POP 08 DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POP 08 DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS"

Transcrição

1 1 Objetivos Definir as normas a serem aplicadas na dispensação de medicamentos em Farmácia. 2 Alcance Auxiliares de farmácia que receberam o treinamento. 3 Responsabilidades: Farmacêutico Responsável. 4 Definições Medicamentos Tarjados: medicamentos que apresentam em sua embalagem tarja vermelham ou preta e cujo uso requer a prescrição por profissional habilitado; Medicamentos de Referência: produto inovador registrado no órgão federal de vigilância sanitária e dispensado no país. Sua eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente junto ao órgão federal competente por ocasião do registro; Medicamento Genérico: medicamento dispensado pelo nome de seu princípio ativo, sem a marca comercial e que têm comprovada sua bioequivalência e biodisponibilidade em relação ao medicamento de referência; Medicamento Similar: aquele que contém o (s) mesmo (s) princípio (s) ativo (s) apresenta a mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência, podendo diferir nas características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipiente e veículos, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca; Medicamento de Uso Contínuo: utilizados continuamente no tratamento de doenças crônicas e ou degenerativas; Prescrição: ato de indicar o medicamento a ser utilizado pelo paciente, de acordo com proposta de tratamento farmacoterapêutico, que é privativo de profissional habilitado e se traduz pela emissão de uma receita; Problema relacionado ao medicamento: situação de risco potencial ou real na vigência de um tratamento medicamentoso. 5 Precauções A dispensação de medicamentos aos pacientes realizada na farmácia básica é feita somente com prescrição médica do sistema SUS em 02 (duas vias), documento de identificação e cartão nacional do SUS (CNS) do paciente. Convém ressaltar que as receitas médicas, enfermeiras e odontológicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), devem adotar obrigatoriamente a Denominação Comum Brasileira 18

2 DCB (ou seja, o nome genérico, da substância ativa), instituída pela Portaria nº 1.179, de 17 de junho de 1996 da ANVISA ou, na sua falta, a Denominação Comum Internacional (DCI), conforme determina o art. 3º da Lei Federal n 9.787/1999. Não será dispensado para menores de 16 anos sem acompanhamento de responsável legal. Somente será realizada a dispensação sem receituário em casos de urgências. Carimbar todas as receitas com o carimbo de dispensação preencher como código da dispensação, quantidade aviada e data no caso de antimicrobianos anotar o lote. 6 Procedimentos 6.1. Medicamentos A dispensação de medicamentos será realizada somente mediante a apresentação do receituário em 02 (duas) vias, que deverá ser analisado pelo farmacêutico, observando os seguintes itens: Estar sem rasuras ou emendas, legível, observada a nomenclatura e o sistema oficial do Brasil de pesos e medidas; Apresentar o nome e endereço residencial do paciente; Apresentar nome DCB (nome genérico ou substancia ativa), apresentar forma farmacêutica, posologia, apresentação, método de administração e duração do tratamento; Apresentar data, assinatura, carimbo e nº de inscrição no respectivo conselho profissional do prescritor, de forma a facilitar sua identificação; A dispensação de medicamentos sujeitos a controle especial deve observar o receituário específico e a notificação da receita; Quando o atendimento for para gestante, criança ou idoso, o farmacêutico acompanha a dispensação. Será obrigatório, no ato da entrega do medicamento: I Cadastrar o usuário no sistema com todas as informações sobre identificação, localização, dados clínicos, medicamentos de uso continuo; II Anotar a quantidade de medicamento fornecida; III Datar e carimbar (dispensada) nas 02 (duas) vias da receita; IV - Devolver a segunda via ao paciente; salvo uso continuo; V- Arquivar a 1 a (segunda) via pelo prazo de 01 (um) ano; salvo notificação de receita e receita de controle especial que deverão seguir a Portaria 344/ Interpretação do receituário Também realizado pelo farmacêutico responsável e são considerados: Aspectos terapêuticos (farmacêuticos e farmacológicos); Posologias estranhas, quantidades exageradas de itens e outras do gênero são decididas pelo farmacêutico; Adequação ao indivíduo; Contra-indicações e interações; 19

3 Se a prescrição apresenta duas ou mais substancias ou princípios ativos não associados em interações não recomendáveis, o farmacêutico deverá entrar em contato com o profissional prescritor para esclarecer eventuais problemas que tenha detectado; Dentro das necessidades, o usuário deverá ser orientado por escrito de forma legível e de fácil compreensão quanto à forma, posologia (como, quando e quanto), modo de usar, duração do tratamento, efeito colaterais, contra-indicações, dietas alimentares e outros que possam comprometer a terapêutica. Se forem medicamentos controlados, são feitos esclarecimentos sobre efeitos colaterais indesejáveis ou que alterem o sistema neurológico; Na dispensação, cabe ao farmacêutico verificar as condições de estabilidade do medicamento, o estado da embalagem, a bula e o prazo de validade, assim como informar ao paciente a acerca do uso correto e seguro dos medicamentos e, ainda orientações sobre as condições ideais de armazenamento Medicamentos sujeitos a controle especial Devem-se manter registros atualizados das prescrições de medicamentos que exigem controle, incluindo as substancias sujeitas a regime de controle especial e de outras em que são obrigatórias por lei (ver lista de medicamentos controlados) ou por exigências dos organismos profissionais. Tais registros são realizados pelo farmacêutico nos livros de registros Os antimicrobianos Devem ser dispensados mediante retenção da Receita comum em 02 (duas) vias, sendo retida a 1ª via retida no estabelecimento e a 2ª devolvida ao paciente carimbada, comprovando a dispensação, conforme determina a RDC nº20/ Substituição por medicamento genérico O usuário deverá ser esclarecido sobre a existência do medicamento genérico, substituindo, se for o caso, o medicamento prescrito exclusivamente pelo medicamento genérico correspondente, salvo restrições expressas de próprio punho consignadas no documento pelo profissional prescritor. No verso da prescrição deverá ser indicado à substituição realizada, citando o nome genérico do medicamento e a indústria produtora, apondo o carimbo que conste o nome e número de inscrição no CRF, local e data, assinando a declaração Considerações: A prescrição comum terá validade por um período máximo de 10 (DEZ) dias, a partir da data indicada pelo profissional prescritor. 20

4 As receitas dos medicamentos de uso contínuo terão validade de 03 meses, o paciente deverá retornar com a 1ª via da receita carimbada para retirar o restante da quantidade prescrita. A receita de medicamentos contraceptivos, conforme avaliação médica. Poderão ser dispensadas até 03 (três) cartelas de contraceptivos orais, para três meses de utilização. O fornecimento dos medicamentos ficará limitado aos portadores do Cartão SUS - Sistema Único de Saúde - residentes em TAPURAH, e a sua dispensação deverá ser feita na quantidade determinada na receita para o período máximo de 30 dias. O fornecimento de preservativos não necessita de prescrição e seu acesso deve ser facilitado com a disponibilização direta nos balcões de recepção das unidades de saúde. 8 Fluxograma Recepção do usuário a ser prestado o serviço pelo Farmacêutico ou Atendente de Farmácia Apresentação da receita, RG e CNS pelo usuário. Fazer cadastro no sistema. Analise da receita realizada pelo farmacêutico responsável, que deverá observar os itens necessários para a correta dispensação. Segundo procedimento descrito. Carimbar as duas vias da receita com código da dispensação e quantidade, devolver a 2º via para o paciente. Apresentação, pelo farmacêutico, das informações necessárias ao usuário. Como possíveis adversidades e especificações sobre o medicamento. 21

5 9 Referências Manual de Boas Práticas em Drogarias (Dr. Walter Hermano Valtingojer). Resolução nº28 de julho 1999 da ANVISA Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Lei nº 5991, de 17 de dezembro de Portaria nº 1.179, de 17 de junho de 1996 da ANVISA. Lei Federal n 9.787/1999. Resolução RDC nº 33, de 19 de abril de Resolução RDC nº 44, de 17 de agosto de Resolução RDC nº 44, de 26 de Outubro de Histórico Emitido/Conferido/Aprovado: JULIANA CUNHA HOFFMANN Data: 09/10/2012 Revisão: 06/11/

EXERCICIOS LEI 5991/73

EXERCICIOS LEI 5991/73 EXERCICIOS LEI 5991/73 1-A Lei Federal no 5991 de 17 de dezembro de 1973: (A) Trata da profissão do Farmacêutico Hospitalar. (B) Trata da ética farmacêutica. (C) Dispõe sobre o controle sanitário do comércio

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 307, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 307, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 307, DE 2014 Altera a Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999, para determinar que a aquisição ou a dispensação de medicamento realizada no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Manual de orientação sobre prescrição de medicamentos sujeitos a controle especial

Manual de orientação sobre prescrição de medicamentos sujeitos a controle especial Manual de orientação sobre prescrição de medicamentos sujeitos a controle especial Notificação de receita "A" (Amarela) - Lista das Substâncias: A1 - Entorpecentes A3 - Psicotrópicos - Tratamento para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 546 DE 21 DE JULHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 546 DE 21 DE JULHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 546 DE 21 DE JULHO DE 2011 Ementa: Dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição e o seu registro. O Conselho Federal de Farmácia (CFF),

Leia mais

LAUDO PARA SOLICITAÇÃO, AVALIAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

LAUDO PARA SOLICITAÇÃO, AVALIAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO LAUDO PARA SOLICITAÇÃO, AVALIAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO SOLICITAÇÃO DO MEDICAMENTO Campo 1 - Nome do Paciente:

Leia mais

Anexo A DERMOBAN. Mupirocina CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 20mg

Anexo A DERMOBAN. Mupirocina CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 20mg Anexo A DERMOBAN Mupirocina CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Pomada 20mg DERMOBAN Mupirocina 20mg pomada LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-AGEVISA/PB

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-AGEVISA/PB RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA ABERTURA DE LIVRO DE REGISTRO ESPECÍFICO DE SISTEMA INFORMATIZADO PARA INDÚSTRIA FARMOQUÍMICA, LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS, DISTRIBUIDORAS, DROGARIAS E FARMÁCIAS (PORTARIA 344/98)

Leia mais

PARECER COREN-SP 010/2012 CT PRCI nº 99.093/2012 Ticket s nº 277.711, 279.026 e 293.554 Revisado e atualizado em 21/11/2013

PARECER COREN-SP 010/2012 CT PRCI nº 99.093/2012 Ticket s nº 277.711, 279.026 e 293.554 Revisado e atualizado em 21/11/2013 PARECER COREN-SP 010/2012 CT PRCI nº 99.093/2012 Ticket s nº 277.711, 279.026 e 293.554 Revisado e atualizado em 21/11/2013 Ementa: Dispensação de medicamentos. Função privativa de Farmacêutico. 1. Do

Leia mais

PRAZOS DE GUARDA (em anos) DESTINAÇÃO OBSERVAÇÕES. Unidade com atribuições de Arquivo. Unidade Produtora. Guarda Permanente.

PRAZOS DE GUARDA (em anos) DESTINAÇÃO OBSERVAÇÕES. Unidade com atribuições de Arquivo. Unidade Produtora. Guarda Permanente. ANEXO III - TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNICAMP: ATIVIDADES-FIM (PARCIAL 01), ao que se refere o artigo 1 da Resolução GR nº 55/2013. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS: ASPECTOS LEGAIS ADMINISTRATION OF INJECTABLES IN PHARMACIES AND DRUGSTORES: LEGAL ASPECTS

ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS: ASPECTOS LEGAIS ADMINISTRATION OF INJECTABLES IN PHARMACIES AND DRUGSTORES: LEGAL ASPECTS 40 ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM FARMÁCIAS E DROGARIAS: ASPECTOS LEGAIS ADMINISTRATION OF INJECTABLES IN PHARMACIES AND DRUGSTORES: LEGAL ASPECTS 1 2 2 PAULA, Cristiane da Silva. *, MIGUEL, Obdúlio Gomes,

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL NORMATIVO. Preparação dos dispositivos de dispensação semanal da medicação Venalink de selagem a frio

PROCEDIMENTO OPERACIONAL NORMATIVO. Preparação dos dispositivos de dispensação semanal da medicação Venalink de selagem a frio PON N O : 20-001-01 Página 1 de 5 Objetivo: Definir os procedimentos necessários para preparar a medicação semanal da medicação através dos dispositivos Venalink de selagem a frio. Substitui o Procedimento

Leia mais

Medicamentos Fracionados. [Guia para Vigilâncias Sanitárias]

Medicamentos Fracionados. [Guia para Vigilâncias Sanitárias] Medicamentos Fracionados [Guia para Vigilâncias Sanitárias] Apresentação Temos a satisfação de apresentar o Guia sobre Medicamentos Fracionados. Seu objetivo é esclarecer dúvidas sobre os principais aspectos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 463/XI/2ª

Projecto de Lei n.º 463/XI/2ª Projecto de Lei n.º 463/XI/2ª Revê o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar as regras aplicáveis à prescrição por Denominação Comum Internacional no âmbito do Serviço Nacional

Leia mais

Medicamentos Fracionados

Medicamentos Fracionados Medicamentos Fracionados [Guia para Laboratórios Farmacêuticos] Laboratórios Farmacêuticos 1 2Laboratórios Farmacêuticos Laboratórios Farmacêuticos Medicamentos Fracionados [Guia para Laboratórios Farmacêuticos]

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL. Portaria nº 237 de 31 de janeiro de 2008. O SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA no uso de suas atribuições:

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL. Portaria nº 237 de 31 de janeiro de 2008. O SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA no uso de suas atribuições: SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Portaria nº 237 de 31 de janeiro de 2008 O SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA no uso de suas atribuições: Considerando o inciso XI, do artigo 17, da Lei nº 8.080 de 19/09/1990,

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

A importância da assistência Farmacêutica no hospital e na Farmácia comercial. Prof. Msc Gustavo Alves Andrade dos Santos

A importância da assistência Farmacêutica no hospital e na Farmácia comercial. Prof. Msc Gustavo Alves Andrade dos Santos A importância da assistência Farmacêutica no hospital e na Farmácia comercial Prof. Msc Gustavo Alves Andrade dos Santos 1 Dispensação - Conceito Dispensação: É o ato profissional farmacêutico de proporcionar

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO/2012

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO/2012 RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO/2012 A pesquisa comparativa de preços de medicamentos foi realizada por funcionários do Núcleo Regional Campinas (Fundação Procon/SP)

Leia mais

FUNGIROX UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO TÓPICA 10 MG/ML

FUNGIROX UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO TÓPICA 10 MG/ML FUNGIROX UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO TÓPICA 10 MG/ML Fungirox Solução Tópica ciclopirox olamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNGIROX SOLUÇÃO TÓPICA: Cartucho com frasco conta-gotas

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES A estabilidade de produtos saneantes depende de fatores ambientais como temperatura, umidade e luz, e de outros inerentes ao produto

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE DROGARIAS

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE DROGARIAS LICENCIAMENTO DE DROGARIAS Dispositivo legal: Lei Federal 6360/76, Lei Federal 5991/73, Lei Federal 13021/2014, Resolução RDC 17/2013 ANVISA/MS, Resolução SES/MG 307/99 e Resolução SES/MG 462/2004, Resolução

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE DROGARIAS

Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância à Saúde Vigilância Sanitária LICENCIAMENTO DE DROGARIAS LICENCIAMENTO DE DROGARIAS Dispositivo legal: Lei Federal 6360/76, Lei Federal 5991/73, Lei Federal 13021/2014, Resolução RDC 17/2013 ANVISA/MS, Resolução SES/MG 307/99 e Resolução SES/MG 462/2004, Resolução

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO/2012

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO/2012 DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO/2012 ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTOS: 1ª SOLICITAÇÃO análises físico-químicas e microbiológicas da água); Cópia do Manual de Boas Práticas, conforme

Leia mais

Procedimento de Gestão. Resolução/ Remediação de Situações de Trabalho de Menores

Procedimento de Gestão. Resolução/ Remediação de Situações de Trabalho de Menores 1. OBJECTIVO Este procedimento estabelece a metodologia de definição, implementação e controlo de acções a desenvolver no caso de ser detectada a utilização de trabalho de menores, de forma a assegurar

Leia mais

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011.

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) A/C: Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Substituto em exercício Ref.: Resolução nº

Leia mais

DEPANTEX dexpantenol

DEPANTEX dexpantenol DEPANTEX dexpantenol NATIVITA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. POMADA DERMATOLÓGICA 50 MG/G I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Depantex dexpantenol APRESENTAÇÕES Depantex (dexpantenol) pomada: 50 mg/g, bisnaga

Leia mais

INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso

INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso Aprova o regulamento sobre os aspectos da publicidade de medicamentos previstos nos artigos 154., 162., n.º 2, 164.º e 202., n.º 1, j), do Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto, que constitui o anexo

Leia mais

REQUERIMENTOS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA A ÁREA DE ALIMENTOS

REQUERIMENTOS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA A ÁREA DE ALIMENTOS ABERTURA / ALTERAÇÃO ENDEREÇO / ATIVIDADE / ENCERRAMENTO DE ALVARÁ 1 PASSO SOLICITAÇÃO REALIZADA VIA ONLINE PARA: ABERTURA ALTERAÇÃO ENDEREÇO ATIVIDADE ENCERRAMENTO DE ALVARÁ Endereço eletrônico ( site

Leia mais

Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Dia 28/03/2005

Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Dia 28/03/2005 Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Dia 28/03/2005 EMPRESA: GUTERRES & QUEIROZ LTDA CNPJ: 04.567.783/0001-40 PROCESSO: 25025.054244/2003-14

Leia mais

BACROCIN. Valeant Farmacêutica do Brasil Ltda Pomada 20 mg/g

BACROCIN. Valeant Farmacêutica do Brasil Ltda Pomada 20 mg/g BACROCIN Valeant Farmacêutica do Brasil Ltda Pomada 20 mg/g Bacrocin Mupirocina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Forma farmacêutica e apresentação Pomada com 2% de mupirocina

Leia mais

GAMMAR (Ácido. Gamaminobutírico)

GAMMAR (Ácido. Gamaminobutírico) Registro de Medicamento Genérico GAMMAR (Ácido Gamaminobutírico) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimido Simples 250 mg Bula do Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO GAMMAR ácido gamaminobutírico

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO/13 CAMPINAS

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO/13 CAMPINAS RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO/13 CAMPINAS A pesquisa comparativa de preços de medicamentos foi realizada por funcionários do Núcleo Regional Campinas (Fundação Procon/SP)

Leia mais

Bebés: administração consoante as necessidades. Ideal a quantidade de 200 ml/kg de peso/24 horas

Bebés: administração consoante as necessidades. Ideal a quantidade de 200 ml/kg de peso/24 horas Resumo das Características do medicamento 1 Denominação do medicamento Redrate pó para solução oral Associação 2 Composição qualitativa e quantitativa 1 carteira contém: Glucose 4 g Cloreto de sódio 0,7

Leia mais

GLYCOPHOS. Fresenius Kabi Solução injetável 216 mg/ml. Glycophos_BU_05

GLYCOPHOS. Fresenius Kabi Solução injetável 216 mg/ml. Glycophos_BU_05 GLYCOPHOS Fresenius Kabi Solução injetável 216 mg/ml GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato de sódio 216 mg/ml): Caixa contendo

Leia mais

Maria João Begonha Docente Faculdade de Ciências da Saúde - UFP mbegonha@ufp.pt

Maria João Begonha Docente Faculdade de Ciências da Saúde - UFP mbegonha@ufp.pt RELAÇÃO ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E MEDICAMENTOS DE MARCA PRESCRITOS EM MEDICINA DENTÁRIA Maria João Begonha Docente Faculdade de Ciências da Saúde - UFP mbegonha@ufp.pt Sandra Gago Docente Faculdade

Leia mais

Bactroban GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Pomada 20mg/g

Bactroban GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Pomada 20mg/g Bactroban GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Pomada 20mg/g LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bactroban pomada mupirocina APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de

Leia mais

Dispõe sobre o controle de antimicrobianos

Dispõe sobre o controle de antimicrobianos Dispõe sobre o controle de antimicrobianos Estabelece critérios para embalagem, rotulagem, dispensação e controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos de uso sob prescrição,

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 103, de 29 de outubro de 2007. D.O.U. de 31/10/2007. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no

Leia mais

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1 COR COR COR C 100 M 70 Y 0 K 0 O AZUL DAS PLACAS DEVE SER CORRESPONDENTE AO DESCRITO NO SISTEMA DE POLICROMIA CMYK, CONFORME

Leia mais

Portaria n.º 981/98, de 8 de Junho (DR, 2.ª Série, n.º 216, de 18 de Setembro de 1998)

Portaria n.º 981/98, de 8 de Junho (DR, 2.ª Série, n.º 216, de 18 de Setembro de 1998) (DR, 2.ª Série, n.º 216, de 18 de Setembro de 1998) Execução das medidas de controlo de estupefacientes e psicotrópicos Tendo presente a Convenção das Nações Unidas, bem como o direito comunitário, no

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Medicamentos. Assistência Farmacêutica. Qualidade do serviço prestado.

PALAVRAS-CHAVE Medicamentos. Assistência Farmacêutica. Qualidade do serviço prestado. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ASPECTOS PRÁTICOS

Leia mais

FAQs PEM - Receita sem papel

FAQs PEM - Receita sem papel FAQs PEM - Receita sem papel A Receita sem Papel, ou Desmaterialização Eletrónica da Receita, é um novo modelo eletrónico que inclui todo o ciclo da receita, desde da prescrição no médico, da dispensa

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 37, DE 16 DE JULHO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 37, DE 16 DE JULHO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 37, DE 16 DE JULHO DE 2014

Leia mais

Como registrar uma empresa. Administração farmacêutica Leandro Verçoza, Luiz Batista, Suhelen Comarú

Como registrar uma empresa. Administração farmacêutica Leandro Verçoza, Luiz Batista, Suhelen Comarú Como registrar uma empresa Administração farmacêutica Leandro Verçoza, Luiz Batista, Suhelen Comarú Código civil Departamento Nacional de Registro do Comércio DNRC, determinou que a partir de 11/01/2003,

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução aerossol solução salina de água do mar embalagem com 100 ml.

APRESENTAÇÕES Solução aerossol solução salina de água do mar embalagem com 100 ml. Modelo de texto de bula Profissional de Saúde LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nasoclean Solução salina de água do mar APRESENTAÇÕES Solução aerossol

Leia mais

Estrutura e Montagem dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

Estrutura e Montagem dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Estrutura e Montagem dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Equipe Técnica Os protocolos foram estruturados em seis módulos interrelacionados abordando aspectos médicos, farmacêuticos e de gerenciamento.

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 13

Instruções para o preenchimento do Formulário 13 Instruções para o preenchimento do Formulário 13 O Formulário 13 tem como finalidade a comunicação de vínculos profissionais do farmacêutico, mas que não sejam como farmacêutico responsável técnico (RT),

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS As empresas devem estar atentas quanto as informações que devem ser encaminhadas periodicamente aos órgãos ambientais e aos prazos para o envio destas informações, evitando

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: 035042/2011 DADOS DO CONCEDENTE. OBJETO: Aquisição de equipamento para o Hospital Amaral Carvalho.

Nº / ANO DA PROPOSTA: 035042/2011 DADOS DO CONCEDENTE. OBJETO: Aquisição de equipamento para o Hospital Amaral Carvalho. MINISTERIO DA SAUDE PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 035042/2011 OBJETO: Aquisição de equipamento para o Hospital Amaral Carvalho. DADOS DO CONCEDENTE

Leia mais

Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB

Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB Consulta Pública nº 004 de 26 de fevereiro de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Estadual

Leia mais

Cadastro da VISA. Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados. Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados

Cadastro da VISA. Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados. Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados Cadastro da VISA O SNGPC O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC é um conjunto de instrumentos informatizados utilizado

Leia mais

dropropizina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Xarope 7,5 mg/5 ml e 15 mg/5 ml

dropropizina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Xarope 7,5 mg/5 ml e 15 mg/5 ml dropropizina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Xarope 7,5 mg/5 ml e 15 mg/5 ml dropropizina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Xarope pediátrico de 7,5 mg/5ml: frasco com 120 ml

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE 2012.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE 2012. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE 2012.

Leia mais

DECRETO Nº 30.348 DE 1 DE JANEIRO DE 2009

DECRETO Nº 30.348 DE 1 DE JANEIRO DE 2009 DECRETO Nº 30.348 DE 1 DE JANEIRO DE 2009 Estabelece novos procedimentos para o cumprimento do Código de Ética da Administração Municipal. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS. Referência: NT-AI.03.05.01. Data: 17/04/2.

NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS. Referência: NT-AI.03.05.01. Data: 17/04/2. NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS Referência: NT-AI.03.05.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.03.05.01.pdf Data: 17/04/2.001 STATUS: PRELIMINAR

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 10, de 23 de janeiro de 2012 D.O.U de 25/01/2012 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 4.774, DE 13 DE JUNHO DE 2013.

LEI MUNICIPAL N 4.774, DE 13 DE JUNHO DE 2013. -Dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de edificações para aprovação na Prefeitura Municipal de Tatuí, e dá outras providencias. JOSÉ MANOEL CORREA COELHO MANÚ, Prefeito Municipal de Tatuí,

Leia mais

DOM DE 03/09/2014 Republicada, no DOM de 09/09/2014, por ter saído incompleta. Alterada pela IN nº 36/2014, no DOM de 15/10/2014.

DOM DE 03/09/2014 Republicada, no DOM de 09/09/2014, por ter saído incompleta. Alterada pela IN nº 36/2014, no DOM de 15/10/2014. DOM DE 03/09/2014 Republicada, no DOM de 09/09/2014, por ter saído incompleta. Alterada pela IN nº 36/2014, no DOM de 15/10/2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA SEFAZ/DGRM Nº 29/2014 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009 Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento,

Leia mais

QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL. E-medicar Versão 3.0

QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL. E-medicar Versão 3.0 QUESTÕES FREQUENTES PRESCRIÇÃO DESMATERIALIZADA RECEITA SEM PAPEL E-medicar Versão 3.0 JULHO 2016 CARACTERÍSTICAS DO DOCUMENTO Referência: E-MEDICAR 3.0 RECEITA SEM PAPEL Data: JULHO 2016 Versão do documento:

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Assunto: Esclarecimentos sobre Leito 87- Leito de Saúde Mental

NOTA TÉCNICA. Assunto: Esclarecimentos sobre Leito 87- Leito de Saúde Mental MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA E TEMÁTICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS.

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO 1º LEILÃO DE ENERGIA DE

Leia mais

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO Nº 1, DE 13 DE JANEIRO DE 2010 Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 157 DOU 18/08/09 seção 1- p.78 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS EME01 - INTERNAR PACIENTE DO PRONTO SOCORRO

MANUAL DE PROCESSOS EME01 - INTERNAR PACIENTE DO PRONTO SOCORRO MANUAL DE PROCESSOS EME01 - INTERNAR PACIENTE DO PRONTO SOCORRO SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 5 IV.

Leia mais

Manual Certidão Web - Certidão Específica

Manual Certidão Web - Certidão Específica Manual Certidão Web - Certidão Específica 1 Sumário 1. NORMATIVA... 3 2. PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTO PARA ACOMPANHAR O ANDAMENTO DA SOLICITAÇÃO13 2 1. NORMATIVA De acordo com a INSTRUÇÃO

Leia mais

Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Dia 19/09/2006

Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Dia 19/09/2006 Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Dia 19/09/2006 EMPRESA: DROGARIA PORFIRIO & SOUZA LTDA - ME CNPJ: 63.990.519/0001-84 PETIÇÃO: 492877/06-6

Leia mais

TEGAN (alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg

TEGAN (alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg TEGAN (alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg TEGAN alfaestradiol APRESENTAÇÕES Solução tópica capilar contendo 0,25 mg de alfaestradiol. Embalagem contendo 1 frasco plástico com

Leia mais

MONITORAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA E EQUIPES DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO

MONITORAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA E EQUIPES DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO DE SAÚDE MONITORAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA E EQUIPES DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO Orientação ao Interlocutor: 1. Explore bem o

Leia mais

CORRIDA Sesc NOVO HAMBURGO 2014

CORRIDA Sesc NOVO HAMBURGO 2014 CORRIDA Sesc NOVO HAMBURGO 2014 CAPITULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem a CORRIDA Sesc NOVO HAMBURGO 2014. Art. 2 - A CORRIDA Sesc NOVO HAMBURGO 2014

Leia mais

Centro de Treinamento PRODAM e Secretaria Municipal de Saúde

Centro de Treinamento PRODAM e Secretaria Municipal de Saúde PORTAL SAÚDE MANUAL GSS 2 PARA UNIDADES DE SAÚDE NOVA TELA DE SAÍDA DE MATERIAIS Obra redigida e organizada por: Centro de Treinamento PRODAM e Secretaria Municipal de Saúde Versão 1.1 - julho/2007 Todos

Leia mais

ITENS PENDENTES PARA O BENEFÍCIOS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL (BAE)

ITENS PENDENTES PARA O BENEFÍCIOS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL (BAE) ITENS PENDENTES PARA O BENEFÍCIOS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL (BAE) EDITAL Nº 38/2015 Exercício 2016 MATRÍCULA 02030123 02030138 02030145 02030146 SITUAÇÃO DO BAE Informação dos dados bancários da aluna

Leia mais

FORMULÁRIO SOCIOECONOMICO - DADOS PESSOAIS DO CANDIDATO/ALUNO N.º DE MATRÍCULA DATA DE NASCIMENTO IDADE SEXO RG E ÓRGÃO EXPEDIDOR CPF ESTADO CIVIL

FORMULÁRIO SOCIOECONOMICO - DADOS PESSOAIS DO CANDIDATO/ALUNO N.º DE MATRÍCULA DATA DE NASCIMENTO IDADE SEXO RG E ÓRGÃO EXPEDIDOR CPF ESTADO CIVIL FORMULÁRIO SOCIOECONOMICO - DADOS PESSOAIS DO CANDIDATO/ALUNO 1ª opção: Indique o curso para bolsa social: (lista de cursos anexa ao edital) 2ª opção: 3ª opção: N.º DE MATRÍCULA SEXO RG E ÓRGÃO EXPEDIDOR

Leia mais

Tratamento Fitossanitário - Fumigação

Tratamento Fitossanitário - Fumigação 1 Objetivo Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações fumigação (expurgo). 2 Abrangência O presente documento se aplica às empresas requerentes e prestadoras de

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 58, de 5 setembro de 2007

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 58, de 5 setembro de 2007 Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 58, de 5 setembro de 2007 Dispõe sobre o aperfeiçoamento do controle e fiscalização de substâncias psicotrópicas anorexígenas e dá outras providências. A Diretoria

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 17

Instruções para o preenchimento do Formulário 17 Instruções para o preenchimento do Formulário 17 O Formulário 17 tem como finalidade o requerimento de dupla ou tripla responsabilidade pelo farmacêutico. Na parte superior do formulário há instruções

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. DUPHALAC lactulose

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. DUPHALAC lactulose MODELO DE BULA PARA O PACIENTE DUPHALAC lactulose Abbott Laboratórios do Brasil Ltda. XAROPE 200mL 1 ml contém 667 mg de lactulose 1 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DUPHALAC lactulose FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

SulAmérica Saúde - PME (de 03 a 29 vidas) Proposta de Seguro

SulAmérica Saúde - PME (de 03 a 29 vidas) Proposta de Seguro SulAmérica Saúde - PME (de 03 a 29 vidas) Proposta de Seguro Regra Flex: Sim Não - Nº da proposta de Odonto: 01-Razão Social Proposta nº: Contrato nº: 02-Nome Fantasia 03-Dados Bancários da Empresa (preenchimento

Leia mais

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Erros mais Comuns. Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica.

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Erros mais Comuns. Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica. ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Erros mais Comuns Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica Maio de 2012 1/13 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ERROS COMUNS... 4 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÚCLEO DE ESTUDOS DE SAÚDE COLETIVA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE NITERÓI PROGRAMA MÉDICO DE FAMÍLIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÚCLEO DE ESTUDOS DE SAÚDE COLETIVA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE NITERÓI PROGRAMA MÉDICO DE FAMÍLIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÚCLEO DE ESTUDOS DE SAÚDE COLETIVA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE NITERÓI PROGRAMA MÉDICO DE FAMÍLIA AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

Leia mais

O SNGPC. O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC será um conjunto de

O SNGPC. O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC será um conjunto de O SNGPC O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC será um conjunto de instrumentos informatizados utilizado para realizar o monitoramento da movimentação de medicamentos e substâncias

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA MÉDICOS

REGULAMENTO INTERNO PARA MÉDICOS REGULAMENTO INTERNO PARA MÉDICOS 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 Trata-se de pedido de esclarecimento encaminhado, via e-mail, pela empresa SERASA S. A., CNPJ 62.173.620/0001-80, no uso do direito previsto no art. 12 do

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA E PARA COMPROVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS

DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA E PARA COMPROVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS 2ª chamada de aprovados no SISU 2013/01 DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: Dias 01, 04 e 05 de fevereiro de 2013. Horário: 10 horas às 11 horas e das 14horas às 20 horas. Local: Coordenação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2015

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2015 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2015 Dispõe sobre o atendimento das Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Operadoras às solicitações de garantia de cobertura assistencial

Leia mais

Recadastramento de ECF Perguntas e Respostas

Recadastramento de ECF Perguntas e Respostas Recadastramento de ECF Perguntas e Respostas Setembro/2007 1) Qual o instituto normativo que dispõe sobre o recadastramento de ECF? A Instrução Normativa nº 11/07, de 24 de agosto de 2007, publicada no

Leia mais

Cloridrato de oximetazolina

Cloridrato de oximetazolina Cloridrato de oximetazolina EMS S/A Solução nasal 0,25 mg/ml e 0,5 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cloridrato de oximetazolina Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 Cloridrato de oximetazolina APRESENTAÇÕES

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO 006/2014 AUXILIAR DE FARMÁCIA

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO 006/2014 AUXILIAR DE FARMÁCIA EDITAL PARA CONTRATAÇÃO 006/2014 AUXILIAR DE FARMÁCIA I. DA FUNÇÃO-ATIVIDADE E DA ATRIBUIÇÃO O processo seletivo simplificado destina-se ao preenchimento de 1 (uma) vaga para contratação imediata na função

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais

Gestão de Tecnologias em Saúde na Saúde Suplementar. GRUPO TÉCNICO REVISÃO DO ROL Karla Santa Cruz Coelho Fevereiro/2009

Gestão de Tecnologias em Saúde na Saúde Suplementar. GRUPO TÉCNICO REVISÃO DO ROL Karla Santa Cruz Coelho Fevereiro/2009 Gestão de Tecnologias em Saúde na Saúde Suplementar GRUPO TÉCNICO REVISÃO DO ROL Karla Santa Cruz Coelho Fevereiro/2009 Tecnologias em saúde: considerações iniciais O que é tecnologia em saúde? Medicamentos,

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA BÁSICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL E NO DIABETES RESUMO

ATENÇÃO FARMACÊUTICA BÁSICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL E NO DIABETES RESUMO ATENÇÃO FARMACÊUTICA BÁSICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL E NO DIABETES Rômulo Herlon Vidal De Negreiros¹ RESUMO Este trabalho mostra a atenção farmacêutica como um dos principais instrumentos no controle da

Leia mais

GO021 - Guia de candidatura à Universidade de Coimbra como usar o Inforestud@nte [pt-br] revisão: 2.0. Guia de Orientação

GO021 - Guia de candidatura à Universidade de Coimbra como usar o Inforestud@nte [pt-br] revisão: 2.0. Guia de Orientação Guia de Orientação GO021 - Guia de candidatura à Universidade de Coimbra Como usar o Inforestud@nte [pt-br] Âmbito: P120 Acesso e Ingresso Objetivo: orientar os alunos para a realização de todo o processo

Leia mais

finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg

finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg finasterida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. 5 mg APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 5 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

INSTITUTO DE ASSISTENCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DO PARÁ ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA BÁSICA

INSTITUTO DE ASSISTENCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DO PARÁ ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA BÁSICA 01 de JUNHO / 2011 DIRETRIZES BÁSICAS: I. O Módulo Odontológico do sistema e-saúde que gerencia a assistência odontológica básica contem funcionalidades e regras em consonância com a Lei 6.439/2002, Lei

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO- SEDUC

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO- SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO- SEDUC EDITAL DE CONCURSOS PÚBLICOS N 1/013 DIVULGA O PRAZO E LOCAL DE ENTREGA DOS DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA A PROVA DE TÍTULOS E PRESTA OUTROS ESCLARECIMENTOS O Secretário

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos.

RESOLUÇÃO N 2.025. Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais