Inteligência de Negócios na Saúde BI-SIGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência de Negócios na Saúde BI-SIGA"

Transcrição

1 Inteligência de Negócios na Saúde BI-SIGA /BI SIGA Deborah Pimenta Ferreira 2013

2 1 Sumário Sumário... 1 Introdução... 2 Gestão do Conhecimento... 2 Equipes envolvidas no projeto de BI da SMS... 4 Business Intelligence (BI) - Conceitos... 5 Business Intelligence Esquema básico... 6 Histórico na SMS/SP... 8 Plataforma atual Escopo atual Principais dimensões Observações importantes relacionadas às dimensões: 14 Datas Termos especiais Hierarquias relacionadas ao estabelecimento Hierarquia relacionada à classificação diagnóstica Tempo Médio... 19

3 2 Introdução Este documento tem como finalidade apresentar alguns conceitos utilizados no projeto de BI (Business Intelligence) do SIGA e iniciar um novo ambiente (comunidade virtual de Inteligência de Negócios) da plataforma de aprendizado virtual da SMS-SP. Esperamos que este venha a ser um ambiente fértil para estimular discussões, esclarecimentos de dúvidas e sugestões que possam contribuir não apenas com o aprimoramento contínuo do próprio BI, mas também, para consolidar os conceitos necessários para as análises feitas por toda a comunidade de usuários. Gestão do Conhecimento A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído. Confúcio (551 a.c a.c.; filósofo chinês) A grande finalidade do conhecimento não é conhecer, mas agir. Thomas Henry Huxley ( ; biólogo inglês) Conhecimento não é aquilo que você sabe, mas o que você faz com aquilo que você sabe. Aldous Huxley ( ; filósofo e escritor britânico). "A informação está no ar, ou então na "nuvem", como é moda hoje dizer. O conhecimento está na interação. E a sabedoria está na pessoa, que buscou o conhecimento na "nuvem", interagiu/compartilhou e distribuiu o que aprendeu numa rede social. Sem o amor e o afeto não há sabedoria, há apenas o conhecimento. E sem interação não há conhecimento, há apenas a informação, que está na nuvem dos nefelibatas." Dr Evaldo Shinji Kuniyoshi, REDE DE PROMOÇÃO DA SAÚDE

4 3 A diferença entre dados, informações e conhecimento já foi descrita por muitos, porém, Setzer coloca de forma bastante contundente a importância do fator humano na definição de conhecimento, quando considera que alguém tem conhecimento quando pode efetuar associações de conceitos baseadas em uma vivência pessoal dos objetos envolvidos (1). Ou seja, embora dados e informações sejam importantes para uma organização que busca aumentar o seu conhecimento, não são elementos suficientes por si só. O fator humano e suas vivências são fundamentais para o aumento do capital intelectual da organização. A gestão do conhecimento em uma organização envolve práticas de gestão das pessoas e do suporte tecnológico. É um processo de gestão relacionado a uma metodologia que permita coletar, processar, acumular, distribuir e compartilhar o conhecimento, contribuindo para conversão do conhecimento pertencente às pessoas (tácito), em um bem organizacional, tornando-o explícito. Considerando-se, então, a gestão do conhecimento como um processo fortemente dependente das pessoas e do suporte tecnológico, pode-se citar como fatores críticos de sucesso: Características da força de trabalho competências e habilidades práticas; capacidade de comunicação e abertura para a troca de informações; cultura e clima organizacional; capacidade de disseminação e absorção das lições aprendidas; Suporte tecnológico rede e ferramentas de comunicação ( , fóruns, portal, etc.); ferramentas para aprendizado (comunidades de prática, EAD); bancos de dados, data warehouse e ambientes de análise (BI). De um modo geral, podemos dizer que os maiores desafios a serem vencidos estão relacionados à quebra de paradigmas em relação à cultura organizacional e criação de uma infraestrutura informacional que vai além dos sistemas transacionais tradicionais e correios eletrônicos. A disseminação das comunidades virtuais vem ao encontro da abordagem da Gestão do Conhecimento, favorecendo o compartilhamento de experiências, informações e conhecimentos nas organizações (2). 1. SETZER, Valdemar W. Dado, informação, conhecimento e competência. Disponível em: Acesso: 02 fev LAPA, Eduardo. Comunidades virtuais e gestão do conhecimento Disponível em: carreiras.empregos.com.br/ comunidades/ rh/ artigos/ gestao_ conhecimento_informal.shtm. Acesso em: 29 mar

5 4 Equipes envolvidas no projeto de BI da SMS SMS/ATTI Ana Maria Cabral de Vasconcellos Santoro Andrew Solera Deborah Pimenta Ferreira de Castilho Luis Roberto de Souza Vicente Adair Botelho Junior Clayton Nascimento da Silva (estagiário) Rafael Mellim de Souza (estagiário) Gustavo Barcellos Kanashiro (Mãe Paulistana) PRODAM Iara Aparecida Gonçalves Maurício Luiz Gonzaga Jr Viviane Lisboa dos Santos Oliveira Tatiane Vieira Martins Eliana Yumi B. Hirakawa Fundação EZUTE Charlles Niebuhr Secretaria Municipal da Saúde - PMSP Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Coordenação: Heloisa A. Corral

6 5 Business Intelligence (BI) - Conceitos Embora para alguns isto pareça um conceito novo, na realidade não é. Surgiu na década de 80 e descreve as habilidades das corporações para acessar dados e explorar as informações (normalmente contidas em um Data Warehouse/Data Mart), analisando-as e desenvolvendo percepções e entendimentos a seu respeito, o que permite tornar a tomada de decisão mais pautada em informações. Utiliza, para a sua construção, diversos recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Na área da saúde já fazemos isto há muito tempo; quando extraímos dados de uma base e usamos tabuladores como, por exemplo, o TabWin, conceitualmente já estamos trabalhando para adquirir mais conhecimento a respeito do nosso negócio (Saúde) a fim de tomar melhores decisões. Com o grande desenvolvimento da TIC e a introdução de ferramentas cada vez melhores, podemos ter um grande salto no aprendizado organizacional, porém, é preciso compreender que o BI não é um produto que se compra, mas sim, um longo processo institucional, que apenas se inicia com a implantação desta plataforma. A Inteligência de Negócios e o aumento do capital organizacional devem desenvolver-se diariamente, com a utilização dos sistemas transacionais, análise das informações do BI, melhoria dos processos e da qualidade dos dados coletados. Tudo isto visando contribuir para melhorar os processos assistenciais e, consequentemente, a saúde da população. Na construção deste ambiente analítico é importante destacar alguns conceitos: Data Warehouse (DW) - Conjunto de bancos de dados integrados, baseados em assuntos e não voláteis, projetado para suportar as funções de apoio à decisão, onde cada unidade de dados está relacionada a um determinado momento. Inclui as áreas de preparação (staging area) e de apresentação dos dados de uma organização, onde os dados extraídos dos sistemas transacionais (operacionais) são estruturados especificamente para extração e análise pelos usuários, com bom desempenho e facilidade de uso. Data Mart (DM) - Pode ser classificado como um data warehouse reduzido ou o centro de distribuição dos dados, muitas vezes destinado a um departamento ou assunto de dados, que é suprido pelo armazém central. Ambos são projetados como banco de dados dimensionais. A diferença entre o data mart e data warehouse refere-se apenas aos quesitos tamanho, escopo e investimento. É preciso lembrar que, a tecnologia usada em ambas as soluções, é a mesma.

7 6 Idealmente, deve ser baseado nos dados mais atômicos (granulares) possíveis, extraídos das fontes operacionais. Podem ser integrados através de técnicas de drill-across quando as dimensões estão em conformidade. A questão da granularidade é um assunto importante e muitas vezes controverso, porém, sempre que possível, adotamos os ensinamentos de Ralph Kimball, que além de ter sido um dos precursores desta tecnologia, foi também um consultor, autor e professor muito prestigiado, sendo o grupo fundado por ele citado como referência na área até hoje. Segundo ele, É completamente inaceitável armazenar apenas dados sumarizados no modelo dimensional enquanto os dados atômicos ficam trancados nos modelos normalizados [nos transacionais] (3). Claro que, em cada projeto, é necessário analisar muito bem o custo-benefício em relação a isto, equilibrando desempenho x necessidade x custo. Data Marts sumarizados podem ser construídos a partir dos mais granulares para melhora de desempenho. ETL Vem dos termos em inglês Extract/Transformation/Load e são os programas que são feitos para extrair, transformar e carregar os dados para uma nova base (o DW). Sistemas transacionais são os sistemas utilizados nas operações (transações) diárias da organização. Por exemplo, o SIGA é um sistema transacional, onde são registrados os processos relacionados às atividades das unidades. Ex.: Cadastrar um usuário na UBS, agendar um procedimento, registrar um atendimento, etc. Business Intelligence Esquema básico Fig. 1 - Esquema básico das bases de dados para a construção de um DW. AMBIENTE OPERACIONAL AMBIENTE ANALÍTICO IBGE, SIM, SINASC, Etc KIMBALL, Ralph The Data Warehouse Toolkit: the complete guide to dimensional modeling, 2nd ed. 2002

8 7 No DW os dados são modelados com uma metodologia diferente daquela utilizada no ambiente transacional, permitindo uma análise multifuncional de dados, ou seja, os dados (fatos) são vistos sob múltiplas dimensões (dizemos que as dimensões são o que vem depois do por : atendimentos por região). Exemplos: Tempo (sem/mês/trim/ano/etc.) Lugar/Espaço Região Unidade de Saúde Unidade de produção/atendimento Pessoa Usuário/Cliente Profissional Procedimento Diagnóstico Este conjunto, representado no modelo pela tabela Fato e suas tabelas Dimensões, muitas vezes é chamado de CUBO, associando à ideia de múltiplas faces. Além disto, outra característica desta metodologia é a capacidade de detalhamento das informações (drill-down), ou seja, possibilidade de se visualizar agregações e detalhamento das informações através de um click. Em um ambiente de consultas tradicionais (relatórios do sistema transacional), é comum perguntas como: Qual a taxa de ocupação da Clínica Médica no mês de Janeiro? Quantos agendamentos foram feitos para Pediatria nesta unidade para o mês de Setembro? Com a utilização de ferramentas OLAP (On-Line Analytical Processing), em ambientes analíticos, é possível a elaboração de questões como: Compare a taxa de ocupação da Clínica Médica relativa aos grupos diagnósticos XYZ nos dois últimos anos. Quantos pacientes distintos, do sexo masculino, de 40 a 59 anos, foram atendidos nas unidades básicas de saúde, nos últimos três anos, com diagnóstico X? São fatores críticos para o sucesso de um projeto de BI: Padronização de conceitos

9 8 Qualidade da informação Cultura dos usuários Forma de visualização das informações Fluxos e processos operacionais Mudanças nos sistemas transacionais Definição usuários alvos o Usuários exploradores o Usuários de relatórios com opções de seleção o Usuários de painéis/relatórios prontos Histórico na SMS/SP O primeiro projeto utilizando uma plataforma de BI na SMS/SP iniciou-se em Após a implantação do sistema integrado para a gestão (SIGA), milhares de dados passaram a ser coletados nas diversas unidades, porém, os relatórios disponibilizados eram apenas operacionais, para suprir as necessidades básicas e imediatas da unidade. Para a análise mais ampla dos dados, visando apoiar as ações dos gestores, foi construída a primeira plataforma, com ferramentas diferentes das atuais, disponibilizada a partir de Fig. 2 Tela inicial primeiro projeto

10 9 Foram construídos 11 cubos ou universos, relacionados ao sistema transacional SIGA: Agendamentos, Atendimentos, Equipes de Saúde, Estabelecimentos, Fila de Espera, Pacientes, Procedimentos, Profissionais, Regulação, Vacinação e Vagas. Neste primeiro ambiente, nem todos os cubos foram plenamente utilizados, pois, alguns não se mostraram satisfatórios. Apesar disto, muitas lições foram aprendidas e auxiliaram na evolução para uma nova plataforma e construção de novos cubos. Fig. 3 Tela do menu do primeiro projeto Desde esta primeira versão, foram introduzidas as principais dimensões (e as mais críticas) em sistemas de informações em saúde, comuns a diversos fatos: Paciente mais de de registros, com atributos como idade, sexo, procedência (CEP de residência); Estabelecimento (executante ou solicitante) - hierarquizado de acordo com a divisão administrativa e a estrutura organizacional do município; Procedimento; Diagnóstico; Profissional; Tempo.

11 10 Apesar de todas as dificuldades, a construção deste ambiente analítico possibilitou resolver mesmo alguns problemas operacionais inesperados, como por exemplo, detectar agendamentos para o dia 01/01/2009 que, por uma falha operacional, não haviam sido impedidos (fig. 4). Assim que foi detectado o problema, foi possível gerar em poucos minutos uma lista com todos os agendamentos já realizados para esta data (feriado nacional) e encaminhar para as respectivas unidades solicitando a remarcação e comunicação ao usuário. Fig. 4 Relatório do primeiro projeto Plataforma atual Esta primeira plataforma, por ter sido um projeto inicial, apresentava algumas restrições importantes como, por exemplo, número muito baixo de licenças: apenas 10 usuários simultâneos. A ideia era realmente testar esta nova tecnologia, para depois expandir. Por mudanças na empresa fornecedora da ferramenta, uma nova plataforma começou a ser utilizada. Foram desenvolvidos, inicialmente, alguns cubos referentes ao GSS e ao PRC (Programa Remédio em Casa), que ficaram apenas em ambiente de homologação. Enquanto a

12 11 primeira plataforma ainda estava sendo utilizada, foi desenvolvido o BI Mãe Paulistana nesta nova plataforma, pela equipe responsável pelo programa. Por necessidades específicas do projeto, não foi desenvolvido em conformidade com as dimensões do primeiro projeto. A partir de Out/2010, o BI do SIGA, na primeira plataforma, começou a apresentar sérios problemas nas cargas e optou-se por fazer a transição para a nova plataforma. Todos os assuntos foram reanalisados, aproveitando-se esta oportunidade para remodelar todos os cubos, fazendo-se as melhorias necessárias. Os novos cubos do BI-SIGA começaram a ser introduzidos, no ambiente de homologação, a partir de 2011, entrando efetivamente em produção, em NOV/2012. Homologação => Fig. 5 Tela inicial ambiente homologação plataforma atual

13 12 PRODUÇÃO => Fig. 6 Tela de informações do ambiente de produção do ambiente atual Esta tela inicial foi construída com a finalidade de disponibilizar informações gerais e avisos importantes. Tem também links para download do Manual de Orientações (que será todo revisado e complementado através desta comunidade) e a Portaria 709/2009, que dispõe sobre a proteção aos dados existentes nos sistemas de informação no âmbito da Secretaria Municipal da Saúde (todo usuário do BI também deve assinar o termo de responsabilidade para uso do sistema). Escopo atual VAGA Refere-se à configuração das agendas Inclui todas as situações: Livres, Ocupadas, Canceladas, etc... AGENDAMENTO Agendas preenchidas (vagas ocupadas); também inclui todas as situações dos agendamentos (Agendado, Cancelado, Remarcar, etc...)

14 13 FILA DE ESPERA (da Unidade) Ativos e Inativos ATENDIMENTO Procedimentos Diagnósticos APAC VACINA Melhorias introduzidas recentemente: Melhorias em Agendamento: Procedimento adicional Agendamento automático Mais um cubo: agendamento com diagnóstico (regulada) Melhoria em Vaga: Mais um cubo: vaga compartilhada (ainda no ambiente de homologação) Indicadores SIGA Para substituir as atuais planilhas de indicadores, a partir de Principais dimensões Aspectos importantes das principais dimensões (algumas são comuns a vários Fatos): DI Data (Período) => vários formatos, agregações e qualificadores na dimensão; menor grão utilizado, na maioria dos assuntos, é MÊS; DI Hora => vários formatos e agregações; menor grão, na maioria dos assuntos, é HORA INTEIRA; DI Estabelecimento de saúde => vários atributos; principais: NOME, CNES, CMES, CEP, LAT, LONG; Temos duas hierarquias para análise (vide mais detalhes adiante), possibilitando o drill-down ( explosão dos dados através da hierarquia.

15 14 Ex.: dados agregados do município podem ser detalhados por coordenadoria, supervisão, etc., clicando-se no nome sublinhado). Em alguns assuntos está especificado se é Executante ou Solicitante. DI Entidade => profissional executante, equipamento, atividade coletiva; DI Procedimento => alguns atributos; refere-se à tabela de procedimentos do SIGA - inclui procedimentos municipais e a hierarquia da tabela unificada (SIGTAP); DI Classificação Diagnóstica (CID) DI Especialidade => equivale à Atividade Profissional, do antigo SIA, que ainda é utilizada no SIGA; DI Tipo da agenda => Local, Regulada; DI Situação da vaga => Cancelada, Ocupada, Livre, Impedida; DI Tipo do atendimento da Agenda => Primeira vez, Retorno, Reserva Técnica; DI Paciente: vários atributos; DI Geografia do paciente => refere-se ao endereço do paciente, segundo CEP cadastrado no SIGA; DI Faixa etária => segundo agregações feitas a partir da idade do paciente; Observações importantes relacionadas às dimensões: Datas A dimensão tempo (em diversos formatos: período, data, mês, ano, trimestre, semestre, etc.) é sempre presente em um modelo dimensional. Mas é importante destacar as diferentes datas utilizadas no nosso modelo: Data em que foi gerado o relatório estamos adotando uma variável deste ambiente que aparece como Tempo de execução (seta vermelha na fig. 7) e deixamos visível abaixo do título do relatório; Data da última atualização dos dados refere-se à data da última carga daquele assunto (seta azul na fig. 7); ainda não está presente em todos os relatórios, porém, através da página inicial do BI é possível saber o cronograma previsto para as cargas (fig. 8) e, caso tenha havido algum problema na carga, é informado no quadro de notícias.

16 15 Fig. 7 Exemplo de relatório (VG-14) com as diversas datas utilizadas Fig. 8 Programação de cargas apresentado no menu suspenso, na primeira tela

17 16 Data de referência do fato analisado refere-se às datas definidas ou selecionadas para análise do fato em questão (seta verde na fig. 7). Cada assunto tem data(s) específica(s) de referência. Exs.: no assunto VAGA, a data de referência é sempre a data da VAGA; no assunto AGENDAMENTO, pode ser a data do agendamento ou a data agendada (data da vaga). Termos especiais Para os tratamentos de ERRO lógico durante as cargas, nas tabelas dimensões, foram criados e definidos os seguintes conceitos, que podem aparecer nos relatórios (conforme está apresentado, com a descrição entre asteriscos): (-1) *** NÃO SE APLICA *** o Este código será atribuído todas as vezes que a informação de análise para a dimensão não houver escopo. (-2) *** NÃO IDENTIFICADO *** o Este código será atribuído todas as vezes que a informação oriunda do sistema SIGA vier com conteúdo válido e na dimensão de análise não puder ser qualificada. Este erro ocorrerá por falta de atualização e/ou sincronização de dados com o sistema SIGA durante o processo de carga. (-4) *** DESCONHECIDO *** o Este código será atribuído todas as vezes que a informação oriunda do sistema SIGA estiver nula (não existir) para a dimensão de análise a ser qualificada. Hierarquias relacionadas ao estabelecimento Hierarquia 1 => SIGA Reflete exatamente a hierarquia que está no SIGA, que pode ser resumida logicamente como no exemplo abaixo (é muito dinâmica, podendo já estar desatualizada):

18 17 Hierarquia 2 => Território foi construída no BI, a partir do CEP do estabelecimento, introduzindo as demais categorias a partir de relacionamentos com tabelas existentes na SMS- SP, que no BI são chamadas de External tables : Passos utilizados na construção da H2: Tabela de Estabelecimentos do SIGA (H1_ADM_ESTABELECIMENTO) Através da H1 são extraídos os seguintes campos, oriundos do SIGA: Nome do estabelecimento CEP Bairro Município UF Foram introduzidas duas External tables : Para LOCALIZA NOVO SP.xls (Fonte: Ceinfo/Sinasc): relaciona o CEP com o código do Distrito Administrativo. CEP CODBAI (=> COD DA) Bairro

19 18 HIERARQUIA2_TERRITORIO_MUNSP.xls (Fonte: ATTI) => HI_ADM_ESTABELECIMENTO: relaciona o código do Distrito Administrativo com as demais categorias. COD_DA Dist_admin Subprefeitura Sup_Tec_Saude Coord_Reg_Saude Esta possibilidade de transformação dos dados, com novas agregações e relacionamentos, de acordo com as necessidades e regras do negócio, é uma das inúmeras vantagens de se construir um ambiente analítico, utilizando-se a tecnologia disponível. Embora não tenhamos a informação da Subprefeitura no SIGA, é possível apresentarmos os dados com esta agregação. Hierarquia relacionada à classificação diagnóstica No SIGA o diagnóstico é classificado apenas pelo código da categoria (3 caracteres) ou da subcategoria (4 caracteres). Porém, no BI, foi colocada a hierarquia completa, desde capítulos e grupos.

20 19 Tempo Médio Tempo médio de agendamento: é baseado no número de dias entre a data da vaga e a data do agendamento; Tempo médio de solicitação: inclui o tempo de agendamento Estas foram algumas informações gerais para início da comunidade. A partir daqui, iremos discutir cada assunto nos fóruns e serão produzidos materiais específicos com mais detalhes sobre o assunto e relatórios relacionados. Participem e deem sua contribuição!

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP Versão 1 Manual de Orientação Conteúdo 1. Introdução 3 2. Abrangência 4 3. Vagas 5 4. Fila de Espera

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

SIGA Saúde. Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde. Manual operacional. Módulo Agenda Agendamento Local

SIGA Saúde. Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde. Manual operacional. Módulo Agenda Agendamento Local SIGA Saúde Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde Manual operacional Módulo Agenda Agendamento Local Sumário Introdução... 3 Agendamento... 4 Pesquisa de vagas... 5 Perfil de Agenda... 6 Dados

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Agendamento Regulado Unidades Solicitantes Manual de Operação

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA

Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA Sobre Grimaldo Grimaldo Oliveira grimaldo_lopes@hotmail.com Formação Mestre em Tecnologias Aplicadas a Educação pela Universidade do Estado da Bahia. Especialização

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio Fundap Fundação do Desenvolvimento Administrativo Programa de Estágio Programa de Estágio Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio Plano de Estágio Julho de 2008 SABE - Sistema

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

PORTAL DE EMPREGOS ANHANGUERA CATHO-ON LINE

PORTAL DE EMPREGOS ANHANGUERA CATHO-ON LINE Principais dúvidas e benefícios Conteúdo O que é?... 3 Quem administra o Portal?... 3 Qual é o produto que estamos oferecendo aos alunos?... 3 O aluno terá que pagar alguma coisa?... 3 Mas o que são os

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

Índice. Business Intelligence Pentaho

Índice. Business Intelligence Pentaho Manual de Sistema Índice Introdução:... 3 Conceito:... 3 1 - Acessando o Sistema... 4 1.1 - Tela inicial... 5 2 - Analisando um Cubo... 6 2.1 Acessando o Cubo... 6 2.2 - Montando Uma Visão... 7 3 - Navegando

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União Tesouro Gerencial Brasília Novembro/2014 Objetivos do Curso O aluno deve ser capaz de: 1) Identificar as diferenças/semelhanças

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 09/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Passos para importar CNES no Sistema com CDS

Passos para importar CNES no Sistema com CDS e-sus AB Sistema com Coleta de Dados Simplificada - CDS Passos para importar CNES no Sistema com CDS Maio/2013 1 Por que importar o CNES? A importação do CNES deve ser o primeiro passo a ser realizado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010).

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010). 1 Introdução Os avanços na tecnologia da informação, bem como o crescimento da sociedade da informação através do uso da Internet, obrigaram os governos de inúmeros países, em seus mais variados níveis,

Leia mais

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Secretaria Municipal da Saúde, visando a modernização da gestão, investiu na implantação de um Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

Programa Segundo Tempo. Funcionamento de Núcleo de Esporte Educacional. Manual de Orientação de Cadastramento On-Line

Programa Segundo Tempo. Funcionamento de Núcleo de Esporte Educacional. Manual de Orientação de Cadastramento On-Line Programa Segundo Tempo Funcionamento de Núcleo de Esporte Educacional Manual de Orientação de Cadastramento On-Line SNEED-SE/SPOA/CGMI/ME Índice Introdução... 3 Apresentação de Pleitos... 4 Apresentação

Leia mais

Manual Operacional Agenda Regulada. Unidades Solicitantes

Manual Operacional Agenda Regulada. Unidades Solicitantes Manual Operacional Agenda Regulada Unidades Solicitantes Prefeito: Gilberto Kassab Secretária: Maria Aparecida Orsini de Carvalho Secretário Adjunto: Ailton Ribeiro de Lima Assessor de TI: Cláudio Giulliano

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

WF Processos. Manual de Instruções

WF Processos. Manual de Instruções WF Processos Manual de Instruções O WF Processos é um sistema simples e fácil de ser utilizado, contudo para ajudar os novos usuários a se familiarizarem com o sistema, criamos este manual. Recomendamos

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

Arquitetura física de um Data Warehouse

Arquitetura física de um Data Warehouse É um modo de representar a macroestrutura de, comunicação, processamento e existentes para usuários finais dentro da empresa. Operacionais origem Data / Arquitetura física Serviços Armazenamento de Área

Leia mais

Sistema de Solicitação de Pagamento de Fornecedores

Sistema de Solicitação de Pagamento de Fornecedores 2014 Sistema de Solicitação Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 04/11/2014 Sumário 1- SPF Solicitação.... 3 1.1 Acesso ao sistema:... 3 1.2 Ferramentas do sistema:... 5 2- Abertura

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento. Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral Filho Rosária Di Gangi CPFL Paulista CPFL Paulista CPFL Paulista

PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento. Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral Filho Rosária Di Gangi CPFL Paulista CPFL Paulista CPFL Paulista XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Manual Operacional SIGA

Manual Operacional SIGA SMS - ATTI Julho -2012 Conteúdo Sumário... 2... 3 Consultar Registros... 4 Realizar Atendimento... 9 Adicionar Procedimento... 11 Não Atendimento... 15 Novo Atendimento... 16 Relatórios Dados Estatísticos...

Leia mais

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistema de Informação Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação SIA/SUS

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

Título: Potencialização da Gestão do Conhecimento Um legado estratégico Categoria: Herança para a EJ (Prática Interna) Temática: Gestão Interna

Título: Potencialização da Gestão do Conhecimento Um legado estratégico Categoria: Herança para a EJ (Prática Interna) Temática: Gestão Interna Título: Potencialização da Gestão do Conhecimento Um legado estratégico Categoria: Herança para a EJ (Prática Interna) Temática: Gestão Interna Resumo A alta rotatividade nas empresas juniores é um grande

Leia mais

Construção da Consulta. Para a construção da consulta, siga os passos abaixo:

Construção da Consulta. Para a construção da consulta, siga os passos abaixo: Com a finalidade de esclarecer e auxiliar o usuário sobre a utilização do produto PaepOnline, a Fundação Seade elaborou um manual explicativo sobre a forma de construção das tabelas e sua navegabilidade.

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ARS Gestão de Unidades Funcionais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ARS Gestão de Unidades Funcionais SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ARS Gestão de Unidades Funcionais Manual de Utilização Administração Regional de Saúde do Norte Departamento de Estudos e Planeamento Março de 2011 Índice 1 Introdução... 3 1.1

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - ALUNO 0800 703 3180 SUMÁRIO Apresentação Ambiente Virtual de Aprendizagem 1. Primeiro Acesso 1.1 Navegar em cursos 1.2 Enquete 1.3 Dados Cadastrais 2. Cursos

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor?

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Interagir com sistemas que ainda dependem de agendamentos manuais e de coletas presenciais em vários equipamentos

Leia mais

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010 Informamos que o aplicativo para tabulação de dados TabWin, gerenciado e disponibilizado pela SMS/CEInfo desde 2002, está sendo reestruturado e transferido

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Módulo SAC Atendimento ao Cliente

Módulo SAC Atendimento ao Cliente Módulo SAC Atendimento ao Cliente Objetivo O Módulo SAC ou Serviço de Atendimento ao Cliente é uma ferramenta que gerencia, cria e administra informações num canal de comunicação informatizado entre a

Leia mais

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.3 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais