DECRETO N.º DE 1 DE SETEMBRO DE 2011.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECRETO N.º 34381 DE 1 DE SETEMBRO DE 2011."

Transcrição

1 DECRETO N.º DE 1 DE SETEMBRO DE Altera a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Cultura - SMC. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, considerando o constante no processo administrativo nº 12/ /2011, DECRETA: Art. 1º. Fica consolidada a estrutura organizacional, da Secretaria Municipal de Cultura, conforme consta do ANEXO I, que acompanha o presente Ato. Art. 2º. As competências do órgão mencionado no art. 1º, deste Ato, são as constantes do ANEXO II. Art. 3º. Fica alterada a Codificação Institucional dos seguintes cargos, na forma que segue: I- De: Para: Cargo U.A. Cargo U.A

2

3

4

5

6

7 Art. 4º. Os ocupantes dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas, extintos neste Ato, ficam automaticamente exonerados/dispensados. Art. 5º. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Rio de Janeiro, 1 de setembro de o ano da fundação da Cidade. EDUARDO PAES ANEXO I Estrutura Organizacional SMC Secretaria Municipal de Cultura

8 Secretário Municipal S/E Chefe de Gabinete DAS10.A Assessor I DAS Assessor II DAS Assessor III DAS Assessor III DAS C/CCNLEP Comissão Carioca de Nominação dos Logradouros e Equipamentos Públicos C/CMC Conselho Municipal de Cultura C/CMPC Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do RJ C/CPPU Comissão de Proteção da Paisagem Urbana C/CCPC Comissão Carioca de Promoção Cultural C/ATAE Assessoria Técnica de Assuntos Estratégicos Assessor I DAS Assessor III DAS07

9 Assistente I DAS C/ACS Assessoria de Comunicação Social Assessor Chefe Técnico DAS Assessor III DAS Assessor III DAS Assessor III DAS Assistente I DAS C/APE Assessoria de Projetos Especiais Coordenador I DAS Assessor III DAS Assistente I DAS C/SECCPC Secretaria Executiva da Comissão Carioca de Promoção Cultural Secretário Executivo III DAS Assistente I DAS Assistente II DAI06

10 C/SECMPC Secretaria Executiva do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do RJ Secretário Executivo IV DAS Assistente II DAI C/SECMC Secretaria Executiva do Conselho Municipal de Cultura Secretário Executivo IV DAS C/SUBPC Subsecretaria do Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design Subsecretário DAS10.A Assistente I DAS Assistente I DAS Assistente II DAI C/SUBPC/CPF Coordenadoria de Projetos e Fiscalização Coordenador I DAS Assistente II DAI C/SUBPC/CPF/GPJ Gerência de Projetos

11 Gerente II DAS Assistente II DAI C/SUBPC/CPF/GCF Gerência de Conservação e Fiscalização Gerente II DAS Assistente II DAI C/SUBPC/CPF/GCF/1º ET 1º Escritório Técnico - Corredor Cultural Centro Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBPC/CPF/GCF/2º ET 2º Escritório Técnico - Norte/Oeste Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBPC/CPF/GCF/3º ET 3º Escritório Técnico - Zona Sul Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBPC/CPF/GCP Gerência de Cadastro, Pesquisa e Proteção

12 Gerente II DAS Assistente II DAI C/SUBPC/CPF/GIU Gerência de Intervenção Urbana Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBPC/CPF/GOB Gerência de Obras Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBPC/CPF/GAR Gerência de Arqueologia Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBPC/CCD Centro Carioca de Design Gerente III DAS Auxiliar de Chefia I DAI C/SUBC Subsecretaria de Cultura

13 Subsecretário DAS10.A Assessor III DAS Assessor III DAS Assistente I DAS Assistente II DAI C/SUBC/CMCAV Coordenadoria de Museus, Centros Culturais e Artes Visuais Coordenador I DAS Assistente II DAI C/SUBC/CMCAV/GCC Gerência dos Centros Culturais Gerente I DAS C/SUBC/CMCAV/GCC/CDS Centro Cultural Municipal Professora Dyla Sylvia de Sá Gerente II DAS Gerente IV DAI C/SUBC/CMCAV/GCC/CPR Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas

14 Gerente II DAS Gerente IV DAI C/SUBC/CMCAV/GCC/CLS Centro Cultural Municipal Laurinda Santos Lobo Gerente II DAS Gerente IV DAI C/SUBC/CMCAV/GCC/CJB Centro Cultural Municipal José Bonifácio Gerente II DAS Gerente IV DAI C/SUBC/CMCAV/GCC/COVF Centro Cultural Municipal Oduvaldo Viana Filho - Castelinho Gerente II DAS Gerente IV DAI C/SUBC/CMCAV/GCC/CAHO Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica Gerente II DAS Gerente IV DAI06

15 C/SUBC/CMCAV/GMU Gerência de Museus Gerente I DAS C/SUBC/CMCAV/GMU/ECO Ecomuseu do Quarteirão Cultural do Matadouro de Santa Cruz Gerente II DAS C/SUBC/CMCAV/GMU/MGV Memorial Getúlio Vargas Gerente II DAS C/SUBC/CMCAV/GMU/MHC Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro Gerente II DAS C/SUBC/CAELL Coordenadoria de Arte e Educação, Livros e Leitura Coordenador I DAS Assistente II DAI C/SUBC/CAELL/GB Gerência de Bibliotecas Gerente III DAS C/SUBC/CAELL/GB/SPT Subgerência de Processamento Técnico Subgerente III DAI06

16 C/SUBC/CAELL/GB/ BPB Biblioteca Popular de Botafogo Subgerente III DAI Secretário I DAI C/SUBC/CAELL/GB/BPC Biblioteca Popular de Campo Grande Subgerente III DAI Secretário I DAI C/SUBC/CAELL/GB/BPG Biblioteca Popular da Gamboa Subgerente III DAI Secretário I DAI C/SUBC/CAELL/GB/BPI Biblioteca Popular da Ilha do Governador Subgerente III DAI Secretário I DAI C/SUBC/CAELL/GB/BPT Biblioteca Popular da Tijuca Subgerente III DAI Secretário I DAI05

17 C/SUBC/CAELL/GB/BPI Biblioteca Popular de Irajá Subgerente III DAI Secretário I DAI C/SUBC/CAELL/GB/BPJ Biblioteca Popular de Jacarepaguá Subgerente III DAI Secretário I DAI C/SUBC/CAELL/GLL Gerência de Livro e Leitura Gerente DAS Assistente I DAS C/SUBC/CAELL/CACG Centro de Artes Calouste Gulbenkian Diretor II DAS Assistente I DAS Assistente I DAS Assistente I DAS Assistente II DAI06

18 Assistente II DAI Assistente II DAI Assistente II DAI C/SUBC/CAELL/CACG/GF Gerência de Feirarte Gerente III DAS C/SUBC/CACM Coordenadoria de Artes Cênicas e Música Coordenador I DAS Assistente II DAI C/SUBC/CACM/GT Gerência de Teatros Gerente I DAS C/SUBC/CACM/GALAR Gerência de Arenas, Lonas e Atividades de Rua Gerente I DAS C/SUBC/CACM/GDA Gerência de Dança Gerente I DAS08

19 C/SUBC/CACM/GDA/CCR Centro Coreográfico do Rio Gerente II DAS C/SUBC/CACM/GMU Gerência de Música Gerente I DAS C/SUBC/CACM/GMU/CRM Centro de Referência da Música Gerente II DAS C/SUBG Subsecretaria de Gestão Subsecretário DAS10.A Assessor III DAS Assessor III DAS Assistente I DAS C/SUBG/AOM Assessoria de Obras e Manutenção de Equipamentos Gerente II DAS C/SUBG/ADS Administração Setorial Diretor I DAS09

20 Assessor III DAS Assistente II DAI C/SUBG/ADS/GRH Gerência de Recursos Humanos Gerente II DAS Subgerente II DAS Subgerente II DAS Subgerente III DAI Subgerente III DAI C/SUBG/ADS/GIL Gerência de Infraestrutura e Logística Gerente II DAS Subgerente II DAS Subgerente II DAS Subgerente III DAI Subgerente III DAI Subgerente III DAI06

21 C/SUBG/ADS/GAAD Gerência de Análise e Acompanhamento de Despesas Gerente II DAS Subgerente II DAS C/SUBG/ADS/GLAC Gerência de Licitação e Administração de Contratos Gerente II DAS Subgerente II DAS Subgerente II DAS Assistente II DAI C/SUBG/CA Centro Arquivístico Gerente III DAS C/ARQ Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro Diretor I DAS Assistente I DAS Assistente II DAI06

22 C/ARQ/GP Gerência de Pesquisa Gerente II DAS Subgerente III DAI C/ARQ/GDEE Gerência de Documentação Escrita e Especial Gerente II DAS Subgerente III DAI Subgerente III DAI C/ARQ/GAT Gerência de Apoio Técnico Gerente II DAS Subgerente III DAI C/ARQ/SAG Subgerência de Atividades Gerais Subgerente II DAS06 ANEXO II Competências SMC Secretaria Municipal de Cultura

23 Formular e implementar a Política de Cultura do Município do Rio de Janeiro, com o foco na ampla participação do cidadão carioca C/CCNLEP Comissão Carioca de Nominação dos Logradouros e Equipamentos Públicos Decidir sobre quaisquer pedidos e sugestões de nominação de logradouros e equipamentos públicos; avaliar decisões tomadas e propor, ou não, alterações de nominação de logradouros e equipamentos públicos; elaborar levantamento de personalidades de todos os ramos de atividade que marcaram a vida da cidade, seja em nível geral ou local, e manter em cadastro para os logradouros e equipamentos que requeiram ser nominados; avaliar e decidir sobre nominações que guardem relação simbólica com fatos; avaliar, seja como homenagem pelos serviços prestados à humanidade, a esta ou a outras regiões, seja pelos serviços prestados à cidade do Rio de Janeiro, a designação de personalidades estrangeiras C/CMC Conselho Municipal de Cultura Elaborar diretrizes para Política Municipal de Cultura; acompanhar e fiscalizar a implementação das políticas, programas, projetos e ações do Poder Público na área cultural; realizar audiências públicas e outras formas de comunicação, para prestar contas de suas atividades ou tratar de assuntos da área cultural; receber e dar parecer sobre consultas de entidades da sociedade ou órgãos públicos;

24 elaborar diretrizes que visem à proteção e à preservação de obras e manifestações de valor cultural, histórico e artístico; elaborar diretrizes que visem à proteção e a preservação de bens arquitetônicos e paisagísticos da Cidade; elaborar e aprovar seu Regimento Interno C/CMPC Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do RJ Propor ao Prefeito medidas executivas que visem à proteção individual de bens arquitetônicos e bens imateriais das áreas ou conjuntos urbanos que devem ser objeto da preservação parcial ou total, bem como ao seu tombamento; pronunciar-se em qualquer ato que de alguma forma altere a aparência, a integridade, a segurança ou a visibilidade do bem tombado pelo Município, conforme determinado pela legislação municipal; promover a valorização do Patrimônio Cultural C/CPPU Comissão de Proteção da Paisagem Urbana Analisar, previamente, qualquer obra de arte ou intervenção artística, a ser instalada em logradouro público ou que interfira na paisagem natural da Cidade; analisar e aprovar os locais em que serão instaladas as obras de arte ou intervenções artísticas; estabelecer procedimentos e critérios para a instalação de obras de arte ou intervenções artísticas na paisagem natural ou edificada da Cidade do Rio de Janeiro C/CCPC Comissão Carioca de Promoção Cultural

25 Analisar, enquadrar e certificar os projetos incentivados, aprovando o seu orçamento, definindo o grau normal ou especial de cada projeto, emitindo os respectivos Certificados de Enquadramento, Autorizações de Transferências e publicações dos projetos aprovados C/ATAE Assessoria Técnica de Assuntos Estratégicos Assessorar o Titular da Pasta na elaboração do Planejamento Estratégico da Secretaria; prestar assessoramento técnico aos órgãos da Secretaria Municipal de Cultura no planejamento, desenvolvimento e avaliação de projetos e na elaboração do plano anual de trabalho; avaliar e propor o aperfeiçoamento dos planos, programas e projetos da Secretaria; elaborar pesquisas, estudos, relatórios e pareceres necessários ao desenvolvimento dos programas da Secretaria; definir e acompanhar indicadores de projetos para subsidiar o Titular da Pasta no processo em tomada de decisão; elaborar, periodicamente, relatórios de acompanhamento de metas e indicadores de qualidade e eficácia dos projetos desenvolvidos pela Secretaria; adequar as unidades da Secretaria aos tetos orçamentários disponibilizados pela Secretaria Municipal de Fazenda; manter integração com órgãos e/ou instituições que promovam atividades correlatas C/ACS Assessoria de Comunicação Social Atuar, de acordo com a orientação do Sistema Municipal de Comunicação

26 Social, nas áreas de divulgação interna e externa, intermediando os contatos com a imprensa escrita, falada e televisiva; atuar com programas e ações relativos à comunicação social, relações públicas e cerimonial, no âmbito de sua atuação; orientar a criação e execução de material institucional, editorial e promocional do Órgão; colecionar as matérias da imprensa que digam respeito ao Órgão, bem como aquelas relativas a sua área de atuação; manter atualizadas as informações disponibilizadas na internet e intranet; manter arquivo fotográfico das atividades e eventos do Órgão C/APE Assessoria de Projetos Especiais Elaborar modelos de gestão para os diferentes equipamentos subordinados a Secretaria; estudar e propor uma melhor disposição geográfica dos diferentes tipos de equipamentos subordinados a Secretaria; estabelecer critérios de priorização, quando da definição de construção, modernização ou adequação, na rede de equipamentos da Secretaria, sejam com recursos próprios ou de terceiros; buscar, sempre que possível, um alinhamento com orgãos similares dos organismos da estrutura estadual e federal C/SECCPC Secretaria Executiva da Comissão Carioca de Promoção Cultural Apoiar os Comitês Setoriais e a Comissão Carioca de Promoção Cultural no funcionamento e na organização das reuniões bem como acompanhar os

27 mecanismos de arrecadação dos valores referentes ao incentivo fiscal concedido pela lei de incentivo à cultura; estabelecer, em parceria com os órgãos envolvidos - SMF e CGM - o fluxo operacional referente a concessão de incentivo à cultura; subsidiar a prestação de contas dos processos referentes aos incentivos concedidos conforme determinação da legislação vigente C/SECMPC Secretaria Executiva do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do RJ Assessorar as demandas da Presidência do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro - CMPC; organizar, convocar e secretariar as reuniões do CMPC autorizadas pela Presidência; providenciar a elaboração e aprovação da Atas decorrentes das reuniões do CMPC; organizar os documentos relativos aos bens tombados de natureza material e imaterial; tratar e manter atualizado o acervo técnico relativo aos processos de tombamento e de declaração de bens de natureza imaterial; providenciar todos os atos decorrentes da proteção dos bens de natureza material e imaterial; providenciar todas as ações administrativas referentes ao bom andamento dos serviços inerentes ao CMPC; proceder às inscrições no(s) Livro(s) de Tombo e no(s) Livro(s) de Registro dos Bens de Natureza Imaterial;

28 atender ao público e aos Órgãos interessados em assuntos referentes aos processos de tombamento e em decisões do CMPC; manter intercâmbio entre o CMPC e os demais Órgãos de Patrimônio Cultural Estadual e Federal C/SECMC Secretaria Executiva do Conselho Municipal de Cultura Assessorar as demandas da Presidência do Conselho Municipal de Cultura - CMC; organizar, convocar e secretariar as reuniões do CMC autorizadas pela Presidência; providenciar a elaboração e aprovação da Atas decorrentes das reuniões do CMC; organizar os documentos relativos aos Comitês em vigor; providenciar todas as ações administrativas referentes ao bom andamento dos serviços inerentes ao CMC; atender ao público e aos Órgãos interessados em assuntos referentes as decisões do CMC; manter intercâmbio entre o CMC e os demais Órgãos de Patrimônio Cultural Estadual e Federal C/SUBPC Subsecretaria do Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design Participar do processo de formulação das Políticas Públicas e diretrizes da Secretaria, em articulação com os demais Órgãos; assessorar o Titular da Pasta na direção, coordenação e gestão estratégica da Secretaria no que tange a promoções culturais;

29 proteger e promover o Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro; fiscalizar e autorizar o licenciamento de obras relativas ao Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro e sua ambiência; planejar, coordenar, desenvolver e supervisionar programas, projetos e demais ações técnicas necessárias para a proteção, a conservação e a preservação dos bens tangíveis e intangíveis que integram o Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro, respeitada a legislação em vigor; promover iniciativas com outros níveis de governo para realização dos objetivos da política do patrimônio e para a integração das ações de proteção e de conservação entre órgãos e entidades municipais, estaduais e federais; tratar, gerar e manter atualizado o banco de dados sobre o Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro e proporcionar os meios de acesso às informações; promover ações que vissem a impedir a evasão, a destruição e descaracterização de bens e documentos de valor cultural do Município do Rio de Janeiro; manter intercâmbio com os órgãos públicos, privados ou pessoas físicas e jurídicas, visando a preservação da memória e a proteção do Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro; participar da elaboração da proposta orçamentária da Secretaria relativamente à aplicação dos recursos financeiros destinados a sua programação específica C/SUBPC/CPF Coordenadoria de Projetos e Fiscalização Promover a integração com os órgãos municipais de planejamento urbano, de obras, de fiscalização e arrecadação, bem como com os responsáveis pelas áreas e bens protegidos e tombados, garantindo a gestão eficaz do Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro;

30 definir e propor critérios de identificação, classificação e atualização de áreas e bens de interesse cultural para fins de proteção legal pelo Poder Público Municipal; promover a valorização do Patrimônio Cultural através da colaboração em campanhas publicitárias, cursos, seminários, principalmente junto às populações locais; subsidiar e instruir tecnicamente o Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural em suas decisões; planejar as ações de fiscalização e de autorização de licenças de obras relativas ao Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro e sua ambiência; supervisionar os Escritórios Técnicos, visando à implementação dos critérios definidos para as Áreas de Proteção do Ambiente Cultural e demais bens protegidos e tombados; desenvolver, coordenar e supervisionar programas e demais ações técnicas necessárias para a proteção, a conservação e a preservação dos bens tangíveis e intangíveis que integram o Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro, respeitada a legislação em vigor; coordenar a realização do inventário, da pesquisa, do cadastramento, da divulgação e da fiscalização dos bens de valor cultural do Município do Rio de Janeiro; prover os meios necessários à formulação e realização dos programas e demais ações visando à integridade e à valorização do Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro; analisar e emitir parecer, previamente à aprovação pelos órgãos competentes da Prefeitura, sobre pedidos de modificação de uso; de quaisquer obras internas e externas; de licenças de renovação e colocação de letreiros, anúncios ou engenhos de publicidade; de isenções de impostos e taxas municipais, relativos às áreas e bens protegidos do Município do Rio de Janeiro; promover a organização e atualização do acervo técnico da área de Patrimônio;

31 promover e incentivar a participação das comunidades locais nas ações que visem à proteção e conservação do Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro; promover ações que visem a impedir a evasão, a destruição e descaracterização de bens de valor cultural do Município do Rio de Janeiro; manter intercâmbio com órgãos públicos, privados ou pessoas físicas e jurídicas, visando à proteção e conservação do Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro; interagir com os demais órgãos municipais visando ações conjuntas que visem a proteção e a conservação do Patrimônio Cultural Municipal e a reabilitação física das áreas urbanas degradadas C/SUBPC/CPF/GPJ Gerência de Projetos Gerenciar, elaborar,orientar e/ou acompanhar projetos de restauração, conservação e/ou adequação em bens imóveis protegidos e tombados, pertencentes e/ou utilizados pelo Município do Rio de Janeiro; gerenciar, elaborar, orientar e/ou acompanhar projetos de cálculo estrutural e de instalações prediais de bens imóveis protegidos e tombados, pertencentes e/ou utilizados pelo Município; gerenciar, elaborar, orientar e/ou acompanhar, com a colaboração dos Escritórios Técnicos Locais, projetos paisagísticas e/ou urbanísticas em Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APAC), em áreas de entorno e/ou em demais espaços públicos protegidos; gerenciar, orientar e acompanhar estudos, projetos e intervenções de conservação de bens móveis de valor cultural e/ou protegidos; elaborar, em parceria com os Escritórios Técnicos Locais, projetos de programação visual de mobiliário urbano nas Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APAC), em áreas de entorno e/ou em demais espaços públicos protegidos e gerenciar a sua execução;

32 elaborar projetos para instalação de sinalização e identificação do Patrimônio Cultural da cidade e orientar e/ou acompanhar a sua execução; gerenciar, elaborar e/ou orientar a execução de escopo de serviços e planilhas orçamentárias de projetos promovidas pelo órgão; atuar conforme os dispositivos adotados pelo Sistema de Custos para Obras e Serviços de Engenharia - SCO-RIO; gerenciar, elaborar e aferir composição de preços unitários de serviços especializados de restauração e de conservação de bens imóveis; gerenciar, elaborar, orientar e/ou acompanhar os convênios e contratos cujo objeto é a execução de obras de revitalização urbana, restauração, conservação e/ou readequação em bens imóveis protegidos, promovidas pelo órgão; gerenciar, elaborar, orientar e/ou acompanhar o cumprimento de cronograma físico-financeiro de obras de restauração, conservação e/ou readequação em bens imóveis protegidos, promovidas pelo órgão; gerenciar e realizar medições dos serviços previstos em contrato das obras de restauração, conservação e/ou readequação em bens imóveis protegidos, promovidas pelo órgão; elaborar pareceres técnicos para instruir análise do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural - CMPC; manter arquivo atualizado de catálogos de materiais, equipamentos e demais itens relacionados à execução de projetos e obras de conservação; manter interface com os órgãos municipais de planejamento urbano, de fiscalização e de obras e com os Órgãos Federal e Estadual de Patrimônio Cultural; realizar e acompanhar vistorias, autorizações de licença, fiscalização, acompanhamento e documentação das obras de restauração, recuperação e/ou readequação em bens próprios e/ou utilizados pelo Município, protegidos pelo

33 instrumento do tombamento ou protegidos; realizar e acompanhar vistorias, autorizações de licença, fiscalização, acompanhamento e documentação das obras de restauração, recuperação e/ou requalificação de praças, largos, escadarias, jardins, conjuntos escultóricos e logradouros públicos, protegidos pelo instrumento do tombamento ou situados nas Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APAC) existentes no Município; gerenciar, elaborar, orientar e/ou acompanhar ações de promoção da memória histórica e cultural através da elaboração e supervisão de publicações, exposições ou eventos, colaboração em campanhas publicitárias, cursos, seminários, principalmente junto ás populações locais; interagir com os demais órgãos municipais de fiscalização de obras que atuam com sistemas orçamentários de obras e serviços de engenharia C/SUBPC/CPF/GCF Gerência de Conservação e Fiscalização Gerenciar os Escritórios Técnicos; gerenciar, analisar, orientar e supervisionar projetos e intervenções em bens culturais particulares protegidos inseridos em Áreas de Proteção do Ambiente Cultural e em áreas de entorno de bens protegidos; gerenciar as ações de fiscalização e de autorização de licenças de obras relativas ao Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro e sua ambiência; manter interface com os órgãos municipais de planejamento urbano, de fiscalização, de obras e com os órgãos federais e estaduais de Patrimônio Cultural; promover ações que visem à conservação e à valorização das Áreas de Proteção do Ambiente Cultural e das áreas de entorno de bem tombado do Município do Rio de Janeiro; monitorar o cumprimento dos parâmetros de proteção previstos na legislação de Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro;

34 propor normas para instalação de anúncios indicativos e publicitários em bens culturais tombados, preservados e tutelados C/SUBPC/CPF/GCF/1º ET 1º Escritório Técnico - Corredor Cultural Centro Vistoriar, autorizar licença, fiscalizar e orientar as obras de reformas, adaptações de uso e restaurações dos bens culturais particulares protegidos pelo Município; emitir pareceres prévios, referentes aos imóveis situados nas áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; orientar e emitir parecer em processos de licenciamento para instalação de anúncios indicativos e publicitários em bens culturais tombados, preservados e tutelados, nas áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; elaborar pareceres técnicos para subsidiar a análise do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural em imóveis protegidos, situados em áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; visar plantas dos processos de intervenção física em bens culturais protegidos e em letreiros, no caso dos imóveis tombados; analisar os processos de isenção tributária visando emitir parecer quanto ao estado de conservação e estabelecer as exigências para recuperação dos imóveis protegidos pelo Município, Estado e União, bem como os situados nas áreas sob tutela do Escritório Técnico; incentivar a participação das comunidades locais nas ações relativas à preservação do Patrimônio Cultural das áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; informar aos demais órgãos competentes os bens protegidos que se encontram em mau estado de conservação ou com obras irregulares em execução, detectados através da fiscalização local periódica; avaliar e propor as ações, visando ao cumprimento da legislação de proteção do Patrimônio Cultural da Cidade, propondo a revisão da legislação, quando

35 necessário; manter cooperação com os órgãos de planejamento urbano, de fiscalização de obras, garantindo as ações necessárias à preservação do que for considerado bem cultural; acompanhar a execução dos programas de proteção, de recuperação e valorização do Patrimônio Cultural e do ambiente urbano; colaborar na análise e implantação dos projetos paisagísticos e/ou urbanísticos em Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APAC), em áreas de entorno e/ou nos demais espaços públicos protegidos; avaliar e propor normas para instalação de anúncios indicativos e publicitários em bens culturais tombados, protegidos e passíveis de renovação; alimentar o sistema de informações relativo ao acervo do Patrimônio Cultural do Município do Rio de Janeiro, com as informações inerentes ao Escritório Técnico C/SUBPC/CPF/GCF/2º ET 2º Escritório Técnico - Norte/Oeste Vistoriar, autorizar licença, fiscalizar e orientar as obras de reformas, adaptações de uso e restaurações dos bens culturais particulares protegidos pelo Município; emitir pareceres prévios, referentes aos imóveis situados nas áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; orientar e emitir parecer em processos de licenciamento para instalação de anúncios indicativos e publicitários em bens culturais tombados, preservados e tutelados, nas áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; elaborar pareceres técnicos para subsidiar a análise do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural em imóveis protegidos, situados em áreas sob tutela legal do Escritório Técnico; visar plantas dos processos de intervenção física em bens culturais protegidos

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. 043265 R/IRio Instituto Rio 2016. 034183 Presidente DAS10.A. 043263 R/IRio/ARI Assessoria de Relações Institucionais

ANEXO I ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. 043265 R/IRio Instituto Rio 2016. 034183 Presidente DAS10.A. 043263 R/IRio/ARI Assessoria de Relações Institucionais ANEXO I ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 043265 R/IRio Instituto Rio 2016 034183 Presidente DAS10.A 043263 R/IRio/ARI Assessoria de Relações Institucionais 034179 Assessor Chefe DAS08 034177 Assessor III DAS07

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decreto nº 12.633/06, nº 14.770/10, nº 15.416/12 e nº 15.486/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Conceição da Feira-BA

Prefeitura Municipal de Conceição da Feira-BA ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DA FEIRA - BAHIA A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 LEI Nº 625/2014 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

COMITÊ TÉCNICO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DIRETOR IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE PATRIMÔNIO CULTURAL IRPH

COMITÊ TÉCNICO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DIRETOR IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE PATRIMÔNIO CULTURAL IRPH IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE PATRIMÔNIO CULTURAL IRPH PATRIMÔNIO CULTURAL CONSTITUÍDO PELOS BENS DE NATUREZA MATERIAL E IMATERIAL QUE, INDIVIDUALMENTE OU EM CONJUNTO, CONSTITUEM REFERÊNCIA À IDENTIDADE

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 2310 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 50160001 1061 Brasil Escolarizado 0509 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Básica Projeto apoiado (unidade) 40

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE

LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE PUBLICADO DOC 29/06/2012, p. 1, 3 c. 3-4, todas LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE 2012 (Projeto de Lei nº 595/11, do Executivo) Dispõe sobre a criação do Arquivo Histórico de São Paulo, na Secretaria Municipal

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096 Eventos Culturais PROGRAMA Nº - 096 Levar cultura à população através de shows musicais, espetáculos teatrais, poesia, oficinas de teatro, música, artesanato, artes plásticas e outros. Contratar empresas

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas Programa 0166 Música e Artes Cênicas Objetivo Aumentar a produção e a difusão da música e das artes cênicas. Público Alvo Sociedade em geral Ações Orçamentárias Indicador(es) Número de Ações 7 Taxa de

Leia mais

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento Terça-feira 54 - Ano I - Nº 98 Dom Macedo Costa LEI MUNICIPAL Nº 400/2010 De 27 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018 /2011/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 17 de novembro de 2011 Ato de Aprovação: 018/2011 Unidades Responsáveis: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO TÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º. O Museu de Porto Alegre Joaquim

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011 Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de

DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011 Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011 Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 Dispõe sobre a criação do Sistema Integrado de Bibliotecas SIBi e aprovação do seu regulamento. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº PREX- 1785/2001,

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 3, de 2013. Canoas, 25 de janeiro de 2013. A Sua Excelência o Senhor Vereador Juares Carlos Hoy Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas RS Senhor Presidente, Na forma da legislação

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADO EM PLACAR Em 26/10/05 Mª Neide Freire da Silva Mat. 13941 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 271, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e Organograma da Guarda Metropolitana

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

LEI N 13, DE 31 DE OUTUBRO DE 1985

LEI N 13, DE 31 DE OUTUBRO DE 1985 LEI N 13, DE 31 DE OUTUBRO DE 1985 Sumula: Estabelece a Estrutura Administrativa da Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais e dá outras providências. A CAMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSE DOS PINHAIS, ESTADO

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

LEI Nº 8478, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI Nº 8478, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI Nº 8478, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE CULTURA DE FLORIANÓPOLIS (FMCF), VINCULADO À FUNDAÇÃO CULTURAL DE FLORIANÓPOLIS FRANKLIN CASCAES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Faço saber a

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Coordenadoria Geral do Sistema de Infra-estrutura e Logística DECRETO Nº 27.342 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006

Coordenadoria Geral do Sistema de Infra-estrutura e Logística DECRETO Nº 27.342 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 DECRETO Nº 27.342 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Estrutura Organizacional do Poder Executivo Municipal e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA PROGRAMA Nº- 042 PALCO SOBRE RODAS Projeto inspirado no clássico modelo de teatro itinerante, através da montagem de um palco móvel que percorre os bairros da cidade, levando cultura. Levar o Palco sobre

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 CRIA ORGÃOS E AMPLIA CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO NA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE CAMPOS NOVOS, ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais