Life Cycle Methodology

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Life Cycle Methodology"

Transcrição

1 Life Cycle Methodology and its application in Eco-labeling Armando Caldeira-Pires University of Brasilia Regional Workshop on Eco-labeling for Latin American Countries UNEP - MDIC Regional Workshop on Eco labeling for Latin American Countries UNEP MDIC Regional Training Workshop on Eco-labeling FIRJAN, August 2010, Rio de Janeiro, Brazil

2 A Certificação Ambiental ISO14025, a Avaliação do Ciclo de Vida-ISO14040 e a Manutenção da Competitividade do Exportador Brasileiro Armando Caldeira-Pires Engenheiro Químico, Dr. Departamento de Engenharia Mecanica Centro de Desenvolvimento Sustentável Universidade de Brasília Firjan, 02/Agosto/2005

3 Contents LCA: what is, purpose and the status of its implementation worldwide LCA in action: practical introduction ti of basic skills LCA and Eco-labelling lli Future outlook

4 Contents LCA: what is, purpose and the status of its implementation ti worldwide LCA in action: practical introduction ti of basic skills LCA and Eco-labelling lli Future outlook

5 Avaliação do Ciclo de Vida - ACV Definição de acordo com a norma ISO14040 Avaliação do Ciclo de Vida é a compilação e a avaliação das entradas e saídas e dos potenciais impactos ambientais de um produto ao longo do seu ciclo de vida.

6 ACV - ISO14040 Estrutura de análise de ciclo de vida Definição de objetivo e abrangência - Aplicação direta - Desenvolvimento e aperfeiçoamento de produto Análise de inventário Interpretação - Planejamento estratégico - Forma de política pública - Marketing Outros Avaliação de impacto

7 ACV - 2 Constantin Herrmann, PE International, 2009

8 ACV de um Produto Eletroeletronico o Fluxograma Geral ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

9 ACV de um Produto Eletroeletronico - 2 Arvore dos Fluxogramas de Processos ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

10 ACV de um Produto Eletroeletronico - 3 Fluxograma de Componentes Eletronicos ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

11 ACV de um Componente Eletronico - 1 Fluxograma Geral ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

12 ACV de um Componente Eletronico - 2 Fluxogramas de Processos ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

13 ACV de um Componente Eletronico - 3 Fluxogramas de Processos ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

14 ACV de um Componente Eletronico - 4 Avaliação de Impacto ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

15 Contents LCA: what is, purpose and the status of its implementation ti worldwide LCA in action: practical introduction ti of basic skills LCA and Eco-labelling lli Future outlook

16 Holanda

17 Japão

18

19

20

21 Uncompatible data exchange DEAM EcoSpold / ecoinvent AIST-LCA / JEMAI-LCA Pro GaBi Boustead CMLCA SimaPro UMBERTO SPINE / ISO/TS Solution: a common reference LCA format 21

22 International Reference Life Cycle Data System (ILCD) Supporting business and policy The LCA Team: David W. Pennington, Marc-Andree Wolf, Rana Pant, Ugo Pretato, Kirana Chomkhamsri, Miguel Brandao, 2 NN European Commission, JRC Institute for Environment and Sustainability 22

23 EC Sustainable Consumption and Production/Sustainable Industrial Policy Action Plan, 2008 Objectives Policy and Business Instruments Greener Production and More Competitive Goods and Services EMAS ETV Eco-Design Higher Consumer Confidence and Smarter Consumption Waste Management EU Ecolabel, Carbon footprint, EPD Lif fe Cycle Monitorin ng Standards, guidance, policies (SCP/SIP, IPP) Coherent, Quality Assured Life Cycle Data and Methods 23

24 24

25 International Reference Life Cycle Data System (ILCD) Basis for data coherence, quality assurance, and availability of Life Cycle Data and Methods in public and private sectors Main Components: ILCD Handbook ILCD Data Network Supporting tools and documents Reviewer registry Discussion forum 25

26 Efficient, complete publication / dissemination and compatible data exchange DEAM EcoSpold / ecoinvent Boustead SimaPro ILCD reference format based on ISO/TS and widely used LCA databases AIST-LCA / JEMAI-LCA Pro GaBi CMLCA UMBERTO SPINE / ISO/TS Solution: a common reference LCA format 26

27 ILCD format approach Expanding the common core of LCA data formats KCL-eco format ISO/TS IMI / SPINE format EcoSpold / ecoinvent format Extra information: additional "namespaces DE EAM format Optional: Special items and additional docu NOT required for ILCD Data Network (50 %) Recommended: appropriate documentation (40 %) CMLCA format GaBi fo ormat Boustead fo ormat Common core: core: Mainly inventory numbers (10 % of fields) SimaPro format UMB BERTO forma at LCA-it format XY National LCA network format... format 27

28 Invited Consultation Participants - I* European Commission i Internal Steering Committee 27 Member States (via Regular IPP Meetings) Third Countries (agreements with National LCA projects) Brazil China Japan Malaysia Thailand United States International Organisations (Collaboration agreement) * Involvement in consultation does not necessarily imply agreement or endorsement 28

29 Invited Consultation Participants II* Business Advisory Group (of the European Platform on LCA) Alliance for Beverage Cartons and the Environment (ACE) Association of Plastics Manufacturers in Europe (PlasticsEurope) Confederation of the European Waste-to-Energy Plants (CEWEP) European Aluminium Association (EAA) European Automobile Manufacturers' Association (ACEA) European Cement Association (CEMBUREAU) European Copper Institute (ECI) European Confederation of Iron and Steel Industries (EUROFER) European Confederation of Woodworking Industries (CEI-Bois) European Federation of Corrugated Board Manufacturers (FEFCO) Industrial Minerals Association Europe (IMA-Europe) Lead Development Association International (LDAI) Sustainable Landfill Foundation (SLF) Technical Association of the European Natural Gas Industry (MARCOGAZ) The Voice of the European Gypsum Industry (EUROGYPSUM) Tiles and Bricks of Europe (TBE) * Involvement in consultation or agreement does not necessarily reflect endorsement 29

30 Situation Today 30

31 ILCD Knowledge Map 31

32 Brazilian Project LCI for the Brazilian Industry Competitiveness ICV Brasil MCT, IBICT, FINEP, Inmetro, INT, UnB, USP, UTFPr, CNI, SEBRAE, Petrobras, ABCV, Abipti, ABNT Discussion i Meetings: from 2004 to 2006 Official Start: November 2006 Coordination: Brazilian Institute t for Scientific and Technologic Information-IBICT/MCT IBICT/MCT Support: Ministry of Science and Technology End First Phase: 2009 End First Phase: nd Phase Support ( ): Ministry of Industrial Development and Trade

33 Brazilian Project of LCI for Brazilian Industry Competitiveness

34 ISO/FDIS Thing Brazilian Project of LCI for Brazilian Industry Competitiveness Relationship CompositionOfIndividual PossibleIndividual AbstractObject Activity Class PhysicalObject ClassOfAbstractObject ClassOfIndividual Process OWL Stream ClassOfRelationship Property ClassOfClass Flow ClassOfProcess ClassOfClassOfProcess ProcessDescription haspart sourceofstream destinationofstream processname processclass quantativereference quantativereferencetype quantativereferencename technicalscope aggregationtype technology shorttechnologydescription Ontology modeling of LCI information Prof. Marisa Brascher (Information Management expert) Prof. Gil Anderi (LCA expert) ClassOfStream QuantativeReferenceType TechnologyDescription technicalcontentandfunctionality t ta ti lit technologypicture MathematicalModel ProcessTechnology QuantativeReferenceClassOfProcess ProcessContents operatingconditionsfortechnology mathematicalmodelfortechnology subclassof sameclassas sameindividualas memberof HasPartProperty SourceProperty DestinationProperty

35

36 Brazilian Project of LCI for Brazilian Industry Competitiveness Profa. Carla Castanho Management of mathematical treatment within the database Prof. Jorge Fernandes Information technologies for the information flow within and with the database

37 Brazilian Project of LCI for Brazilian Industry Competitiveness Profa. Carla Castanho Management of mathematical treatment within the database Prof. Jorge Fernandes Information technologies for the information flow within and with the database

38 Metodologia Padrão para Elaboração de Inventários de Ciclo de Vida da Industria Brasileira - Projeto SICV Brasil Sistema de Inventários do Ciclo de Vida Brasil Prof. Armando Caldeira-Pires LCI Expert (Diesel Methodology Development) Profa. Cassia Ugaya LCI Expert (Transport - Methodology Application and Test) Prof. Gil Anderi da Silva LCI Expert (Hydro Power - Methodology Application and Test)

39 Brazilian Project of LCI for Brazilian Industry Competitiveness

40 Datasets Brasileiros Diesel 500ppm + 7 principais produtos REPLAN

41 Contents LCA: what is, purpose and the status of its implementation worldwide LCA in action: practical introduction ti of basic skills LCA and Eco-labelling lli Future outlook

42 Metodologia Brasileira de ICV Exemplo: Biomassa de Floresta Plantada Definição do escopo e das fronteiras dos sistemas de produção Diagnostico panorâmico da cadeia tecnológica de produção Definição do escopo, dos limites e unidade funcional do estudo a ser efetuado Modelagem tecnológica da cadeias produtivas Inventário do Ciclo de Vida Planilha de coleta de dados Apresentação emsoftware de ACV Estudos comparativos de Avaliação do Impacto Ambiental ao longo do Ciclo de Vida-ACV; Analises de Sensibilidade Relatório

43 Caracterização Panoramica do Setor Materias Primas, Tecnologias, Distribuição Espacial

44 Identificação do Sistema Tecnológico de Produção de Biomassa por Floresta Plantada

45 Fluxograma do Sistema Tecnologico Desagregação dos Processos

46 Planilha de Coleta de Dados

47 Inventario do Ciclo de Vida software de ACV

48 Estudos Comparativos de AICV; Analise de Sensibilidade CML96, Global warming potential (GWP CML96, Human toxicity potential (HTP) CML96, Terrestric ecotoxicity potential 100 years) [kg CO2-Equiv.] [kg DCB-Equiv.] (TETP) [kg DCB-Equiv.] Transporte Insumos Fonte-Plantaçao BR: Plantio DE: Limestone flour (CaCO3; dried) PE DE: Potassium chloride (agrarian) PE Transporte Maraba-Plantacao BR: Diesel at refinery DE: Carbofuran PE DE: NPK (BAT) PE NL: Triple superphosphate (TSP) PE

49 Relatório Relatório para Terceira Parte (de acordo com a norma ISO 14044, capítulos e 5.2) Este relatório tem por objetivo a documentação dos resultados de um Inventario do Ciclo de Vida para ser disponibilizada a pessoas físicas ou jurídicas externas ao projeto. Este relatório não inclui informações confidenciais, mas somente os seguintes itens de acordo com o capitulo 5.2 da ISO Aspectos Gerais: Armando Caldeira-Pires, UnB/Dept. Eng. Mecanica/ Lab. Energia e Ambiente (coordenador) Data do Relatório; 05/Outubro/2009; Este estudo foi efetuado de acordo com as exigências da Metodologia Padrão para Elaboração de Inventários de Ciclo de Vida da Indústria Brasileira / Projeto SICV Brasil Sistema de Inventários do Ciclo de Vida Brasil e do General guidance document for Life Cycle Assessment (LCA) International Reference Life Cycle Data System (ILCD) Handbook. Objetivo do Estudo: Este estudo tem por objetivo a caracterização do balanço de carbono da cadeia produtiva... A sua aplicação é a de possibilitar a execução da componente. Este estudo tem como principais interessados a agencia financiadora do projeto, a, bem como os parceiros deste projeto. Abrangência do Estudo: Função do produto: o. Unidade funcional:. Esta unidade funcional é consistente com o objetivo do estudo e com a sua abrangência. Fronteiras do Sistema Limite de Corte: Analise do inventario i do ciclo de vida: Procedimento de coleção de dados Descrição qualitativa e quantitativa das unidades de processo:

50 Contents LCA: what is, purpose and the status of its implementation worldwide LCA in action: practical introduction ti of basic skills LCA and Eco-labelling lli Future outlook

51 Fluxo de Informações na Gestão Empresarial Ambiental Constantin Herrmann, PE International, 2009

52 Ecodesign Responsabilidade dedicada e know-how (equipes de design, ou outro grupo ou por vias externas) Fazer bem feito e contar isso (marketing, relatorios ambientais, etc) Disponibilizar ferramentas adequadas Pensamento do Ciclo de Vida como parte do dia-a-dia do negocio Utilizar sinergias oriundas de WEEE, RoHS, EuP, REACH (, futuras?) Treinamento e Aprendizado (Pensamento do Ciclo de Vida precisa ser aprendido) Unir forças horizantal e verticalmente, ao longo da cadeia de suprimento ou via associações Constantin Herrmann, PE International, 2009

53 Ecodesign - 2 Qual a minha participação no produto final (ao longo do seu ciclo de vida) e como informar ao meu cliente? Efeitos Ambientais: Meu potencial de aperfeiçoamento; Meu papel na cadeia produtiva; Meus produtos no produto final; Minhas possibilidades de influenciar; Medidas: O que foi feito? Como meu cliente pode melhorar? Informação: O que será comunicado? Como? Para quem? Constantin Herrmann, PE International, 2009

54 ACV no Ecodesign Análise quantitativa dos efeitos ambientais ao longo do ciclo de vida do produto com o objetivo de um continuo aperfeiçoamento de toda a cadeia produtiva utilizando medidas apropriadas nos lugades certos: Produção: Uso: Matérias-primas; Produtos intermediários; Processos de produção; Distribuição / transporte; Consumo de energia; Consumo de materiais; Manutencao e reparo; Serviços de apoio à (ao prolongamento da) vida do produto; Fim de Vida / Disposição Final: Disposição; Reciclagem ; Logistica Constantin Herrmann, PE International, 2009

55 Conformidade à Eficiencia Energética Caracterização de consumos energéticos ao longo das etapas de vida do produto ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

56 Conformidade à Diretiva RoHS Exigencia: declaração de conformidade à Diretiva Não existencia de substâncias tóxicas listadas na diretiva europeia Restriction of Hazardous Substances (RoHS) ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires,

57 Conformidade à Diretiva WEEE Exigencia: Registro em cada país destino para ser parte do sistema de coleta Conformidade WEEE = custos de coleta de equipamentos em fim de vida ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

58 Conformidade à Diretiva Reach Exigencia: i comprovar que a cadeia de suprimentos NÃO possui substancias REACH através de uma declaração de materiais baseada em ACV ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, Copia das telas do software GaBi

59 Conformidade ao Mercado Pegada de Carbono do Produto vs Corporativa GHG/Carbon Footprint Accounting Product Carbon Footprint Corporate GHG ISO 14040/44 Management PAS 2050 GHG-Protocol.. ISO ACV+Ecodesign EE, 2a. Ambientronic, Ou09 Armando Caldeira-Pires, 59

60 Pegada de Agua da Produção de Biodiesel [Gerbens-Leenes, Hoekstra & Van der Meer, 2009]

61 Contents LCA: what is, purpose and the status of its implementation worldwide LCA in action: practical introduction ti of basic skills LCA and Eco-labelling lli Future outlook

62 GRENELLE

63 Biomass from a LCA perspective p Charcoal for Pig Iron versus Pulp Degraded land: is one that has, in some degree, disruption in its integrity, whether physical, chemical or biological. Recovery, however, is the reversal of a degraded condition for a non-degraded condition, regardless of its original state and its future destination. Degraded land area in the Amazon region increased 24.9 thousand square kilometers in From 2007 to 2008, in the State of Para degraded land area augmented 7708 km ².

64 Planetary Boundaries: Exploring the Safe Operating Space for Humanity

65 Gestão de Resíduos versus Simbiose Industrial: o Ecossistema Industrial

66 ILCD in ebalance (China LCA Software) International Reference Life Cycle Data System (ILCD) - Data Network; Contact: europa eu 66 Use common ILCD reference elementary flow, flow property, unit group data sets Select Unit Group through Context Menu Select unit through DropDownList Lookup flow by starts with Search flow by classification and keyword

67 International Reference Life Cycle Data System (ILCD) - Data Network; Contact: europa eu LCI Database Working Structure for National LCA Project in Malaysia 67 Regionalized LCI datasets MY LCI Database - Public DB Stores aggregated data in ILCD format Representative National Data Quality control, check & verification Master DB Chemical Sector Agro-Industry Sector Petroleum Sector LOCAL LCA STUDIES E&E Sector Waste Management /Recycling Utilities & services General Consumer Goods Heavy Industry LCI Databases (data receipt & processing) developed by sectors /LCI project teams On-site measurement Factory/Assoc/Organisation Working Groups/ Committees Confidential Agreement, individual company data, site data, average data

68 International Reference Life Cycle Data System (ILCD) - Data Network; Contact: europa eu National Thai LCI Database Operation Structure 68 Steering Committee Working/Technical ca Committee (5 partners: MTEC, DIW/MOI, TRF, F.T.I, TEI) Average data Web-based Software ILCD formatted data plus extra info Gate-to-gate Data collection Central LCI Database (MTEC) Average data Petroleum Institute of Thailand WG1: Natural Gas WG2: Refinery Products WG3: Petrochemical Products Industrial Specific Institution WG4: WG5: WG6: WG7: WG8: WG9: WG10: Ferrous/nonferrous - Energy/ Utilities materials materials and chemicals Infrastructure Construction Agricultural Basic Recycle & Others Waste - Transportation products management

69 Brazil International Reference Life Cycle Data System (ILCD) - Data Network; Contact: europa eu 69 Method guidance and capacity building Broad range of data from Brazilian industry associations Brazilian Associations ABIQUIM-Associação Brasileira da Indústria Química ABAL-Associação Brasileira do Alumínio ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores IBS-Instituto Brasileiro da Siderurgia ABCP-Associação Brasileira de Cimento Portland ABC - Associação Brasileira do Cobre ABTCP- Assoc. Brasileira i de Celulose l e Papel Data foreseen to be ILCD compatible

70 Alliance for Beverage Cartons and the Environment (ACE) Association of Plastics Manufacturers in Europe (PlasticsEurope) Confederation of the European Waste-to-Energy Plants (CEWEP) European Aluminium Association (EAA) European Automobile Manufacturers' Association (ACEA) European Cement Association (CEMBUREAU) European Copper Institute (ECI) European Confederation of Iron and Steel Industries (EUROFER) The Voice of the European Gypsum Industry (EUROGYPSUM) European Federation of Corrugated Board Manufacturers (FEFCO) Industrial Minerals Association Europe (IMA-Europe) Lead Development Association International (LDAI) Technical Association of the European Natural Gas Industry (MARCOGAZ) Sustainable Landfill Foundation (SLF) Tiles and Bricks of Europe (TBE) 2010: Brazilian LCI Project - Ibict evolves to Brazilian Associations ABIQUIM-Associação Brasileira da Indústria Química ABAL-Associação Brasileira do Alumínio ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores IBS-Instituto Brasileiro da Siderurgia ABCP-Associação Brasileira de Cimento Portland ABC - Associação Brasileira do Cobre Bracelpa - Assoc. Brasileira de Celulose e Papel Brazilian LCA Programme - Ibict/Inmetro

71 Life Cycle Methodology and its application in Eco-labeling MUITO OBRIGADO Armando Caldeira-Pires Regional Workshop on Eco-labeling for Latin American Countries UNEP - MDIC Regional Training Workshop on Eco-labeling FIRJAN, August 2010, Rio de Janeiro, Brazil

Abordagem do ciclo de vida no Brasil: novos projetos

Abordagem do ciclo de vida no Brasil: novos projetos Abordagem do ciclo de vida no Brasil: novos projetos Armando Caldeira-Pires Laboratório de Energia e Ambiente Universidade de Brasília Seminário "Avaliação do Ciclo de Vida e da Sustentabilidade na Gestão

Leia mais

Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida

Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida Armando Caldeira-Pires Laboratório de Energia e Ambiente Universidade de Brasília Workshop Sustentabilidade do Ambiente Construído CBIC, Brasília, 11 Março

Leia mais

Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida-PBACV

Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida-PBACV Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida-PBACV Armando Caldeira-Pires Coordenador do CT2-Inventários/PBACV (Prof. UnB) OFICINA 02: GT CONSTRUÇÃO/CT2/PBACV Inmetro, 21 de Junho de 2013 Regulamentações

Leia mais

2001 Edição das normas NBR ISO 14000 pela ABNT CB 38 2002 Fundada a ABCV 2003 IBICT Desenvolve site de ACV 2004 PBAC destaca ACV como questão

2001 Edição das normas NBR ISO 14000 pela ABNT CB 38 2002 Fundada a ABCV 2003 IBICT Desenvolve site de ACV 2004 PBAC destaca ACV como questão Workshop Mercosul PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA PBACV Elizabeth Cavalcanti esantos@inmetro.gov.br t 2001 Edição das normas NBR ISO 14000 pela ABNT CB 38 2002 Fundada a ABCV 2003 IBICT

Leia mais

16ª REUNIÃO PLENÁRIA DO FÓRUM GOVERNAMENTAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

16ª REUNIÃO PLENÁRIA DO FÓRUM GOVERNAMENTAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 16ª REUNIÃO PLENÁRIA DO FÓRUM GOVERNAMENTAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV Maria Aparecida Martinelli Inmetro Brasília, 22/08/2013 Avaliação do Ciclo

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA VII WORKSHOP INTERNACIONAL DE AC DO INMETRO PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Elizabeth Cavalcanti Rio de Janeiro 15 de maio de 2012 PBACV: OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

Resolução n. o 03, de 22 de abril de 2010

Resolução n. o 03, de 22 de abril de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n. o 03, de 22 de abril de 2010

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade FÓRUM MINEIRO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL Avaliação do Ciclo de Vida: Tendências, Aplicabilidade Oportunidades e Perspectivas ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade GP2 Grupo de

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC)

Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC) Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC) ESPITIA, A. C. a*, GONDAK, M. O. a, SILVA, D. A. L. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo *Corresponding

Leia mais

Selos Verdes ou Rótulos Ecológicos Florestas e Papéis Websites Selecionados para Navegação

Selos Verdes ou Rótulos Ecológicos Florestas e Papéis Websites Selecionados para Navegação Selos Verdes ou Rótulos Ecológicos Florestas e Papéis Websites Selecionados para Navegação Celso Foelkel As demandas por maior ecoeficiência e sustentabilidade continuam a pressionar os setores produtivos

Leia mais

Large Valorisation on Sustainability of Steel Structures DOCUMENTO DE BASE: METODOLOGIA DE ACV

Large Valorisation on Sustainability of Steel Structures DOCUMENTO DE BASE: METODOLOGIA DE ACV Large Valorisation on Sustainability of Steel Structures DOCUMENTO DE BASE: METODOLOGIA DE ACV Dezembro 2014 Contexto no setor da construção Na Europa, o setor da construção representa: Quota de resíduos

Leia mais

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Belém, 25 de Setembro 2014 Estrutura da apresentação 1. Porque a cooperação com a União Europeia em inovação é importante para o Brasil? 2.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n o 04, de 15 de dezembro de

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida do Produto - ACV -

Avaliação do Ciclo de Vida do Produto - ACV - 1er. Taller Internacional de Gestión de Cadenas Productivas y de Suministros 1ra. Convención Internacional lde la Ciencia i y la Técnica de la Industria, CUBAINDUSTRIAS 2014 Avaliação do Ciclo de Vida

Leia mais

Implementação da CITES na União Europeia

Implementação da CITES na União Europeia Implementação da CITES na União Europeia Reunião com IBAMA sobre Aniba rosaeodora Manaus, 23 de fevereiro 2015 The views expressed in this presentation do not necessarily reflect the views of the European

Leia mais

O Compromisso Crescimento Verde e a Sustentabilidade na Secil

O Compromisso Crescimento Verde e a Sustentabilidade na Secil O Compromisso Crescimento e a Sustentabilidade na Secil GONÇALO SALAZAR LEITE CEO GRACE - Encontro Temático Crescimento 1 Ponto de Partida O cimento é um bem essencial ao conforto, segurança e património

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil - Planeamento Urbanístico Engenharia Civil

Leia mais

1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV

1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV 1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV Maria Aparecida Martinelli / Inmetro FIESP SP, 24/02/2014 ACV : Projeto SICV Brasil Projeto

Leia mais

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Apresentação da candidatura: Candidato Luis Maia Oliveira

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DE CICLO DE VIDA

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DE CICLO DE VIDA Workshop Produção Ecoeficiente do Azeite e do Vinho 11 julho 14, Mirandela CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DE CICLO DE VIDA Érica G. Castanheira, João Queirós, Fausto Freire ADAI/LAETA, Centro para a Ecologia Industrial

Leia mais

a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement

a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement Porto, 18th April 2007 Outline 1. Presentation of CEIIA

Leia mais

Enterprise Europe - Portugal

Enterprise Europe - Portugal Enterprise Europe - Portugal Oportunidades de Cooperação Internacional Agência de Inovação Bibiana Dantas Lisboa, 5-Jun-2012 Enterprise Europe Portugal Jun 2012 2 A União Europeia é um mercado de oportunidades!

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Avaliação do Ciclo de Vida Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Ciclo de Vida de Produto Avaliação do Ciclo de Vida ACV Evitar transferência de poluição Extração de petróleo Indústria petroquímica Geração

Leia mais

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Sustentabilidade

Leia mais

Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil. Avaliação do Ciclo de Vida Modular (ACV-M) na Construção Civil

Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil. Avaliação do Ciclo de Vida Modular (ACV-M) na Construção Civil Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil Avaliação do Ciclo de Vida Modular (ACV-M) na Construção Civil Vanderley M. John Sergio Angulo Sergio A Pacca (EACH USP) Lidiane Oliveira Claudio

Leia mais

Ações da iniciativa privada no combate à corrupção

Ações da iniciativa privada no combate à corrupção Ações da iniciativa privada no combate à corrupção IBRADEMP Instituto Brasileiro de Direito Empresarial Reunião da comissão Anticorrupção e Compliance São Paulo, 09 de agosto de 2012 Siemens no mundo Compromisso

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo

Inovação e Empreendedorismo Inovação e Empreendedorismo Kami Saidi Diretor de Operações & Sustentabilidade HP Brasil 09-maio-13 HP Commitment Many assume, wrongly, that a company exists simply to make money... the real reason HP

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS:

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: INVENTEARIOS DE EMISSÕES E METODOLOGIAS Carlos Henrique Delpupo 28 / 05 / 2010 CONTEÚDO 1.Visão geral 2. Inventário de Emissões 4. Mercado de carbono 5. Riscos

Leia mais

Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon. Pedro Soares / IDESAM

Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon. Pedro Soares / IDESAM Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon Pedro Soares / IDESAM Project Proponent & Partners Proponent: Support and supervise the project activities and will

Leia mais

// gaiato private label

// gaiato private label // gaiato private label // a empresa // the company A Calçado Gaiato é uma empresa prestadora de serviços no setor de calçado, criada em 2000 por Luís Pinto Oliveira e Mário Pinto Oliveira, sócios-fundadores

Leia mais

PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA. Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya

PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA. Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO CLIMÁTICO DO USO DO SOLO NA ACV: DADOS REGIONAIS DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya Introdução Categoria

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios por meio da transparência no Estado de São Paulo Dentro do MoU (Memorando de Entendimento) que o Governo do Estado tem com o Reino Unido estão sendo promovidos vários

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Sistemas de Tratamento de Esgoto por Lodos Ativados Convencional e Reator UASB seguido de Lodos Ativados

Avaliação do Ciclo de Vida de Sistemas de Tratamento de Esgoto por Lodos Ativados Convencional e Reator UASB seguido de Lodos Ativados Avaliação do Ciclo de Vida de Sistemas de Tratamento de Esgoto por Lodos Ativados Convencional e Reator UASB seguido de Lodos Ativados RESENDE, J. D. a, RODRIGUES, P.F,.M.A. a, PACCA, S. A. a, NOLASCO,

Leia mais

Certificação Ambiental: Custo ou Oportunidade?

Certificação Ambiental: Custo ou Oportunidade? WORKSHOP ABIVIDRO MEIO AMBIENTE Novas demandas ambientais e seus impactos econômicos na indústria do vidro Certificação Ambiental: Custo ou Oportunidade? Gil Anderi da Silva Grupo de Prevenção da Poluição/EPUSP

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV

Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicator selection in life cycle assessment to enable decision making: issues and solutions. Int J Life Cycle

Leia mais

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Arquitetura da Informação para o Sistema Brasileiro de Inventário de Ciclo de Vida (SICV BRASIL) Everson Andrade

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Eco-Innovation and Public Procurement Markets in the habitat value chain- Good Practices and Policy Instruments

Eco-Innovation and Public Procurement Markets in the habitat value chain- Good Practices and Policy Instruments Eco-Innovation and Public Procurement Markets in the habitat value chain- Good Practices and Policy Instruments 5 th December 2013 - Clara Lopes (APA), Sascha Flesch (LEV) Topics ECOPOL an introduction

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

FDLI s Brazil Conference

FDLI s Brazil Conference Programa Alimentos Seguros: uma experiência brasileira Food Safety Program: a Brazilian experience FDLI s Brazil Conference Zeide Lúcia Gusmão, MSc. National Coordinator PAS SENAI Nacional Department São

Leia mais

Projeto VISIT Victim Support for Identity Theft. Lisboa, 30 Outubro 2015

Projeto VISIT Victim Support for Identity Theft. Lisboa, 30 Outubro 2015 Projeto VISIT Victim Support for Identity Theft Lisboa, 30 Outubro 2015 Descrição Título do projeto: VISIT Victim Support for Identity Theft. Financiamento: Comissão Europeia/Directorate General Home Affairs/2013/ISEC/Prevention

Leia mais

ATUADORES e TRAVAS TECNOLOGIA EUROPÉIA DRIFT BRASIL CATÁLOGO DE PEÇAS REPOSIÇÃO AUTOMOTIVA 2014 / 2015

ATUADORES e TRAVAS TECNOLOGIA EUROPÉIA DRIFT BRASIL CATÁLOGO DE PEÇAS REPOSIÇÃO AUTOMOTIVA 2014 / 2015 ATUADORES e TRAVAS 2015 TECNOLOGIA EUROPÉIA DRIFT BRASIL Atuante no setor de mobilidade, orientando-se pela tecnologia, inovação e sustentabilidade, a Drift Brasil desenvolve soluções para o segmento automotivo

Leia mais

Problemas ambientais urbanos

Problemas ambientais urbanos MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Problemas ambientais urbanos 3ª aula Maria do Rosário Partidário CITIES ENVIRONMENT Inputs Outputs Energy Food Water

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta.

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. This information is EMBRAER property and cannot be used

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil

Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Depto. Eng. Construção Civil A sustentabilidade em materiais Avaliação do Ciclo de Vida Vanderley M. John Sergio A Pacca

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

AGENDA DE TREINAMENTO Maio a Agosto/ 2013. Joinville/ Jaraguá do Sul

AGENDA DE TREINAMENTO Maio a Agosto/ 2013. Joinville/ Jaraguá do Sul AGENDA DE TREINAMENTO Maio a Agosto/ 2013 Training Overview SAP01 SAP Overview SAPTEC Fundamentals of SAP NetWeaver Application Server Conhec. MS Office e Internet Conhec. Tecn. da Informação 3 ECC6.0

Leia mais

A Gestão da Energia & O impacto nas mudanças climáticas. Agosto - 2015. Alberto J. Fossa

A Gestão da Energia & O impacto nas mudanças climáticas. Agosto - 2015. Alberto J. Fossa A Gestão da Energia & O impacto nas mudanças climáticas Agosto - 2015 Alberto J. Fossa eficiência energética & mudanças climáticas gestão da energia & eficiência energética movimentos internacionais de

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR Joel Tauchen (1); Luciana Londero Brandli (2); Marcos Antonio Leite Frandoloso (3) Felipe de Brito Rodrigues (4)

Leia mais

Aumento da rentabilidade por meio do gerenciamento da energia

Aumento da rentabilidade por meio do gerenciamento da energia Aumento da rentabilidade por meio do gerenciamento da energia A Certificação ISO 50001 Interpretación de ISO 50001:2011 Rev.00 2012 DNV Gerenciando Riscos desde 1864 NOSSO OBJETIVO Salvaguardar a Vida,

Leia mais

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil Foreign Trade Promotion for German (SMEs) in Brazil Vice-President of Marketing and Sales, German-Brazilian Chamber of Industry and Commerce Blumenau, November 20, 2007 Worldwide German Chambers Network

Leia mais

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV ROMEU, C. C. a, SILVA, G. A. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo, claromeu@hotmail.com a. Universidade

Leia mais

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Objectivos O objectivo deste curso é familiarizar os formandos com a utilização do software Geographic Resources

Leia mais

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI Pólo de Competitividade das Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica TICE.PT PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços

Leia mais

Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade

Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade Autores: Cristina Rocha David Camocho Com contributos de: Anne Marie Mathiasen Rainer Pamminger Introdução ao módulo Objetivos do módulo Apresentação

Leia mais

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15 Horários 13h30 às 15h30 11.11.15 13h30 às 15h30 SESSÃO 1: APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Sala 1 Painel Estratégias e Horários Sala 2 - Painel Políticas Públicas e Práticas Sustentáveis P1 Consumo e Produção

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. desempenho ambiental na cadeia de

Cadeia de Suprimentos. desempenho ambiental na cadeia de Oficina: Estratégias Preventivas na Cadeia de Suprimentos ou...uma provocação sobre gestão do desempenho ambiental na cadeia de suprimentos estendida. FSC DSI MDL SD 21000 AFNOR INVESTOR IN PEOPLE PEGADA

Leia mais

REGULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA QUÍMICA VERDE NO BRASIL:

REGULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA QUÍMICA VERDE NO BRASIL: REGULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA QUÍMICA VERDE NO BRASIL: Proposta de criação do NÚCLEO DE REGULAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM QUÍMICA VERDE Prof a Fatima Ludovico Consultora do CGEE Rio de Janeiro, 02 de setembro

Leia mais

Administração e Sustentabilidade

Administração e Sustentabilidade Administração e Sustentabilidade Prof. André Pereira de Carvalho andre.carvalho@fgv.br POI/ FGV-EAESP www.fgv.br/eaesp Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces) www.fgv.br/ces Dilema: Falso dilema?

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

O NOVO LUXO A MODA E O DESIGN COMO PROTAGONISTAS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOCIOAMBIENTAL DO BRASIL SWU CONFERENCE SAO PAULO 2011

O NOVO LUXO A MODA E O DESIGN COMO PROTAGONISTAS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOCIOAMBIENTAL DO BRASIL SWU CONFERENCE SAO PAULO 2011 O NOVO LUXO A MODA E O DESIGN COMO PROTAGONISTAS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOCIOAMBIENTAL DO BRASIL SWU CONFERENCE SAO PAULO 2011 O S K A R M E T S AVA H T P r e s i d e n t a n d C r e a t i v e

Leia mais

CoP COMUNIDADES DE PRÁTICA

CoP COMUNIDADES DE PRÁTICA CoP COMUNIDADES DE PRÁTICA MOTIVAÇÃO PARA AS EMPRESAS Lucro/ Despesas com intangíveis Em qual empresa você investiria? A ou B? A } BSC BSC ERP }P&D B BSC ERP P&D Design }CRM BSC ERP P&D Design CRM Mkt

Leia mais

Standards e evoluções na medição de emissões de âmbito 3

Standards e evoluções na medição de emissões de âmbito 3 www.pwc.pt Standards e evoluções na medição de emissões de âmbito 3 Cláudia Coelho, Senior Manager Sustainable Business Solutions 16 de abril 2013 O impacto ambiental dos fornecedores porte chegar a representar

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

Company Presentation COMPANY

Company Presentation COMPANY COMPANY ATRIA is a integrator of systems of Automation enclosing the most diverse segments of market. We count on the excellency technique and more than 15 years experience of our team in the Industrial

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Company Presentation ESCADAS EM ALUMÍNIO PLATAFORMAS DE TRABALHO EM ALUMÍNIO TORRES EM ALUMÍNIO

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Company Presentation ESCADAS EM ALUMÍNIO PLATAFORMAS DE TRABALHO EM ALUMÍNIO TORRES EM ALUMÍNIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Company Presentation ESCADAS EM ALUMÍNIO Aluminium Ladders PLATAFORMAS DE TRABALHO EM ALUMÍNIO Aluminium Work Platforms TORRES EM ALUMÍNIO Aluminium Towers PRANCHAS E RODAPÉS EM

Leia mais

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima Questionário ISE Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima 2016 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 6 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO Vagner Maringolo CEMBUREAU Environment & Resources Manager 19 a 21 maio 2014 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT

THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT Raimundo Moraes III Congresso da IUCN Bangkok, November 17-25 2004 ENVIRONMENTAL PROTECTION IN BRAZIL The Constitution states

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA INDÚSTRIA CIMENTEIRA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA INDÚSTRIA CIMENTEIRA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA INDÚSTRIA CIMENTEIRA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CONTRIBUTION TO THE APPLICATION OF LIFE CYCLE ASSESSMENT OF THE CEMENT INDUSTRY: A LITERATURE REVIEW

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

A ROTULAGEM AMBIENTAL COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA: SUGESTÕES PARA UM PROGRAMA BRASILEIRO

A ROTULAGEM AMBIENTAL COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA: SUGESTÕES PARA UM PROGRAMA BRASILEIRO ISSN 1984-9354 A ROTULAGEM AMBIENTAL COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA: SUGESTÕES PARA UM PROGRAMA BRASILEIRO Carlos Eduardo de Lima Monteiro (Inmetro) Stella Regina Reis da Costa

Leia mais

Workshop Construir valor com a gestão de sistemas integrados. ISO/IEC 20000 IT Service Management

Workshop Construir valor com a gestão de sistemas integrados. ISO/IEC 20000 IT Service Management Workshop Construir valor com a gestão de sistemas integrados ISO/IEC 20000 IT Service Management Agenda ISO/IEC 20000 ISO/IEC 20000 ISO/IEC 20000 Âmbito ISO/IEC 20000 vs ITIL ITSM Motivação Benefícios

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

ISO/TC 224/WG 5 N 28. TC 224 WG 5 N28 Presentation Portugal. Document type: Other committee document. Date of document: 2010-04-28.

ISO/TC 224/WG 5 N 28. TC 224 WG 5 N28 Presentation Portugal. Document type: Other committee document. Date of document: 2010-04-28. ISO/TC 224/WG 5 N 28 ISO/TC 224/WG 5 ISO/TC 224/WG 5 - Examples of implementation of ISO 24510, 24511 and 24512 Standards Email of secretary: ndrault@iram.org.ar Secretariat: IRAM TC 224 WG 5 N28 Presentation

Leia mais

Prevenção da Poluição e Ecologia Industrial

Prevenção da Poluição e Ecologia Industrial Prevenção da Poluição e Ecologia Industrial Armando Caldeira-Pires Depto. de Engenharia Mecânica/Fac. de Tecnologia Universidade de Brasília I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

Leia mais

Proposta de Criação do Mestrado em Gestão Logística. III - Informação Relativa ao Suplemento ao Diploma

Proposta de Criação do Mestrado em Gestão Logística. III - Informação Relativa ao Suplemento ao Diploma Proposta de Criação do Mestrado em Logística III - Informação Relativa ao Suplemento ao Diploma De acordo com o Despacho RT 41/2005 de 19 de Setembro Universidade do Minho Escola de Economia e Departamento

Leia mais

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Infocon 2004 Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Agenda Definição; Histórico; Governança Coorporativa de TI; O Modelo

Leia mais

SWEBOK. Guide to the Software Engineering Body Of Knowledge. Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE

SWEBOK. Guide to the Software Engineering Body Of Knowledge. Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE SWEBOK Guide to the Engineering Body Of Knowledge Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE 1 Iniciativa do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) Computer Society. (www.ieee.org)

Leia mais

INOX: Açúcar & Álcool

INOX: Açúcar & Álcool Lino José Cardoso Santos e Jorge Alberto S. Tenório INOX: Açúcar & Álcool Avaliação do ciclo de vida e custeio do ciclo de vida de evaporadores para usinas de açúcar Life cycle assessment and life cycle

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 126 feam engebio 127 feam engebio 128 feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 130 feam engebio 131 feam engebio 132 feam engebio 133 REFERÊNCIAS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Energia nos Edifícios

Energia nos Edifícios Sustainable Energy Systems Focus Area Actividade do programa em Energia nos Edifícios E. Oliveira Fernandes Vítor Leal Paulo Ferrão João Parente Luísa Caldas Pierre Holmuller 2 Julho 2008 Os Edifícios

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA DE INVENTÁRIOS DE CICLO DE VIDA: ANÁLISE PARA CASOS BRASILEIROS

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA DE INVENTÁRIOS DE CICLO DE VIDA: ANÁLISE PARA CASOS BRASILEIROS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA E DE MATERIAIS - PPGEM TÁSSIA VIOL MORETTI MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA DE INVENTÁRIOS DE CICLO DE VIDA:

Leia mais

IV PETROBRAS DAY A certificação de Competências Pessoais para instalações Elétricas, de Instrumentação e de Automação para Atmosferas Explosivas

IV PETROBRAS DAY A certificação de Competências Pessoais para instalações Elétricas, de Instrumentação e de Automação para Atmosferas Explosivas IV PETROBRAS DAY A certificação de Competências Pessoais para instalações Elétricas, de Instrumentação e de Automação para Atmosferas Explosivas O necessário ponto de vista do usuário do ciclo total de

Leia mais

"Oportunidades e desafios nos serviços de logística no setor de P&G. 22 de Agosto de 2013

Oportunidades e desafios nos serviços de logística no setor de P&G. 22 de Agosto de 2013 "Oportunidades e desafios nos serviços de logística no setor de P&G 22 de Agosto de 2013 SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO 2.RELEVÂNCIA DO SETOR DE P&G NO BRASIL 3.CENÁRIO ATUAL 4.DESAFIOS 5.CONCLUSÃO SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

Projecto de Rede Temática AEHESIS

Projecto de Rede Temática AEHESIS Projecto de Rede Temática AEHESIS Aligning a European Higher Education Structure In Sport Science Relatório do Terceiro Ano - Resumo - (translated by the Polytechnique Institute of Santarem, Escola Superior

Leia mais