AVALIAÇÃO E CICLO DE VIDA DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO E CICLO DE VIDA DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA AVALIAÇÃO E CICLO DE VIDA DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS: UMA PROPOSTA COM BASE NA ANÁLISE DO DESEMPENHO DO ALUNO Maria Cristina Azevedo Gomes Tese submetida à UNIVERSIDADE DE COIMBRA Para obtenção do grau de Doutor em Ciências de Engenharia na Área de Engenharia Informática COIMBRA 2

2

3 Tese realizada sobre a orientação da Professora Doutora Maria Teresa Ferreira Soares Mendes Professora Catedrática do Departamento de Engenharia Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

4

5 À Maria, Pedro e João Ao António A meus Pais

6 iv

7 v AGRADECIMENTOS À Professora Doutora Teresa Mendes pelas suas orientações e críticas, pela sua disponibilidade e incentivos e pelas entusiasmantes perspectivas de trabalho e aprendizagem que me proporcionou. À Professora Doutora Luísa Morgado pelo apoio decisivo que prestou na elaboração dos testes com os alunos. Ao Professor Doutor Jorge Valadares pelas esclarecidas reflexões que ofereceu para o desenvolvimento deste trabalho. À Maria João Silva pelo trabalho realizado em conjunto e pelo seu incansável apoio. À Professora Doutora Maria José Marcelino e Professor Doutor António Mendes pela forma como sempre me acolheram, ajudaram e incentivaram ao longo deste trabalho. Ao Doutor José António Albuquerque Santos e aos Alunos que participaram neste estudo pelo modo como aderiram e colaboraram nos testes realizados. À Clara Keating, pelas ajudas no Inglês, à Maria José Azevedo Gomes por ter esboçado o ecrã principal de Química na Cozinha e à Dalila Rodrigues pelo seu inestimável apoio. À Escola Superior de Educação e ao Instituto Politécnico de Viseu pela dispensa de serviço que usufruí, no âmbito do PRODEP. Ao Departamento de Engenharia Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra pelas condições de trabalho que me proporcionaram. Um agradecimento especial à minha família e amigos pelo apoio incondicional nos bons e menos bons momentos por que passámos ao longo deste trabalho.

8 vi

9 vii RESUMO A avaliação é um processo fundamental para o desenvolvimento e utilização de aplicações educativas informáticas. Embora a necessidade de considerar a inclusão de mecanismos de avaliação ao longo do ciclo de vida das aplicações seja amplamente recomendada, a complexidade deste domínio dificulta a sua concretização no terreno, de modo a promover uma efectiva integração entre os processos de desenvolvimento e utilização das aplicações e os processos de avaliação. Este trabalho pretende oferecer contributos para a avaliação das aplicações educativas, através do desenvolvimento de uma aplicação informática, FAADA Ferramenta de Apoio à Análise do Desempenho do Aluno -, que permita analisar o desempenho dos alunos enquanto trabalham com as aplicações. Face à dimensão do problema optou-se por limitar o presente estudo às aplicações educativas dirigidas para o ensino das ciências que envolvam ambientes hipermédia e de simulação. No desenvolvimento desta aplicação informática foram considerados vários domínios de investigação, tentando compatibilizar contribuições da área das Tecnologias da Informação e do Ensino das Ciências para a avaliação das aplicações educativas. Privilegiou-se uma abordagem exploratória e iterativa onde a concepção e implementação dos protótipos foi permeada por vários testes realizados com a população alvo. O desenvolvimento da aplicação Hiper_Lista uma ferramenta hipermédia de apoio à avaliação de aplicações educativas, bem como os estudos exploratórios, que se centraram na análise do desempenho dos alunos face a aplicações educativas disponíveis no mercado, fundamentaram uma reflexão sobre critérios gerais de qualidade das aplicações educativas para o ensino das ciências, e permitiram desenvolver um modelo genérico de avaliação. A concepção e desenvolvimento dos protótipos Química na Cozinha um ambiente integrado do tipo hipermédia e do tipo simulação- e FAADA, permitiram refinar e validar o modelo de avaliação proposto. As orientações que resultaram de vários testes realizados com a população alvo foram cruciais neste processo.

10 viii Pensamos que a facilidade de implementação e utilização de FAADA, aliada ao tipo de análise de desempenho dos alunos que faculta, providenciando informação que integra problemas de usabilidade e aprendizagem, podem ser um contributo importante para as equipas de concepção e desenvolvimento de aplicações educativas nas suas tarefas de avaliação, bem como para professores que recorram à utilização de aplicações informáticas em contextos de ensino/aprendizagem.

11 ix EXTENDED ASBTRACT Evaluation is a fundamental process for the design and use of educational software. Although it is widely recommended to include evaluation processes along the educational software life cycle, the complexity of this domain creates some difficulties in order to achieve a real integration of evaluation procedures, both into levels of development and actual use of the software. This work aims to improve the evaluation of educational software by developing an application, FAADA, that will allow us to analyse students performance while they work with the software. Because of the large dimension of this issue we decided to limit the present study to educational software for sciences, especially to those that involves hypermedia and simulation environments. In order to develop such application, we have considered contributions from the area of Information Technology and from the area of Science Education that tackled to the problem of educational software evaluation. We adopted an exploratory and iterative approach, permeating the design process with tests performed with students. The development of Hyper-List a tool to support the evaluation of educational software- and the tests that focus on students performance as they handled the educational software available, allowed us to reflect upon general principles of educational software quality and allowed us to design a generic evaluation model. The development of the prototypes Chemistry in the Kitchen an hypermedia and simulation integrated environment and FAADA helped to improve and validate the proposed evaluation model. The guidelines that emerged from several tests performed with the students became crucial to this process. FAADA is easy to use. It provides a straightforward way of analysing student s performance and it gathers information about usability and learning problems. In this sense we believe that this tool can contribute to the way in which educational software designer teams engage in their evaluations tasks. We also think that this type of tool can be useful for teachers that use software in educational contexts.

12 x

13 xi ÍNDICE DE MATÉRIAS RESUMO... vii EXTENDED ABSTRACT... ix ÍNDICE DE FIGURAS... xiv ÍNDICE DE TABELAS... xviii 1 INTRODUÇÃO DAS MOTIVAÇÕES AO OBJECTIVO CENTRAL DO ESTUDO DO CONTEXTO ÀS LINHAS DE ORIENTAÇÃO GERAIS DO ESTUDO ESTRUTURA DA TESE E TERMINOLOGIA AVALIAÇÃO E ENSINO DAS CIÊNCIAS INTRODUÇÃO EM TORNO DA AVALIAÇÃO Avaliar para quê? Avaliar o quê? Avaliar como? A AVALIAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS Do produto aos processos A utilização do computador na avaliação no ensino das ciências REFLEXÕES FINAIS AVALIAÇÃO E APLICAÇÕES EDUCATIVAS INTRODUÇÃO EM TORNO DO PROBLEMA DA AVALIAÇÃO DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS CARACTERÍSTICAS DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS: UMA PERSPECTIVA DE ENQUADRAMENTO Questões pedagógicas Do objectivismo ao construtivismo Da dicotomia à complementaridade Reflexões sobre implicações na avaliação Interfaces e usabilidade Interfaces e usabilidade nas aplicações interactivas genéricas Interfaces e usabilidade nas aplicações educativas CICLO DE VIDA DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS E AVALIAÇÃO Desenvolvimento e avaliação Intervenientes e papéis METODOLOGIAS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS Técnicas de avaliação na etapa de análise de tarefas e utilizadores Técnicas de avaliação na etapa de concepção e implementação Técnicas de avaliação na etapa de evolução REFLEXÕES FINAIS... 97

14 xii 4 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO, LINHAS ORIENTADORAS E OPÇÕES CENTRAIS HIPER_LISTA : UMA FERRAMENTA DE APOIO À AVALIAÇÃO DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS PARA O ENSINO DAS CIÊNCIAS Motivações e objectivos para o desenvolvimento da Hiper_Lista Metodologia de concepção e desenvolvimento Descrição da Hiper_Lista Utilização da Hiper_Lista para avaliar aplicações para o ensino das ciências da natureza ESTUDOS EXPLORATÓRIOS SOBRE O DESEMPENHO DOS ALUNOS Estudos exploratórios num ambiente de simulação Estudos exploratórios num ambiente hipermédia PROPOSTA DE UM MODELO DE AVALIAÇÃO SÍNTESE DESENVOLVIMENTO DOS PROTÓTIPOS INTRODUÇÃO PROTÓTIPO QUÍMICA NA COZINHA Estratégia de desenvolvimento e selecção de conteúdos Selecção da ferramenta de implementação Esboço do protótipo Química na Cozinha O ambiente hipermédia Descrição do ambiente hipermédia Testes realizados no ambiente hipermédia Reflexões sobre os resultados obtidos no ambiente hipermédia O ambiente de simulação Descrição do ambiente de simulação Testes realizados no ambiente de simulação Reflexões sobre os resultados obtidos no ambiente de simulação PROTÓTIPO DA FERRAMENTA DE APOIO À ANÁLISE DO DESEMPENHO DO ALUNO FAADA Descrição do protótipo Potencialidades e limitações na extensão e generalização da FAADA SÍNTESE TESTES DE AVALIAÇÃO DOS PROTÓTIPOS INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DOS TESTES Objectivos População Alvo Metodologia RESULTADOS DO PRIMEIRO MOMENTO DE AVALIAÇÃO, PRIMEIRA TAREFA: PESQUISAR INFORMAÇÃO NO QUÍMICA NA COZINHA Resultados dos escritos

15 xiii Análise individualizada dos desempenhos com a FAADA Exemplo para quatro alunos Síntese de alguns aspectos para todos os alunos Comparação entre os resultados escritos e a análise com a FAADA Análise global com a FAADA Comentários RESULTADOS DO PRIMEIRO MOMENTO DE AVALIAÇÃO, SEGUNDA TAREFA: INVESTIGAR RELAÇÕES ENTRE VARIÁVEIS NO QUÍMICA NA COZINHA Resultados dos escritos Análise individualizada dos desempenhos com a FAADA Exemplo para quatro alunos Síntese de alguns aspectos para todos os alunos Comparação entre os resultados escritos e a análise com a FAADA Análise global com a FAADA Comentários RESULTADOS DO SEGUNDO MOMENTO DE AVALIAÇÃO. TESTES ESCRITOS COMPARAÇÃO ENTRE OS TESTES ESCRITOS E ANÁLISE DE DESEMPENHO NO AMBIENTE DE SIMULAÇÃO Classificação do desempenho dos alunos Análise de correlação entre os dois momentos de avaliação Comentários CONCLUSÕES CONCLUSÃO DO OBJECTIVO CENTRAL ÀS PERSPECTIVAS DE TRABALHO EXPLORADAS CONTRIBUIÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DAS APLICAÇÕES EDUCATIVAS Uma abordagem integradora Apoio na fase de desenvolvimento das aplicações educativas Apoio na fase de evolução das aplicações educativas DOS LIMITES DESTE ESTUDO ÀS PERSPECTIVAS DE TRABALHO CRIADAS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO 1 TEXTOS INCLUÍDOS NO GLOSSÁRIO DA HIPER_LISTA ANEXO 2 MODELO UTILIZADO NO AMBIENTE DE SIMULAÇÃO ANEXO 3 ECRÃS DO PROTÓTIPO QUÍMICA NA COZINHA ANEXO 4 EXEMPLO DE RELATÓRIO DO DESEMPENHO DE UM ALUNO ANEXO 5 TAREFAS PARA O PROTÓTIPO QUÍMICA NA COZINHA ANEXO 6 TESTES ESCRITOS... 29

16 xiv ÍNDICE DE FIGURAS Figura 2.1 Mapa de conceitos sobre tipos de precipitação atmosférica. Adaptado de (Moreira e Buchwietz, 1993, p. 29) Figura 2.2 O Vê epistemológico de Gowin. Adaptado de (Moreira e Buchwietz, 1993,p. 89) Figura 3.1 Questões relacionadas com a avaliação da utilização das tecnologias da informação Figura 3.2 Questões relacionadas com várias etapas da avaliação das aplicações educativas Figura 3.3 Alguns paradigmas de classificação das aplicações educativas Figura 3.4 Modelo genérico do ciclo de vida de uma aplicação educativa Figura 3.5 Intervenientes e papéis no ciclo de vida de uma aplicação educativa Figura 3.6 Modelo de avaliação da integração das tecnologias da informação proposto por Seidel e Perez e adaptado de (Seidel e Park, 1994, p 12) Figura 3.7 Exemplo de uma matriz de avaliação. As perguntas formuladas e as técnicas sugeridas não são standard, mas sim formuladas para um projecto concreto. Adaptado de (Reeves, 1998) Figura 3.8 Modelo de avaliação hamburger, adaptado de (Clark e Peté, 1997, p. 1287) Figura 3.9 Técnicas de avaliação ao longo do ciclo de vida de uma aplicação educativa Figura 4.1 Domínios onde se pretende contribuir com o modelo de avaliação Figura 4.2 Definição de contextos de utilização na Hiper-Lista Figura 4.3 Apresentação de critérios gerais de qualidade para o elemento estratégias. O acesso a critérios mais detalhados faz-se através do triângulo azul Figura 4.4 Especificação de critérios de qualidade. Pode-se voltar a critérios mais gerais através do triângulo azul ou navegar para outro elemento através das palavras chave Figura 4.5 Consulta do critério conhecimentos para dois elementos da aplicação em simultâneo, Estratégias e Objectivos Figura 4.6 Ideias sobre Estratégias. Estas ideias que são acedidas através da estrela amarela, são dadas de acordo com o contexto de utilização especificado Figura 4.7 Ecrã do ambiente de simulação da aplicação Ratos em Movimento Figura 4.8 Ecrã da aplicação The Way Things Work com exemplos assinalados a azul dos vários tipos de interacção considerados Figura 4.9 Percentagem de interacções feitas pelos alunos nos temas gerais, na aplicação The Way Things Work, na segunda sessão de trabalho Figura 4.1 Percentagem de interacções feitas pelos alunos nos conceitos chave, outros conceitos e neutros, na aplicação The Way Things Work, na segunda sessão de trabalho Figura 4.11 Percentagem de interacções feitas pelos alunos por níveis de aprofundamento dos conceitos, na aplicação The Way Things Work, na segunda sessão de trabalho Figura 4.12 Percentagem de interacções feitas pelos alunos por estilos de navegação, na aplicação The Way Things Work, na segunda sessão de trabalho Figura 4.13 Ligações entre os temas gerais da aplicação The Way Things Work para o grupo A na segunda sessão de trabalho Figura 4.14 Pedaço do mapa de desempenho do grupo A na segunda sessão de trabalho com a aplicação The Way Things Work Figura Classificação das interacções e dos acontecimentos segundo o modelo de avaliação proposto

17 xv Figura 4.16 Parte do mapa da aplicação The Way Things Work onde estão explícitos os conceitos tratados, as estratégias utilizadas e os media associados Figura 5.1 Temas principias implementados no protótipo Química na Cozinha. As caixas a cinzento apontam algumas pistas de expansão do protótipo Figura 5.2 Ecrã de entrada no protótipo Química na Cozinha Figura 5.3- Ecrã principal de Química na Cozinha. A vermelho estão assinaladas as várias hipótese de iniciar a exploração do protótipo Figura 5.4 Ecrã de ajuda de Química na Cozinha Figura 5.5 Janela do Livro. Se o aluno fizer seleccionar o fundo regressa ao ambiente inicial, se seleccionar um dos temas avança para outra janela de informação Figura 5.6 Ecrã tipo de apresentação de informação. No caso concreto a janela é acedida através do pote de sal que se encontra no ambiente da cozinha Figura 5.7 Exemplo de navegação por palavras-chave, que permitem aceder a informação mais específica em janelas mais pequenas Figura 5.8 Funções dos vários ícones de navegação Figura 5.9 Utilização da lente para visualizar outros níveis de representação do sal (NaCl). Para cada escala aparece uma legenda com palavras chave que dão acesso a conceitos relacionados Figura 5.1 Atribuição das propriedades à página do conceito sal, e a um objecto, neste caso uma palavra-chave, tal como especificado no modelo de avaliação Figura Exemplos de possíveis percursos nas versões A e B do protótipo Química na Cozinha 155 Figura Tempo (m) gasto em cada uma das versões do protótipo. A cor cinza distingue as situações em que a versão foi trabalhada pela 2ª vez Figura 5.13 Percentagem de interacções por estilo de navegação para as sessões de trabalho com a versão A e a versão B do protótipo Química na Cozinha Figura 5.14 Média da percentagem das intercações feitas pelos alunos por estilo de navegação nas duas versões do protótipo Química na Cozinha e na 1ª e 2ª vez que trabalharam com o protótipo Figura Percentagem de interacções por níveis de aprofundamento dos conceitos para as sessões de trabalho com a versão A e a versão B do protótipo Química na Cozinha 159 Figura 5.16 Média da percentagem das intercações feitas pelos alunos por níveis de aprofundamento dos conceitos nas duas versões do protótipo Química na Cozinha Figura 5.17 Ecrã do ambiente de simulação Figura 5.18 Hipóteses de visualização dos resultados dos ensaios. Os alunos podem optar por ver os resultados em tabelas ou em gráficos Figura 5.19 Visualização dos resultados numéricos do último ensaio e dos gráficos dos vários ensaios Figura 5.2 Visualização dos resultados numéricos de uma série de ensaios Figura 5.21 Nº de ensaios, Nº de série de ensaios e variação dos valores das variáveis entre dois ensaios consecutivos, efectuados pelos alunos no ambiente de simulação Figura 5.22 Nº de interacções e tempo (s) despendido pelos alunos nas tabelas e nos gráficos do ambiente de simulação Figura 5.23 Ecrã de apresentação da ferramenta FAADA Figura 5.24 Abertura dos ficheiros

18 xvi Figura 5.25 Definição do tipo de análise de desempenho dos alunos a realizar Figura 5.26 Marcação dos conceitos chave no mapa de conceitos. Por um duplo click os conceitos passam a azul, marcados, ou a branco, não marcados Figura 5.27 Visualização dos resultados em Pesquisar Informação Figura 5.28 Visualização de resultados em Simular Figura 5.29 Composição de relatórios sobre o desempenho dos alunos para impressão Figura 5.3 Exemplo de um ecrã de ajuda da ferramenta FAADA Figura 6.1 Sessão de trabalho do primeiro momento de avaliação. Os alunos trabalharam individualmente com o protótipo Química na Cozinha Figura 6.2 Ecrã da FAADA de definição dos conceitos relevantes para a execução da primeira tarefa sobre colóides Figura 6.3 Tempo gasto pelos alunos A, B, C e D nos vários tipos de conceitos, na primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.4 Tempo gasto pelos alunos A, B, C e D nos vários níveis de conceitos, na primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.5 Relação entre o número de entradas em cada uma das formas possíveis de iniciar a pesquisa de informação para os alunos A, B, C e D, na primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.6 Estilos de navegação adoptados pelos alunos A,B,C e D, na primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.7 Objectos com que os alunos, A, B, C e D iteragiram, na primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.8 Tempo médio e média do número de interacções nos vários temas, para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.9 Tempo médio e média do número de interacções nos vários tipos de conceitos, para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.1 Número de entradas em cada uma das formas possíveis de iniciar a pesquisa de informação,para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha,para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.11 Tempo e nº de interacções para cada uma das estratégias, para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.12 Estilos de navegação e interacções por objectos para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.13 Número de interacções inconsequentes e consequentes para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.14 Aspecto do ambiente de simulação para a realização da segunda tarefa Figura 6.15 Tempo gasto pelos alunos E, F, G e H nos vários tipos de conceitos, na segunda tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.16 Tempo gasto pelos alunos E, F, G e H nos vários tipos de estratégias para a segunda tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura 6.17 Número de ensaios, número de séries de ensaios e controlo das variáveis para os alunos E, F, G e H, na segunda tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha

19 xvii Figura Tempo dedicado pelos alunos E, F, G e H na visualização dos resultados em formato de tabela ou em formato gráfico, para a segunda tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha Figura Tempo médio e média do número de interacções para a segunda tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.2 Estilos de navegação e interacções por objectos para a segunda tarefa, realizada no protótipo Química na Cozinha, para globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.21 Número de ensaios, número de séries e controlo de variáveis, na segunda tarefa para a globalidade dos alunos (N=46) Figura 6.22 Tempo e número de interacções médias nos vários tipos de representação do ambiente de simulação do protótipo Química na Cozinha,na segunda tarefa, para a globalidade dos alunos (N=46)

20 xviii ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1.1 Caracterização dos alunos envolvidos em cada uma das etapas deste estudo Tabela 2.1 Síntese de algumas estratégias alternativas de avaliação no ensino das Ciências Tabela 2.2 Síntese de algumas utilizações do computador na avaliação no ensino das Ciências Tabela 3.1 Ideias chave das teorias de aprendizagem objectivistas e construtivistas e implicações na concepção de aplicações eductivas Tabela 4.1 Lista das aplicações analisadas Tabela 4.2 Critérios de avaliação para estratégias hipermédia e de simulação Tabela 4.3 Aplicações analisadas no segundo momento de utilização da Hiper_Lista Tabela 4.4 Textos de apresentação de exemplos de aplicações hipermédia e de simulação Tabela 4.5 Desempenho dos alunos face à identificação e relação entre tipos de representação Tabela 4.6 Classificação adoptada na codificação dos registos das sessões de trabalho com a aplicação The Way Things Work Tabela 4.7 Classificação das interacções com base nas estratégias de navegação associadas Tabela 4.8 Proposta de tratamento dos dados sobre o desempenho do aluno Tabela 5.1 Ficheiro do desempenho do aluno gerado pelo protótipo Tabela 5.2 Respostas dos alunos na entrevista realizada após a sessão de trabalho com as duas versões do protótipo Química na Cozinha Tabela 5.3 Média das percentagem de interacções irrelevantes feitas pelos alunos nas versões A e B do protótipo Química na Coiznha Tabela 5.4 Síntese do desempenho dos alunos face à interface do ambiente de simulação Tabela 5.5 Síntese das respostas dos alunos sobre as dificuldades sentidas na interface Tabela 5.6 Síntese das ideias dos alunos sobre a relevância do protótipo para ensinar química Tabela Média das percentagem de interacções inconsequentes feitas pelos alunos no ambiente de simulação do protótipo Química na Coiznha Tabela 6.1 Caracterização da população alvo Tabela 6.2 Momentos de Avaliação Tabela 6.3- Resultados dos testes escritos para primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha, (N=46) Tabela 6.4 Histórico dos conceitos visitados, nº de interacções feitas (i), e tempo despendido (t) em cada conceito, para os alunos A,B,C e D na primeira tarefa Tabela 6.5 Nº de associação entre conceitos para os alunos A, B, C e D, para a primeira tarefa realizada no protótipo Química na Cozinha... 2 Tabela Resultados gerais da exploração do protótipo Química na Cozinha para a primeira tarefa (N=46) Tabela 6.7 Relação entre o desempenho no papel e no protótipo Química na Cozinha para a primeira tarefa, para a globalidade dos alunos (N=46) Tabela 6.8- Resultados dos testes escritos para a segunda tarefa (N=46) Tabela 6.9 Relação entre valores inicias dos ensaios e visualização dos resultados, para os alunos E, F, G e H, na segunda tarefa

21 xix Tabela 6.1 Resultados gerais da exploração do protótipo Química na Cozinha para a segunda tarefa (N=46) Tabela 6.11 Relação entre o desempenho dos alunos no papel e no protótipo para a segunda tarefa (N=46) Tabela 6.12 Resultados obtidos pelos alunos no teste escrito no segundo momento de avaliação (N=45) Tabela 6.13 Critérios de classificação do desempenho dos alunos na segunda tarefa no protótipo Química na Cozinha Tabela 6.14 Classificações para o desempenho dos alunos na segunda tarefa com o protótipo Química na Cozinha (N=45) Tabela 6.15 Correlações entre os vários dados dos dois estudos realizados. Teste escrito e desempenho no protótipo Química na Cozinha para a segunda tarefa Tabela Valores inicias dos ensaios e visualização dos resultados, para o aluno que obteve uma relação entre as classificações de 1/

22 1 Um cínico é aquele que sabe o preço de tudo e o valor de nada Oscar Wilde em Lady Windermere s Fan 1- INTRODUÇÃO 1.1 Das motivações ao objectivo central do estudo A ideia de desenvolver um trabalho sobre avaliação de aplicações educativas resultou de uma trama de motivações, enlaçadas em diversas fontes, como a área das Tecnologias da Informação e a área do Ensino das Ciências, inevitavelmente permeadas por experiências e vivências acumuladas num trajecto pessoal percorrido. O notável desenvolvimento das Tecnologias da Informação a que assistimos tem produzido impactos significativos na nossa sociedade, na forma como trabalhamos, como vivemos o nosso quotidiano, como nos relacionamos, como aprendemos. Estas mutações que experimentamos e que adivinhamos, geram uma diversidade de sentimentos que vão desde a euforia provocada pelas fantásticas potencialidades que as Tecnologias da Informação encerram, até ao constrangimento e desalento provocados pela vertigem do seu desenvolvimento, sem tempos para apreender, amadurecer e interiorizar tudo aquilo que nos é oferecido. No contexto da Educação o percurso traçado na utilização das Tecnologias da Informação nem sempre tem correspondido aos desafios que a sociedade coloca. A Escola que deveria ser espaço privilegiado de inovação, criatividade e de construção do futuro, tem resistido aos ventos de mudança que a assolam, mas que se esvanecem nas suas estruturas rígidas, alicerçadas no problema do cumprimento dos currículos, na inadequação da organização dos espaços e recursos, numa cultura tradicional sobre o que é ensinar e aprender. Não queremos, com isto, afirmar que a Escola nada tem feito no sentido de promover a integração das Tecnologias da Informação, antes realçar que os caminhos percorridos assumem, ainda, uma expressão tímida, que não explora e agarra as múltiplas oportunidades que lhe são oferecidas. De facto, podemos destacar algumas orientações para a integração das Tecnologias da Informação, em que a Escola tem particularmente investido.

23 2 Capítulo 1 Os esforços que reconhecidamente a Escola tem feito, no sentido de promover uma literacia informática, decididamente meritórios e importantes para a formação dos futuros cidadãos, devem ser considerados apenas como um primeiro patamar que não desvie a atenção das imensas potencialidades que as Tecnologias da Informação oferecem no contexto dos processos de ensino/aprendizagem. Paradoxalmente esta intenção de ensinar sobre como utilizar os computadores, assemelha-se a um regresso ao futuro, onde o computador se integra pacificamente nas práticas tradicionais de ensino/aprendizagem, sem despertar grandes necessidades de inovar e reinventar esse futuro. Não podemos deixar de referir o investimento que tem sido feito nos últimos anos, nomeadamente no nosso país, no sentido de integrar as potencialidades oferecidas pela Internet no contexto educativo. A Internet é provavelmente um dos avanços tecnológicos que maiores impactos tem provocado na nossa sociedade, proporcionando o acesso a uma imensidão de recursos, facilidades de comunicação entre pessoas, ou oportunidades únicas de divulgação de informação, a que a Escola terá inevitavelmente de corresponder. Outra vertente onde a Escola tem investido prende-se com a utilização de aplicações interactivas educativas em vários domínios do conhecimento, que podem impulsionar mudanças significativas na vida das Escolas. Sinal deste movimento é o aumento considerável de vários títulos disponíveis no mercado, distribuídos sobretudo em Cd- Rom, muitos deles desenvolvidos em português. Do nosso ponto de vista, a oferta deste mercado emergente ainda supera a procura, se considerarmos a real utilização que se faz destes títulos na Escola. No entanto persiste uma determinação de investimento neste domínio por vários agentes económicos e educativos, numa antecipação do que será o futuro das nossas Escolas, ou, talvez, numa aposta noutro mercado, esteio da chamada Escola paralela, realidade que começa a ganhar contornos, mas de que ainda não conseguimos retirar ilações claras sobre as suas reais consequências. Vivemos tempos de efervescente inovação, onde o computador assume um papel preponderante na sociedade, mas ainda não suficientemente integrado por forma a evitar tensões pessoais e sociais. Como Weiser (1995) afirma, as tecnologias mais poderosas são aquelas que desaparecem, no sentido em que a sua presença se esbate no ambiente envolvente. Nesta linha, as Tecnologias da Informação têm evoluído no sentido de

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

PROJECTO. Portal Português de Ciência e Cultura Científica. www.mocho.pt. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

PROJECTO. Portal Português de Ciência e Cultura Científica. www.mocho.pt. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra PROJECTO @BANDA.LARGA Portal Português de Ciência e Cultura Científica www.mocho.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Relatório de Circunstância/ Síntese Coimbra, 10 de Março

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 RESUMO O autor sistematiza neste texto alguns contributos para a elaboração de um projecto

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico.

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. ENTIDADE FORMADORA Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. Escola EB 2,3 Irmãos Passos Guifões 5, 7, 12, 14

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING Anna Guerman, Humberto Santos, Pedro Dinis Gaspar, António Espírito Santo, Cláudia Santos Universidade da Beira

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009 1 INSTITUTO PIAGET Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET/VISEU (Decreto n.º 33/2002, de 3 de Outubro) ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II (SERVIÇOS HOSPITALARES) 4.º

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES

JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES Projecto O Computador no Jardim-de-Infância JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES JARDIM INFÂNCIA BAIRRO DA LUZ JARDIM INFÂNCIA PÓVOA DO MILEU JARDIM INFÂNCIA TORREÃO 1- Designação

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES 5.1. Introdução Neste último capítulo, pretendemos esboçar as principais conclusões sobre os resultados obtidos na investigação orientada para o objectivo

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos Resumo A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos e utilizadores apresenta-se uma metodologia de concepção de cursos, que poderia ser utilizada pelos

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Helpdesk - Um Mensageiro Escolar

Helpdesk - Um Mensageiro Escolar Helpdesk - Um Mensageiro Escolar Aquiles Boiça 1, João Paiva, 2 1 Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (Portugal), boica@prof2000.pt http://portal-escolar.com 2 Centro de Física Computacional

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005.

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005. USO DE SITES VISANDO A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE FÍSICA NO CURSO SEMIPRESENCIAL DA EJA INTRODUÇÃO Francinaldo Florencio do Nascimento Governo do Estado da Paraíba fran.nice.fisica@gmail.com Vivemos

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST

GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST 1. TRAMITAÇÃO DE DISSERTAÇÃO/PROJECTO... 2 2. INFORMAÇÃO A INTRODUZIR NO SISTEMA FÉNIX... 4 3. CONFIDENCIALIDADE...

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais