CARTILHA SOBRE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTILHA SOBRE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE. www.seminariossuasa.com.br"

Transcrição

1 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 1

2

3 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE ESTABELECIMENTOS QUE PROCESSAM ALIMENTOS Elaboração: Leomar Luiz Prezotto Coordenação: Mário Augusto Ribas do Nascimento Brasília, março de 2013 Esta cartilha possui material compilado para composição de livro que será editado.

4 Sumário Apresentação... 5 Serviços de Inspeção Sanitária Serviço de inspeção sanitária de empreendimentos de produtos de origem animal Serviço de Inspeção Federal Serviço de Inspeção Estadual Serviço de Inspeção Municipal Serviço de inspeção sanitária de estabelecimentos de produtos de origem vegetal Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do MAPA Vigilância Sanitária...10 Suasa: a Integração dos serviços de Inspeção Sanitária...15 Considerações Finais...17 Anexo I Lista de produtos de origem vegetal com padrão oficial definido pelo MAPA CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

5 Apresentação Esta Cartilha é dirigida às lideranças e técnicos de organizações públicas e privadas ligadas a agricultura familiar, especialmente os envolvidas com o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Tem como objetivo informar sobre o registro e os serviços de inspeção sanitária, exigidos à estabelecimentos que processam e comercializam alimentos. Contém informações sobre os diferentes serviços de inspeção sanitária de acordo com a origem do alimento processado; os órgãos públicos responsáveis pela regulamentação e fiscalização de cada um deles; além dos procedimentos exigidos para a regularização dos empreendimentos agroindustriais. Não há aqui a pretensão de esgotar o assunto, mas sim, orientar o empreendimento quanto à legislação sanitária vigente e o que deve ser feito para acessar o mercado. Cabe lembrar que estados e municípios têm certa autonomia sobre o tema, portanto, há a necessidade de se obter informações específicas junto aos órgãos estaduais e municipais responsáveis pelos serviços de inspeção. CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 5

6 Serviços de Inspeção Sanitária Entende-se aqui por empreendimento (ou agroindústria) o estabelecimento com instalação industrial de manipulação e/ ou industrialização, onde são recebidos, manipulados, beneficiados, transformados, fracionados, conservados, armazenados, embalados, rotulados e/ou expedidos produtos de consumo humano. Abrangem desde processos simples, como secagem, classificação e embalagem, até processos mais complexos que incluem operações física, química ou biológica como, por exemplo, a extração de óleos, a caramelização e a fermentação. Toda agroindústria que produz alimentos e bebidas para o consumo humano deve ter sua qualidade sanitária avaliada para que os alimentos produzidos estejam aptos ao consumo. Logo, o registro no serviço de inspeção sanitária é obrigatório. A legislação define o funcionamento e o modelo de organização do serviço de inspeção sanitária, que tem base em vários órgãos e serviços de governo nas esferas federal, estadual e municipal. Todos esses, com responsabilidades, diretas ou indiretas, no controle da qualidade dos alimentos e bebidas. A inspeção dos produtos de origem animal, bem como de alguns produtos de origem vegetal como as bebidas, os vinagres, os vinhos e os derivados de uva e vinho, além da regulamentação sobre a embalagem de alguns produtos com padrão oficial, é de competência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Os demais produtos de origem vegetal são inspecionados pelo Ministério da Saúde, por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa e a Vigilância Sanitária VISA de estados, Distrito Federal e municípios, integrantes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária - SNVS. Essa divisão pode ser vista nos itens a seguir, assim como os procedimentos necessários para obtenção do registro junto a cada serviço. É oportuno lembrar que são dois os registros necessários: do estabelecimento e do produto. Porém, alguns produtos de origem vegetal estão dispensados de registro, de acordo com a Resolução RDC 27/2010 (Ver item 2.2 Vigilância Sanitária). 6 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

7 1. Serviço de inspeção sanitária de empreendimentos de produtos de origem animal A inspeção sanitária para os produtos de origem animal, durante o processo produtivo, é de responsabilidade dos órgãos de Agricultura. Nesse caso, tem-se, também, uma subdivisão de responsabilidades de acordo com a área geográfica (nacional, estadual e municipal) de comercialização dos produtos pelos estabelecimentos, conforme descrição abaixo. Os estabelecimentos que pretendem comercializar seus produtos em qualquer local do Brasil devem ser registrados no Serviço de Inspeção Federal - SIF. Os estabelecimentos que pretendem comercializar seus produtos apenas no território de seu Estado devem ser registrados no Serviço de Inspeção Estadual SIE ou no SIF. Os estabelecimentos que pretendem comercializar seus produtos apenas no território de seu respectivo município, devem ser registrados no Serviço de Inspeção Municipal SIM, ou no SIE, ou no SIF. 1.1 Serviço de Inspeção Federal O Serviço de Inspeção Federal - SIF é vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e é regido, dentre outras, pelas leis n 1.283/50 e 7.889/89 e pelos decretos n /52 e 1.225/62. Para solicitar o registro do estabelecimento no SIF, se faz necessário cumprir uma série de normas para elaboração de um processo no qual constará todas as etapas de aprovação do estabelecimento. Para início de qualquer atividade, se faz necessário: a) Pedido de aprovação do terreno, para todas as indústrias que dependem de edificação para o seu funcionamento. Tratando-se de registro de estabelecimento que se encontra sob inspeção estadual ou municipal, será realizada uma inspeção prévia de todas as dependências, situação em relação ao terreno, instalações, equipamentos, rede de esgoto e de abastecimento de água e tratamento de efluentes. Este pedido é feito mediante requerimento dirigido ao Chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal, anexando croquis da(s) área(s) a ser(em) vistoriada(s), bem como informar a quem se dirigir para fazer contatos na localidade (endereço, telefone etc). CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 7

8 b) Após inspecionada e aprovada a área para a finalidade proposta, através do Laudo de Inspeção de Terreno, o estabelecimento pretendente dará prosseguimento ao pedido com a elaboração de um projeto detalhado. Esse projeto será instruído com os seguintes documentos: 1) Requerimento do estabelecimento pretendente, dirigido ao Secretário de Inspeção de Produto Animal em Brasília/ DF, no qual solicita a aprovação prévia do projeto; 2) Memorial descritivo da construção; 3) Memorial Econômico-Sanitário; 4) Termo de compromisso; 5) Parecer(es) da(s) Secretaria(s) de Saúde e/ou Prefeitura; 6) Licença de instalação fornecida pelo órgão Ambiental; 7) ART do engenheiro responsável pelo projeto (CREA da região); 8) Plantas: de situação, planta baixa, de cortes e fachadas, de distribuição e layout dos equipamentos e planta hidrosanitária nas escalas definidas na legislação sanitária. O projeto completo será entregue no Serviço de Inspeção Federal de Produto de Origem Animal, da Superintendência Federal de Agricultura no Estado em que estiver sendo pretendida a instalação da indústria. 1.2 Serviço de Inspeção Estadual O Serviço de Inspeção Estadual - SIE é vinculado à Secretaria de Agricultura de cada estado ou Distrito Federal e regulamentado por leis, decretos, portarias e instrução normativas das respectivas Unidades da Federação - UFs. Para obter o registro no SIE o estabelecimento deve: a) encaminhar ofício à Secretaria de Agricultura do seu respectivo estado; b) encaminhar plantas baixa, cortes longitudinal e transversal e memorial descritivo da construção. No caso de já existirem as instalações, deve-se encaminhar memorial descritivo das mesmas e dos equipamentos. Outros documentos e procedimentos podem ser necessários, porém, variam conforme a legislação de cada UF, mas geralmente são semelhantes aos descritos no item anterior sobre o registro no SIF. Portanto, é recomendável o interessado buscar informações detalhadas junto ao SIE de seu respectivo estado. 8 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

9 1.3 Serviço de Inspeção Municipal O Serviço de Inspeção Municipal - SIM é vinculado ao órgão de Agricultura de cada município e regulamentado por leis, decretos, portarias e instrução normativas municipais. Para requerer o Serviço de Inspeção Municipal o estabelecimento deve: a) encaminhar ofício ao órgão de Agricultura de seu município; b) encaminhar plantas baixa, cortes longitudinal e transversal, e memorial descritivo da construção. No caso de já existirem as instalações, deve-se encaminhar memorial descritivo das mesmas e dos equipamentos. Cada município orientará sobre os demais procedimentos e documentos necessários para a obtenção do SIM, conforme legislação própria. Os interessados devem buscar informações detalhadas junto ao SIM de seu respectivo município. De modo geral, esse processo tem sido um pouco mais simples do que o registro no SIF ou no SIE. Observações: 1) Todos os produtos de origem animal, independente dos estabelecimentos serem registrados no SIM, no SIE ou no SIF, após o processo produtivo (distribuição e consumo), são fiscalizados pela Vigilância Sanitária. 2) Cada registro é exclusivo de cada unidade agroindustrial, não se estendendo às filiais. CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 9

10 2. Serviço de inspeção sanitária de estabelecimentos de produtos de origem vegetal Existem dois tipos de serviço de inspeção sanitária para os estabelecimentos e produtos de origem vegetal: o Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal - SIPOV, ligado ao MAPA e a Vigilância Sanitária, por meio dos órgãos de saúde nas esferas federal, estadual e municipal, conforme a seguir: 2.1 Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do MAPA Os estabelecimentos de bebidas, de vinagres, de vinhos e de derivados de uva e vinho devem ter registro no Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV/MAPA. Os estabelecimentos que embalam produtos vegetais que tem padrão oficial, conforme lista do Anexo I, devem realizar classificação do produto junto a uma empresa credenciada no MAPA (lista dessas empresas está disponível no site: Como este é um serviço regulado por legislação federal e executado por órgão da União, os produtos de estabelecimento nele registrado podem ser comercializados em todo o território nacional. Para obter o registro, o estabelecimento deve solicitá-lo à Superintendência do MAPA de seu estado, por meio de ofício. De modo geral, o procedimento e os documentos requisitados são semelhantes aos exigidos para registro no SIF/MAPA (ver item 1.1). Na Superintendência de Agricultura de cada estado, os estabelecimentos têm acesso às demais informações pertinentes para a obtenção do registro. 2.2 Vigilância Sanitária O Ministério da Saúde, dentro do Sistema Único de Saúde e por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVI- SA e a Vigilância Sanitária - VISA de estados e municípios, integrantes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária SNVS também tem papel importante na inspeção e fiscalização sanitária dos alimentos. A Anvisa coordena, supervisiona e controla as atividades de registro, informações, inspeção, controle de riscos e estabelecimento de normas e padrões. A Anvisa e demais integrantes do SNVS fazem a inspeção sanitária nos estabelecimentos de industrialização de produtos de origem vegetal, exceto os de bebidas, de vinagre e de embalagem de produtos com padrão oficial, feito pelo MAPA (ver item 2.1). A Anvisa também desenvolve as ações de fiscalização sanitária de alimentos, bebidas, águas envasadas, seus insumos, suas embalagens, aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia, limites de contaminantes e resíduos de medicamentos ve- 10 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

11 terinários. Essa atuação é compartilhada com os estados, Distrito Federal e municípios, que integram o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Os produtos de origem vegetal oriundos de estabelecimentos com registro no Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, seja na Anvisa, seja na VISA dos estados e DF, ou dos municípios, podem ser comercializados em todo o território nacional, não tendo, portanto, restrição de área para comercialização. Os produtos alimentícios de competência do SNVS são divididos em três grupos: - produtos isentos de registro sanitário e sujeitos à notificação eletrônica; - produtos com obrigatoriedade de registro sanitário na Anvisa; - produtos isentos de registro sanitário e dispensados de notificação eletrônica. I - produtos isentos de registro sanitário e sujeitos à notificação eletrônica: CATEGORIAS Açúcares e produtos para adoçar (1) Aditivos alimentares (2) Adoçantes dietéticos Águas adicionadas de sais Água mineral natural e água natural Alimentos e bebidas com informação nutricional complementar Alimentos para controle de peso Alimentos para dietas com restrição de nutrientes Alimentos para dietas com ingestão controlada de açúcares Alimentos para gestantes e nutrizes Alimentos para idosos Alimentos para atletas Balas, bombons e gomas de mascar Café, cevada, chá, erva-mate e produtos solúveis Chocolate e produtos de cacau Coadjuvantes de tecnologia (3) Embalagens Enzimas e preparações enzimáticas (4) Especiarias, temperos e molhos Gelados comestíveis e preparados para gelados comestíveis Gelo Misturas para o preparo de alimentos e alimentos prontos para o consumo Óleos vegetais, gorduras vegetais e creme vegetal Produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos Produtos protéicos de origem vegetal Produtos de vegetais (exceto palmito), produtos de frutas e cogumelos comestíveis (5) Vegetais em conserva (palmito) Sal Sal hipossódico / sucedâneos do sal Suplemento vitamínico e ou mineral CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 11

12 Observações: (1) Adoçante de Mesa - desde que os edulcorantes e veículos estejam previstos em Regulamentos Técnicos específicos. (2) Todos os aditivos alimentares devem estar previstos em regulamento técnico específico. Estão incluídos os fermentos químicos. (3) Incluindo os fermentos biológicos e as culturas microbianas. (4) Enzimas e preparações enzimáticas - desde que previstas em Regulamentos Técnicos específicos, inclusive suas fontes de obtenção, e que atendam às especificações estabelecidas nestes regulamentos. (5) Cogumelos Comestíveis - nas formas de apresentação: inteiras, fragmentadas, moídas e em conserva. II - produtos com obrigatoriedade de registro sanitário na Anvisa: C AT E G O R I A Alimentos com alegações de propriedade funcional e ou de saúde Alimentos infantis Alimentos para nutrição enteral Embalagens novas tecnologias (recicladas) Novos alimentos e novos ingredientes Substâncias bioativas e probióticos isolados com alegação de propriedades funcional e ou de saúde III - produtos isentos de registro sanitário e dispensados de notificação eletrônica C AT E G O R I A Alimentos in natura Matérias-primas alimentares Ingredientes, com ou sem aditivos alimentares, destinados exclusivamente à preparação de alimentos industrializados (exceto os aditivos alimentares-misturas ou substância única) Produtos de panificação, de pastifício, de pastelaria, de confeitaria, de doceria, de rotisseria e de sorveteria, destinado à venda direta ao consumidor Equipamentos e utensílios; em contato com alimentos Aditivos para embalagens ou materiais em contato com alimentos Produtos destinados exclusivamente a exportação 12 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

13 Independentemente da obrigatoriedade ou não, de registro na Anvisa, todos os alimentos comercializados no Brasil devem atender aos respectivos regulamentos técnicos específicos por categoria de produtos e de Boas Práticas de Fabricação. As empresas devem disponibilizar o manual de BPF quando solicitadas, bem como estar de acordo com a legislação sanitária. Todos os produtos devem atender aos Regulamentos técnicos específicos. Os estabelecimentos na área de alimentos devem ser previamente licenciados pela autoridade sanitária competente estadual, distrital ou municipal, mediante a expedição de alvará ou licença sanitária. Para tanto, deve-se procurar o órgão de Vigilância Sanitária local para obter informações sobre os documentos necessários e a legislação sanitária que regulamenta os produtos e a atividade pretendida. Os endereços dos órgãos de Vigilância estaduais podem ser consultados no site da Anvisa (http://portal.anvisa.gov.br/alimentos). Qualquer alteração referente ao registro como, por exemplo, modificação de fórmula, de marca, rotulagem, prazo de validade, entre outras, deve ser solicitada por meio de pedido específico (um pedido para cada assunto) referente ao processo original e deve ser apresentada junto com a documentação exigida, que pode ser consultada na página eletrônica da Anvisa (Alimentos Acesso Fácil/Códigos de Assuntos de Petição/Alimentos). Notificação eletrônica Tem por objetivo estabelecer procedimentos para notificação de produtos isentos de registro e as avaliações de eficácia de alegações de propriedade funcional e/ou de saúde e de segurança para produtos da área de alimentos. A notificação será exclusivamente por meio eletrônico e sua publicidade ocorrerá pelo Portal da Anvisa. As petições de notificação eletrônica de produtos nacionais deverão ser realizadas pelo fabricante ou matriz do fabricante. O produto só poderá ser comercializado após a notificação e esta só estará válida após a emissão do respectivo número. A rotulagem dos produtos sob notificação eletrônica deve atender à legislação vigente e deve conter o número da notificação. Todo o processo de notificação eletrônica deve ser feita no portal da Anvisa. Para fazer a notificação eletrônica a empresa deve estar cadastrada no portal da Anvisa e estar regularizada quanto ao alvará ou licença sanitária. O produto deve pertencer à categoria isenta da obrigatoriedade de registro, definida no regulamento específico. A notificação deve ser renovada a cada cinco anos. Caso o produto não seja mais comercializado deve ser solicitado cancelamento da notificação (petição). CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 13

14 Registro do produto Para ser registrado o produto deve pertencer a categoria com obrigatoriedade de registro sanitário na Anvisa, definida no regulamento específico. Os pedidos de registro devem ser protocolizadas na Anvisa e sua publicidade se dará pelo Diário Oficial da União. O Registro sanitário de alimentos terá validade de 5 anos, sendo que o pedido de revalidação do registro deve ser protocolizada na Anvisa, no primeiro semestre dos últimos 12 meses de validade do registro. É vedada a comercialização de produto cuja revalidação tenha sido indeferida. São responsabilidades das empresas: Estar licenciada pelo órgão de vigilância sanitária competente; Atender a legislação sanitária vigente; Enquadrar o produto na categoria de alimentos corretamente; Regularizar os produtos previamente a sua comercialização; Recolher o produto do mercado, quando o mesmo apresentar risco à saúde do consumidor, conforme legislação específica; Apresentar nas petições primárias e secundárias de registro, informações verídicas e atualizadas. Informações mais detalhadas sobre a legalização de estabelecimento de produtos de origem vegetal, de responsabilidade da Anvisa, devem ser buscadas junto a Vigilância Sanitária local. 14 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

15 SUASA: A INTEGRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA Com o objetivo de garantir a saúde dos animais e a sanidade dos vegetais, a idoneidade dos insumos e dos serviços e a identidade, qualidade e segurança higiênico-sanitária e tecnológica dos produtos finais destinados ao consumo, está sendo implantado no Brasil o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária Suasa. Esse novo Sistema de Inspeção tem como foco a qualidade e a inocuidade dos produtos, visando preservar a saúde dos consumidores sem, no entanto, impor restrições em relação às estruturas físicas para as pequenas agroindústrias. A implantação do Suasa busca a reorganização do Sistema de Inspeção de forma integrada e descentralizada, entre a União (o MAPA) que, como Instância Central coordena todo o sistema, os estados e o Distrito Federal, como Instância Intermediária e os municípios, como Instância Local. O Suasa é constituído de quatro sub-sistemas brasileiros de inspeção e fiscalização: Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal SISBI-POA. Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SISBI-POV. Sistema Brasileiro de Inspeção de Insumos Agrícolas. Sistema Brasileiro de Inspeção de Insumos Pecuários. Atualmente, apenas o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal SISBI-POA está em processo de implantação. A legislação que constituiu e regulamentou o Suasa é composta de: a) Lei n o 8.171/1991 (Lei Agrícola), alterada pela Lei n o 9.712/1998, nos artigos 27, 28 e 29, que criou o Suasa. b) Decretos n o 5.741/2006, 6.348/2008; 7.216/2010 e 7.524/2011, que regulamentam o funcionamento do Suasa. c) Instrução Normativa do Mapa n o 36/2011 e n o 2/2009, que definem os procedimentos para adesão dos entes federados ao SISBI-POA/Suasa. d) Circular do Mapa n o 52/2006, que padronizou os procedimentos para análise de processos de adesão ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal SISBI-POA/Suasa. Para participar do SISBI-POA/Suasa os serviços de inspeção dos estados, do Distrito Federal e dos municípios devem solicitar adesão. Essa adesão é voluntária e pode ser individual (cada serviço) ou, no caso de municípios, também em forma associativa por meio de consórcios de municípios. CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 15

16 A vantagem da adesão em consórcio de municípios é de que a estrutura do serviço, que inclui a equipe técnica de inspeção, veículo, computador, telefone, sala de trabalho etc, pode ser a mesma para todos os municípios que fazem parte do consórcio. Logo, os custos do serviço de pessoal e estrutura física do serviço de inspeção poderão ser divididos entre os vários municípios consorciados. Esta é uma excelente alternativa principalmente para os pequenos municípios, pois diminui o custo do serviço. Os municípios que optarem pelo consórcio devem criar o seu serviço individualmente, por meio de lei municipal e de regulamento, onde deverão ser detalhados todos os critérios, procedimentos e forma de executar o serviço de inspeção e para aprovar e registrar as plantas de agroindústrias, para depois constituir um consórcio e estruturar e executar o serviço de inspeção em conjunto. A base para a adesão dos serviços ao SISBI-POA/Suasa é o reconhecimento da sua equivalência. O que significa obter os mesmos resultados em termos de qualidade higiênico-sanitária e inocuidade dos produtos, mesmo que o serviço de inspeção do estado ou município tenha sua própria legislação e que utilize critérios e procedimentos de inspeção e de aprovação de instalações e do registro dos estabelecimentos diferentes dos outros serviços de inspeção. Os requisitos a serem observados para a equivalência dos serviços para a adesão são: Infraestrutura administrativa; Inocuidade dos produtos; Qualidade dos produtos; Prevenção e combate à fraude; Controle ambiental. Uma das importantes mudanças a partir do Suasa é que todos os estabelecimentos registrados nos serviços de inspeção, que aderirem a esse novo Sistema, poderão comercializar seus produtos em todo o território nacional, mesmo quando inspecionados por um SIM ou SIE. Vale destacar, também, a possibilidade de vender os produtos para o mercado institucional, especialmente o PNAE e PAA. Após a adesão, todo o funcionamento desses serviços será regido pela legislação (lei, decreto, portaria, resolução etc) do próprio estado, Distrito Federal e município. Será com base nas respectivas legislações que os critérios e procedimentos de inspeção e de aprovação de plantas de instalações e o registro dos estabelecimentos, serão definidos, desde que não fira os princípios legais do Suasa. Essa descentralização no processo de registro dos projetos agroindustriais, torna-o mais rápido e menos oneroso para as pequenas agroindústrias. Para os municípios, a descentralização do serviço fortalece a economia, abrindo espaço para a integração e incentivando o desenvolvimento local e dos territórios. O que poderá promover a implantação de novas unidades agroindústrias e, como consequência, a circulação de maior volume de dinheiro no comércio local, aumentando, com isso, a arrecadação de tributos nos municípios. 16 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

17 Considerações Finais Os produtos de origem vegetal não industrializados (in natura; não beneficiados; não transformados) são dispensados de qualquer registro, exceto os que necessitam ser classificados, conforme indicado no item. Logo, esses produtos de origem vegetal não industrializados (in natura) podem ser comercializados em todo o país, inclusive para o PNAE e PAA, mesmo não tendo um registro no serviço de inspeção. A legislação sanitária brasileira proíbe a dupla inspeção sanitária em um mesmo estabelecimento. Assim, a inspeção sanitária dos produtos de consumo humano, durante o processo de produção, é feita apenas por um dos serviços aqui descritos. No entanto, todos os alimentos estão sujeitos à fiscalização pela Vigilância Sanitária após o processo produtivo, a qualquer momento durante o transporte, a armazenagem, a comercialização e o consumo, sejam produtos de origem vegetal ou animal. Antes de iniciar a construção das instalações, solicite a aprovação das plantas do futuro estabelecimento, evitando, assim, modificações após a construção. Quando for necessária alguma modificação é sempre mais econômico fazê-la ainda na planta e só iniciar a construção após a aprovação final pelo serviço de inspeção. Todo estabelecimento precisa ter o licenciamento ambiental. Essa Licença Ambiental deve ser obtida junto ao Órgão Ambiental do respectivo estado ou município, com apresentação de alguns documentos, conforme sua respectiva legislação. Os estabelecimentos também devem dispor do Alvará de Saúde Pública que deve ser obtido na Secretaria Municipal de Saúde. Por fim, recomenda-se a cada interessado buscar informações mais detalhadas junto ao serviço de inspeção escolhido, em seu respectivo município ou estado. CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE 17

18 Anexo I Lista de produtos de origem vegetal com padrão oficial definido pelo MAPA 18 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

19

20 20 CARTILHA SOBRE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009 ##TEX Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos

Leia mais

A Resolução RDC nº. 20 de 26/03/2008 autoriza o uso de embalagens PET pósconsumo reciclado (PET-PCR) para contato com alimentos, desde que atendidos

A Resolução RDC nº. 20 de 26/03/2008 autoriza o uso de embalagens PET pósconsumo reciclado (PET-PCR) para contato com alimentos, desde que atendidos GACTA 1 No caso de aditivos que podem ser utilizados em determinado alimento (ex. carne), existe regulamentação tanto da ANVISA quanto do MAPA, que diferem em alguns aspectos. Como o setor regulado deve

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 357. DE 20 DE ABRIL DE 2001 (Alterada pela Resolução nº 416/04) Ementa: Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia.

RESOLUÇÃO Nº 357. DE 20 DE ABRIL DE 2001 (Alterada pela Resolução nº 416/04) Ementa: Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia. RESOLUÇÃO Nº 357 DE 20 DE ABRIL DE 2001 (Alterada pela Resolução nº 416/04) 855 Ementa: Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia. O Conselho Federal de Farmácia, no uso de suas atribuições

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELACIONADA AOS PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

LEGISLAÇÃO RELACIONADA AOS PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO LEGISLAÇÃO RELACIONADA AOS PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, DF / 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

Leia mais

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS S 2013 1 APRESENTAÇÃO As normativas

Leia mais

Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Resolução Conama 362/2005 Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Diretrizes para o licenciamento ambiental Grupo de Monitoramento Permanente GMP DIRETRIZES PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES

Leia mais

ENTENDENDO E ATENDENDO O MEI

ENTENDENDO E ATENDENDO O MEI ÍNDICE Conteúdo Página APRESENTAÇÃO 2 PARTE 1 ENTENDENDO O MEI Capítulos: 1. Objetivos da Criação 3 2. Definição Econômica e Jurídica 4 3. Condições para Enquadramento 5 4. Desenquadramento: formas e efeitos

Leia mais

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Transferências de Recursos Sistema da União de Registro de Preços Perguntas e respostas Perguntas e respostas Edição revisada -

Leia mais

CRÉDITOS. Anel Colaboradores Paola Tucunduva Maria Ramos Soares Fabio Araujo

CRÉDITOS. Anel Colaboradores Paola Tucunduva Maria Ramos Soares Fabio Araujo Parceria: CRÉDITOS SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente Alencar Burti (ACSP) ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória

Rotulagem Nutricional Obrigatória Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação às Indústrias de Alimentos 2 a versão atualizada Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004;

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria nº 10, de 24 de janeiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

MEDICAMENTO. um direito essencial

MEDICAMENTO. um direito essencial MEDICAMENTO um direito essencial Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

Leia mais

Regras para o Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado

Regras para o Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO SCEN, Trecho 2, Ed. Sede do IBAMA, Bloco G 70.818-900 Brasília DF Telefone: (61)4009-9518 Fax: (61) 4009-9509 http://www.mma.gov.br/port/cgen

Leia mais

Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.

Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 15, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 15, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 15, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os prazos, o cronograma e as priorizações para a primeira etapa da implantação do registro de insumos farmacêuticos ativos (IFA), definido

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil Brasília - DF Junho de 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

São Paulo 2ª Edição - 2010

São Paulo 2ª Edição - 2010 Loja Virtual São Paulo 2ª Edição - 2010 Índice Aspectos legais da atividade Atividade desenvolvida...6 AS formas de atuação neste ramo de atividade...7 Empresário e Sociedade Empresária...8 Idade mínima

Leia mais

Agricultura orgânica no Brasil: sua trajetória para a certificação compulsória

Agricultura orgânica no Brasil: sua trajetória para a certificação compulsória Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Agricultura orgânica no Brasil: sua trajetória para a certificação compulsória Organic agriculture in Brazil: a path to for the compulsory certification

Leia mais

MANUAL da Lei de BRASIL. Acesso à Informação para Estados e Municípios. transparente

MANUAL da Lei de BRASIL. Acesso à Informação para Estados e Municípios. transparente BRASIL transparente MANUAL da Lei de Acesso à Informação para Estados e Municípios CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas 1ª edição Brasília/2013 CONTROLADORIA-GERAL

Leia mais

Este documento está disponível no site: www.uba.org.br E-mail: ubasp@uba.org.br Telefone / Fax: 11 3812-7666

Este documento está disponível no site: www.uba.org.br E-mail: ubasp@uba.org.br Telefone / Fax: 11 3812-7666 Este documento está disponível no site: www.uba.org.br E-mail: ubasp@uba.org.br Telefone / Fax: 11 3812-7666 P967 Norma Técnica de Produção Integrada de Frango / Coordenadores Ariel Antônio Mendes e Ibiara

Leia mais

Regulamentação da Comercialização de Alimentos em Escolas no Brasil: Experiências estaduais e municipais

Regulamentação da Comercialização de Alimentos em Escolas no Brasil: Experiências estaduais e municipais MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Regulamentação da Comercialização de Alimentos em Escolas no Brasil:

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS

GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS Manual para os Agentes Municipais Secretaria Federal de Controle Interno 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 A ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO BRASIL...9 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA...10

Leia mais

FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO FUNDEB PERGUNTAS FREQÜENTES

FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO FUNDEB PERGUNTAS FREQÜENTES FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO FUNDEB PERGUNTAS FREQÜENTES Atualizado em: 05/08/2009 Temas abordados: 1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO,

Leia mais

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental S/A Local de instalação do Empreendimento Belo Horizonte, MG Documento Elaborado para o atendimento de requisitos de operação ambiental e sistematização de aspectos ambientais. 2ª. EDIÇÃO Janeiro / 2014

Leia mais

São Paulo 2ª Edição - 2010

São Paulo 2ª Edição - 2010 Casa Lotérica São Paulo 2ª Edição - 2010 Índice aspectos legais da atividade Atividade desenvolvida...6 AS formas de atuação neste ramo de atividade...8 Empresário e Sociedade Empresária...9 Idade mínima

Leia mais

Como Formalizar uma Vinícola

Como Formalizar uma Vinícola Como Formalizar uma Vinícola Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas- SEBRAE SGAS Quadra 605, Conjunto A - CEP 70200-904 - Brasília - DF Tel.: (+55 61) 3348-7100 / Fax.: (+55 61) 3347-4120

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/N o 32 DE 10 DE AGOSTO DE 2006.(*) FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal, art. 205 e 208

Leia mais

O Nutricionista e o Conselho

O Nutricionista e o Conselho O Nutricionista e o Conselho Informações para uma maior integração Sistema CFN/CRN 2 Conselho Federal de Nutricionistas SRTVS - Quadra 701, Bloco II - Centro Empresarial Assis Chateaubriand, Sala 406 -

Leia mais

Planos de saúde: guia prático

Planos de saúde: guia prático Planos de saúde: guia prático Dicas úteis para quem tem ou deseja ter um plano de saúde A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Atualizado em dezembro/2011 Índice O que é a ANS? 3 Como a ANS

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais