FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe"

Transcrição

1 Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Aracaju - Sergipe

2 Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Página: 2 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 Dezembro de 2012 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DENOMINAÇÃO DO CURSO Título Regime de Matrícula Total das Vagas Anuais Turnos de funcionamento: Endereço de funcionamento: Carga Horária Legislação e Normas que Regem o Curso COORDENADOR Coordenador do Curso: CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Histórico Missão e Visão da FANESE Missão Visão Finalidade Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO INSERÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Contexto de inserção do curso na região Contexto de inserção do curso na área específica da atuação profissional A FORMAÇÃO DO PERFIL E DAS HABILIDADES DO PROFISSIONAL Perfil do Egresso Habilidades e Competências no Mercado de Trabalho ADERÊNCIA COM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Mercado de Trabalho MATRIZ CURRICULAR Matriz Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Representação Gráfica do Perfil de Formação do Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Planejamento Semestral FORMAS DE INGRESSO NA INSTITUIÇÃO FLEXIBILIDADE CURRICULAR ATIVIDADES ACADÊMICAS ARTICULADAS COM A FORMAÇÃO PROFISSIONAL ATIVIDADES PRÁTICAS E SEMINÁRIOS INTEGRADOS PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES QUANTO ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Práticas Pedagógicas Inovadoras Integração, Teoria e Prática Modos de Integração: da Graduação com a Comunidade Local Interdisciplinaridade Projeto Integrador Atendimento ao Discente...48 a) Cursos de Nivelamento...49 b) Núcleo de Apoio Psicopedagógico (NAP) OUVIDORIA AUTOAVALIAÇÃO INSTALAÇÕES E LABORATÓRIOS ESPECÍFICOS Periódicos Específicos do Curso de Redes de Computadores Laboratórios Específicos COLEGIADO DE CURSO...53

3 Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Página: 3 de 57 em 6/11/yyyy às 19: Quadro Demonstrativo do Colegiado de Curso (primeiro ano) NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) Justificativa Definição Atribuições do Núcleo Docente Estruturante Constituição do Núcleo Docente Estruturante - NDE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DO CURSO AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM E DO CURSO...56

4 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 4 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 1 INTRODUÇÃO O Brasil vive hoje um momento de grande crescimento, fato este que tem movimentado a economia de forma favorável criando oportunidades de desenvolvimento em todas as áreas de mercado. Grandes eventos nacionais como: a Copa do Mundo e as Olimpíadas criam oportunidades ainda maiores no médio prazo, fazendo com que a demanda por postos de trabalho especializados continue aquecida em todos os estados do Brasil. A Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe - FANESE entende tais mudanças como uma nova oportunidade de vencer desafios, uma vez que, apesar de todo o desenvolvimento econômico vivenciado nos últimos tempos, as grandes disparidades sociais que ainda afligem grande parte do povo brasileiro, fazem com que a educação desempenhe um papel fundamental, através de ações afirmativas e inclusivas, as quais resgatam a cidadania dos sujeitos, por meio do acesso a novos conhecimentos e possibilidades. Nesse sentido, no atual contexto da realidade brasileira a educação se coloca como uma esfera extremamente necessária. Após criteriosa observação e análise do mercado de trabalho, em especial o mercado sergipano, a Direção Geral da FANESE e seus órgãos colegiados obedecendo ao disposto no artigo 53 da Lei nº , de 20 de dezembro de 1996, a qual estabelece que as Instituições de Educação Superior exercerão sua autonomia, no tocante a elaboração do projeto pedagógico dos cursos ofertados apresentam esse PPC, considerando as novas demandas da sociedade, explicitando no mesmo a proposta curricular do curso de superior de graduação tecnológica em Redes de Computadores, observando-se todas as questões pertinentes ao tema. 2 DENOMINAÇÃO DO CURSO Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores 2.1 Título Tecnólogo em Redes de Computadores 2.2 Regime de Matrícula Matrícula por: Crédito. Periodicidade Letiva: Semestral. 2.3 Total das Vagas Anuais Noturno: 150 vagas anuais

5 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 5 de 57 em 6/11/yyyy às 19: Turnos de funcionamento: Diurno e Noturno 2.5 Endereço de funcionamento: Rua Sargento Duque, 85, Bairro Industrial CEP: Aracaju-SE 2.6 Carga Horária Total do curso: Total do curso: 2000 horas Limite mínimo (semestres): Legislação e Normas que Regem o Curso A Portaria nº 10/2006 e o Parecer CNE/CES nº 239/2008 de 6/11/2008 que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia com base na Lei de Diretrizes e Bases nº 3 de 18 de Dezembro de 2002, nos atos legais dela derivados, nos Pareceres CNE/CES 445/2001 homologado em 05/04/2001 e CNE/CP 29/2002 homologado em 12/12/2002 e na Resolução CNE/CP 03/2002 de 18/12/ COORDENADOR 3.1 Coordenador do Curso: Nome: End.: Ricardo Machado Torres Dados Pessoais Rua D, 34, Residencial Porto Mar I, Bairro Aruana Cidade: Aracaju UF: SE CEP: Fone: (79) Fax: / Breve Curriculum Vitae: O coordenador do curso possui especialização em Redes de Computadores e MBA em Gerência de Projetos além de graduação em Administração de Empresas e formação técnica de nível médio em Eletrônica. Trabalhando com Tecnologia da Informação desde 1993, tendo conhecimento na área de infraestrutura de redes, software básico e segurança. Já tendo exercido atividades relacionadas à instalação e projeto de sistemas de cabeamento estruturado de redes, atuando também na supervisão de alguns destes projetos, além de Instalação e configuração de elementos ativos de rede (switches e roteadores). Experiência também na área de segurança de redes, já tendo participado efetivamente na configuração e projeto de soluções de servidores firewall e proxy, além de sistemas de IDS e ferramentas de análise de vulnerabilidade em redes.

6 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 6 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 Conhecimento em sistemas operacionais UNIX Tru64, Linux e Windows. Conhecimentos em administração de redes, configuração e implementação de soluções de servidores WEB, , FTP, DNS e gateways de comunicação SNA, além da instalação e configuração de sistemas de gerenciamento de rede através do uso de software livre, permitindo o monitoramento de níveis de SLA previamente acordados. Exerce atualmente o cargo de Gerente de Projetos na Empresa sergipana de Tecnologia da Informação - EMGETIS, desenvolvendo atividades na área de infraestrutura e gerenciamento de redes atuando também como professor e coordenador da Faculdade de Negócios de Sergipe, desde julho de 2005, nas disciplinas de Redes de Computadores e Introdução à Computação. Professor da disciplina de Redes de Computadores, Laboratório de redes e Gerência de Redes no curso de Pós-Graduação em redes de computadores. Também é professor da pós-graduação do Centro Universitário CESMAC (Alagoas) ministrando, quando convidado, a disciplina de Gerência de Redes no curso de Pós-Graduação em redes de computadores. Exerceu a função de professor universitário na Universidade Federal de Sergipe durante o período de abril de 2005 a abril de 2006, onde atuou como professor substituto do departamento de informática e estatística, ministrando as disciplinas de Redes de Computadores, Microcomputadores, Introdução à Ciência da Computação. Ocupou o cargo de Analista de Suporte de TI, na empresa Siemens, de abril de 2007 a maio de 2008, desenvolvendo atividades na área de infraestrutura de redes participando ativamente de atividades de instalação e configuração de ativos de rede, elaboração de pareceres e projetos e de TI. Atuou como consultor do BID/PNUD no período de junho de 2004 a março de 2006, onde atuou juntamente com a equipe da Gerencia de Tecnologia, desenvolvendo atividades de elaboração de projetos e especificação de equipamentos, implementando soluções de gerenciamento de redes, acompanhamento de projetos, e configuração de equipamentos de rede. Durante o período de setembro de 2000 a julho de 2004, passa a atuar no gerenciamento e implementação dos serviços voltados para a Internet na PRODADE, Empresa de Processamento de dados do Governo do Estado de Sergipe, onde trabalha desde 1993, realizando a administração de servidores web e , instalação e configuração de firewalls, IDS, software de gerência, avaliação e especificação de equipamentos. Neste período coordenou o grupo de segurança interna, que tinha a função de avaliar as necessidades de segurança física e lógica da empresa e propor soluções de melhoria. Ainda durante este período trabalhou no projeto de gerenciamento de rede através do uso de software livre utilizando ferramentas de código aberto, trabalho este que foi selecionado para fazer parte da grade temária e apresentado durante o Seminário Nacional de Informática Pública, SECOP, em No período de outubro de 2002 a janeiro de 2003 assume a gerência da Divisão de Planejamento e Pesquisa, e passa a desenvolver trabalhos de pesquisa em novas tecnologias de infraestrutura. Em Janeiro de 2003 passa a responder pela Divisão de Suporte, onde realizava o acompanhamento dos serviços de infraestrutura de redes e serviços de telecomunicações e informática. Atuou diretamente na elaboração do projeto da Rede Governo Sergipe. 4 CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 4.1 Histórico

7 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 7 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 A FANESE foi instituída no ano de 1998, em Aracaju, com autorização do Ministério da Educação (MEC) para funcionar pela Portaria nº 2.246, de 19 de dezembro de 1997, do Ministério da Educação e do Desporto. O primeiro curso de graduação ofertado foi Administração, em 1998, sendo incorporados posteriormente os cursos de Engenharia de Produção (2000), Ciências Contábeis (2001), Direito (2007), além dos Cursos Superiores de Tecnologia de Processos Gerenciais, Gestão da Tecnologia da Informação, Sistemas Para Internet, Gestão em Recursos Humanos e Logística, a partir de A instituição atua também com cursos de pós-graduação, entendendo que desta forma é contribuir, através do ensino, da pesquisa e da extensão, para o desenvolvimento do Estado de Sergipe e do país, mantendo atualmente, segundo o quadro abaixo, os seguintes cursos: Quadro n. 1 Cursos Ofertados na Graduação Nome do curso Bacharelado em Administração Bacharelado em Ciências Contábeis Bacharelado em Engenharia de Produção Bacharelado em Direito Tecnólogo em Processos Gerenciais Tecnólogo em Marketing Tecnólogo em Sistemas para Internet Tecnólogo em Logística Tecnólogo em Recursos Humanos Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação Autorização Portaria n 2.246, de 19 de dezembro de 1997 Portaria nº 276, de 3 de março de 2000 Portaria nº 1.722, de 3 de dezembro de 1999 Portaria nº. 300, de 05 de abril de 2007 Portaria nº 1.524, de 05 de maio de 2005 Portaria nº 1.523, de 05 de maio de 2005 Portaria nº 669, de 02 de março de 2005 Portaria nº 575 de 29 de novembro de 2007 Portaria nº 575 de 29 de novembro de 2007 Portaria nº de 14 de setembro de 2005 Portaria Reconhecimento/Renovação de Reconhecimento Portaria nº 473 de 22 de novembro de Portaria nº 402 de 29 de setembro de Portaria nº 286 de 21 de dezembro de Portaria nº 445 de 01 de novembro de Portaria nº 63 de 02 de janeiro de 2007 Portaria nº 64 de 02 de janeiro de 2007 Portaria nº 492 de 06 de novembro de 2008 Portaria nº 471 de 22 de novembro de 2011 Portaria nº 469 de 22 de novembro de 2011 Portaria nº 493 de 06 de novembro de Missão e Visão da FANESE Missão Promover ações efetivas de educação superior, sobretudo na área de negócio, de modo a estimular a formação de profissionais com visão empreendedora, em sintonia o mundo globalizado Visão 4.3 Finalidade Ser um Centro Educacional de Referencia, principalmente, na área de negócios. Transmitir conhecimentos, em especial sob a forma de desenvolvimento de competências e habilidades profissionais. Atenta às frequentes mudanças pelas quais vem passando o mundo do trabalho contemporâneo, a IES oferecerá cursos superiores em bacharelado e de tecnologia de qualidade, em consonância com as reais necessidades do mercado e as pretensões do seu público-alvo. É compromisso

8 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 8 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 da FANESE, dinamizar as suas condições de ensino, em função das diretrizes curriculares préestabelecidas pelo MEC, assim como desenvolver os mecanismos institucionais articulando-os com os demais setores organizados da sociedade civil, em especial aqueles cuja atividade tenha referência com as áreas profissionais dos cursos superiores ofertados pela Faculdade. 4.4 Objetivos Objetivo Geral Desenvolver suas atividades em um modelo de gestão co-participativa, pautado pelos princípios da prevalência das atividades-fim sobre as atividades-meio; da eficiência e eficácia dos processos; da correta aplicação dos recursos e utilização de seu patrimônio; da coordenação sistematizada e articulada; da responsabilidade e competência funcional; do espírito de solidariedade e cooperação, privilegiando o desenvolvimento de competências profissionais de áreas em que possa contribuir para suprir as necessidades do mercado local, regional e nacional Objetivos Específicos Ser um centro de referências no âmbito regional e nacional; Ofertar serviços na instância de ensino de graduação, extensão e pós-graduação em sintonia com a demanda do mercado; Elevar a qualidade das atividades gerenciais; Desenvolver competências e habilidades do corpo discente, tornando-o apto a exercer a profissão; Contribuir, através do exercício da Responsabilidade Social, preservação do meio ambiente para a melhoria da qualidade de vida do cidadão brasileiro; Propiciar a autorrealização da comunidade interna (dirigentes, docentes, técnicoadministrativos e discentes).

9 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 9 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 5 CONCEPÇÃO E PERFIL DO CURSO 5.1. Concepção do Curso O Projeto Pedagógico Curso de Tecnologia em Redes de Computadores foi construído a partir de trabalhos conjuntos com o Núcleo Docente Estruturante NDE, buscando a elaboração de uma matriz curricular em conformidade com a Resolução CNE/CP nº 3, de 18/12/02, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia; a Portaria MEC nº 10, de 28/07/06, que aprovou o Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia; as demais legislações vigentes, inclusive àquelas emanadas da Sociedade Brasileira de Computação - SBC No atual cenário globalizado e tecnológico, a participação brasileira e regional depende da capacitação que as pessoas inseridas neste contexto apresentarem. A forma de perceber, criar, produzir, inovar, gerenciar e adaptar insumos, produtos e serviços, fará toda a diferença competitiva neste mercado. É importante perceber que este progresso tecnológico provoca mudanças na gestão das empresas, que passam a buscar uma força de trabalho com maior preparação acadêmica e intelectual. Em sintonia com este cenário e aliado ao crescimento do estado de Sergipe e do país, está ocorrendo nas empresas uma procura por uma mão de obra operacional mais qualificada. Segundo as empresas, este tipo de profissional deve apresentar perfil técnico, mas também precisa aprender e dominar técnicas gerenciais e empreendedoras, para realizar tarefas e liderar grupos dentro do ambiente coorporativo. Outro aspecto, que é levado em consideração, é a busca de profissionais que consigam relacionar conceitos mais profundos para entender os novos processos tecnológicos que estão aparecendo no mercado. A FANESE ciente de sua função na comunidade e da vocação tecnológica da região cria o curso superior de Tecnologia em Redes de Computadores para aliar as necessidades e anseios da comunidade empresarial com o desenvolvimento da região e do país, proporcionando ao acadêmico uma formação ética, técnica, criativa e humanística, que possibilite ao futuro profissional, ser um cidadão responsável, empreendedor e investigador, apto a desempenhar sua profissão interagindo em uma sociedade plena de transformações, em especial no que refere-se aos sistemas informáticos e às novas tecnologias associadas a estes processos. O curso superior de Tecnologia em Redes de Computadores da FANESE tem seu perfil baseado nas Diretrizes Curriculares Nacionais, no Projeto Pedagógico Institucional, no plano de Desenvolvimento Institucional da IES e neste Projeto Pedagógico de Curso. A educação profissional de nível tecnológico, onde estão locados os cursos superiores de tecnologia, vem experimentando um crescimento substancial no Brasil, este fato se justifica pela necessidade de mão de obra operacional qualificada a qual as empresas estão contratando para as expansões que estão ocorrendo em função do crescimento na atividade empresarial. Nos Estados Unidos, esta modalidade de

10 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 10 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 curso é amplamente utilizada como modalidade de treinamento de profissionais, sendo responsável por grande parte da mão de obra operacional daquele país. Dados do IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - demonstram que a retomada do crescimento, modernização da economia, pré-sal e os eventos da Copa do Mundo e Olimpíadas vão aumentar a oferta de vagas no mercado de trabalho, principalmente para profissionais qualificados nos próximos anos. Segundo o instituto, as previsões do mercado chegam a ser dramáticas: em plena era digital, o Brasil não dispõe de mão de obra qualificada para atender a demanda do setor de tecnologia de informação e comunicação. As estatísticas variam, mas a Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) estima entre 100 mil o número de vagas já em aberto no segmento de software e serviços em todo o país. Outras 200 mil seriam criadas até Em 2010 foi realizada pela FANESE, junto à Associação de Empresas de Processamento de Dados (ASESPRO), e outras empresas do setor de informática e computação de Sergipe, uma prospecção em empresas de pequeno, médio e grande porte sobre a necessidade e interesse das empresas na criação de mais um curso de tecnologia na IES. A prospecção realizada mostrou que existem vários cursos que poderiam ser ofertados na região, entre os principais destaca-se o curso superior de tecnologia em Redes de Computadores. Este curso é importante para a região de Aracaju, pois existem diversas empresas que necessitam de mão de obra qualificada neste ramo do conhecimento. Estas empresas frequentemente buscam a IES a procura de alunos com o perfil citado acima e muitas vezes não têm sucesso em sua procura. Em verdade, o que normalmente são encontrados sujeitos que possuem o curso técnico e pretendem obter uma atualização na área de tecnologia, além de pessoas que ainda não tem formação tecnológica e observam uma grande oportunidade de crescimento profissional em um curso superior de tecnologia. Em virtude de tais dados, a FANESE elaborou o projeto pedagógico do curso superior de Tecnologia em Redes de Computadores como tentativa de suprir a necessidade mercadológica acima expressa, apresentando os dados necessários para que o curso possa ser compreendido em sua totalidade. Assim, o curso proposto foi concebido dentro dos preceitos determinados pelo MEC, bem como foi forjado no bojo da conjuntura social e econômica do Estado, a qual chegou à IES por meio de uma clara demanda Perfil do Curso O curso superior de Tecnologia em Redes de Computadores da FANESE tem seu perfil baseado nas Diretrizes Curriculares Nacionais, no Projeto Pedagógico Institucional, no plano de Desenvolvimento Institucional e neste Projeto. O curso observa as determinações legais que constam na LDB de número 9.394/96 estando em conformidade com a denominação de Tecnólogo em Redes de Computadores seguindo as diretrizes do Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia (baseado na RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002) e o Parecer CNE/CES no445/2001, aprovado

11 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 11 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 em 2 de abril de 2001 que estabelece as orientações sobre os Cursos Superiores de Tecnologia - Formação de Tecnólogo. As Diretrizes Curriculares dos Cursos de Tecnologia (RESOLUÇÃO CNE/CP Nº3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002) definem que a organização curricular dos cursos superiores de tecnologia deverá contemplar o desenvolvimento de competências profissionais e será formulada em consonância com o perfil profissional de conclusão do curso, o qual define a identidade do mesmo e caracteriza o compromisso ético da instituição com os seus alunos e com a sociedade. 6 CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO Localizado na região Nordeste do Brasil, Sergipe é dividido em 75 municípios e ocupa uma área de ,348km2. É o Estado brasileiro com a menor extensão territorial, correspondendo a 0,26% da extensão nacional. Limita-se com os Estados da Bahia e Alagoas e com o oceano Atlântico. Segundo o IBGE (2010), sua população absoluta é de habitantes. O Estado é drenado por seis bacias hidrográficas, sendo a Bacia do São Francisco a mais importante. Seu clima é tropical, mais úmido próximo ao litoral, e semiárido no sertão; e seu relevo, do litoral até a região central, é predominantemente de terras planas ou ligeiramente onduladas. A maioria dos habitantes de Sergipe reside em áreas urbanas (73,5%), a população rural corresponde a 26,5% do contingente total. Segundo o IBGE (2010), na capital Aracaju vivem habitantes, aproximadamente 27% do total de Sergipe. Aracaju ocupa uma área de 174 km² do território sergipano, limitando-se com os municípios de São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro, Barra dos Coqueiros e Itaporanga D Ajuda.

12 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 12 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 A economia sergipana tem apresentado desempenho significativamente positivo nos últimos anos como consequência do ambiente econômico favorável aos negócios, resultado provocado especialmente pelos estímulos das políticas públicas. Os investimentos públicos e privados tiveram papel fundamental no processo de expansão, somados aos estímulos ao consumo das famílias (decorrentes do crescimento do emprego, da renda e do crédito). Tais investimentos têm provocado uma transformação da base produtiva do Estado, resultando em maior diversificação e dinamismo. Tal contexto acarretou em uma evolução do número de empregos, a qual foi percebida nos últimos anos. Segundo o Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), o crescimento do número de postos de trabalho em Sergipe nos últimos 12 meses considerando-se o mês de agosto de 2012 foi de 9,21%, o que significa um acréscimo de contratações no estoque de ocupações formais do Estado. Segundo o MTE, os setores de atividade que mais contribuíram para o crescimento do emprego em Sergipe foram, em ordem decrescente: os Serviços, a Construção Civil, a Indústria de Transformação, o Comércio, a Indústria de Extração Mineral e os Serviços de Utilidade Pública. O Estado localiza-se estrategicamente no eixo de grandes cidades nordestinas (Salvador, Recife, dentre outras), é dotado de riquezas naturais, recursos minerais e, além disso, tem um parque industrial moderno e diversificado. Apesar de pequeno, o Estado já conquistou importantes indicadores e condições que proporcionam uma conjectura favorável ao crescimento, atraindo investimentos em diversos segmentos, a saber: agronegócio, turismo, aquicultura, setor energético, na construção civil e naval, na área de tecnologia e saúde (CODISE). A influência de grandes empresas na economia sergipana como a Petrobrás e a VALE é consideravelmente expressiva. Nos últimos anos essas empresas investiram fortemente em Sergipe e há

13 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 13 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 expectativa de investimentos ainda maiores, conforme anúncios das mesmas, o que demandará ainda mais mão-de-obra qualificada em diversas áreas. Outras empresas de grande, médio e pequeno porte, além das microempresas, estão expandindo investimentos ou se instalando em Sergipe, atraídas pelo ambiente de negócios, pelos incentivos governamentais, pela vocação produtiva do Estado e pela infraestrutura produtiva, urbana e social em modernização. Os investimentos em infraestrutura produtiva, urbana e social realizados e em realização pelos Governos dos diversos níveis aqui no Estado, principalmente Federal e Estadual, e pelas Estatais, em particular nas áreas energética, logística, mobilidade urbana, saneamento e habitação, além das inversões privadas, deverão impulsionar ainda mais a expansão econômica do Estado. A Infraestrutura produtiva e social em construção no território sergipano deverá provocar resultados expressivos, especialmente, no turismo, na indústria extrativa mineral, na indústria de transformação, na agricultura e, como consequência do efeito multiplicador da renda resultante dos investimentos nesses setores de atividade, os serviços em geral e o comércio sofrerão impacto não menos importante. Como principais investimentos podem ser citados: a ampliação da capacidade de produção e transporte de petróleo, gás, e outros minerais, neste último caso, principalmente para a fabricação de fertilizantes (destaque nacional, dada a disponibilidade da matéria prima); a reforma, readequação e ampliação da infraestrutura logística como a duplicação da BR 101, a construção de pontes, o aumento da capacidade do porto e do aeroporto existente e construção de um novo aeroporto em Sergipe; o aumento do fornecimento de água com a duplicação da adutora do Rio São Francisco e a construção da barragem do Rio Poxim; a construção do parque eólico de Sergipe; a construção de unidades habitacionais com saneamento básico, o que deverá oferecer melhor qualidade de vida ao trabalhador; a melhoria da mobilidade urbana a partir de investimentos que deverão tornar o transporte de trabalhadores e mercadorias mais ágil e seguro, como abertura de novas vias de acesso à capital, duplicação de viadutos, construção de pontes; dentre outras ações. O clima é favorável também para o agronegócio. Sergipe destaca-se no setor de fruticultura, com a produção de laranja, manga, maracujá, banana e coco-anão. Na pecuária estadual, chamam a atenção os segmentos da avicultura e da bovinocultura, este último voltado, principalmente, para a pecuária extensiva de gado de corte e para a produção de leite. Ainda em relação à agricultura, percebe-se aumento dos incentivos governamentais e investimentos públicos na agricultura familiar. Isto tende a ter grande impacto tanto social quanto econômico devido à capacidade de gerar emprego e renda, especialmente quando amparada por um ambiente caracterizado por: acesso à terra; acesso à energia elétrica e água potável; financiamento acessível e com assessoria gerencial; acompanhamento técnico próprio ao perfil da atividade; infraestrutura produtiva local adequada como irrigação, facilidade de escoamento da produção, mercados públicos bem estruturados; existência de equipamentos sociais que garantam educação, saúde e segurança no campo; dentre outras ações.

14 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 14 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 Não somente as políticas públicas têm influenciado no circulo virtuoso pelo qual tem passado a economia sergipana, mas vale observar que há um conjunto de forças no sentido de criar um ambiente, cada vez mais, propício a estimular iniciativas empreendedoras. Esforços de diversos atores da sociedade, mesmo que raramente organizados em conjunto, têm tornado mais fácil empreender em Sergipe. Como exemplo pode-se destacar: maior facilidade de abertura de empresas; maior diversidade e qualidade de escolas de capacitação e qualificação profissional, sejam elas de nível técnico ou de nível superior; maior diversidade de cursos de capacitação e qualificação profissional com foco nas vocações produtivas do Estado; maior esforço e investimento público e privado em pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica; maior aceitação e entendimento do empresariado sergipano de que os investimentos em formação, pesquisa e assessoria técnica empresarial influenciam significativamente o resultado dos negócios, inclusive a sobrevivência do mesmo; o consumidor sergipano está mais instruído e mais exigente quanto à qualidade do produto e atendimento que adquire; entre outras forças não menos importantes. Além dos avanços significativos nos indicadores econômicos, Sergipe apresenta evolução sensível no Índice de Desenvolvimento Humano IDH. As estatísticas mais recentes demonstraram que o Estado tem apresentado os melhores resultados do Nordeste no crescimento do IDH (0,923) (CEPAL/PNUD/OIT, 2011), elevando o status de baixo (de 0 a 0,499) para médio desenvolvimento (entre 0,500 e 0,799), considerando-se os critérios de avaliação do desenvolvimento humano utilizados para classificar os diversos países. Vale observar que, para se determinar o IDH são considerados indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula), longevidade (esperança de vida ao nascer) e renda (PIB per capita). Diante do exposto, depreende-se que o modelo educacional proposto pela FANESE pretende oferecer ao aluno a oportunidade de obtenção e da utilização de conhecimentos adequados à realidade econômico-social vigente, inter-relacionados com seus desejos e realizações, buscando sempre a concretização e a consolidação interativa do saber, da curiosidade científica e da técnica, seguindo os padrões ideais perseguidos pelo homem contemporâneo. Estes requisitos são indispensáveis, para o desenvolvimento de hábitos de investigação sobre novas fontes de informação, bem como para a capacitação de profissionais preparados para atuar como agentes de mudança, em prol da melhoria da qualidade de vida da sociedade, especialmente da Região Nordeste. Neste sentido, os atores que se agregam à vida acadêmica professor, aluno, instituição educacional, comunidade local e mercado fornecem uma identidade clara da estrutura do Curso de Tecnologia em Redes de Computadores da FANESE. 7 INSERÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES 7.1 Contexto de inserção do curso na região Conforme já foi dito, o estado de Sergipe possui uma extensão territorial de ,348km 2 e é composto de 75 municípios, sendo Aracaju o de maior importância econômica, além de ser a capital do

15 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 15 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 estado. Os dados do IBGE de 2010 apontam que a economia do estado de Sergipe tem participação de 0,63% no produto interno bruto nacional. A composição do produto interno bruto está dividida em: agropecuária, que corresponde a 5,2%; indústria, 33% e serviços, que corresponde a 61,8% do total. A participação de Sergipe no mercado mundial através da exportação é liderada tendo como principais produtos: o suco de laranja (33%), cimento (17%), açúcar (14%), outros sucos de fruta (13%), calçados (13%) e outros (10%). Os principais produtos importados são: máquinas e equipamentos (34%), trigo (14%), adubos e fertilizantes (12%), fios e tecidos (9%), coque de petróleo (8%), produtos das indústrias químicas (4%), plástico e seus produtos (3%), obras de ferro e aço (3%) e outros (13%), segundo dados de A principal atividade agrícola de Sergipe é o cultivo de cana-de-açúcar, da qual são produzidas mais de toneladas por ano, ou toneladas de açúcar e metros cúbicos de álcool. Além da cana, são cultivados a mandioca ( toneladas por ano), a laranja ( frutos) e o coco. Ao contrário de muitos estados brasileiros, a criação de gado não é muito importante, e existe, ainda, uma pequena indústria de couro. A exploração de recursos minerais é uma atividade muito importante para o estado, sendo explorado o petróleo, gás natural, calcário e potássio. A Petrobras explora campos de petróleo e gás natural no estado, tanto em terra como no mar, sendo o sexto estado brasileiro em produção de petróleo, com uma produção de barris por dia, ficando atrás do Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Amazonas, Bahia e Espírito Santo. Recentemente foi descoberto no litoral da Barra dos Coqueiros um campo de petróleo, que, segundo estimativas da Petrobras, pode corresponder a um terço do volume de petróleo produzido na bacia de Campos (que é a maior do país em produção). A Vale S.A. explora a maior mina de potássio do Hemisfério Sul, localizado no município de Rosário do Catete. Está sediada no estado de Sergipe, a quarta maior rede de supermercados do Brasil, a qual pertence o grupo G.Barbosa. A rede opera também na Bahia em Alagoas e, mais recentemente, no Ceará. Além da citada anteriormente, operam no estado as seguintes redes de supermercados: Bompreço (fundada pelo Sergipano João Carlos Paes Mendonça em Casa Amarela, Recife, posteriormente vendido ao Wal-Mart), Extra, Makro e Atacadão. Aracaju é uma cidade em franco desenvolvimento que se encontra com grande parte de suas infraestruturas já implantadas tendo ainda outras em planejamento ou já em construção. Porém, existem na cidade problemas típicos de metrópoles contemporâneas como, por exemplo, o trânsito confuso e congestionado e transportes urbanos caóticos em certos momentos do dia a dia. Aracaju foi uma das primeiras cidades com um planejamento urbano, criada para ser a capital do estado de Sergipe, vindo a ocupar o posto que antes pertencia à cidade de São Cristóvão. O Governo do Estado de Sergipe vem desenvolvendo ações de fomento à tecnologia com ações de grande relevância. Com a criação do SergipeTec, uma associação privada, sem fins lucrativos, reconhecida como Organização Social Estadual, iniciou um processo de desenvolvimento da tecnologia no estado e hoje, abriga mais de 21 empresas, três incubadoras de empresas e seis instituições de pesquisa, gerando mais de 200 empregos diretos.

16 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 16 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 O SergipeTec tem a missão de promover o empreendedorismo, visando à inovação, a competitividade e a geração do conhecimento, trabalho e renda, através de: indução de sinergia entre empresas, Governo, Academia e organizações de suporte e fomento; fornecimento de serviços de valor agregado; qualificação contínua do território. Dessa maneira, o SergipeTec tem atuado no fomento à criação de empresas de base tecnológica e à construção de redes de relacionamentos que envolvam agentes do processo produtivo, da geração, do conhecimento, do ensino, da pesquisa e da inovação, vinculado à Secretaria Estadual do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia - SEDETEC, fazendo parte do sistema de inovação do Estado. Para complementar esse cenário que denota desenvolvimento, vale destacar que ações estruturantes do Governo do Estado de Sergipe, visando um maior desenvolvimento da área de tecnologia de informação e comunicação, incitaram a criação do centro estadual de educação profissional José Figueiredo Barreto. Entre os cursos ofertados por este estabelecimento encontra-se o curso técnico em Redes de Computadores com carga horária de 1420 horas, sendo o mesmo parte integrante do programa e- tec Sergipe. O desenvolvimento visto nos últimos anos em todas as áreas da tecnologia da informação proporciona uma crescente demanda por conectividade e comunicação. A cada dia a rede mundial de computadores ganha mais adeptos e se posiciona com um grande mercado de negócios e oportunidades. O estado de Sergipe se insere neste contexto mundial e necessita cada vez mais de profissionais preparados para enfrentar os desafios impostos pela tecnologia. Vários são os serviços, fornecidos através da Internet, tanto por empresas públicas como privadas para atendimento de demandas para a população, o que proporciona um aumento da criticidade destes serviços, exigindo assim técnicos qualificados para atuação nas áreas de tecnologia da informação e comunicação. A concepção do Projeto Pedagógico do Curso emerge das necessidades e demandas da região, que sofre as exigências do mundo contemporâneo, cada vez mais complexo. A FANESE se propõe, por conseguinte, a disponibilizar, para o mercado de trabalho, profissionais que contribuam com a sustentabilidade local e com o fortalecimento integrado da cidade e das suas áreas de influência. A qualidade e a atualização são necessidades básicas e centrais do mercado de trabalho sergipano e, neste contexto, os profissionais formados pela IES deverão, além de dominar conhecimentos básicos relacionados às áreas que serão objeto de sua atuação profissional, ser capazes de articular teoria e prática no desempenho de suas atividades, com competência técnica e com compromisso social e político, associado a aspectos socioculturais, sendo extremamente importante a interação da IES com a comunidade e outras instituições, como forma de viabilizar a formação cidadã do profissional. Além disso, o Curso de Tecnologia em Redes de Computadores irá proporcionar aos alunos instrumentos técnico-científicos úteis e básicos que possibilitem uma participação efetiva em prol do desenvolvimento tecnológico, social, cultural e econômico sustentável, considerando sempre a aplicação de boas práticas e novas tecnologias.

17 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 17 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 A FANESE pretende, dessa forma, adotar políticas direcionadas para o desenvolvimento de estudos de situações reais e específicas para a melhor compreensão das condições de vida das comunidades abrangidas pela sua ação, através de práticas que permitam aos seus egressos condições de atuar com competência em suas próprias empresas ou naquelas que escolherem ingressar em igualdade de condições com concorrentes de quaisquer regiões. 7.2 Contexto de inserção do curso na área específica da atuação profissional O tecnólogo tem formação profissional voltada para uma área específica, desenvolvendo determinadas habilidades e competências, em sua área de interesse profissional, para se inserir rapidamente no mercado de trabalho. O tecnólogo também tem uma formação voltada para a gestão, o desenvolvimento e difusão de processos tecnológicos. Esse tipo de graduação pode ter duração de dois anos ou dois anos e meio, e dá direito a um diploma de graduação, o que permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado ou de pós-graduação. Os avanços tecnológicos em várias áreas do conhecimento têm introduzido mudanças radicais em todo o mundo, em um ritmo cada vez mais acelerado. No que diz respeito à área de informática, o mercado de trabalho tem exigido a formação de profissionais capacitados a promover o desenvolvimento científico e tecnológico da computação através de pesquisas inovadoras e da aplicação de conhecimentos técnicos e científicos adquiridos. A grande procura por profissionais de informática vem sofrendo mudanças estruturais muito acentuadas, em relação à criação e dependência de novas necessidades de informação e mudanças no paradigma de atuação profissional. Esta situação implica em uma maior demanda por profissionais, com formações muito diferenciadas daquelas tradicionalmente oferecidas. Esse contexto tem propiciado o surgimento de novas oportunidades profissionais e exigido um nível de qualificação e capacitação de excelência por parte daquelas pessoas que resolveram se dedicar às atividades da área. Assim, o curso de Tecnologia em Redes de Computadores, dada a demanda de atendimento às necessidades de mercado, particularmente, no estado de Sergipe, cria uma nova sistemática de ação, fundamentada nas necessidades da comunidade, de mão-de-obra especializada, formação de profissionais capacitados para suprir a necessidade desse mercado. Tal perfil vai ao encontro de um mercado de trabalho em franca expansão e carente de profissionais com sólida formação tecnológica e acadêmica, com habilidades e competências na área de Tecnologias da Informação em empresa, tanto na iniciativa privada nos setores industriais, comerciais e de prestação de serviços, quanto nos órgãos públicos. O profissional formado pelo Curso Superior de Tecnologia em redes de computadores estará habilitado a planejar, administrar, e solucionar os problemas em redes de computadores de qualquer porte, utilizando de seus conhecimentos tecnológicos, advindos das competências adquiridas, permitindo exercer julgamento da melhor solução, no que se refere à avaliação de riscos; propor soluções inovadoras e proceder a estudos de viabilidade técnica.

18 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 18 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 Para tal, o profissional será preparado para entender a tecnologia aplicada à tecnologia da informação e comunicação, aplicando as melhores soluções dentro das organizações e do ambiente onde está inserido. 8 A FORMAÇÃO DO PERFIL E DAS HABILIDADES DO PROFISSIONAL 8.1 Perfil do Egresso O perfil esperado do egresso do curso superior de Tecnologia em Redes de Computadores é de um profissional com formação específica, humanista e capacitado a absorver e a desenvolver novas tecnologias, estimulando seu espírito empreendedor, e a identificar e resolver problemas para atender às demandas da sociedade, considerando os impactos políticos, econômicos, sociais, culturais, éticos e ambientais das soluções elaboradas. Formando profissionais especializados na criação, elaboração, implantação e manutenção de projetos de redes, independente de seu porte ou área de utilização. Dessa maneira, espera-se que o egresso seja conhecedor das melhores práticas, técnicas e tecnologias envolvidas no projeto, operação ou gerenciamento de redes. O Tecnólogo em Redes de Computadores é um profissional com uma área de atuação bastante diversificada, abrangendo desde áreas tradicionais como empresas em geral, que tenham seus computadores interligados em rede através de diversas tecnologias, até serviços específicos prestados por empresas especializadas na transmissão eficiente das informações, podendo, ainda, desempenhar funções como: administrador de redes, analista de suporte de redes e de comunicação de dados, coordenador de equipes de projetos de infraestrutura lógica e física de redes, gerente de segurança em redes de computadores. O Tecnólogo em Redes de Computadores também estará apto a iniciar o seu próprio negócio como prestador de serviços, consultor etc., bem como continuar seus estudos em cursos de pós-graduação (lato sensu e stricto sensu) ou seguir a área de pesquisa científica, trabalhando em instituições de pesquisa ou ensino voltadas para a área de Redes de Computadores. O referido profissional poderá, também, prestar concursos em nível superior em diversas instituições públicas e privadas na sua área de atuação ou em áreas afins. Ao concluir o curso, o Tecnólogo em Redes de Computadores estará apto ao exercício profissional, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do país, sempre com conduta ética e com respeito à vida. Ao final do curso, o egresso será capaz de projetar, de modo eficiente tanto do ponto de vista econômico e mercadológico como do ponto de vista funcional ambientes operacionais de rede, de modo integrado, como resultado da qualidade do aprendizado alcançado. Diante do exposto, vale destacar as competências aprovadas no perfil do curso: Compreender e identificar os componentes dos computadores e seus periféricos, analisando o funcionamento e relacionamento entre eles; Conhecer meios físicos e técnicas de comunicação de dados;

19 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 19 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 Conhecer os protocolos e ferramentas de análise; Conceber projetos de redes; Operacionalizar sistemas de redes complexos; Apoiar a empresa na busca de seus objetivos estratégicos; Desenvolver soluções de conectividade para o comércio eletrônico e empresas em geral; Planejar e definir equipes de trabalho e aplicar ferramentas adequadas em projetos de rede; O Tecnólogo em Redes de Computadores é um profissional de nível superior, detentor de uma sólida formação teórico-prática, familiarizado com as necessidades empresariais e capacitado nas atividades de projeto e operacionalização de redes de computadores, utilizando as ferramentas de mercado mais avançadas. Sabemos que o curso técnico de Informática deve profissionalizar o indivíduo, permitindo-lhe compreender o funcionamento do computador, suas possibilidades de configuração e integração com outras áreas. Para atingir este objetivo, conhecimentos adquiridos na educação básica também são importantes. Sabemos, também, que a área de Informática caracteriza-se por possuir uma elevada taxa de atualização e a produção de textos técnicos dá-se, em sua maioria, na língua inglesa, pelo seu caráter universal na área tecnológica. Assim sendo, o aluno deve estar capacitado a ler e compreender textos técnicos escritos em língua inglesa, para alicerçar seu desempenho profissional como técnico. A capacidade de entender a língua inglesa é necessária para melhor compreensão de termos e expressões gerados na sociedade globalizada. Existe uma grande quantidade de expressões e siglas usadas no vocabulário da área de Informática empregadas sem tradução. Isso ocorre, por vezes, pela dificuldade de se encontrar termos de significado equivalente na língua portuguesa e, outras vezes, por comodidade. A grande tendência hoje é a integração das tecnologias empregadas em televisão, vídeo, áudio, microcomputadores, Internet e telefonia. Hoje se pode gerenciar e supervisionar sistemas de informações, redes de computadores e, até mesmo, plantas industriais automatizadas de forma remota, através das tecnologias de informática e telecomunicações. Este quadro leva à necessidade de um técnico com visão integrada de multimídia nos computadores pessoais e acesso a informações através de redes de computadores e sistemas de telecomunicações. A integração dessas tecnologias implica também na formação de profissionais para novas profissões que surgem como especialista em Segurança de Sistemas. Pesquisas divulgadas recentemente em revistas especializadas mostram que o mercado atual de informática necessita de equipes de técnicos que: Possuam noções sobre o segmento financeiro, comércio eletrônico, manufatura e telecomunicações.

20 Projeto do Curso de Redes de Computadores Página: 20 de 57 em 6/11/yyyy às 19:07 Apresentem visão empresarial e noções básicas sobre gestão de negócios. Mantenham-se atualizados e compartilhem conhecimentos em tecnologia. Saibam integrar seus conhecimentos individuais para atingir as metas estabelecidas para a equipe. Apresentem conhecimentos de estruturação, instalação, configuração, monitoração e manutenção de computadores e redes Habilidades e Competências no Mercado de Trabalho De acordo com o Art. 7º da Resolução CNE/CP n 03/2002, entende-se por competência profissional a capacidade pessoal de mobilizar, articular e colocar em ação conhecimentos, habilidades, atitudes e valores necessários para o desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pela natureza do trabalho e pelo desenvolvimento tecnológico. Conceituado nos chamados quatro pilares da educação aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos (atitude) e aprender a ser (ação- reflexão-ação), o trabalho desenvolvido durante o curso enfoca, comprometendo-se com o sucesso dos alunos, o respeito à diversidade cultural, vislumbra o conhecimento como instrumento de compreensão do mundo e de si mesmo e promove uma visão ampla do mundo profissional, articulando os processos com o conhecimento, ambos inseparáveis, sempre voltado para o crescimento integral da pessoa humana. Em concordância com as diretrizes curriculares dos cursos de graduação em tecnologia e com as necessidades e tendências de mercado, o Tecnólogo em Redes de Computadores da FANESE, será orientado para atuar na instalação, configuração, especificação, operação, manutenção, administração e gerenciamento de redes de computadores. Dentro deste contexto, o projeto educacional está orientado pelas seguintes características desejáveis do perfil do tecnólogo em Redes de Computadores a ser formado: Identificar e entender a funcionalidade dos elementos componentes de redes de computadores; Compreender os modelos de referência, protocolos e serviços utilizados em redes de computadores; Integrar soluções de redes locais baseadas em acesso cabeado e sem fio; Gerenciar serviços de rede e funções dos sistemas operacionais; Gerenciar dispositivos físicos de rede; Compreender a sintaxe e a semântica dos principais protocolos da arquitetura TCP/IP; Avaliar e selecionar protocolos de comunicação, sistemas operacionais de rede, servidores de comunicação, aplicações distribuídas e serviços de rede; Avaliar e selecionar computadores, dispositivos de comunicação à distância, roteadores, concentradores, interfaces e outros dispositivos de conexão à rede; Definir soluções de conectividade e comunicação de dados; Definir topologias, arquiteturas e protocolos de comunicação para utilização em redes de computadores; Elaborar projetos lógicos e físicos de redes de computadores; Identificar necessidades, dimensionar, elaborar especificação técnica e avaliar soluções para segurança de redes de computadores;

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Aracaju - Sergipe

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Projeto do Curso de Administração Página: 1 de 50 em 23/2/2015 às 10:15 Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Versão

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso Superior de Bacharelado em Ciências Contábeis

Projeto Pedagógico do Curso Superior de Bacharelado em Ciências Contábeis Página 1 de 48 Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Projeto Pedagógico do Curso Superior de Bacharelado em Ciências Contábeis

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. Título: Tecnólogo em Redes de Computadores Turno: Noturno Carga horária total: 2.000

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

Projeto Pedagógico de Curso

Projeto Pedagógico de Curso 2012 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico de Curso UNIVERSIDADE CUIABÁ DE FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Faculdade Kennedy busca sempre melhorar a qualidade, oferecendo serviços informatizados e uma equipe de profissionais preparada para responder

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista.

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista. Rua do Salete, 50, Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 2108-8562 / 2108-8503 home page: www.cairu.br - E-mail: presidencia@fvc.br E D I T A L A FVC - Fundação Visconde de Cairu, informa a abertura das

Leia mais

PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS

PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus Capivari Coordenador : Prof. Dr. André Luís de Castro Peixoto

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS DIPLOMA CONFERIDO:

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 2013.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 2013. EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 13. O Diretor Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São João dos Patos, no uso de suas atribuições,

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs.

SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs. SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs. CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO: 01 - Processo nº 25/2006 Unidade Universitária:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais