Número: / Unidade Examinada: Hospital de Caridade Santa Casa de Campo Grande/MS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Número: 00211.000260/2011-61 Unidade Examinada: Hospital de Caridade Santa Casa de Campo Grande/MS"

Transcrição

1 Número: / Unidade Examinada: Hospital de Caridade Santa Casa de Campo Grande/MS

2 Relatório de Demandas Externas n / Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle desenvolvidas pela Controladoria-Geral da União (CGU) no Hospital de Caridade Santa Casa, localizado no Município de Campo Grande/MS, cujo trabalho foi realizado no período e 17/11/2011 a 30/03/2012 e, no período de 28/05/2013 a 07/07/2013. Esclarecemos que os executores dos recursos federais foram previamente informados, por meio dos Ofícios nº 26060/2013/GAB/CGU-Regional/MS e nº 26064/2013/GAB/CGU- Regional/MS, de 30/08/2013, sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em 04/10/2013, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas. Foram analisados o montante examinado corresponde a R$ ,40. Principais Fatos Encontrados Ministério da Saúde Programa: Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada Inobservância ao cumprimento de metas como condição para recebimento de repasses financeiros pelo Convênio nº 521-A; Dano ao Erário: Sem dano. Contratualização pela Secretaria Municipal de Saúde com a Santa Casa de Campo Grande para prestação de serviços de tomografia computadorizada e de análises clínicas que já eram subcontratados. Dano ao Erário: Sem dano. Principais Recomendações Este Relatório é destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, para a adoção de providências quanto às situações evidenciadas, especialmente, para a adoção de medidas preventivas e corretivas, visando à melhoria da execução dos Programas de Governo.

3 1 de 29 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE DEMANDAS EXTERNAS Número: /

4 2 de 29 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. DAS SITUAÇÕES VERIFICADAS 2.1 MINISTERIO DA SAUDE Programa: Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada Ação: Atenção à Saúde da População para Procedimentos em Média e Alta Complexidade 3. OUTRAS AÇÕES 3.1 MINISTERIO DA SAUDE Programa: Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada 4. CONCLUSÃO

5 3 de INTRODUÇÃO 1.1. Este Relatório apresenta os resultados de ação de controle desenvolvida em função de situações presumidamente irregulares ocorridas na gestão de recursos federais transferidos pelo Fundo Nacional de Saúde à Prefeitura Municipal de Campo Grande/MS e, repassados à Santa Casa de Campo Grande - Associação Beneficiente de Campo Grande, apontadas à Controladoria-Geral da União - CGU, que deram origem ao processo nº / Sobre o assunto, encontra-se em andamento Inquérito Civil nº 114/2011 junto ao Ministério Público do Estado do Mato Grosso do Sul (49ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público, das Fundações e Entidades de Interesse Social) O presente trabalho foi realizado no período de 17/11/2011 a 30/03/2012 e, no período de 28/05/2013 a 07/07/2013. Foram analisados os itens financiados com recursos repassados ao município no período de janeiro a outubro de 2011 pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS), bem como à verificação da regularidade dos pagamentos efetuados pela Santa Casa de Campo Grande pelos serviços prestados por duas empresas sub-contratadas, no período de abril/2012 a mar/ As situações irregulares apontadas pelo Ministério Público Estadual à CGU e examinadas neste trabalho dizem respeito aos repasses financeiros contratualizados pela Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande/MS (SESAU) para a Associação Beneficente de Campo Grande - Santa Casa, bem como à execução e contraprestação de serviços médicos-hospitalares oncológicos e de diagnósticos terceirizados no âmbito desse Hospital Registramos que a análise dos serviços médicos limitou-se ao exame da legalidade dos contratos celebrados pela Santa Casa com a Associação Fundo de Incentivo a Pesquisa - AFIP, para a prestação dos serviços de tomografia computadorizada e análises clínicas, e com o Centro de Oncologia e Hematologia de Mato Grosso do Sul Ltda., para a prestação dos serviços de oncologia Cabe destacar que não foram constatadas situações de utilização irregular de pessoal e de equipamentos do hospital pelas citadas empresas terceirizadas, não sendo objeto dos exames o cotejamento dos valores ressarcidos Para a execução do trabalho foram adotadas as seguintes ações: Identificação e avaliação dos instrumentos jurídicos vigentes utilizados pela Prefeitura Municipal de Campo Grande (PMCG) para a contratualização do Hospital SANTA CASA, bem como o montante de recursos aportados à sua manutenção. Avaliação do regular cumprimento pela SESAU dos montantes pactuados pelo Convênio nº 521-A, tomando como escopo os repasses financeiros ocorridos pela Prefeitura em favor da SANTA CASA entre janeiro e outubro de Regularidade das contratações realizadas pela SANTA CASA para terceirização dos serviços de oncologia, tomografia computadorizada e análises clínicas com o Centro de Oncologia e Hematologia de Mato Grosso do Sul Ltda.; e com a Associação Fundo de Incentivo a Pesquisa - AFIP, em 16/09/2011, no período de abril/2012 a mar/2013. Verificação da existência de controles e acompanhamento nos pagamentos realizados pela Santa Casa à empresas sub-contratadas; 1.8. Esclarecemos que os executores dos recursos federais foram previamente informados, por meio dos Ofícios nº 26060/2013/GAB/CGU-Regional/MS e nº 26064/2013/GAB/CGU-Regional/MS, de 30/08/2013, sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em 04/10/2013, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades Os resultados pormenorizados dos trabalhos realizados, organizados por órgão superior e por programa/ação de governo, estão apresentados no item 2. Já no item 3, estão relatadas as

6 4 de 29 constatações não contempladas na demanda original apresentada pelo Ministério Público. 2. DAS SITUAÇÕES VERIFICADAS A seguir apresentamos as constatações relacionadas às situações que foram examinadas, agrupadas por Programa/Ação, e vinculadas aos respectivos órgãos superiores. 2.1 MINISTERIO DA SAUDE Programa: Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada Ação: Atenção à Saúde da População para Procedimentos em Média e Alta Complexidade Objeto Examinado: Ampliar o acesso da população aos serviços ambulatoriais e hospitalares do Sistema Único de Saúde, na busca da equidade, da redução das desigualdades regionais e da humanização de sua prestação. Agente Executor Local: Montante de Recursos Financeiros Aplicados: / PREFEITURA DE CAMPO GRANDE R$ ,40 Ordem de Serviço: Forma de Transferência: Fundo a Fundo ou Concessão Situação Verificada A presente Ordem de Serviço nº , juntamente com a de número , visa a atender requisição formal expedida pela Promotora de Justiça, titular da 49ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público, das Fundações e Entidades de Interesse Social do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio do Ofício nº 768/2011/49ª PJ, de 11/07/2011, mediante o qual se demanda à Controladoria-Geral da União neste Estado ação de controle sobre a estrutura administrativa, contábil, financeira e de pessoal da SANTA CASA de Campo Grande, com vistas a instruir Inquérito Civil para apuração de eventuais irregularidades na gestão da Associação Beneficente de Campo Grande mantenedora do citado hospital filantrópico. Dispõe ainda o Ofício que a comprovação de possíveis ilegalidades perpetradas pelas administrações anteriores estaria indispensavelmente condicionada à consecução de ação fiscalizatória naquele Hospital a fim de detectar eventual malversação de recursos públicos federais oriundos do Ministério da Saúde, os quais, segundo informa o Ofício supra, corresponderiam à ordem de R$ ,40 mensais. O despacho estabelece também que o resultado da ação de controle possibilitaria indicar tanto os problemas a serem corrigidos quanto os responsáveis por atos de ilegalidade eventualmente detectados. CONSTATAÇÃO Inobservância ao cumprimento de metas como condição para recebimento de repasses financeiros

7 5 de 29 pelo Convênio nº 521-A. a) Fato: Considerando a necessidade de reorientar e reformular a política pública para os Hospitais de Ensino no Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde criou, em 17/08/2004, o Programa de Reestruturação dos Hospitais de Ensino no Âmbito do SUS, mediante a publicação de sua Portaria nº 1.702/GM/2004. Nela, determinou-se que as ações estratégicas do Programa seriam definidas e especificadas mediante processo de contratualização, a saber: Art. 3º Estabelecer que as ações estratégicas de que trata o artigo 2º desta Portaria sejam definidas e especificadas mediante processo de contratualização apoiada no estabelecimento de metas e indicadores de acompanhamento. 1º Entende-se, para fins do caput deste artigo, processo de contratualização como o meio pelo qual as partes, o representante legal do hospital de ensino e o gestor do SUS, estabelecem metas quantitativas e qualitativas do processo de atenção à saúde, de ensino e pesquisa e de gestão hospitalar que deverão ser acompanhadas e atestadas pelo Conselho Gestor da instituição ou pela Comissão Permanente de Acompanhamento de Contratos. 2º O instrumento legal que explicita a pactuação realizada é o Convênio (grifo nosso). Cerca de dois meses após a publicação daquela Portaria, a SANTA CASA (CNPJ / ) ou Sociedade Beneficente de Campo Grande ou Associação Beneficente de Campo Grande foi certificada conjuntamente pelos Ministérios da Saúde e da Educação como Hospital de Ensino, por meio da Portaria Interministerial nº 2.378, de 26/10/2004. No mês seguinte, em 29/11/2004, aquele Hospital e a Prefeitura Municipal de Campo Grande (PMCG), por meio de sua Secretaria Municipal de Saúde Pública (SESAU), firmaram o Convênio nº 521-A com interveniência do Ministério da Saúde e do Governo Estadual, tendo por objeto integrar a Associação Beneficente de Campo Grande no Sistema Único de Saúde SUS e definir a sua inserção na rede regionalizada e hierarquizada de ações e serviços de saúde, visando à garantia da atenção integral à saúde dos municípios que integram a região, tendo em vista as disposições contidas nas Portarias anteriormente mencionadas. O valor mensal para a execução do convênio foi estimado originalmente em R$ ,36, mediante financiamento tripartite União, Estado e Município. Com o advento do 18º Termo Aditivo, em 14/10/2011, aquele valor representava R$ ,63, a saber: VALORES MENSAIS PACTUADOS PELO CONVÊNIO Nº 521-A entre nov./2010 e out./2011 PRÉ-FIXADO Alteração DATA PÓS-FIXADO Permanente PONTUAL TOTAL Total MÊS (R$) 15º TA nov/ , , , , ,13 Apostila dez/ , , , , ,91

8 6 de 29 jan/ , , , , ,91 fev/ , , , , ,91 mar/ , , , , ,91 abr/ , , , , ,91 mai/ , , , , ,91 jun/ , , , , ,91 jul/ , , , , ,91 ago/ , , , , ,91 16º e 17º set/ ,93 TA , , , ,63 18º TA out/ , , , , ,63 Total ,33 Fonte: Convênio nº 521-A/2004 e aditivos [PT 47]. Evolução Financeira do Convênio nº 521-A/2004 segundo a DRIS/SESAU [PT 90]. Segundo a Cláusula Sexta do Convênio nº 521-A, os aportes financeiros mensais repassados à SANTA CASA agrupam-se em dois blocos.

9 7 de 29 O primeiro, denominado Pós-fixado, representa o teto mensal até o qual a SANTA CASA pode ser remunerada por procedimentos ambulatoriais e hospitalares de alta complexidade realizados mensalmente, valorados com base na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS. O segundo bloco, denominado Pré-fixado, cobre todos os demais procedimentos e ações em saúde referentes à média complexidade, atenção básica, educação e pesquisa. Para esse componente, o repasse financeiro corresponde a um montante global fixo e certo, condicionando apenas uma fração desse total ao cumprimento pelo Hospital das metas previstas no Plano Operativo Anual correspondente. Vale esclarecer que ao bloco Pré-fixado do Convênio nº 521-A foram aportados também recursos extraordinários provenientes das esferas Estadual e Municipal cujos repasses deram-se de forma pontual, muitas vezes em parcela única, para financiar despesas predeterminadas, como locação de aparelhos para leitos de UTI neonatal, aquisição de produtos para nutrição enteral, custeio de curso de gestão hospitalar, entre outros. CLÁUSULA SEXTA... I Os procedimentos de alta complexidade e extra teto serão repassados ao HOSPITAL pelo sistema de pagamento pós-fixado, ou seja, de acordo com sua produção mensal aprovada pela SECRETARIA, conforme o disposto no Plano Operativo Anual [...]. II Os procedimentos de baixa e média complexidade, atividades de ensino e de educação permanente definidos no Plano Operativo Anual serão repassados ao HOSPITAL pelo sistema de valores pré-fixados, no valor fixo mensal de [...].... 2º - 05% [posteriormente alterado pelo 2º TA para 10%] do valor pré-fixado, conforme inciso II desta Cláusula, somente serão repassados mensalmente se confirmado o cumprimento das metas de qualidade discriminadas no Plano Operativo Anual (grifo nosso). A fração dos repasses mensais comprometida com o cumprimento de metas pela SANTA CASA fora inicialmente definida em 5% do valor pré-fixado, conforme Parágrafo 2º da Cláusula Sexta do Convênio nº 521-A, aumentando-se dois anos depois para 10%, quando da assinatura do 2º Termo Aditivo, em 10/11/2006. Desde então, esse percentual manteve-se inalterado ao menos até outubro de Vale dizer, porém, que o Termo de Referência para Contratualização entre Hospitais de Ensino e Gestores de Saúde Anexo à Portaria nº 1.702/GM/2004 prevê que o fator de incentivo ao cumprimento de metas de qualificação das ações e atividades de atenção à saúde, ensino e pesquisa percentual supramencionado deve ser de no mínimo 10% do valor de custeio fixo, sendo que: Anualmente, e por ocasião da renovação do Plano Operativo, deverá ser revisto o percentual do componente variável da orçamentação global mista, aumentando-a em pelo menos 5% sobre o percentual que incidiu sobre o valor de custeio fixo no período anterior, até o percentual máximo de 50% dos recursos previstos na orçamentação global mista (grifo nosso). Portanto, o percentual do valor mensal pré-fixado a ser liberado à SANTA CASA, vinculado ao cumprimento das metas, deveria ter sido iniciado já em 10% e incrementado em pelo menos 5% a cada ano até comprometer 50% dos repasses daquele bloco. Assim, após oito anos de vigência do Convênio, metade dos recursos mensais pré-fixados devidos ao Hospital deveria ser condicionada ao atingimento das metas definidas pelo Plano Operativo Anual correspondente. Todavia, o

10 8 de 29 percentual considerado nos termos do Convênio nº 521-A, ao menos até outubro de 2011, nunca ultrapassou 10% do bloco pré-fixado. Conforme dispõe a Cláusula Quarta do Convênio em epígrafe, constitui dever da SANTA CASA o cumprimento de todas as metas especificadas no Plano Operacional Anual correspondente, devendo a SESAU transferir o percentual pré-fixado nos termos da Cláusula Sexta supra, ou seja, somente se confirmado o cumprimento daquelas metas. 4 DOS ENCARGOS ESPECÍFICOS: São encargos dos partícipes: I DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE: Cumprir todas as metas e condições especificadas no Plano Operativo Anual [...]. II DA SECRETARIA: a) Transferir os recursos previstos neste convênio à ABCG, conforme Cláusula Sexta deste termo;... d) analisar os relatórios elaborados pela ABCG, comparando-se as metas do Plano Operativo com os resultados alcançados e os recursos financeiros repassados (grifo nosso). No entanto, segundo a Análise do Limite de Recursos Financeiros Pertinentes à Associação Beneficente de Campo Grande documento analítico produzido pela Diretoria de Relações Institucionais em Saúde (DRIS/SESAU) acerca da evolução financeira decorrente da realização do Convênio nº 521-A em 2010, a SESAU teria desconsiderado, ao longo do período, a obrigatoriedade de se abater dos repasses mensais pré-fixados o percentual relacionado ao não atingimento das metas pela SANTA CASA, a saber: Através do estudo realizado, conclui-se que, apesar da meta de produção em MC [Média Complexidade], cujo pagamento está condicionado ao desempenho no valor do teto pré-fixado, não ter sido atingido durante todo o período analisado, a Secretaria Municipal de Saúde optou por efetivar o pagamento total do recurso (pré-fixado), considerando a situação crítica que o hospital atravessou no período e a necessidade de apoio financeiro para continuar a prestar assistência hospitalar aos usuários do SUS que têm o hospital como referência (grifo nosso). A situação acima teria se mantido também para o exercício de 2011, ao menos até novembro desse ano, conforme Ata de Reunião da Comissão de Acompanhamento da Contratualização da ABCG, de 23/11/2011: [...] Dando seguimento na apresentação, expondo as metas qualitativas, o senhor [membro da Junta Administrativa da SANTA CASA] informa que as mesmas não estão sendo consideradas pela SESAU, a pedido da Santa Casa [...] (grifo nosso). Em análise ao Relatório de Acompanhamento da Santa Casa produzido pela Comissão de Acompanhamento da Contratualização para o período de janeiro a agosto de 2011, constatou-se que algumas metas mensais, principalmente relacionadas à média complexidade, de fato, não foram cumpridas no período. Citamos alguns exemplos:

11 Interessante notar algumas correlações entre os quadros. Além de o número de internações hospitalares obstetrícias em média complexidade ter permanecido abaixo da meta, a natureza dos procedimentos natalinos utilizados pendeu acima do previsto para as cesarianas, uma vez que a taxa no período foi de 63% em média treze pontos percentuais acima do permitido. Da mesma forma, é nítida a correlação entre o tempo médio de permanência dos pacientes e a taxa de ocupação hospitalar, pois na mesma proporção em que se altera o tempo de permanência dos pacientes, altera-se a taxa de ocupação de leitos, conforme se verifica no gráfico a seguir: 9 de 29

12 10 de 29 À exceção dos meses de fevereiro e julho de 2011, a taxa de ocupação na SANTA CASA superou, no período, o próprio número de leitos existentes (acima de 100%), evidenciando o frequente estado de superlotação hospitalar, cuja média correspondeu a 7%, conforme indicador das Metas Qualitativas ( Taxa de Ocupação Hospitalar Geral média de 107,03%). Assim, em que pese o atingimento parcial das metas pela SANTA CASA, nenhuma dedução sobre os repasses pré-fixados teria sido considerada pela SESAU até novembro de 2011, sendo repassada, em princípio, a totalidade do montante pactuado independentemente da produção mínima realizada em média complexidade ou da qualidade dos serviços prestados à população. Além disso, ao se comparar a produção mensal média da SANTA CASA em procedimentos de Média Complexidade e Atenção Básica, obtida do SIA/SIHD entre janeiro e outubro de 2011, com a média mensal no mesmo período dos recursos pré-fixados repassados ao Hospital pela SESAU, identificou-se que, por meio do Convênio nº 521-A, a produção pela SANTA CASA das ações do bloco Pré-fixado importou ao erário mais que o dobro (2,56 vezes) do que se fosse remunerada diretamente segundo a Tabela de Procedimentos, Medicamentos e Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS tal como ocorre na remuneração de procedimentos em Alta Complexidade (Pós-fixado), a saber: PRÉ-FIXADO Mês Processado Produção Financeira SIA/SIHD (R$) [A] Repasses Repasses Financeiros FNS/SESAU (R$) [B] Financeiros SES (R$) [C] jan/ ,74 fev/ ,39 mar/ , , ,05 abr/ ,24 mai/ ,24

13 11 de 29 jun/ ,77 jul/ ,17 ago/ ,09 set/ ,56 out/ ,27 Total , , ,05 Média Mensal , , ,81 [B+C]/[A] 2,56 [A] Produção Financeira em Média Complexidade e Atenção Básica, valorada conforme a Tabela de Procedimentos, Medicamentos e Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS [PT 113]. [B] Repasses financeiros à SANTA CASA a partir da c/c CEF (BLMAC-CG) - conciliação bancária [PT 105]. [C] Repasses financeiros à SANTA CASA realizados diretamente pela Secretaria de Estado de Saúde do Mato Grosso do Sul (SES), segundo PT 089. Muito embora, na contratualização, os repasses pré-fixados sejam remunerados em função do cumprimento de metas, e não pela prestação direta de procedimentos segundo valores da tabela SUS, a diferença identificada entre o volume de recursos financeiros recebidos e a correspondente produção em média complexidade hospitalar e ambulatorial realizada no período pela Santa Casa de Campo Grande indica que as metas quantitativas estabelecidas no Plano Operativo do Convênio nº 521-A apresentam-se subestimadas face aos recursos financeiros transferidos. Vale ressaltar que a própria Diretoria de Relações Institucionais em Saúde (DRIS/SESAU) já havia identificado desequilíbrio na alocação dos recursos para financiar as ações entre os blocos, conforme sua Análise do Limite de Recursos Financeiros Pertinentes à Associação Beneficente de Campo Grande, para o ano de 2010, a saber: O acompanhamento da Diretoria de Relações Institucionais em Saúde DRIS no cumprimento de suas atribuições de monitoramento e acompanhamento dos contratos detectou a produção das metas da contratualização na Média Complexidade variando em torno de 50% a 75%, e na produção de AC [Alta Complexidade] extrapolando o teto [financeiro do bloco pós-fixado], como exemplo em janeiro de 2010 um percentual de 129%. Esta revisão da produção gerou um chamamento oficial da Secretaria para discussão da necessidade de readequação do teto do hospital em

14 12 de 29 fevereiro de Como a negociação não foi efetivada, o setor (DRIS) precisou readequar o limite financeiro [...]. (grifo nosso) b) Manifestação da Unidade Examinada: Em resposta ao Oficio nº 26064/2013/GAB/CGU-Regional/MS, o gestor da Associação Beneficente de Campo Grande ABCG, mediante Ofício nº 087/2013-SETOR 001-ABCG, de 04/10/2013, apresenta as seguintes justificativas para as constatações identificadas: No informativo da CGU afirma que a Santa Casa não cumpriu com metas mensais definidas no Plano Operativo no período de 2004 a 2010, e apresenta como prova desta constatação um trecho da ata da reunião da Comissão de Acompanhamento da Contratualização da ABCG de 23/11/2011, porém analisando a produção pelos dados do TABWIN, e considerando cada subgrupo contratualizado houve o cumprimento até acima da meta pactuada. Ao analisar a tabela apresentada na página 6, do informativo [da CGU], não é possível contestar por não haver referência dos dados apresentados, as informações do TABWIN quanto ao quantitativo da produção ambulatorial e hospitalar da Santa Casa não há dúvidas que houve a realização do estabelecido no convênio e podem ser observado nas tabelas nº 01 e 02. O aplicativo TABWIN é um tabulador desenvolvido pelo DATASUS/MS para ser utilizado nas bases de dados do SUS, tem o maior número de bases de dados e estas são atualizadas mais rapidamente, e só pode ser utilizado em microcomputadores integrados na rede PRODAM. Vale ressaltar que os atendimentos da Atenção Básica não são valorados no faturamento da Santa Casa, pois estes procedimentos fazem parte do bloco do financiamento da atenção básica e não atenção hospitalar que são financiados pelo bloco de média e alta complexidade. Em suma a Santa Casa realiza o atendimento ao usuário devido à demanda espontânea, mas poderia ser atendido na atenção básica, não recebe por isto e mesmo que recebesse o valor deste não cobriria o custo de uma instituição habilitada para atendimento de alta complexidade. Observa-se na tabela nº 01 que no Quadro III - Demais procedimentos clínicos da média complexidade, houve uma redução importante que se justifica pelo fato de em 2012 ter sido retirado da responsabilidade da ABCG o faturamento dos procedimentos da Hemoterapia, os quais foram processados pelo HEMOSUL, por este motivo ocorreu a diminuição da produção, porém não houve prejuízo à assistência dos pacientes do SUS. Este serviço também era de responsabilidade do gestor estadual, mas a Santa Casa durante anos assumiu o atendimento e o custo do mesmo, sendo corrigido neste período.

15 13 de 29 A redução demonstrada na tabela nº 1 em relação Quadro V - Proc. Cirúrgico MC ocorreu provavelmente devido mudança no perfil epidemiológico do atendimento da urgência que teve um impacto no atendimento do trauma ortopedia que no ano de 2012 passou a ser mais complexo. Bem como o movimento inter institucional para reorganizar o fluxo dos pacientes ambulatoriais que não deveriam estar sendo encaminhados a Santa Casa e sim a atenção básica de saúde e até a presente data esta situação ainda não foi resolvida pela pouca resolutividade do ambulatório de especialidade da rede municipal, em especial da ortopedia que encaminha diariamente paciente que não deveriam ser encaminhados a Santa Casa. Em relação aos dados de internação da média complexidade, esclareceremos que os percentuais computados acima são provenientes dos processamentos realizados através do Sistema SISAIH, e que não reproduz o número efetivo de internações realizadas pelo hospital, pois, conforme demonstrado em planilhas (ANEXO I) foram historicamente retidas pelo processamento ou pela Auditoria da SESAU/CG, uma média de 20% das AIH's apresentadas, o que certamente fosse superada a meta estipulada para produção da Santa Casa. Enfatizamos que esta situação ocorria por não haver o desbloqueio de contas ocasionando o comprometimento do cumprimento das metas. A constatação conclui que houve repasse integral mesmo com cumprimento parcial das metas, deve ser considerada as informações acima prestadas e a interpretação das normativas (Lei e 8.142, NOB 01, portaria e 1.721) que por certo direcionaram as ações dos gestores públicos que estavam na administração da Santa Casa. A santa casa elabora relatórios mensais de prestação de contas do convênio com a SESAU e os apresenta para aprovação nas reuniões ordinárias do conselho local de saúde e um conselho gestor técnico da ABCG, instituídos pelo Termo de Ajustamento de Conduta Extrajudicial de 16 de julho de Na apresentação desta constatação foi questionado o não aumento do percentual (10%) vinculado ao valor do pré-fixado que seria pago pelo cumprimento de metas qualitativas, que pela portaria deveriam ter alcançado até 50%, entendemos que havia a visão de comprometer uma proporção maior do repasse de acordo com a qualidade do serviço prestado. Contudo a realidade administrativa e financeira da Santa Casa estava vinculada a uma intervenção onde num primeiro momento tinha os três gestores administrando, e a partir de 2008 apenas o Município assumiu a responsabilidade da gestão que teve apoio técnico e administrativo do Estado visando manter, melhorar e qualificar a assistência e a gestão. Ações realizadas para alcançar estes objetivos foram descritas e apresentadas nos relatórios mensais que até podem ser questionados, mas dificilmente poderá justificar com rigor de detalhes visto que os gestores da época não participam mais da Direção da Santa Casa, acreditamos que os motivos que levaram a não alteração do percentual com versa a lei, se justificam pelo contexto político nacional e regional, fragilidades da rede de atenção hospitalar da Capital e do Estado e ao fato da Santa Casa estar em intervenção judicial. Na ação judicial de intervenção recomendava aos gestores municipal e estadual a implementar gestão e regularizar a prestação de serviços médico-hospitalar ao usuário do SUS, além de sanar as dívidas e alcançar sustentabilidade financeira. Não havia outro meio aos administradores públicos, gestores internos da Santa Casa na época, senão utilizaram os recursos legais, previsto na contratualização para não houve interrupção do atendimento por falta de recurso financeiro. Enfatizamos, a ação judicial que determinava manter a prestação de serviço ao usuário do Sistema Único de Saúde, e a Santa Casa uma entidade privada filantrópica que oferece 80% da capacidade instalada para este fim, honrou este pacto e durante os anos 2004 a 2011 nenhum paciente deixou de ser atendido e nenhuma porta de entrada foi fechada para os usuários do SUS pelo contrário foram os pacientes dos outros convênios que deixaram de usar o serviço por falta de leitos disponíveis ao atendimento particular; os gestores com certeza utilizaram a ferramenta disponível

16 14 de 29 (contratualização) para receber os repasses do dinheiro público e realizar o pagamento aos fornecedores e prestadores de serviços que operacionalizam o nosocômio. c) Análise do Controle Interno: Em sua justificativa, a atual gestão da Santa Casa basicamente põe em dúvida o conteúdo dos documentos relatados na constatação supra. Convém reforçar, porém, que estes foram produzidos e subscritos por órgãos responsáveis pela fiscalização e acompanhamento da execução do Convênio nº 521-A, a saber: Análise do Limite de Recursos Financeiros Pertinentes à Associação Beneficente de Campo Grande trata da evolução financeira do Convênio nº 521-A de 2004 a 2010 foi subscrita pela Diretora de Relações Institucionais em Saúde, pela Coordenadora de Auditoria dos Serviços de Saúde e pelo Coordenador de Controle e Avaliação Ambulatorial, todos da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande/MS. Relatório de Acompanhamento da Santa Casa para o período de janeiro a agosto de 2011 foi assinado pelos membros do Conselho Gestor Técnico representantes dos usuários do SUS (Conselho Municipal de Saúde), dos gestores municipais (SESAU), bem como da Administração da Santa Casa (gestores), do Corpo Clínico, do Corpo Docente, e dos Trabalhadores. Todavia, com vistas a refutar os exemplos apresentados na constatação, obtidos a partir do Relatório de Acompanhamento da Santa Casa, a atual gestão apresentou duas tabelas na qual resume a produção em assistência ambulatorial e hospitalar da Santa Casa para os anos de 2011 e 2012, a partir de dados analíticos constantes do Anexo I do próprio Ofício encaminhado. Inicialmente, vale dizer que os dados contidos no Anexo I do ofício de manifestação do gestor, e consequentemente das tabelas resumidas, referem-se às produções anuais integrais de 2011 e de 2012 e, portanto, não correspondem ao período do Relatório de Acompanhamento da Santa Casa, o qual apresenta as produções mensais para os dois primeiros quadrimestres de 2011 (de janeiro a agosto de 2011). Mesmo assim, considerando a produção anual de 2011 informada pelo próprio gestor constante do Anexo I, verificamos que, para os mesmos procedimentos utilizados em nosso exemplo, as produções ficaram abaixo das metas mensais e anuais preestabelecidas, a saber: AVALIAÇÃO DE METAS QUANTITATIVAS / 2011 Quadro IV - Procedimentos com finalidade diagnóstica META 2011 média complexidade PRODUÇÃO Código Procedimento Anual Mensal Anual Mensal 202 Diagnóstico em laboratório clínico Quadro V - Procedimentos cirúrgicos ambulatoriais de META 2011 média complexidade PRODUÇÃO Código Procedimento Anual Mensal Anual Mensal

17 15 de Cirurgia do sistema osteomuscular Cirurgia de mama Cirurgia reparadora Outras cirurgias INTERNAÇÃO HOSPITALAR Quadro I - Internações de Média Complexidade - MAC META 2011 PRODUÇÃO Classif. Leito/Especialidade Anual Mensal Anual Mensal 2 Obstétricos Clínico Psiquiatria Psiquiatria - Hospital Dia Pediátricos ¹ (¹) No Relatório de Acompanhamento da Santa Casa a meta mensal estava em 390. INDICADORES HOSPITALARES PACTUADOS Metas 2011 Valores realizados 3 Taxa de cesárea < 50% 61,19 4 Tempo Médio de Permanência [dias] < 5,65 6,5 5 Taxa de Ocupação Hospitalar Geral > 80% 78,36 Com efeito, ao se buscar valorar financeiramente a produção física em Média Complexidade e Atenção Básica da Santa Casa segundo a Tabela de Procedimentos, Medicamentos e Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS (SIGTAP/SUS) tal como ocorre na remuneração de procedimentos em Alta Complexidade (Pós-fixado), procurou-se demonstrar que as metas físicas estabelecidas no Plano Operativo do Convênio nº 521-A junto ao seu frequente estado de

18 16 de 29 descumprimento parcial encontravam-se subdimensionadas face aos recursos financeiros transferidos à Instituição. A diferença financeira demonstra que a produção apresentada pelo Hospital em procedimentos custeados pelo bloco Pré-fixado no período representou mais que o dobro (2,56 vezes) do que se remunerada segundo os padrões do Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS (SIGTAP/SUS). Vale ressaltar que a própria Diretoria de Relações Institucionais em Saúde (DRIS/SESAU) já havia identificado desequilíbrio na alocação dos recursos para financiar as ações entre os blocos, conforme sua Análise do Limite de Recursos Financeiros Pertinentes à Associação Beneficente de Campo Grande, para o ano de 2010, a saber: O acompanhamento da Diretoria de Relações Institucionais em Saúde DRIS no cumprimento de suas atribuições de monitoramento e acompanhamento dos contratos detectou a produção das metas da contratualização na Média Complexidade variando em torno de 50% a 75%, e na produção de AC [Alta Complexidade] extrapolando o teto [financeiro do bloco pós-fixado], como exemplo em janeiro de 2010 um percentual de 129%. Esta revisão da produção gerou um chamamento oficial da Secretaria para discussão da necessidade de readequação do teto do hospital em fevereiro de Como a negociação não foi efetivada, o setor (DRIS) precisou readequar o limite financeiro [...]. (grifo nosso) Recomendação : 1 A impropriedade aqui apontada foi classificada como de responsabilidade do gestor municipal tendo em vista a sua competência primária para adoção de medidas corretivas, não exigindo a adoção de providências por parte do gestor federal. d) Conclusão sobre a situação verificada: O caráter não complementar da participação da SANTA CASA no âmbito do SUS no município de Campo Grande, além de inconstitucional e ilegal, representa risco à autonomia do Sistema local, ao gerar dependência operacional junto a essa instituição. Prova disso se verifica na inobservância, por parte do gestor público, em aplicar penalidades financeiras à SANTA CASA face ao seu notório descumprimento de metas contratualizadas, de forma a evitar interrupção de suas atividades, mesmo que parcial, a qual representaria crise ao sistema municipal hospitalar Situação Verificada Análise da participação da Santa Casa na rede de saúde do município de Campo Grande-MS, em atendimento ao Ofício nº 768/2011/49ª PJ, de 11/07/2011. INFORMAÇÃO Participação da Santa Casa no SUS em caráter não complementar, criando risco à autonomia operacional do Poder Público na Gestão Hospitalar Municipal de Campo Grande. a) Fato: Entre janeiro e outubro de 2011, os repasses à Santa Casa representaram cerca da metade das despesas realizadas pelo Bloco Financeiro de Média e Alta Complexidade do Fundo Municipal de Saúde de Campo Grande (c/c , ag , da Caixa Econômica Federal), a saber:

19 17 de 29 DÉBITOS AO BLOCO FINANCEIRO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPO GRANDE - entre jan. e out/ Item BENEFICIADO Total (R$) (%) Acum(%) 1 SOC. BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE-SANTA CASA ,88 48% 48% 2 FUNDACAO CARMEN PRUDENTE DE MATO GROSSO D ,84 6% 54% 3 FOLHA DE PAGAMENTO - PESSOAL ,65 6% 60% 4 ASSOCIACAO DE AMPARO A MATERNIDADE E A IN ,24 5% 65% 5 ASSOCIACAO DE AUXILIO E RECUPERACAO DOS H ,90 5% 70% 6 ASS.PAIS E AMIGOS DOS EXCEP.DE C.GDE-APAE ,05 5% 74% 7 BIOMOLECULAR LAB.DE BIOLOGIA MOLECULAR E ,25 5% 79% 8 MED RIM SERVICOS MEDICOS LTDA ,59 2% 81% 9 FUNDACAO P/ ESTUDO E TRATAM.DAS DEFORM.CR ,43 2% 83% 10 CLINICA DE DOENCAS RENAIS LTDA ,76 2% 84% 11 S.I.N. SERVS. MEDICOS INT. EM NEFROLOGIA ,05 1% 86% 12 CENTRO ESPIRITA DISCIP. DE JESUS- HOSPITAL ,59 1% 87% 13 MISSAO SALESIANA DE MATO GROSSO-UCDB ,39 1% 88% 14 TOTAL ADMINISTRACAO DE SERVICOS TERCEIRIZ ,67 1% 89%

20 18 de 29 Os créditos havidos em favor do Ministério da Fazenda, no montante de R$ ,94, correspondem ao pagamento de 10 parcelas retidas e realizadas pela PMCG referentes à execução do Programa de Recuperação Fiscal (REFIS), para o refinanciamento de débitos tributários federais devidos pela SANTA CASA à Receita Federal do Brasil (RFB) da 40ª à 49ª parcelas do REFIS. Esses valores foram deduzidos dos repasses ocorridos à instituição filantrópica. Portanto, a PMCG repassara efetivamente à SANTA CASA recursos da ordem de R$ ,82, o que representa 49% dos valores debitados à c/c no período analisado. A Constituição Federal de 1988, em seu art. 199, determina que a assistência à saúde é livre à iniciativa privada e que estas instituições poderão participar de forma complementar do sistema único de saúde, segundo diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos (grifo nosso). Da mesma forma, dispõe a Lei nº 8.080/1990 sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes: Art. 4º - O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde - SUS. [...] 2º - A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único de Saúde - SUS, em caráter complementar (grifo nosso). O ordenamento jurídico reconhece, portanto, que instituições particulares podem participar do SUS quando indispensável para satisfazer as necessidades sociais. Essa participação, todavia, será em caráter complementar, pois a prestação do serviço público de saúde é responsabilidade direta do Estado. Conclui-se, assim, que o papel da iniciativa privada na prestação de serviços no SUS é de natureza acessória e coadjuvante. Esse é o entendimento da doutrina e da jurisprudência. Marlon Alberto Weichert observa: Reconhecendo que a estrutura pública não seria suficiente para dar plena assistência a toda a população (especialmente pela herança de contratação de serviços privados no modelo do então INAMPS), a Constituição Federal permitiu a participação de entidades particulares no âmbito do Sistema Único de Saúde. Essa participação deve se dar de forma complementar à rede pública, ou seja, somente pode haver contratação de serviços privados quando forem insuficientes as estruturas do Poder Público. A simples menção a uma participação complementar permite concluir que a Constituição concedeu primazia à execução do serviço público de saúde por uma rede própria dos entes federativos. Atendimento público através de serviços privados deve consistir exceção, tolerável apenas se e enquanto não disponibilizado diretamente pelo Poder Público. (grifo nosso) (Weichert, Marlon Alberto. Saúde e Federação na Constituição Brasileira. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004, p. 199). Nesse sentido, de forma a quantificar a participação da iniciativa privada no Sistema Único de Saúde no Município de Campo Grande, consultamos os Sistemas de Informação Hospitalar (SIH) e Ambulatorial (SIA) do SUS para o período de 2008 a 2011, a saber: CAMPO GRANDE/MS

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Número: 00190.010534/2012-04 Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010534/2012-04 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00202.000070/2012-33 Unidades Examinadas: Hospital Geral Sanatório e Fundação Hospital da Agroindústria do Açúcar e do Álcool (Hospital do

Número: 00202.000070/2012-33 Unidades Examinadas: Hospital Geral Sanatório e Fundação Hospital da Agroindústria do Açúcar e do Álcool (Hospital do Número: 00202.000070/2012-33 Unidades Examinadas: Hospital Geral Sanatório e Fundação Hospital da Agroindústria do Açúcar e do Álcool (Hospital do Açúcar)/AL Relatório de Demandas Externas n 00202.000070/2012-33

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA.

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Relatório de Demandas Externas n 00205.000107/2010-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. TERMOS DE COOPERAÇÃO. DO CONTROLE DA NECESSIDADE AO NECESSÁRIO CONTROLE. COFEN-COREN Lei nº. 5.905, de 12/07/1973. Art. 1º. São criados o Conselho

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS DECRETO MUNICIPAL Nº 064/2014, DE 02 DE JULHO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL 3.681/2013, INSTITUIDORA DO FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Miguel Schmitt Prym,

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Capacitação CAPACITAR. Relatório de Demandas Externas

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010346/2010-14 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. O Sr. Ademir Macorin da Silva, Prefeito Municipal de Tapurah, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 Estabelece regras e padronização de documentos para arrecadação de multas

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014.

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Contabilização do recurso financeiro transferido para o Município destinado a educação em tempo integral REFERÊNCIA:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS.

LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS. LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS. FAÇO SABER, que o Poder Legislativo

Leia mais

Nova Lei de Filantropia

Nova Lei de Filantropia Nova Lei de Filantropia A nova Lei da Filantropia e seus aspectos preponderantes para a Assistência Social e o Conselho Municipal de Assistência Social Títulos Públicos Existentes (Federal) TÍTULOS Nº

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIONALIZAÇÃO NAS DIFERENTES REDES DE ATENÇÃO: COAP E REGIONALIZAÇÃO FERNANDO RITTER SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO ANUAL DE AUDITORIA (PAA) 2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 4 2 DO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP)... 6 3 DAS ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 6 3.1 Apoio ao Tribunal de Contas

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário PORTARIA nº 080/2012 - SEED O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 0494/12, de 27 de fevereiro de 2012, com fundamento na Lei nº 1.230 de 29 de

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: INSTRUMENTO DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS DE GESTÃO XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 06/03/2012 Secretaria de Saúde

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

MODELO DE CONTRATO (HPP) CONVÊNIO

MODELO DE CONTRATO (HPP) CONVÊNIO Versão Preliminar Página 1 23/12/2004 MODELO DE CONTRATO (HPP) CONVÊNIO Convénio que entre si celebram, de um lado o Município* de XXXX, através da Secretaria xxxxxxxx de Saúde, gestora do SUS Municipal

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE RELATO GERENCIAL ESTADO DO ACRE 1. Trata o presente Relato

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Institui, no âmbito do Sistema CFN/CRN, o Programa Nacional de Recuperação de Créditos (PNRC), autoriza a redução de encargos sobre dívidas em conciliação judicial

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE? O que é uma Organização Social?

O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE? O que é uma Organização Social? O que é uma Organização Social? É uma entidade sem fins lucrativos ou seja, é uma sociedade civil sem fins lucrativos ou uma fundação - que atende às exigências da Lei Estadual nº 2.675/2011, sendo regulamentada

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 60 59 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta nº 29 Data 02 de julho de 2013 Processo 13154.720567/2012 36 Interessado UNIMED RONDONÓPOLIS COOPERATIVA DE

Leia mais

PEDRO SÉRGIO KRONÉIS Prefeito do Município

PEDRO SÉRGIO KRONÉIS Prefeito do Município JUSTIFICATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 09/2015 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores: Tenho a honra de encaminhar para apreciação dos nobres vereadores do Município de São José da Boa Vista,

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO DIVISÃO DE LEGISLAÇÃO

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO DIVISÃO DE LEGISLAÇÃO LEI Nº. 5.239, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. Autoriza o Poder Executivo a realizar Convênio de prestação de Serviços com a Irmandade da Santa Casa de Caridade de Alegrete. O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE e, no uso da atribuição, que lhes confere o inciso II do parágrafo único do artigo 87 da Constituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno INFORMAÇÃO UCCI N 048/2005 UNIDADE DESTINO: Secretaria de Administração

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

LEI 13.019/14. Regime jurídico das parcerias voluntárias marco regulatório do terceiro setor

LEI 13.019/14. Regime jurídico das parcerias voluntárias marco regulatório do terceiro setor LEI 13.019/14 Regime jurídico das parcerias voluntárias marco regulatório do terceiro setor A lei é resultado de ampla discussão entre a Administração Pública federal e a sociedade civil gerando o Projeto

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE 1 ASSIST. AMBULAT. E HOSPITALAR ESPECIALIZADA 1.1 ATENÇÃO À SAÚDE DA POP NOS MUNICÍPIOS 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS 1.1.1.1

Leia mais

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos CONTRATUALIZAÇÃO Objetivos Quando forem insuficientes as disponibilidades públicas para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o gestor poderá complementar a oferta com

Leia mais

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014.

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FINANCIAMENTO PARA A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) ALOGÊNICO NÃO APARENTADO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS I. Dos Procedimentos: Visando dar cumprimento ao item de número 05 do PAINT/2009, devidamente aprovado pelo Conselho Superior desta Instituição,

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO Define diretrizes e procedimentos relativos a gestão de recursos financeiros captados ou administrados pela Fundação de Apoio

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2011

MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2011 MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2011 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA MONITORADA, INCLUINDO A INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS, PARA A SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO, QUE ENTRE

Leia mais