Senado Federal Secretaria de Gestão da Informação e Documentação Coordenação de Biblioteca Pesquisa realizada pela Biblioteca do Senado Federal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Senado Federal Secretaria de Gestão da Informação e Documentação Coordenação de Biblioteca Pesquisa realizada pela Biblioteca do Senado Federal"

Transcrição

1 Senado Federal Secretaria de Gestão da Informação e Documentação Coordenação de Biblioteca Pesquisa realizada pela Biblioteca do Senado Federal Praça dos Três Poderes Senado Federal Anexo II Térreo Biblioteca CEP: Brasília - DF Brasil Telefone: + 55 (61) (61)

2 ISSN COMMUNICATIONS LAW REVIEW Ano 1 n. 1 jan.-jun Coordenação ANA luiza VALADARES RIBEIRO MARCOS ALBERTO SANT'ANNA BITELLI CONSELHO EDITORIAL Alexandre KehrigVeronese Aguiar (UFF) Antônio Pinto Monteiro (IlC-FD-Coimbra) Ministro Benedito Gonçalves (STJ) Carlos Alberto Bittar Filho (procuradoria-sp) Carlos Ari Sundfeld (PUC-SP) Floriano de Azevedo Marques Neto (USP) Gaspar AriFío Ortiz (Universidad Complutense de Madrid) George Salomão Leite (Advogado) Gustavo Binenbojm (UERJ) Helena de Araújo Lopes Xavier (Universidade Nova de Lisboa) Ives Gandra da Silva Martins (Advogado) Juan Miguel de la Cuétara Martínez (Universidad Complutense de Madrid) Ministro José Antônio Dias Toffoli (STF) Lúcia Helena P. Bettini (PUC-SP) Maria Garcia (PUC-SP) Nelson Nery Junior (PUC-SP e Unesp) Odete Medauar (USP) Otavio Luiz Rodrigues Junior (UFPE) Pedro Gonçalves (IjC-FD-Coimbra) Regina Maria Macedo Nery Ferrari (UFPR e Tuiuti) Regis Fernandes de Oliveira (USP) Ronaldo Lemos (FGV-RJ) Rosa Maria B. B. de Andrade Nery (TJSP) Rui Geraldo Camargo Viana (USP) Rui Stoco (TJSP) COMMUNICATIONS LAW REVIEW Ano 1 - n. 1- jan.-jun. / 201 O Coordenação ANA luiza VALADARES RIBEIRO MARCOS ALBERTO SANT'ANNA BITELLI EDITORAlli1 REVISTA DOS TRIBUNA

3 154 REVISTA DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES 201 O- RDCOM 1 A legacy of suppression: del control de la información y o. '. Inglaterra de los siglos XVI y XVII De1'echo.y '.. piillon b I.. conoclmlento' anuari. 50 re a socledad de la información y de! conocimiento vol ' JU ,. p. o SALVAEDORd~oDERCH, UICICA~' Pablo et ai (dirs.). EI mercado de las ideas Madrid' C stu los Constitucionales, '. entr Rodolfo Daniel. Los bancos de datas y e! derecho a la intimidad B Ires: Ad-Hoc, Ue 2 blicidade e propaganda nos serviços de radiodifusão educativa sonora e de imagens: o caso TV Cultura Parecer da Advocacia-Geral da União OTAVIO LUIZ RODRIGUES JUNIOR Doutor em Direito Civil pela USP. Pós-doutorando em Direito Constitucional pela Universidade de Lisboa. Professor adjunto da Universidade Federal Fluminense. Advogado da União. Assessor de Ministro do STF. DO DIREITO: Comunicação; Constitucional UMO: O artigo resenha parecer e descho do Ministério das Comunicações a Advocacia-Geral da União que deitaram o modelo infraconstitucional s serviços de radiodifusão, departindoem público, estatal e privado, além de tabelecer a disciplina da publicidade stitucional. AlAVRAS-CHAVE: Radiodifusão ~ Telecomu I'licações - Publicidade - Radiodifusão Pública - Concessão - Permissão. ABSTRACT: The article reviews the legal opinion and order of the Ministry of Communications and the Federal Government Attorney General's Office to delimit the model of broadcasting services, divided by public, state and private sectors, and to establish the discipline of institutional advertising. KEYWORDS: Broadcasting Telecommunication Commercial advertising - Estate own television Concessions Administrative authorizations. SUMÁRIO: 1. Colocação do problema: a consulta da Fundação Padre Anchieta - 2. Resenha do parecer do Ministério das Comunicações - 3. Análise do despacho do Advogado-Geral da União - 4. Construção de um modelo de radiodifusão pública: conteúdo e limites.

4 156 REVISTA DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES RDCOM COLOCAÇÃO DO PROBLEMA: A CONSULTA DA FUNDAÇÃO PADRE,"",""'LI'c" A regulação da publicidade e da propaganda nos serviços de rad difusão é objeto de um mosaico de regras, de diferenteshierarquias, co nítidos conflitos no campo da sucessão de normas no tempo e da hier quia de leis, sem mencionar outros fenômenos jurídicos como a apor" e a anomia. Essa realidade é mais evidente no campo dos serviços radiodifusão educativa, cujas características especiais (v.g., ausência pagamento de preço público pela outorga da concessão ou da permiss ou inexistência de procedimento licitatório) determinaram, inicia mente, a pré-exclusão do direito a auferir rendimentos, contraprestaçã ou vantagens econômicas pela veiculação de anúncios em sua grade. O art. 13 do Dec.-Iei 236, de , que complementou modificou a Lei 4.117, de , o conhecido Código Brasileir de Telecomunicações, é a sedes materiae dessa restrição, quando afirm que: "Art. 13. A televisão educativa se destinará à divulgação d programas educacionais, mediante a transmissão de aulas, conferência palestras e debates. Parágrafo único. A televisão educativa não tem caráter comercia sendo vedada a transmissão de qualquer propaganda, direta ou indireta mente, bem como o patrocínio dos programas transmitidos, mesmo qu nenhuma propaganda seja feita através dos mesmos." A norma foi explícita ao vedar a transmissão de propaganda ou o patrocínio dos programas veiculados por televisão educativa. Com o passar dos anos, especialmente após o advento da Constituição de 1988, surgiram discussões sobre a recepção desse dispositivo pelo novo modelo constitucional de serviços de radiodifusão, inseridos no capítulo da Comunicação Social (arts. 220 a 224, CF/1988) e submetidos a concerto principiológico inteiramente novo. A Fundação Padre Anchieta, pessoa jurídica de direito privado, instituída por lei estadual de São Paulo, ainda em 1967, ano dá edição do Código Brasileiro de Telecomunicações, e responsável pela geração da "TV Cultura", colocou em termos jurídicos o problema da supervivência desse marco regulatório em face da Constituição de E fê-lo por meio de consulta direta ao Advogado-Geral da União, que se baseou em algumas premissas: (a) o art. 13 do Dec.-Iei 236/1967 é incompatível com a Constituição de 1988 e não foi por ela recepcionado, dado o conflito com seus arts. 5. (isonomia e legalidade), 21, XII, 220, caput, 221 e 223, e outros da Ordem Econômica; (b) as concessionárias de serviços iodifusão educativa sonora e de imagens não se restringem mais a itir programas exclusivamente pedagógicos. Atualmente, haveria ipartição nas espécies de concessionárias, como entes comerciais, s e públicos; (c) não poderia haver discriminações, com base no 1, CF/1988, entre essas entidades, dada a ausência de fundamento tucional para essa diferenciação; (d) existem diversas leis fedeubsequentes ao Dec.-Iei 236/1967, que instituíram mecanismos de ciamento direto ou indireto às emissoras educativas. De tal sorte, e poderia manter as concessionárias educativas em posição de ~to impedimento de obtenção dessas vantagens indispensáveis ao io de suas atividades essenciais; (e) a própria realidade desmente a <1, pois as televisões educativas há muito não circunscrevem seus eúdos às previsões taxtativas do Dec.-lei 236/1967 e do Código ileiro de Telecomunicações. O Advogado-Geral da União recebeu a consulta e determinou a audia prévia da Consultoria Jurídica do Ministério das Comunicações, se pronunciou sobre o tema nos termos do Parecer MC/ConjurIMBH 29, , elaborado pelo consultor jurídico Marcelo Bechara Souza Hobaika. Esse parecer, que foi posteriormente aprovado em parte pelo Advoo-Geral da União e tornado vinculante para a Administração Federal 10 Presidente da República, tem profundo impacto no regime jurídico radiodifusão educativa no Brasil. RESENHA DO PARECER DO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES A resenha do estudo jurídico do órgão de execução da Advocaciaral da União no Ministério das Comunicações permite extrair as guintes conclusões: 1) O art. 223 do CF/1988, estabeleceu três serviços de radiodifusão nora e de sons e imagens, a saber, o privado, o público e o estatal. parecerista distingue entre (a) o serviço público privativo do Estado (sistema de radiodifusão estatal); (b) o serviço público não privativo do listado (sistema de radiodifusão público) e (c) o serviço não privativo do listado (sistema de radiodifusão privado), que se submetem ao princípio complementaridade. 2) Em seguida, faz-se a delimitação do conteúdo e das funções de modalidade de serviço de radiodifusão, sob a ótica constitucional:

5 DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES 201 O- RDCOM a) A radiodifusão estatal privativa tem por função a oferta dei mações institucionais e o cumprimento dos deveres estatais pecu no âmbito da Comunicação Social. É uma forma de desempenh obrigações constitucionais de compartilhar com os súditos da Rep as ações, as políticas públicas, as políticas governamentais, as camp públicas (saúde, educação, segurança pública) e todos os atos liga fiel execução dos princípios magnos do art. 37, caput, da CF/19 entre os quais, de modo implícito, está a transparência. b) A radiodifusão não privativa do Estado é a que foi concedid permitida aos operadores particulares. Conql:lanto todos os se de radiodifusão sejam públicos, essa modalidade goza de liberdad produção de conteúdos e se favorece da prevalência da livre inicia Segundo o parecerista, esse "sistema privado busca maior autonomia emissoras de rádio e de televisão quanto ao conteúdo de sua programa sempre atento aos princípios constitucionais e infraconstitucionais regem o serviço. Apesar de uma série de limites, sua lógica é basicame comercial. A informação é transmitida a partir de uma linha editori a busca pelo entretenimento do usuário é a grande marca desse modé extremante bem sucedido e aceito no Brasil". c) A radiodifusão pública não privativa do Estado, dita radiodifus pública (e, portanto, não estatal) é conceituada no Parecer MC/Conj MBH 1.929, , como a que se destina a transmitir progra educativos, porém, essa finalidade é complementada pelo conteúdo art. 221 da CF/1988, sem ostentar caráter exaustivo a enumeração fins ali contidos (educativos, artísticos, culturais e informativos). É ser resguardada a contaminação desses serviços por interesses ou ing rências comerciais. A própria origem da outorga - sem licitação, se preço público - assim o exige. Estabelecido esse arco terminológico, o parecer ocupa-se de resolve o ponto central da consulta, que é a aplicabilidade das restrições pré constitucionais à publicidade e à própaganda na radiodifusão público Louvando-se na pouco conhecida Portaria Interministerial 651 de , do Ministério das Comunicações e do Ministério da Cul~ura Marcelo Bechara de Souza Hobaika estabelece que a programação da~ concessionárias (e permissionárias) deve ser apresentada de forma recreativa, informativa ou cultural, sem finalidade de lucro. Segundo o parecerista, o "parágrafo único do art. 13 é expresso ao afirmar que a televisão educativa não tem caráter comercial. Com isso, é inadmis- do sistema público de radiodifusão a comercialização de se espaços". ntanto, essa regra não se mostra incompatível com as chamadas centivo - Lei 7.505/1986 e na Lei 8.313/1991 -, na medida elas permitem a captação de recursos para projetos específicos, a marco regulatório diverso, no qual tem posição preeminente o.o da Cultura. volução normativa, no entanto, trouxe um novo componente à o problema, que é o conceito da publicidade institucional, nos Lei 9.637, de , que, em seu art. 19, permitiu às orgasociais que absorvessem as atividades de radiodifusão educativa, imento de recursos e a veiculação remunerada de anúncios, além ar a efeito "outras práticas que configurem comercialização de seus aios". Marcelo Bechara de Souza Hobaika considera que essa regra itada às entidades que, de modo transitório e por efeito da Reforma 'nistrativa, assumiram as funções da Fundação Roquette Pinto e ongêneres. Para ele, criou-se tão somente uma tendência, porém, nificativo relevo na perspectiva histórica. O parecer admite que a Lei , de , que institui os cípios e objetivos dos serviço de radiodifusão pública explorados Poder Executivo ou outorgados a entidades de sua administração 'reta e autoriza a constituição da Empresa Brasil de Comunicação BC, em seus arts. 2. e 3., ultrapassou seus limites objetivos e deu cretude aos princípios constitucionais da radiodifusão pública iço público de radiodifusão não privativa do Estado). A despeito dessa importante função de sistematizar os princípios radiodifusão pública, a Lei /2008 deu sequência a um processo is antigo, de concretização de termos constitucionais ainda vagos, lativamente a esse tertius genus dos mencionados serviços públicos. serviço de radiodifusão comunitária, instituída pela Lei 9.612, de , segundo a manifestação jurídica do Ministério das Comuniáções, já seria um típico exemplo de radiodifusão pública. Retomando o objeto específico da consulta, o Parecer MC/Conjur/ BH 1.929, destaca que a Lei /2008 conectou a ublicidade institucional aos princípios constitucionais do art. 37, specific~menteo primado da publicidade. Com isso, seria lícito afirmar que a vedação do art. 13 do Dec.-lei 236/1967 estaria em plena conformidade com a Lei /2008, até porque, de acordo com o texto da

6 160 REVISTA DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES RDCOM manifestação da Consultoria Jurídica, "da mesma forma, a publicid institucional não comporta a veiculação de anúncios de produto~ serviços." Em seção seguinte, o parecer afirma textualmente que a inter tação extensiva da Lei /2008 não pode ser automaticamente tr posta para toda e qualquer entidade, impondo-se o exame caso a e condicionado à investigação de suas características em correspondên à sua finalidade social. E, para além disso, deve ser demonstrada a oe rência de vínculo jurídico com o Estado. Por fim, fez-se a correspondência entre a Empresa Brasileira Comunicação - EBC e a Fundação Padre Anchieta, sob a égide de três critérios: (a) as características comuns; (b) a finalidade social; ( vinculação com o Poder Público. O parecer, em suas conclusões, apresenta quatro aspectos dignos nota, por sua inovação na ordem jurídica: 1) O reconhecimento pela autoridade regulatória dos serviços radiodifusão - o Ministério das Comunicações - da existência de modelo tripartido desses serviços, atualizando os modelos normativ de modo praeter legem, mas secundum leges constitutionis, por efeito art. 223 da CF/1988. Haveria os serviços estatais, públicos e privados 2) Os serviços de radiodifusão educativa permaneceriamsujeitos termos do art. 13 do Dec.-Iei 236/1967. A publicidade institucional, entanto, é lícita, nos moldes da norma superveniente, a Lei /20 cujo âmbito de aplicação é, em princípio, delimitado à EBC, mas, extensão, alcança modus in rebus as outorgadas dos serviços de radio fusão pública. 3) A publicidade institucional nos serviços de radiodifusão públi é de ser realizada após o exame caso a caso das entidades interessad havendo o parecer estatuído três critérios para controlar a aplicação seus efeitos concretos: (a) as características comuns da entidade a EBC; (b) a finalidade social simétrica; (c) a vinculação com o Po Público. 3. ANÁLISE DO DESPACHO DO ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO O Parecer MC/ConjurlMBH 1.929, seguiu o ritmo 40, 1.0, da LC 73, de , segundo o qual "o parecer aprova e publicado juntamente com o despacho presidencial vincula a Ad ão Federal, cujos órgãos e entidades ficam obrigados a lhe dar fiel rimento." ara isso, foi submetido à aprovação do Advogado-Geral da União,.José Antonio Dias Toffoli, que o fez por meio de Despacho, cujo ambém merece análise, na medida em que acolheu apenas parte das usões da ConsultoriaJurídica do Ministério das Comunicações. () então Advogado-Geral da União, José Antonio Dias Toffoli, eu que, a despeito das restrições do art. 13 do Dec.-Iei 236/1967, dação Padre Anchieta "pode veicular conteúdos de caráter recrea 'Uformativo ou de divulgação desportiva considerados educativos, les estiverem presentes elementos instrutivos ou enfoques educalllturais identificados em sua apresentação. Poderá ainda veicular aganda institucional, amparada na legislação posterior que rege a éria, afastada a comercialização, sempre com objetivo de atender ~ finalidades institucionais". Assim, a aprovação do parecer do Ministério das Comunicações estou suas conclusões no sentido de que existem três modelos stitucionais de serviços de radiodifusão, além de serem aplicáveis ranquias da Lei /2008, "no tocante à liciedade da propaganda titucional", à Fundação Padre Anchieta. O ponto de dissidência do despacho do Advogado-Geral da União tra-se no punctum saliens da consulta, que é a recepção do art. 13 Dec.-Iei 236, de , pela Constituição de A autorie máxima na interpretação normativa no âmbito da Administração eral deixou de se pronunciar sobre esse tema, seja por entender que stem "questões exógenas ao parecer", dignas de melhor reflexão, seja rque os limites da consulta o impediam de emitir juízo peremptório re o tema. Rigorosamente, permanece em aberto o problema da adequação do. 13 do Dec.-lei 236/1967 ao texto constitucional vigente. O parecer ibiu a posição do Ministério das Comunicações sobre a matéria. E, sse aspecto, aquela autoridade regulatória está admitida a permanecer m sua interpretação favorável ao recebimento daquela norma pela onstituição de Sobre isso o consultor jurídico Marcelo Bechara Souza Hobaika não deixou dúvidas. A ressalva do Advogado-Geral da nião não permite afastar do campo da validade esse posicionamento. o reverso, o capítulo do parecer não se convolou em coisa vinculante

7 162 REVISTA DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES 201 O- RDCOM para a Administração Federal. A questão permanece em aberto, ao externamente ao Ministério das Comunicações. 4. CONSTRUÇÃO DE UM MODELO DE RADIODIFUSÃO PÚBLICA: CONTEÚDO LIMITES Da combinação dessas manifestações, da Consultoria Jurídica e Advocacia-Geral, extrai-se que poderá ser reapresentada a tese da inco patibilidade normativa do art. 13 do Dec.-Iei 236/1967. O Preside da República, ao aprovar o Despacho e o Parecer, tornou vinculant contudo, os capítulos atinentes à extensão de regimejurídico da EBC p a Fundação Padre Anchieta e encampou os três critérios que devem preenchidos para qualquer outra outorgada de serviços de radiodifu pública, que pretenda se favorecer da publicidade institucional. Sob esse ponto, tolitur quaestio. Há vinculação hierárquica administrati erga omnes e abrem-se as portas para o equacionamento de problem semelhantes em diversas pessoas jurídicas congêneres. A forma prudente com que a matéria foi abordada, tanto pe Ministério das Comunicações, quanto pela Advocacia-Geral da Uniã evitará que externalidades negativas advenham da aprovação do parec e do despacho. Em princípio, estão excluídas dos benefícios da publicl dade institucional todas as radiodifusoras educativas que não possua vínculo com o Poder Público. À exceção daquelas que hajam sid instituídas ou sejam controladas, administradas ou regidas (ainda qu indiretamente) por Municípios, Estados, Distrito Federal, União e seu entes autárquicos ou fundacionais, não poderão as educativas vinculada a fundações particulares (totalmente livres de controle estatal) gozar dos direitos assegurados por extensão pelo Parecer MC/ConjurlMBH 1.929, A solução do problema do custeio dos serviços de radiodifusão educativa ultrapassa a mera releitura do Dec.-Iei 236/1967. Os serviços de radiodifusão foram concebidos sob a lógica da autossustentabilidade. Diferentemente dos serviços de telecomunicações, que extraem seus rendimentos da contraprestação dos usuários, aqueles dependem dd concurso de investimentos de seus titulares e da obtenção de receitas decorrentes da propaganda e da publicidade. 1 O modelo histórico de 1. "A essência da radiodifusão encontra-se na ideia de transmissão gratuita de partículas sonoras ou sonorovisuais no espectro radioelétrico, sem qualquer restrição aos seus destinatários. Em regra, essas partículas ou desses serviços baseou-se no caráter intuitu personae. Com a 'tuição de 1988 e o incremento das receitas publicitárias, impõs-se ado da licitação como requisito da concessão ou da permissão rviços (eufemisticamente) denominados "educativos e culturais", IIi, verdadeiramente comerciais. Com essa mudança, a exigência de público tornou-se cogente. A contrapartida seria a concessão (ou issão) imaterial de uma outorga e, na realidade, de uma parcela do tro radioelétrico. As radiodifusoras educativas não se submetem a procedimento lici D, muito menos estão sujeitas ao pagamento de preço público. 2 Se lares da concessão ou da permissão são pessoas jurídicas de direito do, sem vínculo com Administração Pública, a pura e simples não ção do art. 13 do Dec.-Iei 236/1967 criaria um estado de discrimio entre os que prestam serviços educativos e culturais (comerciais? ondas são propagadas no éter, sem guia especial, a partir de suas geradoras. A gratuidade e a generalidade da recepção timbram e diferenciam os serviços de radiodifusão. Os concessionários, permissionários e autorizatários devem, quando for o caso, obtersua remuneração pormeios próprios (publicidadeou apoios culturais)" (RODR1GUESJUN10R, Otavio Luiz. O regime jurídico-constitucional da radiodifusão e das telecomunicações no Brasil em face do conceito de atividades audiovisuais. A inconstitucionalidade do anteprojeto de lei que cria a Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual - Ancinav. Revista de Informação Legislativa, vol. 43, n. 170, p , abr. jun. 2006). No mesmo sentido: "Os serviços de radiodifusão são gratuitos e abertos à comunidade. As emissoras geradoras de sons e imagens recebem sua remuneração em razão da publicidade inserida na programação. A finalidade dos serviços de radiodifusão é educativa e cultural e são considerados serviços de interesse nacional, sendo permitida a exploração comercial destes na medida em que não afete sua finalidade e o interesse nacional" (VALLE, Regina Maria Piza de Assumpção Ribeiro do. TV por assinatura e radiodifusão: a consolidação da legislação dos serviços de comunicação eletrônica de massa no direito brasileiro. Revista de Informação Legislativa, vol. 40, n. 160, p , out.-dez. 2003, p ). Especificamente sobre a desnecessidade de licitação: STJ, MS 7.465/DF, La Seção, j , rel. Min. João Otávio de Noronha, DJ , p "Art..38. Nas concessões e autorizações para a execução de serviços de radiodifusão, serão observados, além de outros requisitos, os seguintes preceitos e cláusulas: c...) d) os serviços de informação, divertimento, propaganda e publicidade das empresas de radiodifusão estão subordinadas às finalidades educativas e culturais inerentes à radiodifusão, visando aos

8 164 REVISTA DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES RDCOM e os serviços educativos. Desapareceria, na prática, a diferença comgraves prejuízos ao erário, porquanto os últimos nada pagariam outorgas e aufeririam vantagens típicas dos que por elas despend numerário vultoso. Poucos se interessariam pelas outorgas come,ante a franquia generalizada das educativas. A fórmula encontrada Ministério das Comunicações resguarda essas distinções e, ainda, espaço para a radiodifusão pública gozar das vantagens do model publicidade institucional. A compatibilidade vertical do Dec.-Iei 236/1967 com a Constit poderá ser revista pela Advocacia-Geral da União. Seu exame pelo também é possível, por meio de ação declaratória de descumprim de prefeito fundamental, inclusive com a participação no julgament antigo Advogado-Geral da União, José Antonio Dias Toffoli, que h integra o Pretório Excelso, dado que ele não se pronunciou, direta indiretamente, sobre esse capítulo do parecer da ConsultoriaJurídica Ministério das Comunicações. O exame desses documentos, que seguem transcritos na for como publicados no Diário Oficial da União, merece a atenção estudiosos do Direito das Telecomunicações. Trata-se de um modo colmatar lacunas e superar anomias e aporias de um marco regulatá que há tempos requer sua reconstrução, com base nas normas con tucionais e nos princípios reitores do modelo constitucional de saber, a defesa dos valores contidos no art. 221 da CF/1988. Despachos do Presidente da República4 "Referência: Processo / Considerando a relevância do conteúdo jurídico do Parecer M Conjur/MBH 1.929, , por mim aprovado por Despacho de t. determino o desarquivamento dos autos e sua remessa ao Exmo. Sr. Presi dente da República para os fins do art. 40, 1.0, LC 73, de Encaminhamentos de estilo. Em 21 de outubro de 2009." "21 de outubro de José Antonio Dias Toffoli superiores interesses do País" (Lei 4.117, de Institui o Brasileiro de Telecomunicações). 4. Publicado no DOU de ,1." Seção, p speito deste despacho o Exmo. Sr. Presidente da República seguinte despacho: 'Aprovo. Em, 21.X.2009"'. pacho do Advogado-Geral da União Üerência: Processo / llida-se de procedimento administrativo instaurado a requerida Fundação Padre Anchieta, que aponta a existência de controrídica com o Ministério das Comunicações, em face do caráter t da autorização de execução experimental de serviços de radio,publicada no DOU de onforme apontado pela interessada, a norma do art. 13 d~ Dec. de , apresenta conteúdo jurídico não recepcionado ê6nstituição de 1988, na medida em que estabelece proibições à iação de publicidade por titulares de outorgas de serviços de radio -o educativa. beterminei fossem os autos encaminhados previamente ao Minisdas Comunicações, a fim de que se lhe permitisse expor manifessobre o caso. Voltaram-me os autos com o Parecer MCIConjur/MBH 1.929, , da lavra de seu Consultor Jurídico Dr. Marcelo Bechara de ()baika, o qual, em sua conclusão, aduz o seguinte: 'Ficou demonstrado que a Lei Maior não derrogou o art. 13 do c.-iei 236/1967. Todavia, também foi demonstrado que o sistema blico de radiodifusão, mormente educativas vinculadas ao Poder 1Jlico evoluiu, sem que isso implique a mudança de visão do Dec.-Iei 1967 que era garantir a não comercialização do sistema. Em relação à programação, coube a Portaria Interministerial651, de , estabelecer a possibilidade de que mesmos os conteúdos de áter recreativo, informativo ou de divulgação desportiva pode~ão ser nsiderados educativo, se neles estiverem presentes elementos mstruos ou enfoques educativo-culturais identificados em sua apresenta~ão. s exemplos de conteúdos desenvolvidos pela Fundação Padre AnchIeta item 4.4 de sua manifestação estão totalmente aderentes ao estabeecido na Portaria, o que já demonstra que a entidade vem na busca do cumprimento dessas finalidades. A Fundação Padre Anchieta, entidade da administração indireta do Estad~ de São Paulo integra o sistema público de radiodifusão. Portanto, assim como a EBC, e desde que obedecidos os princípios da

9 166 REVISTA DE DIREITO DAS COMUNICAÇÕES 201 O- RDCOM Lei /2008, a Fundação Padre Anchieta poderá contar com a pu cidade institucional de entidades de direito público e de direito priva vedada a sempre veiculação de anúncios de produtos ou serviços. vedação se coaduna com a proibição do art. 13 do Dec.-Iei 236/19 Ao contrário do que foi apresentado pela interessada, o dispositivo impede a fruição plena dos benefícios da comunicação social. Diante do exposto, pode-se concluir que, apesar de válidas as ções estabelecidas pelo art. 13 do Dec.-lei 236/1967, a Fundação P Anchieta, pode veicular conteúdos de caráter recreativo, informativo o divulgação desportiva considerados educativo, se neles estiverem preseil elementos instrutivos ou enfoques educativo-culturais identificados sua apresentação. Poderá ainda veicular propaganda institucional, a rada na legislação posterior que rege a matéria, afastada a comercializaçsempre com objetivo de atender suas finalidades institucionais.' Acolho o parecer nas conclusões que possibilitam a caracteriza dos conteúdos veiculados pela requerente como adequados ao ãmb normativo da Portaria Interministerial651, de E, além is as que estendem à requerente o regime jurídico da Lei /2008, tocante à liciedade da propaganda institucional. Essa leitura do orden mento infraconstitucional pela Consultoria Jurídica do Ministério d Comunicações é apropriada aos fins públicos da requerente e serve fundamento para suas pretensões legítimas no que concerne à obtençã de subsídios econômicos por vias juridicamente regulares. Deixo, contudo, de me pronunciar sobre as conclusões que afastam não recepção do art. 13 do Dec.-Iei 236, de , pela ordem const' tucional em vigor. Creio que esse ponto demanda maior reflexão e o exa de questões exógenas ao parecer, as quais dependem de uma formulaçã mais ampla da matéria, algo impossível dado o objeto da controvérsia. Ante o exposto, acolho em parte a manifestação jurídica do Minis. tério das Comunicações, consubstanciada no Parecer MC/Conjur/MB 1.929, , para os fins de: a) permitir à requerente a veiculação de conteúdos de caráter recreativo, informativo ou de divulgação desportiva considerados educativos, se neles estiverem presentes elementos instrutivos ou enfoques educa. tivo-culturais identificados em sua apresentação; b) reconhecer a licitude da veiculação de propaganda institucional e o apoio cultural, nos termos da Lei /2008. eixo de emitir pronunciamento, pelas razões expendidas, sobre pção do Dec.-Iei 236, de , pela ordem constitucional te. pós, remetam-se cópias deste despacho ao Ministério das Comu -es e à requerente, acompanhada do mencionado parecer, para os e estilo. Arquive-se. Em 02 de outubro de osé Antonio Dias Toffoli." '.'Parecer MC/Conjur/MBH 1.929, Processo / Ementa: Controvérsia jurídica instaurada pela Fundação Padre hieta em face de ato do Ministério das Comunicações que deu icabilidade ao art. 13 do Dec.-Iei 236, de Dispositivo epcionado pela Constituição da República de Inexistência de nsa a princípios constitucionais. Radiodifusão pública. Finalidades programação. Publicidade institucional. Possibilidade. 'Deixai a imprensa com suas virtudes e seus vícios. Os seus vícios ontrarão corretivos nos seus acertos.' - Rui Barbosa. O Gabinete do Exmo. Sr. Advogado-Geral da União solicita ronunciamento desta Consultoria Jurídica acerca da controvérsia jurí.ca instaurada pela Fundação Padre Anchieta, em face de norma do inistério das Comurücações que conferiu aplicabilidade ao art. 13 do ec.-lei 236, de , o qual não haveria sido recepcionado pela onstituição Federal. I - Relatório A Fundação Padre Anchieta, pessoa jurídica de direito privado, em fins lucrativos, foi instituída pela Lei estadual paulista 9.849, de , com a finalidade de promover atividades educativas e cultuais, por meio de suas emissoras de rádio e televisão. Para tanto, detém diversas outorgas conferidas pelo Poder Público Federal para executar serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens, bem como serviços ancilares em vários Municípios do país. Recentemente, com objetivo de cumprir suas finalidades institucionais,' utilizando-se de recursos modernos da tecnologia do Sistema Brasileiro de Televisão Digital - SBTDV-T, a Fundação Padre Anchieta

DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA REFERÊNCIA: Processo nº 00400.011531/2009-61 Considerando a relevância do conteúdo jurídico do

DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA REFERÊNCIA: Processo nº 00400.011531/2009-61 Considerando a relevância do conteúdo jurídico do DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA REFERÊNCIA: Processo nº 00400.011531/2009-61 Considerando a relevância do conteúdo jurídico do PARECER/MC/CONJUR/MBH/No 1929-1.01/2990, por mim aprovado por Despacho

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 618, DE 2004 (Nº 885/2003, na Câmara dos Deputados)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 618, DE 2004 (Nº 885/2003, na Câmara dos Deputados) Maio de 2004 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Quinta-feira 27 16139 1) De acordo 2) Encaminhe-se o processo ao Departamento de Fiscalização e Outorgas para prosseguimento. São Paulo, 26 de junho de 1997. Eduardo

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000 PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000 (Apensos: PL s nºs 4.399, de 2001; 4.505, de 2001; 4.587, de 2001; 5.241, de 2001; 5.843, de 2001; 6.835, de 2002) Dispõe sobre a instalação de fontes emissoras de radiação

Leia mais

Publicidade e Propaganda - Radialismo. Apresentação da ementa

Publicidade e Propaganda - Radialismo. Apresentação da ementa Publicidade e Propaganda - Radialismo Apresentação da ementa Professor substituto da Universidade Federal do Mato Grosso (disciplina Estatuto da Criança e do Adolescente; Direito Penal e Direito e Ética

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 507.536 - DF (2003/0037798-3) RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI RECORRENTE : O SINDICATO DOS SERVIDORES DAS AUTARQUIAS DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União NOTA TÉCNICA /2012/OGU/CGU-PR Referência: 99901.000228.2012-55 Assunto: Recurso de 3ª instância referente ao pedido de acesso à informação 99901.000228.2012-55, interposto por em face do Banco do Brasil

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

IMUNIDADES A IMPOSTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. ART. 150, VI.

IMUNIDADES A IMPOSTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. ART. 150, VI. ALEXANDRE PANTOJA ADVOGADO www.alexandrepantoja.adv.br http://www.linkedin.com/pub/alexandre-pantoja/52/617/abb Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 5.339, DE 2013

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 5.339, DE 2013 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 5.339, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 4.865, de 2012) Altera o art. 20 da Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991, para instituir

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) Regulamenta a profissão de taxista transformando os motoristas auxiliares de veículos de aluguel a taxímetro em empregados ou em permissionários

Leia mais

EDIÇÃO Nº 230 QUINTA - FEIRA, 1 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DA MINISTRA

EDIÇÃO Nº 230 QUINTA - FEIRA, 1 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DA MINISTRA EDIÇÃO Nº 230 QUINTA - FEIRA, 1 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 116, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 (com atualizações da Portaria nº 5 de 26/01/2012 DOU de 30/01/2012) Regulamenta os segmentos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Kildare Araújo Meira Advogado sócio da Covac Sociedade de Advogados, Pós Graduado em Direito Processual Civil pelo Instituto Brasiliense

Leia mais

ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA. PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU

ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA. PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU NUP: 00407.005183/2012 29 INTERESSADO: PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

A importância do Direito Civil no âmbito do Direito Tributário

A importância do Direito Civil no âmbito do Direito Tributário A importância do Direito Civil no âmbito do Direito Tributário Kiyoshi Harada* Sumário: 1. Introdução. 1.1 Da utilização de determinada categoria jurídica por vários ramos do direito. 1.2 Dos critérios

Leia mais

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR Arguição de descumprimento de preceito fundamental 292/DF Relator: Ministro Luiz Fux Requerente: Procuradoria-Geral da República Interessado: Ministério da Educação Arguição

Leia mais

Perspectivas, tendências e legislação no Brasil

Perspectivas, tendências e legislação no Brasil Unidade II Perspectivas, tendências e legislação no Brasil Legislação para a EAD Prof. Sérgio C. A. Vallim Filho Dispositivos legais aplicáveis à EAD CF Arts. 22 a 24 (incs), 205 a 214 LEGISLAÇÃO FEDERAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 18 de agosto de 2014. MENSAGEM Nº 032/2014 Exmo. Sr. Francisco Ricardo Gattini DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Com meus cordiais e respeitosos cumprimentos,

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 046 CONSUPER/2014 Regulamento para participação em atividades esporádicas para professores submetidos ao Regime de Dedicação Exclusiva. O Presidente do do IFC, Professor Francisco José Montório

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma:

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma: O que são "serviços de radiodifusão"? São os serviços, estabelecidos por legislação própria, que promovem a transmissão de sons (radiodifusão sonora) e de sons e imagens (televisão), a serem direta e livremente

Leia mais

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL I. CUSTEIO DE CARTÕES

Leia mais

PROVIMENTO Nº 116 DE 14 DE JULHO DE 1997

PROVIMENTO Nº 116 DE 14 DE JULHO DE 1997 CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 116 DE 14 DE JULHO DE 1997 O Excelentíssimo Doutor ALBERTO NOGUEIRA, Vice-Presidente e Corregedor - Geral do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no uso de suas atribuições

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 27 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DAS FRANQUIAS ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) POSTAIS DO BRASIL :MARCELO

Leia mais

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS RELATÓRIO PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS Considerando a multiplicação de solicitações encaminhadas à Comissão de Fiscalização COFI do CRESS 17ª Região a respeito de acumulação de cargos públicos,

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 143 - Data 2 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS ISENÇÃO. CERTIFICAÇÃO DA ENTIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Se sua empresa deseja Patrocinar um dos projeto culturais, aprovados pelo Ministério da Cultura por meio por da Lei Rouanet. Isso significa que como

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

Direito Administrativo: Organização Administrativa

Direito Administrativo: Organização Administrativa Direito Administrativo: Organização Administrativa Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Administrativo I ministrada no semestre 2014.1 do curso de Direito. Autor:

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Questão interessante diz respeito aos requisitos legais a serem cumpridos pelos municípios para repassar subvenção social a entidades

Leia mais

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC artigo POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC Mariana Moreira * Kleyton Rogério Machado Araújo ** A Lei federal 13.019/2014, ou Marco Regulatório das Organizações Sociais (MROSC),

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 6, de 2015, ao Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 322, de 2010, do Senador Sérgio Zambiasi, que dispõe

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 197, de 2009 (nº 3.305, de 2008, na origem), do Deputado José Eduardo Cardozo,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 32.617 - MT (2010/0131496-9) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : ANTÔNIO MÁXIMO GOMES DE SANTANA : ANA LÚCIA RICARTE : ESTADO

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO. PARECER A&.õH / 4M

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO. PARECER A&.õH / 4M «P*> ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PARECER A&.õH / 4M A GRADUAÇÃO EM CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO VIABILIZA A CONCESSÃO DO ADICIONAL DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DE QUE TRATA O ARTIGO 15 DA LEI

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 41/04 Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DECRETO Nº 5.224, de 1º de outubro de 2004 Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico

TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico 1. - Necessidade de existência de mantenedoras das instituições educacionais No Brasil é obrigatório que uma escola, tanto de educação

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno INFORMAÇÃO UCCI N 048/2005 UNIDADE DESTINO: Secretaria de Administração

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

SÍNTESE DO MEMORIAL:

SÍNTESE DO MEMORIAL: ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA-GERAL DE CONTENCIOSO RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 27.300 IMPTE..: INSTITUTO IMACULADA CONCEIÇÃO IMPDO.: MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RELATORA:

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios; autoriza a prorrogação de contratos temporários firmados com fundamento no art.

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais