XII Encuentro Latinoamericano de Facultades de Comunicación Social FELAFACS Pontificia Universidad Javeriana Bogotá, septiembre de 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII Encuentro Latinoamericano de Facultades de Comunicación Social FELAFACS Pontificia Universidad Javeriana Bogotá, septiembre de 2006"

Transcrição

1 XII Encuentro Latinoamericano de Facultades de Comunicación Social FELAFACS Pontificia Universidad Javeriana Bogotá, septiembre de 2006 Mesa # 6: La producción mediática y periodística del miedo, la inseguridad, el caos, la violencia MODERADOR: William Sánchez Sustentabilidade e Corpo: a biodiversidade no discurso publicitário 1 Luciane Lucas 2 e Tânia Hoff 3 RESUMO: 1 Trabalho apresentado para o XII Encuentro LatinoAmericano de Facultades de Comunicación Social Felafacs 2006, eixo temático El yo: identidades y subjetividades, grupo: Comunicación Política: cuerpos, relatos, estéticas y políticas de la sensibilidad y la subjetividad. 2 Doutora em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ e professora do Programa de Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM, cidade de São Paulo, Brasil. É também professora adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCS/UERJ). E mail: 3 Doutora em Letras pela FFLCH USP e professora do Programa de Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM, na cidade de São Paulo, Brasil. É co autora dos livros Erotismo e Mídia, pela editora Expressão e Arte em 2002, e Redação Publicitária, pela editora Campus em E mail:

2 Neste trabalho, pretendemos analisar, a partir da ecopropaganda, em que medida o discurso da biodiversidade transita do corpo das organizações para o corpo do indivíduo, influenciando não só a produção simbólica que se estabelece neste corpo que consome, como também os parâmetros sociais que marcam o corpo como categoria de consumo. Na contramão dos fundamentos do sistema capitalista, que em geral ignora os impactos sócio ambientais de sua produção e da cultura de desperdício que alavanca, presenciamos, hoje, a sustentabilidade como um critério de mercado. O conceito de desenvolvimento sustentável perpassa as discussões sobre crescimento econômico e se opõe ao modelo de esgotamento dos recursos naturais e de exclusão social. Como o corpo e o consumo são representados na ecopropaganda brasileira? Buscando caracterizar o discurso da biodiversidade na mídia, analisamos como o conceito de desenvolvimento sustentável contamina as concepções de corpo e de consumo. Biodiversidade: o corpo como metáfora Meio ambiente, consumo sustentável, e biodiversidade consistem grandes temas da mídia atual. A ecopropaganda 4 encontra terreno nesse cenário de 4 Entenda se ecopropaganda conforme Giacomini (2004): toda manifestação relacionada com a sustentabilidade ambiental (p.28).

3 preocupação ambiental e se configura, embora ainda timidamente, como tendência. Desde meados dos anos 1990 até o presente momento, observa se nos mais diversos veículos de comunicação, menção a produtos elaborados com matéria prima brasileira ou que tragam como a brasilidade recurso persuasivo. Evidencia se, tanto pelo desenvolvimento de produtos quanto pela linha criativa adotada nas campanhas, uma preocupação com aspectos ambientais, em especial com a biodiversidade, ou seja, a diversidade de elementos que a integram. Exemplifica essa preocupação a campanha da linha Ekos da Natura, que divulga a matéria prima dos produtos, plantas nativas do Brasil. No anúncio é tempo de andiroba há imagens da folha e da semente da referida planta e o texto reforça o apelo ao sentimento de brasilidade:... estimular os sentidos e renovar as energias com esse que é considerado um santo remédio pelos povos da floresta. A Natura lançou também perfumes produzidos a partir de frutas exóticas ampliando e diversificando os olhares acerca da matéria prima num mercado globalizado que tende à uniformização. O posicionamento de mercado da marca Natura fundamenta se na preocupação com o bem estar das pessoas e do meio ambiente: daí porque a valorização do Brasil e da cultura brasileira. Em outra peça publicitária da mesma linha de produtos lê se: O Brasil nunca sai de moda e a Natura está sempre com o Brasil. Outro exemplo é a coleção Bronze Brasil coleção primavera verão 2004/2005, da Boticário, que recorre a imagens de corpo para representar a miscigenação de raças: as peças de mídia impressa apresentam rostos que trazem à luz a diversidade étnica de nossa cultura. Daí a presença, por exemplo, de modelos que representam o índio, o negro, o imigrante europeu, etc. Seguindo a tendência, a ecopropaganda apresenta imagens diversificadas de corpos, que não se restringem à questão étnica negros ou morenos; o indígena e o oriental, dentre outros, e também abarcam o corpo envelhecido e outros corpos fora do padrão estético divulgado recorrentemente pela mídia. Há, de fato, uma variedade de estéticas corporais que trazem à luz segmentos de mercado identificados como minorias pelas ciências sociais. Ao lado dos corpos modelo de

4 beleza, que têm seu lugar assegurado na mídia e na publicidade, encontram se os corpos diferentes. A diversidade de representações de corpos na publicidade brasileira sugere um questionamento: a produção publicitária enaltece o Brasil e a diversidade de sua cultura como responsabilidade social? Como entender as imagens de corpos na publicidade atual? O que a diversidade na imagem de corpo pode comunicar a respeito da cultura brasileira? Considerando ser possível transpor a idéia de biodiversidade ambiental para a cultural, entendemos que a diversidade de corpos presentes na publicidade de temática ambiental são metáforas da diversidade cultural. As diversas etnias representadas na campanha do Boticário aludem a uma multilicidade de corpos, todos distintos entre si e todos incluídos pelo mercado e pela sociedade como um todo. Da mesma forma, a variedade de plantas da Amazônia que pode ser utilizada para a produção de cosmético denuncia um procedimento de inclusão para o que encontra se excluído. A Natura lançou também perfumes produzidos a partir de frutas exóticas ampliando e diversificando os olhares acerca da matéria prima num mercado globalizado que tende à uniformização. O posicionamento de mercado da marca Natura fundamenta se na preocupação com o bem estar das pessoas e do meio ambiente: daí porque a valorização do Brasil e da cultura brasileira. Em uma peça publicitária da mesma linha de produtos lê se: O Brasil nunca sai de moda e a Natura está sempre com o Brasil. Seguindo a tendência multicultural, a publicidade brasileira apresenta imagens diversificadas de corpos, que não se restringem à questão étnica negros ou morenos; o indígena e o oriental, dentre outros, e também abarcam o corpo envelhecido e outros corpos fora do padrão estético divulgado recorrentemente pela mídia. Há, de fato, uma variedade de estéticas corporais que trazem à luz segmentos de mercado identificados como minorias pelas ciências sociais. Ao lado dos corpos modelo de beleza, que têm seu lugar assegurado na mídia e na publicidade, encontram se os corpos diferentes.

5 A diversidade de representações de corpos na publicidade brasileira sugere um questionamento: a produção publicitária enaltece o Brasil e o sincretismo de sua cultura como responsabilidade social, contribuição das produções midiáticas para divulgação de aspectos da cultura local? Como entender as imagens de corpos na publicidade atual? O que a diversidade na imagem de corpo pode comunicar a respeito da cultura brasileira? O corpo do índio, do negro e de outras etnias é metáfora da inclusão: o corpo ignorado e silenciado pelos discursos hegemônicos reaparece livre e capaz de comunicar as muitas possibilidades de corpos brasileiros. Certamente a ecopropaganda traz consigo limitações porque pode desviar a atenção do que efetivamente há no sistema de produção; entretanto também tem o mérito de trazer para o mercado, em iguais condições, o que é diferente. Quando a ecopropaganda chama a atenção do consumidor para os problemas ambientais e sugere que ele modifique suas práticas de consumo, presenciamos uma responsabilização do indivíduo em detrimento da organização: pode se dizer que a responsabilidade social de agir em relação às questões ambientais deslocase do corpo das organizações para o corpo do indivíduo. Observa se uma humanização da organização, que se preocupa com questões de sustentabilidade, e, em contrapartida, uma desumanização do consumidor que não tem alternativa a não ser partilhar as causas conforme apresentadas. O que era crítica aos problemas sociais, com a ecopropaganda tende a ser conformidade: o teor crítico foi arrefecido por conta da humanização da organização pela via do social. O indivíduo responsabilizado deve atuar no sentido de corresponder às solicitações que se lhe são feitas a partir da propaganda. E novo deslocamento se apresenta: o corpo que consome passa agora a ser consumido. Ou seja, o indivíduo torna se alvo da ecopropaganda e, ao aderir à causa ali apresentada e às ações ali sugeridas, torna se objeto de consumo e exemplo a ser seguido. Em outros termos, perde o lugar de agente para ocupar o de paciente. Pode o indivíduo resistir e construir seu próprio percurso quando diante do mercado?

6 Consumo sustentável: novo paradigma para o mercado O consumo dos recursos naturais empregados na produção e no consumo das empresas recursos que, cabe lembrar, estão por trás de cada um dos produtos que a moda lança para logo depois descartar é menos glamouroso do que aquele dos produtos destinados ao público final e, por isso mesmo, raramente tem lugar nas mensagens publicitárias. Trata se do consumo de resíduos, de água, de combustíveis fósseis (petróleo e derivados), de novas substâncias criadas pelo homem (cujo tempo de decomposição não acompanha a velocidade de sua produção), de terra para produzir o que cada um consome. É o consumo que não se vê 5 e que não é divulgado em campanhas publicitárias. De um modo geral, o consumidor desconhece as implicações da ciranda de consumo em que se encontra onde produtos são ofertados em feixes de objetos, menos para atender demandas do que para conjurar o real nos signos do real (Baudrillard, 1995:23). No caso específico do consumidor brasileiro, estudos mostram que ele possui uma visão pragmática acerca das questões ambientais: responde de forma ambígua, sendo mais ativo quando as questões ecológicas se apresentam mais próximas de seu dia a dia e repercutem na sua renda (Giacomini Filho, 2004:16). A pesquisa O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável, realizada em 2001, pelo Ministério do Meio Ambiente e pelo ISER, mostra que há elementos estruturais que dificultam o entendimento sistêmico das questões ambientais. Embora a pesquisa evidencie a consciência de que mudanças são necessárias nos hábitos de produção e consumo, mais de 50% da população não foi capaz de identificar nenhum problema ambiental no seu bairro, revelando 5 Ao falar do consumo que não se vê, podemos nos referir tanto ao consumo individual quanto ao das organizações. Quando o indivíduo tem conhecimento de sua pegada ecológica (ou seja, do impacto que seu estilo de vida causa) e busca modificar parâmetros de consumo, dizemos que ele pratica o consumo consciente. Para efeito deste estudo, quando nos referimos ao consumo sustentável, estamos falando do consumo individual como ato político, mas, sobretudo, do consumo nas empresas, referindo nos ao modo como utilizam recursos naturais renováveis e não renováveis e como inserem parâmetros de justiça social na produção ( não ao consumo de mão de obra escrava e infantil, fortalecimento de economias locais etc).

7 uma visão genérica, nem sempre aplicada à própria realidade. Em contrapartida, a pesquisa aponta mudanças qualitativas na direção de um consumo consciente e de uma predisposição à assimilação de conceitos de sustentabilidade. Contestando a impressão equivocada de que o consumo de produtos ambientalmente corretos é prerrogativa de uma elite urbana, a pesquisa ISER/MMA demonstra que 81% da população declararam que se sentem mais motivados quando (...) encontram (...) um rótulo que informa que o produto foi fabricado de maneira ambientalmente correta. Sem perder de vista a possibilidade de articulação do poder de compra como elemento de ruptura, acreditamos que o indivíduo pode transformar suas escolhas em ato político, acionando barreiras de efeito dominó ao desempenho mercadológico e financeiro de produtos e serviços com impacto evidente. Assim, o consumidor pode verter este modo de expressão sócio cultural numa postura política, modificando, de dentro da lógica do capital, a sua ordem de impacto. Há muitas formas de se fazer isto e a pesquisa ISER/MMA demonstra que o consumidor, mesmo sem noções muito claras da relação ambiente sociedade, reduz impactos nos parâmetros de produção (as embalagens recicláveis e os rótulos informando ausência de transgênicos são um exemplo). De certo modo, o consumidor contribui para a reformulação dos parâmetros da sociedade de consumo sempre que exige novos critérios de produção e consumo por parte das organizações e de seus fornecedores. Cadeias mais sustentáveis e justas tornamse uma realidade à medida que tais consumidores demandam garantias sobre a origem dos produtos que compram (inexistência de trabalho escravo e infantil), bem como incentivam, com a preferência, aquelas iniciativas que investem no fortalecimento da economia local. Como se vê, fazer frente a esta construção simbólica requer um outro modo de interação que já não é o da luta por oposição trata se, antes, de uma aposta nas operações microbianas de consumidores e agentes coletivos que vão alterando, aos poucos, a produção de sentido. É o que acontece, por exemplo, quando se re criam formas de impacto da globalização, aproveitando a existência de imensas cadeias de negócio para capilarizar valores e fazê los reverberar como parâmetro de funcionamento no mercado. Um exemplo que ilustra esta re significação simbólica é

8 o fato de vermos, hoje, organizações transnacionais exigindo que seus fornecedores, em outras partes do mundo, tenham os meus critérios e desdobrem tais valores por toda uma cadeia. Ou, ainda, quando novas demandas, usualmente ignoradas pela lógica capitalista, são assimiladas como parâmetros que, uma vez esquecidos, podem asfixiar a performance. Não se trata, aqui, de sugerir, apocalipticamente, um engessamento da sociedade de consumo. Até porque, sendo produção simbólica, o consumo se desenha como modo de expressão social. Trata se, antes, de suscitar operações microbianas 6, por parte de consumidores e agentes coletivos, infiltrando, em solo dominante, novos sentidos para a prática do consumo. É o que presenciamos, por exemplo, quando o Greenpeace desenvolve uma tecnologia menos poluente para geladeiras, a ser usada pela Bosch, com a intenção de eliminar o HFC no gás dos refrigeradores. O que poderia soar como um referendo à lógica do capital significa, na verdade, um outro modo de garantir o resultado desejado, sem uma oposição radical que paralise ambos os lados. Diante da decisão de reformular a cadeia de produção em vários países, a Bosch consegue estabelecer um novo conceito de produto a geladeira ecológica enquanto o Greenpeace gera uma fissura dentro do modelo de produção e de consumo dominantes: estabelece um novo modo de fazer que, de acordo com uma demanda global, exigirá, cada vez mais, uma readequação das demais organizações. Nenhuma estratégia poderia chegar tão perto do alvo. Esta preocupação por parte das organizações aponta para uma re significação simbólica dentro da lógica capitalista, como se novos sentidos e preocupações fossem insuflados nas entrelinhas do discurso dominante. Assim, novas linhas de força atravessam e interferem no dispositivo mercado, fazendo com que, para alcançar seus resultados, seja preciso sedimentar premissas normalmente desconsideradas pelo capital. Certamente que a origem deste movimento de re 6 Estas fissuras na lógica da produção não só são possíveis, como, cada vez mais, se tornam necessárias. Como resultado de uma preocupação com a sustentabilidade ambiental de seus processos, a Volkswagen de Taubaté, por exemplo, tem usado óleos vegetais (à base de canola, girassol etc) para a lubrificação de robôs e máquinas. O diferencial deste procedimento é que este óleo vegetal, atóxico e biodegradável, substitui o óleo mineral, de impacto significativo para o meio ambiente. Do ponto de vista comunicacional, esta prática funciona como a confirmação de uma preocupação legítima, já que, muitas vezes, o que as empresas fazem é trazer este discurso para a comunicação organizacional, incluída aí a propaganda institucional.

9 significação microbiana feita em solo dominante e por baixo das práticas discursivas das estruturas de poder (Santos, 2005:106) têm raízes nos antigos movimentos ativistas. Contudo, a arte de resistência mudou, sendo tão mais eficaz quanto mais se consegue introduzir simbolicamente, no repertório de negócios, dilemas que obriguem as organizações a repensar a consistência de seus princípios e políticas. É o que faz WWF, por exemplo, ao montar uma estratégia para estimular os bancos a adotarem critérios sócio ambientais nas suas políticas de financiamento, buscando orientar seguradoras, bancos e administradoras de recursos sobre o papel das mudanças climáticas na rentabilidade financeira. Mudanças de perspectiva como esta seja por influência de uma ong ou por pressões internacionais para a mudança nos paradigmas de gestão tende a suscitar brechas na lógica de competição, promovendo uma re significação simbólica de dentro do sistema. Esta contra comunicação voltada para a mobilização política do coletivo se torna prioritária à medida que o discurso publicitário estimula o consumo, mas ignora, em suas mensagens, o impacto que haverá de produzir, do mesmo modo que a comunicação organizacional pode expressar preocupação em relatar projetos sociais sem que isto necessariamente signifique mais do que um esforço de visibilidade. As mensagens publicitárias exercem papel fundamental para conscientizar o consumidor não com a intenção de estender o consumo a todas as classes, mas de torná lo um modo de pressão por mudanças no modo de produção. Há um motivo para isto: à medida que o consumo se espetaculariza, a desigualdade se intensifica. Ainda quando não estamos falando do acesso a bens de consumo volatilizados pelo discurso da moda, mas do que deveria ser considerado básico como água, energia e saneamento, o desequilíbrio é evidente. Segundo o relatório Estado do Mundo 2004, enquanto o volume anual de consumo cresce, especialmente em supérfluos, 1/3 da população mundial não têm acesso à energia elétrica, 19,7% não têm água potável e 45,2% vivem sem condições mínimas de saneamento básico. A idéia de consumo sustentável nas organizações começa a tomar forma quando as atitudes das empresas comunicam uma preocupação efetiva com os níveis de impacto socioambiental que sua produção e seu consumo provocam. Nesta fase,

10 que consideraríamos o primeiro nível do consumo sustentável, as ações são básicas: (1) combate ao desperdício e adoção de uma política de reuso dos recursos aplicados na produção, como é o caso da água; (2) reaproveitamento criativo dos resíduos gerados, seja como insumo para novo ciclo produtivo, seja como matéria prima útil para outras áreas. Assim não só se reduz o problema ambiental do lixo, como também se designa para ele uma nova utilidade. A indústria de construção civil, por exemplo, tem transformado o entulho em importante insumo para pavimentação de estradas e aterro de vias de acesso 7. Outro caso que merece destaque e que diz respeito à redução dos impactos ambientais é o da Rhodia, recentemente noticiado pela mídia. A empresa investiu em tecnologia inovadora capaz de reduzir em 80% as emissões de gás carbônico de suas fábricas no Brasil (Paulínia), na França e na Coréia do Sul 8. Uma segunda etapa, que evidencia um compromisso ainda maior com a sustentabilidade, acontece quando as empresas promovem mudança na sua visão de futuro, gerando alterações significativas no seu modo de produção e no nível de compartilhamento das novas políticas com fornecedores, clientes e governo. A comunicação, aqui, constitui ingrediente fundamental para a construção de relações estáveis e para o desenvolvimento de parâmetros sustentáveis de produção, especialmente no que diz respeito ao compartilhamento de princípios. O que pareceria inviável na lógica capitalista alteração de rotina com retorno pouco mensurável se torna uma solução sem a qual a legitimidade fica comprometida: organizações começam a repensar seu modo de produção à medida que percebem a necessidade de incorporar, na configuração de produtos e serviços, demandas de atores sociais diversos. Há algumas iniciativas que evidenciam mudanças na visão de negócio. A Bosch, por exemplo, reajustou sua linha de montagem, em alguns países, para incorporar o isobutanol nos seus refrigeradores, uma vez que não provocam efeito estufa. A Sadia, por sua vez, instalou biodigestores em suas 7 Reciclagem de Entulho. Disponível, em 6 jul 2005, no site da publicação diária Ambiente Brasil: ciclagem/entulho.html 8 O projeto, o maior do Brasil nesta área, cria uma oportunidade de negócios incomum. Com ele estima se que o ganho com os créditos de carbono ficará entre 10 e 20 euros por tonelada. Note se que, neste caso, a antiga lógica, de ganhar com aumento indiscriminado de produtividade, foi revertida. Agora o ganho está, na contramão dos movimentos usuais da iniciativa privada, em reduzir cada vez mais os impactos ambientais. Ver: RHODIA vai reduzir emissão de carbono. Gazeta Mercantil, 15 fev 2006, C 2.

11 granjas e nas de seus parceiros para redução e reaproveitamento de seus resíduos a partir da queima de metano 9. Já a terceira etapa no consumo sustentável das empresas acontece quando, de fato, elas conseguem efetuar costuras inteligentes, a partir de seu próprio negócio, entre redução de impacto ambiental e desenvolvimento sócio econômico de comunidades. Um modo de fazê lo consiste em atrelar políticas de compensação ambiental ao fortalecimento da economia local 10 ou, ainda, capacitar fornecedores locais dentro de um objetivo de longo prazo que reúna preocupação com impacto ambiental, desdobramento de princípios em uma cadeia de negócios e desenvolvimento socioeconômico da região. Um caso que exemplifica esta preocupação em costurar meio ambiente, desenvolvimento econômico e sustentabilidade social é o projeto de manejo sustentável do Grupo Orsa, na Amazônia. A Orsa Florestal, que é produtora de madeira nativa serrada, juntamente com a Jari Celulose, outra empresa do grupo, não só certificaram cerca de 1 milhão de hectares de florestas nativas como também têm investido em projetos de manejo sustentável, em que são criadas oportunidades de renda de acordo com as vocações das comunidades do entorno produção de plástico biodegradável com base na mandioca, colheita de óleos como andiroba e copaíba para produzir sabão vegetal e plantação de eucaliptos em áreas degradadas 11. Ecopropaganda: arauto de novos paradigmas de produção e de consumo Nos exemplos abordados ao longo do texto, a comunicação se afirma como o cimento necessário para a construção de uma parceria permanente. Mais do que estratégias de divulgação que fortaleçam a visibilidade das organizações 9 ONU aprova projeto de MDL da Sadia. Gazeta Mercantil, 3,4 e 5/2/2006, B A Mineração Rio do Norte (MRN), por exemplo, emprega o reflorestamento como forma de compensação ambiental. Com este objetivo, compra sementes dos produtores locais e, depois, capacita e emprega cerca de 300 ribeirinhos para produzir as mudas utilizadas no reflorestamento, constituindo uma alternativa de renda para o fortalecimento da economia local. Ver: INSTITUTO ETHOS O compromisso das empresas com as Metas do Milênio. São Paulo: Instituto Ethos. 10 INSTITUTO ETHOS. O compromisso das empresas com o Meio Ambiente. A Agenda Ambiental das Empresas e a Sustentabilidade da Economia Florestal. São Paulo: Instituto Ethos, 2005.

12 envolvidas, a comunicação consiste no próprio processo de tessitura destas relações com fornecedores, para o compartilhamento de valores na cadeia produtiva, com a comunidade do entorno, com os consumidores, com a opinião pública. Em cada uma das etapas de implementação da sustentabilidade nas organizações, a comunicação tem um papel fundamental, não só porque se mostra imprescindível para a construção de parcerias estáveis e de longo prazo necessárias para que o desenvolvimento sustentável seja um projeto conjunto, mas também porque a sustentabilidade social, no respeito à diferença, só pode ser alcançada mediante comunicação permanente, fundamentada em uma política do respeito que substitua o caminho mais fácil da compaixão que fere (Sennett, 2004). Isso significa que a comunicação, aqui, não pode ser reduzida a um conjunto de mídias ou ferramentas, mas, antes, se desenha como processo, como cimento que permite conjugar, nas decisões cotidianas, a redução de impactos das políticas organizacionais com a aposta no fortalecimento das economias locais. Cabe lembrar que o modo como as organizações agem e seus esforços para produzir concordância nos públicos constituem práticas discursivas tanto quanto suas próprias estratégias comunicacionais. Neste sentido, a mídia que pauta temas para uma agenda pública e coloca sob holofotes determinados acontecimentos pode evidenciar as lacunas destas práticas discursivas, ou, na direção contrária, render se aos propósitos de visibilidade das empresas. A mídia, portanto, tem um papel de grande relevância, já que seu espaço de legitimidade permite lançar, nos limites de uma esfera pública abstrata (Habermas, 1997), as bases de questionamento sobre os modos de produção e consumo que sustentam a sociedade contemporânea. Por outro lado, a mídia pode funcionar também como dispositivo em que os enunciados se desenham mais como alavanca das linhas de força do que como linhas de fratura. Pela natureza do discurso que manipula, o enquadramento midiático é sempre uma superfície refletora onde é possível ler a dinâmica de forças pela dominação simbólica. Espécie de máquina de Roussel, capaz fazer ver e fazer falar (Deleuze, 1996), a mídia é um dispositivo cujas múltiplas curvas de visibilidade e enunciação reproduz a luta simbólica pela produção de sentidos. Se há uma produção de verdade sobre a qual é possível falar, não é a dos fatos em si, mas a do jogo caleidoscópico de posições na luta

13 pelo poder poder que se traduz em condição discursiva e, portanto, na ocupação de um espaço legítimo nesta esfera pública abstrata em que se formam as representações sociais. Nessa perspectiva, a ecopropaganda atua não somente como arauto das mudanças na forma de produção e de consumo. Atua também como coadjuvante nas transformações do capitalismo na atualidade, quando o desenvolvimento sustentável, longe de ser utopia, configura se uma necessidade. Referências bibliográficas BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, O que é um dispositivo. In: DELEUZE, G. O Mistério de Ariana. Lisboa: Vega, DELEUZE, Gillles, GUATTARI, Félix. Mil Platôs capitalismo e esquizofrenia, vol. 5. Rio de Janeiro: Ed. 34, FOUCAULT, Michel. Resumo dos cursos do Collège de France ( ). Rio de Janeiro, Zahar, FUNDAÇÃO KONRAD ADENAUER. Desenvolvimento Sustentável e Agenda 21: guia para sociedade civil, municípios e empresas. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, GIACOMINI FILHO, Gino. Ecopropaganda. São Paulo: Senac, GIDDENS, Anthony; BECK, Ulrich; LASH, Scott (org). Modernização reflexiva. São Paulo: Unesp, HABERMAS, J. Direito e Democracia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, INSTITUTO ETHOS. O compromisso das empresas com as Metas do Milênio. São Paulo: Instituto Ethos, O compromisso das empresas com o Meio Ambiente. A Agenda Ambiental das Empresas e a Sustentabilidade da Economia Florestal. São Paulo: Instituto Ethos, 2005.

14 LIMA, Venício. "Duas questões de comunicação pública" in Revista Comunicação, Mídia e Consumo, n. 3, v. 2, São Paulo, 2005, p MARTINO, Luís Mauro. Mídia e Poder Simbólico. São Paulo, Paulus, SANTOS, Luciane Lucas dos. A Comunicação subjacente à cultura do desperdício:o desenvolvimento sustentável como linha de fratura da produção capitalista. In: FAMECOS, n. 26, pp UNIETHOS. Gestão da Responsabilidade Social Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Ethos, WEBER, Maria Helena. Imagem Pública. In: RUBIM, Antonio. Comunicação e Política: conceitos e abordagens. Salvador, Edufba, WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

A comunicação como ferramenta educativa para o mundo organizacional e o papel das Ongs na construção de parâmetros socialmente responsáveis

A comunicação como ferramenta educativa para o mundo organizacional e o papel das Ongs na construção de parâmetros socialmente responsáveis Título do trabalho - A comunicação como ferramenta educativa para o mundo organizacional e o papel das Ongs na construção de parâmetros socialmente responsáveis Pesquisadores - Luciane Lucas dos Santos

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social Prof. Wellington APRESENTAÇÃO AULA 1 Wellington Prof de pós-graduação na USJT desde 2003 Sócio diretor da WP projetos e produções Coordenador

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE INOVAÇÃO Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 Tecnologia, comércio e desenvolvimento sustentável A criação

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO [23] TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO Considerando que: 1. Os recursos naturais da Terra são limitados e devem ser utilizados de forma responsável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. 2. A

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social. Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social. Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva Porto Alegre 2008 Aline Camargo Luciane Padilha Aragon

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil:

Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil: Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil: Energia Elétrica Alimentos e Bebidas Papel e Celulose Apresentação de alguns casos F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L

Leia mais

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários Perfil das empresas Porte da Empresa (NA) Média 84 De 00 a 499 funcionários Grande 69 4 00 ou mais funcionários 3 00 Tipo de indústria (NA) Indústria/agência de embalagens 33 Usuária de embalagens 02 67

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. O ciclo do óleo de cozinha

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. O ciclo do óleo de cozinha SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ O ciclo do óleo de cozinha Felipe Zulian dos Santos f.zulian@hotmail.com Marivaldo Freixo Neto neto_surfigp@hotmail.com Renato Oliveira

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

PROGRAMA CONSUMO CONSCIENTE

PROGRAMA CONSUMO CONSCIENTE PROGRAMA CONSUMO CONSCIENTE Pesquisa recente do Instituto Akatu revela: O consumidor brasileiro quer saber sobre práticas empresariais de responsabilidade social, mas não sabe onde encontrar informações

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Green Marketing: estratégia de comunicação e marketing como extensão do projeto de produto

Green Marketing: estratégia de comunicação e marketing como extensão do projeto de produto Green Marketing: estratégia de comunicação e marketing como extensão do projeto de produto Pablo Marcel de Arruda Torres (UFCG) Caio Márcio Almeida Silva (UFCG)

Leia mais

Justificativa. Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Justificativa. Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS 2015 CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS Vanessa C. S. Becker - COGEMAS SAMAE de Brusque 05/01/2015 Atualmente ouvimos falar muito sobre consciência ambiental e desperdício. Porém algumas vezes agimos de forma

Leia mais

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO OBJETIVO A campanha teve por objetivo implantar na Instituição a cultura da responsabilidade

Leia mais

CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA

CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA Desenvolvimento sustentável e consumo sustentável Existe uma relação direta entre o que chamamos

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade.

Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade. Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade. No atual cenário de urgência na transição da economia tradicional para a economia verde, as empresas assumem papel central no cenário econômico, para

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia especial: energia e sustentabilidade POR UMA TI MAIS VERDE Depois da escalada tecnológica ocorrida nas últimas décadas, as atenções se voltam cada vez mais para os impactos ambientais do uso de TI. Duas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Ltda Capacidade inicial de 15 milhões de litros/ano Expansão em 2011

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

Simpósio Internacional de Sustentabilidade

Simpósio Internacional de Sustentabilidade Simpósio Internacional de Sustentabilidade Tema: Case Natura de Sustentabilidade: Incorporando a Dimensão Socioambiental no Modelo de Negócios Renato Abramovich Diretor - Norte e Nordeste Agenda > Visão

Leia mais

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Disciplina de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Proposta

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Política de Comunicação de Marketing

Política de Comunicação de Marketing OBJETIVO Esta política tem como objetivos garantir o alinhamento das ações e projetos de comunicação de marketing da TIM, com sua Missão e seus princípios com relação à Sustentabilidade, de forma responsável,

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

Diretoria de Projetos Socioambientais

Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo do Projeto Ecoeventus Projeto Ecoeventus é o alicerce de um Programa de Educação Ambiental Formal adotado com intuito de mobilizar participantes

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO O que isto tem a ver com o modelo de gestão da minha Instituição de Ensino? PROF. LÍVIO GIOSA Sócio-Diretor da G, LM Assessoria Empresarial Coordenador

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

Direitos Humanos. 1.As empresas devem apoiar e respeitar a proteção de direitos humanos reconhecidos internacionalmente; e

Direitos Humanos. 1.As empresas devem apoiar e respeitar a proteção de direitos humanos reconhecidos internacionalmente; e O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre Princípios e Direitos Fundamentais no

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Produzindo com Sustentabilidade

Produzindo com Sustentabilidade Produzindo com Sustentabilidade NOSSA VISÃO Melhorar a vida, aprimorando a cadeia global de alimentos e o agronegócio. BR ASIL NOSSOS PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE Desempenho Econômico A parceria com

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD)

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD) ESTAÇÃO RESGATE RECICLAGEM CC Sistema único de Reciclagem de Resíduos da Construção e Demolição e aproveitamento dos resíduos para fabricação A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL -

DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL - DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL - O MEIO AMBIENTE PARA A ECONOMIA - FIESP- São Paulo - SP 02 de junho de 2008 Rubens Garlipp SENSIBILIDADE ÀS S QUESTÕES FLORESTAIS EM DIFERENTES

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Anúncio Impresso Juntos Transformamos o Mundo 1

Anúncio Impresso Juntos Transformamos o Mundo 1 Anúncio Impresso Juntos Transformamos o Mundo 1 Paulo Henrique Paes Alves Da SILVA 2 Danielle Soares De CARVALHO 3 Gabriela Caroline BERNARDI 4 Jessica Dos Santos BATISTA 5 João Paulo SPRICIGO 6 Laysa

Leia mais

Essência do conceito de marketing (segundo P. Kotler)

Essência do conceito de marketing (segundo P. Kotler) Essência do conceito de marketing (segundo P. Kotler) Intercâmbio de valores entre duas partes Não limitado a produtos, serviços, nem dinheiro Relaciona-se com a forma como as trocas são criadas, estimuladas,

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Gestão Empresarial para a Sustentabilidade Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Klabin: Uma empresa líder 107 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17

Leia mais

CNT Brasil Gestão Ambiental

CNT Brasil Gestão Ambiental CNT Brasil Gestão Ambiental Estamos nos integrando ao sistema de gestão ambiental de nosso cliente IBM, logo, estamos realizando atividades de propagação e difusão deste programa para todos nossos parceiros

Leia mais

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores VERA FERNANDES HACHICH Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CBCS TESIS Tecnologia de Sistemas em Engenharia 5 de novembro 2009 Tópicos Palestra

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

Duas verdades inconvenientes: 1 - Toda atividade humana apresenta impactos positivos e negativos sobre a sociedade e o planeta. 2 O ser humano escapa

Duas verdades inconvenientes: 1 - Toda atividade humana apresenta impactos positivos e negativos sobre a sociedade e o planeta. 2 O ser humano escapa Duas verdades inconvenientes: 1 - Toda atividade humana apresenta impactos positivos e negativos sobre a sociedade e o planeta. 2 O ser humano escapa à dinâmica do equilíbrio ecológico. Cabe às organizações:

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

CONSUMO PÓS-CONSUMO MEIO AMBIENTE

CONSUMO PÓS-CONSUMO MEIO AMBIENTE CONSUMO PÓS-CONSUMO MEIO AMBIENTE Professora: Livia Abdalla Sociedade Século XX Sistema econômico capitalista, baseado na produção, mercadoria, trabalho social, trocas (circulação) e propriedade privada.

Leia mais

Magazine Meio Ambiente

Magazine Meio Ambiente Página 1 de 5 Magazine Meio Ambiente MEIO AMBIENTE Dez atitudes domésticas ecologicamente corretas Publicado a 28 Janeiro 2011 por Danielrox01 Substituir sacolas de plástico A sacola de plástico é a atual

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO

PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO 1 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Breve descritivo sobre a Elas Ecomodas e o Projeto Ambiental... 3 3. Principais objetivos deste projeto ambiental CIDADES... 4 4. Implantação do viveiro de mudas nas escolas

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais