nº 30 Março / 2007 Leia o artigo completo na página 2. Leia a entrevista completa na página 5. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "nº 30 Março / 2007 Leia o artigo completo na página 2. Leia a entrevista completa na página 5. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1"

Transcrição

1 IMPRESSO ESPECIAL CONTRATO N.º /2001 ECT/DR/RJ Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial nº 30 Março / 2007 TISS: vantagens para a saúde suplementar No dia 31 de maio termina o prazo para os laboratórios clínicos se adequarem ao padrão TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar, implantado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O objetivo é aperfeiçoar a comunicação entre operadoras e prestadores de serviços e diminuir a burocracia. Ao invés de guias diferentes para cada operadora, o setor vai utilizar apenas modelos padronizados. Com o TISS devem ser reduzidos também os problemas que resultam em glosas - não pagamento dos serviços pelas operadoras de planos de saúde. Neste artigo, a representante técnica da SBPC/ML no Comitê que discute o TISS, Cléia Delfino do Nascimento, mostra as vantagens que o padrão vai representar para o segmento de saúde suplementar. Leia o artigo completo na página 2. Treinamento de pessoal é investimento O primeiro contato com o laboratório é feito com a equipe de atendimento, seja pelo telefone ou pessoalmente. Quando o cliente é bem atendido, maiores são as chances de ele voltar outras vezes. Os atendentes devem ser treinados e avaliados constantemente para aprimorar a qualidade de seu trabalho. Da mesma forma, o responsável pela área de atendimento também precisa se manter atualizado. Para o empresário, o treinamento dos atendentes deve ser visto como um investimento, e não como uma despesa a mais. Esse é o tema da entrevista com a diretora da Class Assessoria e Serviços, Carmen Sylvia Barbosa Maia, especialista em consultoria e atendimento em call center e autora do livro Supervisão em Call Center o Caminho para o Sucesso. Leia a entrevista completa na página 5. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1

2 TISS: vantagens para a saúde suplementar Cléia Delfino* Foto: divulgação de Suplementar), para registro e intercâmbio de assistência à saúde e prestadores de serviços, Saúde Suplementar (ANS), em conjunto com morar o processo na troca de informações, bem epidemiológicas, gerenciais e políticas de saú- possa informar à Agência dados relaciona- estatisticas. O padrão TISS (Troca de Informações em Saúdados entre operadoras de planos privados de foi criado em 2005 pela Agência Nacional de as classes envolvidas. Seu objetivo é apricomo nortear avaliações clínicas, de, de modo que o setor de saúde privado dos aos serviços prestados e informações Operadoras e prestadores de ser- viços ainda têm algumas dúvidas em relação ao TISS, o que resulta em in- certezas quanto a sua aplicabilidade, principalmente no que tange ao cum- primento do prazo de sua implantação estabelecido pela ANS: 31 de maio de Todavia, é certo afirmar que o caminho é sem volta. Devido ao crescimento do número de beneficiários e de operadoras e toda a comple- xidade envolvida no processo - que contribuiu muito para a evolução dos custos -, e considerando ainda a crítica falta de recursos para a saúde, o TISS se faz cada vez mais necessário para consolidar e otimizar os dados e recursos envolvidos, o que resultará na melhoria de qualidade nas políticas da saúde e na relação entre prestadores de serviços e operadoras de planos de saúde. O TISS realmente significa uma luz no fim do túnel para o nosso mercado da saúde, face às vantagens e facilidades que proporcionará para todos os envolvidos. Além do aprimoramento de comunicação, podemos citar como ganhos a redução do uso de papel e, em conseqüência, a diminuição da burocracia e maior agilidade no atendimento. Certamente resultará em melhoria na qualidade e em redução de tempo. Atualmente, a troca de informações entre prestadores e operadoras é complexa e demorada porque não existe padronização e cada uma estabelece suas próprias regras. A partir de maio, com a implantação do TISS, todo o mercado falará a mesma língua, a começar pelas guias físicas que apresentarão o mesmo formato (lay-out). Existem, atualmente, em torno de operadoras. Cada uma utiliza guias diferentes com preenchimento obrigatório para a cobrança. Por isso, o TISS vai facilitar o trabalho de todos os que estão diretamente envolvidos nos processos operacionais e burocráticos, como atendimento, faturamento e financeiro. Para os laboratórios são necessários quatro tipos de guias do padrão TISS: Serviços Profissionais/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia (SP/SADT), Outras Despesas, Demonstrativo de Pagamento e Demonstrativo de Análises de Conta Médica. A SP/SADT reúne todas as informações necessárias em uma única guia. Para prestadores e operadoras ela representa simplicidade, clareza e objetividade na troca de informações, o que contribui para a melhor performance nos processos. Um dos motivos é o fato da SP/SADT apresentar os campos para o profissional solicitante preencher os procedimentos a serem realizados pelo prestador de serviços, neste caso, o laboratório. 2 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

3 Ela também possui os campos para o prestador efetuar a cobrança dos serviços respectivamente realizados, evitando, assim, a utilização de mais papel. Qualquer tipo de SADT ou procedimento, OPMs e medicamentos especiais executados, não internados, são registrados na guia de SP/SADT. Outras cobranças de material e medicamento de uso comum, taxas e equipamentos devem ser registrados na Guia de Outras Despesas. É fácil compararmos a evolução nas etapas de alguns processos realizados em um laboratório de análises clínicas, nos setores de atendimento e faturamento, observando o fluxo operacional antes do TISS e com o TISS, conforme o fluxograma abaixo. Como outros exemplos podemos citar a área de Tecnologia da Informação (TI), que também melhora a sua performance devido à maior facilidade em seus processos, pois todos os programas passam a ser padronizados, ao contrário da situação atual, que apresenta diferentes programas disponíveis para cada operadora. Outra vantagem do TISS é a padronização também nas guias de pagamentos. Elas são consideradas um problema sério para os prestadores devido à displicência de muitas operadoras em relação ao envio de relatórios contendo as informações de extrema importância para a correta baixa das guias pagas, no setor financeiro. Além disso, a padronização estabelece um ponto final nos problemas enfrentados pela maioria dos prestadores: as glosas, ou seja, o não pagamento de uma guia total ou parcial, sem ao menos uma justificativa por parte da operadora. Modelo das Guias de Pagamentos Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 3

4 Apesar do prazo que se aproxima para a implantação do TISS, ainda é muito pequeno o número de operadoras que já disponibilizaram para o mercado as guias físicas, a fim de se exercitar os critérios da nova mudança. Da mesma forma, também existem poucos prestadores e operadoras em fase de testes para a transmissão eletrônica dos arquivos no novo padrão, com o objetivo de validar as informações, bem como identificar e sanar qualquer problema que possa existir, antes do prazo exigido. É de suma importância que todos participantes do segmento envolvidos nesse contexto agilizem ao máximo a implantação do TISS, para que sejam analisadas criteriosamente todas as etapas do processo e resolvidos eventuais problemas - se assim existirem - como também se familiarizar com o novo modelo e tornar mais fácil a adaptação. Conforme a própria ANS já divulgou, o TISS utiliza padrões já existentes e disponíveis em outros bancos de dados e sistemas de informações. Isso vai permitir compatibilizá-lo com os diversos sistemas de informação em saúde hoje existentes, e possibilitar melhorias na utilização dos dados coletados. O assunto TISS é acompanhado e discutido mensalmente pelo Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), criado pela ANS, através da Diretoria de Desenvolvimento Setorial (DIDES), com o propósito de promover o desenvolvimento e o aperfeiçoamento desse padrão. É importante que as dúvidas sejam esclarecidas por membros do Comitê, garantindo, desta forma, a veracidade das informações. O COPISS é composto por representantes das operadoras de planos de saúde, dos prestadores de serviços, da ANS e Departamento de Informação e Informática do SUS (DATASUS). Diante da importância do assunto para todos os participantes do mercado de saúde suplementar, a SBPC/ML está acompanhando e participando ativamente das discussões sobre esta matéria, como membro integrante do COPISS, com o objetivo de defender os interesses dos laboratórios clínicos. Prazos para implantação do TISS Entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde do grupo 1 - até 31 de maio de Entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde do grupo 2 - até 30 de novembro de Entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde do Grupo 3 - até 30 de novembro de Grupo 1 a) Hospitais gerais - Hospital destinado à prestação de atendimento nas especialidades básicas, por especialistas e/ou outras especialidades médicas. Pode dispor de serviço de urgência / emergência; b) Hospitais especializados - Hospital destinado à prestação de assistência à saúde em uma única especialidade / área. Pode dispor de serviço de urgência/ emergência e SADT; c) Hospitais / dia-isolado - Unidades especializadas no atendimento de curta duração com caráter intermediário entre a assistência ambulatorial e a internação; d) Pronto-socorro especializado - Unidade destinada à prestação de assistência em uma ou mais especialidades, a pacientes com ou sem risco de vida, cujos agravos necessitam de atendimento imediato; e) Pronto-socorro geral - Unidade destinada à prestação de assistência a pacientes com ou sem risco de vida, cujos agravos necessitam de atendimento imediato. Pode ter ou não internação; f) Clínica especializada / ambulatório de especialidade; g) Unidade de apoio à diagnose e terapia (SADT isolado); h) Unidade móvel de nível pré-hospitalar - urgência/emergência; i) Unidade móvel fluvial; j) Unidade móvel terrestre; k) Policlínica. Grupo 2 a) Consultório isolado; b) Profissionais de saúde ou pessoas jurídicas que prestam serviços em consultórios; c) Consultório odontológico isolado; d) Odontólogo ou pessoa jurídica da área odontológica que preste serviços em consultórios. Grupo 3 a) Clínica odontológica *Cléia Delfino do Nascimento Representante Técnica da SBPC/ML nos Grupos Conteúdo e Estrutura do COPISS 4 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

5 Treinamento de pessoal é investimento O primeiro contato com o laboratório é feito com a equipe de atendimento, seja pelo telefone ou pessoalmente. Quando o cliente é bem atendido, maiores são as chances de ele voltar outras vezes. Os atendentes devem ser treinados e avaliados constantemente para aprimorar a qualidade de seu trabalho. Da mesma forma, o responsável pela área de atendimento também precisa manter-se atualizado. Para o empresário, o treinamento dos atendentes deve ser visto como um investimento, e não como uma despesa a mais. Esse é o tema da entrevista com a diretora da Class Assessoria e Serviços, Carmen Sylvia Barbosa Maia, especialista em consultoria e atendimento em call center e autora do livro Supervisão em Call Center - o Caminho para o Sucesso. Qual é a importância do treinamento para os profissionais de laboratório que atendem o público, seja pessoalmente ou pelo telefone? Carmen Maia Vários autores afirmam que qualidade na prestação de serviços começa com a seleção do profissional certo, dentro do perfil estabelecido, passa por muita motivação e por treinamento, para que esteja sempre pronto e atualizado para atender o cliente. Treinamento é capaz de desenvolver o empowerment, isto é, pode tornar as pessoas competentes no relacionamento com cliente, pois passa a conhecer profundamente os produtos, serviços, procedimentos, processos e o torna capaz de dar respostas corretas, com uma atuação perfeita diante das situações apresentadas. Cliente bem atendido é cliente fiel e isto é tudo o que qualquer empresa quer. Não importa se o atendimento é por telefone ou presencial. O cliente percebe quando a pessoa do atendimento é nota dez. Sabe que por trás disso há um cuidado especial da empresa com a qualidade no atendimento e com o treinamento. E isto é valorizado por cada pessoa que é atendida. No caso dos laboratórios clinicos, temos mais um componte sério: muitos dos que vão fazer exames apresentam uma situação preocupante de saúde. Os atendentes sempre precisam estar atentos ao cuidado carinhoso com o cliente para, no mínimo, ser atencioso, calmo e compreensivo. O treinamento deve ser perió-dico? Carmen Maia O treinamento deve ser uma atividade permanente. Não é somente colocar uma pessoa em sala de aula uma ou duas vezes por ano. É preciso ter um gestor capaz de identificar pontos que precisam de uma certa atenção, e a orientação pode ser feita no momento em que for necessário, no dia-a-dia. Realizar uma ação de treinamento apenas uma vez por ano não vai tornar a pessoa competente. É preciso entender que o treinamento interfere diretamente nos resultados e, por isso, é estratégico. Foto: Estefan Radovicz O que deve ser abordado no treinamento dos atendentes? Os atendentes devem ser conscientizados para a qualidade no relacionamento com o cliente, no que diz respeito à parte comportamental do atendimento. Aí, se trabalha percepção e comunicação, o saber ouvir e o saber falar com empatia, como agir em situações estressantes resultantes de uma insatisfação do cliente. Esses tópicos são tratados e associados à Missão, Visão e Valores da empresa, pois eles é que ditam como o atendente deve agir. Não se pode esquecer o treinamento operacional, dos procedimentos, sobre as diretrizes e políticas da instituição. Como saber se está na hora de iniciar um programa de treinamento? Muitas empresas realizam pesquisas sobre a qualidade do atendimento, como abordagens do "cliente fantasma" seguindo padrões estabelecidos por ela e, por aí, identificar onde se pode melhorar. Se o atendimento é feito por telefone, a tecnologia oferece possibilidades de gravação e a monitoria de qualidade vai aferir quem está dentro dos padrões, quem deve ser treinado em pontos específicos ou quem realmente não merece continuar na empresa, pela falta de conformidade com os padrões de qualidade. Uma maçã estragada no meio de outras, contamina as demais. É bom lembrar que cada pessoa na empresa é responsável pela qualidade na prestação de serviços. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 5

6 Após o treinamento, deve haver uma avaliação para verificar se os atendentes captaram o que lhes foi transmitido? Sim. Esta avaliação pode ser feita através de testes de conhecimento e de monitoria do atendimento. Caso sejam detectadas resistências por parte de alguns atendentes para aceitar o treinamento ou novas regras, como lidar com essa atitude, sem criar atritos que prejudiquem a equipe? O papel do gestor é muito importante no comando de pessoas. Naturalmente, se elas forem conscientizadas para a mudança, entendendo os objetivos desta mudança e se ele estabelecer um critério de monitoria com sessões de feedback, contratando individualmente novos objetivos a serem atingidos, a rejeição vai acabar sendo vencida. Os coordenadores das equipes de atendimento também devem passar por treinamentos periódicos? É claro. Como pode um gestor ser deixado de fora? As mudanças estão ocorrendo em um ritmo alucinante e certamente quem está na posição de comando acaba por sofrer da "síndrome da atualização". Ele tem que estar atento também ao seu autodesenvolvimento e descobrir, por si próprio, o que é necessário para ter a competência exigida no seu cargo e para o futuro. Quem quer, vai e encontra um caminho para se atualizar. Quem espera, nem sempre alcança. De um modo geral, é comum haver alta rotatividade na área de atendimento das empresas, independentemente da sua atividade? Existem maneiras de reduzí-la? Sim. É possivel diminuir a rotarividade de pessoal com um trabalho interessante e motivador, plano de carreira com possibilidade de ascensão profissional, bom clima de trabalho, salário justo e satisfatório, um "chefe" atuante e atento - um líder eficaz que entende seus liderados e tem com eles uma boa comunicação -, treinamento para a competência, para que possa enfrentar os desafios; campanhas de incentivo etc. Alguns gestores adotam medidas que interferem de uma forma positiva nos resultados da rotatividade (turn-over). Uma delas é melhorar a "porta de entrada" do atendente, sendo mais exigente no processo seletivo. A rotatividade pode provocar resistência dos empresários em treinar seus colabo-radores? Considero uma miopia dos empresários que resistem em treinar seus colaboradores. Mas confesso que já ouvi esta "pérola" de alguns maus gestores que dizem que treinamento é caro e que, como a rotatividade é alta, acaba treinando o funcionário para um concorrente. Se a rotatividade é alta, é melhor que ele reflita como a empresa está lidando com seus colaboradores. Como o responsável pelo atendimento pode convencer o empresário da necessidade do treinamento, independentemente da rotatividade? Se a empresa tiver seus instrumentos de controle, o gestor pode demonstrar, por exemplo, através de relatórios - com números, evidentemente -, quantos colaboradores passaram a ser ex-colaboradores, motivos de demissão, qual o custo de reposição, quais as despesas de rescisão e mais o custo daquele salário, obrigações impostas pela legislação, despesas médicas de admissão e de rescisão, custos de treinamento etc, até o novo ter o nível de produtividade desejado. Assim, é possivel convencer os do andar de cima de que investir em treinamento pode ser mais rentável do que demitir pessoas. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial Jornal da SBPC/ML - Periodicidade mensal Rua Dois de Dezembro, 78 Salas 909/910 CEP Rio de Janeiro - RJ Tel. (21) Fax (21) Presidente 2006/2007 Wilson Shcolnik Diretor de Comunicação Octavio Fernandes da Silva Filho Criação, Arte e Diagramação Design To Ltda Jornalista responsável Roberto Duarte - Reg. Prof. RJ 23830JP 6 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

7 Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 7

8 8 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar Visão dos Prestadores HISTÓRICO 2003 TISS 2004 OFICINAS ANS TISS Porto Alegre: Importância do tema = 95,2% importante / muito importante

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Por que criar um padrão?

Por que criar um padrão? Tópicos Abordados Por que padronizar O que regulamenta Prazos Responsabilidades Entendendo a norma Webservices Mensagens TUSS Demonstração de uso de Webservices TISS Por que criar um padrão? Para colocar

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONSULTAS, SOLICITAÇÕES E EXECUÇÕES DE EXAMES (SADT) HILUM 4.0.5 TISS 3.02.00

MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONSULTAS, SOLICITAÇÕES E EXECUÇÕES DE EXAMES (SADT) HILUM 4.0.5 TISS 3.02.00 MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONSULTAS, SOLICITAÇÕES E EXECUÇÕES DE EXAMES (SADT) HILUM 4.0.5 TISS 3.02.00 1 APRESENTAÇÃO A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

Manual de Orientação ao Prestador

Manual de Orientação ao Prestador Manual de Orientação ao Prestador ORIENTAÇÕES IMPORTANTES QUANTO AO PREENCHIMENTO DE GUIAS E AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS Com a intenção de melhorar a parceria entre o Plano Santa Casa Saúde, médicos,

Leia mais

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 SUMÁRIO Questão 1 - Valor dos eventos de atenção à saúde, por grupo e origem... 4 Questão 2 Quantitativo e valor dos eventos de atenção à saúde por prestador...

Leia mais

Manual de instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais

Manual de instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais Manual de instruções para utilização e preenchimento das guias Instruções gerais Este manual tem como finalidade instruir todos os prestadores de serviço no preenchimento uniforme das guias do padrão TISS

Leia mais

Treinamento. Gerência Técnica Especializada consultoria@bolsin.net. Janis Kotke consultoria@bolsin.net

Treinamento. Gerência Técnica Especializada consultoria@bolsin.net. Janis Kotke consultoria@bolsin.net Apresentação: Janis Kotke O objetivo deste boletim informativo técnicos é esclarecer alguns detalhes da Resolução da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Todo o conteúdo foi extraído da sua própria fonte

Leia mais

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014 PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS Agosto/2014 PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÕES NA SAÚDE SUPLEMENTAR Padrão TISS Histórico e Consulta Pública nº 43 Padrão TISS - Versão 3.0 3 Histórico RN 305 09/10/2012 - Termo

Leia mais

Manual TISS instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais

Manual TISS instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais Manual TISS instruções para utilização e preenchimento das guias Instruções gerais Este manual tem como finalidade instruir todos os prestadores de serviço no preenchimento uniforme das guias do padrão

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS FASCÍCULO DO BENEFICIÁRIO VERSÃO 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. CONSULTA/ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA EM PRONTO ATENDIMENTO

Leia mais

A importância da conectividade entre. Gilberto Bosco Neto

A importância da conectividade entre. Gilberto Bosco Neto entre operadoras e prestadores Gilberto Bosco Neto Conectividade Interligar a operadora e o prestador de forma automatizada, trocando informações pertinentes ao atendimento do beneficiário e remuneração

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INFORMAÇÕES REGULAMENTARES:...3 3. ACESSO AO SISTEMA...3 4. INCLUSÃO DE USUÁRIOS...4 5. FATURAMENTO ELETRÔNICO...5 6. GUIA

Leia mais

Unimed Norte Capixaba. "Menos Burocracia Mais Produtividade"

Unimed Norte Capixaba. Menos Burocracia Mais Produtividade Unimed Norte Capixaba "Menos Burocracia Mais Produtividade" Sobre Nós! Unimed Norte Capixaba, fundada em 09 de maio de 1990 no município de Linhares no Norte do Estado do Espírito Santo. Conta com 279

Leia mais

7º Congresso de Gestão de Assistência à Saúde

7º Congresso de Gestão de Assistência à Saúde 7º Congresso de Gestão de Assistência à Saúde Estratégias de Otimização dos Custos de Operação (Administrativos) Heráclito Gomes de Brito Junior NOV/08 Agenda O setor de planos de saúde Forças de mercado

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

1 O que é a TISS 3.02.00?

1 O que é a TISS 3.02.00? 1 O que é a TISS 3.02.00? O Padrão TISS possui padrão obrigatório para trocas eletrônicas de dados de atenção à saúde dos beneficiários de planos, entre os agentes da Saúde Suplementar. Tem por finalidade

Leia mais

Cronograma Credenciados JAN, FEV e MAR 2011

Cronograma Credenciados JAN, FEV e MAR 2011 Rio de Janeiro, 18 de novembro de 2010. PASA/CE 032/10 Assunto: Manual do Credenciado Médico do PASA/Vale Prezado(a) credenciado(a), O PASA, visando a melhoria constante do seu fluxo de processamento de

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde 9º SINPLO SP 09/05/2014. 1 Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista ilupas Pesquisa Nacional identifica investimentos em tecnologias da informação e comunicação na área de Saúde Por Kelly de Souza O baixo grau de investimento em Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Formulários Padrão TISS 2. Preenchimento das Guias Padrão TISS Guia de Consulta Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia SP/SADT Guia de Solicitação de Internação

Leia mais

Manual Específico Unimed-Rio - TISS

Manual Específico Unimed-Rio - TISS UNIME D-RIO Manual Específico Unimed-Rio - TISS Área de Relacionamento com Hospitais Rio 2 PADRONIZAÇÃO DOS NOVOS FORMULÁRIOS QUE SERÃO UTILIZADOS PELOS PRESTADORES PARA ENVIO PARA A UNIMED-RIO. Estes documentos

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

Índice. Fátima Saúde - Treinamento TISS

Índice. Fátima Saúde - Treinamento TISS Índice Introdução 3 O que é a TISS? 3 Implementação da TISS 3 Guias 4 Orientações Gerais 4 Legislação 4 Mais Informações 4 Preenchimento das Guias 5 Guia da Consulta 5 Guia de Solicitação de Serviços Profissionais/Serviços

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS OBJETIVO DA SOLUÇÃO GERCLIM WEB A solução GERCLIM WEB tem por objetivo tornar as rotinas administrativas e profissionais de sua clínica,

Leia mais

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014 1 ÍNDICE 1. Visão Geral 3 2. O que é a TISS 3 3. Histórico da evolução do modelo 3 4. O que faz parte da TISS 4 5. Guias e demonstrativos 4 6. Plano de contingência 4 7. Guia de consulta 5 8. Guia de SP/SADT

Leia mais

Mais eficiência e menos burocracia

Mais eficiência e menos burocracia nº 18 março / 2006 Mais eficiência e menos burocracia A Resolução 114, de outubro de 2005, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), estabeleceu o padrão TISS (Troca de Informação em Saúde Suplementar),

Leia mais

Página: 1. Revisão: 16/12/2008. G:\TI\Negocios\Manuais_WebGuias\WebGuias 1.08.doc

Página: 1. Revisão: 16/12/2008. G:\TI\Negocios\Manuais_WebGuias\WebGuias 1.08.doc Página: 1 Página: 2 INDICE EMISSÃO DE GUIAS VIA INTERNET... 3 WEBGUIAS...4 1. Página Inicial...5 2. Alterando a senha padrão fornecida pela Santa Casa Saúde:...6 3. Mensagens WEB...7 4. Autorização de

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

Agora todas as Unimeds vão falar uma só língua. Unimed do Brasil Federação São Paulo Portal Unimed

Agora todas as Unimeds vão falar uma só língua. Unimed do Brasil Federação São Paulo Portal Unimed Agora todas as Unimeds vão falar uma só língua. Unimed do Brasil Federação São Paulo Portal Unimed Folheto perguntas e respostas (15X15)cm.indd 1 9/25/08 4:38:13 PM E as primeiras palavras são inovação,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar)

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) 0 Última Atualização: 16/05/07 9:30h SUMÁRIO I Introdução Página 2 II - Formulários/ Legendas Página 5 II.1 Guias Página 5 2.1.1

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

RANKING DE INTERCÂMBIO

RANKING DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO Ranking de Intercâmbio A Unimed do Brasil na busca pela qualificação dos processos operacionais do Sistema Unimed, vem trabalhando na modernização do Ranking de Intercâmbio, de forma

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. Institui o programa de incentivo à qualificação de prestadores de serviços na saúde suplementar. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial

Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial Programa de Indicadores Laboratoriais Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial Dr. Wilson Shcolnik set 2009 AGENDA Por que o programa surgiu? Como ele funciona? Quais os resultados

Leia mais

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS CARTILHA TISS 3.01.00 2. Material TISS 3.01.00 3. Componentes da TISS 3.01.00 4. Rotina Operacional Central de Atendimento Autorização 5. Rotina Operacional Contas Médicas

Leia mais

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice CONCEITOS E INSTRUÇÕES Índice 1. CONCEITOS... 2 1.1. O QUE É SERVIÇO?... 2 1.2. O QUE É CONSULTORIA?... 2 1.3. O QUE É ASSESSORIA?... 2 1.4. O QUE É SUPORTE TÉCNICO?... 2 1.5. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SUPORTE

Leia mais

RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR. 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião;

RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR. 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião; RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR DATA: 28/05/2015 LOCAL: ANS HORÁRIO: 09h às 12h30min Pauta: 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião;

Leia mais

Faturamento Eletrônico Padrão ANS. Sumário

Faturamento Eletrônico Padrão ANS. Sumário Sumário 1. VISÃO GERAL...2 2. CONFIGURAÇÕES...2 2.1 CADASTRAR CONVÊNIOS...3 2.2 CADASTRAR COMPETÊNCIA...4 2.3 CADASTRAR LOTES...4 3. GUIAS DE CONSULTA...5 4. GUIAS DE SP/SADT...5 4. GUIAS DE OUTRAS DESPESAS...6

Leia mais

Consultório Online Maio 2014

Consultório Online Maio 2014 Consultório Online Maio 2014 O que é? O Consultório Online é uma recurso operacional utilizado diretamente nos consultórios médicos ou prestadores por meio de uma interface web (internet) em conformidade

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 UNIMED BLUMENAU COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO SCCard Sistema de Autorização On-Line O SCCard é a interface web do sistema de autorização da Unimed Blumenau

Leia mais

APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL

APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL 2014 APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL I S O esocial está causando arrepios, mas pouca gente já sabe exatamente o que é. Em poucas palavras, o esocial é um programa do governo federal que tenta consolidar

Leia mais

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas APRESENTAÇÃO A Federação Baiana de Hospitais e a Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia, cumprindo com a função de orientar e assessorar hospitais,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

MANUAL DO REFERENCIADO TISS

MANUAL DO REFERENCIADO TISS MANUAL DO REFERENCIADO TISS Prezado Referenciado, As instruções contidas neste Manual têm como principal objetivo, servir como guia para que os agentes integrantes do processo de faturamento e conciliação

Leia mais

MANUAL Troca de Informações em Saúde Suplementar TISS

MANUAL Troca de Informações em Saúde Suplementar TISS MANUAL Troca de Informações em Saúde Suplementar TISS Plano de Auto-Gestão em Saúde da CERON - PAGSC Porto Velho ago/2007 1 APRESENTAÇÃO A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar

Leia mais

Manual do AP_Conta. Manual do AP_Conta. Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS

Manual do AP_Conta. Manual do AP_Conta. Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS 2014 Manual do AP_Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS 0 Sumário 1. Sobre esse manual... 3 2. Habilitando e Configurando o AP_Conta... 4 3. Habilitação e Licenciamento...

Leia mais

22 DICAS para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER. em Clínicas de Imagem

22 DICAS para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER. em Clínicas de Imagem para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER em Clínicas de Imagem Objetivo Um atendimento eficiente e personalizado é um dos principais fatores que o cliente leva em consideração ao iniciar um processo de fidelização

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

FATURAMENTO ELETRÔNICO

FATURAMENTO ELETRÔNICO TUTORIAL FATURAMENTO ELETRÔNICO TISS epro-social 17/11/2009 Índice Introdução... 2 Faturamento Eletrônico... 3 Troca de Informações de Saúde Suplementar - TISS... 4 Formas de Comunicação e Arquivos...

Leia mais

Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência

Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência Maio de 2011 1. Apresentação Apresentamos o Manual de Orientações Técnicas e Administrativas

Leia mais

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER?

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? FIQUE ATENTO! A operadora é obrigada a divulgar os planos de saúde que comercializa em sua página na internet. 1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? Individual ou Familiar

Leia mais

VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO

VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Doctor Clin, Operadora de Planos de Saúde registrada na Agência Nacional de Saúde sob o nº 34968-2. Há 20 anos no mercado, é responsável pela saúde de 60 mil funcionários

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 190, DE 30 DE ABRIL DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 190, DE 30 DE ABRIL DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 190, DE 30 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação obrigatória de portal corporativo na Internet pelas operadoras de planos privados de assistência à saúde, sobre a designação

Leia mais

Autorizador Plasc TISS Web. - Manual de Instrução-

Autorizador Plasc TISS Web. - Manual de Instrução- Autorizador Plasc TISS Web - Manual de Instrução- A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro e intercâmbio de dados entre operadoras de planos privados

Leia mais

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS.

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS. Gerência/Diretoria: GEPIN/DIDES Protocolo nº 33902.552358/2015-01 Data: 09/12/2015 Hora: 10:00 Assinatura: Magno Fernandes Nota Técnica nº 586/2015/GEPIN/DIDES/ANS 1. Introdução Trata-se de Nota Técnica

Leia mais

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE AGOSTO/2014 1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Orientações Gerais... 4 2.1 Entrega de guias... 4 2.2 Numeração de guias... 4 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança...

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

RESUMO DO MANUAL DE PREENCHIMENTO DAS GUIAS TISS. Aqui você encontra instruções para preencher corretamente os principais campos das Guias TISS.

RESUMO DO MANUAL DE PREENCHIMENTO DAS GUIAS TISS. Aqui você encontra instruções para preencher corretamente os principais campos das Guias TISS. RESUMO DO MANUAL DE PREENCHIMENTO DAS GUIAS TISS Aqui você encontra instruções para preencher corretamente os principais campos das Guias TISS. Prezado(a) Referenciado(a), A mudança exigida pela ANS dos

Leia mais

Saiba tudo sobre o esocial

Saiba tudo sobre o esocial Saiba tudo sobre o esocial Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Capítulo I Funcionamento O Sistema consiste em um acordo estabelecido entre as Operadoras de Plano de Saúde associadas à Abramge pelo qual se obrigam a prestar atendimento de urgência e emergência aos

Leia mais

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS 2014 Tecnologia da Informação - TI Unimed Cascavel MANUAL HILUM 4.0 - FISIOTERAPIA A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

Recrutamento 12/02/2012. Recrutamento - Conceito. Mercado de Trabalho: Recrutamento - Conceito

Recrutamento 12/02/2012. Recrutamento - Conceito. Mercado de Trabalho: Recrutamento - Conceito Recrutamento Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 01 O Recrutamento ocorre dentro do mercado de trabalho e do mercado de Recursos Humanos; Mercado de Trabalho: O Mercado de Trabalho é o espaço

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Cronograma de Entrega de Fatura 2012

Cronograma de Entrega de Fatura 2012 Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2011. PASA/CE 31/11 Assunto: Orientações para a rede credenciada Prezado credenciado(a), A Vale/PASA, visando o aperfeiçoamento de seus processos, vem através desta correspondência

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

Divulgação Novo TISS 3.02.00

Divulgação Novo TISS 3.02.00 Manual TISS 3.0.00 Índice Tema Introdução Conteúdo e Estrutura Guia de Consulta Legenda Guia de Consulta Guia SP SADT Legenda Guia SP SADT Guia Solicitação de Internação Legenda Guia Solicitação de Internação

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Formulários do Plano de Contingência

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Formulários do Plano de Contingência PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Formulários do Plano de Contingência Padrão TISS - Componente de Conteúdo e Estrutura - Novembro 2013 311 Logo da Empresa GUIA DE CONSULTA 2- Nº Guia no Prestador

Leia mais

Implantação do Padrão TISS na Saúde Suplementar -RADAR TISS-

Implantação do Padrão TISS na Saúde Suplementar -RADAR TISS- Implantação do Padrão TISS na Saúde Suplementar -RADAR TISS- XI Congresso Brasileiro de Informática em Saúde - Campos de Jordão - SP 29 de novembro a 03 de dezembro de 2008 Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais