TÍTULO DE LA COMUNICACIÓN:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO DE LA COMUNICACIÓN:"

Transcrição

1 TÍTULO DE LA COMUNICACIÓN: Português: A importância da percepção dos residentes dos impactes do turismo e da interacção residente-visitante no desenvolvimento dos destinos turísticos Inglês: The relevance of the hosts perception of tourism impacts and hosts-tourist interaction on the development of tourism destinations AUTOR 1: Celeste Eusébio AUTOR 2: Maria João Carneiro DEPARTAMENTO: DEGEI, GOVCOPP UNIVERSIDAD: Universidade de Aveiro ÁREA TEMÁTICA: Turismo RESUMEN: Os residentes são importantes stakeholders da actividade turística, influenciando o processo de desenvolvimento dos destinos turísticos. A literatura revela que quando os residentes percepcionam os benefícios do turismo desenvolvem atitudes favoráveis em relação ao turismo, contribuindo para uma maior interacção com os visitantes. Esta interacção poderá contribuir para um aumento da satisfação dos visitantes e da fidelização aos destinos. Pretende-se com este artigo analisar o tipo de relação existente entre a percepção dos residentes dos impactes do turismo num destino urbano e o nível de interacção que os residentes estabelecem com os turistas. Com base nesta análise pretende-se, também, analisar a importância da avaliação da percepção dos impactes do turismo e da interacção entre visitantes e residentes no processo de desenvolvimento turístico dos destinos. Procedeu-se à administração de um questionário aos residentes da cidade de Aveiro para avaliar a percepção dos impactes do turismo e o grau de interacção, em diferentes contextos, que estabelecem com os visitantes. Foram obtidos 570 questionários válidos. Foram utilizadas várias análises estatísticas, nomeadamente Análise de Componentes Principais e Análise de Regressão Linear Múltipla. Os resultados obtidos evidenciam que os residentes da cidade de Aveiro percepcionam sobretudos os benefícios socioculturais do turismo, sentem-se à vontade quando têm que interagir com os visitantes, apresentando, no entanto, um grau de interacção com os visitantes relativamente baixo. Observou-se, igualmente, que a percepção dos impactes do turismo influencia o grau de interacção que os residentes estabelecem com os visitantes. O artigo termina com um conjunto de orientações que os responsáveis pelo desenvolvimento dos destinos deverão ter em consideração para promoverem o desenvolvimento sustentável destes destinos. PALABRAS CLAVE: interacção residente-turista, destinos urbanos, impactes do turismo, desenvolvimento sustentável, estratégias de desenvolvimento dos destinos turísticos

2 1.Introdução O turismo é considerado uma das principais actividades económicas e sociais a nível mundial. Os indicadores estatísticos mais recentes publicados pela WTTC (2009) revelam que, em 2009, o turismo contribuiu com cerca de 7,6% do emprego total a nível mundial, com 9,4% do Produto Interno Bruto, com 9,4% do investimento e com 10,9% do total das exportações. Os dados apresentados pela UNTWO (2008) corroboram a importância do turismo na actualidade. Em 2007, as receitas do turismo internacional representaram 6% do total das exportações e 30% do total das exportações de serviços. Estes indicadores sugerem claramente que o turismo é, a nível mundial, uma das principais indústrias de serviços. O turismo é uma actividade económica que influencia o desenvolvimento mas, ao mesmo tempo, o nível de desenvolvimento das regiões de origem dos visitantes e dos destinos turísticos influencia toda a actividade turística, na medida em que o turismo é um sistema que recebe inputs do contexto económico, social, político, cultural e ambiental em que se insere, proporcionando, ao mesmo tempo, muitos outputs para esse contexto, podendo contribuir desta forma para o desenvolvimento de muitas regiões. Devido a esta capacidade, é frequentemente catalogado como motor de desenvolvimento das regiões, ao contribuir para a entrada de divisas, para o aumento da actividade económica e produtiva de um conjunto diversificado de empresas, diversificação da estrutura económica, geração de emprego, aumento do rendimento das famílias, aumento das receitas do estado e melhoria das infra-estrururas viárias, de apoio social e recreativas (Cooper et al., 1998; Carbone, 2005; Dwyer e Forsyth, 1993; Eusébio, 2006; Mathieson e Wall, 1990; Page et al., 2001; Sawamipkakdi, 1988; Sharpley e Naidoo, 2010). Todos estes benefícios poderão de forma integrada contribuir para a melhoria da qualidade de vida das comunidades. Apesar dos benefícios económicos do turismo serem normalmente os mais citados quando se pretende analisar a importância do turismo no desenvolvimento das regiões, a natureza complexa e multifacetada do turismo faz com que os seus efeitos não se limitem apenas à esfera económica. O turismo poderá contribuir para a valorização do património cultural, para a revitalização das artes e ofícios tradicionais, para a criação de equipamentos culturais (Ap, 1992; Andereck et al., 2005; Brunt e Courtney, 1992; Mathieson e Wall, 1990) e para a preservação do meio ambiente (Andereck et al., 2005). No entanto, apesar de, para a maioria das regiões de destino, os efeitos positivos do turismo serem superiores aos efeitos negativos, existem vários efeitos negativos de que o turismo poderá ser responsável, como, por exemplo, contribuir para o aumentos

3 do nível geral de preços (Akis et al., 1996; Brunt e Courtney, 1999; Haralambopoulos e Pizam, 1996; Mathieson e Wall, 1990), alterações da conduta moral, desenvolvimento de processos de aculturação (Ap, 1992; Andereck e tal., 2005; Brunt e Courtney, 1999; Mathieson e Wall, 1990) e destruição do meio ambiente (Andereck et al., 2005; Archer e Cooper, 2002; Ko e Stewart, 2002; Mathieson e Wall, 1990). A maximização dos impactes positivos do turismo e a minimização dos custos passa, obrigatoriamente, pela implementação de estratégias de desenvolvimento turístico que integrem as componentes necessárias para que o turismo possa efectivamente desempenhar o papel de motor de desenvolvimento das regiões que, frequentemente, lhe é atribuído. Uma das componentes fundamentais que deve integrar qualquer estratégia de desenvolvimento turístico dos destinos é a comunidade. Trabalhar com as pessoas, e não apenas para as pessoas, deve ser o lema de qualquer estratégia de desenvolvimento turístico. A relevância dos residentes tem sido analisada em vários domínios da actividade turística (McDowall e Choi, 2010), como por exemplo em termos de competitividade e atractividade dos destinos turísticos e na definição de políticas e estratégias de desenvolvimento turístico para os destinos. Estes domínios têm um papel relevante no sucesso ou insucesso de um destino. Se os residentes forem ouvidos e integrados no processo de desenvolvimento turístico e se percepcionarem impactes positivos líquidos do turismo tenderão a ter uma atitude mais favorável com os visitantes e, consequentemente, a contactarem com mais frequência com os visitantes (McDwall e Choi, 2010). Estas atitudes dos residentes terão um efeito positivo na experiência turística dos visitantes. Caso os visitantes fiquem satisfeitos tenderão a tornar-se mais fieis ao destino, repetindo a visita ou recomendando o destino ao seu grupo de familiares e amigos. Com base nos argumentos descritos anteriormente fica claro que os residentes são importantes stakeholders dos destinos turísticos, podendo ser, em simultâneo, beneficiados e beneficiadores da indústria turística. No entanto, se a estratégia de desenvolvimento turístico não permitir um desenvolvimento sustentável do destino, os residentes podem passar a desempenhar o papel, em simultâneo, de prejudicados e de prejudicadores da indústria turística. Uma das principais formas em que se poderá traduzir a atitude dos residentes face ao turismo é através do nível de contacto social que estabelecem com os visitantes. Apesar da relevância desta temática para o sucesso dos destinos turísticos a investigação neste domínio é, ainda, extremamente reduzida (Reisinger e Turner, 1998; Reisinger e Turner, 2003; Pizam, et al, 2000). Os poucos

4 estudos que têm sido feitos neste domínio, de acordo com o tipo de intervenientes, poderão ser categorizados em três grupos: estudos que analisam a interacção entre visitantes (ex: Murphy, 2001); estudos que analisam a interacção entre residentes e visitantes na perspectiva dos visitantes (ex: Pizam et al., 2000; Yoo e Sohn; 2003; Reisinger e Turner, 1998; Reisinger e Turner, 2002) e estudos que analisam a interacção entre visitantes e residentes prespectiva dos residentes (ex: Andereck et al, 2005; Brunt e Courtney, 1999; Lawton, 2001; Weaver e Lawton, 2001). Este estudo pretende contribuir para o desenvolvimento da investigação ao nível da interacção residentevisitante na perspectiva dos residentes. Pretende-se, também, identificar os factores que poderão influenciar o grau de interacção residente-visitante. Para alcançar este objectivo, o artigo foi estruturado em três secções. Numa primeira secção apresenta-se o quadro teórico relacionado com a temática que está a ser objecto de análise, fazendo referência à importância da comunidade no desenvolvimento turístico dos destinos, à interacção em turismo, aos factores que poderão influenciar a interacção residentevisitante na perspectiva do residente. Nesta secção apresenta-se também uma análise detalhada da percepção dos residentes dos impactes do turismo, pelo facto de se considerar que a percepção dos impactes é um dos principais factores que influencia a interacção residente-visitante. O referencial teórico culmina com a proposta de um modelo conceptual que pretende analisar a relação entre interacção residente-visitante e o desenvolvimento dos destinos turísticos, que inclui os factores relacionados com os residentes que poderão influenciar a frequência de interacção residente-visitante. Numa segunda secção pretende-se testar em termos empíricos uma parte do modelo conceptual proposto os factores relacionados com os residentes que influenciam a frequência da interacção entre residentes e visitantes. Para atingir este objectivo, apresentam-se os resultados de um estudo empírico realizado junto dos residentes da cidade de Aveiro (Portugal), onde pouca investigação tem sido feita neste domínio. O artigo termina como uma discussão dos resultados em termos de contribuições e implicações do artigo para a problemática teórica que lhe está associada e para o desenvolvimento turístico de um destino urbano a cidade de Aveiro. 2. A importância do contacto social entre residentes e visitantes no desenvolvimento dos destinos turísticos 2.1. Interacção residente-visitante Tal como Reisinger e Turner (2003) sugerem, no âmbito do turismo o contacto social pode ser definido como o encontro pessoal entre um turista e um residente. Este

5 contacto pode ocorrer quando os visitantes compram produtos aos residentes, quando visitantes e residentes ficam lado a lado num determinado local (ex: praia, monumento) ou quando se encontram face a face para trocar informações e ideias (De Kadt, 1979). O contacto residente-visitante geralmente é temporário, breve, não repetitivo, sujeito a exploração e desconfiança, superficial, em determinadas situações formal e comercial, bem como assimétrico em termos de significado para o visitante e o residente (De Kadt, 1979; Reisinger e Turner, 2003). Este último aspecto é especialmente corroborado por Krippendorf (1987) que afirmava que os visitantes e residentes de um mesmo destino se encontram em situações completamente opostas. Enquanto o visitante se encontra, geralmente, a desfrutar o seu tempo de lazer, satisfazendo as suas necessidades recreativas, possuindo liberdade e usufruindo de momentos que lhe proporcionam prazer, os residentes estão geralmente a trabalhar, tentando satisfazer outro tipo de necessidades, tais como as de subsistência. Yoo e Sohn (2003) realçam, especificamente, que no caso dos turistas internacionais, as interacções entre turistas e residentes são relações que se estabelecem entre pessoas de sociedades diferentes, que possuem sistemas de valores diferentes. Como Doxey (1975) sugere através do seu índice de irritação, as relações visitanteresidente podem caracterizar-se por euforia, apatia, irritação e antagonismo. Por um lado, como Yoo e Sohn (2003) remarcam, as diferenças existentes entre turistas e residentes podem originar determinados problemas, tais como o visitante sentir-se inseguro por estar em condições estranhas, ou sentir que é visto como uma mera fonte de rendimento pela comunidade hospedeira. No entanto, por outro lado, a interacção residente-visitante pode contribuir para uma maior satisfação dos residentes (ex: Pizam et al., 2000), nomeadamente pelas oportunidades de socialização e de intercâmbio cultural que possibilita, fomentando que o residente contribua de forma mais positiva para o desenvolvimento turístico dos destinos. A interacção residente-visitante tem sido operacionalizada de modos muito diferentes ao longo dos anos. Krippendorf (1987) sugeriu, na década de 80, uma forma de operacionalização que consistia na classificação dos residentes em categorias, com base na frequência e tipo de contacto (directo ou não) estabelecido com os visitantes e, ainda, na dependência do turismo em termos de rendimento. De acordo com esta tipologia de classificação, os residentes podem ser classificados nas seguintes quatro categorias: (i) (ii) Pessoas que estão em contacto directo e contínuo com os turistas e que dependem economicamente do turismo; Proprietários de negócios turísticos mas que não têm contacto regular com os turistas;

6 (iii) Pessoas que estão em contacto frequente e directo com os turistas mas cujo rendimento só provem parcialmente do turismo; (iv) Residentes que não têm contacto directo com os turistas ou que simplesmente passam por eles em determinados locais. Muitas vezes a interacção residente-visitante tem sido operacionalizada com base na frequência do contacto entre estes dois agentes (Andereck et al., 2005; Weaver e Lawton, 2001). Weaver e Lawton (2001) tentaram medir a interacção residente-visitante numa zona de franja rural-urbana na Goald Coast, na Austrália, pedindo aos residentes que indicassem a quantidade de contacto estabelecido com o turista durante o Verão (ex: frequentemente, algumas vezes). De forma semelhante, Andereck et al. (2005) avaliaram o contacto de residentes do Arizona com visitantes dessa região apenas com base num único item, utilizando uma escala de quatro pontos que variava entre nenhum contacto e uma grande quantidade de contacto. Num estudo desenvolvido em Israel por Pizam et al. (2000) que se focalizava na interacção entre o turista e o residente, a frequência de contacto era avaliada consoante o facto de os destinos frequentados pelos turistas oferecerem maior ou menor oportunidade de contacto com os residentes. Os turistas foram então divididos em três grupos de acordo com o tipo de destino que estavam a visitar - Kibbutz, Moshav e Cidade. O foco de várias outras pesquisas foi, no entanto, o tipo de relação estabelecido entre residentes e visitantes, tendo estado a operacionalização da interacção residentevisitante baseada neste aspecto (Heuman, 2005; Reisinger e Turner, 1998; Reisinger e Turner, 2002; Teye et al., 2002; Zhang et al., 2006). Neste tipo de pesquisa avaliavamse características da relação tais como o facto de o contacto ser ou não directo, o tipo de acções desenvolvidas para estabelecer contacto (ex: partilhar refeições, os residentes indicarem aos turistas locais a visitar) e o nível de intimidade criado (ex: os residentes terem desenvolvido amizade com turistas). Apenas num reduzido número de estudos (ex: Brunt e Courtney, 1999) a interacção residente-visitante foi operacionalizada com base, simultaneamente, na frequência e tipo de contacto. Brunt e Courtney (1999), num estudo realizado em Dawlish - um pequeno resort balnear em South Devon (no Reino Unido) - optaram por operacionalizar a interacção residente-visitante com base na frequência e tipo de contacto, tendo para o efeito utilizado a tipologia de classificação dos residentes definida por Krippendorf (1987), já anteriormente referida. De acordo com a revisão de literatura acima apresentada observa-se que a frequência de contacto tem sido considerada, frequentemente, um bom indicador da interacção residente-visitante. No entanto, uma das limitações da pesquisa realizada é que não tem em consideração a pluralidade de espaços existentes ao nível do destino e o facto de a

7 interacção residente-visitante, em cada um desses espaços, poder ser diferente. O estudo empírico realizado no presente artigo procura colmatar esta limitação, avaliando a frequência de contacto em diversos locais do destino (ex: em monumentos, na rua). Alguns autores não se limitaram a investigar a interacção residente-visitante, tentando analisar também as potenciais consequências dessa interacção para os turistas e para os residentes. Reisinger e Turner (2002) testaram o impacte da interacção dos turistas com os residentes na satisfação dos turistas. Em 2003, Yoo e Sohn (2003) propuseram um modelo das interacções interculturais dos turistas internacionais que testaram com entrevistas realizadas a cidadãos Coreanos que tinham feito uma viagem ao estrangeiro nos últimos doze meses. Neste modelo, os autores realçam o importante papel que a interacção com os residentes pode ter no sentido de ajudar os turistas internacionais a ultrapassarem conflitos que sentem quando estão no destino, permitindo-lhes, nomeadamente, aprender normas culturais locais e alterar imagens negativas que lhes tivessem sido transmitidas sobre o destino. Weaver e Lawton (2001) procuram perceber qual é a influência que a interacção residente-visitante tem nas atitudes dos residentes relativamente ao turismo. No entanto, mesmo neste caso, a interacção só é avaliada com base num único item referente à frequência de interacção com turistas na época de Verão. No estudo de Pizam et al. (2000) realizado em Israel com working tourists, verifica-se que quanto maior é a interacção dos turistas com os residentes, mais favoráveis são os sentimentos dos turistas relativamente aos residentes e mais positiva é a mudança de atitude relativamente a esses residentes e ao próprio destino. Outros autores procuraram identificar variáveis que influenciam a interacção entre residentes e visitantes. Reisinger e Turner (1998, 2002) desenvolveram estudos e criaram um modelo sobre a influência de algumas variáveis valores, regras de comportamento e percepções dos fornecedores dos serviços turísticos (ex: se os fornecedores compreendem as necessidades dos turistas, se dão atenção individual aos turistas) - nas interacções sociais que se estabelecem entre turistas e residentes. O modelo foi testado com turistas Asiáticos que visitavam a região da Goald Coast, na Austrália. Yoo e Sohn (2003) advogam que os problemas que os turistas podem, eventualmente, sentir quando estão nos destinos, podem condicionar a sua interacção com os residentes. Tal como se pode observar, a investigação sobre a interacção residente-visitante nos destinos turísticos é muito escassa. Verifica-se também que não existem muitos estudos sobre os factores que determinam a interacção, e que nenhum destes estudos avalia, de forma explícita, a influência das percepções de impactes na interacção. No entanto,

8 considerando que a percepção que os residentes têm dos impactes do turismo poderá ter uma importante influência na forma como os residentes interagem com os visitantes, na próxima secção analisar-se-á mais aprofundadamente alguma investigação sobre a percepção dos impactes do turismo Percepção dos residentes dos impactes do turismo Os residentes dos destinos turísticos podem ter uma influência determinante na experiência que os visitantes têm nos destinos, através da sua hospitalidade e da sua intervenção no planeamento e gestão dos destinos turísticos (Andereck et al. 2005; Brunt e Courtney 1999; Haley et al. 2005; Mathieson e Wall 1990). Por este motivo, os residentes têm sido reconhecidos como importantes stakeholders dos destinos (Andereck et al. 2005; Andriotis e Vaughan 2003; De Kadt 1979; Kayat 2002; Mathieson e Wall, 1990; Pérez e Nadal 2005). Estes aspectos têm fomentado, nas últimas décadas, o desenvolvimento de vários estudos em que se procura analisar a percepção dos residentes sobre os impactes do turismo na região onde residem (ex: Andriotis e Vaughan, 2003; Byrd et al., 2009; Brunt e Courtney, 1999; Diedrich e García-Buades, 2009; Haley et al. 2005; McDowall e Choi, 2010; McGehee e Andereck, 2004; Nunkoo e Ramkissoon, 2010; Sharma e Dyer, 2009; Sharma et al., 2008; Tosun, 2002; Tovar e Lockwood, 2008; Weaver e Lawton, 2001). Embora em algumas destas pesquisas as percepções de impactes sejam identificadas através de entrevistas (ex: Brunt e Courtney, 1999), na maioria delas as percepções são medidas através da resposta dos residentes a questionários com um extenso conjunto de questões sobre os diversos tipos de impactes do turismo. Verifica-se, no entanto, que em alguns estudos pontuais (ex: Tosun, 2002), o número de questões é relativamente reduzido, o que pode colocar limitações às conclusões que se podem alcançar com o estudo. Algumas investigações focam-se em determinados tipos de impactes como os impactes sociais (Sharma et al., 2008; Tovar e Lockwood, 2008) ou socioculturais (Brunt e Courtney, 1999) do turismo. No entanto, a maioria dos estudos desenvolvidos sobre a percepção dos residentes dos impactes do turismo, tendem a ser bastante abrangentes e a avaliar a percepção de diversos tipos de impactes. Analisando este último tipo de estudos, mais abrangentes, pode concluir-se que os residentes tendem, frequentemente, a considerar que alguns dos maiores impactes do turismo na região onde residem são os impactes económicos positivos. Neste contexto, alguns estudos revelam que o turismo beneficia muito a economia local (Andriotis e Vaughan, 2003; Byrd et al., 2009; McGehee e Andereck, 2004), contribui para o aumento do investimento (McDowall e Choi, 2010; Nunkoo e Ramkissoon, 2010), para a criação de negócios (Nunkoo e

9 Ramkissoon, 2010; Sharma e Dyer, 2009) e para o aumento do emprego (Andriotis e Vaughan, 2003; McGehee e Andereck, 2004; Nunkoo e Ramkissoon, 2010; Sharma e Dyer, 2009; Tosun, 2002). Os residentes tendem, quase sempre, a reconhecer que os impactes económicos positivos são superiores aos negativos (Andriotis e Vaughan, 2003; Byrd et al., 2009; McDowall e Choi, 2010). No entanto, o aumento do preço dos bens e serviços é o custo económico mais percepcionado pelos residentes. Para além dos impactes económicos positivos, os residentes tendem ainda a considerar, com muita frequência, que o turismo tem importantes contributos a nível social e cultural. Neste domínio, os impactes do turismo que têm vindo a assumir maior relevância para os residentes são o desenvolvimento de actividades culturais - facto que proporciona uma maior diversidade na oferta cultural do destino (Andriotis e Vaughan, 2003; Byrd et al., 2009; McGehee e Andereck, 2004) -, o contributo para a preservação e restauro de edifícios e locais históricos (McDowall e Choi, 2010; McGehee e Andereck, 2004; Nunkoo e Ramkissoon, 2010) e a possibilidade de intercâmbio cultural (McGehee e Andereck, 2004). Contudo, um dos aspectos que tem vindo a ser frequentemente apontado como uma das principais consequências negativas sociais do turismo é o aumento do congestionamento do tráfego (Byrd et al., 2009; McGehee e Andereck, 2004; Nunkoo e Ramkissoon, 2010; Sharma e Dyer, 2009). Em alguns estudos são também, pontualmente, apontadas como muito relevantes outras consequências sociais e culturais negativas como a pressão exercida nos serviços locais (ex: de segurança e saúde) causada pelo aumento da procura (ex: Sharma e Dyer, 2009) e a alteração, ou eventual destruição, da cultura local (ex: Nunkoo e Ramkissoon, 2010). No que se refere aos impactes ambientais, não existe uma tendência tão clara sobre a perspectiva dos residentes. Se é verdade que em alguns estudos (ex: Weaver e Lawton, 2001) é realçado o contributo do turismo para a conservação da natureza, parece haver uma tendência para, em muitos estudos, os residentes enfatizarem, precisamente, os efeitos prejudiciais do turismo a nível ambiental, tais como a destruição de recursos naturais e a poluição (Andriotis e Vaughan, 2003; Sharma e Dyer, 2009). Sendo verdade que é possível identificar algumas tendências gerais relativamente às percepções dos residentes dos impactes do turismo, é importante também referir que a percepção dos impactes dos residentes pode variar bastante consoante o tipo de destino e o seu nível de desenvolvimento turístico (Diedrich e García-Buades, 2009; McDowall e Choi, 2010). No estudo de McDowall e Choi (2010) realizado em quatro destinos Tailandeses verificou-se que, nos destinos mais populares para o mercado interno, os residentes tendem a reconhecer menos impactes do turismo do que nos destinos

10 reconhecidos internacionalmente. Observa-se também que, nos destinos mais populares a nível interno, os residentes tendem a reconhecer mais os benefícios económicos do turismo (ex: aumento do investimento, aumento das receitas do estado), enquanto nos destinos turísticos reconhecidos internacionalmente, os residentes enfatizam mais os impactes culturais positivos do turismo tais como o facto de o turismo contribuir para que os residentes locais apreciem a cultura da região onde residem. No estudo de Diedrich e García-Buades (2009), em que se comparam cinco comunidades do Belize com diferentes níveis de desenvolvimento turístico, enquanto os residentes de três comunidades tendem a reconhecer mais os benefícios económicos do turismo (ex: criação de emprego e aumento do rendimento), os residentes das outras duas comunidades tendem a identificar mais os contributos do turismo para o desenvolvimento das comunidades (ex: construção de edifícios e de infra-estruturas). No que concerne aos destinos onde os estudos sobre as percepções dos residentes foram desenvolvidos, verifica-se que a maioria destes estudos foi realizada fora da Europa em destinos situados nos Estados Unidos da América (Byrd et al., 2009; McGehee e Andereck, 2004) e Austrália (Sharma e Dyer, 2009; Sharma et al., 2008; Tovar e Lockwood, 2008; Weaver e Lawton, 2001). Os poucos estudos realizados na Europa foram efectuados em locais situados em destinos como o Reino Unido (Brunt e Courtney, 1999; Haley et al. 2005) e a Grécia, detectando-se uma grande falta de estudos deste tipo em diversos países europeus, tal como Portugal. Verifica-se também que a maioria da investigação desenvolvida neste âmbito tem sido realizada em pequenas comunidades, muitas vezes rurais, ou em destinos turísticos balneares. Muito poucos são os estudos realizados em cidades e, mesmo esses estudos, referem-se a cidades com algumas especificidades, nomeadamente, o facto de serem cidades que se localizam em ilhas (ex: Creta, Port Louis, nas Ilhas Maurícias) (Andriotis e Vaughan, 2003; Nunkoo e Ramkissoon, 2010). Em alguns estudos pretende-se já tentar perceber se existe alguma relação entre percepções de impactes do turismo e alguns aspectos da interacção residente-visitante (ex: Brunt e Courtney, 1999; Reisinger e Turner, 2002). No entanto, estes estudos possuem determinadas especificidades que não permitem obter uma conclusão geral sobre este tipo de relação, nomeadamente pelo facto de serem estudos exploratórios de índole qualitativa ou por focarem aspectos muito específicos da interacção (ex: Brunt e Courtney, 1999; Reisinger e Turner, 2002). No presente artigo pretende-se analisar mais aprofundadamente a influência da percepção dos residentes dos impactes do turismo na interacção residente-visitante.

11 Pretende-se, ainda, analisar a importância desta influência no desenvolvimento turístico dos destinos Interacção residentes-visitantes e desenvolvimento dos destinos turísticos modelo de análise proposto A importância do envolvimento dos residentes no desenvolvimento turístico dos destinos tem sido largamente debatida na literatura (Diedrich e Garcia-Buades, 2009; van der Duim et al., 2005; Frauman e Banks, 2010; Mathieson e Wall, 1990; Nunkoo e Rambissoon, 2010 Kayat, 2002; de Kadt, 1979). No entanto, muito poucos estudos analisam factores que poderão influenciar o nível de interacção dos residentes com os visitantes na perspectiva dos residentes e as implicações que esse nível de interacção poderá ter no desenvolvimento dos destinos turísticos. Com base no referencial teórico descrito nas secções anteriores sobre o grau de interacção entre residentes e visitantes e os factores que influenciam essa interacção, apresenta-se, na Figura 1, um modelo conceptual que integra os factores relacionados com os residentes que influenciam a frequência da interacção, considerando-se que este tipo de interacção é uma forte determinante do desenvolvimento dos destinos turísticos. Percepção dos residentes dos impactes do turismo H 1 Experiência turística H 2 Facilidade de interacção com os visitantes H 3 Nível de interacção dos residentes Desenvolvimento dos destinos turísticos H 4 Perfil sócio-demográfico dos residentes Figura 1 Modelo de análise determinantes da interacção entre residentes e visitantes na perspectiva dos residentes Considera-se, neste estudo, que a percepção dos residentes dos impactes do turismo é um dos principais factores que influencia o grau de interacção entre residentes e visitantes, apesar de existirem poucos estudos que avaliam este tipo de relação. Para a análise desta relação é possível evocar a Teoria da Troca Social. Vários estudos têm utilizado esta teoria para explicar a atitude dos residentes face ao turismo (ex: Ap, 1992; Andereck e Vogt, 2000, Lee et al., 2010; Reisinger e Turner, 2003). No modelo proposto neste artigo faz-se referência à Teoria da Troca Social para fundamentar o tipo de relação que se espera obter entre a percepção dos residentes dos impactes do turismo

12 e o grau de interacção residente-visitante. Neste sentido, se os residentes percepcionam que os benefícios que obtêm com o turismo são superiores aos custos, tenderão a desenvolver uma atitude favorável em relação ao turismo, o que se poderá traduzir numa maior frequência de contacto com os visitantes. Para avaliar esta relação, propõese a seguinte hipótese de investigação: H 1 : Existe uma relação positiva entre a percepção dos residentes dos benefícios do turismo e o nível de interacção que estabelecem com os visitantes. A frequência de interacção dependerá da facilidade com que os residentes interagem com os visitantes (Yoo e Sohn, 2003). Se existirem diferenças culturais significativas entre os residentes e os visitantes o contacto social tenderá a ser menor (Reisinger e Turner, 2003). Neste sentido, propõe-se a seguinte hipótese de investigação: H2: Existe uma relação positiva entre o nível de facilidade de interacção residentevisitante percepcionado pelo residente e a frequência da interacção. Apesar da pouca literatura existente sobre o efeito que a experiência turística poderá ter na frequência da interacção residente-visitante, considera-se, neste estudo, que quando os residentes têm uma experiência turística, tenderão a compreender melhor o comportamento dos visitantes e a valorizar mais a importância da interacção, uma vez que vários estudos revelam que a interacção residente-visitante contribui para a aumentar o nível de satisfação dos visitantes (McDowall e Choi, 2010; Pizam et al., 2000; Reisinger e Turner, 2002). Estes factores poderão contribuir para que os residentes que têm experiências turísticas estabeleçam mais contactos sociais com visitantes. Neste sentido, propõe-se a seguinte hipótese de investigação: H3: Os residentes com experiências turísticas contactam mais frequentemente com os visitantes do que os outros residentes. Por fim, considera-se que o grau de interacção residente-visitante também é influenciado pelo perfil sócio-demográfico dos residentes. Reisinger e Turner (2003), evidenciam que o perfil dos intervenientes no processo de interacção é um factor que influencia esse processo, no entanto não se conhecem evidências empíricas que comprovem esta relação. Existem, no entanto, alguns estudos que evidenciam que quando existe similaridade em termos de perfil, status e atitudes entre os residentes e os visitantes a interacção social entre estes dois grupos tenderá a ser maior (Reisinger e Turner, 2003). Por sua vez, quando existe uma oportunidade de contacto entre os visitantes e os residentes a frequência de interacção tenderá a ser maior (Reisinger e Turner, 2003). Com base nestas reflexões propõe-se a seguinte hipótese de investigação: H4: O perfil dos residentes influencia a frequência de interacção residentevisitante.

13 De forma a avaliar em termos empíricos o modelo conceptual proposto foi realizado um estudo junto dos residentes da cidade de Aveiro. Na secção seguinte apresenta-se a metodologia utilizada neste estudo e os resultados obtidos. 3. A percepção dos residentes dos impactes do turismo e o nível de interacção com turístas num destino urbano de Portugal 3.1. Metodologia Local de realização do estudo: A cidade de Aveiro O estudo empírico desenvolvido nesta tese foi realizado em Aveiro - uma cidade da Região Centro de Portugal situada no concelho de Aveiro. A cidade de Aveiro corresponde ao maior agregado populacional do concelho de Aveiro, possuindo cerca de habitantes, que correspondem a cerca de 75% dos habitantes do concelho de Aveiro (INE, 2002). A sua densidade populacional é de cerca de 986 habitantes por Km 2 (INE, 2002). Uma das principais atracções turísticas da cidade de Aveiro, que faz com que muitos visitantes se desloquem a esta Cidade, é a ria de Aveiro e os seus canais distribuídos pela Cidade. A ria possibilita aos visitantes usufruir de uma bonita paisagem e, também, passear de barco pelos canais. A Cidade possui ainda importantes atracções de carácter cultural, sendo algumas das mais importantes o conjunto das casas de Arte Nova que se encontram dispersas pelas diversas ruas da Cidade, alguns museus e uma grande diversidade de eventos culturais organizados ao longo do ano por diversas entidades. Na cidade de Aveiro existem ainda algumas infra-estruturas para congressos, tais como o Centro de Congressos de Aveiro, especialmente criado para acolher reuniões. Em 2008, registaram-se hóspedes nos estabelecimentos hoteleiros do Concelho de Aveiro, tendo-se verificado na última década (entre 1998 e 2008) um aumento das dormidas anuais dos hóspedes de 64% (INE, 2000; INE, 2009). A maior parte dos hóspedes são Portugueses (59%) e Espanhóis (24%) (INE, 2009). Apesar do crescimento verificado nas dormidas, tendo em atenção o modelo do ciclo de vida dos destinos de Butler (1980) e os indicadores relativamente aos estabelecimentos hoteleiros, considera-se que este concelho se encontra ainda numa fase de desenvolvimento, pois possui um número anual de hóspedes relativamente baixo comparativamente com o número de residentes no Concelho, tem uma taxa de ocupação cama líquida relativamente baixa (37% em 2008) e, sobretudo, uma estada média muito reduzida (1,8 noites em 2008). Tendo em consideração que o destino turístico cidade de

14 Aveiro está ainda numa fase de desenvolvimento, o futuro da cidade de Aveiro enquanto destino turístico depende das políticas de turismo que venham a ser adoptadas, bem como do envolvimento dos diversos stakeholders no processo de desenvolvimento turístico. Os residentes desempenham um papel crucial neste âmbito, sendo um dos stakeholders mais afectados pelos impactes do turismo, coabitando com os visitantes na sua região de residência e podendo interagir com os visitantes nessa mesma região, afectando a satisfação e experiência turística dos visitantes Método de amostragem A população do presente estudo é constituída pelos residentes na cidade de Aveiro. Foi seleccionada uma amostra de residentes, com base num processo de amostragem multietapas. Primeiro dividiu-se a Cidade de Aveiro em 20 áreas e decidiu fazer-se 30 questionários em cada área, de modo a garantir que os residentes de todas as áreas tinham probabilidade de ser seleccionados. Em cada área foi seleccionada aleatoriamente uma rua e foi inquirido, sempre, o décimo residente que passava no local da rua onde os entrevistadores se encontravam. No sentido de obter informação sobre as percepções dos residentes de Aveiro dos impactes do turismo e a interacção que estes residentes estabelecem com os visitantes, optou por utilizar-se como instrumento de investigação o questionário Instrumento de investigação: O questionário Tal como na maioria dos estudos referidos na revisão bibliográfica, avaliaram-se as percepções dos residentes dos impactes do turismo com base num extenso conjunto de questões relacionadas com os diversos impactes potenciais do turismo impactes económicos, ambientais e socioculturais, tanto positivos como negativos. A lista de impactes incluída no questionário foi identificada numa revisão de diversos estudos sobre a percepção dos residentes dos impactes do turismo (Andereck et al., 2005; Brunt e Courtney, 1999; Haralambopoulos e Pizam, 1996; Mathieson e Wall, 1990; Tosun, 2002; Weaver e Louton, 2001;). À semelhança de muitos estudos publicados nesta área, foi também solicitado aos residentes que indicassem, com uma escala de tipo Likert de vários pontos (de 1 discordo completamente a 5 concordo completamente ), se concordavam que os diferentes impactes do turismo ocorriam no destino. No que concerne à interacção residente-visitante, esta variável foi medida com base num dos indicadores anteriormente utilizados para operacionalizar esta interacção a frequência do contacto com os visitantes. No entanto, neste estudo foi avaliada a frequência de contacto em vários locais do destino. Os residentes tinham que indicar a

15 frequência com que contactavam os visitantes em cada local utilizando a seguinte escala de tipo Likert de 5 pontos de 1 muito raramente a 5 muito frequentemente. Foi ainda perguntado aos residentes se se sentiam à vontade para responder aos visitantes, mesmo numa língua estrangeira, tendo os residentes que responder usando uma escala de tipo Likert de 5 pontos de 1 muito raramente a 5 muito frequentemente. O questionário abrangia ainda questões sobre o perfil sócio-demográfico dos residentes (ex: género, idade, estado civil) e sobre a sua experiência turística. No que respeita à experiência turística foi perguntado aos residentes se costumavam gozar férias no concelho de residência. Os questionários foram administrados pessoalmente pelos investigadores responsáveis por este estudo. Foi obtido um total de 570 questionários Técnicas de análise dos dados Numa primeira fase procedeu-se à análise univariada dos dados recorrendo-se ao cálculo de frequências, médias e desvios-padrão. Posteriormente realizaram-se algumas análises multivariadas dos dados tais como análises factoriais e regressões lineares. A finalidade com que foram utilizadas estas análises será explicada na secção Análise e discussão dos resultados Perfil da amostra Na amostra existe um grande equilíbrio entre as pessoas do género feminino e masculino. Embora a maioria dos inquiridos tenha entre 25 e 64 anos (65%), a amostra inclui também um número considerável de pessoas com menos de 25 anos (19%) e com mais de 64 anos (16%). Observa-se também que, no conjunto de residentes inquiridos existe uma grande proporção de pessoas casadas (40%) e solteiras (47%). Relativamente à situação perante o emprego, a maior parte dos residentes estão empregados (54%), embora haja ainda uma percentagem considerável de estudantes (20%), alguns reformados (14%) e desempregados (12%). Só um reduzido número de inquiridos (19%) tem uma profissão relacionada com o turismo. A maioria dos residentes (64%) tem habilitações equivalentes ao ensino secundário e superior, embora uma percentagem considerável (36%) tenha habilitações inferiores. Regista-se também que a maioria dos inquiridos (78%) já vive há mais de 5 anos em Aveiro, embora uma proporção considerável viva há menos tempo nesta cidade. No que respeita à

16 experiência turística, a maior parte dos inquiridos (79%) não passa férias no seu concelho de residência. Tabela 1 Perfil da amostra Perfil sócio-demográfico N % N % Perfil sócio-demográfico Género Profissão relacionada com o turismo Feminino Sim Masculino Não Idade Nível de habilitações literárias 15 a 24 anos Inferior ao ensino secundário a 64 anos Ensino secundário ou superior Mais de 64 anos Duração da residência em Aveiro Estado civil Entre 1 e 5 anos Casado(a) Há mais de 5 anos Solteiro(a) Divorciado(a) 43 7 Viúvo(a) 34 6 Experiência turística Situação perante o emprego Empregado(a) Goza férias no concelho de residência Estudante Sim Desempregado(a) Não Reformado(a) Percepção dos residentes dos impactes do turismo No sentido de identificar um reduzido conjunto de dimensões de impactes capazes de representar o extenso conjunto de itens de impactes contemplado no questionário, procedeu-se a uma análise factorial de componentes principais seguida de uma rotação varimax. Utilizou-se o critério dos eigenvalues para seleccionar os factores, tendo emergido da análise factorial realizada seis factores (Tabela 2): custos sociais, custos culturais, benefícios socioculturais, benefícios económicos, custos ambientais e perda de autenticidade/qualidade. Estes seis factores explicavam 56% da variância total dos itens, o que é considerado aceitável em ciências sociais. Tendo em consideração os valores do KMO, do teste de Bartlett, das comunalidades e do Cronbach alpha pode-se considerar que a análise factorial cumpre os requisitos exigidos neste tipo de análises (Hair et al., 1998). Através de uma análise das percepções dos residentes (Tabela 2) percebe-se que, segundo estes, o turismo tem alguns impactes na cidade de Aveiro, embora não muito elevados. Verifica-se, à semelhança de outros estudos, que no presente estudo os benefícios socioculturais e económicos estão entre os impactes mais realçados pelos residentes. No entanto, neste estudo, os residentes parecem reconhecer ainda mais benefícios socioculturais do que económicos. Esta situação pode dever-se ao facto de Aveiro se encontrar ainda numa fase de crescimento/desenvolvimento e ao tipo de atracções existentes nesta cidade. O nível de desenvolvimento turístico de Aveiro pode também justificar o facto de os residentes considerarem que os impactes não são ainda

17 muito elevados. A seguir aos benefícios socioculturais e económicos, são os impactes ambientais negativos que os residentes reconhecem ter maior intensidade. Estes impactes foram já reconhecidos como particularmente intensos em várias pesquisas anteriores analisadas na revisão da literatura. Os residentes da cidade de Aveiro consideram que o turismo, nesta cidade, não tem ainda impactes muito negativos a nível sociocultural nem em termos de perda de autenticidade e qualidade dos serviços, o que é particularmente positivo. Tabela 2 Análise factorial de componentes principais das percepções dos residentes dos impactes do turismo Factores Factor Com. Média Média Eigenvalue Variância Cronbach loading de cada do explicada alpha atributo factor acumulada (%) Aumento da prostituição 0,784 0,648 2,92 Factor 1 Aumento das doenças sexualmente transmissíveis 0,755 0,675 2,83 Custos Aumento do consumo de droga 0,739 0,664 2,77 2,86 4,717 20,510 0,796 sociais Aumento da criminalidade 0,644 0,606 2,80 Aumento do stress 0,412 0,431 2,99 Alterações na forma de vestir 0,724 0,560 2,47 Factor 2 Alterações nos hábitos de consumo 0,686 0,535 2,71 Custos Alterações linguísticas 0,603 0,482 2,75 2,45 3,114 34,048 0,731 culturais Diminuição do tempo que os residentes passam com familiares 0,580e amigos 0,502 2,35 Perturbação das práticas religiosas 0,573 0,430 2,22 Perda de identidade cultural 0,495 0,507 2,20 Aumento da oferta de eventos culturais 0,709 0,522 3,88 Factor 3 Rejuvenescimento das artes e ofícios tradicionais 0,678 0,519 3,59 Benefícios Valorização e promoção das tradições 0,672 0,502 3,76 3,69 1,746 41,637 0,727 socioculturais Conservação do património construído 0,657 0,484 3,57 Melhoria das infra-estruturas 0,621 0,563 3,65 Factor 4 Aumento do rendimento dos residentes 0,729 0,604 2,98 Benefícios Aumento do nível de qualidade de vida da população 0,716 0,578 3,41 3,20 1,204 46,873 0,545 económicos Aumento do emprego 0,601 0,615 3,39 Factor 5 Aumento do tráfego rodoviário 0,712 0,624 3,75 Custos Aumento da poluição 0,691 0,653 3,04 3,40 1,133 51,798 0,621 ambientais Factor 6 Perda de Diminuição da autenticidade dos produtos típicos 0,807 0,671 2,56 2,54 0,989 56,099 0,481 autenticidade Diminuição da qualidade dos serviços prestados 0,595 0,528 2,50 /qualidade N = 525 Com. - Comunalidade KMO = 0,844 Bartlett's test of sphericity = 3, (sig ) Escala: 1 "discordo completamente" a 5 "concordo completamente" Interacção entre residentes e turistas Apesar de o destino turístico em análise ser um destino urbano com uma elevada densidade populacional e já com um número considerável de visitantes, o nível de interacção que os residentes estabelecem com os visitantes é ainda relativamente baixo. Numa escala de 1 a 5, onde 1 significa que muito raramente contactam com os visitantes e 5 que contactam frequentemente, a média do grau de interacção em todos os contextos é apenas de 2,8. Os resultados obtidos, evidenciam, também, que a frequência de interacção entre os residentes e visitantes varia de acordo com o local em que essa interacção ocorre. O maior nível de interacção ocorre em estabelecimentos de alimentação e bebidas, em outros estabelecimentos comerciais e na rua, quando o

18 visitante solicita informações aos residentes. Por sua vez, o menor nível de interacção ocorre em eventos e monumentos (Tabela 3) Apesar de o grau de interacção entre visitantes e residentes no destino de Aveiro ser ainda relativamente baixo, os residentes revelam que se sentem à vontade quando contactam com os visitantes. Numa escala de 1 a 5 relativamente à afirmação sinto-me à vontade quando tenho que contactar com visitantes, onde 1 significa que discorda completamente e 5 que concorda completamente a média obtida é de 3,52 (Tabela 3). Tabela 3 Interacção entre residentes do destino turístico Aveiro e visitantes em diferentes contextos Interacção residente-visitante Estatísticas descritivas N Média Desvio-padrão Grau de interacção com os visitantes Estabelecimentos de restauração e bebida 560 3,22 1,210 Outros estabelecimentos comerciais 558 3,11 1,186 Rua (quando os visitantes solicitam informações) 559 3,10 1,159 Local de trabalho 560 2,74 1,602 Espaços de animação nocturna 555 2,66 1,417 Eventos 555 2,62 1,247 Monumentos 558 2,22 1,142 Em todos os locais 567 2,82 0,757 Facilidade com que os residentes contactam com os visitantes 569 3,52 1,280 Escala: 1"muito raramente" a 5 "muito frequentemente" Factores que influenciam a interacção residente-visitante Apesar de neste estudo se considerar que a percepção dos residentes dos impactes do turismo é uma das principais determinantes da frequência com que os residentes estabelecem contactos sociais com os visitantes, existem outros factores que poderão influenciar essa interacção, tal como foi descrito no referencial teórico e no modelo de análise apresentado anteriormente. Para testar as hipóteses de investigação relacionadas com o modelo de investigação proposto neste estudo, foi desenvolvido um modelo de regressão linear múltipla, onde a variável dependente é o valor médio da frequência de interacção entre residentes e visitantes em todos os locais (local de trabalho, monumentos, eventos, estabelecimentos de restauração e bebidas, outros estabelecimentos comerciais, espaços de animação nocturna e rua). As variáveis independentes estão categorizadas em quatro grupos: percepção dos residentes dos impactes do turismo (factores obtidos na análise factorial da percepção dos residentes dos impactes do turismo), experiência turística, facilidade que os residentes sentem na interacção e perfil sócio-demográfico dos residentes. A formalização matemática do modelo proposto está descrita na seguinte equação: FIRV = a ij b1 CS i b2cc i b3 BSC i + b I i b11 DRi b12 PT i b13 HLi +ε i Onde: + b 4 BE i + b5cai + b 6 PAQ i + b7gf i + b8 FC i + b9gi

19 i = 1 n residentes da cidade de Aveiro; FIRV Variável dependente Frequência da interacção entre residentes e visitantes em todos os contextos; CS factor 1 percepção dos residentes dos impactes do turismo custos sociais ; CC factor 2 percepção dos residentes dos impactes do turismo custos culturais ; BSC factor 3 percepção dos residentes dos impactes do turismo benefícios socioculturais ; BE factor 4 percepção dos residentes dos impactes do turismo benefícios económicos ; CA factor 5 percepção dos residentes dos impactes do turismo custos ambientais ; PAQ factor 6 percepção dos residentes dos impactes do turismo perda de autenticidade e de qualidade dos produtos ; GF variável dummy (1 = goza férias no concelho de residência; 0 = outros); FC Grau de facilidade com que os residentes contactam com os visitantes; G - variável dummy (1 = sexo feminino; 0 = sexo masculino); I variável dummy (1 = + de 64 anos; 0= outros); DR variável dummy (1 = reside na cidade há mais de 5 anos; 0 = outros); PT variável dummy (1 = profissão relacionada com o turismo; 0 = outra); HL variável dummy (1= formação média ou superior; 0 = outra); ε - resíduos. Para estimar o modelo foram utilizados o método dos Mínimos Quadrados Ordinários e o procedimento Stepwise do SPSS. Foram testados todos os pressupostos de um modelo de regressão linear múltipla. A normalidade dos resíduos foi analisada recorrendo ao teste não paramétrico do Kolmogorov-Smirnov (K-S), verificando-se através do resultado do teste (Tabela 4) que o pressuposto não é violado. O estudo da homocedasticidade e da lineariedade foi efectuado recorrendo à análise gráfica, tendo-se observado, também, a verificação destes dois pressupostos. Para testar a presença de multicolineariedade utilizaram-se os valores do VIF (Variance Inflaction Factor) e da Tolerância, tendo-se verificado a ausência de multicolineariedade (Tabela 4). O modelo estimado apresenta elevados valores de F, apesar do seu poder explicativo (R 2 ) ser relativamente baixo (0,235). Apesar desta limitação, os resultados apresentados na Tabela 5 permitem verificar que a principal determinante do grau de interacção entre residentes e visitantes em todos os contextos em que podem ocorrer a interacção é a percepção dos residentes dos benefícios socioculturais do turismo, o que comprova a existência de uma relação positiva directa entre a percepção dos benefícios do turismo e o grau de interacção entre residentes e visitantes (H 1 ). O facto de o residente ter experiência turística, o que neste estudo foi a avaliado através da variável gozo de férias fora do local de residência, não apresentou poder explicativo, o que permite rejeitar a hipótese apresentada neste estudo de que os residentes que efectuam férias fora do local de residência estabelecem um grau de interacção com os visitantes superior aos residentes que não fazem férias (H 2 ) (Tabela 4) Quando os residentes se sentem à vontade a contactar com os visitantes a frequência dos contactos sociais tenderá a ser maior (H 3 ). Esta hipótese foi verificada, tendo-se observado uma relação estatisticamente significativa entre o grau de conforto que os

20 residentes sentem quando contactam com os visitantes e a frequência de contactos sociais que estabelecem com os visitantes. Em termos de perfil dos residentes, os resultados obtidos revelam que os residentes seniores interagem menos com os visitantes do que os outros residentes (Tabela 4). Este resultado poderá estar relacionado com o facto de as pessoas mais idosas revelarem uma maior dificuldade quando têm que comunicar em outra língua que não seja a sua. Os residentes que possuem uma actividade profissional relacionada com o turismo, como têm mais oportunidade de contactar com os visitantes, também apresentam uma maior frequência de interacção. No que se refere ao género dos residentes, à duração da residência e ao nível das habilitações literárias, os resultados obtidos no modelo de regressão linear múltipla revelam que estas variáveis não têm poder explicativo (Tabela 4). Com base nestas evidências empíricas conclui-se que a H 4 foi parcialmente observada. Tabela 4 Determinantes do grau de interacção entre residentes e visitantes (análise de regressão linear múltipla) Grau de interacção Determinantes da interacção residentes-visitantes Beta α 1) Percepção dos impactes do turismo CS: Custos sociais,132,005 CC: Custos culturais 1,033,302 BSC: Benefícios socioculturais 4,924,000 BE: Benefícios económicos 1,789,074 CA: Custos ambientais 1,341,181 PAQ: Perda de autenticidade/qualidade -,620,536 2) Experiência na aquisição de produtos turísticos GF: Goza férias fora do concelho de residência,003,940 3) Facilidade de interacção com os visitantes FC: Facilidade de interacção com os visitantes,160,001 4) Perfil Sócio-demográfico G: feminino,000,993 I: Idade superior a 64 anos -,214,000 DR: Duração de residência superior a 5 anos,040,378 PT: Profissão relacionada com o turismo,185,000 HL: Formação média e superior,064,194 Constante 2,394 Diagnóstico do modelo R R 2 Estatística F (α) Normalidade dos resíduos: Teste Kolmogorov-Smirnov (α) 0,485 0, (0.000) (0.919) Multicolineariedade Tolerância (todas as variáveis) VIF ( todas as variáveis) Superior ou igual a Inferior ou igual Conclusões e implicações para o desenvolvimento de destinos turísticos urbanos As evidências teóricas e empíricas apresentadas neste artigo reforçam o que já tem sido publicado sobre a relevância de envolver os residentes nas estratégias de

Celeste Eusébio Universidade de Aveiro, DEGEI, GOVCOPP, Professora Auxiliar, DEGEI Universidade de Aveiro, 3810-193 Aveiro celeste.eusebio@ua.

Celeste Eusébio Universidade de Aveiro, DEGEI, GOVCOPP, Professora Auxiliar, DEGEI Universidade de Aveiro, 3810-193 Aveiro celeste.eusebio@ua. IMPACTOS SOCIOCULTURAIS DO TURISMO EM DESTINOS URBANOS SOCIO-CULTURAL IMPACTS OF TOURISM IN URBAN DESTINATIONS Celeste Eusébio Universidade de Aveiro, DEGEI, GOVCOPP, Professora Auxiliar, DEGEI Universidade

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

IVº CongressoNacional dos Economistas. A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa

IVº CongressoNacional dos Economistas. A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa IVº CongressoNacional dos Economistas Lisboa,19-21 Outubro 2011 A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa Fernanda Ilhéu e Catarina Casquilho Dias Importância do tema Equilibrar

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas Avaliação da Satisfação dos Turistas Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Turistas Índice RESUMO EXECUTIVO... 03 1. INTRODUÇÃO... 06 2. METODOLOGIA... 07

Leia mais

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de:

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de: EVENTOS DE SURF 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 7 1. Caracterização da amostra 8 2. Satisfação 15 4. Regressar e recomendar 20 3 Metodologia 23 Contextualização do Projecto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

ASPECTOS INTRODUTÓRIOS

ASPECTOS INTRODUTÓRIOS VI Congresso Internacional de Investigação e Desenvolvimento Sócio-Cultural Melide Galiza - Espanha, 25 de Outubro de 2008 Desenvolvimento Comunitário através do Turismo Cultural: O Caso do Presépio de

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL Paulo Faustino, PhD Arons de Carvalho, PhD Estratégia Metodológica Global Forças políticas,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Estudo de mercado sobre a atractividade das caves do Vinho do Porto. Pedro Quelhas Brito

Estudo de mercado sobre a atractividade das caves do Vinho do Porto. Pedro Quelhas Brito Estudo de mercado sobre a atractividade Estudo de mercado sobre a atractividade Objectivos: Qual o papel, importância e significado das Caves de Vinho do Porto na atractividade turística do Porto e do

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ACTIVOS DAS EMPRESAS DE HOTELARIA E RESTAURAÇÃO 2011/2012

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ACTIVOS DAS EMPRESAS DE HOTELARIA E RESTAURAÇÃO 2011/2012 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva O planeamento como factor de sustentabilidade e José Sancho Silva Resumo da intervenção: Macro tendências do turismo O turismo como factor de desenvolvimento nacional, regional e local A competitividade

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo À semelhança de 2005, a Administração Fiscal encontra-se a realizar um diagnóstico da sua relação com os utentes, cidadãos e empresas, com

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO E IMAGEM REGIÃO DE LISBOA

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO E IMAGEM REGIÃO DE LISBOA INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO E IMAGEM REGIÃO DE LISBOA 2011 ÍNDICE: 1. Introdução Pág 3 2. Resumo dos principais resultados Pág 4 3. Características da amostra Pág 6 a. Género Pág 6 b. Idade Pág 6 c. Habilitações

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

TOURISM AND HOSPITALITY TODAY AND TOMORROW

TOURISM AND HOSPITALITY TODAY AND TOMORROW TOURISM AND HOSPITALITY TODAY AND TOMORROW Volume 5 Número 1 Setembro 2015 Volume 5 Number 1 September 2015 Volumen 5 Número 1 Septiembre 2015 www.isce-turismo.com ISSN: 2183-0800 Organização Apoios Recensão

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos A Lei n.º115/99, de 3 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico das associações representativas dos imigrantes e seus descendentes, prevendo o reconhecimento

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau 2014 Sumário Para saber qual o grau de conhecimento e

Leia mais

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA 2011 1 INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO INTRODUÇÃO Na continuidade do estudo que vem sendo realizado pelo, em conjunto

Leia mais

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua. Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Avaliar os discursos sobre o

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 3 ÁREAS PROTEGIDAS POTENCIAIS ADERENTES À CETS PROGRAMA: Quinta 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Introdução à CETS e processo de adesão 14:30-16:00 h Exemplos de Parques

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM E A PROMOÇÃO DE CAPACIDADES DE PENSAMENTO CRÍTICO

ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM E A PROMOÇÃO DE CAPACIDADES DE PENSAMENTO CRÍTICO IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-2 de septiembre de 203 COMUNICACIÓN ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM E A PROMOÇÃO DE CAPACIDADES DE PENSAMENTO CRÍTICO

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011 Diogo Gaspar Ferreira 1. PONTOS FRACOS E FORTES DO TURISMO RESIDENCIAL PORTUGUÊS 2. PLANO ESTRATÉGICO A

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico Ileana Monteiro Docente da Escola de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA JUNTA DE FREGUESIA DA GAFANHA DA NAZARÉ POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA RELATÓRIO DE BALANÇO DO VERÃO 2011 Gafanha da Nazaré, Novembro de 2011 1. INTRODUÇÃO O Posto da Barra, é uma infra-estrutura situada

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas Avaliação da Satisfação dos Turistas 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Turistas 2011 Índice SÍNTESE... 03 1. INTRODUÇÃO... 05 2.

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais