Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Professora: Larissa Camporez Araújo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Professora: Larissa Camporez Araújo"

Transcrição

1 Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Professora: Larissa Camporez Araújo

2 De acordo com a NBR 12655, o responsável pelo recebimento do concreto é o proprietário da obra ou o responsável técnico pela obra, designado pelo proprietário; A documentação comprobatória da execução desta Norma deve estar disponível no canteiro de obra, durante toda a construção. Ou arquivada na Central dosadora.

3 Durabilidade, Acabamento, segurança, resistência a intemperismos Recebimento correto do material, correta avaliação do material em laboratório Conferir no Documento de Entrega, segundo o Conferir no Documento de Entrega, segundo o manual de concreto da ABESC: Volume do concreto; Classe de Agressividade; Abatimento (slump-test); Fck, ou consumo de cimento/ m³; Aditivo, quando solicitado. Quantidade de água, entre outros.

4 Conforme a NBR 7223: Para o Concreto preparado na Obra: O ensaio de consistência deve ser realizado quando: ocorrer alteração na umidade dos agregados, na primeira amassada do dia, ao reiniciar o preparo após interrupção de 2h, na troca dos operadores e cada vez que forem moldados corpos de prova. Para o concreto preparado por empresas: O ensaio deve ser realizado a cada betonada.

5 O ensaio de abatimento nos permite saber se foi utilizada quantidade de água além da prevista!!! H 2 O Diminui a resistência do concreto, modifica características como:tempo de cura e porosidade Dificulta a aplicação do concreto, criando nichos de concretagem NÃO DEVERÁ SER UTILIZADO!!!! As regras para reposição da água perdida por evaporação são especificadas pela NBR 7212

6 É um ensaio limitado expressa a trabalhabilidade do concreto através de um único parâmetro. Equipamentos:

7 Realização do ensaio segundo a NBR NM 67: O local do ensaio deve ser plano, sem vibrações e regular; A amostra deve ser coletada em um recepiente não absorvente, sem furo, limpo e umidecido; A quantidade coletada deve ser de pelo menos 1,25 a 1,50 x 5,5 litros; A amostra é coletada após a adição total de água na betoneira; O tempo entre a coleta e o início do ensaio de abatimento deve ser de aproximadamente 5 mim.

8 Como realizar o ensaio in loco Na primeira camada, a metade dos golpes deve ser dado próximos à parede interna do molde; No adensamento das camadas restantes, a haste deve penetrar até ser atingida a camada anterior;

9 Como realizar o ensaio in loco Após o adensamento, retirar o complemento; Para desmoldagem: elevar o molde pelas alças; O abatimento é a distância, em mm, entre a haste do socamento e o centro da amostra.

10 Considerações Deverá ser refeito o ensaio: se houver desmoronamento, deslizamento ou se houver dúvidas sobre o resultado obtido; Se o abatimento obtido no ensaio estiver de acordo com o especificado na nota fiscal, o caminhão é liberado; NÃO ADICIONAR ÁGUA APÓS O INÍCIO DA CONCRETAGEM

11 Moldagem dos corpos de prova cilíndricos de concreto (NBR 5738): A amostra deve ser colhida entre 15% e 85% do volume total do concreto; A coleta deve ser feita cortando o fluxo de descarga; Os moldes devem estar limpos e untados, e serem colocados sobre uma base nivelada; Os moldes devem ficar em local protegido ;

12 Moldagem dos corpos de prova cilíndricos de concreto (NBR 5738): Um corpo de prova bem moldado não deve apresentar nichos ou vazios de concretagem; Após a retirada da amostra, o prazo máximo para a moldagem deve ser de 15 minutos; Deve-se misturar bem o concreto antes de colocá-lo no molde; A moldagem não deve sofrer interrupções.

13 Instrumentos necessários para a amostragem: Moldes metálicos: de formato cilíndrico, com 100 e 150 mm de diâmetro e respectivamente com altura de 200 e 300 mm; Haste de socamento: barra de aço reta, com 600mm de comprimento de 16 mm de diâmetro; Concha: deve ser confeccionado em material rígido não absorvente; Colher de pedreiro. Exemplares: Cada exemplar é constituído por dois corpos de prova da mesma amassada, conforme a NBR 5738, para cada idade do rompimento, moldados no mesmo ato. Toma-se como resistência do exemplar o maior dos dois valores obtidos no ensaio.

14

15

16 Moldagem dos corpos de prova cilíndricos de concreto (NBR 5738): Devem ser moldados em local próximo àquele em que serão armazenados nas primeiras 24h, não podendo haver transporte; Após retirada da amostra, o prazo para moldagem deve ser de 15 minutos; A moldagem do corpo de prova uma vez iniciada não deve sofrer interrupção.

17 Os corpos de prova nos moldes devem ser colocados em ambientes sem perturbações e em temperatura ambiente por 24h; Após este período deve-se identificar os corpos de prova e transferi-los para o laboratório, onde serão rompidos para testar sua resistência.

18 Considera-se dois tipos de controle da resistência (NBR 12655): Controle estatístico do concreto por amostragem parcial Controle do concreto por amostragem total Para cada um é prevista uma forma de cálculo do valor estimado da resistência característica f ckest dos lotes do concreto.

19 Controle estatístico do concreto por amostragem parcial: Para lotes com números de exemplares 6 n 20: Onde, m = n/2. Despreza-se o valor mais alto de n, se for ímpar; f 1, f 2,...,f n = valores das resistências dos exemplares, em ordem crescente.

20 Controle estatístico do concreto por amostragem parcial: Para lotes com número de exemplares n 20: Onde, f cm é a resistência média dos exemplares do lote, em MPa; S d é o desvio padrão do lote para n-1 resultados em MPa

21 Controle estatístico do concreto por amostragem total: Para n 20, f ckest = f 1; Para n > 20, f ckest = f i ; i = 0,05 n. Quando o valor de i for fracionário, adota-se o número inteiro imediatamente superior.

22 Onde Ψ 6 é dado pela tabela, para o número de exemplares de 2 a 5.

23 Os lotes de concreto devem ser aceitos, quando o valor estimado da resistência característica satisfizer a relação:

24 O recebimento do concreto consiste na verificação do cumprimento da NBR 12655, através da análise e aprovação da documentação correspondente, no que diz respeito às etapas de execução do concreto e sua aceitação. Em caso de existência de não conformidade, devem ser obedecidos os critérios estabelecidos na NBR 6118.

25 Normas ABNT; Manual do Concreto Dosado em Central ABESC ( Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem do Brasil) disponível em: Recebimento de Concreto e coleta de amostras no canteiro disponível em:

Controle tecnológico de aceitação do concreto Estudo de caso

Controle tecnológico de aceitação do concreto Estudo de caso 1 Controle tecnológico de aceitação do concreto Estudo de caso Lyncon Costa Honda lynconch@gmail.com MBA em Projeto, Execução e Controle de Estruturas e Fundações. Instituto de Pós-Graduação - IPOG Campo

Leia mais

ENSAIOS NO CONCRETO. Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com ENSAIOS NO CONCRETO

ENSAIOS NO CONCRETO. Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com ENSAIOS NO CONCRETO Universidade ederal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Referências para essa aula: (NBR 12655, 2006) MEHTA; MONTEIRO

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 09 parte 2. Concreto

Materiais de Construção Civil. Aula 09 parte 2. Concreto Materiais de Construção Civil Aula 09 parte 2 Concreto Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Traço do concreto Existem tabelas prontas de traço que dão o valor aproximado da resistência esperada ou pode-se

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção

Leia mais

Estaca Escavada Circular

Estaca Escavada Circular Estaca Escavada Circular 1 Definição e Recomendações da Norma NBR 6122 / 96 A Norma NBR 6122 / 96 define estaca escavada como o tipo de fundação profunda executada por escavação mecânica, com uso ou não

Leia mais

Dosagem para concreto

Dosagem para concreto em Edificações Dosagem para concreto INSTITUTO FEDERAL SÃO PAULO Campos do Jordão Prof. Dr. 1. Introdução DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Resistência característica da dosagem. Responsabilidades

Leia mais

Todo concreto estrutural deverá ser usinado e dosado em peso, não se aceitando dosagens volumétricas.

Todo concreto estrutural deverá ser usinado e dosado em peso, não se aceitando dosagens volumétricas. 03.00.000 FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO 03.02.000 ESTRUTURAS DE CONCRETO 03.02.100 CONCRETO ARMADO A estrutura de concreto armado será executada em estrita obediência às disposições do projeto estrutural,

Leia mais

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO Concretos fornecidos podem não estar atingindo a resistência à compressão pedida nos projetos estruturais. Polêmica envolve construtores, concreteiras, projetistas

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Serviços Preliminares

MEMORIAL DESCRITIVO. Serviços Preliminares MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial refere-se aos serviços a serem executados para construção de ponte mista, com longarinas em vigas metálicas perfil I bi-apoiadas, sendo as bases de apoio construídas

Leia mais

O princípio da ação e reação (3a Lei de Newton) leva a outro conceito: o da. Até quando um corpo consegue reagir, ou resistir, a uma forca aplicada?

O princípio da ação e reação (3a Lei de Newton) leva a outro conceito: o da. Até quando um corpo consegue reagir, ou resistir, a uma forca aplicada? AS FORÇAS E AS DEFORMAÇÕES O princípio da ação e reação (3a Lei de Newton) leva a outro conceito: o da RESISTÊNCIA DOS CORPOS Até quando um corpo consegue reagir, ou resistir, a uma forca aplicada? A resposta

Leia mais

Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS

Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS TIPOS DE TIJOLOS PARA ALVENARIA 1 - Tijolos maciços cerâmicos 2 - Tijolos de solo cimento 1 - TIJOLOS MACIÇOS Definições Componente industrializado

Leia mais

Concretagem da Laje de Fundo do Poço Sul da Estação Vila Prudente Lote 8 da Linha 2 Verde do Metrô de São Paulo METRÔ DE SÃO PAULO

Concretagem da Laje de Fundo do Poço Sul da Estação Vila Prudente Lote 8 da Linha 2 Verde do Metrô de São Paulo METRÔ DE SÃO PAULO Concretagem da Laje de Fundo do Poço Sul da Estação Vila Prudente Lote 8 da Linha 2 Verde do Metrô de São Paulo A MAIOR CONCRETAGEM REALIZADA PELO A MAIOR CONCRETAGEM REALIZADA PELO METRÔ DE SÃO PAULO

Leia mais

Atividade. 04) Qual a finalidade da cura do concreto? De que maneira a cura pode ser realizada (cite no mínimo 3 exemplos)?

Atividade. 04) Qual a finalidade da cura do concreto? De que maneira a cura pode ser realizada (cite no mínimo 3 exemplos)? Curso: Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios - Disciplina: Construções de Concreto Armado - Data: / / Aluno: Turma: Professor: Marcos Valin Jr Atividade 01) Defina: A- Concreto B- Concreto

Leia mais

ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO

ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5.

Leia mais

Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão

Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão Seminário Evolução da marcação Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão João André Produção e controlo do betão Marcos históricos principais RBLH Anos 70, 80 e 90 (até 1996, formalmente);

Leia mais

As novas diretrizes para o controle de aceitação do concreto simples

As novas diretrizes para o controle de aceitação do concreto simples 56 Resumo As novas diretrizes para o controle de aceitação do concreto simples The new guidelines for the simple concrete acceptance control João Vitor Gomes Silva 1 Lucas Henrique Lozano Dourado de Matos

Leia mais

Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil

Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Os corpos de prova moldados segundo a NBR 5738 devem conter as seguintes informações: Número de identificação do corpo de prova; Data da moldagem; Idade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ESTRUTURAL E DE FUNDAÇÕES CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ESTRUTURAL E DE FUNDAÇÕES CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ESTRUTURAL E DE FUNDAÇÕES CENTRO VOCACIONAL TECNOLÓGICO RIO PARDO MEMORIAL DESCRITIVO 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão

Leia mais

ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a

ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a As Novas Normas (revisadas): ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a ABNT NBR 7680 Concreto Extração, preparo, ensaio e analise de testemunhos de estruturas

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 009 ETP009 Lacres para unidade de medição.

Especificação Técnica de Projeto N.º 009 ETP009 Lacres para unidade de medição. SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 009 Especificação Técnica de Projeto N.º 009 ETP009 Lacres para unidade de medição. 1. Objetivo. Esta ETP 009, especificação Técnica de Projeto nº 009

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Engenharia FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO SISTEMAS ESTRUTURAIS II

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Engenharia FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO SISTEMAS ESTRUTURAIS II Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO SISTEMAS ESTRUTURAIS II COMENTÁRIOS Norma NBR 6118/2007 Prof. Eduardo Giugliani 1 0. COMENTÁRIOS

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia. Manual de Orientações Básicas

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia. Manual de Orientações Básicas Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Manual de Orientações Básicas Tema do concurso A tarefa proposta é a construção e o teste de carga de uma ponte treliçada, utilizando papel-cartão

Leia mais

OFICINA CULTURAL GLAUCO PINTO DE MORAIS

OFICINA CULTURAL GLAUCO PINTO DE MORAIS SECRETARIA DA CULTURA PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO ESTRUTURAL OFICINA CULTURAL GLAUCO PINTO DE MORAIS BAURU / SP SETEMBRO/2013 SUMÁRIO 1. PROJETO ESTRUTURAL... 2 1.1. Reforço estrutural...

Leia mais

PAREDES E LAJES DE CONCRETO

PAREDES E LAJES DE CONCRETO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA PAREDES E LAJES DE CONCRETO ARMAÇÃO, CONCRETAGEM, ESTUCAMENTO e FORMAS LOTE 1 Versão: 002

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 MURO DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Muros de Arrimo. Concreto Armado.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 MURO DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Muros de Arrimo. Concreto Armado. TÍTULO ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 MURO DE RRIMO EM CONCRETO RMDO ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Muros de rrimo. Concreto rmado. PROVÇÃO PROCESSO PR 010974/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TUBOS DE COBRE RÍGIDOS E FLEXÍVEIS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-200-CPG-039 1 / 7 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006

1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006 1 1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006 Definições: Índice de forma do agregado: Média da relação entre o comprimento e a espessura dos grãos do agregado, ponderada

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Argamassa Polimérica. Argamassa Polimérica

FICHA TÉCNICA. Argamassa Polimérica. Argamassa Polimérica PÁGINA: 1/5 1 Descrição: A Argamassa GoiásCola é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA PROPRIEDADES FÍSICAS DA MADEIRA AULAS 2 e 3 EDER BRITO GENERALIDADES A madeira é um material não homogêneo com muitas variações. Além disto, existem diversas espécies com diferentes

Leia mais

I TORNEIO CIENTÍFICO PONTES DE MACARRÃO

I TORNEIO CIENTÍFICO PONTES DE MACARRÃO I TORNEIO CIENTÍFICO PONTES DE MACARRÃO EDITAL DO DESAFIO ÁREA: ESTRUTURAS TEMA: PONTES DE ESPAGUETE Maceió 2016 1 INTRODUÇÃO Com o objetivo de interligar pontos, transpor obstáculos e promover acesso

Leia mais

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível); Especificar o tipo de argamassa de assentamento;

Leia mais

FIGURA 12. ARMADURAS PARA BASE DA CÂMARA DE CARGA (FONTE: AUTOR DA PESQUISA, 2015)

FIGURA 12. ARMADURAS PARA BASE DA CÂMARA DE CARGA (FONTE: AUTOR DA PESQUISA, 2015) 38 FIGURA 12. ARMADURAS PARA BASE DA CÂMARA DE CARGA As armaduras na base foram feitas em formado de gaiola, sendo que em sua maioria foi utilizado aço com diâmetro de 10 mm espaçados a cada 20 cm, conforme

Leia mais

Nº 1.4.23 Revisão: Nome: Compactação Próctor Normal Sem Reuso. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos.

Nº 1.4.23 Revisão: Nome: Compactação Próctor Normal Sem Reuso. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos. ENSAIO DE COMPACTAÇÃO SEM REUSO 1. Objetivo Determinação da curva de compactação, do teor de umidade de compactação (h ótima ) e da densidade seca

Leia mais

Fundação Carmel itana Mário Pal mério MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II LABORATÓRIO 04. Professor: Yuri Cardoso Mendes

Fundação Carmel itana Mário Pal mério MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II LABORATÓRIO 04. Professor: Yuri Cardoso Mendes Fundação Carmel itana Mário Pal mério MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II LABORATÓRIO 04 Professor: Yuri Cardoso Mendes ESTUDO DE DOSAGEM Nesta aula prática será feita a determinação da dosagem do concreto

Leia mais

DER/PR ES-D 03/05 DRENAGEM: ENTRADAS E DESCIDAS D ÁGUA

DER/PR ES-D 03/05 DRENAGEM: ENTRADAS E DESCIDAS D ÁGUA DRENAGEM: ENTRADAS E DESCIDAS D ÁGUA Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

Preliminares. Preliminares. f ck. f ck,ext,j. Conceitos: à qual o objetivo de uma investigação com extração de testemunhos? resistência do concreto

Preliminares. Preliminares. f ck. f ck,ext,j. Conceitos: à qual o objetivo de uma investigação com extração de testemunhos? resistência do concreto resistência do concreto cimento agregados água aditivos Dosagem mão-de-obra equipamentos betoneira do Laboratório de Pesquisa ao Canteiro de Obras Paulo Helene Diretor PhD Engenharia Conselheiro Permanente

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR Concreto - Preparo, controle e recebimento

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR Concreto - Preparo, controle e recebimento ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT

Leia mais

Estrutura Concreto Armado. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria

Estrutura Concreto Armado. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Estrutura Concreto Armado Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Concreto Concreto: Argamassa + Agregados graúdos Argamassa: Pasta + Agregados miúdos (+ aditivos) Pasta: Aglomerante + Água Característica

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET Termo de Referência Mobiliário Objeto O presente Termo de Referência tem por objetivo a aquisição de mobiliários para atender as demandas decorrentes das novas

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test)

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) NORMAS - NBR 8036: Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos; - NBR 7250: Identificação e descrição de amostras de solo obtidas em sondagens

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD SUMÁRIO 1. SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD... 2 2. PROCEDIMENTO DE TESTE DE SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD PARA O SISTEMA SCOOT... 3 3. DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

Revisado em 18/11/2008

Revisado em 18/11/2008 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO INICIAL E SUBSEQUENTE DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO E RESFRIAMENTO DE LEITE A GRANEL NORMA N o NIE-DIMEL- APROVADA EM N o Revisado em 18/11/2008 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo

Leia mais

OBR 01 CONCRETAGEM CÓPIA CONTROLADA Nº: 02

OBR 01 CONCRETAGEM CÓPIA CONTROLADA Nº: 02 ESCALA CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS LTDA. PROCEDIMENTO OPERACIONAL DA OBRA OBR 01 CONCRETAGEM NBR ISO 9001:2008 e PBQP-H ELABORADO E FORMATADO POR: Andrezio Eugenio da Silva PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS:

Leia mais

f ck Resumo Conceituação Análise dos resultados (NBR ) Critérios para tomada de decisão a partir da análise dos resultados

f ck Resumo Conceituação Análise dos resultados (NBR ) Critérios para tomada de decisão a partir da análise dos resultados Análise e Tomada de Decisão a partir dos Eng o Tibério Andrade (MSc) Recife, de março de dos Resumo Conceituação Análise dos resultados (NBR- ) Critérios para tomada de decisão a partir da análise dos

Leia mais

Projeto ABNT NBR 7809. Agregados graúdo Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro - Método de ensaio. Apresentação

Projeto ABNT NBR 7809. Agregados graúdo Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro - Método de ensaio. Apresentação ICS 91.100.20 SET 2005 Projeto ABNT NBR 7809 ABNT Associação Brasileira de Agregados graúdo Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro - Método de ensaio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especificação de Serviço 1. Página 1 de 5 DEFINIÇÃO São caixas intermediárias que se localizam ao longo da rede para permitir modificações de alinhamento, dimensões, declividades

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Concreto determinação da consistência pelo consistômetro Vebê

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Concreto determinação da consistência pelo consistômetro Vebê Método de Ensaio Página 1 de 5 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, apresenta o procedimento para a determinação da consistência do concreto pelo Consistômetro de Vebê. Não se aplica a concretos

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO 18 Janeiro.2012 ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO INSPEÇÃO E ENSAIOS A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO INSPEÇÃO

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Concreto moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Concreto moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos Método de Ensaio Página 1 de 13 RESUMO Este documento apresenta o procedimento a ser adotado para moldagem, desforma, transporte, cura e preparo de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto,

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

ENSAIOS DOS MATERIAIS

ENSAIOS DOS MATERIAIS Ensaios Mecânicos dos Materiais Ensaio de tração NBR ISO 6892:2002, Assossiação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT Entre os diversos tipos de ensaios existentes para avaliação das propriedades mecânicas

Leia mais

Agregados - análise granulométrica

Agregados - análise granulométrica MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DA QUALIDADE DA MADEIRA COMPENSADOS DE MADEIRA TROPICAL E PINUS PNQM-CT E PNQM-CP

PROGRAMA NACIONAL DA QUALIDADE DA MADEIRA COMPENSADOS DE MADEIRA TROPICAL E PINUS PNQM-CT E PNQM-CP PROGRAMA NACIONAL DA QUALIDADE DA MADEIRA COMPENSADOS DE MADEIRA TROPICAL E PINUS PNQM-CT E PNQM-CP PARÂMETROS REV. 4 (24/09/2004) 1 CLASSIFICAÇÃO DAS TORAS Classe 1: Densidade Classe 2: Densidade Classe

Leia mais

Inspeção de Qualidade

Inspeção de Qualidade Roteiro Inspeção de Qualidade 1. Inspeção para Aceitação 2. Planos de Amostragem Simples 3. Determinação Plano de Amostragem 4. Inspeção Retificadora 5. Plano de Amostragem Dupla 6. Planos de Amostragem

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE O DIMENSIONAMENTO DO PAVIMENTO RÍGIDO E FLEXÍVEL PARA A AVENIDA FERNANDO FERRARI

COMPARATIVO ENTRE O DIMENSIONAMENTO DO PAVIMENTO RÍGIDO E FLEXÍVEL PARA A AVENIDA FERNANDO FERRARI Associação de Ensino Superior Unificado do Centro Leste COMPARATIVO ENTRE O DIMENSIONAMENTO DO PAVIMENTO RÍGIDO E FLEXÍVEL PARA A AVENIDA FERNANDO FERRARI Msc. Flavia Regina Bianchi Engª. Isis Raquel Tacla

Leia mais

Estaca pré-fabricada de concreto

Estaca pré-fabricada de concreto CONCEITO Podem ser de concreto armado ou protendido. São utilizadas com maior frequência em obras de pequeno e médio porte e causam grande vibração no solo. TIPOS/MODELOS Sua seção pode ser quadrada, hexagonal,

Leia mais

GOIÂNIA. Eng. Roberto Barella Filho

GOIÂNIA. Eng. Roberto Barella Filho PROGRAMA OBRAS MONITORADAS ALVENARIA ESTRUTURAL GOIÂNIA Eng. Roberto Barella Filho GOIÂNIA METODOLOGIA DE COLETA DE INDICADORES Eng. Roberto Barella Filho OBJETIVOS PROGRAMA OBRAS MONITORADAS ALVENARIA

Leia mais

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES DO SISTEMA DRYWALL (PSQ-Drywall)

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES DO SISTEMA DRYWALL (PSQ-Drywall) PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES DO SISTEMA DRYWALL (PSQ-Drywall) Diagnóstico e evolução do setor, considerando os três primeiros semestres (setoriais) do Programa Abril de 2006 PROGRAMA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Readequação de espaços divisórias em drywall FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA Readequação de espaços divisórias em drywall FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Readequação de espaços divisórias em drywall FÁBRICAS DE CULTURA JAÇANÃ ÍNDICE DO TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA 1. OBJETIVO GERAL 2. JUSTIFICATIVA 3. DA MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO 4. DISPOSIÇÕES

Leia mais

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206.

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206. ATENDIMENTO DE DE SERVIÇOS E TECNOLÓGICO 1 DE 8 1. NORMAS DE DE SERVIÇOS 1.1 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO NBR 13133 - Execução de levantamento topográfico, 30/05/1994. Errata em 30/12/1996. 1.2 SOLOS E FUNDAÇÕES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Impermeabilização da laje de cobertura do prédio principal FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA Impermeabilização da laje de cobertura do prédio principal FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA laje de cobertura do prédio principal FÁBRICAS DE CULTURA BRASILÂNDIA ÍNDICE DO TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA 1. OBJETIVO GERAL 2. JUSTIFICATIVA 3. DA MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO 4. DISPOSIÇÕES

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL AULA 12 : Traço de Concreto e suas propriedades PROFESSOR: DANILO FERNANDES DE MEDEIROS, M.SC danilofmedeiros@yahoo.com.br Bem como outros conhecimentos já abordados nas aulas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Hidrante

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO DE NORMA 18:600.23 PARA ESTACAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO DE NORMA 18:600.23 PARA ESTACAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO DE NORMA 18:600.23 PARA ESTACAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO Eng. Msc. Luis Fernando de Seixas Neves NORMA: ESTACAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO REQUISITOS ABNT/CB-18 Projeto

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 Descrição

Leia mais

Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS

Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de

Leia mais

Profa. Fabiana L. Oliveira

Profa. Fabiana L. Oliveira Profa. Fabiana L. Oliveira CONCRETAGEM: conj. de atividades relativas à: Produção Recebimento Transporte Aplicação do concreto Vantagens: excelente resistência à água; facilidade com que os elementos estruturais

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

TecnoFacens 2016. CONCRETAR Desafio do Concreto Colorido

TecnoFacens 2016. CONCRETAR Desafio do Concreto Colorido TecnoFacens 2016 CONCRETAR Desafio do Concreto Colorido REGULAMENTO DO 4º CONCRETAR Desafio do Concreto Colorido 1. OBJETIVO 1.1 Este concurso pretende testar a habilidade dos competidores na preparação

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Controle de Qualidade do Concreto Procedimento dos serviços:

Leia mais

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final.

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final. Questão 19 Questão 19. 19 O concreto deve ser protegido durante o processo de endurecimento (ganho de resistência) contra secagem rápida, mudanças bruscas de temperatura, excesso de água, incidência de

Leia mais

ESTUDO DO USO DO LODO DE INDÚSTRIA TÊXTIL COMO AGREGADO AO CONCRETO PARA ANÁLISE DE RESISTÊNCIA

ESTUDO DO USO DO LODO DE INDÚSTRIA TÊXTIL COMO AGREGADO AO CONCRETO PARA ANÁLISE DE RESISTÊNCIA ESTUDO DO USO DO LODO DE INDÚSTRIA TÊXTIL COMO AGREGADO AO CONCRETO PARA ANÁLISE DE RESISTÊNCIA Giovanna Carolina de Souza Pessoa; Suellen Suemy Hokazono RESUMO Pretende-se utilizar como agregado o lodo

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.1. Ensaios in situ. Eduardo S. Júlio 2011/2012 1/31 1/9 AVALIAÇÃO IN SITU DA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS 04 1/5 Obs: 1. Medidas em milímetros. 2. Variações nas partes não cotadas são admissíveis, desde que mantidas as características eletromecânicas especificadas nesta EMD. 3. No interior da rosca, espaço

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 11 ESTACAS ESCAVADAS DE GRANDRE DIÂMETRO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Estacões. Escavação Profunda.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 11 ESTACAS ESCAVADAS DE GRANDRE DIÂMETRO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Estacões. Escavação Profunda. TÍTULO ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 11 ESTCS ESCVDS DE GRNDRE DIÂMETRO ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Estacões. Escavação Profunda. PROVÇÃO PROCESSO PR 010974/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA OBTER LIGAÇÃO DE ÁGUA E PARA MONTAGEM DA MURETA PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANESC

INSTRUÇÕES PARA OBTER LIGAÇÃO DE ÁGUA E PARA MONTAGEM DA MURETA PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANESC Instrução Normativa a partir de 01 de Junho de 2014 INSTRUÇÕES PARA OBTER LIGAÇÃO DE ÁGUA E PARA MONTAGEM DA MURETA PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANESC Passo 1 Certifique a disponibilidade do serviço de

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 3º ENCONTRO CONSTRUTIVO DESEMPENHO DO CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 16/12/2014 NBR 12655 CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO PROCEDIMENTO. 4. ATRIBUIÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Formulação 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

sistema construtivo Steel Frame

sistema construtivo Steel Frame sistema construtivo Steel Frame A Allmas é uma indústria da construção civil, especializada na fabricação de estruturas e na construção em Steel Frame ou Light Steel Frame (LSF). Atua nos segmentos residenciais,

Leia mais

Poste de concreto seção duplo T

Poste de concreto seção duplo T Poste para Rede de Distribuição, Linha de Transmissão e Subestação Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 10 Poste para entrada de serviço Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma se aplica a Dimel e aos Órgãos delegados da RBMLQ-I. 3 RESPONSABILIDADE

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma se aplica a Dimel e aos Órgãos delegados da RBMLQ-I. 3 RESPONSABILIDADE VERIFICAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO VOLUMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-044 APROVADA EM JUL/24 N o /05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Referência

Leia mais

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR NORMA BRASILEIRA REGISTRADA NO INMETRO A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é reconhecida como único Foro Nacional de Normalização, responsável

Leia mais

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Boas práticas para compra e recebimento do concreto Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Cadeia Construtiva: Fluxo simplificado de informações Projetista o que comprar

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A VF

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A VF a) Descreva a ruptura do concreto, relatando o seu comportamento quando submetido à tensões de compressão até 30% da ruptura, entre 30 e 50%, entre 50% e 75% e de 75% até o colapso. b) Defina cura do concreto,

Leia mais

Selo de Segurança para Medição de Cliente

Selo de Segurança para Medição de Cliente ETA 003 Rev. 0 Maio / 2001 Selo de Segurança para Medição de Cliente Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

Desumidificadores DESIDRAT. Manual de Instruções e Garantia. ATENÇÃO: Leia antes de ligar o aparelho

Desumidificadores DESIDRAT. Manual de Instruções e Garantia. ATENÇÃO: Leia antes de ligar o aparelho Desumidificadores DESIDRAT Manual de Instruções e Garantia ATENÇÃO: Leia antes de ligar o aparelho Prezado Cliente, Parabéns! Você acaba de adquirir um desumidificador DESIDRAT. Esse aparelho foi construído

Leia mais

Perícia relativa a manifestações patológicas recorrentes, em processo de repintura das paredes externas de Parque Fabril.

Perícia relativa a manifestações patológicas recorrentes, em processo de repintura das paredes externas de Parque Fabril. APRESENTAÇÃO LUÍS HENRIQUE POY Engenheiro Civil UFSC, 1989 Especialista em Patologias nas Obras Civis UTP, 2008 Consultor, Perito e Avaliador Judicial Perícia relativa a manifestações patológicas recorrentes,

Leia mais

Estudo dos Traços. Prof. Amison de Santana Silva

Estudo dos Traços. Prof. Amison de Santana Silva Estudo dos Traços Prof. Amison de Santana Silva Traços - Definição Relação entre as proporções de cimento e os outros materiais componentes (areia, cal, água, aditivos) = Traço. Pode ser especificado em

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR160 PAREDES DE CONCRETO Sistema construtivo em que as lajes e as paredes são moldadas em conjunto, formando um elemento

Leia mais

TECNOLOGIA DO BETÃO. Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury

TECNOLOGIA DO BETÃO. Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury TECNOLOGIA DO BETÃO Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury Dados: Análise granulométrica dos inertes (quadro 1); Massa Volúmica das britas, 2660 Kg/m Massa Volúmica das areias, 26 Kg/m

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

Novos critérios para a recertificação de inspetor de pintura industrial, com base na norma ABNT NBR 15218:2014

Novos critérios para a recertificação de inspetor de pintura industrial, com base na norma ABNT NBR 15218:2014 Novos critérios para a recertificação de inspetor de pintura industrial, com base na norma ABNT NBR 15218:2014 Autor: Ednilton Alves Pereira (Associação Brasileira de Corrosão - ABRACO) Dez/2014 Introdução

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. 03.01.01 ESCAVAÇÃO MANUAL EM SOLO-PROF. ATE 1,50 m

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. 03.01.01 ESCAVAÇÃO MANUAL EM SOLO-PROF. ATE 1,50 m ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 03.01 MOVIMENTO DE TERRA 03.01.01 ESCAVAÇÃO MANUAL EM SOLO-PROF. ATE 1,50 m A escavação manual das valas será feita de acordo com o projeto estrutural e as necessidades do terreno.

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS. Referência: NT-AI.03.05.01. Data: 17/04/2.

NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS. Referência: NT-AI.03.05.01. Data: 17/04/2. NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS Referência: NT-AI.03.05.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.03.05.01.pdf Data: 17/04/2.001 STATUS: PRELIMINAR

Leia mais