UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTERNA NAS EMPRESAS E A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Autora Angélica Dias de Azevedo Orientador Prof. Carlos Afonso Leite Leocadio BRASÍLIA 2008

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTERNA NAS EMPRESAS E A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes, como requisito necessário à obtenção do título de pósgraduação em Pedagogia Empresarial. Por: Angélica Dias de Azevêdo. BRASÍLIA 2008

3 3 AGRADECIMENTOS Primeiramente, gostaria de agradecer a Deus, por me abençoar e ajudar a vencer tantos desafios, que foram decisivos para a continuidade deste curso. Ao meu marido e companheiro, que soube com paciência respeitar meu trabalho e dedicação ao curso de pós-graduação em Pedagogia Empresarial. Aos meus pais, que mesmo morando longe, em outro estado, sempre estiveram presentes, dirigindo uma atenção valiosa e um carinho inestimável. Á toda minha a família, pelo amor e apoio incondicional em todos os momentos. Ao professor Carlos Afonso Leite Leocadio, que me deu mais uma chance de conquistar meu espaço e por ter compartilhado comigo o desafio deste trabalho, além de seus préstimos constantes para a conclusão do trabalho monográfico. E, por último, agradeço também á todos aqueles que direto e indiretamente contribuíram para que este trabalho fosse realizado.

4 Dedico esta conquista ao meu marido Vandeir, que esteve junto comigo em todos os momentos desta construção com paciência, e aos meus pais Aluísio e Janice, pelo carinho. 4

5 O ritmo acelerado na era da informação torna imperativo que cada empresa reserve um tempo significativo para examinar e perguntar que adaptações deverá empreender agora para sobreviver e prosperar. Philip Kloter 5

6 6 RESUMO Este estudo buscou através de uma pesquisa explicativa de cunho qualitativo sobre analisar a comunicação interna nas empresas e a importância das tecnologias de informação, tendo em vista o âmbito da comunicação organizacional, abordado no primeiro capítulo. O segundo capítulo teve como objetivo evidenciar premissas teóricas acerca da Comunicação Interna, aliadas a cultura e o clima organizacional a fim de melhor perceber o ambiente e seus públicos internos. No terceiro capítulo buscou-se descrever a Gestão Tecnológica, os principais canais e instrumentos de apoio, em especial o uso da intranet nas empresas. E, por último uma abordagem sobre a aprendizagem organizacional aliada a inovação, sob o ponto de vista da inclusão digital, a fim de otimizar eventuais conflitos e barreiras que estão protelando, ou mesmo, retardando o crescimento e desenvolvimento da empresa. Para tanto, dando continuidade ao final será questionado o papel do pedagogo empresarial dentro destas perspectivas na perspectiva da gestão da comunicação interna. Portanto, chegou-se a conclusão de que é preciso que as organizações se conscientizem da importância das ferramentas tecnológicas para a comunicação interna, a fim de propiciar um ambiente que favoreça o desenvolvimento e crescimento da organização. PALAVRAS-CHAVES: Comunicação Organizacional, Comunicação Interna, Gestão de Tecnologias, Aprendizagem Organizacional.

7 7 METODOLOGIA A metodologia, a ser adotada neste estudo basear-se-à, primeiramente numa pesquisa explicativa, no qual pretende demonstrar o desenvolvimento do trabalho será baseado em uma exaustiva pesquisa bibliográfica presente em livros didáticos acerca do tema, sítios eletrônicos e periódicos, que auxiliarão no direcionamento claro e coerente do trabalho. A fim de, desenvolver, uma pesquisa explicativa com caráter qualitativo, sendo que na primeira parte evidenciará conceitos, definições e características teóricas sobre a Comunicação no âmbito organizacional. Na segunda parte, pretendo explorar a Comunicação Interna, assim como a cultura e o clima organizacional para melhor conhecer o ambiente e seus públicos internos. Em uma terceira parte, pretende-se descrever as principais ferramentas da Gestão Tecnológica, em especial o uso da intranet nas empresas, além de outros canais e instrumentos de apoio. E, por último uma abordagem sobre a aprendizagem organizacional aliada a inovação, sob o ponto de vista da inclusão digital, a fim de otimizar eventuais conflitos e barreiras que estão protelando, ou mesmo, retardando o crescimento e desenvolvimento da empresa. Para tanto, dando continuidade ao final será questionado o papel do pedagogo empresarial dentro destas perspectivas. Espera-se perceber a comunicação organizacional aliada a comunicação interna como uma importante ferramenta estratégia de educação organizacional, a fim de possibilitar o ensino/aprendizagem, através do desenvolvimento de técnicas e estratégias relativas ao conhecimento profissional (área operacional) dentro da organização. Numa tentativa de elucidar o papel do pedagogo empresarial no contexto empresa e sua atuação, de modo a considerar as necessidades, os valores, e interesses individuais (Colaborador/Empresa) no processo da comunicação organizacional. Além proporcionar ao fim deste estudo uma contribuição teórica para eventuais pesquisas sobre esta valiosa ferramenta.

8 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A COMUNICAÇÃO Breve Histórico A comunicação Organizacional A COMUNICAÇÃO INTERNA Cultura e Desenvolvimento Organizacional Clima Organizacional GESTÃO DE TECNOLOGIAS Canais e Instrumentos de Apoio Intranet APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL Inclusão digital: um desafio O papel do pedagogo Empresarial na gestão da Comunicação Interna 31 CONCLUSÃO 34 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 36

9 9 INTRODUÇÃO As organizações estão cada vez mais buscando se adaptar as tendências tecnológicas, uma vez que os papéis organizacionais e de seus colaboradores também vem sofrendo mudanças, em especial no que tange ao relacionamento interpessoal entre a empresa e seus públicos internos. Neste sentido, a comunicação interna nas empresas aliadas ás tecnologias de informação contextualizam uma poderosa ferramenta estratégica na organização. Entretanto, na construção deste estudo pretende-se considerar alguns aspectos relevantes, como exemplo, a importância de ferramentas tecnológicas, em especial a intranet, para melhorar a veiculação da informação com maior rapidez e segurança, obviamente atendendo às necessidade organizacionais. Tendo como objeto em análise a intranet na comunicação interna na qual deverá ser vista como um meio interno que poderá atingir á todos seus públicos internos, e não somente as equipes de lideranças. Além de proporcionar uma maior valorização de seus públicos criando condições de aprimorarem seus conhecimentos, motivando-os, e ainda aumentando nível de comprometimento com a organização. É evidente, que muitos líderes organizacionais ainda não se atentaram para esse fato, o que têm produzido certo equívoco nos reais objetivos da comunicação interna no ambiente interno das organizações. Para que a comunicação interna funcione é preciso inovar o ambiente interno com uma cultura e uma política organizacional que torne clara sua missão. Por isso, a justificativa quanto à escolha do tema, deve-se primeiramente ao meu objetivo profissional, em relação curso de Pedagogia Empresarial, pois venho pesquisando e desempenhando consultorias no âmbito da Comunicação organizacional. Por outro lado, pela relevância deste tema, frente á realidade atual, visto que poderá contribuir para minha formação acadêmica e profissional, além da possibilidade de se proporcionar uma nova reflexão acerca do tema.

10 10 Tendo como base estas informações, acima supracitadas, que se faz necessário ressaltar a problemática em questão, tal como a Gestão da Comunicação Interna deve ser desenvolvida e otimizada estrategicamente, no ambiente interno empresarial através das tecnologias de informação? O objetivo geral deste estudo é analisar quais os principais meios e ferramentas tecnológicas que podem nos auxiliar no efetivo desenvolvimento da Comunicação Interna. Sendo que os objetivos específicos são: Identificar as principais características e conceitos sobre a comunicação organizacional, cultura e clima organizacional; Descrever os principais conceitos acerca da Comunicação Interna nas empresas; Descrever as principais canais e instrumentos de apoio das tecnologias de informação aliado ao uso da Intranet; Relatar sobre a importância da aprendizagem organizacional e da inclusão digital; Analisar o papel do pedagogo empresarial. As hipóteses iniciais alicerçam, primeiramente, na possibilidade de aumentar o envolvimento dos colaboradores com os líderes, através da comunicação interna podendo resultar em um ambiente propício para o desenvolvimento e crescimento da empresa e dos colaboradores. E, posteriormente, que ao proporcionar uma gestão de tecnologias da informação como ferramenta para o desenvolvimento efetivo da comunicação interna facilitará a compreensão de ambas as partes, quanto aos objetivos e metas da empresa.

11 11 CAPÍTULO 1 A COMUNICAÇÃO 1.1 Breve Histórico Esta pesquisa pretende traçar premissas teóricas acerca da comunicação em sua amplitude, através de uma breve abordagem histórica sobre conceituações teóricas concernentes ao processo histórico da comunicação. A comunicação representa um dos fenômenos mais importantes da espécie humana. Desde que o mundo é mundo, existe formas mesmo rudimentares de comunicação, sua história começa desde as primeiras existências humanas. Implica voltar no tempo, buscar as origens da comunicação, o desenvolvimento das linguagens, para finalmente compreendê-la e constatar suas mudanças ao longo da história. Sendo assim, a comunicação, a cultura, o clima organizacional, a tecnologia e a aprendizagem constituem uma estrela de cinco pontas correlatas aos principais fatores que serão o alicerce deste presente trabalho, por serem elementos indissociáveis do processo de comunicação. Segundo Hayes e Peter (1994) a comunicação é o processo de transmissão de informação a um indivíduo ou grupo de indivíduos, a qual é recebida e interpretada por eles. A comunicação permite que o emissor transmita a mensagem ou informação de modo que signifique interação entre grupos de pessoas e sistemas. No entanto Baitello Júnior (1998, p.11) ressalta que: Hoje o homem tenta lançar pontes (ainda que hipotéticas) não apenas sobre a origem do universo, sobre o chamado big bang, mas também sobre as raízes remotas dos códigos da comunicação humana. Constata que a capacidade comunicativa não é privilégio dos seres humanos; está presente e é bastante complexa em muitos outros momentos da vida animal, nas aves, nos peixes, nos mamíferos, nos insetos e muitos outros.

12 12 Penteado (1986) explica que a palavra comunicar vem do latim comunicare com a significação de por em comum. Comunicação é convivência; está na raiz da comunidade, agrupando, caracterizado por forte coesão, baseada no consenso espontâneo dos indivíduos. Atualmente, a comunicação tem sido visto como uma importante ferramenta estratégica nas organizações. Por isso, a importância de se evidenciar, uma reflexão sobre a comunicação e os aspectos de sua evolução, da organização, das tecnologias, conseqüentemente, do uso efetivo da Intranet dentro das empresas, da aprendizagem organizacional, da inclusão digital e do papel do pedagogo nas organizações frente ás novas, tendências bem como das intensas mudanças sociais. Para Chiavenato (2002), a comunicação é a transferência de informação e significado de uma pessoa para outra pessoa. É a maneira de se relacionar com outras pessoas através de idéias, fatos, pensamentos e valores. O ponto que liga as pessoas para que compartilhem sentimentos e conhecimentos Com base neste argumento, a missão estratégica da comunicação de uma organização é favorecer a criação de um ambiente interno através de uma cultura e de uma pesquisa de clima organizacional, onde proporcione um fluxo de informações, equilibrado entre os objetivos individuais e empresariais da organização. Entende-se, por isso, que o equilíbrio da organização está na disposição ordenada entre as partes que a compõem. Esse equilíbrio e integração dependem fundamentalmente do seu processo comunicacional, ou seja, tendo em vista uma organização que priorize um relacionamento interpessoal onde existe uma valorização de seus públicos internos, cria-se um ambiente propício a uma interação profissional em que de fato, o fluxo de informações aconteça com clareza frente ás necessidade e objetivos de toda a organização à ela relacionadas. 1.2 A comunicação Organizacional

13 13 Atualmente entender a importância do processo de comunicação é um desafio para as organizações (MEDEIROS, 1998). Esse desafio traduz-se na dificuldade em realizá-lo de forma adequada para atingir a eficácia organizacional, ou seja, a comunicação deve ser realizada com base em uma missão correta, no momento que propicie condições no ambiente interno, com estratégias eficazes de gestão que possibilite atingir o objetivo da comunicação interna. Com base nestas premissas a Comunicação Interna nas organizações pode ser considerada uma importante ferramenta para o desenvolvimento e o crescimento, funcionando como um elo entre os públicos internos e externos. Um exemplo é a adoção da comunicação integrada, através do intranet, que envolve diversas ações analisadas e planejadas em conjunto, além de aproximar colaboradores e líderes em busca da realização do planejamento estratégico. Sendo assim, é preciso enfatizar que cada empresa é única e que não existem receitas, macetes ou fórmulas prontas que possam ser aplicadas nas diversas organizações. Cada planejamento deve ser exclusivo, visto que as empresas apresentam peculiaridades que influenciam o processo de Comunicação. Na Comunicação, entendemos que o termo organização pode ser utilizado para o cliente em geral sem, é claro, desprezar as particularidades de cada um. De maneira geral, Ferreira (1996) identifica no processo de comunicação os seguintes elementos básicos: emissor; receptor; mensagem; canal; codificação / decodificação; feedback. Neste sentido, segundo o dicionário Aurélio (FERREIRA,1996) a comunicação, pode ser entendida como ato ou efeito de emitir, transmitir e receber mensagens por meio de métodos e/ou processos convencionais, quer através da linguagem falada ou escrita, quer de outros sinais, signos ou símbolos, quer aparelhamento técnico especializado, sonoro e/ou visual. Sendo assim, com base em um processo de comunicação interna, o emissor é responsável por tornar as informações claras, coerentes e completas, o que permite que o receptor a receba e compreenda. Porém, na prática muitas são as

14 14 barreiras e falhas de comunicação que impedem que esta clareza proporcione uma comunicação eficaz, pois no cotidiano das empresas ainda há muito a ser feito para contextualizar um ambiente propício para processo de comunicação. CAPÍTULO 2 - A COMUNICAÇÃO INTERNA

15 15 Muitos são os motivos que levam as organizações, não privilegiarem a Comunicação Interna, tal hipótese baseia-se na visão deturpada que, tanto os profissionais quanto as empresas têm do real processo da Comunicação Interna e seu efetivo resultado, perante um ambiente organizacional que proporcione condições para que a comunicação verdadeiramente aconteça. É preciso inovar os conceitos, romper barreiras e preconceitos acerca da Comunicação Interna, pois ela deve ser vista como um processo complexo e multiforme, visto que pode se adequar às necessidades de cada organização, principalmente, por hoje disponibilizarmos de ferramentas e tecnologias que podem contribuir muito para essa interação organização e públicos internos. Visto que, trata-se de uma ferramenta que pode auxiliar no desenvolvimento e crescimento da organização, por propagar a interação destes públicos internos, desenvolvendo um ambiente propício á inovação, a motivação, ao relacionamento interpessoal, a melhoria da QVT, a cooperação, ou seja, espírito de equipe, ao aprendizado, e ao comprometimento organizacional. Uma vez que a era das tecnologias de informação e comunicação tem propiciado um ambiente de aprendizado grandioso, e ainda proporcionado condições interessantes de comunicação interna, a fim de melhorar o ambiente organizacional para seus públicos internos, ampliando seus horizontes em todos os níveis. Para Corrado (1994) a comunicação interna deve ser a primeira preocupação da organização para sua eficiência. Pois, quando a comunicação com os empregados se concentra no cumprimento da missão empresarial, cria-se um valor. Além disso, muitas vezes a administração não percebe o elo entre o comportamento e a criação de valor. Sendo assim, a comunicação eficiente não é apenas uma coisa boa, mas algo que inevitavelmente tem de ser feito (CORRADO, 1994, p. 44). Para Knusch (2003) a comunicação com o público interno inicia-se com um formato muito mais de ordem administrativa e de informações. Foram as primeiras iniciativas da existência de comunicação nas organizações a comunicação administrativa ou gerencial. É uma organização que assume um caráter funcional e instrumental. Este formato

16 16 se estendeu também por muito tempo ao relacionamento com os públicos externos, enfatizando a divulgação dos produtos e da organização, sem uma preocupação com o retorno das percepções e dos interesses dos públicos, isto é, com a comunicação simétrica. A comunicação interna surge em um determinado momento para auxiliar na execução das estratégias definidas pela organização tanto em um momento bom, como em momentos de crises. Corrado (1994) ressalta ainda que o sistema de comunicação interna é bom quando não se nota que ele existe. Para ele uma organização que se comunica de forma perfeita é aquela na qual os empregados comunicam-se de maneira contínua e informal com os escalões superiores, inferiores e de mesmo nível. Logo, a comunicação interna desponta agora como ferramenta de gestão imprescindível para informar aos públicos de interesse as políticas e estratégias administrativas e comerciais de qualquer empresa. Esse planejamento de comunicação coloca as empresas, um passo a frente de seus concorrentes, obrigando-os a se adequarem a essa nova realidade mercadológica. 2.1 Cultura e Desenvolvimento Organizacional Na verdade a existência da comunicação dependerá da cultura organizacional, pois quando uma empresa é instituída e define sua missão, sua política e seus valores, automaticamente, ela demarca os limites da organização e seus objetivos, que proporciona ou não seu desenvolvimento organizacional. Contudo, Silva (2001 apud LUZ, 2001) relata que isto acontece devido à velocidade e a intensidade das mudanças que têm cada vez mais sido colocadas em xeque as premissas culturais que até então ordenaram a vida humana nos níveis social, organizacional e individual. A comunicação, tendo por base a cultura organizacional sempre será imposta pela sua administração, o que predeterminará se ela será mais inovadora, ou mais autoritária censurando e podando discussões importantes entre seus públicos internos.

17 17 De acordo com Shein (1982) a cultura e o desenvolvimento partem do conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou, descobriu ou desenvolveu ao aprender como lidar com os problemas de adaptação externa e integração interna e que funcionaram bem o suficiente para serem considerados válidos e ensinados a novos membros como a forma correta de perceber, pensar e sentir, em relação a esses problemas. É importante enfatizar que a cultura organizacional representa o modus vivendi da empresa (o modo de vida), um sistema de crenças e de valores, uma forma aceita de interação e de relacionamento típica de determinada organização. A gestão tanto do conhecimento quanto das tecnologias de informação e comunicação, aliadas ao avanço tecnológico contribuem muito para o desenvolvimento de uma cultura organizacional em que a interação entre educando e educador em conjunto com o elemento inovação, porém algumas vezes o despreparo dos gestores produzem um ambiente tenso e acaba por configurar um tipo de aprendizagem limitado que se prioriza transmitir somente a informação descontextualizada e contraditória, esquecendo da responsabilidade social de que educar é formar e informar o cidadão. Para tanto, Schein (1982) enfatiza que uma cultura é um conjunto de básicos pressupostos tácitos sobre como o mundo é e deveria ser que um grupo de pessoas partilha e que determina as suas percepções, os seus pensamentos, sentimentos, e, até certo ponto, o seu comportamento observável. A cultura manifesta-se a três níveis: ao nível dos profundos pressupostos tácitos que são a essência da cultura, ao nível dos valores defendidos que muitas vezes refletem o que um grupo idealmente deseja ser. e a forma como se quer apresentar publicamente, e o comportamento do dia-a-dia que representa um complexo compromisso entre os valores defendidos, os pressupostos mais profundos, e os requisitos imediatos da situação. Em algumas empresas, é o caso da burocracia, por exemplo, estabelecem um distanciamento e ainda cria inúmeras barreiras na comunicação interna, em que

18 18 a relação entre os colaboradores e suas lideranças são estipuladas como política e cultura organizacional centralizadora. Por conseguinte, o líder como sendo o gestor da cultura organizacional onde, para criá-la, modificá-la e até mesmo destruí-la, a cultura e liderança são vistas como dois lados da mesma moeda, e que nenhuma das duas pode ser entendida por si só (SHEIN, 1982). Entretanto, em outras palavras em decorrência das necessidades do desenvolvimento e do crescimento organizacional, a inovação com isso vem rompendo barreiras e preconceitos comunicacionais, pois para que as empresas permaneçam no mercado elas precisam quebrar paradigmas, inclusive no que tange a valorização dos colaboradores entre outros públicos internos. 2.2 Clima Organizacional Contudo a cultura organizacional em conjunto com a pesquisa de clima organizacional é uma importante ferramenta por se tratar de um estudo nas áreas operacionais e administrativas, aliadas a comunicação interna que é responsável pela interação entre seus públicos internos para o crescimento e desenvolvimento da organização. Cada empresa tem sua cultura, ou seja, sua forma de pensar, sua percepção, onde são definidos os procedimentos, consideralvemente corretos, para resolver determinados problemas, e conflitos preexistentes no ambiente organizacional. Neste sentido os colaboradores e membros da organização baseiamse na cultura que a organização estabeleceu, tendo em vista que tais regras e diretrizes condicionam o perfil comportamental do profissional e dos objetivos da empresa. Segundo Hall et al (1980) o clima de uma organização é representado pelos conceitos que os indivíduos partilham a respeito do lugar em que trabalham. Como conceitos, as percepções de clima são abstrações significativas de conjuntos

19 19 de indícios baseados nos acontecimentos, condições, práticas e procedimentos que ocorrem e caracterizam a vida diária de uma organização. No entanto é importante observar a comunicação interna tendo por base a cultura existente na organização proporciona a criação de um clima organizacional que favorece a inovação, o desenvolvimento e o crescimento profissional. Culminando assim, com o que podemos chamar de estado de arte que exerce relevante papel no ambiente interno, pois quando toda a empresa comunga com um mesmo ideal, logo transforma o ambiente em um lugar que respeita e valoriza o profissional. De acordo com Oliveira (1995) o Clima interno é o estado em que se encontra a empresa ou parte dela em dado momento, estado momentâneo e passível de alteração mesmo em curto espaço de tempo em razão de novas influências surgidas, e que decorre das decisões e ações pretendidas pela empresa, postas em prática ou não, e/ou das reações dos empregados a essas ações ou à perspectiva delas. Corroborando com Oliveira, Coda (1997) enfatiza que a pesquisa de clima organizacional é um levantamento de opiniões que caracteriza uma representação da realidade organizacional consciente. A percepção da satisfação como um dos indicadores da pesquisa de clima organizacional, por exemplo, desencadeia no profissional uma aspecto comportamental de comprometimento, criatividade e motivação quê são primordiais para a sobrevivência da empresa. Fernandes (1996) relata que homens mobilizados e satisfeitos fazem a diferença e ainda afirma que somente sobreviverão as empresas que souberem utilizar seus recursos humanos tão bem como sua tecnologia e seu capital. Shein (1982) define ainda que a base para sua existência, fundamenta-se no fato de que, o indivíduo sozinho é incapaz de satisfazer todas as suas necessidades. Isto levando em consideração que se houver excelência na comunicação interna, certamente conflitos e barreiras serão rompidas, pois toda a organização compartilhará dos mesmos objetivos proporcionando bem-estar tanto para o colaborador quanto para empresa.

20 20 Contudo pelo comportamento, pelas políticas, pelos procedimentos, pelos sistemas de recompensa e pelas estruturas que elas criam, os administradores podem influenciar significativamente o clima motivacional de uma organização (KOLB et al., 1986). Portanto, é importante que as organizações se conscientizem de seu papel imperativo no processo da comunicação interna, de através da pesquisa de clima sociabilizar e dar condições de relacionamento interpessoal, indispensável para a excelência da comunicação organizacional. CAPÍTULO 3- GESTÃO DE TECNOLOGIAS Em uma análise geral, sem sombras de dúvida que a Comunicação Interna ganhou muito com a introdução das Gestão de novas tecnologias de informação e comunicação, porém cabe aqui, discutir que sentido que estas

21 21 tecnologias exercem nas organizações, ou seja, como o uso adequado destas ferramentas podem influenciar no desenvolvimento das organização. Esta discussão, pode inclusive se tornar polêmica, se analisarmos do ponto de vista de uma organização centralizadora, no entanto mesmo numa organização em que propicia um ambiente aberto ao diálogo e a pluralidade de idéias, é importante caminhar atento, pois infelizmente, a cultura pode assumir variados papéis na vida de um profissional e no ambiente interno da organização. Algumas empresas, preocupadas em responder as necessidades e adaptações tecnológicas tem aliado ao planejamento estratégico um solução para se atingir metas e objetivos tanto empresariais quanto profissionais. No entanto, é preciso não esquecer que ainda existe uma cultura deturpada e um sistema insuficiente e ineficiente no Brasil, em que poucos têm acesso ao conhecimento, tampouco as tecnologias de informação. Obviamente, essa realidade tem sido mudada no que tange ás reais necessidades do mercado de trabalho, tendo em visto que nos últimos anos a competitividade mercadológica nas organizações têm aumentado muito, na tentativa de se manter, ou melhor, sobreviver frente à essas mudanças, impedindo seu fechamento. Esta mudança na construção do conhecimento dos brasileiros poderá definir o papel dos futuros profissionais e de seus líderes mediante a gestão de recursos humanos, pois as ferramentas tecnológicas, atualmente têm sido vistas como, verdadeiros inimigos dentro de uma empresa, em especial naquela empresa, em que a visão política e cultura, não foi esclarecida na contratação do funcionário, ou seja, não foi trabalhada adequadamente a gestão de recursos humanos, de modo em algum momento surge insatisfação, ou seja, uma desmotivação do funcionário em prestar seus serviços, o que condiciona ao uso inadequado das tecnologias de informação e comunicação por falta de uma ideologia bem definida organizacional. Portanto, em algumas empresas, a direção e suas lideranças acreditam que infelizmente, a restrição do uso destas ferramentas que é imprescindivelmente necessária, tendo em vista que o funcionário traz uma bagagem cultural do mau uso, porém conforme teorias esta restrição tem dado mais resultado no que tange ao

22 22 desempenho do funcionário, pois muitas vezes por melhor que seja o profissional, se ele estiver desmotivado por exemplo, em algum momento ele vai entrar no MSN para fazer bater papo, ou se perder em conversas fora de hora com amigos de outro departmaneto sobre sua vida pessoal, além de perder horas a fio na navegação da internet, se esquecendo das responsabilidades a ele delegadas, por isso a importância de se instituir uma política e cultura organizacional de usos através da controle contínuo da comunicação interna através dos diversos canais e intrumentos de apoio. 3.1 Canais e Instrumentos de Apoio É evidente que nos últimos anos com a inovação e conseqüentes mudanças ocorridas em um nível mundial as empresas estão sendo levadas à uma reestruturação geral, de forma que possam legalmente competir com um mercado cada vez mais globalizado. Somando-se a esse panorama social, político, cultural e econômico, existe outro fator que pede atenção especial, como o caso do avanço tecnológico expressivo nas áreas de tecnologia de informação e de comunicação, que trazem novos desafios para diversas áreas empresariais, tais como departamentos comerciais (marketing) e operacionais (produção) entre outros. Não obstante é necessário que a comunicação seja eficaz, pois ela depende da interação entre emissor e receptor, haja vista que quando o emissor transmite sua mensagem espera-se que o receptor compreenda na íntegra a mensagem por ele interpretada. Porém, existem algumas situações que colocam em risco a excelência relativa a transmissão eficaz da mensagem, tais como falta de feedback, problemas de significado semânticos, distrações e barreiras emocionais em relação a percepção do outro. Esse último causa inclusive grande impacto na visão deturpada do relacionamento interpessoal gerada pela competitividade. Por isso, é muito importante que haja uma preocupação do emissor em transmitir uma mensagem que seja facilmente entendida pelo receptor.

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO Página 1 de 165 PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ADVOGADO MISSÃO DO CARGO: Contribuir para o desenvolvimento institucional, por meio de ações

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistema de Informações Professores: Izolema Maria Atolini izolema@hotmail.com Período/ Fase: 5ª. Semestre:

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento

Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento José Barrozo de Souza (CEFETES) jbarrozo@terra.com.br Rui Francisco Martins Marçal (UTFPR) marcal@pg.cefetpr.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Módulo V. Conhecimento

Módulo V. Conhecimento Módulo V Conhecimento "Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida. Sandra Carey MÓDULO 5 CONHECIMENTO 5.1 Gestão do Conhecimento A Gestão do

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Palestras e Cursos da Área Pedagógica

Palestras e Cursos da Área Pedagógica Portfólio Palestras e Cursos da Área Pedagógica Pedagogia dos Projetos Construir um cenário para demonstrar que os projetos podem ser uma solução e não um serviço a mais para o professor. Enfatizar a necessidade

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola

Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola Ana Luiza Machado, UNESCO Outubro de 2 000 Introdução Este trabalho pretende tecer comentários gerais sobre o tema de descentralização,

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL MANUAL 2012 AV. Dr. Arnaldo, 351 3º andar - Pacaembu Cep: 01246-000 São Paulo - SP 1 Secretaria de Estado da Saúde São Paulo Grupo de Apoio ao Desenvolvimento Institucional

Leia mais