Protecting Children and Families from Tobacco: Leadership Training. Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protecting Children and Families from Tobacco: Leadership Training. Portugal"

Transcrição

1 Click here for the Table of Contents! Protecting Children and Families from Tobacco: Leadership Training Portugal XVI Congreso Latinoamericano de Pediatría November 14, 2012 La Asociación Latinoamericana de Pediatría-ALAPE

2 Table of Contents Click on the links below to access the reports included in this document. WHO Country Profile WHO NCDs WHO TB Tobacco Fact Sheet Portuguese Treatment Guidelines 2002 Portuguese Treatment Guidelines 2008 English Additional Resources

3 WHO Report on the Global Tobacco Epidemic, 2011 Country profile Portugal Note: Where no data were available, " " shows in the table. Where data were not required, " " shows in the table. WHO Framework Convention on Tobacco Control (WHO FCTC) status Date of signature 9 January 2004 Date of ratification (or legal equivalent) 8 November 2005 Socioeconomic context Population (thousands) Income group High income Prevalence of tobacco use Tobacco use data as provided by the country from the latest survey result available to WHO as at 1 November 2010 Any smoked tobacco Cigarettes Adult prevalence, smoking (%)* Current Daily Current Daily Male Female Total Adult prevalence, smokeless tobacco use (%)*... Male... Female... Total... * Ages 15+, National Health Survey, " " Data not reported/not available. WHO age-standardized estimated prevalence of smoking among those aged 15 years or more: Year 2009 Adult prevalence, smoking (%) Any smoked tobacco Cigarettes Current Daily Current Daily Male Female Total

4 Country Profile: Portugal Tobacco control measures and programmes as at 31 December 2010 Smoke-free environments 2010 Public places with smoke-free legislation: Health-care facilities Yes Educational facilities except universities Yes Universities No Government facilities No Indoor offices No Restaurants No Pubs and bars No Public transport Yes All other public places NA Compliance score... National law requires fines for smoking Yes Fines levied on the establishment Yes Fines levied on the smoker Yes Dedicated funds for enforcement No Citizen complaints and investigations Yes A score of 0 10, where 0 is low compliance. Subnational laws on smoke-free environments Subnational jurisdictions do not have the authority to adopt and implement smoke-free laws. 2

5 Country Profile: Portugal Treatment of tobacco dependence Is there a toll-free telephone quit line/help line with a live person available to discuss cessation with callers in your country? Yes 2010 Nicotine replacement therapy (e.g., patch, gum, lozenge, spray or inhaler) Bupropion (e.g., Zyban, Wellbutrin) Varenicline Is this product legally sold in the country? Where and how can this product be legally purchased in your country? Does the national/federal health insurance or the national health service cover the cost of this product? Is any NRT on the country's essential drugs list? Is this product legally sold in your country? Where and how can this product be legally purchased in your country? Does the national/federal health insurance or the national health service cover the cost of this product? Is this product legally sold in your country? Yes In a pharmacy without a prescription No No Yes In a pharmacy with a prescription No Yes Is smoking cessation support available in the following places in your country? Does the national/federal health insurance or the national health service cover the cost of this support? Where and how can this product be legally purchased in your country? In a pharmacy with a prescription Does the national/federal health insurance or the No national health service cover the cost of this product? Health clinics or other primary care facilities Yes in some Hospitals Yes in some Office of a health professional Yes in some In the community Yes in some Other... Health clinics or other primary care facilities Fully Hospitals Fully Office of a health professional No In the community Other... 3

6 Country Profile: Portugal Health warnings on tobacco packages Cigarettes 2010 Smokeless tobacco Does the law mandate that health warnings appear on tobacco packages? Yes What percentage of the principal display areas of the package is legally mandated to be covered by health warnings? FRONT AND REAR COMBINED What percentage of the principal display areas of the FRONT of the package is legally mandated to be covered by health warnings? What percentage of the principal display areas of the REAR of the package is legally mandated to be covered by health warnings? Does the law mandate that the warning be placed at the top of the principle display areas Yes Yes of the package? Does the law mandate font style, font size and colour for package warnings? Yes Yes Are the health warnings rotating on packages? Yes Yes Are the health warnings on packages written in the principal language(s) of the country? Yes Yes Does the law require that health warnings on packages are not obscured in any way, Yes Yes including by required markings such as tax stamps? Do the health warnings on packages include a photograph or graphic? No No Do health warnings appear on each package and any outside packaging and labelling used Yes Yes in the retail sale? Does the law on health warnings apply to products whether manufactured domestically, Yes Yes imported, AND for duty-free sale? Does the law state that warnings on packages do not remove or diminish the liability of the No No tobacco industry? Do health warnings on packages describe the harmful effects of tobacco use on health? Yes Yes Does the law mandate specific health warnings on cigarette packages? Yes Yes How many specific health warnings are approved by the law? Does the law require or establish fines for violations regarding health warnings on Yes Yes packages? Are there any laws requiring that cigarette packaging and labelling do not use misleading Yes Yes terms which imply the product is less harmful than other similar products, such as low tar, light, ultra-light, or mild? Are there any laws requiring that cigarette packaging and labelling do not use figurative or Yes Yes other signs, including colours or numbers, as substitutes for prohibited misleading terms and descriptors? Are there any laws requiring that cigarette packaging and labelling do not use descriptors No No depicting flavours? Does the law ban the display of quantitative information on emission yields (such as tar, No No nicotine and carbon monoxide) on cigarette packaging, including when used as part of a brand name or trademark? Does the law mandate the display of qualitative information on relevant constituents and No No emissions of tobacco products on cigarette packaging? Does the law mandate that this information is displayed on one or more of the principal display areas (front, rear) of the package? Does the law prevent the display of expiry dates on cigarette packaging? No No Is it mandatory for the quit line number to appear on packaging or labelling? No No Does the law mandate plain packaging (ie. prohibit the use of logos, colours, brand images or promotional information on packaging other than brand names and product names displayed in a standard colour and font style)? No No 4

7 Country Profile: Portugal Bans on tobacco advertising, promotion and sponsorship 2010 Direct bans National TV and radio Yes International TV and radio No Local magazines and newspapers Yes International magazines and newspapers No Billboards and outdoor advertising Yes Point of sale Yes Internet Yes Other direct bans Yes Compliance score of direct bans 8 Indirect bans Free distribution Yes Promotional discounts Yes Non-tobacco goods and services identified with tobacco brand names Yes Brand name of non-tobacco products used for tobacco product No Appearance of tobacco brands in TV and/or films (product Yes placement) Appearance of tobacco products in TV and/or films Yes Sponsored events Yes Other indirect bans Yes Compliance score of indirect bans 7 Are there subnational laws or regulations banning some or all types No of tobacco advertising, promotion and sponsorship mentioned in the above questions? A score of 0 10, where 0 is low compliance. 5

8 Country Profile: Portugal Tobacco taxation policy as at 31 July 2010 Price of lowest-cost brand of cigarettes (Ritz) A Tax inclusive retail sales price (TIRSP) for a pack of 20 cigarettes EUR EUR Price of Marlboro or similar brand of cigarettes (Marlboro) A Tax inclusive retail sales price (TIRSP) for a pack of 20 cigarettes EUR EUR Taxes on the most popular brand of cigarettes (MPPC) ᄌ Price of most sold brand, pack of 20 cigarettes In currency reported by country In US$ at official exchange rate Taxes on this brand (% of retail price) 6 WHO's comparable estimate for 2008 WHO's comparable estimate for 2010 EUR EUR USD USD Total ᄌ taxes Specific excise Ad valorem excise Value added tax (VAT) Import duty Other taxes 0 0 Individual categories of tax may not add to total due to rounding. National tobacco control programme 2010 Specific national government objectives in tobacco control Yes National agency or technical unit for tobacco control Yes Number of full-time equivalent staff 2 Government expenditure on tobacco control: In currency reported by country... Year of expenditure... In US$ at official exchange rate US$... *****

9 Portugal 2010 total population: Income group: High NCD mortality 2008 estimates males females Total NCD deaths (000s) NCD deaths under age (percent of all NCD deaths) Age-standardized death rate per All NCDs Cancers Chronic respiratory diseases Cardiovascular diseases and diabetes Behavioural risk factors 2008 estimated prevalence (%) males females total Current daily tobacco smoking Physical inactivity Proportional mortality (% of total deaths, all ages) Other NCDs 13% Diabetes 5% Communicable, maternal, perinatal and nutritional conditions 9% Injuries 4% CVD 37% Metabolic risk factors 2008 estimated prevalence (%) males females total Raised blood pressure Raised blood glucose Overweight Cancers 26% Obesity Raised cholesterol NCDs are estimated to account for 86% of all deaths. Metabolic risk factor trends Respiratory diseases 6% mmhg Mean systolic blood pressure kg/m Mean body mass index mmol/l Mean fasting blood glucose Country capacity to address and respond to NCDs mmol/l Mean total cholesterol Males Females Has a Unit / Branch / Dept in MOH with responsibility for NCDs NR Has an integrated or topic-specific policy / programme / action plan which is currently operational for: There is funding available for: Cardiovascular diseases Yes NCD treatment and control Yes Cancer Yes NCD prevention and health promotion Yes Chronic respiratory diseases NR NCD surveillance, monitoring and evaluation Yes Diabetes NR Alcohol NR National health reporting system includes: Unhealthy diet / Overweight / Obesity Yes NCD cause-specific mortality Yes Physical inactivity NR NCD morbidity NR Tobacco NR NCD risk factors NR Number of tobacco (m)power measures Has a national, population-based cancer registry NR implemented at the highest level of achievement 1/5 NR = Country replied to survey but did not give a response to specific question World Health Organization - NCD Country Profiles, 2011.

10 Organização Mundial da Saúde TUBERCULOSE & TABAGISMO UMA FORTE ASSOCIAÇÃO Fumar aumenta significativamente o risco de adoecimento e morte por tuberculose Mais de 20% da incidência global por tuberculose pode ser atribuida ao tabagismo Controlar a epidemia de tabaco vai ajudar a controlar a epidemia da tuberculose Fumar é um fator de risco para a tuberculose independente do uso de álcool e de outros fatores sócio-econômicos Fumar aumenta em mais do que duas vezes e meia o risco de adoecer por tuberculose A monografia WHO monograph on TB and tobacco oferece informações adicionais Correlação do alto impacto da TB e do uso de produtos do tabaco em países selecionados 40% 35% 30% 5 países são líderes mundiais na proporção de casos de tuberculose e de fumantes 40% da carga de doença na India por tuberculose pode ser atribuida ao tabagismo Uma dramática redução do tabagismo e da exposição ao tabagismo passivo na China poderia reduzir a incidência da tuberculose em 14-52% até % 20% 15% 10% 5% India China Africa do Sul Indonésia Paquistão Bangladesh Filipinas Mianmar Proporções de casos de tuberculose no mundo(2007) Proporç ão de fumantes no mundo(20 05) Etiópia Rússia EUA Brasil Jap ão Alemanha Turquia 0% A epidemia da tuberculose: 2 bilhões de pessoas estão infectadas pelo bacilo da TB TB é uma doença da pobreza com a maioria das mortes ocorrendo em países de baixo a médio poder aquisitivo com mais da metade de todas as mortes ocorrendo na Ásia 9.27 milhões de novos casos de TB ocorreram em milhões de pessoas morreram por TB em % dos casos de TB são multiresistentes às drogas A epidemia de tabaco: Mais do que 1 bilhão de pessoas fumam e aproximadamente 70% vivem em países de baixa a média renda O uso do tabaco é a maior causa evitável de morte Mais do que 5 milhões de pessoas morrem por ano por usarem tabaco. Sem controle, a epidemia vai matar mais de 8 milhões por ano em 2030 Políticas recomendadas pela OMS para combater o tabagismo e a tuberculose Controle o tabagismo em qualquer lugar especialmente onde pessoas estejam em risco de contrair infecção por tuberculose Coordene os programas de tabagismo e tuberculose e treine profissionais de saúde nas duas áreas Investigue e registre o uso do tabaco pelo paciente com TB e ofereça aconselhamento e tratamento Promova e apoie ambientes livres de fumo particularmente onde os serviços de TB são oferecidos Integre intervenções mínimas (5 'A's e 5 'R's) nas atividades de controle da TB Implemente procedimentos de cessação de fuma r através da estratégia PAL (Abordagem prática à saúde pulmonar)

11 Ações de saúde pública Programas de controle da tuberculose podem apoiar programas de controle do tabagismo: Promovendo o aumento de impostos e preços Oferecendo proteção da exposição à fumaça ambiental do tabaco Proibindo a publicidade, promoção e patrocínio de produtos de tabaco Regulando o empacotamento e etiquetagem de produtos do tabaco Aumentando a conscientização do público sobre os malefícios do tabaco Tratando a dependência à nicotina Estas e outras recomendações se encontram na Convenção Quadro para o Controle do Tabaco da OMS Ações voltadas aos pacientes Use 5 A's ABORDE pacientes de tuberculose para saber se eles fumam ACONSELHE a que eles parem de fumar AVALIE a possibilidade real de que eles parem AJUDE na sua tentativa de parar AGENDE uma consulta de seguimento Projetos piloto e próximos passos A cessação de fumar pode ser abordada através da estratégia PAL Abordagem prática à saúde pulmonar, que: É uma abordagem centrada no paciente para diagnóstico e tratamento de doenças respiratórias comuns nas unidades básicas de saúde Promove gerenciamento integrado e baseado em sintomas Procura padronizar a prestação de serviços através do desenvolvimento e implementação de abordagens clínicas A estratégia PAL e outras recomendações podem ser encontradas na Estratégia Stop TB da OMS Os 5 'R's RELEVÂNCIA garanta que o paciente de TB saiba que seu tratamento será mais efetivo se parar de fumar RISCOS mostre todos os riscos de continuar fumando, inclusive os riscos de recaída RECOMPENSAS eduque seu paciente de TB sobre os outros benefícios de deixar de fumar RESISTÊNCIAS ajude seu paciente de TB a identificar obstáculos para deixar de fumar REPETIÇÕES continue encorajando seu paciente com tuberculose a parar de fumar Egito, Indonésia, e Nepal ações de cessação de fumar foram introduzidas nos serviços de saúde em áreas piloto através da estratégia PAL Quirguistão serviços de cessação de fumar foram inseridos como parte da estratégia PAL na maioria das unidades básicas de saúde do país Brasil estratégias para cessação de fumar foram testadas nos serviços de atenção ao paciente de tuberculose no município do Rio de Janeiro Próximos passos Monitorar, avaliar e documentar abordagens para cessação de fumar através da estratégia PAL e dos serviços de atenção à tuberculose Expandir projetos piloto que tenham obtido sucesso para outras populações Aumentar a concientização política dos efeitos da associação entre a tuberculose e o tabagismo Aumentar a concientização entre os diversos departamentos ministeriais dos benefícios sociais, econômicos e da saúde da ação conjunta no controle da tuberculose e do tabagismo WHO Nov 2009

12 NOC de cessação de tabagismo - IQS Instituto da Qualidade em Saúde - Ministério da Saúde - Norma de Orientação Clínica TRATAMENTO DO USO E DEPENDÊNCIA DO TABACO

13 NOC de cessação de tabagismo - IQS INDICE INDICE... 2 SECÇÕES QUE CONSTITUEM ESTA NORMA DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA... 4 TÍTULO... 6 INTRODUÇÃO... 6 NATUREZA DA DEPENDÊNCIA DE TABACO... 7 REFERÊNCIAS... 7 ADAPTAÇÃO... 8 FONTES DE FINANCIAMENTO... 8 COMITÉS E GRUPO RESPONSÁVEL... 9 OBJECTIVOS... 9 TÓPICO/DOENÇA... 9 CATEGORIA... 9 UTILIZADORES POTENCIAIS... 9 POPULAÇÃO ALVO... 9 INTERVENÇÕES PRÁTICAS... 9 RESULTADOS MÉTODOS DE SELECÇÃO DA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA FONTES DE EVIDÊNCIA CIENTÍFICA ARTIGOS PUBLICADOS EM REVISTAS OU BASES DE DADOS ELECTRÓNICAS REVISTAS LIVROS CDROMS INTERNET METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO CRITICA DA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA ESQUEMA DA HIERARQUIZAÇÃO DA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA APOIANTES E SUBSCRITORES ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO RECOMENDAÇÕES PRINCIPAIS AVALIAÇÃO DO USO DE TABACO INTERVENÇÕES CLÍNICAS BREVES INTERVENÇÕES CLÍNICAS INTENSIVAS RASTREIO E AVALIAÇÃO ESTRUTURA E INTENSIDADE DO TRATAMENTO ELEMENTOS DE TRATAMENTO POPULAÇÕES ESPECIAIS GRAVIDEZ MINORIAS RACIAIS E ÉTNICAS FUMADORES HOSPITALIZADOS CRIANÇAS E ADOLESCENTES DOENTES IDOSOS TÓPICOS ESPECIAIS AUMENTO DE PESO APÓS A CESSAÇÃO DO TABAGISMO OUTROS PRODUTOS DO TABACO FORMAÇÃO DOS CLÍNICOS

14 NOC de cessação de tabagismo - IQS ALGORITMO CLÍNICO RESERVAS QUALITATIVAS ANÁLISE DE CUSTOS BENEFÍCIOS POTENCIAIS GERAIS DE SUB-GRUPOS RISCOS POTENCIAIS E DE SUB-GRUPOS DISPONIBILIDADE DOCUMENTAÇÃO ANEXA RECURSOS DE DOENTES DATA DE PUBLICAÇÃO DATA DE REVISÃO PREVISTA

15 NOC de cessação de tabagismo - IQS SECÇÕES QUE CONSTITUEM ESTA NORMA DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA Secção Descrição Título identifica o título completo Adaptação esclarece se a NOC foi adaptada de outra e, no caso afirmativo, identifica-a Responsáveis identifica a organização responsável pela elaboração da NOC Fontes de financiamento Comités e grupo responsável indica as eventuais fontes de financiamento para elaboração da NOC e, no caso afirmativo, pormenoriza as condições contratualizadas identifica formalmente os comités e sub-comités dentro do grupo responsável e descreve a composição individual deste, incluindo graus profissionais, académicos e afiliações existentes Objectivos descreve os objectivos gerais da NOC Tópico/doença identifica as áreas major de medicina clínica ou de cuidados de saúde sobre as quais incidirão as recomendações Categoria classifica a NOC em termos de tipo (ver atrás) Utilizadores potenciais População-alvo Intervenções / Práticas Resultados (outcomes) Métodos de selecção da evidência científica Fontes de evidência científica Metodologia de avaliação crítica da evidência científica Esquema de hierarquização da evidência científica Métodos de análise e validação da evidência científica Apoiantes e subscritores Estratégia de implementação Recomendações principais identifica as categorias profissionais que poderão vir a utilizar a NOC (com ênfase no grupo-alvo) decreve a população-alvo de doentes para os quais a NOC foi elaborada identifica as intervenções clínicas e as práticas específicas incluidas na NOC identifica os resultados (outcomes) mais importantes ou as medidas específicas da NOC identifica com pormenor e classifica os métodos utilizados para seleccionar a evidência científica que serviu de base à NOC descreve as fontes bibliográficas da evidência científica (bases de dados, CD-ROMs, WWW, etc.) descreve em pormenor os métodos utilizados para avaliar criticamente a evidência científica que serviu de base à NOC descreve os esquema de classificação da validade da evidência científica e a força das recomendações nela baseadas (se justificável) descreve os métodos analíticos utilizados para os dados da evidência científica (RCTs, meta-análises, revisões sistematizadas, estudos retrospectivos, etc.), incluindo a sua validação interna e externa identifica as organizações que apoiam formalmente as NOCs e as suas recomendações depois de publicadas descreve os planos práticos para a implementação da NOC: contextos, modalidades, avaliação descreve as recomendações principais, resumidas das que estão incluidas no principal segmento do texto base 4

16 NOC de cessação de tabagismo - IQS Algoritmo clínico Reservas qualitativas apresenta o algoritmo clínico que sintetiza as recomendações do texto descreve os problemas metodológicos identificados pelo grupo e identifica áreas de incerteza da evidência, assim como os passos que foram dados para a solucionar Análise de custos inclui análise económica, se possível Benefícios potenciais gerais e de sub-grupos Riscos potenciais e em sub-grupos Disponibilidade Documentação anexa Recursos de doentes identifica os benefícios antecipados da aplicação das recomendações em geral, assim como em sub-grupos específicos (se se justificar) identifica os riscos antecipados da aplicação das recomendações em geral, assim como em sub-grupos específicos (se se justificar) descreve os meios em que a NOC será disponibilizada e a sua localização (material impresso, CD-ROM, Internet) identifica os documentos extra classificados como importantes pelos responsáveis identifica os recursos referentes a doentes que serão necessários estar presentes para aplicação da NOC Data de publicação data em que foi disponibilizada publicamente Revisões datas em que estão previstas as revisões das recomendações 5

17 NOC de cessação de tabagismo - IQS TÍTULO NORMA DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA PRÁTICA PARA O TRATAMENTO DO USO E DEPENDÊNCIA DO TABACO INTRODUÇÃO O uso de tabaco é uma importante causa de morbilidade e mortalidade, sendo referido como a principal causa evitável de doença e morte nas sociedades avançadas (americana, por ex.). (1) É uma causa reconhecida de cancro, doença cardíaca, acidente vascular cerebral, doença pulmonar crónica obstrutiva e complicações na gravidez. (2) Apesar dos perigos para a saúde que representa, o uso de tabaco permanece surpreendentemente elevado. Em Portugal, 18 % de todos os adultos fumam. (3) Além disso, a prevalência do uso de tabaco em adolescentes tem subido dramaticamente desde (4-6) Uma percentagem significativa dos actuais fumadores está disposta a deixar de fumar (7,8) criando uma enorme responsabilidade para todos os prestadores de cuidados de saúde: estes deverão estar à altura do desafio, uma vez que há actualmente intervenções eficazes que aumentam significativamente a taxa de sucesso das tentativas de abandono do uso de tabaco. Os utilizadores de tabaco não devem ser deixados entregues a si próprios, mas sim encorajados e ajudados activamente na terminação adequada da sua dependência, devendo ser-lhes oferecidas as várias modalidades de tratamento que actualmente se sabe serem efectivas. A negligência e desatenção do sistema de saúde em relação a este problema custa um preço elevado - em termos de doença evitável, vidas perdidas e custos económicos - que já nada justifica, visto que nas últimas duas décadas a investigação clínica clarificou muitos aspectos da dependência de tabaco e foram descobertas várias formas efectivas de terapêutica, quer farmacológica quer de aconselhamento. Pode-se afirmar que se verifica em relação ao uso de tabaco uma rara confluência de circunstâncias: Ameaça para a saúde altamente significativa Tendência dos clínicos para não intervir consistentemente Existência de intervenções efectivas. É difícil identificar qualquer outra condição que apresente uma mistura tal de letalidade, prevalência e negligência, apesar da existência de intervenções efectivas e prontamente acessíveis. Outro aspecto a salientar é que os tratamentos de cessação do tabagismo são efectivos não só clinicamente, mas também relativamente ao custo, nomeadamente em comparação com outras intervenções de prevenção de doença e tratamentos médicos, como o tratamento da hipertensão e hipercolesterolémia, e exames de rastreio como a mamografia periódica ou os testes de Papanicolau. O tratamento da dependência de tabaco é considerado o gold standard das terapêuticas preventivas (9-13). 6

18 NOC de cessação de tabagismo - IQS Em países como os EUA há um reconhecimento crescente de que as intervenções em relação ao uso de tabaco devem tornar-se parte integrante dos cuidados de saúde, constituindo um modelo de boa prática (14). Para esta mudança de atitude contribuiu o aparecimento em 1996 de uma guideline intitulada Smoking Cessation Clinical Practice Guideline (15), a que se seguiu a publicação em 2000 de uma segunda versão resumida e actualizada, chamada Treating Tobacco Use and Dependence: A Clinical Practice Guideline (14), que foi publicada sob a forma de um United States Public Health Report, dada a importância que é dada a este problema nos EUA. Existe a necessidade de também no nosso país mudar a atitude de todos os prestadores de cuidados de saúde em relação a este problema, em particular dos que trabalham nos Cuidados Primários: foi baseada nesta convicção que o Instituto da Qualidade em Saúde (IQS) decidiu elaborar esta Norma de Orientação Clínica, destinada a sumariar e apresentar os dados práticos mais recentes sobre a cessação do tabagismo. Natureza da dependência de tabaco Para muitos utilizadores, o tabaco resulta em verdadeira dependência, comparável à dependência causada por opiáceos, anfetamina e cocaína, e, como no caso destas drogas, apresenta muitas das características de doença crónica (16). Uma minoria de utilizadores de tabaco consegue abstinência permanente numa primeira tentativa de abandono, mas a maioria persiste no uso de tabaco e tipicamente passa por múltiplos episódios de remissão e recidiva. Reconhecer a cronicidade da dependência do tabaco permite uma aproximação mais correcta do tratamento, levando a valorizar a necessidade de cuidado continuado e a dar importância ao aconselhamento activo. Apenas 7% dos fumadores conseguem abstinência a longo prazo, quando o tentam por si próprios (17-18) ; a taxa de sucesso pode aumentar para 15-30% se apoiados por tratamentos e intervenções efectivas (14), que fazem parte das recomendações desta NOC. Os tratamentos mais eficazes são o aconselhamento intensivo associado a farmacoterapia, mas mesmo intervenções tão breves como aconselhamento com duração inferior a 3 minutos, podem aumentar significativamente a taxa de abstinência (14). A maior parte dos utilizadores de tabaco são fumadores de cigarros. Por este motivo, grande parte da atenção clínica e de investigação neste campo tem incidido sobre a avaliação e tratamento dos fumadores de cigarros. Mas todos os produtos de tabaco têm efeitos devastadores sobre a saúde das pessoas (19-20) e os médicos devem intervir em relação a todos os utilizadores de tabaco (cachimbo, charutos, etc.): é esta a razão para a adopção do termo utilizador de tabaco em vez de fumador. Há no entanto algumas recomendações para as quais só existe evidência baseada em estudos sobre fumadores de cigarros. Nestes casos é usado o termo fumador para reflectir o carácter limitado das recomendações. Referências 1. Centers for Disease Control and Prevention. Perspectives in disease prevention and health promotion. Smoking attributable mortality and years of potential life lost United States, MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1997; 46 (20):

19 NOC de cessação de tabagismo - IQS 2. US Department of Health and Human Services. The health benefits of smoking cessation: A report of the Surgeon General. Atlanta (GA): US Department of Health and Human Services. Public Health Service, Centers for Disease Control, Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion, Office of Smoking and Health. DHHS Publication Nº (CDC) , Eurotrials, nº 2, Setembro de Centers for Disease Control and Prevention. Tobacco use among high school students United States, MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1998; 47 (12): Centers for Disease Control and Prevention. Incidence of initiation of cigarette smoking United States, MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1998; 47 (39): Gilpin E, Choi WS, Berry C, Pierce JP. How many adolescents start smoking each day in the United States. J Adolesc Health 1999; 25: Centers for Disease Control and Prevention. Health objectives for the nation cigarette smoking among adults United States, MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1994; 43(50): Centers for Disease Control and Prevention. Cigarette smoking among adults United States, MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1997; 46 (51): Eddy DM. David Eddy ranks the tests. Harv Health Lett 1992; Cummings SR, Rubin SM, Oster G. The cost effectiveness of counseling smokers to quit. JAMA 1989; 261 (1): Eddy DM. The economics of cancer prevention and detection: getting more for less. Cancer 1981; 47 (5 Suppl): Eddy DM. Setting priorities for cancer control programs. J Natl Cancer Inst 1986; 76 (2): Oster G, Huse DM, Delea TE, Colditz GA. Cost effectiveness of nicotine gum as an adjunct to physician s advice against cigarette smoking. JAMA 1986; 256 (10): Fiore MC, Bailey WC, Cohen SJ, et al. Treating Tobacco Use and Dependence. Clinical Practice Guideline. Rockville, Md: US Department of Health and Human Services. Public Health Service. June Fiore MC, Bailey WC, Cohen SJ, et al. Smoking Cessation: Clinical Practice Guideline nº 18. Rockville, Md: US Department of Health and Human Services. Public Health Service, Agency for Health Care Policy and Research; AHCPR publication Jones H, Garrett B, Griffiths R. Subjective and physiological effects of intravenous nicotine and cocaine in cigarette smoking cocaine abusers. J Pharmacol Exp Ther 1999; 288 (1): Centers for Disease Control and Prevention. Smoking cessation during previous year among adults United States, 1990 and MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1993; 42 (26): Hatziandreu EJ, Pierce JP, Lefkopoulou M, Fiore MC, Mills SL, Novotny TE, et al. Quitting smoking in the United States in J Natl Cancer Inst 1990; 82 (17): National Cancer Institute. Cigars: Health effects and trends. Smoking and Tobacco Control Monograph nº 9. Bethesda, Maryland, National Cancer Institute. NIH Publication nº Iribarren C, Tekawa I, Sidney S, Friedman G. Effect of cigar smoking on the risk of cardiovascular disease, chronic obstructive pulmonary disease, and cancer in men. N Eng J Med 1999; 340 (23): ADAPTAÇÃO Esta NOC não foi adaptada directamente de nenhuma recomendação, protocolo, consenso ou guideline publicadas até à data. FONTES DE FINANCIAMENTO As fontes de financiamento para a elaboração desta NOC provêm exclusivamente do Instituto da Qualidade em Saúde (IQS). 8

20 NOC de cessação de tabagismo - IQS COMITÉS E GRUPO RESPONSÁVEL Os autores desta NOC fazem parte da área das Normas de Orientação Clínica do IQS e são a Dra. Isabel Soares e o Prof. António Vaz Carneiro (responsável da área das NOC). OBJECTIVOS Esta NOC tem por objectivo fornecer recomendações efectivas, baseadas na evidência científica, sobre o tratamento do uso e dependência de tabaco. TÓPICO/DOENÇA A doença a que se refere esta NOC é a dependência de tabaco, seja qual for a forma de utilização (cigarros, charutos, cigarrilhas, cachimbo). CATEGORIA É uma NOC de triagem/rastreio e de efectividade terapêutica. UTILIZADORES POTENCIAIS Médicos de família Médicos do trabalho Internistas Cardiologistas Pneumologistas Obstetras Pediatras Enfermeiros Psicólogos POPULAÇÃO ALVO Todos os utilizadores de tabaco. INTERVENÇÕES PRÁTICAS As duas principais categorias de intervenções são as intervenções breves e as intervenções intensivas. Tanto umas como outras incluem várias formas de aconselhamento e farmacoterapia. As intervenções breves são de 3 tipos, conforme se dirigem a um de três grupos de doentes: utilizadores de tabaco que desejam fazer de imediato uma tentativa de abandono utilizadores de tabaco que não desejam fazer para já uma tentativa de abandono (intervenção motivacional) ex-utilizadores recentes de tabaco (intervenção para prevenção de recidiva) 9

TRATAMENTO DO USO E DEPENDÊNCIA DO TABACO

TRATAMENTO DO USO E DEPENDÊNCIA DO TABACO Instituto da Qualidade em Saúde - Ministério da Saúde - Norma de Orientação Clínica TRATAMENTO DO USO E DEPENDÊNCIA DO TABACO 2002 1 INDICE INDICE... 2 SECÇÕES QUE CONSTITUEM ESTA NORMA DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA...

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Medidas de protecção contra a exposição ao fumo ambiental do tabaco em estabelecimentos onde sejam prestados cuidados de saúde aplicação da Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Todos os serviços

Leia mais

Controlo e Prevenção do Tabagismo CONCURSO DE IDEIAS

Controlo e Prevenção do Tabagismo CONCURSO DE IDEIAS Sara Madeira - Medicina Geral e Familiar Nuno Miguel Rodrigues - Anestesiologia Instituto Medicina Preventiva - Faculdade Medicina de Lisboa Convenção Quadro - Controlo do tabaco Tratado internacional

Leia mais

SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO

SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO Em todo o mundo, 1,3 bilhões de pessoas fumam e, a menos que uma ação urgente seja tomada, 650 milhões delas morrerão prematuramente por causa do consumo de tabaco. 1 De

Leia mais

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na Rede SUS Ricardo Henrique Sampaio Meirelles Divisão de Controle do Tabagismo

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL Cristina Cantarino Pneumologista Coordenadora do Centro de Estudos para Tratamento da Dependência à Nicotina do INCA Coordenadora Municipal do Controle de Tabagismo de Niterói Coordenadora da Clínica de

Leia mais

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Prof. Javaid Khan, FRCP (Edin) Setor Principal de Medicina de Cuidado Pulmonar e Crítico The Aga Khan University, Karachi, Paquistão Envolvimento

Leia mais

Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos

Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos Cigarette smoking cessation services in outpatient substance abuse treatment programs in the United States

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

A whole-government approach. The experience of the Commission for the implementation of the WHO FCTC

A whole-government approach. The experience of the Commission for the implementation of the WHO FCTC Pan American Forum for Action on NCDs Forum Roundtable - From Burden to best Buys: tobacco control as a low-cost solution to help curb the tide of NCDs May 8-9, 2012 A whole-government approach. The experience

Leia mais

4º Congresso Internacional dos Hospitais. Reposicionamento do Hospital no contexto da saúde

4º Congresso Internacional dos Hospitais. Reposicionamento do Hospital no contexto da saúde 4º Congresso Internacional dos Hospitais Reposicionamento do Hospital no contexto da saúde Impacto dos grupos de doenças por regiões 60% das mortes são relacionadas com as DCN The top-10 leading causes

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo de Janeiro de 2013 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Investigação em Anatomia Patológica Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

Avaliação da Qualidade de um Projeto de Pesquisa

Avaliação da Qualidade de um Projeto de Pesquisa Última impressão 15/08/01 08:19 Página 1 de 7 Manuscrito em Elaboração! Capítulo 16 Avaliação da Qualidade de um Projeto de Pesquisa Aldemar Araujo Castro INTRODUÇÃO O processo de avaliação da qualidade

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Referências Bibliográficas 1 - Correia de Campos A. Saúde o custo de um valor sem preço. Lisboa: Editora Portuguesa de Livros Técnicos e Científicos. 1983. 2 - Direcção

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

O grande desafio é aumentar os níveis de atividade física na população em ambientes comunitários ", mas, como fazê-lo?

O grande desafio é aumentar os níveis de atividade física na população em ambientes comunitários , mas, como fazê-lo? O grande desafio é aumentar os níveis de atividade física na população em ambientes comunitários ", mas, como fazê-lo? The challenger is Increase levels of physical activity in the population in community

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

A FISIOTERAPIA COMO CIÊNCIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

A FISIOTERAPIA COMO CIÊNCIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS A FISIOTERAPIA COMO CIÊNCIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS João Paulo Manfré dos Santos 1, Camila de Araújo Moya 2, Giovana Pedrão de Souza 3 RESUMO A fisioterapia possui um papel importantíssimo na saúde humana,

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro. Revisão por pares. Cesar Victora Epidemiologia UFPEL

Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro. Revisão por pares. Cesar Victora Epidemiologia UFPEL Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro Revisão por pares Cesar Victora Epidemiologia UFPEL Editor Associado Internacional, AJPH Editor Associado, Rev Bras

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

Implantação de Programas de Combate ao Tabagismo em Hospitais Dr. Marcos Marques Hospital Vita Batel Curitiba/PR História O uso do tabaco surgiu aproximadamente no ano 1000 a.c (América Central). Chegou

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Objetivos Familiarizar-se com uma lista de questões a serem consideradas para estruturar opções com o objetivo

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi

Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi Basicamente o sistema norte americano consiste em: Convênio médico Particular Programas governamentais como Medicaid e Medicare 2 grandes grupos

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

Carcinoma do pénis. La Fuente de Carvalho, Ph.D MD

Carcinoma do pénis. La Fuente de Carvalho, Ph.D MD Carcinoma do pénis La Fuente de Carvalho, Ph.D MD Epidemiologia - idade > 50 anos - 550 novos casos / ano (Reino Unido) - 1250 novos casos / ano (EUA) - Centro Registo California - entre 1988 2004 2.870

Leia mais

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar Fernanda Miranda de Oliveira Pneumologista TABAGISMO O tabagismo é uma doença crônica, gerada pela dependência física e psicológica da nicotina. Todos os

Leia mais

Vantagem de Adesão AMERICAN SOCIETY OF PLASTIC SURGEONS Como se Tornar um Membro Internacional:

Vantagem de Adesão AMERICAN SOCIETY OF PLASTIC SURGEONS Como se Tornar um Membro Internacional: Vantagem de Adesão AMERICAN SOCIETY OF PLASTIC SURGEONS Como se Tornar um Membro Internacional: Se você está ativamente envolvido na prática da Cirurgia Plástica ou Reconstrutiva por menos de três (3)

Leia mais

Medicina Baseada em Evidências

Medicina Baseada em Evidências Medicina Baseada em Evidências Decisão médica convencional Raciocínio fisiopatológico e opinião de especialistas Revisões discussivas Decisões clínicas baseadas em experiência não sistematizada Desisão

Leia mais

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1 ARTIGO / ARTICLE Hábito de Fumar entre Estudantes de Medicina da Universidade Federal de Pelotas, Brasil: Comparação entre as Prevalências de 1986 e 1991 Smoking habits among Students at the Pelotas Medical

Leia mais

TEMA: OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA (OHB) NO TRATAMENTO DE ÚLCERA CRÔNICA INFECTADA EM PÉ DIABÉTICO

TEMA: OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA (OHB) NO TRATAMENTO DE ÚLCERA CRÔNICA INFECTADA EM PÉ DIABÉTICO NT 19 /2014 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Numeração: 1.0701.13.032021-4/001 Data: 03/02/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura TEMA: OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA (OHB) NO

Leia mais

2 - to raise awareness of the nature, extent, complexity and consequences of misuse of alcohol and other drugs occorring among doctors

2 - to raise awareness of the nature, extent, complexity and consequences of misuse of alcohol and other drugs occorring among doctors Working Group on the Misuse of Alcohol and Other Drugs by Doctor - British Medical Association - 1998 Ênfase : "...the protection of patients by recognising and dealing firmly and fairly with dysfunctional

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

Serviços - pressão de Inverno

Serviços - pressão de Inverno Serviços - pressão de Inverno Data: 11/08/2004 Autor: Cláudia Conceição (claudiac@esoterica.pt) Este documento procura mostrar, a partir de publicações que, pelo menos para alguns serviços, parece haver

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico Número Zero - Avaliação Cruzada MoniQuOr Política de Prescrição Ao ler o número zero da Revista "Qualidade em Saúde" verifico que no artigo sobre os resultados da avaliação cruzada do projecto MoniQuOr,

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz 1 Evidence brief Introdução Pay-for-performance (P4P): transferência

Leia mais

Capítulo 1 Escolha do artigo a ser lido

Capítulo 1 Escolha do artigo a ser lido L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 15 Capítulo 1 Escolha do artigo a ser lido 1.1. Introdução Historicamente, a decisão médica era baseada na experiência pessoal, em observações

Leia mais

Consumo de álcool e Políticas Públicas as evidências científicas

Consumo de álcool e Políticas Públicas as evidências científicas Consumo de álcool e Políticas Públicas as evidências científicas Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Professor Titular de Psiquiatria da UNIFESP Coordenador do Departamento de Dependência Química da ABP RESUMO

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

A primeira avaliação individual com o paciente

A primeira avaliação individual com o paciente I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na rede SUS 12/09/2012 RJ - INCA A primeira avaliação individual com o paciente Cristina Cantarino Coordenadora do Centro de

Leia mais

E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD

E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD Kim Richter, PhD E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD Discutir porque é importante o tratamento da dependência

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

Tabagismo: doença crónica que carece de prevenção e tratamento

Tabagismo: doença crónica que carece de prevenção e tratamento Tabagismo: doença crónica que carece de prevenção e tratamento 1. Cigarettes and other forms of tobacco are addicting. 2. Nicotine is the drug in tobacco that causes addiction. 3. The pharmacologic and

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Princípios de vigilância

Princípios de vigilância Princípios de vigilância Jonathan Samet, MD, MS Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Objetivos do aprendizado Definir os termos básicos relacionados

Leia mais

Cursos para Empresas. Temos para si. Programa de formação contínua e integrada Inovação e Criatividade Rigor e Consolidação Problem Based Learning

Cursos para Empresas. Temos para si. Programa de formação contínua e integrada Inovação e Criatividade Rigor e Consolidação Problem Based Learning Temos para si Programa de formação contínua e integrada Inovação e Criatividade Rigor e Consolidação Problem Based Learning Caminante, no hay camino, se hace camino al andar. Al andar se hace camino y

Leia mais

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados ANEXO AO ROTEIRO DE INTERVENÇÃO EM ARTICULAÇÃO E CONTINUIDADE DE CUIDADOS ANEXO II Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro

Leia mais

Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica

Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica http://cochrane.bireme.br Verônica Abdala veronica@bireme.br Gerência de Serviços de Informação BIREME/OPAS A Biblioteca Cochrane É a melhor

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

Universidade da Beira Interior. Faculdade de Ciências da Saúde. Abordagem do Tabagismo num Hospital Português. Estudo Piloto

Universidade da Beira Interior. Faculdade de Ciências da Saúde. Abordagem do Tabagismo num Hospital Português. Estudo Piloto Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências da Saúde Abordagem do Tabagismo num Hospital Português Estudo Piloto Dissertação realizada para a obtenção do Grau de Mestre em Medicina Joana Sofia

Leia mais

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho, Médico do Trabalho Conceitos Básicos sobre o consumo de substâncias psicoativas em meio laboral Objectivos da Prevenção Primária Causas relacionadas com

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Cancro do colo do útero Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Bibliografia Parceiros de informações Introdução O cancro

Leia mais

RIQASNet. Instruções de utilização. Introdução. Registo para o RIQASNet

RIQASNet. Instruções de utilização. Introdução. Registo para o RIQASNet RIQASNet Instruções de utilização Introdução O RIQASNet é um sistema de entrada de dados utilizando a internet que permite aos utilizadores enviarem os resultados e alterações de método para o RIQAS, e

Leia mais

Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil.

Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil. Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil. Valéria M. Azeredo Passos, Janaina Caldeira Pereira, Sandhi Maria Barreto INTRODUCTION Type 2 diabetes

Leia mais

Lung Cancer. Risk Factors

Lung Cancer. Risk Factors Lung Cancer The lungs are the organs that help us breathe. They help to give oxygen to all the cells in the body. Cancer cells are abnormal cells. Cancer cells grow and divide more quickly than healthy

Leia mais

Projeto Diretrizes. Projeto Diretrizes

Projeto Diretrizes. Projeto Diretrizes Projeto Diretrizes A medicina ao longo dos anos passou por inúmeras mudanças. Apesar disso, seu objetivo principal, o cuidado ao paciente, permanece imutável, gerando contínuos desafios a serem vencidos

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

Poluição Tabagística Ambiental (PTA) e riscos à saúde

Poluição Tabagística Ambiental (PTA) e riscos à saúde Poluição Tabagística Ambiental (PTA) e riscos à saúde Dr Sérgio Ricardo Santos PrevFumo Núcleo de apoio à prevenção e cessação do tabagismo Pneumologia - Unifesp Introdução PTA: mistura de fumaças Exposição

Leia mais

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Que evidência utilizar? Depende do tipo de pergunta (necessidade) que se quer responder e o tempo

Leia mais

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar Thaiana Santiago Acreditação Acreditação é um processo que as organizações de saúde utilizam

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro (Responsável por este Documento) Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada Promoção de saúde Prevenção de riscos e doenças Reabilitação Nathalia C Andrada Programa Diretrizes diretrizes@amb.org.br Cenário atual www.projetodiretrizes.org.br Cenário atual Cenário atual TRAJETÓRIA

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI As Tecnologias de Informação e Comunicação na monitorização

Leia mais

NOVAS VANTAGENS NEW BENEFITS

NOVAS VANTAGENS NEW BENEFITS NOVO PREMIUM O SEU CARTÃO DE SAÚDE YOUR HPA HEALTH GROUP CARD NOVAS VANTAGENS BENEFITS Oferta de Check-Up Básico anual Oferta de Check-Up Dentário anual Descontos entre 10% e 30% nos serviços do Grupo

Leia mais

O Presente e o Futuro da Segurança no Cuidado ao Paciente Resultados da Acreditação no Novo Cenário Econômico e Populacional

O Presente e o Futuro da Segurança no Cuidado ao Paciente Resultados da Acreditação no Novo Cenário Econômico e Populacional II CONGRESSO DE ACREDITAÇÃO INTERNACIONAL O Presente e o Futuro da Segurança no Cuidado ao Paciente Resultados da Acreditação no Novo Cenário Econômico e Populacional Painel A importância da segurança

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Isabela Ribeiro Simões de Castro e Maria Celia Andrade A trombose venosa profunda e a embolia pulmonar são os agravos mais comuns de tromboembolismo

Leia mais

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências INFORMAÇÃO PARA POPH PROGRAMA OPERACIONAL DO POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA 3.6 QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE PRIORIDADES FORMATIVAS 2013

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa O mercado da cessação tabágica Alguma vez tentou deixar de fumar? 2 Apresentação Corporativa O mercado da cessação tabágica Alguma vez tentou deixar de fumar? 54% dos fumadores

Leia mais