Interação Háptica em Plataformas Livres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interação Háptica em Plataformas Livres"

Transcrição

1 Interação Háptica em Plataformas Livres Derzu Omaia 1, Liliane dos Santos Machado 1, Ronei Marcos de Moraes 2 1 Departamento de Informática e 2 Departamento de Estatística UFPB - Universidade Federal da Paraíba Caixa Postal João Pessoa PB Brasil Resumo. Este artigo descreve uma metodologia para a incorporação de dispositivos hápticos de baixo custo, como mouse e joysticks com retorno de força, a plataformas livres de realidade virtual. Deste modo o artigo apresenta como funciona a comunicação destes dispositivos com o computador, expondo as estruturas de dados utilizadas durante a comunicação de uma rotina de teste com os equipamentos. Abstract. This paper presents a methodology to incorporate low cost haptic devices, like mouse and joystick with force feedback, to public domain virtual reality platforms. This way, is explained how the devices communicate to the computer and is demonstrated some of the data structures that are used during the communication between a test routine and the device. 1 - Introdução Criar mundos virtuais capazes de reproduzir ou simular a realidade, gerando sistemas capazes de proporcionar uma interação entre dois ambientes distintos, o real e o virtual, é uma das funções da Realidade Virtual (RV). Pode-se dizer que RV, de maneira simplificada, é uma interface que simula um ambiente real e permite aos participantes interagirem com o mesmo, possibilitando às pessoas visualizarem e manipularem representações extremamente complexas. Ela é uma tecnologia pela qual se utiliza um computador para interagir com algo que não é real, o virtual [Netto et al. 2002]. Para aumentar a sensação de realidade do ambiente virtual criado, deve-se fazer com que o usuário se sinta envolvido pelo sistema de RV. Para isso, a RV utiliza dispositivos específicos que exploram os sentidos do usuário. Quanto mais explorados os sentidos, maior será a sensação de realidade do ambiente para o usuário. O sentido do tato pode ser explorado em sistemas de RV através do uso de dispositivos conhecidos como hápticos, que oferecem sensação tátil e de força ao usuário [Netto et al. 2002]. Fabricantes de dispositivos hápticos populares, como mouse e joystick, não disponibilizam o driver destes equipamentos para sistemas operacionais de domínio público, como é o caso do Linux. Desta forma, não é possível estabelecer a comunicação entre o dispositivo e o computador de forma que os estímulos táteis sejam enviados ao usuário. Para contornar este problema é necessário saber e entender como a comunicação entre o computador e o dispositivo ocorre e complementar o código do driver do dispositivo refazendo seu desenvolvimento. Pretende-se com o presente projeto, pesquisar a incorporação de dispositivos hápticos a esses sistemas, adicionando realismo às aplicações. Visando sistemas de baixo

2 custo, a pesquisa proposta baseia-se em sistemas de domínio público e plataformas computacionais convencionais (PCs). 2 Aspectos Teóricos Esta seção apresenta resumidamente os conceitos teóricos necessários para o desenvolvimento do trabalho. Também é apresentada a plataforma VirtWall, para a qual é desenvolvido este projeto Realidade Virtual Realidade Virtual (RV) é o uso da tecnologia para criar a ilusão no usuário de que ele está em outra realidade um novo meio de estar e tocar em informações, ou seja, é um lugar onde os homens e os computadores fazem contato de forma natural. Em geral, o termo Realidade Virtual refere-se a uma experiência imersiva e interativa baseada em imagens gráficas em 3D (três dimensões) geradas em tempo real por computador. A qualidade dessa experiência em RV é crucial, pois deve estimular ao máximo e de forma criativa e produtiva o usuário a realidade precisa reagir de forma coerente com os movimentos do participante, tornando a experiência convincente [Netto et al. 2002]. A realidade virtual também pode ser definida como uma ciência que engloba conhecimento de diversas áreas, como a computação, eletrônica, robótica e cognição, dentre outras, visando oferecer sistemas computacionais que integram características de imersão e interatividade para simular ambientes reais onde os usuários têm estimulados simultaneamente os seus vários sentidos [Netto et al. 2002]. 2.2 Sistemas Hápticos Sistemas hápticos oferecem interação com o ambiente virtual através de dispositivos e programas que permitem ao usuário sentir fisicamente as reações e os movimentos realizados no ambiente virtual. Os dispositivos fornecem sensação tátil e de força. A sensação tátil está ligada ao contato com o objeto, com sua textura e temperatura, enquanto a sensação de força é relacionada ao senso de posição e movimentação junto com as forças associadas ao movimento durante a interação com um objeto [Machado 2003]. Os programas, por sua vez, são utilizados para controlar esses equipamentos, processando as informações recebidas do dispositivo e enviando para este a reação ao movimento feito no mundo virtual. Essa reação depende do movimento realizado, da posição e da intensidade com a qual a força foi aplicada sobre a superfície ou o objeto. Essas informações são essenciais para o cálculo da força de reação a ser enviada para o dispositivo e sentida pelo usuário. Existem diferentes tipos de dispositivos hápticos, como joysticks, mouse, braços mecânicos, luvas de dados, entre outros. Com eles é possível simular diferentes efeitos como: inércia, mola, colisão, textura, atrito, gravidade e força de reação. Também conhecidos como dispositivos de force-feedback (retorno de força), esses equipamentos recebem as características do movimento realizado pelo usuário (deslocamento, direção e aceleração) e enviam um resposta háptica a esse movimento. Por exemplo, se o usuário estiver segurando um joystick, com o manche para frente e de repente bater em uma parede virtual, ele perceberá no joystick uma sensação de resistência ao movimento, simulando uma batida na parede.

3 Desta forma, com o uso de sistemas hápticos é possível movimentar ou deformar algum objeto virtual - dependendo do material de que ele é feito - sentindo sua textura, peso, ou a força resultante deste movimento [McLaughlin, et al. 2002]. Para isso, o programa deve calcular precisamente as propriedades de força que o dispositivo deve retornar para o usuário. Se a força aplicada for excessiva, o usuário se cansará rapidamente e, se for muito fraca, as sensações não parecerão verdadeiras. O programador deve encontrar uma forma de calibrar e equilibrar essas forças tornando a interface o mais realista possível [Burdea e Coiffet, 2003]. 2.3 Sistemas de Domínio Público Atualmente encontra-se disponível uma série de programas de domínio público, classificados desta forma devido ao fato de serem utilizados sem oferecer restrições de código e/ou especificação. A Free Software Foundation, é uma fundação que desenvolve programas e os distribui juntamente com o seu código fonte. Desse modo, o programador que utilizar o código desenvolvido por esta fundação, poderá alterá-lo para que este possa ser adaptado às necessidades específicas da sua aplicação. No entanto, os programas distribuídos estão sob uma Licença Publica Geral (General Public License) chamada GNU. Essa licença torna obrigatório que o código binário (programa executável) e seus códigos fontes (código gerador do executável) sejam distribuídos conjuntamente. Assim, o programador que modificar um código fonte que esteja sob a licença GNU, também terá que distribuir o código fonte de seu programa na parte em que estiver utilizando qualquer código GNU. 2.4 VirtWall O VirtWall (Muro Virtual) é uma plataforma de visualização e interação em tempo-real baseada em técnicas de Realidade Virtual que exibe imagens em uma grande tela, como se esta fosse um grande muro virtual. A grande diferença é que esta projeção é estereoscópica e colorida, ou seja, as imagens saltam para fora da tela, oferecendo a sensação de que estas estão posicionadas no espaço e com cores reais. Para isso, o observador precisa usar óculos especiais com filtros óticos que permitem ver o efeito estereoscópico (3D) colorido. Assim, as imagens podem ser vistas por uma ou mais pessoas, permitindo analisar individualmente ou em grupo as características do objeto visualizado. Além disso, a plataforma permite ainda ao usuário controlar o ponto de vista e movimentar livremente o objeto no espaço simplesmente usando o mouse ou o teclado do computador [Moraes et al. 2003]. Todo os sistema de controle do VirtWall e as aplicações que nele são executadas foram desenvolvidos sob a plataforma Linux e utilizando ferramentas de domínio público, por pesquisadores dos Departamentos de Informática e de Estatística da UFPB. 3 Desenvolvimento Neste trabalho, estamos interessados no desenvolvimento de um driver para incorporar retorno háptico à plataforma de realidade virtual imersiva de baixo custo VirtWall [Moraes et al. 2003], aumentando o grau de realismo das simulações atualmente em uso. Os dispositivos hápticos que estão sendo incorporados usam a porta USB como meio de transferência para entrada e saída. No Linux há um driver genérico chamado HID (human interface device) que oferece suporte aos dispositivos conectados às portas USB, mas somente lendo informações, não permitindo operações de escrita, necessárias

4 para poder haver o retorno de força. No entanto, há uma ramificação do HID chamada PID (physical interface device) que oferece suporte a alguns dispositivos hápticos populares, com a vantagem de haver uma especificação explicando como é feita a comunicação via PID. A partir desta especificação é possível redefinir e enviar estruturas de efeitos de modo que o dispositivo entenda-as corretamente, tornando possível o retorno de força [USB 1999]. Para a geração do retorno de força é necessário enviar ao dispositivo uma estrutura de dados contendo o efeito háptico que se deseja reproduzir. Esse envio deve ser feito abrindo-se a porta de comunicação (USB) entre o computador e o dispositivo como leitura e escrita, fazendo um stream (canal de comunicação) apontar para ela e começar a escrever os bytes da estrutura no dispositivo (Figura 1). Desse modo, podem ser simulados efeitos de inércia, mola, textura e gravidade, dentre outros. canal de controle (padrão) computador canal de entrada (HID) dispositivo háptico canal de saída (PID) Figura1: Mecanismo de transferencia de dados A leitura das informações recebidas do joystick é feita a partir da associação de um stream à porta de entrada USB do joystick, essa porta no Linux geralmente é a "/dev/input/js0". Com esta associação feita já é possível começar a ler as informações recebidas do joystick. A leitura é feita em uma estrutura de dados chamada js_event, essa estrutura pode ser vista a seguir: struct js_event { unsigned int time;/* tempo em milisegundos */ short value;/* valor do evento */ unsigned char type;/* tipo do evento (eixo/botão) */ unsigned char number;/* numero do eixo/botão */ }; A estrutura fica sendo constantemente atualizada proporcionando a percepção de qualquer movimento no dispositivo. Ela contém informações sobre quais eventos estão acontecendo no joystick, quais botões ou eixos que estão sendo utilizados, os valores dos estados atuais dos eixos ou botões, e o tempo em milisegundos desde o início da operação de leitura do joystick. Um exemplo simples do funcionamento da leitura pode ser visto no trecho:

5 #define O_RDONLY 00 /* Somente leitura */ fd = open("/dev/input/js0", O_RDONLY); while (1){ read( fd, &js, sizeof(struct js_event) ); printf("tempo %d, tipo %d, valor %d, numero %d\n", js.time, js.type, js.value, js.number); } 4. Considerações Finais Até o momento já é possível reconhecer os movimentos executados com o joystick, obtendo a leitura dos valores através da estrutura de dados mencionada acima. O mesmo acontece com os diversos botões programáveis presentes no dispositivo Desta forma, o seu uso já pode ser incorporado à plataforma VirtWall, oferecendo uma nova ferramenta de interação. As rotinas de escrita, responsáveis pelo envio das informações de reação tátil e de força ao dispositivo, estão sendo programadas. Uma vez concluídas estarão oferecendo uma opção de baixo custo para a incorporação de dispositivos hápticos em plataformas de realidade virtual, como é o caso do VirtWall. Referências Bibliográficas Burdea, G.C. e Coiffet, P., Virtual Reality Technology, Wiley-IEEE Press, Machado, L.S. (2003) A realidade virtual no modelamento e simulação de procedimentos invasivos em oncologia pediátrica: Um Estudo de caso no transplante de medula óssea, Tese de Doutorado. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. McLaughlin, M.L., Hespanha, J., Sukhatme, G., Touch in virtual environments: Haptics and the design of interactive systems, Prentice-Hall, Moraes, R.M., Machado, L.S., Souza, A.C.M. (2003), VirtWall: A Concept of Low- Cost Virtual Wall for Immersion in Virtual Reality, Proceedings of the 6th Symposium on Virtual Reality, Ribeirão Preto, p Netto, A.V., Machado, L.S., Oliveira, M.C.F., Realidade Virtual - Fundamentos e Aplicações, Visual Books, USB Implementers Forum, (1999) Device Class Definition for Physical Interface Devices (PID) Version 1.0, Online: acesso em agosto de Disponível em: <http://www.usb.org/developers/devclass_docs/pid1_01.pdf>.

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA - CCEN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT Marcelo Fernandes França (Bolsista PIBIC/CNPq) Felipe Afonso de Almeida (Orientador) Davi D Andréa Baccan (Co-orientador) Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil Francisco Assis da Silva Faculdade de Informática - UNOESTE Rua: José Bongiovani, 700, Cidade Universitária,

Leia mais

ESTUDO PARA A INTEGRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE REALIDADE VIRTUAL EM PROJETOS ACADÊMICOS DE SOFTWARE

ESTUDO PARA A INTEGRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE REALIDADE VIRTUAL EM PROJETOS ACADÊMICOS DE SOFTWARE ESTUDO PARA A INTEGRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE REALIDADE VIRTUAL EM PROJETOS ACADÊMICOS DE SOFTWARE Rafael Dionísio Toledo Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica da Fapemig

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

Um Estudo sobre a utilização de Sistemas Hápticos em Ambientes Virtuais Colaborativos

Um Estudo sobre a utilização de Sistemas Hápticos em Ambientes Virtuais Colaborativos Um Estudo sobre a utilização de Sistemas Hápticos em Ambientes Virtuais Colaborativos Bruno Rafael de Araújo Sales e Liliane dos Santos Machado Laboratório de Tecnologias para o Ensino Virtual e Estatística

Leia mais

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal DIRETORIA DE OPERAÇÕES DO GERÊNCIA DE GESTÃO DE AMBIENTES GGA Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal Documento Versão 1.0.1 Adaptado por Coordenação Data de

Leia mais

Computação Gráfica II. Realidade Virtual Introdução

Computação Gráfica II. Realidade Virtual Introdução Computação Gráfica II Realidade Virtual Introdução Faculdade de Informática PUCRS 1. Introdução 1.1 Das interfaces gráficas à realidade virtual Um dos recentes adventos do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Colaboração Interativa para Sistemas de Realidade Virtual voltados ao Ensino e Treinamento Médico

Colaboração Interativa para Sistemas de Realidade Virtual voltados ao Ensino e Treinamento Médico Colaboração Interativa para Sistemas de Realidade Virtual voltados ao Ensino e Treinamento Médico Autores: Bruno Rafael de Araújo Sales, Liliane dos Santos Machado, Ronei Marcos de Moraes Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distingüir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Simulação Distribuída

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações REALIDADE VIRTUAL

Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações REALIDADE VIRTUAL Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações Curso de Informática Disciplina: Prof. Marcelo Walter Palestrante: Prof. Fernando Osório 2000/1 UNISINOS - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas (C6/6) Curso

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL NO MODELAMENTO E SIMULAÇÃO DE PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: UM ESTUDO DE CASO NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

A REALIDADE VIRTUAL NO MODELAMENTO E SIMULAÇÃO DE PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: UM ESTUDO DE CASO NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA LILIANE DOS SANTOS MACHADO A REALIDADE VIRTUAL NO MODELAMENTO E SIMULAÇÃO DE PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: UM ESTUDO DE CASO NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA SÃO PAULO 2003 LILIANE DOS

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Modelagem de Ambientes Virtuais usando Software Livre

Modelagem de Ambientes Virtuais usando Software Livre Modelagem de Ambientes Virtuais usando Software Livre André Luiz Marques, Armando Carlos de Pina Filho, e Fernando Rodrigues Lima Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola Politécnica, Brasil Resumo

Leia mais

LOUSA INTERATIVA MANUAL

LOUSA INTERATIVA MANUAL LOUSA INTERATIVA MANUAL Obrigado por comprar uma lousa Mastervision o Quadro Branco Interativo da Arquimedes Automação e Informática. A Arquimedes respresenta a marca MarterVision sob licença da empresa

Leia mais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Ezequiel Roberto Zorzal 1, Alexandre Cardoso 1, Claudio Kirner 2, Edgard Lamounier Júnior 1 1 Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica - Universidade

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

Sistemas Embarcados e Maquetes Virtuais para Suporte a Hiper-Realidade

Sistemas Embarcados e Maquetes Virtuais para Suporte a Hiper-Realidade Sistemas Embarcados e Maquetes Virtuais para Suporte a Hiper-Realidade Alexandre S. G. Vianna, Yuri G. G. da Costa, José A. G. Lima, Liliane S. Machado, Ronei M. Moraes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL Cássio David Borralho Pinheiro cassio@stm.ufpa.br cdbpinheiro@zipmail.com.br Universidade Federal do Pará - Campus de Santarém Resumo.

Leia mais

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Software e Suas Licenças O que é um Software Livre? Software Livre x Software Proprietário Software e Suas Licenças

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo

Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo Universidade do Vale do Rio dos Sinos Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo Mestrado em Computação Aplicada Dr. Fernando S. Osório fosorio@unisinos.br Milton Roberto Heinen mheinen@turing.unisinos.br

Leia mais

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Ewerton Daniel de Lima 1, Fabiano Utiyama 1, Daniela Eloise Flôr 1 1 UNIPAR Universidade Paranaense ewertondanieldelima@hotmail.com,{fabianoutiyama, danielaflor}@unipar.br

Leia mais

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS A Modelix Robotics é pioneira dentre as empresas nacionais no segmento de robótica educacional (uso acadêmico e educação tecnológica) e robótica para usuário

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

LVR Laboratório Virtual de Redes

LVR Laboratório Virtual de Redes LVR Laboratório Virtual de Redes Protótipo para Auxílio ao Aprendizado em Disciplinas de Redes de Computadores 1. Introdução Os sistemas de RV permitem aos usuários imersão, envolvimento e interação em

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Programação Visual para um Framework de Desenvolvimento de Aplicações Médicas Baseadas em Realidade Virtual

Programação Visual para um Framework de Desenvolvimento de Aplicações Médicas Baseadas em Realidade Virtual Programação Visual para um Framework de Desenvolvimento de Aplicações Médicas Baseadas em Realidade Virtual Aline Marques de Morais 1, Liliane dos Santos Machado 2 1,2 Laboratório de Tecnologias para o

Leia mais

Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA

Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA Profibus View P R V I E W P A M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Palavras da Língua Inglesa

Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Palavras da Língua Inglesa Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Palavras da Língua Inglesa César E. B. Júnior 1, Márcio A. Duarte 1 1 Universidade Federal de Goiás - Campus Catalão (UFG) Av. Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 1120

Leia mais

Realidade Virtual em Medicina

Realidade Virtual em Medicina Realidade Virtual em Medicina Apresentado por: Renato M.E. Sabbatini, PhD Diretor Centro Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação em Saúde Instituto Edumed, Campinas, SP Brasil Tipos de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA

DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA TRINDADE, Jorge Fonseca Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda Guarda, Portugal FIOLHAIS, Carlos Departamento

Leia mais

Definição e Aplicação de um Modelo de Processo para o Desenvolvimento de Serious Games na Área de Saúde

Definição e Aplicação de um Modelo de Processo para o Desenvolvimento de Serious Games na Área de Saúde Definição e Aplicação de um Modelo de Processo para o Desenvolvimento de Serious Games na Área de Saúde Herbet F. Rodrigues 1, Liliane dos S. Machado 1, Ana Maria G. Valença 2 1 Laboratório de Tecnologias

Leia mais

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO Arion Roberto Krause 1 ; Andrey Alves 1 ; Rafael Jusinskas Labegalini 1 ; Luiz Fernando Braga Lopes 2 RESUMO:

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO RAYNER DE MELO PIRES ANA PAULA SUZUKI ANDRÉ REIS DE GEUS GABRIELA QUIRINO PEREIRA SALVIANO LUDGÉRIO FELIPE GOMES INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO JULHO DE 2010 SUMÁRIO 1 O que é o NXT?...4 2 Explicando

Leia mais

Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico

Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico Marcelo Knörich Zuffo Roseli de Deus Lopes Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) Departamento de Engenharia

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina: Computação Gráfica pozzer@inf.ufsm.br 19/03/2008 1. CG Computação Gráfica Introdução Teve

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Historico 50s Interfaces são painel de controles do hardware, usuário são engenheiros; 60-70s Interfaces são programas em linguagens

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS B CÓDIGO:

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada à Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada à Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada à Educação Software Livre e Educação Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Sumário Introdução ao Software Livre Licenciamento de software

Leia mais

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes Apresentação A disciplina de Estruturas de Dados (ED) está sendo ministrada em sua nova versão desde o segundo semestre de 1998. Trata-se da segunda disciplina de informática oferecida no curso de Engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Comece aqui. Interação com o BrightLink

Comece aqui. Interação com o BrightLink Interação com o BrightLink As canetas interativas BrightLink transformam qualquer parede ou mesa em uma área interativa, com ou sem um Com um computador, você pode usar o Easy Interactive Tools (duas canetas).

Leia mais

2- Quais são as características da computação gráfica?

2- Quais são as características da computação gráfica? QUESTÕES DE REVISÃO PARA A PROVA - COMPUTAÇÃO GRÁFICA 2014 1- Defina computação gráfica? A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral em forma de representação de

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

WRV 97. 1 o Workshop de Realidade Virtual São Carlos, SP, 9-12 de Novembro de 1997 MINI-CURSO INTRODUÇÃO À REALIDADE VIRTUAL

WRV 97. 1 o Workshop de Realidade Virtual São Carlos, SP, 9-12 de Novembro de 1997 MINI-CURSO INTRODUÇÃO À REALIDADE VIRTUAL WRV 97 1 o Workshop de Realidade Virtual São Carlos, SP, 9-12 de Novembro de 1997 MINI-CURSO INTRODUÇÃO À REALIDADE VIRTUAL Prof. Dr. Claudio Kirner Departamento de Computação Universidade Federal de São

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia KeeP Desenvolvimento e Tecnologia Transformar Necessidade em Realidade! KeeP Integrando Soluções: Conectando pessoas, processos e dados. KeeP-Backup Nós da KeeP desenvolvemos uma solução de backup/clonagem

Leia mais

YAMAHA MAGICSTOMP GUITAR EFFECTS PROCESSOR

YAMAHA MAGICSTOMP GUITAR EFFECTS PROCESSOR Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para YAMAHA MAGICSTOMP GUITAR EFFECTS PROCESSOR. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas O QUE SÃO SISTEMAS OPERACIONAIS? Um sistema operacional é um conjunto de rotinas executado pelo processador, de forma semelhante

Leia mais

FERRAMENTA DE ESTUDO DO APARELHO AUTIDIVO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL

FERRAMENTA DE ESTUDO DO APARELHO AUTIDIVO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL FERRAMENTA DE ESTUDO DO APARELHO AUTIDIVO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL 1 MARTINES, Rozimeire dos Santos; 1-Discentes do Curso Sistemas de Informação FAEG / Garça. 2 HERMOSILLA, Ligia Garcia

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Fundamentos e Tecnologia de Realidade Virtual e Aumentada

Fundamentos e Tecnologia de Realidade Virtual e Aumentada Romero Tori Claudio Kirner Robson Siscoutto Editores Fundamentos e Tecnologia de Realidade Virtual e Aumentada Livro do Pré-Simpósio VIII Symposium on Virtual Reality Belém PA, 02 de Maio de 2006. Apresentação

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

Desafios para o uso de Realidade Virtual e Aumentada de maneira efetiva no ensino

Desafios para o uso de Realidade Virtual e Aumentada de maneira efetiva no ensino Desafios para o uso de Realidade Virtual e Aumentada de maneira efetiva no ensino Valéria Farinazzo Martins 1, Marcelo de Paiva Guimarães 2 1 Faculdade de Computação e Informática - Grupo de Processamento

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

LOUSA INTERATIVA. ActivPen

LOUSA INTERATIVA. ActivPen LOUSA INTERATIVA Desenvolvidos por e para professores, a Lousa Interativa é composta por um quadro eletrônico branco, conectado a um computador por meio de um cabo USB. Manuseada por meio de uma caneta

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Projeto de Jogos Parte II Gráficos

Projeto de Jogos Parte II Gráficos Projeto de Jogos Parte II Gráficos Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Vídeo Considerações (PC e celular) O Mundo em Blocos de Imagem Sprites

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Duo Installation Guide

Duo Installation Guide Duo Installation Guide All contents of this publication are subject to change. 2011.06 1 INDEX 1. Conteúdo da caixa ---- 3 2. Instale o receptor no laptop ---- 3 3. Preparando a caneta para usar ---- 5

Leia mais

Guia do Sistema. =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop. Baseado no sistema. Slackware 11.0 / KDE 3.5. ### 4a. Edição ###

Guia do Sistema. =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop. Baseado no sistema. Slackware 11.0 / KDE 3.5. ### 4a. Edição ### Guia do Sistema =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop Baseado no sistema Slackware 11.0 / KDE 3.5 ### 4a. Edição ### Rio, 12 de Novembro de 2006. Copyright (C) 2002-2005 Ednei Pacheco de Melo. Permission

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Alinhamento Prático Ferramenta ARIS Operação Básica

Alinhamento Prático Ferramenta ARIS Operação Básica Alinhamento Prático Ferramenta ARIS Operação Básica AGENDA Ferramenta ARIS Operação do módulo básico ARIS Explorer Estruturação dos componentes Login na base de dados Manipulação de grupos Objetos Conexões

Leia mais

1. Introdução. 2. Experiências em Vídeo Digital do LAVID

1. Introdução. 2. Experiências em Vídeo Digital do LAVID Tecnologias para o Desenvolvimento de Aplicações Baseadas em Vídeo Digital: Estado da Arte Julio César Ferreira da Silva¹, Erick Augusto Gomes de Melo¹, Bruno Julian Dias de Oliveira¹, Marcello Galdino

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

Tutorial App Inventor. Artur Galeno Tayná Gonçalves

Tutorial App Inventor. Artur Galeno Tayná Gonçalves Tutorial App Inventor Artur Galeno Tayná Gonçalves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Dezembro/2013 1. Introdução O objetivo deste tutorial é introduzir o leitor ao App Inventor

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações utilizando realidade aumentada

Desenvolvimento de aplicações utilizando realidade aumentada Leandro Tonin 1 Prof. MS. Klausner Vieira Gonçalves 2 RESUMO A Realidade Aumentada é uma tecnologia bastante promissora, que permite que o mundo virtual e o real se misturem, dando uma maior interatividade

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

CALLISTO eye O seu assistente para uma área de trabalho integrada no centro cirúrgico

CALLISTO eye O seu assistente para uma área de trabalho integrada no centro cirúrgico CALLISTO eye O seu assistente para uma área de trabalho integrada no centro cirúrgico O momento em que suas habilidades e competência são reforçadas por seu equipamento. Este é o momento pelo qual trabalhamos.

Leia mais

Um Laboratório Virtual Tridimensional e Interativo para Suporte ao Ensino de Física

Um Laboratório Virtual Tridimensional e Interativo para Suporte ao Ensino de Física Um Laboratório Virtual Tridimensional e Interativo para Suporte ao Ensino de Física Eduardo de Lucena Falcão e Liliane S. Machado Laboratório de Tecnologias para o Ensino Virtual e Estatística (LabTEVE)

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE: MODELAGEM DE OBJETOS TRIDIMENSIONAIS INTERATIVOS Vídeo 3D: Da Filmagem a Veiculação à Internet Yan Desio Waack Constantino 1 Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Tecnologia Aplicada Projeto: Holoface

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA w w w. h o m e l a b. c o m.b r APRESENTAÇÃO Nos últimos anos, o perfil dos alunos no mundo tem mudado em consequência dos estímulos

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Introdução ao Tableau Server 7.0

Introdução ao Tableau Server 7.0 Introdução ao Tableau Server 7.0 Bem-vindo ao Tableau Server; Este guia orientará você pelas etapas básicas de instalação e configuração do Tableau Server. Em seguida, usará alguns dados de exemplo para

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Tutorial Passo a Passo de como usar Baterias Eletrônicas com Cubase e EZ-Drummer. dec. Mobi Diqui. Florianópolis-SC, Novembro de 2008

Tutorial Passo a Passo de como usar Baterias Eletrônicas com Cubase e EZ-Drummer. dec. Mobi Diqui. Florianópolis-SC, Novembro de 2008 Tutorial Passo a Passo de como usar Baterias Eletrônicas com Cubase e EZ-Drummer dec L Mobi Diqui Florianópolis-SC, Novembro de 2008 1 INTRODUÇÃO Primeiro vamos mostrar a especificação do computador utilizado

Leia mais