OS REGISTROS DE ÓBITOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS REGISTROS DE ÓBITOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO, 1835-1849."

Transcrição

1 Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP Tel.: (21) OS REGISTROS DE ÓBITOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO, Jorge Prata de SOUSA Universidade Salgado de Oliveira, Niterói. Introdução Este trabalho integra um projeto cujo objetivo principal é estudar as condições de vida e as possibilidades de reprodução da mão-de-obra livre e cativa da cidade do Rio de Janeiro, durante o século XIX. Parte desse esforço volta-se para o levantamento dos registros sobre óbitos da população da cidade do Rio de Janeiro. A análise abrange os registros de óbitos produzidos pela Santa Casa de Misericórdia entre os períodos de onde encontramos dados parcialmente organizados para todas as ocorrências de óbitos da cidade do Rio de Janeiro. Utilizaremos o levantamento realizado pela professora Maria Eulália Lahmeyer Lobo, cuja abrangência consistiu em levantar o registro de óbitos ocorridos em todas as freguesias urbanas e rurais da cidade do Rio de Janeiro. (LOBO, 1978, pág.142.). Cotejar os totais de óbitos da cidade do Rio de Janeiro provenientes de fontes distintas possibilita inicialmente, contrastar fontes manuscritas com as fontes oficiais impressas e a leitura crítica desses registros nos oferece um painel das doenças da população do século XIX, sua letalidade, morbidade e mortalidade. Período: Uma análise dos registros de óbitos indica uma supremacia das freguesias urbanas em casos de falecimentos. Supremacia facilmente explicada pela densidade demográfica concentrada nessas freguesias. Dentre os totais de óbitos das freguesias urbanas, os registros da Santa Casa representam 52% do total das ocorrências, o que faz dos registros da Santa Casa um corpo documental privilegiado para a pesquisa das condições de vida da população. Este texto faz parte de uma investigação mais ampla publicado com o título Anotação a respeito de uma fonte: os registros de óbitos da santa Casa de misericórdia do Rio de Janeiro Caderno Saúde Coletiva, UFRJ/NESC, v.xi, n 1 jan.- jun., p.33-58, 2003.

2 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 2 A densidade populacional das freguesias urbanas nos remete a uma infra-estrutura material básica necessária ao atendimento das necessidades mínimas de um contingente populacional: escoamento de mercadorias, abastecimento de água potável, fiscalização da qualidade dos alimentos consumidos, destino de dejetos, etc. Esses condicionamentos embora possam não estar diretamente relacionados à etiologia das enfermidades, às causas de morte, conjuntamente conformam o universo das condições sanitárias e higiênicas da urbe. Até que ponto as condições sanitárias e higiênicas interferem nos índices de morte em um dado período e em que medida define as condições e/ou motivos dos falecimentos? Poderíamos sintetizar esta questão em uma hipótese genérica, tendo como parâmetro às condições sanitárias e higiênicas como fatores determinantes dos índices de mortalidade e, sobretudo, do perfil da morbidade. Na dificuldade de organizar variáveis explicativas de natureza higiênica e sanitária que expliquem os índices de mortalidade e morbidade, a opção metodológica possível é dimensionar quantitativamente os óbitos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro durante o século XIX como uma das maneiras de se aproximar ao universo higiênico e sanitário da urbe. Essa hipótese orienta esta breve leitura das fontes sobre óbitos produzidas pelo ministério do Império, pela Santa Casa de Misericórdia e pela bibliografia conhecida. Vejamos comparativamente, os totais de óbitos da cidade do Rio de Janeiro e os totais ocorridos sob a responsabilidade da Santa Casa. Quadro 1 - Total de óbitos registrados na cidade do Rio de Janeiro e os registrados na Santa Casa de Misericórdia. Ano Óbitos do Rio de Janeiro Óbitos da S.C.M. % de óbitos S.C.M Totais ,1 Fonte: LOBO, 1978, págs. 142,145 (Tabelas 2.10 e 2.12) págs. 401 (tabela 3.96) págs. 437 (tabelas 3.134). Os valores dos anos de 1837 e 1844 correspondem à média dos anos anteriores e posteriores. Em uma leitura simplificada dos dados apresentados pelo ministério do Império e entre os totais de óbitos registrados pela Misericórdia, estes representam uma porcentagem que justifica uma análise

3 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 3 mais acurada desse corpus documental. Em nenhum dos anos observados o número de enterramentos sob a administração da Santa Casa de Misericórdia deixou de representar menos de 41%, observandose uma média de 44% dos registros ocorridos para todo o período. O restante dos óbitos está dividido nas diversas paróquias da cidade e foram enterrados nos campos santos de suas capelas ou nos poucos cemitérios particulares existentes na cidade. Se, por um lado, o alto índice de óbitos registrados pela administração da Santa Casa representa sua participação no total de óbitos da cidade, representa também, a sua presença no controle da política de enterramento. Sabe-se que nem todos os óbitos registrados pela Santa Casa foram casos de falecimentos ocorridos em suas enfermarias. A Santa Casa recebia defuntos que faleceram em suas residências ou vindos de enfermarias particulares. Enfim, os registros no quadro acima expressam o total de óbitos das várias unidades médicas da cidade e, do ponto de vista de uma política pública, expressam o controle político da Santa Casa sobre os enterramentos na cidade do Rio de Janeiro. Acompanhando o número de óbitos registrados pela Santa Casa, observa-se que seu desenvolvimento acompanha o fluxo de entradas de escravos no porto da cidade do Rio de Janeiro. O incremento do tráfico negreiro depois dos anos trinta dispôs ao mercado novas peças, facilitando aos senhores escravocratas a renovação de seus escravos já envelhecidos por novos escravos recémchegados. O tráfico negreiro não interfere somente no cômputo geral da população escrava no meio urbano, mas influi na disponibilidade de tratamento aos escravos envelhecidos. Quadro 2: Óbitos de escravos e de livres ocorridos na cidade do Rio de Janeiro e totais de registros de óbitos de livres e escravos ocorridos na Santa Casa de Misericórdia, Ano Óbitos de esc. na cidade do Rio de Janeiro. Óbitos de esc. Sta. Casa. % de óbitos de escravos S.C.M. Óbitos de livres no Rio de Janeiro. Óbitos de livres da Sta. Casa Fonte: Quadro 1. % de óbitos livres na S.C.M.

4 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 4 A Santa Casa de Misericórdia não só recebia os escravos estropiados, abandonados por seus donos, mas recebia também os escravos recém-chegados. O sarampo, a varíola, as febres, a disenteria, a hepatite, a anemia, escorbuto e oftalmia eram doenças recorrentes nos registros de entrada entre os escravos recolhidos no Hospital da Santa Casa. (CONRAD, 1986, p.25) Os números não mostram toda a realidade vivida pelos escravos antes de falecerem nas enfermarias da Santa Casa de Misericórdia. Observando a média de registros de óbitos de escravos (49,6%), a máxima (51,9%) e a mínima (44,7%), vê-se a importância dos registros daquela instituição. Os óbitos de livres nos registros da Santa Casa quando comparados aos totais da cidade do Rio de Janeiro suscitam uma pergunta: por que a média de óbitos livres registrados pela Misericórdia não ultrapassa 38% dos casos ocorridos em toda a cidade? Os homens e mulheres livres tinham outras escolhas, é o que parece; podiam decidir seus enterramentos a partir do santo de sua devoção e encomendar, por antecipação, o enterramento na paróquia de sua escolha. Levando em conta que a fé cristã alimentava o desejo de ser enterrado próximo aos seus santos protetores é compreensível que os livres ricos ou pobres fizessem um esforço por garantir sua tumba no adro da igreja devota de seus santos e não ser enterrado em espaço público como ocorria aos defuntos escravos. escravos. Apurando os dados disponíveis, pode-se averiguar qual foi a freqüência entre óbitos de livres e Quadro 3 - Óbitos de pessoas livres e escravas registrados na Santa Casa de Misericórdia Fonte: Idem do quadro 1. Ano Óbitos da S.C.M. Livre %livres escravos %escravos Analisando somente os registros da Santa Casa de Misericórdia, segundo a condição jurídica, nos dez anos consecutivos ( ) o índice de óbitos de escravos correspondeu a uma média de 53% dos casos.

5 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 5 Além da média de óbitos (53%) os registros mostram a participação majoritária de escravos nos quinze anos consecutivos, em onze deles o número de óbitos de escravos supera os de livres. Nota-se que o total de óbitos registrados pela Santa Casa não aumenta proporcionalmente ao número de óbitos de escravos. Essa não proporcionalidade, uma vez mais, comprova a importância dos óbitos registrados na Santa Casa: eles refletem o contingente pobre da população da cidade do Rio de Janeiro. Pelos registros, pode-se detectar a porcentagem de óbitos provenientes das enfermarias da Santa Casa. Em 1840 e 1841, há um decréscimo de óbitos provenientes das enfermarias da Santa Casa. Para o ano de 1840 em um total de óbitos registrados, 67% desse contingente veio de fora. Em 1841, de um total de óbitos sabemos que 40% desse total foram óbitos de escravos de igual procedência. 2 A alta representatividade de óbitos não provenientes das enfermarias e hospitais administrados pela Santa Casa pode indicar um aumento de mortalidade entre a população escrava no início daquela década. Uma vez que, entre os anos 1840 a 1845 a média anual de negros importados foi de escravos/ano; em 1846 chegou a escravos, mais que o dobro da média anual dos cinco anos anteriores; em 1847 elevou-se a escravos e em 1848 chegou a negros recém-chegados da África. (SODRÉ, 1938, pág.53 e 146.) 3 Refinando os dados registrados pela Santa Casa, pode-se ainda saber quais registros de enterramento procedem de suas enfermarias e quais não. Desta maneira, analisando somente as ocorrências de falecimento dentro das enfermarias da Santa Casa, pode-se então perceber a representatividade dos óbitos ocorridos sob as expensas de suas enfermarias. Quadro 4 - Óbitos registrados e ocorridos na Santa Casa de Misericórdia, Ano Registrados na S.C.M. Ocorridos na S.C.M. % de óbitos ocorridos Fonte: Extrato da ata da sessão da Mesa e Junta da S.C.M da cidade do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de Rio de Janeiro: Typ. Imp. E Const. De J. Villeneuve e Comp. AN:IS 3-3. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Biblioteca Nacional. Código II a 36. Mapa dos Corpos que se sepultarão no Campo Santo e nos jazigos da Santa Casa de Misericórdia, 1840 e Veja BRASIL. Relatório da Secretaria de Estado do Ministério do Império. Escravos entrados nos portos nacionais entre 1842 a 1852, pág. 8.

6 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 6 Em 1839, dos óbitos registrados na Santa Casa vieram de enfermarias ou hospitais que não eram administrados pela instituição, o que representa 67% de falecidos registrados. Desses 2.122, 711 (33%) eram escravos. Para o ano de 1840 a porcentagem de falecidos provenientes de outras instituições se repete, são 67%. Em 1841 a Santa Casa recebeu escravos para serem enterrados, representando 40,2% do total de óbitos registrados na Santa Casa naquele ano. 4 A alta representatividade de óbitos não provenientes das enfermarias e hospitais administrados pela Santa Casa indica um aumento de mortalidade entre a população escrava daquela década. Essa sinalização indicar um decréscimo das condições sanitárias da população escrava em função do elevado número de escravos aportados na década de quarenta. Observando o quadro n 4, constatamos que a maior participação de ocorrências de falecimentos no hospital da Santa Casa se deu nos anos de 1839, 1840 e 1842 com 33% dos óbitos. Para o biênio , os relatórios da Santa Casa são explícitos em registrar medidas de natureza higiênica para conter os índices de falecimentos em virtude do excesso do contingente de enfermos motivado pelo aumento geral da população citadina. Dentre as medidas propostas, destacava-se a criação de uma enfermaria especial para os tísicos, localizada fora do edifício do hospital. Medida tida como sendo de grande eficácia, pois diminuiria o contágio entre os enfermos. E a suspensão dos enterramentos no campo santo próximo ao hospital da Santa Casa, transferindo os enterramentos para o local conhecido como Ponta do Caju. Dessas duas medidas o secretário da Santa Casa destacava o maior benefício que tem recebido o Hospital como a transferência dos enterramentos para o cemitério da Ponta do Caju. Nesse mesmo período, a direção da Santa Casa preocupava-se cada vez mais com a precisão dos diagnósticos e, como conseqüência dessa medida, dividia os enfermos nas enfermarias segundo a natureza de suas doenças. Por exemplo, selecionava-se dentre os indigentes aqueles que realmente necessitavam de tratamento hospitalar entre os que apresentavam vício do alcoolismo e aqueles já em processo de demência. Esses últimos mereceram no ano de 1841, tratamento especial com a criação do Hospício de Pedro Segundo. 5 O biênio de 1844 e 1845 (quadro n 4) apresenta porcentagens de 38 e 37%, o que pode apontar para uma tendência de aumento de óbitos adultos ocorridos dentro das enfermarias da Santa Casa uma vez que, para aquele biênio, o número de óbitos de menores expostos caiu (quadro n 5). Dentre os dados disponíveis para óbitos ocorridos dentro do hospital e enfermarias da Santa Casa de Misericórdia, nem sempre é possível separar por faixa etária os falecimentos. Uma maneira disponível seria levantar o número de casos de expostos registrados pela Santa Casa. Por esse 4 Biblioteca Nacional. Código II a 36. Mapa dos Corpos que se sepultarão no Campo Santo e nos jazigos da Santa Casa de Misericórdia, 1840 e AN: IS 3-3. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Ata de criação do Hospício de Pedro Segundo, em Embora a urgência da medida, somente em 1852 o Hospício de Pedro Segundo entrou em funcionamento recebendo os primeiros doentes das faculdades mentais.

7 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 7 procedimento, poderemos então estimar dentre o total de falecimentos ocorridos nas dependências da Santa Casa, os casos pertinentes à faixa etária de menores de um ano. Quadro 5 Total de óbitos livres e escravos ocorridos no Hospital da Santa Casa e sua relação com óbitos de expostos, Ano Ocorridos na S.C.M. Expostos da Sta. Casa. % de expostos Fonte: AN: IS 3-3. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-4. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-5. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-6. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-9. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Do total dos óbitos ocorridos na Santa Casa o contingente de menores de um ano de idade oscila entre 17% a 28% do total de registros ocorridos na instituição. Altos índices de mortalidade de crianças nas enfermarias da Santa Casa de Misericórdia são recorrentes durante toda a década de trinta e quarenta, a ponto de, em 1846 Hadock Lobo introduzir a

8 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 8 questão da mortalidade na infância como ponto para discussão na Academia de Medicina. A questão já era preocupante desde os anos vinte. 6 Os argumentos que tentavam explicar os índices de mortalidade de crianças versavam sobre a incidência das doenças transmissíveis, transgressões de regime alimentar e vicissitudes atmosféricas. 7 Sobre as doenças transmissíveis argumentava-se o fato de tantas crianças aglomeradas ser a causa dos índices de mortalidade e incidência de moléstias provenientes de anemia e carência alimentar. Sem especificar claramente a causa febre atóxica, adinâmica - a mortalidade dos expostos ficou à época conhecida como moléstia da casa. Dom Pedro I, em 1823, em uma de suas Falas do Trono afirmava espantado que das 12 mil crianças recolhidas à Roda dos Expostos desde a sua fundação (1738), somente mil crianças tinham vingado. (Morales de los Rios, 2000, pág.167). Observando o quadro abaixo, do total de crianças recolhidas na Casa dos Expostos, vimos que algumas eram abandonadas já mortas na Roda dos Expostos. A Casa dos Expostos recolhia os menores pobres escravos ou livres que não tinham como se manterem. Geralmente eram encaminhados por seus tutores que não queriam arcar com as despesas de sua criação, viúvos, e mães solteiras. Qualquer que fosse a motivação o fato de encaminhar menores de idade aos cuidados da Casa dos Expostos, os menores representavam um segmento pobre da população. Considerações finais. O princípio que orientou esse estudo foi estabelecer as principais referências existentes sobre os registros de óbitos na cidade do Rio de Janeiro. Três fontes foram de importância para nós. A referência bibliográfica de maior fôlego utilizada foi o levantamento realizado pelas professoras Maria Eulália L. Lôbo e Bárbara Levy; os registros oficiais provenientes do ministério do Império e o levantamento realizado por nós nos livros de óbitos sob o cuidado da Santa Casa de Misericórdia foram o esteio dessas breves reflexões. Priorizamos o cotejar dos dados seriais como primeiro passo para uma possível utilização desses registros para trabalhos futuros. Dessa aproximação entre registros provenientes de procedências diversas, sobressaiu a importância dos registros de óbitos produzidos pela Santa Casa de Misericórdia. 6 Em 1823 Moreira de Azevedo em visita à Casa dos Expostos dizia o seguinte ao tão ilustre interlocutor Pedro I: A primeira vez que fui à Roda dos Expostos achei, parece impossível, sete crianças com duas amas; nem berços, nem vestuários. Pedi o mapa, e vi que em treze anos tinham entrado perto de doze mil crianças, e apenas tinha vingado mil, não sabendo a Misericórdia verdadeiramente onde elas se achavam. (FAZENDA, 1903, pág.177). 7 AN: IS 3-4. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Relatório dos hospitais, casa dos expostos, recolhimento dos órfãos e hospício de Pedro Segundo no ano compromissal de a

9 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 9 Sua importância se reveste de guia seguro, permitindo correções e preenchimento de lacunas nos dados quantitativos até então conhecidos. Bibliografia CONRAD, Robert Edgar. Tumbeiros. São Paulo: Brasiliense, FAZENDA, José Vieira. A Roda (Casa dos expostos). RIHGB, LXXV: , KARASCH, Mary. Slave life in Rio de Janeiro: Tese de Ph.D. University of Wisconsin. Princeton: Princeton University Press, LALLEMANT, Roberto. Observações acerca da epidemia de febre amarela no ano de 1850 no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: J. Villeneuve & Cia LINHARES, Maria Yedda Leite; LÉVY, Maria Bárbara. Aspectos da História demográfica e social do Rio de Janeiro, Colloque Internationaux du C.N.R.S. n.543, L'Histoire Quantitative du Brésil de 1800 à LOBO, Eulália Maria Lahmeyer e LÉVY, Maria Bárbara. História do Rio de Janeiro: do capital comercial ao capital industrial e financeiro. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Mercados e Capitais, 2v, População e estrutura fundiária no Rio de Janeiro, São Paulo: Anais do IV Encontro da ABEP, vol.4, MACHADO, R; Loureiro, A; Luz, Rogério e Muricy Katia. Danação da norma: a medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, MORALES DE LOS RIOS, A.M. O Rio de Janeiro Imperial. Rio de Janeiro: Editora a Noite, s/d. PEREIRA DO REGO, Barão de Iguape. História das epidemias da cidade do Rio de Janeiro. Real Academia de Medicina, s/d. SANTOS FILHO, Lycurgo. História Geral da Medicina no Brasil. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1991, v.2.. SODRÉ, Alcindo. O elemento servil: a escravidão. Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro III Congresso de História Nacional. Tomo especial, v.4, p TEIXEIRA, José Maria. Causas da Mortalidade das crianças no Rio de Janeiro VENÂNCIO, Renato Pinto. Infância sem destino: o abandono de crianças no Rio de Janeiro do século XVIII. São Paulo: FFLCH, USP, Dissertação de mestrado.

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos TÂNIA SALGADO PIMENTA O objetivo deste trabalho é analisar essas relações ao longo do século XIX, considerando

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

AFRICANOS NO RIO DE JANEIRO NA EPIDEMIA DE CÓLERA, 1855-1856

AFRICANOS NO RIO DE JANEIRO NA EPIDEMIA DE CÓLERA, 1855-1856 AFRICANOS NO RIO DE JANEIRO NA EPIDEMIA DE CÓLERA, 1855-1856 Kaori Kodama (COC-Fiocruz) Um gaiato disse há dias o seguinte, que não deixa de ser uma pilhéria. Até aqui dizia-se que a escravatura era um

Leia mais

2005). 3 Os Livros de Registros de óbitos estão encadernados em vários volumes e trazem na lombada o nome do

2005). 3 Os Livros de Registros de óbitos estão encadernados em vários volumes e trazem na lombada o nome do Fontes documentais do arquivo da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro para a história do tratamento de escravos na segunda metade do século XIX. Ângela Pôrto A pesquisa que ora desenvolvemos na

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850)

Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850) Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850) Caroline Rodrigues 1 A relação dos indivíduos com a morte passou por significativos processos de transformações

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico.

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. 11 GEOGRAFIA No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. a) Cite o nome de três destas cidades e identifique o estado brasileiro onde

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

3.4.2 - Caracterização da População... 1/85. 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85. 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85

3.4.2 - Caracterização da População... 1/85. 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85. 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/85 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85 3.4.2.3 - Histórico de Criação dos Municípios... 4/85

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO URBANO DE CUIABÁ NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX

TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO URBANO DE CUIABÁ NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX de comércio. 1 A partir de 1850, a cidade passa por um lento e gradual crescimento que vai ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO URBANO DE CUIABÁ NA SEGUNDA

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO)

REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO) REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO) Requer o envio de Indicação à Presidência da República, sugerindo a adoção de medidas emergenciais, por meio de ação conjunta dos Ministérios que se fizerem necessários,

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO Aline dell Orto Carvalho Bolsista PIBIC Novembro de 2007. Os lugares de memória, tal como propôs Pierre Nora, devem preencher três condições, já apresentadas

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade 2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há cerca de cinquenta anos estimava-se a população em cerca

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Severino Aprígio de Morais Graduando Enfermagem CEL severo.aprigio@ig.com.br Diane Mello Contino Graduando Enfermagem CEL enfermeirabmgse1@hotmail.com

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANUSCRITOS AFRODESCENDENTES AUTÓGRAFOS DA CHAPADA DIAMANTINA Elias de Souza Santos (UNEB) elias40_d@hotmail.com Pascásia Coelho da Costa Reis (UFBA/UNEB)

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE SAÚDE DA POPULAÇÃO DE DOURADOS / MS - UMA JUSTIFICATIVA AOS INVESTIMENTOS EM OBRAS DE SANEAMENTO

ANÁLISE DO NÍVEL DE SAÚDE DA POPULAÇÃO DE DOURADOS / MS - UMA JUSTIFICATIVA AOS INVESTIMENTOS EM OBRAS DE SANEAMENTO ANÁLISE DO NÍVEL DE SAÚDE DA POPULAÇÃO DE DOURADOS / MS - UMA JUSTIFICATIVA AOS INVESTIMENTOS EM OBRAS DE SANEAMENTO Cláudio Ikeda Suzuki (1) Engenheiro Civil pela Universidade Municipal de Taubaté - UNITAU.

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento?

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Uma análise de epidemiologia espacial INEB - Instituto de Engenharia Biomédica Maria de Fátima de Pina Instituto de

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

4. Limitações Desconsidera as consultas médicas realizadas sem vínculo com o SUS, embora o denominador seja a população

4. Limitações Desconsidera as consultas médicas realizadas sem vínculo com o SUS, embora o denominador seja a população F Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1................ 276 Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2....... 278 Número de internações hospitalares (SUS) por habitante

Leia mais

Educação física. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Educação física. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Educação física Inicialmente, a formação de professores de Educação Física adotava dos princípios regidos pelas Forças Armadas.

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 PROCESSO CONSULTA CRM-MT Nº 17/2013 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 22/2013 DATA DA ENTRADA: 22 de abril de 2013 INTERESSADA:COORDENADORIA DE VIGILANCIA SANITÁRIA DE CUIABÁ

Leia mais

HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO: UMA ABORDAGEM POR MESORREGIÕES

HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO: UMA ABORDAGEM POR MESORREGIÕES FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES - CPqAM DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO: UMA ABORDAGEM POR MESORREGIÕES Autores: Luciana Melo de Souza Leão Maristela de

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

Revista: Archivos Brasileiros de Hygiene Mental: Órgão Oficial da Liga Brasileira de Higyene Mental. Ano 1 Março de 1925 - N 1

Revista: Archivos Brasileiros de Hygiene Mental: Órgão Oficial da Liga Brasileira de Higyene Mental. Ano 1 Março de 1925 - N 1 Revista: Archivos Brasileiros de Hygiene Mental: Órgão Oficial da Liga Brasileira de Higyene Mental. Ano 1 Março de 1925 - N 1 Bolsista: Samantha Valério Parente Souza Prof.: Margarida de Souza Neves Departamento

Leia mais

I instituições e empresas 1.000 empregados; II estabelecimentos de ensino 400 alunos; VI serviços de reabilitação física 60 usuários;

I instituições e empresas 1.000 empregados; II estabelecimentos de ensino 400 alunos; VI serviços de reabilitação física 60 usuários; COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 3.145, DE 2008 Dispõe sobre a contratação de assistentes sociais. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado JOSÉ LINHARES I RELATÓRIO

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

1) Analise os quadros a seguir:

1) Analise os quadros a seguir: 1) Analise os quadros a seguir: QUADRO 1 QUADRO 2 Marque a alternativa CORRETA: a) O fator responsável para explicar o quadro 1 é o aumento do processo migratório decorrente do processo de globalização.

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Há salvação para o ensino público

Há salvação para o ensino público LÍNGUA PORTUGUESA Há salvação para o ensino público 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 O resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), disponível

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

Kaori Kodama (Pesquisadora visitante Casa de Oswaldo Cruz-Fiocruz)

Kaori Kodama (Pesquisadora visitante Casa de Oswaldo Cruz-Fiocruz) Os impactos da epidemia de cólera no Rio de Janeiro (1855-56) na população escrava: considerações sobre a mortalidade através dos registros da Santa Casa de Misericórdia Kaori Kodama (Pesquisadora visitante

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

EDITAL FMJ- 032/2011, de 21/6/2011 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO VESTIBULAR DE 2012 MEDICINA

EDITAL FMJ- 032/2011, de 21/6/2011 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO VESTIBULAR DE 2012 MEDICINA EDITAL FMJ- 032/2011, de 21/6/2011 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO VESTIBULAR DE 2012 MEDICINA O Prof. Dr. ITIBAGI ROCHA MACHADO, Diretor da Faculdade de Medicina de Jundiaí, autarquia municipal de

Leia mais

Desenvolvimento da Educação em Enfermagem no Brasil (Século XIX)

Desenvolvimento da Educação em Enfermagem no Brasil (Século XIX) Ana Neri Ana Neri Aos 13 de dezembro de 1814, nasceu Ana Justina Ferreira, na Cidade de Cachoeira, na Província da Bahia. Casou-se com Isidoro Antonio Neri, enviuvando aos 30 anos. Seus dois filhos, um

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba.

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. Maria Aparecida Papali, Maria José Acedo del Olmo e Valéria Zanetti 1 É nas Vilas, sedes dos termos e das comarcas,

Leia mais

O Novo Perfil do Nordeste Brasileiro no Censo Demográfico 2010. (Versão preliminar: normalização e diagramação em execução)

O Novo Perfil do Nordeste Brasileiro no Censo Demográfico 2010. (Versão preliminar: normalização e diagramação em execução) O Novo Perfil do Nordeste Brasileiro no Censo Demográfico 2010 (Versão preliminar: normalização e diagramação em execução) Jurandyr Carvalho Ferrari Leite Kamille Leão de Souza O Novo Perfil do Nordeste

Leia mais

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013.

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013. LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS EVENTUAIS DE AUXÍLIO NATALIDADE, FUNERAL, SITUAÇÕES DE CALAMIDADE PÚBLICA E DE VULNERABILIDADE

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços gráficos diversos, pelo prazo de 12 (doze) meses, para atender às necessidades

Leia mais

LUNA, Francisco Vidal. Observações sobre Casamento de Escravos em Treze Localidades de São Paulo (1776, 1804 e 1829), Anais do Congresso sobre

LUNA, Francisco Vidal. Observações sobre Casamento de Escravos em Treze Localidades de São Paulo (1776, 1804 e 1829), Anais do Congresso sobre LUNA, Francisco Vidal. Observações sobre Casamento de Escravos em Treze Localidades de São Paulo (1776, 1804 e 1829), Anais do Congresso sobre História da População da América Latina, São Paulo, ABEP/SEADE,

Leia mais