Aplicações Java em Sim Cards

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicações Java em Sim Cards"

Transcrição

1 Aplicações Java em Sim Cards Este tutorial apresenta as características e formas de uso de Aplicações Java a partir dos Sim Cards instalados nos terminais celulares de tecnologia GSM. Flávia Schreiber Administradora de Empresas com Habilitação em Comércio Exterior tendo atuado no mercado de componentes eletrônicos na Siemens e em empresas do grupo como, Icotron e Infineon Technologies, e recentemente Smart Cards, especialmente SIM Cards, na DARUMA ORGA Card Systems S.A. como Gerente de Vendas. Categoria: Telefonia Celular Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 23/05/2005 1

2 Aplicações Java: Porquê VAS A comunicação de Voz proporcionada pelos serviços públicos de telefonia fixa (STFC) e móvel (SMP) é a principal fonte de receita das concessionárias de serviços de telecomunicações. Entretanto, este tipo de serviço tem sido cada vez mais transformado em "commodity" tanto no mercado corporativo como no mercado residencial. Com a crescente demanda por mobilidade e acesso a diversos tipos de informações de forma rápida no mundo atual, novas oportunidades de negócios surgem principalmente para as operadoras de serviços de telefonia celular. Esses novos tipos de serviços, que proporcionam o acesso a diferentes informações, recebendo e enviando dados, têm sido chamados de Value Added Services (VAS), ou em português, Serviços de Valor Adicionado. Embora também presentes em menor escala no mercado de telefonia fixa, os serviços VAS têm sido mais utilizados no mercado de telefonia celular, cuja mobilidade e capacidade computacional proporcionada pelo terminal, permitem atender às necessidades de seus usuários de forma mais ampla e criativa. Os VAS introduzem multi-funcionalidade no mercado de telefonia celular, tornando-se instrumentos que permitem às operadoras obterem as seguintes vantagens: Aumentar o air time, ou seja, o tempo de uso de sua rede. Oferecer serviços novos e adicionais. Diferenciar-se de outras operadoras. Cobrar por esses serviços adicionais. Aumentar a fidelização dos seus clientes. Reduzir o churn, ou seja a evasão de clientes para outras operadoras. O objetivo deste tutorial é apresentar uma solução de implementação de VAS usando o SIM Card presente nos terminais de telefonia celular utilizados nas redes de tecnologia GSM. 2

3 Aplicações Java: Fatores de Sucesso em VAS Embora o mercado de telefonia celular seja favorável para o lançamento de serviços VAS, alguns cuidados devem ser tomados para garantir que os assinantes irão de fato utilizá-los. Durante a fase de especificação e desenvolvimento de uma aplicação para um serviço VAS, os fatores de sucesso detalhados a seguir devem ser considerados com profundidade, de forma a nortearem o lançamento desse serviço: Facilidade de Aprendizado Um serviço VAS deve ser fácil de ser aprendido por todos os tipos de usuários. Serviços complexos exigem usuários mais avançados, porém estes normalmente são uma pequena parcela da base de assinantes de uma operadora. Uso Eficiente Um serviço VAS deve proporcionar um benefício ao usuário, ou seja, ao utilizá-lo ele deve perceber que usufruiu do serviço e obteve o resultado esperado. Oferecer um serviço apenas para aumentar o portfólio, sem entregar nenhum benefício perceptível pode até denegrir a imagem da operadora. Facilidade de Memorização Um serviço VAS deve ser fácil de ser lembrado, pela sua simplicidade de uso ou pelo benefício que traz ao usuário, senão por ambos. Ele deve ser sempre uma das opções que o usuário lembre ao realizar as suas atividades cotidianas. A Prova de Erros Um serviço VAS, além de ser fácil de aprender, deve também ser à prova de erros, tanto quanto possível. Se o seu uso induz o usuário a erros freqüentes, a probabilidade de insucesso do serviço cresce exponencialmente. Interface intuitiva é a palavra de ordem para um serviço VAS. Uso Agradável Um serviço VAS, além de ser eficiente, deve também proporcionar ao usuário um momento agradável. Uma interface bem desenvolvida, com textos claros e bem posicionados, e conteúdos bem apresentados, tornam o uso desses serviços uma experiência interessante para o usuário. Tarifação Adequada Um serviço VAS deve apresentar uma tarifa que leve o usuário a uma noção de valor condizente com o benefício obtido. Tarifas excessivas, que levem os usuários a pensar que o "serviço de valor adicionado" sempre será muito mais caro que o serviço de VOZ, podem inibir o uso desses serviços de forma generalizada junto à base de assinantes. Conclusão 3

4 O sucesso do "Mobile Business" está na mobilidade e personalização dos serviços VAS, oferecendo aos usuários benefícios que levem à fidelização e que diferenciem a operadora nesse mercado. Este é um desafio também para provedores de conteúdo, que devem ser criativos para desenvolver o conteúdo e atender às expectativas dos usuários, sempre levando em consideração a segmentação da base de clientes do mercado. 4

5 Aplicações Java: Aplicações As aplicações dos serviços VAS que são oferecidos aos clientes das operadoras de telefonia celular com tecnologia GSM têm, basicamente, a seguinte arquitetura: Como pode ser observado, as mensagens SMS proporcionam o mecanismo de transporte das informações na rede GSM da operadora. O conteúdo do serviço VAS existente no servidor de aplicações é integrado à plataforma de SMS da operadora, e normalmente é fornecido por parceiros especializados no desenvolvimento de conteúdos. Para o usuário dos serviços VAS, o acesso é feito através da visualização de um menu de serviços no display do terminal celular. Selecionado o serviço, inicia-se uma troca de mensagens SMS entre o terminal e o servidor de aplicações, até que o conteúdo selecionado seja apresentado no display do celular. Características As aplicações dos serviços VAS têm as seguintes características: Falta de Padronização: as aplicações não possuem atualmente nenhuma padronização, mesmo quando os serviços são semelhantes (acesso a banco, por exemplo), e são totalmente dependentes da implementação feita pelo desenvolvedor de conteúdos. Aplicações Menu Driven: o acesso às diversas funcionalidades de cada aplicação é feita através de menus e sub-menus apresentados no display do celular. SIM Card: apesar do menu ser visualizado no display do celular, seu conteúdo é armazenado no SIM Card, juntamente com a parte residente no celular da aplicação selecionada. A figura a seguir apresenta um exemplo de acesso a um serviço de acesso a Banco, e a seqüência inicial de menus e sub-menus: 5

6 Exemplos A figura a seguir apresenta alguns exemplos de aplicações de serviços VAS já desenvolvidos pelas diversas operadoras e desenvolvedores de aplicação: Implementação Como todo projeto de implementação, uma aplicação para um serviço VAS deve cumprir as seguintes Etapas de Implementação: Definição da aplicação; Desenvolvimento técnico da aplicação; Testes e aprovação da aplicação; Implementação no SIM Card; Implementação na rede; Integração com provedores de conteúdo. A implementação da aplicação no SIM Card é feita de acordo com as suas características. Algumas dessas características são: 6

7 Não existe padronização para o sistema operacional dos SIM cards, ou seja, cada fabricante detém o seu próprio sistema operacional proprietário. A execução de aplicações SAT é diferente para cada fornecedor de SIM card. Softwares Interpretadores poderiam "traduzir" aplicações para plataformas de sistemas operacionais de outros fornecedores de SIM card. Essas característica proprietárias dos SIM cards podem causar impactos no custo dos projetos de implementação de serviços, uma vez que torna necessário o desenvolvimento de diversas versões de aplicações, uma para cada fornecedor. Entretanto, o uso de aplicações JAVA tem proporcionado uma novo ambiente de desenvolvimento, como apresentado a seguir. Aplicações Java O uso da linguagem JAVA para o desenvolvimento de aplicações em SIM cards, a exemplo de outras plataformas de maior capacidade computacional, tem sido amplamente adotado pela sua portabilidade. Algumas características da implementação do ambiente JAVA em SIM cards são apresentadas a seguir: as aplicações são plenamente interoperáveis - "write once, run everywhere"; cada fabricante de SIM card implementa sua própria" Java Virtual machine" como interface para o seu sistema operacional proprietário; requer mais memória no SIM Card e aparelho celular. 7

8 Aplicações Java: Java Conceito A tecnologia Java CardT abre um novo caminho para o desenvolvimento de aplicações para SIM cards. Seu uso tem sido amplamente divulgado, com comentários como o apresentado a seguir: "A tecnologia Java Card provê uma plataforma para smart cards (e outros dispositivos) segura e independente de fabricante. Abre o mercado aos desenvolvedores de aplicações, possibilitando aos programadores desenvolver uma variedade de aplicações para smart cards." O uso dessa tecnologia apresenta as seguintes vantagens descritas a seguir. Compatibilidade A tecnologiajava CardT provê compatibilidade com os seguintes órgãos normativos: ISO/IEC, atendendo às recomendações Identification cards -- Integrated circuit(s) cards with contacts; ETSI, atendendo às recomendações: GSM TS Specification of the Subscriber Identity Module - Mobile Equipment (SIM - ME) interface GSM TS Subscriber Identify Module Application Programming Interface (SIM API); SIM API for Java Card; Stage 2 GSM TS Security Mechanisms for the SIM application toolkit EMV, atendendo à recomendação EMV 96 Integrated Circuit Card (ICC) Specifications for Payments; GlobalPlatform, atendendo à recomendação Open Platform Card Specification. Portabilidade A tecnologiajava CardT provê independência de plataforma de hardware. 8

9 Multi-funcionalidade A aderência á recomendação da EMV e à estrutura inerente da tecnologia Java permite a adoção de multifuncionalidades num mesmo cartão. Algumas das facilidades da tecnologia que permitem essa multi-funcionalidade são: Segurança Mecanismo firewall do Java CardT assegura que as aplicações não tenham acesso umas às outras, exceto com explícita permissão. Como as aplicações podem ser carregadas no cartão seguramente após a emissão, a funcionalidade da aplicação pode sofrer upgrades continuamente através de novas aplicações ou atualizações pós-emissão, possuindo-se o mesmo cartão. Segurança é a principal vantagem dessa tecnologia. As principais características de segurança do Java CardT asseguram que: O nível de acesso aos "métodos e variáveis" é estritamente controlado. Ponteiros não podem ser forjados a terem acesso à memória. As aplicações são separadas por firewall. Gerenciamento de Memória O mercado de telecomunicações demanda: Flexibilidade na disponibilização de aplicações. 9

10 Customizações, set-up de aplicações específico do usuário. Provisão de aplicações temporárias (ex. eventos esportivos, publicidade, etc.). Possibilidade de corresponder aos interesses individuais, ou seja, possibilitar ao usuário criar seu próprio portfólio de aplicações, já que somente com usuários utilizando aplicações é que se gera a receita adicional. Com base nessas demandas, o gerenciamento de memória do SIM card se torna um elemento extremamente importante na implementação de aplicações. O gerenciamento de memória ocorre através das seguintes facilidades: alocação dinâmica de memória, "garbage collection" e defragmentação. Essas facilidades são descritas a seguir. Alocação Dinâmica de Memória A alocação dinâmica de memória permite que: Aplicações funcionem independentemente de sua localização física. As aplicações podem ser movidas na memória EEPROM sem sofrer qualquer impacto na funcionalidade. Acesso à aplicação independa da localização física do seu arquivo. Os arquivos podem ser localizados em qualquer espaço da memória EEPROM. Toda memória livre seja vista como recurso comum. Arquivos podem ser extendidos e/ou divididos, podendo suas partes (Java objects) serem alocadas em qualquer espaço livre da memória. Garbage Collection Esse processo deixa memória livre para re-utilização, ou seja, a memória que não está mais sendo utilizada nem pelo sistema operacional do cartão nem pelas aplicações é liberada. O processo tem a seguinte ação: Após a remoção de uma aplicação, todos os componentes são removidos e a memória é liberada e limpa para re-utilização, não ocupando espaço desnecessariamente. Se o carregamento de uma aplicação não pôde ser terminado por completo, o processo assegura que a área de memória utilizada para armazenar os fragmentos daquela aplicação seja liberada. Defragmentação Fragmentação significa que vários blocos de memória livre estão disponíveis, porém não em um bloco contínuo. A fragmentação é causado por: Carregamento e remoção de aplicações de tamanho diversos. Criação e remoção de vários arquivos ("applet objects") na memória EEPROM. A Defragmentação de memória é o estabelecimento de uma nova disposição dos vários blocos de memória livre de tal forma este representem um único bloco contínuo. Portanto, o objetivo da defragmentação é facilitar o carregamento de novas aplicações em blocos contíguos de memória. 10

11 Aplicações Java: Considerações Finais Pode-se afirmar que os serviços VAS tendem a serem implementados em aplicações JAVA, como solução para a convivência da grande variedade de oferta de serviços com a segmentação da base de clientes, possibilitando que os usuários "degustem" estes serviços, decidam por manter alguns deles e simplesmente abandonar outros serviços que não sejam tão importantes e que ocupariam espaços preciosos da memória do SIM Card. Os Serviços de Valor Adicionado serão o principal diferencial entre empresas líderes de mercado e segundos operadores, estes com lucratividade duvidosa. Num mundo repleto de novas tecnologias, será bastante interessante observar com os operadores, os desenvolvedores de conteúdos e os fornecedores de terminais celulares conseguirão continuar envolvendo continuamente os usuários para que estes busquem mais e mais serviços a partir desse objeto de desejo que já fez com que não se possa mais "viver" sem a sua "preciosa" companhia. 11

12 Aplicações Java: Teste seu Entendimento 1. Qual alternativa representa uma vantagem que as operadoras obtém com os Serviços de Valor Adicionado (VAS)? Aumentar o air time, ou seja, o tempo de uso de sua rede. Aumentar a fidelização dos seus clientes. Reduzir o churn. Diferenciar-se de outras operadoras. Todas as anteriores. 2. Qual alternativa representa um fator de sucesso em VAS? Uso Eficiente. Facilidade de Aprendizado. Tarifação Adequada. Uso Agradável. Todas as anteriores. 3. Qual alternativa não representa uma característica do uso de uma aplicação JAVA? Cada fabricante de SIM card implementa sua própria" Java Virtual Machine" como interface para o seu sistema operacional proprietário. Requer mais memória no SIM Card e aparelho celular. Não usa uma plataforma aberta. As aplicações são plenamente interoperáveis - "write once, run everywhere". 12

Gerenciamento de Dispositivo (DM): Tecnologia para o Call Center que Aumenta a Satisfação do Cliente

Gerenciamento de Dispositivo (DM): Tecnologia para o Call Center que Aumenta a Satisfação do Cliente Gerenciamento de Dispositivo (DM): Tecnologia para o Call Center que Aumenta a Satisfação do Cliente Este tutorial apresenta o Gerenciamento de Dispositivos (Device Management DM), tecnologia que permite

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA*

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 *Adaptado de PACHECO, R C S & RIEKE, R N INE UFSC Disponível em: http://wwwstelaufscbr/~pacheco/dsoo/htm/downloadshtm

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA ÍNDICE INTRODUÇÃO O QUE É PAGAMENTO MÓVEL CONCLUSÃO PG. 3 PG. 4 PG. 6 PG. 17 INTRODUÇÃO Os meios de pagamento eletrônico estão cada vez mais fortes no Brasil.

Leia mais

Guia Rápido do OpenScape Business para Parceiros de Canal Indireto. Apresentando o OpenScape Business

Guia Rápido do OpenScape Business para Parceiros de Canal Indireto. Apresentando o OpenScape Business Guia Rápido do Business para Parceiros de Canal Indireto Solução Multifuncional de Comunicações Unificadas para SMBs Apresentando o Business O Business é a mais nova e poderosa solução da Unify Ele simplifica

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares

Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares Flavio Henrique Cardoso de Freitas, Silvano Maneck Malfatti Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Palmas TO Brasil {flaviohcf,silvanomalfatti}@hotmail.com

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ARQUIVOS PALM VIA FTP USANDO REDES GPRS

TRANSMISSÃO DE ARQUIVOS PALM VIA FTP USANDO REDES GPRS TRANSMISSÃO DE ARQUIVOS PALM VIA FTP USANDO REDES GPRS Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte

Leia mais

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Belo Horizonte, 06 de Maio de 2010 A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Referente: CONSULTA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO DE GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet 0 Der CryptoPhone IP UltraSecNet 1 Solução - GSMK como seu parceiro de comunicação segura Fundada em 2003, a GSMK é líder global em criptografia de voz e mensagem Fundada em 2003 após dois anos de pesquisa

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C#

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C# UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C# Robson Bartelli¹, Wyllian Fressatti¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil robson_lpbartelli@yahoo.com.br,wyllian@unipar.br

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds C. E. Affonso

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

O Valor do Browser no POS Soluções e Cases

O Valor do Browser no POS Soluções e Cases O Valor do Browser no POS Soluções e Cases Alexandre Pi Fernando Wagner da Silva André Guedes Conteúdo Sobre a Empresa Histórico Redes de POS Cadeia de Valor Problemas A APPI e a Cadeia de Valor Posicionamento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

SMART INTERFACE: FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA CARD

SMART INTERFACE: FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA CARD SMART INTERFACE: FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA CARD Gleison Tavares DIOLINO (1); Leonardo Ataíde MINORA (2); Fellipe Araújo ALEIXO (3); (1) CEFET-RN, Av. Sen. Salgado Filho,

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

COLABORAÇÃO COMPLETA PARA O MIDMARKET

COLABORAÇÃO COMPLETA PARA O MIDMARKET COLABORAÇÃO COMPLETA PARA O MIDMARKET Você está realmente conectado? Esse é o desafio atual no panorama dos negócios virtuais e móveis, à medida que as empresas se esforçam para ter comunicações consistentes

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Conceitos sobre Sistemas Operacionais. Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Conceitos sobre Sistemas Operacionais. Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Conceitos sobre Sistemas Operacionais Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Retrospectiva da aula anterior Processo de Boot do SO Diversidade

Leia mais

CGW-P Gateway ISDN GSM

CGW-P Gateway ISDN GSM Interface de conexão TDM entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch TDM com a rede celular GSM O gateway CGW-P é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes celulares

Leia mais

SIM Card. Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o SIM Card, cartão necessário ao funcionamento de um terminal celular GSM.

SIM Card. Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o SIM Card, cartão necessário ao funcionamento de um terminal celular GSM. SIM Card Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o SIM Card, cartão necessário ao funcionamento de um terminal celular GSM. Flávia Schreiber Administradora de Empresas com Habilitação em Comércio

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Apresentação da plataforma

Apresentação da plataforma SMS CORPORATIVO Apresentação da plataforma Vitor Lopes Maio de 2010 Conteúdo 1. VISÃO GERAL... 3 1.1 COBERTURA SMS NO BRASIL... 3 2. VANTAGENS DO SMS... 4 2.1 SMS É A FERRAMENTA QUE ESTÁ MAIS PRÓXIMA DO

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Manual do Produto TIM Protect Família MANUAL DO PRODUTO. TIM Protect Família Versão 10.7

Manual do Produto TIM Protect Família MANUAL DO PRODUTO. TIM Protect Família Versão 10.7 MANUAL DO PRODUTO TIM Protect Família Versão 10.7 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 TIM Protect Família... 4 2.1 Instalação do TIM Protect Família... 5 2.1.1 TIM Protect Família instalado... 7 2.2 Ativação do

Leia mais

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br Agenda As Primeiras iniciativas de M-Banking Os grandes inimigos do M-Banking

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

CA File Master Plus for IMS r8.5

CA File Master Plus for IMS r8.5 FOLHA DE PRODUTOS CA File Master Plus for IMS CA File Master Plus for IMS r8.5 O CA File Master Plus for IMS é um produto de gerenciamento de dados do z/os que oferece recursos avançados para o IMS Database

Leia mais

Manual do Usuário do Cell Bridge GSM Tronco

Manual do Usuário do Cell Bridge GSM Tronco INTRODUÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir mais um produto com a qualidade e a tecnologia IDENTECH. O Cell Bridge é uma interface celular diferenciada. O Cell Bridge funciona como uma interface celular

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Aluno: Fábio Bicalho de Araujo Orientador: Marco Antonio Grivet Matoso Maia Introdução Um fato da atualidade: o mundo está se tornando cada vez mais

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel.

Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel. Aplicações Atuais e Futuras para Internet Móvel Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel. Michel Castaldelli Michel Castaldelli é diretor do Ericsson Mobility

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Java. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra

Capítulo 1. Introdução ao Java. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra Capítulo 1 Introdução ao Java Objetivos do Capítulo Compor uma visão histórica mínima para a compreensão da origem do Java. Compreender o que é o Java e para que finalidades ele é empregado. Delinear algumas

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs. Uma empresa da CA Technologies

SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs. Uma empresa da CA Technologies www.layer7.com SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs Uma empresa da CA Technologies Uma empresa da CA Technologies COMPONENTES DE APIs PARA A EMPRESA ABERTA A Layer 7 oferece soluções de segurança e gerenciamento

Leia mais

Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos

Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos Sobre o treinamento Este é um curso para quem precisa conhecer o essencial do produto o Alfresco

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Abril/2012. Apresentação PAGGO

Abril/2012. Apresentação PAGGO Abril/2012 Apresentação PAGGO AGENDA 1. Histórico da Oi Paggo 2. Nova Paggo 1. Portfólio de Produtos 2. Vantagens da Paggo 3. Formalização de novos mercados AGENDA 1. Histórico da Oi Paggo 2. Nova Paggo

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

Autenticação ultra resistente para proteger o acesso à rede e a informação corporativa

Autenticação ultra resistente para proteger o acesso à rede e a informação corporativa Autenticação ultra resistente para proteger o acesso à rede e a informação corporativa ESET Secure Authentication proporciona uma forte autenticação para proteger o acesso remoto à rede corporativa e aos

Leia mais

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar + Java Básico Aula 1 por Thalles Cezar + Histórico Green Project (1991) Desenvolver plataforma para eletrodomésticos inteligentes Tentaram usar C++ Mas resolveram desenvolver uma linguagem própria Oak

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Uma solução de gerenciamento de nuvens abrangente, segura e flexível Documento técnico de negócios Página 2 Frente às tendências significativas

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão M-Payment Prof. Adriano Maranhão 1 Sumário M-Payment Pontos Positivos e Negativos do M-Payment M-Wallet (Conceito) O perfil dos usuários do M-Wallet M-Wallet (Serviços) Principais formas de comunicação

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM Ana Paula Cristina Ehlke Carrion 1, Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1, Ricardo de Melo Germano 1, Gabriel Costa Silva 2 1 Universidade Paranaense

Leia mais

Post excerpt to catch readers attention and describe the story in short

Post excerpt to catch readers attention and describe the story in short Post excerpt to catch readers attention and describe the story in short A explosão do número de usuários de smartphones está promovendo uma mudança rápida na cultura de vendas e atendimento aos clientes.

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

EMV ESSENCIAL PARA NEGÓCIOS

EMV ESSENCIAL PARA NEGÓCIOS EMV ESSENCIAL PARA NEGÓCIOS A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

SISTEMA BASEADO EM LOCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI

SISTEMA BASEADO EM LOCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI SISTEMA BASEADO EM LOCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI Acadêmico: Arthur Henrique Kienolt Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos ROTEIRO Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Política de Privacidade.

Política de Privacidade. Política de Privacidade Johnson & Johnson do Brasil Indústria e Comércio de Produtos para Saúde Ltda., preocupa se com questões sobre privacidade e quer que você saiba como coletamos, usamos e divulgamos

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais