INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA USO DE REGRAS ATIVAS NO TRATAMENTO DE EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS EM UM SISTEMA DE GERENCIADOR DE OBJETOS POR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA USO DE REGRAS ATIVAS NO TRATAMENTO DE EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS EM UM SISTEMA DE GERENCIADOR DE OBJETOS POR"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA USO DE REGRAS ATIVAS NO TRATAMENTO DE EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS EM UM SISTEMA DE GERENCIADOR DE OBJETOS POR RICARDO OLIVEIRA BARROS TESE SUBMETIDA COMO REQUISITO PARCIAL PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO Assintur do Orientdor d Tese ANA MARIA DE CARVALHO MOURA - D. Ing. Rio de Jneiro Mio 1996

2 Tese presentd por RICARDO OLIVEIRA BARROS e provd por: ANA MARIA DE CARVALHO MOURA - Dr. Ing. ASTÉRIO KIYOSHI TANAKA - PhD. MARTA LIMA DE QUEIRÓS MATTOSO - D.Sc. GUSTAVO MIRANDA ARAÚJO - M.Sc. IME, RIO DE JANEIRO - RJ, 03 de Mio de ii

3 RESUMO Evolução de esquems é um importnte requisito pr plicções OO (Orientds Objeto). Est funcionlidde está ssocid à hbilidde de executr dinmicmente um lrg vriedde de modificções sobre o esquem do BD, minimizndo necessidde de um reorgnizção em prol de um melhor desempenho do sistem. Modificções em esquems de SGBDOOs tendem ser mis freqüentes do que em SGBDs convencionis, devido o fto de que um esquem de BDOO é extensível, ou sej, suport crição de novos tipos e operções. Portnto, existênci de muitos interrelcionmentos no esquem e necessidde de lterções cd vez mis freqüentes, fzem com que o suporte à evolução de esquems em SGBDOOs sej necessário e muito mis complexo que nos SGBDs convencionis. Muitos dos SGBDOOs comercilmente disponíveis trtm pens d integridde estruturl do esquem, não permitindo modificções depois d bse instncid. Neste trblho, são trtdos os efeitos ds modificções do esquem sobre os métodos e objetos instncidos no SIGO - Sistem Gerencidor de Objetos. O principl objetivo é grntir, lém d integridde estruturl, integridde comportmentl e de instncição do esquem d plicção. Este resultdo é obtido pelo rmzenmento ds efetivs modificções sobre o esquem num hierrqui de clsses e pel conseqüente propgção dests modificções os objetos instncidos. A propgção é feit trvés de métodos definidos como regrs tivs ssocidos às clsses. Ests regrs são utomticmente tivds por métodos que referencim os objetos durnte mnipulção do esquem. iii

4 ABSTRACT Schem evolution is n importnt requirement to OO (Object Oriented) pplictions. This functionlity is ssocited to the bility to dynmiclly execute wide vriety of modifictions on the DB (Dtbse) schem, minimizing the need to reorgnize it, in order to hve better performnce. Schem chnges in n OODBMS (Object Oriented Dtbse Mngement System) hppen to be more frequent thn in conventionl DBMS, s the schem is extensible, tht is, it provides the cretion of new types nd opertions. So, the existence of mny reltionships in the schem nd its need for frequent chnges, turns out to require n OODBMS schem evolution support, nturlly much more complex thn in conventionl DBMS. Most of the commercil OODBMS vilble in the mrket keep only the schem structurl integrity, not llowing modifictions fter the dtbse hs been instntited. This work describes the schem modifiction effects over objects nd methods stored in SIGO - n Object Mnger System. Its min purpose is to mintin, besides its structurl integrity, the behviorl nd the instntition integrity of the ppliction schem. This im is obtined by storing the rel schem modifiction in clss hierrchy nd by propgting these modifictions to the objects instntited in the DB. This propgtion is executed by methods defined s ctive rules, ssocited to the clsses. These rules re utomticlly ctivted by ppliction methods tht reference objects during the schem mnipultion. iv

5 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE TABELAS LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS iii iv viii xi xii 1 - INTRODUÇÃO Posicionmento Justifictiv pr o trblho Objetivo do trblho Orgnizção do trblho EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS EM SGBDOOs Evolução de esquems sobre um esquem único Evolução de esquems no O Evolução de esquems no ORION Evolução de esquems no GEMSTONE Evolução de esquems no OBJECTSTORE Qudro resumo dos spectos de correção nos SGBDOOs estuddos Evolução de esquems utilizndo Versionmento 32 v

6 3 - SIGO Um visão gerl O modelo de objetos e o esquem conceitul Evolução de esquems Persistênci de objetos Ambiente de progrmção USO DE REGRAS ATIVAS NO TRATAMENTO DE EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS NO SIGO Aspectos de Regrs Ativs Um visão gerl Semântic de regrs tivs Seleção d regr e o modo de coplmento Grnulridde do processmento de regrs tivs Arquiteturs e técnics pr monitormento de condições Efeito ds modificções do esquem sobre os objetos e métodos Modificções de tributos Modificções de clsses Modificções de objetos Modificções de métodos Especificção ds lterntivs e mecnismos utilizdos pr evolução d vi

7 bse de objetos Semântic de regrs tivs no SIGO Aderênci Conceitul o modelo de execução de regrs em BDs Ativos O Repositório de Regrs Ativs Orientdo Objetos (R2O2) DESCRIÇÃO FUNCIONAL DE MÉTODOS E FUNÇÕES Operções de modificção sobre objetos e métodos Operções específics de mnipulção do R2O Tbels de Conversão pr modificções de tributos AMBIENTE DO PROTÓTIPO DE IMPLEMENTAÇÃO Contexto d plicção Operções de evolução d bse de objetos no SHC CONCLUSÃO Contribuições Sugestões pr trblhos futuros Considerções finis 135 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 137 APÊNDICE A - ESTRUTURA DO ARQUIVO DE MODIFICAÇÕES DO ESQUEMA ALT.DAT 142 vii

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA Arquitetur ORION 19 FIGURA Um hierrqui de clsses com conflito de nomes 23 FIGURA Clsse VEÍCULOS 24 FIGURA Ctegoris e subctegoris de modificções de esquem 30 FIGURA Histórico de versões pr três objetos X, Y e Z em um BD 34 FIGURA Arquitetur do SIGO 38 FIGURA Definição de Objeto no SIGO 41 FIGURA Exemplo de um plicção SIGO 43 FIGURA Seleção d Clsse EMPREG e crição do tributo PROJETOS 44 FIGURA Seleção d Clsse PROJETO como elemento d List PROJETOS 44 FIGURA Definição d List PROJETOS pr o máximo de sete elementos 45 FIGURA Tbels representndo um esquem conceitul 48 FIGURA Ambiente de desenvolvimento de plicções 51 FIGURA Algoritmo pr o processmento de regrs 57 FIGURA Arquitetur Integrd pr BDs Ativos 61 FIGURA Arquitetur de Cmds pr BDs Ativos 62 FIGURA Inclusão do tributo dt_nsc pr clsse Pesso 66 FIGURA Exclusão do tributo dt_nsc d clsse Pesso 67 FIGURA Modificção do domínio do tributo projeto d clsse Funcionário 69 FIGURA Modificção de restrição sobre tributo slário d clsse Funcionário 71 FIGURA Modificção de crcterístic sobre o tributo endereço d clsse Pesso 72 FIGURA Inclusão d clsse Pesso como superclsse d clsse Professor 75 viii

9 FIGURA Retird d clsse Pesso d list de superclsses d clsse Professor 76 FIGURA Retird d clsse Funcionário do esquem do BD 78 FIGURA Migrção do objeto 0 4 d clsse Funcionário pr clsse Aluno 80 FIGURA Arquitetur do SIGO com suporte à evolução d bse de objetos 82 FIGURA Algoritmo pr processmento de regrs no SIGO 84 FIGURA Hierrqui de clsses do R2O2 pr operções sobre objetos 87 FIGURA Hierrqui de clsses do R2O2 pr operções sobre métodos 90 FIGURA Esquem conceitul e tbels d plicção SCH 115 FIGURA Objetos instncidos n clsse MÉDICO (Exemplo n o 1) 122 FIGURA Objetos instncidos n clsse MÉDICO (Exemplo n o 1) 122 FIGURA Objetos instncidos n clsse EXAME (Exemplo n o 2) 123 FIGURA Objetos instncidos n clsse EXAME (Exemplo n o 2) 123 FIGURA 6.6- Objetos instncidos n clsse MÉDICO (Exemplo n o 3) 124 FIGURA Objetos instncidos n clsse MÉDICO (Exemplo n o 3) 124 FIGURA Objetos instncidos n clsse PACIENTE (Exemplo n o 4) 125 FIGURA Objetos instncidos n clsse PACIENTE (Exemplo n o 4) 125 FIGURA Objetos instncidos n clsse PACIENTE (Exemplo n o 5) 126 FIGURA Objetos instncidos n clsse PACIENTE (Exemplo n o 5) 126 FIGURA Objetos instncidos n clsse PESSOA (Exemplo n o 6) 127 FIGURA Objetos instncidos n clsse PESSOA (Exemplo n o 6) 127 FIGURA Objetos instncidos n clsse EXAME (Exemplo n o 7) 128 FIGURA Objetos instncidos n clsse EXAME (Exemplo n o 7) 128 FIGURA Objetos instncidos n clsse EXAME (Exemplo n o 8) 128 FIGURA Objetos instncidos n clsse EXAME (Exemplo n o 8) 129 ix

10 FIGURA Objetos instncidos n clsse RESIDENTE (Exemplo n o 10) 129 FIGURA Objetos instncidos n clsse RESIDENTE (Exemplo n o 10) 129 FIGURA Objetos instncidos n clsse MÉDICO (Exemplo n o 12) 130 FIGURA Objetos instncidos n clsse PACIENTE (Exemplo n o 12) 130 FIGURA Objetos instncidos n clsse MÉDICO (Exemplo n o 12) 131 FIGURA Objetos instncidos n clsse PACIENTE (Exemplo n o 12) 131 x

11 LISTA DE TABELAS TABELA Aspectos de correção do esquem nos SGBDOOs: O 2, ORION, OBJECTSTORE e GEMSTONE 31 TABELA Conversões possíveis de domínio 111 TABELA Modificções possíveis de restrições 111 TABELA Modificções possíveis de crcterístics 111 xi

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS ADB - Administrdor do Bnco de Ddos API - Appliction progrmming interfce BD - Bnco de Ddos BDOO - Bnco de Ddos Orientdo Objeto BLOB - Binry Lrge Objects CAD - Computer-ided Design CAM - Computer-ided Mnufcturing CASE - Computer-ided Softwre Engineering C/S - Cliente/Servidor ECA - Evento / Condição / Ação GSI - GemStone Smlltlk Interfce IA - Inteligênci Artificil ID_OBJ - Identificdores de Objetos IME/RJ - Instituto Militr de Engenhri no Rio de Jneiro LIDAS - Lingugem pr o Desenvolvimento de Aplicções LIMOS - Lingugem Intertiv pr Mnipulção de Objetos MACRO - Módulo de Armzenmento, Crição e Recuperção de Objetos MAME - Módulo de Aquisição e Modelgem de Esquem MCC - Microelectronics nd Computer Technology Corportion MORSO - Modelo em Rede Semântic Orientd Objetos OIS - Office Informtion System OO - Orientção Objetos / Orientdo Objetos xii

13 R2O2 - Repositório de Regrs Ativs Orientdo Objetos SCH - Sistem de Controle Hospitlr SGBD - Sistem Gerencidor de Bnco de Ddos SGBDOO - Sistem Gerencidor de Bnco de Ddos Orientdo Objeto SGBDR - Sistem Gerencidor de Bnco de Ddos Relcionl SIGO - Sistem Gerencidor de Objetos SQL - Structured Query Lnguge TAO - Tipos Abstrtos de Objetos xiii

14 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO POSICIONAMENTO Ao contrário dos SGBDs relcionis (SGBDRs) (CODD,1970) que rmzenm pens ddos, os SGBDs Orientdos Objetos (SGBDOOs) rmzenm tmbém processos, sob form de métodos, plicções e/ou funções, umentndo complexidde pr mnutenção d consistênci do esquem do Bnco de Ddos (BD) em um mbiente dinâmico (MORSI,1992). Além disso, s clsses de um esquem Orientdo Objetos (OO) podem estr interrelcionds, trvés de composição ou hernç, possibilitndo gerção de esquems extensíveis. Por estes motivos, lterções em esquems de Bncos de Ddos Orientdos Objetos (BDOOs) podem cusr efeitos colteris em váris definições, lém de fetr objetos instncidos e execução de métodos eles ssocidos (PREVOT,1994). O prdigm d Orientção Objetos tem sido o mis dequdo pr modelr estruturs complexs no domínio de plicções não convencionis, tis como: CAD/CAM, CASE, IA, sistems bsedos em conhecimento e OIS (Office Informtion Systems) com documentos multimídi (BANERJEE,1987). Aplicções de BDs Não Convencionis requerem funcionliddes dicionis, tmbém pr mbientes de desenvolvimento, visto que o projeto de plicções em gerl, vem ser nturlmente intertivo, onde completez destes projetos pode requerer investigção de lgums lterntivs (KIM,1995). Porém, importânci d flexibilidde de modificr esquems durnte fse de especificção em mbientes de desenvolvimento, pode não ser mesm em mbientes de produção onde o desempenho sej fundmentl (KIM,1990). 1

15 Assim, lém d persistênci e comprtilhmento - dentre outrs crcterístics, dvinds dos SGBDs Convencionis e incorpords o mbiente OO (ATKINSON,1989) (KHOSHAFIAN,1993) (CATTELL,1994) - outro importnte requisito pr ests plicções é evolução de esquems, ou sej, hbilidde de executr dinmicmente um lrg vriedde de modificções sobre o esquem do BD, minimizndo necessidde de um reorgnizção em prol de um melhor desempenho do sistem (CATTELL,1991). Alguns SGBDOOs permitem o usuário modificr definição de clsses, muito embor vrindo considervelmente o nível de ssistênci oferecido pr o mnuseio dests modificções (LÈCLUSE,1989) (DEUX,1991) (FERRANDINA,1995) (ZICARI,1991) (KIM,1990) (XIDAK,1990) (OBJECTIVITY,1990) (PENNEY,1987) (GEMSTONE,1995) (OBJECTDESIGN,1990). Por exemplo, se um novo tributo é incluído pr um clsse de objetos: É necessário o usuário corrigir, explicitmente, todos os objetos existentes dquel clsse pr que tenhm o novo tributo? ; É possível incluir um nov superclsse qundo existem instâncis de um clsse? ; O que contece os progrms existentes que usm o ntigo esquem?. Existem, portnto, três implicções decorrentes de modificções em um esquem de ddos: (1) Modificções de progrms que usm o ntigo esquem; (2) Modificções ds instâncis existentes ds clsses modificds; (3) Efeitos ds modificções no restnte do esquem. A implicção (1) é extremmente substncil, porém, se for usdo encpsulmento restrito, em modificções feits somente pr tributos, os únicos progrms que necessitm 2

16 ser modificdos são queles ssocidos às clsses de objetos modificds (KHOSHAFIAN,1993). Outrossim, exclusão ou modificção d interfce de um método pode invlidr tnto o código existente em outr clsse de objetos, como tmbém modificr tributos não protegidos por encpsulmento, ou por lgum outro mecnismo de independênci de ddos. A miori dos SGBDOOs não oferece, té então, ferrments de ssistênci às modificções de progrms existentes qundo ocorrem tulizções no esquem. Contudo, cpcidde pr renomer, incluir e excluir proprieddes de tipos de objetos, bem como incluir e excluir os próprios tipos de objetos em tempo de execução ( run-time types ) são importntes requisitos, que vism prover ferrments e progrms Ad hoc pr executr trnsformções no esquem. Sem ests cpciddes de run-time types seri necessário definir estticmente o novo e o ntigo esquem trvés de um progrm genérico de trnsformção (CATTELL,1991) JUSTIFICATIVA PARA O TRABALHO Como foi visto nteriormente, s plicções não convencionis necessitm de spectos relciondos um mior dinmismo e que, por enqunto, somente OO é cpz de stisfzer estes requisitos de form mis simples e nturl. Assim, modificções em esquems de SGBDOOs tendem ser mis freqüentes do que em esquems de BDs Convencionis, pelo fto dos esquems gerdos por um SGBDOO serem extensíveis, isto é, por suportrem crição de novos tipos e operções (CATTELL,1991). Portnto, existênci de muitos inter-relcionmentos em um esquem e necessidde de modificções cd vez mis freqüentes fzem com que o suporte à evolução 3

17 de esquems em SGBDOOs sej necessário e muito mis complexo do que nos SGBDs Convencionis: relcionis, redes e hierárquicos (NAVATHE,1994) (SILBERSCHATZ,1994) (ULLMAN, 1989) (DATE, 1987). O processo de evolução de esquems inclui dois importntes spectos reltivos à consistênci intencionl e extensionl dos componentes do BD. Estes spectos são controldos por mecnismos que grntem integridde do BD como um todo. A prte intencionl é compost pelo esquem, onde está trduzid semântic d plicção pr o contexto do modelo de ddos utilizdo, e prte extensionl é compost pel bse de ddos, informções do mundo rel cptds de cordo com perspectiv do esquem (GUIMARÃES,1995). Ao serem confrontds plicções trdicionis com s não convencionis, é possível perceber que s primeirs póim-se num esquem prticmente fixo, enqunto s outrs, implicitmente, supõem um dinmicidde d modelgem d relidde, isto é, o possível surgimento de novos relcionmentos, novs composições etc., o longo d construção do esquem, ssim tornndo, freqüentes s lterções. Verificd necessidde de evolução d modelgem e, por conseguinte, do esquem é preciso grntir su correção o longo do processo evolutivo. Em (BANERJEE,1987) ests modificções são definids como o mpemento que lev um esquem de um estdo consistente S outro S', igulmente consistente. Assim, pós cd modificção introduzid, deve ser verificd correção do esquem. Aind em (BANERJEE,1987) são identificdos três spectos serem exmindos: o relciondo com estrutur do esquem frente o modelo que o sustent; o relciondo com s plicções sobre ele construíds; e o que envolve s instâncis obtids prtir ds clsses que s compõem. Deste modo são observdos os seguintes spectos de correção: 4

18 (1) Integridde Estruturl Refere-se à correção do grfo que represent o esquem, onde s clsses estão representds por rcos de especilizção / generlizção. Este specto é mntido trvés do estbelecimento de pré-condições, denominds invrintes do esquem. Ests invrintes são verificds pós cd lterção, e qundo stisfeits, ssegurm este specto de correção. (2) Integridde Comportmentl Refere-se à correção dos spectos comportmentis (métodos) ssocidos às clsses, ssegurndo que sus ssinturs possuem prâmetros com tipos existentes e corretos e que o vlor de retorno tem o tipo certo. De um form mis mpl, um BDOO é comportmentlmente correto se todos seus métodos produzirem o resultdo esperdo. Este specto é de difícil controle, pois tução do método tem um sentido semântico mplo. No entnto, mntendo-se um list de tributos e outr de métodos, é possível detectr, por exemplo, n oportunidde de redefinição de um tributo, quis métodos serão fetdos e lertr o projetist (detentor do completo domínio d semântic que se desejou trduzir no código). (3) Integridde de Instncição Aqui preocupção é que tods s instâncis, o menos qundo consultds, estejm de cordo com definição tul d clsse que tomm como bse. Neste cso pode não ser necessário mnter s instâncis constntemente tulizds, bstndo que sejm "vists" como tulizds. 5

19 Outr bordgem semelhnte encontrd em (PREVOT,1994), ind sobre os spectos de consistênci, present interessntes definições. Nest bordgem um esquem model mbs s prtes: estruturl e comportmentl do BD. Seus principis componentes são hierrqui de clsses e s ssinturs de métodos, que descrevem interfce de progrmção ds instâncis ds clsses. As clsses são os pontos de entrd no BD. Funções, plicções e tipos são tmbém prtes do esquem. Um bse é um coleção de instâncis (objetos e vlores) cujs estruturs e comportmentos estão definidos em um esquem. El está sempre relciond um único esquem, que descreve, podendo servir como definição estruturl e comportmentl de váris bses. Modificções de esquem podem implicr em lterções nos objetos que estiverem relciondos com prte do esquem onde foi feit mudnç. Já modificções de objetos não implicm em mudnçs no esquem. O desejdo é que mudnçs n prte estruturl e comportmentl não provoquem erros de execução, ou comportmentos nômlos de um método e/ou função e/ou progrm, ou outros tipos de situções imprevisíveis. A consistênci do esquem e d bse é estbelecid prtir de um clssificção em dois tipos: consistênci estruturl, que se refere à prte estátic do BD; e consistênci comportmentl, que se referem os métodos, plicções ou funções. Um esquem é estruturlmente consistente se e somente se: (1) hierrqui de clsses é consistente; (2) o conjunto de métodos é consistente; (3) cd nome dentro do esquem tem um regr de escopo bem definid. Um bse é estruturlmente consistente se e somente se: (1) os vlores dos objetos forem consistentes com o tipo d clsse que pertencem; 6

20 (2) os vlores de cd propriedde especificd forem consistentes com o tipo definido n clsse à qul estão ssocidos. Informlmente, um SGBDOO é comportmentlmente consistente se cd método, função e progrm, trvés de sus ssinturs e códigos, produzirem o resultdo esperdo. A ssintur de um método é utilizd pr verificr comptibilidde de tipo dos rgumentos do método dentro d hierrqui. Portnto, este tipo de verificção tmbém é prte do processo pr ssegurr consistênci estruturl. No entnto, verificção de ssinturs não é suficiente pr ssegurr consistênci comportmentl de métodos, de funções e de progrms. Existem referêncis dentro de seus códigos que podem se tornr inválids pós um lterção no esquem. Com isto, tis lterções podem resultr em comportmentos nômlos de lgums funções, progrms e métodos no tocnte à dependênci entre os mesmos. Por exemplo, remover um método pode tornr outros métodos inconsistentes, por estes referirem-se um método não mis existente, ou ind, porque o método que substituiu, por hernç, o método excluído, tem um ssintur incomptível com chmd o método. Inconsistêncis comportmentis nem sempre resultm em erros de execução. Podem existir métodos que, em conseqüênci de um lterção, tenhm um comportmento diferente do nterior à mudnç. É preciso ressltr que os conceitos de flh em um método (métodos com erros de execução) e de mudnç de comportmento de um método (métodos com resultdo diferente do esperdo) são distintos, no entnto, o termo gerl consistênci comportmentl é utilizdo em mbos os csos. Pr que o esquem e bse continuem estruturlmente consistentes, deverá ser grntido que: (1) não ocorrerão conflitos de hernç; (2) hierrqui de clsses deverá permnecer consistente; 7

21 (3) o conjunto de ssinturs de métodos deverá permnecer consistente; (4) bse de ddos deverá permnecer consistente com o esquem que descreve. Em (KIM,1990) s modificções dinâmics de esquems de BDs integrdos são dividids em dus dimensões: evolução sobre um esquem único, onde s modificções são diretmente executds sobre um único esquem lógico de BD, e evolução de esquems utilizndo versionmento, onde são crids versões do esquem referentes às modificções OBJETIVO DO TRABALHO A miori dos SGBDOOs comercilmente disponíveis trt pens d integridde estruturl do esquem, não permitindo modificções depois d bse instncid. Neste trblho, são trtdos os efeitos dests modificções sobre os objetos instncidos em um bse definid no mbiente do Sistem Gerencidor de Objetos - SIGO (MOURA,1995) (MOURAb,1995) (BARROS,1996). Este trtmento tem como objetivo grntir integridde de instncição do esquem d plicção, lém de su integridde estruturl e comportmentl, trvés do uso de regrs tivs. Pr obtenção deste resultdo, s efetivs modificções sobre o esquem d plicção são rmzends num hierrqui de clsses e, conseqüentemente, propgds os objetos instncidos, podendo resultr n crição, retird ou modificção destes objetos. Est propgção é feit trvés de métodos ssocidos às clsses e definidos como regrs tivs, estruturs cpzes de reconhecer eventos específicos que, sob determinds condições, executm lgums ções, seguindo o prdigm (ECA) EVENTO/CONDIÇÃO/AÇÃO (WIDOM,1996) (CERI,1994) (TANAKA,1995). Ests regrs são utomticmente tivds 8

22 por métodos de plicções que referenciem objetos e clsses durnte mnipulção do esquem. Em resumo, prtir d determinção d necessidde de suporte à evolução de esquems em SGBDOOs e do estudo de lguns spectos ssocidos, este trblho tem por objetivo, usndo regrs tivs, estender grnti de consistênci os objetos instncidos em um bse definid no sistem SIGO, durnte o processo de evolução de esquems ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O restnte deste trblho está orgnizdo d seguinte mneir: no cpítulo 2 é presentdo um estudo sobre evolução de esquems em SGBDOOs no tocnte os spectos específicos: evolução de esquems sobre um esquem único, e evolução de esquems utilizndo versionmento. Tmbém são presentdos mecnismos de evolução de esquems desenvolvidos nos seguintes SGBDOOs: O 2, ORION, GEMSTONE e OBJECTSTORE. No cpítulo 3 é descrito o Sistem Gerencidor de Objetos - SIGO, trvés de um visão gerl de su rquitetur, bem como crcterístics específics de modelgem, persistênci de objetos e mbiente de progrmção. O cpítulo 4 present propost deste trblho, ou sej, s lterntivs e mecnismos dotdos pr mnutenção d integridde de instncição, prtir ds efetivs modificções sobre o esquem d plicção, num hierrqui de clsses definid no SIGO. No cpítulo 5 é descrit funcionlidde de métodos e funções, especificds no cpítulo 4. 9

23 No cpítulo 6, os efeitos d propgção ds operções de evolução de esquems são presentdos trvés de lguns exemplos implementdos sobre o protótipo d plicção SCH - Sistem de Controle Hospitlr definid no mbiente SIGO. No Cpítulo 7 são finlmente presentds s conclusões do presente trblho, com sus principis contribuições e proposts de pesquiss futurs. 10

24 CAPÍTULO 2 EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS EM SGBDOOs EVOLUÇÃO DE ESQUEMAS SOBRE UM ESQUEMA ÚNICO A independênci lógic de ddos em SGBDs sugere que o problem de modificção de esquems preç extremmente simplificdo. Porém est ind é mior questão, pesr d ntigüidde dos BD. Este problem não surgiu com s lingugens de progrmção, onde tipos crim ddos, em vez de ddos crirem tipos. Os SGBDOOs são suportdos por um modelo complexo e destinm-se às plicções ns quis mudnçs no esquem podem ser freqüentes, fruto de modificções n modelgem relizds pelo projetist e que implicrão em operções de correção sobre definição do esquem. Este processo necessit de meios que, integrdos o BD, possibilitem prototipção do comportmento do esquem frente às modificções. Em (BANERJEE,1987) é definid um txonomi pr modificção de esquems, bem como (ABITEBOUL,1988), (PENNEY,1987), (ZICARI,1991), tmbém definem txonomis similres. Podemos usr cd txonomi pr clssificr sistems de BDs conforme o tipo de modificção de esquem permitido, isto é, se s modificções permitids são em tempo de execução e se o sistem modific utomticmente instâncis ou progrms existentes. Embor pudessem ser fcilmente incluíds como outr modificção, s definições de relcionmentos não constm dests txonomis, visto que nos sistems de BD os relcionmentos são representdos como tributos. Alguns sistems permitem simplesmente modificr nomes, incluir e excluir proprieddes. O nome modificdo, bem como inclusão e exclusão de métodos tipicmente, 11

25 envolvem modificções pens pr o próprio esquem, já que em vez de nomes, identificdores são usdos pr referencir os tipos ds própris instâncis. A inclusão ou exclusão de tributos ou relcionmentos, muits vezes requer técnics mis sofisticds, porque normlmente espços são reservdos pr esses ddos em cd instânci. As modificções podem ter efeito sobre objetos existentes, lterndo-os imeditmente no momento em que o esquem é modificdo, ou pelo uso de um representção de tipo, que permit coexistênci de instâncis de objetos com diferentes conjuntos de tributos, ou relcionmentos, quer dizer, evolução de esquems utilizndo versionmento vist no item 2.2 deste cpítulo. Um lterntiv, denomind lzy updte, represent um form postergd de propgção dos efeitos sobre os objetos. Est lterntiv é mis difícil de implementr, ms útil por evitr um sobrecrg no tempo de modificção do esquem. Mis dinte, ests lterntivs serão discutids como um questão de implementção. ORION e seu sucessor ITASCA (ITASCA,1990), bem como o O 2 provvelmente possuem o mis sofisticdo trtmento de evolução de esquems dentre os SGBDOOs estuddos, suportndo mior prte ds modificções contids n txonomi definid em (BANERJEE,1987). Outrossim, um vez que modificções reltivmente complexs podem ocorrer em muits plicções, outr lterntiv seri o sistem propicir bos ferrments pr uxilir o usuário finl n trnsformção do esquem, dos objetos, e dos progrms, o invés de prover, incrementlmente, um evolução de esquems mis utomátic pr modificções contids n txonomi sugerid (CATTELL,1991). Conforme visto nteriormente, lguns utores sustentm que o esquem modific-se mis freqüentemente pr quels plicções em que os SGBDOOs são mis indicdos, 12

26 embor existm plicções em SGBDs Relcionis (SGBDRs) onde modificções de esquem sejm igulmente freqüentes. Em qulquer cso, evolução de esquems é um problem importnte e mis complexo em modelos de ddos vnçdos, por cus do número de crcterístics e ds possibiliddes de trnsformções de esquem nestes modelos. Em (CATTELL,1991) são definids qutro principis lterntivs de mnutenção de instâncis pr evolução de esquems: (1) Write-once type (tipos cridos um vez): lterntiv mis simples, que consiste em proibir s modificções no esquem, um vez que instâncis tenhm sido crids. Se um usuário desejr definir um novo tributo ou modificr clsse, um nov clsse deve ser definid e s instâncis ntigs copids pr est. Est lterntiv er dotd pelo SIGO, nteriormente este trblho; (2) Immedite Updte (tulizção imedit): como o nome sugere nest lterntiv mudnç do esquem fet imeditmente s instâncis existentes d clsse. Por exemplo, se um novo tributo é diciondo pr um clsse de objetos, todos os objetos dquel clsse são utomticmente tulizdos, recebendo um vlor null pr o tributo diciondo. Est lterntiv, dotd pelo OBJECTSTORE (OBJECTDESIGN,1990) e GEMSTONE (GEMSTONE,1995) é considerd mis comum entre os SGBDOOs. (3) Lzy Updte (tulizção postergd): est lterntiv, dotd pelo ORION (XIDAK,1990) e pelo O 2 (FERRANDINA,1995), consiste em retrdr s tulizções pr objetos de um clsse té que estes sejm referencidos. Qundo os objetos são recuperdos n memóri, um ssocição crescentd o objeto indic se este foi tulizdo pel últim definição. Se o esquem mudou - por exemplo, um tributo foi incluído - tulizção é feit, então, neste momento. Nest lterntiv, informção do histórico do esquem e conversão 13

27 de procedimentos deve ser mntid pelo SGBDOO, té que tods s instâncis d clsse modificd tenhm sido convertids pr nov representção. Em (HARRUS,1990) é presentdo um estudo sobre o desempenho lzy updte versus immedite updte. (4) Schem Mpping (mpemento de esquems): lterntiv mis extrem, que consiste em mnter um mpemento entre representção corrente ds clsses e tods s versões nteriores, retrdndo, indefinidmente, s tulizções pr objetos existentes, ou té que um reorgnizção sej explicitmente requisitd. Este mpemento requer mnutenção de múltipls versões de um esquem, o que permite os usuários diferentes visões de um mesmo objeto. Sistems como ORION e GEMSTONE provêem est funcionlidde. Hj vist su complexidde, est lterntiv é de difícil implementção pr os SGBDOOs. Gerlmente, pr modificções de esquems suficientemente complexs, todos os SGBDOOs tendem utilizr primeir lterntiv, definindo novs clsses e copindo s instâncis existentes. Alguns sistems podem mnipulr diretmente modificções simples, tis como inclusão ou exclusão de um tributo, de um relcionmento ou de um método e inclusão ou remoção de subclsses. Embor, de modo direto, em sistems como o ORION - que pode mnipulr tods s modificções d txonomi nteriormente presentd - vst miori ds modificções não cobert pel mesm txonomi, requer que o usuário desenvolv progrms pr crir novs clsses e executr trnsformções de ddos do esquem ntigo pr o esquem novo. Provvelmente, miori ds modificções de esquem do mundo rel irá requerer progrmção nos SGBDOOs e pesquiss dentre os mis sofisticdos lgoritmos de trnsformção de esquems. 14

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC

SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC Aumente o desempenho dos plictivos, protej informções essenciis e reduz os custos de rmzenmento com o softwre brngente d EMC DESTAQUES O pcote de softwre VNX Softwre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

MODELAGEM DINÂMICA OO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS

MODELAGEM DINÂMICA OO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS MODELAGEM DINÂMICA OO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS Guillermo Bustos Reinoso Crlos A. Heuser UFRGS/Instituto de Informátic Cix Postl 15064 91501-970 Porto Alegre RS e-mil: {gbustos heuser}@inf.ufgrs.br

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Equivalência Estrutural

Equivalência Estrutural Equivlênci Estruturl Jefferson Elert Simões sedo nos rtigos: Structurl Equivlence of Individuls in Socil Networks (Lorrin & White, 1971) Structurl Equivlence: Mening nd Definition, Computtion nd ppliction

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica Resumo d últim ul Compildores Verificção de tipos (/2) Análise semântic Implementção: Esquems -tribuídos: Mecnismo bottom-up direto Esquems -tribuídos: Mecnismo top-down: Necessit grmátic não recursiv

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES W. Richard Scott

INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES W. Richard Scott Teori Institucionl Definição Ampl ds Os Três Pilres ds INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES W. Richrd Scott Escols Institucionis: Principis Diferençs Ênfse vriável Suporte vriável Nível de Análise vriável TEORIA

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ Secretri de Tecnologi d Informção Coordendori de Suporte Técnico os Usuários SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ MÓDULO DESPACHO ASSISTIDO (versão 1.0) Sumário 1. OBJETIVO DO MÓDULO... 3 1. 2. GERENCIAMENTO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU Gestão Inteligente de Bckup Mnul de Crição e configurção Crição: CS-Consoft - Documentção & CSU Indice Introdução... 1 I. Aquisição d solução de Bckup Remoto Ddo Seguro Pro... 1 1. Downlod do plictivo...

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

URICER Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Erechim Apostila de COMPILADORES

URICER Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Erechim Apostila de COMPILADORES URICR Universidde Regionl Integrd do Alto Urugui e ds Missões Cmpus de rechim Apostil de COMPILADORS rechim, gosto de 2001. -2- SUMÁRIO 1 CONCIOS BÁSICOS (revisão)... 4 2 LINGUAGNS SUAS RPRSNAÇÕS... 6

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Manual de Operações Atualização do KIT I

Manual de Operações Atualização do KIT I Mnul de Operções Atulizção do KIT I ÍNDICE ANTES DE INICIAR... 2 NOVOS RECURSOS...2 EXIBIÇÃO DO TECIDO DURANTE O ALINHAMENTO DA POSIÇÃO DO BORDADO... 3 ALTERAÇÃO DO TAMANHO DO DESENHO, MANTENDO A DENSIDADE

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL INICIALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE CONTROLADORES DEFINIDOS PELO USUÁRIO DO PROGRAMA PACDYN MARCOS INÍCIUS GONÇALES DA SILA FARINHA PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Austrle Jornl essol de Astronomi, Físic e Mtemátic - roduzido por Irineu Gomes Vrell Crido em 995 Retomdo em Junho de 0 Ano III Nº 04 - Setembro de 0 ÓRBITAS LANETÁRIAS E LEIS DE KELER rof. Irineu

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO DO ESTADO DO CEARÁ POLÍCIA MILITAR DO CEARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CARGO DE SOLDADO PM

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes Plno de Implntção do no Centro Federl de Educção Tecnológic Celso Suckow d Fonsec CEFET- RJ 1 Autor: Crlos Otávio Schocir Mendes O objetivo desse trblho é fornecer subsídios pr implntção no no CEFET- RJ.

Leia mais

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2008 Cód. 04 Anlist de Suporte Técnico 1. Considerndo configurção prcil de um plc de rede conforme presentd n figur bixo, o Gtewypdrão

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio Curso de Especilizção Tecnológic Desenvolvimento de Produtos de Multimédi Reltório de Estágio Muro L. Afonso Sentido Comum Gurd Portugl 2010 Curso de Especilizção Tecnológic Muro Afonso 1 Desenvolvimento

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Wittgenstein e a importância dos jogos de linguagem na educação infantil*

Wittgenstein e a importância dos jogos de linguagem na educação infantil* Wittgenstein e importânci dos jogos de lingugem n educção infntil* Ivnldo Sntos** Resumo O objetivo desse ensio não é presentr tods s questões discutids por Wittgenstein em sus Investigções filosófics,

Leia mais

A técnica de controle proposta fundamenta-se

A técnica de controle proposta fundamenta-se rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos)

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos) UFU Universidde Federl de Uberlândi Fculdde de Computção Apostil de Lógic Proposicionl (Fundmentos Básicos) Prof. Luiz Gustvo Almeid Mrtins UFU - Fculdde de Computção Lógic Proposicionl Fundmentos Básicos

Leia mais