REGULAMENTO DO CORPO CLÍNICO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO CORPO CLÍNICO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO CORPO CLÍNICO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE Disposições Preliminares Art. 1 - Este Regulamento disciplina todas as atividades médicas realizadas na Santa Casa de Belo Horizonte. Parágrafo Único - Por atividades médicas se compreende tudo o que se relaciona com o diagnóstico e o tratamento do paciente, sua admissão e alta, e com a estrutura de atendimento médico. Art. 2º - Para que o Médico possa prestar serviços profissionais na Santa Casa e suas unidades, é indispensável o seu ingresso no Corpo Clínico em uma de suas modalidades. 1º - Excepcionalmente, nos casos de urgência, e para evitar omissão de socorro, o Diretor Clínico ou o Vice-Diretor Clínico, pode autorizar a prestação de serviço por Médico não pertencente ao Corpo Clínico, por tempo limitado. 2º - Por meio de Convênio, ou por proposta das Chefias de Clínicas ou Serviços encaminhadas ao Diretor Clínico e com aprovação do Conselho Médico Hospitalar, estudantes de Medicina poderão ser admitidos e estagiarem por tempo determinado nas Clínicas ou Serviços da Instituição, sem ingresso no Corpo Clínico, obrigada a notificação da admissão à Diretoria Clínica. 3 - O atendimento médico ou ambulatorial de qualquer tipo a pacientes do SUS e de outros convênios, inclusive o Santa Casa Saúde, dentro da Santa Casa e de suas unidades autônomas, será feito exclusivamente pelos médicos pertencentes ao Corpo Clínico nos moldes determinados por este Regulamento, ou convidados pelos coordenadores das diversas áreas quando o corpo clínico não tiver disponibilidade para o atendimento da demanda, após dar ciência aos chefes das clínicas. 4º - O atendimento ao SUS, Santa Casa Saúde e outros convênios nos quais a Santa Casa é integrante, é obrigatório aos Médicos do Corpo Clínico, ficando os Chefes de Clínicas e Serviços responsáveis por este atendimento, por meio dos Médicos a eles subordinados. 5º - Detectada pela Instituição a necessidade de novos profissionais em determinada Clínica ou Serviço, em razão do crescimento do fluxo de usuários, os chefes de clínicas indicarão novos assistentes, que após preenchimento do Formulário de Ingresso no Corpo Clínico e apresentação do currículo, encaminhados ao Diretor Clínico, se deferido por comissão especial do CMH, serão aprovados pelo Conselho Médico Hospitalar e serão admitidos na categoria de Assistentes Voluntários. 6º - Não se manifestando o Chefe de Clínica, o Diretor Clínico submeterá nomes ao Conselho Médico Hospitalar. Se aprovados pelo Provedor e pelo Conselho Superior da Irmandade, serão admitidos na categoria de Assistentes Voluntários e lotados na Clínica de sua especialidade. É obrigatória a apresentação de currículo e título de especialista. 1

2 Da Conceituação e Estruturação do Corpo Clínico Art. 3º - Os profissionais Médicos, componentes do Corpo Clínico, se classificam nas seguintes categorias: I - Assistente Voluntário é aquele que trabalha em clínica ou serviço pelo prazo inicial de 1(um) ano, renovável anualmente a critério do CMH, e por indicação do Chefe da Clínica ou Serviço. I.I - O prazo máximo de permanência na Instituição do Assistente Voluntário é de quatro anos, computando, se for o caso, o tempo de especialização na Santa Casa e suas unidades, ressalvado o disposto no inciso IV do art. 24 deste Regulamento; I.II - Fica ressalvado o previsto no artigo 24, item III. II - Médico Especializando: é aquele que, após terminar o curso de medicina, encontra-se fazendo especialização médica nos hospitais da Santa Casa na condição de residente oficial do MEC ou como integrante de convênio da Santa Casa com Instituições de Ensino Superior; II.I - O número de Médicos especializandos e residentes do MEC será proposto anualmente pelos chefes de clínicas ou serviço e submetidos à Diretoria Técnica e Diretoria Clínica. III - Consultor: é aquele profissional da Medicina que, por seu destaque, é indicado ou convidado pelo Provedor, para exercer ou oferecer orientação em sua área de especialização, de acordo com normas pré-estabelecidas, ouvidos o Diretor Clínico e o CMH. IV - Visitante: é aquele admitido pelo Diretor Clínico ou pelo CMH a freqüentar determinada Clínica ou Serviço, ouvidas as respectivas Chefias, pelo prazo de 90 dias, renovável por apenas igual período. V Assistente Adjunto: é aquele que é formalmente aceito para determinada Clínica ou Serviço, quando houver vaga, desde que tenha completado estágio mínimo de quatro anos na instituição como Especializando e/ou Assistente Voluntário na Clínica ou Serviço a que pertencer, com indicação do respectivo Chefe e parecer favorável do CMH, e que preencha um dos seguintes requisitos: a - Ter Título de Especialista expedido por entidade reconhecida pela Associação Médica Brasileira ou pelo Conselho Federal de Medicina ou pelo MEC; b - Ter certificado de especialização condizente com a Clínica ou Serviço em que irá ingressar, a juízo do CMH; Parágrafo Único - Independentemente da existência ou não de vaga para promoção, o Assistente Adjunto poderá ser mantido no Corpo Clínico, a critério exclusivo do Chefe da Clínica ou Serviço, desde que aprovado pelo CMH. VI Assistente Efetivo: É aquele que, após cumprir as condições impostas neste Regulamento, exerce sua atividade nas diversas Clínicas ou Serviços na Santa Casa e suas unidades de modo efetivo. Parágrafo Único - O número de Assistentes Efetivos será encaminhado pelo Conselho Medico Hospitalar ao Provedor e ao Conselho Superior da Irmandade, por proposta das Chefias de Clínicas ou Serviços. 2

3 VII - Contratado: É o profissional contratado pela Instituição para exercer função específica. Extinto o contrato, findam-se as suas atividades no Corpo Clínico. Parágrafo Único - A critério da Administração, Médicos pertencentes ao Corpo Clínico poderão ser contratados para funções especificas sem prejuízo de suas atividades rotineiras. VIII Colaborador: É aquele profissional médico admitido pela instituição para exercer suas atividades, exclusivamente no Hospital São Lucas e na Clínica de Olhos, por indicação da Diretoria Clínica e parecer favorável do CMH e que preencha um dos seguintes requisitos: a Ter título de especialidade expedido por entidade reconhecida pela Associação Médica Brasileira ou CFM ou órgão governamental. b - Ter certificado de especialização condizente na especialidade em que irá ingressar a juízo do CMH; c Ter título de Professor em estabelecimento de ensino superior, devidamente reconhecido na respectiva especialidade, obtido mediante concurso. 1º - A admissão dos médicos colaboradores do Hospital São Lucas, será feita por solicitação direta do interessado, à Diretoria Clínica anexando a documentação necessária, bem como carta de apresentação de 2(dois) membros efetivos do Corpo Clínico, que será encaminhado à CMH, para parecer final; 2º - Os médicos colaboradores deverão renovar o pedido de permanência no cargo à Diretoria Clínica, anualmente; 3º - Os médicos colaboradores estão sujeitos ao Regulamento do Corpo Clínico da Santa Casa, excluindo o direito de promoção; IX Plantonista É o profissional médico que exerce suas funções exclusivamente nas seguintes Unidades: Pronto Atendimento do Hospital São Lucas, Maternidade Hilda Brandão, nos Centros de Tratamento Intensivo, no PROCORDIS, nos plantões da Clínica Médica, nos plantões da Cirurgia de Urgência e no plantão geral da Santa Casa e do Hospital São Lucas, e será indicado pelo Coordenador da respectiva área. Do ingresso e promoções no Corpo Clínico Art. 4º - O ingresso no Corpo Clínico estará sujeito às normas administrativas, disponibilidade de vaga, compatibilidade de qualificações, indicação do chefe de clínica ou serviço, parecer favorável do CMH, aprovação do Provedor e do Conselho da Irmandade. Art. 5º - Para o ingresso referido no artigo anterior, o candidato deverá preencher formulário próprio e atender aos seguintes requisitos básicos, além de boa conduta ética e profissional: I - estar devidamente registrado no CRM de Minas Gerais, apresentando documentação hábil; II - fornecer documentação que comprove sua especialidade e apresentar currículo de formação profissional; III - assinar declaração de ciência deste Regulamento e de suas normas administrativas, reconhecendo expressamente que não haverá relação de emprego com a Instituição, exceto o previsto no item VII do Artigo 3º; 3

4 Art. 6º - O ingresso na categoria de Assistente Efetivo é feito mediante promoção do Assistente Adjunto observadas as seguintes regras: I - Ter título de especialista expedido por entidade reconhecida pela Associação Médica Brasileira ou pelo Conselho Federal de Medicina ou pelo MEC. II - Ser indicado pelo Chefe da Clínica ou Serviço; III Ser aprovado pelo CMH; IV - Ser aprovado pelo Conselho Superior da Irmandade. Dos Direitos, Deveres e Restrições Dos Direitos Art. 7º - São direitos dos membros do Corpo Clínico: I - Freqüentar os Hospitais da Instituição, assistindo pessoalmente os seus pacientes ou fiscalizando a assistência prestada por seus auxiliares; II - Utilizar os recursos técnicos disponíveis, bem como Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Tratamento; III - Participar das atividades científicas da Instituição e das reuniões do Corpo Clínico; IV - Integrar os órgãos diretivos do Corpo Clínico, podendo votar e ser votado, ressalvando que: IV.I - somente poderão ser votados os Chefes de Clínicas ou Serviços, os Assistentes Efetivos e os Adjuntos, respeitadas as normas relativas à composição e funcionamento das Clínicas ou Serviços; V - Receber remuneração pelas atividades desenvolvidas, diretamente dos seus pacientes ou de alguém por eles responsável, quando se tratar de clientela particular, ou das entidades ou órgãos conveniados, dentro dos limites estabelecidos no código de ética profissional, excluídos os médicos especializandos; VI - Mediante pedido escrito e com prévia autorização do Diretor Clínico, afastar-se de suas atividades até 30(trinta) dias; e com autorização do CMH até 1(um) ano, ou por tempo maior, havendo motivação excepcional, hipótese em que a autorização deverá ser aprovada pelo Conselho Superior da Irmandade e renovada anualmente; VII- Dos deveres Gozar de 30 dias de férias anualmente. Art. 8º - São deveres dos membros do Corpo Clínico: I - elaborar e manter atualizado o prontuário médico de seus pacientes, que deverá conter, de forma legível, o histórico clínico, evolução e todas as ordens e prescrições assinadas; II - informar e relatar aos órgãos diretivos, quando por eles solicitados, procedimentos de ordem médica ou administrativos relativos à sua atividade ou aos pacientes, para fins de esclarecimento de intercorrências administrativas, médicas, éticas ou jurídicas; 4

5 III comunicar ao seu superior imediato, falhas que observar na organização e na execução da assistência prestada; IV - cooperar com a administração da Santa Casa e com os órgãos diretivos do Corpo Clínico, podendo propor modificações e aperfeiçoamento com a finalidade de melhorar a assistência aos pacientes e o padrão técnico e operacional dos serviços prestados; V - zelar pelo nome e reputação da Santa Casa e do seu Corpo Clínico; VI - conhecer e observar este Regulamento, o Estatuto da Santa Casa e o Código de Ética Profissional; VII - preencher diariamente as papeletas referentes aos pacientes sob seus cuidados profissionais; VIII - ser assíduo aos trabalhos e diligente no tratamento dos pacientes; IX - ser urbano no trato com outras pessoas e manter espírito de cooperação; X - prestar assistência profissional aos doentes internados ou tratados em Ambulatório em decorrência de Convênio, SUS ou do Plano Santa Casa Saúde. XI - zelar por todos os bens móveis e imóveis da instituição; XII - Os Chefes de Clínica ou Serviço, os Assistentes Efetivos e Assistentes Adjuntos, ficam obrigados a comparecer e prestar serviços em seus respectivos locais de trabalho, no mínimo 3 (três) dias úteis por semana. O não cumprimento desta obrigação implicará no desligamento do Corpo Clínico ou na transferência para outra categoria prevista no Regulamento; XIII - O não cumprimento destas exigências poderá ser comunicado por qualquer membro do Corpo Clínico à Diretoria Clínica ou ao Conselho Médico Hospitalar, que após as providências legais, comunicará ao Provedor as ações adotadas. Das Restrições Art. 9º - Os membros do Corpo Clínico estão sujeitos às seguintes restrições: I - é vedada a acumulação de categorias médicas; II - nenhum profissional pode ser assistente de Clínica ou Serviço que não seja de sua especialidade; III - é vedado fazer-se substituir em suas atividades, ainda que eventualmente, por profissional não pertencente ao Corpo Clínico; IV - não é permitido ser Assistente de mais de uma Clínica ou Serviço, salvo casos especiais de interesse da instituição e mediante proposta da Direção Clínica, com aprovação da Conselho Superior da Irmandade; V - não poderão ausentar-se de suas Clínicas, Serviços ou funções, sem solicitar previamente a necessária licença ou autorização do Diretor Clínico; Parágrafo Único - A ausência não participada por escrito ao Chefe da Clínica ou Serviço, sem aprovação do Diretor Clínico, por mais de 30 (trinta) dias, importa na exclusão do Corpo Clínico, após processo de desligamento previsto neste Regulamento. 5

6 Do Desligamento do Corpo Clínico Das formas de desligamento Art O desligamento do Corpo Clínico de profissional a ele pertencente pode ser voluntário ou coativo, temporário ou definitivo, à exceção do Médico Contratado, sujeito à legislação trabalhista ordinária. Art O desligamento voluntário será solicitado por escrito ao Diretor Clínico que, em decisão sumária, dar-lhe-á deferimento ou indeferimento; 1º - O indeferimento só pode ser motivado por existência de notícia formalizada de que o interessado, por ação ou omissão, está sujeito ao desligamento coativo. Neste caso, a decisão é suspensa até que seja julgado o respectivo processo, durante o qual o profissional em questão ficará afastado de suas funções; 2º - O desligamento voluntário permite o reingresso no Corpo Clínico, observado o disposto no art. 5. Art O desligamento coativo será imposto por deliberação do Conselho Superior da Irmandade, ou por ato do Provedor, podendo ser definitivo ou temporário de 30(trinta) a 180(cento e oitenta) dias, conforme a gravidade da falta e as circunstâncias em que foi praticada; 1 - Considerando o disposto neste artigo, o Conselho Superior da Irmandade ou o Provedor poderá se limitar a impor ao faltoso, em caráter reservado ou não, simples advertência, ou mesmo censura; 2 - É vedado o reingresso no Corpo Clínico de quem sofrer a imposição de desligamento coativo definitivo. Art Os membros do Corpo Clínico estão sujeitos ao desligamento coativo quando: I - desrespeitarem o Estatuto da Santa Casa, ou este Regulamento, ou o Regimento Interno a que estejam submetidos, ou se mostrarem inábeis ou negligentes em suas funções, observado o devido processo ético - legal; II Desrespeitarem as normas dos Conselhos Federal e Regional de Medicina e a legislação brasileira vigente; III - praticarem no âmbito da Instituição qualquer ato definido como crime ou contravenção penal; IV - faltarem ao respeito ou desacatarem qualquer membro do Conselho Superior da Irmandade, do Corpo Clínico, ou do quadro administrativo da Instituição. Do Processo de Desligamento Art A informação fundamentada de falta cometida por membro do Corpo Clínico apta a determinar sua punição será encaminhada pelo Chefe da Clínica ou Serviço ao Diretor Clínico. Art As faltas de natureza ético-profissional serão encaminhadas pelo Diretor Clínico à Comissão de Ética para as providências cabíveis. 6

7 Art A aplicação das penalidades por falta administrativa será da competência do Provedor e do Diretor Clínico, quando tratar de admoestação ou desligamento temporário. Art Tratando-se de desligamento administrativo, o Provedor determinará a intimação do investigado, que poderá defender-se no prazo de 30 (trinta) dias contados da intimação e decidirá acerca do desligamento, com ou sem proibição de freqüência às dependências da Instituição durante o processo de desligamento, assegurado o amplo direito de defesa. I - A intimação será feita por ofício, assinado pelo Provedor e entregue pessoalmente ao investigado mediante recibo; II - Caso não seja encontrado o investigado, a intimação se fará pelo órgão oficial e por outro jornal de grande circulação, uma vez em cada. III - Feita a defesa, ou decorrido o prazo para a mesma, o Provedor nomeará Relator entre os conselheiros ; IV - Tendo sido arroladas testemunhas, o Relator designará dia, hora, e local para ouvi-las na presença do investigado e de seu advogado, se comparecerem; V - Remetido o processo ao provedor, este marcará o dia, hora e local do julgamento, cientificado o investigado e seu advogado, se houver, com precedência mínima de cinco dias. Serão distribuídas cópias do relatório a todos os mesários; VI - Aberta a sessão de julgamento o Provedor dará a palavra ao Relator para proceder à leitura das peças principais do processo; VII - A seguir concederá a palavra ao investigado ou seu advogado, se estiverem presentes, para, em vinte minutos no máximo, fazerem a sustentação oral de suas razões, se quiserem; VIII - Os atos do procedimento serão praticados independentemente do atendimento por parte do investigado ou de seu advogado, às intimações, respeitado o procedimento do inciso II deste artigo; IX - O Relator do processo poderá ouvir o depoimento do investigado e de outras testemunhas, de ofício, na sessão de julgamento ou em qualquer outro momento que assim o desejar. Poderá, ainda, a qualquer momento, de ofício, juntar documentos ao processo e determinar outras diligências que entender necessárias. Neste caso, deverá, antes do julgamento, intimar o investigado ou de seu defensor dos documentos e diligências realizadas; X - Após a sustentação oral, se existir, o Relator proferirá o seu voto, sendo colhido o voto dos demais membros do Conselho Superior da Irmandade presentes, na ordem escolhida pelo Provedor; XI - Colhidos os votos o secretário anotará, em resumo, o resultado e os votos vencidos; XII - Redigida a deliberação, intimados os interessados, dela não caberá recurso. Art Nas faltas de natureza ético-profissional, a Comissão de Ética deverá ser comunicada para, após tomar conhecimento do fato e avaliar a necessidade de instaurar sindicância, instruí-la e formular relatório circunstanciado acerca do 7

8 problema, encaminhando-o ao Conselho Regional de Medicina, sem emitir juízo. Parágrafo Único: A penalidade de exclusão de qualquer membro somente poderá ocorrer em Assembléia Geral, convocada exclusivamente para este fim e mediante voto favorável de 2/3 dos membros presentes. Dos Títulos Honoríficos Art O Provedor, por proposição do Conselho Médico Hospitalar, concederá aos integrantes do Corpo Clínico, um dos seguintes títulos honoríficos: I - Membro Emérito do Corpo Clínico, para o Assistente Efetivo que, com mais de dez (10) anos de atividade na Instituição, tenha se distinguido por valiosos serviços prestados, por notável projeção profissional ou por destacada contribuição à Medicina; II - Membro Honorário do Corpo Clínico para o profissional que, depois de dez (10) anos de atividade na Instituição, dela se desligar voluntariamente em razão de doença ou idade, ou por outro motivo razoável; III - Diretor ou Vice-Diretor Clínico Honorário, ou Chefe de Clínica ou Serviço Honorário, a quem, tendo ocupado uma destas funções, dela se afastar voluntariamente ou pelo término do seu mandato, havendo completado mais de vinte (20) anos de permanência no Corpo Clínico. Parágrafo Único - As honrarias instituídas neste capítulo podem ser concedidas post-mortem. Da Estruturação da Assistência Médico-Hospitalar Disposições Gerais Art A assistência médica da Instituição é prestada por profissionais devidamente titulados, admitidos no seu Corpo Clínico conforme previsto neste Regulamento. Art A prestação dessa Assistência é feita pelos sistemas de internação e de ambulatório, eletivo e de urgência, por Clínicas e Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Tratamento. Art Na prestação de assistência médica, os atos médicos sujeitos à legislação especial, devem ser submetidos pelo Médico à apreciação do Diretor Clínico, ou ao seu Chefe de Clínica, e mais um médico por este indicado, cuja decisão será devidamente registrada, respeitadas as Resoluções do CFM. Parágrafo Único - Em caso de urgência, a decisão prevista no artigo anterior pode ser exercida por três (3) médicos presentes, cuja opinião, além de devidamente registrada, será imediatamente levada ao conhecimento do Diretor Clínico. Das Clínicas Especializadas Art As Clínicas e os Serviços serão instalados por decisão, por proposta do Conselho Médico Hospitalar, do Diretor Clínico ou do Provedor, considerando as especialidades médicas, a demanda de assistência, a disponibilidade de espaço físico e as condições econômico-financeiras da Instituição. 8

9 Art Na organização de cada Clínica ou Serviço será observado o seguinte: I - O número de Assistentes Efetivos não pode ultrapassar o limite da capacidade operacional da Clínica, por proposta do Chefe de Clínica ou Serviço ao Diretor Clínico, ouvido o Conselho Médico Hospitalar e com aprovação da Provedoria; II - O número de Assistentes Adjuntos não poderá ser superior ao número de assistentes efetivos; III - O número de Assistentes Voluntários será no máximo igual à metade do número de Assistentes Adjuntos previstos. IV - Em casos justificados, pela Chefia de Clínica ou Serviço e após parecer favorável do Conselho Médico Hospitalar, os assistentes voluntários poderão ultrapassar o limite de 4 anos na Instituição. Nesta eventualidade, fica vedada a admissão de novos Assistentes Voluntários na Clínica ou Serviço. V - O número de Residentes e Especializandos será anualmente proposto pelos Chefes de Clínicas ou Serviços, após parecer da Direção Clínica e da aprovação pela Diretoria Técnica. VI - A transferência de Assistente de uma Clínica ou Serviço, para outro, será admitida desde que sejam observados os seguintes requisitos: a - Concordância dos Chefes, por escrito, de ambas as Clínicas ou Serviços. b - Proposta do Conselho Médico Hospitalar ao Sr. Provedor. Art A coordenação e orientação da assistência médica em cada Clínica ou Serviço serão feitas pelo respectivo Chefe, na forma deste Regulamento e com as atribuições nele estabelecidas. Dos Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Tratamento Art A implantação dos Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Tratamento observará o que está disposto no artigo 23. Art A coordenação e orientação de cada Serviço Auxiliar serão feitas por um Chefe de Serviço, investido na função na forma deste Regulamento e com as atribuições nele estabelecidas. Da Internação Art A internação de qualquer paciente só poderá ser realizada sob a responsabilidade de um membro do Corpo Clínico, o qual registrará sua indicação, diagnóstico provisório ou definitivo e recomendações especiais que forem necessárias para a internação e cuidados do paciente, observando-se o disposto no item V do art. 7. Dos Ambulatórios Art A assistência médica em ambulatório é prestada mediante consultas e tratamento eletivo ou de urgência. Art Todas as Clínicas manterão atendimento ambulatorial eletivo, para isso estabelecendo os horários e designando os Assistentes necessários. 9

10 Art Os atendimentos ambulatoriais de urgência dos convênios, serão prestados no Pronto Atendimento do Hospital São Lucas. Os profissionais que prestarão este atendimento serão pertencentes à estrutura do Corpo Clínico, ou contratados, exceto os residentes e especializandos. Parágrafo Único - Será admitida a presença dos especializandos e residentes nos postos de atendimento de urgência, apenas quando acompanhados dos seus preceptores. Dos Registros Clínicos Art De todos os pacientes, assistidos pelo regime de internação ou ambulatorial, se fará o prontuário, dele constando sua qualificação completa, seu histórico clínico, os dados de exames, o diagnóstico, o tratamento, data da internação ou da matrícula em ambulatório e data da alta. Art Os documentos do prontuário de cada paciente são propriedade dele, permanecendo sob a guarda da Santa Casa, de acordo com as determinações legais e preservação das condições de sigilo estabelecidas em lei e no Código de Ética Médica. Art As informações sobre paciente dependem de autorização dele ou de quem o represente legalmente. Da Organização do Corpo Clínico Da Direção Clínica Art A Diretoria Clínica, órgão coordenador das atividades do Corpo Clínico, é exercida pelo Diretor Clínico e pelo Vice-Diretor Clínico, assistidos pelo Conselho Médico Hospitalar, do qual o Diretor Clínico será Presidente nato. Art Na forma do Estatuto da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, o Diretor Clínico e o Vice-Diretor Clínico serão eleitos pelo Corpo Clínico para um mandato de no máximo 30(trinta) meses, podendo ser reeleitos uma única vez. 1 - O Vice-Diretor Clínico da Santa Casa será Diretor do Hospital São Lucas e substituirá o Diretor Clínico nos seus impedimentos eventuais, nas licenças, e o sucederá no caso de vaga até o novo provimento efetivo. Art Compete ao Diretor Clínico a supervisão da prestação de assistência médica nos hospitais da Santa Casa, tendo como encargos a saúde do paciente e o zelo pela garantia plena do exercício da Medicina na Instituição, competindolhe mais: I Dirigir e coordenar o Corpo Clínico, propagando, entre os seus membros, o sentimento de responsabilidade profissional, o desenvolvimento do espírito crítico e o estímulo às atividades didáticas e de pesquisa; II Zelar pelo fiel cumprimento deste Regulamento; III - Presidir o Conselho Médico Hospitalar, com voto apenas de desempate em suas deliberações; Do Conselho Médico Hospitalar Art O Conselho Médico Hospitalar é constituído pelo Diretor Clínico e pelo Vice-Diretor Clínico, como membros natos, e mais 8 (oito) Chefes de Clínica ou Serviço e oito Assistentes Efetivos com mais de dez anos de 10

11 exercício no Corpo Clínico nesta categoria, eleitos pela Assembléia Geral, com mandato de no máximo 30 meses, nas eleições de que trata o art º - Em sua primeira reunião, em cada período de mandato, o Conselho Médico Hospitalar escolherá, dentre os seus membros, a Comissão de Títulos Honoríficos, composta por 3 (três) integrantes, e escolherá, entre seus membros eleitos, um Conselheiro Secretário-Geral e um Primeiro Secretário; 2 - A qualquer tempo o Conselho Médico Hospitalar poderá criar comissões permanentes ou temporárias, sempre de três membros, determinando em cada caso as suas finalidades. Art O Conselho Médico Hospitalar encaminhará ao Conselho Superior da Irmandade para aprovação, o seu Regimento Interno, estabelecendo a sua competência, atribuições e encargos. Parágrafo Único - O ante-projeto do Regimento Interno será encaminhado ao Conselho Superior da Irmandade, num prazo máximo de 30 dias, após a entrada em vigor deste Regulamento. Dos Departamentos: Art. 40 Fica adotado o regime departamental em todas as atividades médicas dos hospitais da Santa Casa, excetuando as que não comportarem esta estrutura. Art. 41 Os Departamentos são os seguintes: I - Departamento de Clínica Médica e Especialidades Clínicas; II - Departamento de Clínica Cirúrgica e Especialidades Cirúrgicas; III - Departamento de Ginecologia e Obstetrícia; IV -Departamento de Pediatria Clínica e Cirúrgica; V - Departamento de Doenças do Aparelho Respiratório; VI - Departamento de Oncologia; VII - Departamento de Doenças Cardiovasculares; VIII - Departamento de Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Tratamento; IX - Unidade de Tratamento Intensivo e Atendimento de Urgência/Emergências. X Serviço de Anestesiologia e Clínica da Dor Art. 42 A direção clínica será responsável pela regularização do quadro das seções de cada Departamento, com os nomes dos respectivos Chefes e Assistentes. Art. 43 O Provedor, por proposta da direção clínica baixará Portaria regulando o funcionamento de cada Departamento. Art. 44 O Chefe de Departamento será escolhido nas eleições da Diretoria Clínica e Conselho Médico Hospitalar, podendo se candidatar um dos Chefes de Clínicas ou um dos Assistentes com mais de dez anos de serviço no Departamento. 1º - A Chefia do Departamento será exercida por três(3) anos, podendo ser renovada, por igual período, por indicação de dois terços(2/3) dos Chefes. 11

12 2º - O Chefe de Departamento será substituído, em sua ausência eventual, pelo Chefe de Clínica mais antigo. Art. 45 Um Departamento será constituído sempre que possível, por no mínimo quatro(4) Serviços ou Clínicas e cada Clínica ou Serviço terá no mínimo seis (6) assistentes efetivos. Das Chefias dos Departamentos Art. 46 Compete aos Chefes de Departamento: I Presidir as reuniões do respectivo Departamento; II Estimular o trabalho e a produção científica; III Coordenar o funcionamento do Departamento propiciando os meios para o pleno desenvolvimento das diferentes Seções e para a coordenação destas; IV Conservar à disposição dos componentes do Departamento um exemplar do Estatuto, do Regimento Interno, deste Regulamento e de Portarias que forem baixadas; V Convocar semestralmente os Chefes de Clínica para reuniões em que serão organizados os programas de estudo e trabalho a serem desenvolvidos no semestre, cujas atas deverão ser encaminhadas para ciência da Direção Clínica; Das Chefias de Clínicas e dos Serviços Auxiliares Art Compete aos Chefes de Clínicas e aos Chefes de Serviços dirigir, coordenar e orientar as atividades da Clínica ou do Serviço, com as seguintes atribuições: I - Exercer a direção técnico-científica da Clínica ou do Serviço; II - Estimular a produção científica; III - Fazer a distribuição de trabalhos aos médicos componentes da Clínica ou Serviço, nas enfermarias e nos ambulatórios; IV - Zelar pelo exato cumprimento dos deveres dos médicos; V - Fazer visita rotineira ao hospital, para atender aos doentes ou supervisionar o atendimento médico, e, em qualquer hora, sempre que o exigirem as eventualidades da Clínica ou do Serviço; VI - No âmbito de sua Clínica, poderá conceder alta, atestar óbito, fazer comunicação de moléstia infecto-contagiosa e autorizar transferência de doente para outra clínica; VII - Dar alta ao paciente que não se submeter à disciplina hospitalar, cumpridas as formalidades ético-legais; VIII - Indicar, ao Diretor Clínico o Médico Assistente Efetivo que o substituirá em seus impedimentos; IX - Requisitar, por escrito e por intermédio do Diretor Clínico, o material necessário aos seus trabalhos, discriminando o que se destina ao uso diário e obrigatório e o que se destina ao uso eventual; X - Propor ao Diretor Clínico, para aprovação do Conselho Médico Hospitalar, e posterior encaminhamento ao Conselho Superior da Irmandade, o número de médicos que constituirão o Corpo Clínico da Clínica ou Serviço, nas categorias fixadas no artigo 3 e observância ao previsto no artigo

13 Parágrafo Único - O Chefe de Clínica ou Serviço, que atingir a idade de 70 anos, será jubilado compulsoriamente, recebendo o título honorífico a que fizer jus, e abrindo vaga em sua função. Em casos especiais, e dependendo de parecer favorável do Conselho Médico Hospitalar, poderá ser mantido por período maior, fixado pelo Conselho Médico Hospitalar, e aprovação do Conselho Superior da Irmandade. Da Assembléia Geral Art A Assembléia Geral é o órgão representativo dos médicos do Corpo Clínico, e suas decisões serão tomadas por maioria dos votos, em votação secreta, vedado o voto por procuração. 1º - A Assembléia Geral será composta exclusivamente pelos Assistentes Efetivos e Assistentes Adjuntos; 2º - A Assembléia Geral reunir-se-á, em caráter ordinário, uma vez por ano ou em caráter extraordinário, quando convocada pelo Provedor, pelo Conselho Médico Hospitalar ou por mais da metade dos Assistentes Efetivos e Adjuntos; 3º - À Assembléia Geral do Corpo Clínico, em suas reuniões ordinárias, serão apresentados Relatórios: da Direção Clínica, do Conselho Médico Hospitalar, e das Comissões Especiais e Chefias de Clínica ou Serviço; 4º - Na Assembléia Geral, em suas reuniões extraordinárias, serão discutidos temas específicos, que deverão ser de conhecimento prévio dos seus integrantes por prazo não inferior a 24 horas; 5º - Compete ainda à Assembléia Geral do Corpo Clínico, eleger a Comissão de Ética, com mandato de no máximo 30(trinta) meses. Da Direção Técnica Art O Diretor Técnico, tem suas atribuições previstas no Decreto Lei n , de Art O Diretor Técnico será escolhido e contratado pelo Provedor, ad-referendum do Conselho da Irmandade, e servirá à Instituição com relação de emprego. São atribuições do Diretor Técnico: I Zelar pelo cumprimento das disposições legais e regulamentares em vigor; II Assegurar condições dignas de trabalho e meios indispensáveis à prática médica, visando o melhor desempenho do Corpo Clínico e demais profissionais de saúde em benefício da população usuário da Instituição; III Assegurar o pleno e autônomo funcionamento da Comissão de Ética Médica. Parágrafo Único: A prestação de assistência médica nas instituições públicas ou privadas é de responsabilidade do Diretor Técnico e do Diretor Clínico, os quais, no âmbito de suas respectivas atribuições, responderão perante o Conselho Regional de Medicina pelos descumprimentos dos princípios éticos, ou por deixar de assegurar condições técnicas de atendimento, sem prejuízo da apuração penal ou civil Disposições Finais 13

14 Atribuições do Provedor Art De acordo com o disposto no Estatuto da Santa Casa, compete ao Provedor o exercício das atividades e a prática dos atos necessários ao bom desempenho do seu mandato, cabendo-lhe, no tocante ao relacionamento com o Corpo Clínico: I - Manter contato direto e permanente com o Diretor Clínico e, por intermédio dele, com o Conselho Médico Hospitalar, com os Vice-Diretores Clínicos e com as Chefias de Clínicas ou Serviços; II - Exonerar, ad-referendum ou com prévia autorização do Conselho Superior da Irmandade, os titulares de cargos ou funções de confiança, respeitado o que determina o art. 53; III - Contratar o Diretor-Técnico, que deverá ser, preferentemente, membro do Corpo Clínico; IV - Encaminhar ao Conselho Superior da Irmandade, quando não puder decidir pessoalmente, as propostas do Conselho Médico Hospitalar sobre questões do interesse do Corpo Clínico, tais como metas, padrões, formas de atendimento médico-hospitalar, admissões no Corpo Clínico e outras; V - Tomar as decisões previstas nos arts. 17 e 18; VI Somente o Provedor poderá propor ao Conselho Superior da Irmandade a concessão de títulos honoríficos, bem como a nomeação de qualquer médico em qualquer categoria de membro do Corpo Clínico, conforme estipulado no artigo 3º deste regulamento, exceção para a categoria de médico visitante. Das Chefias de Departamentos, Clínicas ou Serviços Art As Chefias de Clínicas e de Serviços estão subordinadas às respectivas Chefias de Departamentos, que por sua vez se subordinam ao Diretor Clínico. Art Os cargos de Chefes de Clínicas e de Serviços serão e providos pelo Conselho Superior da Irmandade, por indicação do Provedor, depois de propostos pelo Conselho Médico Hospitalar, após eleição entre os Assistentes Efetivos com mais de dez anos de exercício no Corpo Clínico, nesta categoria. 1º - Poderão votar os Assistentes Efetivos e Adjuntos; 2º - Os mandatos das Chefias de Clínicas e Serviços são de cinco anos, permitidas reconduções por eleição e deliberação do Conselho Superior da Irmandade, ouvido o Conselho Médico Hospitalar. 3º - O Chefe de Departamento, que deverá ser um Assistente Efetivo, é proposto ao Conselho Superior da Irmandade mediante eleição, feita em votação secreta, pelos respectivos Chefes de Clínica e de Serviço, sob a presidência do Diretor Clínico, e exercerão suas atribuições sem prejuízo das que lhe competirem a outro título. 4º - O Conselho Médico Hospitalar determinará as normas para provimento dos cargos de Chefia de Clínicas e Serviços quando da sua vacância. 5º - O Conselho Médico Hospitalar, por si só ou por solicitação de dois terços dos Assistentes Efetivos e Adjuntos de uma Clínica ou Serviço, e após abertura de sindicância, poderá sugerir ao Provedor, intervenção temporária ou definitiva, bem como substituição de Chefes de Clínicas ou Serviços. 14

15 Da Organização Hospitalar Art O Serviço Hospitalar se organiza da seguinte forma: I - Departamento de Clínica Médica e Especialidades Clínicas I Clínica Médica; II Clínica Médica; III Clínica Médica; IV Clínica Médica; V Clínica Médica; VI Clínica Médica; Clínica Dermatológica; Clínica Endocrinológica; Clínica Gastroenterológica; Clínica Nefrológica; Clínica Reumatológica; Clínica Geriátrica. II - Departamento de Clínica Cirúrgica e Especialidades Cirúrgicas I ªClínica Cirúrgica; II Clínica Cirúrgica ; III Clínica Cirúrgica; IV Clínica Cirúrgica; V Clínica Cirúrgica; VI Clínica Cirúrgica; VII Clínica Cirúrgica; Clínica de Angiologia e Cirurgia Vascular Periférica; Clínica de Cirurgia Plástica; Clínica Coloproctológica Clínica Otorrinolaringológica; Clínica Neurológica e Neurocirúrgica; Clínica Oftalmológica; Clínica Ortopédica; Clínica Urológica; III - Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Iª Clínica Ginecológica; III Clínica Ginecológica; Mastologia Clínica Obstétrica Maternidade Hilda Brandão. 15

16 IV - Departamento de Pediatria Clínica e Cirúrgica Clínica Pediátrica Cirúrgica; Clínica Pediátrica Médica; Berçário; UTI Neonatal. V - Departamento de Doenças do Aparelho Respiratório Clínica Pneumológica Clínica de Cirurgia Torácica. VI - Departamento de Oncologia Serviço de Oncologia Clínica; Serviço de Radioterapia. VII - Departamento de Doenças Cardiovasculares Clínica Cardiológica; Clínica de Cirurgia Cardiovascular. VIII - Departamento de Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Tratamento Serviço de Anatomia Patológica; Serviço de Endoscopia Digestiva; Serviço de Patologia Clínica; Serviço de Radiologia; Serviço de Nutrição Parenteral e Enteral ; Serviço de Ultra-Sonografia Obstétrica/Ginecológica/Medicina Interna; Serviço de Tomografia Computadorizada; Serviço de Medicina Nuclear. IX Departamento de Anestesiologia e Clínica de Dor X - Unidade de Atendimento Eletivo, de Urgência e Tratamento Intensivo. Unidade de Ambulatório - Ambulatório Melo Alvarenga - Ambulatório de Oncologia e Pronto Atendimento Oftalmológico; Unidade de Tratamento Intensivo (CTI Adulto); Unidade de Tratamento Intensivo (CTI Infantil); Unidade de Tratamento Intensivo (CTI Pós -operatório); Unidade de Tratamento Intensivo (CTI Coronariano); a) as Unidades acima referidas serão subordinadas diretamente ao Diretor Clínico, que proporá ao Provedor a indicação dos seus respectivos responsáveis. Art Os Departamentos de que trata o artigo anterior compreenderão tantos Serviços quantos forem indispensáveis ao preenchimento das necessidades do Hospital. 16

17 Parágrafo Único - Os critérios para criação de Clínica ou Serviço serão estabelecidos pelo Conselho Superior da Irmandade, por proposta do Diretor Clínico, ouvido o Conselho Médico Hospitalar. Art As Clínicas e Serviços terão espaço físico definido para suas atividades, pelo Conselho Superior da Irmandade, por proposta do Conselho Médico Hospitalar, ao Provedor. Art. 57 As diversas Clínicas e Serviços que compõem a Santa Casa de Misericórdia poderão ter um regimento interno elaborado pela respectiva Clínica e Serviço, aprovado pelo Conselho Médico Hospitalar e encaminhado ao Conselho Superior da Irmandade, disciplinando as atividades ali exercidas e dispondo sobre atendimento das exigências legais, se for o caso, e respeitadas as disposições contidas neste Regulamento. Parágrafo Único - Os Regimentos Internos já existentes deverão ser revistos no prazo máximo de 60 dias, observado o disposto no caput. Da Comissão de Ética Médica Art. 58 A Comissão de Ética será composta de membros efetivos e suplentes em número proporcional ao de membros do Corpo Clínico, de acordo com o estabelecido nas Resoluções do Conselho Federal de Medicina. & 1º - A eleição da Comissão de Ética será feita pela votação direta e secreta de todos os médicos pertencentes ao Corpo Clínico e o mandato será conforme normas vigentes estabelecidas pelo CFM. & 2º - As eleições serão convocadas pelo Diretor Clínico com antecedência de 30 dias com prazo de inscrição da data da assembléia que a elegerá. & 3º - Os candidatos à Comissão de Ética se inscreverão individualmente junto ao Diretor Clínico, que nomeará uma junta eleitoral para coordenar as eleições. &4º - O mandato da Comissão de Ética será conforme determina a Resolução CFM 1657/2002, alterada parcialmente pela Resolução CFM 1812/2007, que coincide com o mandato da Diretoria Clínica, sendo permitida a recondução ao cargo. & 5º - O presidente e o Secretário da Comissão de Ética serão eleitos pelos membros da Comissão, conforme determina a Resolução acima citada. A presidência da Comissão será exercida pelo membro que obtiver o maior número de votos, escolhendo entre os demais membros o seu secretário. & 6º - Em caso de vacância do cargo, será convocado a preenchê-la o suplente que tiver obtido o maior número de votos. Quando houver vacância de metade ou mais dos cargos, será convocada nova eleição para completar o mandato. Art. 59 Compete à Comissão de Ética: I Zelar pelos princípios da ética médica. II Supervisionar e orientar, em sua área de atuação, o exercício da atividade médica. III Comunicar ao CRMMG o exercício ilegal da medicina. IV Manter atualizado o cadastro de médicos na instituição. 17

18 V Colaborar com o CRMMG na tarefa de educar, divulgar e orientar sobre temas relativos à ética médica. VI Instaurar sindicâncias, apurar e emitir relatório circunstanciado de todas as infrações que cheguem ao seu conhecimento. Das Comissões Permanentes e Temporárias Art. 60 São Comissões Permanentes do Hospital: 1 A Comissão de Ética 2 A Comissão de Prontuário Médico 3 Comissão de Óbito 4 Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Parágrafo Único: Os membros das Comissões Permanentes serão eleitos pela Assembléia do Corpo Clínico, devendo o mandato coincidir com o do Diretor Clínico. Art. 61 Serão Comissões Temporárias do Hospital aquelas que porventura forem criadas segundo a necessidade de melhor organizar os trabalhos do Hospital. & 1º - Os membros das Comissões Temporárias serão designados pelo Diretor Clínico. & 2º - A duração das Comissões Temporárias não poderá exceder o prazo de seis meses. Caso haja necessidade de extensão dos seus trabalhos por um período maior, elas serão transformadas em Comissões Permanentes e deverão seguir as regras estabelecidas para estas. Disposições Transitórias Art As normas contidas neste Regulamento incidem imediatamente após a sua aprovação. Parágrafo Único - Caberá ao CMH assegurar o fiel cumprimento deste Regulamento devendo expedir instruções e instar o Corpo Clínico à sua implementação, informando ao Provedor as providências adotadas. Das Disposições Finais Art Este Regulamento entra em vigor na data de sua aprovação pelo Provedor, ficando revogadas todas as disposições em contrário. Belo Horizonte, 07 de novembro de

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus.

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus. São Mateus. REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO HOSPITAL SÃO MATEUS LTDA [Digite EMISSÃO texto] Nº: 01 REVISÃO Nº: 02 DATA: 10/08/1998 DATA: 28/04/2011 Sumário Capitulo I : Das Definições e Objetivos do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO AISI-FMIt-HE

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO AISI-FMIt-HE REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO AISI-FMIt-HE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, SUBORDINAÇÃO E CARACTERÍSTICA CAPÍTULO II DA CONSTITUIÇÃO DO CORPO CLÍNICO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS CAPÍTULO

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Dos objetivos Artigo 1º - O Hospital-Escola Veterinário (HOVET) é órgão anexo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011. Dispõe sobre a normativa de organização e funcionamento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO A Faculdade Católica do Tocantins, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007 MODELO O conteúdo do Anteprojeto de Lei abaixo apresentado representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, inciso I, da

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib EMENTA: O médico poderá faltar a um plantão preestabelecido,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS

REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS ÍNDICE CAP I CAP II DAS FINALIDADES E PRINCÍPIOS GERAIS DA ORGANIZAÇÃO GERAL Programas de treinamento CAP III DA COMISSÃO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul ANEXO I REGIMENTO INTERNO PADRÃO DO CORPO CLÍNICO ATUALIZADO DE ACORDO COM AS RESOLUÇÕES NºS 06/01 DE 04.12.2001, 05/02 DE 07.05.2002, 06/2002 DE 21.06.2002 E 04/2004 DE 16.08.2004 Conceituação CAPÍTULO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE Capítulo I - Da liga e seus fins Art. 1 - A Liga de Cirurgia Pediátrica, a seguir designada LACIPE,

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOPATOLOGIA

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOPATOLOGIA PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOPATOLOGIA 2011 Artigo 3º - A Sociedade Brasileira de Citopatologia tem como finalidades: h) colaborar e intervir no processo de

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I: Objetivos Art. 1º - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial (SOGAOR),

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Ementa: Estabelece normas de organização, funcionamento e eleição, competências das Comissões de Ética Médica dos estabelecimentos

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI 1 NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Normatiza o Estágio Probatório de Docentes no âmbito da Universidade Federal de Itajubá. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM CIÊNCIAS AGRONÔMICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Campus I Campus II Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Tel: 18 3229 2077 / 2078 / 2079 E-mail: posgrad@unoeste.br www.unoeste.br Rua José Bongiovani, 700 Cidade Universitária CEP 19050 920 Presidente

Leia mais

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio.

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECER CRM/MS N 12/2014 PROCESSO CONSULTA CRMMS 0011/2014 Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECERISTA:

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais