Metodologia para Análise da Gestão da Cadeia de Suprimentos: estrutura, processos de negócios e componentes de gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia para Análise da Gestão da Cadeia de Suprimentos: estrutura, processos de negócios e componentes de gestão"

Transcrição

1 Metodologia para Análise da Gestão da Cadeia de Suprimentos: estrutura, processos de negócios e componentes de gestão Supply Chain Management Analysis Methodology: structure, business processes and management components ALEXANDRE TADEU SIMON Universidade Metodista de Piracicaba (Santa Bárbara d Oeste, Brasil) SÍLVIO ROBERTO IGNÁCIO PIRES Universidade Metodista de Piracicaba (Santa Bárbara d Oeste, Brasil) RESUMO Observa-se no atual ambiente de negócios que a competição ocorre entre cadeias de suprimentos, e não mais entre empresas isoladas. Nesse novo ambiente competitivo, o sucesso das empresas depende da sua habilidade em integrar e gerenciar os processos de negócio-chave, desde os fornecedores iniciais até o usuário final. A Gestão da Cadeia de Suprimentos é uma estratégia para se alcançar essa integração. É uma nova e importante área no campo da pesquisa de gestão, com pouca literatura disponível. Este trabalho tem por objetivos apresentar um entendimento mais amplo do conceito de Gestão da Cadeia de Suprimentos e propor uma metodologia de apoio às empresas no entendimento e análise desse processo, baseada no modelo conceitual de Gestão da Cadeia de Suprimentos proposto por Cooper et al. (1997). A metodologia é dividida em duas partes. A primeira, aqui apresentada, discute as principais etapas e questões ligadas à implementação da Gestão da Cadeia de Suprimentos: estrutura, processos de negócios e componentes de gestão. A segunda, a ser desenvolvida em trabalhos futuros, trata da definição dos critérios para se analisar: 1. a estrutura da cadeia de suprimentos (membros, dimensões estruturais e tipos de ligações de processos de negócio); 2. os processos de negócios nas relações com clientes e fornecedores; e 3. os componentes de gestão da cadeia de suprimentos. Palavras chave GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DE NEGÓCIO COMPONENTES DE GESTÃO ABSTRACT In the present business environment, one can observe that competition occurs between supply chains, rather than between autonomous entities. In this emerging competitive environment, the companies success depends on their ability to integrate and manage the key-business processes from the suppliers to the final user. Supply chain management is a strategy through which such an integration can be achieved. It is a new and important area in the field of management research, with little literature on the subject. The purposes of the present article are to present a broader understanding of the Supply Chain Management (SCM) concept, and to propose a methodology to support companies in the understanding and analysis of such process. This methodology is based on the conceptual model of Supply Chain Management proposed by Cooper et al. (1997) and can be divided into two parts. The first one, presented in this article, encompasses the discussion of the main stages and critical questions related to the implementation of the Supply Chain Management: the supply chain network structure, the business processes and the management components. The second one, to be developed in a future work, deals with the definition of the criteria to analyse: 1. the supply chain network structure - members, structural dimensions and types of links of business processes; 2. the business processes in the relationship with clients and suppliers; and, 3. the management components of SCM. Keywords SUPPLY CHAIN MANAGEMENT BUSINESS PROCESSES MANAGEMENT COMPONENTS. REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 22 pp

2 INTRODUÇÃO A internacionalização da competição tem forçado as empresas industriais a buscar e implementar novas fontes de vantagens competitivas. Dado que, na atualidade, a competição ocorre efetivamente entre cadeias de suprimentos, e não entre empresas isoladas, a Gestão da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management SCM) surge como uma nova fronteira a ser explorada. Pelo fato de ser um conceito relativamente novo, ainda em fase de formação, há a necessidade de se construir uma teoria e desenvolver ferramentas e métodos normativos para que sua prática seja bem sucedida. Em função dessas considerações, dois objetivos se apresentam para este trabalho. O primeiro deles é discutir o conceito de Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) no âmbito mais completo e abrangente. O segundo é propor, com base nesse conceito, uma metodologia para análise do processo de Gestão da Cadeia de Suprimentos das empresas. Essa metodologia se apóia no modelo conceitual de Gestão da Cadeia de Suprimentos proposto por Cooper et al. (1997) e divide-se em duas etapas. A primeira, a ser exposta neste trabalho, propõe-se a discutir os principais passos e as questões relativas à implementação da Gestão da Cadeia de Suprimentos: estrutura, processos de negócios e componentes de gestão. A segunda, a ser desenvolvida em trabalhos futuros, trata da definição dos critérios e parâmetros para análise da estrutura da cadeia de suprimentos em relação aos membros componentes e dimensões estruturais, dos processos de negócios que a empresa utiliza nas relações com clientes e fornecedores e, por fim, dos componentes de gestão da cadeia de suprimentos. Para validação da metodologia, será realizada uma pesquisa de campo em empresas representativas do setor de máquinas-ferramenta no Brasil, que, apesar de sua destacada importância, é pouco estudado quanto a essas questões. Espera-se, com o desenvolvimento completo do trabalho, obter uma ferramenta que permita às empresas avaliar o nível em que se encontram em relação à gestão da cadeia de suprimentos para, a partir daí, identificar e implementar ações que propiciem melhorias nesse processo. GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Por ser um conceito relativamente novo, ainda em fase de formação, observa-se que não existe um consenso em relação à definição de Gestão da Cadeia de Suprimentos e, principalmente, quanto à compreensão do seu real significado. Existem várias correntes e escolas, tendo cada uma o seu próprio entendimento e definição. Isso pode estar gerando dificuldades não só em relação ao entendimento, mas também ao processo de implantação do conceito. É, portanto, de fundamental importância que se construa uma teoria e se desenvolvam ferramentas e métodos normativos para a sua prática bem-sucedida (Lambert et al., 1998 a, e Croom et al., 2000). Para compreensão do significado do conceito de Gestão da Cadeia de Suprimentos e sua abrangência, Ganeshan & Harrison (2002) sugerem um raciocínio que passa pelo entendimento do escopo da Cadeia de Suprimentos, por suas atividades e pelas funções que executam essas atividades: Uma Cadeia de Suprimentos é uma rede de opções de facilidades e de distribuição que executa as atividades de desenvolvimento de produtos, procurement de materiais, transformação desses materiais em produtos intermediários e produtos acabados, e distribuição desses produtos acabados para os clientes. A cadeia de suprimentos é composta de membros e estes incluem todas as empresas/organizações com as quais a empresa interage, direta ou indiretamente, através dos seus fornecedores ou clientes, desde o ponto de origem até o ponto de consumo. As atividades dentro de cada elo da cadeia de suprimentos são executadas, por exemplo, pelas funções de marketing, distribuição, planejamento e compras que, tradicionalmente, operam independentemente. Estas funções têm seus próprios objetivos e estes geralmente são conflitantes. Isto resulta no fato de que não há um planejamento único integrado para a organização (elo), e conseqüentemente para a cadeia como um todo. Portanto, há a necessidade de um mecanismo através do qual estas diferentes funções possam ser integradas. A Gestão da Cadeia de Suprimentos é uma estratégia através da qual esta integração pode ser obtida. 58 jul./dez. 2003

3 Até recentemente, a Gestão da Cadeia de Suprimentos vinha sendo confundida com o conceito de Gestão da Logística tanto por consultores quanto por acadêmicos e profissionais de empresas. Em 1998, o Council of Logistics Management (CLM) enunciou uma definição modificada de logística: A Logística é a parte da cadeia de suprimentos que planeja, implementa e controla o fluxo e armazenagem eficientes e eficazes de produtos, serviços e informações correlatas do ponto de origem ao ponto de consumo, para atender às necessidades dos clientes (Lambert et al., 1998a, p. 3). Essa definição mostra, claramente, que a gestão da logística é somente uma parte da SCM e que os dois termos não são sinônimos. Apesar disso, muitos artigos, seminários e palestras sobre SCM ainda usam essa expressão como sinônimo de logística (Lambert et al., 1998a). Alguns autores, em trabalhos semelhantes, entendem Gestão da Cadeia de Suprimentos como sendo a aplicação de determinadas práticas/ferramentas na gestão das relações externas e internas da empresa, como Early Supplier Involvement (ESI), In-Plant Representatives, Electronic Data Interchange (EDI), Efficient Consumer Response (ECR), Outsourcing, Postponed Manufacturing, entre outras. Na realidade, essas são práticas/ ferramentas de apoio e, sem dúvida, sua aplicação é de fundamental importância para se obter sucesso na Gestão da Cadeia de Suprimentos. O termo Supply Chain Management (SCM) Gestão da Cadeia de Suprimentos, é relativamente novo na literatura, surgindo em 1982 (Oliver, 1982, apud Cristopher, 1994) (Croom et al., 2000). Por volta de 1990, os acadêmicos descreveram, pela primeira vez, a SCM, a partir de um ponto de vista teórico, para clarear a diferença em relação aos enfoques mais tradicionais para gerenciar o fluxo de materiais e o fluxo de informações associado. O uso original do termo enfatizava uma redução no inventário tanto dentro como entre empresas. Essa perspectiva tem sido ampliada, e mesmo a palavra logística tem tido várias interpretações. Na verdade, há uma necessidade de integração dos processos de negócios na cadeia de suprimentos que vai além da logística, e é essa integração que é chamada de SCM. A gestão da cadeia de suprimentos é a integração e gestão dos processos de negócio-chave, a partir do usuário final até os fornecedores iniciais, ou seja, através da cadeia de suprimentos, que provê produtos, serviços e informações que agregam valor para os clientes e outros colaboradores (Lambert et al., 1998a, p. 5). Essa definição de SCM baseia-se na definição desenvolvida pelos membros do International Center for Competitive Excellence, em 1994, e modificada em 1998 pelos membros do The Global Supply Chain Forum (GSCF). Ainda segundo o GSCF, a SCM representa uma nova maneira de gerenciar o negócio e as relações com outros membros da cadeia de suprimentos, e seu objetivo é maximizar a competitividade e a lucratividade para a empresa, bem como para a cadeia de suprimentos como um todo, incluindo o cliente final. IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A seguir, são discutidos os principais passos e questões relativas à implementação da Gestão da Cadeia de Suprimentos. Essa discussão é a primeira etapa do desenvolvimento de uma metodologia para análise desse processo nas empresas e tem como base o modelo conceitual de Gestão da Cadeia de Suprimentos proposto por Cooper et al. (1997). A partir da análise desse modelo, verifica-se que, para a implementação da SCM, são necessárias três etapas fundamentais: conhecer a estrutura da cadeia de suprimentos; identificar os processos de negócios que devem ser estabelecidos com cada um desses membros; e definir o nível de integração que se deve aplicar a cada uma das ligações de processo. Estrutura da cadeia de suprimentos Para a gestão adequada da cadeia de suprimentos, é necessário, em primeiro lugar, conhecer e entender como a sua estrutura está configurada. Lambert et al. (1998a) destacam três aspectos estruturais primários da REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 22 pp

4 cadeia: os membros; as dimensões estruturais; e os diferentes tipos de ligações (links) de processos através da cadeia. Essa etapa, portanto, está relacionada com a identificação dos membros da cadeia, com o conhecimento das dimensões estruturais da cadeia e com a identificação dos tipos de ligações de processos. Identificação dos membros da cadeia de suprimentos Essa etapa requer atenção especial, pois a inclusão de todos os membros pode tornar a cadeia extremamente complexa e difícil de administrar. Integrar e gerenciar todas as ligações de processos com todos os membros da cadeia de suprimentos pode se tornar contraproducente ou até mesmo impossível. A questão, aqui, é identificar as bases para determinar quais membros são críticos para o sucesso da empresa e para a cadeia como um todo, ou seja, quais membros receberão atenção gerencial e alocação de recursos. Para tornar uma cadeia muito complexa mais gerenciável, recomenda-se, como uma primeira aproximação, separar os seus membros em primários e de apoio: membros primários: são todas as empresas autônomas ou unidades estratégicas de negócios que realmente desempenham atividades operacionais e/ou gerenciais nos processos de negócios concebidos para produzir um produto específico para um determinado mercado ou cliente. membros de apoio: são empresas que simplesmente fornecem recursos, conhecimento, utilidades ou ativos para os membros primários da cadeia de suprimentos. Alguns exemplos são os bancos, que proporcionam os recursos financeiros, os proprietários de edificações que a empresa aluga para qualquer fim, as indústrias que abastecem com máquinas e equipamentos, catálogos comerciais etc. São importantes, mas não participam diretamente dos processos de transformação de entradas em saídas e que agregam valor para o consumidor final. Dimensões estruturais da rede da cadeia de suprimentos São três, as dimensões estruturais essenciais e necessárias para se descrever, analisar e gerenciar uma cadeia se suprimentos: estrutura horizontal: refere-se ao número de camadas (tiers) de fornecedores e clientes da cadeia de suprimentos (fornecedores de primeira camada, fornecedores de segunda camada etc.). Os fornecedores diretos da empresa são fornecedores de primeira camada (first tier supplier); os clientes diretos são clientes de primeira camada (first tier customer). Os fornecedores do fornecedor direto são fornecedores de segunda camada, os clientes do cliente direto são clientes de segunda camada, e assim por diante. A estrutura horizontal pode ser longa, com muitas camadas, ou curtas, com poucas camadas; estrutura vertical: refere-se ao número de fornecedores e clientes dentro de cada camada. Uma empresa pode ter uma estrutura vertical estreita, com poucas companhias em cada nível de camada, ou uma estrutura vertical larga, com muitos fornecedores e/ou clientes em cada nível de camada; posição horizontal da empresa foco: refere-se à sua localização dentro da cadeia de suprimentos. Uma empresa pode estar posicionada no início ou perto do início da cadeia (lado dos fornecedores), pode estar no final ou próxima do final (lado dos clientes), ou em algum lugar entre esses dois extremos. O aumento ou diminuição do número de fornecedores ou clientes afeta a estrutura da cadeia de suprimentos. O outsourcing e o follow sourcing, por exemplo, alteram a estrutura da cadeia de suprimentos. O outsourcing pode tornar mais larga a estrutura vertical e aumentar o comprimento da cadeia de suprimentos, influenciando a posição horizontal da empresa foco. O follow sourcing torna a estrutura vertical da cadeia mais estreita. Tipos de ligações (links) de processos Os níveis de integração variam de ligação (link) para ligação e no tempo. Algumas ligações são mais críticas do que outras. Então, a tarefa de alocar recursos escassos entre as diferentes ligações de processos de negócios por meio da cadeia de suprimentos é crucial. Quatro tipos diferentes de ligações de processos de negócios são identificados entre os membros de uma cadeia de suprimentos: 60 jul./dez. 2003

5 ligações de processos de negócios gerenciadas: são ligações em que a empresa foco integra um processo com um ou mais clientes ou fornecedores; ligações de processos de negócios monitoradas: não são tão críticas para a empresa foco. No entanto, é importante para a empresa foco que as ligações de processos sejam integradas e gerenciadas adequadamente entre outras empresas-membro. Então, a empresa foco, tão freqüentemente quanto for necessário, simplesmente monitora ou audita como a ligação de processo é integrada e gerenciada; ligações de processos de negócios não-gerenciadas: são ligações em que a empresa foco não está ativamente envolvida nem são críticas o bastante para usar recursos para monitoramento; ligações de processos de negócios de não-membros: são ligações entre membros da empresa foco e nãomembros da cadeia de suprimentos. Processos de Negócios Segundo Davenport (1993), os Processos de Negócios podem ser entendidos como um conjunto de atividades estruturadas, concebidas para produzir um resultado específico para um determinado cliente ou mercado. É um arranjo específico de atividades de trabalho, com um começo, um fim e entradas e saídas claramente identificadas. Os processos de negócios da cadeia de suprimentos podem cruzar fronteiras intra e interorganizacionais, independentemente da estrutura formal da empresa. Hewitt (1994) cita que, em um estudo exploratório envolvendo 30 empresas, foram identificados entre nove e 24 processos de negócios internos. Em pesquisa realizada pelos membros do The Global Supply Chain Forum (Lambert et al., 1998a), verificou-se que os executivos das companhias estudadas identificaram entre um e sete processos de negócios internos. Constatou-se, também, que as empresas usavam nomes diferentes para processos similares e nomes similares para processos diferentes, o que pode gerar ineficiências nas cadeias de suprimentos. Em função dessas questões, observa-se que é necessário realizar mais pesquisas sobre o assunto, até para que possam ser identificados, entre tantos, quais são os processos de negócios-chave que devem ser integrados e gerenciados para o sucesso da gestão da cadeia de suprimentos. Como ponto de partida, os membros do GSCF identificaram sete processos de negócios-chave (Cooper et al., 1997) e acrescentaram, posteriormente, o processo de negócio devoluções (Lambert et al., 1998b) (Lambert & Cooper, 2000). Esses processos de negócios são descritos a seguir: gestão do relacionamento com clientes: envolve identificar mercados-alvo dos clientes-chave e, depois, desenvolver e implementar programas com eles. O primeiro passo em direção da SCM integrada é identificar os clientes-chave ou grupos de clientes que a empresa entende como críticos para sua missão de negócios e, então, estabelecer com eles acordos de produtos e serviços, especificando níveis de desempenho; serviços ao cliente: cria uma interface para o cliente usando sistemas de informação on-line com dados atuais sobre o pedido, bem como a situação de produção e de distribuição. Esse processo também alimenta o cliente com informação em tempo real sobre datas prometidas de embarque e disponibilidade do produto, por meio de interfaces com a produção e de operações de distribuição da organização; gestão da demanda: reconhece que o fluxo de materiais e produtos está entrelaçado com a demanda do cliente, que é a maior fonte de variabilidade. Fazer previsões e reduzir a variabilidade são preocupaçõeschave desse processo. O processo de gestão da demanda precisa balancear as necessidades dos clientes com a capacidade de suprimento da empresa. Parte da gestão da demanda envolve determinar o que e quando os clientes vão comprar; order fulfillment: responde pela entrega precisa e no tempo correto dos pedidos dos clientes, com o objetivo de atender às datas das necessidades dos clientes. Para se ter um processo de order fulfillment eficaz, é necessária a integração dos planos de manufatura, distribuição e transporte da empresa; gestão do fluxo de manufatura: está relacionada com fazer os produtos que os clientes querem. Isso significa que os processos de manufatura precisam ser mais flexíveis para responder às mudanças de mercado, REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 22 pp

6 e é necessário um esforço para ter o mix correto de produtos. É essencial ter flexibilidade para realizar mudanças rápidas para acomodar a customização em massa. Os produtos devem ser processados just-intime; procurement: pode ser entendido como o processo de gestão de compras da empresa. É quase uma imagem especular do processo de order fulfillment do fornecedor, com praticamente as mesmas quantidades de tarefas e de dados (Hammer, 2002). Focaliza no gerenciamento das relações com fornecedores estratégicos, em vez de no tradicional sistema de fazer cotação e comprar. O objetivo é apoiar o processo de gestão do fluxo de manufatura e desenvolvimento de novos produtos. Na gestão desse processo, a função de compras pode desenvolver mecanismos de comunicação rápida, como o intercâmbio eletrônico de dados (Electronic Data Interchange-EDI) e conexões via internet, para velozmente transferir as necessidades da empresa para o fornecedor; desenvolvimento do produto e comercialização: são importantes na medida em que novos produtos são uma parte crítica do sucesso da empresa. Clientes e fornecedores-chave precisam ser integrados ao processo de desenvolvimento do produto, para reduzir o time to market; retornos/devoluções: a gestão das devoluções como um processo de negócio oferece a oportunidade de se atingir vantagem competitiva sustentável. Em muitos países, isso pode ser uma questão ambiental, mas nem sempre o é. A gestão eficaz das devoluções permite identificar oportunidades de melhorias da produtividade e de projetos. Em trabalhos mais recentes, outros processos de negócios-chave são identificados. Um deles é o Gerenciamento do Relacionamento com o Fornecedor (Lambert, 2002). Ele é quase uma imagem especular da Gestão do Relacionamento com Clientes, pois considera o fato de que há determinados fornecedores (chave) que são mais importantes para o sucesso da empresa, seja pela tecnologia que incorporam ao produto, seja pelo volume de fornecimento. Outro é o Gerenciamento do Relacionamento com Parceiros (Partner Relationship Management-PRM) (Paduan, 2002). O PRM se ocupa do canal de distribuição. É um dos braços do comércio colaborativo, conceito que ganha cada vez mais força na economia movida a informação. A idéia é fazer o fabricante e seus distribuidores compartilharem informações. A empresa fornece ao distribuidor dados sobre como ela e seu setor operam. Em troca, o distribuidor a abastece com informações sobre o consumidor final. O objetivo é obter a máxima eficiência no relacionamento com os canais de distribuição. Um conjunto de tecnologias viabiliza o contato em tempo real e estrutura as informações trocadas entre as duas partes, possibilitando a rápida tomada de decisões. Aqui, vale destacar que, sendo o distribuidor um cliente, o PRM pode e deve ser considerado como parte do processo de negócio Gestão do Relacionamento com Clientes. Deve-se observar que o número crítico ou benéfico de processos de negócios para integrar e gerenciar entre empresas varia de caso a caso. Nível de Integração/Componentes de Gestão da Cadeia de Suprimentos Há certos componentes de gestão que são comuns a todos os processos de negócios e membros da cadeia de suprimentos. Acredita-se que esses componentes comuns de gestão sejam críticos e fundamentais para a administração bem sucedida da cadeia de suprimentos, uma vez que eles representam e determinam como cada ligação de processo é integrada e gerenciada. O nível de integração e gestão de uma ligação de processo de negócio é função do número e do nível de componentes acrescentados à ligação. Assim, acrescentando mais componentes de gestão, ou aumentando o nível de cada componente, pode-se aumentar o nível de integração da ligação do processo de negócio. Com base nos componentes de gestão identificados em Cooper et al. (1997), na revisão adicional da literatura e em entrevistas realizadas com oitenta gerentes de empresas, Lambert et al. (1998a) definiram nove componentes de gestão da cadeia de suprimentos. Eles podem ser divididos em dois grupos, em função de suas diferenças e características específicas. O primeiro grupo, dos Componentes de Gestão Físicos e Técnicos, inclui os componentes mais visíveis, tangíveis, mensuráveis e fáceis de mudar. O segundo, dos Componentes de Gestão Gerenciais e Comportamentais, é menos tangível e visível e, geralmente, mais 62 jul./dez. 2003

7 difícil de acessar e alterar. Define o comportamento organizacional e influencia a maneira como os componentes físicos e técnicos podem ser implementados. A figura 1 mostra os dois grupos de componentes de gestão. Fig. 1. Componentes de Gestão da SCM (Lambert & Cooper, 2000). Componentes de Gestão Físicos e Técnicos Métodos de Planejamento e Controle Estrutura de trabalho Estrutura organizacional Estrutura das facilidades de comunicação e fluxo de informação Gerenciais e Comportamentais Métodos de Gestão Estrutura de Poder e Liderança Estrutura de Risco e Recompensa Cultura e Atitude Estrutura das facilidades de fluxo de produto Grupo 1: componentes de gestão físicos e técnicos métodos de planejamento e controle: refere-se às ferramentas e técnicas utilizadas pelas empresas para auxiliar a execução dessas atividades específicas, isto é, as atividades de planejamento e controle; estrutura de trabalho: indica como a empresa executa suas tarefas e atividades. O nível de integração dos processos pela cadeia de suprimentos é uma medida da estrutura organizacional; estrutura organizacional: pode se referir tanto à empresa individual como à cadeia de suprimentos; estrutura das facilidades de comunicação e fluxo de informações: o tipo de informação passada entre os membros dos canais e a freqüência de atualização da informação é extremamente importante e tem uma forte influência na eficiência da cadeia de suprimentos; estrutura das facilidades de fluxo de produtos: refere-se à estrutura de rede para a consecução das atividades de sourcing, manufatura e distribuição por toda a cadeia de suprimentos. Grupo 2: componentes de gestão gerenciais e comportamentais métodos de gestão: incluem a filosofia corporativa e as técnicas de gestão; estrutura de poder e liderança: trata de questões relacionadas ao fato de que o exercício do poder, ou a falta dele, pode afetar o nível de envolvimento de outros membros do canal; estrutura de risco e recompensa: considera que a antecipação de compartilhamento de riscos e recompensas pela cadeia afeta, no longo prazo, o envolvimento dos membros do canal; cultura e atitude: a compatibilidade da cultura corporativa entre os membros do canal não pode ser subestimada. Misturar culturas e atitudes dos indivíduos consome tempo, mas é necessário num determinado nível para que o canal opere como uma cadeia. Os aspectos de cultura incluem como os empregados são valorizados e como eles são incorporados à gestão da empresa. A partir dessas discussões, observa-se que gestão da cadeia de suprimentos apresenta uma série de desafios. Não são apenas desafios tecnológicos, mas também culturais, organizacionais e operacionais. Em relação aos aspectos tecnológicos, é necessário considerar que a integração de múltiplos e diferenciados processos de negócios suportados por tecnologias diferenciadas pode tornar-se impossível. Com relação aos aspectos culturais, organizacionais e operacionais, deve-se ter claro que nem todas as empresas estão preparadas para atuar de forma aberta e integrada com parceiros, trocando informações que ainda são consideradas estratégicas. É necessário que haja uma grande interdependência entre todos os mem- REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 22 pp

8 bros da cadeia, exigindo cada vez mais parcerias e cooperação mútuas. Para que a gestão da cadeia de suprimentos tenha sucesso, funcionando adequadamente, com processos interligados, é preciso mais do que tecnologia, mas, principalmente, abertura, confiança e disposição para compartilhar informações (Humphreys et al., 2001, e Julka et al., 2002). CONCLUSÕES As empresas estão cada vez mais se conscientizando de que a competição se dá entre cadeias de suprimentos, e que a integração e o gerenciamento bem sucedidos dos processos de negócio-chave entre os membros dessa cadeia é que determinará o sucesso final das organizações. Essa integração e esse gerenciamento são entendidos como Gestão da Cadeia de Suprimentos, uma nova maneira de administrar o negócio e as relações com outros membros da cadeia de suprimentos. Seu objetivo é maximizar a competitividade e a lucratividade para a empresa e para a cadeia de suprimentos como um todo. É um conceito relativamente novo, em fase de construção, ainda não muito bem entendido e explorado, e que dá oportunidade a um amplo campo de pesquisa. A sua implementação apresenta desafios de ordem tecnológica, cultural, organizacional e operacional. É um assunto de destacada importância e, portanto, não pode ser deixado ao acaso. A definição de Gestão da Cadeia de Suprimentos desenvolvida pelos membros do The Global Supply Chain Forum e o modelo conceitual de Gestão da Cadeia de Suprimentos proposto por Cooper et al. (1997) apresentam-se como elementos facilitadores do entendimento do significado e da abrangência da SCM. Além disso, o modelo proposto fornece uma visão bastante clara e lógica das etapas envolvidas no processo de implantação da Gestão da Cadeia de Suprimentos nas empresas e apresenta uma base que pode servir como ponto de partida para a construção de uma metodologia para análise da SCM. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA COOPER, M.C. et al. Supply chain management: more than a new name for logistics. The International Journal of Logistics Management, Vedra Beach, 8 (1): 1-13, CRISTHOFER, M. Logistics, the Strategic Issues. Londres: Chapman and Hall, CROOM, S. et al. Supply chain management: an analytical framework for critical literature review. European Journal of Purchasing & Supply Management, Oxford, 6 (1), DAVENPORT, T.H. Process Innovation reengineering work through information technology. Boston: Harvard Business School Press, GANESHAM, R. & HARRISON, T.P. An Introduction to Supply Chain Management. <http://silmaril.smeal.psu.edu/misc/ supply_chain_intro.html> (19/dez./2002). HAMMER, M. A empresa supereficiente. Exame/Harvard Business Review, São Paulo, edição especial, 18-29, abr./02. HEWITT, F. Supply chain redesign. The International Journal of Logistics Management, Vedra Beach, 5 (2): 1-9, HUMPHREYS, P. et al. An inter-organizational information system for supply chain management. International Journal of Production Economics, Amsterdan, 70 (3): , JULKA, N. et al. Agent-based suppy chain management 1: framework. Computers & Chemical Engineering, Oxford, 26 (12): , LAMBERT, D.M. et al. Supply chain management: implementation issues and research opportunities. The International Journal of Logistics Management, Vedra Beach, 9 (2): 1-19, 1998a. LAMBERT, D.M. et al. Fundamentals of Logistics Management. Boston: Irwin/McGraw-Hill, 1998b. LAMBERT, D.M. & COOPER, M.C. Issues in supply chain management. Industrial Marketing Management, New York, 29 (1): 65-83, LAMBERT, D.M. Mapeando a supply chain. Tecnologística, São Paulo, 83: 30-39, out./02. OLIVER, R. et al. Supply chain management: logistics catches up with strategy, Outlook, 1982, apud Christopher M. Logistics, the Strategic Issues. Londres: Chapman and Hall, PADUAN, R. E aí, parceiro? Exame, São Paulo, 36 (11): 80-82, mai./ jul./dez. 2003

9 Dados dos autores ALEXANDRE TADEU SIMON Engenheiro Mecânico pela Unesp, mestre em Engenharia Mecânica pela Unicamp. Docente no curso de Engenharia de Produção e Engenharia de Alimentos da UNIMEP. Possui mais de quarenta artigos publicados em revistas e apresentados em congressos. Editor técnico da Revista Máquinas e Metais desde 1987 SÍLVIO ROBERTO IGNÁCIO PIRES Engenheiro de Produção pela UFSCar, mestre e doutor em Engenharia de Produção pela EESC- USP e pós-doutorado em Supply Chain Management pelo IMD, Suíça. Professor doutor titular 3 do PPGEP/UNIMEP Recebimento do artigo: 15/abr./03 Consultoria: 25/nov./03 a 18/dez./03 Aprovado: 18/dez./03 REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 22 pp

10 66 jul./dez. 2003

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2.1 CONCEITO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Para que hoje o conceito de Cadeia de Suprimentos fosse tão largamente explorado e aplicado, vários fatores

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Apresentar e discutir o conceito de Cadeia de Suprimentos; 2. Apresentar e

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Desafios na implantação do supply chain management

Desafios na implantação do supply chain management Desafios na implantação do supply chain management Teresa Cristina Janes Carneiro (COPPEAD / UVV) carneiro.teresa@terra.com.br Claúdia Affonso Silva Araújo (COPPEAD / UFRJ) claurauj@uninet.com.br Resumo

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES (SRM): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR AVÍCOLA DO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES (SRM): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR AVÍCOLA DO ESTADO DE MATO GROSSO GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES (SRM): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR AVÍCOLA DO ESTADO DE MATO GROSSO Tatiane Cunha Villela (UFSCar ) Tatisansao@hotmail.com O OBJETIVO DESTE TRABALHO

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A mentalidade de silos, fenômeno conhecido como políticas departamentais, rivalidade divisional ou guerras internas, devastam as organizações. Esta mentalidade

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model)

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) Carlos M.Taboada Rodrigues (PPGEP UFSC) taboada@deps.ufsc.br Cristian

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

Cadeia de Suprimentos

Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Cadeia Produtiva Cadeia de suprimento Cadeias Globais Cluster: Sistema Local de Produção (SLP) Arranjos produtivos locais (APL) Redes de cooperação de pequenas e médias empresas Condomínio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM OPERAÇÕES EMPRESARIAIS E LOGÍSTICA 27/11/2014

ADMINISTRAÇÃO EM OPERAÇÕES EMPRESARIAIS E LOGÍSTICA 27/11/2014 ADMINISTRAÇÃO EM OPERAÇÕES EMPRESARIAIS E LOGÍSTICA 27/11/2014 Composição do GELOG Adm. ANA CLAUDIA BELFORT Tecn. ANTONIO SAMPAIO Adm. DOMINGOS ALVES CORRÊA NETO (coordenador) Tecn. JOSINEI RODRIGUES Adm.

Leia mais

16/08/2012. Gestão da Cadeia de Suprimentos. Gestão da Cadeia de Suprimentos. Evolução Histórica: Evolução Histórica: - A máquina que mudou o mundo:

16/08/2012. Gestão da Cadeia de Suprimentos. Gestão da Cadeia de Suprimentos. Evolução Histórica: Evolução Histórica: - A máquina que mudou o mundo: - Até meados do século XV - produção artesanal - 1769 - Máquina a vapor de James Watt - alavancador tecnológico. - 1776 - Ensaio sobre a riqueza das nações - ideais econômicos emergentes da burguesia.

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

AS REDES DE NEGÓCIOS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DE CASO PARA COMPREENSÃO CONCEITUAL

AS REDES DE NEGÓCIOS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DE CASO PARA COMPREENSÃO CONCEITUAL AS REDES DE NEGÓCIOS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DE CASO PARA COMPREENSÃO CONCEITUAL Fabio Alves Barbosa Centro Universitário de Araraquara/SP (UNIARA) Departamento de Engenharia de Produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS Carlos H. M. Aravechia Sílvio R. I. Pires Programa de Mestrado em Engenharia de Produção UNIMEP Rod. Iracemápolis/Sta. Bárbara d Oeste, Km 1, Sta. B. d

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações UMC / EPN Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2013 1 Ementa da Disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Logística Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico Jeová Alves Araújo jeova.a.a@unisantos.br UNISANTOS Ricardo Kenji Oi prof_oi@ymail.com UNISANTOS

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Ana Luisa Alves Teixeira Orientador: Luiz Felipe R. R. Scavarda do Carmo Departamento de Engenharia Industrial Palavras Chaves: Processos, SIPOC,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA

UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA A CONCEPTUAL PROPOSAL TO MEASURE THE COMPETITIVENESS DEGREE OF A COMPANY Wagner Cezar Lucato, M.Sc Doutorando em Engenharia

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

AS REDES DE NEGÓCIOS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA COMPREENSÃO CONCEITUAL

AS REDES DE NEGÓCIOS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA COMPREENSÃO CONCEITUAL AS REDES DE NEGÓCIOS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA COMPREENSÃO CONCEITUAL Walther Azzolini Júnior Centro Universitário de Araraquara/SP (UNIARA) Departamento de Engenharia de Produção

Leia mais

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente FASES DA EVOLUÇÃO DOS SI E DO CONCEITO DE INFORMAÇÃO Período Conceito de informação 1950-1960 Mal necessário,necessidade burocrática. 1960-1970

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Maria Fernanda Hijjar Marina Helena Gervásio Kleber Fossatti Figueiredo O desenvolvimento de um bom sistema de monitoramento

Leia mais

Design Estratégico: Um Estudo de Caso de Uma Empresa do Panifício

Design Estratégico: Um Estudo de Caso de Uma Empresa do Panifício Design Estratégico: Um Estudo de Caso de Uma Empresa do Panifício Cínthia Costa Kulpa (UFRGS) cinthia.kulpa@gmail.com Maurício Bernardes (UFRGS) bernardes@ufrgs.br Resumo: Este trabalho apresenta um estudo

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

ANAIS PROCESSOS DE NEGÓCIOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS UM ESTUDO EM INCUBADORAS DE EMPRESAS

ANAIS PROCESSOS DE NEGÓCIOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS UM ESTUDO EM INCUBADORAS DE EMPRESAS PROCESSOS DE NEGÓCIOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS UM ESTUDO EM INCUBADORAS DE EMPRESAS JOSÉ EUARDO SORIANO ( edusoriano@ig.com.br, dulaosoriano@hotmail.com ) UNIMEP - UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Treinamento Presencial: Gestão de Cadastros de Materiais e Serviços. Data: 26 de Novembro de 2014 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP

Treinamento Presencial: Gestão de Cadastros de Materiais e Serviços. Data: 26 de Novembro de 2014 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Treinamento Presencial: Gestão de Cadastros de Materiais Data: 26 de Novembro de 2014 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a

Leia mais

Gestão Estratégica de Cadastros

Gestão Estratégica de Cadastros Treinamento Presencial: Gestão Estratégica de Cadastros Data: 25 de Junho de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

CAPÍTULO II LOGÍSTICA

CAPÍTULO II LOGÍSTICA CAPÍTULO II LOGÍSTICA Uma boa estrutura organizacional não produz por si só um bom desempenho - assim como uma boa Constituição não garante grandes presidentes, ou boas leis, ou uma sociedade moral. Mas

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Relacionamento: Tônica da Gestão Os conceitos de Planejamento Estratégico, Gestão em Sistemas e Tecnologias de Informação e os respectivos

Leia mais

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil 88 Estudo de Caso Aplicado na Gestão da Cadeia de Suprimentos de uma Indústria de Cereais Matinais Modelagem e Desenvolvimento de um Sistema de Informação para a Gestão da Cadeia de Suprimentos João Victor

Leia mais

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Paulo Fernando Fleury O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais, especialmente

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

Integração do processo de compra estratégica com as ferramentas de compra eletrônica

Integração do processo de compra estratégica com as ferramentas de compra eletrônica Lincoln Wolf de Almeida Neves Integração do processo de compra estratégica com as ferramentas de compra eletrônica Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

2 Gerenciamento da Cadeia de Suprimento (SCM) e Compras

2 Gerenciamento da Cadeia de Suprimento (SCM) e Compras 2 Gerenciamento da Cadeia de Suprimento (SCM) e Compras Neste capítulo é apresentada uma revisão da bibliografia sobre o gerenciamento da cadeia de suprimento (SCM), bem como a forma pela qual compras

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS NA CADEIA LOGÍSTICA

GESTÃO DE SERVIÇOS NA CADEIA LOGÍSTICA GESTÃO DE SERVIÇOS NA CADEIA LOGÍSTICA Management services in the supply chain MARION, Arnaldo Faculdade de Jaguariúna Resumo: Este trabalho tem como objetivo central organizar uma discussão sobre como

Leia mais

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos Daniel F. Arcoverde Agenda Definição de inovação Motivação Processos de Desenvolvimento de Novos Produtos (NPD) Classes de Modelos de NPD Problemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS

APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS Amilton Fernando Cardoso, amilthon@terra.com.br Beatriz Fernanda Alves Heitkoetter, beatrizfernalves@hotmail.com Emanuel Alexandre

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais