Preparatório de Avaliadores SBA/ONA 1/30-M.3.V.4-MBA SO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preparatório de Avaliadores SBA/ONA 1/30-M.3.V.4-MBA SO"

Transcrição

1 1/30-M.3.V.4-MBA SO

2 MÓDULO 3. INTERPRETANDO O MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO VOLUME 4 SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS SOS Apresentação Olá, neste Volume 4 do Módulo 3. Interpretando o Manual Brasileiro de Acreditação - MBA, estudaremos o instrumento de avaliação dos Serviços Odontológicos - SOs: Para fins de acreditação, um Serviço Odontológico é definido como entidade jurídica legalmente constituída, devidamente cadastrada no CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde), no qual se prestam serviços de assistência odontológica em regime de não internação, em consultório ou conjunto de consultórios com várias especialidades odontológicas ou não, preparados para pronto atendimento e/ou consultas, de caráter estatal ou privado, com ou sem fins econômicos, sob a direção de um mesmo responsável. Serviços dentro de uma mesma instituição, com pessoas jurídicas diferentes, ainda que sob a direção de um mesmo responsável, serão considerados serviços distintos. Serviços Odontológicos pertencentes a uma mesma organização, com CNPJ e CNES distintos, ainda que sob a direção de um mesmo responsável, serão considerados serviços distintos. Acompanhe-me. 2/30-M.3.V.4-MBA SO

3 Responsabilidades Coordenação ONA Educare Ione Fuhrmeister Roessler i Desenvolvimento do Projeto Pedagógico Autoria: o Ione Fuhrmeister Roessler Gestão de Ambiente: o Ione Fuhrmeister Roessler o Renata Gomes Wotter ii o Rossano Diniz iii Execução do Projeto Pedagógico: Equipe Tutorial o Ione Fuhrmeister Roessler o Renata Gomes Wotter o Rossano Diniz Comissão Técnica ONA Ione Fuhrmeister Roessler Jaqueline Knabach Gonçalves iv Maria Carolina de Toledo Sivieri Moreno v Péricles Góes da Cruz vi 3/30-M.3.V.4-MBA SO

4 Revisando os Requisitos do Manual Brasileiro de Acreditação - MBA Os requisitos do MBA abordam três conceitos que representam a base do SBA e da sua metodologia: Estrutura: Corresponde aos recursos necessários ao processo assistência, abrangendo a área física, pessoas, recursos materiais e financeiros, sistema de informação e instrumentos normativos técnico-administrativo. Processos: Atividades relacionadas à utilização dos recursos nos seus aspectos quantitativos e qualitativos e inclui o reconhecimento de problemas, métodos diagnóstico, diagnóstico e os cuidados prestados. Considera correto o quanto os procedimentos adotados são coerentes com o conhecimento científico vigente, quer na dimensão técnica e relacional. Resultados: Corresponde às consequências das atividades do serviço de saúde ou dos profissionais, em termos da melhoria do nível de saúde, da capacidade funcional restaurada, o alívio do sofrimento e a satisfação do cliente. 4/30-M.3.V.4-MBA SO

5 Revisando os Fundamentos da Acreditação Definição de onze fundamentos reconhecidos internacionalmente, expressos em cada nível e que podem se traduzir em melhores práticas e resultados: Visão sistêmica vii Liderança e estratégias viii Orientação por processos ix Desenvolvimento de pessoas x Foco no cliente xi Foco na prevenção xii Foco na segurança xiii Responsabilidade socioambiental xiv Cultura da inovação xv Melhoria contínua xvi Orientação para resultados xvii 5/30-M.3.V.4-MBA SO

6 AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS. Introdução O Processo de Acreditação é um método de consenso, racionalização e ordenação dos serviços odontológicos e, principalmente, de educação permanente dos seus profissionais. Desta forma, o Sistema Brasileiro de Acreditação considera que o Serviço Odontológico é um sistema complexo, onde as estruturas e os processos são de tal forma interligados, que o funcionamento de um componente interfere em todo o conjunto e no resultado final. Sendo assim, no processo de avaliação e na lógica do Sistema Brasileiro de Acreditação, não se avalia um setor ou departamento isoladamente. 6/30-M.3.V.4-MBA SO

7 Requisitos de Elegibilidade dos Serviços Odontológicos - SOs Serão elegíveis ao Diagnóstico Organizacional pela metodologia do SBA/ONA os SOs que cumprirem os seguintes pré-requisitos: Enquadrar-se no conceito de SOs, conforme determina a Norma para o Processo de Avaliação específica. Estar legalmente constituído a pelo menos 1 (um) ano. Possuir: CNPJ e CNES distinto de qualquer outra organização. Alvará de funcionamento. Licença Sanitária. Registro do responsável técnico no CRO. Diretrizes para Contratação do Diagnóstico Organizacional - DO Seleção de uma Instituição Acreditadora Credenciada IAC. Ser elegível para participar do processo. Recolher a Taxa de Inscrição para o processo de DO junto à ONA, antes do processo de visita. 7/30-M.3.V.4-MBA SO

8 Requisitos de Elegibilidade dos Serviços Odontológicos - SOs Serão elegíveis à Avaliação para Certificação pela metodologia do SBA ONA os SOs que cumprirem os prérequisitos para o Diagnóstico Organizacional acrescidos dos seguintes itens: Dispor de prazo superior a 1 (um) ano no caso do processo de avaliação realizado resultar em não certificação, a contar da data do parecer da IAC. Dispor de prazo superior a 1 (um) ano, em caso de cancelamento de certificação vigente pela metodologia do SBA ONA, a contar da data de homologação do cancelamento, pelo Conselho de Administração da ONA. Responsabilidades dos diversos agentes relacionados aos Processos de Avaliação para Diagnóstico Organizacional e para Certificação dos SOs: A avaliação é responsabilidade da equipe de avaliadores. A qualidade da avaliação é responsabilidade da Instituição Acreditadora Credenciada - IAC. O controle e a avaliação do processo de Diagnóstico Organizacional e de Certificação são responsabilidades da Organização Nacional de Acreditação. Atenção: Os requisitos do MBA buscam expressar os fundamentos de qualidade reconhecidos internacionalmente. 8/30-M.3.V.4-MBA SO

9 Avaliação para Certificação de Serviços Odontológicos O Processo de Avaliação para Certificação de um SO é: Voluntário, Independente, Fundamentado nas Normas Orientadoras - NO e Normas para o Processo de Avaliação, sendo específica a NA 14. Avaliação de Serviços Odontológicos, Realizado por equipe de avaliadores qualificados das IACs. O Processo de Avaliação para Certificação poderá resultar para o SO a certificação nos níveis 1 (um), 2 (dois) e 3 (três), Acreditado (validade dois anos), Acreditado Pleno (validade dois anos) e Acreditado com Excelência (validade de três anos), respectivamente. Diretrizes para Contratação do Processo de Avaliação para Certificação Seleção de uma Instituição Acreditadora Credenciada IAC. Ser elegível para participar do processo. Recolher a Taxa de Inscrição para o processo de avaliação para certificação junto à ONA, antes do processo de visita. 9/30-M.3.V.4-MBA SO

10 Fases do Processo de Avaliação para Acreditação do SO Preparação para a Avaliação IACs: Confirmação da Visita. Desenvolvimento do plano de visita. Reuniões do Processo de Avaliação: De abertura. Dos avaliadores durante a visita de avaliação. De encerramento da Avaliação A visita para avaliação é realizada pela equipe de avaliadores: Após ser firmado o contrato entre a IAC e o SO. E confirmado o recolhimento da Taxa de Inscrição no Processo de Avaliação, por parte da ONA. Relatório da Avaliação do SO: Preparado sob a orientação do avaliador líder, responsável por sua exatidão, Reflete com fidelidade o conteúdo da avaliação. 10/30-M.3.V.4-MBA SO

11 Fases do Processo de Avaliação para Acreditação do SO Encerra-se o Processo de Avaliação: Atenção: Com a aprovação do Relatório de Avaliação pela IAC e emissão do parecer final. Entrega do parecer final para o SO avaliado e os documentos correspondentes para a ONA. Caso o SO não concorde com o resultado do processo de avaliação para certificação poderá interpor recurso junto à IAC em até 45 dias. Manutenção da Certificação No período de validade do certificado do Acreditaç ao em qualquer nível, o SO terá dois mecanismos de controle para avaliação da manutenção do desempenho obtido no processo de avaliação: Visita ordinária para avaliação de manutenção da condição de certificado: o Periodicidade mínima anual e máxima semestral. Visita extraordinária para avaliação de manutenção da condição de certificado: o o o Mudança de: CNPJ, razão social, alta administração ou de propriedade do serviço Mudança de serviços terceirizados. Notificação de irregularidades ou de não conformidades. 11/30-M.3.V.4-MBA SO

12 Relembrando os Princípios e os Padrões dos Níveis Nível 1 - Segurança Padrão Atende aos requisitos formais, técnicos e de estrutura 1 ; executa as atividades proporcionando a segurança do cliente/paciente, conforme o perfil e porte da organização. Nível 2 Gestão Integrada Padrão Gerencia as interações entre os fornecedores e clientes; estabelece sistemática de medição do processo avaliando sua efetividade 2 ; promove ações de melhoria e aprendizado. Nível 3 Excelência em Gestão Padrão Desempenho dos processos alinhados e correlacionados às estratégias da organização; os resultados apresentam evolução de desempenho e tendência favorável; evidências de melhorias e inovações, decorrentes do processo de análise crítica, assegurando o comprometimento com a excelência. 1 Corresponde às características da assistência a saúde relacionada aos recursos físicos, humanos, materiais, tecnológicos, financeiros, organizacionais e de segurança. Envolve a capacidade de prestar assistência e a organização do serviço. 2 Manter-se sustentável no ambiente, apresentar resultados globais ao longo do tempo, cumprir o dever e aumentar o lucro (eficiência mais eficácia). 12/30-M.3.V.4-MBA SO

13 Estrutura do Manual Brasileiro de Acreditação Seções Nas seções agrupam-se os serviços (subseções) com características e fundamentos semelhantes e com afinidades entre si. São seis as seções: Subseções Padrões MO 1 Gestão e Liderança MO 2 Atenção Paciente/Cliente MO 3 - Diagnóstico MO 4 Apoio Técnico MO 5 Abastecimento e Apoio logístico MO 6 Infraestrutura Tratam do escopo específico de cada serviço ou processo. A lógica das subseções é que todas têm o mesmo grau de importância no processo de avaliação. Os padrões são elaborados em acordo ao seu princípio que deve ser integralmente atendido. Os Requisitos dos padrão têm o propósito de seu esclarecimento. 13/30-M.3.V.4-MBA SO

14 Seções do Manual dos Serviços Odontológicos MO 1. Gestão e Liderança Identifica qual o modelo de gestão adotado pela organização, aborda como o negócio da organização é conduzido por sua liderança e como esta liderança é exercida. MO 2. Atenção ao Paciente Cliente Agrupa atividades e serviços relacionados aos processos de atenção e cuidados aos pacientes/clientes, com características de contato direto com o usuário, processo ou serviço odontológico desenvolvido, equipe interdisciplinar envolvida, conjunto de insumos e espaço(s) institucional específico(s) a seus respectivos processos. MO 3. Diagnóstico Agrupa atividades e serviços relacionados aos processos de apoio ao diagnóstico e a terapêutica. MO 4. Apoio Técnico Compreende atividades transversais que auxiliam o bom funcionamento da organização. MO 5. Abastecimento e Apoio Logístico Agrupa atividades e serviços relacionados aos processos de abastecimento, provimento e apoio logístico que garantam a disponibilidade de recursos necessários às atividades fins da organização. MO 6. Infraestrutura Agrupa atividades e serviços relacionados ao gerenciamento dos processos de planejamento, execução e manutenção da estrutura físico-funcional. 14/30-M.3.V.4-MBA SO

15 Seção MO 1 Gestão e Liderança MO 1/1 Liderança Considera o modelo de gestão, as atividades relacionadas à definição, desdobramento e acompanhamento do planejamento estratégico e a política xviii de tomada de decisão com base em informação. MO 1/2 Gestão de Pessoas Atividades relacionadas à organização e coordenação das ações relativas ao planejamento de recursos humanos, condições de trabalho, saúde, segurança e desenvolvimento das pessoas 3. MO 1/3 Gestão Administrativa Atividades relacionadas à coordenação dos recursos que promovam a sustentabilidade da organização. MO 1/4 Gestão de Suprimentos Atividades relacionadas à organização e coordenação das ações relativas ao planejamento, aquisição, armazenamento, rastreabilidade e disponibilização de materiais, suprimentos e serviços. MO 1/5 Gestão da Qualidade Atividades relacionadas à organização e coordenação dos processos relativos ao planejamento, a melhoria da gestão e a política da qualidade. 3 As práticas devem levar em conta as diferentes categorias de pessoas como: contratados em tempo integral ou parcial, temporários, autônomos e contratados de terceiros que trabalham sob supervisão direta da organização de saúde. O termo pessoas refere-se ao corpo clínico, corpo técnico, corpo administrativo e de apoio. 15/30-M.3.V.4-MBA SO

16 Seção MO 2 Atenção ao Paciente/Cliente MO 2/1 Atendimento Ações voltadas para a recepção, admissão e orientação aos clientes, sistematizadas de acordo com o grau de complexidade e especialização da organização, articulação e comunicação eficiente com outras organizações de saúde para o encaminhamento e o retorno de pacientes, assegurando a continuidade de cuidados. MO 2/2 Atendimento Odontológico Processos voltados para a prestação de atendimentos de urgência, eletivos e de assistência aos clientes/pacientes, programados e/ou continuados. O modelo assistencial contempla ações preventivas, de diagnose, terapêuticas e de reabilitação. MO 2/3 Assistência Farmacêutica Atividades voltadas para o abastecimento de medicamentos, a conservação e controle de qualidade, a segurança e a eficácia terapêutica dos medicamentos, o acompanhamento e a avaliação da utilização, a obtenção e a difusão de informações sobre medicamentos e a educação permanente dos profissionais de saúde e do paciente para assegurar o uso racional de medicamentos. 16/30-M.3.V.4-MBA SO

17 Seções MO 3 Diagnóstico e MO 4 Apoio Técnico Seção MO 3 Diagnóstico MO 3/1 Diagnóstico por Imagem Processos que geram imagens, voltados para a realização da propedêutica e investigação de patologias, que apóiam a tomada de decisão clínica. Seção MO 4 Apoio Logístico MO 4/1 Sistema de Informação do Cliente/Paciente Conjunto de atividades que assegurem a integridade dos dados do cliente/paciente permitindo gerar informações consistentes e seguras, com o objetivo de propiciar a continuidade da assistência e a qualidade da prática clínica. MO 4/2 Gestão de Equipamentos e Tecnologia Odontológica Atividades destinadas à gestão do parque tecnológico da organização durante o seu ciclo de vida. Contempla o planejamento, especificação, seleção, recebimento, teste de aceitação, capacitação, instalação, operação, manutenção e desativação de equipamentos de suporte para a assistência. MO 4/3 Prevenção, Controle de Infecções e Eventos Sentinelas Diretrizes e ações sistemáticas e contínuas destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos, com vistas à redução máxima possível da incidência e da gravidade das infecções e eventos sentinelas. 17/30-M.3.V.4-MBA SO

18 Seção MO 5 Abastecimento e Apoio Logístico MO 5/1 Processamento de Roupas Ações voltadas para a coleta, separação, lavagem, secagem, classificação, distribuição e armazenamento da roupa para procedimentos clínicos e/ou cirúrgicos, assegurando a sua integridade e descarte correto. Observação: Roupas descartáveis serão avaliadas na subseção Gestão de Suprimentos. MO 5/2 Processamento de Materiais e Esterilização Atividades destinadas ao preparo, esterilização, guarda e distribuição de instrumental, órteses, próteses, materiais especiais e equipamentos para a organização. MO 5/3 Armazenamento e Transporte Atividades que asseguram as condições de transporte, estocagem e preservação de materiais, inclusive biológicos, insumos e produtos críticos tais como amostras biológicas, órgãos, tecidos e células, incluindo hemocomponentes, medicamentos e outros, garantindo a sua integridade. MO 5/4 Higienização Atividades destinadas à limpeza concorrente e terminal, desinfecção de ambientes e controle de pragas e vetores. MO 5/5 Gestão da Segurança Atividades que asseguram a proteção contra ocorrências de perda ou lesão da integridade física e do patrimônio. 18/30-M.3.V.4-MBA SO

19 Seção MO 6 Infraestrutura MO 6/1 Gestão da Estrutura Físico-Funcional Gerenciamento da estrutura físico-funcional, das instalações, mobiliário e equipamentos, promovendo a segurança e integridade para o desenvolvimento das atividades institucionais. As figuras representam as cadeiras de dentista em duas épocas, em 1880 e em /30-M.3.V.4-MBA SO

20 Seções de Aplicação Obrigatória para os Serviços Odontológicos As seções e subseções abaixo serão obrigatoriamente aplicadas em todos os serviços avaliados, independente das suas características e perfil. Seções MO 1 - Gestão e Liderança MO 2 - Atenção ao Paciente/Cliente Subseções MO 1/1 Liderança MO 1/3 Gestão Administrativa MO 1/5 Gestão da Qualidade MO 1/2 Gestão de Pessoas MO 1/4 Gestão de Suprimentos MO 2/1 Atendimento MO 2/2 Atendimento Odontológico MO 2/3 Assistência Farmacêutica MO 4 Apoio Técnico MO 4/1 Sistema de Informação do Cliente/Paciente MO 4/2 Gestão de Equipamentos e Tecnologia Odontológica MO 4/3 Prevenção, Controle de Infecções e Eventos Sentinelas MO 5 Abastecimento e Apoio Logístico MO 6 Infraestrutura MO 5/2 Processamento de Materiais e Esterilização MO 5/3 Armazenamento e Transporte MO 6/1 Gestão da Estrutura Físico-Funcional MO 5/4 Higienização MO 5/5 Gestão da Segurança 20/30-M.3.V.4-MBA SO

21 Seções de Aplicação Conforme o Perfil dos Serviços Odontológicos As seções e subseções abaixo serão obrigatoriamente aplicadas de acordo com as características e perfil dos Serviços Odontológicos avaliados. Seções Subseções MO 3 Diagnóstico MO 5 Abastecimento e Apoio Logístico MO31/1 Diagnóstico por imagem MO 5/1 Processamento de Roupas As exclusões serão consideradas na medida em que não interfiram no enfoque sistêmico, no controle dos riscos específicos, na segurança dos clientes e na responsabilidade pelo serviço prestado. Atenção Serviços Não Incluídos no Instrumento de Avaliação e Presentes no Serviço Odontológico Caso existam serviços que não estão incluídos no instrumento de avaliação, o processo para a acreditação adotará os requisitos e padrões a seguir apresentados. 21/30-M.3.V.4-MBA SO

22 NÍVEL 1 Padrão Atende aos requisitos formais 4, técnicos e de estrutura 5 ; executa as atividades proporcionando a segurança do cliente/paciente, conforme o perfil e porte da organização. Requisitos do Padrão Profissionais com capacitação compatível, dimensionados à complexidade e perfil da organização. Condições operacionais e de infraestrutura que permitam a execução das atividades, considerando o perfil do serviço. Critérios e procedimentos de segurança para a utilização e manuseio de materiais, produtos, equipamentos e serviços. Gerencia o fluxo e a demanda do serviço. Comunicação efetiva entre as áreas. Sistema de informação com registros atualizados. Mecanismos de validação 6 dos procedimentos de rastreabilidade da informação. 4 Requisitos legais e regulamentares. 5 Corresponde às características da assistência a saúde relacionada aos recursos físicos, humanos, materiais, tecnológicos, financeiros, organizacionais e de segurança. Envolve a capacidade de prestar assistência e a organização do serviço. 22/30-M.3.V.4-MBA SO

23 NÍVEL 1 Ainda os Requisitos do Padrão Requisitos do Padrão Define planos de contingências. Assegura o suporte técnico 7 e promove a educação permanente dos profissionais de saúde. Monitora a qualificação dos fornecedores críticos 8. Monitora a manutenção preventiva e corretiva das instalações e dos equipamentos, incluindo, se aplicável, da calibração. Cumpre as diretrizes de prevenção e controle de infecção, se aplicável. Sistema de notificação e gerenciamento de eventos sentinela 9. Gerencia os resíduos. Gerencia riscos 10 assistenciais, sanitários, ambientais, ocupacionais e jurídicos. 6 Estabelecimento de evidências documentadas que prove um alto grau de garantia a um processo específico, garantindo consistentemente que o produto esteja de acordo com as normas de qualidade. 7 Atividade destinada à assessoria aos clientes internos, a fim de assegurar a eficácia do processo. 8 Fornecedores de produtos ou serviços que impactam diretamente na qualidade da assistência ao cliente/paciente. 9 Ocorrência inesperada ou variação do processo envolvendo óbito, qualquer lesão física ou psicológica, ou risco dos mesmos. 10 Envolve os ciclos de prevenção, detecção e mitigação do risco, visando um sistema seguro. 23/30-M.3.V.4-MBA SO

24 NÍVEL 2 Padrão Gerencia as interações entre os fornecedores e clientes; estabelece sistemática de medição do processo avaliando sua efetividade 11 ; promove ações de melhoria e aprendizado. Requisitos do Padrão Identifica fornecedores e clientes e sua interação sistêmica. Formaliza a interação dos processos entre cliente e fornecedores. Gerencia a interação 12 entre os processos e sua melhoria. Evidencia a efetiva utilização do conhecimento e das habilidades, na execução das atividades dos processos. Evidencia o impacto no processo decorrente das ações de aprendizado. Dispõe de sistemática de medição e avaliação da efetividade 13 do processo. Promove ações de melhoria e a minimização de riscos. Evidencia o impacto e a efetividade 14 do gerenciamento de riscos. 11 Manter-se sustentável no ambiente, apresentar resultados globais ao longo do tempo, cumprir o dever e aumentar o lucro (eficiência mais eficácia). 12 Identifica e acompanha a relação entre os processos, incluindo o tratamento das não conformidades. 13 Manter-se sustentável no ambiente, apresentar resultados globais ao longo do tempo, cumprir o dever e aumentar o lucro (eficiência mais eficácia). 24/30-M.3.V.4-MBA SO

25 NÍVEL 3 Padrão Desempenho dos processos alinhados e correlacionados às estratégias da organização; os resultados apresentam evolução de desempenho e tendência favorável; evidências de melhorias e inovações, decorrentes do processo de análise crítica, assegurando o comprometimento com a excelência. Requisitos do Padrão Indicadores alinhados e correlacionados às estratégias da organização. Resultados apresentam informações íntegras e atualizadas. Estabelece uma relação de causa e efeito entre os indicadores, onde os resultados de um influenciam os demais, bem como permitem a análise crítica do desempenho e a tomada de decisão. Apresenta evolução de desempenho e tendência 15 dos indicadores de resultado 16 global. Realiza análises críticas sistemáticas com evidências de ações de melhoria e inovações. Apresenta tendência favorável de desempenho de resultados. Identifica oportunidades de melhoria de desempenho através do processo contínuo de comparação com outras práticas organizacionais (comparação com referencial externo aplicável), com evidências de resultados positivos. 14 Manter-se sustentável no ambiente, apresentar resultados globais ao longo do tempo, cumprir o dever e aumentar o lucro (eficiência mais eficácia). 15 Serão considerados para a avaliação de tendência três ciclos de análise crítica global. O ciclo de análise crítica global deve ocorrer com periodicidade mínima semestral. 16 Variáveis que servem para medir as mudanças das condições de saúde no extrato da população atendida. 25/30-M.3.V.4-MBA SO

26 Especialistas e Serviços Terceirizados Instituição Acreditadora Credenciada - IAC incluirá na equipe avaliadora especialistas da área em avaliação, para atender aos requisitos técnicos e éticos do processo de acreditação, no caso: De o conjunto de serviços existentes representem uma parcela significativa dos serviços prestados à comunidade/clientela, Destes serviços se configurem na especialidade da referida organização. Os serviços terceirizados serão avaliados da seguinte forma: A equipe de avaliadores no processo de preparação da visita verificará de modo antecipado, os serviços terceirizados existentes, sua importância no conjunto de serviços prestados no modelo assistencial adotado e o impacto em termos dos princípios do processo de avaliação para a acreditação, de modo a assegurar o atendimento aos requisitos técnicos e éticos do processo de acreditação. Todos os serviços terceirizados que impactam no resultado da assistência devem ser obrigatoriamente avaliados in loco, mesmo que isto possa repercutir nos custos do processo. Serviços terceirizados substituídos devem ser obrigatoriamente avaliados in loco na visita subsequente de manutenção, mesmo que isto possa repercutir nos custos do processo. As IACs em qualquer momento do processo de avaliação poderão recorrer ao fórum de jurisprudência da ONA para esclarecimento de aspectos omissos nas Normas Técnicas ou no MBA. 26/30-M.3.V.4-MBA SO

27 Equipe de Avaliadores Composição da Equipe de avaliadores Para realizar o processo de avaliação para a acreditação dos Serviços Odontológicos, será necessária uma equipe de avaliadores formada por no mínimo dois membros, sendo: um avaliador líder com experiência em avaliação e conhecimento da metodologia do Sistema Brasileiro de Acreditação - ONA e um avaliador com competência compatível com as características do serviço. Caso necessário podem ser incluídos especialistas na equipe de avaliadores. É facultado à ONA, em qualquer momento, designar observador para acompanhar a equipe de avaliadores da IAC durante o processo de avaliação. Parâmetros mínimos para a definição de tempo de visita e equipe de avaliadores O dimensionamento de avaliadores deve ser calculado tomando por base as seguintes referências: Número de pessoas da organização de saúde; Complexidade da organização de saúde; Número de serviços e unidades de atendimento assistenciais da organização; Número de serviços e/ou terceiros fora da sede, incluindo o deslocamento da equipe. A referência número de pessoas do SO deve utilizar a tabela Número de Pessoas - Avaliador/dia xix. As informações das demais referências devem complementar o dimensionamento do tempo de visita e equipe de avaliadores. 27/30-M.3.V.4-MBA SO

28 Tabela Número de Pessoas do SO versus Avaliador/dia Número de Pessoas Avaliador/Dia Número de Pessoas Avaliador/Dia > Seguir o mesmo modelo de progressão 28/30-M.3.V.4-MBA SO

29 Conclusão Bem, Chegamos ao final deste Módulo 3 Volume 4, onde revisamos as Normas para o Processo de Avaliação dos Serviços Odontológicos - SOs. Lembre-se que: A avaliação de todas as categorias de SOs deve ser realizada utilizando-se o instrumento de avaliação NA 14 Avaliação dos Serviços Odontológicos; Dia é considerada uma jornada diária de no mínimo oito horas de trabalho, podendo se estendida por decisão da IAC. Avaliador/dia é a relação entre o número de avaliadores e os dias necessários para a visita de avaliação. Os casos omissos no Manual Brasileiro de Acreditação específico devem ser elaborados com a supervisão da ONA. Agora: Releia o texto, veja os vídeos e demais materiais indicados. Realize as tarefas propostas no AVA para este módulo. Fale conosco sempre que necessário Equipe Tutorial ONA Educare 29/30-M.3.V.4-MBA SO

30 Convite Olá Pessoal, As Normas Orientadoras do SBA/ONA define os processos, as responsabilidades e também o código de posturas de todos os envolvidos na NO 7. Código de Ética: ONA Instituição Acreditadora Credenciada Avaliador Organização Prestadora de Serviços de Saúde, Programas da Saúde, Prevenção de Riscos e Serviços Para a Saúde. Após uma pausa restauradora, volte à minha companhia para que possamos continuar o curso Preparatório de Avaliadores SBA/ONA, com o módulo: M 4. Redação de Comentários. 30/30-M.3.V.4-MBA SO

31 Notas: i Médica, Especialista em Medicina Interna, Medicina do Trabalho, Ensino Superior, Educação a Distância, Gestão Educacional; Mestre em Saúde e Comportamento; Pós- Graduanda em MBA em Auditoria em Saúde - Coordenação ONA Educare. ii Cientista da Computação. Pós-Graduanda em MBA em Administração e Marketing - Tutoria ONA Educare. iii Pedagogo, Especialista em Gestão da Educação - Supervisão e Orientação Escolar e Aluno Especial no Mestrado em Educação Física da ESEF / UFPEL - Tutoria ONA Educare. iv Analista de Sistemas, Especialista em Gestão Empresarial - Consultoria ONA. v Médica, Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Administração Hospitalar e Mestranda do curso de Mestrado Profissional em Saúde Coletiva do Departamento de Medicina Social da FCM Santa Casa de São Paulo - Consultoria ONA. vi Médico, Especialista em Pediatria, Administração Hospitalar e em Gerência Hospitalar - Consultoria ONA. vii Visão Sistêmica: Relações de interdependência entre os diversos componentes da organização, bem como entre a organização e o ambiente externo. Visão da organização em seu conjunto. viii Liderança e estratégias: Atuação de forma aberta, participativa, inovadora e motivadora das pessoas para a realização de um objetivo comum, compreendendo os fatores que afetam a organização no curto e longo prazo, visando à melhoria contínua e a sua sustentabilidade. ix Orientação por processos: Organização gerenciada por um conjunto de atividades segmentadas e inter-relacionadas, visando à tomada de decisão e execução de ações, com base na medição e análise do desempenho. x Desenvolvimento de pessoas: Criação de condições que promovam a realização profissional e as relações humanas, através do comprometimento, do trabalho em equipe, do desenvolvimento de competências e da educação continuada, potencializando o desempenho pessoal e organizacional. xi Foco no cliente: Geração de valor para o atendimento às expectativas e necessidades dos clientes internos e externos, considerando o tratamento humanizado como parte integrante das atividades da organização. xii Foco na prevenção: Capacidade da organização de se antecipar às situações desejáveis e indesejáveis, às mudanças previstas e não previstas, às necessidades dos clientes e de outras partes interessadas. xiii Foco na segurança: Promoção de um ambiente seguro com uma abordagem da aprendizagem que identifica, analisa, propõe e implementa melhorias para reduzir ou impedir a ocorrência de eventos adversos. 31/30-M.3.V.4-MBA SO

Preparatório de Avaliadores SBA/ONA 1/50-M.3.V.3-MBA SPS

Preparatório de Avaliadores SBA/ONA 1/50-M.3.V.3-MBA SPS 1/50-M.3.V.3-MBA SPS MÓDULO 3. INTERPRETANDO O MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO VOLUME 3 SELO DE QUALIFICAÇÃO ONA SERVIÇOS PARA A SAÚDE Apresentação Olá, Neste Volume 3 do Módulo 3. Interpretando o Manual

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Objetivos Conhecer o Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA) Conhecer o Manual Brasileiro de Acreditação (MBA) - 2010 Conhecer as propostas

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A Organização Nacional de Acreditação, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º, inciso II, do seu Estatuto, aprovado em 21 de janeiro de 2008, adotou a seguinte e eu, Presidente da ONA, determino

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Esta seção agrupa os componentes relacionados ao sistema de governo da Organização, aos aspectos

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Assistência à Saúde MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 117 3.ª Edição Revista e Atualizada Brasília DF 2002 1998. Ministério

Leia mais

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Assistência à Saúde MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 117 3.ª Edição Revista e Atualizada Brasília DF 2002 1998. Ministério

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 INFRA-ESTRUTURA Esta seção agrupa todos os componentes que se relacionam à gestão e à manutenção da infra-estrutura da organização. Subseções atuais: Gestão de Projetos

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Organização Nacional de Acreditação (ONA)

Organização Nacional de Acreditação (ONA) Organização Nacional de Acreditação (ONA) Manual das Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares - 2010 Ana Cristina Rossetti Gerente Assistencial Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch Instituto

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, COMPOSIÇÃO, DURAÇÃO E DEFINIÇÕES Artigo 1 - Este Regimento disciplina e estrutura as atividades

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 37, de 11 de julho de 2011 D.O.U de 12/07/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 11, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2012

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 11, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2012 DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 11, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre o funcionamento de laboratórios analíticos que realizam análises em produtos sujeitos à Vigilância Sanitária e dá outras

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO 1 de 10 1. OBJETIVO Este regulamento tem como objetivo definir as regras que regem o Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem (Padi) e os principais conceitos aplicáveis aos processos de auditoria

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cgti@listas.ifbaiano.edu.br Site: http://www.ifbaiano.edu.br

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES Jurema da Silva Herbas Palomo Diretora Coordenação de Enfermagem Instituto do Coração HC / FMUSP Enfermeiro Gestor Compete a responsabilidade da n Definição

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição.

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição. Dimensão Hospitalar A dimensão hospitalar foi estruturada em perspectivas, critérios e itens de avaliação, sendo que os critérios e itens de avaliação estão contemplados em seis perspectivas: 01 Ações

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Nome da Ocupação: Tecnologia em Gestão Hospitalar Descrição da ocupação: O tecnólogo em

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC, no âmbito do IPEA. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE

Leia mais