MARKETING DE SERVIÇOS. Prof. Paulo Prado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING DE SERVIÇOS. Prof. Paulo Prado"

Transcrição

1 MARKETING DE SERVIÇOS Prof. Paulo Prado

2 Método do Módulo Apresentar aos participantes os componentes de uma estratégia de marketing para serviços e de relacionamento, Adaptar os conceitos de marketing já discutidos em outros módulos, e aplicando-os contexto de serviços Desenvolver instrumentos para análise do marketing de serviços

3 Data Assunto Caso 13/09 Definições e Características Caso KFC Caso Container Store 19/09 Entendendo o Consumidor de Serviços Aspectos do Comportamento do Consumidor A Experiência de Consumo 20/09 Alinhando Estratégia, Design e Pacote de Serviços A Estratégia de Serviços O Pacote de Serviços O ServiceScapes 26/09 Desenvolvendo o Serviço O Processo O Encontro 27/09 O Marketing Interno Gerenciando os Serviços Precificação em Serviços 28/09 O IMC em Serviços Entendendo o Consumidor Qualidade em Serviços 03/10 Entendendo o Consumidor Relacionamentos em Serviços Caso Jordan s Introdução Business Model Caso Ellie Mae Business Model Caso Southwest Business Model Caso Hospital Business Model Caso Vail Business Model 25 ou 26/10 Apresentação Business Model

4 Método do Módulo 50% explanações e discussões 50% trabalhos e estudo de casos Avaliação final relatório em grupo dos estudos de caso e projeto final Bibliografia Básica: Lovelock, C.H. Wright, E. Princípios de Marketing de Serviços. Bookman, Bateson, J.E.G. Marketing de Serviços. Dryden Press, Zeithalm, V; Bitner, M.J. Marketing de Serviços. Bookman, Cobra, M. Marketing de serviços. Editora Cobra, 2001.

5 Economia no Brasil (distribuição do PIB) Extração e Agricultura 5% Indústria 28% Serviços e Comércio 67% Fonte: IBGE (2007)

6 O que é um serviço? No que ele se diferencia de bens comercializados?

7 Características dos Serviços Intangibilidade Inseparabilidade Variabilidade Perecibilidade Dificuldade em Precificar

8 Natureza do Ato de Prestação do Serviço ATOS TANGÍVEIS ATOS INTANGÍVEIS DIRIGIDO ÀS PESSOAS Processar Pessoas por ex., empresas aéreas, hotéis, restaurantes, cabeleireiros, academias de ginástica Processar Estímulos Mentais por ex., cinemas, cursos, psicólogos, shows DIRIGIDO ÀS POSSES Processar Posses por ex., transportes de cargas, reparos, limpeza, paisagismo, varejos, coleta de lixo Processar Informações por ex., contabilidade, finanças, seguros, jurídicos, pesquisa

9 Servuction Conceito do Serviço Núcleo técnico Suporte Físico Pessoal de Contato Cliente Outros clientes Bastidores (Invisível) Frente (Visível ao cliente) O Pacote de Serviços

10 A Experiência de Consumo dos Serviços

11 Comportamento dos Consumidores em Serviços Consciência da Necessidade Busca de Informações - Definição das necessidades - Exploração das soluções - Identificação de fornecedores Avaliação de Alternativas de fornecimento - Revisão da Documentação (propaganda, catálogos,web sites, etc) - Consulta a outras pessoas (amigos, parentes, especialistas, outros consumidores, etc) - Visita a possíveis fornecedores, contato com o pessoal de atendimento/vendas Pedido ao Fornecedor Selecionado (ou iniciar o self-service) Desenvolvimento do Serviço Estágio de Pré-Compra Estágio de Consumo Avaliação da Performance do Serviço Intenções Futuras Estágio Pós-consumo

12 Definindo a Experiência para o Consumidor A experiência do consumidor refere-se a percepção dos clientes alvo e a interpretação de todos os estímulos encontrados durante a sua interação com uma empresa. São os atos de consumo memoráveis e significativos para o consumidor (Pine e Gilmore, 1999)

13 Definindo a Experiência para o Consumidor Experiência envolve o aprendizado durante um período de tempo enquanto consumidores interagem com os diferentes elementos do contexto criado por um provedor de serviços. Atividades que se auto-reforçam Provê uma experiência única e específica num dado contexto

14 Componentes da Experiência de Consumo Ambiente de Uso Contexto de Consumo Layout e Organização de Objetos Participação do Consumidor Interação Social Cognições e Afetos do Consumidor Prática Atividades Ambiente Social e Facilitadores

15 MODELO DE GESTÃO DAS EXPERIÊNCIAS DO CONSUMIDOR PESSOAS O que deve distinguir nossos colaboradores? OFERTAS O que deve único em nossos produtos e serviços? EXPERIÊNCIA DO CONSUMIDOR Que tipo de experiência devemos prover aos nossos clientes? COMPORTAMENTOS DO CONSUMIDOR Como os clientes devem se comportar para que atinjamos nossos objetivos? RESPOSTAS DO CONSUMIDOR Quem são nossos clientes mais lucrativos? PROCESSOS Como nossos processos devem entregar nossos produtos e serviços com valor superior?

16 Princípios da Gestão da Experiência Conexão Emocional Sistema de Gestão de Experiências EMS Fundir Amplitude e Profundidade Fundir Automação e Contato

17

18 MOMENTOS DE CONTATO (Exemplos) Pontos de Terceiros Propaganda Centros de Serviços Pontos de Venda Representantes Gerentes da Conta Vendedores Especializados Entrega Auto-Atendimento Coletor RP Help Lines Engenheiro de Campo Contact Centers Campanhas Eventos de Consumidores Newletters Internet Mala Direta Televendas

19 Alinhando Estratégia, Design e Pacote de Serviços

20 Estratégia de Marketing para Serviços Empresa Marketing Interno Habilitando para as Promessas Marketing Externo Fazendo Promessas Tecnologia Prestadores do Serviço Marketing Interativo Mantendo as Promessas Consumidores

21 Oportunidades de Ampliação do Valor ao Cliente Físico Emocional Intelectual Espiritual Conforto Bem Estar Aprendizagem Paz Conveniência Crescimento Pessoal Conhecimento Liberdade Independência Reconhecimento Apreciação Confiança Segurança Cuidados Raridade Integridade Sobrevivência Relacionamentos Status Auto-expressão Auto-estima Pertencer Felicidade Excelência Controle Escolha Confiabilidade Consistência Desempenho Crescimento Espiritual Expressão Espiritual Expressão Criativa Conexão Aestética Consciência Social Harmonia Eficiência Identidade

22 Questões para diferenciação Como as pessoas tornam-se conscientes da necessidade do seu serviço? Como os consumidores encontram a sua oferta? De que maneira os consumidores tomam as suas decisões finais? Como os consumidores fazem o pedido ou compram seu serviço? De que maneira o seu serviço é realizado/ entregue? O que acontece ou deve acontecer durante o processo de desenvolvimento/ entrega do seu serviço? De que maneira o seu serviço, ou os resultados dele, são utilizados realmente pelos consumidores? Quais são as dificuldades que os consumidores enfrentam durante o processo? Que tipo de ajuda você deve prestar durante a prestação de serviços? De que maneira ou forma ocorre pagamento pelos seus serviços? Que tipo de garantias poderiam ser oferecidas? Quais são as opções e os procedimentos para recuperação de falhas nos serviços? O que acontece depois do fim do consumo do ser serviço? O seu serviço está localizado em uma cadeia de opções ou é a opção final?

23 Cadeia de Valores de Porter Infra-estrutura Recursos Humanos Desenvolvimento de Tecnologia Aquisição / Fornecimento Logística Interna Operações Logística Externa Marketing/ Vendas Serviços Complem.

24 Mix Expandido Produto Preço Distribuição Promoção Marketing Tradicional Evidências Físicas Participantes Ambiente de Interação Produtos Tangíveis Todos os atores humanos Processo Procedimentos, Mecanismos e Fluxos

25 O Pacote de Serviços

26 O Pacote de Serviços O Serviço Central Acessibilidade Interações Serviços e Bens Facilitadores Serviços e Bens de Suporte Participação do Consumidor

27 Atributos de um Serviço Atributos de Procura características que os consumidores podem avaliar imediatamente antes da compra Atributos de Experiência características de desempenho que os clientes podem avaliar apenas durante a entrega do serviço Atributos de Confiança características que os clientes não conseguem avaliar mesmo depois da compra e consumo

28 Design dos Serviços: Ambiente Físico (Servicescape) O que pode ser controlado O que deve ser entendido Resultados Esperados Dimensões do Servicescape - Arquitetura Ambiência Funções Design - Ambiente Social Respostas dos Empregados e Consumidores ao Servicescape -Emoções - Cognições - Respostas Físicas Comportamento no Servicescape - Comportamentos Individuais - Interações Sociais

29 Desenvolvendo o Serviço

30 Design dos Serviços Quantidade de Clientes Atendidos em Conjunto Baixo Nível de Contato Alto Pequeno Reparo de Automóveis Conserto de Relógios Conserto de Sapatos Médicos Barbeiros/Cabeleireiros Advogados Grande Seguros Lojas de Desconto Companhias Aéreas Espetáculos Esportivos Restaurantes Teatros e cinemas

31 Design dos Serviços: Desenvolvimento do Processo 1 a Etapa: 2 a Etapa: 3 a Etapa: 4 a Etapa: 5 a Etapa: 6 a Etapa: Identifique o Processo a Ser Mapeado Identifique o Cliente ou Segmento de Clientes Mapeie o Processo Sob a Ótica do Cliente Mapeie as Ações da Equipe de Contato (Front e Back Office) Ligue as Atividades do Cliente e da Equipe de Contato Às Funções De Suporte Adicione as Evidências físicas em cada etapa do cliente

32 O Mapeamento do Processo Consumidor Início Esforço Promocional Gera Expectativa N Comprar? S Contatar a empresa Responder ao Passo 1 Realizar Passo 2 Avaliar Satisfação N Comprar de Novo? S Linha de Interação Atender o Consumidor Realizar Passo 1 Iniciar Passo 2 X Realizar Passo 3a Solicitar Avaliação Provedor do Serviço Estágio de Contato Direto Linha de Visibilidade Y O que o Consumidor quer? Z Realizar Passo 3b Realizar Passo 3c Estágio de Suporte Preparar Local de Fornecimento Iniciar Atividades de Acompanhamento Desenvolver Composto Promocional Prover Recursos Humanos Prover Equipamentos e Tecnologia Prover Materiais Realizar Passos Complementares Medidas da Satisfação Linha de Implementação Sistemas de Controle Estoques - Qualidade - Custos - Satisfação Funções Administrativas Coordenar Funções Alocar Recursos Rever Estratégia Avaliar Performance Geral

33 Design dos Serviços: Princípios Operacionais Termine de forma intensa Resolva rapidamente as experiências negativas Segmente o prazer, combine o sofrimento Construa o Comprometimento através da escolha Dê as pessoas rituais e reforce-os

34 Serviço de Entregas Expressas CLIENTE EVIDÊNCIAS FÍSICAS Chamada Do Cliente Caminhão Pacote Formulários Hand-held Computador Uniforme Cliente Entrega encomenda Caminhão Formulários Hand-held Computador Uniforme Recepção Encomenda PESSOAL DE CONTATO (Back Stage) (On Stage) Ordem De Serviço Caminhão apanha encomenda Entrega da Encomenda PROCESSOS DE SUPORTE Programa Caminhão Recepção E Carga Aeroporto Transporte Ao CD Distribuição Pacotes Carga no Avião Vôo ao destino Desembalar e distribuir Carga no Caminhão

35 Hotel Evidências Físicas Exterior Carro Hotel Bagagem Estacionamento Desk Registro Papelaria Lobby Chave Elevador Hallways Quarto Carro Bagagem Quarto Banho Menu Garçom Disposição pratos Alimento Conta Lobby Hotel Exterior Estacion. Pessoal de Contato (Back Stage) (On Stage) Cliente Chegada Ao hotel Depósito Das Malas Agradecer Pegar Bagagem, Check in Processo De Registro Ida ao Quarto Levar Malas ao Quarto Recepção Bagagem Entrega Malas Dormir Banho Chamada Serviço Quarto Anotar Ordem Receber Refeição Entrega Refeição Comer Check out E Saída Processa Check Out Suporte Registration System Preparo Refeição Sistema de Registro

36 Design dos Serviços: Contato Pessoal As pessoas são o Serviço As pessoas são a empresa sob a ótica do Cliente As pessoas são os Marketeiros de Plantão

37 Design dos Serviços: Contato Pessoal Tarefa Sistema de Desenvolvimento Encontro Padrões

38 Design dos Serviços: Endomarketing Funções do Endomarmeting Atrair Desenvolver Informar Motivar Reter

39 Endomarketing Conheça seu Cliente Interno Mensure e Premie Concorra Por Talentos Atrair, Desenvolver Motivar e Reter Colaboradores Qualificados Ofereça uma visão Prepare as pessoas para as funções Alavanque o fator liberdade Incentive a participação como um time

40 Gerenciando os Serviços

41 3 Razões pelas quais a percepção de preços é diferente para cada consumidor Conhecimento limitado a respeito de Preços de Serviços Heterogeneidade limita o conhecimento O Fornecedor não tem como estimar preços Necessidades variam entre os consumidores Não existem referências claras para os preços Preços não são visíveis Papel dos Custos não Financeiros Preços como indicativos da qualidade do serviço

42 Custo Total dos Serviços para o Consumidor Custos de Busca Custos Financeiros Custos de tempo Custos de Operação Custos Situacionais Custos de Compra e do Uso Custos Físicos Custos Psicológicos Custos Sensoriais Custos Posteriores Custos de Follow-up Solução de Problemas

43 Precificação de Serviços Questões Importantes Quanto deve ser cobrado? Qual deve ser a base dos preços? Quem deve cobrar o pagamento? Onde este pagamento deve ser efetuado? Quando deve ser feito o pagamento? Como o pagamento deve ser efetuado? Como os preços devem ser comunicados aos diversos públicos?

44 Precificação Relação Valor x Preço Valor é Preço Baixo Descontos Preço Psicológico Preços Sincronizados Preços de Penetração Valor é tudo o que eu quero receber Preços Skimming Preço de Prestígio Valor é a qualidade x preço Value Pricing Preços Discriminatórios Valor é tudo que recebo pelo custo total Price Framing Preço por Pacote Preços por Desempenho Preços de Complementação

45 A Comunicação Integrada de Marketing (IMC) para Serviços Comunicação Pessoal Propaganda Promoção de Vendas Relações Públicas Materiais Institucionais Design Corporativo Comunicação Interna Pessoal de Vendas Mídias Eletrônicas Cupons Releases/ kits WEB Sites Marca Horizontal Centros de Serviços Mídias Impressas Descontos Conferências com Imprensa Manuais Decoração Interior Vertical Encontros Internet Presentes Eventos Especiais Catálogos Equipamentos Treinamentos Outdoors Premiações Feiras e Exibições Vídeos Uniformes Boca-a-Boca Displays PDV Patrocínios CD-ROM Marketing Direto

46 Objetivos da comunicação em cada etapa do processo de compra de serviços Estágio Pré-Compra Reduzir o Risco Percebido Comunicar papéis e scripts Desenvolver marca, qualidade e imagem corporativa Ampliar Awareness e probabilidade de compra Estágio Consumo Antecipar adequadamente papéis e scripts Suportar e Ampliar a Imagem de Qualidade Ampliar a Satisfação do Cliente Estágio Pós-Compra Evitar a Dissonância Cognitiva Estimular o Boca-a-boca positivo Desenvolver relacionamentos, Lealdade e aumentar a probabilidade de compras repetidas

47 O IMC e a Promessa dos Serviços Gerenciando As Expectativas Do Cliente Gerenciando as Promessas de Serviços Entregar os Serviços conforme Prometido Melhorando a Educação do Consumidor Gerenciando a Comunicação Interna

48 O IMC e a Promessa dos Serviços Gerenciando as Promessas do Serviço Comunicação Com Argumentação Efetiva Comunicação Externa Coordenada Promessas Realistas Oferta de Garantias do Serviço Entregar os Serviços conforme Prometido Imagens Vivas Imaginário Interativo Tangibilize Mostre os Empregados Prometa o que é possível Encoraje o WOM

49 O IMC e a Promessa dos Serviços Ofereça Opções Gerencie das Expectativas Dos Clientes Crie Ofertas com Pacotes Value Priced Comunique Critérios Para a Efetividade dos Resultados Negocie Expectativas Não Realistas Entregar os Serviços conforme Prometido

50 O IMC e a Promessa dos Serviços Melhorando a Educação do Cliente Entregar os Serviços conforme Prometido Prepare o Cliente Compare Para o Processo O Desempenho De Consumo Aos Padrões Explicite as Expectativas após a Venda Ensine seus Clientes a evitar os picos de demanda e a procurar os períodos de vale

51 O IMC e a Promessa dos Serviços Entregar os Serviços conforme Prometido Crie uma Comunicação Vertical Efetiva Gerencie a Comunicação Interna Crie uma Comunicação Horizontal Efetiva Alinhe o Back Office Com o Cliente Crie Times Inter-funcionais

52 Qualidade em Serviços

53 Qualidade em Serviços Qualidade Total Imagem (Empresarial / Local) Qualidade Técnica Produzida (O Que) Qualidade Funcional do Processo (Como)

54 Qualidade em Serviços Qualidade Esperada (q0) Qualidade Experimentada (q1) Avaliação q1>>q0 Qualidade Excedente (=qualidade boa de mais para ser justificável) q1>q0 Qualidade Positivamente Confirmada (=boa qualidade) q1=q0 Qualidade Confirmada (=qualidade aceitável) q1<q0 Qualidade Negativamente Confirmada (=qualidade ruim)

55 Evidências da Qualidade nos Serviços para o Consumidor Prestadores de Serviços Os Próprios Clientes Outros Consumidores PESSOAS PROCESSO Fluxo de Atividades Etapas no Processo Flexibilidade x Padronização High Tech x High Touch EVIDÊNCIAS FÍSICAS Comunicação Serviscapes Garantias Tecnologia

56 Dimensões da Qualidade em Serviços 1. Confiabilidade 2. Tangibilidade 3. Prontidão 4. Garantia Competência Cortesia Credibilidade Segurança 5. Empatia Acesso Comunicação Compreensão / Conhecimento do Cliente

57 Diagnosticando a Qualidade em Serviços Comunicação Boca-a-Boca Necessidades Pessoais Experiências Passadas Consumidor GAP 5 Serviço Esperado - Orientação para a Pesquisa - Comunicação GAP 1 Bottom up - Diminuir Níveis Hierárquicos GAP 3 Empresa GAP 2 Serviço Percebido - Trabalho em Equipe - Adequação dos Empregados Serviço Desenvolvido - Adequação da Tecnologia Serviço Comunicado --Gestão Comunicação do Controle Horizontal Percebido --Sistemas Evitar o excesso de Supervisão de Promessas Implicação da Alta GAP Administração - Gestão dos Conflitos 4 Serviço Especificado com a Qualidade nos Serviços - Cuidados com a Ambigüidade - Fixação de Metas - Padronização das Tarefas Percepção - da Percepção Gerênciade Visibilidade

58 Análise da Satisfação do Consumidor Sistema de Informações Múltiplas Pesquisas Externas com Clientes Pesquisas Externas com Clientes da Concorrência (Benchmarking) Pesquisas de Desligamento Pesquisas com Intermediários Macro ambiente Tratamento de Reclamações - SAC Acompanhamento do Atendimento/ Vendedores (Benchmarking) Acompanhamento da Recuperação de Clientes Retorno de Promoções Compra Simulada (Benchmarking) Satisfação dos Consumidores Acompanhamento pelo Banco de Dados Análises Agregadas do Banco de Dados Desenvolvimento de Modelos Micro Ambiente Clube de Clientes Intenções da Empresa

59 Componentes de um Sistema de Recuperação de Serviços Faça corretamente da primeira vez Tratamento efetivo Crescimento da Satisfação + = da Reclamação e Lealdade Identifique as Reclamações - Utilize a Pesquisa - Monitore as reclamações - Desenvolva a cultura de Reclamação como Oportunidade Resolva os Problemas de maneira efetiva - Desenvolva os sistemas e treinamento para o tratamento efetivo das reclamações Aprenda com as novas soluções - Conduza análises causais sobre as falhas encontradas Feedback

60 Relacionamentos em Serviços

61 Benefícios da Ampliação dos Relacionamentos com os Clientes Os benefícios mais intuitivos são o aumento na retenção e aumento do share of customer Estes resultam em um aumento do lifetime value...mas existem benefícios além do óbvio...

62 Benefícios da Ampliação dos Relacionamentos com os Clientes Clientes Fiéis geram menos custos Eles conhecem a sua marca melhor Eles sabem como transacionar com você Eles expressam necessidades específicas Clientes Fiéis Gostam de Indicar Outros Todo mundo é um expert As pessoas gostam de parecerem inteligentes As pessoas gostam de dar sugestões para amigos e parentes Marcas que eles se identificam

63 Benefícios da Ampliação dos Relacionamentos com os Clientes Clientes Fiéis são mais propensos a reclamar do que silenciosamente abandonar a empresa Clientes Fiéis se sentem como parte da empresa Quando eles tem uma má experiência, querem que a empresa seja arrumada Ei! Esta é a minha marca. Clientes Fiéis usam mais canais para comprar os seus produtos e serviços On-line e off-line Eles entendem sua marca melhor e se sentem mais confortáveis interagindo com você por todos os meios possíveis

64 Benefícios da Ampliação dos Relacionamentos com os Clientes Clientes Fiéis tem mais intenção de continuidade Quando clientes fiéis são perguntados onde comprar o que você vende, eles são mais propensos a indicar a sua marca primeiro Clientes Fiéis conhecem melhor as vantagens da sua marca Os atributos adicionais do seu produto e serviços agregados que você oferece Exemplos: Serviço de entrega, garantias, diferenciais, etc.

65 A realidade dos Programas de Relacionamento 40% dos clientes elegíveis não aderem aos programas. 60% dos clientes que participam dos programas não reconhecem os benefícios dos programas de fidelização. 81% dos clientes com direito aos benefícios não os reclamam. 70% dos clientes que utilizaram os benefícios não ficaram plenamente satisfeitos. 60% das empresas não obtém os retornos potenciais em imagem, rentabilidade e vendas.

66 Marketing de Relacionamento Abordagens Marketing Transacional Database Marketing Internet Marketing Marketing de Relacionamento Interaction Marketing Network Marketing Elementos da Cadeia de Valor Parceiros Canais Agentes Econômicos Fornecedores Colaboradores Consumidores Públicos não Clientes

67 PORTFOLIOS DE RELACIONAMENTOS Valor do Cliente para a Empresa Alto Baixo v1 v2 v3 v4 v5 v6 Marketing de Incentivos Marketing de Massa Marketing 1-to1 Marketing de Segmentação/ Nicho v7 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 D8 Baixa Alta Nível de Diferenciação das Necessidades Fonte: Pepers e Rogers (1995)

68 PORTFOLIOS DE RELACIONAMENTOS Suspeito (Suspect) Prospect Estratégias de Recuperação Cliente Perdido (lost client) Consumidor de 1ª vez (first time consumer) Consumidor Repetido (repeat consumer) Cliente (Client) Advogado (Advocate) Membro (Member) Aliado Estratégico (Partner) Alto Valor Atual Alto Valor Potencial Baixo Valor Atual

69 Níveis da Estratégia de Retenção Processos e Infra-estrutura compartilhados Antecipação/ Inovação Investimentos Conjuntos Sistemas de Informação Integrados IV. Ligações Estruturais III. Ligações Customização Incentivos por Volume e por Freqüência Qualidade, Serviços e Valor Excelentes I. Ligações Financeiras II. Ligações Sociais Cross e Up Selling, Bundling Preços Estáveis Relacionamento Continuado Mass Customization Intimidade Com os Clientes Ligações Sociais Entre Clientes Relacionamentos Pessoais

70 Processos Críticos na Gestão de Relacionamentos Customer Relationship Management (CRM) Processo relativo a identificação dos consumidores Customer imediatos e finais, criação de Relationship conhecimento sobre eles, construção do relacionamento e consolidação de suas percepções Management sobre a empresa e sobre as soluções oferecidas Supply Chain Management (SCM) SCM Processo que envolve a compra de todos Supply os inputs físicos e de informação, bem como a eficiência Chaine a eficácia com a qual Management estes são transformados em soluções para os clientes Product Development Management PDM (PDM) Product Development Management Processo que integra a criação das soluções para as necessidades e desejos dos clientes

71 CRM MULTI-CANAL Empresa Gerente Categoria Gerente Trade Gerente Reposição Analista Vendedores Marketing Direto Alta Administração Serviços ao cliente Informações no Site Formulários WEB Chat VoIP INTEGRAÇÃO Fax Telefone Celular PDA Cartas Contato Pessoal Clientes Trader Analistas Imprensa Representantes Prospects Colaboradores Investidores Parceiros Clientes

72 Estratégia Corporativa de Marketing -Segmentação -Posicionamento Supply Chain Management (SCM) Product/Service Development Management (PDM) Customer Customer Relationship Management Management Ferramentas Simulação/ Predição/ Modelagem Gestão de Canais Channel Relationship Management Vendor-Managed Inventory Quick Response - ECR Servicescapes Brand Management Category Management Gestão da Comunicação Integrated Marketing Communication Pricing Yield Management Cliente/ Mercado Database Marketing/ CRM Analítico Ferramentas Data Mining/ Geomarketing Data Warehouse Data Mart Customer Contact Management CRM Operacional Gestão do Marketing Direto Gestão Contatos Pessoais Gestão Contatos Internet Gestão de Vendas Automated Selling Force Contatos Pessoais Contatos Telefone (Call Center) Gestão de Programas de Fidelidade Contatos Online Brand Community Management Contatos Online On Contato Real Time Line Pessoal Internet marketing communication

73 1 4 7 * CONVERGÊNCIA DIGITAL PC em novas formas Internet Tablet PCs & Laptops TV Web Pads Segurança Celulares Telefone Video Conferência HiFi Audio Pocket PCs Games Câmeras Digitais Auto PC Fonte: Business Week,

74 INTERAÇÕES PESSOAIS Família Amigos Comunidades Vizinhos Educação Trabalho TRABALHO Parceiros Governo Serviços ao Consumidor VIDA COTIDIANA

75 OS 3 DESAFIOS DO CRM Complexidade O Espaço da Experiência do Cliente é complexo. Os mercados estão se tornando complexos. O número de agentes, objetos e relacionamentos a serem monitorados crescem exponencialmente. Incerteza Tecnologia e ambiente modificam-se de formação não previsível. A reação dos concorrentes causam a percepção de novidade. O estado futuro não pode ser facilmente extrapolado a partir dos estados anteriores. Fragmentação Clientes aplicam simultaneamente comportamentos diferentes dependendo da situação e do fornecedor. Causada pela fragmentação interna, os negócios inadvertidamente criam diferentes meios de contato que geram conflitos entre si.

76 Questões Caso KFC Quais os problemas enfrentados pelo KFC entrando no Brasil? Quais os erros cometidos pela empresa? Como se consome frangos fritos no Brasil? É um Fast Food? O que influencia o processo de escolha e consumo destes? Que modificações você sugeriria para a estratégia adotada pelo KFC?

77 Container Store Quais são os elementos que agregam valor aos clientes da Container Store? Como a empresa consegue oferecer uma experiência adequada aos seus clientes? Quais são os fatores críticos para o sucesso do negócio?

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Capítulo 8. 8.1 Laudon, Cap, 8

Capítulo 8. 8.1 Laudon, Cap, 8 Capítulo 8 Conquistando Excelência Operacional e Intimidade com o Cliente: Aplicativos Integrados 8.1 Laudon, Cap, 8 OBJETIVOS DE ESTUDO Demonstrar como os sistemas integrados ajudam a conquistar a excelência

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

AULA 2 Marketing de Serviços

AULA 2 Marketing de Serviços AULA 2 Marketing de Serviços Categorias de serviços Uma das formas de se classificar serviços é baseada na natureza dos processos pelos quais os serviços são criados e entregues. Um processo é um método

Leia mais

Marketing de Serviços

Marketing de Serviços Marketing de Serviços Concepção e Gestão da Prestação de Serviços 1 Objectivos Discutir a importância do layout dos serviços na criação de experiências positivas para os clientes Avaliar as formas como

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Marketing. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Marketing. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida Marketing Prof. Marcelo Cruz Marketing de Relacionamento Marketing de Relacionamento Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo Bibliografia Sugerida AUMOND, C.W. Gestão de serviços e relacionamentos.

Leia mais

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa...

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Sobre o estudo perfil Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Amostra: Total: 1.035 respondentes Consumidores: 805 Profissionais: 230 objetivo

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

04/09/2014. Parte 10 GESTÃO EMPRESARIAL. Administração de marketing. Objetivos de aprendizagem. Conteúdo

04/09/2014. Parte 10 GESTÃO EMPRESARIAL. Administração de marketing. Objetivos de aprendizagem. Conteúdo Parte 10 GESTÃO EMPRESARIAL Administração de marketing Profº Adm.Cláudio Fernandes, Ph.D Ph.D em Business Administration - EUA www.claudiofernandes.com.br 1 Conteúdo Objetivos de aprendizagem Administração

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

5/11/2008. Questões abordadas no capítulo. Comunicação de marketing

5/11/2008. Questões abordadas no capítulo. Comunicação de marketing Capítulo 17 Gerenciamento da comunicação integrada de marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio.

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio. F R A N Q U I A Benefícios do Modelo Uma das marcas mais fortes e reconhecidas do país. A marca faz parte de um conglomerado que se consolida como um dos maiores do país (Alpargatas - Grupo Camargo Corrêa).

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em COMUNICAÇÃO, MERCADOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em COMUNICAÇÃO, MERCADOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em COMUNICAÇÃO, MERCADOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas:

Leia mais

Atendimento, Front Office, Back Office......o que observar e melhorar para o futuro

Atendimento, Front Office, Back Office......o que observar e melhorar para o futuro Atendimento, Front Office, Back Office......o que observar e melhorar para o futuro As pressões do novo momento de relacionamento com o cliente... Gestão da Experiência do Cliente Níveis de serviço focando

Leia mais

Marketing. Entender e Atender o Mercado. Vendas Propaganda

Marketing. Entender e Atender o Mercado. Vendas Propaganda Cláudio Silvestre Marketing Vendas Propaganda Pesquisa Experimentação Design Definição de Preço Estratégia de distribuição Estabelecimento de Parcerias Etc... Entender e Atender o Mercado Razões do Marketing

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

@FabioCipriani Social Media Brasil 2011 04 de junho de 2011

@FabioCipriani Social Media Brasil 2011 04 de junho de 2011 Mídias Sociais nas Empresas @FabioCipriani Social Media Brasil 2011 04 de junho de 2011 Midias_Sociais_Cafe_Aberje.ppt Foto de Gabriel Guimarães 22 http://www.flickr.com/photos/gabrielfgo/3919726379-2

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

Questões abordadas no capítulo

Questões abordadas no capítulo AULA 12 Marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais etapas do desenvolvimento de uma comunicação

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

MIZUNO, TOPPER, RAINHA, HAVAIANAS, TIMBERLAND, DUPÉ E SETE LÉGUAS.

MIZUNO, TOPPER, RAINHA, HAVAIANAS, TIMBERLAND, DUPÉ E SETE LÉGUAS. SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 11 Sistemas de E-business Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

FRANCHISING 3.0 DANIEL ZANCO - UNIVERSO VAREJO

FRANCHISING 3.0 DANIEL ZANCO - UNIVERSO VAREJO FRANCHISING 3.0 DANIEL ZANCO - UNIVERSO VAREJO CAPACITAÇÃO PESQUISA MERCADO FRANCHISING TECNOLOGIA PARA GESTÃO REDES O CRESCIMENTO DO FRANCHISING NO BRASIL Fonte: ABF O CRESCIMENTO DO FRANCHISING NO BRASIL

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Evolução e conceito de geomarketing. 2. Técnicas de geoprocessamento. Geomarketing : Tomada de Decisão no Varejo

Leia mais

Sobre os autores. Apresentação

Sobre os autores. Apresentação Sobre os autores Apresentação 1 Gestão de marketing, 1 1.1 Estratégia e as forças competitivas, 2 1.1.1 Primeira força: ameaça de entrada de novos concorrentes, 3 1.1.2 Segunda força: pressão dos produtos

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Razões para prestar um fantástico atendimento. 2. Motivação e empregabilidade. 3. Fidelização do cliente. 4.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO Prof. Marcelo Mello Unidade I GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Objetivos gerenciamento de serviços Utilizar modelos de gestão e desenvolvimento voltados para o segmento de prestação de serviços em empresas de

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA EMPRESAS DE CONTABILIDADE

FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA EMPRESAS DE CONTABILIDADE FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA EMPRESAS DE CONTABILIDADE José Henrique Domingues Carneiro (Prof. Rico) CRCSC 16085 Vamos acordar? Contatos para: PALESTRAS TREINAMENTOS WORKSHOPS CONSULTORIAS CURSOS ANIMAÇÃO

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO Os 4 Ps CONCEITO DE PRODUTO E SERVIÇO Um produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo. Serviço é qualquer ato ou desempenho, essencialmente

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

Arezzo&Co Investor s Day

Arezzo&Co Investor s Day Arezzo&Co Investor s Day Apresentação do Roadshow Infraestrutura de Varejo 1 Financeiro 2 1.1 Criação de cultura orientada ao varejo O aumento do canal de lojas próprias, 21% das vendas dos últimos doze

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Marketing com Ênfase em Ambiente Digital.

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Marketing com Ênfase em Ambiente Digital. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Marketing com Ênfase em Ambiente Digital. Coordenação Acadêmica: Prof. Guilherme Eduardo Korndorfer Código no SIGA: TMBAMKT*11/10 1 OBJETIVO: Familiarizar

Leia mais