UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA TREINAMENTO COMPORTAMENTAL DE TRIPULANTES EM AERONAVES BASEADA EM JOGOS COMPUTACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA TREINAMENTO COMPORTAMENTAL DE TRIPULANTES EM AERONAVES BASEADA EM JOGOS COMPUTACIONAIS"

Transcrição

1 UMA PROPOTA METODOLÓGICA PARA TREIAMETO COMPORTAMETAL DE TRIPULATE EM AEROAVE BAEADA EM JOGO COMPUTACIOAI Lisia Maria Espinola da ilva Pacheco Cabral DIERTAÇÃO UBMETIDA AO CORPO DOCETE DA COORDEAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓ-GRADUAÇÃO DE EGEHARIA DA UIVERIDADE FEDERAL DO RIO DE JAEIRO COMO PARTE DO REQUIITO ECEÁRIO PARA A OBTEÇÃO DO GRAU DE METRE EM CIÊCIA EM EGEHARIA CIVIL. Aprovada por: Prof. Luiz Landau, D.c. Prof. Gerson Gomes Cunha, D. c. Prof. Mario Cesar Rodriguez Vidal, Dr. Ing. Prof. Alexandre Gonçalves Evsukoff, D. c. Profa. elma Leal de Oliveira Ribeiro, D. c. RIO DE JAEIRO, RJ BRAIL ETEMBRO DE 2006

2 CABRAL, LIIA MARIA EPIOLA DA ILVA PACHECO Uma Proposta Metodológica para Treinamento Comportamental de Tripulantes em Aeronaves baseada em Jogos Computacionais [Rio de Janeiro] XIV, 314p. 29,7 cm (COPPE / UFRJ, M.c., Engenharia Civil, 2006). Dissertação - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE. 1. Fatores Humanos; 2. Treinamento em CRM; 3. Aviação; 4. egurança de Vôo; 5. imulação; 6. Jogos Computacionais. I. COPPE / UFRJ II. Título (série). ii

3 DEDICATÓRIA Dedico esta dissertação ao meu pai José, minha mãe Marília e meu marido João Bosco, que sempre me incentivaram e me acompanharam em todos os momentos de minha vida, em particular, neste trabalho que ora se apresenta. iii

4 AGRADECIMETO Este trabalho foi realizado com muito empenho, determinação e carinho, ultrapassando barreiras de ordem profissional, física, emocional, financeira etc., que só serviram para fortalecer, ainda mais, a vontade de alcançar a sua finalização. Certamente, ele não teria sido possível sem a colaboração de tanta gente que tive a felicidade de encontrar para me ajudar. Em primeiro lugar, destaco a atenção do pessoal do Registro e da ecretaria, tanto do Laboratório Avançado de Métodos Computacionais em Engenharia (LAMCE) - Mônica, Adilson e érgio; quanto da própria Engenharia Civil Beth, Jairo e Raul. Agradeço a todos, sem exceção, por terem me apoiado, administrativamente, com informações pertinentes e relevantes, a tempo e a hora, possibilitando a continuidade e conclusão do Curso de Mestrado. Ao pessoal do Laboratório da Engenharia Civil Telmo e Célio, pela paciência e monitoramento, ao disponibilizar o local, facilitando, várias vezes, minha permanência depois do horário de expediente, o que possibilitou o andamento da pesquisa. Além disso, agradeço ao pessoal da Copa D. Eleanor, da Biblioteca Magda, da Computação Gráfica Luiz Fernando e Ricardo, que sempre se mostrou solícito em proporcionar o meu bem-estar e operacionalizar procedimentos para agilizar o desenvolvimento de meus estudos; de todos os colegas do Grupo de Realidade Virtual Avançada (GRVA), com quem convivi durante todo esse tempo, trocando idéias e aprendendo muito com cada um, em especial, o Giordano, meu companheiro de dupla nos trabalhos requeridos das diversas disciplinas cursadas juntos; e do Jean, meu colega de faculdade, que, em momentos difíceis, sempre esteve presente para me incentivar e me ajudar na melhor condução da pesquisa. Foi fundamental, também, o papel de nossos professores, em especial: o Professor Mário Vidal, que foi o meu primeiro incentivador no sentido de promover a transição do Curso de Especialização uperior em Ergonomia Contemporânea (CEERG) para o Curso de Mestrado, tendo acompanhado a evolução deste projeto, além de ministrado algumas das disciplinas que compuseram o meu currículo; o Professor Aurélio, que me introduziu ao LAMCE, me convencendo de que eu poderia, com minha formação em Psicologia, realizar, na área Interdisciplinar, o Curso de Mestrado em Engenharia; o Professor Landau, que, como iv

5 coordenador do LAMCE, me abriu as portas, acreditando na efetiva contribuição que eu, como profissional de Psicologia, poderia fornecer para os estudos em Engenharia; o Professor Gerson, que, ao ministrar as aulas e nos acompanhar em cada etapa do Curso, possibilitou a troca de conhecimentos e experiências sobre assuntos comuns entre profissionais multidisciplinares, indicando, com sua simplicidade e sabedoria, caminhos para a atualização de todos, com informações e orientações técnicas que serviram de base para subsidiar os trabalhos, o que muito me ajudou na concretização desta dissertação; e a Professora Célia, que facilitou ao máximo a comunicação interna no LAMCE, encaminhando assuntos que precisavam ser resolvidos de imediato. Cabe agradecer, também, a participação indireta de chefias, colegas e amigos de trabalho, que sempre me incentivaram, apontando para a importância desta dissertação dentro do contexto da egurança de Vôo na aviação, e para a minha responsabilidade de torná-la pública. Em particular, às amigas Betti e Lolô, que sempre adotaram uma postura ética de firmeza de propósitos, colaborando, no início de minha carreira, para o meu processo de aprendizagem e amadurecimento profissional; à minha amiga Vera, exemplo de empreendorismo, dignidade e sinergia, que sempre esteve ao meu lado em momentos alegres e difíceis, me ensinando que não existem empecilhos quando, a cada momento, se tem tranquilidade e certeza do modo mais adequado de agir; aos eternos amiguinhos Marco e Marilene, com quem, junto com Vera, pude conviver profissionalmente e construir passagens inesquecíveis em minha vida, transformando o trabalho numa prática prazeirosa que até hoje é rememorada; a todo o pessoal da Divisão de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (DIPAA), onde trabalhei, entre eles os inesquecíveis João Luiz, Evandro e Rufino, que me receberam no etor e, aos poucos, forma me delegando responsabilidades no desempenho de atividades necessárias à consolidação da egurança de Vôo; ao atencioso Douglas, que me introduziu, oficialmente, à área de Fatores Humanos, confiando em minha competência técnica para realizar, entre outros projetos, o que ora se finaliza, sempre me respeitando como profissional e como pessoa; ao humano ilva Junior, e todo o pessoal da Gerência de Estudos de Ergonomia da Aviação Civil (GEEAC), que, num período crítico de mudanças organizacionais, se mostrou sensível em me acolher e agilizar os procedimentos necessários para a minha permanência no serviço; em especial, à minha amiga elma, referencial de knowhow em Psicologia na Aviação, que soube me receber como sua companheira de trabalho no Laboratório de Psicologia da GEEAC, me fazendo vislumbrar novos horizontes no campo da pesquisa e, especificamente, me orientando no delineamento e operacionalização v

6 adequados deste estudo; e, finalmente, ao nosso atual estagiário de psicologia, Diogo, que prestou grande auxílio no levantamento e disponibilização dos dados coletados. ão posso deixar de agradecer, ainda, a cada um de meus familiares, em particular, ao meu companheiro de sempre João Bosco, que colaborou, espontaneamente, durante todo o período que me dediquei à pesquisa, se sacrificando e abrindo mão de minha presença por sábados inteiros, por vezes, finais de semana e feriados, em troca, simplesmente, de respeito, compreensão e credibilidade em relação às minhas metas e ideais; ao meu pai e à minha mãe, que sempre souberam me educar, me proporcionando cultura, valores, princípios e crenças que muito contribuíram para o meu crescimento, tanto profissional como pessoal; aos meus queridos enteado e nora, irmãs e irmão, cunhada e cunhados, sobrinhas e sobrinhos, afilhadas, tias e tios, primas e primos; e aos meus entes queridos já falecidos, que, do seu jeito, nunca me abandonaram em minha missão aqui na Terra. A todos aqueles que participaram, direta e indiretamente, deste estudo, me auxiliando na concretização dos resultados que ora se apresentam. Por fim, agradeço às luzes divinas pela oportunidade de realizar esta pesquisa, e oro para que eu consiga transmitir os conhecimentos e as experiências adquiridas, bem como desenvolver a arte de saber ouvir e receber as atualizações naturais decorrentes do mundo globalizado em que nos inserimos, me dando flexibilidade, bom senso e equilíbrio para prosseguir e iniciar novos estudos e parcerias no contexto dos Fatores Humanos / Aspecto Psicológico em Aviação, com vistas a contribuir, o pouco que seja, com o crescimento de tão vasto e desafiador campo de atuação. vi

7 Resumo da Dissertação de mestrado apresentada à COPPE / UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Mestre em Ciências (M.c.). UMA PROPOTA METODOLÓGICA PARA TREIAMETO COMPORTAMETAL DE TRIPULATE BAEADA EM JOGO COMPUTACIOAI Lisia Maria Espinola da ilva Pacheco Cabral etembro / 2006 Orientador: Luiz Landau, D.c. Programa: Engenharia de Civil Esta dissertação apresenta uma proposta para a utilização de Metodologia baseada em Jogos Computacionais para 2ª. Fase do Treinamento em Gerenciamento de Recursos de Equipes (Corporate Resources Mangement CRM) / Prática, no que tange à avaliação de habilidades comportamentais de equipe durante a operação aérea. O trabalho pretende demonstrar que tal Metodologia, apesar de não apresentar uma fidelidade em relação ao ambiente de cabine e procedimentos de vôo, possui vantagens relativas ao baixo custo e à efetividade dos resultados, equiparadas a um simulador de missão completa, para este tipo de avaliação puramente comportamental, e não técnica. Isso poderá oferecer às organizações envolvidas com a atividade aérea uma maior facilidade na adoção deste tipo de Treinamento, voltado para a Abordagem Proativa em egurança de Vôo, e não apenas Reativa, no tratamento do erro humano em tripulações de vôo. Palavras-chaves: Fatores Humanos; Treinamento em CRM; egurança de Vôo; Aviação; imulação; Jogos Computacionais. vii

8 Abstract of dissertation presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of master. A METHODOLOGICAL PROPOITIO FOR TRAIIG OF CREW BEHAVIOR BAED O COMPUTER GAME Lisia Maria Espinola da ilva Pacheco Cabral eptember / 2006 Advisor: Luiz Landau, D.c. Program: Civil Engenering This dissertation presents a proposition for the use of a Methodology based on Computer Games, for the 2 nd. Phase of the Corporate Resource Management (CRM) Training / Practice, to evaluate team behavior skills during the flight operation. This Methodology, in spite of not having a high level of fidelity towards the flight environment and technical procedures, brings the advantage of presenting low costs and results efetiveness, equipared to a complete mission simulator, for this type of evaluation, purely behaviorist, and not technical. This may offer more facilities to issue this kind of Training involving organizations related to aviation operations, towards a Proactive afety Method, and not only a Reactive one, for the treatment of human error, considering the crew. Keywords: Human Factors; CRM Training; Aviation; afety; Flight imulation; Computer Games. viii

9 umário CAPÍTULO 1 DELIMITAÇÃO DO TEMA DA PEQUIA A proposta de dissertação Objetivo Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Planejamento e Hipóteses Procedimentos Metodológicos 15 CAPÍTULO 2 DEEVOLVIMETO Estudos anteriores Primeiro estudo: métodos e projetos representação de jogos para equipes: um método para a investigação da coordenação e da performance. (ALA & BOWER, 1992) egundo estudo: o valor de pesquisas em pequenos grupos para compreender as equipes (ALA, DRIKEL & WEZEY, 1992) Terceiro estudo: jogos de computador em aviação para o Treinamento em CRM (ALA & BAKER, 1993) Quarto estudo: o projeto e a execução do Treinamento em CRM) explorando os recursos disponíveis (ALA, RHODEIZER & BOWER, 2000) Quinto estudo: lições aprendidas da implementação do Treinamento em Gerenciamento de Recursos da Tripulação na Marinha (ALA, OER, MERKET, WALWAI & BERGODY, 2000) ituação Estudada Fundamentação teórica uporte ormativo Base Teórica 99 ix

10 2.4 Aplicação da Metodologia de Ação Ergonômica Demanda Gerencial Análise Global Análise Ergonômica Análise Focal Análise Focada Ações características Metodologia de Jogos Computacionais utilizando o Flight imulator Estudo Levantamento e Análise dos Dados Coletados Validação Restituição 204 CAPÍTULO 3 COIDERAÇÕE FIAI Análise dos objetivos e das hipóteses Conclusão Impressões e sugestões finais 210 REFERÊCIA BIBLIOGRÁFICA 212 ACRÔIMO 217 APÊDICE HITÓRICO DA AVIAÇÃO O COTEXTO MUDIAL EVOLUÇÃO DO TRAPORTE AÉREO DE HELICÓPTERO O BRAIL PREVEÇÃO E IVETIGAÇÃO DE ACIDEE AEROÁUTICO 250 AEXO METODOLOGIA DE JOGO COMPUTACIOAI UTILIZADO O FLIGHT IMULATOR 264 x

11 Lista de Figuras Figura 1 - Treinamento Baseado no Cenário 68 Figura 2 - Construção ocial Ação Ergonômica (VIDAL, 2001a) 107 Figura 3 - Índice de Tripulantes que Participaram do Estudo / Treinamento 146 Figura 4 - Índice de Tripulantes Técnicos que Participaram do Estudo / Treinamento 146 Figura 5 - Índice de Mecânicos que Participaram do Estudo / Treinamento 147 Figura 6: Índice de Tripulantes Técnicos (CB, pilotos) e Facilitadores em CRM que Participaram do Estudo / Treinamento 147 Figura 7: Distribuição da idade dos tripulantes (Grupos de Trabalho 4, 5 e 6) 156 Figura 8: Horas de vôo no equipamento 158 Figura 9: Horas de vôo geral 158 Figura 10: Conhecimentos sobre CRM 159 Figura 11: Realização da 1ª. Fase do Treinamento CRM / Conceitos Iniciais 161 Figura 12: Momento ideal para a realização do treinamento 162 Figura 13: Realização de Exercício Prático do CRM 169 Figura 14: Freqüência da Prática do CRM 172 Figura 15: Manuseio do Flight imulator 173 Figura 16: Dificuldade na Utilização do Flight imulator 174 Figura 17: Preparo para o Treinamento Prático no Flight imulator 176 Figura 18: Fatores de maior dificuldade 177 Figura 19: Interação no Vôo 178 Figura 20: Validade da utilização do Flight imulator no Treinamento 179 Figura 21: Atuação do Facilitador em CRM 181 Figura 22: ugestões de mlhorias na auação do Facilitador em CRM 182 Figura 23: Utilização do Flight imulator atende ao objetivo do Treinamento Prático 183 Figura 24: Cena e Variáveis Possibilitaram a Observação de Comportamentos de Equipe 184 xi

12 Figura 25: Distribuição da Idade dos Facilitadores em CRM (Grupo de Trabalho 3) 187 Figura 26: Horas de Vôo 188 Figura 27: Horas de vôo geral 189 Figura 28: Percentual Médio de Todas as Variáveis em cada Comportamento de Equipe 193 Figura 29: La Hélice de Leonardo da Vinci 238 Figura 30: Dispositivo de Launoy 239 Figura 31: Carruagem aérea de George Cayley 240 Figura 32: Máquina de Cossus of France 240 Figura 33: Helicóptero de Gustave Ponton D'Amecourt 241 Figura 34: Helicóptero de Enrico Forlanini 241 Figura 35: Modelo HELL Edwards e Hawkins 254 Figura 36: Modelo REAO, xii

13 Lista de Tabelas Tabela 1 - Amostra-Piloto ocasional de participantes no estudo / Treinamento 146 Tabela 2 - Levantamento do tempo do estudo / Treinamento por gradações / etapas 149 Tabela 3 - Distribuição do tempo do estudo / Treinamento no dia 150 Tabela 4 - eqüência ideal para a realização do estudo / Treinamento 154 Tabela 5 - Posto atual da tripulação 157 Tabela 6 - Grau de importância dos conceitos do CRM de maior aplicabilidade na vida profissional 164 Tabela 7 - Grau de importância dos conceitos do CRM de maior aplicabilidade na vida profissional 166 Tabela 8 - Grau de importância dos conceitos do CRM de maior aplicabilidade na vida profissional 168 Tabela 9 - Utilidade da Prática do CRM 170 Tabela 10: Tipo de exercício utilizado 171 Tabela 11: Utilização de outro tipo de Jogo Computacional de helicópteros 174 Tabela 12: Taxa Média Anual de Acidentes - Jan / 1998 a Dez / 2005 e Jan / 1998 a Jun / Tabela 13: Taxa Média Anual da Frota - Jan / 1998 a Dez / 2005 e Jan / 1998 a Jun / xiii

14 Lista de Quadros Quadro 1: Referências eleitas para a presente dissertação 17 Quadro 2: Escala de observação e avaliação da tripulação de vôo 22 Quadro 3: Recursos para melhorar o CRM 54 Quadro 4: Princípios elecionados Adaptados 63 Quadro 5: Princípios elecionados Adaptados para o Treinamento em CRM 64 Quadro 6: Guias do Treinamento em CRM 65 Quadro 7: Guias do Treinamento em CRM 66 Quadro 8: Áreas de habilidades de equipe 82 Quadro 9: Projeto do Treinamento em CRM 90 Quadro 10: Ações Características observadas na 2ª. Fase / Prática do CRM 137 Quadro 11: Diferenças entre a 2ª. Fase do CRM / LOFT e a nova Metodologia 138 Quadro 12: Recursos para a preparação do ambiente do estudo / Treinamento 143 Quadro 13: Instrumentos utilizados e analisados durante o estudo 155 xiv

15 1 PRÓLOGO Esta dissertação trata de abordar uma Metodologia de Jogos Computacionais voltada para a utilização na 2ª. Fase do Treinamento em Gerenciamento de Recursos de Equipes (Corporate Resource Management CRM), em tripulações de vôo. O Treinamento em CRM surgiu após a ocorrência de alguns acidentes, tradicionalmente, conhecidos (Tenerife, Dryden e Portland), em que se constatou que os seres humanos são, por natureza, imperfeitos e tendem a cometer erros, especialmente, sob condições de excesso de Carga de Trabalho, Estresse e Fadiga. O CRM veio, então, a se constituir numa ferramenta efetiva para a melhoria de habilidades comportamentais de equipe, a serviço da segurança operacional, porém, ainda imperfeita, não se esgotando em si mesma (HELMREICH & MERRITT, 2000). A evolução do Treinamento em CRM é expressa em termos de gerações, que, a partir de agora, serão comentadas. A 1ª. geração do CRM foi batizada com o primeiro Programa CRM constituído pela United Airlines, que se deu em 1982 (BLAKE & MOUTO, 1964 apud HELMREICH & WILHELM, 1999). CRM, na ocasião, significava gerenciamento de recursos de cabine (Cockpit Resource Management) e se baseava na técnica do Grid Gerencial, de natureza, puramente, psicológica, focando, apenas, o ambiente de cabine de vôo, com ênfase na mudança de estilos individuais de liderança e na correção de comportamentos individuais, tal como a falta de assertividade em pilotos mais jovens e o excesso de autoritarismo em pilotos mais antigos. Eram empregados jogos e exercícios relacionados à aviação para reforçar os conceitos disseminados, bem como o vôo de emergências no Treinamento Orientado para o Vôo de Linha (Line Oriented Flight Training - LOFT), em simulador, para treinar a mudança nas habilidades comportamentais. Entretanto, apesar da aceitação geral, o CRM encontrou a resistência de alguns pilotos, que achavam que o treinamento era uma tentativa de manipular suas personalidades (HELMREICH & MERRITT, 2000). A 2ª. geração do CRM surgiu a partir de um seminário promovido pela Administração acional do Espaço Aéreo (ational Air pace Administration AA), em 1986 (ORLADY & FOUHEE, 1987 apud HELMREICH & WILHELM, 1999), que resultou na mudança da nomeclatura de Treinamento de Recursos de Cabine (Cockpit Resources Management) para Treinamento de Recursos da Tripulação (Crew Resources Management), caracterizando o envolvimento, não apenas da tripulação técnica de vôo, constituída pelos pilotos, mas,

16 2 também, da tripulação comercial de cabine, constituída pelos comissários de bordo. De natureza orientada para a equipe, o primeiro Programa CRM desta geração foi desenvolvido pela Delta Airlines (BYRE & BLACK, 1993 apud HELMREICH & WILHELM, 1999), com ênfase em conceitos específicos relacionados à operação aérea, focados para a construção de equipe, sinergia, estratégias de briefing, Consciência ituacional, Gerenciamento do Estresse e Tomada de Decisão. Em 1990, surge a 3ª. geração do CRM, tentando integrar o Treinamento em CRM ao treinamento técnico, com ênfase em habilidades comportamentais em ambiente de cabine automatizada. O CRM começou a se estender a outros grupos envolvidos com a atividade aérea, tais como: atendentes de vôo, despachantes, pessoal de manutenção, Controladores de Tráfego Aéreo (CTA) etc. Ao invés de praticar apenas emergências, se ensaiava um vôo completo no Treinamento Orientado para o Vôo de Linha (Line Oriented Flight Training - LOFT) (HELMREICH & WILHELM, 1999). Ainda, em 1990, a Administração Federal de Aviação Civil (Federal Aviation Administration FAA) introduziu o Treinamento de Qualificação Avançada (Advanced Qualification Program - AQP) (BIRBACH & LOGRIDGE, 1993 apud HELMREICH & WILHELM, 1999), como um programa voluntário que permite adequar o desenvolvimento de treinamentos para cada tipo de equipamento às necessidades da organização. Em troca, requer a abordagem de tópicos de Fatores Humanos, consolidando a integração de CRM e LOFT ao treinamento técnico, bem como introduzindo a Avaliação Operacional de Linha (Line Operational Evaluation - LOE) em simulador, para a certificação formal de toda a tripulação. Incorpora ao simulador uma câmera de vídeo na qual se gravam as sessões para efetuar, posteriormente, o correspondente a um debriefing, quando os pilotos têm a possibilidade de se observarem, se autocriticarem e corrigirem alguma atitude que, antes, não tinham consciência (HELMREICH & WILHELM, 1999). Isso caracterizou a 4ª. geração do CRM, enfatizando comportamentos específicos em checklists de vôo, de forma a otimizar decisões e ações em situações imprevistas. Com exceção das 5ª. e 6ª. gerações do CRM, as demais gerações objetivam a redução do erro humano. Já a 5ª. geração busca o Gerenciamento do Erro (Error Management - EM), procurando evitar e isolar o erro, e, em último caso, mitigar suas conseqüências. Enquanto a 6ª. Geração busca o Gerenciamento do Erro e Ameaças (Threat and Error Mangement - TEM), que tem por base trabalhar ameaças, antes da ocorrência de erros. Ambas as 5ª. e 6ª. gerações consideram as culturas nacional, profissional e organizacional como influências na

17 3 cadeia de eventos que propicia o erro humano, com base no Modelo estabelecido por James Reason (REAO, 1990, 1997 apud HELMREICH & WILHELM, 1999). A principal diferença entre a 5ª. e a 6ª. geração é que uma (5ª. geração) se fundamenta em Abordagem Proativa, que se utiliza de registros / relatos de incidentes, como o Programa de Ação para Prevenção em Aviação (Aviation afety Action Program AAP) (FAA, 1997 apud HELMREICH & WILHELM, 1999), e programas de monitoramento de vôo, como ferramentas para o gerenciamento do erro; enquanto a outra (6ª. geração) se fundamenta em Abordagem Descritiva, que se utiliza de estudos e pesquisas, como instrumentos para a detecção de ameaças ao sistema de segurança, como forma de proteção, reduzindo, assim, os riscos existentes e, por conseguinte, a possibilidade de ocorrência de erros. Uma ameaça é definida como qualquer coisa que requeira da tripulação tempo-atenção-ação acima e além das tarefas de um vôo perfeito. Como exemplo de ameaças externas, tem-se: condições meteorológicas adversas, problemas de manutenção, problemas com passageiros, pressões operacionais, distrações, interrupções, problemas de comunicação (fraseologia) entre pilotos e CTA etc., provendo de fontes externas que aumentam as possibilidades de erro, caso não gerenciados apropriadamente. Assim sendo, o gerenciamento efetivo das ameaças reduz a complexidade do ambiente operacional, diminuindo o potencial de erro da tripulação. As estratégias, tanto pessoais quanto procedimentais, relativas aos Procedimentos Operacionais Padronizados (tandard Operational Procedures OP), necessitam ser empregadas consistentemente para que ameaças possam ser mais facilmente reconhecidas e gerenciadas. Comunicações interativas, vigilância, monitoramento e desafios são exemplos de estratégias de tempo integral que auxiliam os tripulantes na identificação das ameaças (HELMREICH & WILHELM, 1999). Todas as gerações do CRM retratam a evolução do conceito de erro nas organizações, refletindo o seu tipo de operação e cultura vigente, Quanto mais o conceito de erro avança nesta evolução, mais abrange os diversos segmentos envolvidos com a aviação, que podem contribuir com os resultados da segurança operacional. Assim sendo, é a 6ª. geração a que aborda o erro humano de forma mais efetiva. Contudo, a presente Metodologia de Jogos Computacionais, como aqui se apresenta, por sua natureza, se destina a atender, apenas, a tripulação técnica, constituída por pilotos e mecânicos de vôo, não se desrtinando, ainda, a todo o pessoal envolvido com a atividade aérea. Mas fica o desafio de, em breve, poder se adequar às características das mais recentes gerações, englobando todos os grupos que possuem interface, direta ou indireta, com a operação de vôo.

18 4 A presente dissertação tem, portanto, a finalidade de estabelecer uma metodologia computacional para o treinamento de equipes de trabalho em aviação, e, para isso, assim se estrutura: o primeiro capítulo será abordada a Delimitação do Tema da Pesquisa, especificando o tema da dissertação, os objetivos, o planejamento e as hipóteses, as justificativas e a consequente apresentação dos procedimentos metodológicos. Posteriormente, seguirá o detalhamento do estudo, através de seu Desenvolvimento, que consta de: estudos anteriores; situação estudada; fundamentação teórica e Metodologia de Ação Ergonômica, com todas as suas etapas. Para completar, poderá ser encontrada a finalização da dissertação com as Considerações Finais sobre a pesquisa, constituída de: análise dos objetivos e das hipóteses, bem como conclusão, incluindo impressões finais e sugestões. Alguns Apêndices ilustrativos serão disponibilizados, em complementação ao trabalho, quais sejam: histórico da aviação no contexto mundial; evolução do transporte aéreo de helicópteros no Brasil; aspectos da prevenção e investigação de incidentes e acidentes aeronáuticos ; Fatores Humanos / Aspecto Psicológico na prevenção de incidentes e acidentes aeronáuticos. Para finalizar, se poderá verificar o Anexo, contendo a apresentação da Metodologia de Jogos Computacionais utilizando o Flight imulator.

19 5 CAPÍTULO 1 DELIMITAÇÃO DO TEMA DA PEQUIA O meu ingresso no Curso de Mestrado em Engenharia Civil / Área Interdisciplinar de istemas Computacionais, do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação em Pesquisa e Engenharia (COPPE) / Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), começou com a busca de um up-grade que suprisse as minhas necessidades profissionais voltadas para a melhoria de processos e procedimentos em Fatores Humanos / Aspecto Psicológico, voltados para a prevenção e investigação de ocorrências aeronáuticas. Procurei cursos no campo da Psicologia, mas nada encontrei situado entre a Psicologia Clínica e a Psicologia Organizacional, que atendesse ao este propósito. Foi quando conheci uma psicóloga que lecionava no Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFRJ; e, ainda, reencontrei outra psicóloga, pesquisadora da área de Fatores Humanos / Aspecto Psicológico em aviação, hoje minha amiga e colega de trabalho, que estava, na ocasião, concluindo o Curso de Doutorado em Engenharia de Produção nesta mesma Universidade. Isso me serviu de estímulo para participar de duas seleções consecutivas, em 2001 e 2002, concorrendo para o Curso de Mestrado em Engenharia de Produção da UFRJ; contudo, apesar de bem sucedidos os resultados dos exames, não possibilitaram o meu ingresso, por falta de vagas. Logo após a primeira tentativa em 2001 resolvi, então, me inscrever no Curso de Especialização uperior em Ergonomia Contemporânea - CEERG, oferecido pela área de Engenharia de Produção da UFRJ, o qual comecei no início de 2002, que me proporcionou a oportunidade de realizar um trabalho prático, juntamente com profissionais de outras formações, uma fisioterapeuta e engenheiros, em determinada empresa de aviação, intitulado: Análise Ergonômica no Transporte Aeromédico. Este trabalho indicou algumas demandas que nortearam o tema deste trabalho, entre elas a de um maior investimento em treinamento para pilotos de helicóptero, especificamente, em Treinamentos de egurança de Vôo e Treinamentos em imulador. Paralelamente ao CEERG, participei, como observadora, de algumas aulas do Curso de Mestrado / Doutorado em Engenharia de Produção da UFRJ, onde tive a chance de conhecer um professor arquiteto, que me introduziu à Área Interdisciplinar de Engenharia Civil da UFRJ, onde acabei cursando a presente pós-graduação stricto-senso. Isso ocorreu, paralelamente, à minha segunda tentativa de ingressar no Curso de Mestrado em Engenharia de Produção, em 2002, e me possibilitou a realização deste novo trabalho.

20 6 1.1 A proposta de dissertação Minha proposta inicial de dissertação, em decorrência do trabalho prático realizado no CEERG, fora a de uma análise ergonômica para o desenvolvimento de um simulador nacional de helicóptero, uma vez que, no Brasil, a existência de simuladores de helicópteros é restrita, basicamente, ao imulador do BELL, no Centro de Treinamento da Marinha Brasileira (Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval - CIAA), em ão Pedro D Aldeia, Rio de Janeiro RJ (BRAIL, 2006d). Contatos foram realizados com a HELIBRA, empresa representante dos helicópteros da EUROCOPTER em nosso País, para a qual foi enviado o trabalho do CEERG. Estabeleci, também, contatos com diversos pilotos de helicópteros, que, apesar de confirmarem a demanda, apontaram para dois aspectos relevantes: a existência do Programa Flight imulator, facilmente comercializado em âmbito mundial, mas que não fornece a sensação de realidade que um simulador oferece em relação ao ambiente operacional e procedimentos de vôo; e a necessidade de haver fidelidade em relação à configuração real de cada equipamento e procedimento de vôo. É importante, ainda, destacar que, desde 2003, comecei a participar, como representante da DIPAA 1, onde trabalhava na ocasião, do Grupo de Trabalho (GT) para a regulamentação nacional do Treinamento em Gerenciamento de Recursos de Equipes (Corporate Resources Management CRM), o que resultou, até o momento, como produtos: na Instrução de Aviação Civil - IAC ( ), da Agência acional de Aviação Civil AAC, que se encontra em sua primeira revisão (IAC A, ); o Treinamento de Facilitador em CRM, que passou a ser oferecido pela AAC, para subsidiar as organizações na implantação do CRM; e o Treinamento em CRM para Inspeção na Aviação Civil, que passou a ser oferecido aos profissionais do próprio Órgão Fiscalizador, responsáveis pela orientação e fiscalização do CRM nestas organizações. Esta instrução oficializou a obrigatoriedade deste tipo de treinamento para: (...) todas as equipes que compõem uma organização envolvida na atividade aérea, tais como, mas não limitado a, tripulantes técnicos e de cabine, pessoal da manutenção, despachantes operacionais de vôo e de terra, pessoal de rampa, pessoal de check-in/check-out, alta direção, pessoal administrativo e outros segmentos (BRAIL, 2005g). 11 DIPAA: Divisão de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Segurança de Vôo: Uma Prioridade, e Algo Segurança de Vôo: Uma Prioridade, e Algo - Conceito de segurança de vôo: é a parte integral da operação eficiente, que nasce com o projeto, amadurece com o plano

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a MASTER ASSESSORIA EDUCACIONAL criou o Cursos de Mestrado e Doutorado em Administração, os quais procuram enfatizar

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação Métodos AULA 12 qualitativos: Pesquisa-Ação O que é a pesquisa-ação? É uma abordagem da pesquisa social aplicada na qual o pesquisador e o cliente colaboram no desenvolvimento de um diagnóstico e para

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO- OPERACIONAL STE

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO- OPERACIONAL STE REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO- OPERACIONAL STE INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 060-1002A TREINAMENTO EM GERENCIAMENTO DE RECURSOS

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os compromissos da ANAC relacionados

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS Jéssica Ayumi Uehara Aguilera 1 j.ayumi@hotmail.com Alessandra Querino da Silva 2 alessandrasilva@ufgd.edu.br Cintia da Silva

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais