELEITORAIS? ADRIANA CUOCO PORTUGAL 1 (30/01/2012) A interferência do poder econômico nos rumos políticos de um país tem sido uma fonte de constante preocupação

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Nenhum ato legislativo contrário à Constituição pode ser válido (...). A presunção natural, à falta de norma expressa, não pode ser

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta:

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta: DECRETO-LEI Nº 9.295/46 Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guardalivros e dá outras providências. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Eleição 2012 Brasília - 2012 Partido do Movimento Democrático Brasileiro Diretório Nacional PMDB - Diretório Nacional Tesouraria Nacional do PMDB Senado Federal

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS

FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS ANA LUIZA BACKES Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais MARÇO/2014 Ana Luiza Backes 2 SUMÁRIO 1.

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES As doações poderão ser realizadas por pessoas físicas ou jurídicas em favor do candidato, comitê financeiro e/ou partido político, mediante (art.22): I cheques cruzados

Leia mais

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97)

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) REPRESENTAÇÃ ÇÃO O POR CAPTAÇÃ ÇÃO O E GASTOS ILÍCITOS DE RECURSOS (Art( Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) 1. CAIXA DOIS Recursos não contabilizados de campanha eleitoral, que não transitam em conta bancária

Leia mais

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS LUIS

Leia mais

Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas nas eleições de 2002.

Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas nas eleições de 2002. RESOLUÇÃO Nº 20.987* Instrução nº 56 - Classe 12ª Brasília - DF Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Lembre-se de que este guia foi elaborado para facilitar a sua compreensão do que é prestar contas à Justiça Eleitoral. Todas as normas, que contêm o assunto detalhadamente, estão disponíveis na página

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Quais as regras que devem ser observadas para a Prestação de Contas nas Eleições 2012? Além das normas contidas na Lei nº 9.096/1995 (a Lei dos Partidos Políticos) e na Lei nº 9.504/1997 (a Lei das Eleições),

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TSE e TREs 6º Simulado de Direito Eleitoral p/ TSE e TREs! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TSE e TREs 6º Simulado de Direito Eleitoral p/ TSE e TREs! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS NAS ELEIÇÕES DE 2008

Leia mais

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais:

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Art. 4º Toda e qualquer arrecadação de recursos para a campanha eleitoral,

Leia mais

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 171 Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES MANUAL DE ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS E DE PREST RESTAÇÃO DE CONT ONTAS ELEIÇÕES 2008 2 a EDIÇÃO Brasília 2008 Tribunal Superior Eleitoral Diretor-Geral da Secretaria Athayde Fontoura Filho Tribunal

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Inst. 74/DF 1 JUSTIÇA ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. 23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito.

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Instrução n o 22-06.2010.6.00.0000 Resolução n o 23.216 Brasília DF Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 Estabelece normas e procedimentos visando à arrecadação, recolhimento e cobrança das multas previstas no Código Eleitoral

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

ELEIÇÕES 2014 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES CONTA BANCÁRIA CNPJ PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS

ELEIÇÕES 2014 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES CONTA BANCÁRIA CNPJ PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS ELEIÇÕES 2014 ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES Arrecadar ou gastar antes de cumpridos os requisitos = Contas desaprovadas! Professora Rita Gonçalves 1 2 PROVIDÊNCIAS

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha

Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha Quando entregamos nosso dinheiro nas mãos de alguém para que cuide do nosso futuro, o que esperamos? O que acontece quando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2015

RESOLUÇÃO Nº 005/2015 RESOLUÇÃO Nº 005/2015 Regulamenta e publica Edital complementar das regras da Campanha Eleitoral para a eleição dos conselheiros tutelares de Cacique Doble. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

4 A prestação de contas e o controle exercido pela Justiça Eleitoral na movimentação financeira das campanhas eleitorais

4 A prestação de contas e o controle exercido pela Justiça Eleitoral na movimentação financeira das campanhas eleitorais 4 A prestação de contas e o controle exercido pela Justiça Eleitoral na movimentação financeira das campanhas eleitorais 4.1. Breve evolução das normas relativas à prestação de contas A efetividade do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010 INSTRUÇÃO Nº 23-88.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Dispõe sobre a arrecadação e os gastos de recursos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Tribunal Superior Eleitoral

Tribunal Superior Eleitoral ESOLUÇÃO N O 22.715/2008 INSTRUÇÃO N O 118 RESOLUÇÃO Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos por candidatos e comitês financeiros e prestação de contas nas eleições municipais de 2008. Brasília

Leia mais

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014 Financiamento de Campanhas Eleitorais Brasília - DF 09/10/2014 Democracia representativa Direito de votar e ser votado Financiamento de campanhas Financiamento de campanhas Nº Nome Partido Receitas 21

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

A responsabilidade solidária entre partidos e candidatos nas prestações de contas de eleição

A responsabilidade solidária entre partidos e candidatos nas prestações de contas de eleição 1 de 5 5/3/2012 15:29 Jus Navigandi http://jus.com.br A responsabilidade solidária entre partidos e candidatos nas prestações de contas de eleição http://jus.com.br/revista/texto/21127 Publicado em 02/2012

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

OS EFEITOS DA DECISÃO DO STF NA ADI Nº 4.560 E DA LEI Nº 13.165/15 NAS REPRESENTAÇÕES POR EXCESSO DE DOAÇÃO POR PESSOA JURÍDICA

OS EFEITOS DA DECISÃO DO STF NA ADI Nº 4.560 E DA LEI Nº 13.165/15 NAS REPRESENTAÇÕES POR EXCESSO DE DOAÇÃO POR PESSOA JURÍDICA OS EFEITOS DA DECISÃO DO STF NA ADI Nº 4.560 E DA LEI Nº 13.165/15 NAS REPRESENTAÇÕES POR EXCESSO DE DOAÇÃO POR PESSOA JURÍDICA 1. Introdução Edson de Resende Castro* Promotor de Justiça Coordenador Eleitoral

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, usando das atribuições que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

MARCOS RAMAYANA. Resumo de. Direito Eleitoral. 5 a edição, revista e atualizada

MARCOS RAMAYANA. Resumo de. Direito Eleitoral. 5 a edição, revista e atualizada MARCOS RAMAYANA Resumo de Direito Eleitoral 5 a edição, revista e atualizada Niterói, RJ 2012 CAPÍTULO 23 PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CAMPANHAS ELEITORAIS 23.1. PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CAMPANHAS ELEITORAIS.

Leia mais

Arrecadação Gastos Prestação de contas

Arrecadação Gastos Prestação de contas Arrecadação Gastos Prestação de contas Tatão Bom de Voto História ilustrativa e simplificada de como arrecadar recursos, realizar despesas e prestar contas à Justiça Eleitoral. Arrecadação Gastos Prestação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

de 2014, em todo o Brasil.

de 2014, em todo o Brasil. ELEIÇÕES GERAIS Votação acontece em 5 de outubro de 2014, em todo o Brasil. AS BASES DO DIREITO ELEITORAL Constituição da República Arts. 1º, V, 5º, 14-17, 118-121, 220 e outros; Código Eleitoral (Lei

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N 4430 Partido Humanista da Solidariedade - PHS Presidente da República e Congresso Nacional

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N 4430 Partido Humanista da Solidariedade - PHS Presidente da República e Congresso Nacional r ri.' Supremo Tribunal Federal 24/08/2010 18:37 0046598 11111111111111111111111111111111111111111111111 11111111111111 I111 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N 4430 Requerente: Requeridos: Relator:

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012, do Senador Romero Jucá, que altera a redação dos art. 8º,

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

SIMULADO VIRTUAL. Ministério Público. do Estado do Rio de Janeiro TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO. Boa prova!

SIMULADO VIRTUAL. Ministério Público. do Estado do Rio de Janeiro TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO. Boa prova! SIMULADO VIRTUAL TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO INSTRUÇÕES GERAIS Você baixou: - Um caderno de questões contendo 10 (dez) questões objetivas de múltipla escolha; - Um cartão de respostas. É responsabilidade

Leia mais