SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais"

Transcrição

1 SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8

2 Índice 1 Introdução SLAs a aplicar na frente de testes funcionais Referências... 7 Link Consulting,SA Pág. 1 de 8

3 1 Introdução No desenvolvimento de software, testar involve normalmente várias fases (a figura 1ilusta a relação entre as várias fases de teste). Primeiro, cada componente do programa étestado individualmente, ou seja, isolado dos outros componentes do sistema. Tais testes,conhecidos como testes de componentes ou testes unitários, verificam se o componentefunciona como esperado com os tipos de input avaliados no estudo desses componentes. Testes unitários são executados num ambiente controlado (quando possível), desta forma a equipa de teste pode controlar os dados de input e observar o output e os dados produzidos pelo componente. Além disso, a equipa de teste verifica as estruturas de dados internas, a lógica, e as condições de controlo para a entrada e saída de dados. Quando todos os componentes tiverem sido testados individualmente, a próxima fase é assegurar que as interfaces entre componentes estão definidas e funcionam adequadamente. Testes de Integração é o processo de verificação de que os componentes do sistema funcionam como um conjunto, tal como descrito na especificação do programa. Testes Funcionais (o foco deste relatório) são baseado na análise da especificação da funcionalidade de um componente ou sistema e também conhecidos como testes blackbox. Portanto, testes funcionais oferecem a possibilidade de verificar que o sistema funciona como deveria (que faz aquilo que o utilizador espera que faça). Permitem também à equipa Quality assurance (QA) verificar se o software está pronto para a entrega. Um exemplo simples de um teste funcional é, se um sistema bancário permitir aos utilizadores modificar a sua conta, adicionar/remover dados, imprimir relatórios, os testes funcionais devem assegurar que o utilizador pode executar essas tarefas no sistema. Muitos dos testes de sistema, incluindo os testes funcionais devem ser concebidos na mesma altura que os requisitos, e devem ser incluídos no plano de teste do sistema [1]. Portanto, alterações aos requisitos implicam que os testes e o plano de testes devam refletir essas mesmas mudanças. Como os testes funcionais são na sua essência testes black box, Equivalence Class Partitioning e Boundary-Value Analysis são métodos úteis para a geração de casos de teste. Intrusive Testing, Random Testing, State Transition Testing, Static Testing e Thread Testing são também métodos úteis. O resultado da fase de testes funcionais é um sistema em funcionamento. Link Consulting,SA Pág. 2 de 8

4 Figura 1 Fases de Teste Os testes funcionais, descritos anteriormente, comparam o sistema desenvolvido com as funções descritas, em seguida os testes de desempenho validam os restantes requisitos de software/hardware. Testes de desempenho são utilizados para avaliar se um determinado sistema ou componente satisfaz, ou não, os seus requisitos específicos de desempenho. Quando os testes de desempenho são realizados com sucesso no ambiente real de um cliente, é produzido um sistema válido na perspetiva de desempenho. Quando a fase dos testes de desempenho termina, os programadores garantem que o sistema funciona de acordo com o seu entendimento da descrição do sistema. O próximo passo é avaliar com o cliente para garantir que o sistema funciona de acordo com as suas expetativas. Testes de Aceitação são um teste formal relativo às necessidades do utilizador, dos requisitos, e processos de negócios realizados para determinar se é ou não um sistema que satisfaz os critérios de aceitação. Permite também que o utilizador, clientes ou entidades autorizadas determinem se aceitam ou não o sistema. Ou seja, o prestador do serviço reune-se com o cliente para realizar os testes de aceitação, onde o sistema é confrontado com a descrição dos requisitos do cliente. Após a conclusão dos testes de aceitação o sistema é instalado no ambiente onde será realmente utilizado, e um teste final (testes de instalação) é executado para garantir que o sistema funciona como esperado no ambiente real de utilização. Independentemente do tamanho do sistema a ser testado, o tipo de teste descrito em cada fase é necessário para garantir o funcionamento correto do sistema. Nos dias de hoje, está perfeitamente entendido que testar é uma área especializada que ajuda as organizações a reduzirem os riscos e a obterem um maior valor comercial em todo o ciclo de desenvolvimento de software [3]. No entanto, muitas organizações continuam a ignorar a fase de validação e verificação do sistema. Essencialmente, testes de software consistem em exercitar todos os caminhos possíveis de um software e verificar que estes não apresentem falhas. Este processo por ser realizado pela própria organização ou através de modelo outsourcing, Testing as a Service (TaaS), em que as atividades de teste são realizadas por um prestador de serviços. TaaS é mais adequado para testes especializados, ou seja, testes que não requeiram grande conhecimento sobre o sistema. Link Consulting,SA Pág. 3 de 8

5 Serviços que são usualmente utilizados pelo modelo TaaS incluem testes de regressão automatizados, testes de desempenho, testes de segurança e monitorização ou teste de software baseados na cloud. Um Service Level Agreement (SLA) é um importante documento que é utilizado para definir os valores/métricas que regularam a relação entre o cliente e o prestador de serviço e pode fazer parte do contrato de serviço [4]. O acordo é geralmente expresso uma linguagem simples para poder ser entendido pelas duas partes. O documento pode incluir também termos técnicos para definir o serviço em questão. O SLA pode abordar várias áreas, incluindo a disponibilidade do serviço, o desempenho do serviço, como irá funcionar, as prioridades, as responsabilidades das partes envolvidas, garantias, etc. Um SLA faz sentido quando a organização tem o processo de teste como um serviço de testes onde é preciso definir valores/métricas que regulem a relação com os clientes. Assim, desde o ínicio, o SLA deve ser enquadrado de tal forma que, mais tarde, possa ser fácil para o cliente e para o prestador do serviço consultá-lo sempre que surgir alguma divergência entre as duas partes. No caso de outsourcing, um SLA é extremamente importante. O ambiente no qual o projeto outsource é executado é inteiramente diferente do ambiente de testes tradicional que os projetos internos usufruem. Devido à distância, a diferentes culturas e produtividade, esses projetos necessitam de um nível de amadurecimento elevado para garantir confiança ao cliente. Nestas situações, um SLA tornam-se a única ferramenta para defesa dos clientes. Link Consulting,SA Pág. 4 de 8

6 2 SLAs a aplicar na frente de testes funcionais Os testes funcionais verificam que o sistema já integrado executa as funções tal como especificado nos requisitos. Um SLA típicos aplicável a testes funcionais pode ser definido segundo as métricas dos vários métodos que caraterizam os testes funcionais [2]: EquivalenceClass Partitioning, Boundary-Value Analysis, Random Testing, State Transition Testing e Static Testing. Equivalence Class Partitioning Neste método, o domínio de dados de entrada é dividido em diferentes classes de dados de equivalência. É tipicamente utilizado para reduzir o número total de casos de teste para um conjunto finito, mantendo a cobertura máxima dos requisitos. Algumas das caraterísticas que podem ser incluídas num SLA são: preferência pelos casos de teste que incluem combinações dos valores de limite; garantir que todos os valores representativos de uma classe de equivalência ocorrem pelo menos uma vez num caso de teste; pode também ser utilizada a medição de quantos dos casos de teste com base em classes de equivalência foram cobertos pelos casos de teste (para determinar a abrangência dos testes). O valor de equivalence class partitioning [5] depende da determinação das classes de equivalência. Equivalence Class (EC) = (número de combinações EC testadas/ número total de combinações EC) * 100 Boundary-Value Analysis É amplamente reconhecido que os valores de entrada nos extremos do domínio de entrada, causam mais erros no sistema [3]. A técnica de teste Boundary-Value Analysis é utilizada para identificar erros utilizando valores de entrada de fronteira do domínio e não, encontrar erros com valores intermédios do domínio de entrada. Análise do valor fronteira deve ser feita em conjunto com o equivalence partitioning. No acordo entre o cliente e o prestador do serviço (software) podem ser incluídas as seguintes regras: definição de valores fronteira para todos os casos de teste; tal como a equivalence partitioning, os valores de teste gerados a partir de cada análise de limite devem ser combinados para gerar os casos de teste; semelhante ao equivalence partitioningo boundary-value pode ser medido [5]. Boundary-Value (BV) = (número de combinações BV testadas/ número total de combinações BV)*100 Random Testing É um tipo de teste funcional que é útil quando o tempo necessário para escrever e executar testes é muito longo (ou a complexidade do problema torna impossível testar cada combinação). Em relação a Random Testing, o SLA pode descrever, por exemplo, a exigência deque não poderá haver falhas aleatórias durante 2 semanas antes do lançamento do sistema. Link Consulting,SA Pág. 5 de 8

7 State Transition Testing State Transition Testing é utilizado quando algum componente do sistema pode ser descrito como uma máquina de estados finito. Isto significa, que o sistema pode estar num número (finito) de diferentes estados, e as transições de um estado para outro é determinada pelas regras da máquina de estados. Alguns dos pontos que podem ser abordados no SLA relativos a State Transition Testing são: cada estado deve ser coberto pelo menos uma vez; cada transição deve ser executada pelo menos uma vez; cada transição que viole a especificação deve ser verificada. Uma tabela de estados pode ser utilizada para verificar o número total de combinações de estados e transições (válidas e inválidas). Para software crítico o SLA pode também incluir as seguintes regras [5]: todas as combinações de transições têm que ser verificadas; todas as transições em qualquer ordem, com todos os estados possíveis, têm que ser verificadas. Static Testing É uma forma de testar o sistema que não envolve a execução da aplicação a ser testada. Static Testing envolve analisar o código da aplicação para verificar principalmente a conformidade com os requisitos funcionais, com o design, as funcionalidades em falta e possíveis erros no código. Static Tests são em geral, eficazes na deteção de erros de lógica e de codificação. Uma possível métrica (passível de ser definida no SLA) para determinar se um programa (flow graph do programa) é mais ou menos complexo, é a cyclomatic complexity [6, 4]. Quanto mais complexo for o flow graph do programa, maior será o valor de cyclomatic complexity. Cyclomatic Complexity = L-N +2*P Onde L é o número de ligações entre os vários nós do flow graph, N é o número de nós que constituem o flow graph e P é o número de componentes independentes (número de partes desconetadas do flow graph). Link Consulting,SA Pág. 6 de 8

8 3 Referências [1] I. Burnstein. Practical Software Testing: A Process-Oriented Approach. Springer Professional Computing. Springer, [2] S.L. Pfleeger e J.M. Atlee. Software Engineering: Theory and Practice. Prentice Hall, [3] I. Sommerville. Software engineering. International computer science series. Addison-Wesley, [4] A. Ahmed. Software Testing as a Service. Taylor & Francis, [5] David Sinclair. Software Testing Class, Dynamic Testing: Black Box Testing. Dynamic_Testing_Black_Box_2p.pdf, [6] Thomas J. McCabe. A complexity measure. Em Proceedings of the 2nd international conference on Software engineering, ICSE 76, páginas 407, Los Alamitos, CA, USA, IEEE Computer Society Press. [7] P. Farris, N.T. Bendle, P.E. Pfeifer, e D.J. Reibstein. Marketing Metrics: The Definitive Guide to Measuring Marketing Performance. Wharton school publishing. FT Press, Link Consulting,SA Pág. 7 de 8

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de segurança

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de segurança SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de segurança SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Testes de

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Meta Modelo da Base de Conhecimento

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Meta Modelo da Base de Conhecimento SIPTEST System Intelligent Process Testing. Meta Modelo da Base de Conhecimento SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 2 Meta modelo... 3 2.1 SQA -

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 7 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objectivo do documento...

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 9 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objetivo do documento...

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução...

Leia mais

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest Reduzindo o esforço empregado nos testes Os testes são a faca de dois gumes da composição de documentos: durante o ciclo de vida de seu documento,

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 10 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 10-24/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14

Leia mais

Técnicas de Caixa Preta de Teste de Software

Técnicas de Caixa Preta de Teste de Software Técnicas de Caixa Preta de Teste de Software Na maioria de projetos de teste, o tempo para a realização dos mesmos sempre é curto e os números de testes a serem realizados nas aplicações são inúmeros.

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de carga e desempenho

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de carga e desempenho SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de carga e desempenho SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objetivo

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processo de Software Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Revisando Engenharia de Software Engenharia de Sistemas Processo de software Fases Genéricas de Modelos de

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação de testes pelo objetivo Teste de Validação:

Leia mais

Retorno do Investimento em Testes Software

Retorno do Investimento em Testes Software Retorno do Investimento em Testes Software Rui Ribeiro Santos Av. Conde de Valbom, 30 8º 1050-068 Lisboa PORTUGAL Telef: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Email: rui.santos@wintrust-intl.com URL:

Leia mais

1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de

1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de Gustavo Lopes 1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de especificação de testes 5. Técnicas para construção

Leia mais

U N I V E R S I D A D E FEDERAL DE PERNAMBUCO

U N I V E R S I D A D E FEDERAL DE PERNAMBUCO U N I V E R S I D A D E FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2 0 0 6. 2 Implantação de um Processo de Teste de Software em uma empresa de TI: Um Estudo de Caso

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Um artigo de: Doron Drusinsky (Cupertino, CA) Apresentado por: Charles-Edouard Winandy Disciplina: CSE310-4 Engenharia de Software

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Verificação e Validação

Verificação e Validação Verificação e Validação Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso 2005/2006 EST, Setúbal Verificação e Validação Verificação Garante que o software cumpre as especificações Consistência interna Estamos

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Especificação Operacional.

Especificação Operacional. Especificação Operacional. Para muitos sistemas, a incerteza acerca dos requisitos leva a mudanças e problemas mais tarde no desenvolvimento de software. Zave (1984) sugere um modelo de processo que permite

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e JEANE MENDES DA SILVA SANTOS Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e Plano de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Como gerir sem supervisionar? OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE

OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Como gerir sem supervisionar? OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE FATTO Consultoria e Sistema OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Como gerir sem supervisionar? OUTSOURCING NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Outsourcing no desenvolvimento

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Autor(a): Liliane do Nascimento Vale 1 Orientador: Stéphane Júlia 1 1 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Tópicos abordados. Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) 2/2/2015. Testes de desenvolvimento. Desenvolvimento dirigido a testes

Tópicos abordados. Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) 2/2/2015. Testes de desenvolvimento. Desenvolvimento dirigido a testes Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) slide 569 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Testes de desenvolvimento Desenvolvimento dirigido a testes Testes de release

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Ago-2008 1 Gestão de requisitos 2 Bibliografia: PAULA

Leia mais

João Arthur Brunet Monteiro. Março de 2008

João Arthur Brunet Monteiro. Março de 2008 Revisão Bibliográfica em Automação de Testes João Arthur Brunet Monteiro Universidade Federal de Campina Grande Março de 2008 João Arthur Brunet Monteiro (UFCG) Revisão Bibliográfica em Automação de Testes

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço (SLA) Realizado por: Para: Stock Comercial Hospitalar

Acordo de Nível de Serviço (SLA) Realizado por: Para: Stock Comercial Hospitalar Acordo de Nível de Serviço (SLA) Service Level Agreement Realizado por: Itair Miguel Lázaro Rodrigues Ricardo Andraus Túlio Accioly Fayad Para: Stock Comercial Hospitalar Data de Vigência: 11-06-2014 Proprietário

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Teste e Depuração de Sistemas Web Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Testando Aplicações Web Ê É bem mais complicado testar interfaces Web do que classes de objetos Ê Aplicações WEB não

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 9 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Introdução a Engenharia de Software. Alterações na aula do Prof. Reinaldo Bianchi Alterado por: Antonio Carlos Souza ADS - IFBA

Introdução a Engenharia de Software. Alterações na aula do Prof. Reinaldo Bianchi Alterado por: Antonio Carlos Souza ADS - IFBA Introdução a Engenharia de Software Alterações na aula do Prof. Reinaldo Bianchi Alterado por: Antonio Carlos Souza ADS - IFBA Bibliografia Engenharia de Software, Roger Pressman, Makron Books: o mais

Leia mais

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Engenharia de Software 5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Desenvolver e entregar software o mais rapidamente possível é hoje em dia um dos

Leia mais

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani Teste de Software Técnicas de Teste de Software Testabilidade Operabilidade; Observabilidade; Controlabilidade; Decomponibilidade; Simplicidade; Estabilidade;

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Qualificação Profissional para: PRÁTICAS de ITIL na GESTÃO DE SERVIÇOS

Qualificação Profissional para: PRÁTICAS de ITIL na GESTÃO DE SERVIÇOS Qualificação Profissional para: PRÁTICAS de ITIL na GESTÃO DE SERVIÇOS O Certificado em Fundamentos de ITIL na Gestão de Serviços de TI PROGRAMA DE ESTUDO AXELOS Limited 2013 Se reservam todos os direitos.

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou ATIVIDADES VV&T E A NORMA IEEE 1012 A qualidade do software está diretamente relacionada à satisfação do cliente, sendo assim, as empresas estão percebendo a importância em produzir software com qualidade.

Leia mais

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste)

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste) Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software (Tipos de Teste) Av. Conde de Valbom, nº 30 8º 1050-068 Lisboa Telf: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Controlo do Documento Elaborado

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Victor Vidigal Ribeiro Guilherme Horta Travassos {vidigal, ght}@cos.ufrj.br Agenda Introdução Resultados da revisão Corpo

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Teste de Software. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites

Teste de Software. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites. Objetivos e Limites Teste de Software Prof. Avelino F. Zorzo PUCRS Elaborado inicialmente pelo prof. Bernardo Copstein Teste é uma coisa óbvia? Qual a complexidade da questão? tá pronto, profi, é só testar... ué, mas pra

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Redes de Comunicações Capítulo 6.1

Redes de Comunicações Capítulo 6.1 Capítulo 6.1 6.1 - Técnicas de Comutação 1 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área física, sob o controlo de uma administração única e baseada em circuitos dedicados (exemplo:

Leia mais