MINISTRO ARNALDO VERSIANI - RELATOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTRO ARNALDO VERSIANI - RELATOR"

Transcrição

1 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N CLASSE 32 BARRA DO PIRAÍ - RIO DE JANEIRO Relator: Ministro Arnaldo Versiani Agravante: José Luiz Anchite Advogados: Heitor Favieri Neto e outra Agravado: Ministério Público Eleitoral Representação. Publicidade institucional em período vedado. - Para que seja reconhecida a exceção prevista no art. 73, VI, b, da Lei das Eleições, a circunstância de grave e urgente necessidade pública deve ser previamente reconhecida pela Justiça Eleitoral. Agravo regimental não provido. Acordam os ministros do Tribunal Superior Eleitoral, por maioria, em desprover o agravo regimental, nos termos das notas de julgamento. Brasília, 8 de setembro de MINISTRO ARNALDO VERSIANI - RELATOR

2 AgR-REspe n /RJ 2 RELATÓRIO O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI: Senhor Presidente, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, por maioria, rejeitou preliminar de julgamento extra petita e, no mérito, deu provimento a recurso, a fim de reformar decisão do Juízo da 93a Zona Eleitoral daquele estado e julgar improcedente representação, com fundamento no art. 73, VI, b, e 30 e 40, da Lei n , proposta pelo Ministério Público Eleitoral contra José Luiz Anchite, prefeito eleito do Município de Barra do Piraí/RJ. Eis a ementa do acórdão regional (fl. 98): Recurso Eleitoral. Eleições Prefeito. Representação. Conduta Vedada. Publicidade institucional em período vedado. Não configuração. 1. A divulgação de campanha de prevenção de doença cardíaca, por possuir caráter grave e imprescindível para a saúde pública, não se submete à vedação do art. 73, VI, alínea 'b' da Lei Recurso provido, reformando-se sentença a fim de julgar improcedente a representação. Seguiu-se a interposição de recurso especial (fis ), ao qual dei provimento, para reformar o acórdão regional e restabelecer a sentença que julgou procedente a representação, reconhecendo a prática da conduta vedada do art. 73, VI, b, da Lei n e impondo ao representado multa no valor de R$ ,00 (fls ). Daí a interposição do presõnte agravo regimental (fls ), no qual José Luiz Anchite alega que a publicidade em questão divulgava serviço veiculado à Secretaria Municipal de Saúde, que havia sido instituído muito antes da ocorrência das eleições. Argumenta que, para a caracterização da publicidade institucional, se faz necessária a vinculação de símbolo, slogan ou frase ao município ou ao candidato à reeleição, o que não teria ocorrido no caso em exame. Aduz violação ao art. 50, XXXV, da Constituição Federal.

3 AgR-REspe n o /RJ 3 Sustenta que meras formalidades devem ser desconsideradas para que prevaleça o interesse público e para que o administrador público possa exercer o seu dever na época das eleições. Afirma que a imposição da multa não observou os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade. VOTO O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): Senhor Presidente, na espécie, reafirmo os fundamentos da decisão agravada (fis ): Colho do voto condutor do acórdão regional (fls ): A publicidade institucional impugnada contém os seguintes dizeres: 'Campanha de Prevenção ao Infarto. Eletrocardiograma online. Entrega em 24 horas do exame do coração. Secretaria Municipal de Saúde.' Da mera leitura da propaganda verifica-se que se refere a uma campanha da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Barra do Piraí, oferecendo à população serviços de necessidade pública dotada de caráter grave, ou seja, imprescindível, em conformidade com a ressalva prevista na parte final do art. 73, inciso VI, alínea 'b', da Lei (...) No caso em comento, a campanha de prevenção de infarto deve ser analisada sob o ponto de vista da saúde pública, merecendo ser reconhecida pela Justiça Eleitoral como importante para a saúde da população, em especial pelo seu caráter preventivo. Destarte, não se submete à vedação do art. 73, inciso VI, alínea 'b', da Lei Não se trata de propaganda institucional de obra ou serviço realizado pela prefeitura em que há menção às realizações da Prefeitura - o que indicaria uma tentativa de divulgar atos da administração do candidato à reeleição - mas sim da divulgação de uma campanha de saúde pública relevante. O Tribunal de origem concluiu, portanto, que a publicidade institucional veiculada pela Prefeitura do Município de Barra do

4 AgR-REspe n o /RJ 4 Piraí/RJ, consistente em campanha de prevenção ao infarto, incide na ressalva do art. 73, VI, b, da Lei n , motivo pelo qual julgou improcedente a representação. O juiz eleitoral, contudo, entendeu configurada a conduta vedada. Destaco o seguinte trecho da decisão de primeiro grau (fis ): (... ) conclui-se claramente que a utilização de propaganda institucional nos três meses que antecedem o pleito é situação altamente excepcional e somente deve ser efetivada quando exauridas todas as demais formas possíveis de atingir a mesma finalidade de dar conhecimento à população dos fatos que seriam veiculados por outros meios. In casu, o que se verifica, de forma explícita, é que a veiculação da 'campanha de prevenção ao infarto do miocárdio', veiculada no dia 20 de setembro de 2008(apenas 16 dias antes das eleições) e que noticiou que os exames do coração seriam entregues no exíguo prazo de apenas 24 horas, outra finalidade não teria a não ser tentar demonstrar aos eleitores certa competência do administrador à época no trato da coisa pública, caracterizando verdadeira propaganda eleitoral indevida. Ademais, não se pode olvidar que mesmo que estivesse a propaganda institucional em discussão dotada dos requisitos exigidos pela lei eleitoral, estes não foram submetidos à apreciação da autoridade eleitoral competente para que este avalizasse sua veiculação, nos termos da alínea b parte final, do inciso VI do art. 73 da Lei Não restaram demonstrados os requisitos de gravidade e urgência e tampouco foi a propaganda institucional submetida à apreciação da Justiça Eleitoral. Eis o teor do referido dispositivo legal: Art. 73. São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais: (...) VI - nos três meses que antecedem o pleito: (...) b) com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral; Obseivo que, pata que seja reconhecida a exceção prevista no art. 73, VI, b, da Lei das EIelçôes, a circunstância de grave e urgente necessidade pública deve ser previamente reconhecida pela Justiça Eleitoral, o que não ocorreu no caso em exame. A esse respeito,

5 AgR-REspe n o /RJ 5 tenho como corretos os fundamentos da sentença e, ainda, do voto do Juiz Luiz Márcio Alves Pereira, cujo trecho transcrevo: Senhor Presidente, irei divergir porque, apesar de o Juiz Luiz de Mello Serra afirmar que se trata de uma campanha que já vinha acontecendo, o fato é que durante o período vedado deve haver a autorização da Justiça Eleitoral. Se abrirmos exceção, a cada hora haverá um motivo para publicação. (... ) Se não houve pedido de autorização, parece-me que não podemos abrir exceção, mesmo em se tratando de algo que fosse relevante à população, pois essa relevância deveria ser submetida ao Poder Judiciário. A legislação é clara ao fazer essa exigência. Ademais, tenho que a referida campanha de prevenção ao infarto não pode ser considerada como necessidade pública grave e urgente, apta a configurar a ressalva em questão. Sobre o tema, colho trecho da decisão monocrática proferida pelo Ministro Marco Aurélio no julgamento da Petição n 2.426, de : A toda evidência, surge como regra a proibição de implementar, nessa undécima hora das eleições, publicidade institucional e, como exceção, o lançamento de tais peças publicitárias, considerado o gênero "comunicação t'. E sabença geral que preceitos a encerrarem exceção são merecedores de interpretação estrita. Isso mais sobressai quando a norma em comento direciona ao necessário, inafastável, reconhecimento da Justiça Eleitoral. Observem o envolvimento de formalidade essencial à valia do ato. Significa dizer que, realizada publicidade institucional no período de três meses que antecede o pleito sem o crivo da Justiça Eleitoral, o ato se mostra conflitante com o texto legal, afetando a igualdade de oportunidades entre candidatos e passando a desafiar representação capaz de levar à suspensão imediata da conduta vedada, quando for o caso, à sujeição dos responsáveis à multa no valor de cinco a cem mil UFIR, e - atentem para a cláusula "sem prejuízo do disposto no parágrafo anterior" - à cassação do registro ou do diploma do candidato - inteligência do artigo 73, inciso VI, alínea b e dos 40 e 5 0 nele contidos. Cabe o exame, sob o ângulo etimológico, da condição indispensável a passar-se da regra - que é a proibição da publicidade institucional no citado período - à exceção, realizando-a, uma vez verificada a "grave e urgente necessidade pública". De acordo com o Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa, o vocábulo "grave" vem do latim gràvis, e, cujo significado tem a ver com 'pesado, grave, carregado, pejado, grávido, prenhe, duro; forte, molesto; oneroso, importuno, circunspecto, sério, severo, rigoroso'. Em latim, é radical de expressiva cognação; g ravitas,atis 'peso, gravidez; fraqueza, languidez', gravidus,a, um 'carregado, pesado; prenhe', gravido,as,ávi, átum,áre 'emprenhar', gravo,as 'pesar sobre, sobrecarregar,

6 AgR-REspe n o /RJ agravar, gravesco, is,ère 'estar sobrecarregado; engravidar', gravatio,ónis 'peso (do corpo)', gravitúdo,inis 'coriza; peso da cabeça', agravo,as 'sobrecarregar, oprimir'; em português, tanto a forma. vulgar, grau (= 'pesado'), quanto a forma grave, que vai prevalecer, ocorrem no século XIII. Nos dicionários consultados - Houaiss, Aurélio, Michaelis, Caudas Aulete e Língua Portuguesa On-line -, no sentido usado na legislação em foco, prevalecem as seguintes acepções: a) extremamente sério, preocupante, que pode ter conseqüências nefastas ou fatais; b) de efeito extremamente penoso, difícil, doloroso, duro; c) de grande intensidade, profundo; d) importante, sério, ponderoso; e) perigoso, fatal (ex: infecção grave); f) suscetível de conseqüências sérias, trágicas; g) considerável, em número, em grandeza; h) o que tem peso, ponderação, seriedade, graveza; i) rígido, severo; j) intenso, vivo, profundo. Assim, deflui que "grave" toma o sentido, no texto pesquisado, de algo que merece consideração especial, de real importância, sério. "Grave" e "sério" configuram-se, no caso, como termos sinônimos, como se depreende das acepções encontradas para este último adjetivo: Sério (etimologia: serius,a,um 'sério, grave): a) aquilo que merece consideração especial; cujas conseqüências podem ser grandes e/ou perigosas; b) importante, grave; c) positivo, real, verdadeiro; d) que constitui perigo, ameaça, perigoso, inquietante, grave; e) que tem grande importância, valor, mérito - Ex: um trabalho sério; f) levar a sério (derivação: por extensão de sentido) - praticar uma ação não habitual ou extraordinária. Em síntese, da confluência dos dois sinônimos, conclui-se que, para ser grave, o fenômeno deve se revestir de caráter realmente excepcional, a resultar em conseqüências de grande importância, inquietantes, ameaçadoras. O outro adjetivo - urgente - vem do latim urgens,entis, particípio passado do latim urgére 'apertar, comprimir, impelir, perseguir, ameaçar; apressar; insistir. De acordo com os dicionários pesquisados, preponderam as seguintes acepções:

7 AgR-REspe n o /RJ 7 a) que é necessário ser atendido ou feito com rapidez; que não pode ser retardado. Exemplo: ela precisa de um tratamento urgente da sua doença; b) de que não se pode prescindir; indispensável; c) que indica necessidade imediata ou pressa. Exemplo: um toque urgente de campainha; d) que não demora; iminente. Exemplo: seria impossível escaparmos daquela chuva e) que é urgente, que não admite delongas; f) que é necessário fazer-se rapidamente, inadiável; g) que se deve fazer com brevidade, rapidez,que não se pode adiar; h) indispensável, imprescindível. Já o substantivo "necessidade" deriva do latim necessjtas,átis 'necessidade (inelutável, inevitável), destino, fatalidade' e tem como principais acepções: a) qualidadé ou caráter de necessário; b) aquilo que é absolutamente necessário; exigência; c) aquilo que é inevitável, inelutável, fatal; d) aquilo que constrange, compele ou obriga de modo absoluto; e) privação dos bens necessários; indigência, míngua, pobreza, precisão; f) o que não se pode evitar; inevitável; g) o que é imprescindível; h) coacção, coerção, constrangimento; i) aperto, apuro, carência de coisas necessárias, precisão. Quando se juntam os três vocábulos num só texto, como no preceito em tela, formando a expressão "salvo em caso de grave e urgente necessidade", os significados se agudecem, potencializando-se. Revelam então a hipótese de caso de excepcional premência, a direcionar para providências que não podem ser proteladas sob pena de nefastas conseqüências, principalmente em se tratando de "necessidade pública". O contexto que se extrai do preceito aponta para situação em que a atitude demandada mostra-se obrigatória, imprescindível, inevitável, sem o que não se pode passar, verdadeiramente muito importante, absolutamente indispensável para atingir um objetivo essencial. Nessas circunstâncias, é pertinente enxergar o cabimento de medidas graves e urgentes, por exemplo, no caso de uma epidemia avassaladora - como da gripe aviária que se anuncia -, de uma catástrofe iminente, de um fenômeno devastador que se pode evitar com atitudes eficazes e imediatas, improrrogáveis.

8 AgR-REspe n /RJ 8 Observo que este Tribunal Superior tem reconhecido a exceção da alínea b do inciso VI do art. 73 da Lei n o no caso de prevenção de epidemias que, se não evitadas prontamente, podem comprometer de forma indelével a saúde pública, o que não é o caso dos autos. Nesse sentido, é o seguinte precedente desta Corte: PETIÇÃO. DIVULGAÇÃO DE PUBLICIDADE INSTITUCIONAL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). CAMPANHA NACIONAL, DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA GRIPE A (HINI). DISTRIBUIÇÃO DE FOLHETOS. EXCEPCIONALIDADE. AUTORIZAÇÃO. 1. A distribuição de material informativo visando à conscientização da sociedade sobre a importância da adoção de medidas preventivas contra o vírus da Gripe A (HINI) enquadra-se na ressalva contida na parte final do art. 73, VI, b, da Lei n Pedido de autorização deferido, com a ressalva de ser observado o disposto no art. 37, 10, da Constituição Federal. (Petição n , rei. Min. Aldir Passarinho, de , grifo nosso). Na espécie, considerada a infração eleitoral sucedida, o Juiz Eleitoral assim se pronunciou na fixação da sanção (II. 49): (... ) caracterizada nítida violação ao disposto nos artigos 73, inciso VI, alínea b da Lei n e 42, inciso VI, alínea b da Resolução do TSE , torna-se imperiosa a punição da conduta praticada, razão pela qual JULGO PROCEDENTE A REPRESENTAÇÃO formulada em face de JOSÉ LUIZ DE ANCHITES. Entendendo desproporcional a aplicação das penalidades previstas no art. 42, 5 0 da Resolução TSE , comparada à potencialidade lesiva da conduta praticada diante do resultado do pleito, CONDENO o Representado apenas ao pagamento de multa, que ora fixo no valor de R$ trinta mil reais), considerando o caráter repressivo e pedagógico da condenação, bem como os parâmetros estabelecidos no 4 do art. 42 da resolução do Tribunal Superior Eleitoral. O agravante não apresentou argumentos aptos a infirmar os fundamentos da decisão agravada. No que diz respeito ao valor da multa aplicada, adotei como fundamento da sua imposição as razões expostas pelo juiz eleitoral, com base no princípio da razoabilidade e na gravidade da conduta em questão. (fi. 150): Sobre a questão, colho da decisão agravada o seguinte trecho CI-4-0

9 AgR-REspe n o /RJ ffi Na espécie, considerada a infração eleitoral sucedida, o Juiz Eleitoral assim se pronunciou na fixação da sanção (fi. 49): (... ) caracterizada nítida violação ao disposto nos artigos 73, inciso VI, alínea b da Lei n e 42, inciso VI, alínea b da Resolução do TSE /2008, torna-se imperiosa a punição da conduta praticada, razão pela qual JULGO PROCEDENTE A REPRESENTAÇÃO formulada em face de J0sÊ LUIZ DE ANCHITES. Entendendo desproporcional a aplicação das penalidades previstas no art. 42, 5 0 da Resolução TSE , comparada à potencialidade lesiva da conduta praticada diante do resultado do pleito, CONDENO o Representado apenas ao pagamento de multa, que ora fixo no valor de R$ (trinta mil reais), considerando o caráter repressivo e pedagógico da condenação, bem como os parâmetros estabelecidos no 4 do art. 42 da resolução do Tribunal Superior Eleitoral. Pelo exposto, mantenho a decisão agravada, por seus próprios fundamentos, e nego provimento ao agravo regimental. VOTO (vencido) O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: Senhor Presidente, divirjo do Ministro Arnaldo Versiani, quanto ao montante da multa. Este caso versa sobre a aplicação de multa em conduta vedada, em que o juiz de i a instância aplicou a multa em R$ ,00 (trinta mil reais). O Tribunal Regional Eleitoral cassou a multa, e o Ministro Arnaldo Versiani, provendo o recurso, restabeleceu a sentença e aplicou a multa no mesmo valor, em R$ ,00 (trinta mil reais), porque a Secretaria de Saúde teria feito uma propaganda institucional, nos três meses que antecedem a eleição, sem a autorização da Justiça Eleitoral. A propaganda, conforme consta do voto do Ministro Relator, é sobre uma campanha de prevenção ao infarto. Divirjo apenas quanto ao montante da multa. Ele a aplicou no mesmo valor estabelecido na 1a instância, R$ ,00. Dou provimento para reduzi-ia ao valor mínimo legal (cinco mil) UFIR - o que corresponde a R$ 5.320,50 (cinco mil e trezentos e vinte reais e cinquenta centavos).

10 AgR-REspe n /RJ 10 ESCLARECIMENTO O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): Senhor Presidente, mantive a multa. Na verdade, restabeleci a sentença e considerei que a juíza eleitoral fundamentou satisfatoriamente a aplicação da multa acima do mínimo legal. O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO: Mas de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para R$ ,00 (trinta mil reais)... O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI (presidente): Estamos em sede de agravo regimental. O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: A fundamentação da juíza foi o artigo 73, inciso VI, alínea b, e 31 e 4 0 da Lei Em sua sentença, lê-se: Entendendo desproporcional a aplicação das penalidades previstas no art. 42, 50 da Resolução TSE , comparada à potencialidade lesiva da conduta praticada diante do resultado do pleito, CONDENO o Representado apenas ao pagamento de multa, que ora fixo no valor de R$ ,00 (trinta mil reais). glosou? O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO: O Regional não O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: Ajuíza aplicou a multa e o Regional reverteu, julgou-a improcedente. O Ministro Arnaldo Versiani proveu o recurso especial por decisão monocrática e restabeleceu a sentença, aplicando a multa de R$ ,00 (trinta mil reais). O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): O valor da multa por conduta vedada vai de cinco a cem mil UFIR? O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: Penso que sim. É o artigo 73 da Lei 9.504/1 997, certo? O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): Sim. O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI (presidente): Vossa Excelência lembra qual foi a conduta?

11 AgR-REspe n /RJ 11 O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): O agravante fez publicidade institucional sem que fosse autorizada previamente pela Justiça Eleitoral. O Tribunal Regional Eleitoral entendeu que a necessidade da publicidade estava justificada. O problema é que, nesse período eleitoral - nos três meses que antecedem a eleição -, quem deve reconhecer a necessidade de fazer-se a respectiva publicidade é a Justiça Eleitoral. O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO: Seria apenas a falta de autorização? O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): Exato. O agravante não pediu a autorização prévia, divulgou a publicidade e o Tribunal Regional entendeu que a publicidade seria necessária. VOTO (vencido) O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO: Senhor Presidente, neste caso, adoto a máxima dos antigos: a virtude está no meio termo. Peço vênia para acompanhar, no voto proferido, o Ministro Henrique Neves. ESCLARECIMENTO O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: Apenas para esclarecer, o 4 0 do artigo 73 da Lei afirma que "[... ] sujeitará os responsáveis a multa no valor de cinco a cem mil UFIR". A propaganda, no caso, como consta do voto, é a seguinte: Campanha de Prevenção ao Infarto. Eletrocardiograma on fine.

12 AgR-REspe n o /RJ 12 Entrega em 24 h do exame do coração. Secretaria Municipal de Saúde. O fato é a propaganda não ter sido autorizada pela Justiça Eleitoral. Então, fico, com todo respeito, no valor mínimo legal. O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): Ajuíza colocou assim: [... ] caracterizada nítida violação ao disposto nos artigos 73, inciso VI, alínea b da Lei n e 42, inciso VI, alínea b da Resolução do TSE , torna-se imperiosa a punição da conduta praticada, razão pela qual JULGO PROCEDENTE A REPRESENTAÇÃO formulada em face de JOSÉ LUIZ DE ANCHITES. Entendendo desproporcional a aplicação das penalidades previstas no art. 42, 5 1 da Resolução TSE , comparada à potencialidade lesiva da conduta praticada diante do resultado do pleito, CONDENO o Representado apenas ao pagamento de multa, que ora fixo no valor de R$ ,00 (trinta mil reais), considerando o caráter repressivo e pedagógico da condenação, bem como os parâmetros estabelecidos no 40 do art. 42 da resolução do Tribunal Superior Eleitoral. Nessas circunstâncias, como o juiz está mais próximo do local, gosto de deferir a ele a caracterização dos requisitos de fixação da multa. O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI (presidente): O político é médico? O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: Salvo engano, é secretário de saúde. O SENHOR MINISTRO ARNALDO VERSIANI (relator): Ele era o prefeito e autorizou a publicidade sem que a Justiça Eleitoral tivesse previamente autorizado. O SENHOR MINISTRO HENRIQUE NEVES: Quanto a isso não há divergência, realmente, deve-se aplicar a multa. Apenas divirjo porque aplico na forma dos precedentes, por analogia ao Código Eleitoral, o artigo 367, que dispõe que se deve considerar a pessoa do candidato, ou seja, a pessoa física do eleitor que é o apenado. È uma multa, na pessoa física, no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais). N ",

13 AgR-REspe n /RJ ik EXTRATO DA ATA AgR-REspe n o /RJ. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Agravante: José Luiz Anchite (Advogados: Heitor Favieri Neto e outra). Agravado: Ministério Público Eleitoral Decisão: O Tribunal, por maioria, desproveu o agravo regimental, nos termos do voto do relator. Vencidos, em parte, os Ministros Henrique Neves e Marco Aurélio. Presidência do Ministro Ricardo Lewandowski. Presentes as Ministras Cármen Lúcia e Nancy Andrighi, os Ministros Marco Aurélio, Gilson Dipp, Arnaldo Versiani e Henrique Neves, e a Vice-Procuradora-Geral Eleitoral, Sandra Cureau. SESSÃO DE

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

Acordam o!=; ministros do Tribunal Superior Eleitoral, ACÓRDÃO

Acordam o!=; ministros do Tribunal Superior Eleitoral, ACÓRDÃO TR.IBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 9998978-81. 2008.6.13.0000 - CLASSE 32 - CARLOS CHAGAS - MINAS GERAIS Relator: Ministro Aldir Passarinho Junior Agravante:

Leia mais

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ I TRIBUNAL SUPERIOR ELE.ITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ Relator: Ministro Arnaldo Versiani Agravantes: Lauro

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 26.448 - CLASSE 22 a - NATAL - RIO GRANDE DO NORTE. Relator: Ministro Ricardo Lewandowski. Agravante: Wilma Maria de

Leia mais

ACÓRDÃO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 27.701 - CLASSE 22 a - PARNAMIRIM - RIO GRANDE DO NORTE.

ACÓRDÃO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 27.701 - CLASSE 22 a - PARNAMIRIM - RIO GRANDE DO NORTE. / TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 27.701 - CLASSE 22 a - PARNAMIRIM - RIO GRANDE DO NORTE. Relator: Ministro Caputo Bastos. Agravante: Ministério Público

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 24656 Relator: Juiz Rafael de Assis Horn Requerente: Instituto Festival de Dança de Joinville ; - REQUERIMENTO - AUTORIZAÇÃO PARA VEICULAÇÃO DE PUBLICIDADE NO TRIMESTRE QUE ANTECEDE Ò PLEITO

Leia mais

Informativo TSE SESSÃO ORDINÁRIA. Eleições 2008. Propaganda eleitoral irregular. Limitação. Legislação municipal. Prevalência. Legislação eleitoral.

Informativo TSE SESSÃO ORDINÁRIA. Eleições 2008. Propaganda eleitoral irregular. Limitação. Legislação municipal. Prevalência. Legislação eleitoral. SESSÃO ORDINÁRIA Eleições 2008. Propaganda eleitoral irregular. Limitação. Legislação municipal. Prevalência. Legislação eleitoral. A propaganda eleitoral irregular em questão diz respeito às eleições

Leia mais

W.s l J.V TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

W.s l J.V TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL i; W.s l J.V TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO MANDADO DE SEGURANÇA N 48-96.2013.6.00.0000 - CLASSE 22 - MUQUÉM DO SÃO FRANCISCO - BAHIA Relatora: Ministra Nancy Andrighi Agravante:

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RP 82-28.2014.6.21.0008 PROCEDÊNCIA: BENTO GONÇALVES (8ª ZONA ELEITORAL) REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL (PRE) REPRESENTADOS: COLIGAÇÃO O NOVO CAMINHO PARA O RIO GRANDE e TIAGO CHANAN

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina f

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina f TRESC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina f ACÓRDÃO N. 310 9 9 Fl. _J03 Relator: Juiz Hélio David Vieira Figueira dos Santos Recorrente: Maxiaço Distribuidor de Material de Construção LTDA. Recorrido:

Leia mais

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 1296-85. 2010.6.15.0000 - CLASSE 32 JOÃO PESSOA - PARAÍBA

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 1296-85. 2010.6.15.0000 - CLASSE 32 JOÃO PESSOA - PARAÍBA TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 1296-85. 2010.6.15.0000 - CLASSE 32 JOÃO PESSOA - PARAÍBA Relator: Ministro Aldir Passarinho Junior Agravante: TV Master

Leia mais

RECURSO ESPECIAL ELEITORAL Nº 3994017-20.2009.0.40.00 MANAUS-AM 58ª Zona Eleitoral (MANAUS)

RECURSO ESPECIAL ELEITORAL Nº 3994017-20.2009.0.40.00 MANAUS-AM 58ª Zona Eleitoral (MANAUS) RECURSO ESPECIAL ELEITORAL Nº 3994017-20.2009.0.40.00 MANAUS-AM 58ª Zona Eleitoral (MANAUS) RECORRENTE: LUIZ ALBERTO CARIJÓ DE GOSZTONYI ADVOGADOS: GABRIELA ROLLEMBERG E OUTROS RECORRIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997

DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997 DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997 Gina Copola (abril de 2.015) I - Reza o art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.504/97: Art. 73. São proibidas

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 2 9 0 9 3 Relator: Juiz Luiz Henrique Martins Portelinha Recorrente: Ministério Público Eleitoral Recorrido: Sandro Presser Vistos etc., - ELEIÇÃO 2012 - RECURSO ELEITORAL - REPRESENTAÇÃO -

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 27873 Relator: Juiz Luiz Antônio Zanini Fornerolli Recorrente: Coligação "Aliança Pela Vida" (PDT-PT-PTN-PRTB-PHS-PTC-PV-PPL- PcdoB) Recorridos: José Cláudio Caramori, Luciano José Buligon e

Leia mais

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes:

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes: 5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: 21ª, de Bambuí Recorrentes: Ministério Público Eleitoral Coligação Todos Juntos por Bambuí Recorrido: Lelis Jorge da Silva Relatora: Juíza Alice

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS Processo n.156-80.2014.6.04.0000 Classe 42 Representação por Pesquisa Eleitoral Irregular Representante: Diretório Regional do Partido do Movimento Democrático Brasileiro PMDB e Coligação Majoritária Renovação

Leia mais

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 627-96. 2010.6.27.0000 - CLASSE 32 PALMAS - TOCANTINS

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 627-96. 2010.6.27.0000 - CLASSE 32 PALMAS - TOCANTINS PUBLICADO EM SESSÃO ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 627-96. 2010.6.27.0000 - CLASSE 32 PALMAS - TOCANTINS Relator: Ministro Arnaldo Versiani Agravantes: Partido da Social Democracia

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO PROCESSO: Cta 397-85.2011.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: PARTIDO PROGRESSISTA- PP Vistos, etc. Consulta. Eleições 2012. Questionamento sobre a possibilidade da manutenção, em período

Leia mais

ACÓRDÃO. RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS.

ACÓRDÃO. RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS. Relator originário: Ministro Marcelo Ribeiro. Redator para o acórdão: Ministro Carlos

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROCESSO N.º 594-82.2012 CLASSE RE PROT. N.º

PROCESSO N.º 594-82.2012 CLASSE RE PROT. N.º PROCESSO N.º 594-82.2012 CLASSE RE PROT. N.º 146.932/2012 ASSUNTO: REPRESENTAÇÃO CONDUTA VEDADA A AGENTE PÚBLICO LIMITES DE GASTOS COM PUBLICIDADE EM ANO ELEITORAL ELEIÇÕES 2010 REPRESENTANTE: COLIGAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ RELATOR DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS. PROCESSO N. 220-95.2011.6.04.0000 - Classe 30 AUTOS:

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 28-94.2013.6.21.0041 PROCEDÊNCIA: SANTA MARIA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDOS: SILVIO BONADEU-ME E SILVIO BONADEU -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM MATO GROSSO

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM MATO GROSSO Processo nº.: 100-88.2012 Classe RE - Protocolo nº 33.449/2012 Assunto: Representação Eleitoral Divulgação de enquete sem observância das prescrições legais Sorriso/MT 43ª ZE/MT Recorrente: Wagner Zanan

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO n. 1340-97.2014.6.21.0000 REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL REPRESENTADOS: PARTIDO PROGRESSISTA, MARCO AURÉLIO FERREIRA E ANA AMÉLIA LEMOS RELATORA: DRA. LUSMARY FÁTIMA TURELLY DA SILVA

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO MANDADO DE SEGURANÇA N 4.079 - CLASSE 22 a PARANÁ. - LONDRINA Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Impetrante: Ibope Inteligência Pesquisa e Consultoria Ltda. Advogados:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 29344 Relator: Juiz Fernando Vieira Luiz Recorrente: Leonir Antonio Tesser Recorrido: Ministério Público Eleitoral - RECURSO - REPRESENTAÇÃO - DOAÇÃO ACIMA DO LIMITE LEGAL - PESSOA FÍSICA -

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: REC 2523-06.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE RECORRENTES: JULIANA BRIZOLA, COLIGAÇÃO UNIDADE DEMOCRÁTICA TRABALHISTA (PDT/DEM), GILMAR SOSSELA E MÁRCIO FERREIRA BINS ELY RECORRIDO: MINISTÉRIO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 18/11/2014 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 804.674 SÃO PAULO RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO AGTE.(S) :MUNICÍPIO DE SANTOS PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 171 Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 1ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020241390AGI Agravante(s) GOLDEN CROSS ASSISTENCIA INTERNACIONAL

Leia mais

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gah. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL N 016.2009.000727-5/ 001 RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira Filho APELANTE: Nikanora

Leia mais

í ARNALDO VERSIANI - RELATOR

í ARNALDO VERSIANI - RELATOR ri TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.306 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 1894-56.2010.6.00.0000 - CLASSE 26 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Regional

Leia mais

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; Para navegar entre as ocorrências da expressão pesquisada existem os marcadores "" em cada ocorrência: - Clicando em "" vai para a próxima

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL 2014 ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RP 2550-86.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: CAXIAS DO SUL RS (136ª ZONA ELEITORAL) REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL (PRE) REPRESENTADOS: PARTIDO DOS TRABALHADORES PT, GILBERTO JOSÉ SPIER

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 12/05/2006 18/04/2006 PRIMEIRA TURMA RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE RECORRENTE(S) : CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO - CEFET/MA ADVOGADO(A/S) : PROCURADORIA-GERAL

Leia mais

Acompanhamento processual e Push

Acompanhamento processual e Push Acompanhamento processual e Push Pesquisa Login no Push Criar usuário Obs.: Este serviço é de caráter meramente informativo, não produzindo, portanto, efeito legal. PROCESSO : RESPE Nº 7420 Recurso Especial

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO PROCESSO: RE 13-17.2013.6.21.0077 PROCEDÊNCIA: OSÓRIO RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELITORAL RECORRIDA: ANDREA SOUZA TEIXEIRA GONÇALVES Eleições 2012. Recurso Eleitoral. Representação. Doação acima do

Leia mais

BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S.A. SUPERiNTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP. PENALIDADE ORIGINAL: Multa de R$ 9.000,00.

BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S.A. SUPERiNTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP. PENALIDADE ORIGINAL: Multa de R$ 9.000,00. MINISTÉRIO DA FAZENDA -. CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 208 Sessão Recurso n 6602 RECORRENTE: RECORRIDA: BRADESCO

Leia mais

PU8L~ADO EM SESSlo ACÓRDÃO N 20.018 (17.9.2002) RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 20.018 - CLASSE 22 a - RIO GRANDE DO NORTE (Natal).

PU8L~ADO EM SESSlo ACÓRDÃO N 20.018 (17.9.2002) RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 20.018 - CLASSE 22 a - RIO GRANDE DO NORTE (Natal). PU8L~ADO EM SESSlo TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO N 20.018 (17.9.2002) RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 20.018 - CLASSE 22 a - RIO GRANDE DO NORTE (Natal). Relator: Ministro Fernando Neves. Recorrente:

Leia mais

RELATÓRIO VOTO DO RELATOR (VOTO VENCIDO)

RELATÓRIO VOTO DO RELATOR (VOTO VENCIDO) PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 07 / 12 / 2011 Fls. 24 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 04 de outubro de 2011 QUARTA CÂMARA RECURSO Nº - 41.675 ACÓRDÃO Nº 9.676

Leia mais

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 463-80. 2012.6.19.0131 - CLASSE 32 - VOLTA REDONDA - RIO DE JANEIRO

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 463-80. 2012.6.19.0131 - CLASSE 32 - VOLTA REDONDA - RIO DE JANEIRO PUBLICADO EM SESSÃO TR.IBUNAl SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 463-80. 2012.6.19.0131 - CLASSE 32 - VOLTA REDONDA - RIO DE JANEIRO Relator: Ministro Dias Toffoli

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO REF.: REPRESENTAÇÃO N.º 717/2006 CLASSE 16 REPRESENTANTE: PARTIDO DOS TRABALHADORES - PT REPRESENTADO: PARTIDO SOCIAL DA DEMOCRACIA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

Os Tribunais de Contas e a lista de gestores com contas irregulares: como eu voto?

Os Tribunais de Contas e a lista de gestores com contas irregulares: como eu voto? Os Tribunais de Contas e a lista de gestores com contas irregulares: como eu voto? Apresentação J. R. Caldas Furtado 1 A PREVISÃO CONSTITUCIONAL DA LEI DAS INELEGIBILIDADES Lei complementar estabelecerá

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EDcl no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 694.688 - SP (2005/0121691-5) RELATOR : MINISTRO FELIX FISCHER AGRAVANTE : ANELINO ANTONIO RODRIGUES ADVOGADO : HERTZ JACINTO COSTA AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Recurso Eleitoral 255-34.2012.6.13.0141 Procedência: Ituiutaba-MG (141ª ZE - Ituiutaba) Recorrente: Partido Socialismo e Liberdade - PSOL Recorridos: Paranaíba

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO EXERCIDO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS. COMPROVAÇÃO POR MEIO DE FORMULÁRIO PRÓPRIO. POSSIBILIDADE ATÉ

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Tribunal Pleno

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Tribunal Pleno fls. 1 ACÓRDÃO Classe : Direta de Inconstitucionalidade n.º 001628-1.201.8.05.0000 Foro de Origem : Foro de comarca Ubaitaba Órgão : Relator(a) : Desembargador Jatahy Júnior Requerente : Prefeito do Município

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Art. 1.º O Conselho Nacional do Trabalho, com sede na Capital da República e jurisdição em todo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos.

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos. Autos n.º 3022-48.2012.811.0007. Código nº 101526. Ação de Obrigação de Fazer. Vistos. Trata-se de ação nominada Ação Cominatória de Obrigação de Fazer com pedido expresso de tutela de urgência interposta

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.061.500 - RS (2008/0119719-3) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO CITIBANK S/A ADVOGADO : EDUARDO GRAEFF E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINA FARINA RUGA ADVOGADO : MARCOS

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.166 MATO GROSSO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000616201 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1104950-49.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelada

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.060

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.060 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.060 PROPAGANDA PARTIDÁRIA N 32 - CLASSE 27 a - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Joaquim Barbosa. Requerente: Partido Comunista do Brasil (PC do

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.322.914 - PR (2012/0097003-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADA S : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ROBERTO GETULIO MAGGI : CARLOS FREDERICO REINA COUTINHO E OUTRO(S) : SUL AMÉRICA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO N. 0042882-45.2010.4.01.3400/DF

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO N. 0042882-45.2010.4.01.3400/DF (ZæHÂ141R0) PODER JUDICIÁRIO RELATOR(A) : DESEMBARGADOR FEDERAL JIRAIR ARAM MEGUERIAN APELANTE : AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA - ANVISA PROCURADOR : ADRIANA MAIA VENTURINI APELADO : ASSOCIACAO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 08/03/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 14/02/2012 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 656.709 RIO GRANDE DO SUL RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S)

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

19/08/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. ROBERTO BARROSO ÓLEOS LTDA QUEIROZ E OUTRO(A/S)

19/08/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. ROBERTO BARROSO ÓLEOS LTDA QUEIROZ E OUTRO(A/S) Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 19/08/2014 PRIMEIRA TURMA EMB.DECL. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 628.848 RIO GRANDE DO SUL RELATOR EMBTE.(S) ADV.(A/S) EMBDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

*02099563* k. ", ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. *"* APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da" Comarca de.

*02099563* k. , ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. ** APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da Comarca de. 1 PODER jydiciario TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Ç - - ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA Q - -. ACÓRDÃO"' REGISTRADO(A)SOBNo S ' i imin mu mil um mu mil uni um mi mi I '

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 20/07/2010 Fls. 08 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 08 de dezembro de 2009 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 36.007 (26.807) ACÓRDÃO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 16/04/2013 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 667.692 SÃO PAULO RELATOR : MIN. RICARDO LEWANDOWSKI AGTE.(S) :SUDARCY SANSAO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000450602 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0112846-73.2008.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante COMPANHIA MULLER DE BEBIDAS, são apelados

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho , 1. " ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO. APELAÇÃO CÍVEL N 076.2005.000115-5/001 Comarca de Gurinhém RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS R E L A T Ó R I O Consta que contra a autuada acima qualificada, foi lavrado o Auto de Infração n 415/2010 1ª URT, onde se denuncia: I) Saída de mercadoria desacompanhada de nota fiscal, apurada através

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RP 1946-28.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE REPRESENTADO: FACEBOOK SERVIÇOS ONLINE DO BRASIL LTDA. REPRESENTANTE: DANIEL LUIZ BORDIGNON JUIZ AUXILIAR: DES. FEDERAL OTAVIO ROBERTO PAMPLONA

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 89.397 - PE (1996/0012337-3) RELATOR : MINISTRO HAMILTON CARVALHIDO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : JOSEMAR DE OLIVEIRA SANTOS NEVES E OUTROS RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 28003 INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL - 97* ZONA ELEITORAL - ITAJAÍ Relatora: Juíza Bárbara Lebarbenchon Moura Thomaselli Recorrentes: Coligação "Unidos Pelo Futuro de Itajaí" (PP-PDT-PTB-PMDB-PSC-

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.127 - SP (2008/0220476-5) RECORRENTE RECORRIDO REPR. POR : AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL LTDA : MARIA CAROLINA SULETRONI E OUTRO(S) : SÉRGIO MELONE OLGAS - ESPÓLIO : NIVEA

Leia mais