A HISTÓRIA DA PROFISSÃO DOCENTE NA PRODUÇÃO ACADÊMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A HISTÓRIA DA PROFISSÃO DOCENTE NA PRODUÇÃO ACADÊMICA"

Transcrição

1 A HISTÓRIA DA PROFISSÃO DOCENTE NA PRODUÇÃO ACADÊMICA Alessandra Andrade das Neves/USP INTRODUÇÃO REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO: APROXIMAÇÕES A UMA TRAJETÓRIA Este trabalho apresenta um estudo dos periódicos pedagógicos Revista da Faculdade de Educação e Educação e Pesquisa, órgãos oficiais da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. A escolha dessas revistas partiu de um exame preliminar que levou em conta sua relevância para o campo educacional. Relevância essa justificada pela constatação de que tais materiais apresentam-se como fontes divulgadoras de estudos científicos em educação que foram e ainda o são, no caso de Educação e Pesquisa feitos por especialistas brasileiros, muito embora verifique-se a participação de alguns pesquisadores estrangeiros na composição dos corpus textuais e em algumas das comissões editoriais 1 dessas produções. Outro critério orientador da escolha feita consiste no caráter regular da periodicidade das publicações, elemento que evidencia verdadeiros ciclos de vida, possibilitando estudos sistemáticos pautados, sobretudo, nesses registros pedagógicos, isto é, permitindo tê-los como fontes primárias de forte presença nas investigações desenvolvidas numa dimensão histórica. A análise empreendida nessa oportunidade contempla todo o período de existência dos periódicos selecionados: da criação da Revista da Faculdade de Educação em 1975 ao fim de sua trajetória em 1998, quando dá lugar à revista Educação e Pesquisa, que passa a substituí-la a partir de então. Educação e Pesquisa lança o seu primeiro número no ano seguinte e está em vigor nos dias atuais. Assim, o exame das revistas abarca 29 anos de publicação, sendo 23 referentes à Revista da Faculdade de Educação e 05 à Educação e Pesquisa, fazendo com que, como é de se esperar, tenhamos nos detido muito mais nos materiais provenientes da Revista da Faculdade de Educação do que nos do recente periódico que a sucede. Isso corresponde a um total de 30 volumes e de 56 números, dos quais, 45 dizem respeito à Revista da Faculdade de Educação e apenas 11 à Educação e Pesquisa. A periodicidade da Revista da Faculdade de Educação varia entre anual e 1 Na verdade, Educação e Pesquisa conta, desde sua criação (1999), com o apoio de estrangeiros na comissão editorial, ao passo que a Revista da Faculdade de Educação permanece muito tempo (desde seu início em 1975) sob a responsabilidade exclusiva de colaboradores vinculados à Universidade de São Paulo, sobretudo, à própria Faculdade de Educação. Somente a partir da década de noventa é que estrangeiros, bem como pesquisadores do Brasil não institucionalmente ligados à referida Universidade, passam a atuar na edição da revista juntamente com os membros locais.

2 semestral, mesmo assim, em apenas quatro ocasiões 2 publicou apenas um número por ano. Na maioria dos casos, dois números foram editados anualmente. Educação e Pesquisa, por sua vez, desde o seu início tem se caracterizado como publicação semestral. Na investigação desenvolvida, o objetivo central foi o de estudar uma parcela da produção acadêmica nacional aquela encontrada nas revistas pedagógicas eleitas, como se sabe. O objeto privilegiado em tal produção foi a profissão docente brasileira em perspectiva histórica. O período compreendido entre os fins do século XIX e as primeiras décadas do século XX corresponde à circunscrição temporal que se quis demarcar, haja vista a expansão da escola pública e o período de entusiasmo que se seguiu (CARVALHO, 1998; CATANI, 1989; NAGLE, 1978). Dessa forma, o estudo adotou, como procedimento metodológico de pesquisa, um recorte no material disponível a fim de reunir para análise somente os artigos relativos ao objeto e ao período especificado. O exame efetuado nos textos selecionados buscou apreender informações e representações sobre os agentes educacionais, as práticas de ensino, os espaços de formação e os de contestação, resistência e reivindicação, com a finalidade de traçar as principais preocupações e movimentos presentes na história da profissão docente do Brasil e nas ponderações trazidas pela Revista da Faculdade de Educação e por Educação e Pesquisa. As reflexões de Roger Chartier (CHARTIER, 2001; CHARTIER, 1988) em relação às representações foram o principal suporte teórico-metodológico dessa investigação. Dentre as conclusões, destaca-se um movimento de consolidação das análises em torno da questão, pois essas evoluem de específicas para unificadoras dos aspectos relativos ao magistério (formação, carreira, salário, entre outros). No entanto, não encontramos muitos artigos dedicados ao período que consideramos pertinente examinar, assim, expandimos um pouco as nossas fronteiras, levando em conta, também, a profissão docente nos anos de publicação das fontes. Decisão que foi alentada, em grande medida, pelas seguintes palavras de Elza Nadai: (...)... a História nos define muito mais os problemas com os quais o historiador se depara, do que aqueles que pretende investigar 3. REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO: ANTES E DEPOIS O periódico institucional da FEUSP não teve início com a denominação Revista da Faculdade de Educação, mas com a alcunha Revista de Pedagogia, sendo que nos dias 2 A Revista da Faculdade de Educação publicou somente um número por ano, apenas, em 1975, 1977, 1978 e Revista da Faculdade de Educação,v.15,no.2, 1989,p.155.

3 atuais persiste sob a designação Educação e Pesquisa, como já pontuamos. No entanto, como é de se esperar, a multiplicidade de nomes não se dá em vão. Representa diferentes fases. Com isso em vista, mais uma vez justificamos a nossa opção por privilegiar uma das etapas constituintes da trajetória do órgão impresso da FEUSP, isto é, a própria Revista da Faculdade de Educação, cuja periodização caracteriza-se como a de maior duração até o momento. De qualquer modo, julgamos oportuno dizer algumas poucas palavras tanto a respeito do que precede quanto em torno do que sucede tal impresso como se sabe, a Revista de Pedagogia e a revista Educação e Pesquisa, respectivamente. Conforme texto introdutório do Índice de 1975 a 1995, da Revista da Faculdade de Educação, escrito por Márcia Regina Franguelli, membro da Comissão de Publicações da Revista, compreender o surgimento da mesma depende da recuperação de um pouco da história da própria instituição que a publica. Assim, consideramos pertinente transcrever a pequena incursão histórica feita por Franguelli, posto que essa bem sintetiza o que buscamos mostrar: Em 1920 foi criada a Faculdade de Educação, que não chegou a funcionar. Pelo dispositivo da Lei 1750, de 08/12/1920, (...) A Faculdade de Educação publicará nos termos em que a Congregação resolver, uma Revista de cultura geral (...). Assim sendo, uma revista deveria ser publicada, mas como a Faculdade não saiu do papel, a Revista também não. O Instituto de Educação foi instalado em 1933, e no ano seguinte, foi incorporado à Universidade de São Paulo. Em 1938, o Instituto foi transformado na Seção de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade FFCL/USP, e posteriormente no Departamento de Educação. Essa Faculdade publicava a Revista de Pedagogia, com a finalidade de (...) a) Ser elemento de ligação entre a Faculdade e seus ex-alunos; b) ser órgão de informação e de atualização de professores não formados pela Faculdade e de seus ex-alunos; c) divulgar conhecimento educacional útil (...), buscando uma melhoria do ensino. O primeiro número dessa Revista foi publicado em 1955, com vários artigos e resenhas de livros, e o último número foi publicado em 1967, com o n.23 (p.09). A propósito da Revista de Pedagogia, José Augusto Dias, em depoimento também constante do Índice de 1975 a 1995, da Revista da Faculdade de Educação, ressalta a existência de problemas financeiros que possivelmente a teria levado à exigüidade: (...)... a revista vivia com extrema dificuldade e sobreviveu graças à abnegação dos professores da cadeira de Didática. Não sei precisar a razão de seu desaparecimento em 1967, mas imagino que a principal causa deve ter sido de natureza econômica (...) (p.13). Assim, ainda de acordo com Dias, muitos trabalhos de docentes do Departamento de Educação eram publicados em Boletins e Cadernos (p.13). A título de informação, mencionamos também outros periódicos pedagógicos em que os docentes do Departamento de Pedagogia publicavam trabalhos: Pesquisa e Planejamento e Estudos e Documentos. Tais impressos eram do Centro Regional de Pesquisas Educacionais Prof.

4 Queiroz Filho CRPE/SP, mantido pelo INEP, que funcionava no mesmo prédio do Departamento de Pedagogia FFCL/USP, na Cidade Universitária. Destinavam-se à divulgação de atividades e pesquisas realizadas por esse órgão. Pesquisa e Planejamento foi publicada de 1957 até 1975 (número 17), ao passo que Estudos e Documentos continua em atividade nos dias atuais, embora como publicação da FEUSP e não mais do CRPE/SP, uma vez que esse foi extinto em 1973 deixando seus bens para a unidade universitária, ou seja, Pesquisa e Planejamento e Estudos e Documentos passaram a ser periódicos da Faculdade de Educação. Por sua vez, a revista da FEUSP que vigora em nossos dias, Educação e Pesquisa, surge em 1999 com o volume 25, dando evidente continuidade à Revista da Faculdade de Educação, interrompida no volume 24, conforme assinalamos. Todavia, se Educação e Pesquisa demarca uma fase é porque deixa de ser apenas um espaço destinado à publicação de trabalhos docentes da FEUSP para expandir-se enquanto meio de divulgação da produção científica de pesquisadores não necessariamente atrelados à instituição, inclusive, muitos estrangeiros. Na realidade, como se destaca no Editorial do primeiro número de Educação e Pesquisa em relação à revista que a antecede, desde 1996 inicia-se uma inflexão no sentido de publicar uma maior proporção de artigos de autores externos à Faculdade de Educação, com significativa participação de autores estrangeiros (p.07). Tal abertura fez com que a Revista da Faculdade de Educação entrasse em um novo momento. Daí a sua extinção para dar lugar à Educação e Pesquisa. REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO: A QUE VEIO? Uma das funções da Revista da Faculdade de Educação, de acordo com a Apresentação constante de seu primeiro número, incide na prestação de serviços à comunidade através da divulgação dos estudos e investigações desta unidade universitária (FEUSP), oferecidos à apreciação dos interessados nas atividades pertinentes à educação em geral e ao ensino em particular (p.07). Com esta declaração tem-se a idéia de que a Revista dedica-se ao público mais amplo, isto é, tanto o leigo quanto o especializado, afinal, interessados em educação não parece sugerir nenhuma espécie de distinção entre os leitores a quem se destina 4. No entanto, ao dar prosseguimento à leitura do texto, 4 Problematizamos essa questão relativa ao público, porque, conforme se poderá verificar em tópicos vindouros, as questões da democratização e da participação popular na educação serão freqüentemente conclamadas a partir do término do regime autoritário. Antes, porém, época em que a Revista era lançada e em que expunha as funções a que se dedicava, como se pode supor, tal apelo não era feito, ficando evidente a restrição da Revista a poucos entendidos em assuntos educacionais. De qualquer modo, vale destacar que mesmo nos tempos de abertura política, apesar de propor reiteradamente uma maior interlocução entre

5 percebe-se o quão dirigido é o periódico a leitores do meio escolar ou acadêmico. Aí é que outras funções da Revista ficam evidentes: a publicação de trabalhos como elemento essencial da carreira universitária na qual os docentes estariam naturalmente empenhados, conforme a especialização a que se vinculariam 5 ; e, a apreciação crítica de interessados nas respectivas especializações (p.07). Entretanto a utilização do termo naturalmente naquilo que faz referência ao empenho dos professores da Faculdade de Educação, a nosso ver, traz outras conotações. Entendemos que a terminação sugere algo de sublime às ações que qualifica. É como se os docentes da FEUSP estivessem destinados a não ser mais que subservientes da instituição por uma razão que transcenderia explicações terrenas, como se estivessem em constante dívida pela grandiosidade que a unidade universitária a eles consagraria ao acolhê-los em seus recantos de ensino e de pesquisa. Trata-se de uma função que sem ser mencionada de maneira explícita, acaba sendo sempre desempenhada de forma bastante eficaz em diversos textos da Revista: a glorificação à instituição a que pertence e aos membros que dela fazem parte, ou, quiçá, que dela são partes integrantes. Com o intuito de justificar a que veio o novo periódico, Querino Ribeiro, diretor da FEUSP à época do lançamento da Revista, não deixa de afirmar o alto nível das produções docentes que, no limite, traduz a imponência da instituição: (...)... como tem sido intensa e constante a procura de nossos docentes para informar, esclarecer, ou simplesmente opinar a respeito dos assuntos de suas respectivas competências e, por outro lado, têm sido igualmente intensa e constante a produção de trabalhos de bom nível e de oportunidade, neste momento em que o problema da educação preocupa tanto governos e governados, a Faculdade acredita que não terá de enfrentar os mais difíceis óbices à manutenção de um periódico de nível e responsabilidade de sua Revista (...) (p.07-08). Introduzida tal questão, passemos agora a ilustrá-la melhor com outros exemplos ou situações que os textos da Revista da Faculdade de Educação nos oferecem. comunidades escolares (em especial pais de alunos) e educadores o periódico da Faculdade de Educação não revela nenhuma preocupação/ interesse em dialogar diretamente com tais comunidades. 5 Apesar de ser dedicada especialmente à publicação de artigos dos docentes da instituição, a Revista da Faculdade de Educação também acolhe textos de pesquisadores de outras instituições, dentro os quais, se destacam, por exemplo, traduções e transcrições de capítulos de livros. A seção Propostas é inaugurada com vistas à divulgação dos feitos da FEUSP em uma dimensão que extrapola a Universidade. Nesse sentido, apresenta a participação da instituição nos trabalhos do seminário de Reformulação dos Cursos de Formação de Recursos Humanos para a Educação, promovido pelo MEC, em âmbito nacional, mediante trabalhos resultantes das discussões, em nível de Universidade, nas duas primeiras etapas do seminário (1982 e 1983). Vale ressaltar que dentre os três textos que integram esta seção do volume 9 (1983), há um elaborado por alunos da instituição através do Centro Acadêmico Paulo Freire, órgão destinado justamente ao setor estudantil. Os outros trabalhos, por sua vez, foram produzidos por uma equipe de docentes da FEUSP. Era a primeira vez os estudantes do instituto ocupavam um lugar ativo no periódico da instituição.

6 REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO: PÁGINAS DE EXALTAÇÃO E MEMÓRIA A Revista da Faculdade de Educação constitui como é de se esperar de uma publicação oficial um meio de exaltação tanto da instituição criadora em si quanto das ditas pessoas notáveis que figuram na história dessa instituição. Assim, já nas páginas que iniciam o primeiro número da Revista, por exemplo, encontram-se, antes mesmo da Apresentação do periódico, uma fotografia e um texto em homenagem ao Professor Laerte Ramos de Carvalho, Primeiro Diretor da FEUSP, cuja breve gestão no início da década de 70 ( ) é tida pelo periódico como plena. A descrição detalhada da trajetória aparentemente ilustre do Professor Carvalho deixa a impressão de que para além da glorificação à vida de um homem está o registro do perfil daqueles que personificam a própria Faculdade de Educação: A vida do Professor Laerte foi muito breve. Breve e plena. Licenciou-se em Filosofia na antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, e, com pouco mais de trinta anos, alcançou por concurso a Cátedra de História e Filosofia da Educação da escola em que se formara. E, antes que completasse cinqüenta anos, foi Diretor do Centro Regional de Pesquisas Educacionais em São Paulo, Reitor da Universidade de Brasília e Diretor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, além de ter exercido uma ativa atuação docente e jornalística. Todavia, não transitou pelos cargos e funções na quietude cômoda dos que amam o usufruto de privilégios eventuais (...) Em todas as atividades que exerceu, o Professor Laerte foi sobretudo um educador. Não simplesmente pelas aulas que ministrou ou pelas suas reflexões e escritos sobre educação, mas pela força educativa de sua presença. Um dia, ainda muito jovem, num discurso como orador de turma, ele disse: o trabalho é o imediato exercício da personalidade (...) (p.05). Constatamos um certo exagero nessa homenagem feita ao Professor Laerte, não no sentido de sua contribuição à área educacional, mas no tratamento excessivamente moralizante atribuído à sua trajetória. Em outras palavras, ao levarmos em conta as observações contidas no documentário Barra 68 pra não perder a ternura, de Vladimir Carvalho (2000), podemos perceber que a atuação do Professor Laerte enquanto reitor da Universidade de Brasília era bastante ausente, já que constantemente se negava a discutir reivindicações estudantis durante o acirramento da repressão do regime militar. Mais que isso, talvez se possa dizer que durante os tempos em que ocupou a reitoria da UnB, seu comportamento chegou a ser mesmo negligente, afinal, no referido filme existem depoimentos que categoricamente denunciam o cotidiano do Professor mergulhado em um estado quase que permanente de embriaguez alcoólica. No artigo Sobre a instituição de Estudos de Educação Especial na Universidade de São Paulo, Elsa Lima Gonçalves Antunha e Heládio César Gonçalves Antunha, propõem

7 a instituição de currículos de habilitação em educação especial no curso de graduação em Pedagogia a partir de estudo realizado no início da década de 70 a pedido do Professor Laerte Ramos de Carvalho. Os autores, além de seu testemunho, não deixam de transmitir palavras de primor ao Professor Laerte, o que, para nós, constitui senão outro exemplo de apreço à instituição por meio do reconhecimento daqueles que seriam pessoas ilustres para a Faculdade de Educação. Passamos à citação de trecho condizente com o que temos questionado: (...) Logo após a fundação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, ou seja, nos inícios de 1970, fomos solicitados por seu Diretor, o Dr. Laerte Ramos de Carvalho, a estudar o problema da implantação, nessa Escola, dos estudos sobre a educação de excepcionais. Viemos, pois, desde esse momento, procurando examinar o assunto com a seriedade que o mesmo requer, sob a liderança esclarecida e estimulante do saudoso Diretor da FEUSP. O seu falecimento, embora tenha sido um rude golpe para todos os que com ele conviveram e tenha privado a FEUSP de sua orientação segura e entusiasta, obrigou a esta instituição, por outro lado, ao compromisso de continuar a perseguir as metas que ele se havia proposto e a prosseguir sua obra também nesse campo (p. 28). Heladio César Gonçalves Antunha, em seu artigo As origens da Faculdade de Educação da USP: a introdução dos estudos pedagógicos de nível superior no Estado de São Paulo, também procura exaltar, mesmo sem o dizer abertamente, a importância da instituição como corporificação de grandes nomes, não obstante esta tenha sido instituída apenas cinco anos antes da publicação do referido texto: A Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, como unidade universitária integrada na estrutura da Universidade de São Paulo, é uma instituição de recente criação, embora suas raízes se estendam por um passado histórico bastante longo que, nos seus inícios, se confunde com a própria criação do sistema público do ensino mantido pelo governo paulista. Na verdade, à Faculdade de Educação, ou às instituições de que é a legítima sucessora, têm estado vinculadas direta e indiretamente, algumas das mais importantes personalidades paulistas ligadas aos estudos, às pesquisas e às iniciativas e atividades educacionais (p.25). Na verdade, com essas palavras, Antunha argumenta que entre as primeiras regulamentações/ dispositivos legais 6 para a instalação de centros de aperfeiçoamento para o magistério, a faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (criada em 1934) e a atual 6 O autor se reporta, em especial, à Reforma de Sampaio Dória (Lei no. 1750, de 1920) e ao Decreto no. 3356, de maio de 1921, no que tange à implantação de uma Escola de Altos Estudos Pedagógicos em São Paulo, embora essa escola não tenha chegado a instalar-se de fato, criou-se pela Lei 1750 uma Faculdade de Educação com o objetivo de desenvolver altos estudos no campo da educação, da filosofia e das artes e de preparar pessoal de alto nível para as tarefas da educação (ANTUNHA, H.C.G., v.1,no.1,1975,p.25). Por seu turno, Elza Nadai em O projeto republicano de educação superior e a Universidade de São Paulo, afirma que uma proposta de Ensino superior para o Brasil surgiu nos inícios da república, para ser concretizada em São Paulo como fruto de discussão entre os membros da burguesia cafeeira, tendo sua consolidação com a criação da Universidade de São Paulo em 1934 (NADAI, E.,v.8,no.2,1982).

8 Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, haveria uma evidente continuidade histórica: (...) a Faculdade de Educação que, herdeira de todo esse passado e contando, pois, com uma extraordinária tradição de estudos e de pesquisas, já nascia amadurecida e pronta para exercer, em novas bases, as funções de liderança universitária que lhe cabem (...) (p.41). O artigo Para uma História da Educação Brasileira: perspectivas duma pesquisa histórico pedagógica (A propósito de um novo acervo documental), do Professor Francisco da Gama Caieiro, denuncia o desconhecimento de acervos por parte de pesquisadores da área de História da Educação, além de revelar o quão pequena tivera sido a circulação bibliográfica entre bibliotecas e arquivos sobretudo de Portugal para o Brasil. Ele destaca, com certa veemência, a incorporação de novo fundo, na Seção de Documentação e Informação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, constituído por reproduções fotográficas de documentos inéditos e de impressos de extrema raridade, com interesse para uma história das Idéias e da Educação no Brasil (p ). Com isso, mais que o simples relato do fato, Caieiro sugere o pioneirismo da FEUSP em relação à organização documental e ao avanço nas pesquisas históricopedagógicas. Aliás, não nos parece ser por acaso que o autor encerra seu artigo com as seguintes linhas: Assim, com o material ora coletado que se repute de invulgar importância à luz da História da Inteligência Brasileira se pretendeu, como intenção precípua (a cuja custódia foi confiada a documentação em apreço) dum acervo arquivístico que permita àquela atingir mais perfeitamente sua finalidade pedagógica, com vista à melhoria das condições de pesquisa e a facilitar a preparação de trabalhos acadêmicos originais na carreira docente, nomeadamente teses de Mestrado e Doutorado (p. 61). Todos esses casos, como temos insistido, constituem formas de enobrecer a Faculdade de Educação. Em se tratando particularmente daqueles que se reportam ao Professor Laerte Ramos de Carvalho, entendemos que o uso da memória ali se apresenta não apenas como necessidade de enaltecimento à Faculdade de Educação, mas como um dos olhares possíveis que embora não correspondam fielmente à realidade, não deixam, contudo, de evidenciá-la, haja vista o fato de que a mimetizam, como diria Auerback (1971), ainda que produzam o ocultamento de certos aspectos (e não fatos concretos) ou uma nostalgia quase que desenfreada de tempos, lugares ou pessoas que em verdade não existiram, quando só as lembranças positivas ficaram graças ao apagamento das eventuais recordações indesejáveis, como denuncia Michael Pollak (1989) no artigo

9 Memória, esquecimento, silêncio. Parece que às vezes dispomos da memória na medida em que queremos... REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO: TEXTOS EM CONTEXTO... O periódico pedagógico da FEUSP não obstante a propaganda institucional que veicula, não deixa de sofrer restrições, por conta de males financeiros, em alguns momentos de seu ciclo de vida. Ao se realizar uma breve incursão na sua história, verifica-se, em certos períodos, uma aglomeração de páginas ora bastante avultada, ora extremamente reduzida, quando não ocorre a ausência da publicação. Esses fatores referentes à materialidade do impresso, como nos ensina Roger Chartier (1988), são para nós indícios, assim como definiria Carlo Ginzburg (1987), vestígios indiretos que embora não necessariamente traduzam agruras orçamentárias, estabelecem-se, para nós, como pistas que nos permitem levantar tal hipótese, aliás, a ser afirmada, senão confirmada, por depoimento presente no Índice de 1975 a 1995 da Revista da Faculdade de Educação, feito pelo Professor João Teodoro d Olim Marote, membro da Comissão de Publicações entre 1984 e 1989: Na época, a quantidade de artigos encaminhados à Comissão variava muito. Quando tínhamos dinheiro para publicar, não havia artigos ou, quando tínhamos artigos, não havia dinheiro. Havia outra variante, artigos muito fracos, com muitos erros de português. Para as redações ruins costumava-se devolver o texto ao autor, para que ele fizesse uma auto-correção. Isso nem sempre dava certo. Se quisesse publicar o trabalho, a própria Comissão é que tinha que corrigi-lo (p.16). Também os volumes de 1986 (número duplo) e 1989 (número 01) trazem outras informações que nos fazem compreender ainda mais a situação calamitosa em que as revistas de ensino e outros periódicos pedagógicos estariam diretamente envolvidos. Estamos a nos referir aqui aos relatórios conclusivos do II e III Encontros de Revistas Brasileiras de Educação que revelam densas dificuldades sobretudo para a sobrevivência e circulação dos periódicos. No mais, o quadro histórico das décadas de 80 e 90 revela a perpetuação de discussões sobretudo relacionadas à qualidade do ensino (supostamente perdida com a democratização do acesso às escolas) e à participação popular no processo educativo, bem como à docente em âmbito político-educacional 7. 7 O Documento preliminar para reorientação das atividades da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (R.Fac.Educ,v.10,no.1,1984) e o texto Obstáculos institucionais à democratização do Ensino em São Paulo (R.Fac.Educ,v.10,no.1,1984), do Professor José Mário pires Azanha, bem exemplificam isso.

10 Em Alain ou a Pedagogia da Dificuldade, por exemplo, José Mário Pires Azanha, Professor do Departamento de Filosofia da Educação e Ciências da Educação da FEUSP, ao defender concepções didáticas de Alain e de H. Arendt, critica a má qualidade do ensino da escola atual atribuída, entre outras hipóteses ao uso de tecnologia educacionais que se pretendem científicas (p. 09), bem como as idéias de integração lar-escola, criatividade e ensino recreativo, aludindo à perda da autoridade docente em favor de concepções educacionais que prestigiam a autonomia infantil. Já em Democratização do ensino: vicissitudes da idéia no ensino paulista, o mesmo autor distingue entre a propaganda e a ação democratizadora (p.93), atendo-se ao exame da segunda. Neste sentido, analisa alguns esforços de democratização do ensino do Estado de São Paulo, através dos seguintes episódios: Reforma Sampaio Dória (1920); expansão da matrícula no ensino ginasial ( ) e tentativa de renovação pedagógica proposta pelos Ginásios Vocacionais, concluindo que não se democratiza uma instituição pública como a escola sem que ela alcance a todos. Esta trivialidade do credo democrático em educação, tão facilmente aceita no plano teórico, parece que causa repugnância na prática porque exaspera a sensibilidade pedagógica dos especialistas preocupados com a qualidade do ensino (...) (p. 98). Todos esses textos se referem senão à mesma discussão, a democratização. Ao que pudemos verificar, após o fim da ditadura e o término da violenta repressão que continha, em certa medida, os apelos reivindicatórios pela melhoria das condições educacionais como um todo e, em particular, por aquelas condições referentes ao trabalho docente foram retomados com bastante intensidade. Nos anos iniciais da Revista da Faculdade de Educação, há textos nitidamente descaracterizados de um tratamento tão crítico quanto o que permeia, por exemplo, os primeiros anos da década de 80. Há nos anos 70, em vez disso, uma espécie de apatia nos textos que, não raro dedicam-se a temáticas que, pelo menos em termos cronológicos, tendem a se distanciar da realidade que se vive no momento, ou, em outra perspectiva, há textos dedicados a metodologias e a orientações tecnicistas, conforme o que requer a Lei de Diretrizes e Bases (Lei 5692/71), ainda que, posteriormente, tais orientações venham a ser questionadas por diversos autores, destacando-se o Professor José Mário Pires Azanha, que à época ocupava cargo no Conselho Estadual de Educação de São Paulo. REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO: RETRATOS DA DOCÊNCIA

11 O que procuramos ressaltar nesse tópico diz respeito, sobretudo, às representações como diria Roger Chartier (1988) de professor encontradas nas leituras que fizemos das páginas da Revista da Faculdade de Educação. Há artigos da Revista que claramente revelam a concepção de docência comum à grande parte dos textos publicados: profissão como sinônimo de missão, muito embora existam outros críticos a essa visão. Em conferência 8 pronunciada em aos alunos do Curso de Introdução à Educação Especial, da FEUSP, Miguel Reale valoriza as generalidades em detrimento das especialidades, ressaltando, justamente, o entendimento do magistério como algo superior, isto é, que deve ultrapassar o caráter profissional ou para ele limitado, que, por vezes, seria inerente às práticas docentes. O autor destaca que o mestre deve ser realmente habilitado ao exercício completo de sua profissão ou, por melhor dizer, de sua missão (p.13). Ainda em suas considerações, Miguel Reale admite ser um professor que, por natural vocação, não podia deixar de ter interesse permanente pelos problemas educacionais (p.13). Ora! O uso desse vocabulário sacerdotal missão, natural vocação, entre outros exemplos que poderiam ser citados se faz significativo na medida em que aponta para o desapego à remuneração em nome do amor à profissão, amor desmedido que supõe o enfrentamento de qualquer dificuldade para além do apreço ao que é material, afinal, partindo dessa compreensão acerca do magistério, é preciso dar-se integralmente sem esperar recompensas concretas, isto é, pecuniárias. A nobreza da profissão deve fazer o professor contentar-se com os avanços discentes conseguidos graças à dedicação concedida pelo verdadeiro magistério ao alunado (NADAI, 1991). Saber que discursos dessa natureza já existiam no advento da República, quando eram recorrentes os apelos à benevolência do professorado em nome de uma suposta salvação nacional que do magistério dependeria (NADAI, 1991; NUNES, 2000; NAGLE, 1976; NAGLE, 1978; CATANI, 2000; CATANI, 1989), e que, várias décadas depois, pelo que se pôde constatar com o estudo fizemos acerca da Revista da Faculdade de Educação, tais falas ainda persistiram, nos impressiona sobremaneira... A propósito do que temos enfatizado e, ao mesmo tempo, trazendo a este ensaio questões relativas à História da Profissão Docente no Brasil entre os fins do século XIX e as décadas iniciais do século subseqüente, assinalamos o artigo Produção Didática e Programas de Ensino das Escolas Paulistanas nas Primeiras Décadas do Século XX 8 Conferência reproduzida no v.01 da Revista, com base em gravação, sob o título A Educação Especial.

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Revista EDUCAÇÃO E PESQUISA 10 ANOS REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 35 ANOS

Revista EDUCAÇÃO E PESQUISA 10 ANOS REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 35 ANOS Revista EDUCAÇÃO E PESQUISA 10 ANOS REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 35 ANOS Sonia Teresinha de Sousa Penin Maria Cecilia Cortez Christiano de Souza Universidade de São Paulo A Revista da Faculdade de

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Resumo SILVA, Amanda Oech 1 - UEL Grupo de Trabalho: História da Educação Agência Financiadora: não

Leia mais

Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos

Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos ESTER BUFFA ANOS DE CHUMBO NA EDUCAÇÃO Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos Anos de Chumbo, época do endurecimento da repressão da ditadura militar,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 O curso de História da Universidade Federal

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Instituto Superior de Economia e Gestão Faz -se saber que, perante o Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (adiante designado por Instituto),

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Dirce Pacheco e Zan O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA DIRCE PACHECO E ZAN * este texto, apresento algumas reflexões sobre o estágio em cursos de licenciatura, em especial, no direcionado

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES GUEDES, Shirlei Terezinha Roman 1 SCHELBAUER, Analete Regina 2 A proposta deste texto é compartilhar algumas idéias a título de primeiros

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA FAUSTINO, Aline de Lima¹ UEPB. NASCIMENTO, Nilton Ronni Cândido do² UEPB. SILVEIRA, Alessandro Frederico da³ UEPB. Resumo

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA

RELATÓRIO DO ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA ESTÁGIO PRELIMINAR NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA ALEXANDRA CODA HELENA CANCELA CATTANI RAFAEL

Leia mais

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA.

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. Luciane C. G. Ribeiro 1, Fátima Maria Neves 2, UEM/PR Eixo temático nº 2 - História da profissão docente e das instituições escolares

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO

O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO LEANDRA PAULISTA DE CARVALHO * Silma do Carmo Nunes ** Resumo: A Inspeção Escolar é uma função que merece especial atenção no cenário da educação brasileira.

Leia mais

Quem foi Carlos Corrêa Mascaro?

Quem foi Carlos Corrêa Mascaro? Associação Nacional de Política e Administração da Educação Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Asa Norte, Brasília, DF 70904-970 Quem foi Carlos Corrêa Mascaro? Por João Gualberto de Carvalho

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

DANIEL, Leziany Silveira 1 - UFPR. Grupo de Trabalho - História da Educação Agência Financiadora: não contou com financiamento.

DANIEL, Leziany Silveira 1 - UFPR. Grupo de Trabalho - História da Educação Agência Financiadora: não contou com financiamento. O CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPR: UM POUCO DE SUA HISTÓRIA MEDIANTE A PRESENÇA DE SEUS PARANINFOS NAS CERIMÔNIAS DE COLAÇÃO DE GRAU NAS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS Resumo DANIEL, Leziany Silveira 1 - UFPR Grupo de

Leia mais

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Equipe responsável: PROGRAD - Coordenadoria de Desenvolvimento do Ensino de Graduação GVR - Coordenadoria de Apoio Pedagógico CAP E-mail: pedagogiauniversitária@unipampa.edu.br

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Márcia Barbosa Soczek 1 Este texto tem como referência básica os documentos oficiais que orientaram a implantação das políticas

Leia mais

O que são e quais os objetivos dos PCNs

O que são e quais os objetivos dos PCNs Arte e Música Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais Hugo Ribeiro O que são e quais os objetivos dos PCNs Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) encontram-se entre os documentos oficiais elaborados

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

CAPES E CNPQ: AGÊNCIAS DE FOMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA

CAPES E CNPQ: AGÊNCIAS DE FOMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA CAPES E CNPQ: AGÊNCIAS DE FOMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA Samara Maria Viana da Silva UFPI samaraviana85@hotmail.com Maria do Amparo Borges Ferro UFPI amparoferro@uol.com.br RESUMO

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP I.) Histórico da criação do curso A proposta de criação de uma nova

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES E OS ESCRITOS DOS PROFESSORES E ALUNOS DAS ESCOLAS NORMAIS NOS PERIÓDICOS EXCELSIOR!

AS ASSOCIAÇÕES E OS ESCRITOS DOS PROFESSORES E ALUNOS DAS ESCOLAS NORMAIS NOS PERIÓDICOS EXCELSIOR! AS ASSOCIAÇÕES E OS ESCRITOS DOS PROFESSORES E ALUNOS DAS ESCOLAS NORMAIS NOS PERIÓDICOS EXCELSIOR! (1911-1939) E O ALVORECER (1912-1914): APROPRIAÇÃO E REPRESENTAÇÃO SERRA, Áurea Esteves UNESP Marilia/SP

Leia mais

PIBID NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: ABORDAGENS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

PIBID NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: ABORDAGENS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PIBID NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: ABORDAGENS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NESTOR BERTINI JUNIOR Trabalho Docente, Formação de Professores e Políticas Educacionais - Doutorando Orientadora: Profª Dra. ROSELI

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/03/2006. Portaria MEC nº 772, publicada no Diário Oficial da União de 24/03/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA Maria Cecilia Bueno Fischer 1 Fabiane Carpes 2 Resumo A pesquisa que apresentamos,

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DA EDUVALE Publicação científica da Faculdade de Ciências Sociais aplicadas do Vale de São Lourenço- Jaciara/MT Ano III, Número 05, outubro de

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt**

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** * Assessoria de Avaliação Institucional da Universidade de Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Ensinar e aprender História - JP0038 PROFESSORA: Dra. Hilda Jaqueline de Fraga I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária 75h II EMENTA Concepções e temas recorrentes no

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições do PIBID Pedagogia do Campus Avançado de Patu CAP/UERN para a formação docente.

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Caríssimo(a) Associado(a),

Caríssimo(a) Associado(a), Caríssimo(a) Associado(a), Apresento o livro do Grupo de Trabalho Sociologia, Antropologia e Cultura Jurídicas, do XXII Encontro Nacional do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito (CONPEDI),

Leia mais

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM Carla Vargas Pedroso - UFF e UFSM Sandra Lucia Escovedo Selles - UFF Agência Financiadora: CAPES

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP Ltda ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretaria

Leia mais

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto.

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Senhor Ministro da Administração Interna. Excelência. Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Excelentíssimo Senhor Vice-Procurador Geral

Leia mais