ESTATUTO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA"

Transcrição

1 ESTATUTO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA Estatuto aprovado pelo Conselho Central da SSVP em 2 de fevereiro de 2004, homologado pelo Conselho Metropolitano de Goiânia da SSVP e registrado no 1 o Tabelionato de Protestos e Registros da Pessoa Jurídica, Títulos e Documentos da Comarca de Goiânia (n )

2 ASSEMBLÉIA GERAL Dom Washington Cruz, CP Presidente Pe. Rubens Sodré Miranda, CSS Prof. Wolmir Therezio Amado Silvane Aparecida Peres Valdivino Moreira dos Santos Mário Eduardo Roveda Yara Manoel Juvenal Vieira da Costa Prof. Paulo Luiz Carvalho Francescantônio Prof a Maria Salete Silva Pontieri Nascimento Prof. José Augusto Costa CONSELHO GESTOR Prof. Wolmir Therezio Amado Presidente Valdivino Moreira dos Santos Vice-Presidente Pe. Rubens Sodré Miranda, CSS Silvane Aparecida Peres Dr. Otaliba Libâneo de Morais Neto Dr. Sérgio Nakamura Secretário do Conselho Gestor: Prof. Onofre Guilherme S. Filho DIRETORIA Dr. José Alberto Alvarenga Diretor Geral Dr. Marcelo Netto do Carmo Diretor Técnico Prof. José Roldão Gonçalves Barbosa Diretor Administrativo-Financeiro Dr. Rômulo Sales de Andrade Diretor Clínico COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO ESTATUTO: Prof. Onofre Guilherme dos S. Filho Secretário Geral da SGC Dr. Florentino Luiz Ferreira Assessor Jurídico da Santa Casa Dr. Cristiano Mocellin Grzybowski Assessor Jurídico da Santa Casa Drª. Jane Vilela Godoi Assessora Jurídica da Universidade Católica de Goiás/SGC

3 Apresentação A Santa Casa de Misericórdia de Goiânia se prepara para celebrar seus 70 anos de fundação. Ao longo de todo esse período, vem se firmando na Região Centro-Oeste e no Brasil como um hospital de referência no atendimento à saúde, sobretudo da população carente. Sua história é parte integrante da história do município de Goiânia, do Estado de Goiás e da nossa Arquidiocese. A trajetória da Santa Casa foi construída coletivamente. Inúmeros foram os religiosos, religiosas, padres, agentes leigos, médicos e profissionais da saúde em geral, funcionários, voluntários que trabalharam ou doaram seu tempo, afetos e inteligências na edificação dessa instituição. Muitos são os que ainda hoje vêem no campo da saúde o sentido da realização de sua ação missionária. Fruto de um trabalho conjunto entre a Sociedade São Vicente de Paulo, a Sociedade Goiana de Cultura e a Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de Goiânia, a atual história da nossa Santa Casa de Misericórdia de Goiânia está sendo construída de forma conjunta pelas três instituições, que se irmanam em torno ao objetivo maior do Hospital, que é o de garantir que a vida humana seja preservada e que a saúde seja, de fato, um bem da coletividade. Toda a estrutura administrativa da instituição visa, em primeira e última análise, assegurar a estabilidade dessa missão institucional da Santa Casa. Entregamos à comunidade hospitalar, universitária e à sociedade em geral o novo Estatuto da Santa Casa. Diversas alterações foram nele introduzidas para garantir juridicamente a atual configuração da gestão do hospital, cuja propriedade e administração passa a ser exercida conjuntamente pela Sociedade Goiana de Cultura e pela Sociedade São Vicente de Paulo. São duas instituições eclesiais que se unem na condução deste grande hospital. E dirá o Rei aos que estão à direita Vinde, abençoados de meu Pai, tomai posse do reino preparado para vós desde a criação do mundo. Porque tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber, fui peregrino e me acolhestes, estive nu e me vestistes, enfermo e me visitastes, estava preso e viestes ver-me (Mt. 25, 34-46). Nessas palavras está contida a missão que o Senhor confia ao nosso Hospital. A caridade é o dom supremo. E o serviço prestado pelo Hospital é uma expressão concreta e profundamente conseqüente da dimensão caritativa de toda a Igreja, em atenção aos mais necessitados, aos mais pobres, que são o sacramento da presença do Senhor em nosso meio.

4 Invocamos as bênçãos de Deus sobre todos os que exercem algum ministério na Santa Casa, por intercessão de Nossa Senhora Auxiliadora, de São Vicente de Paulo e do Bem-Aventurado Frederico Ozanam. Goiânia, fevereiro de Dom Washington Cruz, CP Arcebispo Metropolitano de Goiânia Presidente da Sociedade Goiana de Cultura Presidente da Assembléia Geral da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia Prof. Wolmir Therezio Amado Reitor da Universidade Católica de Goiás Presidente do Conselho Gestor da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia

5 SUMÁRIO Apresentação... 3 CAPÍTULO I... 7 Da Denominação, Duração e Sede... 7 CAPÍTULO II... 7 Do Objetivo e das Finalidades... 7 CAPÍTULO III... 8 Do Quadro Social... 8 Seção I - Da Natureza, da Composição e dos Direitos... 8 Seção II - Dos Deveres dos Associados Seção III - Do Cancelamento da Condição de Associado CAPÍTULO IV Da Estrutura Organizacional Básica e das Competências Seção I - Da Estrutura Organizacional Subseção I - Da Assembléia Geral Subseção II - Do Conselho Gestor Seção III - Do Conselho Fiscal Subseção IV - Dos Órgãos Auxiliares da Administração CAPÍTULO IV Das Eleições e Mandatos Seção I - Do Processo Eleitoral Seção II - Da Perda do Mandato CAPÍTULO V Do Patrimônio, Fontes de Receita e Despesa CAPÍTULO VI Da Extinção CAPÍTULO VII Das Disposições Gerais CAPÍTULO VIII Das Disposições Finais... 22

6 6 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA

7 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 7 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Art. 1º. A SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂ- NIA, é uma associação civil de direito privado, inscrita no CNPJ (MF) / , beneficente, caritativa e de assistência social, sem fins lucrativos, sem denominação política ou religiosa, fundada em 1 o de novembro de 1936 e constituída por prazo indeterminado, vinculada à Sociedade Goiana de Cultura e à Sociedade de São Vicente de Paulo, devidamente registrada no Livro A de Registros de Pessoas Jurídicas sob o n , do 1 o Tabelionato de Protestos e Registro de Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos da Comarca de Goiânia. Parágrafo único. Fica convencionado por este Estatuto, que a denominação Santa Casa de Misericórdia de Goiânia, substitui a razão social Santa Casa de Misericórdia de Goiânia, Obra Unida à Sociedade de São Vicente de Paulo. Art. 2 o. A Entidade tem sede própria e foro na cidade de Goiânia, Estado de Goiás, sito na Rua Campinas, n , Setor Americano do Brasil, CEP , onde funciona a sua administração. CAPÍTULO II DO OBJETIVO E DAS FINALIDADES Art. 3 o. A Entidade tem por objetivo a prática da caridade cristã no campo da assistência médico-hospitalar, social e da promoção humana, com as seguintes finalidades específicas: a) fazer presente, na história e na cultura dos homens, no âmbito de sua atuação, o Evangelho de Jesus Cristo, na forma em que é anunciado pela Igreja, nos documentos do Magistério, especialmente os referentes à América Latina e ao Brasil, como os de Medelín, Puebla, Santo Domingo, CNBB, do Plano de Pastoral da Arquidiocese de Goiânia e da Regra da Sociedade de São Vicente de Paulo no Brasil; b) formar profissionais competentes, lideranças efetivas, agentes comprometidos com as finalidades das instituições e com a prática da justiça social na sociedade global; c) promover a saúde humana em todos os seus níveis, proporcionando atendimento médico-hospitalar-laboratorial e ambulatorial à população, utilizando-se de convênios públicos e/ou privados;

8 8 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA d) defender e valorizar a dignidade da vida humana, do início ao fim, difundindo a doutrina católica na execução de suas atividades; e) dar especial atenção aos assistidos da Sociedade de São Vicente de Paulo, assim compreendidos aqueles insertos nas condições estabelecidas na Regra da Sociedade de São Vicente de Paulo no Brasil e devidamente cadastrados nos seus respectivos Conselhos; f) estabelecer parcerias e convênios com órgãos públicos e/ou privados a fim de proporcionar, dentro dos limites de sua atuação e em todos os ramos da Medicina, inclusive os correlatos e Odontologia, programas de extensão em ensino de formação técnica e/ou superior, inclusive pesquisas; g) constituir e gerir seu patrimônio, que será exclusivamente direcionado para sua atividade; h) observar, cumprir e fazer cumprir rigorosamente às determinações legais em todos os seus níveis. CAPÍTULO III DO QUADRO SOCIAL SEÇÃO I DA NATUREZA, DA COMPOSIÇÃO E DOS DIREITOS Art. 4 o. O Quadro Social é formado por associados efetivos, associados provedores e associados benfeitores, de acordo com as atribuições, prerrogativas e restrições previstas neste Estatuto. 1 o - São associados efetivos : a) o Arcebispo Metropolitano de Goiânia; b) o Presidente do Conselho Metropolitano de Goiânia da Sociedade de São Vicente de Paulo; c) o Presidente do Conselho Central de Goiânia da Sociedade de São Vicente de Paulo; d) o Vice-Presidente da Sociedade Goiana de Cultura; e) o Reitor da Universidade Católica de Goiás; f) 3 (três) representantes apresentados pela Sociedade Goiana de Cultura; g) 3 (três) representantes apresentados pelo Conselho Metropolitano de Goiânia da Sociedade de São Vicente de Paulo.

9 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 9 2º Constituem direitos dos Associados Efetivos: a) Freqüentar a sede da Entidade; b) ser candidato a cargos eletivos; c) apresentar proposições e pedidos que julgarem necessários ou convenientes à consecução dos objetivos sociais; d) participar das reuniões, estudos ou quaisquer trabalhos promovidos pela Entidade; e)votar e ser votado para qualquer cargo na Assembléia Geral; f) desligar-se a qualquer tempo da Entidade. 3 o São associados provedores, à guisa de referendo público, o Secretário Municipal de Saúde de Goiânia e 1 (um) representante apresentado pela respectiva Secretaria, com o direito apenas de serem votados e de comporem os cargos de Conselheiros do Conselho Gestor da Entidade, não tendo direito a voto nas decisões do Conselho Gestor que envolverem questões patrimoniais da Entidade, seja com relação à constituição de ônus de qualquer natureza, seja relativo à sua alienação. 4 o - Poderão ser admitidos como associados benfeitores, à guisa de homenagem, mediante proposta fundamentada por associado efetivo, pessoas físicas ou jurídicas que tenham prestado relevantes serviços à área da saúde ou à sociedade em geral, não tendo, quando convocadas, direito a voto nas Assembléias Gerais. Art. 5 o. Os associados efetivos, provedores e benfeitores serão admitidos mediante solicitação feita ao Presidente do Conselho Gestor da Entidade, que submeterá à apreciação do Conselho Gestor. 1 o O pedido de filiação será feito em formulário que identifique quando pessoa física: nome, CPF, RG, filiação, profissão, endereço e, para pessoa jurídica, nome, CNPJ, associados, atividade e endereço. 2 o Havendo recusa da admissão, devidamente fundamentada, caberá recurso do interessado à Assembléia Geral, no prazo de 10 (dez) dias, contado do recebimento da decisão. Tal prazo será contado por qualquer meio que comprove o seu recebimento. 3 o A condição de associado junto à Entidade comprovar-se-á mediante certificado próprio, emitido pelo Conselho Gestor, de acordo com modelo a ser instituído. Art. 6 o. Os direitos dos Associados previstos neste Estatuto, somente poderão ser exercidos pessoalmente.

10 10 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA SEÇÃO II DOS DEVERES DOS ASSOCIADOS Art. 7 o. São deveres dos associados: a) Contribuir para que a Entidade cumpra o seu objetivo e realize suas finalidades. b) Atender às convocações para as Assembléias Gerais ou Reuniões. c) Subsidiar os trabalhos da Entidade, espontaneamente ou quando solicitado. d) Aceitar e cumprir o presente Estatuto, os Estatutos e Regimentos da Sociedade Goiana de Cultura, a Regra da Sociedade de São Vicente de Paulo das decisões emanadas da Assembléia Geral. e) Prestigiar a Entidade por todos os meios ao seu alcance, propagando o seu espírito filantrópico. f) Informar ao Conselho Gestor de tudo quanto, direta ou indiretamente, possa interessar à Entidade; g) Manter relacionamento com as autoridades Federais, Estaduais e Municipais e com as instâncias próprias da Entidade, visando a promoção de suas finalidades; h) Zelar pelo funcionamento, decoro e bom nome da Entidade; i) Garantir que os cargos de Presidente e Vice-Presidente do Conselho Gestor sejam ocupados anualmente por membros que preencham uma das qualificações previstas no artigo 4º, 1º, alíneas b e d do presente Estatuto. SEÇÃO III DO CANCELAMENTO DA CONDIÇÃO DE ASSOCIADO Art. 8º. Perderá a condição de associado, a pessoa física ou jurídica que: a) Venha a envolver-se, direta ou indiretamente, por preposto ou representante seu, comprovadamente, em atos ou práticas consideradas lesivas aos interesses da Entidade; b) Infringir dispositivos deste Estatuto; c) Descumprir decisões, recomendações ou sanções estabelecidas pela Assembléia Geral; c) Perder quando Associado Efetivo, a qualificação estabelecida no art. 4º, 1º do presente Estatuto.

11 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 11 Parágrafo único. A perda da condição de associado será declarada, a pedido ou ex officio, por ato do Conselho Gestor. Art. 9º. Uma vez aprovado o pedido de exclusão, em reunião do Conselho Gestor, o associado ficará eliminado do quadro social da Entidade. Parágrafo único. Da penalidade prevista no art. 8 º, caberá recurso por escrito à Assembléia Geral, no prazo de 30 (trinta) dias, a contar do recebimento da decisão. CAPÍTULO IV DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL BÁSICA E DAS COMPETÊNCIAS SEÇÃO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 10. A Entidade estrutura-se em: I Assembléia Geral; II Conselho Gestor; III Conselho Fiscal; IV Órgãos Auxiliares da Administração: a) Conselho Deliberativo; b) Diretoria Executiva; c) Assessorias; d) Comissões. Parágrafo único. As finalidades, a estrutura organizacional, as obrigações e responsabilidades do Conselho Deliberativo, da Diretoria Executiva, Assessorias e Comissões, bem como as atribuições de seus respectivos responsáveis, são objeto de regulamentação específica e constam do Regimento Geral da Entidade. SUBSEÇÃO I DA ASSEMBLÉIA GERAL Art. 11. O órgão máximo da Entidade é a Assembléia Geral, constituída pelos Associados Efetivos, que terão direito a um voto cada. Art. 12. A Assembléia Geral reunir-se-á uma vez por ano, entre os meses de janeiro e abril, ordinariamente, a fim de aprovar as contas do exercício fiscal anterior e o relatório sobre o desempenho do Conselho Gestor.

12 12 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA Art. 13. Realizar-se-ão Assembléias Gerais Extraordinárias: a) Por convocação do Presidente ou por maioria dos titulares do Conselho Gestor; b) Por requerimento de, pelo menos, 25% (vinte e cinco por cento) dos Associados Efetivos; c) Por requerimento do Conselho Fiscal, na totalidade de seus membros. 1 o As Assembléias Gerais Extraordinárias somente deliberarão sobre os assuntos específicos para as quais tenham sido convocadas. 2 o Sempre que houver recursos das penalidades impostas pelo Conselho Gestor, compete ao Presidente do Conselho Gestor convocar a Assembléia Geral Extraordinária no prazo máximo de 15 (quinze) dias úteis. Art. 14. As convocações para as Assembléias Gerais serão feitas por qualquer meio que comprove o seu recebimento pelo associado, sendo as Ordinárias com antecedência mínima de 72 (setenta e duas) horas, e as Extraordinárias com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas, devendo constar das mesmas, a ordem do dia. Art. 15. Em primeira convocação, as Assembléias Gerais somente se instalarão com a presença de, pelo menos, um terço dos associados com direto a voto e, em segunda convocação, que deverá ser realizada em 30 (trinta) minutos após a primeira convocação, com qualquer número de associados com direito a voto. Art. 16. As Assembléias Gerais serão instaladas e presididas pelo Arcebispo Metropolitano de Goiânia. Art. 17. Compete privativamente à Assembléia Geral: a) Eleger os membros do Conselho Gestor e do Conselho Fiscal; b) homologar a indicação do Presidente e Vice-presidente do Conselho Gestor; c) tomar conhecimento e deliberar sobre o relatório de Prestação de Contas do Conselho Gestor, acompanhado de pareceres do Conselho Fiscal; d) homologar as contas e orçamento anual do Conselho Gestor; e) deliberar, em grau de recurso, sobre as sanções aplicadas pelo Conselho Gestor aos associados; f) destituir membros do Conselho Gestor e Conselho Fiscal; g) alterar o estatuto;

13 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 13 h) decidir sobre incorporação, fusão, cisão, dissolução e extinção da Entidade; i) homologar o Regimento Geral, Regimentos Internos e Regimento do Corpo Clínico da Entidade; j) deliberar sobre os limites da administração ordinária do patrimônio da Entidade e os poderes inerentes ao Conselho Gestor, necessários para o cumprimento das finalidades de sua instituição; k) homologar os planos institucionais da Entidade; l) aprovar as propostas para alienação de bens, aceitação de legados e doação, bem como para assumir encargos financeiros que onerem, direta ou indiretamente seu patrimônio; m) apreciar, em última instância, os vetos do Conselho Gestor aos atos administrativos emanados da Diretoria Executiva. Parágrafo único. Para a realização de Assembléia Geral, convocada para as deliberações referentes às letras f (destituir membros do Conselho Gestor e Conselho Fiscal), g (alterar o estatuto) e h (dissolução e extinção da associação), é exigido o voto concorde de dois terços dos presentes à assembléia especialmente convocada para esse fim, não podendo ela deliberar, em primeira convocação, sem a maioria absoluta dos associados com direito a voto, ou com menos de um terço dos associados na segunda convocação. SUBSEÇÃO II DO CONSELHO GESTOR Art. 18. A Entidade será dirigida por um Conselho Gestor composto de 6 (seis) membros, ocupando os cargos de: I Presidente; II Vice-Presidente; III Conselheiros. 1º O Conselho Gestor reunir-se-á ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente quando for necessário. 2º O mandato dos membros do Conselho Gestor será de 04 (quatro) anos, contados da data da posse. 3º No caso de vacância no Conselho Gestor, os membros remanescentes convocarão uma Assembléia Geral Extraordinária para substituição até o término do mandato, devendo o substituto preencher a mesma qualificação do substituído prevista no artigo 4º, 1º e 3º do presente Estatuto. 4º O Conselho Gestor é órgão colegiado e suas decisões são tomadas sempre mediante escrutínio.

14 14 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA Art. 19. Compete ao Conselho Gestor: a) Indicar, anualmente, entre seus membros, os ocupantes dos cargos de Presidente e Vice-Presidente; b) Gerir e administrar a Entidade e seu patrimônio; c) Aprovar os nomes do Diretor Geral, apresentado pelo Conselho Metropolitano de Goiânia da Sociedade de São Vicente de Paulo, bem como do Diretor Administrativo-Financeiro, apresentado pela Sociedade Goiana de Cultura, do Diretor Técnico e demais chefes das Assessorias e Comissões; d) Homologar o nome do Diretor Clínico, o qual é eleito dentre os membros do Corpo Clínico da Entidade, após escrutínio; e) Deliberar sobre a criação e/ou extinção de serviços médicohospitalares, laboratoriais, odontológicos, psicológicos, fonoaudiológicos, de nutrição, enfermagem, fisioterapia e outras especialidades, como também serviços assistenciais à saúde preventiva e curativa, na conformidade dos padrões técnicos atualizados, sem finalidade lucrativa, para atendimento aos pacientes desprovidos de recursos e à comunidade em geral; f) Contratar ou firmar convênios com quaisquer instituições, entidades ou empresas, sejam de direito público ou privado, para assistência médico-hospitalar de pacientes, a cargo das mesmas; g) Promover a formação para os que trabalham no campo da saúde e nas pesquisas biossociais; h) Discutir e definir o plano estratégico e as diretrizes para o exercício; i) Decidir sobre a inclusão e/ou exclusão de profissionais para compor o quadro de empregados e/ou prestadores de serviço da Entidade, incluindo médicos, odontólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, advogados, dentre outros; j) Representar a entidade perante toda e qualquer repartição pública Federal, Estadual e/ou Municipal; empresas nacionais e/ou estrangeiras; firmar contratos e rescindi-los; representar a Entidade em juízo ou fora dele; constituir advogados para a defesa de seus interesses; representá-la perante bancos e estabelecimentos de créditos, públicos e/ou privados, inclusive movimentação financeira em conta-corrente, emissão de cheques e qualquer outro documento bancário; contratar e demitir e empregados, podendo outorgar tais poderes ao Diretor Geral e ao Diretor Administrativo- Financeiro da Entidade, dentro das suas atribuições;

15 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 15 k) Aprovar o Regimento Geral, Regimentos Internos e o Regimento do Corpo Clínico da Entidade; l) Aprovar os Relatórios, os Balanços e Balancetes; m) Elaborar, anualmente, o orçamento e o planejamento institucional da Entidade; n) Vetar as deliberações da Diretoria Executiva em matérias institucionais que contrariem este Estatuto, o Regimento Geral, as normas emanadas do próprio Conselho Gestor e dos Conselhos ou órgãos de saúde instituídos pelo poder público, as normas da Doutrina Cristã, as diretrizes da Igreja no Brasil para as instituições educacionais e de saúde; o) Nomear, dentre pessoas apresentadas pela Sociedade de São Vicente de Paulo ou pela Sociedade Goiana de Cultura e que não fazem parte como membros do referido Conselho, um Secretário, sem direito a voto, com funções de assessorar, lavrar as Atas das Reuniões Ordinárias e/ou Extraordinárias do Conselho Gestor, bem como providenciar os devidos registros junto aos órgãos competentes, e manter em boa ordem os livros, arquivos e documentos sob sua guarda e responsabilidade; Parágrafo único. É vedada a indicação do mesmo membro para o cargo de Presidente ou Vice-Presidente do Conselho Gestor no ano seguinte. Art. 20. Compete ao Presidente: a) representar a Entidade ativa e passivamente, judicial e extrajudicialmente; b) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto e o Regimento Geral da Entidade; c) convocar e presidir as reuniões ordinárias e extraordinárias do Conselho Gestor; d) propor à Assembléia Geral, para homologação, os planos, ações, o orçamento e a prestação de contas da Entidade, necessários para a manutenção de suas finalidades e objetivos institucionais; e) atender mensalmente o disposto no art. 56, 7º da Regra da Sociedade de São Vicente de Paulo no Brasil. Art. 21. O Vice-Presidente substitui o Presidente em suas ausências e impedimentos, bem como o representa em atos delegados, competindo-lhe, também, colaborar com o Presidente no exercício de suas atribuições.

16 16 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA SEÇÃO III DO CONSELHO FISCAL Art. 22. O Conselho Fiscal é constituído por 03 (três) membros, eleitos juntamente com o Conselho Gestor, para o quadriênio, competindo-lhe: a) fiscalizar as atividades econômico-financeiras da Entidade; b) examinar e emitir pareceres sobre as contas apresentadas pela Diretoria; c) convocar uma assembléia geral para eleição dos cargos do Conselho Gestor até o término do mandato, no caso de vacância simultânea dos cargos de Presidente e Vice-Presidente. 1º O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, duas vezes por ano e, extraordinariamente, quando convocado pelo Presidente do Conselho Gestor ou por qualquer de seus membros, com antecedência de 72 (setenta e duas) horas. 2º No caso de vacância no Conselho Fiscal, os Conselheiros remanescentes convocarão uma Assembléia Geral Extraordinária para a substituição até o término do mandato. SUBSEÇÃO IV DOS ÓRGÃOS AUXILIARES DA ADMINISTRAÇÃO. Art. 23. O Conselho Deliberativo é órgão de natureza consultiva do Conselho Gestor, tendo os limites, a composição e o funcionamento definidos no Regimento Geral da Entidade. Art. 24. A Diretoria Executiva é responsável pela execução das deliberações emanadas do Conselho Gestor, composta pelos Diretores dos seguintes órgãos : a) Diretoria Geral; b) Diretoria Administrativo-Financeira; c) Diretoria Técnica; d) Diretoria Clínica. Art. 25. As Assessorias são órgãos criados pelo Conselho Gestor e pela Diretoria Executiva para auxiliá-los em suas atividades, possuem estruturas e atribuições fixadas em conformidade com o Regimento Geral da Entidade ou por Atos Próprios Normativos.

17 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 17 Art. 26. As Comissões podem ser constituídas por indicação da Diretoria Executiva e homologadas pelo Conselho Gestor, para a prática de ações que visam ao desenvolvimento de questões relevantes relativas ao cotidiano da Entidade, visando a um maior conhecimento e controle das áreas de sua atuação, ou por definição das normas trabalhistas. 1º - A Entidade pode instalar, suprimir ou modificar Comissões, de acordo com as normas e exigências legais ou por iniciativa da Diretoria Executiva. 2º - As atribuições das Comissões são definidas no Regimento Geral. CAPITULO IV DAS ELEIÇÕES E MANDATOS SEÇÃO I DO PROCESSO ELEITORAL Art. 27. A eleição dos membros Conselho Gestor e Conselho Fiscal processar-se-á em Assembléia Geral a ser realizada no prazo mínimo de 30(trinta) dias e no máximo 60 (sessenta) dias que antecederem o término do mandato em vigor. Parágrafo único. A data para realização da eleição será fixada pelo Conselho Gestor. Art. 28. A coleta e apuração de votos serão feitas pela Mesa Eleitoral, composta de Presidente, Secretário e Mesário, escolhidos dentre os Associados Efetivos integrantes da Entidade e que não estejam concorrendo a nenhum cargo eletivo das chapas apresentadas. Parágrafo único. Os membros designados para a mesa eleitoral deverão estar presentes ao ato de abertura, encerramento da votação e da apuração dos votos. Art. 29. Os candidatos a membros do Conselho Gestor, previstos no artigo 18, deverão necessariamente atender uma das qualificações previstas no artigo 4º, 1º, alíneas b, c, d e e, e 3º do presente Estatuto, mediante protocolo, até 72 (setenta e duas) horas antes da data do pleito.

18 18 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA Art. 30. Os candidatos a membros do Conselho Fiscal, previstos no artigo 22, deverão necessariamente atender uma das qualificações previstas no artigo 4º, 1º, alíneas f e g, do presente Estatuto, mediante protocolo, até 72 (setenta e duas) horas antes da data do pleito. Art. 31. Os registros a que se referem os Artigos 29 e 30 serão requeridos ao Presidente do Conselho Gestor da Entidade. Art. 32. A eleição será processada por voto escrito e secreto dos Associados Efetivos. Parágrafo único. Considerar-se-á eleito o candidato que obtiver a maioria simples dos votos válidos apurados. Art. 33. Finda a votação, serão escrutinados os votos pela Mesa Eleitoral, que proclamará os eleitos. Art. 34. A eleição poderá ser levada a efeito por aclamação dos presentes à Assembléia Geral, quando o número de candidatos for igual ao número de membros a serem preenchidos. SEÇÃO II DA PERDA DO MANDATO Art. 35. Perderão, automaticamente, os seus mandatos os membros do Conselho Gestor e do Conselho Fiscal: a) os que tenham sido penalizados com cancelamento da condição de associado; b) os que faltarem, sem motivo justificado, previamente comunicado ao Presidente do Conselho Gestor ou seu sucessor, sucessivamente a 03 (três) ou alternativamente a 6 (seis) reuniões do órgão ao qual detém o mandato; c) os que tenham renunciado. Parágrafo único. No caso de renúncia coletiva do Conselho Gestor e do Conselho Fiscal, o Presidente do Conselho Gestor, ainda que resignatário, convocará nova eleição, obedecido o disposto no presente Estatuto.

19 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA 19 CAPÍTULO V DO PATRIMÔNIO, FONTES DE RECEITA E DESPESA Art. 36. Todos os bens do ativo líqüido representado por bens móveis ou imóveis, veículos, utensílios, instalações, obras de arte, equipamentos de informática, de laboratórios e pesquisa, bibliotecas, semoventes, ações, direitos e créditos existentes e documentados em seu nome, assim como os novos acréscimos decorrentes de aquisição, patentes, títulos de propriedade intelectual e comercial, rendas e receitas provenientes de seus bens e serviços, auxílios e subvenções dos poderes públicos municipal, estadual e federal, incorporações, legados, doações e contribuições de qualquer natureza ou fonte, em nome da Entidade são formadores do seu acervo patrimonial. Art. 37. A Entidade pode possuir, a título de detenção, posse ou propriedade, de usufruto ou de qualquer direito real, todos os bens móveis, imóveis ou semoventes necessários à realização de seus fins, bem como exercer prestação remunerada ou gratuita de serviços, visando às suas finalidades estatutárias. Art. 38. Para os fins de fruição dos benefícios do Art. 150, inciso VI, letra c da Constituição Federal de 1988, que veda à União, aos Estados Membros da Federação, ao Distrito Federal e aos Municípios instituírem impostos sobre as instituições de educação e assistência social, observados os requisitos do Art. 9º, inc. IV, letra c, combinado com o Art. 14 do Código Tributário Nacional, a Entidade: a) não distribui qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título; b) aplica integralmente, no país, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais; c) mantém a escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão. Art. 39. Todos os bens patrimoniais da Entidade estão exclusivamente a serviço de seus objetivos sociais e o Conselho Gestor responde e se obriga pela sua guarda, conservação, administração e pela correta aplicação de seus recursos.

20 20 ESTATUTO SOCIAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE GOIÂNIA Art. 40. Não se reconhece a validade de toda e qualquer alienação, aquisição a que título for, permuta, comodato ou constituição de quaisquer ônus sobre imóveis da Entidade realizada sem a prévia ciência e autorização expressa da Assembléia Geral. Art. 41. Anualmente, em trinta e um do mês de dezembro, encerrase o balanço patrimonial, acompanhado das respectivas demonstrações contábeis e financeiras. Art. 42. São fontes de recursos para manutenção da Entidade: a) receitas provenientes da prestação de serviços médicos, hospitalares e laboratoriais a particulares; b) receitas provenientes da prestação de serviços médicos, hospitalares e laboratoriais através de convênios com o Sistema Único de Saúde SUS, sob a observância de suas diretrizes, bem como outras cooperativas, seguradoras e planos de saúde públicos, particulares e próprios; c) donativos, contribuições, auxílios, subvenções e doações patrimoniais; d) rendas de bens patrimoniais; e) promoções e eventos; f) rendimentos de aplicações financeiras. Art. 43. Os recursos advindos dos poderes públicos são aplicados dentro da Entidade, ou no caso de manter unidades prestadoras de serviços a ela vinculadas, tais como creches, asilos, orfanatos ou qualquer outra entidade assistencial, no âmbito do ente público concedente. Art. 44. As subvenções e doações recebidas são, obrigatoriamente, aplicadas na Entidade e exclusivamente para as finalidades a que estejam vinculadas. Art. 45. Os bens e direitos que constituem o patrimônio social são de propriedade única da Entidade, não dando direito a reivindicação pelo associado de qualquer quinhão. CAPÍTULO VI DA EXTINÇÃO Art. 46. A Entidade somente poderá ser dissolvida por votação de 2/ 3 (dois terços) de seus Associados Efetivos e em duas Assembléias Gerais consecutivas, especialmente convocadas para esse fim. Decidida a sua

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º O PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES AMIGOS DE ILHA SOLTEIRA - AMAIS.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES AMIGOS DE ILHA SOLTEIRA - AMAIS. 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES AMIGOS DE ILHA SOLTEIRA - AMAIS. CAPÍTULO I - Da denominação, da sede, duração e finalidade. Art. 1º - A Associação dos Moradores Amigos de Ilha Solteira AMAIS, é

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo de Duração e Área de Atuação Artigo 1º - Sob a denominação de Associação de Moradores do Jardim Florença, fica constituída, nos termos da legislação em vigor,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social 1 ESTATUTO SOCIAL MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A organização não-governamental Moinhos da Cidadania - Projetos de Desenvolvimento

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º - A FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA - FFM é pessoa jurídica de direito privado de fins não lucrativos, com

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos Art. 1º - A Associação dos agricultores... é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA Capitulo Primeiro Nome e Natureza Jurídica Art. 1 - Sob a denominação de INSTITUTO RODA D ÁGUA, ou pela forma abreviada RODA D ÁGUA fica instituída esta associação

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o O URUBUZÃO CLUBE DE AMIGOS, fundado em 01 de Agosto de 2007 é uma Associação, sem fins econômicos, que terá duração por tempo indeterminado, sede no Município

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art.

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 1 ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 19 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA art. 18 ASSOCIADOS art. 6º COMPETÊNCIA

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC CAPÍTULO I Da Natureza e Objetivos Art. 1º - A Sociedade Brasileira de Secretariado, doravante denominada SBSEC, constituída em 21 de Outubro

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA,

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA, ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO E SEDE DA ENTIDADE Artigo 1 o - ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - Da Denominação, da Sede, do Foro e do Prazo de Duração Art. 1º - A Brigada 1, também designada pela sigla B1, constituída aos vinte e três dias de março de dois mil e três,

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO Art. 1 - Fundada em 05 de maio de 1973, por prazo indeterminado, a ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Estatuto da Associação de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A Associação de Assistência ao Adolescente, associação civil sem fins lucrativos, fundada e instalada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região é uma associação civil, de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS ABANDONADOS A4 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS ABANDONADOS A4 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS ABANDONADOS A4 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1. A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS- A4, associação de direito privado, sem fins

Leia mais

INSTITUTO LER PARA CRESCER ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS.

INSTITUTO LER PARA CRESCER ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS. INSTITUTO LER PARA CRESCER ESTATUTO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS. Artigo 1º - O Instituto Ler para Crescer constituído por Assembleia Geral realizada em 28 de agosto de 2011, com sede

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS.

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - A Fundação Desenvolvimento Ambiental - Fundamental é pessoa jurídica de direito

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião dos Conselhos de Administração e Fiscal da ASSOCIAÇÃO DE TRANSPORTE DO NORTE CATARINENSE ASTRAN, inscrita no CNPJ n 10.437.997/0001-03, realizada em São Bento do Sul,

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP SISEMP ESTATUTO ESTATUTO CAPÍTULO I Da denominação, constituição, sede e foro, natureza, jurisdição, duração e fins. Art. 1º - O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Paranatinga MT - SISEMP,

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Estatuto associação artesão de Bom Despacho www.senhoradosol.com.br

Estatuto associação artesão de Bom Despacho www.senhoradosol.com.br Estatuto associação artesão de Bom Despacho www.senhoradosol.com.br CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A(o) Associação do Artesãos de Bom Despacho...também designada(o) pela sigla, ARTEBOM

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS AÉREAS ABEAR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS AÉREAS ABEAR Página 1 de 12 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS AÉREAS ABEAR CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇAO SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas - ABEAR, doravante denominada

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B (Aprovado pela Portaria PREVIC n o 372/2015, publicada no D.O.U. de 10/7/2015.) CAPÍTULO I DA CRIAÇÃO,

Leia mais

Artigo 2º - A Associação tem por objetivo, dentre outros:

Artigo 2º - A Associação tem por objetivo, dentre outros: ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E AMIGOS DO BAIRRO DA CONSOLAÇÃO E ADJACÊNCIAS AMACON I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Associação dos Moradores e Amigos do Bairro da Consolação e

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

Proposta de adequação do Estatuto Social.

Proposta de adequação do Estatuto Social. Proposta de adequação do Estatuto Social. Art. 23 A exclusão do Cooperado dar-se-á por: Texto atual: IV - Deixar de atender os requisitos estatutários para ingresso ou permanência na Cooperativa (neste

Leia mais

www.sementedavida.org.com.br

www.sementedavida.org.com.br Anexo I Ata da Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária 08 de Abril de 2014. ESTATUTO SOCIAL Índice Capítulo I Denominação, Sede, Fins e Regência 2 Capítulo II Associados 3 Capítulo III Governo, Administração

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES ESTADUAIS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL - ASBRAER CAPÍTULO I

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES ESTADUAIS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL - ASBRAER CAPÍTULO I ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES ESTADUAIS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL - ASBRAER CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ARTIGO 1º - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL

SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1.º A SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO, uma Organização Não Governamental - ONG,

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DO PÓLO DE INFORMÁTICA DE CAXIAS DO SUL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO JURÍDICO

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DO PÓLO DE INFORMÁTICA DE CAXIAS DO SUL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO JURÍDICO ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DO PÓLO DE INFORMÁTICA DE CAXIAS DO SUL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO JURÍDICO Art. 1º. A Associação do Pólo de Informática de Caxias do Sul, fundada em 01 de dezembro

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

PARASITAS MOTOGRUPO ESTATUTO

PARASITAS MOTOGRUPO ESTATUTO PARASITAS MOTOGRUPO ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - Pelo presente Estatuto social, fica criada uma associação, que girará com a denominação de PARASITAS MOTOGRUPO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Art.1º- A Associação dos Artesãos e Produtores Caseiros de Fortaleza

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO FILANTRÓPICA "CRIANÇA FELIZ" CAPÍTULO I

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO FILANTRÓPICA CRIANÇA FELIZ CAPÍTULO I ESTATUTO 1 ASSOCIAÇÃO FILANTRÓPICA "CRIANÇA FELIZ" CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1 º - Art. 2 º - A Associação Filantrópica "Criança Feliz" também designada pela sigla de AFCF, constituída

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede, Duração e Finalidades. ARTIGO 1º O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1º O INSTITUTO PALAVRA ABERTA é classificado como pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMONIO HISTORICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO APRECED - TITULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO E FINALIDADES Art.

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Modelo de Estatuto Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Capítulo I Da denominação, Sede, fins e duração Art.1º - O Grêmio estudantil da Escola funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais