Dicas e Sugestões para o Comprador Hospitalar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dicas e Sugestões para o Comprador Hospitalar"

Transcrição

1 Dicas e Sugestões para o Comprador Hospitalar

2 Osetor de compras exerce uma atividade crucial para o funcionamento do estabelecimento de saúde, pois é nele onde acontece todo o processo de aquisição dos produtos, equipamentos, suprimentos e serviços que serão utilizados no hospital. Tal serviço é desempenhado por profissionais que através do seu trabalho garantem que o melhor chegue às mãos de toda a equipe médico- -hospitalar, possibilitando que o paciente seja tratado com qualidade e eficiência. Sabendo da importância desse setor, surgiu o pensamento de criar este e-book no qual os profissionais de saúde pudessem usar como base de aprendizado e de aprimoramento, não visando somente o comprador hospitalar, mas também qualquer pessoa que faça parte do processo de compras em algum momento, sendo do setor de homologação, logísitica e unidades de apoio. Os oito nomes presentes neste compêndio representam empresas de diferentes segmentos no setor hospitalar, dando ao leitor uma visão ampla do assunto e fazendo com que ele obtenha conhecimento abrangente das diversas demandas dessas empresas e suas particularidades. E eles são Angela Alves, do Hospital Infantil Sabará; Angela Haruko Kawada da Dal Bem Home Care; Claúdio Barban, Hospitais São Camilo; David Oliveira, Hospital Sepaco; José Paulinho Brand, Hospital Moinhos de Vento; Márcio Francesquini, Diretor de Relações Internacionais da ABMS; Mauro Stormowski, diretor do sindicato dos hospitais de Porto Alegre e Mônica Granzo, Pró-Saúde. Que este e-book sirva aos novos compradores e aos que há anos atuam no setor, elevando a qualidade do serviço beneficiando os pacientes e trazendo mais confiança aos estabelecimentos de saúde. Renan Cavalcante Eugenio Coordenador do projeto 2

3 Angela Alves - Hospital Infantil Sabará Formada em Ciências Econômicas com especialização em Administração Hospitalar e MBA em Gestão de Serviços em Saúde. Atua na área da saúde a mais de 25 anos, experiência em reestruturação de processos organizacionais, negociação com tomadores e prestadores de serviço, otimização de processos de faturamento, auditoria de contas médicas e gestão de suprimentos. Como você vê a área de compras hospitalares? Ocorreram grandes mudanças desde que você começou neste setor? A área de compras é uma área estratégica para as instituições de saúde devido ao grande impacto que os materiais, medicamentos e insumos têm no custo hospitalar. Com a estabilidade econômica alcançada em meados da década de 1990 as Operadoras de Planos de Saúde perderam resultados oriundos do mercado financeiro e em contra partida houve uma forte pressão para diminuição dos custos nos contratos com as instituições de saúde. Essa mudança forçou os hospitais a buscar maior especialização dos profissionais da área de compras. Surgiram os portais de Compras e crescimento das compras corporativas, compras conjuntas (grupos de hospitais). Os sistemas informatizados foram grandes responsáveis pelo aprimoramento da gestão de compras onde a visão foi ampliada envolvendo toda a cadeia de suprimentos e introdução dos indicadores de compras indispensáveis para a gestão. E acredita que grandes mudanças ocorrerão no futuro? Em função das estratégias adotadas pela ANS, tais como: ampliar o rol de coberturas nos planos de saúde, a normativa para cobrança dos medicamentos restritos a uso hospitalar, a ampliação da concorrência sugere um mercado mais competitivo em que a relação de maior qualidade com menor custo ficará mais evidente. Os hospitais tendem a manter um estoque cada vez menor, em que a prática Just in Time estará cada vez mais presente. Para absorver estas mudanças os portais de compras precisarão acompanhar estas tendências para aumentar o poder de barganha na relação fornecedor x cliente. Como você colocaria sua experiência no setor de compras hospitalares? A área hospitalar é uma área muito complexa onde se compra desde o papel A4 até equipamentos de alta tecnologia, exige planejamento e envolvimento de outras áreas. Compras não se resumem apenas na cotação de preços, mas é um processo que deve estar alinhado ao Planejamento Estratégico da instituição. Minha experiência está pautada na implementação de estratégias que buscam a eficiência e garante a melhor negociação (qualidade e preço). 3

4 Já trabalhou em outras áreas dentro do hospital, ou mesmo em outros hospitais? Sim, atuei em outra instituição onde fazia a gestão de suprimentos e áreas de faturamento/comercial, essa experiência foi muito interessante, pois permitiu que desenvolvêssemos uma visão sistêmica do negócio onde identificamos as interfaces entre os fluxos e percebemos as oportunidades de melhorias, como necessidade de revisão dos processos, necessidade de interação/integração com as outras áreas etc. Como está organizada a área de compras dentro do hospital? O setor de compras é o responsável pela aquisição de qualquer material, medicamento, equipamento, insumo, etc. Existe um apoio das áreas envolvidas para aprovação de marcas considerando a relação qualidade x custo, ou seja, as áreas envolvidas detalham e qualificam a compra. Após um parecer dos setores responsáveis o setor de compras inicia o processo de negociação. O setor de compras responde a diretoria de Logística / Comercial. Como se dá as compras de Mat/Med, Órteses e Próteses, Farmácia Hospitalar, Equipamentos, Materiais hospitalares e Materiais do edifício hospitalar? Elas são feitas por setores diferentes? Não, as compras são centralizadas no setor de compras. As áreas apenas participam no processo de seleção, porém a negociação a partir de marcas selecionadas é feita exclusivamente pelo setor de compras. Como funciona o ciclo de compras? Elas têm uma periodicidade, ou variam de acordo com a necessidade? O ciclo de compras é baseado na relação direta de criticidade do item no estoque x seu custo. A partir da relação ABC de estoque é definido o prazo de estoque considerando estoque de segurança + prazo de entrega. Quais os principais aspectos que são levados em conta na hora das compras? Os principais aspectos a serem considerados são: parceria instituída com o fornecedor, preço, prazo de entrega, condições de pagamento e qualidade do produto. Ou seja, a partir de um histórico de compras com este fornecedor ele é avaliado e cotado como um parceiro em função do bom atendimento, entrega com qualidade (esta é avaliada no momento do recebimento) e condições comerciais negociadas. O planejamento de consumo é uma conseqüência do desdobramento dos objetivos estratégicos da organização. São feitas pesquisas de preços entre os fornecedores? Sim, as pesquisas são feitas dentro de um grupo de fornecedores homologados para a compra através do Portal de Compras utilizado. 4

5 É feito algum tipo de pré-seleção para que as empresas possam entrar na lista de fornecedoras? O portal de compras utilizado na Instituição possui um registro dos principais documentos dos fornecedores, tais como: Licença de Funcionamento, Regularização perante órgãos fiscalizadores, etc. As compras são feitas pautadas nestes registros e em casos de dúvidas, cópias destes documentos são solicitadas pela própria Instituição. Há algum tipo de avaliação dos produtos antes de eles serem comprados? A avaliação é feita pela Comissão de Padronização da Instituição e este mesmo grupo é o responsável pelo parecer favorável ou não. O setor de enfermagem tem algum tipo de participação nas compras relativas à Mat./Med.? O setor de enfermagem não participa do processo de compras propriamente dito, mas sim do processo de padronização de materiais e medicamentos. A Comissão Interna de Padronização de Materiais e Medicamentos reúne-se mensalmente e antes de padronizar os materiais a enfermagem realiza testes e coloca seu parecer de aprovação. Após uma seleção de marcas padronizadas o setor de compras faz processo de aquisição. Existe uma troca de fornecedores periódica? E qual a política para esta troca? Existe uma lista de fornecedores que o setor de compras está autorizado a fazer a aquisição, apenas para casos em que temos uma parceria o setor de compras fideliza o fornecedor. Qual a política para atendimento dos representantes comerciais de empresas fornecedoras? Os representantes comerciais entram em contato com o setor de compras agendando visitas focadas e direcionadas, sendo priorizada a transparência e ética na divulgação de informações solicitadas por estes representantes. As compras hospitalares representam a maior fatia dos gastos dentro do hospital? No caso de um hospital pediátrico as compras hospitalares não representam a maior fatia de gastos. Fazem uso de algum tipo de central de compras ou compras agrupadas? Sim, as compras são feitas através do portal de compras Bionexo. Há alguma informação que acha importante ser compartilhada aos novos compradores? 5

6 A visão sistêmica é crucial para o sucesso e resultados excelentes do setor de compras, conhecer os nossos clientes nos ajuda a selecionar melhor nossos fornecedores. A interface do setor de compras com á área comercial e faturamento do hospital é fundamental. 6

7 Angela Haruko Kawada Técnica em Contabilidade e atualmente graduanda em Administração de Empresas. Foi Sócia Diretora da AMH1 Serviços à Saúde até 2010 quando se transferiu para o setor de compras da Dal Ben Home Care. Como você vê a área de compras hospitalares? Ocorreram grandes mudanças desde que você começou neste setor? Para a empresa o dep. de compras é um custo beneficio que agrega no orçamento e planejamento, pois gera maior controle do fluxo de caixa. Sim, há alguns anos utilizava se recursos básicos e não havia um departamento para centralizar as compras. Na atualidade dispomos de vários recursos tecnológicos, além de departamentos específicos, o que facilita a organização e centralização de informações. E acredita que grandes mudanças ocorrerão no futuro? Sim, com certeza, com os avanços tecnológicos e o investimento em ações que envolvam todo grupo da empresa para conscientizar da importância na utilização dos processos de forma correta para melhor controle do orçamento da empresa. Como você colocaria sua experiência no setor de compras hospitalares? Desde que assumi essa responsabilidade na Dal Ben Home Care, percebi que é um departamento de suma importância, onde diariamente temos que saber lidar com as necessidades departamentais e dosar com as possibilidades financeiras e filosofia da organização, buscando um bem comum, realizando investimentos em qualidade nos serviços e produtos. Já trabalhou em outras áreas dentro do hospital, ou mesmo em outros hospitais? Sim, já trabalhei na área financeira, com foco em faturamento/cobrança. Como está organizada a área de compras dentro do hospital? Esta organizada 100% dentro de um sistema de gerenciamento de informações. Como se dá as compras de Mat/Med, Órteses e Próteses, Farmácia Hospitalar, Equipamentos, Materiais hospitalares e Materiais do edifício hospitalar? Elas são feitas por setores diferentes? Não, estão centralizadas no departamento de compras da empresa. 7

8 Como funciona o ciclo de compras? Elas têm uma periodicidade, ou variam de acordo com a necessidade? Todas as solicitações de compra são efetuadas pelos gestores de área. O departamento de compras entra em contato com até 03 fornecedores para solicitar cotações e as que apresentam menor custo e melhor qualidade são encaminhadas aos gestores para aprovação. Se for aprovado é incluído na lista de aprovação para que a diretoria possa concretizar a compra e os documentos fiscais e boletos são direcionados ao departamento financeiro, caso não haja a aprovação o pedido é arquivado. Existe um controle das compras da empresa via sistema e mensalmente a diretoria recebe indicadores para melhor controle. Quais os principais aspectos que são levados em conta na hora das compras? Confiabilidade, pontualidade, qualidade dos produtos, idoneidade da empresa e preço justo são critérios avaliados para a escolha dos nossos fornecedores. São feitas pesquisas de preços entre os fornecedores? Sim, entre os melhores fornecedores, escolhemos os que apresentam melhor custo/ beneficio, levando se em conta a pontualidade e qualidade do produto entregue. É feito algum tipo de pré-seleção para que as empresas possam entrar na lista de fornecedoras? Sim, temos um plano de qualificação de fornecedores que visa selecionar as melhores empresas dentro do nosso padrão de exigência pautado em critérios internacionais de qualidade. Há algum tipo de avaliação dos produtos antes de eles serem comprados? Sim, antes da entrada de qualquer produto novo na empresa, os fornecedores trazem amostras para serem analisadas. O setor de enfermagem tem algum tipo de participação nas compras relativas à Mat./Med.? Sim, muitas vezes a coordenação de enfermagem é consultada para definir as necessidades exigidas pelos clientes antes da compra. Existe uma troca de fornecedores periódica? E qual a política para esta troca? Efetuamos a troca de fornecedores somente quando não atendem o padrão de exigência da empresa. Qual a política para atendimento dos representantes comerciais de empresas fornecedoras? Os representantes entram em contato com a empresa, solicitando uma visita, é feita 8

9 uma previa análise das necessidades do produto apresentado, bem como da idoneidade da empresa, caso haja interesse de nossa parte o agendamento é realizado por escrito para que o fornecedor realize a visita e apresente a sua solução. As compras hospitalares representam a maior fatia dos gastos dentro do hospital? A nossa maior fatia dos gastos é relativa à mão de obra. Fazem uso de algum tipo de central de compras ou compras agrupadas? Estamos em fase de implantação de um sistema de compras agrupadas. Há alguma informação que acha importante ser compartilhada aos novos compradores? Sim, é muito importante analisar cuidadosamente os fornecedores, realizar cursos e estar sempre atualizado ao mercado de saúde para conhecer as empresas e inovações que possam agregar benefícios à organização. 9

10 Claudio Barban Gerente de Compras da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo Como você a área de compras hospitalares? Ocorreram grandes mudanças desde que você começou nesse setor? R: Vejo a área de compras como um gerador de receitas. Numa época onde não se consegue reajustes de preços com facilidade é necessário reduzir os custos para se manter o lucro desejado. Na área hospitalar, mais de 45% dos custos estão envolvidos em materiais/medicamentos e equipamentos. Assim, a aquisição deles interfere diretamente no resultado financeiro. Ocorreram grandes mudanças, pois antigamente as compras eram feitas de maneira transacional. A informática e o aparecimento dos EDI S contribuíram para melhorar a qualidade das compras, bem como estabelecer novos modelos de compras. E acredita que grandes mudanças ocorrerão no futuro? Sem dúvida. Atualmente, os especialistas afirmam que as concorrências no mercado não são mais entre as empresas e sim nas cadeias de valor. Dessa forma, acho que as grandes mudanças ocorrerão nos relacionamentos entre os players. Como você colocaria sua experiência no setor de compras? Integrando cada vez mais os processos logísticos com a aquisição propriamente dita, envolvendo os fornecedores nos projetos, sempre que possível. Já trabalhou em outras áreas dentro do hospital ou mesmo em outros hospitais? Sim, já trabalhei no departamento de suprimentos que compreende os setores de programação de reposição, farmácias - central e satélite, almoxarifado e transportes. Como está organizada a área de compras dentro do hospital? A área de compras é corporativa. Assim, realiza compras das 3 unidades Pompeia, Santana e Ipiranga. O sistema de gestão integrada serve de base para as solicitações de compras. Como se dá as compras de mat/med, órteses e próteses, farmácia hospitalar, equipamentos e materiais do edifício hospitalar? Elas são feitas por pessoas diferentes? Sim. Temos um comprador para medicamentos, um comprador para materiais hospi- 10

11 talares, um comprador para materiais do edifício, bem como materiais não padrão em geral, um comprador internacional para as importações de equipamentos e aquisição de equipamentos no mercado local. Órteses e Próteses estão migrando para o departamento de compras de forma corporativa, uma vez que eram feitas pelos departamentos de suprimentos de cada unidade. Como funciona o ciclo de compras? Elas têm uma periodicidade ou variam de acordo com as necessidades? O sistema adotado hoje está hibrido: Kanban e Ponto de Pedido. Nos dois casos as compras ocorrem de forma variada, sendo diferente apenas que uma se baseia na previsão e a outra na demanda real. Quais os principais aspectos que são levados em conta na hora da compra? São vários os aspectos, por exemplo: preço, condições de pagamento, marca do produto, avaliação do fornecedor, por exemplo, se ele é aprovado pelo gafo, logística do fornecedor, etc... São feitas pesquisas de preços entre os fornecedores? Sim, utilizamos o portal de compras chamado Bionexo que é muito abrangente. Assim, nossas cotações atingem centenas de fornecedores e recebemos em média 30 respostas a uma cotação. É feito algum tipo de pré-seleção para que as empresas possam entrar na lista de fornecedores? Sim. Para medicamentos só compramos de fornecedores previamente qualificados pelo Gafo. Para materiais os fornecedores tem que apresentar na bionexo toda a documentação exigida que obedece a critérios rígidos e são constantemente monitorados pelo portal. Há algum tipo de avaliação dos produtos antes de eles serem comprados? Sim. Para materiais temos uma enfermeira especializada que é a responsável por inovações tecnológicas e solução de problemas técnicos. Nenhum material é padronizado na rede sem passar pela avaliação e testes supervisionados por essa enfermeira. Para medicamentos existe uma comissão de padronização dirigida por uma farmacêutica e composta por médicos e pelo departamento de compras, onde são analisados, além do aspecto técnico a viabilidade econômica do produto. O setor de enfermagem tem algum tipo de participação nas compras relativas à mat/med? Sim. Eles sugerem padronização de materiais e medicamentos que são analisadas pelas comissões citadas na pergunta anterior e participam ativamente na especificação dos equipamentos a serem adquiridos. 11

12 Existe uma troca de fornecedores periódica? E qual é a política para essa troca? Na realidade não temos fornecedores fixos por produto. As cotações e as oportunidades do mercado no ato da aquisição é que definem de quem serão comprados os mat/ med e equipamentos. Qual é a política para atendimentos dos representantes comerciais de empresas fornecedoras? Temos um dia da semana reservado para essa atividade, desde que os mesmos justifiquem previamente qual é o assunto a ser tratado. As compras dos hospitalares representam a maior fatia dos gastos dentro do hospital? Sim. Há alguma informação que acha importante ser compartilhada aos novos fornecedores? Sim achamos importante passar ao novo fornecedor uma visão ampla da instituição e o que ela pode agregar de valor a sua empresa. Comentamos sobre nossa visão, missão valores, metodologias utilizadas e principalmente a ética adotada pela empresa. 12

13 David A. Oliveira Formado em Administração Hospitalar pelo Centro Universitário Fundação Santo André. Possui experiência de 19 anos no setor hospitalar, sendo 4 anos no Hospital São Luis e completando 15 anos no Hospital Sepaco. Como você vê a área de compras hospitalares? Ocorreram grandes mudanças desde que você começou neste setor? Apaixonante por ser uma área de grandes transformações e inovações. Sim, a todo o momento há novidades e a competitividade é bem acentuada entre os fornecedores. E acredita que grandes mudanças ocorrerão no futuro? Sim. Tendo em vista a informatização e a velocidade Como você colocaria sua experiência no setor de compras hospitalares? Média, já que é impossível ter o conhecimento do todo. Já trabalhou em outras áreas dentro do hospital, ou mesmo em outros hospitais? Sim. Já trabalhei em outra instituição e tive passagem pelas áreas: Farmácia, Centro Cirúrgico, Centro Obstétrico, CTI Adulto, Pronto Atendimento, Recebimento e Almoxarifado. Como está organizada a área de compras dentro do hospital? É uma das áreas de maior relevância do hospital. A organização está descrita no item abaixo. Com o desempenho adequado deste setor podemos obter: - vantagens competitivas; - redução de custos; - redução de estoques; - aumento da margem de lucro; - negociação, redução e acompanhamento constante do quociente de posicionamento relativo. Como se dá as compras de Mat/Med, Órteses e Próteses, Farmácia Hospitalar, Equipamentos, Materiais hospitalares e Materiais do edifício hospitalar? Elas são feitas por setores diferentes? A área de compras está contida na área de Suprimentos e é representada por 3 células, sendo: 13

14 - aquisições de materiais diversos e medicamentos; - aquisições de equipamentos, materiais médico-hospitalares, materiais de construção, contratações de prestadores de serviços e negociações de contratos; - central de OPME. Como funciona o ciclo de compras? Elas têm uma periodicidade, ou variam de acordo com a necessidade? As compras são realizadas seguindo os critérios de tempo de processamento interno, tempo de estocagem e consumo médio mensal (ponto de pedido conforme curva ABC e XYZ). Sim, ela sempre obedece a uma periodicidade de compras, seguindo os critérios acima descritos, além da sazonalidade do consumo. Quais os principais aspectos que são levados em conta na hora das compras? Além dos já descritos acima, mais qualificação técnica dos produtos que são avaliados e aprovados antes da aquisição. São feitas pesquisas de preços entre os fornecedores? Sim, as cotações fazem parte de qualquer processo de compras. É feito algum tipo de pré-seleção para que as empresas possam entrar na lista de fornecedoras? Sim, a empresa antes de participar de qualquer processo de compras deverá fazer parte da relação de fornecedores aprovados pelo hospital, e para isso deverá atender os critérios de avaliação do mesmo. Há algum tipo de avaliação dos produtos antes de eles serem comprados? Sim, os produtos passam pela avaliação e análise técnica da comissão a qual pertencem e somente após aprovação desta é que as marcas/ produtos estarão aprovados para a compra. O setor de enfermagem tem algum tipo de participação nas compras relativas à Mat./Med.? Sim, este setor faz parte integrante de todas as comissões do hospital e a sua opinião tem grande relevância na qualificação dos produtos. Existe uma troca de fornecedores periódica? E qual a política para esta troca? Os fornecedores são avaliados a cada processo de compra e todos são informados desta avaliação no momento do cadastro e em cada cotação. Os fornecedores são avaliados durante todo processo de fornecimento: na área de compras (durante o processo de cotação) e na área de recebimento (quando da entrega da mercadoria), podendo de acordo com esta avaliação, ser advertido, suspenso ou parabenizado pela satisfação de tivemos no processo (avaliação de fornecedores). 14

15 Qual a política para atendimento dos representantes comerciais de empresas fornecedoras? O atendimento acontece através do agendamento prévio. As compras hospitalares representam a maior fatia dos gastos dentro do hospital? Apesar de não representar a maior fatia dos gastos, está entre as despesas de maior relevância. Há alguma informação que acha importante ser compartilhada aos novos compradores? É uma área contagiante, dinâmica, com grandes transformações e inovações tecnológicas e que exige muita dedicação dos profissionais, mas resulta em grande realização profissional. 15

16 J o s épa u l i n obr a n d

17 um maior controle e muito mais segurança dos produtos, praticamente eliminando possibilidades de problemas com fraudes, falsificação ou aquisição de medicamentos provenientes de origem duvidosa (roubo), além de melhorar a negociação no preço, prazos de pagamento e garantia nos prazos de entrega. E acredita que grandes mudanças ocorrerão no futuro? Acredito que o uso de novas tecnologias, novas plataformas e portais de compras irão crescer muito. A globalização e a adesão as redes sociais modificarão muito as práticas de compras. Isso torna a profissionalização da área ainda mais importante e um diferencial competitivo no mercado. Além disso, o acesso a informações de preços de qualquer parte do mundo e as possibilidades de importações diretas afetarão profundamente os modelos de compras tradicionais. Como você colocaria sua experiência no setor de compras hospitalares? A visão sistêmica, o conhecimento sobre processos de finanças, comerciais, logística e gestão de pessoas são fundamentais para a evolução da área. Trabalhar constantemente sob pressão com o atendimento de demandas urgentes e importantes, faz com que sejamos profissionais preparados e forjados para os novos desafios de qualquer atividade empresarial. Por fim, ter disciplina no método, esforço intelectual e muita dedicação são imprescindíveis para o sucesso. Já trabalhou em outras áreas dentro do hospital, ou mesmo em outros hospitais? Trabalhei vários anos em uma Instituição de Ensino Superior, passando por várias áreas como Contabilidades, Financeiro e por último na Gerência de Suprimentos. O 17

18 Hospital Moinhos de Vento está sendo a minha primeira experiência no segmento hospitalar. Vejo que a minha experiência anterior em várias áreas, me proporcionaram uma alavancagem na carreira e alicerçaram a minha trajetória atual. Como está organizada a área de compras dentro do hospital? As compras são centralizadas e segmentadas em áreas e por classes de insumos, conforme organograma abaixo. Superintendência Executiva Superintendência Administrativa Gerente de Suprimentos Gestão de Compras Gestão de Almoxarifado Comitê Padronização Materiais Medicamentos Importações Execução e Validação Técnica Atendimentos diário dos setores Recebimento de fornecedores Materiais Médicos Manutenção/ Consumo direto Mat Expediente Gráfica, Uniformes OPME Obras / Ativos Nutrição Recebimento Mat e Med Recebimento Planejamento Programação estoque Almox Mat Exp, Manutenção, etc Avaliação e e teste de novas marcas Secretaria Datamatrix e rastreabilidade Inventários e ajustes estoque Avaliação final e Padronização de Materiais Médicos Hospitalares Cadastro Insumos Em geral Fechamentos contábeis Cadastro Mat Médicos Hospitalares Como se dá as compras de Mat/Med, Órteses e Próteses, Farmácia Hospitalar, Equipamentos, Materiais hospitalares e Materiais do edifício hospitalar? Elas são feitas por setores diferentes? A área de Suprimentos do Hospital Moinhos de Vento está organizada conforme organograma acima. O foco principal está nas a aquisições de Materiais Médicos Hospitalares, Medicamentos e Órteses e Próteses, que seguem a política de compras definida pela instituição que tem como diretrizes principais; a) priorizar as compras diretamente com os fabricantes, b) homologar e padronizar marcas e produtos confiáveis, c) assinar contratos de médio/longo prazo com garantia de entrega assegurada e d) assegurar preços competitivos no mercado e condições de pagamento adequadas. Essas compras são executadas na grande maioria através de plataforma eletrônica de compras BIO- NEXO, a OPMEnexo e contratos corporativos. Da mesma forma as compras de equipamentos também são centralizadas e coordenadas pela Área de Suprimentos. Essas são executadas conforme o orçamento anual de investimentos. As negociações são respaldas pelos gestores das áreas demandantes que 18

19 definem juntamente com as áreas de engenharia as especificações técnicas e os níveis de atendimento (SLA). Os contratos além da área jurídica são analisados, revisados e assinados por todos os envolvidos conforme rege a Governança Corporativa do Hospital. A figura abaixo ilustra essa prática. Área Técnica Jurídico Objeto da Contratação Área usuária Gestor do Contrato Suprimentos Como funciona o ciclo de compras? Elas têm uma periodicidade, ou variam de acordo com a necessidade? Os ciclos de compras de materiais e medicamentos levam em conta a necessidade e garantia da disponibilidade dos insumos necessários para as atividades do Hospital, respeitando critérios técnicos, de padronização e de qualidade, dentro das especificações, quantidades e frequências de entrega negociadas com os fornecedores. Os equipamentos seguem um fluxo definido pelo orçamento anual de investimentos e cronogramas específicos de execução. Quais os principais aspectos que são levados em conta na hora das compras? O Hospital Moinhos de Vento deixa muito claro a seus fornecedores, quais requisitos considera importantes serem cumpridos. Solidez e capacidade tecnológica instalada. Preço competitivo e condições de negociação. Qualidade dos produtos e serviços. Comportamento ético e responsabilidade social. Sistemas de abastecimento ágeis e confiáveis. Flexibilidade e pró-atividade. Consciência no atendimento às normas legais, documentais, de segurança e ao meio ambiente. 19

20 Parceria como resultado do negócio. Nesta trajetória, o Hospital Moinhos de Vento tem plena consciência de que seus fornecedores, segmentados pelos diversos ramos de atividade, ocupam um papel de significativa importância. São feitas pesquisas de preços entre os fornecedores? Sim, além das cotações e pesquisas de preço nas Plataformas Eletrônicas de Compras, BIONEXO e OPMEnexo, fazemos normalmente 3 cotações de preços para valores mais relevantes e participamos de alguns grupos de compras conjuntas como o SINDIHOSPA, ANAHP, além de participar de feiras e realizar visitas de Fábricas e prospecções de novos distribuidores. Os próprios usuários em muitas oportunidades contribuem com informações relevantes sobre preços e negócios concorrentes. É feito algum tipo de pré-seleção para que as empresas possam entrar na lista de fornecedoras? Sim, temos a etapa de qualificação cadastral, onde solicitamos e avaliamos os principais documentos contábeis e de regularização fiscal da empresa, principais clientes já atendidos, cartas de recomendação, níveis de atendimento e visitas de validação técnica às instalações da empresa quando necessário. Há algum tipo de avaliação dos produtos antes de eles serem comprados? Sim, isso é imprescindível quando se trata de material médico hospitalar e medicamentos. Tanto o COMITÊ DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS como o COMITÊ DE PADRONIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS, fazem os testes e a homologação dos produtos com as equipes da Assistência e Médicos antes da padronização dos mesmos e posterior aquisição. Para equipamentos, normalmente de solicita modelos em demonstração para serem testados no Hospital. O setor de enfermagem tem algum tipo de participação nas compras relativas à Mat./Med.? Sim, temos uma Enfermeira na área de Suprimentos que centraliza e alinha as ações do Comitê de Padronização de Materiais no Hospital, relativas a área de Suprimentos, Assistência e Área de Enfermagem. Existe uma troca de fornecedores periódica? E qual a política para esta troca? No Hospital Moinhos de Vento se prioriza contratos de médio e longo prazo diretamente com os Fabricantes. Além disso, usa-se exclusivamente materiais e medicamentos de referência (de marca), fatos levam a uma certa fidelização de marcas e fabricantes. Porém, isso não quer dizer que não estejamos sempre atentos a validar novas marcas, novos fabricantes e distribuidores. No exemplo do segmento de equipamentos médicos e móveis, temos duas ou mais de três marcas validadas, o que ocasiona uma 20

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Pós Graduação em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV), finalizando.

Pós Graduação em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV), finalizando. Fábio Ramos do Carmo Brasileiro, Casado, 35 anos Rua José Pinto Junior, 21 San Vale, Natal RN Telefone: (84) 9441-8355 E-mail: fabioramos.profissional@gmail.com OBJETIVO Atuar de forma eficiente e eficaz

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR 2 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO:...3 1.1 Introdução...3 1.2 Missão...3 1.3 Negócio...3 1.4 Visão...3 1.5 Princípios...3 1.6 Objetivos...3 1.7 Compromissos Éticos do P.S.D.C. de Caxias do Sul...4

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas PPG - Programa de Profissionalização da Gestão Pequenas e Médias Empresas 2010 Comunidade de interesse em Gestão Empresarial + Convidados Discutir novas idéias e estimular o uso de conceitos e práticas

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

DIREITO. Pós-Graduação

DIREITO. Pós-Graduação DIREITO Pós-Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SER EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação,

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, Comex Exportação A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, facilita a impressão dos principais documentos da exportação como fatura comercial, packing list,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM USO DO BALANCED SOCORECARD: UM ESTUDO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM USO DO BALANCED SOCORECARD: UM ESTUDO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM USO DO BALANCED SOCORECARD: UM ESTUDO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO Claudia Alves Perez Ribeiro 1 André Medeiros Xavier de Souza 2 RESUMO Para atingir seus objetivos as empresas

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais