MERISTEMAS TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERISTEMAS TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA AGRONOMIA - MORFOLOGIA VEGETAL (ANATOMIA) MERISTEMAS 1. INTRODUÇÃO. gr. "meristo" = dividir. embrião - totalmente meristemático. vegetal adulto - "pontos vegetativos" ou pontos de crescimento (tec. meristemáticos). outros tecidos também podem apresentar divisões celulares. meristemas podem entrar em dormência 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS. intensa divisão celular. células pequenas com núcleos grandes. paredes primárias delgadas. citoplasma denso poucos vacúolos. células totipotentes 3. MERISTEMAS E ORIGEM DOS TECIDOS 3.1 Divisão celular: iniciais e derivadas 3.2 Crescimento celular. aumento de volume. maior responsável pelo crescimento do vegetal 3.3 Diferenciação celular. alterações celulares que levarão à formação dos diferentes tecidos 4. DIFERENCIAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO. alterações químicas, estruturais e fisiológicas que levam à formação dos diferentes tecidos. maior diferenciação > maior especialização 5. CLASSIFICAÇÃO 5.1 Quanto à posição: a) Apicais (de raiz e de caule) Promeristema células iniciais + células derivadas imediatas Meristemas Primários: Protoderme Meristema Fundamental e Procâmbio b) Meristemas Laterais: Câmbio Vascular e Felogênio c) Meristemas Intercalares 5.2 Quanto à origem: Primários: Protoderme, Meristema fundamental e Procâmbio Secundários: Câmbio vascular e Felogênio TECIDOS PERMANENTES SISTEMA FUNDAMENTAL - PARÊNQUIMA. ocorrência - amplamente distribuído pelo corpo do vegetal. origem - variada 2. Características. células vivas, conteúdo variado. podem voltar a se dividir. parede celular. origem e formação da parede primária. geralmente delgadas. pontoações primordiais 3. Tipos de Parênquima. fundamental. clorofiliano (paliçádico e lacunoso). reserva. aerênquima. lenhoso. células de transferência

2 . origem - meristema fundamental COLÊNQUIMA 2. Características. células vivas (podem ser até clorofiladas). células geralmente mais alongadas que as do parênquima. paredes celulares: - primárias e irregularmente espessadas - celulose, hemicelulose e pectina - altamente hidrofílicas e plásticas - pontoações primordiais 3. Tipos de Colênquima. angular. lamelar. lacunoso. anelar 4. Topografia e Ocorrência. geralmente subepidérmico. caules, folhas, flores e frutos. geralmente não se forma nas raízes 5. Estrutura em relação à função. sustentação de regiões em crescimento. paredes plásticas e flexíveis. agitação mecânica estimula a diferenciação do colênquima ESCLERÊNQUIMA 2. Características. tecido de sustentação rígido porém flexível. além de sustentação fornece proteção ao vegetal. paredes celulares:. secundárias, lignificadas e regularmente espessadas. lamela média composta. camadas da parede (S1, S2 e S3). pontoações simples ou areoladas 3. Ocorrência. ampla distribuição nos diferentes órgãos vegetais. células isoladas ou pequenos grupos - esclereídeos ou. feixes de fibras 4. Tipos de células 4.1 Esclereídeos:. ocorrência. forma: braquiesclereídeos macroesclereídeos osteoesclereídeos astroesclereídeos e tricoesclereídeos 4.2 Fibras:. ocorrência: associados aos tecidos vasculares ou não. fibras xilemáticas (serão tratadas junto com o xilema). fibras extraxilemáticas:. fibras do floema: fibras macias (pouca lignina) origem: procâmbio e câmbio vascular. fibras perivasculares: próximas dos tecidos vasculares, mas de origem independente. fibras de folhas de monocotiledôneas: fibras duras (muito lignificadas)

3 EPIDERME : sistema variável de células que faz o revestimento primário do corpo vegetal. origem: protoderme. função: revestimento, proteção, etc.. 2 Características gerais. células vivas, geralmente aclorofiladas. geralmente, unisseriada. epiderme pluriestratificada. hipoderme 3 Composição. células fundamentais. células especializadas: estômatos, tricomas, etc. 4. Parede celular. geralmente primária e celulósica. cutina: substância graxa reduz a transpiração através das células epidérmicas cutinização e cuticularização. Ceras, óleos, sílica, etc. 5. Estômatos. estrutura: células-guarda (clorofiladas) ostíolo células subsidiárias aparelho estomático. ocorrência: órgãos expostos à luz, em maior numero nas folhas. posição e número - altamente influenciados pelo ambiente 6. Tricomas : apêndices epidérmicos variáveis em forma e função. estrutura: uni e pluricelulares, ramificados ou não. tricomas: tectores ou glandulares. escamas ou Pêlos peltados. papilas. pêlos radiciais, etc. SISTEMA VASCULAR. xilema/floema - avanço evolutivo - conquista do ambiente terrestre. origem : procâmbio tecidos vasculares primários. câmbio vascular tecidos vasculares secundários 2. Xilema. condução de água e sais minerais. representa 20-25% de todo material fotossintético produzido. importância econômica. origem: procâmbio e câmbio vascular 3. Células Xilema 3.1. Elementos traqueais. células mortas na maturidade;. paredes secundárias, lignificadas, espessadas e pontoadas. traqueídes: longos e imperfurados. elementos de vasos: perfurados e em séries longitudinais - vasos do xilema. ontogênese do elemento de vaso 4. Floema 3.2 Fibras do xilemáticas. células longas de paredes secundárias, espessadas, lignificadas e pontoadas. fibrotraqueídes, fibras libriformes, etc. 3.3 Células parenquimáticas. células vivas que podem se esclerificar. tecido de reserva 3.4 Paredes do Xilema Primário.aumento progressivo de deposição de paredes secundárias: protoxilema: anelares e espiralados metaxilema: espiralados, reticulados, escalariformes e pontoados 4.1 Introdução. estrutura e função

4 4.2 Tipos de células Elementos crivados. células vivas, porém anucleadas na maturidade. paredes primárias celulósicas. áreas crivadas - poros atravessados por plasmalesma. calose - polissacarídeo de glicose que aparece revestindo os poros das áreas e placas crivadas. tipos de células:. células crivadas - mais primitivas, áreas crivadas (crivos de menor diâmetro);. elementos de tubos crivados - mais evoluídos. apresentam placas crivadas (crivos de diâmetros maiores). aparecem dispostos em séries longitudinais formando os tubos crivados. ontogênese do elemento de tubo crivado;. proteína-p;. células companheiras (parenquimáticas) Células do esclerênquima. fibras e esclereídes Células parenquimáticas. células de reserva (amido, tanino, cristais, etc. ). células companheiras (acompanham elementos de tubos crivados) 4.3 Floema primário. origem : procâmbio;. protofloema: curta duração - suas fibras amadurecem após sua desativação. metafloema - amadurece mais tarde. ontogênense. caracterísiticas e funções RAIZ 2. Estrutura Primária. origem - meristema apical. sistemas: dérmico, fundamental e vascular 2.1 Coifa. origem: caliptrógeno. função: proteção do meristema e direcionamento do crescimento da raiz 2.2 Epiderme. pêlos absorventes ou radiciais. velame: epiderme pluriestratifica de plantas epífitas 2.3 Córtex. parenquimático. endoderme:. raiz jovem: estrias de Caspary (faixa de suberina na parede). raiz madura: Monocotiledôneas (espessamento em U). exoderme: na periferia do córtex 2.4 Cilindro Vascular. periciclo - camada rizogênica. tecidos vasculares: disposição alternada (não formam feixes vasculares). protoxilema exarco e maturação do xilema centrípeta. 2.5 Raiz Lateral. próximo do meristema apical. origem endógena a partir do periciclo 3. Estrutura Secundária 3.1 Tecidos vasculares secundários origem: Câmbio vascular (meristema secundário). parte do periciclo e parte do procâmbio). atividade cambial 3.2.Periderme. meristema de origem: felogênio

5 4. Raízes Adventícias. a partir de caules, folhas, callus e regiões mais velhas da própria raiz;. origem endógena - a partir do periciclo 5 Raízes de reserva. grande quantidade de parênquima de reserva;. geralmente apresentam crescimento secundário anômalo 2.4 Cilindro Vascular. feixes vasculares: colaterais, bicolaterais e concêntricos (anficrivais e anfivasais). diferenciação dos tecidos vasculares primário:. protoxilema endarco. maturação do xilema centrífuga 2. 5 Traço Foliar. porção caulinar do tecido vascular da folha CAULE. mais complexo que a raiz pela presença das folhas 2. Estrutura Primária. origem - meristema apical. sistemas: dérmico, fundamental e vascular. variações na anatomia - depende principalmente do arranjo dos tecidos vasculares 3. Estrutura Secundária 3.1 Tecidos Vasculares Secundários. câmbio vascular. meristema misto em origem: restos do procâmbio e do periciclo. atividade cambial 3.2 Periderme. felogênio - meristema secundário em origem. origina-se superficialmente (parênquima, colênquima ou epiderme). atividade do felogênio 2.1 Epiderme. geralmente unisseriada. paredes cutinizadas e cuticularizadas. presença de estômatos e tricomas FOLHA 2.2 Córtex. parênquima clorofilado na periferia. tecidos de sustentação: geralmente colênquima subepidérmico gramíneas - podem apresentar esclerênquima. endoderme: nem sempre diferenciada morfologicamente. bainha amilífera. mais raramente apresenta estrias de Caspary. fibras perivasculares - limite entre córtex e cilindro vascular 2.3 Medula. parenquimática - pode ainda apresentar-se oca 2. Ontogênese. próximo ao meristema apical do caule:. crescimento apical (inicial) - forma um pino. crescimento marginal - forma a estrutura laminar. procâmbio se estabelece bem cedo no primórdio 3. Epiderme. geralmente unisseriada (Ficus sp - epiderme pluriestratificada). hipoderme - origem a partir do meristema fundamental. paredes celulares - cutina. células especiais:. estômatos (epi, hipo e anfiestomáticas). tricomas variados

6 4. Mesofilo. região compreendida entre as epidermes. parênquima clorofiliano: paliçádico e lacunoso. folha: isolateral e dorsiventral. tecidos de sustentação: colênquima - geralmente, ao longo das nervuras de maior porte e na margem da folha e/ou esclerênquima - fibras e/ou esclereídes, próximo aos feixes vasculares ou no mesofilo 5. Sistema Vascular. feixes vasculares formam as nervuras. 1 ou + feixes entram pelo pecíolo e se ramificam várias vezes ao entrar no limbo. feixes vasculares da folha (geralmente são colaterais). feixes colaterais: xilema p/ cima e o floema p/ baixo. bainha do feixe (endoderme). extensões de bainha (de parênquima ou esclerênquima) 6. Abscisão. queda natural da folha (flor ou fruto) zona de abscisão: alterações estruturais e químicas camada de proteção sob a zona de abscisão

HISTOLOGIA VEGETAL CEFET PETROLINA VITICULTURA E ENOLOGIA BIOLOGIA GERAL PROF. ROBERTO MACHADO

HISTOLOGIA VEGETAL CEFET PETROLINA VITICULTURA E ENOLOGIA BIOLOGIA GERAL PROF. ROBERTO MACHADO CEFET PETROLINA VITICULTURA E ENOLOGIA BIOLOGIA GERAL PROF. ROBERTO MACHADO INTRODUÇÃO Entendemos por tecidos os grupos de células igualmente especializadas, de mesma origem embrionária e que realizam

Leia mais

AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE

AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE AULA 11 CAPÍTULO 11 CAULE CAULE Estágio embrionário eixo = epicótilo - hipocótilo Plúmula Cotilédones em sua porção superior - folhas embrionárias Gema Epicótilo = região localizada acima dos cotilédones

Leia mais

CÉLULA VEGETAL 17 TECIDOS VEGETAIS 35

CÉLULA VEGETAL 17 TECIDOS VEGETAIS 35 SUMÁRIO PREFÁCIO 15 CÉLULA VEGETAL 17 PAREDE CELULAR 20 FORMAÇÃO DA PAREDE 21 COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA PAREDE 22 ESTRUTURA DA PAREDE 23 PROTOPLASTA 27 CITOPLASMA 27 NÚCLEO 27 PLASTÍDIOS 27 VACÚOLOS 29 SUBSTÂNCIAS

Leia mais

RAIZ É um órgão das plantas superiores; Quase sempre subterrâneo; Desempenha várias funções:

RAIZ É um órgão das plantas superiores; Quase sempre subterrâneo; Desempenha várias funções: É um órgão das plantas superiores; Quase sempre subterrâneo; Desempenha várias funções: Absorção; Condução (água e minerais dissolvidos); Reserva (Acumula nutrientes); Fixação; Diferenciação do caule:

Leia mais

CAPÍTULO 8 - MORFOLOGIA DAS ANGIOSPERMAS - p.128 Ler texto: A riqueza do Brasil - p.128

CAPÍTULO 8 - MORFOLOGIA DAS ANGIOSPERMAS - p.128 Ler texto: A riqueza do Brasil - p.128 CAPÍTULO 8 - MORFOLOGIA DAS ANGIOSPERMAS - p.128 Ler texto: A riqueza do Brasil - p.128 Quais são os órgãos vegetais e quais suas funções? O corpo de uma planta é organizado de maneira bem da de um animal.

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

Estrutura Anatômica de Órgãos Vegetativos (Raiz e Caule) Profª. M.Sc. Josiane Araújo

Estrutura Anatômica de Órgãos Vegetativos (Raiz e Caule) Profª. M.Sc. Josiane Araújo Estrutura Anatômica de Órgãos Vegetativos (Raiz e Caule) Profª. M.Sc. Josiane Araújo Vegetal Órgãos Vegetativos Raiz Caule Órgãos Reprodutivos Folha Flor Fruto Semente Meristemas Apicais Caulinar e Radicular

Leia mais

Raízes secundárias. Se formam por via endógena a partir da raiz principal; Se originam tanto da endoderme quanto do periciclo; Diferença com o caule;

Raízes secundárias. Se formam por via endógena a partir da raiz principal; Se originam tanto da endoderme quanto do periciclo; Diferença com o caule; continuação Raízes secundárias Se formam por via endógena a partir da raiz principal; Diferença com o caule; Se originam tanto da endoderme quanto do periciclo; Uma de suas células se dividem tangencialmente

Leia mais

Quais são as partes constituintes dos embriões? folha (s) embrionária (s) 2 em eudicotiledôneas

Quais são as partes constituintes dos embriões? folha (s) embrionária (s) 2 em eudicotiledôneas Quais são as partes constituintes dos embriões? Eixo embrionário: _ plúmula - meristema apical caulinar provido ou não de primórdios foliares _ hipocótilo _ radícula raiz embrionária Cotilédone (s) folha

Leia mais

AULA 4 CAPÍTULO 4 PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA

AULA 4 CAPÍTULO 4 PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA AULA 4 CAPÍTULO 4 PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA PARÊNQUIMA Origem = meristema fundamental/periblema Nome - para = ao lado; enchein = derramar Função Fotossíntese Transporte Reserva Secreção Excreção

Leia mais

1) Introdução. 2) Tecidos Vegetais

1) Introdução. 2) Tecidos Vegetais 11/11/2013 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células especializadas, geralmente semelhantes, e adaptadas para realizarem

Leia mais

CAULE ANATOMIA INTERNA

CAULE ANATOMIA INTERNA ANATOMIA INTERNA Nó: parte do caule onde estão inseridas uma ou mais folhas. Entrenó: região de um caule entre dois nós sucessivos Ápice do sistema caulinar: folhas e gemas axilares Primórdio foliar: produz

Leia mais

Sistema Vascular. Gregório C eccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo

Sistema Vascular. Gregório C eccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo Sistema Vascular BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares Gregório C eccantini USP Universidade de São Paulo Transporte no sistema vascular: integração do metabolismo Corpo Vegetal Sistemas Sistema

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos Meristemáticos (embrionários)

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos Meristemáticos (embrionários) HISTOLOGIA VEGETAL Dividido em 2 grandes grupos: Tecidos Meristemáticos (embrionários) Meristema Primário (crescimento em altura); Meristema Secundário (crescimento em espessura); Tecidos Pemanentes (adultos)

Leia mais

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Bio:D Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Reinos 5 reinos; 1969; Organização celular (uni ou pluri), tipo de célula (procarionte ou eucarionte) e forma de nutrição (autótrofo ou heterótrofo).

Leia mais

Aula Multimídia. Prof. David Silveira

Aula Multimídia. Prof. David Silveira Aula Multimídia Prof. David Silveira BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL 1) GERMINAÇÃO: Partes da semente: - TEGUMENTO (casca) proteção. - ENDOSPERMA (álbume/3n) reserva nutritiva. - EMBRIÃO Cotilédone (folhas

Leia mais

TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função.

TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função. TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função. MECANISMO DE FORMAÇÃO DOS TECIDOS VEGETAIS: Diferenciação Celular: é a transformação de uma célula embrionária

Leia mais

FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas

FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL Katia Christina Zuffellato-Ribas Bióloga, Dra. Departamento de Botânica - Setor de Ciências Biológicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ kazu@ufpr.br FISIOLOGIA

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Histologia e Morfologia Vegetal Histologia Vegetal Ramo da Botânica que se preocupa em estudar os tecidos vegetais quanto as suas características, organização,

Leia mais

Tecidos Vasculares. TECIDOS CONDUTORES - Introdução. Xilema primário. Procambio. Floema primário. Tecidos vasculares. Xilema.

Tecidos Vasculares. TECIDOS CONDUTORES - Introdução. Xilema primário. Procambio. Floema primário. Tecidos vasculares. Xilema. Tecidos Vasculares TECIDOS CONDUTORES - Introdução Tecidos vasculares Procambio Cambio vascular Xilema primário Floema primário Xilema secundário Floema secundário 1 XILEMA Características Gerais Tecido

Leia mais

Sistema Vascular. Xilema. Atividade do Procâmbio ou Câmbio Vascular

Sistema Vascular. Xilema. Atividade do Procâmbio ou Câmbio Vascular Sistema Vascular Formado pelo e Floema: Ambos são tecidos complexos; Características de plantas superiores; Encarregados de transporte de água e outras substâncias: água e sais minerais; Floema água junto

Leia mais

FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas

FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL Katia Christina Zuffellato-Ribas Bióloga, Dra. Departamento de Botânica - Setor de Ciências Biológicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ kazu@ufpr.br FISIOLOGIA

Leia mais

MERISTEMA APICAL Meristema fundamental Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima) Xilema e floema primários (sistema vascular)

MERISTEMA APICAL Meristema fundamental Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima) Xilema e floema primários (sistema vascular) TECIDOS VEGETAIS Meristemas Apicais ápice de raízes e caules. Crescimento em comprimento/ primário. Meristemas primários Protoderme Tecidos primários Epiderme (sistema dérmico ou de revestimento) MERISTEMA

Leia mais

MERISTEMAS. Após o desenvolvimento do embrião. formação de novas células, tecidos e órgãos restritas. aos MERISTEMAS

MERISTEMAS. Após o desenvolvimento do embrião. formação de novas células, tecidos e órgãos restritas. aos MERISTEMAS TECIDOS VEGETAIS MERISTEMAS Após o desenvolvimento do embrião formação de novas células, tecidos e órgãos restritas aos MERISTEMAS tecidos embrionários, sempre jovens. MERISTEMAS MERISTEMAS Apicais (crescimento

Leia mais

CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR

CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR Universidade Federal do Pampa Campus de São Gabriel Centro de Ciências Rurais Curso de Ciências Biológicas CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR Monitora: Rosangela Gonçalves Célula Vegetal As células vegetais

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

Classificação das Angiospermas. Professor: Vitor Leite

Classificação das Angiospermas. Professor: Vitor Leite Classificação das Angiospermas Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS E MORFOLÓGICAS DA ESTRUTURA FOLIAR

CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS E MORFOLÓGICAS DA ESTRUTURA FOLIAR CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS E MORFOLÓGICAS DA ESTRUTURA FOLIAR 1 Bruno Marcos Nunes Cosmo 1 Tatiani Mayara Galeriani 2 Resumo: Devido a grande demanda de material e conhecimento para acadêmicos e profissionais

Leia mais

META Apresentar a anatomia do caule, incluindo aspectos relacionados a diferenças deste órgão de acordo com o grupo botânico do vegetal.

META Apresentar a anatomia do caule, incluindo aspectos relacionados a diferenças deste órgão de acordo com o grupo botânico do vegetal. ANATOMIA DO CAULE META Apresentar a anatomia do caule, incluindo aspectos relacionados a diferenças deste órgão de acordo com o grupo botânico do vegetal. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Balanço hídrico das plantas

Balanço hídrico das plantas Balanço hídrico das plantas Introdução Nas plantas 98% da absorvida pela raiz é perdida para o ar como vapor d água. A maior parte da água restante fica retida nos tecidos vegetais, e somente aproximadamente

Leia mais

Tecidos e órgão vegetais. Natália A. Paludetto

Tecidos e órgão vegetais. Natália A. Paludetto 0 Tecidos e órgão vegetais Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Tecidos vegetais Briófitas e pteridófitas tecidos poucos especializados, Gimno e angiospermas céls.

Leia mais

MODELOS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas

MODELOS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas MODELOS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL Katia Christina Zuffellato-Ribas MERISTEMAS PRIMÁRIOS E SECUNDÁRIOS MERISTEMAS PRIMÁRIOS MERISTEMAS APICAIS ÁPICE DO CAULE ÁPICE DA RAIZ PROTODERME EPIDERME

Leia mais

Os Tecidos das Plantas

Os Tecidos das Plantas Os Tecidos das Plantas Tecido definição: Grupo de células de mesma origem embrionária, organizadas para uma mesma função. Nos vegetais os tecidos pode ser de dois tipos: Os meristemas e os adultos. 1-

Leia mais

GOVERNO DO ES TADO DA BAHIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRO-REITORIA ACADÊMICA Depto. de CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GOVERNO DO ES TADO DA BAHIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRO-REITORIA ACADÊMICA Depto. de CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UEFS GOVERNO DO ES TADO DA BAHIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRO-REITORIA ACADÊMICA Depto. de CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 222 Anatomia de Plantas Vasculares NIHL

Leia mais

AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ

AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ RAIZ RAIZ Estrutura simples, quando comparada ao caule MAR = raiz primária Dicotiledôneas = raiz axial ou pivotante Monocotiledôneas = raiz fasciculada Morfologia externa Coifa

Leia mais

Anatomia e fisiologia vegetal (AFV) 2010/2011. Ana Cristina Ribeiro Gomes

Anatomia e fisiologia vegetal (AFV) 2010/2011. Ana Cristina Ribeiro Gomes Anatomia e fisiologia vegetal (AFV) 2010/2011 CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS E EVOLUÇÃO DOS TECIDOS Introdução Anatomia estudo da estrutura. Fisiologia estudo da função. Tecidos Vegetais No corpo de uma planta

Leia mais

Floema Tipos celulares 1

Floema Tipos celulares 1 Características gerais Origem LÍBER OU TECIDO CRIVADO: Transporta os produtos da fotossíntese, açúcares e materiais elaborados através da planta, desde o seu sítio de produção até onde serão consumidos;

Leia mais

Morfologia Vegetal de Angiospermas

Morfologia Vegetal de Angiospermas http://static.panoramio.com/photos/large/2860747.jpg Morfologia Vegetal de Angiospermas Professor: Guilherme Ribeiro Gonçalves Histologia Meristema primário Formado por células derivadas diretamente

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke Prof. Leonardo F. Stahnke HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL Os tecidos são conjuntos de células especializadas em determinada função. Há quatro tipos básicos de tecido vegetal: Tecido de Revestimento:

Leia mais

Raiz. Organologia Vegetal. É o estudo dos órgãos vegetais. -raiz -caule -folha. - vegetativos Órgãos vegetais. - reprodutores -fruto -semente

Raiz. Organologia Vegetal. É o estudo dos órgãos vegetais. -raiz -caule -folha. - vegetativos Órgãos vegetais. - reprodutores -fruto -semente Organologia Vegetal É o estudo dos órgãos vegetais. - vegetativos Órgãos vegetais -raiz -caule -folha -flor - reprodutores -fruto -semente Raiz Geralmente subterrânea; Atua na fixação; Absorve e conduz

Leia mais

8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA

8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA 8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA Prof. Dr. Paulo Figueiredo Engenheiro Agrônomo Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule RAIZ funções: 1 o ) fixação e absorção; 2 o ) armazenamento e condução. XILEMA H 2 O e sais minerais partes aéreas raiz substâncias orgânicas FLOEMA Raiz Primária

Leia mais

ÓRGÃOS VEGETAIS RAIZ. Estrutura primária

ÓRGÃOS VEGETAIS RAIZ. Estrutura primária ÓRGÃOS VEGETAIS RAIZ A raiz constitui a extremidade inferior do eixo vegetal, sendo um órgão frequentemente subterrâneo, cilíndrico, aclorofilado, que não apresenta folhas ou gemas, nem regiões nodais

Leia mais

TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA

TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA TECIDOS VASCULARES XILEMA & FLOEMA XILEMA (LENHO) a) FUNÇÃO: - condução de água; - condução de nutrientes inorgânicos; - armazenamento de substâncias; - sustentação. b) ORIGEM (Meristemas): - Crescimento

Leia mais

Tecidos Meristemáticos ou Embrionários

Tecidos Meristemáticos ou Embrionários Tecidos Meristemáticos ou Embrionários São tecidos presentes no embrião, os quais, por diferenciação, dão origem a todos os demais tecidos do vegetal, respondendo também pelo crescimento das partes de

Leia mais

As plantas com flor são constituídas por raiz, caule, folhas, flores e frutos (Figura 2).

As plantas com flor são constituídas por raiz, caule, folhas, flores e frutos (Figura 2). 1. Diversidade das plantas As plantas são seres vivos pluricelulares produtores, uma vez que produzem os seus próprios alimentos, utilizando água, sais minerais, dióxido de carbono e energia solar para

Leia mais

Profª. M.Sc.: Josiane Silva Araújo

Profª. M.Sc.: Josiane Silva Araújo Profª. M.Sc.: Josiane Silva Araújo Tecidos Vasculares Quanto ao desenvolvimento distingue-se: Tecido vascular primário; Tecido vascular secundário. Quanto a função distingue-se: Xilema; Floema. Tipos Celulares

Leia mais

TECIDOS FUNDAMENTAIS

TECIDOS FUNDAMENTAIS TECIDOS FUNDAMENTAIS Totipotência Capacidade da célula madura reter potencialidades para o crescimento e diferenciação, normalmente só encontradas no zigoto. Ex. célula do parênquima. TECIDOS podem ser

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

2) Tecidos vegetais. Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas

2) Tecidos vegetais. Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme(tecido vivo) Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas II) Estômatos:

Leia mais

Características gerais

Características gerais Reino das Plantas Características gerais São organismos: Eucariontes Pluricelulares Autótrofos Possuem diversos pigmentos, como os fotossintetizantes e os acessórios. Características gerais Capacidade

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ALUNO(a): Lista No Anhanguera você é + Enem Justificar as questões de múltipla escolha. Questão 01) Considerando a histologia vegetal - ciência que estuda

Leia mais

CÉLULA VEGETAL - PAREDE CELULAR

CÉLULA VEGETAL - PAREDE CELULAR Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Biologia Celular, Unesp, Jaboticabal. 2007 1 CÉLULA VEGETAL - PAREDE CELULAR NA FIGURA ABAIXO PODE SER COMPARADA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

Calyptranthes widgreniana

Calyptranthes widgreniana 24 25 26 Calyptranthes widgreniana Pecíolo O pecíolo, côncavo-convexo, apresenta a superfície com reentrâncias e protuberâncias em secção transversal (Fig. 51) e é revestido por epiderme unisseriada, formada

Leia mais

Morfologia Vegetal. Aula I

Morfologia Vegetal. Aula I Morfologia Vegetal Aula I Morfologia da raiz Origem das raízes secundárias Transição entre a raiz e o caule ( colo ) Absorção de sais minerais e água Crescimento das raízes (alongamento) Crescimento das

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA. Histologia. Córtex Vestibulares - 7. Classificação dos tecidos vegetais:

HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA. Histologia. Córtex Vestibulares - 7. Classificação dos tecidos vegetais: Histologia HISOLOGIA VEGEAL É o estudo dos tecidos vegetais. Comparação entre células vegetais jovens e adultas. Classificação dos tecidos vegetais: I. ecidos jovens ou embrionários ou meristemáticos ou

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ANATOMIA VEGETAL Código da Disciplina: NDC124 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 3 período Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS Programa

Leia mais

Balanço hídrico na planta. Bibliografia: Taiz, L., Fisiologia Vegetal

Balanço hídrico na planta. Bibliografia: Taiz, L., Fisiologia Vegetal Balanço hídrico na planta Bibliografia: Taiz, L., Fisiologia Vegetal Balanço hídrico na planta A perda de água pela planta depende do tipo de fotossíntese: Perda de água (g) por grama de C fixado C3 400-500

Leia mais

FOLHA FOLHA. Base foliar Limbo. Pecíolo. Principais funções: fotossíntese e transpiração

FOLHA FOLHA. Base foliar Limbo. Pecíolo. Principais funções: fotossíntese e transpiração Folhas: são apêndices caulinares que se formam no meristema apical; muito variável tanto em estrutura quanto em função; a folha é o órgão para fotossíntese. Base foliar Limbo Pecíolo Principais funções:

Leia mais

BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL PROFESSOR CÉSAR

BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL PROFESSOR CÉSAR BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL PROFESSOR CÉSAR HISTOLOGIA VEGETAL Estudo das características, organização, estrutura e funções dos tecidos vegetais. Os tecidos vegetais são divididos em: - Tecidos de formação

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

AULA 2 CAPÍTULO 2 A CÉLULA VEGETAL

AULA 2 CAPÍTULO 2 A CÉLULA VEGETAL AULA 2 CAPÍTULO 2 A CÉLULA VEGETAL Figura 2.1 - Esquema de uma célula vegetal. A parede celular envolve a membrana plasmática, a qual, por sua vez, envolve o citoplasma, o núcleo e demais organelas. Figura

Leia mais

Tecidos de revestimentos: Epiderme e periderme

Tecidos de revestimentos: Epiderme e periderme Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? Vigiai, pois, porque não sabeis o dia e nem a hora em que o Filho do homem há de vir. Mateus 25:13 Temos dois grandes grupos Temos dois

Leia mais

Sumário SEÇÃO I. DO EMBRIÃO À PLANTA ADULTA... 19 CAPÍTULO 1. ORGANIZAÇÃO INTERNA DO CORPO VEGETAL... 21 CAPÍTULO 2. A CÉLULA VEGETAL...

Sumário SEÇÃO I. DO EMBRIÃO À PLANTA ADULTA... 19 CAPÍTULO 1. ORGANIZAÇÃO INTERNA DO CORPO VEGETAL... 21 CAPÍTULO 2. A CÉLULA VEGETAL... 11 12 13 Sumário SEÇÃO I. DO EMBRIÃO À PLANTA ADULTA... 19 CAPÍTULO 1. ORGANIZAÇÃO INTERNA DO CORPO VEGETAL... 21 Leitura complementar... 28 SEÇÃO II. CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS... 29 CAPÍTULO 2. A CÉLULA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO DISCIPLINA DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO DISCIPLINA DE BIOLOGIA E GEOLOGIA ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO DISCIPLINA DE BIOLOGIA E GEOLOGIA 10ºano Nome: Nº: Turma: Ficha de Trabalho Tema: Transporte nas plantas Data: / / 1. A figura 1 mostra o comportamento de células

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas

HISTOLOGIA VEGETAL. Santo Inácio. Educação para toda a vida. Colégio. Jesuítas HISTOLOGIA VEGETAL I. Tecido Meristemático - Tecido embrionário - Divisão por mitose - Célula pequena - Núcleo grande Tipos de Tecidos Meristemáticos I- Meristema Primário - Derivadas do embrião - Localização:

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Valcinir Aloisio Scalla Vulcani Medicina Veterinária Universidade Federal de Goiás Regional Jataí

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Valcinir Aloisio Scalla Vulcani Medicina Veterinária Universidade Federal de Goiás Regional Jataí Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Valcinir Aloisio Scalla Vulcani Medicina Veterinária Universidade Federal de Goiás Regional Jataí SISTEMA CARDIOVASCULAR Introdução Componentes: - sistema vascular sanguíneo,

Leia mais

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal BALANÇO HÍDRICO DAS PLANTAS FISIOLOGIA VEGETAL Relações hídricas Parte II Água no solo Absorção de água pelas raízes Transporte de água para a parte aérea Pressão radicular (gutação) Pombal PB Tensão no

Leia mais

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA Histologia Vegetal Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? 1 Tecidos meristemáticos ou embrionários tecidos meristemáticos primários tecidos meristemáticos

Leia mais

25/08/2011. Tipos de Meristemas: b) Parênquima (tecido vivo) c) Colênquima(tecido vivo) 2) Tecidos vegetais

25/08/2011. Tipos de Meristemas: b) Parênquima (tecido vivo) c) Colênquima(tecido vivo) 2) Tecidos vegetais Aula Biologia Tema: Histologia Vegetal Marcos Vinícius Marcosviniciuspa@hotmail.com 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células

Leia mais

A Cultura do Linho. (Linum usitatissimum L.)

A Cultura do Linho. (Linum usitatissimum L.) A Cultura do Linho (Linum usitatissimum L.) Introdução: - Planta herbácea; -Pode atingir um metro de altura; - Família botânica: lineáceas; - Composição: substância fibrosa (extração de fibras longas para

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

Consulta Pública 38/2009

Consulta Pública 38/2009 BAUNILHA Vanillae fructus Vanilla planifolia Andrews - ORCHIDACEAE A droga é constituída pelos frutos imaturos e secos com, no mínimo 12% de extrato hidroacoólico seco. CARACTERES ORGANOLÉPTICOS A droga

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS Licenciatura em Ciências Exatas. Introdução à Biologia Vegetal

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS Licenciatura em Ciências Exatas. Introdução à Biologia Vegetal UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS Licenciatura em Ciências Exatas Introdução à Biologia Vegetal São Carlos - 2002 SUMÁRIO 1. Células e tecidos vegetais 1 1.1 Sistema de Tecido

Leia mais

Aula prática 10 Diversidade das Gimnospermas

Aula prática 10 Diversidade das Gimnospermas Note as folhas reduzidas e esclerificadas, tipo foliar predominante nas coníferas. Também é possível observar microstróbilos e megastróbilos na mesma planta, ou seja, é uma planta monoica. Coníferas podem

Leia mais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais Regulação Nervosa e Hormonal nos animais Hormonas Vegetais José Carlos Morais Sistema Nervoso Sistema Hormonal Homeostasia Capacidade de manter o meio interno em equilíbrio Coordenação Nervosa Nervos Motores

Leia mais

INTRODUÇÃO A CÉLULA VEGETAL A CÉLULA VEGETAL DESENVOLVIMENTO II. MORFOGÊNESE I. CRESCIMENTO 14/01/2014. Anna Frida Hatsue Modro

INTRODUÇÃO A CÉLULA VEGETAL A CÉLULA VEGETAL DESENVOLVIMENTO II. MORFOGÊNESE I. CRESCIMENTO 14/01/2014. Anna Frida Hatsue Modro A CÉLULA VEGETAL INTRODUÇÃO Anna Frida Hatsue Modro A CÉLULA VEGETAL Componentes protoplasmáticos (considerados vivos): citoplasma, núcleo, plastídios e mitocôndrios. Componentes não protoplasmáticos (destituídos

Leia mais

CAPIM-LIMÃO, folha Cymbopogonis foliae

CAPIM-LIMÃO, folha Cymbopogonis foliae CAPIM-LIMÃO, folha Cymbopogonis foliae A droga vegetal é constituída de folhas dessecadas de Cymbopogon citratus (DC.) Stapf contendo, no mínimo, 0,5% de óleo volátil. CARACTERÍSTICAS As folhas secas apresentam

Leia mais

Membranas celulares e envoltórios. Prof. Renato Feijão

Membranas celulares e envoltórios. Prof. Renato Feijão Membranas celulares e envoltórios Prof. Renato Feijão MODELO MOSAICO FLUIDO (Singer & Nicholson 1972) MEMBRANA PLASMÁTICA Membrana citoplasmática, plasmalema ou membrana celular. Quem possui? TOOOOODOS

Leia mais

Translocação no floema

Translocação no floema Translocação no floema A translocação orgânica ocorre no floema, o qual ocupa a parte externa dos feixes vasculares Placa crivada Poro da placa crivada Área crivada lateral Desenhos esquemáticos de elementos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOANATÔMICO DA CULTIVAR BRS ENERGIA (Ricinus communis L.)

CARACTERIZAÇÃO MORFOANATÔMICO DA CULTIVAR BRS ENERGIA (Ricinus communis L.) CARACTERIZAÇÃO MORFOANATÔMICO DA CULTIVAR BRS ENERGIA (Ricinus communis L.) Maria do Socorro Rocha 1, Maria Isaura P. de Oliveira 2, Camila F. de Azevedo 1, Amada Micheline A. de Lucena, Napoleão Esberard

Leia mais

MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO. Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140

MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO. Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140 MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140 Tópicos a serem abordados: Desenvolvimento Meristemas Célula vegetal Crescimento Alongamento Divisão celular Diferenciação celular

Leia mais

TECIDOS DE REVESTIMENTO

TECIDOS DE REVESTIMENTO TECIDOS DE REVESTIMENTO TECIDOS DE REVESTIMENTO - Introdução Meristema primário protoderme epiderme Tecidos de revestimento Suber ou Felema Meristema secundário felogênio periderme Feloderme 1 TECIDOS

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A /3 A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A /3 A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A /3 A N T Ó N I O S É R G I O Teste Escrito Data 05 / 06/ 2014 CLASSIFICAÇÃO O PROFESSOR Nome

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Pág. 74 Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Quais

Leia mais

POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS. Maria Aparecida Salles Franco Curso de Veterinária Disciplina: Forragicultura e Plantas Tóxicas

POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS. Maria Aparecida Salles Franco Curso de Veterinária Disciplina: Forragicultura e Plantas Tóxicas POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS Maria Aparecida Salles Franco Curso de Veterinária Disciplina: Forragicultura e Plantas Tóxicas Um pouco sobre nutrientes nos alimentos Do ano de 1917 para

Leia mais

Do grego, hydton, tecido + logos, estudos. Cada grupo de células reunidas para executar uma função específica é chamado de tecido.

Do grego, hydton, tecido + logos, estudos. Cada grupo de células reunidas para executar uma função específica é chamado de tecido. Do grego, hydton, tecido + logos, estudos. Cada grupo de células reunidas para executar uma função específica é chamado de tecido. Além das células, os tecidos contêm material extracelular ou intercelular

Leia mais

Plantas vasculares sem sementes

Plantas vasculares sem sementes Plantas vasculares sem sementes Recordando aula anterior: Briófitas embriófitas sem sistema vascular Adaptações das briófitas ao ambiente terrestre: Proteção da planta contra dissecação. Gametângios e

Leia mais

Características gerais

Características gerais Citoplasma Citoplasma Características gerais Um vertebrado é formado por dezenas de tipos de células. Citoplasma Características gerais Um vertebrado é formado por dezenas de tipos de células. Neurônio

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

Sílvia Maria Marinho Storti

Sílvia Maria Marinho Storti Sílvia Maria Marinho Storti Introdução - Botânica Vegetais intermediários - Criptogramas Briófitas - musgos Pteridófitas - samambais Superiores Gimnospermas Plantas sem frutos Principal representante:

Leia mais

RAIZ MORFOLOGIA & ANATOMIA

RAIZ MORFOLOGIA & ANATOMIA RAIZ MORFOLOGIA & ANATOMIA RAIZ: ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO FUNÇÕES: - primárias: fixação e absorção, - associadas: armazenamento e condução. a) Sistemas radiculares: pivotante e fasciculado FONTE: RAVEN,

Leia mais

Raiz É um órgão geralmente subterrâneo (há os aquáticos, superficiais e os aéreos), que desempenha funções importantes:

Raiz É um órgão geralmente subterrâneo (há os aquáticos, superficiais e os aéreos), que desempenha funções importantes: MORFOLOGIA VEGETAL Raiz É um órgão geralmente subterrâneo (há os aquáticos, superficiais e os aéreos), que desempenha funções importantes: Fixação do vegetal; Absorção da água e sais minerais do solo (raramente

Leia mais

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema TECIDO DE CONDUÇÃO E TECIDO DE SECREÇÃO Prof Marcelo Francisco Pompelli CCB - Botânica Xilema TECIDO DE CONDUÇÃO Xilema e Traqueídes Elementos de vaso Células Parenquimáticas Fibras Elementos crivados

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos 14/04/2015

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos 14/04/2015 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Pele e anexos Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele e anexos Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas

Leia mais

Organização e Estrutura do Sistema Nervoso. Dr. Flávio Aimbire

Organização e Estrutura do Sistema Nervoso. Dr. Flávio Aimbire Organização e Estrutura do Sistema Nervoso Dr. Flávio Aimbire Introdução O sistema nervoso é o mais complexo Tem função de receber informações sobre variações internas e externas e produzir respostas a

Leia mais