ANEXO II - Especificações Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO II - Especificações Técnicas"

Transcrição

1 ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO OBJETIVO DESTE DOCUMENTO CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT Os Serviços para Desenvolvimento das Soluções SAGER e SAAT Os serviços para Aquisição do Hardware Necessário STAKEHOLDERS ENVOLVIDOS NO PROGRAMA SAGER-SAAT Stakeholders Internos do ONS Diretamente Envolvidos Fornecedores Diretamente Envolvidos ITENS DO ESCOPO DOS SERVIÇOS DE SUPORTE À GESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA SAGER-SAAT PRODUTOS MÍNIMOS REQUERIDOS PARA OS SERVIÇOS PRAZO DOS SERVIÇOS DE SUPORTE À GESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA SAGER-SAAT

2 1 Contextualização do Escopo 1.1 Objetivo Deste Documento Este documento descreve os serviços de suporte à gestão, que serão contratados visando suportar o desenvolvimento e a implantação das soluções SAGER e SAAT. As siglas SAGER e SAAT referem-se às duas principais soluções que dão nome ao programa: 1) O sistema SAGER (Sistema de Apuração da Geração); 2) O sistema SAAT (Sistema de Administração e Apuração da Transmissão). 1.2 Características das Soluções SAGER e SAAT Atualmente, os processos de contratação, medição e apuração do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), referentes aos serviços de transmissão de energia elétrica, são atendidos por sistemas individuais e descentralizados, desenvolvidos na época da estruturação da área de administração da transmissão, no novo modelo do Setor Elétrico. O mesmo ocorre com os processos para obtenção das informações de pósoperação, relacionados à geração, intercâmbio, carga e unidades geradoras do SIN (Sistema Interligado Nacional). Ao longo do tempo, as várias mudanças e aperfeiçoamentos na regulamentação, o grande aumento de agentes e de equipamentos, e a ampliação do nível de complexidade requerido das aplicações, têm exigido elevado grau de flexibilidade e de desempenho, cada vez mais difíceis de serem atendidos pelos sistemas atuais. Em função da grande importância dos processos acima mencionados e da crescente dificuldade na evolução dos sistemas que os suportam, o ONS decidiu adotar um novo conjunto de soluções integradas, estabelecendo-o como estratégico dentro do seu Plano de Ação, visando atender com maior agilidade e flexibilidade as demandas de negócio e regulamentações. As duas principais soluções deste conjunto são: 1) O sistema SAGER; 2) O sistema SAAT. 24

3 O desenvolvimento destes sistemas deverá contar com uma plataforma de solução que tem por finalidade fortalecer a orientação a processos e sua integração. Neste sentido, o conceito de sistemas individuais e descentralizados será descontinuado e, e os sistemas SAGER e SSAT deverão ser integrados numa plataforma única, na qual as áreas serão responsáveis pelos processos e suas regras de negócio. Esta solução será implantada tendo como base uma ferramenta de orquestração de processos (BPM Business Process Management) que será responsável pela delegação das atividades, de acordo com os perfis criados e com a aplicação das respectivas regras de negócio, definidas pelas gerências. Além disso, todo conhecimento do negócio será documentado e disseminado entre as áreas. A plataforma em questão exige uma tecnologia de ponta, apropriada para atender os requisitos de flexibilidade, rastreabilidade, auditabilidade, reprodutibilidade e reprocessamento em cascata requeridos pela natureza dos processos a serem suportados, permitindo os aperfeiçoamentos de regulamentação, o crescimento significativo do número de equipamentos da Rede Básica do Setor Elétrico e de sua complexidade de administração, bem como para possibilitar a integração com outros sistemas computacionais do ONS. São, portanto, soluções que implicam em projetos de grande porte, alta complexidade e inovação para o ONS. As principais características destas soluções são relacionadas a seguir: Envolvem mudança cultural significativa na operação da solução pelos usuários do negócio; Possuem grande volume de dados e de regras de negócio; As regras de negócio são bastante dinâmicas; Existe dinamismo significativo das funcionalidades; Exigem alta parametrização para fornecer a flexibilidade adequada à evolução da regulamentação do setor elétrico brasileiro; Exigem a integração e orquestração dos processos; As mudanças nas regras de negócio, fluxo dos processos e nas interfaces, deverão ser feitas pelo usuário; Necessitam prover reprodutibilidade dos dados e cálculos realizados; Exigem versionamento de dados, pois existem casos de versões diferentes de regras aplicadas para o mesmo período; Precisam registrar as alterações realizadas no processo de consolidação e revisão de informações, mantendo o histórico dos registros alterados, bem como o registro de quem alterou a informação, em que data e por qual motivo; Têm que possibilitar alterações em cascata (e recálculos) de todos os dados calculados a partir de um dado que tenha sido alterado, mantendo o histórico e o registro de quem alterou a informação, em que data e por qual motivo; 25

4 Exigem funcionalidades de auditabilidade dos dados e cálculos realizados; Precisam lidar com alta carga de dados históricos, pois alguns cálculos utilizam informações de até 60 meses passados; A manutenção esperada nos sistemas deverá ser levada a um nível mínimo; Possuem arquiteturas de solução inovadoras e sem similar na sua completude; Tanto o negócio quanto as soluções que irão suportá-lo são considerados complexos; Precisam prover integração: o Com gestão eletrônica de documentos e conteúdo; o Com ambiente analítico para geração de relatórios; o Com agentes do setor elétrico, via webservices; o Com sistemas e demais áreas do ONS. 1.3 Componentes do Projeto para o Desenvolvimento e Implantação das soluções SAGER e SAAT O projeto para o desenvolvimento e implantação das soluções SAGER e SAAT, tem previsão de duração de 48 meses e deverá atender aos dois conjuntos de serviços descritos a seguir Os Serviços para Desenvolvimento das Soluções SAGER e SAAT Serviços de Gestão: o Gestão dos projetos, atuando como integrador dos fornecedores envolvidos na implantação da plataforma adquirida, no desenvolvimento dos sistemas SAGER e SAAT e demais serviços contratados, realizando a garantia da qualidade para o total dos serviços. Aquisição de Plataforma de software de desenvolvimento. o Estudo de capacity planning (revisão e validação do original gerado na proposta técnica); o Serviços de integrador dos fornecedores envolvidos na implantação da plataforma adquirida; o Plataforma de BI (Business Intelligence) opcional (alternativa à plataforma BI do ONS); o Instalação e tunning dos softwares na plataforma de hardware. 26

5 Serviços de desenvolvimento: o Do SAGER na plataforma adquirida, incluindo as macrofunções: Apuração de Dados de Geração; Cálculo do Saldo de Geração Fora da ordem de Mérito (GFOM); Cálculo da Redistribuição de Geração para Garantia Energética (GE); Cálculo da Disponibilidade Observada (DISPo); Apuração de Geração Alocada em Exportação; Cálculo da Inflexibilidade para Cumprimento das Inflexibilidades Declaradas; Cálculo das Taxas de Indisponibilidade TEIP (Taxa Equivalente de Indisponibilidade Programada) e TEIFa (Taxa Equivalente de Indisponibilidade Forçada acumulada); Apuração de Mudança de Estado Operativo; Consistência de Dados de Intercâmbio (1º Nível); Apuração da carga dos consumidores livres, distribuidores, autoprodutores e produtores independentes; Cálculo do Fator de Emissão de CO2; Disponibilização de Resultados da Apuração da Geração para os Agentes; Disponibilização de Resultados da Apuração de Geração para a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica); Disponibilização de Resultados da Apuração de Geração para a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica. o Do SAAT na plataforma adquirida, incluindo as macrofunções: Administração de Contratos; Apuração de Serviços e Encargos; Administração da Medição; Administração da TUST (Tarifas de Uso do Sistema de Transmissão) e TUSTfr (Tarifas de Uso do Sistema de Transmissão para Grupos de Fronteira), incluindo as Redes de fronteiraditc e TUSDg (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição para geradores conectados de 88 até 138kV); Apuração da Ultrapassagem e Sobrecontratação; Integração com a ANEEL e CCEE; Relacionamento com os Agentes de setor elétrico; Relacionamento com demais áreas do ONS. o Integração dos sistemas SAGER e SAAT com o ambiente do ONS (sistemas, softwares comerciais, etc). o Serviços de testes automatizados para os seguintes tipos de teste: Testes integrados; Testes de regressão; 27

6 Testes de stress. o Pontos de função para manutenção evolutiva até o final de cada projeto de desenvolvimento dos sistemas: SAGER; SAAT. o Pontos de função para a realização dos serviços de conversão de dados necessários à entrada de cada um dos módulos das soluções SAGER-SAAT em produção. Serviços de Capacitação: o Capacitação das equipes de negócio nos softwares adquiridos; o Capacitação das equipes técnicas nos softwares adquiridos; o Treinamento dos usuários finais: Para homologação; Para utilização de cada módulo dos sistemas que entrar em operação. Operação assistida: o Serviços de operação assistida para os sistemas SAGER e SAAT (até 90 dias após a data de implantação de cada módulo); o Serviços de mentoring para as equipes usuárias; o Serviços de mentoring para as equipes técnicas Os serviços para Aquisição do Hardware Necessário Aquisição do hardware necessário para a execução da plataforma de desenvolvimento de sistemas adquirida, bem como dos sistemas SAGER e SAAT em ambientes de: o Desenvolvimento; o Homologação; o Produção. 1.4 Stakeholders Envolvidos no Programa SAGER-SAAT O levantamento inicial de stakeholders identificou os tipos e quantidades descritos a seguir. 28

7 1.4.1 Stakeholders Internos do ONS Diretamente Envolvidos Estima-se a participação de stakeholders internos do ONS conforme quadro abaixo: STAKEHOLDER QUANTIDADE Diretores 4 Coordenador Interno do Projeto 1 Gestores 6 Líderes de Projetos (área de TI e negócios). 3 Analista de Processos. 1 Analistas de Solução. 4 Arquitetos de Solução. 2 Analistas de Dados. 2 Analistas de Sistemas. 1 Analista de Segurança. 1 Usuários (áreas de negócio) 2 áreas de negócio 30 usuários Fornecedores Diretamente Envolvidos Estima-se a participação de stakeholders externos do ONS conforme quadro abaixo: TIPO STAKEHOLDER QUANTIDADE Serviços de suporte à gestão Contratado para atender os itens de 1 do projeto. escopo deste documento. Empresa contratada, fornecedora da plataforma de software de desenvolvimento e dos serviços de desenvolvimento. Serviços para Desenvolvimento das Soluções SAGER-SAAT, conforme item deste documento. (com integrador e gerentes de projetos alocados, e respectivas equipes) 29 Pelo menos 1 Serviços para Aquisição do Empresa fornecedora do hardware Pelo menos 1

8 Hardware Necessário, necessário. conforme item deste documento. Serviços de Quality Assurance Fabricante das ferramentas 1 das soluções componentes das soluções TOTAL Pelo menos 4 2 Itens do Escopo dos Serviços de Suporte à Gestão para o Desenvolvimento e a Implantação do Programa SAGER-SAAT. Os serviços que serão contratados têm por objetivo suportar o gerenciamento do desenvolvimento e implantação das soluções SAGER e SAAT. A gestão dos projetos de desenvolvimento dos sistemas deverá ser em conformidade com a MGP (Metodologia de Gerenciamento de Projetos) do ONS (constante do Anexo IV deste documento) e de forma integrada com o Escritório de Projetos do ONS, atualizando as informações necessárias para a gestão destes projetos. Os serviços a serem contratados compreendem os seguintes itens de escopo: Atuar no sentido de suportar a garantia do sucesso através do gerenciamento do projeto: o Planejamento integrado do programa, incluindo planos, cronogramas, procedimentos e mecanismos de acompanhamento do programa; o Discussão e recomendação de ações relacionadas à estratégia de condução do projeto. o Orientação aos líderes de projeto em como devem estruturar seus planos, mapeando as dependências entre as frentes, considerando a estrutura de governança; o Disseminação e entendimento dos planos dos projetos, e estabelecimento do comprometimento necessário por parte dos stakeholders; o Propor e suportar a utilização de melhores práticas de gerenciamento de projetos, e verificar seu cumprimento; o Identificação, acompanhamento e propostas de mitigação dos riscos dos projetos. o Monitoramento e controle da execução dos planos dos projetos; o Gerenciamento de mudanças e revisões nos projetos; 30

9 o Elaboração dos indicadores de desempenho para controle do projeto, mediante as informações disponibilizadas pelo ONS; o Suporte ao trabalho de Quality Assurance na elaboração e acompanhamento dos planos de ação aos riscos; o Controle das mudanças de prazo, escopo, custo e qualidade do programa; o Encerramento formal do projeto. Atuar no sentido de suportar o processo de comunicação do projeto: o Avaliação do processo de comunicação dentro do projeto, mantendo relacionamento independente com equipe do projeto e demais stakeholders; o Apoiar na comunicação dos envolvidos os objetivos do projeto e suas premissas e os pontos de ação requeridos; o Elaborar workshop de encerramento e lições aprendidas, formalizando os produtos dos projetos, prover feedback sobre mudanças ocorridas no programa; Atuar no sentido de suportar a gestão da mudança nas áreas de negócio e de TI (Tecnologia da Informação): o Plano proposto para o gerenciamento da mudança nas áreas do negócio e de TI, contendo no mínimo: Análise do impacto organizacional (pessoas, processos, estruturas e normas); Gerenciamento de influenciadores, Comunicação; Treinamento; o Gerenciamento da mudança nas áreas do negócio e de TI. Suportar a mediação entre stakeholders: o Mediação entre stakeholders. Suportar as reuniões gerenciais do projeto; o Plano proposto de reuniões; o Material de apresentação e apoio às reuniões elaborado, no nível do projeto e no grau de detalhe requerido por cada fórum, incluindo mas não se restringindo a: Informações do cronograma previsto versus realizado; Informações de status, progresso e desempenho; Informações das realizações; Informações sobre os desvios e pontos de atenção identificados; Indicadores de projeção; Informações sobre as ações corretivas ou de replanejamento adotadas; Informações sobre a situação do controle de ações e pendências; Informações sobre os próximos passos; Informações sobre mudanças e seus impactos nos objetivos do projeto; 31

10 Informações sobre o resultado do monitoramento dos riscos e da eventual necessidade de atualização ou elaboração de planos de resposta. o Agenda das reuniões gerenciada, incluindo a reserva de salas e o envio dos convites para os participantes de cada fórum; o Resultados das reuniões registrados. 2.1 Produtos Mínimos Requeridos para os Serviços Para atendimento aos itens solicitados acima, o ONS requer que sejam entregues os seguintes produtos, não se restringindo apenas a estes e, portanto, devendo ser apresentado outros produtos pelo proponente, conforme a sua metodologia, que venham a trazer a segurança necessária nos controles do projeto e no suporte a decisão: Planos propostos para: O gerenciamento do projeto; O gerenciamento da mudança nas áreas do negócio e de TI; As reuniões gerenciais. Aprimoramento da governança do projeto; Matriz de Responsabilidades; Indicadores de acompanhamento do projeto; Modelo de status report, contendo no mínimo: Ações planejadas, Ações Executadas, Pontos de Atenção, Principais Riscos, Desvios com Ações de Recuperação e Indicadores do Projeto; Modelo de acompanhamento de riscos e mudança do projeto; Cronograma detalhado do programa na ferramenta de EPM utilizada pelo ONS, e atualização semanal do mesmo; Status report detalhado semanal, para apoio as reuniões operacionais; Status report consolidado mensal, para apoio as reuniões executivas do projeto; Status report consolidado, para apoio as reuniões de Diretoria para acompanhamento do projeto, nos prazos solicitados pelo ONS. Este status deve ser aprovado pelo comitê executivo do projeto; Relatório de riscos e ações mitigadoras atualizados mensalmente; Agenda das reuniões gerenciada, incluindo a reserva de salas e o envio dos convites para os participantes de cada fórum; Material de apoio para tomada de decisão do ONS para os serviços de suporte supracitados; Atas das reuniões. Relatórios mensais consolidando todas as ações e produtos realizados (com as respectivas evidências), destinados ao apoio técnico requerido ao longo do projeto para que as práticas de gestão de projetos sejam efetivamente aplicadas nos processos de gerenciamento 32

11 Relatórios mensais consolidando todas as ações e produtos realizados (com as respectivas evidências), destinados ao apoio técnico requerido ao longo do projeto para as eventuais necessidades de mediação entre stakeholders Relatório mensal consolidando todas as ações e produtos realizados pelo proponente (com as respectivas evidências), destinados ao apoio técnico requerido ao longo do programa para as atividades que constam deste documento. Relatórios mensais consolidando todas as ações e produtos realizados (com as respectivas evidências), destinados ao apoio técnico requerido ao longo do programa para as seguintes atividades, dentre outras: o A elaboração e atualização do plano para o gerenciamento da mudança; o A disseminação e entendimento do plano para o gerenciamento da mudança, e estabelecimento do comprometimento necessário por parte dos stakeholders; o O monitoramento e controle da execução do plano para o gerenciamento da mudança; o O gerenciamento de mudanças que impactem o plano para o gerenciamento da mudança; o O encerramento formal do processo de implantação e operacionalização da mudança. 33

12 3 Prazo dos Serviços de Suporte à Gestão para o Desenvolvimento e a Implantação do Programa SAGER-SAAT Os serviços que serão contratados, visando suportar o gerenciamento do programa que envolve os projetos necessários para o desenvolvimento e implantação das soluções SAGER e SAAT, terão a duração estimada de 48 (quarenta e oito) meses, que é a duração prevista para o projeto em questão. Considerando que o desenvolvimento e implantação das soluções SAGER e SAAT está sendo tratado em contrato próprio e que os serviços de suporte à gestão tem como objetivo o gerenciamento do desenvolvimento deste programa, a vigência do contrato deste serviço fica condicionada ao prazo de vigência do contrato referente à prestação dos serviços de desenvolvimento e implantação da solução SAAT/SAGER, ou seja, a resolução e/ou extinção de um contrato implica diretamente no encerramento do outro. 34

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015 Projeto SAAT/SAGER Reunião com os Proponentes 1 18/03/2015 Agenda Visão Geral dos Sistemas SAGER SAAT Requisitos Contexto Plataforma Tecnológica Plano do Projeto Estrutura de Gestão Atividades de apoio

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro

Governo do Estado do Rio de Janeiro Governo do Estado do Rio de Janeiro Modelo de governança para contratos de desenvolvimento de software sob, no âmbito de programas financiados. Manual de Uso Histórico da revisão Data Versão Descrição

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Metodologia de Gestão da Qualidade (Quality Assurance) de implementação de projetos ERP. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia de Gestão da Qualidade (Quality Assurance) de implementação de projetos ERP. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia de Gestão da Qualidade (Quality Assurance) de implementação de projetos ERP Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão Organização de Gerenciamento de Processos Palestrante: Samyra Salomão Contextualização O foco do gerenciamento de processos de negócio pode também modificar a forma como os executivos pensam e estruturam

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos no Banco do Brasil S.A. utilizando o CA Clarity PPM. Paulo Bissacot Gerente Executivo

O Gerenciamento de Projetos no Banco do Brasil S.A. utilizando o CA Clarity PPM. Paulo Bissacot Gerente Executivo O Gerenciamento de Projetos no Banco do Brasil S.A. utilizando o CA Clarity PPM Paulo Bissacot Gerente Executivo Histórico 3 Aquisição e Internalização A ferramenta CA Clarity PPM foi adquirida em 2009,

Leia mais

Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira

Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira Programas de transformação de TI em Seguradoras: Tendências e Desafios Tech Trends 2015 Exponenciais Principais problemas

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

Fábrica de Software: O Ajuste da Matriz Qualidade x Produtividade. III Encontro Nacional do GITEC e XIII ENIAL

Fábrica de Software: O Ajuste da Matriz Qualidade x Produtividade. III Encontro Nacional do GITEC e XIII ENIAL Fábrica de Software: O Ajuste da Matriz Qualidade x Produtividade III Encontro Nacional do GITEC e XIII ENIAL A PROCERGS MISSÃO Apoiar e implementar soluções em tecnologia da informação e comunicações

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO: Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 Compromisso celebrado entre [nome da CONTRATANTE], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no [caso Administração indireta inserir número do CNPJ],

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Sumário 1. DIRETRIZES PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APLICATIVOS...172 1.1. INTRODUÇÃO...172

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 19 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO BÁSICO. Projeto de Gestão e Consultoria para o Programa RH-Folh@ SEÇÃO I. Índice

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO BÁSICO. Projeto de Gestão e Consultoria para o Programa RH-Folh@ SEÇÃO I. Índice ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO BÁSICO Projeto de Gestão e Consultoria para o Programa RH-Folh@ SEÇÃO I Índice ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO... 1 PROJETO BÁSICO... 1 PROJETO DE GESTÃO E CONSULTORIA PARA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciamento das Comunicações

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciamento das Comunicações GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gerenciamento das Comunicações Gerenciamento das Comunicações Gerenciamento de Projetos Gerenciamento das Comunicações!!" #!$%& &#$%& '# # $(# ) Gerenciamento das Comunicações

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br Nosso método de trabalho foi criado para atender VOCÊ A WISSEN CONSULTING têm como compromisso ajudá-lo a alcançar o sucesso na implementação de ferramentas de gestão e colaboração para que você possa

Leia mais

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI Autores Caroline Donato Dario Almeida Marisa Fraga Apresentação Dario Almeida Gerente Executivo

Leia mais

Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI

Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI efagundes.com Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI O serviço especializado avalia, planeja e implanta um modelo de governança nas organizações de TI alinhado com as estratégias e operações

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Quem Somos O HANT é uma vertical da empresa NDDigital, com foco em desenvolver soluções através de software e serviços direcionados a atender a cadeia de compra das empresas, desde

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

System Quality Assurance

System Quality Assurance System Quality Assurance Visão Reduzir os custos inerentes à existência de defeitos em produção, em sistemas de alta complexidade funcional e de elevada heterogeneidade tecnológica, através de um conjunto

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 13 Contratos Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão Integral do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 Agenda Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos no Governo de MG 1. Introdução 2. Diagnóstico 3. Desenvolvimento/implantação

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ONS JUL2014/JUN2015 PLANO DE AÇÃO DO ONS JUL2014/JUN2017 VOLUME II

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ONS JUL2014/JUN2015 PLANO DE AÇÃO DO ONS JUL2014/JUN2017 VOLUME II PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ONS JUL2014/JUN2015 PLANO DE AÇÃO DO ONS JUL2014/JUN2017 VOLUME II Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21)

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

REQUISIÇÃO DE PROPOSTA. 1.1 Desenvolver o Plano de Continuidade de Negócios - PCN com base na ISO 22301.

REQUISIÇÃO DE PROPOSTA. 1.1 Desenvolver o Plano de Continuidade de Negócios - PCN com base na ISO 22301. REQUISIÇÃO DE PROPOSTA Esta Requisição de Proposta foi elaborada pela Gerência de Segurança Empresarial - GESEM da Cartão BRB e tem como objetivo fornecer aos interessados as especificações do objeto abaixo,

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5 SPEKX DATA SHEET Visão Serviços Release 4.5 Versão 2.0 ÍNDICE ANALÍTICO 1. Introdução 3 1.1. Solução Única 3 2. Visão Resumida 4 2.1 Diagrama de Etapas de Projetos / Serviços 4 2.2. Resumo Descritivo Etapas

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia.

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. William Edwards Deming Organograma do Ministério da Fazenda

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA IMPLANTAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO COM MEDIÇÃO POR HOMEM / HORA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA IMPLANTAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO COM MEDIÇÃO POR HOMEM / HORA TERMO DE REFERÊNCIA PARA IMPLANTAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO COM MEDIÇÃO POR HOMEM / HORA 1. DO OBJETO Prestação de serviços técnicos especializados para a implantação, manutenção e suporte assistido dos módulos

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO Outubro 2015 AGENDA PMIMF Frente de Inovação Frente de Projetos - Plano de Comunicação - Painel Patrocinador - Case da SPE (Implantação do Escritório de Projetos) -Nova Versão

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Processo de Desenvolvimento de Software Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Processo de Desenvolvimento de Software... 04

Leia mais

ADITAMENTO 01 ÀS INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SUPORTE À GESTÃO DOS PROJETOS DO ONS SAGER E SAAT

ADITAMENTO 01 ÀS INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SUPORTE À GESTÃO DOS PROJETOS DO ONS SAGER E SAAT ADITAMENTO 01 ÀS INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SUPORTE À GESTÃO DOS PROJETOS DO ONS SAGER E SAAT Ref: Aviso de Edital nº DGL 001/2015 publicado em 19/02/2015. OBS:

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

O PMO DA AXXIOM Soluções Tecnológicas. Sueli Barroso de Oliveira, PMP, Prince2 Practitioner sueli.barroso@uol.com.br

O PMO DA AXXIOM Soluções Tecnológicas. Sueli Barroso de Oliveira, PMP, Prince2 Practitioner sueli.barroso@uol.com.br O PMO DA AXXIOM Soluções Tecnológicas Sueli Barroso de Oliveira, PMP, Prince2 Practitioner sueli.barroso@uol.com.br APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Axxiom é uma empresa constituída por dois importantes players

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais Declaração de Escopo Projeto PDTI Informações Gerenciais Maio/2008 PRESIDÊNCIA Belo Horizonte, MG 3 3 Revisão 2 após replanejamento do projeto Fátima Freiria 05/05/2008 2 2 Revisão 1 após contratação Consist

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL BRDE-2010/234 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL BRDE-2010/234 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL BRDE-2010/234 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE 1. OBJETO...2 2. DESCRIÇÃO DO OBJETO...2 3. DETALHAMENTO DO OBJETO...8 4. GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS/PROJETOS...28

Leia mais

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Gustavo Siqueira Simões - PMP e CFPS http://www.linkedin.com/in/gustavosimoes gustavo.simoes@fattocs.com.br skype: gustavosimoes +55(11)

Leia mais

PJe-Processo Judicial Eletrônico. Gestão 2013/2015. Ministro Carlos Alberto Reis de Paula

PJe-Processo Judicial Eletrônico. Gestão 2013/2015. Ministro Carlos Alberto Reis de Paula PJe-Processo Judicial Eletrônico Gestão 2013/2015. Ministro Carlos Alberto Reis de Paula Agenda 1 O PJe no Brasil 2 Desafios 3 4 Ações Estruturantes Próximos Passos Os números do PJe no Brasil Número de

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Curso autorizado pela Resolução nº 247-06/12/2010. Publicado:09/12/2010 SETEC/MEC Nota obtida na autorização: 4 Objetivos O Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Sistema de Business Intelligence - BI. Coordenadoria de Gestão Estratégica Grupo de Monitoramento e Avaliação São Paulo, 12 de Maio de 2015

Sistema de Business Intelligence - BI. Coordenadoria de Gestão Estratégica Grupo de Monitoramento e Avaliação São Paulo, 12 de Maio de 2015 Sistema de Business Intelligence - BI Coordenadoria de Gestão Estratégica Grupo de Monitoramento e Avaliação São Paulo, 12 de Maio de 2015 Atividade central: Gerenciamento e organização do processo de

Leia mais

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe Aula 04 1 2 As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe ao gestor de projetos compreender e gerenciar

Leia mais

Anexo II Termo de Referência

Anexo II Termo de Referência Anexo II Termo de Referência 1. Antecedentes O Projeto de Restauração e Manutenção de Estradas Federais PREMEF, registrado no PNUD com o código BRA 06/024, tem entre seus objetivos aprimorar a transparência

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais