Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux"

Transcrição

1 Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux Guillaume Barreau UFBA

2 Motivação Em 10 anos, a Web revolucionou o nosso conceito de informação: Crescimento exponencial foi possível pela simplicidade do html/http Vitima do seu próprio sucesso: 5 milhões de terabytes gerados em Mb/pessoa de que serve esta informação se ela não é acessível na hora certa? Por enquanto a única pergunta que você pode fazer a uma motor de busca é : Que paginas contem estas palavras? Possibilidade de definir perguntas de mais alto nível: Qual é a população do Irã? Ache tutoriais de java que sejam adequados para alguem que já programa em python

3 Motivação (2) Outra revolução dos anos 90: Linux e o software livre Muita informação disponível Experiência pessoal configurando Linux Quem busca (muito), encontra Ideal seria poder perguntar: Quero todos as soluções ao problema X na instalação do hardware Y e melhor ainda Ordene estas soluções em função da similaridade com a configuração do meu sistema

4 Estrutura da palestra Motivação Visão geral de Web Semântica (W3C) Conceitos chaves da Web Semântica (W3C) Metadados XML e XML schema URIs RDF Ontologias Conclusão

5 O que é a Web Semântica? A Web Semântica é uma extensão da Web atual a informação passa a ser estruturada de forma que permite uma melhor cooperação entre computadores e pessoas. Web Atual Web Semântica A informação só só pode ser ser apresentada na na tela tela para para leitura por por um um humano. A informação esta esta estruturada de de tal tal forma que que máquinas possam a entender e usa-la de de algum jeito jeito

6 O que é a Web Semântica? (2) Web Semântica documentos compreensíveis por máquinas uma inteligência artificial mágica que, de repente, vai permitir que as máquinas entendam as elucubrações humanas? Não! Deve se apoiar na habilidade de uma máquina resolver problemas bem definidos, usando dados bem definidos. Mais trabalho na elaboração dos dados Esforços de padronização

7 Como criar a Web Semântica (2) Para que os dados sejam bem definidos, devem ser colocados em contexto pela adição de metadados. Metadados contêm a semântica dos dados aos quais se referem graças a eles podemos esperar que o computador saiba o que fazer com o dado

8 O que são metadados? São dados. Mas são dados que fazem referencia a outros dados dados sobre dados São destinados ao consumo por máquinas.

9 Exemplo de metadados (1) O dado acima anotado num pedaço de papel fica sem sentido até para um humano

10 Exemplo de metadados (2) Um computador não sabe restabelecer contexto de forma implícita O papel do metadado é dar informação a máquina sobre o contexto de uma forma que ela possa usar: Número de cartão de crédito de Maria Azevedo

11 Metadados em Html <html> <head> <title>meu CV</title> </head> <body> <h1>meu CV</h1> <h2>dados para contato</h2> </body> </html> Metadado Não é Metadado

12 Metadados em Html A grande maioria dos tags em html define a aparência do documento. Orientam o computador sobre como representar o conteúdo na tela. Não dão nenhum auxílio sobre o sentido/finalidade do conteúdo. Alguns tags na seção <head> fazem este papel de metadado Mas são pouco e mal usados E têm um poder limitado

13 XML em 3 minutos um documento XML é um arquivo texto estruturado em blocos delimitados por pares de tags: <nome> </nome> <preço> </preço> Estes blocos podem conter outros blocos ou podem conter dados não-estruturados (texto) Todo tag tem que ser fechado pelo tag correspondente Um tag pode conter outro(s) completamente mas não: <nome> <preço> </nome> </preço>

14 XML: exemplo?xml version="1.0"?> Encomenda> <Cliente> < PrimeiroNome >Luiz</PrimeiroNome> < UltimoNome >Silva</ UltimoNome > </Cliente> <Preco>3</Preco> <Moeda>Reais</Moeda> /Encomenda> Cliente Encomenda Preço Moeda PrimeiroNome UltimoNome

15 XML vs.. HTML Estrutura geral: Ambos usam pares de tags para marcar inicio e fim de blocos. Tags possíveis: HTML tem um conjunto de tags predefinido XML permite que você crie seus próprios tags Finalidade: HTML define o aspecto visual do documento XML revela a estrutura lógica interna do documento estruturando este em forma hierárquica. Cada ponto desta hierarquia é endereçável.

16 XML Schema XML Schema permite restrições adicionais sobre um documento: define os tags que são válidos define regras de validade para o conteúdo de cada tag O tag <festa> deve conter exatamente um tag <local> 10 ou mais tags <convidado> O tag <convidado> deve conter exatamente um tag <nome> ou um tag <telefone_fixo> ou um tag <telefone_cel> Define uma estrutura de dados

17 Da para fazer a Web Semântica só com XML? Isto é como uma maquina enxerga uma pagina web escrita em qualquer linguagem natural

18 XML ajuda XML permite que o texto seja balisado/estruturado por sinais faceis de interpretar por um computador (os tags) <nome> <contatos> <formacao> <cv> <experiencia>

19 Mas não resolve porque os tags sao enxergados assim pelo computador < ναµε > <εδυχατιον> <ωορκ> <Χς> <πριϖατε>

20 XML Schema ajuda um pouco mais < name ναµε > < name ναµε > <εδυχατιον> < education> <εδυχατιον> < education> <ωορκ> < work> < CV Χς > <ωορκ> < work> <πριϖατε> < private> < CV Χς > <πριϖατε> < private> < Χς > <πριϖατε> ja que identificam as partes correspondentes de documentos de uma determinada classe

21 Mas podem existir variações de esquemas Outra pessoa usa tags diferentes para um CV <name> <contatos> <titulacao> <curiculo> <trabalhos>

22 XML e XML Schema definem a sintaxe de um documento <ναµε> <εδυχατιον> <ωορκ> <Χς> <πριϖατε> Mas não define a semântica

23 Sintaxe vs Semântica Sintaticamente correta mas com semântica anômala: Idéias verdes e descoloridas dormem furiosamente (Noam Chomsky) Ela chegou durante uma hora

24 Sentido por conexão O sentido se estabelece através de relações entre as coisas Só podemos definir formalmente o sentido de uma palavra usando outras palavras URLs é a cola que mantém a Web atual junta Web Semântica usa como cola algo mais geral: URIs

25 URIs Uniform Resource Identifier Generalização do conceito de URL E uma forma globalizada de dar um nome para as coisas Uma URL ou um endereço são únicos Podem fazer o papel de chave primaria

26 URIs (2) Uma URL dá acesso a um recurso pela Internet (um documento, uma imagem, uma musica, ) Uma URI não garante que haja algo interessante na outra ponta do link Ela pode ser simplesmente uma forma de se referir a algo que só pode existir fora da Internet por exemplo: e usado para se referir a língua portuguesa

27 Resource Description Framework (RDF) serve para representar metadados sobre recursos da web: titulo, autor e ultima modificação de uma pagina Web copyright e informação sobre a licença de uso de uma foto na Web mas pode ser usado também para representar informações sobre coisas que: podem ser identificadas pela Web não podem ser obtidas pela Web por exemplo, para adicionar informações sobre itens que podem ser comprados numa loja on-line (preço, disponibilidade, ) ou sobre pessoas ( ,interesses, )

28 RDF RDF permite construir enunciados do tipo: sujeito S tem o valor V para a propriedade P triplas (P,S,V) S é o recurso, P e V juntos descrevem S Um exemplo: (autor,http://www.example.org/index.html,pedro)

29 RDF com URIs RDF usa URIs para diminuir a ambigüidade (autor,http://www.abc.org/index.html,pedro)

30 Representação em grafo

31 DCMI (Dublin Core Metadata Initiative) Title Creator Subject Description Publisher Contributor Date Type Format Identifier Source Language Relation Coverage Rights

32 Dublin Core Exemplo de uso do Dublin Core <? xml version="1.0"?> <RDF xmlns = xmlns:dc = "http://purl.org/dc#"> <Description about = "http://dstc.com.au/report.html"> <DC:Title>The Future of Metadata</DC:Title> <DC:Creator>Jacky Crystal </DC:Creator> <DC:Date> </DC:Date> <DC:Subject>Metadata, RDF, Dublin Core</DC:Subject> </Description> </RDF>

33 O projeto FOAF (Friend ( OF A Friend) Objetivo: criar uma web interpretável por máquinas de homepages que descrevam: pessoas as relações entre elas as coisas que elas criam e fazem

34 Elementos do FOAF FOAF Basics Agent Person name nick title homepage mbox mbox_sha1sum img depiction surname family_name givenname firstname Personal Info weblog knows interest currentproject pastproject plan based_near workplacehomepage workinfohomepage schoolhomepage topic_interest publications dnachecksum Projects and Groups Project Organization Group member membershipclass fundedby theme

35 Exemplo de arquivo FOAF <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:foaf="http://xmlns.com/foaf/0.1/"> <foaf:person> <foaf:name>edd Dumbill</foaf:name> <foaf:mbox /> <foaf:nick>edd</foaf:nick> <foaf:workplacehomepage rdf:resource="http://xml.com/" /> <foaf:depiction rdf:resource="http://heddley.com/edd-shoulders.jpg" /> </foaf:person> </rdf:rdf>

36 Dublin Core e FOAF

37 Uma falha do RDF RDF usa como sujeitos: recursos da web web pages, imagens, coisas que podem ser identificadas na web mas que não estão na web: ex: um produto usando uma url que descreva o produto Mas em certos casos, haverá ambigüidade: enunciado rdf onde a pagina web que dá as especificações de um produto o enunciado se refere à pagina ou ao produto?

38 Ontologias Ontologias RDF XML + XML Schema Logica Unicode URI

39 O que é uma ontologia? Em filosofia, ontologia é o estudo dos tipos de coisas que existem Tentativas por Aristóteles de classificar as coisas do mundo Onto vem de uma palavra grega que significa existência, ser

40 O que é uma ontologia? (2) Uma ontologia define, para uma determinada área de conhecimento, os termos básicos as relações entre os termos desta área as regras para combinar termos em relações de forma definir extensões do vocabulário

41 O que é uma ontologia? (3) uder(98) Uma especificação explicita e formal de uma conceitualização compartilhada Manipulavel por maquina Conhecimento concensual Conceitos, propriedades, funções, axiomas são definidos explicitamente Um modelo abstrato de algum fenomeno do mundo

42 Por que desenvolver uma ontologia? Para compartilhar uma compreensão da estrutura de certo tipo de informação entre pessoas e agentes de software Para permitir a reciclagem do conhecimento em um domínio Para explicitar suposições/hipóteses feitas sobre um domínio Para analisar o conhecimento de um domínio

43 Elementos de uma ontologia Conceitos (classes) e suas hierarquias Propriedades dos conceitos (slots/atributos) Restrições sobre as propriedades (tipo, cardinalidade, domínio) Relações entre conceitos (disjunto, equivalência) Instancias

44 Etapas da construção de uma ontologia Domínio: geografia Aplicação: agente planificador de rotas Possíveis perguntas: Qual é a distancia entre duas cidades? Que tipo de conexão existe entre duas cidades? Em que país se encontra uma cidade? Quantas fronteiras são atravessadas?

45 Enumeração o dos termos importantes Conexao_por_terra cidade capital país fronteira estrada conexao_maritima conexao_por_trem moeda conexao conexao_area

46 Definição o de classes e da hierarquia de classes

47 Definição o de slots ElementoGeografico ponto_inicio ponto_final Conexao Pais tem_capital Cidade faz_fronteira_com e_capital_de Capital cardinalidade do slot Ex: faz_fronteira_com multiplo, ponto_inicio unico tipo de valor do slot Ex: faz_fronteira_com Pais

48 Questões relacionadas com slots - slot inverso (redundante, mas explicito) Pais tem_capital e_capital_de Capital -slots simetricos Ex. A faz_fronteira_com B -slots transitivos A.conexao(B) B.conexao(C) B faz_fronteira_com A A.conexao(C)

49 Ferramentas para ontologias: Protégé

50 Camadas da Web Semântica Ontologias RDF XML + XML Schema Logica Unicode URI

51 Conclusão a Web Semântica é uma tentativa de construir um edifício complexo que permita que os computadores nos auxiliem melhor no uso e na filtragem da informação Objetivo ambicioso Esforço na produção de metadados Padronização de vocabulários Massa critica necessaria Formalismos complexos vão ser necessárias boas ferramentas para auxiliar na criação destes metadados

52 Enquanto isso, na Nasa

53 LSD LSD maconha mescalina Outras Webs sao sao estudadas Antes do do coquetel estimulante (benzedrine) cafeina soniferos

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

Semântica na Web RDF. Carlos Bazilio. Depto de Computação Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal Fluminense

Semântica na Web RDF. Carlos Bazilio. Depto de Computação Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal Fluminense Semântica na Web RDF Carlos Bazilio Depto de Computação Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal Fluminense 1 Contexto... 2 Contexto (2) 3 Problemas na Web Atual Pouca integração de informações

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

Introdução 17. 1 Introdução

Introdução 17. 1 Introdução Introdução 17 1 Introdução O volume de informações que gerenciamos tem crescido a cada dia. Realizamos milhões de pesquisas na Web, postamos mensagens em blogs, enviamos mensagens de correio eletrônico,

Leia mais

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes Desenvolvimento Web Introdução a XHTML Prof. Bruno Gomes 2014 Introdução HTML e XHTML Estrutura básica do documento DTDs Validação do documento Exercícios HTML e XHTML HTML (Hipertext Markup Language)

Leia mais

RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA

RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA Danilo de Abreu Noleto 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares Programação para a Web - I José Humberto da Silva Soares Fundamentos de Internet Rede Mundial de Computadores; Fornece serviços, arquivos e informações; Os computadores que têm os recursos são chamados

Leia mais

REPRESENTANDO ONTOLOGIAS UTILIZANDO SOFTWARE LIVRE

REPRESENTANDO ONTOLOGIAS UTILIZANDO SOFTWARE LIVRE REPRESENTANDO ONTOLOGIAS UTILIZANDO SOFTWARE LIVRE Mariano Nicolao 1 mariano.nic@gmail.com Anderson Ricardo Yanzer Cabral 2 yanzer@guaiba.ulbra.tche.br Carlos Mario Dal Col Zeve 3 zeve@guaiba.ulbra.tche.br

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF Arlindo L. Boiça Neto 1 ; Leandro H. de M. Oliveira 2 N 0803081 Resumo : Atualmente a descrição de recursos

Leia mais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais Abril 2008 Parte VII Dublin Core Fontes dublincore.org/ http://dublincore.org/usage/documents/principles/ http://dublincore.org/documents/dc-rdf/ Objectivo do Dublin

Leia mais

QUEM FEZ O TRABALHO?

QUEM FEZ O TRABALHO? Introdução a Linguagem HTML: Conceitos Básicos e Estrutura ANA PAULAALVES DE LIMA 1 QUEM FEZ O TRABALHO? Com as tagsaprendidas hoje, faça uma página HTML sobre você com as seguintes informações: Seu nome

Leia mais

Web Atual. O que é? WEB SEMÂNTICA. Web hoje é... O que é a web. Web Atual é Sintática!!! Web hoje é...sintática

Web Atual. O que é? WEB SEMÂNTICA. Web hoje é... O que é a web. Web Atual é Sintática!!! Web hoje é...sintática WEB SEMÂNTICA Prof. Dr. Fernando Gauthier INE/UFSC Web Atual O que é? Web hoje é... O que é a web Uma biblioteca digital hipermídia Uma biblioteca de documentos (páginas web) interconectados por hiperlinks

Leia mais

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC Web Semântica e PLN Paulo Gomes DEI FCTUC 1 Sumário Motivação da Web Semântica Conceitos base da WS WS vs. PLN Sinergias entre WS e PLN Conclusão 2 Motivação Limitações da Web actualmente: Overflow de

Leia mais

Tutorial Módulo 1: Introdução e primeiros passos Por Daniel Chicayban (dan@trendnet.com.br)

Tutorial Módulo 1: Introdução e primeiros passos Por Daniel Chicayban (dan@trendnet.com.br) Tutorial Módulo 1: Introdução e primeiros passos Por Daniel Chicayban (dan@trendnet.com.br) Introdução A HyperText Markup Language e a Web No núcleo de toda página da Web, encontramos a HyperText Markup

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

Web Semântica para Máquinas de Busca

Web Semântica para Máquinas de Busca Web Semântica para Máquinas de Busca Eli Nogueira Milagres Júnior, Elio Lovisi Filho (orientador) Departamento de Ciência da Computação - Faculdade de Ciência da Computação e Comunicação Social (FACICS)

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

Questões sobre Web Mining e Web Warehousing

Questões sobre Web Mining e Web Warehousing Curso de Data Warehousing PUC-Rio TecBD Prof. Rubens Melo Tendências Web Warehousing e Web Mining Questões sobre Web Mining e Web Warehousing Quais são as características da plataforma WEB Quais os tipos

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO

A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO Graycielli Athanasio Mendes, Ana Carolina Xaves Ferreira, Rafael Couto dos S. Lima mendes.grace@gmail.com, anacarolinaxaves@yahoo.com.br, rafaelcoutolima@yahoo.com.br

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.2 O Padrão RDF Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Apresentar

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 Bill Alexander Santos da Silva 2 Juliana Marques do

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula)

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula) XML (extensible Markup Language) por Rafael Port da Rocha (Notas de Aula) 2007 Introcução Componentes de um Documento Eletrônico Digital Conteúdo: formado pelas informações que o documento transmite aos

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Série ArcGIS Online I. Aprenda em 20. Módulo 4. Configure pop-ups. www.academiagis.com.br

Série ArcGIS Online I. Aprenda em 20. Módulo 4. Configure pop-ups. www.academiagis.com.br Série ArcGIS Online I Aprenda em 20 Módulo 4 Configure pop-ups Junho/2015 academiagis@img.com.br www.academiagis.com.br 1 Configure pop-ups No módulo 3, você trabalhou com várias propriedades diferentes

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Android Android é um sistema operacional para dispositivos móveis Kernel Linux, drivers e bibliotecas do

Leia mais

D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS

D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO André Guerreiro Cantarelli D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

S E O PA R A I N I C I A N T E S

S E O PA R A I N I C I A N T E S SEO PARA INICIANTES QUEM SOU EU? WEB DESIGNER COM FOCO NO SEO DE QUALIDADE IDEALIZADOR DO COMSEO CEO DA MOSKO WEB DESIGNER O QUE É SEO? É O CONJUNTO DE ESTRATÉGIAS COM O OBJETIVO DE POTENCIALIZAR E MELHORAR

Leia mais

Metadados e Dublin Core

Metadados e Dublin Core Metadados e Dublin Core Eloi Juniti Yamaoka 14 de Fevereiro de 2007 Meta Meta = sobre (about) Metadados Metametadados Metadata Meta data Metainformação Metadados? Dados sobre dados Informação sobre informações

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Documentação SEO EXPERT

Documentação SEO EXPERT Documentação SEO EXPERT O módulo SEO Expert ajuda você a rapidamente: Criar e personalizar URLs amigáveis Inserir metatags para páginas de produtos, posts do Facebook e cartões de Twitter em sua loja Este

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 3.1 Fundamentos de SPARQL Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

Introdução. História. Como funciona

Introdução. História. Como funciona Introdução O HTML é uma linguagem de marcação utilizada para desenvolvimento de sites. Esta linguagem surgiu junto com o HTTP, ambos possibilitaram a internet ser popularizada. História O HTML foi criado

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Internet Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Histórico da Web World Wide Web o nosso www é o meio de comunicação mais utilizado no mundo atualmente. Através da WWW qualquer usuário conectado

Leia mais

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio 5 Exemplos Foram desenvolvidas duas aplicações que exemplificam o uso e a utilidade das mudanças feitas no método SHDM e do ambiente de desenvolvimento Synth, apresentadas nas seções a seguir. 5.1. Produção

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

WebDesign. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br. Escola CDI de Videira

WebDesign. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br. Escola CDI de Videira WebDesign Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Entendendo Alguns Conceitos Antes de prosseguirmos é importante ter em mente o motivo pelo

Leia mais

Série ArcGIS Online I. Aprenda em 20. Módulo 5. Crie um App. www.academiagis.com.br

Série ArcGIS Online I. Aprenda em 20. Módulo 5. Crie um App. www.academiagis.com.br Série ArcGIS Online I Aprenda em 20 Módulo 5 Crie um App Junho/2015 academiagis@img.com.br www.academiagis.com.br 1 Crie um App Você pode adicionar mais valor para o mapa que criou no módulo anterior,

Leia mais

Armazienamento de Dados

Armazienamento de Dados Armazienamento de Dados Bernade'e Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br Agenda Dados x metadados Fontes de dados: de onde os dados podem ser extraídos? Dados abertos: em qual formato publicar? A importância dos

Leia mais

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza Webdesign HTML Introdução a HTML e as principais tags da linguagem Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Objetivos Apresentar a HTML

Leia mais

Paradigmas de Linguagens de Programação

Paradigmas de Linguagens de Programação Paradigmas de Linguagens de Programação Faculdade Nova Roma Cursos de Ciências da Computação (6 Período) Prof. Adriano Avelar - Site: www.adrianoavelar.com Email: edson.avelar@yahoo.com.br Ementa Introdução

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML.

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. Relatório do GPES Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. XML Estrutura do documento Um documento XML é uma árvore rotulada onde um nó externo consiste de: [1] Dados de caracteres (uma

Leia mais

Um estudo sobre o uso de agentes de internet em buscas (Junho 2010)

Um estudo sobre o uso de agentes de internet em buscas (Junho 2010) IA009 INTRODUÇÃO À TEORIA DE AGENTES 1 Um estudo sobre o uso de agentes de internet em buscas (Junho 2010) Alexandre Fatayer Canova, RA 107214, UNICAMP Agentes de internet são parte integrante da web na

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE 2 Conteúdo 1 Manual do sistema de ajuda do KDE 5 1.1 Sistema de ajuda do KDE................................. 5 1.1.1 Instalação...................................... 5 1.2 Invocar a ajuda.......................................

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL Deinf/Dine4 Versão 1.3 20/05/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 06/11/2007 1.0 Elaboração da primeira versão

Leia mais

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android Cristiano Costa Desenvolvimento da interface estática Sobre mim Graduando em Engenharia Eletrônica - UNIFEI Trabalhou em desenvolvimento

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

HTML5. Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br

HTML5. Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br HTML5 Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br HTML5 HTML5 é considerada a próxima geração do HTML e suas funcionalidades inovadoras o tornam uma alternativa

Leia mais

Uso de Padrões Web. maio/2009

Uso de Padrões Web. maio/2009 Uso de Padrões Web maio/2009 Internet e Web, passado, presente e futuro 2 Internet e Web, passado, presente e futuro 3 A Evolução da Web Pré Web Passado web 1.0 Presente web 2.0 Futuro web 3.0 4 A Evolução

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Objetivo e desafio do curso Como objetivo o curso irá tornar o aluno capaz de desenvolver um

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Construindo portais com Plone

Construindo portais com Plone Construindo portais com Plone Módulo 9 Dexterity Dexterity TTW Módulo 9 Dexterity Dexterity >> O que é? Framework para incorporação de tipos de dados ao Plone. Sucessor do Archetypes. Mais rápido, modular

Leia mais

Uma Visão da Web Semântica. Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho. Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás www.inf.ufg.

Uma Visão da Web Semântica. Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho. Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás www.inf.ufg. Uma Visão da Web Semântica Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Technical Report - RT-INF_001-04 - Relatório Técnico March - 2004 - Março The contents of this document are the sole responsibility

Leia mais

Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL

Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL Aluno(a): André Luiz Nunes Orientador: Roberto Heinzle Roteiro Introdução Objetivos Web semântica Tecnologias para web semântica Trabalhos

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

SPARQL: Linguagem de Consulta em Ontologias. I Escola de Ontologias UFAL-USP

SPARQL: Linguagem de Consulta em Ontologias. I Escola de Ontologias UFAL-USP SPARQL: Linguagem de Consulta em Ontologias I Escola de Ontologias UFAL-USP Endhe Elias e Olavo Holanda Núcleo de Excelência em Tecnologias Sociais - NEES Universidade Federal de Alagoas UFAL 2 Por que

Leia mais

CA Business Service Insight

CA Business Service Insight CA Business Service Insight Guia do Business Relationship View 8.2 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada

Leia mais

DESCRIÇÃO E RECUPERAÇÃO DE NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS POR MEIO DE METADADOS

DESCRIÇÃO E RECUPERAÇÃO DE NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS POR MEIO DE METADADOS 10 DESCRIÇÃO E RECUPERAÇÃO DE NOTÍCIAS JORNALÍSTICAS POR MEIO DE METADADOS DESCRIPTION AND RETRIEVING NEWS STORY BY METADATA João Brambilla 1, Silvio Carro 1, Munir Felício 1 1 Faculdade de Informática

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Ana Alice Baptista Altamiro Barbosa Machado 1 Metadados significa, basicamente, dados sobre os dados. Num ambiente caótico como a Internet, os dados

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Acadêmico: Leonardo Chagas D Ippolito Orientador: Prof. Marcel Hugo Blumenau, Dezembro de 2004

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0?

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0? WEB 2.0 Conceitos O termo Web 2.0 refere-se a mudança para uma Internet como plataforma e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Segundo Tim O'Reilly, um dos criadores do

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup

Leia mais

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Linguagem de Programação para Web Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Prof. Mauro Lopes 1-31 20 Objetivo Iremos aqui apresentar a estrutura básica de um documento HTML e iremos também apresentar

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

Configurações de envio com o uso de RSS

Configurações de envio com o uso de RSS Configurações de envio com o uso de RSS Saiba como integrar o email marketing ao RSS e torne o processo de alimentação de conteúdo de newsletters automatizado. Configuração de envios com o uso de RSS Visão

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

MANUAL. Recurso QChat

MANUAL. Recurso QChat MANUAL Recurso QChat Publicação: Dezembro / 2011 Versão oficial Qualitor Advanced: 6.50.00 Versão oficial Qualitor Start: 1.00.06 Revisão: 02 Cópia oficial Sumário Recurso Chat do Qualitor NOVIDADES DA

Leia mais