Proposta de Visualização da Verificação de Processos de Desenvolvimento de Software por meio da Rastreabilidade Fabiana Costa Guedes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Visualização da Verificação de Processos de Desenvolvimento de Software por meio da Rastreabilidade Fabiana Costa Guedes"

Transcrição

1 Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais PUC-MG Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Proposta de Visualização da Verificação de Processos de Desenvolvimento de Software por meio da Rastreabilidade Fabiana Costa Guedes Belo Horizonte Julho 7

2 Fabiana Costa Guedes Proposta de Visualização da Verificação de Processos de Desenvolvimento de Software por meio da Rastreabilidade Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica na linha de pesquisa Inteligência Computacional e Sistemas Distribuídos ICSD, da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Engenharia Elétrica. Orientador: Prof. Dr. Carlos Alberto Marques Pietrobon Belo Horizonte Julho 7

3 3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Guedes, Fabiana Costa G94p Proposta de visualização da verificação de processos de desenvolvimento de software por meio da rastreabilidade / Fabiana Costa Guedes. Belo Horizonte, 7. 88f. Minas Orientador: Carlos Alberto Marques Pietrobon Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Gerais, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica. Bibliografia.. Software - Desenvolvimento.. Engenharia de sistemas. 3. Padrões de software. 4. Software Controle de qualidade. 5. Visualização. 6. Glyphs (Métodos gráficos). I. Pietrobon, Carlos Alberto Marques. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica. III. Título. CDU: 683.6

4 4 Em memória de meu pai. A minha mãe, minha fortaleza. A Inaldo, que permitiu que eu participasse da sua história e me ajudou a construir a minha. A Thales e Beatriz, o sorriso certo nos momentos de maior dificuldade. A Rangel, Valesca, Josiane e Adeilson, o carinho constante.

5 5 AGRADECIMENTOS Existem pessoas que fazem parte da minha história e, sem elas, não conseguiria concluir este trabalho. Por isso, expresso meus sinceros agradecimentos: Ao meu orientador, Professor Dr. Carlos Alberto Marques Pietrobon, pela contribuição imensa no desenvolvimento deste trabalho, pelas discussões proporcionadas, pelo profissionalismo e pela paciência. Aos professores do mestrado, pela discussão proporcionada em sala de aula e nos corredores. Aos pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, pelo compartilhamento do saber, pelo incentivo e apoio, principalmente ao amigo Fernando Correia de Mello Junior, pela grande contribuição dada a este trabalho, fornecendo a ferramenta DBML, que foi estendida. Aos amigos, Diogo Santiago e Ricardo Alexandre, pela contribuição para esta pesquisa. Aos diretores e amigos da Pentagrama Consultoria e Sistemas, pelo incentivo financeiro e grandes contribuições nas pesquisas realizadas. Aos demais amigos da Pentagrama, pelo apoio e compreensão em diversos momentos da caminhada. Ao Carlos Barbieri, por ter divulgado a pesquisa de campo para as empresas associadas ao CCOMP FUMSOFT. A Graça Lima, por ter realizado as revisões de texto. A Maria Isabel Siqueira e Maria Isabel de Novaes Santos, por terem sido atenciosas e prestativas durante o desenvolvimento deste trabalho. Ao amigo, Fabrício Roulin Bittencourt, pela companhia nas viagens de Itabira a BH nas manhãs de segunda. À FUNCESI, pelo compartilhamento do meu conhecimento. Aos Professores Dr. Carlos Augusto Paiva da Silva Martins e Dr. Ricardo de Almeida Falbo, por terem aceitado participar da banca de mestrado. Aos meus pais, meus primeiros mestres e maiores incentivadores, por terem me proporcionado a oportunidade de estudo e permitido a realização deste mestrado. Ao meu marido, Inaldo, pelo apoio incondicional e por ter entendido as ausências constantes.

6 6 Aos meus irmãos, Rangel, Valesca e Josiane e ao meu cunhado Adeilson, por me apoiarem e estarem sempre ao meu lado. Aos meus sobrinhos, Thales e Beatriz, por entenderem os momentos de ausência. Aos demais amigos e familiares, que me incentivaram e torceram por mim durante toda a caminhada. E principalmente a Deus, que proporcionou a finalização deste trabalho.

7 7 Caminhar sobre a água e desenvolver software a partir de uma especificação de requisitos é fácil se ambos estão congelados. E. Berard

8 8 RESUMO A qualidade de um software é objetivo buscado pelas empresas desenvolvedoras. O mercado exige softwares com maior qualidade e um dos fatores que determinam a qualidade de um produto de software é o processo de desenvolvimento empregado na construção do sistema. É importante, com isso, saber se realmente o processo definido está sendo utilizado pela organização. Outro ponto hoje discutido diz respeito aos modelos de referência de qualidade de software e a necessidade de construir processos aderentes a esses modelos. Esta dissertação objetiva verificar se um projeto utiliza um processo de desenvolvimento de software, adotando, para isso, a rastreabilidade de requisitos. Também, busca auxiliar na verificação se o processo é aderente a um modelo de referência de qualidade. Além disso, pretende-se utilizar mecanismos de visualização para apresentar a utilização e a aderência dos processos ao MPS.BR. Para isso, faz-se necessário verificar como a rastreabilidade de um requisito pode auxiliar na análise de utilização do processo; definir como realizar a verificação da aderência de processos ao MPS.BR; definir um mecanismo de visualização a ser utilizado para apresentação dos resultados. A metodologia utilizada foi a pesquisa descritiva, por meio de investigações bibliográficas, estudo de caso e pesquisa de campo. A pesquisa de campo realizou a coleta de dados por meio de questionário semi-estruturado e buscou possibilitar a definição do modelo de gestão de requisitos. Como resultados atingidos, pode-se citar a rastreabilidade utilizada para a verificação de utilização de processos e no auxílio à verificação da aderência de processos ao MPS.BR, mostrando que, apesar da rastreabilidade de sistemas ser de difícil implantação e acompanhamento, pode ser utilizada para recolher informações gerenciais, aumentando o benefício do seu desenvolvimento. Outro resultado foi o desenvolvimento do glifo borboleta, que mostra uma nova forma de visualização dos resultados e possibilita uma análise rápida dos problemas do processo de desenvolvimento de software. Palavras-chave: Processos de Software; Gestão de Requisitos; Rastreabilidade; Qualidade de Software; Visualização de Dados; Glifo; Glifo Borboleta.

9 9 ABSTRACT The quality of a software is a sought goal by the developer companies. The market requires softwares with more quality and one of the factors that determine the quality of a software product is the development process used in the construction of the system. Thus it's important to know if actually the defined process is being used by the organization. Other point that nowadays it's being discussed, it's about models of reference of software quality and the need to construct adherent processes to those models. This dissertation aims at verifing if a design does use a software development process, using for that, requirement tracking. That also looks for aiding to verify if the process is adherent to a quality reference model. Besides, it's intended to use visualization mechanisms to show the utilization and the adherence of the process to the MPS.BR. For that, it's necessary, to verify how the requirement tracking might aid in the analysis of utilization of the process; to define as accomplishing the verification of the adherence of processes to the MPS.BR; to define a visualization mechanism to be used for presentation of the results. The descriptive research has been the used methodology, though bibliographical researches, case study and field research. The field research accomplished the data collection though of the structured semi questionnaire and looked for making possible the definition of the management model of requisites. As obtained results can be mentioned the track being used for the verification of utilization of processes and to aid to verification of the adherence of processes to MPS.BR, showing that, in spite of the trace of systems to be of difficult implantation and attendance, it can be used to collect managerial information, increasing the benefit to its development. Other result has being the development of the butterfly glyph, showing a new way for visualization of the results and making possible a fast analysis of the problems of the process of software development. Key words: Software Processes; Management of Requisites; Trace; Software Quality; Visualization of Data; Glyph; Butterfly Glyph.

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA : Melhoria do Processo... FIGURA : Esquema de um Processo de Desenvolvimento de Software... 3 FIGURA 3: Ciclo de Vida de Software do Processo Unificado FIGURA 4: Fases e Fluxos FIGURA 5: Modelo de Referência... 4 FIGURA 6: Fluxo do Processo de Avaliação FIGURA 7: Rastreabilidade Horizontal e Vertical FIGURA 8: Rastreabilidade para Frente e para Trás FIGURA 9: Classificação da Informação de Rastreamento FIGURA : Ambiente de Trabalho com Visualização do Processo FIGURA : Rastreabilidade Baseada no Léxico Estendido... 6 FIGURA : Árvore da Rastreabilidade... 6 FIGURA 3: Árvore Representando a Voz Ativa FIGURA 4: Árvore Representando a Voz Passiva FIGURA 5: Gráfico de Gantt Projeto Fictício FIGURA 6: Árvore Apresentado a Visualização de Hierarquias com Indentação FIGURA 7: A interação no Processo de Visualização FIGURA 8: Processo de Visualização, apresentando os Formatos de Dados FIGURA 9: Ícone Grandezas Vetoriais... 7 FIGURA : Timewheel... 7 FIGURA : 3D wheel... 7 FIGURA : Infobug... 7 FIGURA 3: Processo de Desenvolvimento mostrando as Fases e Atividades FIGURA 4: Processo de Desenvolvimento mostrando as Fases, Atividade e Artefatos FIGURA 5: Requisitos sendo Desenvolvidos FIGURA 6: Requisitos e as Atividades executadas e Artefatos gerados FIGURA 7: Comparação de Atividades do Processo e Projeto FIGURA 8: Processo de Verificação por meio da Rastreabilidade FIGURA 9: Relação entre Processo Padrão, Processo Definido e Projeto FIGURA 3: Combinações possíveis entre os Processos FIGURA 3: Processos MPS.BR FIGURA 3: Estrutura do Processo GRE FIGURA 33: Visualização da Verificação da Utilização do processo FIGURA 34: Glifo Borboleta com suas Partes... 9 FIGURA 35: (a) Glifo do Modelo e (b) Glifo do Projeto... 9 FIGURA 36: Processo de Visualização dos Dados de Utilização de Processos... 9 FIGURA 37: Processo de Visualização dos Dados de Aderência de Processos... 9 FIGURA 38: Glifo Borboleta Fases do Processo FIGURA 39: Glifo Borboleta Atividades da Concepção FIGURA 4: Glifo Borboleta 3 Atividades da Elaboração FIGURA 4: Glifo Borboleta 4 Atividades da Construção FIGURA 4: Glifo Borboleta 5 Atividades da Transição FIGURA 43: Glifo Borboleta 6 Aderência Artefatos/Templates GRE FIGURA 44: Glifo Borboleta 7 Aderência Artefatos/Templates RAP FIGURA 45: Glifo Borboleta 8 Aderência Níveis de Caracterização... 98

11 FIGURA 46: Diagrama Simplificado de Casos de Uso do Sistema Biblioteca... 7 FIGURA 47: Menu do Sistema DBML... 9 FIGURA 48: Tela de Cadastro do Léxico... 9 FIGURA 49: Tela de Cadastro de Conceitos... FIGURA 5: Parte da Tela de Cadastro do Léxico responsável pela Pesquisa... FIGURA 5: Botões da tela de Cadastro de Léxico... FIGURA 5: Tela de Composição da Rastreabilidade... FIGURA 53: Tela Composição com Seleção de Tipo de Léxico... FIGURA 54: Parte da árvore do Projeto Biblioteca... FIGURA 55: Tela para Realização da Análise da Rastreabilidade... 3 FIGURA 56: Botões da Tela de Análise... 3 FIGURA 57: Tela da Análise com a Pesquisa Realizada... 4 FIGURA 58: Tela da Análise com a Árvore sendo Apresentada... 4 FIGURA 59: Opções de Navegação da Árvore... 4 FIGURA 6: Tela de Associação de Estados... 5 FIGURA 6: Tela de Análise do Glifo... 6 FIGURA 6: Tela Análise do Glifo com Apresentação dos Requisitos... 6 FIGURA 63: Tela Análise do Glifo com o Projeto Base Apresentado... 7 FIGURA 64: Tela da Análise do Glifo com o Glifo Selecionado... 7 FIGURA 65: Borboleta Fases do Processo Situação Ideal... 9 FIGURA 66: Borboleta Fases do Processo Situação do Projeto Biblioteca... 9 FIGURA 67: Glifo Borboleta Requisitos Cadastro Biblioteca... 9 FIGURA 68: Glifo Borboleta Demais Requisitos Biblioteca... FIGURA 69: Glifo Borboleta Requisitos com Problema... FIGURA 7: Glifo Borboleta Fase Concepção Todos os Requisitos... FIGURA 7: Glifo Borboleta 5 Fase Transição Todos os Requisitos... FIGURA 7: Glifo Borboleta 3 Fase Elaboração Todos os Requisitos... FIGURA 73: Glifo Borboleta 3 Fase Elaboração Cadastros Biblioteca... FIGURA 74: Glifo Borboleta 3 Fase Elaboração Demais Requisitos Biblioteca... FIGURA 75: Árvore de Rastreabilidade mostrando Detalhes do Requisito Cadastrar Autor3 FIGURA 76: Glifo Borboleta 4 Fase Construção Todos os Requisitos... 4 FIGURA 77: Glifo Borboleta 4 Fase Construção Requisitos Cadastro... 4 FIGURA 78: Glifo Borboleta 4 Fase Construção Demais Requisitos Biblioteca... 4 FIGURA 79: Glifo Borboleta 4 Fase Construção Requisitos do Problema... 5 FIGURA 8: Glifo Borboleta 6 Aderência Resultados Esperados GRE Ideal... 5 FIGURA 8: Glifo Borboleta 6 Aderência Resultados Esperados GRE Processo Definido... 6 FIGURA 8: Glifo Borboleta 7 Aderência RAP Ideal... 6 FIGURA 83: Glifo Borboleta 7 Aderência RAP Processo Definido... 6 FIGURA 84: Glifo Borboleta 8 Aderência Níveis de Caracterização Ideal... 7 FIGURA 85: Glifo Borboleta 8 Aderência Níveis de Caracterização GRE e RAP... 7 FIGURA 86: Glifo Borboleta 8 Aderência Níveis de Caracterização GRE... 8 FIGURA 87: Glifo Borboleta 8 Aderência Níveis de Caracterização RAP... 8 FIGURA 88: Parte da Árvore de Rastreabilidade do Processo MPS.BR... 9 FIGURA 89: Detalhamento do Artefato Documento de Responsabilidade, mostrando a sua Situação... 9 FIGURA 9: Detalhamento do GRE, mostrando a sua Situação... 9

12 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO : Cargo dos Respondentes GRÁFICO : Categoria de Cargo dos Respondentes GRÁFICO 3: Tempo de Atividade GRÁFICO 4: Nível de Certificação Pretendido GRÁFICO 5: Processo de Desenvolvimento que a Empresa se Baseia GRÁFICO 6: Fase em que o Processo se Encontra... 5 GRÁFICO 7: Tipos de Requisitos Trabalhados pelas Empresas... 5 GRÁFICO 8: Alterações de Requisitos... 5 GRÁFICO 9: Como as alterações são tratadas... 5 GRÁFICO : Avaliação de Impacto... 5 GRÁFICO : Documentação de Alterações de Requisitos GRÁFICO : Inclusão de Requisitos GRÁFICO 3: Ferramentas para Controle de Requisitos GRÁFICO 4: Ferramentas para Documentação de Requisitos GRÁFICO 5: Verificação de Requisitos de acordo com os Artefatos GRÁFICO 6: Validação de Requisitos GRÁFICO 7: Quando um Requisitos é considerado Cumprido GRÁFICO 8: Empresas que utilizam ou pretendem utilizar a Matriz de Rastreabilidade.. 56 GRÁFICO 9: Empresas que Pretendem Utilizar outra Técnica de Rastreabilidade GRÁFICO : Tipos de Matrizes de Rastreabilidade GRÁFICO : Nível da Matriz de Rastreabilidade GRÁFICO : Documentação da Matriz de Rastreabilidade GRÁFICO 3: Forma de Geração da Matriz de Rastreabilidade GRÁFICO 4: Consulta da Matriz de Rastreabilidade ao Longo do Projeto GRÁFICO 5: Análise de Impacto das Alterações... 6 GRÁFICO 6: Aprovação dos Requisitos... 6 GRÁFICO 7: Criação das Matrizes de Rastreabilidade... 6 GRÁFICO 8: Adoção de Padrões... 6 GRÁFICO 9: Definição de Escopo do Projeto... 6 GRÁFICO 3: Definição de Restrições... 6 GRÁFICO 3: Descrição dos Requisitos do Sistema... 6 GRÁFICO 3: Alinhamento Técnico dos Analistas de Negócio e de Requisitos GRÁFICO 33: Aprovação das Alterações de Requisitos GRÁFICO 34: Checklist, questionários, entrevistas, cenários e observações GRÁFICO 35: Criação dos Casos de Uso do Sistema GRÁFICO 36: Definição de Etapas do Projeto GRÁFICO 37: Definição de Lista de Requisitos GRÁFICO 38: Definição de Métricas para Avaliação e Controle dos Requisitos GRÁFICO 39: Definição de Papéis e Responsabilidades GRÁFICO 4: Definição do Cronograma do Projeto GRÁFICO 4: Documentação de Alterações Solicitadas GRÁFICO 4: Alinha a regra do jogo com o Usuário GRÁFICO 43: Coleta dos Dados para Utilização das Métricas GRÁFICO 44: Criação de Checklist de Verificação GRÁFICO 45: Definição de Lista de Entregas... 68

13 GRÁFICO 46: Definição de um Plano de Gerenciamento de Requisitos GRÁFICO 47: Definição do Glossário GRÁFICO 48: Definição do tamanho do sistema GRÁFICO 49: Definição dos Custos do Projeto GRÁFICO 5: Definição dos Limites do Projeto... 7 GRÁFICO 5: Detalhamento por meio de Casos de Uso e Descrição dos Casos de Uso... 7 GRÁFICO 5: Utilização das Métricas da Gestão de Requisitos... 7 GRÁFICO 53: Validação dos Requisitos junto ao Usuário... 7 GRÁFICO 54: Verificação de Viabilidade... 7 GRÁFICO 55: Criação do Diagrama de Contexto do Sistema... 7 GRÁFICO 56: Definição de Premissas... 7 GRÁFICO 57: Definição dos Benefícios do Sistema GRÁFICO 58: Padrão para Especificação Funcional e dos Requisitos GRÁFICO 59: Registro de Solicitação de Alteração GRÁFICO 6: Revisões, inspeções GRÁFICO 6: Definição de Condições de Aceite do Sistema GRÁFICO 6: Utilização de Linguagem de Negócio GRÁFICO 63: Utilização do Checklist de Verificação GRÁFICO 64: Diagrama Ishikawa GRÁFICO 65: Criação de Lista de Eventos do Sistema GRÁFICO 66: Detalhamento por meio da Lista de Eventos e Diagrama de Contexto GRÁFICO 67: Entrevista Delphi GRÁFICO 68: Verificação das Métricas da Engenharia de Requisitos GRÁFICO 69: Atividades que obtiveram Oito Respostas GRÁFICO 7: Atividades que obtiveram Sete Respostas GRÁFICO 7: Atividades que obtiveram Seis Respostas GRÁFICO 7: Atividades que obtiveram Cinco Respostas GRÁFICO 73: Atividades que obtiveram Quatro Respostas GRÁFICO 74: Atividades que obtiveram Três Respostas... 8 GRÁFICO 75: Atividades que obtiveram Duas Respostas... 8 GRÁFICO 76: Atividades que obtiveram Uma Respostas

14 4 LISTA DE QUADROS QUADRO : Processo Imaturo X Maduro QUADRO : Características de um Processo Efetivo QUADRO 3: Níveis de Maturidade do MPS.BR QUADRO 4: RAPs QUADRO 5: Regras para Caracterizar o Grau de Implementação das Práticas QUADRO 6: Modelo Definido... QUADRO 7: Processo MPS.BR... 5 QUADRO 8: Apresentação de Atividades e Artefatos não Efetuados... 8

15 5 LISTA DE SIGLAS D Duas Dimensões 3D Três Dimensões AD Asa Direita AE Asa Esquerda AID Asa inferior direita AIE Asa inferior esquerda AP Atributo de Processo ASD Asa superior direita ASE Asa superior esquerda C Corpo C Comparação - processo padrão X projeto C Comparação - processo padrão X processo definido C3 Comparação 3 - processo definido X projeto C4 Comparação 4 - projeto X projeto CCOMP Centro de Competência CELEPAR Companhia de Informática do Paraná CenPRA Centro de Pesquisas Renato Archer CESAR Centro de Estudos e Sistemas Avançado de Recife CMMI Capability Maturity Model Integration COPPE/UFRJ Coordenação dos Programas de Pós-graduação de Engenharia / Universidade Federal do Rio de Janeiro DBML Desenvolvimento Baseado em Metas e Léxico DSDM Dynamic Systems Development Method F Fora do Escopo FUMSOFT Sociedade Mineira de Software GQM Goal Question Metric GRE Gerência de Requisitos ID Indicador Direto IEEE Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos II Indicador Indireto

16 6 ISO/IEC International Standardization Organization / International Electrotechnical Commission L Largamente implementada LabES - Laboratório de Engenharia de Software LEL Language Extended Lexico - Léxico Estendido da Linguagem MPS.Br Melhoria de Processo do Software Brasileiro MR-MPS Modelo de Referência MSF Microsoft Solution Framework N Não implementada NA Não avaliado ODE - Ontology-based software Development Environment P Parcialmente implementada PD Pata direita PE Pata esquerda Praxis Processo para Aplicativos Extensíveis Interativos ProMOTe Processo de melhoria de Organizações Técnicas PSP Personal Software Process PU Processo Unificado PUC-MG Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais RAP Resultados de atributos de processo RE Resultado Esperado RioSoft Sociedade Núcleo de Apoio a Produção e Exportação de Software do Rio de Janeiro SCAMPI - Standard CMMI Appraisal Method for Process Improvement Método Padrão de Avaliação do CMMI para Melhoria de Processo SBQS Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software 7 SOFTEX Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro SQA - Software Quality Assurance SW-CMM Software Capability Maturity Model T Totalmente implementada TSP Team Software Process UFES Universidade Federal do Espírito Santo UFOP Universidade Federal de Ouro Preto

17 7 UML Unified Modeling Language VTK Visualization Tookit XP Extreme Programming

18 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO.... Problema.... Objetivos Objetivo Principal Objetivos Secundários Relevância Motivação Escopo Metodologia Organização da Dissertação... 8 PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Processos Padrão Modelos de Processos Processo Unificado Qualidade de Software MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro LÉXICO ESTENDIDO ENGENHARIA DE REQUISITOS Requisitos Fases da Engenharia de Requisitos Rastreabilidade Ambiente Discovery Ferramenta DBML - Desenvolvimento Baseado em Metas e Léxico VISUALIZAÇÃO DE DADOS Visualização Glifo APOIO À VERIFICAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE PROCESSOS E ADERÊNCIA AO MPS.BR Contextualização do Problema Verificação de Utilização de Processo por meio da Rastreabilidade Estensão da Ferramenta para Verificação da utilização de Processos Auxílio à Verificação da Aderência de Processos ao MPS.BR Estensão da Ferramenta para a Verificação da Aderência ao MPS.BR Glifo para Visualização de Processos Estensão da Ferramenta para Inserção do Glifo RESULTADOS Estudo de Caso Modelos Definidos...

19 9 7.. Apresentação do Estudo de Caso Sistema Biblioteca Cadastros Análise dos Glifos e Rastreabilidade Verificação da Utilização de Processos Auxílio à Verificação da Aderência de Processos ao MPS.BR Análise dos Resultados Trabalhos Correlatos CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS FUTURAS Conclusões Contribuições Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS... 4 APÊNDICE Apêndice A - Questionário Apêndice B - Análise do Questionário Apêndice C Questionário Aplicado às Empresas... 83

20 INTRODUÇÃO A qualidade de um software é objetivo buscado pelas empresas desenvolvedoras. O mercado exige softwares com maior qualidade e, para isso, empresas e universidades buscam as causas da falta de qualidade dos produtos de software desenvolvidos e as soluções para essas deficiências. A falta de qualidade está relacionada a diversos fatores que, segundo Pfleeger (4, p. ) são: requisitos incompletos; falta de envolvimento por parte dos usuários; falta de recursos; expectativas não-realistas; falta de apoio dos executivos; modificações nos requisitos e nas especificações; falta de planejamento; falta de necessidade do sistema. Já, segundo Koscianski e Soares (6, p. 3), os fatores que afetam a qualidade são: tamanho e complexidade do software sendo construído; número de pessoas envolvidas no projeto; ferramentas utilizadas; custos associados à existência de erros; custos associados à detecção e à remoção de erros. Esses fatores ocorrem, muitas vezes, porque os desenvolvedores deixam de fazer o software de maneira sistemática, sem considerar um processo definido de desenvolvimento. Mas, além de implantar o processo de desenvolvimento, deve ser observado se os projetos da organização estão realmente utilizando todo o processo de desenvolvimento de software especificado, ou seja, se cada atividade do processo está sendo executada ao longo do desenvolvimento. Caso isso não ocorra, o processo deve ser revisto, visando à melhoria contínua. Muitas empresas estão buscando a qualidade, seguindo o que os modelos de maturidade determinam. Para essas empresas, além de verificar a utilização do processo, é importante verificar se o processo está aderente ao modelo escolhido. Portanto, é necessária, para que o sistema seja construído de forma adequada, a criação de uma forma de gerenciar o desenvolvimento, visando à melhoria do produto a ser desenvolvido dentro do prazo e custo especificados. Para isso, é necessário criar um processo de desenvolvimento e colocá-lo em utilização, pois o processo possibilita a sistematização do desenvolvimento e, com isso, o seu controle (SOUSA et al., 3). Além de criar o processo, é necessário estabelecer a sua melhoria contínua. Essa melhoria contínua é importante para uma organização, pois é ela que possibilita a evolução do processo visando maior qualidade ao processo de desenvolvimento. O processo deve ser

21 examinado durante a avaliação da organização, identificando as mudanças a serem realizadas no processo estabelecido para a organização (figura ). FIGURA : Melhoria do Processo Fonte: Couto, 7 Na avaliação do processo, são necessárias a verificação da utilização do processo e a verificação da aderência dos processos ao modelo de maturidade da organização. Aqui, é apresentada uma proposta de verificação da utilização de processos de desenvolvimento de software por meio do mecanismo de rastreabilidade dos requisitos e de uma proposta para auxílio à verificação da aderência do processo ao modelo de maturidade de Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR). Sabe-se que técnicas de rastreabilidade possibilitam mapear um requisito a partir de um ponto inicial até um ponto qualquer de um processo de desenvolvimento, possibilitando ao desenvolvedor verificar se o requisito foi ou não cumprido. A idéia básica consiste em criar uma estrutura de rastreamento que permita, a partir dos artefatos e requisitos gerados, identificar as atividades que geraram os requisitos e determinar, dessa forma, o que do processo definido está sendo realizado. Com o objetivo de apresentar, detalhar e validar a proposta, é mostrado um estudo de caso que permite avaliar se um projeto está utilizando um processo e se o processo está aderente ao modelo de maturidade definido pela organização. Esse estudo faz uso de um processo baseado no MPS.BR e em um questionário aplicado a empresas de Minas Gerais que pretendem se certificar na norma escolhida. Projeto aqui deve ser entendido como um sistema que está sendo desenvolvido de acordo com o modelo (processo) utilizado. Seria como se estivéssemos realizando uma instanciação do modelo criado. Processo e modelo de processo serão utilizados, ao longo desta dissertação, como sinônimos, referindo-se ao processo de desenvolvimento de software.

22 Além disso, pretende-se, neste trabalho, apresentar mecanismos de visualização dos dados, para facilitar a identificação das não conformidades e da falta de aderência. Essa representação visual está sendo realizada de acordo com o projeto Discovery (PIETROBON 7), dentro do qual este trabalho está inserido, e se preocupa com a visualização de processos de software. Aqui, propõe-se o uso do glifo borboleta, que vai permitir visualizar de forma gráfica diversos aspectos de um processo de software, os pontos positivos e os pontos problemáticos.. Problema O modelo MPS.BR apregoa que se deve rastrear os requisitos e garantir a qualidade dos produtos gerados e processos executados. Entretanto, o MPS.BR não aborda como fazer a verificação dessa rastreabilidade e conformidade. Além disso, não especifica como a rastreabilidade pode ser utilizada para trazer benefícios ao desenvolvimento de software. O processo de desenvolvimento de software utilizado para a execução do sistema auxilia na qualidade de um produto de software (CRUZ et al., 6; KOSCIANSKI; SOARES, 6). Técnicas de rastreabilidade colaboram para a qualidade, pois possibilitam mapear um requisito a partir de um ponto inicial até o ponto final de um processo de desenvolvimento, de forma a possibilitar a verificação se o requisito foi ou não cumprido. Com isso, surge a pergunta: Como verificar se um projeto está utilizando um modelo proposto de desenvolvimento de software? Como verificar se um processo é aderente a um modelo de referência de qualidade? Como visualizar mais facilmente os pontos que estão com problemas de utilização ou aderência? De acordo com esses fatores, é necessário realizar um estudo que verifique a possibilidade de identificar, pela rastreabilidade, se um projeto utiliza um processo de desenvolvimento de software. Além disso, é necessário definir o que é necessário verificar para determinar se um processo é aderente a um modelo de referência de qualidade, no caso MPS.BR 3, e determinar se a rastreabilidade pode auxiliar nessa verificação. Este trabalho é uma proposta de solução para apoiar os aspectos descritos. 3 O MPS.BR foi escolhido devido à pesquisa de campo realizada com as organizações de Minas Gerais.

23 3. Objetivos.. Objetivo Principal Verificar se um projeto adota um processo de desenvolvimento de software especificado, utilizando, para isso, a rastreabilidade de requisitos. A proposta verifica, também, se esse processo é aderente ao modelo de referência MPS.BR. Além disso, pretendese utilizar mecanismos de visualização para apresentar os resultados das duas verificações... Objetivos Secundários Verificar como a rastreabilidade de um requisito pode auxiliar na análise de utilização do processo; Definir como realizar a verificação da aderência de processos ao MPS.BR, utilizando a rastreabilidade; Definir o mecanismo de visualização a ser utilizado para apresentação dos resultados..3 Relevância A relevância desta pesquisa encontra-se na necessidade de se verificar se um projeto utiliza um processo de desenvolvimento estabelecido, pois esse controle é um passo importante na garantia de qualidade de software. Além disso, a busca pela aderência dos processos aos modelos de referência é constante e esta pesquisa busca auxiliar esta verificação. A relevância do trabalho também se deve em estar sendo proposta uma ferramenta para trabalhar com o MPS.BR, possibilitando o auxílio à verificação da aderência ao

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras Hugo Queiroz Abonizio 1, Rodolfo Miranda de Barros 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento e Gerenciamento de Software Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento A primeira atividade do gerenciamento de projeto é Planejamento Depende de estimativas (Grado

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Natasha de Souza Arruda natasha.arruda@ig.com.br FGS Resumo:Engenharia de Requisitos é um dos processos fundamentais para o desenvolvimento de software.

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Renato Luiz Della Volpe

Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001. Examinador do PNQ em 1997,

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Thiago Bianchi 1 Elisa Yumi Nakagawa 2 1 IBM - International Business Machines 04753-080, São Paulo, SP, Brazil tbianchi@br.ibm.com

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

V Workshop Anual do MPS - WAMPS 2009 Estudo de Viabilidade de Domínio para Avaliar o Potencial da Organização Quanto à Implementação do Processo Desenvolvimento para Reutilização do MR-MPS MPS Mylene Lisbôa

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Integração de Projetos Ágeis XP com o MPS.BR Nível G

Integração de Projetos Ágeis XP com o MPS.BR Nível G Integração de Projetos Ágeis com o MPS.BR Nível G Marcelo Stanga Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) São Miguel do Oeste SC - Brasil marcelostanga@gmail.com Resumo. Neste artigo, aborda-se

Leia mais