MEMÓRIA DESCRITIVA. BKat Consulting Consultoria e Implementação de Projectos, S.A. #

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DESCRITIVA. BKat Consulting Consultoria e Implementação de Projectos, S.A. www.bkatconsulting.com # bkat@bkatconsulting."

Transcrição

1 Proposta de consultoria para a criação e execução de um plano estratégico de inovação e comercialização de produtos produzidos nos CAO s Centros de Actividade Ocupacional da Direcção Regional de Educação Especial Proposta de serviços

2 MEMÓRIA DESCRITIVA Página 2 de 2

3 ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO OBJECTIVOS DA PRESENTE PROPOSTA FASES DO PROJECTO...9 DESCRIÇÃO DETALHADA DE CADA FASE METODOLOGIA DE GESTÃO PRAZO DE EXECUÇÃO RECURSOS HUMANOS E TÉCNICOS VALOR DA PROPOSTA CONDIÇÕES DE PAGAMENTO VALIDADE CONFIDENCIALIDADE APRESENTAÇÃO DA BKAT CONSULTING, LDA...20 Página 3 de 3

4 1 Enquadramento Após a realização pela Bkat Consulting, do estudo de mercado sobre a comercialização dos produtos criados nos CAO s da Direcção Regional de Educação Especial chegou-se a uma série de conclusões no referido trabalho que apontavam para algumas mudanças na gestão deste processo, criando-se novas metodologias de funcionamento dos mesmos CAO s, bem como inovando na constituição e implementação de novos produtos e serviços aí produzidos. Estas conclusões deram azo a um conjunto de sugestões que foram discutidas de forma ampla com a equipa de gestão da DREER, chegando-se a uma posição comunmente aceite por todos: É imperioso introduzir novas práticas de gestão neste processo dos CAO s afim de que os mesmos se coadunem com as novas realidades económico-sociais existentes na Madeira. De entre as conclusões e sugestões apresentadas no referido trabalho, salientamos as seguintes que irão fazer parte da nossa proposta: Qualquer compromisso tendo em vista transformar as actividades dos CAO s num negócio será sempre proveitosa, nem que seja por ter o condão de automaticamente dinamizar a integração de pessoas com deficiência física ou mental no mercado de emprego regional, ou seja, caso as actividades desenvolvidas não sejam suficientemente interessantes de um ponto de vista económico restrito, as perspectivas alternativas -relativas à inserção na vida activa de um conjunto de recursos humanos regra geral alienados deste- permanecerão válidas. Existe uma panóplia de produtos, excessivamente diversificada que importa refinar, bem como um conjunto de sectores onde valerá mais a pena apostar, em detrimento de outros. Em termos económicos, a aposta deverá recair nos produtos e nos sectores que ofereçam menor grau de dificuldade no arranque, manutenção da operação e menor necessidade de recursos materiais ou aparato logístico. Página 4 de 4

5 Produtos dirigidos ao mercado dos produtos de pastelaria e derivados poderão representar uma opção interessante a explorar. Neste caso concreto, a criação/aposta numa marca de produtos de doçaria conventual (exemplo, Convento de Santa Clara ) deverá ser considerada como parte essencial de uma estratégia de diferenciação e exploração de um nicho de mercado em aberto, tendo em vista acrescentar valor a produtos de pastelaria indiferenciados e de reduzido valor económico unitário, como os existentes1. A exploração do mercado interno (por exemplo, todos os serviços da administração pública) poderia constituir parte significativa de uma estratégia inicial de entrada para os produtos dos CAO s no mercado. Produtos têxteis e de artes decorativas têm potencial de crescimento e possibilidade de obtenção de espaço num mercado de grande consumo, mas carecem de normalização produtiva (e design), para além de uma estratégia de entrada no mercado, para poderem ser comercialmente bem sucedidos. A definição de uma linha ou de várias linhas de produtos, associados ao nome de um(a) estilista ou decorador(a) ou por intermédio de um concurso de design que poderá envolver outras instituições, permitirá regular e acrescentar valor à produção, forçando-a simultaneamente a adoptar padrões mais profissionais e a identificar/suprir as necessidades de formação dos seus recursos humanos. Considerar a criação de pontos de venda móveis, instaláveis em unidades comerciais ou pontos de passagem por onde circulem um número considerável de consumidores poderá representar uma forma de baixo risco e custo para ingressar e dinamizar a comercialização, a promoção e a distribuição dos produtos gerados por intermédio da actividade dos CAO s. Deverão ser considerados também novos produtos/serviços: as tecnologias de informação e o ambiente/ecologia poderão representar novos sectores de actuação para os recursos humanos dos CAO s. Pelo potencial que comportam valem a pena ser igualmente considerados/explorados, até 1 É de referir que um dos inquiridos alertou para o facto da produção na área da pastelaria ter que ser submetida a um controlo de segurança e higiene por parte de uma entidade fiscalizadora para assegurar a qualidade do produto a comercializar. Página 5 de 5

6 porque do ponto de vista comunitário são áreas prioritárias a apoios e com enquadramento possível nas características do potencial humano disponível nos CAO s. Tendo em consideração os utentes dos CAO s que se ocupam em actividades agrárias poderá ser equacionado um projecto-piloto, tendo em vista a constituição de um espaço pedagógico do foro ecológico (ambiental), dirigido à comunidade escolar regional ou mesmo ao fluxo turístico. Eventuais parcerias com outras instituições (CMF, por exemplo) poderão potenciar e alavancar esta iniciativa. Existem boas indicações para a criação e a exploração comercial de uma marca umbrella ( solidariedade ) pelos CAO s/dree, junto dos consumidores e dos empregadores na RAM. Regra geral, o consumidor é sensível e solidário; há que explorar esse facto, apelando a esse sentimento por intermédio de uma marca forte que não existe actualmente, mas que é desejável que surja e se torne facilmente reconhecível. No que concerne às empresas, a criação legal de uma via para o surgimento do mecenato social, capaz de oferecer pequenos incentivos às entidades que comercializem produtos com a marca solidariedade poderia constituir um poderoso argumento para as vendas dos CAO s e para o maior envolvimento dos agentes económicos, e da comunidade em geral, tal como acontece actualmente com as iniciativas no âmbito do emprego protegido. Independentemente das opções que venham a ser tomadas, haverá sempre uma opção que se reveste da maior importância e urgência para a promoção do emprego e a comercialização dos produtos dos CAO s: a definição/clarificação/transformação da natureza jurídica da entidade que permitirá agilizar a operação institucional e comercial dos CAO s. Sem a clarificação/definição desta entidade jurídica, que dê suporte legal e jurídico às iniciativas, todas as operações comerciais normais (facturação, recebimentos, pagamentos, angariação de parceiros e possibilidade de candidatura a apoio s) continuaram a ser fortemente penalizadas e a bloquear a transformação das actividades ocupacionais num processo de negócio. Talvez seja esta a opção prioritária para que todas as outras sejam efectivamente implementáveis. Página 6 de 6

7 Estas conclusões e sugestões permitem à Bkat Consulting, AS apresentar uma proposta concreta estruturante para apoiar a DREER neste processo de mudança. O termo estruturante não é aqui utilizado de ânimo le ve. Optamos por apresentar uma proposta global e não mais uma pequena proposta de consultadoria, porq ue achamos que neste momento estão concertadas um conjunto de oportunidades que podem despoletar este processo, nomeadamente: a) Consciencialização da equipa da DREER sobre a necessidade de mudança. b) Know how da equipa Bkat sobre este processo após o trabalho efectuado em c) Existência de um novo quadro comunitário de apoio que apoia e incentiva projectos de inovação e de requalificação de activos, quer ao nível regional (Intervir+, Rumos) quer ao nível nacional e internacional. d) Obrigatoriedade das empresas apostarem em parcerias público-privadas num vasto leque de sectores, potenciando assim grande parte dos processos que apontámos no estudo de mercado. Assim, consideramos que esta altura será a ideal para a DREER lançar um projecto deste tipo que, apoiado por fundos comunitários e por empresas privadas, terá uma influência decisiva na integração das pessoas com deficiência na sociedade actual. Página 7 de 7

8 2 Objectivos da presente proposta A presente proposta tem como objectivos fundamentais a concepção e implementação de um projecto integrador e estruturante a ser desenvolvido em 3 anos no âmbito da actividade da Direcção Regional de Educação Especial que reposicione as actividades de cariz económico dos CAO s no mercado regional, através da criação e desenvolvimento de uma estrutura económica de base empresarial, com as seguintes finalidades: a) assegurar uma rentabilidade aos CAO s. b) assegurar uma participação e rentabilização económica efectiva dos utilizadores dos CAO s. c) inovar na criação de produtos / serviços, preenchendo lacunas do mercado regional. d) criar um novo modelo de organização que seja sustentável no futuro. Tem como objectivos específicos: Criar uma estrutura de base empresarial que associe a DREER, os CAO s, os seus utilizadores ou representantes deles. Criar um business plan efectivo de produtos / serviços de acordo com as especificidades do mercado e dos recursos humanos e técnicos disponíveis. Pesquisar, identificar e obter financiamentos públicos, privados (regionais, nacionais e europeus) para cobrir esta iniciativa. Apoiar a colocação, o marketing e a criação do circuito de distribuição dos produtos / serviços no mercado. Página 8 de 8

9 3 Fases do Projecto A presente proposta ao Concurso foi dividida em 8 fases de acção. Actividade Descrição Início Fim Dias Intervenientes A1 Definir modelo de entidade de base empresarial a criar M1 M2 45 Bkat / DREER A2 Definir e aprovar business plan do projecto M2 M4 90 Bkat / DREER A3 Obter financiamento para o projecto M4 M Bkat / DREER A4 A5 A6 A7 Iniciar processo de formação e reconversão de recursos humanos e técnicos Fase de lançamento da nova entidade e dos novos produtos / serviços Plano de marketing e abordagem comercial Análise aos primeiros resultados e reajustamentos M8 M Bkat / DREER / CAOs / Utilizadores dos CAO s M21 M24 90 Bkat / Nova Entidade M21 M Bkat / Nova Entidade M28 M Bkat / Nova Entidade A8 Implementação em velocidade de cruzeiro M32 M Bkat / Nova Entidade Estas serão as 8 grandes Fases de actuação do projecto. Se a nossa proposta for aceite, serão apresentadas as sub-fases do projecto que irão determinar num cronograma complexo toda a implementação do projecto, identificando quais os intervenientes particulares de cada uma das sub-fases, bem como tarefas, gestores de tarefas e mecanismos financeiros para cada uma das tarefas. Página 9 de 9

10 DESCRIÇÃO DETALHADA DE CADA FASE DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Definir modelo de entidade de base empresarial a criar Nº da Actividade: 1 Mês de Início: 1 Mês de Conclusão: 2 Duração: 45 dias OBJECTIVOS 1. Identificar tipologias de entidades possíveis a criar (empresa, parceria público-privada, parceria comercial, associação sem fins lucrativos, fundação, etc...). 2. Estudar vantagens e desvantagens de cada uma das soluções a criar, de acordo com questões legais, técnicas, de mercado e de objectivos do projecto. 3. Decidir sobre modelo de entidade a criar e criação da mesma entidade. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA Irá criar-se uma equipa multidisciplinar entre elementos da DREER e da Bkat Consulting para decidir sobre o processo. A Bkat irá incluir nesta equipa consultores seniores das áreas do direito empresarial, gestão, inovação e formação. Iremos analisar outros casos noutros mercados afim de identificar pontos fortes e pontos fracos. DELIVERABLES D1.1 Relatório sobre vantagens comparativas entre os vários modelos apresentados. D1.2 Acta de decisão do processo. Página 10 de 10

11 DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Definir e aprovar business plan do projecto Nº da Actividade: 2 Mês de Início: 2 Mês de Conclusão: 4 Duração: 90 dias OBJECTIVOS 1. Definir tipologia de produtos / serviços que serão geridos pela entidade. 2. Criar business plan para abordagem comercial ao Mercado. 3. Aprovar business plan da nova entidade. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA O business plan será criado com base numa premissa: definição das especificidades dos CAO s e dos seus utilizadores, afim de se ter em conta qual a tipologia da força de trabalho existente para cada produto / serviço. Para enquadrar de forma correcta o business plan, este deverá ser efectuado tendo em conta o mercado regional, mas também o mercado de exportação, nomeadamente através do comércio electrónico. D1.1 Business plan geral para a nova entidade. DELIVERABLES DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Obter financiamento para o projecto Nº da Actividade: 3 Mês de Início: 4 Mês de Conclusão: 10 Duração: 180 dias OBJECTIVOS 1. identificar e seleccionar os modos de financiamento da nova entidade e dos seus projectos. 2. Iniciar processo de candidaturas a estes regimes de financiamento. 3. Obter financiamentos para o projecto. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA A equipa Bkat terá de pesquisar e apresentar diversas formas de financiamento para este projecto, desde programas públicos regionais, nacionais e comunitários a financiamentos privados, sponsorships, adiantamentos de contratos, royalties, etc... DELIVERABLES D3.1 Documento de identificação das formas de financiamento possíveis. D3.2 Candidaturas a programas de financiamentos. D3.3 Contratos ou protocolos de financiamentos obtidos. Página 11 de 11

12 DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Iniciar processo de formação e reconversão de recursos humanos e técnicos Nº da Actividade: 4 Mês de Início: 4 Mês de Conclusão: 20 Duração: 365 dias OBJECTIVOS 1. Definir, criar e implementar processos de requalificação e formação de funcionários, gestores e utilizadores dos CAO s para a nova entidade. 2. Definir, criar e implementar actualização e/ou reconversão de recursos técnicos e equipamentos. 3. Obter recursos humanos qualificados. 4. Obter recursos técnicos requalificados ou actualizados face aos objectivos globais do projecto. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: Criação de planos de formação profissional, execução de cursos de formação e requalificação profissional. Obter listagens de equipamentos e reconvertê-los ou actualizá-los. Preparar CAO s e nova entidade para a produção e prestação de serviços definidos. 1 D1.1 Planos de formação e reconversão de recursos. DELIVERABLES DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Fase de lançamento da nova entidade e dos novos produtos / serviços Nº da Actividade: 5 Mês de Início: 21 Mês de Conclusão: 24 Duração: 90 dias OBJECTIVOS 1. Entrada em produção da nova entidade. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA Iniciar a produção de produtos e a prestação de serviços de acordo com o estabelecido no business plan da nova entidade, bem como a sua comercialização. D1.1 Relatórios de produção DELIVERABLES Página 12 de 12

13 DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Plano de marketing e abordagem comercial Nº da Actividade: 6 Mês de Início: 24 Mês de Conclusão: 28 Duração: 210 dias OBJECTIVOS 1. Executar plano de marketing. 2. Executar abordagem comercial. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA Implementar plano de comunicação e marketing para dar visibilidade ao projecto e à nova entidade. Executar plano de abordagem comercial, afim de se criar circuitos de distribuição dos produtos e dos serviços. D1.1 Plano de marketing e plano de abordagem comercial. DELIVERABLES DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Análise aos primeiros resultados e reajustamentos Nº da Actividade: 7 Mês de Início: 28 Mês de Conclusão: 32 Duração: 120 dias OBJECTIVOS 1. Tomar conhecimento dos primeiros resultados do projecto e efectuar os ajustes necessários para melhorar outputs. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA A equipa DREER e Bkat irão analisar os primeiros resultados do projecto, em termos quantitativos e qualitativos, afim de se poder retirar indicadores de sucesso do mesmo. Se for necessário, iremos efectuar ajustes ao desenvolvimento do projecto para melhorar os objectivos. DELIVERABLES D1.1 Relatório de avaliação e documento de ajustes ao projecto. Página 13 de 13

14 DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: Implementação em velocidade de cruzeiro Nº da Actividade: 8 Mês de Início: 32 Mês de Conclusão: 36 Duração: 120 dias OBJECTIVOS 1. Garantir o bom funcionamento do projecto. TAREFAS QUE COMPÕEM ESTA FASE: DESCRIÇÃO DO TRABALHO e METODOLOGIA Após primeira avaliação e análise dos resultados e de ajustes se for necessário, a implementação do projecto deverá ser reconduzida de acordo com os parâmetros estabelecidos. D1.1 Relatórios e contas da nova entidade. DELIVERABLES Página 14 de 14

15 4 Metodologia de Gestão A BKAT CONSULTING, SA, desde a sua fundação, tem utilizado Metodologias Ágeis de Gestão de Projectos, tendo aplicado em particular a Metodologia SCRUM, nomeadamente em projectos em que o tempo de desenvolvimento é muito curto. A Metodologia SCRUM é baseada numa abordagem interativa em que o envolvimento de toda a equipa é fundamental para o sucesso do projecto. Esta metodologia apresenta as seguintes características: Reuniões regulares (mensais) com o cliente em que são validados os diversos momentos, em particular os momentos chave, sublinhados nas fases descritas anteriormente; Reuniões regulares entre a equipa de projecto para validar o trabalho feito, o trabalho por fazer e os principais problemas e dificuldades encontrados; É um processo ágil para gerir e controlar o trabalho desenvolvido; Permite controlar o caos, conflitos e problemas que possam emergir rapidamente; Permite manter uma elevada produtividade e motivação perante o trabalho efectuado; Entrega de relatórios intercalares (neste caso, em três cópias, em papel e suporte digital). Página 15 de 15

16 5 Prazo de execução A presente proposta tem um prazo máximo de execução de 3 anos após a adjudicação, de acordo com os timings acordados nas fases referidas nos capítulos anteriores. Página 16 de 16

17 6 Recursos Humanos e Técnicos A equipa de projecto da Bkat Consulting, SA, para este projecto será organizada da seguinte forma: Gestor de projecto Um consultor senior da empresa como gestor de projecto. Consultores seniores 3 Consultores seniores como responsáveis por áreas específicas, nomeadamente Gestão Empresarial, Project Finance e Tecnologias de Informação. Consultores juniores 3 Consultores juniores que serão responsáveis por enquadrar os CAO s e as unidades de produção nos sectores que forem referenciados como produtos / serviços. Apoio técnico-administrativo 2 funcionários para apoio técnico e administrativo ao projecto por parte da empresa. Página 17 de 17

18 7 Valor da proposta O valor desta proposta encontra-se discriminado por 3 grandes etapas da mesma, de acordo com as orientações e decisões da DREER. Assim, teremos que para as Fases 1, 2 e 3 do projecto, o valor a cobrar na globalidade será de euros, mais IVA (15%). Para as seguintes fases, e partindo da premissa que o projecto será financiado em 80% ou mais por fundos externos à DREER, o valor a cobrar será de euros por mês até final do projecto, acrescidos de IVA, à taxa legal em vigôr. Se o projecto for financiado por menos de 80% por fundos externos à DREER, o valor a cobrar será de euros por mês até final do projecto, acrescidos de IVA, à taxa legal em vigôr. Os valores propostos cobrem todos os serviços de assessoria e consultoria à criação e implementação do projecto, conforme descritos no plano das actividades do presente documento. Todos os restantes custos não previstos serão apresentados em propostas separadas. 7.1 Condições de Pagamento O pagamento deverá ser efectuado de acordo com as seguintes condições: Fase 1, 2 e 3: 30% com a adjudicação da proposta. 60% com a finalização da Fase 2. 10% com a finalização da Fase 3. Restantes Fases: Valor mensal. 7.2 Validade Esta proposta tem a validade de 60 dias úteis após a sua apresentação. Página 18 de 18

19 8 Confidencialidade Em conformidade com as boas regras de colaboração em projectos de consultoria, a equipa envolvida no projecto garante manter a confidencialidade de todas as informações relativas ao promotor e ao próprio projecto a que, por força do trabalho a desenvolver, tiver acesso. Página 19 de 19

20 9 Apresentação da BKAT CONSULTING, LDA Perfil da Empresa A Bkat Consulting SA é uma empresa fundada em Maio de 2002 com 100% do capital nacional que procura operar de forma inovadora e global na implementação, desenvolvimento e gestão de projectos multisectoriais junto de entidades Públicas e, ou, Privadas, com e sem fins lucrativos, proporcionando aos seus clientes uma visão estrutural e integrada das soluções e produtos existentes no mercado. Com um forte know how na concepção de projectos onde a inovação está sempre presente, a Bkat Consulting possui um quadro de consultores seniores em áreas tão específicas quanto a: A Cooperação e Desenvolvimento Empresarial; Os Sistemas e Tecnologias de Informação e Comunicação; A Formação e Educação; A Cultura; O Ambiente e as Energias Renováveis; corporizando assim uma mais valia fundamentada na articulação de experiências e expertise em sectores aparentemente diversificados, mas que formam peças de um puzzle que poderemos designar por desenvolvimento sustentável. O core business da Bkat Consulting reside na concepção, desenvolvimento e implementação de projectos; pesquisa, selecção e elaboração de candidaturas a fundos estruturais de financiamento regional, nacional e europeus; na realização e apresentação de planos estratégicos de desenvolvimento organizacional; e na gestão de acções de promoção local e regional, afim de potenciar estratégias integradas e multisectoriais para as entidades com que nos relacionamos. A Bkat Consulting posiciona-se no mercado, desde o momento da sua criação, de uma forma global ainda que atenta às especificidades regionais, iniciando, desde logo, a sua internacionalização através de empresas suas participadas ou parceiras em Mercados como Portugal Continental, Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde. Visão (Missão, Objectivos e Estratégia): Missão A BKat Consulting pretende contribuir para consolidar processos de desenvolvimento regional e de gestão empresarial assente na multisectorialidade das suas áreas de intervenção, onde recursos como a informação, as tecnologias de informação e comunicação e o conhecimento assumem papel preponderante para os nossos clientes. Objectivos Liderar no espaço atlântico da Macarronésia processos de desenvolvimento sustentável junto de entidades públicas e privadas com e sem fins lucrativos; Oferecer um serviço personalizado ao cliente com alto teor de inovação e integração ao nível dos processos de desenvolvimento organizacional visando um elevado nível de satisfação; Consolidar, até final de 2007, o processo de internacionalização em 3 novas Regiões ou Países; Página 20 de 20

21 Consolidar a estrutura do grupo Bkat com a criação, até final de 2006, de uma Holding, autonomizando as Participações Sociais e Operações por mercados e áreas de intervenção; Alcançar um volume de vendas, em serviços, superior a 1 milhão de Euros em 2006 e de 1,5 milhões de Euros em 2007 (resultados não consolidados); Estratégia A Bkat Consulting opera no mercado global através das soluções que desenvolve, ou integra, tendo por base o conhecimento que lhe advém do seu posicionamento a partir de regiões onde a ultra-periferia e interioridade são uma constante. Assente num modelo de negócio onde a multisectorialidade das soluções nos permitem uma visão alargada da realidade, procuramos, através da complementaridade que os nossos parceiros introduzem na construção de soluções para os nossos clientes, criar produtos diferenciados e serviços inovadores, sustentáveis no tempo. Da nossa cadeia de valor fazem parte integrante as valências dos nossos clientes e parceiros, que um funcionamento em rede nos permite obter, procurando, através de um processo de internacionalização, que se pretende contínuo, aumentar a penetração em mercados com potencial de crescimento elevado e economias emergentes criando, transferindo e, ou, adaptando processos de negócio e tecnologias. O cruzamento do conhecimento que as nossas competências nucleares nos proporcionam, com o nosso já vasto portfólio ao nível da concepção de projectos, associados a uma procura sistemática de parceiros locais relevantes no tecido económico e social dos mercados onde operamos é, a via seleccionada para progressivamente ganhar notoriedade e, consequentemente, quota de mercado. Corpos Sociais A Bkat Consulting organiza-se por áreas de competência e mercados onde está presente, fazendo parte do seu núcleo central: Conselho de Administração responsável, entre outras, pela orientação estratégica da empresa, pela condução do processo de internacionalização e identificação de novos mercados e produtos, identificação e estabelecimento de parcerias estratégicas e selecção das fontes de financiamento a propor aos seus clientes. Departamento de Consultoria. Departamento de Sistemas e Tecnologias de Informação. Departamento de Marketing e Comercial. Departamento Financeiro e de Organização. Compõem os seus Órgãos Sociais: Mesa da Assembleia Geral Dr. Ricardo Fabrício (Presidente) Sr. João Luís de Freitas Rodrigues (Secretário da Mesa) Conselho de Administração Dr. João Paulo Afonso Rodrigues Videira (Presidente) Dr. João Maurício Tomás Gouveia Marques Eng. João Carlos Nazaré Dos Santos Fiscal Único A. Gonçalves Monteiro e Associados (SROC) Página 21 de 21

22 Representada por Dr. António Salvador De Abreu Secretária Dra. Ana Paula Da Conceição Silva Trigo Estrutura e Empresas A Bkat Consulting organiza-se por 5 áreas chave de competências a partir das quais desenvolve e apoia a sua intervenção nos diferentes mercados e segmentos em que está presente, nomeadamente em Portugal Continental, Madeira, Canárias, Açores e Cabo Verde. A Bkat Consulting detém uma participação social numa empresa que desenvolve a sua actividade no âmbito da Consultoria, Formação (incluindo e-learning) e Educação (www.learn4u.com.pt ). Detém ainda uma participação numa empresa Cabo-verdiana, em parceria com a Cabo Verde Telecom e A Promotora do grupo BCA Banco Comercial Atlântico (www.td.cv ). Criou também recentemente duas empresas, estando uma delas vocacionada para a área do Ambiente e Energias Renováveis (GAIAWARE) e a outra (SEGTHOR) posicionando-se para actuar no mercado Nacional e Internacional em áreas relacionadas com a Fidelização de Clientes, através de soluções de CRM e Call Centers, a qual resultou de uma parceria com uma das maiores empresas de Tecnologias de Informação e Comunicação do País. Em processo de preparação, através de mais um spin-off a partir do Departamento Tecnológico da Bkat Consulting, está ainda a ser preparada uma nova empresa que se irá posicionar na área da Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas e Tecnologias de Informação e Comunicação; Em síntese, a estrutura organizacional que a empresa apresenta no primeiro trimestre de 2006 poderá observar-se no esquema seguinte, onde também se fazem reflectir as actuais participações sociais. Bkat Consulting Administração Projectos Especiais Administrativa e Financeira Tudodirecto 44,36% Learn4u 33,3% Gaiaware 100% CRM/Call Center 51% Consultoria Tecnologia Organigrama Participações Sociais Carteira de Clientes Com o início das suas operações em Maio de 2002, a Bkat Consulting desde cedo iniciou o seu processo de expansão / internacionalização e consequente penetração em mercados que vão desde a Região Autónoma da Madeira, Região Autónoma dos Açores, Portugal Continental, Canárias e Cabo Página 22 de 22

23 Verde, podendo enumerar-se, entre outras, relevantes entidades do Sector Público e Privado como clientes: Região Autónoma da Madeira: DRAC Direcção Regional de Assuntos Culturais DRA Direcção Regional do Ambiente DRE Direcção Regional da Educação DRF - Direcção Regional de Florestas CMF Câmara Municipal do Funchal CMCL Câmara Municipal de Câmara de Lobos EEM Empresa de Electricidade da Madeira JM Jornal da Madeira ACIF-CCIM Câmara de Comércio e Industria da Madeira ACS Associação de Comércio e Serviços CABOTV - Cabo TV Madeirense MADMAR Movimentação e Comercialização de Inertes, Lda Insularmática Produtos e Serviços de Informática, Lda ROSREP Representações, Lda ACS Associação de Comércio e Serviços ITB Transferência de Biotecnologia, Lda Nergsol / MadeiraFrio, SA HNS Metalomecânica Região Autónoma dos Açores: Vice-Presidência do Governo dos Açores CMAH Câmara Municipal de Angra do Heroísmo CCAH Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo ADIRA Agência de Desenvolvimento e Inovação da Região de Angra do Heroísmo ART Associação Regional de Turismo dos Açores DREA Direcção Regional de Educação dos Açores DRA Direcção Regional de Ambiente dos Açores Portugal Continental: ME - Ministério de Educação NERBA Núcleo Empresarial da Região de Bragança AIDA Associação Industrial de Aveiro NBo Recursos em Tecnologias de Informação, S.A. SGS Portugal, S.A. Cabo Verde: TACV Transportes Aéreos de Cabo Verde Canárias MBA - Escuela de Negócios MBA, S.L. União Europeia: Direcção Geral Sociedade da Informação Página 23 de 23

24 Contactos Sede: Calçada da Cabouqueira, 56, 2º A Funchal Portugal Tel: Fax: Mail: Site: Contacto: João Paulo Videira ou Maurício Marques Mail: Equipa de Gestão A BKAT CONSULTING conta com uma equipa jovem e dinâmica, possuidora de vastos conhecimentos técnicos e um sólido BACKGROUND sólido nas áreas de Organização, Educação, Formação e Sistemas e Tecnologias de Informação e Comunicação. Página 24 de 24

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação NATURA-ITP, L.da Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação Elaborado por Revisto por Aprovado por GT - MSGQF - 01 Coordenador pedagógico Director Formação 17 de Julho de 2014 Código do Documento:

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

PROGRAMA STEP BY STEP

PROGRAMA STEP BY STEP PROGRAMA STEP BY STEP A Nossa Dica para um Processo de Internacionalização com Sucesso Antes de decidir exportar ou internacionalizar conheça primeiro o mercado. Todos sabemos que hoje o desígnio nacional

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda.

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. é uma empresa com competências nucleares

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro OPEN Centro de Incubação de Oportunidades de Negócio Processo de Admissão de Utentes e Modelo de Incubação Centimfe, 2 de Março de 2005 Missão da OPEN Contribuir para a promoção da inovação e do emprego,

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra)

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra) REGULAMENTO O conceito de CENTRO DE EMPRESAS consiste na disponibilização de espaços destinados a empresas e pró-empresas, visando a promoção, desenvolvimento e consolidação das mesmas, com a finalidade

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão

Leia mais

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO Workshop Vale Mais Centro PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO ÍNDICE 1. O PROGRAMA VALE I&DT 2. O PROGRAMA VALE INOVAÇÃO 3. AS ENTIDADES

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

O modelo de balanced scorecard

O modelo de balanced scorecard O modelo de balanced scorecard Existe um modelo chamado balanced scorecard que pode ser útil para medir o grau de cumprimento da nossa missão. Trata-se de um conjunto de medidas quantificáveis, cuidadosamente

Leia mais

Programa de Empreendedorismo Tecnológico

Programa de Empreendedorismo Tecnológico PROGRAMA EIBTnet O QUE É? Programa de Empreendedorismo Tecnológico de apoio ao desenvolvimento, implementação, criação e consolidação de novas empresas inovadoras e de base tecnológica. 1 OBJECTIVOS Facilitar

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais