UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CIDADANIA AMBIENTAL EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO COM ESTUDANTES DE ENSINO SUPERIOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CIDADANIA AMBIENTAL EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO COM ESTUDANTES DE ENSINO SUPERIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIDADANIA AMBIENTAL EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO COM ESTUDANTES DE ENSINO SUPERIOR Por GILSENBERG GURGEL PINHEIRO BACHAREL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS, UFRN, 1993 TESE SUBMETIDA AO PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO OUTUBRO, GILSEMBERG GURGEL PINHEIRO TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. O autor aqui designado concede ao Programa de Engenharia da Produção da Universidade Federal do Rio Grande do Norte permissão para reproduzir, distribuir, comunicar ao público, em papel ou meio eletrônico, esta obra, no todo ou em parte, nos termos da Lei. Assinatura do Autor: APROVADO POR: Sérgio Marques Júnior, Dr.Sc. - Orientador, Presidente Rubens Eugênio Barreto Ramos, Dr.Sc. Membro Examinador Maristélio da Cruz Costa, Dr. Membro Examinador Externo

2 Aos meus filhos Pedro Augusto e Augusto César II

3 AGRADECIMENTOS A Deus, todo poderoso, por me conceder tantas conquistas e, ainda, me dar a graça de viver na fé. Agradecer nominalmente a cada um que contribuiu com críticas e sugestões para a realização desta pesquisa é uma tarefa que me levaria a cometer injustiças, bastaria esquecer um nome entre tantos. Portanto, sou grato a todo que acreditaram e colaboraram com este trabalho. Igualmente injusto se não destacasse as contribuições especiais: Ao amigo Esmeraldo Macedo dos Santos pela sua colaboração e pelo tempo a mim despedido com suas orientações. À Rita Diana, minha esposa, pelo amor e compreensão, e ainda pelas valiosas críticas e revisão. Ao Dr. Sérgio Marques Júnior, meu orientador, pela paciência e seus ensinamentos. Aos meus pais pelo que sou. A minha irmã Maria Laura por investir nos meus estudos e que sempre acreditou em mim mais do que eu mesmo. Aos meus filhos, Pedro Augusto e Augusto César, razão do meu viver. À Cleide secretária do PEP pela paciência e presteza. III

4 Resumo de Dissertação apresentada a UFRN/PEP como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Mestre em Ciências em Engenharia de Produção. CIDADANIA AMBIENTAL EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO COM ESTUDANTES DE ENSINO SUPERIOR GILSENBERG GURGEL PINHEIRO SETEMBRO/2008 Orientador: Prof. Sérgio Marques Júnior, Dr. Sc. Curso: Mestrado em Ciências em Engenharia de Produção. Este trabalho apresenta um estudo da gestão ambiental em centros urbanos, considerando a percepção ambiental como elemento necessário para desenvolver na população a consciência da necessidade de preservar o meio ambiente. Para isso, foram avaliados as atitudes e comportamentos da comunidade, representada por alunos de uma Instituição de Ensino superior de Natal, para que sejam traçadas estratégias e ações que venham a minimizar a degradação ambiental e proporcionar um desenvolvimento sustentável agregado ao desenvolvimento econômico. O objetivo desta pesquisa consiste em estudar a problemática da gestão ambiental em centros urbanos sob o ponto de vista da conscientização, da percepção ambiental e da participação da população, isto porque as questões ambientais estão inseridas nos aspectos que envolvem a vida e a prática cotidiana, pelo que se torna relevante compreender que o meio ambiente é um direito de todos, portanto, deve ser preservado. A metodologia empregada neste trabalho constitui na aplicação de um questionário com escalas do tipo likert contendo variáveis que compõem os aspectos atitudinais e comportamentais, além de uma escala sócio-demográfica. Foi utilizado na análise estatística o método Chisquare de Pearson para verificar a dependência das associações entre as variáveis sóciodemográficas e as variáveis atitudinais e comportamentais. Os resultados apontam que o ambiente acadêmico é oportuno para tratar do assunto, tendo em vista que a preservação ambiental perpassa por todos os conteúdos, e que os alunos de hoje poderão, no futuro, em suas áreas de atuação planejar ações para salvaguardar o desenvolvimento sustentável. Conclui-se que as estratégias para gerir o meio ambiente, passam pela conscientização do cidadão, pois quando ele é educado suas atitudes serão mais responsáveis, uma vez que a preocupação ambiental estará presente em seu dia-a-dia. Portanto, o Poder Público ao planejar programas de preservação ambiental que venha promover mudanças de hábitos da população, tais como: gerenciamento dos resíduos sólidos gerados pela população, reciclagem, programas de coletas seletivas, educação ambiental, etc. deverá englobar a comunidade local para o sucesso das suas ações. IV

5 Abstract of Master Thesis presented to UFRN/PEP as fullfilment of requirements to the degree of Master of Sciences in Production Engineering. AMBIENT ENVIROMNENTAL CITIZENSHIP IN URBAN CENTERS: A STUDY WITH STUDENTS OF HIGHER EDUCATION. Setembre/2008 Thesis Supervisor: Prof. Sergio Marques Júnior, Dr. Sc. Program: Master of Science in Production Engineering This work presents a study of the ambient management in urban centers, considering the ambient perception as element necessary to develop in the population the conscience of the necessity to preserve the environment. For this, the attitudes and behaviors of the community, represented for students of an Institution had been evaluated, so that strategies and actions are traced that come to minimize the ambient degradation and to provide an aggregate sustainable development to the economic development. The objective of this research consists of studying the problematic one of the ambient management in urban centers under the point of view of the awareness, of the ambient perception and of the participation of the population, this because the ambient questions are inserted in the aspects that involve the practical life and the daily one, for what becomes excellent to understand that the environment is a right of all, therefore, must be preserved. The methodology used in this work constitutes in the application of a questionnaire with scales of the type likert contends variables that compose the acts and mannering aspects, beyond a partner-demographic scale. The Chi-square method was used in the analysis statistics de Pearson to verify the dependence of the associations between the partner-demographic 0 variable and the acts and mannering variables. The results point that the academic environment is opportune to deal with the subject, in view of that the ambient preservation goes for all the contents, and that the pupils of today will be able, in the future, in its areas of performance to plan action to safeguard the sustainable development. One concludes that the strategies to manage the environment pass for the awareness of the citizen, therefore when it is educated its attitudes will be more responsible, a time that the ambient concern will be present in its day-by-day. Therefore, the Public Power when planning programs of ambient preservation that comes to promote changes of habits of the population, such as: management of the solid residues generated by the population, recycling, programs of selective collections, ambient education, etc. the local community for the success of its actions will have to be involved.

6 V SUMÁRIO CAPITULO 1 INTRODUÇÃO Contextualização e definição do problema... 9 CAPÍTULO 2 A PERCEPÇÃO AMBIENTAL HUMANA FRENTE AOS IMPACTOS URBANOS Comportamento do consumidor: aspectos introdutórios Processo de tomada de decisão do consumidor Variáveis que influenciam a percepção do consumidor Percepção ambiental Degradação versus consciência ambiental Considerações acerca da Agenda Conceitos, classificações e caracterização Principais Impactos Gerados pelos Resíduos Sólidos Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Educação e Conscientização Ambiental na Gestão Ambiental METODOLOGIA DA PESQUISA Tipologia Área de abrangência e Período histórico Plano amostral População Delineamento do plano amostral Cálculo Amostral Técnica de coleta de dados Codificação dos dados Tratamento dos dados RESULTADOS E DISCUSSÕES Validação da Pesquisa Amostra Teste de hipóteses Estatística descritiva Questões de informações gerais Questões de Comportamento Questões de atitudes Análise Chi-Square Conhecimento Comportamento CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Limitações do trabalho REFERÊNCIAS APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIOS APÊNDICE 2 TABELAS E GRÁFICOS VI

7 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Temas relacionados aos resíduos sólidos 37 Tabela 2.2 Resíduos sólidos na Agenda Tabela 2.3 Conceitos envolvidos com a temática dos resíduos sólidos 39 Tabela 2.4 Classificação dos resíduos sólidos 40 Tabela 2.5 Composição do Lixo domiciliar em alguns países 42 Tabela 2.6 Caracterização dos resíduos sólidos em Natal 44 Tabela 2.7 Formas de poluição provocadas pelo lixo na água 47 Tabela 2.8 Etapas de implementação de gestão integrada de resíduos sólidos 58 Tabela 4.1 Gênero dos entrevistados 58 Tabela 4.2 Faixa etária dos entrevistados 58 Tabela 4.3 Curso do entrevistado 58 Tabela 4.4 Estado civil do entrevistado 59 Tabela 4.5 Renda familiar dos entrevistados 59 Tabela 4.6 Teste x 2 entre conhecimento sobre programas de proteção ambiental e variáveis de perfil do pesquisado 78 Tabela 4.7 Teste x 2 entre conhecimento sobre desenvolvimento sustentável e variáveis de perfil do pesquisado 80 Tabela 4.8 Teste x 2 entre comportamento de participar de ações de redução de impactos ambientais de perfil do entrevistado 82 Tabela 4.9 Teste x 2 entre diálogos com vizinhos sobre problemas ambientais e variáveis de perfil do pesquisado 84 Tabela 4.10 Teste x 2 entre preocupação com os catadores e variáveis de perfil do pesquisado 87 Tabela 4.11 Teste x 2 entre participação comunitária e variáveis de perfil do pesquisado 88 Tabela 4.12 Teste x 2 entre participação comunitária e variáveis de perfil do 90 pesquisado ix

8 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Consumidores: tipos, papéis e comportamentos. 8 Figura 2.2 Os diferentes papéis do consumidor 11 Figura 2.3 Processo de tomada de decisão 13 Figura 2.4 Modelo de processamento de informação pelo consumidor 15 Figura 2.5 Elementos de um sistema integrado de gestão de resíduos 34 Figura 4.1 Tempo em que a falta de cuidado com o meio ambiente se tornará 47 um problema. Figura 4.2 Conceitos que a população dá ao potencial de se preservar o meio 48 ambiente Figura 4.3 Valores observados do conhecimento de programas ambientais 50 Figura 4.4 Nível de envolvimento com um programa de ação de proteção 50 ambiental Figura 4.5 Maneira de conscientizar a população. 52 Figura 4.6 Motivação para participar de um programa de proteção 53 ambiental. Figura 4.7 Freqüência observada dos comportamentos estudados (em %) 55 Figura 4.8 Freqüência observada das atitudes dos estudantes (em %) 58 viii

9 CAPITULO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta um estudo sistematizado sobre a conscientização ambiental dos cidadãos, através da avaliação de suas atitudes e comportamentos, no que se refere a adoção de estratégias de gestão ambiental em centros urbanos brasileiros. Seus resultados, como forma de descrever a implementação e execução de programas públicos de gestão ambiental, visa conciliar os anseios, tanto do poder público, quanto da população, como forma de aumentar a participação popular nas estratégias de gestão ambiental em centros urbanos. Este capítulo apresenta uma contextualização da temática da problemática ambiental, focando na inserção da gestão integrada de resíduos sólidos urbanos tanto como um problema mundial quanto local. Define-se, ainda, o objetivo e a relevância da temática e dos objetivos. 1.1 Contextualização e definição do problema A urbanização é uma das mais evidentes mudanças no mundo. Nos últimos duzentos anos, a população mundial aumentou seis vezes, enquanto a população urbana aumentou, pelo menos, cem vezes (LEAO; BISHOP; EVANS, 2001). Este cenário tem refletido em um crescimento da atividade econômica sem precedentes e, paralelamente, aumentado a pressão sobre o meio ambiente do entorno das cidades. No leque de conseqüências destes eventos, a problemática ambiental tem se apresentado como uma das questões mais relevantes na perspectiva internacional dos problemas ambientais urbanos (MATTO, 1999). Suas implicações assumiram nuances antes não definidas na história mundial, tendo agora sido avaliadas como um aspecto influente na busca do desenvolvimento econômico, através do equilíbrio com os meios social e ambiental para uma melhoria no estilo de vida contemporânea (CLARK; READ; PHILLIPS, 1999; WORD BANK, 1999). No que se refere ao problema ambiental urbano, a preocupação com o aumento da geração de poluição em seus diversos aspectos nos centros urbanos,

10 tem como motivo um envolvimento crescente com relação aos temas ambientais, associado com demandas organizacionais e sociais (CHUNG; POON, 1999; MAcDONALD; BALL, 1998). O World Bank (1999), por exemplo, aponta que a rede de produção de elementos poluentes aumenta em função do crescimento da população e pela geração de renda per capta, particularmente em países desenvolvidos. Parte desta constatação nasce do princípio que os aspectos relacionados, particularmente à geração, coleta e disposição final de resíduos, tanto em países desenvolvidos com os países subdesenvolvidos, estão sendo tratados a partir de metodologias excludentes com os envolvidos na problemática (READ; PHILLIPS; ROBINSON, 1997). Autores como Diamadopoulos (1994), Read (1997) e Chung e Poon (1998), têm afirmado que o problema se agrava à medida que os cidadãos são excluídos do processo decisório de gerenciamento ambiental urbano. Diante da conjuntura apresentada, nota-se a importância que é conferida à Conferência das Nações Unidas ECO 92, e particularmente ao plano de metas definido como Agenda 21, com uma série de recomendações que segundo Read;Phillips; Robinson (1997), são ações de hoje em prol da preservação do meio ambiente do século 21. Um dos princípios levados a tornar a Agenda 21 uma referência, validou-se da gestão ambiental para centros urbanos até os anos 80, e assim buscou-se viabilizar a mudança deste cenário para a prática de planejamento e execução de ações ambientais. Contudo, para introduzir o princípio de ação da gestão ambiental para centros urbanos é necessário o envolvimento de todos os atores sociais na redução dos impactos gerados pela degradação ambiental. Para tanto, nivelar a dinâmica dos impactos provocados, antes de apontar para soluções unilaterais, necessita concentrar esforços no conjunto poder público / cidadão cabendo a cada uma das partes suas obrigações (MAcDONALD; BALL, 1998) (KUNIYAL; JAIN; SHANNIGRAHI, 1998). Por parte da população, sugere-se a conscientização e o atendimento das regras de proteção ao meio ambiente, como também sua participação nos programas desenvolvidos para as soluções na gestão ambiental dos centros urbanos. Por parte do governo municipal, a difusão de práticas de educação formal ou informal, ou até impor ao público, obrigações que facilitem o trabalho

11 social, além de ajudarem a manter a cidade despoluída e livre dos malefícios da convivência com a poluição (CALDERONI, 1998). De acordo com Blauth e Grimberg (1998), o desafio de mudar valores e atitudes está posto para o conjunto das sociedades. Enfrentá-lo, pressupõe crescente responsabilização por parte de governos, comprometendo o empresariado na busca de soluções ambientalmente sustentáveis e socialmente responsáveis. É tarefa também dos governos estimularem um debate que ajude a revisão de hábitos modernos de degradação ambiental. A sociedade mostra-se sensível ao problema quando, por exemplo, reage positivamente ao apelo de participar de programas públicos de gestão ambiental ou quando toma a iniciativa de promover mutirões para ajudar na redução da geração de lixo, poluição visual e sonora, entre outras coisas. Mas, além de revisar seus valores e práticas, caberá ainda aos cidadãos e cidadãs o papel de pressionar governos e empresários na definição de metas e estratégias para que, num horizonte de no máximo cinqüenta anos, garanta-se um padrão de produção e consumo em que as condições de reprodução da vida na Terra estejam asseguradas. No caso do Brasil, nota-se que esta problemática apresenta as mesmas características de países notadamente de primeiro mundo. Ao comparar os valores dos níveis de poluição em grandes centros urbanos, com o mesmo padrão de outros países, nota-se que apesar da posição do Brasil não ser a mais confortável, o país não tem fugido do contexto mundial. No caso específico da geração de resíduos sólidos, o IPT /CEMPRE (1995), afirma que o brasileiro convive com a maioria dos resíduos que gera. São toneladas de resíduos produzidos diariamente no país, onde 76% ficam a céu aberto. Ou seja, lançados em lixões ou em locais inadequados. Desse total, apenas 24% recebem tratamento apropriado. A cidade do Natal, capital do Rio Grande do Norte, não difere da média nacional. Sendo considerado, inclusive, como um problema que exige tratamento prioritário nas políticas públicas do município. Para tanto, diversas alternativas vêm sendo propostas aos gestores municipais no sentido de viabilizar programas de redução de impactos ambientais, aumento da participação popular nas estratégias de gestão implementadas, como também a viabilização de locais para a educação ambiental para os cidadãos.

12 A tomada de decisão por parte dos gestores públicos para implantar estratégias de gestão ambiental em centros urbanos, deixa a cidade em uma posição de vanguarda, uma vez que as iniciativas brasileiras ainda são poucas: apenas 100 dos 5507 municípios desenvolvem algum tipo de programa efetivo de adequação ambiental dos centros urbanos, enquanto que a título de comparação, os Estados Unidos já em 1994, possuíam 7625 programas (Environmental Protection Agency EPA, 1995). Neste sentido, esta pesquisa assume um aspecto decisivo no debate mundial e local da gestão ambiental de centros urbanos, uma vez que atua no maior envolvimento da população nas estratégias de gestão dos impactos ambientais nas cidades com características semelhantes às brasileiras. Como também, estuda a conscientização ambiental das pessoas, buscando, por parte do poder público, a aplicação correta de recursos em atividades que a população escolha seu papel no processo. Desse modo este trabalho estuda a problemática da gestão ambiental de centros urbanos sob o ponto de vista da conscientização ambiental e participação da população como também dos estudantes de uma IES quanto a percepção e definição de políticas ambientais para a cidade do Natal. Considera-se oportuna a realização desta pesquisa pelos seguintes aspectos: a) Inclusão da temática no contexto mundial a partir das abordagens referidas na ECO 92; b) Atendimento das metas definidas no planejamento para alcance do desenvolvimento sustentável contido no plano de metas da Agenda 21; c) Colaborar, através da aplicação de ações estratégicas de gestão ambiental de centros urbanos; d) Necessidade de estudar a questão ambiental na cidade do Natal; e) Disponibilizar informações acerca das atitudes e comportamentos ambientais da população, buscando balizar estratégias de gestão ambiental da cidade; f) Analisar o nível de percepção ambiental e de atitudes dos estudantes de terceiro grau, tendo em vista que no futuro próximo adotarão políticas de ações pró-ambientais em sua área de atuação.

13 São aspectos importantes a serem considerados, vez que o meio ambiente está ameaçado em todos os seus componentes: animais, plantas, água, entre outros. Todavia, o relacionamento do homem com a qualidade de vida e a proteção dos recursos naturais, como bem difuso, é um tema recente. Atualmente, e cada vez mais, a prevenção do meio ambiente é questão fundamental, para que a sociedade viva de maneira sustentável. Cabe destacar que a defesa do meio ambiente tem como escopo a conservação dos recursos naturais tanto para as presentes como para as futuras gerações. Assim, o Direito ao Meio Ambiente ecologicamente equilibrado é agora um direito fundamental para os seres humanos. O que se observa no cotidiano da vida das pessoas é que, na medida em que a sociedade mergulha no consumo, procurando facilitar sua vida premiada pelo tempo e pelos compromissos gerados pela modernidade, deixa-se para trás marcas de sua passagem. Portanto, o rápido crescimento demográfico e o acelerado desenvolvimento tecnológico industrial do sistema capitalista, sem um planejamento adequado de infra-estrutura acarretam graves problemas relacionados ao meio ambiente e à saúde humana, cujas responsabilidades são transferidas à coletividade e esta precisa definir formas de convivência e de melhoria no sistema. Considerando-se que as questões ambientais estão inseridas nos aspectos que envolvem a vida e a prática cotidiana, torna-se importante compreender a relevância dos recursos naturais. Só assim será possível preservá-los. Hodiernamente, a responsabilidade social ambiental é cobrada, também, das Instituições de Ensino Superior IES, e neste sentido, estas procuram dar sua contribuição a solução da problemática ambiental, incorporando no currículo de seus cursos, disciplinas ligada à conscientização ambiental, como por exemplo, a disciplina de Gestão Ambiental, nos cursos de Biologia, Administração, Secretariado Executivo e Cursos Superiores de Tecnologia em Gestão Pública, Marketing e Recursos Humanos na Faculdade de Ciências, Cultura e Extensão, RN Facex. Segundo Reigota (1994, p.12) a Educação Ambiental por si só não resolverá os complexos problemas planetários [da sociedade atual]. No entanto,

14 ela pode influir decisivamente para isso, quando forma cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres. Tendo consciência e conhecimento da problemática global e atuando na comunidade, haverá uma mudança no sistema, que se não é de resultados imediatos, visíveis, também não será sem efeitos concretos. Portanto, a presente pesquisa justifica-se em função da necessidade de aprofundamento deste tema perante a população, bem como do meio acadêmico local, buscando evidenciar que a preocupação com a adequada gestão ambiental é fundamental para garantir a qualidade de vida desta e das futuras gerações. Esta pesquisa, de caráter exploratório-descritivo tipo Survey que utilizou como instrumento de coleta de dados a aplicação de um questionário estruturado respondido pelos próprios atores que compõem a população acadêmica. Sua delimitação está restrita aos alunos de uma Instituição de Ensino Superior IES, localizada na cidade do Natal RN. Foi portanto, realizado um levantamento por amostragem, onde os elementos analisadas a partir de técnicas estatísticas de amostragem, de forma que os resultados da amostra sejam informativos, para observar as características de toda a população. Neste sentido, a realização do estudo se deu em três etapas distintas, mas complementares, buscando atingir em cada etapa seus objetivos. A pesquisa bibliográfica, onde foi realizada através da leitura de periódicos nacionais e internacionais, livros e artigos publicados em jornais e revistas científicas ou disponíveis na internet através das bases de dados e sites sobre meio ambiente, gestão de resíduos sólidos, educação ambiental e estatística. Nesta etapa ainda, se tentará identificar as melhores práticas de gestão ambiental em cidades do Brasil, focando-se os seguintes tópicos: a) definição de conceitos, classificação e caracterização; b) identificação dos principais impactos ambientais gerados pelos centros urbanos; c) estudo dos sistemas de gerenciamento de impactos ambientais; d) análise da importância da educação e da conscientização ambiental nos programas de coleta seletiva, reciclagem de resíduos sólidos e poluição visual e sonora; A segunda etapa consta da pesquisa de campo, que no seu desenvolvimento foi utilizado um questionário com objetivo de identificar e qualificar a conscientização ambiental dos alunos da IES, frente aos diferentes

15 problemas relacionados à gestão ambiental na cidade. Para melhor adaptar o instrumento de pesquisa à realidade da população entrevistada e avaliar sua eficácia, foram escolhidos alguns componentes da população da pesquisa para a realização de um pré-teste. Posteriormente, uma análise estatística foi realizada através de métodos de estatística descritiva e inferência. A análise dos resultados da pesquisa teve início com a fase de aplicação do questionário, com questões relativas ao conhecimento, às atitudes e comportamentos ambientais da população, quanto a questões relativas à adoção de estratégias de gestão ambiental na cidade. Por fim, foi realizada a tabulação dos dados no Software Statistics Version 5.0. Tais informações foram agrupadas, para que, através da análise descritiva, pudessem ser quantificadas as freqüências observadas nos resultados encontrados. A seguir, o teste Chi-Square de Pearson será utilizado para identificar a dependência entre variáveis a partir do valor de probabilidade p identificado e dos valores coletados e observados no teste. O procedimento de estruturação deste trabalho está dividido em capítulos, como forma de melhor apresentar sua fundamentação e resultados. Para cada capítulo, foram organizadas idéias temáticas com esquemas sobre as questões envolvidas com a pesquisa. Desta forma, neste capítulo são descritos elementos fundamentais para a elaboração da pesquisa, apresentando a contextualização e a definição do objeto de pesquisa, seguido da relevância da temática estudada, do objetivo do estudo, além da metodologia geral que será empregada e a apresentação da estrutura do trabalho. No capítulo 2 são discutidos diversos aspectos relevantes ao gerenciamento de resíduos sólidos, como também suas implicações ambientais. Inicialmente, é discutida a Agenda 21 e sua relação com a temática. Logo após é apresentado um estudo onde são especificados os conceitos dos temas relacionados à gestão ambiental. Outro assunto descrito neste capítulo aponta para as questões que envolvem a gestão ambiental e dos resíduos sólidos, particularmente os aspectos do sistema e o gerenciamento integrado. São ainda discutidos os impactos ambientais gerados pelos cidadãos, os aspectos políticos e ambientais e a inserção da educação ambiental na conscientização ambiental da população.

16 O capítulo 3 descreve o método utilizado para atingir os objetivos propostos pela pesquisa apresentando a tipologia, abrangência da pesquisa, o plano amostral, além da técnica utilizada para coletar os dados e o respectivo tratamento executado. No capítulo 4 encontram-se os resultados da pesquisa e as discussões a partir da aplicação do procedimento metodológico empregado. Por fim, no capítulo 5 é apresentado o final do trabalho, detalhando as conclusões, a análise crítica, bem como as limitações, sugestões e recomendações a partir dos resultados apresentados.

17 CAPÍTULO 2 IMPACTOS URBANOS A PERCEPÇÃO AMBIENTAL HUMANA FRENTE AOS A partir da ECO 92 (UNCED, 1992) as preocupações ambientais discutidas com maior amplitude, o que tem fornecido subsídios sobre vários aspectos ambientais e econômicos, sendo os impactos ambientais em centros urbanos participantes ativos desta realidade. Tais aspectos têm arraigado discussões sobre a temática em vários níveis do conhecimento, inclusive na adequação dos atores sociais envolvidos na gestão ambiental. Neste sentido, este capítulo tem o propósito de abordar aspectos relevantes da preocupação ambiental com o controle de impactos ambientais, discutindo o surgimento da Agenda 21, o consumo mais responsável e, ainda, o sistema de gerenciamento ambiental, apresentando aspectos relacionados aos meios antrópicos, sociológicos e econômicos. Além disso, avalia-se a temática da gestão de resíduos, envolvendo as vantagens e desvantagens, sua relação com o poder público, além de apresentar algumas experiências nacionais e internacionais em programas de redução de impactos ambientais. 2.1 Comportamento do consumidor: aspectos introdutórios Sâmara e Morsch (2005) assinalam que compreender o consumidor é uma função essencial do marketing. Contudo, não é uma tarefa fácil. Pela complexidade que cerca o ser humano, esse estudo envolve diversas áreas de conhecimento, como psicologia, sociologia, antropologia e outros. O consumidor é um ser complexo, em razão das diferentes facetas que compõe. Estudá-lo significa pesquisar seus mecanismos de aceitação e seus bloqueios sua forma de ser, de pensar, de agir e de reagir. Entender o consumidor é também tentar colocá-lo num segmento específico ao qual se pretende atribuir características próprias e peculiares. Além de representar um fator fundamental para a condução de ações mercadológicas, em suma, o estudo do comportamento do consumidor requer muito rigor e perspicácia. O estudo do comportamento do consumidor diz respeito à elucidação das

18 razões que fazem com que o indivíduo compre e consuma um produto em vez de outro (KARSAKLIAN, 2000). Lembrando que o processo de motivação começa com o reconhecimento (ou ativação) de uma necessidade. Uma necessidade é ativada e sentida quando há discrepância suficiente entre o estado desejado ou preferido de ser e o estado real. Sheth, Mittal e Newman (2001) definem o comportamento do consumidor como atividades físicas e mentais realizadas por consumidor de bens de consumo e industriais que resultam em decisões e ações, como comprar e utilizar produtos e serviços, bem como pagar por eles. A definição proposta de comportamento do consumidor inclui várias atividades e muitos papéis que as pessoas podem assumir. A figura 1 ilustra as dimensões do comportamento do consumidor proposta pelos autores. Domiciliares (consumidores) Empresas Tipos de Clientes Atividades físicas Atividades mentais Comportamentos Usuários Compradores Pagantes Papéis Figura 1 - Consumidores: tipos, papéis e comportamentos. Fonte: SHETH; MITTAL; NEWMAN (2001, p., 29) Assim, o estudo do comportamento do consumidor se concentra em como os indivíduos decidem comprar e usar produtos e serviços. Ou seja, o que os consumidores compram, porque compram, quando compram, onde compram com que freqüência compram e com que freqüência usam o bem adquirido. Com base em tal desejo, surgem as preferências por determinadas formas específicas de atender a motivação inicial. Essas preferências estarão diretamente relacionadas ao auto-conceito. Assim, o consumidor tenderá a escolher um produto que corresponda ao conceito que ele tem ou que gostaria de ter. No entanto, contrário à motivação, surgem os freios os quais se tratam da consciência de risco que vem implícita, relacionada com o produto.

19 Lewis e Bridges (2004) alertam que não importa o produto que você fabrica ou o serviço que você vende. Se não entender não só o comportamento desses consumidores, mas também sua alma, suas estratégias de marketing, que antes eram bem-sucedidas, desabarão diante da desconfiança e do desinteresse deles. Giglio (2004) assinala que ao longo do tempo diversas teorias do comportamento do consumidor foram criadas. Todavia, todas, em sua essência, buscaram entender o ser humano como um ser biológico, com processos fisiológicos. Considerando os pressupostos dos vários campos de conhecimento sobre o ser humano, o ponto de partida leva em conta que: o ser humano é positivo, seu comportamento é ditado pelos processos racionais (comparação, análise e síntese); o ser humano é emocional, movido por afetos conscientes e inconscientes; o ser humano é social movido (e controlado) pelas regras de grupo; o ser humano é dialético, movido pelas oposições da existência humana (altruísmo e egoísmo, por exemplo); o ser humano é complexo, movido por determinações e indeterminações de vários níveis (tornando seu comportamento imprevisível). Considerando os pressupostos apresentados, infere-se que o consumidor é um ser humano emocional, social, dialético e completo, que tem preferências específicas e é movido por motivações diversas, cabendo a cada organização, avaliar o perfil do consumidor a que se destina seus produtos e serviços. Neste sentido, Giglio (2004) lembra que ao estudar o consumidor, deve-se ter claro em mente que cada pessoa é única em sua existência concreta nas mínimas emoções e sonhos diários. Por ser humano, cada pessoa demonstra e recria alguns padrões universais de comportamento que fornecem o pano de fundo da sua particularidade. Não esquecendo que no caso de empresas de serviços, como por exemplo, uma IES, está cada vez mais presente a percepção dos diferenciais presentes em todos os produtos: como na criação de cursos, nos currículos, na atualização de seus programas e metodologias, em todos os seus serviços, como

20 atendimento personalizado em sintonia com seus diferenciais de marca, como atitudes pro ativas, estabelecendo laços de afetividade com a própria comunidade em que está inserida. Colombo (2005) assinala que em grande parte do século XX, as instituições educacionais guardavam uma imagem intocada, como se estivessem em redomas de vidro, tanto no viés do diálogo com a realidade quanto com a preocupação em voltar seu olhar para o público consumidor de seus serviços. Era como se a instituição educacional, com seus modelos tradicionais e, em grande parte, antiquados, se auto-sustentasse com a imagem de centro norteador da formação intelectual do individuo e fizesse por ele escolhas, estabelecendo ela mesma os parâmetros de satisfação. Neste contexto, cada vez mais, cabe às universidades, inovar, enfrentar a realidade, trabalhar em prol de uma sociedade mais justa, um meio ambiente equilibrado. Lembrar que estas ações influenciam o processo de tomada de decisão do consumidor (alunos), tema este, abordado a seguir Processo de tomada de decisão do consumidor Samara e Morsch (2005) lembram que nem sempre o processo de decisão será exercido por apenas um indivíduo. A escolha de alguns produtos pode envolver mais de uma pessoa. Assim, a tomada de decisão compreenderá vários papéis que as pessoas envolvidas poderão desempenhar na decisão de compra: Pode ter como iniciador, o indivíduo que primeiro sugere a idéia de compra de determinado produto e um influenciador que é a pessoa cuja opinião ou ponto de vista tem forte peso para que se chegue à decisão final. Já o decisor é a pessoa que determina a decisão de comprar. O comprador é a pessoa que efetivamente realiza a compra. O consumidor (ou usuário) é a pessoa que consome ou utiliza o produto e por último o avaliador, considerado o indivíduo que julga se o produto é adequado ao uso. Para melhor entendimento, a figura a seguir sintetiza os vários papéis do consumidor:

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 1 RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 RESUMO: Este trabalho pretende discutir a relação existente entre educação e organização

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB.

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. Maria Célia Cavalcante de Paula e SILVA Licenciada em Ciências Biológicas pela

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE GRUPO TERAPÊUTICO SOBRE RECICLAGEM DE MATERIAL DESCARTÁVEL NO CAPS CAMINHAR COMO ESTRATÉGIA EDUCATIVA EM SAÚDE MENTAL

DESENVOLVIMENTO DE GRUPO TERAPÊUTICO SOBRE RECICLAGEM DE MATERIAL DESCARTÁVEL NO CAPS CAMINHAR COMO ESTRATÉGIA EDUCATIVA EM SAÚDE MENTAL DESENVOLVIMENTO DE GRUPO TERAPÊUTICO SOBRE RECICLAGEM DE MATERIAL DESCARTÁVEL NO CAPS CAMINHAR COMO ESTRATÉGIA EDUCATIVA EM SAÚDE MENTAL BRAGA¹, João Euclides Fernandes FERNANDES², Mariana Camila Vieira

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais