AVALIAÇÃO DE RISCO AO NEGÓCIO DEVIDO A ACIDENTES DE PROCESSO EM PLANTAS INDUSTRIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE RISCO AO NEGÓCIO DEVIDO A ACIDENTES DE PROCESSO EM PLANTAS INDUSTRIAIS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE RISCO AO NEGÓCIO DEVIDO A ACIDENTES DE PROCESSO EM PLANTAS INDUSTRIAIS Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy Solutions Certified Functional Safety Engineer (TÜVFSEng581/07) Mariana Bahadian Bardy Head of Section DNV Energy Solutions M.SC., Chemical Engineer and Safety Engineer ABSTRACT Traditional risk management has focused on effects on people, particularly when using Quantitative Risk Assessment (QRA). A much broader approach is being adopted nowadays, with companies beginning to consider potential accidental losses in their decision making process. This paper describes a study where business risks from major accident hazards were assessed for a large petrochemical plant. The results are presented as F-Cost curves, which are similar to traditional F-N curves, but represent cumulative frequencies of events versus their cost, instead of fatalities. A different variety of costs can be evaluated as property damage, business interruption, inventory loss, environmental loss, clean-up costs, legal costs, fatality and injury costs, amongst others. As final objective of the study insurance values can be adjusted as well as decisions on reducing risk can be made based on the actual benefit, considering the reduction of losses and the amount to be spent on mitigating major risks. Also, values for civil liability insurance can be reviewed, based on the hazards that can result in fatalities and injuries, as well as property losses, for third parties. This paper presents the results of a study which involved the evaluation of the company s civil liability. The key driver was to consider a more accurate value for the company insurance policy, considering the different losses that major accident can lead on for a community and industries located nearby a petrochemical plant. The results of the analysis are presented as F-Cost curves and we describe the risk-based decision making process and criteria adopted by the company to set the maximum loss value to be insured for civil liability. In conclusion, this paper presents results from a real life example of the application of the quantitative evaluation of business risks, illustrating that a financial or business risk approach can

2 help management in day-to-day decisions when considering possible effects of major chemical process accidents. 1. INTRODUÇÃO E HISTÓRICO As últimas três décadas foram marcadas por um grande desenvolvimento das empresas no gerenciamento dos seus riscos de processo, impulsionado pelos grandes acidentes industriais ocorridos neste período, incluindo Flixborough (1974), Bhopal (1984), Piper-Alpha (1988) e, mais recentemente, Enschede (2000), Toulouse (2001), Fluxys (2004) e Texas City (2005). Todos estes, e muitos outros, resultaram em um grande número de fatalidades. Os três exemplos mais recentes resultaram em um total de mais de 60 fatalidades e 3000 feridos. Estes acidentes incentivaram a criação de normas tais como Diretivas de Seveso na Europa e as normas de Gerenciamento de Riscos americanas da EPA (Fewtrell and Hirst, 1998). A legislação tem geralmente focado na redução dos riscos envolvendo fatalidades e ferimentos. Entretanto, neste mesmo período ocorreram vários acidentes que causaram grandes perdas financeiras, apesar de resultarem em poucas fatalidades, ou até nenhuma fatalidade e ferimentos, mas grandes custos ao negócio. Várias empresas tem sofrido perdas financeiras significativas e até mesmo países tem tido sua economia afetada em função de acidentes envolvendo poucas perdas humanas e algumas vezes nenhuma fatalidade. A liberação de dioxina na cidade de Seveso, na Itália, em 9 de Julho de 1976 não ocasionou nenhuma fatalidade direta. Entretanto, este acidente ocasionou a evasão e necessidade de descontaminação de uma vasta área do norte de Milão. Apesar de nenhuma fatalidades imediata ter sido reportada, uma grande quantidade de substância, que pode ser letal, se dispersou em uma vasta região, resultando na contaminação imediata de vasta área de terra e vegetação. Mais de 600 pessoas stiveram de deixar suas casas e mais de 2000 pessoas tiveram que ser tratadas em função da exposição à substância venenosa. Isto foi um fator motivante para mudanças na legislação européia, daí em diante denominada de diretivas de Seveso, que foi amplamente adotada em toda a comunidade européia. A partir de 3 de Fevereiro de 1999, as diretrizes de Seveso II tornaram-se mandatórias para a industria européia. Logo, apesar de não ter ocasionado fatalidades, o acidente de Seveso implicou em um custo muito alto tanto operacional como ambiental Em 1998, um acidente em uma planta de processo da Esso, envolvendo gás liquefeito de petróleo, na Austrália, causou uma enorme explosão matando dois trabalhadores e ferindo 6 pessoas. Apesar do número de fatalidades ter sido menor, se comparado com outros acidentes ocorridos, a estaca ode suprimento de gás do estado de Vitória foi severamente afetada, por um período de vários meses após o acidente. A maior parte do suprimento de gás do estado foi afetada, causando interrupção do fornecimento por mais de 2 meses, e causando um custo estimado de cerca de $1.3 bilhões para a indústria responsável pelo acidente.

3 Este evento fez impactou o gerenciamento de riscos das empresas, que passaram a se preocupar não somente com segurança e cumprimento da legislação, mas também com aspectos relativos apenas aos custos financeiros. Em geral, segurança implica em longevidade e saúde do negócio, como exemplificado acima, e os conceitos de risco são uma forma de representar isto para a liderança. Uma extensão da metodologia de Análise Quantitativa de Riscos tradicional (AQR) passou a ser utilizada para estimar as conseqüências financeiras dos acidentes e a exposição financeira associada aos mesmos. Atualmente, a competitividade dos negócios está diretamente ligada ao desempenho financeiro, através da redução da exposição aos custos ou redução do risco de interrupção da produção em decorrência de acidentes de processo. Algumas questões típicas a serem respondidas são: 1. Quais serão os custos se houver um acidente? 2. Qual é a máxima perda que é possível em função de um acidente? 3. Como minimizar a freqüência de acidentes com perda de produção? 4. A que riscos estamos expostos do ponto de vista financeiro? 5. Como realizar uma análise custo-benefício em meu negócio? A troca do Q do termo AQR que representa apenas fatalidades, por efeitos para o meio ambiente, perda de tempo e dinheiro é a chave para uma gestão de riscos mais ampla. Pela quantificação dos impactos para as pessoas, operações e recursos, analistas são capazes de estimar os custos prováveis de um acidente em termos de perda de tempo, danos aos ativos, danos às pessoas, perda da vida, custos de reparação ambiental, custos legais, seguros, etc. Baseada em metodologias e modelos utilizados ao longo de vários anos em AQR s e Análises de Perigos e construídos em softwares (Worthington and Witlox, 2002 and Cavanagh, 2001), uma extensão da análise clássica de AQR para o cálculo do risco financeiro e suas conseqüências foi então desenvolvida. Este artigo descreve a metodologia utilizada para estender a Análise Quantitativa de Riscos tradicional, considerando outros impactos como a perda de produção, impactos ambientais, interrupção do negócio, etc. 2. O CONCEITO DO RISCO FINANCEIRO A técnica de AQR tem sido amplamente utilizada QRA por muitos anos com o objetivo de gerenciar os riscos operacionais em plantas de processo. O foco tem sido usualmente o atendimento a legislação e a abordagem depende da legislação vigente (a exemplo do Purple Book na Holanda) ou baseada na conseqüência (a exemplo do RMP nos USA). Desta forma ambos podem ser estendidos para a gestão dos riscos financeiros, associados com uma planta industrial ou os custos de um único evento (conseqüência financeira). Uma AQR clássica aplica a técnica de quantificação dos riscos associados com as atividades de produção e processamento de produtos químicos e petroquímicos. No sentido de quantificar os riscos, é necessário primeiramente identificar todas as possíveis situações de risco, quantificando-as em termos de conseqüências e freqüências de ocorrência e comparando com critérios de aceitabilidade de riscos internacionais.

4 Resultados típicos de um estudo de AQR são as curvas de iso-risco, a estimativa os riscos individuais e as curvas FxN que representam o risco social. O risco para a vida é somente um dos riscos inerentes a operação de uma planta industrial, em função da ocorrência de acidentes de processo. Outros riscos incluídos envolvem o meio ambiente, risco aos ativos e equipamentos e o impacto no desempenho financeiro. Deste modo, is, todos estes riscos tem um custo associado, o qual pode ser calculado e integrado da mesma forma que o risco de fatalidades, gerando parâmetros de custos que poderão ser avaliados para cada categoria. O trabalho e os dados necessários para um estudo de risco financeiro podem ser resumidos na figura 1. Figura 1 Metodologia de Análise de Riscos estendida ao cálculo do risco financeiro. Contribuições típicas em casos de perdas financeiras envolvendo acidentes incluem: Impactos em pessoas representados por fatalidades e ferimentos; Danos à propriedade incluindo perda de capital devido a reparo ou substituição de ativos e equipamentos; Interrupção do negócio incluindo perda de produção; Custos envolvendo perdas de inventários de produtos; Danos ambientais incluindo custos com limpeza, impactos no ecossistema (perdas de vida animal e vegetal); Outros impactos financeiros representados por custos legais, multas, perda de reputação e imagem, compensações financeiras, etc. Resultados típicos de análises de riscos financeiros podem incluir a conseqüência de um único acidente ou o custo total, ou ambos os casos. Estes últimos são utilizados em áreas de uma planta, onde um único acidente pode representar um risco de perda muito alto e consequentemente inaceitável. Estendendo para o risco, medidas como a Perda

5 Média Anual Estimada e a Perda Máxima Estimada podem ser calculadas. As curvas F- Custo são também apresentadas, analogamente às Curvas FxN para o risco social médio de uma AQR tradicional, assim como outros resultados numéricos e gráficos (Cavanagh and Linn, 2006). Chippindall and Butts (2004) adotaram uma abordagem similar aos autores, usando o programa Phast como um software de cálculo de conseqüências, e desenvolvendo os cálculos dos custos e riscos sumarizados em um número planilhas de modelos. A vantagem do uso do programa Safeti Financial e do modelo presente no mesmo, é que ele analisa equipamentos, fontes de liberação, população, fontes de ignição, entre outras informações como entrada de dados, diretamente em um mapa também existente no Safeti GIS, permitindo múltiplas combinações para gerar os resultados. Alguns dos elementos do modelo utilizado neste artigo são: 1. Um modelo geográfico da instalação e vizinhanças, incluindo ignição, população, etc 2. Um completo conjunto dos principais cenários de acidentes identificados na instalação; 3. Um grupo de condições meteorológicas representativas da região e suas probabilidades; 4. Estimativas de freqüências de acidentes; 5. A modelagem de um grupo de conseqüências potenciais para cada cenário analisado; 6. Análise dos impactos de cada evento iniciador de acidente na planta, ativos vizinhos e população. O cálculo e análise dos riscos financeiros associados com estes impactos são reportados em termos de curvas F-Custo, taxas de perdas totais, Perda Média Anual Estimada, e Perda Máxima Estimada (exemplo em Evans and Thakorlal, 2004). Aplicação típica de análises de riscos finaceiros incluem: 1. Ajuda no processo de tomada de decisão com recomedações para a redução dos riscos suportadas por uma análise técnica de custo benefício; 2. Redução da exposição ao risco financeiro, através da análise dos benefícios relativos às diferentes estratégias de mitigação dos riscos; 3. Comparação da exposição ao risco financeiro para um intervalo de condições de processo; 4. Risco financeiro avaliados em função do tempo; 5. Análise direta dos riscos financeiros dos principais perigos de plantas de processo. Detalhes da metodologia adotada neste artigo são apresentadas na seção seguinte, através da utilização do programa Safeti Business da DNV.

6 3. METODOLOGIA E MODELO 3.1 O Cálculo do Risco Financeiro O risco finaceiro total é o somatório do risco devido aos impactos em pessoas (fatalidades e ferimentos), impactos aos ativos e outras análises em termos de danos e custos de reposição, interrupção do negócio e do processo produtivo, impacto ambiental, além de custos legais, multas, etc. A metodologia utilizada neste modelo considera o risco financeiro em termos de análises a seguir: População; Equipamentos; Análises (instalações, infraestrutura, etc; Custos definidos pelo usuário. Para casos com custos relativamente baixos, CUSTOT é assumido como um simples somatório. Para grandes custos, o valor é expresso pela relação a seguir: CUSTO Total =max (CUSTO T, 0.5 CUSTO T 1.05 ) 3.2 Nível de Dano e Conceito de Fator de Vulnerabilidade O método mais simples para avaliar o impacto de cada conseqüência em um receptor é definir um valor limitante para cada. Acima do mesmo, o receptor sofre dano de 100% e abaixo, não sofre dano algum. Este conceito será familiar aos usuários do SAFETI, no qual tipicamente são utilizados dois valores limitantes para cada resultado. Para explosões, jatos de fogo e poças de fogo, um nível de dano superior e um inferior são definidos, com um fator de vulnerabilidade entre zero e um associado a cada nível. Para flash de fogo, uma fração de LFL é definida, abaixo da qual não ocorre dano e acima da qual ocorre dano máximo, como definido pelo fator de vulnerabilidade apropriado. Para vazamentos tóxicos, um nível de concentração é designado, abaixo do qual não ocorre dano, e acima do qual ocorre dano máximo, mais uma vez baseado no relevante fator de vulnerabilidade. Dano tóxico é destinado primeiramente para uso com ativos, no qual o dano resultará em algum tipo de poluição, a qual possui um custo de limpeza ambiental associada a si. Uma aproximação similar é feita para os efeitos em populações, e já encontra-se devidamente documentada no modelo Safeti (Worthington and Witlox, 2002). A partir do tamanho e da localização da zona efetiva, determinadas pelos modelos de conseqüências disponíveis no Phast, o nível de dano acima descrito, o fator de vulnerabilidade associado e a razão entre as zonas ativas e efetivas, o nível de dano pode ser calculado e convertido a um custo total para cada categoria de custo. Na figura 2, as partes hachuradas dentro e

7 fora das linhas em negritos representam tipicamente os limites inferior e superior de nível de danos, respectivamente para um cenário simples vazamento e clima na região. São também mostrados a população típica, as zonas ativas e um simples item do equipamento. Qualquer receptor com valor fora do limite inferior da linha em negrito não sofrerá dano. Qualquer receptor entre a linha e fora da área hachurada sofrerá dano dentro de um limite indicado pelo fator de vulnerabilidade para o limite inferior. Qualquer receptor dentro da área hachurada será danificado em determinado grau, indicado pelo fator de vulnerabilidade mostrado para o limite superior Figura 2 Exemplo de Limites de Vulnerabilidade Então, por exemplo, na figura 2, se os fatores de vulnerabilidade superior e inferior são 1.0 e 0.5 respectivamente, então a seção da área ativa A fora da linha azul em negrito não será afetada, 50% da área ativa A entre as linhas azul e verde será afetada e 100% da área ativa A dentro da linha verde será afetada. Similarmente, o simples equipamento ilustrado, será 100% afetado, desde que o mesmo esteja dentro da zona da área verde. O mesmo ocorrerá para a população da área hachurada dentro da linha verde. Fontes ou casos de falhas resultam em vazamentos perigosos os quais resultam em danos a outros. Entretanto, cada vazamento terá um custo associado a si, o qual pode gerar outros impactos ou não. Um item de um equipamento em termos de risco financeiro é essencialmente o mesmo que uma fonte, atuando meramente como um receptor ponto para a zona de risco gerada pela fonte. Desse ponto de vista, uma fonte original e um item de um equipamento requerem o mesmo dado financeiro. Um ativo é um tipo de receptor genérico, o qual resultará em um custo se for impactado por uma zona de perigo com um nível de dano grande o suficiente. Uma zona ativa é tratada da mesma forma que um item de equipamento em termos de risco financeiro, mas sem contribuições de custos ambientais. Exemplos típicos de ativos pode ser um prédio dentro do site, como salas de controle e escritórios, prédios fora do site, incluindo a infra-estrutura, como por exemplo, casas, prédios comerciais, fábricas, etc. Informações populacionais podem ser adicionadas por meio do GIS, da mesma forma que no modelo SAFETI, assim como a informação de fonte de ignição. Entretanto, para

8 os cálculos de risco financeiro baseados em população, os seguintes parâmetros adicionais são necessários: Custo de apenas uma fatalidade ou de uma lesão apenas Relação entre fatalidade e lesões (Número de lesões por fatalidade) Custo de uma simples fatalidade entre muitas fatalidades O estudo descrito abaixo foi utilizado para avaliar os riscos financeiros com danos à comunidade e indústrias localizados próximos à planta petroquímica, considerando custo de interrupção dos negócios e danos às fontes, equipamentos e áreas ativas, além do custo das fatalidades (considerando um valor médio por vida). 4. ESTUDO DE CASO Um estudo de caso utilizando a metodologia de análise de risco financeiro foi desenvolvido, baseado na necessidade de uma empresa petrquímica brasilieira em avaliar os possíveis danos que poderiam ser gerados a suas instalações e as possíveis perdas em suas financeiras em virtude da ocorrência de acidentes em seu processo. Inicialmente, para desenvolvimento do estudo foi realizada uma Análise Quantitativa de Riscos, que incluiu desde etapas de identificação de perigos até quantificação de freqüência e conseqüências e o cálculo de risco. Foi utilizado o software Safeti Financial, que permite o desenvolvimento de estudos de análise de risco financeiro, partindo de algumas considerações sobre os danos que se deseja calcular: Valores de residências, baseado no custo médio de casas da região do entorno da instalação; Valores de ativos industriais, baseado em dados publicados e de domínio público das empresas que possam ser atingindas pelos efeitos dos acidentes; Custo de perda de produção, baseado em dados publicados e domínio público referente à produção anual de cada empresa atingida e também da empresa fonte dos acidentes, considerando o tempo que a produção seria interrompida devido aos danos provocados pelo acidente; Número de pessoas expostas, em áreas residenciais e industriais, durante o dia e a noite, baseado em levantamento por fotografias aéreas e informações disponibilizadas pela empresas nas regiões vizinhas. Aproximadamente 30 eventos iniciadores foram avaliados, estimando-se a sua freqüência de ocorrência e as consequências em termos de perdas financeiras. O Safeti Financial calculou a frequência de cada um dos diferentes cenários acidentais a partir destes 30 eventos, considerando as probabilidades associadas para as condições ambientais (direção e velocidade do vento), probabilidades de ignição imediata e retardada, assim cmo as árvores de evento que indicam os possíveis efeitos (incêndio em nuvem, jato de fogo, incêndio em poça, explosão). Esta metodologia está descrita em

9 detalhes no manual de usuário do (Worthington and Witlox, 2002). Os resultados obtidos, sob a forma da curva F-Custo estão representados na Figura Figure 3 Curva F-Custo 1 Perda Total 2 Reparos e Danos Estruturais 3 Custo de fatalidades 4 Perda de Produção A partir da curva indicada na Figura 3, é possível identificar que a perda avaliada pode ocorrer para frequências entre 0,003 e 10-6/ano (ou uma vez a cada 1 milhão de anos). As quatro curvas representadas indicam os difrentes tipos de perda: ativos, produção, pessoais e perda total. Pelo resultado acima, a empresa pode avaliar o nível de risco que considera como aceitável, baseado no seu apetite ao risco. Por exemplo, para uma freqüência acumulada de 10-5/ano, a perda total chega a USD 200 milhões. Neste valor, 90% estão relacionados a danos estruturais e custos com reparos, 7% com custo com fatalidades e os restantes 3% com perda de produção. Observa-se também que 50% das perdas calculadas referem-se a acidentes com origem na área de estocagem da empresa, ficando os restantes 50% dividos entre as 4 plantas de operação, conforme indicado na Figura 4. Esta informação é de relevante importância para que possam ser priorizadas as ações de redução de risco, com foco inicial naqueles cenários que representam maior risco e possibilidades de perda. Com os resultados obtidos neste trabalho, esta empresa do ramo petroquímico pode realizar análises custo-benefício que identifiquem a real redução de perdas esperadas com base em investimentos que possam ser feitos nas suas instalações, ajudando na priorização destes recursos. Questões relacionadas com seguros, como valores de danos máximos ou danos a terceiros, também podem ser revisitados, utilizando-se os resultados deste estudo.

10 Planta A 21% Estocagem 52% Planta B 10% Planta D 12% Planta C 5% Figura 4 Distribuição do Risco 5. CONCLUSÕES We have extended the classical approach to QRA to enable the calculation of broader financial or business risks and built this extended methodology into the Safeti QRA model. We have then used this model to assess the financial risk exposure for third part from a petrochemical plant based on accident scenarios resulting in damage or destruction of equipment and other assets. The Safeti Financial FRA model has been used to make recommendations on appropriate levels of insurance. We have also used the model to identify the main contributors to these broader business risks in order to propose measures to reduce our client s exposure to possible financial losses. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Cavanagh, N.J., Calculating Risks, Hydrocarbon Engineering, Volume 6, Number 6, Palladian Publications, London, June Cavanagh, N.J. and Linn, J., April 2006, Process Business Risk - A methodology for assessing and mitigating the financial impact of process plant accidents, AIChE Global Safety Symposium, Annual Conference of Centre for Chemical Process Safety, Orlando, Florida, pp Chippindal, L. and Butts, D., June 2004, Managing the Financial Risks of Major Accidents, Annual Conference of Centre for Chemical Process Safety, Emergency Planning: Preparedness, Prevention and Response, Orlando, Florida, pp Elkington, J., Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development., California Management Review 36, no. 2: , Evans, J. and Thakorlal, G., Total Loss Prevention Developing Identification and Assessment Methods for Business Risks, 11th International Loss Prevention Symposium, Prague, Fewtrell, P. and Hirst, I.L., A review of high cost chemical/petrochemical accidents since Flixborough 1974, IChemE Loss Prevention Bulletin, No. 140, April Risk Based Inspection, Base Resource Document, API Publication 581, Second Edition, October Topalis, P. and Cavanagh, N.J., "Optimising Inspection Regimes." Hydrocarbon Engineering, Volume 6, No.10. October Wiggins J H, Risk Analysis in Public Policy, Proceedings of Victoria Division, Engineers Australia, Risk Engineering Symposium 1984: Engineering to avoid Business Interruption, Worthington, D.R.E. and Witlox, H., 2002, SAFETI Risk Modelling Documentation Impact of Toxic and Flammable Effects, DNV Software Risk Management Solutions, October 2002.

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis Preparado

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

Metodologias de Análise de Riscos

Metodologias de Análise de Riscos Metodologias de Análise de Riscos #1 Metodologia aplicada: Identificação de perigos» Caracterização de Fontes de risco internas» Caracterização de Fontes de risco externas» Análise da perigosidade das

Leia mais

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER José Luiz de França Freire DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Alberto

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO Joelma Gonçalves Damasceno Mota PETROBRAS, Refinaria Duque de Caxias REDUC. Av Washington Luiz, 114. Campos Elíseos. Duque de

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCOS EM PORTOS E TERMINAIS MARÍTIMOS

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCOS EM PORTOS E TERMINAIS MARÍTIMOS APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCOS EM PORTOS E TERMINAIS MARÍTIMOS Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy Solutions Certified Functional Safety Engineer

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Tipos e

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA DE RISCO DE UMA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO

ANÁLISE QUANTITATIVA DE RISCO DE UMA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO ANÁLISE QUANTITATIVA DE RISCO DE UMA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO First Author Heitor de Oliveira Duarte UFPE, Av. Acadêmico Helio Ramos, s/n, Cidade Universitária, Recife-PE,

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse;

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse; CAPÍTULO 10 ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO O Estudo de Análise de Riscos (EAR) foi desenvolvido pela empresa RCA Rabaneda Consultoria Ambiental, subcontratada da CPEA e contempla as futuras instalações do

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE RISCOS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES. Vanderley de Vasconcelos(*), Murillo Senne Jr.(*), Elizabete Jordão(**)

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE RISCOS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES. Vanderley de Vasconcelos(*), Murillo Senne Jr.(*), Elizabete Jordão(**) METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE RISCOS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Vanderley de Vasconcelos(*), Murillo Senne Jr.(*), Elizabete Jordão(**) (*) Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN/CNEN Caixa

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

ESTIMATIVA DO RISCO INDIVIDUAL E SOCIAL PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PELO MODAL RODOVIÁRIO UTILIZANDO UM MODELO SIMPLIFICADO

ESTIMATIVA DO RISCO INDIVIDUAL E SOCIAL PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PELO MODAL RODOVIÁRIO UTILIZANDO UM MODELO SIMPLIFICADO ESTIMATIVA DO RISCO INDIVIDUAL E SOCIAL PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PELO MODAL RODOVIÁRIO UTILIZANDO UM MODELO SIMPLIFICADO Moacyr Machado Cardoso Junior (ITA) moacyr@ita.br Rodrigo Arnaldo

Leia mais

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos Ricardo Paulo dos Santos Engenharia de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente ECOSORB AGENDA Por quê Gerenciar Riscos? Gerenciamento de Risco: Uma visão integrada;

Leia mais

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Campos extraídos diretamente Título Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Huang, Chin-Yu and Lin, Chu-Ti Ano de publicação 2006 Fonte de publicação

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA Revista Brasileira de Energia, Vol. 17, N o. 1, 1 o Sem. 2011, pp. 73-81 73 POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA André Luiz Zanette 1 RESUMO

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

A Inspeção Baseada em Risco como uma Ferramenta no Gerenciamento dos Riscos de Processo

A Inspeção Baseada em Risco como uma Ferramenta no Gerenciamento dos Riscos de Processo A Inspeção Baseada em Risco como uma Ferramenta no Gerenciamento dos Riscos de Processo Autor: Davi Roberto Ohlweiler davi.ohlweiler@braskem.com.br Fone: 51 3457 6470 Resumo: O gerenciamento de riscos

Leia mais

Detalhes disponíveis até agora

Detalhes disponíveis até agora Explosão na BP AMOCO em março 2005 15 MORTOS 100 FERIDOS 30 PÚBLICO FERIDOS 8 EM CONDIÇÕES CRÍTICAS Detalhes disponíveis até agora Localizada em Texas City, cerca de 56 km sudoeste de Houston. A refinaria

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DO PRODUTO CA Clarity PPM agility made possible O CA Clarity Project & Portfolio Management (CA Clarity PPM) o ajuda a inovar com agilidade, a transformar seu portfólio com confiança e a manter os

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002)

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) NIMF Nº 16 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) Produzido pela Secretaria da Convenção Internacional para

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO. Pág. 1 de 107

ANÁLISE DE RISCO. Pág. 1 de 107 Pág. 1 de 107 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...4 1.2 RESULTADOS E CONCLUSÕES...6 Risco Individual...6 Risco Social...7 1.3 RESULTADOS E CONCLUSÕES COM AS MEDIDAS MITIGADORAS...8 1.3 INTRODUÇÃO...10

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Faustina Beatriz Natacci* e Francisco Corrêa**

Faustina Beatriz Natacci* e Francisco Corrêa** SEQÜÊNCIAS ACIDENTAIS ENVOLVENDO A CONTENÇÃO DA INSTALAÇÃO NUCLEAR A ÁGUA PRESSURIZADA (INAP) Faustina Beatriz Natacci* e Francisco Corrêa** *Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo - CTMSP Caixa Postal

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

INVESTIMENTOS HOTELEIROS EM CABO VERDE: O CASO DO RIU HOTELS & RESORTS

INVESTIMENTOS HOTELEIROS EM CABO VERDE: O CASO DO RIU HOTELS & RESORTS INVESTIMENTOS HOTELEIROS EM CABO VERDE: O CASO DO RIU HOTELS & RESORTS Minarvino Filomeno Silva Furtado Caso de Estudo Mestrado em Finanças Orientadora: Prof. Doutora Clara Raposo, Prof. Associada, ISCTE

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

T16 Maturidade em segurança Cultura, conformidade e capital

T16 Maturidade em segurança Cultura, conformidade e capital T16 Maturidade em segurança Cultura, conformidade e capital Renato Mota Gerente de Produtos Safety, Sensores e Controles Industriais Functional Safety Engineer (TÜV Rheiland, #5658/12 Machinery) Rev 5058-CO900C

Leia mais

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES Autor: Elisio Carvalho Silva Data: 30/03/2012 INTRODUÇÃO O perigo está relacionado a qualquer atividade que fazemos. Enquanto ele

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural

Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural Adriano Nonato Cruz de Souza (UFBA) adriano@ambseg.com.br Enrique Lopez Droguett (UFPE) ealopez@ufpe.br Resumo Técnicas

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Imagens CBERS HRC como subsídio para atualização de classe de locação de gasodutos de transmissão. Alexandro Gularte Schafer 1

Imagens CBERS HRC como subsídio para atualização de classe de locação de gasodutos de transmissão. Alexandro Gularte Schafer 1 Imagens CBERS HRC como subsídio para atualização de classe de locação de gasodutos de transmissão Alexandro Gularte Schafer 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Caixa Postal 476 88040-900

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Análise de Riscos Requisitos da Segurança da Informação

Análise de Riscos Requisitos da Segurança da Informação Segurança de Redes Análise de Riscos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Confidencialidade Integridade Disponibilidade Autorização Autenticação Irrevogabilidade Legalidade Requisitos da Segurança

Leia mais

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Eng. Nelson Agostinho Burille - Presidente Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho 3 o Seminário Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Módulo 1: Conceitos Fundamentais, Formas de Expressão e Critérios de Aceitabilidade de Riscos

Módulo 1: Conceitos Fundamentais, Formas de Expressão e Critérios de Aceitabilidade de Riscos APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 1: Conceitos Fundamentais, Formas de Expressão e

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS COM A ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP) E LÓGICA FUZZY

AVALIAÇÃO DE RISCOS INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS COM A ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP) E LÓGICA FUZZY AVALIAÇÃO DE RISCOS INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS COM A ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP) E LÓGICA FUZZY Paulo Victor Fleming, Ph.D. Depto de Engenharia Mecânica, Universidade Salvador (UNIFACS), Salvador,

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DANIEL ALVES PEREIRA JULIO CESAR JUSTINO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio

Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio Paulo Ayres CIA Gerente de Riscos e Auditoria Interna Grupo RBS Como estabelecer Valores e Grau de relevância

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis Resumo Marta Duarte Alves Engenheira Civil MSc Eng. Construção

Leia mais

VII Encontro Amazônico de Agrárias

VII Encontro Amazônico de Agrárias VII Encontro Amazônico de Agrárias Segurança Alimentar: Diretrizes para Amazônia CONCESSÃO DE CRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DO BANCO DA AMAZÔNIA RESUMO No Brasil, o setor bancário assume

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia

NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia MÁRCIO PANTOJA LOBATO 1, PEDRO VICTOR PONTES PINHEIRO 1, ROBERTO YURI DA SILVA FRANCO 1, ALESSANDRA NATASHA

Leia mais

Módulo 4: Avaliação de Freqüência

Módulo 4: Avaliação de Freqüência APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 4: Avaliação de Freqüência Preparado para: Ministério

Leia mais

Análise de Riscos de Segurança da Informação. Prof. Paulo Silva UCEFF

Análise de Riscos de Segurança da Informação. Prof. Paulo Silva UCEFF Análise de Riscos de Segurança da Informação Prof. Paulo Silva UCEFF Roteiro 1. Conceitos Fundamentas de Seg. Informação 2. Identificação e Avaliação de Ativos 3. Identificação e Avaliação de Ameaças 4.

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA

ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA Mariano Yoshitake Francisco Santos Ventura Ricardo Krayuska Araujo Fabrício Antão de Sousa Thais Vieira Damasceno RESUMO Este artigo foi realizado como parte das

Leia mais

Hospitais Seguros. na Região e no Mundo. Organización Panamericana de la Salud

Hospitais Seguros. na Região e no Mundo. Organización Panamericana de la Salud Hospitais Seguros na Região e no Mundo Desafios da redução do risco Virtualmente a sociedade inteira é vulnerável Diferente da maioria dos assuntos, a redução de risco não pode ser paga por uma profissão.

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos. Brasília, 29 de Abril de 2014

A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos. Brasília, 29 de Abril de 2014 A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos Brasília, 29 de Abril de 2014 Happy 50 th Birthday in 2014! IDC tem posição única na indústria de TI e Telecom da América Latina Provedores Canais 16,903 Menções

Leia mais

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Análise de Risco como Ferramenta para tomada de decisões Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr.

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental.

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. O SGA depende da auditoria para poder evoluir na perspectiva de melhoria contínua. Ao se implementar um

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Integração do processo de compra estratégica com as ferramentas de compra eletrônica

Integração do processo de compra estratégica com as ferramentas de compra eletrônica Lincoln Wolf de Almeida Neves Integração do processo de compra estratégica com as ferramentas de compra eletrônica Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana.

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana. 1. Introdução O mercado segurador vem ganhando importância no cenário econômico brasileiro, representando hoje, aproximadamente 3,5% do PIB 1, sendo que 1,6% refere-se ao segmento de pessoas, ou seja,

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 TÍTULO: A ANÁLISE DE RISCOS DE PROCESSOS E INSTALAÇÕES COMO ELEMENTO BÁSICO DO GERENCIAMENTO DE RISCOS INDUSTRIAIS Por Eng.º Eduardo de Mello Schmitt * 1

Leia mais