FACULDADE SALESIANA DE VITÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES FELIPE LOUREIRO DEBONI RAFAEL FERREIRA BORBA SISTEMAS EMBARCADOS EM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SALESIANA DE VITÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES FELIPE LOUREIRO DEBONI RAFAEL FERREIRA BORBA SISTEMAS EMBARCADOS EM"

Transcrição

1 FACULDADE SALESIANA DE VITÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES FELIPE LOUREIRO DEBONI RAFAEL FERREIRA BORBA SISTEMAS EMBARCADOS EM SEGURANÇA DE REDES OPENWRT VITÓRIA 2007

2 FELIPE LOUREIRO DEBONI RAFAEL FERREIRA BORBA SISTEMAS EMBARCADOS EM SEGURANÇA DE REDES OPENWRT Monografia apresentada ao Curso de Pósgraduação em Segurança de Redes de Computadores da Faculdade Salesiana de Vitória, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Segurança de Redes de Computadores. Orientador: Prof. M.Sc. Sérgio Nery Simões. Co-orientador: Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. VITÓRIA 2007

3 Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) (Biblioteca da Faculdade Salesiana de Vitória, Espírito Santo, Brasil) D287s Deboni, Felipe Loureiro, 1982 Sistemas Embarcados em Segurança de Redes - OPENWRT / Felipe Loureiro Deboni, Rafael Ferreira Borba f. : il. Orientador: Sérgio Nery Simões. Monografia (pós-graduação em Segurança de Redes de Computadores) Faculdade Salesiana de Vitória. 1.Redes de Computadores - Segurança. 2. Sistemas Embarcados. 3. OpenWRT. I. Rafael Ferreira Borba. II. Simões, Sérgio Nery. III. Faculdade Salesiana de Vitória. IV. Título. CDU: 004.7

4 FELIPE LOUREIRO DEBONI RAFAEL FERREIRA BORBA SISTEMAS EMBARCADOS EM SEGURANÇA DE REDES OPENWRT Monografia apresentada ao Curso de Pós-graduação em Segurança de Redes de Computadores da Faculdade Salesiana de Vitória, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Segurança de Redes de Computadores. Aprovada em 11 de junho de COMISSÃO EXAMINADORA Prof. M.Sc. Sérgio Nery Simões Orientador Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Co-orientador Prof. M.Sc. João Gomes da Silveira Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo (CEFETES)

5 Eu, Felipe Loureiro Deboni, dedico este trabalho a minha família por acreditarem no meu potencial e por me disponibilizar toda ajuda no decorrer do curso, e por toda minha formação acadêmica. --- Eu, Rafael Ferreira Borba, dedico este trabalho a minha noiva, que me ajudou a permanecer forte nos períodos em que a fraqueza se abatia sobre mim em relação ao curso e aos amigos que aqui conquistei, cuja alegria, força de vontade e companheirismo me incentivaram seguir a diante nesta batalha.

6 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos professores Sérgio Nery Simões e Sérgio Teixeira pela colaboração e apoio no desenvolvimento desse trabalho. Aos nossos pais, irmãos, companheiras e amigos, pelo apoio dado desde o inicio do curso.

7 A persistência é o caminho do êxito. (Chaplin)

8 RESUMO Este trabalho apresenta conceitos e fundamentos sobre a customização do roteador Linksys WRT54G com o firmware e mini distribuição Linux, OpenWRT, o que vem a ser um sistema embarcado, mostrando histórico e exemplos, e também falando sobre segurança, comentando as premissas de uma boa regra de firewall, buscando demonstrar ao longo do texto de forma didática o passo-a-passo para instalação e configuração dos roteadores com o OpenWRT, no intuito de aperfeiçoar as funções e limitações impostas pelo fabricante deste equipamento nos serviços de NAT e Firewall. Palavras-chave: Redes de Computadores Segurança, Sistemas Embarcados, OpenWRT.

9 ABSTRACT This paper presents bases and concepts about Linksys WRT54G customization with firmware and Linux mini distribution, OpenWRT, what is embedded system, showing history and samples, and saying about security, also commenting the premises of a good firewall rules, looking to demonstrate trough the text step-by-step the installation and configuration the OpenWRT in routers, available to help added functions and remove imposed manufacturer limitations of this equipment in the services of NAT and Firewall. Keywords: Computer networks - Security, Embedded Systems, OpenWRT.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Ponto de acesso sem fios e encaminhador Linksys WRT54G Figura 2: Motherboard do sistema embebido Linksys WRT54G v Figura 3: Ilustração da atualização via browser Figura 4: Tela que obteríamos ao acessar o OpenWRT via telnet Figura 5: Tela que obteríamos ao conectar no OpenWRT via Putty(SSH) Figura 6: Tela de informações do OpenWRT na interface web Figura 7: Tela sobre o WebIf do OpenWRT Figura 8: Status de conexão do OpenWRT na interface web Figura 9: Clientes DHCP do OpenWRT na interface web Figura 10: Status wireless do OpenWRT na interface web Figura 11: Configurações do sistema do OpenWRT na interface web Figura 12: Alterações de senha do OpenWRT na interface web Figura 13: Instalação ou desinstalação de pacotes do OpenWRT na interface web Figura 14: Atualização de firmware do OpenWRT na interface web Figura 15: Configurações de rede do OpenWRT na interface web Figura 16: Configurações da WAN do OpenWRT na interface web Figura 17: Configurações wireless do OpenWRT na interface web Figura 18: Configurações wireless avançadas do OpenWRT na interface web Figura 19: Configurações de hosts do OpenWRT na interface web Figura 20: Configuração firewall do OpenWRT na interface web

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Características de hardware do sistema embarcado Linksys WRT54G

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Arquivo: /etc/firewall.sh Quadro 2: Comando para adicionar o firewall à inicialização automática Quadro 3: Arquivo: /etc/firewall.sh Quadro 4: Arquivo: /etc/hosts Quadro 5: Arquivo: /etc/fwlib.sh Quadro 6: Atualização por TFTP Quadro 7: Atualização por telnet Quadro 8: Comando para sair do acesso telnet Quadro 9: Comando para acessar por ssh Quadro 10: Comando de acesso a memória Quadro 11: Comando para visualizar o conteúdo da memória Quadro 12: Comando para setarmos as configurações do roteador Quadro 13: Comando para pegar a informação do canal utilizado Quadro 14: Comando para gravar as informações setadas na memória Quadro 15: Configurando com ip fixo a interface wan Quadro 16: Pegando a informação do método de utilizado na configuração ip Quadro 17: Pegando a informação do ip da LAN Quadro 18: Pegando a informação da mascara da LAN Quadro 19: Comando para gravar as informações setadas na memória Quadro 20: Script firewall. Arquivo: /etc/firewall-up.sh... 82

13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Motivação Objetivo Metodologia Organização do trabalho SISTEMAS EMBARCADOS Sistema Embarcado: o que é? Pequeno Histórico Características Tempo Real em Sistemas Embarcados Linux Alguns Sistemas Embarcados Disponíveis ecos NetBSD Windows CE Embedded Windows NT Embedded uclinux OpenWRT Por que utilizar o OpenWRT? OpenWRT, um breve histórico Java em Sistemas embarcados Sobre licenças em sistemas embarcados livres Software livre em Sistemas Embarcados Considerações FUNDAMENTOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Firewall Arquiteturas de Firewall Arquitetura Dual-Homed Host Arquitetura Screened Host, Arquitetura Screened Subnet Política de Segurança Iptables... 47

14 3.4.1 Características do iptables Conhecendo as tabelas Regras úteis, modelo I Regras úteis, modelo II Considerações CONHECENDO O LINKSYS WRT54G Trabalhos e soluções correlatas Considerações UMA PROPOSTA DE APLICAÇÃO DO OPENWRT EM REDES DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Instalando o OpenWRT e atualizando o firmware do roteador WRT54G Equipamento utilizado: Preparando para atualizar: Atualizando Atualização por TFTP (Windows) Atualização por TFTP (Linux) Atualização por browser (Firefox ou IExplorer) Configurando OpenWRT Acessando via SSH ou Telnet Configurando em modo AP Acessando via interface web (WebIf) Proposta de utilização Vantagem do OpenWRT para sua empresa: Desvantagem do OpenWRT para sua empresa: Considerações CONSIDERAÇÕES FINAIS E TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 99

15 15 1. INTRODUÇÃO Vivemos em uma era de constantes mudanças tecnológicas com a evolução dos sistemas eletrônicos, seja para uso pessoal, como celulares, ou na indústria automotiva. Os sistemas embarcados 1 estão cada vez mais presentes em nosso cotidiano (ORTIZ, 2001). A utilização de sistemas embarcados é de fundamental importância para o funcionamento de vários equipamentos da vida moderna. Eles são encontrados nos mais variados dispositivos e sistemas, desde simples brinquedos até equipamentos de última geração da indústria eletroeletrônica. Alguns exemplos de aplicação de sistemas embarcados são os roteadores e switches 2 de gerenciamento de redes em laboratórios de alto desempenho, os fornos de microondas, os controles remoto de TVs, as impressoras e máquinas copiadoras, os players de MP3, os sistemas de automação, os sistemas automotivos inteligentes, os telefones celulares, e até mesmo os brinquedos falantes (CARRO, 2004). Em geral, qualquer novo sistema ou produto que possui a característica de funcionar automaticamente apresenta um sistema embarcado controlando e gerenciando o funcionamento e a performance dos componentes e dispositivos envolvidos. Sistemas embarcados apresentam características em comum com os sistemas computacionais de propósitos gerais, mas não possuem a uniformidade desses. Cada aplicação pode apresentar requisitos diferentes de desempenho, consumo de potência e área ocupada, o que vai acarretar em uma combinação distinta de módulos de hardware e software para atender estes requisitos. (CARRO, 2003) A demanda por equipamentos inteligentes e soluções dedicadas, capazes de apresentar resultados eficientes para os problemas cotidianos, transforma a utilização de microprocessadores e sistemas embarcados em uma fatia muito atraente da computação. 1 especificas. 2 Sistema Embarcado. Embedded System. É um sistema operacional especializado dedicado para tarefas Switches. Ou no singular switch. Também chamados de comutadores, possuem diversas portas assim como os hub. A diferença é que, internamente, ele segmenta a rede, sendo que cada porta é um segmento diferente.

16 16 Desta forma, a demanda por sistemas embarcados, capazes de orquestrar os novos dispositivos e equipamentos, é crescente e irreversível. Esta necessidade tem atraído novas companhias e empresas interessadas no desenvolvimento de sistemas embarcados. Estimou-se que o rendimento com a venda de sistemas embarcados dobraria, passando de 752 milhões de dólares em 2001 para 1.59 bilhões em (ORTIZ, 2001) Contudo não possuímos mensurações sobre a afirmação de ORTIZ em 2001 para confirmar se suas estimativas se concretizaram. O mercado de sistemas embarcados possui a particularidade de ser mais competitivo, se comparado ao mercado de sistemas computacionais tradicionais. Isso ocorre porque não existe uma única empresa que domine uma larga fatia no mercado, como acontece com os sistemas operacionais para computadores pessoais, dominado por poucos. Esta peculiaridade tem atraído a atenção de várias empresas de desenvolvimento já consagradas no ramo de sistemas operacionais, dentre elas a Microsoft 3, a Wind River Systems 4 e a Red Hat 5, por exemplo. Os sistemas embarcados sofrem certas restrições que não são tão relevantes aos sistemas computacionais convencionais, como os computadores pessoais. Restrições como o uso de energia sem prejudicar o desempenho, pouca memória disponível e previsibilidade são algumas delas. A arquitetura em que os sistemas embarcados residem também pode variar bastante, contendo um ou mais processadores, memórias e interfaces para periféricos. Tomando como exemplos os celulares, estes podem ter mais de uma memória: a do chip e a do próprio aparelho, e mais 3 Microsoft. A Microsoft Corporation é a maior e mais conhecida empresa de software do mundo. Foi fundada em 1975 por Bill Gates e Paul Allen com o objetivo de desenvolver e comercializar interpretadores da linguagem BASIC. 4 Wind River Systems. A Wind River Systems, Inc. Fornecedora de sistemas embarcados, ferramentas de desenvolvimento para sistemas embarcados, middleware, e outros tipos de software. A companhia foi fundada em Berkeley, Califórnia em 1981 por Jerry Fiddler. 5 Red Hat. A Red Hat, Inc. Fundada em 1993, é uma empresa dos Estados Unidos, que disponibiliza soluções baseadas no sistema operacional GNU/Linux, incluindo várias distribuições. Em 2004 iniciou uma separação do ambiente desktop em detrimento do ambiente empresarial, de onde nasceu o projeto afiliado Fedora Core.

17 17 de uma interface: para câmera fotográfica integrada e outra para conectá-lo a um computador pessoal. A estrutura de comunicação de um sistema pode variar de um barramento a uma rede interna (NoC network on a chip). Em alguns casos um sistema operacional de tempo real (SOTR) pode ser necessário, como exemplo, podemos citar os sistemas de controle de freios ABS ou os air-bags utilizados na indústria automotiva. Vários fornecedores e pesquisadores de sistemas embarcados estão desenvolvendo novas arquiteturas e aperfeiçoando seus sistemas, num esforço de melhorar a performance dos mesmos, e assim, conquistar um lugar de destaque no mercado com novas tecnologias e soluções. (SANTO, 2001) O que vem se concretizando nos dias atuais. (WINDOWS EMBEDDED, 2007)(HTC SMART MOBILE, 2007) 1.1 Motivação Profissionais de TI têm grande dificuldade em dedicar um computador apenas para fazer NAT 6 e Firewall 7 em pequenas e médias empresas com verbas bem restritas. Uma solução seria comprar um roteador para este fim, que realizaria apenas tarefas básicas. Porém, este possui limitações, não sendo possível em seu padrão de fabrica exercer tarefas como um firewall avançado. 6 NAT. Network Address Translation - Mecanismo que permite a conexão de redes privadas à rede Internet sem alteração dos endereços reservados. Através de um NAT server os endereços de rede reservados são convertidos para endereços públicos quando se torna necessário o acesso à rede Internet. Com este mecanismo, diversos computadores com endereços internos podem compartilhar um único endereço IP. 7 Firewall. É o nome dado ao dispositivo de rede que tem por função regular o tráfego de rede entre redes distintas. Impedir a transmissão de dados nocivos ou não autorizado de uma rede a outra. Dentro deste conceito incluem-se, geralmente, os filtros de pacotes e os proxy de protocolos. Existe na forma de software e hardware, ou na combinação de ambos. A instalação depende do tamanho da rede, da complexidade das regras que autorizam o fluxo de entrada e saída de informações e do grau de segurança desejado.

18 18 Focados nesta dificuldade é desenvolvido esse trabalho, ou seja, ao invés de um computador dedicado apenas a estas tarefas utilizaremos um roteador Linksys WRT54G 8, que possui limitações, mas graças a contribuição da comunidade Open Source 9 foi desenvolvido com base no Sistema Embarcado uclinux 10 a distribuição OpenWRT 11, que possui toda robustez e segurança do Linux. Com a solução proposta poderemos converter um simples roteador Linksys WRT54G que desempenha tarefas básicas de roteamento e controle de web para um avançado servidor Linux que possibilita a instalação dos mais conceituados pacotes de aplicativos, como iptables 12, apache 13, ftp e outros. O baixo consumo de energia é outro fator importante e que muito motivou na escolha do roteador ao invés de um computador tradicional, sem a necessidade de monitor, teclado nem mouse, que contribui para manter seu baixo consumo de energia, funcionando apenas com uma fonte de 12 volts, e consumindo apenas 10 Watts de energia, enquanto um computador com monitor consome em media 150 Watts de energia. 8 Linksys WRT54G. É um dos mais famosos roteadores sem fio da Linksys. Por seu firmware ter código aberto, desenvolveu-se toda uma comunidade de desenvolvedores de firmwares alternativos, agregando funções adicionais ao equipamento. O equipamento possui as variantes WRT54GL e WRT54GS, ambas em produção. 9 Open Source. Conceito de distribuição de software, que estabelece como fundamentais, os princípios de desenvolvimento compartilhado, distribuição na forma de código fonte e licenciamento gratuito. Qualquer trabalho desenvolvido em Open Source pode ser modificado para atender novas necessidades desde que o trabalho derivado seja disponibilizado a todos, também de forma gratuita. A integridade e notoriedade dos autores é preservada, sendo registrado o nome de cada um dos colaboradores nas versões subseqüentes. 10 Embarcados. 11 uclinux. Sistema Embarcado de código aberto criado em 1998 e completamente voltado a Sistemas OpenWRT. Distribuição Linux baseada no uclinux. Este sistema terá um destaque, pois será utilizado nesta monografia Iptables. Firewall em nível de pacotes. Apache. O mais conhecido dos servidores da Internet. É responsável pela hospedagem de mais de 50% dos sites existentes no mundo inteiro. O nome é um trocadilho, com a similaridade fonética da expressão a patchy server ( um servidor remendado, em inglês). Isto porque, seu programa foi sendo aperfeiçoado pela contribuição (patches/remendos) de diversos colaboradores.

19 19 Ainda comparando com um computador tradicional, nota-se a diferença no espaço ocupado pelas soluções, enquanto o roteador consegue ocupar apenas o espaço de um livro, o gabinete de um computador tradicional necessita de um espaço bem maior, e se consideramos o monitor, teclado e mouse, o espaço aumenta ainda mais. Como um grande diferencial entre o Linksys WRT54G com firmware padrão e o firmware customizado com o OpenWRT, é a possibilidade de configurá-lo de forma bem simples, através da interface web, ou se necessário de forma avançada através de SSH 14 e Telnet 15, isso tudo através da comodidade de sua rede, ou pela internet. Agregando ainda mais às facilidades disponíveis, temos a manutenção, reinstalação e substituição do equipamento de forma simples, é possível configurar controles de exceções, de forma que ao detectar alguma anomalia em seu funcionamento, o equipamento é capaz de avisar o administrador, gerar seu próprio backup, e restaurá-lo automaticamente em um segundo roteador para que o funcionamento da sua rede não tenha grandes impactos, passando assim o controle da mesma para este segundo roteador. A ausência de hard disk(hd) beneficia, na medida em que restringe o número de aplicações que rodam neste roteador, sendo menos portas abertas, menos falhas e menos exceções, além disso, ele é capaz de montar uma partição de qualquer pasta compartilhada em uma maquina remota. Portabilidade e baixo investimento contribuem ainda mais para aumentar o diferencial desta solução. Devido ao baixo valor de investimento, torna-se fácil manter uma estrutura de backup, tanto pela parte dos softwares, quanto pela parte do hardware. Por ser uma distribuição Linux a configuração do OpenWRT pode ser padronizada por scripts, facilitando ainda mais a administração desses equipamentos. 14 SSH. O Secure Shell, simultaneamente, um programa de computador e um protocolo de rede que permite a conexão com outro computador na rede, de forma a executar comandos de uma unidade remota. Possui as mesmas funcionalidades do Telnet, com a vantagem da conexão entre o cliente e o servidor ser criptografada. 15 Telnet. Um protocolo/programa de rede, que permite o login remoto, tornando possível a um microcomputador atuar como terminal de computadores de qualquer parte do mundo. O Telnet atua no modo texto e permite usar um computador, que está longe, como se fosse o seu próprio micro. Suas transmições são feitas em texto claro, sendo aconselhada a utilização do SSH.

20 20 O Linksys WRT54G é um roteador wireless 16, padrão b/g 17, e um switch. Ele permite a interação entre a rede sem fio e a rede cabeada, possibilitando a substituição da estrutura tradicional composta por um computador. 1.2 Objetivo O objetivo geral desse trabalho de pesquisa é implementar o sistema OpenWRT e customizálo, utilizando regras de segurança avançadas para se obter maior eficácia no dia-a-dia e economia a curto e médio prazo. Objetivos específicos são: Implementação do Iptables no OpenWRT; Utilização do Linksys WRT54G em redes de pequeno e médio porte; Conhecimento dos sistemas embarcados; Possibilidades de utilização do Linksys WRT54G. 1.3 Metodologia Foi constatado por meio da interação com profissionais da área de segurança de redes em listas de discussões, fóruns e artigos, que sistemas embarcados estão sendo muito utilizados 16 Wireless. Da tradução do inglês, sem fio. Transmissão via ondas de rádio ou satélite, sem a necessidade de conexão física por meio de cabos. Provavelmente será usada em redes de computadores do futuro, permitindo maior flexibilidade de uso b/g. Padrão de conexão sem fio padronizada pelo IEEE que opera na freqüência de 2.4 GHz, o b alcança velocidades de 11 Mbps, no g a velocidade alcançada é de 54 Mpbs.

21 21 pelas empresas, pois trazem diversas possibilidades para a interconexão de redes. Por meio de pesquisas na Internet foi constado que o roteador Linksys WRT54G é um dos mais utilizados para interconexão de redes sem fio. Além disso, o fabricante desse equipamento foi o primeiro a disponibilizar os fontes do firmware com licença GPL (OPENWRT, 2007). Diante disso, foram pesquisadas alternativas para uma maior eficácia do uso desse equipamento, pois existem limitações na configuração padrão do firmware. Devido à falta de publicações sobre sistemas embarcados foi utilizado o material disponível na Internet. Foram identificados e pesquisados firmwares customizados. Foi constatado por meio de pesquisas em sites especializados na Internet que o OpenWRT é uma opção eficaz para a customização de compartilhamento seguro de redes que utilizam ou pretendem utilizar dispositivos que são compatíveis com sistemas embarcados. Após a definição do uso do OpenWRT como o firmware customizado a ser utilizado, foi elaborado um roteiro de instalação e configuração, passo-a-passo, juntando varias informações obtidas em pesquisas em diversos sites, fóruns e listas de discussões. Foi obtido screenshots 18 para enriquecer o trabalho e facilitar o entendimento na hora de instalar o firmware customizado, que de fato é uma operação delicada, que gera duvidas e demanda atenção redobrada. Nos screenshots da interface web, procurou-se demonstrar a facilidade de sua configuração, alguns desses foram gerados na própria maquina do autor, outros foram obtidos na internet e inseridos neste trabalho com autorização de seus autores. Em segurança foi pesquisado alem dos livros adquiridos nas bibliotecas, vários sites da comunidade Linux, pelo fato do OpenWRT ser uma mini distribuição Linux todos os scripts que funcionam no Linux para computadores tradicionais, funcionaram no OpenWRT com o mínimo de modificação, foi utilizado o script desenvolvido por Fabricio Beltram, com algumas modificações, como o principal script de iptables deste trabalho. 18 ScreenShot. Um screenshot é uma imagem do conteúdo do monitor feita pelo próprio computador. Geralmente esta é uma imagem digital feita pelo sistema operacional ou por um software instalado no computador.

22 Organização do trabalho Esse trabalho segue a seguinte organização: Capítulo 2 Sistemas Embarcados Apresenta conceitos, tipos de sistemas, kernel 19 e funcionalidades de um sistema embarcado, bem como a sua história, desde seu surgimento na década de 60 até os dias atuais, suas características retratadas sob uma ampla visão da aplicação deste recurso em um vasto universo de hardware e software. Capítulo 3 Segurança Neste capitulo é apresentado recursos de segurança baseados em múltiplos protocolos, bem como uma ampla informação sobre regras e tabelas visando maior eficácia e eficiência do Linksys WRT54G, dando um destaque especial ao iptables, que será utilizado para criar as regras de firewall utilizadas nesta monografia. Capítulo 4 Conhecendo o Linksys WRT54G Apresenta um dos mais famosos roteadores sem fios da Linksys, com suas especificações técnicas, mostrando as possibilidades de customizações que serão utilizadas para este trabalho. Capítulo 5 Uma proposta de utilização Mostra uma proposta de aplicação dos métodos, utilizando o OpenWRT em um roteador Linksys WRT54G, mostrando passo a passo sua instalação em vários métodos, e configuração por SSH, Telnet ou via interface web nos moldes propostos. Capítulo 6 Considerações finais e Trabalhos futuros Considerações finais do trabalho e abordagem de futuros trabalhos que possam ser realizado para dar continuidade à proposta apresentada. Capítulo 7 - Referências Bibliográficas referências bibliográficas utilizadas na elaboração deste projeto de pesquisa. 19 Kernel. O Kernel de um sistema operacional é entendido como o núcleo deste ou, numa tradução literal, cerne. Ele representa a camada mais baixa de interface com o Hardware, sendo responsável por gerenciar os recursos do sistema computacional como um todo.

23 23 2. SISTEMAS EMBARCADOS Os sistemas computacionais embarcados estão presentes em praticamente todas as atividades humanas e, com os baixos custos tecnológicos atuais, tendem a aumentar sua presença no cotidiano das pessoas. Exemplos de tais sistemas são as máquinas de lavar, o sistema de controle dos carros e ônibus, os computadores portáteis palm-top, em roteadores, os fornos de microondas com controle de temperatura inteligente e outros eletrodomésticos. (CARRO, 2004) De acordo com a definição encontrada na Wikipédia 20, sistema embarcado é um computador de propósito especial, que é completamente encapsulado pelo dispositivo que controla. Grande parte dos microprocessadores fabricados mundialmente é destinada a máquinas que usualmente não são chamadas de computadores. O que diferencia este conjunto de dispositivos de um computador "convencional", como conhecido pela maioria das pessoas, é o seu projeto baseado em um conjunto dedicado e especialista constituído por hardware, software e periféricos. Um Sistema Embarcado (Embedded System), pela sua natureza especialista, pode ter inúmeras aplicações. Podem-se ter sistemas embarcados para controle de freios de um veículo automóvel, em que esse sistema deve gerenciar certos periféricos de controle como um sensor. Em outro extremo funcional têm-se os terminais de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) que fazem leitura do Sistema Cartão Nacional de Saúde (SCNS) ou os terminais de leitura do SMARTCARD empregado no sistema de transporte urbano de Salvador. O projeto deste tipo de sistema computacional é extremamente complexo, por envolver conceitos até agora pouco analisados pela computação de propósitos gerais. Por exemplo, as questões da portabilidade e do limite de consumo de potência sem perda de desempenho, a baixa disponibilidade de memória, a necessidade de segurança e confiabilidade, a possibilidade de funcionamento em uma rede maior, e o curto tempo de projeto tornam o 20 Wikipédia. Desenvolvido pela Wikimedia Foundation. Apresenta conteúdo enciclopédico. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/embedded_system>. Acesso em: 04 Abr 2007

24 24 desenvolvimento de sistemas computacionais embarcados uma área específica de pesquisa (WOLF, 2001). No contexto atual de competitividade industrial, seguindo-se a lei de Moore 21, tem-se à disposição o dobro de transistores a cada 18 meses (MOORE, 1965). Conseqüentemente, sistemas dedicados com milhões de transistores devem ser projetados em poucos meses (MAGARSHACK, 2002). Para isto, tem sido adotado o paradigma de projeto baseado em plataformas (KEUTZER, 2000). Uma plataforma é uma arquitetura de hardware e software específica para um domínio de aplicação (DUTTA, 2001) (DEMMELER, 2001)(PAULIN, 1997), mas altamente parametrizável (no número de componentes de cada tipo, na estrutura de comunicação, no tamanho da memória, nos tipos de dispositivos de E/S, etc.). Esta estratégia viabiliza o reuso (KEATING, 2002) de componentes (ou núcleos) (BERGAMASCHI, 2001) previamente desenvolvidos e testados, o que reduz o tempo de projeto. O reuso pode ser ainda reforçado pela adoção de padrões (VSIA, 2003) na arquitetura e projeto dos sistemas. O projeto de sistemas embarcados toma sempre como base um ou mais processadores. Embora esta solução pareça extremamente conservadora do ponto de vista de inovação, ela traz enormes vantagens do ponto de vista operacional. Primeiro, o fator de escala. Como os microprocessadores são encontrados em milhares de projetos, seu custo dilui-se entre muitos clientes, às vezes até competidores entre si. Mais ainda, uma vez que uma plataforma baseada em processador esteja disponível dentro de uma empresa, novas versões de produtos podem ser feitas pela alteração do software da plataforma. A personalização do sistema dá-se através do software de aplicação, que toma atualmente a maior parte do tempo de projeto. Além destas vantagens competitivas, há ainda o fator treinamento de engenheiros, já que estes geralmente se formam com conhecimentos de programação de microprocessadores. Como pôde-se perceber, os Sistemas Embarcados encontram-se cada vez mais presentes em nosso dia-a-dia e com uma utilização e importância crescente torna-se necessário estudos na área de software básico suportado. No mesmo sentido, a escolha de um Sistema 21 Lei de Moore. Formulada por Gordon Moore em 1965, três anos antes que ele ajudasse a criar a fabricante de chips Intel. Moore afirmou que o número de transistores que poderiam ser alojados em uma determinada área de silício duplicaria a cada dois anos. Posteriormente, reduziu o prazo a 18 meses.

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam?

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam? Como é formado o meu computador? Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Mouse Teclado Monitor Placa de vídeo

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX. SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX. SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Salvador Alves de Melo Júnior e Ismael Souza Araújo Salvador Alves de Melo Júnior: Mestre

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais:

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: SISTEMAS OPERACIONAIS 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: I. De forma geral, os sistemas operacionais fornecem certos conceitos e abstrações básicos, como processos,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Classificação dos Sistemas Operacionais Classificação Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas.

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO As respostas das atividades deverão ser mais simples e completas possíveis e baseadas nas aulas (vídeo-aula). Acrescentei mais informações para servirem de material de apoio aos estudos para avaliações

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Projecto SDAC 2010 Sistema Operativo Open Source Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Disciplina: Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Professores: Catarina Santos/Paulo Guimarães

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados

Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados RESUMO O presente documento pretende apresentar as principais características dos Sistemas Operacionais de Tempo Real para aplicação

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Instalar o MarkVision

Instalar o MarkVision Instalando o 1 contas O apresenta diversos componentes instaláveis: Aplicativo - Instala o Utilitário Printer Management. Este aplicativo requer que o Servidor do esteja disponível na rede. Servidor do

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação Pfsense Introdução e Instalação Introdução A utilização de um firewall em uma rede de computadores possui o objetivo básico de proteção relacionado a entrada e saída de dados. Introdução O pfsense é um

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Curso Técnico em Redes de Computadores Disciplina de Sistemas Operacionais Livres SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Professora: Juliana Cristina dos Santos E-mail: professora@julianacristina.com Site:

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas Operacionais 1- Introdução aos SOs Prof. Sílvio Fernandes Disciplina Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Toolkit para Linux Embarcado. Autor: Thiago Waltrik Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer

Toolkit para Linux Embarcado. Autor: Thiago Waltrik Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer Toolkit para Linux Embarcado Autor: Thiago Waltrik Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer Roteiro Introdução Fundamentação Teórica Objetivos Trabalhos Correlatos Desenvolvimento Requisitos Especificação

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Conceitos sobre Sistemas Operacionais. Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Conceitos sobre Sistemas Operacionais. Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Conceitos sobre Sistemas Operacionais Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Retrospectiva da aula anterior Processo de Boot do SO Diversidade

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Cursos de Computação. Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais

Cursos de Computação. Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas,

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

No mercado atual, podemos encontrar vários tipos de sistemas operacionais que fazem parte das seguintes classes:

No mercado atual, podemos encontrar vários tipos de sistemas operacionais que fazem parte das seguintes classes: Módulo 4 Sistema Operacional Sistemas Operacionais Neste módulo falaremos sobre alguns sistemas operacionais existentes no mercado, suas características, e conheceremos o básico das redes de computadores.

Leia mais