Novas formas de aprender: o uso integrado de mídias (TV corporativa e Intranet) na educação continuada na Fazesp

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novas formas de aprender: o uso integrado de mídias (TV corporativa e Intranet) na educação continuada na Fazesp"

Transcrição

1 Novas formas de aprender: o uso integrado de mídias (TV corporativa e Intranet) na educação continuada na Fazesp Helena Kerr do Amaral 1 Laura Ibiapina Parente 2 A Escola Fazendária da Secretaria da Fazenda de São Paulo é responsável pela capacitação técnicoprofissional dos servidores da Secretaria da Fazenda e das unidades gestoras orçamentário-financeiras das demais Secretarias do Estado de São Paulo. Este público-alvo representa cerca de funcionários da Secretaria da Fazenda e um universo estimado em servidores das Secretarias setoriais, lotados em mais de 400 municípios do Estado e distantes, algumas vezes, em até 950 km (do Posto Fiscal de Teodoro Sampaio, no Pontal do Paranapanema, ao de Bananal, no final do Vale do Paraíba). Tradicionalmente, diante deste universo de alunos potenciais dispersos geograficamente, os programas de treinamento ficavam restritos a alguns segmentos dos funcionários, e acabavam por privilegiar aqueles que trabalham nos grandes centros urbanos. A Fazesp desde a sua criação teve a preocupação com a ampliação do acesso aos treinamentos. Buscava enfrentar este desafio através da formação de multiplicadores que oferecem cursos nas regiões administrativas da Secretaria e, eventualmente, com a produção de vídeos. Este modelo de formação, porém, tem suprido apenas parcialmente o problema da dispersão geográfica. A intensa transformação nos processos de trabalho provocada pela modernização e pela tecnologia de informação coloca um novo e forte desafio ao modelo de capacitação adotado. Agora não é apenas a questão do acesso. Passa a ser necessário preparar o funcionário da Secretaria para um novo tipo de trabalho voltado para as necessidades do cidadão que utiliza serviços on line, que pede um atendimento individualizado e igual para todos. Este novo trabalho que exige a atualização permanente do servidor público porque mudam as formas de controle, as práticas e as habilidades requeridas. Para atender a essa demanda, nossas linhas de trabalho da Escola são: Gerencial Novos instrumentos e processos de organização do trabalho Técnica e operacional Especializações em áreas do conhecimento fundamentais para a atuação da secretaria com Direito Tributário, Economia do Setor Público, e Contabilidade e Auditoria A expansão da rede da Secretaria da Fazenda de São Paulo nos possibilitou ampliar nossa capacidade de oferta de treinamento. A inovação dos métodos de ensino tornou-se absolutamente crítica e estratégica em função da necessidade de a Fazesp se colocar como alavanca do processo de mudança da secretaria. A escola busca ser parte integrante e influente neste esforço de transformação de paradigma de gestão pública. A introdução da tecnologia de informação traz não apenas a oportunidade de ampliar a oferta de treinamentos como condições para um melhor aproveitamento das capacidades existentes na secretaria. A Escola Fazendária tem buscado aproveitar este contexto para rediscutir o modelo de capacitação. O objetivo geral é o de favorecer a interação dinâmica entre os diferentes modos de conversão do 1 - Diretora da Fazesp, Escola Fazendária da Secretaria da Fazenda do estado de São Paulo, administradora, mestre em administração pública (EAESP/FGV), doutoranda em economia (IE/Unicamp). 2 - Gerente do projeto de implantação de novas tecnologias de ensino na Secretaria da Fazenda do estado de São Paulo, administradora pública, socióloga, especialização na Ecole Nationale d Administration, França. 1

2 conhecimento, o de ser um verdadeiro espaço de aprendizagem que estimula conexões e interações. Para isso, estamos implementando um projeto inovador de educação a distância interativa: emprego de curso a distância on line (e-learning) e de televisão executiva que convida à interatividade. Neste trabalho queremos analisar o desafio da implantação deste projeto. Diretrizes Nossa estratégia de formação procura combinar: a construção de cursos sob medida, formatados segundo as necessidades de cada área da Secretaria; as múltiplas formas de aprendizagem síncronas e assíncronas; o envolvimento de gerentes e líderes com a capacitação, tornando-os também responsáveis pelo processo; fomento à educação continuada; prioridade no desenvolvimento de competências críticas (geração e disseminação de conhecimentos, trabalhos em parceria ou em equipe, análise e solução de problemas, excelência no atendimento ao público, orientação estratégica, liderança, gestão de processos de mudança); ênfase no aprendizado organizacional, e não apenas no conhecimento individual. Na Secretaria da Fazenda temos buscado: preparar, através de cursos pela intranet e cursos presenciais, para facilitar a conexão entre as pessoas e a velocidade com que estas conexões podem ser realizadas (uso do correio eletrônico e da rede interna, desenho de conversas nas organizações); desenvolver projeto educacionais com emprego de novas tecnologias buscando ampliar a interatividade (TV e cursos on-line); oferecer cursos, em parceria com outras instituições como a FEA/USP, que usem simulação de situações (presencial, por enquanto; presencial e virtual em preparação); estudar processos e recursos digitais para criar equipes virtuais que possam trocar e compartilhar conhecimentos; combinar encontros e seminários com as conversas virtuais. A implantação do projeto No seminário do Clad do ano passado, foi feita a apresentação do projeto de Educação a Distância Interativa que a Fazesp vinha desenvolvendo. Parente e Linhares (1999) discutiam os desafios para se evoluir do modelo tradicionalmente adotado pela Escola Fazendária baseado no treinamento presencial por intermédio de multiplicadores para um programa de capacitação a distância, integrando como mídias educacionais a televisão e as redes telemáticas, com ênfase no potencial de interatividade que estas proporcionam. Atualmente, já podemos fazer um balanço da primeira fase da implantação deste programa de capacitação a distância. De fato, o uso integrado de mídias tem nos indicado possibilidades inéditas de incorporação de profissionais da Secretaria da Fazenda de São Paulo a novas formas de aprender. Os principais elementos do projeto são: 2

3 a) a TV Fazesp: canal de TV corporativo que alcança as sedes regionais da Secretaria da Fazenda em todo o território paulista, levando conteúdos-chave utilizando uma linguagem ágil, com foco na interatividade; b) Intranet: formação de uma comunidade virtual de aprendizado, disponibilizando cursos on line, material didático, criando grupos de discussão e complementando os programas da TV; c) Biblioteca: disponibiliza informações e documentos, estimulando o processo de educação contínua dos funcionários de todo o estado através da intranet. Além do acervo próprio, mantém convênios com outras bibliotecas de áreas afins. A implantação da infra-estrutura para o uso integrado de mídias para ensino na Fazesp tem sido viabilizada pela existência de financiamento do BID. Algumas das principais realizações deste investimento foram: a) A montagem do mini-estúdio na Fazesp; b) A aquisição de equipamentos e softwares (foram adquiridas duas workstations para desenvolvimento de cursos para intranet e tratamento de imagens, softwares para design em web, uma câmera fotográfica digital e uma filmadora digital); c) A atualização das salas de aula e telessalas das Regionais com a aquisição de canhões multimídia, TVs, videocassetes e microcomputadores com kit multimídia; d) A pesquisa e seleção de software para gerenciar cursos pela intranet; e) A aquisição de software para a biblioteca; f) Licitação para contratação da produtora de TV; g) Seleção e contratação de roteiristas, repórter e apresentadores. A outra dimensão da implantação do projeto, muito mais complexa, é a preparação da equipe para atuar em um novo modelo de aprendizado. Iremos destacar os principais desafios: concepção da grade de programação, capacitação de instrutores, desenvolvimento de conteúdos adequados e no ritmo necessário, coordenação do processo de criação e produção com a execução dos cursos. Analisemos cada um deles. Para a concepção da grade, a Fazesp contou inicialmente com uma consultoria externa. Após debater o produto da consultoria com a equipe interna, foi aprovada uma grade para programação semanal da TV, com duração de uma hora. A grade sintética da programação 3 semanal contém: Menu do programa apresenta os assuntos do dia Notícias Sefaz informativo e reportagens Caia na rede segmento de informática Memória a história e as mudanças na Secretaria Conhecimento.sefaz o tema da semana Minha opinião a palavra dos fazendários Eu quero saber dúvidas sobre assuntos técnicos Como é que fica? perguntas polêmicas dos fazendários Sala de bate-papo entrevistas com especialistas Decidiu-se que os programas da TV Fazesp deveriam contemplar tanto blocos de educação formal, com temas de aplicação para as áreas de administração tributária, financeira e de controle ou de administração geral, como blocos de educação informal. Nesta linha estariam notícias, resgate da memória da instituição, campanhas com temas como cidadania, saúde do trabalhador, opiniões, críticas de usuários dos serviços da secretaria e depoimentos de funcionários contando o que fazem. Com esta abordagem, busca-se construir a identidade do funcionário da secretaria e debater temas de interesse 3 - ver grade de programação detalhada no anexo 1. 3

4 geral. A avaliação desta estrutura de grade tem sido bastante positiva. Na pré-estréia tivemos a alegria de ouvir depoimentos dizendo: "Parabéns. Este conteúdo me dá orgulho de ser funcionário público", ou, "Gostei muito. Acho que vai ajudar a resgatar a auto-estima do servidor da secretaria". Para a capacitação de instrutores, a Fazesp organizou em fevereiro de 2000 duas turmas do workshop TV e vídeo na educação, com a participação dos 52 primeiros instrutores a se tornarem correspondentes da TV Fazesp nas Regionais. O objetivo deste treinamento era o mostrar o papel essencial da recepção da mensagem do programa de TV desempenhado pelo correspondente nas telessalas. O nome "correspondente" foi definido por eles mesmos. Foi criada também uma linha de comunicação permanente entre eles e a Fazesp. Incentivamos a formação de uma comunidade virtual, aproveitando a existência da intranet. Como veremos a seguir, este foi um dos elementos que levaram a um resultado acima das nossas expectativas em termos de criatividade e contribuição de conteúdos a partir das primeiras transmissões da TV. Em julho fizemos o I Encontro de Avaliação da TV, com a participação destes correspondentes, dos representantes de treinamento da Fazesp e com instrutores. Neste evento, fizemos uma feira de educação. Com quatro salas, os instrutores puderam conhecer: o processo de criação (definição de pauta, elaboração de briefing, elaboração e aprovação de roteiro foram apresentados pela equipe de criação); de produção do programa, conversando com o diretor de TV no próprio estúdio; tecnologias de ensino (contar histórias, lousa e giz, micro etc.); cursos usando a internet e intranet. Em setembro estaremos realizando o treinamento de novas turmas de correspondentes. O desenvolvimento de conteúdos é sempre o grande desafio para a capacitação, qualquer que seja o recurso tecnológico adotado. Na formação de adultos, os conteúdos estão quase sempre com os profissionais, que nem sempre têm a consciência de seus saberes. A Fazesp adotou duas formas de buscar os conteúdos: através de sugestões do núcleo de criação e através de propostas enviadas pela intranet por qualquer funcionário da secretaria 4. Em grandes instituições, com a heterogeneidade da secretaria da Fazenda de São Paulo, o grande desafio tem sido: identificar os especialistas que detêm os conhecimentos; selecionar os temas de relevância para serem socializados; detalhar estes temas em proposta de programa de TV e de leituras complementares orientados para o público adequado; transformar este material em linguagem televisa sem perder o rigor técnico. Estas operações exigem da coordenação do projeto habilidade para lidar com sentimentos ambíguos com relação a autoria e cooperação. Essas tensões são particularmente presentes na secretaria atualmente devido às grandes mudanças organizacionais em curso. Esses processos naturalmente acirram os medos. Ao mesmo tempo, liberam energias e vontades de transformação surpreendentes. No processo de implantação já vivemos claramente duas fases. Na primeira, era necessário uma centralização das ações de modo a se construir um produto com linguagem coerente e a se definir regras de colaboração. Nesta fase, heróica, os membros da equipe de criação da TV Fazesp faziam todos os papéis e garantiram o início da exibição graças à paixão. Atualmente, estamos buscando criar uma rede de colaboração mais estável. Os centros de capacitação da Fazesp assumiram a articulação com as áreas da secretaria que explicitam necessidades de capacitação, a busca de conteúdos junto a especialistas internos e externos, a definição dos programas, a proposta de público alvo, a comunicação com instrutores e correspondentes, a alimentação da página na intranet e a avaliação do programa, baseada em informações das telessalas. 4 - ver o modelo de ficha no anexo 2. 4

5 Produtos Até setembro de 2000, nossos produtos são: a) Lançamento de cursos-piloto na intranet: Roteiro de Fiscalização para Panificadoras e Usando o Correio Eletrônico e a Sefaznet ; b) Transmissão de programação semanal da TV Fazesp a partir de junho de Data Tema do conhecimento.sefaz Sala de bate papo Público alvo 14/06/ , uma odisséia na rede Novas Tecnologias de Ensino, Geral professor Moran, ECA/USP 21/06/00 Novas Tecnologias de Educação Corporativa, Instrutores Educação professora Marisa Éboli, FEA/USO 28/06/00 Emissor de Cupom Fiscal Documentos eletrônicos, Marcos Agentes fiscais de da Costa, OAB/SP renda 9/08/00 Auditoria Informatizada Substituição Tributária, Agentes fiscais de Delegado Clóvis Cabrera renda 16/08/00 Gerencial I: Administração Reforma do Estado, professor Gerentes voltada para o cidadão Clóvis Bueno de Azevedo, EAESP/FGV 23/08/00 Formas de Ensinar e de O prazer de aprender, escritora Instrutores Aprender 30/08/00 Do homem que calculava para o homem que analisa Fanny Abromovich Gestão de custos e controle interno, professor Mauro Zilbovicius, Politécnica/USP 6/09/00 Comércio eletrônico Tributação e comércio eletrônico, professor Marco Aurélio Greco 13/09/00 Modernização da Reestruturação organizacional, administração financeira Carlos Alberto Júlio, revista HSM 20/09/00 Formação Gerencial II: Como mudar? Experiências inovadoras de gestão pública e cidadania, professor Peter K. Spink, EAESP/FGV Controle interno e gestores orçamentários e financeiros das secretarias setoriais Agentes fiscais de renda Funcionários da coordenadoria da administração financeira Gerentes Novas formas de aprender O modelo adotado pela TV Fazesp busca empregar diferentes métodos de aprendizado, de forma combinada e com diferentes graus de coordenação. Vejamos: a) conteúdo formal. A ele são associados os superlinks. Chamam o aluno para aprofundar o tema procurando mais informações na intranet. O conceito-chave aqui é o auto-estudo; b) discussão nas telessalas a partir de propostas de temas sugeridos centralizadamente pela Fazesp. São enviadas sugestões, roteiros para discussão com antecedência de poucos dias da exibição do 5

6 programa. A dinâmica de trabalho é decidida com autonomia pelas equipes regionais e/ou instrutores. Os resultados têm sido estimulantes, como podemos ver no que nos foi enviado pela instrutora de São José do Rio Preto, Monica Saur Alves Esteves: "Prezados colegas, Estou entrando em contato para relatar a experiência da telessala no dia de hoje. Primeiramente desejo agradecer a lembrança do meu nome para instrutora e o cuidado no encaminhamento do material. A qualidade das apostilas e o enfoque dado ao assunto foram absolutamente apropriados. Como pude conhecer o assunto com antecedência, após a apresentação da programação, dividi os presentes em 6 grupos que debateram os seguintes assuntos: 1º - Declaração Universal dos Direitos Humanos; 2º - Artigo 37 da Constituição; 3º - Lei de proteção do usuário do serviço público; 4º - Situações; 5º - Max Weber; 6º - A burocracia pode ser útil. Após o debate entre os grupos (aproximadamente 30 minutos), cada grupo apresentou "seu tema" e em assembléia todos os presentes apresentaram seu ponto de vista. O encerramento das atividades aconteceu às 12 horas. Os resultados obtidos foram tão bons que as pessoas que estarão em férias no próximo mês pediram para participar do 2º programa, mesmo estando afastadas. Tenho certeza de que os debates resultarão em grande reflexão entre os participantes, principalmente com a certeza de que o assunto não se esgotará agora. Parabéns pela escolha do tema e reunião do material. Abraços, Monica" O conceito-chave deste estratégia é autonomia; c) formação de equipes de instrutores nas regiões. Estas equipes aprendem a ser equipes fazendo. Os conceitos-chave são aprender fazendo e equipe: d) acesso rápido e homogêneo a públicos amplos (média de 400 alunos nas 16 telessalas em todo o estado). Observe-se que parte do público não tem muito tempo para se atualizar. Aqui os conceitoschave são: rapidez e homogeneidade; e) incentivo à formação de grupos (virtuais ou não) de discussão. Os temas debatidos em sala e as leituras dos textos na intranet introduzem novos referenciais para debate dos problemas enfrentados pelos profissionais da Secretaria. Com a comunicação eletrônica disponível, temos incentivado a formação de grupos de discussão. Objetiva-se ampliar os efeitos das redes de aprendizado temporário que se formam nas salas de aula para se criar verdadeiras comunidades de práticas, grupos que compartilham conhecimentos e métodos de enfrentar problemas no trabalho; O conceito-chave é o de comunidades de aprendizado; f) contar histórias é um recurso clássico para o aprender. A televisão permite explorar este recurso dando ao estudo tanto a dimensão lúdica como a riqueza das metáforas para reaplicar conhecimento e incentivar as associações de idéia. O contar histórias permite mostrar a relação inseparável entre trabalhar e aprender; g) o convite à formação de redes de aprendizagem tem como objetivo fazer da Fazesp um verdadeiro espaço colaborativo de aprendizado. Os retornos e sugestões que têm vindo espontaneamente das diferentes regiões do estado mostram a possibilidade da consolidação gradual de redes de aprendizagem Ganhos do aprendizado informal e da formação das redes não pode ser quantificado. Não poder avaliar das formas tradicionais não nos tira a certeza do valor deste novo modo de aprender. 6

7 Resultados atuais As repercussões deste novo modelo de capacitação têm sido bastante favoráveis. Temos obtido apoio tanto da direção da secretaria que entende a capacitação como estratégica para a mudança em curso como de segmentos de funcionários que só agora começam a ser atingidos pela Escola Fazendária. O principal resultado é a ampliação do acesso à capacitação. A formação das equipes regionais está se consolidando mais rapidamente do que nossas expectativas. Percebemos também uma assimilação gradual do recurso TV pela Fazesp e pela secretaria. Ainda não conseguimos explorar as mídias integradas no nível desejado por três razões básicas: falta de equipamentos adequados (micros multimídia nas regionais); fase ainda de teste de transmissão de som e imagem via rede; heterogeneidade na capacidade de uso de recursos de tecnologia de informação no corpo de funcionários da secretaria. Esta última constatação nos leva à convicção da adequação de um modelo que combina TV, vídeo, aulas presenciais e cursos a distância on line. Outro resultado importante desta fase é o estímulo à estruturação e planejamento das atividades de formação. O ritmo necessário à produção de programas educacionais com uso da televisão e a dificuldade inicial da adaptação de cursos presenciais para o formato on line exigem a constituição de equipe na escola com perfil de cooperação, iniciativa e sem preconceitos com novas linguagens. Construir esta equipe tem sido nosso desafio. Os mesmos fatores apontados acima desnudam algumas dificuldades estruturais da capacitação na secretaria. As dificuldades conhecidas de modernização da administração pública se revelam também na inovação dos métodos de ensino voltados para a formação de funcionários analistas de informação, cooperativos e com iniciativa. Conclusão Esperamos que a consolidação deste projeto, ainda em fase de implantação e de (re)definições permita que a Fazesp passe a ser muito mais do que uma escola tradicional que oferece cursos. Queremos ser um centro de geração e difusão de conhecimentos, um espaço de aprendizagem compartilhada, que trabalha para capacitar, canalizar talentos e potencializar a atuação da Secretaria da Fazenda. Acreditamos que as novas tecnologias de ensino podem nos dar os meios para processar, colecionar, gerenciar, organizar e disseminar informações de modo mais efetivo e eficiente. E com isso poderemos incentivar novas formas de aprender e fortalecer as conexões existentes dentro das regiões da Secretaria e entre elas, possibilitando o surgimento de novas conexões nunca antes imaginadas. Bibliografia: DIGENTI, Dori, "Make space for informal learning", EBOLI, M(coord.).Coletânea Universidades Corporativas:Educação para empresas no século 21.São Paulo:Schmukler Editores, 1999 LINHARES, Antônio Filipe de Siqueira e PARENTE, Laura Ibiapina TV Fazesp - Um Projeto Interativo de Educação a Distância, Seminário Clad, 1999 WAVE TECHNOLOGIES INTERNATIONAL, "Learning, the critical technology. A white paper on adult education in the information age", 7

8 Anexo 1: GRADE DE PROGRAMAÇÃO 08/05/00 Núcleo de Criação TV-FAZESP Esta proposta para a grade da programação da TV FAZESP foi elaborada tendo em vista a divisão da programação em dois grandes segmentos, de 30 minutos cada. Os dois segmentos têm como objetivo desenvolver conteúdos de interesse dos funcionários, segundo uma abordagem educativa, no âmbito do Projeto de Educação a Distância. No primeiro segmento, o de Educação Informal, conteúdos mais curtos e de interesse geral, serão distribuídos por diversos programas, cujos formatos estão sendo especialmente criados pelo Núcleo de Criação da TV FAZESP e produzidos pela Produtora Argumento. (Ver sinopses abaixo). O segundo segmento, é todo ele voltado para conteúdos de interesse específico. São temas mais longos, que serão desenvolvidos dentro de uma concepção de Educação Formal. Os formatos e os tempos desses programas não serão fixos. Eles serão determinados de acordo com a natureza, a extensão e profundidade que se pretende dar a cada tema. ENTENDA COMO FOI DIVIDIDA A GRADE Toda a grade está estruturada em seções. Algumas serão fixas, aparecendo em todas edições. Outras, aparecerão de acordo com a necessidade. A seguir, os nomes e as características básicas das seções. Vinhetas formato de todas as intervenções gráficas para pontuação da programação e/ou tesears (mensagens institucionais) que aparecerão entre os programas. Módulos formato dos programas com maior tempo na grade. Variam de 5 a 20 minutos. Quadros formato de programas com duração entre 2 e 3 minutos. Selos formato das intervenções do público, tanto interno como externo. Duração média de 1 minuto. Teasers -- formato das mensagens e ou campanhas institucionais com linguagem de comercial, para inserção entre as seções. Duração de até 1 minuto. Emissões Especiais :Segmentos e ou seções fora da grade como Teleconferência, por exemplo. CONHEÇA MAIS DETALHES SOBRE OS PROGRAMAS Tendo em vista os objetivos, as características dos conteúdos e as necessidades do público da TV FAZESP, a grade de programação foi pensada para conter programas com formatos ágeis, flexíveis, atraentes. Alguns aparecerão tanto no Segmento de Educação Informal, quanto no de Educação Formal. Outros serão fixos de um ou de outro segmento. Alguns programas aparecerão em todas as edições. Outros, apenas quando necessários. A seguir, a sinopse de cada um deles. SEÇÕES FIXAS DO SEGMENTO INFORMAL 8

9 ALÔ, COMO VAI?!! Abertura de cada edição, com a saudação dos apresentadores. MENU DO PROGRAMA (01 30 ) Seção fixa que aparecerá no começo e no final da programação. No começo, anuncia o que espectador verá na edição daquele dia. No final, o que o espectador verá na edição seguinte. NOTÍCIAS SEFAZ (05 ) Seção fixa da parte de Educação Informal. Notícias gerais da SEFAZ. quê? (03 ) Seção do segmento de Educação Informal. Esta seção sempre vai destacar um setor, mostrando o trabalho, ou parte dele, que se desenvolve ali, partindo sempre do organograma da Secretaria. O objetivo é revelar para o espectador como é o trabalho do setor em questão, a partir do depoimento de um funcionário, e assim mostrar como é que o setor se articula com os demais. Passa, dessa maneira, uma visão de conjunto da Secretaria. Seu maior objetivo é conscientizar cada um para o trabalho do todo. CONTRIBUINTE URGENTE (01 ) Seção fixa para Educação Informal. Perguntas, opiniões, provocações, feitas pelas pessoas que são os clientes da Secretaria, ou seja, os contribuintes. É o canal por onde absorveremos a manifestação do público externo. Procuraremos mostrar aos fazendários o que o público acha da Secretaria, dos serviços, do trabalho ali realizado. Ou o quanto o público desconhece esse trabalho. CAIA NA REDE (05 ) Módulo fixo para o Segmento Educação Informal ou Formal, e é dedicado a assuntos de informática. Tem as seguintes seções internas: Você sabia sobre conceitos básicos e definições de termos de informática. É o be-a-bá, em tom de pílulas de curiosidades. Conexões dá dicas sobre sites do interesse dos fazendários, novidades que vão pintar dentro e fora da SEFAZ na área da informática. Help ou Tira-dúvidas que responde às dúvidas e questões enviadas ao programa por e- mail pelos fazendários. MEMÓRIA (03 ) Seção fixa para a parte de educação informal. Está vinculado ao projeto de criação do museu. Nele, vários objetos, documentos que contam como foi a Secretaria, como por exemplo, um quepe e uma mala de agente fiscal. A proposta é ir resgatando fragmentos dessa história a cada edição. FANZINE (03 ) 9

10 O olhar eletrônico do fazendário. Uma câmera na mão e um desejo registrado, digitalmente. As melhores imagens da Secretaria editadas em um videoclip. SEÇÕES FIXAS PARA O SEGMENTO FORMAL conhecimento.sefaz (15 ) Segmento fixo da educação formal. Matérias mais longas, linguagem de documentário, abordando temas mais estruturados. PROGRAMAS QUE PODERÃO APARECER NOS DOIS SEGMENTOS MINHA OPINIÃO ( 02 ) Intervenção/depoimentos para qualquer dos dois segmentos. Opinião enviada ao programa pelos fazendários. PONTO DE VISTA ( 02 ) Seção opcional para qualquer dos segmentos. Sempre que um especialista aparecer para opinar sobre assuntos controversos, seja numa matéria, num debate. É um comentário gabaritado. EU QUERO SABER ( 01 ) Selo curinga fixo que serve para os dois segmentos, Informal e Formal. Fazendários que pedem esclarecimentos diretamente para a câmera, sobre assuntos técnicos. As dúvidas são respondidas também por fazendários da FAZESP ou da Secretaria. COMO É QUE FICA? (01 ) Selo opcional, que serve tanto para a parte de Educação Informal quanto para a Formal. Apresentação de um caso ou situação extraída da realidade dos funcionários, com o objetivo de provocar debate ou opiniões que apontem para uma solução. Situações mais abrangentes (gerais). DEBATE (30 ) Seção opcional para a parte de educação formal. Especialistas, fazendários, discutem ao vivo aspectos controvertidos da legislação fiscal. SALA DE BATE-PAPO (05 ) Seção que serve tanto para a parte de educação informal, quanto para a parte de educação formal. Entrevista feita no estúdio, com a inclusão de perguntas dos fazendários, por . A pessoa a ser entrevistada é anunciada no programa anterior e, também pela Intranet para estimular que os espectadores mandem suas perguntas. DO GABINETE Para qualquer das duas partes, sempre que o secretário necessitar comunicar algo oficial. AGENTE FISCAL PESQUISA 03 Seção opcional para o segmento de Educação Formal. É uma seção de humor investigativo, uma forma de abordar certos assuntos graves, ou delicados, de uma forma mais amena, leve, bem humorada. 10

11 SELOS ATALHO Selo. Vale para os dois segmentos. Entra sempre no meio de uma explicação. É uma dica para encurtar caminho e mostrar como se pode fazer algo mais rápido e melhor. Não é uma seção, mas um macete que pode servir a vários assuntos no segmento, ou nas seções de Educação Formal. TEASERS Os teasers sempre concluem com uma assinatura eletrônica. Dados sobre as autoras Helena Kerr do Amaral Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Diretora da Escola Fazendária Fazesp Endereço: Av. Rangel Pestana, º São Paulo - S.P. Brasil Telefone: (5511) ; Fax: (5511) Laura Ibiapina Parente Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Escola Fazendária Fazesp Diretora do Centro de Estudos Estratégicos da Fazesp Endereço: Av. Rangel Pestana, º São Paulo - S.P. Brasil Telefone: (5511) ; Fax: (5511)

12 Anexo 2: DATAS PROPOSTA: AVAL. PAUTA: PROPOSTA DE PROGRAMA PREV. EXIBIÇÃO: TEMA: TÍTULO: PÚBLICO-ALVO: OBJETIVOS GERAIS: OBJETIVOS ESPECÍFICOS: FORMATO PROPOSTO: TÓPICOS DO CONTEÚDO: FONTES DE INFORMAÇÃO: INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS: RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO: COMENTÁRIOS / OBSERVAÇÕES: ANEXAR RESUMO DO CONTEÚDO E MATERIAL GRÁFICO DE APOIO. 12

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Contextualização: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Fazesp - Escola Fazendária do Estado de São Paulo

Contextualização: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Fazesp - Escola Fazendária do Estado de São Paulo TV Fazesp - Um Projeto Interativo de Educação a Distância Antônio Filipe de Siqueira Linhares* Laura Ibiapina Parente** Contextualização: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Fazesp - Escola

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013

Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013 U n id a d e 0 0 0 9 Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013 Cod Título Prioritária Unidade Sigla Planejada Executada Orç. Inicial Alterações Autorizado Empenhado Liquidado Pago Saldo E/A L/A L/P 2

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0

Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0 Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0 Esta cada vez mais comum na web ambientes wikis. É um dos fatores principais no que vem sendo denominado

Leia mais

MÍDIA KIT 2016. A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores.

MÍDIA KIT 2016. A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores. MÍDIA KIT 2016 A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores. PÚBLICO-ALVO Profissionais de RH, presidentes, vice-presidentes e executivos com papel

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010)

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 1 of 6 02/12/2011 16:14 Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 13:58:20 Bem-vindos ao Bate-papo Educarede! 14:00:54 II Seminário

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

Estratégias de EAD na Vale

Estratégias de EAD na Vale Estratégias de EAD na Vale Mineradora pioneira que trabalha com paixão, transformando recursos minerais em ingredientes essenciais o dia-a-dia das pessoas. É a segunda maior mineradora diversificada do

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

VAMOS CONSTRUIR A MELHOR EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO.

VAMOS CONSTRUIR A MELHOR EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO. VAMOS CONSTRUIR A MELHOR EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO. A Blackboard é líder no setor de soluções de e-learning, atendendo 72% das 200 maiores universidades do mundo. Sediada em Washington, DC, e criada em 1997,

Leia mais

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA 1. DO OBJETO Constitui-se como objeto da Ata de Registro de Preço a aquisição de materiais didáticos e paradidáticos em tecnologia educacional para

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Nº 1 INOVADAY

PLANO DE AÇÃO Nº 1 INOVADAY PLANO DE AÇÃO Nº 1 INOVADAY 1 I. CONTEXTUALIZAÇÃO O presente documento detalha o Plano de Trabalho 2013/2015 do CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM, e se enquadra dentre as Ações e Metas previstas no

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Aula 1. Por Um Novo Ensino em Saúde. Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini

Aula 1. Por Um Novo Ensino em Saúde. Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini Aula 1 Por Um Novo Ensino em Saúde Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini Objetivo da Aula Promover uma reflexão sobre a importância e a necessidade de repensar o ensino em saúde

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais