SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO PREÂMBULO A Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere possui acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, celebrado com o Centro Distrital de Segurança Social de Santarém, desde Esta resposta social tem capacidade para 40 utentes. São considerados valores basilares para a prática da acção dos profissionais desta Santa Casa, a legalidade, a neutralidade política, económica e religiosa, a responsabilidade, a privacidade individualidade de cada utente. A administração, colaboradores, utentes e familiares têm o dever de cumprir os artigos que constam do presente regulamento Página 1 de 11

2 CAPÍTULO I Natureza, Fins e Âmbito de Aplicação Artigo 1º Caraterização e Localização A Santa casa da Misericórdia de ferreira do Zêzere, adiante designada por SCMFZ, tem sede na Rua Quinta das Acácias, nº1a, Ferreira do Zêzere. Artigo 2º Âmbito de aplicação e Conceito As presentes normas visam regulamentar as condições de instalação e funcionamento dos serviços de apoio domiciliário. A resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário consiste na prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicílio, a indivíduos e famílias quando, por motivo de doença, deficiência ou outro impedimento, não possam assegurar temporária ou permanentemente, a satisfação das suas necessidades básicas e/ou atividades da vida diária. A reposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, adiante designada por SAD, funciona na Rua Quinta das Acácias, nº1a, Ferreira do Zêzere. Artigo 3º Legislação aplicável e Enquadramento Legal Os princípios legislativos pelos quais se rege o SAD desta Santa Casa são: Portaria nº38/2013, de 30 de Janeiro; Decreto-Lei 141/89, de 28 de Abril; Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário entre o Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social e a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Biénio 2015/2016; Circular nº4, de 16 de dezembro de 2014, da Direção Geral da Segurança Social Comparticipações Familiares; Manual para a Gestão de Qualidade de Resposta Social SAD. Artigo 4º Objetivos gerais São objetivos deste serviço: 1. Contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas e famílias, não pretendendo substituir a ajuda de familiares, vizinhos e outro tipo de entreajuda; Página 2 de 11

3 2. Prevenir situações de dependência e promover a autonomia; 3. Contribuir para o protelar ou até mesmo o evitar o processo de institucionalização 4. Prestar cuidados de ordem física e apoio psicossocial aos utentes e famílias, de modo a contribuir para o seu equilíbrio e bem-estar; 5. Apoiar os utentes e famílias na satisfação das necessidades básicas e actividades da vida diária; 6. Colaborar e ou assegurar o acesso à prestação de cuidados de saúde. CAPÍTULO II Artigo 5º Horários e Calendarização O Serviço de Apoio Domiciliário funciona de terça a quinta-feira das 8h30 às 19h00 sendo prestados todos os serviços. De sexta a segunda-feira das 9h00 às 17h00 são assegurados apenas a distribuição de refeições e higiene pessoal, bem como nos dias Santos de Guarda nomeadamente, a Sexta-feira Santa, o dia de Natal e dia de Ano Novo. CAPÍTULO III Processo de Admissão Artigo 6º Candidatura 1. Para efeitos de admissão, o utente deverá candidatar-se através do preenchimento de uma ficha de identificação que constitui parte integrante do processo social, devendo fazer prova das declarações efetuadas, mediante a entrega de cópia dos seguintes documentos: a) Documento de identificação; b) Número de Contribuinte; c) Número de identificação da Segurança Social (NISS) d) Cartão de Utente dos Serviços de saúde ou de subsistemas a que o cliente pertença; e) Relatório médico comprovativo da situação clínica do utente. 2. O horário de atendimento para candidatura é o seguinte, das 9.30 às e das às Página 3 de 11

4 3. A ficha de inscrição e os documentos probatórios referidos no número anterior deverão ser entregues no gabinete de Serviço Social, da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere. 4. Em caso de admissão urgente, poderá ser dispensada a apresentação de candidatura e respetivos documentos probatórios, devendo todavia ser desde logo iniciado o processo de obtenção dos dados em falta. Artigo 7º Condições de Admissão 1. São destinatários desta resposta social os indivíduos e famílias em situação de dependência física que residam, em todas as freguesias do Concelho de Ferreira do Zêzere, com exceção da União de freguesias de Areias e Pias e freguesia de Chãos. 2. Salienta-se que para usufruírem dos Serviços prestados pela Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, os utentes deveram ser sócios da mesma. 3. São critérios de prioridade na seleção dos utentes Idade do cliente; Ser sócio da SCMFZ; Grau de dependência; Recursos económicos; Ausência ou indisponibilidade da família em assegurar cuidados básicos; Risco de isolamento social; Situações de emergência social. 4. Não podem ser admitidos no SAD pessoas ou famílias que: a) Necessitando de cuidados durante 24 horas não tenham quem assegure os referidos cuidados fora dos períodos de presença física da equipa de SAD. b) Cuja problemática complexa ultrapasse o âmbito de competência e capacidade do SAD. Artigo 8º Admissão Depois de comunicar ao utente a decisão da sua admissão é agendada uma visita domiciliária, a realizar pela Diretora Técnica da resposta social, não só para averiguar a situação sociofamiliar mas também o grau de dependência e situação económica. Página 4 de 11

5 CAPÍTULO IV Comparticipação Familiar Artigo 9º Cálculo da Mensalidade 1. A comparticipação familiar mensal a estabelecer para cada utente é calculada em função do estudo da situação económica do agregado familiar com base na legislação em vigor. É aplicada uma percentagem sobre o rendimento per capita do agregado familiar do utente conforme o número de serviços prestados. 2. O SAD desta Santa Casa presta os seguintes serviços básicos a cada utente: Cuidados de Higiene e conforto pessoal; Distribuição de refeições; Higiene habitacional: Tratamento de Roupa 3. Para além dos serviços acima identificados a SCMFZ pode ainda assegurar outros serviços, que poderão substituir algum ou alguns dos serviços básicos ou serem objeto de pagamento suplementar, nomeadamente: Preparação semanal da medicamentação; Auxilio na administração Medicamentosa; Acompanhamento ao exterior; Aquisição de bens e/ou a serviços no exterior; Apoio social 4. A comparticipação familiar máxima pelos serviços de SAD não poderá ultrapassar as seguintes percentagens sobre o Rendimento per capita: Até 60% pela utilização dos 4 serviços básicos Até 25% pela utilização dos 5 serviços extra. O valor do somatório das percentagens dos serviços básicos com as percentagens dos serviços extra não poderá exceder 75% sobre o rendimento per capita. 5. O cálculo do rendimento per capita do agregado familiar é realizado de acordo com a seguinte fórmula e de acordo com o estabelecido na Circular nº4/2014: RAF/12 - D N Página 5 de 11

6 Sendo: RC = Rendimento per capita mensal RAF= Rendimento do agregado familiar (Anual ou anualizado) D = Despesas mensais fixas n = Número de elementos do agregado familiar 6. Para efeitos de determinação do montante de rendimento do agregado familiar (RAF), consideram-se os seguintes rendimentos: a) Do trabalho dependente; b) Do trabalho independente rendimentos empresariais e profissionais; c) De pensões; d) De prestações sociais (exceto as atribuídas por encargos familiares e por deficiência); e) Bolsas de estudo e formação (exceto as atribuídas pela frequência e conclusão, até ao grau de licenciatura); f) Prediais; g) De capitais; h) Outras fontes de rendimento 7. Consideram-se despesas mensais fixas do agregado familiar: 7.1 O valor das taxas e impostos necessários à formação do rendimento líquido, 7.2 O valor da renda de casa ou de prestação mensal devida pela aquisição de habitação própria; 7.3 Despesas com transportes públicos até ao valor máximo da tarifa de transporte da zona de residência; 7.4 As despesas com aquisição de medicamentos de uso continuado em caso de doença crónica. 8. Ao somatório das despesas mensais fixas a que se referem as alíneas 7.2,7.3 e 7.4, fica estabelecido como limite máximo do total das despesas a considerar o valor equivalente ao RMMG em vigor. Nos casos em que essa soma é inferior ao RMMG é considerado o valor real das despesas. 9. A falta de entrega dos documentos necessários para o cálculo do rendimento per capita implica o pagamento da mensalidade máxima. 10. As comparticipações familiares, em regra, são objeto de revisão anual. 11. Sempre que existam dúvidas sobre a veracidade das declarações de rendimento, deverão ser feitas as diligências complementares que se considerem mais adequadas para apurar as situações, podendo a SCMFZ determinar a comparticipação familiar de acordo com os rendimentos presumidos. Página 6 de 11

7 Artigo 10º Pagamento da Mensalidade 1. O pagamento da mensalidade deverá ser efetuado até ao dia 10 do mês a que correspondem, das 9h30 ás 12h30 e das 14h00 ás 18h00, nos Serviços Administrativos da SCMFZ. 2. A mensalidade deverá ser paga em numerário, cheque ou transferência bancária pelo utente ou seu responsável. Artigo 11º Reduções da Comparticipação Familiar Haverá lugar para uma redução da comparticipação familiar nas seguintes situações: a) 10% nas mensalidade quando o período de ausência, devidamente justificado por escrito, exceda os 15 dias consecutivos. Inicia-se a contagem do prazo no 1º dia útil á tomada de conhecimento por parte da SCMFZ; b) Todas as admissões que forem efetuadas até dia 15 deverão proceder ao pagamento total da comparticipação mensal definida. Caso a admissão seja efetuada após esta data haverá uma redução de 30% na comparticipação familiar mensal do 1º pagamento. Artigo 12º Ausências 1. O utente deve comunicar á Instituição a sua ausência do domicílio, caso não seja possível avisar com maior antecedência, até às 18h00 do dia anterior. 2. A ausência por período de tempo consecutivo igual ou superior a um mês, sem que tenha sido comunicado por escrito a esta Santa Casa, tem como consequência a anulação da inscrição. CAPÍTULO V Instalações e Recursos Humanos Artigo 13º Instalações 1. O Serviço de Apoio Domiciliário está sediado nas instalações da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere e as suas instalações/equipamentos são compostas por: a) Cozinha (em comum com outras respostas sociais); Página 7 de 11

8 b) Lavandaria/ rouparia (em comum com outras respostas sociais); c) Secretaria (em comum com outras respostas sociais); d) Gabinete Técnico (em comum com outras respostas sociais); e) Viaturas ligeiras (em comum com outras respostas sociais); Artigo 14º Recursos Humanos 1. O quadro de pessoal desta resposta social encontra-se afixado em local bem visível, contendo a indicação do número de recursos humanos, formação e conteúdo funcional, definido de acordo com a legislação/normativos em vigor. É constituído por: 1 Director Técnico 1 Técnico de Serviço Social Funcionários Administrativos (comuns a outras respostas sociais) 8 Ajudantes de Acção Directa 4 Ajudante de Acção Directa Lavandaria (comum a outras respostas sociais) 1 Cozinheira (comum a outras respostas sociais) 1 Ajudante de Cozinha (comum a outras respostas sociais). A Direção Técnica do SAD compete a um técnico superior de serviço social, nos termos da Portaria nº38/2013 de 30 de Janeiro, cujo nome formação se encontra afixado em lugar visível. Artigo 15º Direitos dos Utentes a) O respeito pela sua identidade pessoal e reserva de intimidade privada e familiar, bem como pelos seus usos e costumes; b) A inviolabilidade da correspondência e do domicílio, não sendo, neste caso, permitido fazer alterações, nem eliminar bens ou outros objectos sem a sua prévia autorização e/ou da respectiva família; c) A custódia da chave do seu domicílio em local seguro, sempre que esta seja entregue aos serviços, ou ao trabalhador responsável pela prestação de cuidados; d) A prestação dos serviços solicitados e contratados para a cobertura das suas necessidades, tendo em vista manter ou melhorar a sua autonomia; Página 8 de 11

9 Artigo 16º Deveres dos Utentes a) Colaborarem com a equipa de Serviço de Apoio Domiciliário na medida dos seus interesses e possibilidades, não exigindo a prestação dos serviços para além do plano estabelecido; b) Satisfazerem os custos da comparticipação familiar, de acordo com o previamente estabelecido. c) Cumprir o regulamento; d) Avisar a instituição de qualquer alteração ao serviço. Artigo 17º Direitos da Instituição São direitos da Instituição: a) Ver cumprido o regulamento interno do SAD; b) Serem tratados com dignidade os dirigentes, trabalhadores e voluntários da instituição; c) Ver respeitado o seu património. Artigo 18º Deveres da instituição São deveres da Instituição a) Prestar os serviços constantes deste Regulamento Interno; b) Garantir a qualidade dos serviços prestados, nomeadamente através do recrutamento de profissionais com formação e qualificação adequadas; c) Avaliar o desempenho dos prestadores de serviços, designadamente através da auscultação dos utentes; d) Manter actualizados os processos dos utentes; e) Garantir o sigilo dos dados constantes nos processos dos utentes; f) Dispor de um Livro de Reclamações; Página 9 de 11

10 CAPÍTULO VI Disposições Finais Artigo 19º Contrato Nos termos da legislação em vigor, entre o utente ou seu representante legal e a Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere deve ser celebrado, por escrito, um contrato de prestação de serviços. Artigo 20º Cessação da Prestação de serviços 1. A cessação da prestação dos serviços da resposta de SAD por parte do utente pode ocorrer por: a) Motivos previsíveis devendo para tal esta Santa Casa ser informada por escrito, através de impresso próprio, com uma antecedência mínima de 15 dias; b) Motivos imprevisíveis devendo a instituição ser avisada logo que possível. 2. A cessação da prestação dos serviços da resposta de SAD por parte da SCMFZ pode ocorrer por: a) Por incumprimento do estabelecido no presente regulamento Artigo 21º Guarda de Bens Pessoais 1. A SCMFZ pode assegurar a guarda das chaves do domicílio do utente, em situações a analisar pela diretora Técnica, desde que estas sejam entregues devidamente identificadas. 2. Em caso de cessação do contrato o utente deverá dirigir-se á SCMFZ no prazo de 30 dias para proceder á recolha da chave. Artigo 22º Livro de Reclamações Nos termos da legislação em vigor, este serviço possui livro de reclamações, que poderá ser solicitado junto dos serviços administrativos da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere sempre que desejado. Página 10 de 11

11 Artigo 23º Aspetos de ordem geral 1. O presente regulamento será objeto de alteração ou revogação sempre que a legislação ou normativos o exijam. 2. Em caso de eventuais lacunas estas serão suprimidas pela Mesa Administrativa tendo em conta a legislação e normativos em vigor. 3. O presente regulamento entra em vigor no dia 23 de Março de 2015 e revoga o anterior regulamento. Página 11 de 11

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A empresa de Apoio Domiciliário, designada por Inês Camarinha, Unip, Ldª, pertencente a Inês Maria Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA O Serviço de Apoio Domiciliário do Lar Frei Manoel das

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO A Associação Betesda, Esperança e Vida é uma Instituição Particular de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, designada por S.C.M.A., com acordo de cooperação para

Leia mais

APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO

APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO 2 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL DE SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Âmbito de Aplicação) O Serviço de Apoio Domiciliário,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O Centro de Dia é um estabelecimento da Associação de Solidariedade Social de

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia Regulamento Interno da Resposta Data: 6 de Maio de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ARTº 1º (Natureza) A resposta social Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social desenvolvida

Leia mais

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços:

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços: REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Anjos do Lar CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário designado por Anjos do Lar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA CENTRO DE IDOSOS CENTRO DE DIA CD I Serviço de Centro de Dia INDICE Pág Natrureza e Objectivos 3 II Condições de Admissão 4 III Candidatura

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas Idosas (N35J V4.10) PROPRIEDADE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS P á g i n a 1 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação 1. A Benéfica e Previdente Associação Mutualista, com estatuto

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I FUNCIONAMENTO 1. Natureza O presente Regulamento aplica-se ao Serviço de Apoio Domiciliário da Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II Âmbito de Aplicação 1 - A Estrutura Residencial para idosos, visa a protecção dos cidadãos na velhice e invalidez, bem como

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE SAD

REGULAMENTO INTERNO DE SAD 1/18 CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Denominação e Fins da Instituição A IPSS designada por, com sede na Freguesia de Praia do Ribatejo, concelho de Vila Nova da Barquinha, cujos estatutos se encontram

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro designada por S.C.M.A., com acordo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE

REGULAMENTO INTERNO CRECHE REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina

Leia mais

Índice... 1. Capítulo I... 3. Enquadramento, objectivos e serviços... 3. Artigo 1º - Enquadramento... 3. Artigo 2º - Âmbito pessoal...

Índice... 1. Capítulo I... 3. Enquadramento, objectivos e serviços... 3. Artigo 1º - Enquadramento... 3. Artigo 2º - Âmbito pessoal... REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO ÍNDICE Índice... 1 Capítulo I... 3 Enquadramento, objectivos e serviços... 3 Artigo 1º - Enquadramento... 3 Artigo 2º - Âmbito pessoal... 3 Artigo 3º -

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SAD

REGULAMENTO INTERNO SAD 2015 REGULAMENTO INTERNO SAD ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL AS COSTUREIRINHAS DE CAVERNÃES 2 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) Índice Capitulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação 3 Norma II Legislação Aplicável 3 Norma III Objetivos do Regulamento

Leia mais

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar.

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar. MODELO DE REGULAMENTO DAS COMPARTICIPAÇÕES DOS UTENTES E SEUS FAMILIARES PELA UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL I Determinação da comparticipação

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CAPITULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Identificação) O Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

Cáritas Paroquial de Vilar

Cáritas Paroquial de Vilar Cáritas Paroquial de Vilar Regulamento Interno Serviço de Apoio Domiciliário 1/14 Índice Capítulo I Enquadramento, Objectivos e Serviços ----------------------------------------------- pag. 3 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social, designada por ASSOCIAÇÃO GOLTZ DE CARVALHO,

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE IMPLANTAÇÃO, LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE IMPLANTAÇÃO, LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 62/99, de 12 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 62/99

Leia mais

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1 DATA DE PRÉ-INSCRIÇÃO:. / /20 DATA PREVISTA DE ENTRADA:. / /20 DATA EFECTIVA DE ENTRADA:. / /20 1. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Morada Código-postal N.º Telefone Idade BI/CC N.º Beneficiário SS Email Data

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento ou estrutura prestadora

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO A Instituição Particular de Solidariedade Social designada

Leia mais

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia Serviço de Apoio Domiciliário Capitulo I Natureza e conceito Art.º 1º O Apoio Domiciliário é uma resposta social, que consiste na prestação, de um conjunto de serviços personalizados no domicilio das pessoas

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD (CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICIPIO DE CASCAIS) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Lar Residencial

Regulamento Interno de Funcionamento Lar Residencial Regulamento Interno de Funcionamento Lar Residencial Preâmbulo A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS. Norma I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS. Norma I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário, designado por Ajudacuida - Apoio Domiciliário Unipessoal, Limitada, Sociedade Unipessoal por

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 INDICE Introdução.....2 CAPÍTULO I Descrição, localização e Admissão...4 CAPÍTULO II Serviços...5 CAPÍTULO III Funcionamento...6 CAPÍTULO IV Comparticipações, Pagamentos e Cessação...6 CAPÍTULO V Direitos

Leia mais

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMP01.PC02/00 Valores, um desafio... REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) O Centro Social Paroquial de São João das

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA ASSOCIAÇÃO SANTO MAMEDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A ASSOCIAÇÃO SANTO MAMEDE, doravante também designada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de Aplicação O Centro Social São Nuno de Santa Maria é uma associação sem fins lucrativos de direito privado, dotada

Leia mais

Regulamento Interno SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Regulamento Interno SAD Serviço de Apoio Domiciliário SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTO ANTÓNIO DE S. PEDRO DO SUL Regulamento Interno SAD Serviço de Apoio Domiciliário 3ª Versão Fevereiro/2015 2 Índice CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, NATUREZA, FINS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação A reposta social de Lar designada por Centro Social de Tolosa; Lar Dr. José Manuel Semedo Basso, licenciado

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE LEÇA DO BALIO REGULAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL DE LEÇA DO BALIO REGULAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL DE LEÇA DO BALIO REGULAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO VILA DE LEÇA DO BALIO - MATOSINHOS INTRODUÇÃO O Regulamento Interno do Serviço de Apoio Domiciliário do Lar da 3ª Idade do Centro Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno

REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO 1 Capítulo I Natureza, Âmbito de Aplicação e Objetivos Natureza, Denominação e Morada 1. A Conquista Contínua, Lda Serviços de Apoio Domiciliário, adiante designada por + Cuidados é

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CRECHE MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CRECHE MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CRECHE MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento ou estrutura prestadora de serviços), tem acordo

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUÍS BARROS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL CAPITULO I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Fundação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado

Regulamento Interno do Voluntariado Regulamento Interno do Voluntariado da CriaRumos-Serviços de Apoio Geriátrico, Lda. A CriaRumos-Serviços de Apoio Geriatrico,Lda, tem como objetivos a assistencia e apoio à terceira idade, atravéz de alojamento,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO DE DIA MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO DE DIA MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO DE DIA MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento ou estrutura prestadora de serviços), tem

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES CENTRO PASTORAL D. ANTÓNIO BENTO MARTINS JUNIOR REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE ACTIVIDADES TEMPOS LIVRES Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES Telefone 253 416 144 / Fax 253 416 113 E-mail:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

Serviços de Apoio Domiciliário

Serviços de Apoio Domiciliário Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina de Jesus Bonfim Sofia Mercês Veiga Serviços de Apoio Domiciliário (Condições de implantação, localização, instalação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento), tem

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

data de celebração do acordo de cooperação), para a resposta social de JARDIM DE INFÂNCIA/

data de celebração do acordo de cooperação), para a resposta social de JARDIM DE INFÂNCIA/ REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO JARDIM DE INFÂNCIA/ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Lar da Misericórdia designado por Santa Casa da Misericórdia de Alcobaça, com acordo de cooperação

Leia mais

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza Regulamento Interno do Lar Artigo 1º Natureza O Lar constitui uma resposta social desenvolvida em alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, para idosos em situação de maior risco de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CSPSSM) Resposta Social: Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CSPSSM) Resposta Social: Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CSPSSM) Resposta Social: Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Paroquial de S. Martinho de Sande, designado por CSPSSM,

Leia mais

INSTITUTO DE PEDAGOGIA CURATIVA E SOCIOTERAPIA

INSTITUTO DE PEDAGOGIA CURATIVA E SOCIOTERAPIA INSTITUTO DE PEDAGOGIA CURATIVA E SOCIOTERAPIA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL Data: 2009-03-02 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Data: 2015-04-22 Regulamento Interno Resposta Social:

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO p / 01 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Jardim de Infância Comendador Abílio Ferreira de Oliveira é um equipamento social da Irmandade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSAS

REGULAMENTO INTERNO DA ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSAS REGULAMENTO INTERNO DA ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSAS Centro de Bem Estar Social de Malhada Sorda (3ª Revisão) CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Caracterização e Missão O Centro de Bem

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 MISSÃO, VISÃO, VALORES 5 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO

REGULAMENTO INTERNO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO Abril de 2015 Qta. Anjo - do Barreiro REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

7960 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 264 12-11-1999 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

7960 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 264 12-11-1999 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE 7960 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 264 12-11-1999 c) Um representante de cada administração regional de saúde; d) Um representante de cada agência; e) Um membro a nomear pelo Ministro da Saúde, em

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Preâmbulo. José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938.

Preâmbulo. José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938. BOLSA DE ESTUDO PROF. DOUTOR JOSÉ VIEIRA DE CARVALHO REGULAMENTO Preâmbulo José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938. Licenciou-se em Ciências

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª.

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Capítulo I Natureza / Fins e Âmbito de Aplicação A Ldª., é um estabelecimento com fins lucrativos, com sede em Vales do Rio - Covilhã,

Leia mais

Regulamento Interno dos Serviços de Apoio Domiciliário. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º

Regulamento Interno dos Serviços de Apoio Domiciliário. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º Regulamento Interno dos Serviços de Apoio Domiciliário Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º A Humanize Cuidados de Saúde Lda., é uma instituição privada com fins lucrativos, com o capital social de

Leia mais