A PLATAFORMA MULTIMÍDIA COMO ESTRATÉGIA DE PROPAGANDA INSTITUCIONAL: O PROJETO GPSNET.TV DA GPSNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PLATAFORMA MULTIMÍDIA COMO ESTRATÉGIA DE PROPAGANDA INSTITUCIONAL: O PROJETO GPSNET.TV DA GPSNET"

Transcrição

1 A PLATAFORMA MULTIMÍDIA COMO ESTRATÉGIA DE PROPAGANDA INSTITUCIONAL: O PROJETO GPSNET.TV DA GPSNET Orientando: Jorge Ezequiel Benites Campos Junior Orientador: Dr. Profº Joel Filipe Guindani

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA JORGE EZEQUIEL BENITES CAMPOS JUNIOR A PLATAFORMA MULTIMÍDIA COMO ESTRATÉGIA DE PROPAGANDA INSTITUCIONAL: O PROJETO GPSNET.TV DA GPSNET São Borja

3 JORGE EZEQUIEL BENITES CAMPOS JUNIOR A PLATAFORMA MULTIMÍDIA COMO ESTRATÉGIA DE PROPAGANDA INSTITUCIONAL: O PROJETO GPSNET.TV DA GPSNET Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Relações Públicas Ênfase em produção cultural da Universidade Federal do Pampa, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Relações Públicas Ênfase em Produção Cultural. Orientador: Prof. Dr. Joel Felipe Guindani. Trabalho de Conclusão de Curso defendido e aprovado em: 21 de janeiro de

4 AGRADECIMENTOS Foram muitos os percalços, experiências mal sucedidas, tombos e dificuldades adversas até chegar aqui, e não foram poucos os motivos para desistir. Em certa altura, o desanimo apareceu, perdi a direção e lá fiquei perdido e sem ter aonde ir. Foi então que quase sem esperança e desacreditado, apareceram os meus amigos, a família que não é de sangue, mas que não impediu de agir fraternalmente como um irmão, primo, mãe ou pai. Encontrei a luz, achei o caminho e segui até o final. E então percebi, através do apoio deles, que todas as coisas que aconteceram negativamente na minha vida, foram para me melhorar, lapidar, transformar em alguém maior, como pessoa e como profissional. Ao longo dessa caminhada tortuosa, mas ao mesmo tempo enriquecedora, tive este imenso apoio, e não há como mensurar em apenas com palavras o quanto me ajudou. O meu muitíssimo obrigado, aos meus amigos Douglas Vieira, Marlon Oliveira, Antonio Marcos, Martiele Prestes, Leonardo Campos, que de forma indireta ou direta me direcionaram a concluir esta etapa. Agradeço a minha família, por me dar todo o suporte que necessitei para superar estas barreiras e aos professores do curso de Relações Públicas, em especial aos professores e Joel Felipe Guindani, Valmor Rhoden, Carmen Abreu e Cristovão Almeida que em todos os momentos da minha vida acadêmica construíram em mim o profissional que eu sou hoje. 4

5 RESUMO O presente trabalho objetivou compreender a plataforma multimídiatica como uma ação de comunicação institucional. Como objeto empírico, escolhemos o projeto de construção de um canal Multimídia GPSNet TV da empresa GPSNet - Provedor de Acesso a Rede de Comunicações LTDA que é referencial em tecnologia, situada na cidade de São Borja, fronteira oeste do estado do Rio Grande do Sul. Como metodologia utilizamos a entrevista semiestruturada com profissionais da empresa do setor de comunicação, bem como pesquisa em documentos que nos evidenciaram a construção deste projeto multimídia. Como objetivos específicos buscamos identificar os aspectos que definem a ação institucional da plataforma multimídia da GPSNet; descrever o processo de construção da GPSNet.TV e analisar se o GPSNet.TV se efetiva como projeto de comunicação institucional multimídia. Iniciamos a construção deste trabalho questionando se o projeto GPSNet TV se efetiva como uma ação de comunicação institucional, ou seja, se os objetivos estratégicos foram concebidos com o viés de promoção da imagem da empresa bem como a motivação para a criação desta plataforma multimídia. Como resultado geral, percebemos que o GPSNet.TV é um projeto em andamento, que ainda não atingiu o seu objetivo principal, o de oferecer a comunidade uma plataforma para produção multimídia e ao mesmo tempo ser um potencial meio de comunicação institucional Palavras-chave: Plataforma multimídia; imagem institucional; comunicação institucional; GPSNet TV; estratégias de comunicação; 5

6 ABSTRACT This study aimed to understand the multimedia platform as an institutional communication action. As empirical object, choose the construction project of a Multimedia GPSNet TV channel GPSNet Company - Access Provider to LTDA Communications Network that is referential in technology, in the city of São Borja, western border of the state of Rio Grande do Sul. the methodology we used semistructured interviews with communications industry business professionals as well as research on documents that showed in the construction of this multimedia project. The specific objectives we seek to identify the aspects that define the institutional action of the multimedia platform GPSNet; describe the process of building GPSNet.TV and analyze the GPSNet.TV be effective as a project of multimedia corporate communication. Started the construction of this work questioning whether GPSNet TV project is effective as an institutional communication action, that is, if the strategic objectives are designed with the bias of the company's image promotion and the motivation for the creation of this multimedia platform. As a result, we realize that GPSNet.TV is an ongoing project that has not yet reached its main goal was to offer the community a platform for multimedia production and at the same time be a potential means of corporate communication. Keywords: multimedia platform; institutional image; institutional communication; TV GPSNet; communication strategies; 6

7 LISTA DE ANEXOS Anexo I Termos de uso e direitos autorais - GPSNet.TV Anexo II Organograma da GPSNet 7

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO As plataformas de produção e veiculação multimídia A produção audiovisual em tempos multimídia Um olhar histórico sobre a TV AS ESTRATÉGIAS DE AÇÕES DE PROPAGANDA INSTITUCIONAL A produção de estratégias de ações comunicacionais com a finalidade institucional A percepção positiva do público e os ganhos com imagem institucional METODOLOGIA Estudo de caso OBJETO DE PESQUISA: GPSNET História da empresa A equipe de comunicação da GPSNet Os projetos sociais da empresa Arte no muro Kombi da Conectividade TI Verde GPSNET TV: A PLATAFORMA MULTIMIDIA COLABORATIVA DA GPSNET Objetivo Geral e objetivos específicos do projeto Seções do GPSNet TV A ESTRATÉGIA DE AÇÃO POR TRÁS DA CRIAÇÃO DO GPSNET TV As possíveis contribuições de uma plataforma multimídia para a comunicação institucional da empresa CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS

9 1 INTRODUÇÃO A realização deste trabalho motivou-se a partir das diferentes ferramentas de comunicação aprendidas e praticadas em sala de aula e, dentre esta variedade, a que mais se destacou com a sua forma intrínseca e peculiar de planejar, quanto seu potencial engajador foi a produção áudio e visual de conteúdos voltados para a promoção institucional. Em primeiro momento é preciso analisar a questão audiovisual dentro de uma ferramenta de comunicação institucional, diante do cenário atual, é inegável que a produção audiovisual, definitivamente, popularizou e hoje representa massivamente uma grande fatia de consumo através dos meios de comunicação como a TV, o cinema e a internet, existindo uma enorme diversidade de formatos e gêneros como de entretenimento, educação, esporte, política, propaganda, etc. Diante deste cenário os indivíduos estão cada vez mais acostumados com a linguagem audiovisual, pela forte cultura de consumo televisivo, programas de TV sejam eles de entretenimento como o Big Brother Brasil, The Voice Brasil e Domingão do Faustão, quanto de estilo jornalístico: Jornal Nacional, Fantástico e Jornal Hoje, além das coberturas esportivas, como o campeonato Brasileiro, Copa do mundo de Futebol e Olimpíadas, são programas com picos altos de audiência, resultando em excelentes vitrines para a publicidade, seja ela informativa, comercial ou institucional. A Produção audiovisual de conteúdo publicitário é algo recorrente no planejamento comunicacional da maioria das empresas, presente no contexto micro: pequenas empresa, até as médias e grandes corporações. Porém há o fato de que o público absorve e descarta em sua mente diversas propagandas da qual não é de seu interesse ou não o chama atenção. Ser um diferencial neste mar de propagandas é tarefa para poucos, e estes poucos, devem investir alto em uma produção de qualidade, quanto para contratar os horários comerciais nas TV s. A internet é outro meio de divulgar a propaganda audiovisual, mas só produzir e reproduzir em diferente meio não é garantia o suficiente para atingir o público, pois na internet há diferentes níveis e tipos de usuários e não há garantia do perfil do público consumirá a sua produção. Esses fatores podem e já desmotivam diversas empresas, que buscam outras soluções para atingir seu objetivo comunicacional. 9

10 Dentro de um contexto mercadológico, são inúmeras as ações de comunicação que visam persuadir o público, com o objetivo de buscar uma maior aceitação destes com os seus produtos e serviços. A produção audiovisual no que remete a uma comunicação com fins institucionais se insere neste cenário como uma ferramenta se bem explorada de reforço positivo da imagem. Um plano de ação que seja eficaz e atinja os objetivos pré-estabelecidos no início do processo é o que toda empresa idealiza, porém os por menores da produção, execução e veiculação são vários. Neste contexto teórico situamos nosso objeto de investigação: GPSNet.TV. Este é um projeto da empresa GPSNet - provedor de Acesso a Rede de Comunicações LTDA, situada no município de São Borja, fronteira oeste do Estado do RS. Após delimitarmos o objeto, elaboramos a seguinte questão: A GPSNet.tv se efetiva como um canal institucional multimídia? Como objetivo geral, buscamos compreender se a plataforma Multimídia se efetiva como instrumento de propaganda institucional, a partir de um estudo de caso da GPSNet.TV. Os objetivos específicos visam: identificar os aspectos que definem a ação institucional da plataforma multimídia da GPSNet; descrever o processo de construção da GPSNet.TV; analisar se o GPSNet.tv se efetiva como um canal institucional multimídia. Como justificativa, percebemos que ao longo dos anos, a produção de ações de comunicação que tem por objetivo, ser institucional tem tomado uma fatia importante dos investimentos em comunicação de uma empresa. Por definição, o termo institucional não há um conceito claro, mas tem relação intrínseca com a instituição/empresa. A produção da comunicação institucional está ligada às ferramentas de relações públicas com o objetivo de estabelecer uma aceitação da instituição perante a sociedade. Há vários motivos que levam uma empresa a optar por este tipo de comunicação, dentre estes estão as constantes transformações sociais, a opinião pública cada vez mais hostil perante as empresas privadas e o aumento dos movimentos sociais. Todos estes fatores contribuem para que a empresa sinta a necessidade de justificar seu significado social e o seu valor para a sociedade na qual está inserida. São diversas a gama ações de comunicação que uma empresa pode criar, com finalidade de aproximar público e empresa que se destacam pela sua qualidade e eficiência na transmissão da mensagem, dentre esta variedade, o estudo analisará a plataforma Multimídia GPSNet TV, com o enfoque em que estratégia comunicacional da qual foi concebida. 10

11 Na fundamentação teórica seguimos a seguinte estruturação: inicialmente abordamos sobre a comunicação multimídia e produção audiovisual para que em seguida, conectar o conceito de comunicação institucional, pois cremos que a eficiência desta ação não pode prescindir de um olhar em relação com as outras ações e estratégias de comunicações. Busca-se encontrar elementos que reforcem a imagem da instituição dentro dos objetivos intrínsecos na ação. 11

12 2 DA COMUNICAÇÃO DE MASSA AS TECNOLOGIAS MULTIMÍDIAS A comunicação na forma que conhecemos hoje, interativa, interligada e incisiva, não foi sempre assim. Foi limitada, grotesca e simplória para a complexidade da sociedade. Ela foi se desenvolvendo e passando por diversos processos, à medida que a sociedade se moldava e passava por transformações sociais, culturais e éticas. Antes de abordamos questões referentes as tecnologias multimidiáticas devemos partir de um olhar histórico, desde a comunicação realizada de modo mais simples, a partir de tecnologia segmentadas que não tinham por objetivos atuação em rede ou ser multimídia. Ou seja, o fenômeno contemporâneo que denominamos multimídia não está isolado ou é simplesmente de fácil compreensão. Por isso é necessário um olhar para a própria história da comunicação de massa, a qual consideramos parte das novas configurações midiáticas contemporâneas (RAMOS, 2005). Ao falar de comunicação de massa, inevitavelmente estaremos falando em teoria hipodérmica, teoria crítica, Escola de Frankfurt, indústria cultural, espiral do silêncio e agenda setting, difundida por diversos autores ao longo dos últimos séculos e difundida até os dias atuais. Citamos aqui algumas das principais abordagens que estabeleceram paradigmas importantes no campo analítico da comunicação. A comunicação de massa ou o mass media, teoricamente, é descrita nas seguintes teorias e hipóteses: Teoria hipodérmica, teoria crítica, espiral do silêncio e agenda setting, abordaremos sucintamente cada uma destas. A teoria hipodérmica, também conhecida como teoria da seringa compara o público como um tecido que recebe a substância, (no caso a informação), o indivíduo é descrito como estimulo-resposta, (FERREIRA, 2001, p. 108), os estímulos que não produzem respostas não são considerados estímulos. Os indivíduos neste paradigma, são condicionados a reagir aos estímulos, coagidos a seguir um comportamento, ditada pelos meios de comunicação. A partir desta teoria, percebemos um contexto de comunicação direcionada, a partir de mídias específicas, dotadas de uma força particular e pouco articulada. Já na teoria crítica, o cenário comunicacional se molda em torno da razão, ela constata que os indivíduos se caracterizam através da indústria cultural, estes por sua vez, constituídos pelo rádio, cinema, televisão e publicidade, e é percebida como um sistema, pelo qual seu funcionamento operativo (enredo, imagens, sons.) e também pela sua diversidade de meios e gêneros. Assim, a comunicação também se apresenta de modo 12

13 especializado, ou seja, cada mídia operando de um modo e atingindo públicos massivos (RAMOS, 1995). Os grandes conglomerados de comunicação, podemos dizer, agiam de modo massivo, com vários meios, no entanto a comunicação não era pensada ou possível desde um único suporte - ou como iremos enfatizar adiante -, em formato multimídia. O agenda setting e a espiral do silêncio, em sua concepção são parecidos e diferentes ao mesmo tempo, conforme trabalham com a perspectiva massificante sob à égide da imposição do mass media sobre os indivíduos. A definição da informação segundo a agenda setting é de que os temas mediáticos são ditados pelos próprios grupos de indivíduos. Ao contrário dessa teoria, a espiral do silêncio pauta-se pelo silenciamento dos indivíduos em objeção a opinião das massas. Esta modalidade percebia nas tecnologias a possibilidade de condução da opinião pública, através de uma variada e intensa veiculação de conteúdo. Como enfatizamos a partir da teoria crítica, a sociedade ainda atuava como receptora e as formas de produção de conteúdo não dispunham de canais de retorno ou de interação com os grandes meios de comunicação. (FERREIRA, 2001, p. 108). Do mesmo modo, as empresas não dispunham de uma comunicação independente dos grandes meios de comunicação. A produção de conteúdo, como a propaganda institucional, era realizada diretamente pelas empresas de comunicação. Assim, as empresas não dispunham de tecnologias de comunicação, permanecendo dependentes, unicamente, desses grandes meios de comunicação. No entanto, o cenário comunicacional contemporâneo vem alterando as possibilidades de produção e veiculação. As mídias digitais, através das plataformas de produção multimídia, têm alargado as probabilidades das empresas veicularem seus conteúdos, bem como desenvolver projetos de comunicação que visem a propaganda institucional. 2.1 As plataformas de produção e veiculação multimídia Há várias definições e sentidos da palavra multimídia. Segundo Carvalho (2002, p. 245) A primeira referência ao termo multimídia surgiu em 1959, no livro Instructional Media and Methods de Brown, Lewis e Harcleroad... Desde então, o termo tem aparecido em expressões variadas, como apresentação 13

14 multimídia, espectáculo multimídia, software educativo multimídia, pacote multimídia, sistemas multimídia, computador multimídia, entre outros. Um exemplo melhor detalhado sobre o termo é o do autor francês Pierre Lévy (2000), que utiliza a expressão estratégia multimídia para descrever a utilização de diferentes meios de comunicação que têm uma função de complementaridade na promoção e venda de produtos. (Lévy, 2000, p. 68). A definição que mais se aproxima do cenário em que o nosso objeto empírico se encontra, é a convergência multimidiatica. Segundo Vidigal (2008, p. 27), vivenciamos agora o que chamamos de cultura de convergência, em que os meios de comunicação estão interligados através das plataformas multimídias, e realiza uma reflexão abrangente sobre o termo da qual resume: é o fluxo de conteúdos através de múltiplos suportes midiáticos, a cooperação entre múltiplos mercados midiáticos e o comportamento migratório dos públicos dos meios de comunicação, este que procuram formar diferentes para experimentar. E dentro deste cenário estão as plataformas multimídias da qual semelhantemente definido como o termo história multimídia: uma combinação de texto, imagens fotográficas, ilustrações, videoclipes, áudio e interatividade aplicados na construção de sites na internet, a partir de uma narrativa não-linear, de modo que a informação em cada mídia seja complementar e não redundante. (VIDIGAL, 2011, p. 5). O processo de construção dessas plataformas, é semelhante a qualquer outro produto comunicacional, para que o objetivo seja atingido com sucesso, devem ser construídas através um planejamento minucioso e detalhado, pois a mal elaboração desta, pode ocasionar um efeito contrário, desmotivando o público que irá consumir a ferramenta, conforme afirma Vidigal: Mesmo com a evolução da tecnologia e um aumento considerável das ferramentas e dos recursos digitais, se não for bem planejado, o material multimídia pode dispersar a atenção do usuário e, até mesmo, desmotivá-lo a navegar pelo conteúdo do site. (VIDIGAL, 2011, p.06) Há também sub formatos que se constituem basicamente de uma mistura entre um elemento midiático e outro, e que possuem características parecidas, mas que tem como objetivo complementar a mídia tradicional, e não substitui-la, exemplos são: hipertexto, hipervídeo; infográficos, slideshow; podcast; vídeocast; vídeo 360º, fotos 14

15 360º. Segundo Nora Paul (2007) pode-se dizer que a internet possui diferentes exemplos de convergência destes elementos que se caracterizaram como uma narrativa multimídia. Com as ferramentas tecnológicas cada vez mais acessíveis, e presente nos dias atuais, a linha entre produtor e consumidor de mídia é frequentemente tênue, como afirma Jenkins: O surgimento de novas tecnologias sustenta um impulso democrático para permitir que mais pessoas criem e circulem mídia. Às vezes a mídia é planejada para responder aos conteúdos dos meios de massa positiva ou negativamente e às vezes a criatividade alternativa chega a lugares que ninguém na indústria da mídia poderia imaginar. (JENKINS, 2008, p. 326). É frequente a reprodução de conteúdo feito por pessoas comuns no dia-a-dia, nos canais de mídia tradicional, como TV, Rádio, jornal e revista, a mídia está cada vez mais colaborativa, aonde a sociedade cada vez mais participa, interage, cria conteúdos, se manifesta a favor, ou contrário. Enfim, os moldes atuais, configuram-se com um público crítico e exigente, não mais sendo apenas influenciando pelas mídias, mas sim influenciando e transformando estas. Nos primórdios midiáticos, eles estavam no fim da cadeia produtiva, eram coadjuvantes passivos do processo de comunicação e facilmente se tornavam objeto de manipulação. Aos poucos, os consumidores passaram a adquirir caráter crítico, ativo, criativo, produtivo e sociabilizado. No entanto, foi a partir do surgimento da internet que eles começaram a dar fim às hierarquias e fronteiras, que antes eram estabelecidas entre produtores e consumidores de conteúdos e linguagens de comunicação. (MAGNONI, VIEIRA, 2013, p.103) A mídia ciente deste novo paradigma, reconhece a atuação e influência do público em seu próprio produtos midiáticos, e promove ações de incentivo como: enquete, votação, reprodução de opiniões do público, apoiando a interatividade que a instantaneidade que o mecanismo das tecnologias com acesso à internet proporciona. 2.2 A produção audiovisual em tempos multimídia A necessidade de evidenciar o audiovisual, através deste capitulo, está nos desafios da produção de conteúdo para uma plataforma multimídia, seja ela produzido por um meio de comunicação tradicional, ou realizado pelo próprio indivíduo comum, 15

16 exemplo disto, são os constantes vídeos enviados para as TV s, contendo o registro de algum fato curioso do cotidiano, de algum evento fora do comum, ou até mesmo compartilhando sua opinião a respeito do assunto proposto pelo meio. O ponto em comum desta participação constante do público, é que o conteúdo seja bastante relevante para ser evidenciado nestes canais de comunicação. Abordaremos então, de forma sucinta a importância do audiovisual a partir dos desafios impostos pelas novas linguagens e plataformas multimídia. Atualmente, o audiovisual tem se tornado não apenas uma tecnologia de registro ou de exibição de alguma realidade, mas, sobretudo, um novo jeito de construir e de compreender essa própria realidade. O ditado uma imagem vale mais que mil palavras nos comprova que o audiovisual ocupa um lugar de destaque no mundo tecnológico contemporâneo. Desde o cinema e a televisão, o audiovisual se firmou como um instrumento capaz de assegurar as empresas, pessoas e instituições, não apenas a comunicação e a informação, mas a construção de uma imagem positiva, de uma identidade e até mesmo de uma memória. Pelo mesmo caminho, registrar audiovisualmente é acompanhar não apenas a evolução tecnológica, mas, sobretudo, estar no tempo cultural contemporâneo, que, segundo Rovida (2009), é o tempo da cultura da imagem e do visual. A tendência de expormos em imagem tudo o que existe reforçou uma cultura dependente do audiovisual que, como nos mostra a história, avançou do campo das grandes corporações comerciais e midiáticas para o campo da produção individual alternativa e coletiva, com baixo custo de produção e de exibição. Neste cenário multimídia, outro aspecto importante é a da popularização de bens tecnológicos, como câmeras, filmadoras, celulares. Ficou, em tese, mais fácil de produzir conteúdo de cunho audiovisual e, em consequência deste fenômeno, a produção deste conteúdo ficou mais barata e acessível. Em paralelo, outro meio de comunicação que se popularizou nos últimos anos é a internet, com características de livre acesso e uma fácil penetração ao público. Logo, a divulgação também é feita com mais facilidade e em diversas plataformas. A produção de um audiovisual seja ela qual for a sua finalidade, atualmente, possui meios eficazes para posterior divulgação multimídia. As redes sociais estão cada vez mais presentes e devem representar uma grande fatia do consumo de conteúdo digital. Por exemplo, na era da comunicação de massa, um vídeo era realizado por uma produtora e distribuído massificamente em forma de conteúdo televisivo ou então através dos 16

17 "vídeos-cassetes". Neste tempo multimídia, a produção já é realizada por diversos sujeitos. As próprias empresas já incentivam que seus funcionários postem vídeos com discursos favoráveis à instituição. A grande oferta de conteúdos audiovisuais tem reconfigurado o seu próprio valor. Anteriormente, pouco se investia, pois as formas de veiculação eram limitadas e de custo elevado. Com a chegada da internet e as novas possibilidades de veiculação multimídia, o audiovisual se tornou um grande aliado das empresas, sobretudo quando o assunto é a qualificação da imagem através da propaganda institucional. Neste tempo multimídia, identificamos que a produção audiovisual alargou seus gêneros e formatos, e a mensagem está ligada ao público cada vez mais distinto e segmentado. Assim, novas incertezas surgiram quando o objetivo é a escolha dos públicos receptores. Mesmo assim, o vídeo quando bem produzido exerce um excelente papel de sedução e fixação ao telespectador, sobretudo, a mensagem transmitida através das imagens deve conter - desde o seus processos de pré-produção - uma singularidade em que o receptor possa não só absorver, mas gravar em sua mente. A medida que o telespectador interpreta uma mensagem, há uma comparação através de significados da imagem com os seus próprios conhecimentos sobre a mensagem. Com isso, percebemos que a produção audiovisual em tempos multimídia requer atenção especial ao públicos receptor, que cada vez mais interage e, portanto, está mais crítico com relação aos conteúdos que lhes chega. Desta inevitável relação entre o audiovisual e as plataformas multimídia, surgiram várias possibilidades de produção de conteúdo. A seguir, evidenciamos uma delas. 2.3 Um olhar histórico sobre a TV A configuração dos meios de comunicação de massa dos dias atuais passa por constante mudança, em especial, as mídias tradicionais, que estão cada vez mais se reinventando para atingir o público. Os novos sistemas de comunicação que estão emergindo não são mais analógicos, e sim digitais, e as formas familiares dos meios de comunicação de massa, como o rádio e a televisão, estão evoluindo para novas formas, como o videotexto, a TV de Alta Resolução (HDTV), a World Wide Web da Internet e a WebTV. (RIBEIRO, COSTA, pag ) 17

18 No entanto, se olharmos para trás e observarmos a história da televisão, identificamos não uma complexidade, mas uma certa regularidade de formatos no que tange a produção e veiculação de conteúdo, conforme já referenciamos no capítulo que abordou a comunicação de massa. Ou seja, o modo tradicional de produzir conteúdo televisivos se limitava à junção de áudio e imagem. O princípio da junção áudio-imagem é cinematográfico. Foi ele a fonte ou a matriz de resgate histórico e de educação política e cultural do século XIX. Derivado da arte circense e da poesia, o primeiro cinema teve uma base de produção mais aberta e livre de padrões. Da mesma forma, o consumo cinematográfico foi liderado pelo público popular. Já no século seguinte, com a industrialização emergente, a produção cinematográfica ganhou uma forma ligeira e linear, com textos elaborados e cenários construídos, passando a ser narrativo e não apenas imagético (RAMOS, 1995).. Para Valter Bonásio (2002), a história desse meio não possui o mesmo registro que o primeiro cinema. A gênese da televisão ainda é um espaço pouco demarcado por detalhes históricos, sobre o processo de produção e seus primeiros produtos. A préhistória da televisão não foi totalmente gravada por vários fatores, dentre eles: a impossibilidade de gravação e, posteriormente, o uso reaproveitável do filme ou dos suportes de registros, o descarte de roteiros em papel, que foram utilizados com frequência apenas na da década de 50. Desde os primeiros experimentos televisivos realizados na Inglaterra, no ano de 1926, o desenvolvimento da televisão passou por algumas estruturações institucionais, como uma indústria moldada pela política governamental e pelos investimentos de sociedades científicas e grupos econômicos. Nesse aspecto, a tendência histórica da televisão foi construída sob dois eixos: o controle e cerceamento do Estado e o investimento do capital privado. Essa tendência irá se acentuar, sobretudo, a partir da primeira guerra mundial (BONÁSIO, 2002). No Brasil, um fato desse período é a primeira exposição de Televisão realizada no ano de Na oportunidade, o presidente Getúlio Vargas proferiu o primeiro discurso televisionado. Emocionado, Vargas saudou o novo invento e agradeceu à empresa norteamericana Telefunken pelo patrocínio e pela sua chegada ao país. 18

19 A história da televisão, de acordo com Freire (2003) também pode ser identificada como realização, ou seja, com foco na cultura e na prática profissional. Esse é o período social das produções televisivas, que fortifica a expansão técnica e o sentido cultural da nova tecnologia. A televisão também se apresenta, historicamente, como representação e forma, quer dizer, como um enquadramento estético, que toma emprestado o vocabulário da literatura, as gestualidades do teatro e os enquadramentos do cinema. Este período histórico é considerado, no Brasil, após o estabelecimento do meio, em meados de 1950, especialmente após o estabelecimento da TV Tupi, de Assis Chateaubriand. Nessa perspectiva histórica o professor Laurindo Leal, no seu livro A melhor TV do mundo (1997), afirma que a televisão também pode ser vista como um fenômeno sociocultural, interligado, também, à política e à economia. Realça-se, por conseguinte, o caráter cultural de massa, como os demais imbricamentos com a cultura popular e com a esfera pública. Em 1956, o Brasil contava com 1,5 milhão de aparelhos e as transmissões eram todas ao vivo, distribuídas em horários específicos. Adaptando programas radiofônicos, sobretudo as radionovelas, o fazer televisivo reforça sua identidade na dramaturgia e no entretenimento, ampliando, a partir dos anos 70, a produção de conteúdos jornalísticos, como o Jornal Nacional, como a locação de produtos cinematográficos para o espaço doméstico. Assim, consolidada por uma produção de conteúdo aberta, a Televisão se legitima como uma tecnologia doméstica; como uma técnica que transforma e produz uma nova estética, que incide rapidamente sobre os modos de sociabilidade. Presa a moral e aos bons costumes da elite brasileira, a produção televisa não se arriscou em mostrar mulheres grávidas; a cena do primeiro beijo não foi registrada nem em fotos e nem em roteiro. Importante reforçar, que essa base histórica é multifacetada por diversos aspectos sociais, culturais, econômicos, estéticos, discursivos, editoriais e políticos, que se aliam, contemporaneamente, com os tipos de concessões públicas - comercial, aberto, a cabo, pública, estatal, comunitária e educativa - e com a variedade de gêneros, como o jornalístico, educativo, cultural, prestação de serviços, entretenimento e esportivo. Contemporaneamente, quando a possibilidade de transmissão digital entra em cena, a televisão, figura como o meio audiovisual de grande representatividade. 19

20 Recentemente, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) 1 lançou o Panorama da Comunicação e das Telecomunicações no Brasil. A publicação revela que a televisão constitui o principal elo entre os cidadãos e o mundo, atingindo quase 96% dos domicílios. Seu impacto sobre a sociedade nacional é incomensurável. Dela se apoderam os vendedores de bens e serviços, bem como os mercadores da fé e da política. É compreensível, assim, que tenha abocanhado, em 2010, a maior parcela da verba publicitária (62,9%). Assim, identificamos que a TV ao longo dos anos, se transforma, a medida que a tecnologia avança, e o perfil dos telespectadores vai se renovando, muda-se também a forma de conteúdo produzido e a maneira de como ele será percebido pelo público. O levantamento histórico, chegando até os dias atuais da qual possui elementos distinto de todos os demais períodos onde a televisão até então figurou: as possibilidades de transmissão e consumo em plataformas multimídias. 1 0_vol3.pdf 20

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1 Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Marcela Guimarães e SILVA 4 Universidade Federal do Pampa, Rio Grande do Sul, RS Resumo: A atividade

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME APRESENTAÇÃO Este projeto trata do Planejamento de Comunicação da Estratégia da Justiça Militar do Estado do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br MIDIA KIT 15 www.naporteiracast.com.br O QUE É PODCAST? O termo podcast é a junção das palavras ipod (dispositivo de reprodução de arquivos digitais fabricado pela Apple) e broadcast (transmissão, em inglês).

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS Entenda a importância da utilização das Redes Sociais para a sua pequena empresa e conheça os fundamentos necessários para obter resultados positivos com a sociabilidade.

Leia mais

12 Aplicação do Modelo Delta

12 Aplicação do Modelo Delta 196 12 Aplicação do Modelo Delta Para Hax & Wilde (2001), a proposta do modelo delta é complementar às propostas de Porter e do modelo de visão baseada em recursos, e propõem a integração das diversas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 COSTA 2 Daiane dos Santos; FONSECA 3 Aurea Evelise dos Santos; ZUCOLO 4 Rosana Cabral 1 Trabalho submetido ao SEPE 2011 Simpósio

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Módulo IV Curso de Capacitação para Museus COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Maria do Carmo Silva Esteves Relações Públicas REALIZAÇÃO 1) A COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE Ruptura Interconexão Transposição 1.1)

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Comunicação Social Rádio e TV, Bacharelado

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Comunicação Social Rádio e TV, Bacharelado Credenciada pela Portaria nº 590 de 18/05/2011 Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Comunicação Social Rádio e TV, Bacharelado DOS FUNDAMENTOS, OBJETIVOS E CONTEÚDOS Art. 1º. Os Trabalhos

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Estratégias de marketing digital

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

EMENTAS E OBJETIVOS HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO

EMENTAS E OBJETIVOS HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO S E S HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO Nome da Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA: INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE TEXTO E LEITURA Linguagem, língua e texto. As diversas normas e a adequação discursiva.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE: RESOLUÇÃO Nº /00-CEPE 1 Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. O,

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do Curso: Prof. Dirceu Tavares de Carvalho Lima Filho IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL EXAMES ÉPOCA ESPECIAL ANO LETIVO 2014/2015 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EXAMES ÉPOCA ESPECIAL 2014/2015 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 4º Semestre 1º Semestre Teorias da Comunicação

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais