OS REGISTROS DE ÓBITOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS REGISTROS DE ÓBITOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO, 1835-1849."

Transcrição

1 Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP Tel.: (21) OS REGISTROS DE ÓBITOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO, Jorge Prata de SOUSA Universidade Salgado de Oliveira, Niterói. Introdução Este trabalho integra um projeto cujo objetivo principal é estudar as condições de vida e as possibilidades de reprodução da mão-de-obra livre e cativa da cidade do Rio de Janeiro, durante o século XIX. Parte desse esforço volta-se para o levantamento dos registros sobre óbitos da população da cidade do Rio de Janeiro. A análise abrange os registros de óbitos produzidos pela Santa Casa de Misericórdia entre os períodos de onde encontramos dados parcialmente organizados para todas as ocorrências de óbitos da cidade do Rio de Janeiro. Utilizaremos o levantamento realizado pela professora Maria Eulália Lahmeyer Lobo, cuja abrangência consistiu em levantar o registro de óbitos ocorridos em todas as freguesias urbanas e rurais da cidade do Rio de Janeiro. (LOBO, 1978, pág.142.). Cotejar os totais de óbitos da cidade do Rio de Janeiro provenientes de fontes distintas possibilita inicialmente, contrastar fontes manuscritas com as fontes oficiais impressas e a leitura crítica desses registros nos oferece um painel das doenças da população do século XIX, sua letalidade, morbidade e mortalidade. Período: Uma análise dos registros de óbitos indica uma supremacia das freguesias urbanas em casos de falecimentos. Supremacia facilmente explicada pela densidade demográfica concentrada nessas freguesias. Dentre os totais de óbitos das freguesias urbanas, os registros da Santa Casa representam 52% do total das ocorrências, o que faz dos registros da Santa Casa um corpo documental privilegiado para a pesquisa das condições de vida da população. Este texto faz parte de uma investigação mais ampla publicado com o título Anotação a respeito de uma fonte: os registros de óbitos da santa Casa de misericórdia do Rio de Janeiro Caderno Saúde Coletiva, UFRJ/NESC, v.xi, n 1 jan.- jun., p.33-58, 2003.

2 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 2 A densidade populacional das freguesias urbanas nos remete a uma infra-estrutura material básica necessária ao atendimento das necessidades mínimas de um contingente populacional: escoamento de mercadorias, abastecimento de água potável, fiscalização da qualidade dos alimentos consumidos, destino de dejetos, etc. Esses condicionamentos embora possam não estar diretamente relacionados à etiologia das enfermidades, às causas de morte, conjuntamente conformam o universo das condições sanitárias e higiênicas da urbe. Até que ponto as condições sanitárias e higiênicas interferem nos índices de morte em um dado período e em que medida define as condições e/ou motivos dos falecimentos? Poderíamos sintetizar esta questão em uma hipótese genérica, tendo como parâmetro às condições sanitárias e higiênicas como fatores determinantes dos índices de mortalidade e, sobretudo, do perfil da morbidade. Na dificuldade de organizar variáveis explicativas de natureza higiênica e sanitária que expliquem os índices de mortalidade e morbidade, a opção metodológica possível é dimensionar quantitativamente os óbitos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro durante o século XIX como uma das maneiras de se aproximar ao universo higiênico e sanitário da urbe. Essa hipótese orienta esta breve leitura das fontes sobre óbitos produzidas pelo ministério do Império, pela Santa Casa de Misericórdia e pela bibliografia conhecida. Vejamos comparativamente, os totais de óbitos da cidade do Rio de Janeiro e os totais ocorridos sob a responsabilidade da Santa Casa. Quadro 1 - Total de óbitos registrados na cidade do Rio de Janeiro e os registrados na Santa Casa de Misericórdia. Ano Óbitos do Rio de Janeiro Óbitos da S.C.M. % de óbitos S.C.M Totais ,1 Fonte: LOBO, 1978, págs. 142,145 (Tabelas 2.10 e 2.12) págs. 401 (tabela 3.96) págs. 437 (tabelas 3.134). Os valores dos anos de 1837 e 1844 correspondem à média dos anos anteriores e posteriores. Em uma leitura simplificada dos dados apresentados pelo ministério do Império e entre os totais de óbitos registrados pela Misericórdia, estes representam uma porcentagem que justifica uma análise

3 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 3 mais acurada desse corpus documental. Em nenhum dos anos observados o número de enterramentos sob a administração da Santa Casa de Misericórdia deixou de representar menos de 41%, observandose uma média de 44% dos registros ocorridos para todo o período. O restante dos óbitos está dividido nas diversas paróquias da cidade e foram enterrados nos campos santos de suas capelas ou nos poucos cemitérios particulares existentes na cidade. Se, por um lado, o alto índice de óbitos registrados pela administração da Santa Casa representa sua participação no total de óbitos da cidade, representa também, a sua presença no controle da política de enterramento. Sabe-se que nem todos os óbitos registrados pela Santa Casa foram casos de falecimentos ocorridos em suas enfermarias. A Santa Casa recebia defuntos que faleceram em suas residências ou vindos de enfermarias particulares. Enfim, os registros no quadro acima expressam o total de óbitos das várias unidades médicas da cidade e, do ponto de vista de uma política pública, expressam o controle político da Santa Casa sobre os enterramentos na cidade do Rio de Janeiro. Acompanhando o número de óbitos registrados pela Santa Casa, observa-se que seu desenvolvimento acompanha o fluxo de entradas de escravos no porto da cidade do Rio de Janeiro. O incremento do tráfico negreiro depois dos anos trinta dispôs ao mercado novas peças, facilitando aos senhores escravocratas a renovação de seus escravos já envelhecidos por novos escravos recémchegados. O tráfico negreiro não interfere somente no cômputo geral da população escrava no meio urbano, mas influi na disponibilidade de tratamento aos escravos envelhecidos. Quadro 2: Óbitos de escravos e de livres ocorridos na cidade do Rio de Janeiro e totais de registros de óbitos de livres e escravos ocorridos na Santa Casa de Misericórdia, Ano Óbitos de esc. na cidade do Rio de Janeiro. Óbitos de esc. Sta. Casa. % de óbitos de escravos S.C.M. Óbitos de livres no Rio de Janeiro. Óbitos de livres da Sta. Casa Fonte: Quadro 1. % de óbitos livres na S.C.M.

4 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 4 A Santa Casa de Misericórdia não só recebia os escravos estropiados, abandonados por seus donos, mas recebia também os escravos recém-chegados. O sarampo, a varíola, as febres, a disenteria, a hepatite, a anemia, escorbuto e oftalmia eram doenças recorrentes nos registros de entrada entre os escravos recolhidos no Hospital da Santa Casa. (CONRAD, 1986, p.25) Os números não mostram toda a realidade vivida pelos escravos antes de falecerem nas enfermarias da Santa Casa de Misericórdia. Observando a média de registros de óbitos de escravos (49,6%), a máxima (51,9%) e a mínima (44,7%), vê-se a importância dos registros daquela instituição. Os óbitos de livres nos registros da Santa Casa quando comparados aos totais da cidade do Rio de Janeiro suscitam uma pergunta: por que a média de óbitos livres registrados pela Misericórdia não ultrapassa 38% dos casos ocorridos em toda a cidade? Os homens e mulheres livres tinham outras escolhas, é o que parece; podiam decidir seus enterramentos a partir do santo de sua devoção e encomendar, por antecipação, o enterramento na paróquia de sua escolha. Levando em conta que a fé cristã alimentava o desejo de ser enterrado próximo aos seus santos protetores é compreensível que os livres ricos ou pobres fizessem um esforço por garantir sua tumba no adro da igreja devota de seus santos e não ser enterrado em espaço público como ocorria aos defuntos escravos. escravos. Apurando os dados disponíveis, pode-se averiguar qual foi a freqüência entre óbitos de livres e Quadro 3 - Óbitos de pessoas livres e escravas registrados na Santa Casa de Misericórdia Fonte: Idem do quadro 1. Ano Óbitos da S.C.M. Livre %livres escravos %escravos Analisando somente os registros da Santa Casa de Misericórdia, segundo a condição jurídica, nos dez anos consecutivos ( ) o índice de óbitos de escravos correspondeu a uma média de 53% dos casos.

5 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 5 Além da média de óbitos (53%) os registros mostram a participação majoritária de escravos nos quinze anos consecutivos, em onze deles o número de óbitos de escravos supera os de livres. Nota-se que o total de óbitos registrados pela Santa Casa não aumenta proporcionalmente ao número de óbitos de escravos. Essa não proporcionalidade, uma vez mais, comprova a importância dos óbitos registrados na Santa Casa: eles refletem o contingente pobre da população da cidade do Rio de Janeiro. Pelos registros, pode-se detectar a porcentagem de óbitos provenientes das enfermarias da Santa Casa. Em 1840 e 1841, há um decréscimo de óbitos provenientes das enfermarias da Santa Casa. Para o ano de 1840 em um total de óbitos registrados, 67% desse contingente veio de fora. Em 1841, de um total de óbitos sabemos que 40% desse total foram óbitos de escravos de igual procedência. 2 A alta representatividade de óbitos não provenientes das enfermarias e hospitais administrados pela Santa Casa pode indicar um aumento de mortalidade entre a população escrava no início daquela década. Uma vez que, entre os anos 1840 a 1845 a média anual de negros importados foi de escravos/ano; em 1846 chegou a escravos, mais que o dobro da média anual dos cinco anos anteriores; em 1847 elevou-se a escravos e em 1848 chegou a negros recém-chegados da África. (SODRÉ, 1938, pág.53 e 146.) 3 Refinando os dados registrados pela Santa Casa, pode-se ainda saber quais registros de enterramento procedem de suas enfermarias e quais não. Desta maneira, analisando somente as ocorrências de falecimento dentro das enfermarias da Santa Casa, pode-se então perceber a representatividade dos óbitos ocorridos sob as expensas de suas enfermarias. Quadro 4 - Óbitos registrados e ocorridos na Santa Casa de Misericórdia, Ano Registrados na S.C.M. Ocorridos na S.C.M. % de óbitos ocorridos Fonte: Extrato da ata da sessão da Mesa e Junta da S.C.M da cidade do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de Rio de Janeiro: Typ. Imp. E Const. De J. Villeneuve e Comp. AN:IS 3-3. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Biblioteca Nacional. Código II a 36. Mapa dos Corpos que se sepultarão no Campo Santo e nos jazigos da Santa Casa de Misericórdia, 1840 e Veja BRASIL. Relatório da Secretaria de Estado do Ministério do Império. Escravos entrados nos portos nacionais entre 1842 a 1852, pág. 8.

6 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 6 Em 1839, dos óbitos registrados na Santa Casa vieram de enfermarias ou hospitais que não eram administrados pela instituição, o que representa 67% de falecidos registrados. Desses 2.122, 711 (33%) eram escravos. Para o ano de 1840 a porcentagem de falecidos provenientes de outras instituições se repete, são 67%. Em 1841 a Santa Casa recebeu escravos para serem enterrados, representando 40,2% do total de óbitos registrados na Santa Casa naquele ano. 4 A alta representatividade de óbitos não provenientes das enfermarias e hospitais administrados pela Santa Casa indica um aumento de mortalidade entre a população escrava daquela década. Essa sinalização indicar um decréscimo das condições sanitárias da população escrava em função do elevado número de escravos aportados na década de quarenta. Observando o quadro n 4, constatamos que a maior participação de ocorrências de falecimentos no hospital da Santa Casa se deu nos anos de 1839, 1840 e 1842 com 33% dos óbitos. Para o biênio , os relatórios da Santa Casa são explícitos em registrar medidas de natureza higiênica para conter os índices de falecimentos em virtude do excesso do contingente de enfermos motivado pelo aumento geral da população citadina. Dentre as medidas propostas, destacava-se a criação de uma enfermaria especial para os tísicos, localizada fora do edifício do hospital. Medida tida como sendo de grande eficácia, pois diminuiria o contágio entre os enfermos. E a suspensão dos enterramentos no campo santo próximo ao hospital da Santa Casa, transferindo os enterramentos para o local conhecido como Ponta do Caju. Dessas duas medidas o secretário da Santa Casa destacava o maior benefício que tem recebido o Hospital como a transferência dos enterramentos para o cemitério da Ponta do Caju. Nesse mesmo período, a direção da Santa Casa preocupava-se cada vez mais com a precisão dos diagnósticos e, como conseqüência dessa medida, dividia os enfermos nas enfermarias segundo a natureza de suas doenças. Por exemplo, selecionava-se dentre os indigentes aqueles que realmente necessitavam de tratamento hospitalar entre os que apresentavam vício do alcoolismo e aqueles já em processo de demência. Esses últimos mereceram no ano de 1841, tratamento especial com a criação do Hospício de Pedro Segundo. 5 O biênio de 1844 e 1845 (quadro n 4) apresenta porcentagens de 38 e 37%, o que pode apontar para uma tendência de aumento de óbitos adultos ocorridos dentro das enfermarias da Santa Casa uma vez que, para aquele biênio, o número de óbitos de menores expostos caiu (quadro n 5). Dentre os dados disponíveis para óbitos ocorridos dentro do hospital e enfermarias da Santa Casa de Misericórdia, nem sempre é possível separar por faixa etária os falecimentos. Uma maneira disponível seria levantar o número de casos de expostos registrados pela Santa Casa. Por esse 4 Biblioteca Nacional. Código II a 36. Mapa dos Corpos que se sepultarão no Campo Santo e nos jazigos da Santa Casa de Misericórdia, 1840 e AN: IS 3-3. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Ata de criação do Hospício de Pedro Segundo, em Embora a urgência da medida, somente em 1852 o Hospício de Pedro Segundo entrou em funcionamento recebendo os primeiros doentes das faculdades mentais.

7 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 7 procedimento, poderemos então estimar dentre o total de falecimentos ocorridos nas dependências da Santa Casa, os casos pertinentes à faixa etária de menores de um ano. Quadro 5 Total de óbitos livres e escravos ocorridos no Hospital da Santa Casa e sua relação com óbitos de expostos, Ano Ocorridos na S.C.M. Expostos da Sta. Casa. % de expostos Fonte: AN: IS 3-3. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-4. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-5. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-6. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, , IS 3-9. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Do total dos óbitos ocorridos na Santa Casa o contingente de menores de um ano de idade oscila entre 17% a 28% do total de registros ocorridos na instituição. Altos índices de mortalidade de crianças nas enfermarias da Santa Casa de Misericórdia são recorrentes durante toda a década de trinta e quarenta, a ponto de, em 1846 Hadock Lobo introduzir a

8 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 8 questão da mortalidade na infância como ponto para discussão na Academia de Medicina. A questão já era preocupante desde os anos vinte. 6 Os argumentos que tentavam explicar os índices de mortalidade de crianças versavam sobre a incidência das doenças transmissíveis, transgressões de regime alimentar e vicissitudes atmosféricas. 7 Sobre as doenças transmissíveis argumentava-se o fato de tantas crianças aglomeradas ser a causa dos índices de mortalidade e incidência de moléstias provenientes de anemia e carência alimentar. Sem especificar claramente a causa febre atóxica, adinâmica - a mortalidade dos expostos ficou à época conhecida como moléstia da casa. Dom Pedro I, em 1823, em uma de suas Falas do Trono afirmava espantado que das 12 mil crianças recolhidas à Roda dos Expostos desde a sua fundação (1738), somente mil crianças tinham vingado. (Morales de los Rios, 2000, pág.167). Observando o quadro abaixo, do total de crianças recolhidas na Casa dos Expostos, vimos que algumas eram abandonadas já mortas na Roda dos Expostos. A Casa dos Expostos recolhia os menores pobres escravos ou livres que não tinham como se manterem. Geralmente eram encaminhados por seus tutores que não queriam arcar com as despesas de sua criação, viúvos, e mães solteiras. Qualquer que fosse a motivação o fato de encaminhar menores de idade aos cuidados da Casa dos Expostos, os menores representavam um segmento pobre da população. Considerações finais. O princípio que orientou esse estudo foi estabelecer as principais referências existentes sobre os registros de óbitos na cidade do Rio de Janeiro. Três fontes foram de importância para nós. A referência bibliográfica de maior fôlego utilizada foi o levantamento realizado pelas professoras Maria Eulália L. Lôbo e Bárbara Levy; os registros oficiais provenientes do ministério do Império e o levantamento realizado por nós nos livros de óbitos sob o cuidado da Santa Casa de Misericórdia foram o esteio dessas breves reflexões. Priorizamos o cotejar dos dados seriais como primeiro passo para uma possível utilização desses registros para trabalhos futuros. Dessa aproximação entre registros provenientes de procedências diversas, sobressaiu a importância dos registros de óbitos produzidos pela Santa Casa de Misericórdia. 6 Em 1823 Moreira de Azevedo em visita à Casa dos Expostos dizia o seguinte ao tão ilustre interlocutor Pedro I: A primeira vez que fui à Roda dos Expostos achei, parece impossível, sete crianças com duas amas; nem berços, nem vestuários. Pedi o mapa, e vi que em treze anos tinham entrado perto de doze mil crianças, e apenas tinha vingado mil, não sabendo a Misericórdia verdadeiramente onde elas se achavam. (FAZENDA, 1903, pág.177). 7 AN: IS 3-4. Santa Casa de Misericórdia.Ofícios e documentos diversos, Relatório dos hospitais, casa dos expostos, recolhimento dos órfãos e hospício de Pedro Segundo no ano compromissal de a

9 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 9 Sua importância se reveste de guia seguro, permitindo correções e preenchimento de lacunas nos dados quantitativos até então conhecidos. Bibliografia CONRAD, Robert Edgar. Tumbeiros. São Paulo: Brasiliense, FAZENDA, José Vieira. A Roda (Casa dos expostos). RIHGB, LXXV: , KARASCH, Mary. Slave life in Rio de Janeiro: Tese de Ph.D. University of Wisconsin. Princeton: Princeton University Press, LALLEMANT, Roberto. Observações acerca da epidemia de febre amarela no ano de 1850 no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: J. Villeneuve & Cia LINHARES, Maria Yedda Leite; LÉVY, Maria Bárbara. Aspectos da História demográfica e social do Rio de Janeiro, Colloque Internationaux du C.N.R.S. n.543, L'Histoire Quantitative du Brésil de 1800 à LOBO, Eulália Maria Lahmeyer e LÉVY, Maria Bárbara. História do Rio de Janeiro: do capital comercial ao capital industrial e financeiro. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Mercados e Capitais, 2v, População e estrutura fundiária no Rio de Janeiro, São Paulo: Anais do IV Encontro da ABEP, vol.4, MACHADO, R; Loureiro, A; Luz, Rogério e Muricy Katia. Danação da norma: a medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, MORALES DE LOS RIOS, A.M. O Rio de Janeiro Imperial. Rio de Janeiro: Editora a Noite, s/d. PEREIRA DO REGO, Barão de Iguape. História das epidemias da cidade do Rio de Janeiro. Real Academia de Medicina, s/d. SANTOS FILHO, Lycurgo. História Geral da Medicina no Brasil. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1991, v.2.. SODRÉ, Alcindo. O elemento servil: a escravidão. Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro III Congresso de História Nacional. Tomo especial, v.4, p TEIXEIRA, José Maria. Causas da Mortalidade das crianças no Rio de Janeiro VENÂNCIO, Renato Pinto. Infância sem destino: o abandono de crianças no Rio de Janeiro do século XVIII. São Paulo: FFLCH, USP, Dissertação de mestrado.

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

Belo Horizonte, 21 de maio de 2013.

Belo Horizonte, 21 de maio de 2013. Belo Horizonte, 21 de maio de 2013. Esta empresa tem bons motivos para oferecer o PASI aos trabalhadores. Segurados, eles trabalham tranquilos e a própria empresa obtém vantagens exclusivas. As Empresas

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Série Obras Públicas Além de documentos textuais, o Arquivo Histórico Municipal guarda em seu acervo inúmeras plantas, mapas e projetos, sejam eles arquitetônicos

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

AFRICANOS NO RIO DE JANEIRO NA EPIDEMIA DE CÓLERA, 1855-1856

AFRICANOS NO RIO DE JANEIRO NA EPIDEMIA DE CÓLERA, 1855-1856 AFRICANOS NO RIO DE JANEIRO NA EPIDEMIA DE CÓLERA, 1855-1856 Kaori Kodama (COC-Fiocruz) Um gaiato disse há dias o seguinte, que não deixa de ser uma pilhéria. Até aqui dizia-se que a escravatura era um

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos

Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos Hospital da Santa Casa da Misericórdia: assistência à saúde no Rio de Janeiro dos Oitocentos TÂNIA SALGADO PIMENTA O objetivo deste trabalho é analisar essas relações ao longo do século XIX, considerando

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose

Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose Uma pesquisa quantitativa de opinião pública realizada pelo Núcleo de Pesquisas da Universidade Federal Fluminense (DataUFF) demonstra

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Caruaru, 2013 Diretor Presidente da Associação Caruaruense de Ensino Superior Prof. Paulo Muniz Lopes

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP)

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) Pretendemos apresentar aqui os dados de um estudo exploratório, que é a primeira fase de

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: TENDÊNCIAS PARA O INÍCIO DA PRÓXIMA DÉCADA. 18º Seminário Profuturo.

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: TENDÊNCIAS PARA O INÍCIO DA PRÓXIMA DÉCADA. 18º Seminário Profuturo. A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: TENDÊNCIAS PARA O INÍCIO DA PRÓXIMA DÉCADA Autor: Leandro José Morilhas. FIA FEA USP FCG. Agenda Introdução. Pergunta de pesquisa.

Leia mais

HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO: UMA ABORDAGEM POR MESORREGIÕES

HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO: UMA ABORDAGEM POR MESORREGIÕES FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES - CPqAM DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO: UMA ABORDAGEM POR MESORREGIÕES Autores: Luciana Melo de Souza Leão Maristela de

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo PROCESSO CFE Nº 23038.003553/88-15 DESPACHO DE INTERESSADO/MANTENEDORA Universidade de São Paulo RELATOR- Ib Gatto Falcão -ASSUNTO- CÂMARA Nº 119/93 CÂMARA. CESu Renovação de Credenciamento do curso de

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS HÁBITOS DE HIGIENE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS DE REALENGO

LEVANTAMENTO DOS HÁBITOS DE HIGIENE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS DE REALENGO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 178 183 LEVANTAMENTO DOS HÁBITOS DE HIGIENE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS DE REALENGO FERREIRA, Luana Jesus da Silva

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA I. FORMA E CONTEÚDO DO PROJETO DE PESQUISA: O projeto de pesquisa deverá ser escrito em português e conter necessariamente os seguintes

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO.

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO. Revista Ceciliana Dez 2(2): 41-45, 21 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO:

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Fundo 157 Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Apresentação Com frequência são

Leia mais

2005). 3 Os Livros de Registros de óbitos estão encadernados em vários volumes e trazem na lombada o nome do

2005). 3 Os Livros de Registros de óbitos estão encadernados em vários volumes e trazem na lombada o nome do Fontes documentais do arquivo da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro para a história do tratamento de escravos na segunda metade do século XIX. Ângela Pôrto A pesquisa que ora desenvolvemos na

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS ITALIANO, W. L. Secretário Interino de Obras e Serviços Públicos, Engenheiro Civil (DeCiv UFSCar), Mestre em Arquitetura

Leia mais

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Monitoramento das Doenças Diarréicas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850)

Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850) Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850) Caroline Rodrigues 1 A relação dos indivíduos com a morte passou por significativos processos de transformações

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Paulo José Pereira 1 Maria Coleta Ferreira Albino de Oliveira 2 Introdução Pesquisar

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP Normas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Estruturas) - EESC/USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços gráficos diversos, pelo prazo de 12 (doze) meses, para atender às necessidades

Leia mais

ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES DE GOIÂNIA

ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES DE GOIÂNIA ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES DE GOIÂNIA Lúcia Helena de Oliveira (1); Cleverson Gomes Cardoso (2) (1) Escola de Engenharia Civil da UFG, luhe@cultura.com.br

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Há salvação para o ensino público

Há salvação para o ensino público LÍNGUA PORTUGUESA Há salvação para o ensino público 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 O resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), disponível

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

CONDIÇÕES AMBIENTAIS COMO FATOR DE RISCO NA PREVALÊNCIA DA DENGUE

CONDIÇÕES AMBIENTAIS COMO FATOR DE RISCO NA PREVALÊNCIA DA DENGUE CONDIÇÕES AMBIENTAIS COMO FATOR DE RISCO NA PREVALÊNCIA DA DENGUE Tássio Henrique Cavalcanti da Silva CUNHA 1, Graziela Brito Neves Zboralski HAMAD 2. 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental,

Leia mais