PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO INTRODUÇÃO A Programação Orientada ao Objeto deu seus primeiros passos ainda na década de 70. A sua origem vem da linguagem Simula (Simula Language) e como o nome indica linguagem para fazer simulações, desenvolvida na Noruega no início da década de 60; caracterizava-se pela similaridade com o mundo real. Após surgiu a linguagem Smalltalk que foi desenvolvida pela Xerox, e é considerada a linguagem que popularizou a aplicabilidade da Programação Orientada a Objeto. A reutilização de códigos sem dúvida nenhuma é uma das grandes vantagens da Programação Orientada a Objeto, sendo o oposto das linguagens procedurais, é uma maneira diferente de pensar englobando o objeto, que dentro a orientação a objeto nada mais é do que um bloco de dados envolto por códigos que serão usados em uma aplicação (software). Com a Programação Orientada a Objeto temos que pensar uma aplicação de maneira distinta, pois ao programar; dá-se maior ênfase a visualização dos objetos e seus relacionamentos do que a uma rotina de procedimentos e ações emprega na programação procedual. 1. PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO 1.1 Orientação a Objeto Orientação a Objeto é o nome que os pesquisadores da década de 70 usaram para batizar, essa nova forma de programar, que nada mais é do que uma maneira para desenvolver sistemas mais compreensível ao raciocino do ser humano. Na Orientação a Objeto, descrevem-se as soluções através de objetos, como no mundo real, o oposto da programação estruturada (procedual) que o faz através de comandos e procedimentos.

2 1.2 Conceitos Objeto é todo o corpo físico que pode ser apreendido pelo sentimento humano, ou seja, que pode ser compreendido pela nossa inteligência. Emprega-se o termo objeto para os corpos físicos trabalhados pelo homem, como por exemplo, aparelho telefônico, uma escultura, carro ou um software com interface gráfica para o usuário. No que diz respeito à Programação Orientada a Objeto, o objeto representa algo real ou virtual, formado por propriedades (variáveis) e procedimentos (métodos). As variáveis definem os valores que podem representar como número inteiro, número real, caractere. Enquanto métodos são rotinas que ao serem executadas alteram o conteúdo da variável do objeto. Um exemplo de objeto real e físico seria uma casa, está por sua vez possui propriedades como: número de portas e janelas, tamanho e conforto. O objeto casa também possuí procedimentos, como entrar, como arrumá-la entre outros. Outro exemplo menos real, mas não menos importante seria um software qualquer, que tem uma de suas propriedades, senha de acesso e como procedimento associado à propriedade: alterar, criar ou apagar a senha. Estes objetos têm características, que dentro da Orientação a Objeto seriam definidos como atributos, como por exemplo: cor, tamanho, modelo, interface gráfica entre outros. O conceito de ação é a operação efetuada pelo objeto. Todas as janelas, por exemplo, controlam a iluminação e temperatura ambiente, dependendo do seu design. Outro termo utilizado na Programação Orientada a Objeto é a classe, que é algo abstrato. A classe é construída pelo programador, onde ficarão os códigos do programa, e será utilizada por meio de uma da declaração de uma variável. Classe seria um molde que construído uma vez servirá para diversos objetos. A Programação Orientada a Objeto, é uma forma de programar, mais próxima da natureza do ser humano do que outros tipos de programação. Isto porque dês de os tempos primórdios, nos fazemos valer de nossa capacidade de raciocínio e abstração para resolvermos os mais variados tipos de situações que se apresentam no cotidiano. A necessidade de contar os rebanhos e a produção

3 agrícola para ter um controle melhor, fez o homem desenvolver os numerais, as primeiras máquinas de calcular surgiram da necessidade de obterem-se cálculos exatos em um curto espaço de tempo. 2. PRINCÍPIOS DA PROGRAMAÇÃ ORIENTADA A OBJETO 2.1 Abstração: Abstração é a capacidade de abstrairmos algo, sem esquecer as suas características básicas. O ser humano demonstra facilmente o uso da abstração para imaginar coisas. Tomamos por exemplo o automóvel citado nos exemplos acima; ao fecharmos os olhos e o imaginarmos, provavelmente imaginaremos o automóvel de maneira diferente uns dos outros. Colocando neste as informações que achamos necessárias para a sua função, não levando em conta se o mesmo é novo ou velho, possuí duas ou quatro portas ou se nacional ou importado; o que importa é que tenha as informações necessárias para o cumprimento de sua função. Um exemplo básico de abstração de dados é: a criação de uma tabela de produtos em um determinado banco de dados, ao abstrair um determinado produto e suas informações necessárias para sua utilização. E a linguagem de programação utilizada possibilitar referir-se a tabela como um todo, atinge-se um objetivo da abstração de dados. Pois a linguagem deve propiciar a passagem de um registro para uma função, não apenas de um campo para outro. Por conta disso se em uma tabela de banco de dados tivermos os seguintes campos: valor unitário de um produto e quantidade do produto, não tem como na tabela especificarmos o campo valor total, pois este é um campo calculado e dependerá dos dados digitados pelo usuário do sistema para realizar a operação de multiplicação. O campo valo total deverá ser adicionado por meio da linguagem de programação utilizada no desenvolvimento.

4 2.2 Encapsulamento Encapsulamento é esconder do programador as linhas de código que estão por trás de uma determinada classe de um objeto, ele poderá modificar as propriedades e métodos, mas não sabe como está implementado, ou seja o código está encapsulado. 2.3 Herança Herança é um mecanismo empregado dentro da orientação a objeto, que permite a reutilização dos códigos. Também pode ser entendido como um conjunto de códigos criados a partir de um outro conjunto de códigos com características semelhantes, e estes herdam todas as características do conjunto original. Dentro deste contexto é possível criar novas classes a partir de uma já existente, e estas classes criadas herdam características da original, podendo ter propriedades e métodos próprios, isto torna o mecanismo herança uma técnica eficaz na construção, organização e reutilização do código. Esta nova classe criada, se comportará de maneira diferente apenas naquilo que foi alterado nela, em relação à classe original ou primária. 2.4 Polimorfismo Polimorfismo significa, de várias formas, na Programação Orientada a Objeto, é definido como um código que possuí várias formas ou vários comportamentos em diferentes classes de objetos. Sem que isto interfira em seu funcionamento, o mesmo pode comportar-se de maneira diferente em classes distintas de objetos, e estes reagirem de formas diferentes. 3.0 VANTAGENS DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Com o crescimento, complexidade e demanda de novos sistemas, a Programação Orientada a Objeto se mostra apta a suprir as necessidades dos desenvolvedores. Implementando as seguintes vantagens:

5 Exatidão: Devido a pouca quantidade de código programável, reduz os problemas relacionados à mudança de rotinas durante o desenvolvimento de um projeto. Potencialidade: A forma como os programas se portam perante erros imprevistos. Extensibilidade: Um sistema desenvolvido na Linguagem Orientada a Objeto, tem a possibilidade de adequar-se de forma melhor às especificações definidas na análise do sistema, principalmente no layout de telas. Reutilização: Com a reutilização dos códigos no desenvolvimento de um sistema, otimiza a produtividade do programador. Mas depende de como o software de desenvolvimento disponibilizará a sua reutilização. 4.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o término deste trabalho sobre a Programação Orientada a Objeto, podem-se tirar as seguintes conclusões. Primeiro, a abordagem Orientada a Objeto é a maneira mais eficiente no desenvolvimento de sistemas altamente complexos. Segundo, a estreita relação com o mundo real permite-nos termos um melhor entendimento do assunto, quando o mesmo é tratado com exemplos cotidianos. 5.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RIBEIRO, José Ricardo Cosme Lerias. Curso de Delphi 7: Passo a Passo. Goiânia: Ed. Terra, Revista Espaço Acadêmico Nº. 35 Abril de 2004 Introdução a Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006). Linha de Código Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006). CriaWeb O que é Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006).

6 Revista UNICAMP Programação Orientada ao Objeto: uma abordagem didática. Disponível em: (consultado em 10 de maio de 2006). Training Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 10 de maio de 2006).

7 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO INTRODUÇÃO A Programação Orientada ao Objeto deu seus primeiros passos ainda na década de 70. A sua origem vem da linguagem Simula (Simula Language) e como o nome indica linguagem para fazer simulações, desenvolvida na Noruega no início da década de 60; caracterizava-se pela similaridade com o mundo real. Após surgiu a linguagem Smalltalk que foi desenvolvida pela Xerox, e é considerada a linguagem que popularizou a aplicabilidade da Programação Orientada a Objeto. A reutilização de códigos sem dúvida nenhuma é uma das grandes vantagens da Programação Orientada a Objeto, sendo o oposto das linguagens procedurais, é uma maneira diferente de pensar englobando o objeto, que dentro a orientação a objeto nada mais é do que um bloco de dados envolto por códigos que serão usados em uma aplicação (software). Com a Programação Orientada a Objeto temos que pensar uma aplicação de maneira distinta, pois ao programar; dá-se maior ênfase a visualização dos objetos e seus relacionamentos do que a uma rotina de procedimentos e ações emprega na programação procedual. 1. PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO 1.1 Orientação a Objeto Orientação a Objeto é o nome que os pesquisadores da década de 70 usaram para batizar, essa nova forma de programar, que nada mais é do que uma maneira para desenvolver sistemas mais compreensível ao raciocino do ser humano. Na Orientação a Objeto, descrevem-se as soluções através de objetos, como no mundo real, o oposto da programação estruturada (procedual) que o faz através de comandos e procedimentos.

8 1.2 Conceitos Objeto é todo o corpo físico que pode ser apreendido pelo sentimento humano, ou seja, que pode ser compreendido pela nossa inteligência. Emprega-se o termo objeto para os corpos físicos trabalhados pelo homem, como por exemplo, aparelho telefônico, uma escultura, carro ou um software com interface gráfica para o usuário. No que diz respeito à Programação Orientada a Objeto, o objeto representa algo real ou virtual, formado por propriedades (variáveis) e procedimentos (métodos). As variáveis definem os valores que podem representar como número inteiro, número real, caractere. Enquanto métodos são rotinas que ao serem executadas alteram o conteúdo da variável do objeto. Um exemplo de objeto real e físico seria uma casa, está por sua vez possui propriedades como: número de portas e janelas, tamanho e conforto. O objeto casa também possuí procedimentos, como entrar, como arrumá-la entre outros. Outro exemplo menos real, mas não menos importante seria um software qualquer, que tem uma de suas propriedades, senha de acesso e como procedimento associado à propriedade: alterar, criar ou apagar a senha. Estes objetos têm características, que dentro da Orientação a Objeto seriam definidos como atributos, como por exemplo: cor, tamanho, modelo, interface gráfica entre outros. O conceito de ação é a operação efetuada pelo objeto. Todas as janelas, por exemplo, controlam a iluminação e temperatura ambiente, dependendo do seu design. Outro termo utilizado na Programação Orientada a Objeto é a classe, que é algo abstrato. A classe é construída pelo programador, onde ficarão os códigos do programa, e será utilizada por meio de uma da declaração de uma variável. Classe seria um molde que construído uma vez servirá para diversos objetos. A Programação Orientada a Objeto, é uma forma de programar, mais próxima da natureza do ser humano do que outros tipos de programação. Isto porque dês de os tempos primórdios, nos fazemos valer de nossa capacidade de raciocínio e abstração para resolvermos os mais variados tipos de situações que se apresentam no cotidiano. A necessidade de contar os rebanhos e a produção

9 agrícola para ter um controle melhor, fez o homem desenvolver os numerais, as primeiras máquinas de calcular surgiram da necessidade de obterem-se cálculos exatos em um curto espaço de tempo. 2. PRINCÍPIOS DA PROGRAMAÇÃ ORIENTADA A OBJETO 2.1 Abstração: Abstração é a capacidade de abstrairmos algo, sem esquecer as suas características básicas. O ser humano demonstra facilmente o uso da abstração para imaginar coisas. Tomamos por exemplo o automóvel citado nos exemplos acima; ao fecharmos os olhos e o imaginarmos, provavelmente imaginaremos o automóvel de maneira diferente uns dos outros. Colocando neste as informações que achamos necessárias para a sua função, não levando em conta se o mesmo é novo ou velho, possuí duas ou quatro portas ou se nacional ou importado; o que importa é que tenha as informações necessárias para o cumprimento de sua função. Um exemplo básico de abstração de dados é: a criação de uma tabela de produtos em um determinado banco de dados, ao abstrair um determinado produto e suas informações necessárias para sua utilização. E a linguagem de programação utilizada possibilitar referir-se a tabela como um todo, atinge-se um objetivo da abstração de dados. Pois a linguagem deve propiciar a passagem de um registro para uma função, não apenas de um campo para outro. Por conta disso se em uma tabela de banco de dados tivermos os seguintes campos: valor unitário de um produto e quantidade do produto, não tem como na tabela especificarmos o campo valor total, pois este é um campo calculado e dependerá dos dados digitados pelo usuário do sistema para realizar a operação de multiplicação. O campo valo total deverá ser adicionado por meio da linguagem de programação utilizada no desenvolvimento.

10 2.2 Encapsulamento Encapsulamento é esconder do programador as linhas de código que estão por trás de uma determinada classe de um objeto, ele poderá modificar as propriedades e métodos, mas não sabe como está implementado, ou seja o código está encapsulado. 2.3 Herança Herança é um mecanismo empregado dentro da orientação a objeto, que permite a reutilização dos códigos. Também pode ser entendido como um conjunto de códigos criados a partir de um outro conjunto de códigos com características semelhantes, e estes herdam todas as características do conjunto original. Dentro deste contexto é possível criar novas classes a partir de uma já existente, e estas classes criadas herdam características da original, podendo ter propriedades e métodos próprios, isto torna o mecanismo herança uma técnica eficaz na construção, organização e reutilização do código. Esta nova classe criada, se comportará de maneira diferente apenas naquilo que foi alterado nela, em relação à classe original ou primária. 2.4 Polimorfismo Polimorfismo significa, de várias formas, na Programação Orientada a Objeto, é definido como um código que possuí várias formas ou vários comportamentos em diferentes classes de objetos. Sem que isto interfira em seu funcionamento, o mesmo pode comportar-se de maneira diferente em classes distintas de objetos, e estes reagirem de formas diferentes. 3.0 VANTAGENS DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Com o crescimento, complexidade e demanda de novos sistemas, a Programação Orientada a Objeto se mostra apta a suprir as necessidades dos desenvolvedores. Implementando as seguintes vantagens:

11 Exatidão: Devido a pouca quantidade de código programável, reduz os problemas relacionados à mudança de rotinas durante o desenvolvimento de um projeto. Potencialidade: A forma como os programas se portam perante erros imprevistos. Extensibilidade: Um sistema desenvolvido na Linguagem Orientada a Objeto, tem a possibilidade de adequar-se de forma melhor às especificações definidas na análise do sistema, principalmente no layout de telas. Reutilização: Com a reutilização dos códigos no desenvolvimento de um sistema, otimiza a produtividade do programador. Mas depende de como o software de desenvolvimento disponibilizará a sua reutilização. 4.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o término deste trabalho sobre a Programação Orientada a Objeto, podem-se tirar as seguintes conclusões. Primeiro, a abordagem Orientada a Objeto é a maneira mais eficiente no desenvolvimento de sistemas altamente complexos. Segundo, a estreita relação com o mundo real permite-nos termos um melhor entendimento do assunto, quando o mesmo é tratado com exemplos cotidianos. 5.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RIBEIRO, José Ricardo Cosme Lerias. Curso de Delphi 7: Passo a Passo. Goiânia: Ed. Terra, Revista Espaço Acadêmico Nº. 35 Abril de 2004 Introdução a Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006). Linha de Código Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006). CriaWeb O que é Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006).

12 Revista UNICAMP Programação Orientada ao Objeto: uma abordagem didática. Disponível em: (consultado em 10 de maio de 2006). Training Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 10 de maio de 2006).

13 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO INTRODUÇÃO A Programação Orientada ao Objeto deu seus primeiros passos ainda na década de 70. A sua origem vem da linguagem Simula (Simula Language) e como o nome indica linguagem para fazer simulações, desenvolvida na Noruega no início da década de 60; caracterizava-se pela similaridade com o mundo real. Após surgiu a linguagem Smalltalk que foi desenvolvida pela Xerox, e é considerada a linguagem que popularizou a aplicabilidade da Programação Orientada a Objeto. A reutilização de códigos sem dúvida nenhuma é uma das grandes vantagens da Programação Orientada a Objeto, sendo o oposto das linguagens procedurais, é uma maneira diferente de pensar englobando o objeto, que dentro a orientação a objeto nada mais é do que um bloco de dados envolto por códigos que serão usados em uma aplicação (software). Com a Programação Orientada a Objeto temos que pensar uma aplicação de maneira distinta, pois ao programar; dá-se maior ênfase a visualização dos objetos e seus relacionamentos do que a uma rotina de procedimentos e ações emprega na programação procedual. 1. PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO 1.1 Orientação a Objeto Orientação a Objeto é o nome que os pesquisadores da década de 70 usaram para batizar, essa nova forma de programar, que nada mais é do que uma maneira para desenvolver sistemas mais compreensível ao raciocino do ser humano. Na Orientação a Objeto, descrevem-se as soluções através de objetos, como no mundo real, o oposto da programação estruturada (procedual) que o faz através de comandos e procedimentos.

14 1.2 Conceitos Objeto é todo o corpo físico que pode ser apreendido pelo sentimento humano, ou seja, que pode ser compreendido pela nossa inteligência. Emprega-se o termo objeto para os corpos físicos trabalhados pelo homem, como por exemplo, aparelho telefônico, uma escultura, carro ou um software com interface gráfica para o usuário. No que diz respeito à Programação Orientada a Objeto, o objeto representa algo real ou virtual, formado por propriedades (variáveis) e procedimentos (métodos). As variáveis definem os valores que podem representar como número inteiro, número real, caractere. Enquanto métodos são rotinas que ao serem executadas alteram o conteúdo da variável do objeto. Um exemplo de objeto real e físico seria uma casa, está por sua vez possui propriedades como: número de portas e janelas, tamanho e conforto. O objeto casa também possuí procedimentos, como entrar, como arrumá-la entre outros. Outro exemplo menos real, mas não menos importante seria um software qualquer, que tem uma de suas propriedades, senha de acesso e como procedimento associado à propriedade: alterar, criar ou apagar a senha. Estes objetos têm características, que dentro da Orientação a Objeto seriam definidos como atributos, como por exemplo: cor, tamanho, modelo, interface gráfica entre outros. O conceito de ação é a operação efetuada pelo objeto. Todas as janelas, por exemplo, controlam a iluminação e temperatura ambiente, dependendo do seu design. Outro termo utilizado na Programação Orientada a Objeto é a classe, que é algo abstrato. A classe é construída pelo programador, onde ficarão os códigos do programa, e será utilizada por meio de uma da declaração de uma variável. Classe seria um molde que construído uma vez servirá para diversos objetos. A Programação Orientada a Objeto, é uma forma de programar, mais próxima da natureza do ser humano do que outros tipos de programação. Isto porque dês de os tempos primórdios, nos fazemos valer de nossa capacidade de raciocínio e abstração para resolvermos os mais variados tipos de situações que se apresentam no cotidiano. A necessidade de contar os rebanhos e a produção

15 agrícola para ter um controle melhor, fez o homem desenvolver os numerais, as primeiras máquinas de calcular surgiram da necessidade de obterem-se cálculos exatos em um curto espaço de tempo. 2. PRINCÍPIOS DA PROGRAMAÇÃ ORIENTADA A OBJETO 2.1 Abstração: Abstração é a capacidade de abstrairmos algo, sem esquecer as suas características básicas. O ser humano demonstra facilmente o uso da abstração para imaginar coisas. Tomamos por exemplo o automóvel citado nos exemplos acima; ao fecharmos os olhos e o imaginarmos, provavelmente imaginaremos o automóvel de maneira diferente uns dos outros. Colocando neste as informações que achamos necessárias para a sua função, não levando em conta se o mesmo é novo ou velho, possuí duas ou quatro portas ou se nacional ou importado; o que importa é que tenha as informações necessárias para o cumprimento de sua função. Um exemplo básico de abstração de dados é: a criação de uma tabela de produtos em um determinado banco de dados, ao abstrair um determinado produto e suas informações necessárias para sua utilização. E a linguagem de programação utilizada possibilitar referir-se a tabela como um todo, atinge-se um objetivo da abstração de dados. Pois a linguagem deve propiciar a passagem de um registro para uma função, não apenas de um campo para outro. Por conta disso se em uma tabela de banco de dados tivermos os seguintes campos: valor unitário de um produto e quantidade do produto, não tem como na tabela especificarmos o campo valor total, pois este é um campo calculado e dependerá dos dados digitados pelo usuário do sistema para realizar a operação de multiplicação. O campo valo total deverá ser adicionado por meio da linguagem de programação utilizada no desenvolvimento.

16 2.2 Encapsulamento Encapsulamento é esconder do programador as linhas de código que estão por trás de uma determinada classe de um objeto, ele poderá modificar as propriedades e métodos, mas não sabe como está implementado, ou seja o código está encapsulado. 2.3 Herança Herança é um mecanismo empregado dentro da orientação a objeto, que permite a reutilização dos códigos. Também pode ser entendido como um conjunto de códigos criados a partir de um outro conjunto de códigos com características semelhantes, e estes herdam todas as características do conjunto original. Dentro deste contexto é possível criar novas classes a partir de uma já existente, e estas classes criadas herdam características da original, podendo ter propriedades e métodos próprios, isto torna o mecanismo herança uma técnica eficaz na construção, organização e reutilização do código. Esta nova classe criada, se comportará de maneira diferente apenas naquilo que foi alterado nela, em relação à classe original ou primária. 2.4 Polimorfismo Polimorfismo significa, de várias formas, na Programação Orientada a Objeto, é definido como um código que possuí várias formas ou vários comportamentos em diferentes classes de objetos. Sem que isto interfira em seu funcionamento, o mesmo pode comportar-se de maneira diferente em classes distintas de objetos, e estes reagirem de formas diferentes. 3.0 VANTAGENS DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Com o crescimento, complexidade e demanda de novos sistemas, a Programação Orientada a Objeto se mostra apta a suprir as necessidades dos desenvolvedores. Implementando as seguintes vantagens:

17 Exatidão: Devido a pouca quantidade de código programável, reduz os problemas relacionados à mudança de rotinas durante o desenvolvimento de um projeto. Potencialidade: A forma como os programas se portam perante erros imprevistos. Extensibilidade: Um sistema desenvolvido na Linguagem Orientada a Objeto, tem a possibilidade de adequar-se de forma melhor às especificações definidas na análise do sistema, principalmente no layout de telas. Reutilização: Com a reutilização dos códigos no desenvolvimento de um sistema, otimiza a produtividade do programador. Mas depende de como o software de desenvolvimento disponibilizará a sua reutilização. 4.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o término deste trabalho sobre a Programação Orientada a Objeto, podem-se tirar as seguintes conclusões. Primeiro, a abordagem Orientada a Objeto é a maneira mais eficiente no desenvolvimento de sistemas altamente complexos. Segundo, a estreita relação com o mundo real permite-nos termos um melhor entendimento do assunto, quando o mesmo é tratado com exemplos cotidianos. 5.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RIBEIRO, José Ricardo Cosme Lerias. Curso de Delphi 7: Passo a Passo. Goiânia: Ed. Terra, Revista Espaço Acadêmico Nº. 35 Abril de 2004 Introdução a Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006). Linha de Código Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006). CriaWeb O que é Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 20 de abril de 2006).

18 Revista UNICAMP Programação Orientada ao Objeto: uma abordagem didática. Disponível em: (consultado em 10 de maio de 2006). Training Programação Orientada a Objeto. Disponível em: (consultado em 10 de maio de 2006).

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Programação Orientada a objetos Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do

Leia mais

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto;

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto; Módulo 7 UML Na disciplina de Estrutura de Sistemas de Informação, fizemos uma rápida passagem sobre a UML onde falamos da sua importância na modelagem dos sistemas de informação. Neste capítulo, nos aprofundaremos

Leia mais

Anterior Sumário Próximo MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS

Anterior Sumário Próximo MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS Anterior Sumário Próximo MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS Clicando em, o usuário é conduzido para uma tela onde os conteúdos estão separados por blocos, que são acessados a medida que clicamos em cada

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Professor Leonardo Cabral - Larback

Programação Orientada a Objetos. Professor Leonardo Cabral - Larback Programação Orientada a Objetos Professor Leonardo Cabral - Larback Programação Orientada a Objetos O termo Programação Orientada a Objetos (POO) foi criado por Alan Kay (http://pt.wikipedia.org/wiki/alan_kay),

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Manipulando Atributos Podemos alterar ou acessar os valores guardados nos atributos de um objeto se tivermos a referência a esse objeto. Os atributos são acessados pelo nome. No

Leia mais

Algoritmos e Programação II

Algoritmos e Programação II Algoritmos e Programação II Agenda Desenvolver Software Objetos Classes Estudo de algumas Classes da API Estudo de algumas Classes da API Pacotes Criando nossa primeira classe Desenvolver SOFTWARE GAP

Leia mais

7. Defina encapsulamento. R.: Encapsular é ocultar. Criar uma cápsula ao redor da classe, para proteger o que está dentro dela.

7. Defina encapsulamento. R.: Encapsular é ocultar. Criar uma cápsula ao redor da classe, para proteger o que está dentro dela. 1. O que são classes? Dê exemplos. R.: Classe é um tipo abstrato de dados. Encapsula estrutura e comportamento. Ou seja: uma descrição de um conjunto de objetos que compartilham a mesma estrutura, os mesmos

Leia mais

6 CONCEPÇÃO BÁSICA DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO

6 CONCEPÇÃO BÁSICA DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO 78 6 CONCEPÇÃO BÁSICA DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Neste capítulo serão apresentados: o sistema proposto, o procedimento de solução para utilização do sistema e a interface gráfica, onde é ilustrada a

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 2. Willamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com

BANCO DE DADOS I AULA 2. Willamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com BANCO DE DADOS I AULA 2 Willamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com Modelagem de Dados Modelagem de dados é o estudo das informações existentes em um contexto sob observação para a construção de um modelo

Leia mais

Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton

Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas; IFGW Instituto de Física Gleb Watagin; Relatório Final de F 809, Instrumentação para ensino: Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton André de Ávila Acquaviva,

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Processo de Desenvolvimento de Software Programação Orientada a Objetos Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Processo de Desenvolvimento de Software O desenvolvimento de software é uma

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

Linguagens e Técnicas de Programação II

Linguagens e Técnicas de Programação II Linguagens e Técnicas de Programação II Modelagem Orientada a Objetos Renato Dourado Maia Universidade Estadual de Montes Claros Sistemas de Informação Lembrando Na Unidade I Gerenciando a Complexidade,

Leia mais

LINHAS MESTRAS; FASES; DISCIPLINAS; PRINCÍPIOS E MELHORES PRÁTICAS.

LINHAS MESTRAS; FASES; DISCIPLINAS; PRINCÍPIOS E MELHORES PRÁTICAS. INTRODUÇÃO O processo de engenharia de software define quem faz o quê, quando e como para atingir um determinado objetivo. Neste trabalho, iremos dissertar sobre o Rational Unified Process, ou RUP, que

Leia mais

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO ANO: 10.º Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão Disciplina: Linguagens de Programação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/13 Módulo 1 Algoritmia 1 - Introdução à Lógica de Programação Lógica Sequência

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas OO

Análise e Projeto de Sistemas OO Análise e Projeto de Sistemas OO 25 26 27 28 29 30 31 32 35 36 34 Objetos no mundo real Podem ser definidos como objetos, entidades individuais que tenham características e comportamento; Exemplo: Automóvel

Leia mais

INTEGRAÇÃO JAVA COM ARDUINO

INTEGRAÇÃO JAVA COM ARDUINO INTEGRAÇÃO JAVA COM ARDUINO Alessandro A. M. De Oliveira 3, Alexandre O. Zamberlan 3, Reiner F Perozzo 3, Rafael O. Gomes 1 ;Sergio R. H Righi 2,PecilcesP. Feltrin 2 RESUMO A integração de Linguagem de

Leia mais

1.1. Definição do Problema

1.1. Definição do Problema 13 1 Introdução Uma das principais preocupações de área de engenharia de software diz respeito à reutilização [1]. Isso porque a reutilização no contexto de desenvolvimetno de software pode contribuir

Leia mais

SOFTWARE PARA O ENSINO DE POLINÔMIO

SOFTWARE PARA O ENSINO DE POLINÔMIO SOFTWARE PARA O ENSINO DE POLINÔMIO Fábio José da Costa Alves fjcalves@yahoo.com.br Lainy Bezerra Moraes moraeslb@hotmail.com Tássia Cristina da Silva Pinheiro tassia.pinheiro@hotmail.com Resumo: Neste

Leia mais

Plano de Ensino CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARA JOGOS

Plano de Ensino CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARA JOGOS CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARA JOGOS Matriz Curricular 2016-1 Carga Horária 80 H/A EMENTA Conceitos e evolução da tecnologia de orientação a objetos. Limitações e diferenças

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Herança Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2014. Herança em POO O conceito de herança torna mais rápido o desenvolvimento de softwares complexos Novas classes

Leia mais

Programação de Computadores I. Linguagem C Função

Programação de Computadores I. Linguagem C Função Linguagem C Função Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 07 Função 1 Conceitos As técnicas de programação dizem que, sempre que possível, evite códigos extensos, separando o mesmo em funções,

Leia mais

Programação em JAVA. Subtítulo

Programação em JAVA. Subtítulo Programação em JAVA Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software - 2ª Lista de Exercícios - Questões Discursivas Questão 1) O que você entende por processo de software e qual a sua importância para a qualidade dos produtos de software? Qual a

Leia mais

Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA

Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA Ana Rita DOMINGUES UNESP SP (anarita_smiley@hotmail.com) Jaime Edmundo Apaza

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS

PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS Nestor Nogueira de Albuquerque, MsC. Gestão e Desenvolvimento Regional V Encontro de Pós-GraduaP Graduação UNITAU 2005 Necessidade de um processo de Gestão de Projetos

Leia mais

O SOFTWARE R EM AULAS DE MATEMÁTICA

O SOFTWARE R EM AULAS DE MATEMÁTICA O SOFTWARE R EM AULAS DE MATEMÁTICA Renata Teófilo de Sousa (autora) Graduanda - Curso de Matemática UVA Arlécia Albuquerque Melo (co-autora) Graduanda - Curso de Matemática UVA Nilton José Neves Cordeiro

Leia mais

PESQUISA PRÉVIA DE PREÇOS

PESQUISA PRÉVIA DE PREÇOS INSTRUÇÃO FDE / DRA Nº 005/2011 PESQUISA PRÉVIA DE PREÇOS NOVA SISTEMÁTICA DE LANÇAMENTO NO SISTEMA GDAE Fevereiro/2011 Página 1 de 13 1 Apresentação Com o objetivo de aprimorar e tornar mais consistentes

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE MOVIMENTAÇÃO DE COLABORADORES

SISTEMA DE CONTROLE DE MOVIMENTAÇÃO DE COLABORADORES SISTEMA DE CONTROLE DE MOVIMENTAÇÃO DE COLABORADORES Anderson Cristiano Rosas Quinteiro 1, Ricardo Rall 2 1 Aluno de graduação do curso de Informática para Negócios Fatec Botucatu, acrquinteiro@gmail.com.

Leia mais

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas Hudson Victoria Diniz Relembrando... Um algoritmo é formalmente uma seqüência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar

Leia mais

No final, terá noções fundamentais do paradigma orientado a objetos.

No final, terá noções fundamentais do paradigma orientado a objetos. CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: ALGORITMOS Matriz Curricular Criação: 009_ Atualização: 05_ Carga Horária: 80 H/A EMENTA: Definição de algoritmo e programa. Ferramentas de desenvolvimento

Leia mais

Guia de desenvolvimento de um aplicativo para o sistema operacional Android

Guia de desenvolvimento de um aplicativo para o sistema operacional Android Guia de desenvolvimento de um aplicativo para o sistema operacional Android Introdução Este documento será voltado para o desenvolvimento de um aplicativo na plataforma Android (sistema operacional do

Leia mais

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/07/2010 Caderno de prova Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique se você

Leia mais

3. Numerar a coluna da direita conforme a da esquerda 1) Classe (2) :Aluno 2) Um dado objeto (3) oaluno:aluno 3) Objeto (1) Aluno

3. Numerar a coluna da direita conforme a da esquerda 1) Classe (2) :Aluno 2) Um dado objeto (3) oaluno:aluno 3) Objeto (1) Aluno INFORMAÇÕES GERAIS CURSO: ENGENHARIA DE SOFTWARE DISCIPLINA: ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PROFESSOR: OSVALDO MESQUITA ANO.SEMESTRE: 2016.1 1. O que você entende por: a) Polimorfismo. Significa aquilo

Leia mais

EMENTA. Curso de Projetos Microcontrolados utilizando Linguagem C.

EMENTA. Curso de Projetos Microcontrolados utilizando Linguagem C. EMENTA Curso de Projetos Microcontrolados utilizando Linguagem C. Descrição dos Cursos A Hit Soluções Tecnológicas vem através deste documento apresentar a proposta de dois cursos de projetos baseados

Leia mais

SICLOM Mapa Mensal. 1 Mapa Mensal. Versão: 2012. Manual de preenchimento do mapa mensal no SICLOM Gerencial

SICLOM Mapa Mensal. 1 Mapa Mensal. Versão: 2012. Manual de preenchimento do mapa mensal no SICLOM Gerencial 1 Mapa Mensal SICLOM Mapa Mensal Manual de preenchimento do mapa mensal no SICLOM Gerencial Versão: 2012 2 Mapa Mensal 3 Mapa Mensal Índice.. Introdução. 5 Como Acessar o SICLOM Gerencial. 5 Menu Geral.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB

UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB Viviani Priscila Piloni VILHEGAS 1 RESUMO: Este trabalho procura mostrar a importância da utilização de um modelo

Leia mais

CÁLCULO DO MODELO NUMÉRICO (MDT)

CÁLCULO DO MODELO NUMÉRICO (MDT) GUIA PRÁTICO DataGeosis Versão 2.3 CÁLCULO DO MODELO NUMÉRICO (MDT) Paulo Augusto Ferreira Borges Engenheiro Agrimensor Treinamento e Suporte Técnico 1. INTRODUÇÃO O DataGeosis utiliza a Modelagem Numérica

Leia mais

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com Introdução à Programação Funções e Procedimentos Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com RESUMO DA AULA SUB-ROTINAS: Procedimentos Funções Escopo de variáveis Parâmetros Prof. José Honorato

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Montadores e Compiladores

Montadores e Compiladores Montadores e Compiladores Prof. Idevar Gonçalves de Souza Júnior Conteúdo Programático Resumido Revisão da Arquitetura de Computadores Introdução a Teoria das Linguagens Compilação e Interpretação Análise

Leia mais

Herança. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Herança. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Herança Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Herança Simples; Tipos de Herança; Classe Abstrata; Conversão de Tipos entre Base e Derivada; Níveis de Herança; Herança Múltipla; Bibliografia;

Leia mais

Cadastro de Usuários Manual de Usuário 09/05/2011 FAPESP

Cadastro de Usuários Manual de Usuário 09/05/2011 FAPESP Cadastro de Usuários Manual de Usuário 09/05/2011 FAPESP Conteúdo Introdução... 3 Procedimento para cadastro... 3 Cadastro de Usuário Pesquisador... 4 Cadastro de Usuário Comum... 10 Ativação de Conta...

Leia mais

Metodologias de Programação

Metodologias de Programação Metodologias de Programação Bloco 1 José Paulo 1 Formador José António Paulo E-mail: questoes@netcabo.pt Telemóvel: 96 347 80 25 Objectivos Iniciar o desenvolvimento de raciocínios algorítmicos Linguagem

Leia mais

O que é Microsoft Excel? Microsoft Excel. Inicialização do Excel. Ambiente de trabalho

O que é Microsoft Excel? Microsoft Excel. Inicialização do Excel. Ambiente de trabalho O que é Microsoft Excel? Microsoft Excel O Microsoft Excel é um programa para manipulação de planilhas eletrônicas. Oito em cada dez pessoas utilizam o Microsoft Excel pra trabalhar com cálculos e sistemas

Leia mais

O SOFTWARE LIVRE COMO FERRAMENTA DE ENSINO

O SOFTWARE LIVRE COMO FERRAMENTA DE ENSINO 1 O SOFTWARE LIVRE COMO FERRAMENTA DE ENSINO Denise Ester Fonseca de Brito Jefferson Willian Gouveia Monteiro Mariana Vieira Siqueira de Arantes Mateus Palhares Cordeiro Paulo Alfredo Frota Rezeck Thiago

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AUTO ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO DO BANCO DO BRASIL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AUTO ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO DO BANCO DO BRASIL PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DA FAZENDA SUBSECRETARIA DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DEPARTAMENTO DE NORMAS TÉCNICAS MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AUTO ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO DO BANCO DO BRASIL DATA:

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

GUIA SISTEC ÓRGÃO VALIDADOR

GUIA SISTEC ÓRGÃO VALIDADOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC ÓRGÃO VALIDADOR http://portal.mec.gov.br/sistec sistec@mec.gov.br

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados. Conceitos Básicos. Banco de Dados SGBD SGBD. Fundamentos. Fernando Fonseca Ana Carolina.

Banco de Dados. Banco de Dados. Conceitos Básicos. Banco de Dados SGBD SGBD. Fundamentos. Fernando Fonseca Ana Carolina. Banco de Dados Banco de Dados Fundamentos Fernando Fonseca Ana Carolina Ana Carolina Salgado acs@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~acs Fernando Fonseca fdfd@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~fdfd Banco de Dados

Leia mais

Modelando sistemas em UML - Casos de uso.

Modelando sistemas em UML - Casos de uso. Modelando sistemas em UML - Casos de uso. Neste artigo vou falar um pouco sobre modelagem de sistemas usando UML focando exclusivamente os diagramas de casos de uso. A primeira coisa que devemos ter em

Leia mais

País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Progress/Oracle

País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Progress/Oracle Release Incremental - Boletos Produto : TOTVS11 - Faturamento de Planos TOTVS 12.1.3 Chamado : D_GPS_A11 / PCREQ-2076 Data da publicação : 09/12/2014 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Progress/Oracle

Leia mais

EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE

EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE José Domingos Albuquerque Aguiar UFRPE domingos.aguiar@ig.com.br Polyana de Cássia Cavalcanti dos Santos UFRPE - poly.cavalcanti@ig.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA. # Manual Operacional # Matriz de Ações 2013

PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA. # Manual Operacional # Matriz de Ações 2013 PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA # Manual Operacional # Matriz de Ações 2013 Para informar os dados de programação da(s) sua(s) ação(ões) para o ano de 2013, você deve seguir os seguintes passos: 1. Acesse

Leia mais

1. Importações Cordilheira

1. Importações Cordilheira 1. Importações Cordilheira 1.1. Nf-e (Entrada) Esta rotina tem como objetivo importar as Notas Fiscais de Entrada correspondentes ao Estabelecimento, a partir de uma nota de saída de seu fornecedor. Selecione

Leia mais

1 Natuur Online Cadastre-se Cadastre-se Tipo de Usuário Consultor

1 Natuur Online Cadastre-se Cadastre-se Tipo de Usuário Consultor 1 Essa é a tela de acesso do Natuur Online, clique aqui para acessar o site e siga o passo-apasso abaixo. Se esse é o seu primeiro acesso, clique em Cadastre-se. 2 Caso ainda não possua nenhum tipo de

Leia mais

Linguagens de Programação:

Linguagens de Programação: Capítulo I : Noções Gerais 11 Linguagens de Programação: Como comunicar com o computador? Linguagem Máquina: Conjunto básico de instruções, em código binário, características de cada computador, correspondentes

Leia mais

LÓGICA E ROBÓTICA PRIMEIRAS IMPRESSÕES

LÓGICA E ROBÓTICA PRIMEIRAS IMPRESSÕES LÓGICA E ROBÓTICA PRIMEIRAS IMPRESSÕES LUCENA, José Henrique Blenke de Almeida¹; Frozza, Angelo Augusto 2 Instituto Federal Catarinense - IFC, Camboriú/SC INTRODUÇÃO O ensino de Algoritmos, ou Lógica de

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Engenharia de Software Análise Estruturada Sergio Petersen 22/4/2012 Sumário 1. Técnicas de Análise 3 2. Principais Autores 3 3. Análise

Leia mais

Documento de Requisitos do Sistema SISFOTO Sistema de gerenciamento de eventos fotográficos Versão 1.0

Documento de Requisitos do Sistema SISFOTO Sistema de gerenciamento de eventos fotográficos Versão 1.0 SISFOTO Sistema de Gerenciamento de Eventos Fotográficos do Sistema SISFOTO Sistema de gerenciamento de eventos fotográficos Versão 1.0 Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor 17/10/2014 1.0

Leia mais

Backup. O que é um backup?

Backup. O que é um backup? Backup O que é um backup? No capítulo sobre software conhecemos o conceito de dados, agora chegou o momento de observarmos um procedimento para preservarmos nossos dados. A este procedimento damos o nome

Leia mais

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.) I. INTRODUÇÃO Quando se faz um experimento, deseja-se comparar o resultado obtido

Leia mais

Aula Extra. Depurador Code::Blocks. Monitoria de Introdução à Programação

Aula Extra. Depurador Code::Blocks. Monitoria de Introdução à Programação Aula Extra Depurador Code::Blocks Monitoria de Introdução à Programação Depurador - Definição Um depurador (em inglês: debugger) é um programa de computador usado para testar outros programas e fazer sua

Leia mais

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas Qualidade de Produto Maria Cláudia F.P. Emer Introdução z Qualidade diretamente ligada ao produto final z Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção z Software

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira Manual do sistema SMARam Módulo Reavaliação Financeira LISTA DE FIGURAS Figura 1. Acesso à Reavaliação Financeira... 6 Figura 2. Tela Inicial da Reavaliação Financeira... 7 Figura 3. Tipo de Patrimônio...

Leia mais

ORIENTAÇÕES TRABALHO EM EQUIPE. Trabalho em Equipe. Negociação

ORIENTAÇÕES TRABALHO EM EQUIPE. Trabalho em Equipe. Negociação 2015 Trabalho em Equipe Negociação Caros alunos, A seguir colocamos as orientações para a realização do trabalho em equipe. Trabalho em Equipe O trabalho em equipe é uma atividade que deverá ser desenvolvida

Leia mais

Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Introdução... 2

Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Introdução... 2 Área Fiscal Autor Prosoft Tecnologia Ltda Criação 28/02/2012 Publicação Distribuição Prosoft Tecnologia Ltda Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Conteúdo: Introdução... 2 Mensagem por Bloco/Registro...

Leia mais

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas Organograma - Gráfico da estrutura hierárquica de uma organização social complexa, que representa simultaneamente os diferentes elementos do grupo e

Leia mais

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Título PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Código da disciplina SIA CCE0292 16 Número de semanas de aula 4 Número

Leia mais

Tutorial de utilização do Sistema E-CONTROLE. Maio 2013

Tutorial de utilização do Sistema E-CONTROLE. Maio 2013 Tutorial de utilização do Sistema E-CONTROLE Maio 2013 Tutorial de utilização do Sistema E-Controle Índice 1) Associar usuário externo à Unidade Jurisdicionada (UJ) 2) Relatórios de usuário por Unidade

Leia mais

TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA. Palavras-chave: Teorema de Pitágoras; Matemática; Geogebra.

TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA. Palavras-chave: Teorema de Pitágoras; Matemática; Geogebra. TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA Josislei de Passos Vieira josisleipassos@gmail.com Liliane Martinez Antonow Liliane.martinez@ifsudestemg.edu.br Instituto Federal de

Leia mais

RioCard Saúde Presente

RioCard Saúde Presente Sumário 1) Acesso ao Sistema... 2 1.1) Esqueci minha senha... 2 1.2) Alteração de Senha... 3 1.3) Seleção de Perfil de Acesso e Local de Atendimento... 3 2) Home... 5 3) Menu Cadastro... 5 3.1) Cadastrar

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

4 Um processo para a elaboração de perguntas de questionários para a elicitação de requisitos de software

4 Um processo para a elaboração de perguntas de questionários para a elicitação de requisitos de software 4 Um processo para a elaboração de perguntas de questionários para a elicitação de requisitos de software Esse capítulo tem por objetivo apresentar um método que foi criado com objetivo de prover ao Engenheiro

Leia mais

Cursos Educar [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa

Cursos Educar [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa Cursos Educar Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] O curso tem o objetivo de ensinar aos alunos de graduação e de pós-graduação, as técnicas de produção de artigos científicos, nas

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

ANÁLISE DO LAYOUT DE UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA Luiz Augusto Perret*, Giordano Marques Corradi, Eduardo da Silva Lopes, Éverton Hillig

ANÁLISE DO LAYOUT DE UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA Luiz Augusto Perret*, Giordano Marques Corradi, Eduardo da Silva Lopes, Éverton Hillig ANÁLISE DO LAYOUT DE UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA Luiz Augusto Perret*, Giordano Marques Corradi, Eduardo da Silva Lopes, Éverton Hillig Departamento de Engenharia Florestal Universidade Estadual do Centro-Oeste,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO ACADÊMICO SIAWEB 1.0 PROJETO FÍSICO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO ACADÊMICO SIAWEB 1.0 PROJETO FÍSICO UNIVERSIDADE XXXXX PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AGRARIAS E DAS ENGENHARIAS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO ACADÊMICO SIAWEB 1.0 PROJETO FÍSICO TUBARÃO, JUNHO

Leia mais

Motivação Este trabalho apresenta o desenvolvimento do controle da interatividade num sistema para a área de computação gráfica, mais especificamente

Motivação Este trabalho apresenta o desenvolvimento do controle da interatividade num sistema para a área de computação gráfica, mais especificamente Viabilização da Análise de Interação em um Software Colaborativo para Modelagem de Objetos 3D Eduardo Barrére, Ana Luiza Dias e Claudio Esperança Motivação Este trabalho apresenta o desenvolvimento do

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3.

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1 Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. 1 Parte integrante do Projeto de pesquisa Análise, Modelagem e Desenvolvimento

Leia mais

Algoritmo e Pseudo-código

Algoritmo e Pseudo-código Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Algoritmo e Pseudo-código Responsável Prof. Seiji Isotani (sisotani@icmc.usp.br) Objetivos do Curso Desenvolver o Pensamento Computacional

Leia mais

CAPÍTULO 4. 4 - O Método Simplex Pesquisa Operacional

CAPÍTULO 4. 4 - O Método Simplex Pesquisa Operacional CAPÍTULO 4 O MÉTODO SIMPLEX 4 O Método Simplex caminha pelos vértices da região viável até encontrar uma solução que não possua soluções vizinhas melhores que ela. Esta é a solução ótima. A solução ótima

Leia mais

Linguagens e códigos digitais

Linguagens e códigos digitais 2 Linguagens e códigos digitais SUMÁRIO DO VOLUME LINGUAGENS E CÓDIGOS DIGITAIS 1. Operações com números naturais 5 2. Números positivos e negativos 10 3. Média aritmética simples e ponderada 12 4. Plano

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5

Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5 Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5 Aula Passada Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Aula de hoje Chamada de Procedimento Remoto - RPC Fundamentos 1 Chamada de Procedimento

Leia mais

Manual Escrituração Fiscal Digital

Manual Escrituração Fiscal Digital Manual Escrituração Fiscal Digital 29/11/2013 Sumário 1 Introdução... 3 2 Funcionalidade... 3 3 Navegação no Sistema... 3 3.1 Inicialização... 3 4 Configurações Gerais... 6 4.1 Domínios... 6 4.2 Configuração

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DO PLANO DE TRABALHO PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 2005

ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DO PLANO DE TRABALHO PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 2005 ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DO PLANO DE TRABALHO PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 2005 ANEXO 1 - DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DOS CONDICIONANTES LEGAIS Campo 1 - CNPJ com o número que consta no Cadastro

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA) DA COOEPE Perfil de Aluno

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA) DA COOEPE Perfil de Aluno COOEPE COOPERATIVA DE EDUCAÇÃO DE PROFESSORES E ESPECIALISTAS MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA) DA COOEPE Perfil de Aluno 1 SUMÁRIO 1 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM DA COOEPE...

Leia mais

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Erros de Medição. Cedtec 2007/2. Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Erros de Medição. Cedtec 2007/2. Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Erros de Medição Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível DEFINIÇÕES Valor Real (Vr) O valor real de uma grandeza física é aquele aceito por todo mundo como sendo

Leia mais

Introdução a Funções

Introdução a Funções Introdução a Funções Funções Matemáticas função é uma relação de um ou vários valores de argumentos de entrada em um ÚNICO resultado de saída. y z Fig I f(x) = x 2 x = 2 f(x) = 4 x z = f(x,y) = x 2 +y

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL Engenharia Econômica Aula I Professora Jocilene Otilia da Costa, Dra Conteúdo Juros Simples Juros

Leia mais

Programa Competências Transversais

Programa Competências Transversais Programa Competências Transversais o Consumo Consciente de Energia o Desenho Arquitetônico o Educação Ambiental o Empreendedorismo o Fundamentos de Logística o Finanças Pessoais o Legislação Trabalhista

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 11º ANO Ano Letivo 2014 / 2015 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Plug-in Webclass Objetivo: Aprender a utilizar a ferramenta webclass. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início A ferramenta webclass visa facilitar os processos da educação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPTO. DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS 1 REDES PERT-CPM

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPTO. DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS 1 REDES PERT-CPM 1 REDES PERT-CPM UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPTO. DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS Durante a Revolução Industrial do século passado, um considerável aumento

Leia mais

DEVF IT Solutions. Gerenciador de Log. Documento Visão. Versão 2.0. Projeto Integrador 2015/2 Engenharia de Software

DEVF IT Solutions. Gerenciador de Log. Documento Visão. Versão 2.0. Projeto Integrador 2015/2 Engenharia de Software 1 Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 2 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1. Descrição Geral sobre o produto...4

Leia mais

Exemplo, ao invés de você ter centenas de funções no mesmo contexto para atividades diferentes, você agrupa em objetos com comportamentos semelhantes

Exemplo, ao invés de você ter centenas de funções no mesmo contexto para atividades diferentes, você agrupa em objetos com comportamentos semelhantes Programação Orientada a Objetos O termo Programação Orientada a Objetos foi criado por Alan Kay, autor da linguagem de programação Smalltalk. Mas mesmo antes da criação do Smalltalk, algumas das idéias

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações Critério de Avaliação, Dinâmica e Roteiro para Elaboração de Preparatórios e

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS)

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) O QUE É ESTATÍSTICA Estatística é a ciência de obter conclusões a partir de dados. Envolve métodos para

Leia mais