I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 7. IV Jurisprudência Nacional 8. I National Legislation 13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 7. IV Jurisprudência Nacional 8. I National Legislation 13"

Transcrição

1 NEWSLETTER I FISCAL TAX NEWSLETTER FISCAL I Junho, 2012 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 7 IV Jurisprudência Nacional 8 NEWSLETTER TAX I June, 2012 I National Legislation 13 II Administrative Instructions 14 III European Case-Law 18 IV National Case-Law 19

2 NEWSLETTER FISCAL I LEGISLAÇÃO NACIONAL Ministério dos Negócios Estrangeiros Aviso n.º 53/2012, de 1 de Junho Torna público terem sido cumpridas as formalidades constitucionais internas de aprovação do Acordo entre a República Portuguesa e a Região Administrativa Especial de Hong Kong da República Popular da China para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento, assinado em Hong Kong em 22 de Março de Região Autónoma dos Açores - Assembleia Legislativa Resolução da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores n.º 16/2012/A, de 6 de Junho Aprova a Conta da Região Autónoma dos Açores referente ao ano de Ministério dos Negócios Estrangeiros Aviso n.º 59/2012, de 11 de Junho Torna público que foram cumpridas as formalidades constitucionais internas de aprovação da Convenção entre a República Portuguesa e os Emirados Árabes Unidos para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento, assinada em Abu Dhabi, em 17 de Janeiro de Aviso n.º 65/2012, de 20 de Junho Ministério dos Negócios Estrangeiros Torna público que foram cumpridas as formalidades constitucionais internas de aprovação do Protocolo e do Protocolo Adicional que alteram a Convenção entre a República Portuguesa e o Grão-Ducado do Luxemburgo para Evitar as Duplas Tributações e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento e o Património, e o Respectivo Protocolo, assinados em Bruxelas em 25 de Maio de NEWSLETTER I FISCAL I TAX 2/10

3 II INSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS Autoridade Tributária e Aduaneira Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DSIRC) Circular n.º 8/2012, de 30 de Maio Dedução de Prejuízos Fiscais A presente Circular vem fixar o entendimento da Administração Tributária relativamente às informações e documentação que devem acompanhar o requerimento de não aplicação da limitação à dedução de prejuízos fiscais prevista no artigo 52.º, n.º 1, do CIRC, nos casos em que, conforme artigo 52.º, n.º 8, do CIRC, seja: i) Modificado o objecto social da entidade a que respeita; ii) Alterada, de forma substancial, a natureza da actividade anteriormente exercida; iii) Alterada a titularidade de, pelo menos, 50% do capital social ou da maioria dos direitos de voto. Assim, o requerimento dirigido ao Ministro das Finanças, a apresentar nos prazos previstos no artigo 52.º, n. os 10 e 12, do CIRC, deverá ser acompanhado de: i) Descrição pormenorizada do contexto económico em que a alteração será realizada; ii) Certidão comercial actualizada; iii) Caso a alteração implique uma alteração da actividade, informação do peso relativo previsível das actividades anteriormente exercidas no volume de negócios futuro; iv) Previsão do volume de negócios, investimento e resultados fiscais para os três períodos seguintes ao da alteração; v) Número de postos de trabalho nos três últimos períodos e estimativa para os três períodos seguintes aos da alteração; vi) Caso o pedido respeite à alteração da titularidade do capital social: a. Identificação de relações especiais entre as partes envolvidas na operação, nos termos do artigo 63.º, n.º 4, do CIRC; b. Preço previsto para a transacção das partes sociais; c. Data prevista para a transacção das partes sociais. Autoridade Tributária e Aduaneira Informação vinculativa relativa ao Processo n.º 2890/2007, de 13 de Março de 2012 Procedimento de aplicação das normas anti-abuso do Código do IRC Através da informação vinculativa em apreço, considera a Autoridade Tributária que, em virtude das alterações operadas pela Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro, as regras de aplicação de disposição anti-abuso constantes do artigo 63.º do Código de NEWSLETTER I FISCAL I TAX 3/10

4 Procedimento e de Processo Tributário ( CPPT ), apenas são aplicáveis à liquidação de tributos com fundamento no artigo 38.º, n.º 2, da Lei Geral Tributária ( LGT ). Consequentemente, a medida anti-abuso prevista no artigo 73.º, n.º 10, do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( CIRC ), relativa ao Regime Especial aplicável às Fusões, Cisões, Entradas de Activos e Permutas de Partes Sociais, não estará sujeita às regras acima enunciadas, considerando-se afastado o anterior entendimento dos serviços, plasmado na Informação Vinculativa relativa ao processo n.º 771/2002, de 17 de Janeiro de Autoridade Tributária e Aduaneira Informação vinculativa relativa ao Processo n.º , de 11 de Abril de 2012 Cálculo do PEC das entidades instaladas na Zona Franca da Madeira de forma proporcional à respectiva taxa reduzida do IRC Através da presente Informação Vinculativa, a Administração Fiscal vem esclarecer que, para efeitos de cálculo do Pagamento Especial por Conta (PEC), previsto no artigo 106.º, n.º2, do CIRC, no que respeita às entidades instaladas na Zona Franca da Madeira, a taxa de 20% aplicável à parte excedente não pode ser substituída pela taxa do IRC aplicável àquelas entidades, ainda que a actual fórmula de cálculo não considere o benefício fiscal da redução de taxa do IRC. A Administração Tributária justifica este entendimento com a inexistência de suporte legal para a dispensa, total ou parcial, de PEC para sujeitos passivos que beneficiem de redução de taxa, com fundamento na actual redacção do artigo 106.º, n.º2, do CIRC e, bem assim, na revogação do artigo 98.º (actual artigo 106.º), n.º 9, do CIRC e na própria fórmula de cálculo em apreço, que, por incidir sobre o volume de negócios, impede a obtenção do efeito da redução de taxa por via administrativa. Autoridade Tributária e Aduaneira Informação vinculativa relativa ao Processo n.º , de 21 de Maio de 2012 Viaturas ligeiras de passageiros ou mistas: taxa de tributação autónoma aplicável aos encargos provenientes de contratos de rent-a-car Em face da redacção actual do artigo 88.º, n. os 3 e 4, do CIRC e da previsão de duas taxas de tributação autónoma aplicáveis aos encargos relacionados com as viaturas, em função do custo de aquisição das mesmas, considera a Autoridade Tributária que, em razão da não alteração expressa da taxa de tributação autónoma dos encargos derivados de contratos de aluguer sem condutor por períodos muito curtos (iguais ou inferiores a três meses, não renováveis), há que considerar o enquadramento destes contratos no âmbito do CIRC. NEWSLETTER I FISCAL I TAX 4/10

5 Assim, conclui-se que os contratos de rent-a-car devem ser tributados à taxa de 10% prevista no artigo 88.º, n.º 3, do CIRC, uma vez que: i) Esta tributação decorre do enquadramento de «encargos sobre viaturas», nos termos do artigo 88.º, n.º 5, do CIRC; ii) Os contratos não visam uma aquisição ou situação assimilável; iii) Os encargos provenientes destes contratos são, de acordo com o artigo 23.º do CIRC e ao contrário do que acontece com os contratos de alugueres de longa duração, leasing ou aquisição directa, totalmente dedutíveis para efeitos fiscais. Autoridade Tributária e Aduaneira Informação vinculativa relativa ao Processo n.º , de 30 de Março de 2012 Viaturas ligeiras de passageiros ou mistas: dedutibilidade fiscal das rendas e tributação autónoma dos encargos associados a contratos de renting (Aluguer Operacional de Viaturas AOV, celebrados por períodos superiores a 3 meses ou inferiores a 3 meses, renováveis) Através da presente Informação Vinculativa, a Administração Fiscal vem clarificar qual o tratamento fiscal das rendas pagas no âmbito de contratos de renting em sede de IRC, no que respeita aos encargos não dedutíveis para efeitos fiscais e à sujeição e taxa de tributação autónoma aplicável. Assim, relativamente aos encargos não dedutíveis para efeitos fiscais, considera-se que os contratos de renting se enquadram no conceito de «contratos de aluguer sem condutor» (de acordo com a Circular n.º 24, de , da Direcção de Serviços dos Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas), pelo que o artigo 45.º, n.º 1, alínea h), do CIRC lhes é aplicável e, por consequência, a parcela da renda correspondente à amortização de capital é aceite como gasto fiscal apenas até ao valor das depreciações anuais, nos termos do artigo 34.º, n.º 1, alíneas c) e e), do CIRC. No que se refere à sujeição à tributação autónoma, entende a Administração Fiscal que, para efeitos de aplicação da taxa de tributação autónoma e de determinação das depreciações anuais dedutíveis, deve ter-se por «custo de aquisição» o preço que o locador considerou para o cálculo da renda (do aluguer) mensal acrescido de IVA e que o «montante fixado nos termos da alínea e) do n.º 1 do art.º 34.º» (artigo 88.º, n. os 3 e 4, do CIRC) dependerá do ano em que foi celebrado o contrato de renting, nos termos da Portaria n.º 467/2010, de 7 de Julho. No que concerne a tributação autónoma dos encargos relacionados com viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, considera a Administração Fiscal que, de acordo com o artigo 88.º, n. os 3 e 4 do CIRC, estão sujeitos a tributação, tanto os encargos dedutíveis, como os NEWSLETTER I FISCAL I TAX 5/10

6 encargos não dedutíveis, efectuados ou suportados pelos sujeitos passivos mencionados no artigo 88.º do CIRC. No que concerne contratos de renting de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas afectas (por acordo escrito) à utilização pessoal dos seus colaboradores, considera a Administração Fiscal que: i) É aplicável a excepção prevista no artigo 88.º, n.º 6, do CIRC; ii) Somente a parcela da renda correspondente à amortização de capital não fica sujeito a tributação autónoma. Finalmente, no que respeita ao agravamento da taxa de tributação autónoma, previsto no artigo 88.º, n.º 14, do CIRC, nas situações de apuramento de prejuízo fiscal relativamente a um grupo de sociedades abrangido pelo regime especial de tributação das sociedades (RETGS), esclarece-se que deve ser considerado o lucro tributável ou prejuízo fiscal apurado na declaração do grupo e não o lucro tributável ou o prejuízo fiscal apurado por cada uma das sociedades que integram o perímetro de consolidação. Autoridade Tributária e Aduaneira Informação vinculativa relativa ao Processo n.º 413/2012, de 19 de Março de 2012 Revogação de Benefícios Fiscais e aplicação da lei fiscal no tempo Pela informação vinculativa em apreço, vem a Autoridade Tributária pronunciar-se relativamente à manutenção do benefício da taxa reduzida de IRC, nos termos do regime fiscal da interioridade, em face da alteração legislativa operada pela Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro, que revogou o artigo 43.º, n.º 1, alínea b) do Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF) e entrou em vigor em 1 de Janeiro de Em face dos pressupostos de constituição do benefício fiscal em causa (que fixa o momento da instalação da empresa como facto tributário gerador) e ao seu prazo de duração primeiros cinco anos de actividade e, bem assim, atendendo ao artigo 11.º, n.º 1, do EBF e ao princípio da não retroactividade da lei fiscal, previsto no artigo 103.º, n.º 3, da Constituição da República Portuguesa ( CRP ), considera-se «uma entidade beneficiária da taxa reduzida de IRC de 10%, ao abrigo da al. b) do nº1 art. 43º do Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF) regime fiscal da interioridade entretanto revogado pela Lei nº 64-B/2011, de 30 de Dezembro, mantém esse benefício até ao término do período de cinco anos legalmente estipulado ( ).» Autoridade Tributária e Aduaneira Nota Informativa da Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, de 22 de Junho de 2012 Tributação de Bolsas de Investigação NEWSLETTER I FISCAL I TAX 6/10

7 A presente nota informativa da Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ( DSIRS ) vem divulgar o entendimento da Administração Fiscal relativamente à tributação das importâncias atribuídas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) no âmbito dos contratos de bolsa celebrados ao abrigo da Lei nº 40/2004, de 18 de Agosto. Considera a Administração Fiscal que a tributação dos valores atribuídos dependerá da existência de vantagens económicas proporcionadas pelo bolseiro à entidade de acolhimento e que este actua sob a autoridade e direcção desta. Assim: i) Em caso afirmativo: bolsas constituem rendimentos de trabalho dependente enquadráveis como rendimentos da categoria A, nos termos do artigo 2.º, n.º 1, alínea b), do CIRS, logo, tributáveis em sede de IRS; ii) Em caso negativo: bolsas não estão sujeitas a tributação em sede de IRS. III JURISPRUDÊNCIA EUROPEIA Tribunal de Justiça da União Europeia Acórdão de 21 de Junho de 2012 (Processo C-294/11) Modalidades de reembolso do IVA aos sujeitos passivos não estabelecidos no território do país Prazo para a apresentação do pedido de reembolso Prazo de caducidade Neste acórdão, o Tribunal de Justiça da União Europeia, no âmbito de um pedido de decisão prejudicial, pronunciou-se sobre a natureza, indicativa ou peremptória, do prazo de seis meses previsto para a apresentação do pedido de reembolso do Imposto sobre o Valor Acrescentado ( IVA ) pelos sujeitos passivos não estabelecidos no território do país, nos termos do artigo 7., n.º 1, primeiro parágrafo, último período, da Directiva 2008/9/CE do Conselho, de 12 de Fevereiro de 2008 ( Oitava Directiva IVA ). Apoiando-se na letra deste artigo, bem como no objectivo de harmonização visado pela Oitava Directiva IVA, e, bem assim, na jurisprudência assente nesta matéria, considera o Tribunal de Justiça da União Europeia que o prazo para a apresentação do pedido de reembolso tem natureza imperativa, constituindo um claro prazo de caducidade. Tribunal de Justiça da União Europeia Acórdão de 21 de Junho de 2012 (Processo C-80/11 e C-142/11) Recusa do direito a dedução em caso de comportamento irregular do emitente da factura correspondente aos bens ou serviços em função dos quais é pedido o exercício desse direito O processo em referência resulta de um pedido de decisão prejudicial que tem por objecto a interpretação dos artigos 167.º, 168.º, alínea a), 178.º, alínea a), 220.º, n.º1 226.º e 273.º da Directiva 2006/112/CE, do Conselho, de 28 de Novembro de NEWSLETTER I FISCAL I TAX 7/10

8 ( Directiva 2006/112/CE ), relativamente ao direito à dedução de IVA, em caso de comportamento irregular do emitente da factura correspondente aos bens ou serviços em função dos quais o pedido é formulado. Mais especificamente, o Tribunal de Justiça da União Europeia é chamado a pronunciarse uma autoridade tributária nacional pode recusar o direito a dedução quando sujeito passivo não se tenha certificado que o emitente da factura tinha a qualidade de sujeito passivo, dispunha dos bens e tinha condições de os fornecer e tinha cumprido as suas obrigações de declaração e pagamento do IVA, ou quando o sujeito passivo não disponha, além da factura, de documentos aptos a demonstrar a verificação dessas circunstâncias, ainda que os requisitos (materiais e formais) consagrados na Directiva 2006/112 estejam preenchidos e o sujeito passivo não disponha de indícios que justifiquem a suspeita de irregularidades ou fraude. Neste contexto, considerando a jurisprudência europeia assente nesta matéria, e, bem assim, a teleologia do regime das deduções do IVA e da luta contra a fraude, evasão e abusos no domínio da fiscalidade visados pela Directiva 2006/112/CE, conclui o Tribunal de Justiça da União Europeia que a autoridade tributária nacional não pode recusar o direito à dedução, excepto nos casos em que se encontrem verificados os requisitos elencados no Acórdão KITTEL e RECOLTA RECYCLING (Processos n. os C-439/04 e C- 440/04), isto é, que, por elementos objectivos, a autoridade tributária consiga estabelecer que o sujeito passivo «sabia ou devia saber que a operação invocada como fundamento do direito a dedução estava implicado numa fraude cometida pelo emissor da factura ou por outro operador interveniente a montante na cadeia de prestações.». Considera ainda o Tribunal de Justiça da União Europeia que «a instituição de um sistema de responsabilidade objectiva ultrapassa o necessário para preservar os direitos do Tesouro público» e que não podem as autoridades tributárias nacionais, através da recusa do direito à dedução nestas circunstâncias, transferir para os sujeitos passivos as suas obrigações de fiscalização e combate à fraude. IV JURISPRUDÊNCIA NACIONAL Supremo Tribunal Administrativo Acórdão de 30 de Maio de 2012 (Processo n.º 0171/11) No presente acórdão, o Supremo Tribunal Administrativo foi chamado a pronunciar-se relativamente à natureza como gastos fiscais dos encargos financeiros e de Imposto do Selo ( IS ) suportados por uma sociedade participada em virtude de empréstimos por si contraídos em benefício de outras sociedades, com as quais alega encontrar-se em relação de grupo, mas não para efeitos do Regime Especial de Tributação de Grupos de Sociedades ( RETGS ). NEWSLETTER I FISCAL I TAX 8/10

9 No que concerne à existência de relações de grupo, o Colectivo considera que, em face da insuficiência da prova, nomeadamente da não junção das declarações previstas no artigo 58.º, n.º 7, do CIRC e do não enquadramento no RETGS, bem como dos limites do objecto do recurso, não pode pronunciar-se directamente sobre a questão. Relativamente à questão central, com fundamento na análise do artigo 23.º do CIRC, e, bem assim, na jurisprudência do Supremo Tribunal Administrativo sobre esta matéria, o Tribunal pronuncia-se em sentido negativo, considerando não se verificar a indispensabilidade dos encargos incorridos, uma vez que o artigo 23.º do CIRC pressupõe que os custos se refiram, de alguma forma, à actividade própria sociedade contribuinte, sendo que «A mera possibilidade de poder vir a ter no futuro ganhos resultantes da aplicação desses capitais na sua associada não determina só por si que tais investimentos possam enquadrar-se no conceito de custos fiscais porque para isso era necessário que tais encargos fossem indispensáveis para a realização dos proveitos ou ganhos sujeitos a imposto ou para a manutenção da fonte produtora.». O Tribunal atenta igualmente na Doutrina que se pronunciou sobre esta temática como forma de reforçar o seu entendimento, afastando também a verificação dos critérios de indispensabilidade apontados por Autores mais liberais. Supremo Tribunal Administrativo Acórdão de 30 de Maio de 2012 (Processo n.º 0949/11) Em sede dos presentes autos, o Supremo Tribunal Administrativo foi chamado a apreciar o âmbito da isenção de Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis ( IMT ), prevista no artigo 270.º, n.º 2, do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas ( CIRE ), em particular se abrange a aquisição de um imóvel que integra o património da empresa insolvente na fase de liquidação de activos. Conclui o Colectivo que, em virtude do princípio da interpretação conforme à Constituição mas, e sobretudo, com fundamento no espírito e letra da autorização legislativa ao abrigo da qual veio o CIRE a ser aprovado na qual se indicava que os regimes de isenção e benefícios fiscais deveriam manter-se em termos análogos aos previstos no Código dos Processos Especiais de Recuperação da Empresa e de Falência ( CPEREF ), deve entender-se que a aquisição supra descrita se encontra isenta de IMT. Supremo Tribunal Administrativo Acórdão de 14 de Junho de 2012 (Processo n.º 0844/09) Em sede dos presentes autos, o Supremo Tribunal Administrativo foi chamado a apreciar a legalidade do indeferimento de um pedido de transmissibilidade de prejuízos fiscais, no NEWSLETTER I FISCAL I TAX 9/10

10 âmbito do artigo 69.º, n.º 2, do CIRC (actual, artigo 75.º do CIRC), entre outros motivos, com fundamento na não «demonstração de que a fusão é realizada por razões económicas válidas». Em particular, colocava-se a questão de saber se a interpretação que a Administração Tributária fez do requisito deste artigo 69.º, n.º 2, do CIRC, relativamente à valoração da ausência de «razões económicas válidas» é compatível com o Direito da União Europeia, uma vez que a Directiva n.º 90/343/CEE do Conselho, de 23 de Julho, relativa ao regime fiscal comum aplicável às fusões, cisões, entradas de activos e permutas de acções entre sociedades de Estados-Membros diferentes ( Directiva n.º 90/343/CEE ), apenas prevê a recusa de aplicação do regime de neutralidade fiscal nos casos consagrados no seu artigo 11.º. No âmbito do obrigatório reenvio prejudicial, nos termos do artigo 234.º do Tratado da Comunidade Europeia ( TCE ) actual artigo 267.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia ( TFUE ), veio o Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias (actual Tribunal de Justiça da União Europeia) pronunciar-se considerando que este artigo «deve ser interpretado no sentido de que, no caso de uma operação de fusão entre duas sociedades do mesmo grupo, pode constituir uma presunção de que essa operação não é efectuada por «razões económicas válidas», na acepção desta disposição, o facto de, à data da operação de fusão, a sociedade incorporada não exercer nenhuma actividade, não deter nenhuma participação financeira e se limitar a transmitir para a sociedade incorporante prejuízos fiscais elevados e de origem indeterminada, ainda que essa operação tenha para o grupo um efeito positivo consubstanciado em economias em termos de estrutura de custos. Compete ao órgão jurisdicional de reenvio verificar, à luz do conjunto das circunstâncias que caracterizam o litígio que lhe foi submetido, se os elementos constitutivos da presunção de fraude e de evasão fiscais, na acepção da referida disposição, estão reunidos no âmbito desse litígio.». Supremo Tribunal Administrativo Acórdão de 14 de Junho de 2012 (Processo n.º 0475/12) No presente acórdão, o Supremo Tribunal Administrativo foi chamado a pronunciar-se relativamente ao âmbito do benefício fiscal consagrado no artigo 60.º, n.º 1, alínea a), do EBF, que prevê a isenção de Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis ( IMT ) relativamente a imóveis, não destinados à habitação, necessários a actos de reorganização empresarial. Considerando fundamentalmente a letra, a evolução histórica e a ratio legis do preceito, o Supremo Tribunal Administrativo veio pronunciar-se no sentido em que na determinação dos imóveis abrangidos deve atender-se, não apenas ao destino dos mesmos, mas, e sobretudo, ao papel que estes desempenham no quadro da actividade da empresa e em relação ao objecto da actividade económica da mesma. NEWSLETTER I FISCAL I TAX 10/10

11 Deste modo, o Colectivo considerou que devem ter-se por imóveis destinados à habitação «apenas e tão-só aqueles que, fazendo parte do activo das empresas objecto de reestruturação, estão por elas afectos à habitação no quadro de relações laborais (por fazerem parte do complemento remuneratório de administradores das empresas ou altos quadros), ou no âmbito de uma política apoio social, ou de lazer (aos trabalhadores). Nestas situações tais imóveis desempenham uma função instrumental ou acessória da actividade da empresa, que pode inscrever-se na política de apoios sociais e de remunerações da empresa, mas nada tem que ver com o seu core business.» O Supremo Tribunal Administrativo pronuncia-se ainda especificamente em relação às empresas que têm por objecto a locação financeira de imóveis, para justificar o seu entendimento também com fundamento no princípio da igualdade. Tribunal Constitucional Acórdão n.º 310/2012, de 20 de Junho de 2012 (Processo n.º 150/12) No presente acórdão, foi o Tribunal Constitucional chamado a pronunciar-se relativamente à conformidade com a CRP, em particular com o princípio da legalidade, e, bem assim, com o princípio da não retroactividade da lei fiscal, previsto no artigo 103.º, n.º 3, da CRP, do artigo 5.º, n.º1, da Lei n.º 64/2008, de 5 de Dezembro, por fazer retroagir a 1 de Janeiro de 2008 a alteração do artigo 81.º, n.º 3, alínea a) do CIRC (actual artigo 88.º do CIRC), que veio agravar a taxa de tributação autónoma aplicável aos encargos dedutíveis relativos a despesas de representação e a viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, motos ou motociclos. Considera o Tribunal Constitucional que, da análise da natureza dos actos tributários que subjazem à aplicação das taxas de tributação autónoma, se deve concluir que se tratam de tributos de obrigação única, com origem em factos tributários instantâneos porque referentes a operações isoladas e que produzem todos os seus efeitos ao abrigo da lei aplicável à data de cada uma das operações. Consequentemente, com fundamento nos princípios do Estado de Direito, da legalidade, da não retroactividade da lei fiscal e da protecção da confiança, o Tribunal Constitucional conclui que o artigo 5.º, n.º1, da Lei n.º 64/2008, de 5 de Dezembro, opera uma retroactividade autêntica, constitucionalmente vedada. O Tribunal Constitucional conclui assim pela inconstitucionalidade do artigo 5.º, n.º1, da Lei n.º 64/2008, de 5 de Dezembro. NEWSLETTER I FISCAL I TAX 11/10

12 CONTACTOS CUATRECASAS, GONÇALVES PEREIRA & ASSOCIADOS, RL Sociedade de Advogados de Responsabilidade Limitada LISBOA Praça Marquês de Pombal, 2 (e 1-8º) I Lisboa I Portugal Tel. (351) I Fax (351) I PORTO Avenida da Boavista, º I Porto I Portugal Tel. (351) I Fax (351) I A presente Newsletter foi elaborada pela Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados, RL com fins exclusivamente informativos, não devendo ser entendida como forma de publicidade. A informação disponibilizada bem como as opiniões aqui expressas são de carácter geral e não substituem, em caso algum, o aconselhamento jurídico para a resolução de casos concretos, não assumindo a Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados, RL qualquer responsabilidade por danos que possam decorrer da utilização da referida informaç ão. O acesso ao conteúdo desta Newsletter não implica a constituição de qualquer tipo de vínculo ou relação entre advogado e cliente ou a constituição de qualquer tipo de relação jurídica. A presente Newsletter é gratuita e a sua distribuição é de carácter reservado, encontrando-se vedada a sua reprodução ou circulação não expressamente autorizadas. Caso pretenda deixar de receber esta Newsletter, por favor envie um para o endereço NEWSLETTER I FISCAL I TAX 12/10

13 NEWSLETTER TAX I NATIONAL LEGISLATION Ministry of Foreign Affairs Notice No. 53/2012, of 1 June Announcing the completion of the internal formal requirements for the approval of the Agreement between the Portuguese Republic and the Hong Kong Special Administrative Region of the People s Republic of China to Avoid Double Taxation and Prevent Tax Evasion in the Matter of Income Taxes, signed in Hong Kong on 22 March Autonomous Region of Azores Legislative Assembly Resolution of the Legislative Assembly of the Autonomous Region of Azores No. 16/2012/A of 6 June Approving the Accounts of the Autonomous Region of Azores for Ministry of Foreign Affairs Notice No. 59/2012 of 11 June Announcing the completion of internal constitutional requirements for the approval of the Convention between the Portuguese Republic and the United Arab Emirates to Avoid Double Taxation and Prevent Tax Evasion in Matters of Income Taxes, signed in Abu Dhabi, on 17 January Notice No. 65/2012. D.R. (Portuguese official gazette) No. 118, Series I of Ministry of Foreign Affairs Announcing the completion of internal constitutional requirements for the approval of the Protocol and Additional Protocol amending the Convention between the Portuguese Republic and the Grand Duchy of Luxembourg to Avoid Double Taxation and Prevent Tax Evasion in the Matter of Income Taxes and the corresponding Protocol, signed in Brussels on 25 May NEWSLETTER I FISCAL I TAX 13/10

14 II ADMINISTRATIVE INSTRUCTIONS Tax and Customs Authority Corporate Income Tax Services (DSIRC) Circular No. 8/2012 of 30 May Deduction of Tax Losses This Circular sets forth the view of the Tax Administration relating the information and documents that should be attached to the application not to apply the limits imposed to the deduction of tax losses provided for in Article 52(1) of the CIRC, in the cases in which, in accordance with Article 52(8) of the CIRC, there is: i) A change of the corporate object of the organisation to which it relates; ii) A substantial amendment of the nature of the activity previously carried on; iii) A change of the ownership of, at least, 50% of the share capital or of the majority of the voting rights. Accordingly, the application addressed to the Ministry of Finance to be submitted within the time periods provided for in Article 52(10) and (12) of the CIRC, shall be accompanied by: i) Detailed description of the economic context in which the change will be made; ii) Updated certificate of the companies registry; iii) Should the change implies a change of activity, information of the foreseeable relative weight of the activities previously pursued on future turnover; iv) Estimate of turnover, investment and tax results for the three periods following the change; v) Number of jobs in the last three periods and estimate for the three periods following the change; vi) Should the application relate to a change of ownership of the share capital: a. Identification of the special relations between the parties involved in the operation, in accordance with Article 63(4) of the CIRC; b. Expected price of the holdings which are the subject of the transaction; c. Expected date for the holdings which are the subject of the transaction. Tax and Customs Authority Binding information concerning Case No. 2890/2007 of 13 March 2012 Procedure of enforcement of the anti-abuse provisions of the Corporate Income Tax Code In this binding information the Tax Authority considers that, as a result of the amendments made by Law No. 64-B/2011 of 30 December, the rules of implementation of the anti-abuse provisions set out in Article 63 of the Código de Procedimento e de Processo Tributário (Tax Procedure Code) ( CPPT ), are only applicable to the NEWSLETTER I FISCAL I TAX 14/10

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 4 IV Jurisprudência Nacional 5 V Outras informações 6 NEWSLETTER

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Comunitária 6 IV Jurisprudência Nacional 8 V Outros 9 NEWSLETTER FISCAL

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 NEWSLETTER FISCAL I LEGISLAÇÃO

Leia mais

COMO O REGIME E O MODO DE CÁLCULO DA COMPENSAÇÃO APLICÁVEL AOS CONTRATOS OBJETO DESSA RENOVAÇÃO

COMO O REGIME E O MODO DE CÁLCULO DA COMPENSAÇÃO APLICÁVEL AOS CONTRATOS OBJETO DESSA RENOVAÇÃO INFORMAÇÃO N.º 149 Período de 1 a 7 de novembro de 2013 PRINCIPAL LEGISLAÇÃO DO PERÍODO REGIME DE RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DOS CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO, BEM COMO O REGIME E O MODO DE CÁLCULO

Leia mais

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal O Instituto de Seguros de Portugal aprovou hoje a Norma Regulamentar n.º 12/2010 R, relativa à utilização de fundos de

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

Consultoria em Direito do Trabalho

Consultoria em Direito do Trabalho Consultoria em Direito do Trabalho A Consultoria em Direito do Trabalho desenvolvida pelo Escritório Vernalha Guimarães & Pereira Advogados compreende dois serviços distintos: consultoria preventiva (o

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

BTOCNEWS REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL CALENDÁRIO FISCAL AGOSTO 2012 PARA DOWNLOAD S

BTOCNEWS REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL CALENDÁRIO FISCAL AGOSTO 2012 PARA DOWNLOAD S BTOCNEWS 012 I LEGISLAÇÃO LABORAL Alteração ao código do trabalho SAIBA + REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL Foi aprovado em Conselho de Ministros de 18 de julho de 2012

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Redução da carga fiscal Aplicação das Convenções de Dupla Tributação aos fundos de investimento e de pensões

Redução da carga fiscal Aplicação das Convenções de Dupla Tributação aos fundos de investimento e de pensões Redução da carga fiscal Aplicação das Convenções de Dupla Tributação aos fundos de investimento e de pensões Conferência Soluções para a Competitividade Fiscal Ricardo da Palma Borges ricardo@ricardodapalmaborges.com

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 INTERNATIONAL CRIMINAL COURT Article 98 Agreement between the UNITED STATES OF AMERICA and CAPE VERDE Signed at Washington April 16, 2004 NOTE BY THE

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012 Legislação fiscal Ratificações do Presidente da república (Convenções para evitar a dupla tributação e prevenir a evasão fiscal em matéria de impostos sobre o rendimento). Republica Democrática de Timor

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE ABUSO DE DIREITO NO ÂMBITO DO DIREITO FISCAL COMUNITÁRIO [COMENTÁRIO]

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE ABUSO DE DIREITO NO ÂMBITO DO DIREITO FISCAL COMUNITÁRIO [COMENTÁRIO] EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE ABUSO DE DIREITO NO ÂMBITO DO DIREITO FISCAL COMUNITÁRIO [COMENTÁRIO] José Almeida Fernandes IDEFF Lisboa, 26 de Março 2006 I. Diferença de standards na análise do abuso de direito

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 6º. Localização de Serviços - Locação financeira e aluguer de longa duração - Meios de transporte. Processo: nº 1156, despacho do SDG dos Impostos, substituto

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS COMUNITÁRIOS. novembro de 2013 Nº8/2013

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS COMUNITÁRIOS. novembro de 2013 Nº8/2013 ÍNDICE 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS COMUNITÁRIOS 3. TEMAS DE DIREITO 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 1.1 Aviso n.º 102/2013, de 1 de novembro Torna público terem sido cumpridas as formalidades constitucionais

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

NOVIDADES E LEMBRANÇAS

NOVIDADES E LEMBRANÇAS NOVIDADES E LEMBRANÇAS Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 1.ª quinzena de Novembro de 2013 1 2 1 - Regime de renovação extraordinária dos contratos de trabalho: - Lei n.º

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto Agosto 2010 I. - LEGISLAÇÃO NACIONAL II. - INSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS III. OUTRAS INFORMAÇÕES I. LEGISLAÇÃO NACIONAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto O presente diploma procede

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE TROCA DE OBRIGAÇÕES PELO BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. ( BANIF )

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE TROCA DE OBRIGAÇÕES PELO BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. ( BANIF ) Banif Banco Internacional do Funchal, S.A. Sede Social: Rua de João Tavira, n.º 30, 9004-509 Funchal, Portugal Capital Social: 780.000.000 Euros Matriculado na Conservatória do Registo Comercial do Funchal

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

newsletter Nº 78 JULHO / 2013

newsletter Nº 78 JULHO / 2013 newsletter Nº 78 JULHO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 O conceito de Indispensabilidade do Gasto para a Realização do Rendimento 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

ANO DA DECLARAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO. IRC + Derrama Estadual. (3) = (2) x (3) / positivo (2) (4) = (2) x (4) / positivo (2)

ANO DA DECLARAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO. IRC + Derrama Estadual. (3) = (2) x (3) / positivo (2) (4) = (2) x (4) / positivo (2) DECLARAÇÃO (Artº 83º nº 4 do CIRC ) TRANSFERÊNCIA DE RESIDÊNCIA AFETAÇÃO DE ELEMENTOS PATRIMONIAIS A ESTABELECIMENTO ESTÁVEL SITUADO FORA DO TERRITÓRIO PORTUGUÊS CESSAÇÃO DA ATIVIDADE DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Este documento vai auilia-lo(a) a realizar o correcto preenchimento do seu Plano de Saúde Dentário da Claro S.A. que é composto

Leia mais

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Portaria n.º 426-A/2005, de 1 de Abril Resselagem (estampilhas fiscais) de bebidas espirituosas, assegurando

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Revisão da Directiva de Timeshare (94/47/EC)

Revisão da Directiva de Timeshare (94/47/EC) Revisão da Directiva de Timeshare (94/47/EC) Posição da APHORT em 17 de Junho de 2008 Considerando os seguintes documentos - Proposta da Comissão para uma Directiva sobre a protecção do consumidor relativamente

Leia mais

Banco Santander Totta, S.A.

Banco Santander Totta, S.A. NINTH SUPPLEMENT (dated 26 October 2011) to the BASE PROSPECTUS (dated 4 April 2008) Banco Santander Totta, S.A. (incorporated with limited liability in Portugal) 5,000,000,000 (increased to 12,500,000,000)

Leia mais

I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 7. IV Jurisprudência Nacional 8. I National Legislation 11

I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 7. IV Jurisprudência Nacional 8. I National Legislation 11 NEWSLETTER I FISCAL TAX NEWSLETTER FISCAL I Julho, 2013 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 7 IV Jurisprudência Nacional 8 NEWSLETTER TAX I July, 2013 I

Leia mais

BTOCNEWS MEDIDAS DE COMBATE AO DESEMPREGO JOVEM PROFISSIONAIS II APOIO À CONTRATAÇÃO E AO EMPREENDEDORISMO I ESTÁGIOS INVESTIMENTO

BTOCNEWS MEDIDAS DE COMBATE AO DESEMPREGO JOVEM PROFISSIONAIS II APOIO À CONTRATAÇÃO E AO EMPREENDEDORISMO I ESTÁGIOS INVESTIMENTO BTOCNEWS 012 I ESTÁGIOS PROFISSIONAIS SAIBA + MEDIDAS DE COMBATE AO DESEMPREGO JOVEM Foi publicada a Resolução do Conselho de Ministros que aprova o Plano Estratégico IMPULSO JOVEM O Governo português

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 56 P E R Í O D O DE 23 A 30 D E D E Z E M B R O DE 2011 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Dec. Lei n.º 119/2011, de 26 de Dezembro Estabelece com carácter permanente o limite legal

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º.

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º. FICHA DOUTRINÁRIA Assunto: Isenções Taxas Direito à dedução - Complexo Desportivo de Município Piscinas municipais, aulas de hidroginástica e de ginástica diversas; prática

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

ÇQMISS~QJQEFIN~~Ç~SEP~~~~~~~~!Q

ÇQMISS~QJQEFIN~~Ç~SEP~~~~~~~~!Q .., -..~, j I., ~J i ~ REGIÃO AUTONOMA DOS AçoRES te ÇQMISS~QJQEFIN~~Ç~SEP~~~~~~~~!Q PARECER SOBRE A ANTE-PROPOSTA DE LEI SOBRE "ISENÇÃO FISCAL DE L DCROS DE EMPRESAS SEDIADAS NOS AÇORES PONTA DELGADA,

Leia mais

I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 4. III Jurisprudência Europeia 6. IV Jurisprudência Nacional 8. I National Legislation 12

I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 4. III Jurisprudência Europeia 6. IV Jurisprudência Nacional 8. I National Legislation 12 NEWSLETTER I FISCAL TAX NEWSLETTER FISCAL I Janeiro, 2013 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 4 III Jurisprudência Europeia 6 IV Jurisprudência Nacional 8 NEWSLETTER TAX I January, 2013

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

FI CHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais

FI CHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais FI CHA DOUTRINÁRIA Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais Artigo: Assunto: 49.º EBF Fundos de Investimento Imobiliário e Isenção de

Leia mais

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL. março de 2014. 1.5. Declaração de retificação n.º 18/2014, de 13 de março

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL. março de 2014. 1.5. Declaração de retificação n.º 18/2014, de 13 de março ÍNDICE 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS DE DIREITO INTERNACIONAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 1.1 Portaria n.º 77-A/2014, de 31 de março Regulamenta os critérios de atribuição às Regiões Autónomas da Madeira

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

Uma das áreas que tem merecido

Uma das áreas que tem merecido 36 Fiscalidade O actual enquadramento fiscal dos rendimentos derivados de prestações de serviços por parte de sociedades não residentes, bem como as formalidades a cumprir de forma a legitimar a aplicação

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 117 PRINCIPAL LEGISLAÇÃO DO PERÍODO. Período de 15 a 21 de março de 2013

INFORMAÇÃO N.º 117 PRINCIPAL LEGISLAÇÃO DO PERÍODO. Período de 15 a 21 de março de 2013 INFORMAÇÃO N.º 117 Período de 15 a 21 de março de 2013 PRINCIPAL LEGISLAÇÃO DO PERÍODO ALTERAÇÃO AO CÓDIGO PENAL Declaração de Retificação n.º 15/2013, de 19 de março de 2013 RESUMO: Declaração de retificação

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 3. IV Jurisprudência Nacional 10. I National Legislation 14

I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 3. IV Jurisprudência Nacional 10. I National Legislation 14 NEWSLETTER I FISCAL TAX NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2012 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Europeia 3 IV Jurisprudência Nacional 10 NEWSLETTER TAX I September,

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL. GABINETE DA PRESIDI:NCIA ~t/ PROPOSTA DE LEI N2 3/92

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL. GABINETE DA PRESIDI:NCIA ~t/ PROPOSTA DE LEI N2 3/92 J'=-''''"' REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL GABINETE DA PRESIDI:NCIA ~t/ PROPOSTA DE LEI N2 3/92 ISENÇÃO FISCAL DAS EMPRESAS SEDIADAS NOS AÇORES Tendo em vista aumentar o investimento

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1 Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1 1 - Defesa das micro, pequenas e médias empresas na Região Autónoma da Madeira: - Resolução da Assembleia

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Beneficiário Efectivo nas CDT

Beneficiário Efectivo nas CDT Beneficiário Efectivo nas CDT e legislação doméstica Fiscalidade Internacional - Questões Actuais Tiago Cassiano Neves - 8 de Junho de 2011 Beneficiário efectivo - Questão Actual? BO incluído na CMOCDE

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

LEGAL FLASH I ESCRITÓRIO DE XANGAI

LEGAL FLASH I ESCRITÓRIO DE XANGAI LEGAL FLASH I ESCRITÓRIO DE XANGAI Novembro 2012 ÍNDICE MEDIDAS PROVISÓRIAS SOBRE ENTRADAS DE CAPITAL (MEDIANTE CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS) EM BENEFÍCIO DE EMPRESAS COM PARTICIPAÇÃO ESTRANGEIRA

Leia mais

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S )

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) i N º 1 6 / 1 5 O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) (CINM) O CINM, a que corresponde a Zona Franca da Região

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais