PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO

2 Sumário 1 DIMENSÃO INSTITUCIONAL DA MANTENEDORA Informações da Mantenedora Principal Dirigente DA MANTIDA Identificação da Mantida Principal Dirigente da Mantida Histórico das Faculdades Integradas Paulista ORGANIZAÇÃO DO CURSO NOME DO CURSO Atos Legais do curso Totais de Vagas Autorizadas Dimensões de Turma Turnos de Funcionamento Regime de Matrícula Carga Horária Total do Curso Necessidade Social para oferta do Curso Justificativa para oferta do Curso CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO E INSERÇÃO REGIONAL POLÍTICAS INSTITUCIONAIS Política de Responsabilidade Social Política de Ensino Política de Pesquisa Política de Extensão Políticas de Gestão Acadêmica Políticas Afirmativas de Inclusão Social das Faculdades Integradas Paulista ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA Implementação das Políticas Insitucionais / PDI Atuação do Coordenador de Cursos Atribuição do Coordenador de Curso: Formação do Coordenador de curso Experiência do coordenador do curso (acadêmica e profissional) Efetiva Dedicação - Regime de Trabalho do Coordenador do Curso Objetivos do Curso Objetivos Específicos Perfil do Egresso Competências e Habilidades Aderência com desenvolvimento sustentável Conteúdos Curriculares Matrizes Curriculares Linguagem Brasileira de Sinais - LIBRAS Educação das relações ètnica-raciais Ementário Metodologia Conteúdos, Flexibilidade e Interdisciplinaridade Curriculares Inter-relação das disciplinas na concepção e execução do currícul Coerência do Currículo com os Objetivos do Curso Coerência do Currículo com o Perfil do Egresso Adequação da Metodologia de ensino à concepção Coerência com as Diretrizes Curriculares Inter-relação das disciplinas na concepção e execução do currículo Atendimento ao Docente Apoio à Participação em Eventos

3 3.9.2 Núcleo dee Apoio Psicopedagógico Mecanismos de Nivelamento Meios de Divulgação de Trabalhos e Produções de Alunos Bolsas de Estudo Estímulo a atividades acadêmcias Participação em atividades externas Atividades Complementares Oferta Regular de Atividades pela própria IES E nade Monitoria e Inciação Científica CORPO DOCENTE Competência e Funcionamento do Colegiado de curso Implantação das políticas de capacitação Publicações e produções Atuação nas atividades acadêmcias Dedicação ao curso Alunos por turma em disciplinas teóricas Número médio de disciplinas por docente Pesquisa e produção científica INSTALAÇÕES FÍSICAS LABORATÓRIOS PARA ATENDER AO CURSO CONDIÇÕES DE ACESSO PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS INFRA-ESTRUTURA DE SEGURANÇA EQUIPAMENTOS ACESSO A EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES ACESSO A EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA PELOS ALUNOS RECURSOS AUDIOVISUAIS E MULTIMÍDIA REGISTROS ACADÊMICOS DA BIBLIOTECA ESPAÇO FÍSICO INSTALAÇÕES PARA ESTUDOS INDIVIDUAIS E EM GRUPO INSTALAÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BIBLIOTECA ACERVO LIVROS DA BIBLIOGRAFIA BÁSICA Livrosda bibliografia complementar Periódicos Informatização Base de dados Politica de aquisição, expansão e atualização SERVIÇOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO E CONDIÇÕES DE ACESSO AO ACERVO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO PLANO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Políticas de Avaliação Institucional Objetivos Metodologia para Avaliação Institucuonal COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO OUVIDORIA E CANAIS DE ATENDIMENTO Central de Relacionamento

4 9.2-Ouvidoria CPA

5 1 DIMENSÃO INSTITUCIONAL 1.1. DA MANTENEDORA Informações da Mantenedora Nome: Associação Paulista de Ensino - APE CNPJ: / End: Rua Ibipetura, 42 Bairro: Mooca Cidade: São Paulo CEP: UF: SP Fone: (11) Principal Dirigente Nome: Dr. José Fernando Costa Pinto CPF: End: Rua Ibipetura, 42 Bairro: Mooca Cidade: São Paulo CEP UF: SP Fone: (11) Site: Espécie Societária Sociedade Limitada com fins Lucrativos 1.2. DA MANTIDA Identificação da Mantida Nome: Faculdades Integradas Paulista CNPJ: / End: Rua Ibipetura, 42 Bairro: Mooca Cidade: São Paulo CEP: UF: SP Fone: (11) Site: Principal dirigente: Diretor Geral Situação legal do imóvel para funcionamento da mantida: Próprio 5

6 Principal Dirigente da Mantida Nome: Professor Me. Silvio Donisete Vieira dos Santos CPF: End: Rua Ibipetura,42 Bairro: Mooca Cidade: São Paulo CEP: UF: SP Fone: (11) Site: Histórico das Faculdades Integradas Paulista A Associação Paulista de Ensino APE, devidamente constituída em 2004, mantenedora das Faculdades Batista de Administração e Informática, por meio da portaria de 07 de outubro de 2005, vêm assumir a responsabilidade educacional proposta originalmente pela junta de Educação da Convenção Batista do Estado de São Paulo, constituída na década de 20 do século passado, na cidade de São Paulo/SP. A existência de uma instituição educacional é um acreditar constante na transformação de realidades, no investimento em vidas e a importância da educação par o desenvolvimento sadio e integral do ser humano. A Junta de Educação procurou contribuir com o ensino superior através das Faculdades Batista e do Instituto Superior Batista de Educação, com propostas inovadoras, visando a formação de docentes e demais profissionais com competência, perspicácia e compromisso, entretanto, por razões adversas a sua vontade, a manutenção de seus cursos superiores tornou-se inviável, fazendo com que a mantenedora viesse a procurar uma instituição que abraçasse os mesmos princípios e propósitos educacionais. Para dar a continuidade necessária aos cursos autorizados e reconhecidos, vislumbrado a concretude de seus ideais, procurou profissionais de educação e instituição educacional para transferir a tarefa assumida até então. Mantendo seu propósito e compromisso com a sociedade e como MEC, buscou instituições com reconhecida experiência no campo da educação superior para transferir sua responsabilidade social de manter os cursos até então autorizados e reconhecidos, preservando e contemplando a comunidade com a continuidade dos mesmos. Assim, elegeu a Faculdades Integradas Paulista FIP, composta de sócios com ampla experiência no campo da gestão educacional, para absorver os cursos da FBAI e FBE. Considerando ser a FIP escolhida pela FBAI para assumir a responsabilidade de administrar os seus cursos superiores, formalizou com a mesma em 11 de agosto de 6

7 2004, contrato particular de transferência de direitos de ministrar os cursos de educação superior, a saber: Sistemas de Informação; Administração com Habilitação em Comércio Exterior; Administração com Habilitação em Gestão Educacional; Pedagogia com Habilitação em Informática Educacional; Normal Superior com Habilitação em Educação Infantil; Normal Superior com Habilitação em Ensino Fundamental. No dia 07 de outubro de 2005 foram publicadas as Portarias e referentes à transferência de mantença da Faculdade Batista de Administração e Informática e da Faculdade Batista de Educação para a Associação Paulista de Ensino, respectivamente. A Junta de Educação da Convenção Batista do Estado de São Paulo foi constituída na década de 1920, na cidade de São Paulo, SP, com a proposta de contribuir com o ensino superior através das Faculdades Batista e do Instituto Superior Batista de Educação, visando a formação de docentes e demais profissionais, com competência, perspicácia e compromisso. Com o mesmo propósito e compromisso com a sociedade e com o MEC, a Associação Paulista de Ensino APE foi devidamente constituída mantenedora das Faculdades Batista de Administração e Informática, em 11 de agosto de 2004, através de contrato particular de transferência de direitos de ministrar os Cursos de educação superior, a saber: Sistemas de Informação; Administração com habilitação em Comércio Exterior; Administração com habilitação em Gestão de Serviços de Turismo; Pedagogia com Habilitação em Gestão Educacional; Pedagogia com Habilitação em Informática Educacional; Normal Superior com Habilitação em Educação Infantil; Normal Superior com Habilitação em Ensino Fundamental. No dia 7 de outubro de 2005 foram publicadas as Portarias nº3.446 e referentes à transferência de mantença da, então, Faculdade Batista de Administração e Informática e da Faculdade Batista de Educação, respectivamente, para a Associação Paulista de Ensino e, passando a denominar-se Faculdades Integradas Paulista. As Faculdades Integradas Paulista, mantidas pela APE, instalaram-se no Bairro Belenzinho, em São Paulo, até dezembro de 2013, onde atualizaram e ampliaram a sua oferta de Cursos. A partir dessa data, mudaram-se para o bairro Moóca, na rua Ibipetuba, 42 em imóvel próprio, situado na confluência da avenida Paes de Barros com a rua Ibipetuba, região nobre da Zona Leste da Capital. 7

8 CURSOS DAS FACULDADES INTEGRADAS PAULISTA DENOMINAÇÃO DO CURSO MODALIDADE Nº VAGAS DIURNO Nº VAGAS NOTURNO DURAÇÃO DO CURSO AUTORIZAÇÃO RECONHECI MENTO Sistemas de Informação Bacharelado Períodos Administração Bacharelado Períodos Pedagogia Licenciatura Períodos Ciências Biológicas Licenciatura Períodos Ciências Biológicas Bacharelado Períodos Letras Habilitação: Português/Espanhol e Respectivas Literaturas Letras Habilitação: Português/Inglês e Respectivas Literaturas Licenciatura Períodos Licenciatura Períodos Matemática Licenciatura Períodos Logística Gestão de Recursos Humanos Curso Superior de Tecnologia de Redes de Computadores Tecnologia Períodos Tecnologia Períodos Tecnologia Períodos Enfermagem Bacharelado anos Engenharia Elétrica Bacharelado anos Engenharia de Automação e Controle Bacharelado anos Engenharia Civil Bacharelado anos Fonte: Secretaria Geral. Portaria nº / Portaria nº /07/2001 Portaria nº /09/2002 Portaria nº /12/2005 Portaria nº /12/2005 Portaria nº /12/2005 Portaria nº /12/2005 Portaria nº /11/2006 Portaria nº /05/2007 Portaria nº /05/2007 Portaria nº /11/2007 Portaria 1564 de 24/09/2010 Portaria de 24/09/2010 Portaria 1744 de 26/10/2010 Portaria 246 de 31/05/2013. Portaria nº /06/2004 Portaria nº 1525 de 14/09/2009 Portaria nº 1120 de 28/07/2009 Portaria nº /11/2010 Portaria nº /11/2010 Portaria nº /04/2013 Portaria nº /04/2013 Não mais oferecido Não mais oferecido A FIP também oferece os cursos de pós-graduação lato sensu abaixo elencados, porém, até o momento, não houve formação de turma. São eles: 8

9 Pós-graduação lato sensu Psicopedagogia Psicopedagogia Hospitalar Gestão Estratégica de Pessoas MBA - Gestão e Consultoria Empresarial MBA - Gestão Ambiental Gestão de Sistemas de Informação Gestão Hospitalar Emergência e UTI Formação Docente Educação e Saúde Acupuntura 9

10 2. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 2.1. Nome do curso Curso de Bacharelado em Administração Atos Legais do curso Autorização através da Portaria MEC 1413 de 04/07/2001 e Reconhecimento através da Portaria SeSu 1525 de 14/09/ Totais de Vagas Autorizadas Total: 200 vagas totais anuais nos turnos diurno e noturno Dimensões de Turma Dimensão da Turma: 50 alunos Turnos de Funcionamento Período Diurno e Noturno Regime de Matrícula Regime seriado semestral Carga Horária Total do Curso Tipo de Disciplina CH Hora/Aula CH Hora/Relógio Conteúdo Curricular Estágio Supervisionado 300 Atividades Complementares 200 Total do Curso

11 Necessidade Social para oferta do Curso O grande crescimento da Zona Leste de São Paulo ocorrido nas duas últimas décadas contribuiu para um aumento das necessidades sociais da região, que exige um número crescente de profissionais de nível superior bem formados. Por outro lado, não há dúvida de que o sistema de educação superior no Brasil apresenta sérios problemas de qualidade profissional. A demanda social por educação deve ser claramente distinguida da demanda social por conhecimentos técnicos que os educados eventualmente possuem. Quando um jovem busca a universidade, ou quando uma família investe na educação de seus filhos, ela está tratando de dar a ele um conjunto de conhecimentos e credenciais que o caracterizem como uma pessoa educada, e a qual está associada certa expectativa de prestígio social, reconhecimento e renda. Dessa forma, as Faculdades Integradas Paulista - FIP, ao ofertar o curso de bacharelado em Administração, pretendem contribuir com essa realização Justificativa para oferta do Curso Na multiplicidade de referências que singularizam as atuais configurações sociais e organizacionais, marcadas pelo crescente desenvolvimento técnico-científico, há de se destacar os reflexos no mundo do trabalho, onde a competitividade e a produtividade se revelam como diferenciais ao perfil do profissional atual. Incorporando-se a esses aspectos a complexidade verificada nas operações do neocapitalismo baseadas na flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados, produtos e padrões de consumo, condiciona o surgimento de novas demandas por serviços, novos mercados e tecnologias que requerem competências e habilidades profissionais inovadoras. Esses novos paradigmas ditam a premente necessidade de qualificação profissional e a busca contínua da qualidade dos conhecimentos da área. Mais de que nunca a complexidade crescente da sociedade e das organizações no mundo globalizado está a exigir destas e dos indivíduos atuação em bases científicas. Em tempo algum o conhecimento foi tão indispensável. Por sua vez, a qualificação profissional do Administrador passa a ser foco de atenção, fazendo-se necessário tratar da sua formação integral (conhecimento conceitual), profissional (conhecimento técnico-instrumental) e social (conhecimento humano). Por este raciocínio, a constatação simplista de que a ampla difusão das organizações empresariais e não-empresariais na sociedade atual não é, de per si, razão suficiente para o egresso dos cursos de Administração se estabelecer efetivamente num posto de trabalho. As pressões e a convergência de forças nos ambientes, externo e interno, às empresas resultam um mercado de trabalho que se afirma em níveis de exigência cada vez maiores, onde a proliferação de empresas públicas, privadas ou do terceiro setor, nas áreas industriais, comerciais, financeiras e de serviços não resulta, necessariamente, uma franca abertura de empregos para os recém-formados. Assim, a visão de futuro e a compreensão das dinâmicas do mercado 11

12 empresarial são condições para o egresso figurar-se de modo consolidado nos quadros funcionais de organizações de portes grande, médio e pequeno e, pelo seu desempenho, posicionar-se nas hierarquias de decisão estratégica. Os desafios do mercado de trabalho se ampliam também em função da internacionalização dos negócios. Com a inserção do Brasil na economia mundial e o estreitamento de relações comerciais no âmbito dos mercados emergentes, como China e Índia, além da consolidação dos mercados tradicionais, a exemplo dos Estados Unidos e União Europeia, as empresas estão sendo pressionadas a recriar profissionais para atuar na revisão de suas estratégias competitivas; na adequação de suas estruturas às novas condições concorrenciais de mercado; na incorporação dos avanços tecnológicos a suas atividades; na redefinição de relações com fornecedores e clientes, entre outras tarefas, para continuarem a ter resultados positivos, crescer e sobreviver no complexo mundo da competição. Lançando um olhar mais detido sobre os campos de atuação do profissional egresso do Curso de Administração encontram-se nichos de mercado ocupacional que vão além dos limites geográficos da Grande São Paulo e se estendem a outras regiões do país, notadamente nas áreas ou funções seguintes: administração geral das empresas: organização de recursos humanos, materiais e financeiros; estratégias de mercado; supervisão do processo produtivo das empresas de portes variados, em seus diversos setores, promovendo sua integração, racionalização e otimização da matéria-prima à qualidade do produto final; administração financeira: planejamento e implementação das atividades financeiras da empresa (patrimônio, fluxo financeiro, orçamentos); acompanhamento e análise das operações contábeis de uma organização por meio de auditoria e exames periciais; planejamento e gerenciamento do orçamento da empresa, monitorando os custos em atividade de controladoria; implantação de sistemas de projeções, provisões e previsões financeiras; administração hospitalar: gerenciamento de hospitais, de serviços e programas de saúde públicos e privados; administração e desenvolvimento de recursos humanos: promoção da relação entre empresas e trabalhadores; locação de mão-de-obra; supervisão da admissão, demissão; desenvolvimento de pessoas mediante programas de treinamento, incentivos, benefícios e de capacitação profissional em todos os níveis; comércio exterior: gestão do relacionamento da empresa com mercados externos, identificando novas oportunidades de negócios, processando a importação e exportação de produtos e serviços; logística: administração do fluxo produtivo da empresa (compras, recebimento e armazenamento da matéria-prima e insumos, distribuição de produtos aos consumidores, acompanhamento da pós-venda); marketing: posicionamento da empresa no mercado envolvendo estratégias de ação, pesquisas de opinião e necessidades dos clientes; desenvolvimento de novos produtos; análise da qualidade de produtos e serviços; estratégias de vendas e assistência técnica; consultoria promocional; acompanhamento do processo de vendas e da satisfação do cliente; 12

13 administração rural: gestão de empresas rurais e agroindustriais (produção, distribuição e comercialização de produtos brutos ou com valor agregado); administração do terceiro setor: planejamento e coordenação de atividades de organizações não governamentais (definição de objetivos, divulgação, realização das operações, captação e gestão de recursos em projetos de cunho educacional, ambiental ou comunitário em geral); sistemas de informação: gestão de sistemas de comunicação e informação da empresa, racionalização dos equipamentos e softwares aplicáveis à atividade empresarial. Igualmente, mais um segmento de mercado que já sinaliza para maiores níveis de exigência profissional corresponde ao setor público, onde se projeta um aumento na oferta de oportunidades de trabalho para egressos de cursos de Administração. A modernização da economia impõe exigências aos governos, que se esforçam em trabalhos de modernização das infraestruturas e das políticas comerciais, monetárias, fiscais e tributárias. Por sua vez, a prática da cidadania eleva as reivindicações das populações por acesso a serviços públicos de qualidade. Impõe-se destacar, adicionalmente, os horizontes favoráveis de oportunidade para os que desejam ter seu próprio negócio. As modificações ocorridas na legislação de abertura de pequenas empresas e a redução de tributos (Super Simples) são elementos facilitadores para aqueles egressos que desejam criar o próprio emprego constituindo uma empresa ou tornando-se consultores independentes. Empenhada com um processo formativo que atenda a essa magnitude da realidade atual e mediante a aposta no perfil profissiográfico de seus egressos, a Faculdade assume o compromisso de capacitar administradores com competências e habilidades sintonizadas com essas exigências Caracterização da Região e Inserção Regional A FIP Faculdades Integradas Paulista, integrante da União das Instituições de Ensino de São Paulo UNIESP, está situada no seguinte endereço: Rua Ibipetuba, 42, Mooca, São Paulo/SP. Normalmente, a intensa urbanização em cidades como São Paulo, esconde a base do solo em que as mesmas estão inseridas. A paisagem é um acúmulo de informações e de ações do homem durante a história, assim, reconhecer a base, é buscar entender, no passado, a origem de um assentamento. No caso específico da Mooca, é importante ressaltar que a mesma está assentada na extensão do planalto que se segue à escarpa da Serra do Mar. Região entremeada por rios que hoje se escondem no fundo dos vales do bairro, com exceção do Tamanduateí que corta toda a região. 13

14 As colinas, que se elevam de maneira modesta, servem como encosta de escoamento para as águas pluviais e hoje são a base do assentamento territorial urbano desse espaço. O nome do bairro deve ser buscado no passado histórico da cidade. Pelos idos de 1556, o administrador de Santo André da Borda do Campo, convocava a população para construir uma ponte sobre o rio Tamanduateí, ponte que ligaria a região leste da cidade à Freguesia da Sé. Nesse momento, pela primeira vez oficialmente, a região é chamada de Mooca. Provavelmente de origem tupi, o nome tem dois possíveis significados, o primeiro Moo-ca, quer dizer fazer casa ou Moo-ka, que significa ares amenos,secos, sadios. Uma terceira possibilidade nos remete ao café e uma qualidade do mesmo que era encaminhada aos armazéns: Moka. No entanto, se considerarmos que o café, só tardiamente fez parte da economia paulista, tudo indica que devamos ficar com a origem tupi do nome. Com a retificação do rio Tamanduateí, foi possível o crescimento acelerado da região que foi se incorporando rapidamente à cidade de São Paulo. Seu desenvolvimento urbano está intimamente ligado ao passado operário e industrial da cidade. O final do século XIX foi um momento histórico de grandes transformações que fizeram da cidade uma grande metrópole industrial. Muitos operários, principalmente oriundos da Itália, trouxeram, além do sotaque característico, o combate contra a opressão dos mais poderosos tornando um local de memória operária das mais significativas, contando inclusive com um museu de imigração. Outro fator importante para a consolidação da região foi a instalação de duas ferrovias, a Santos Jundiaí e a Estrada de Ferro Norte (trecho Paulista da Central do Brasil). Essas duas vias, impulsionaram o fluxo de fábricas que se instalaram na Mooca e, consequentemente, as vilas operárias. Hoje, a Mooca se consolida como um bairro em transformação. Começa um processo de verticalização que tende a alterar o seu perfil. Os antigos moradores e suas casas de origem operária vão cedendo espaço para empreendimentos verticais, tanto comerciais quanto residenciais. As antigas fábricas desapareceram, deixando seus galpões vazios que ganham múltiplos usos, até mesmo o de igrejas neo pentecostais. Se no passado, a Mooca era considerada periferia, a ampliação dos serviços públicos, como o metro, tornou próximo o que antes era distante. Cada vez mais a Mooca atrai investidores e novos moradores. Aquelas características típicas de cidade 14

15 do interior, que garantiam o sentimento de lugar 1 vão dando espaço a novas paisagens empreendedoras que fazem da Mooca, por exemplo, o bairro de mais de cem pizzarias, um recorde 2. A FIP está inserida nesse contexto urbano, com suas complexidades e desafios. A Mooca descrita na letra de Adoniran Barbosa na abertura desta apresentação se refere exatamente a essa transição. O tempo das ocupações passou. Foi transferido para a periferia mais distante. O público da FIP, seus alunos, fazem parte dessa rede caleidoscópica da cidade e são extremamente dependentes da condições de mobilidade. A Mooca é hoje quase um portal da Zona Leste. Sua situação geográfica privilegiada para atender um público multifacetado, mas, preferencialmente carente de recursos, garante a necessária inserção social e comprometimento com as causas públicas necessárias ao desenvolvimento pleno da cidadania. Afinal, como afirma Adoniran, quem trabalha tudo pode conseguir. Para isso, cada vez mais é necessária a qualificação profissional. A FIP, nesse caso, também é um portal para que os mais desfavorecidos possam entrar no mundo do trabalho e terem o seu reconhecimento como indivíduos atuantes, conscientes de sua cidadania. A seguir, o mapa da Mooca. 1 Lugar deve ser entendido aqui como a garantia simbólica do pertencimento a um local. O lugar é caracterizado pelo reconhecimento dos diversos pontos que se destacam no espaço, como uma padaria, uma árvore, uma praça, velhos casarões. 2 De acordo com o blog especializado em histórias da Mooca: 15

16 É possível perceber que a Mooca, apesar de estar nos limites do município de São Paulo, guarda uma importante proximidade com o centro, e, pelo próprio código de uso e ocupação do solo, dispõe de grande potencial de crescimento. O mapa acima demonstra o uso e ocupação em seus detalhes. Percebemos que, apesar de uma grande área ser ainda destinada às indústrias, na prática, estas estão deixando a região, sendo substituídas por serviços diversos como shoppings, empreendimentos comerciais de escritórios ou residenciais, mudando aos poucos o perfil do morador que, de renda média para baixa, passa a ser ocupada por moradores de maior poder aquisitivo. Vai acontecendo aqui, o mesmo efeito perverso de outras regiões que, após ganharem infraestrutura de maior envergadura, tiveram suas populações carentes sendo expulsas para bairros mais periféricos. Assim, a área azul mostra como ainda é pequena a oferta de educação no bairro que possui grandes bolsões vazios. A corrida pela ocupação dos espaços deixados pelas indústrias e a consequente verticalização do bairro, certamente adensará a procura por escolas e haverá que se planejar para que o público estudantil não tenha que se descolar da própria região onde mora. 16

17 Acima, é possível perceber a atuação do governo federal por meio do Programa de Aceleração do Crescimento PAC, no sentido de influenciar a ocupação residencial, criando alternativas aos cortiços instalados na Mooca, visando aumentar a oferta de moradias populares que sejam beneficiadas pelas vias de acesso que possibilitam o fluxo e o deslocamento populacional. O Mapa da exclusão social em São Paulo, produzido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Seguridade e Assistência Social NEPSAS, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC-SP, pela Divisão de Processamento de Imagens do Inpe Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e pelo Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais Instituto Pólis, nos ajudam a compreender a Mooca como o local de transição entre uma área bem servida de infra estrutura e os locais mais abandonados historicamente pelo poder público. É onde o papel de portal da educação que a FIP desempenha nessa Geografia da cidadania, se torna mais visível. A seta indica a localização do bairro da Mooca e, aproximadamente, onde se localiza a FIP. As cores variam do azul, onde há mais inclusão social, até o vermelho mais escuro, as áreas de maior exclusão. 17

18 É importante salientar que o conceito de exclusão social só existe onde os recursos disponíveis são negados a parcelas consideráveis da população. O mapa acima mostra um centro detentor de recursos e uma periferia que, ao contrário, luta para a manutenção de suas utopias. Os mapas que se seguem nos permitem visualizar de maneira efetiva a situação de desigualdade em nossa cidade. Assim, enquanto o grau de autonomia dos bairros começa com uma mancha azul significativa, à medida que passamos para os itens de qualidade de vida, desenvolvimento humano e equidade, essa mancha diminui drasticamente em direção ao vermelho, demonstrando como é precária a situação nos bairros mais periféricos e distantes do centro. A seta azul demonstra essa transição, já ressaltada, como um elemento significativo para as políticas educacionais pensadas na FIP. 18

19 O quadro mostra a contradição na cidade. A riqueza aumenta na mesma proporção de sua desigualdade levando a um quadro de eminente explosão social. Milton Santos, referência nos estudos sobre cidadania, já se perguntava nos anos 80, porque cidades como São Paulo nos explodiam em grandes convulsões sociais 3. Para o autor, morar na periferia, na maioria das cidades brasileiras, acaba sendo o destino dos mais pobres onde vivenciam toda carência e todo abandono. Ao olhar para o seu entorno a FIP encontra essa periferia e não pode estar alheia a essa realidade. Os transportes, grande problema de mobilidade urbana, colocam o estudante como um lutador que precisa enfrentar dificuldades enormes para ter acesso ao estudo, hoje, vital não mais ao crescimento, mas principalmente, à sobrevivência profissional. Dessa forma, a FIP procura, dentro de suas possibilidades contribuir para a equidade social, instrumento fundamental para que as cidades não explodam e para que obtenhamos a almejada paz social, não de maneira artificial, mas de maneira concreta e cidadã, daí a inserção de nossos alunos em atividades sociais. 3 Santos, Milton; O Espaço do Cidadão, São Paulo, Ed. Nobel,

20 Nos mapas abaixo a contradição de uma cidade capitalista típica como São Paulo aparece em toda sua magnitude. A pobreza procura a renda. A mancha azul se concentra no centro da cidade e é acompanhada pela população em situação de rua. É lá também que estão os empregos, porta de entrada do sonho da qual a FIP tem o orgulho de contribuir buscando a excelência no ensino. Os mapas seguintes demonstram como os serviços estão desigualmente distribuídos em São Paulo. É sabido que a especulação imobiliária expulsa os mais pobres quando a infraestrutura chega. Assim, os mais pobres não têm direito ao entorno, a gozar dos serviços de abastecimento, saneamento, educação, etc. Isolados na periferia, o tempo gasto em viagens diárias é uma questão significativa. Atenta a essa realidade, o planejamento do horário de funcionamento da FIP procura respeitar essa condição refletindo, em conjunto com os alunos, as melhores condições possíveis para que possam exercer seu direito aos estudos em condições mínimas de igualdade com os mais privilegiados socialmente. No mesmo quadro, é possível perceber, já em 2002, fenômeno que tem se acelerado nos últimos anos, o crescimento do bairro da Mooca no sentido de ofertas imobiliárias, tanto para moradias como para serviços. O que o mapa não mostra é a 20

21 desaceleração do parque industrial local, sendo rapidamente substituído pelo setor de serviços. A essa realidade do entorno a FIP também está atenta e sobre ela procura, em conjunto com a comunidade, refletir, discutir e encaminhar propostas e soluções. Dessa forma, o trabalho na FIP é feito com seriedade e baseado em análises científicas, como cabe a uma instituição acadêmica, mas também com o senso de humanidade, de respeito ao cidadão. 2.3 Políticas Institucionais O PPI das Faculdades Integradas Paulista está pautado nos principais pilares da educação superior: Política de Responsabilidade Social; Política de Ensino; Política de Pesquisa; Política de Extensão; Política de Gestão Acadêmica. 21

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SUPERIOR DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SUPERIOR DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SUPERIOR DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO 2015 1. Contextualização da FIP Faculdades Integradas Paulista...3 1.1. Perfil e Missão da FIP...4 1.2. Dados socioeconômicos da região de

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL

Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL Dados de Identificação: -Modalidade: Graduação Tecnológica -Ato Legal de Autorização: Resolução CONSUNI nº -Turnos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PEDAGOGIA

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PEDAGOGIA 1 S U M Á R I O 1. DA MANTENEDORA... 3 2. DA MANTIDA... 3 3. HISTÓRICO DAS FACULDADES INTEGRADAS PAULISTA... 4 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO... 6 Nome do curso... 6 Atos

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Faculdade Católica Dom Orione, Araguaína TO, torna pública a abertura das inscrições para

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

Projeto Pedagógico de Curso

Projeto Pedagógico de Curso 2012 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico de Curso UNIVERSIDADE CUIABÁ DE FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Educacional da Igreja Evangélica Assembléia de UF: PR Deus em Curitiba (AEIEADC) ASSUNTO: Credenciamento

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais